Você está na página 1de 7

Veja Rio on-line Page 1 of 7

Armário de cara nova


Do vestido de baile ao colar, onde reformar
peças que estavam fora de uso
Fátima Sá e Lívia de Almeida

André Nazareth/Strana

Esperanza acerta o blazer de Marilda: caimento perfeito

Nos tempos da vovó, havia em toda família algum parente


prendado que fazia as vezes de costureiro. Era quem dava
solução para bainhas desmanchadas, bolsos furados e peças
encalhadas no armário. Com o tempo, a habilidade foi
sumindo. E o carioca se acostumou a descartar muita coisa
de seu guarda-roupa. Tremendo desperdício. Existem
profissionais de mão-cheia, capazes de dar jeito em quase
tudo. Muitos dedicam-se a consertos de emergência e
chegam a fazer bainhas em até quinze minutos. Outros
promovem reformas completas, transformando o blazer
largão, com ares de anos 80, em um casaquinho cinturado
perfeito para o inverno 2004. "As roupas ficam exatamente
do meu jeito. Mudo a boca da calça, ajeito o cós, aperto o
casaco. Aproveito melhor o guarda-roupa", conta a ex-
funcionária pública Marilda Porto Soares, cliente há sete
anos da oficina de Esperanza Crespi, em Ipanema.

Que ninguém pense que as benesses são restritas aos


cabides. Sapatos, bolsas, malas, cintos e carteiras também
podem ganhar vida nova. Uma sandália impecável que
perdeu o viço com o uso rejuvenesce com troca de salto e
reparo do couro. Cansou do sapato? É só mandar forrar. A
mala perdeu a rodinha? Troque. A rodinha apenas,
naturalmente. E se o cinto com aquela fivela que você adora
arrebentou, faça um novo, mas aproveite a fivela. A jóia
antiga que foi herdada da avó não precisa passar o resto da
vida na gaveta. Há ateliês e joalherias que reformam peças,
emprestando um design mais atual para elas. Outros soldam
correntinhas que arrebentaram, consertam fechos,
restauram jóias. E há até quem, nos dias de hoje, se
dedique a cuidar de chapéus. O que é bom merece uma
segunda chance. Afinal, nada mais elegante do que tirar
proveito do que se tem. Ainda mais agora, quando a moda
respira ares do passado, os brechós ganham status de grife
e o estilo vintage invade as vitrines. "O antigo nunca foi tão
moderno", diz o produtor de moda Rogério S. Veja Rio
visitou sapatarias, oficinas, ateliês e armarinhos e montou o
mapa da mina das reformas e consertos. Aproveite.

ROUPAS

Com agulha, linha e mãos de fada, é possível


fazer verdadeiras mágicas. Calça comprida
vira saia. Casaco muda de cor. Blazer dos
anos 80 perde ombreiras largas e ingressa
no século XXI. Oficinas como a Faz & Refaz e
a de Esperanza Crespi ajudam a manter
atualizadas aquelas peças que você adora e
não quer deixar no fundo do armário. Outras como a
Pecatto, o Atelier MHM e a Sellkit são uma mão na roda para
resolver rapidamente probleminhas do dia-a-dia, como
bainhas e troca de zíper.

ALFAIATE MÁGICO
Largo do Machado, 11, loja H,
2285-1148;
Rua Barata Ribeiro, 396,
sobreloja 204,
2255-0599. 8h/18h (seg. a
sex.) e 8h/15h (sáb.).

Paulo Soares comanda a oficina


desde 1964, quando abriu as Cláudia Martins/Strana

http://veja.abril.com.br/vejarj/210704/capa.html 6/11/2010
Veja Rio on-line Page 2 of 7

portas no Catete, fazendo


roupas sob medida. Os
consertos e as reformas
acabaram virando sua
especialidade. Na matriz do
Largo do Machado e na filial de
Copacabana faz-se de tudo um
pouco: apertam-se calças (R$
20,00) e fazem-se bainhas (a
partir de R$ 10,00) e
cerzimento invisível (a partir de
R$.30,00).

ATELIER MHM
Rua Visconde de Pirajá, 595, Paulo, do Alfaiate Mágico:
sala 214, 2274-1508. 9h/18h tradição
(seg. a sex.) e 9h/13h (sáb.).

Faz de tudo um pouco, de ajustes no tamanho (a partir de


R$.8,00) e colocação de elástico (a partir de R$ 6,00) a
atualização dos modelos. É o endereço para quem está com
pressa de fazer bainhas: entrega em uma hora (a partir de
R$ 5,00).

CERZIDEIRA MALHEIROS
Rua Siqueira Campos, 53/502. 9h/18h (seg. a sex.) e
9h/12h (sáb.).

A arte de cerzir, disfarçando imperfeições e desgastes do


tecido, está quase extinta. A oficina em Copacabana faz o
trabalho há quarenta anos e tem entre suas especialidades o
cerzido invisível (a partir de R$ 30,00), indicado para
tecidos como algodão, linho e lã. Faz também reformas e
consertos em geral e entrega em domicílio.

DEVELLY
Rua Cabuçu, 46, Lins de Vasconcelos, 2501-7289. 8h/18h
(seg. a sex.).

Há 75 anos no ramo, essa tinturaria é referência para


tingimentos. Trabalha até com tecidos finos e complicados,
como a seda e as rendas. Pela cidade afora, existem mais
de 200 lojas conveniadas, que coletam as roupas e as
enviam às instalações no Lins de Vasconcelos. Na matriz, o
tingimento sai a partir de R$ 8,00 por peça. Alguns postos
de coleta: Lave Magic (Rua Djalma Ulrich, 298, Copacabana)
e Dry Clean Leblon (Rua General Urquiza, 7/156).

Cláudia Martins/Strana

DONA AGULHA
Avenida Nossa Senhora de
Copacabana, 978, subsolo, loja
104, Copacabana, 3813-
0755. 9h/19h (seg. a sex.) e
9h/13h (sáb.).

Ideal para pequenos consertos


e emergências corriqueiras. Há
quatro anos nesse endereço,
abriu pouco tempo atrás uma
filial no Lido. Nos dois locais, faz
qualquer tipo de bainha em até
uma hora por R$ 10,00. Em
prazos maiores, troca elástico
de maiô (a partir de R$ 15,00) Agulha e linha: vida nova para
peças que não saíam do armário
e zíper (a partir de R$ 8,00).
Também faz punho em blazer com forro (R$ 13,00).

FAZ & REFAZ


Rua Visconde de Pirajá, 281, sobreloja 219, Ipanema,
2247-6406. 9h/18h30 (seg. a sex.)
e 9h30/13h (sáb.).

O entra-e-sai contínuo e as roupas de grife penduradas nas


araras não deixam dúvida: o ateliê de Monica Queiroz é um
dos mais prestigiosos de Ipanema. Lá é possível fazer desde
pequenos consertos até reforma completa de roupas, com
modelagem moderna. Simples ou sofisticadas, de malha,
jeans, seda, couro. Uma bainha numa calça jeans, por
exemplo, custa R$ 8,00. Numa saia godê, R$ 30,00. Para
transformar um blazer careta, largão, de ombreira, num
paletó cinturado, sequinho, pagam-se R$ 80,00. Os serviços
levam, em média, uma semana, mas emergências podem
ser negociadas.

http://veja.abril.com.br/vejarj/210704/capa.html 6/11/2010
Veja Rio on-line Page 3 of 7

MANIA DE COSTURA
Rua Visconde de Pirajá, 318, loja 20, Ipanema, 2287-
3372. 9h/18h (seg. a sex.) e 9h/14h (sáb.).

Funciona no subsolo de uma galeria em Ipanema. Recém-


inaugurada, faz desde pequenos consertos até grandes
reformas e customização de roupas. Bainhas a partir de R$
7,00.

OFICINA DE COSTURA
Galeria Ipanema 2000, Rua Visconde de Pirajá, 547, sala
1001, Ipanema, 2512-1111. 8h30/18h (seg. a sex.) e
8h30/17h (sáb.).

Sabe aquele vestido que descostura logo no dia da festa? E


a alça da camiseta que arrebenta quando se está de saída?
Se houver pressa, a oficina, que tem clientes como as lojas
Eclectic, Maria Bonita Extra e Tessutti, conserta no próprio
dia, inclusive aos sábados. E reforma peças inteiras em
prazos maiores. Em poucos dias, encurta e ajusta blazers
(R$ 50,00), abaixa ou aumenta cós de calças (de R$ 10,00 a
R$ 15,00) e alarga ou aperta calças (R$ 15,00).

Cláudia Martins/Strana

OFICINA ESPERANZA CRESPI


Rua Visconde de Pirajá,
577/203, Ipanema, 2259-
4767. 8h/17h45 (seg. a sex.).

Nas araras, há peças de grifes


como Armani, Kenzo e Saint
Laurent, principalmente blazers,
que passarão por uma reforma.
É um trabalho delicado. Para
estreitar os ombros, por
exemplo, é preciso desmontar a
peça e mexer em sua estrutura.
Diminuir a largura do ombro sai
por R$ 20,00. Fazer a bainha na Blazers perdem ombreiras
grandes e voltam à moda:
manga fica em R$ 15,00 ou R$ ajustes atualizam a roupa
20,00 (quando ela tem abertura
com botões). Refazer a barra custa de R$ 20,00 a R$ 25,00,
dependendo do tecido. Esperanza possuía uma confecção
com loja em Ipanema e começou, há sete anos, a fazer
consertos e reformas para os amigos.

PECCATO ARMARINHO
Avenida das Américas, 500, bloco 2, loja 122, 2494-
5064. 8h/21h (seg. a sex.), 10h/20h (sáb.) e 15h/21h
(dom.).

Há dez anos Maria de Fátima Buys abriu um armarinho que


também fazia consertos de roupa. Com o tempo, a loja
passou a se dedicar cada vez menos à venda de aviamentos
e mais à costura. A filosofia da rede é realizar pequenos
consertos sempre para o mesmo dia. Oferece 700 tipos de
serviço, de bainha (a partir de R$ 9,50) a reforma completa
de peças. Hoje são sete lojas no Rio e em Niterói, além da
filial no Downtown: Freeway, Carrefour Barra, Via Park,
Center Shop, NorteShopping e Carrefour Niterói.

PONTO & LINHA


Avenida Ataulfo de Paiva, 1079, loja 314, Leblon, 2512-
2372. 10h/19h (seg. a sex.) e 10h/14h (sáb.).

Prestes a completar seis anos, a oficina faz pequenos


consertos e reformas mais elaboradas. Um blazer muda de
cara por R$ 80,00. Uma calça vira saia por R$ 60,00. Um
short ganha zíper novo por R$ 12,00. E um jeans fica com
bainha igual à da loja por R$ 12,50. De uns tempos para cá,
o local se especializou também em personalizar camisetas-
convite. Os abadás largões viram camisetinhas cheias de
bossa por R$ 25,00.

RESTAURA JEANS
Rua Maxwell, 241, loja A, Vila Isabel, 2238-8649. 8h/19h
(seg. a sex.) e 8h/15h (sáb.).

Representação carioca de uma franquia gaúcha


especializada em tingimentos, com 200 lojas em todo o
país. As roupas são enviadas em caminhões próprios ao Rio
Grande do Sul. Ainda assim, a loja promete devolver as
peças tingidas em uma semana. Trabalha com tecidos e
couro. O preço do tingimento vai de R$ 11,90, para
bermudas e minissaias, até R$ 200,00, no caso de um

http://veja.abril.com.br/vejarj/210704/capa.html 6/11/2010
Veja Rio on-line Page 4 of 7

macacão de couro. Em Vila Isabel, são feitos consertos,


limpeza e reidratação de couro e serviços de lavanderia.

SELLKIT
Rua Rodrigo Silva, 18, sobreloja, Centro, 2240-9332.
8h/20h (seg. a sex.).

Há dez anos funciona como um misto de armarinho e oficina


para pequenos consertos. O mais requisitado é a bainha (a
partir de R$ 7,00). Atende a emergências em até quinze
minutos. A rede começou em Belo Horizonte, e no Rio tem
lojas em Ipanema e nos shoppings Rio Sul, Botafogo Praia
Shopping e BarraShopping.

CASACOS DE COURO E
PELES

Artigos de couro e peles, quando


bem tratados, têm grande
durabilidade. Mas, como a moda é
implacável, é preciso às vezes dar
um toque mais moderno às peças.
Os especialistas remodelam as
roupas, restauram os materiais danificados e fazem
tratamentos que aumentam a durabilidade das peles.

ALVES CONSERTOS
Rua Ataulfo de Paiva, 808/304, 2274-6208. Atendimento
com hora marcada.

Reforma casacos de pele de visom, raposa e lontra,


principalmente. O preço depende do estado de conservação.
Faz a imunização das peças. Demora uma semana e custa a
partir de R$ 100,00.

CAPRINA PELLE
Rua Visconde de Pirajá, 318, loja 12, Ipanema, 2267-
3153. 10h/19h (seg. a sex.), 10h/14h (sáb.).

O casaco de couro ainda tem ombreiras gigantes? Aqui ele


pode ser restaurado e modernizado. Também faz limpeza,
hidratação e pintura. Baixar o cós de uma calça custa a
partir de R$ 35,00.

GERALDO SPOZEL Ricardo Fasanello/Strana

Rua Siqueira Campos, 75, loja


A, Copacabana, 2548-2693.
9h/19h (seg. a sex.) e 9h/13h
(sáb.).
www.acasadocouro.com.br.

Não se impressione com a


simplicidade da loja de Geraldo
Spozel. Nas suas mãos, jaqueta
de couro preta vira branca (a
partir de R$ 180,00) e mantô
vira tailleur (a partir de R$
150,00). Também reforma e
recupera sapatos. Em outubro,
inaugura geladeira para peles.
Spozel: craque na renovação de
peças de couro

IVANY CÉSAR
Rua Barata Ribeiro, 418/414, Copacabana, 2255-1893.
10h/18h (seg. a sex.). Marcar hora.

Trabalha com todos os tipos de couro e peles, fazendo


reformas, pequenos consertos, limpeza e imunização, que
custa, em média, R$ 300,00.

RETOK & ART


Rua Ronald de Carvalho, 175/603, Copacabana, 2275-
4600, 9821-3750 e 9816-2205. Marcar hora.

O artista plástico Ricardo Guerreiro disfarça manchas,


puídos e outras imperfeições de sapatos, roupas e bolsas,
pintando sobre eles. Sapatos a partir de R$ 35,00, bolsas
por R$ 50,00 e vestidos por R$ 70,00.

Bruno Veiga/Strana

http://veja.abril.com.br/vejarj/210704/capa.html 6/11/2010
Veja Rio on-line Page 5 of 7

SADAE
Rua Santa Clara, 33, 12º andar,
Copacabana, 2548-1787.
9h/18h (seg. a sex.) e 9h/13h
(sáb.). www.sadae.com.br.

Referência em conserto,
limpeza e reforma de couro,
camurça, chamois e peles há 45
anos. Tem filiais em Botafogo e
na Barra. No couro, aperta (R$
55,00) e alarga (R$ 189,00)
calças, limpa e recupera
casacos (R$ 145,00). Restaura
peles e dá garantia de dez anos.
Aceita cartões de crédito. Má Sadae: referência na cidade
notícia: os serviços em couro e para a recuperação de couro e
camurça iniciados agora só peles
ficam prontos no fim de agosto.
E os de peleteria, no fim de setembro.

SAPATOS, BOLSAS E
ACESSÓRIOS

A elegância mora nos


pequenos detalhes. Sapatos,
bolsas e cintos, de cara nova,
valorizam qualquer produção.
Bons artesãos são capazes de
atualizar os modelos, mudar a
cor e disfarçar pequenos defeitos e desgastes das peças. E,
em pleno século XXI, é possível até consertar e reformar
chapéus.

Ricardo Fasanello/Strana

CHAPELARIA PORTO
Rua Senador Pompeu, 114, loja
3, sobrado, Centro, 2253-
9605. 9h/18h (seg. a sex.).

Almir Romão Damásio aprendeu


o ofício com o pai, que
aprendeu com o avô. Desde
1880, a família fabrica e
recupera chapéus. Lava,
enforma e trata chapéus dos
mais variados modelos e tecidos
(a partir de R$ 15,00 a mão-de-
obra, fora o material).

Almir, da Chapelaria Porto:


chapéu é negócio de família
CINTO RÁPIDO desde 1880
Rua Santa Clara, 47,
Copacabana, 2547-3236. 9h/19h (seg. a sex.) e 9h/15h
(sáb.).

A solução é simples. Em vez de aposentar o cinto que


arrebentou, pode-se aproveitar a fivela e colocar uma
correia nova (a partir de R$ 15,00). Ou o contrário. Há mais
de trinta opções de cores, em couro liso, trançado,
trabalhado. A loja também conserta bolsas (troca de rolotê a
R$ 18,00) e malas (troca de puxador a partir de R$ 39,00).
Jô Soares é cliente. Aceita todos os cartões.

Bruno Veiga/Strana

LIDU
Avenida Nossa Senhora de
Copacabana, 613/1001,
Copacabana, 2547-1452.
9h/19h (seg. a sex.) e 9h/14h
(sáb.).

Especialista em confeccionar
impecáveis calçados sob
medida, Lidu Júnior também
conserta, forra e reforma. O
serviço não é barato, indicado
apenas para peças de boa
qualidade. Para forrar um
sapato, Lidu não cobra menos
de R$ 150,00, para consertar Sapatos com tratamento vip:
um salto que caiu, R$ 80,00, e com Lidu Júnior
para trocar sola e salto, R$ 150,00. Por isso, sua mesa de
trabalho tem sempre sapatos de grifes estreladíssimas.

http://veja.abril.com.br/vejarj/210704/capa.html 6/11/2010
Veja Rio on-line Page 6 of 7

MARISA LISBOA ATELIÊ


Estrada Urussanga, 273, Jacarepaguá,
3327-6639. 9h/18h (seg. a sex.).

Reforma e restauração de bolsas é um dos fortes do ateliê.


Alças podem aumentar ou diminuir de acordo com a moda,
serviço que custa entre R$ 10,00 e R$ 15,00. A troca de
zíper sai a R$ 10,00. Também troca-se forro, eliminam-se
marcas de caneta esferográfica e disfarçam-se imperfeições
do couro.

REI DAS MALAS


Rua Senhor dos Passos, 96, Centro, 2242-4453.
9h/18h40 (seg. a sex.) e 8h30/14h30 (sáb.).
www.reidasmalas.com.br.

Há quarenta anos na Saara, a loja conserta qualquer tipo de


mala e, em caso de urgência, entrega no mesmo dia. Troca
de rodinhas (de R$ 5,00 a R$ 50,00, dependendo do
material), de zíper (a partir de R$ 2,00) e limpeza e
aplicação de silicone em malas de couro (a partir de R$
19,00). Orçamento na hora. Aceita todos os cartões.

SAPATARIA DO FUTURO
Rua Dias Ferreira, 217-A, Leblon, 2294-0992. 9h/19h
(seg. a sex.) e 9h/14h (sáb.).
www.sapatariadofuturo.com.br.

Criada há onze anos como franquia da rede americana Heel


Sew Quick, a sapataria foi além e hoje oferece vários
serviços em suas quinze lojas no Rio. Ajusta, tinge e
conserta roupas (de vários materiais, incluindo couro). Faz
manutenção, ajuste e conserto de sapatos, bolsas e malas.
Para costurar um zíper invisível ou fazer bainha a mão,
cobram-se R$ 13,00. Aplicação de antiderrapante na sola a
partir de R$ 20,00.

SAPATARIA DO SOUZA
Rua Visconde de Pirajá, 542/22, Ipanema, 2522-8276.
6h/18h (seg. a sex.) e 6h/14h (sáb.).

Troca salto em até três horas (R$ 10,00) e transforma


aquele escarpim altíssimo em um calçado de salto mais
baixo (R$ 15,00). Faz pequenos reparos em tênis.

SAPATARIA JANGADEIROS
Rua Jangadeiros, 15-C, Ipanema, 2247-2922. 8h/19h
(seg. a sex.) e 8h/13h (sáb.).

Há quarenta anos no mesmo endereço, é uma referência na


região. Muito em virtude do trabalho de José Oliveira de
Araújo Sobrinho, sapateiro tarimbadíssimo. Um sapato com
salto fora de moda pode ganhar um saltinho mais atual por
R$ 20,00. Uma sandália que teve o salto fininho
arrebentado nas calçadas da cidade ganha capinha por
preços que variam de R$ 6,00 a R$ 9,00. O local também
forra sapatos (R$ 50,00 o fechado, tipo escarpim, e R$
80,00 o aberto, tipo sandália). E faz pequenos consertos em
bolsas.

SAPATARIA LISBOA
Rua Senador Vergueiro, 218, loja C, Flamengo, 2552-
1758. 7h/19h (seg. a sex.) e 7h/14h (sáb.).

Uma das grandes vantagens da tradicional sapataria, há 37


anos no mesmo endereço, é o horário de funcionamento.
Como abre cedinho, permite quebra-galhos de última hora
antes do trabalho ou de alguma viagem. Conserta todo tipo
de calçado, de tênis a modelos mais formais, e forra sapatos
e carteiras. Para forrar um sapato fechado (tipo escarpim),
cobra R$ 60,00.

TEC TENIS
Barão de Itapagipe, 264, loja 104, Rio Comprido, 2273-
4994. 8h/18h (seg. a sex.) e 9h/13h (sáb.).

Referência em reparo, limpeza e manutenção de tênis, tem


pontos de coleta em toda a cidade. É só telefonar, descobrir
qual o mais perto, deixar o tênis lá e buscar na semana
seguinte. Aquele par que custou uma fortuna e anda meio
chumbado pode ser reformado por R$ 150,00. Se a sola já
era, eles colocam uma nova por R$ 60,00. E se o problema
for mesmo sujeira e mau cheiro, a higienização custa R$
30,00.

http://veja.abril.com.br/vejarj/210704/capa.html 6/11/2010
Veja Rio on-line Page 7 of 7

JÓIAS

O Rio tem ourives especializados


em mudar a cara de brincos e
colares de acordo com o gosto do
dono, e designers cheios de
sugestões para dar um ar mais
atual àquela jóia que já não
agrada. Alguns também resolvem
problemas mais corriqueiros, como correntes arrebentadas,
fechos quebrados, pedras que insistem em cair. São
endereços que valem ouro.

Ricardo Fasanello/Strana

ATELIÊ ZHARI
9605-4940, 8124-1892 e
9973-2589. As visitas devem
ser agendadas.

A jóia de família, com cara de


antigamente, que vive
encostada no armário, pode
renascer nas mãos das
designers Luisa Moura, Maria
Paula Alquéres e Isabel Buffara.
O forte da trinca é a criação de
peças próprias, mas as
reformas fazem sucesso. A
mudança pode ser pequena.
Uma troca de pedra, talvez. Ou Ateliê Zhari: jóias também são
radical, transformando um atualizadas
velho colar de pérolas num cordão com correntes pontuado
pelas pérolas. A trinca vai à casa ou ao trabalho do cliente,
discute as possibilidades, desenha soluções. Tudo
dependendo da qualidade da jóia, claro.

JOALHERIA NOSSA SENHORA DA PAZ


Rua Visconde de Pirajá, 611, loja 2, Ipanema, 2239-
3348. 8h30/18h (seg. a sex.) e 8h30/12h30 (sáb.).

Há mais de cinqüenta anos no ramo, a loja repara jóias e


relógios. Faz desde soldas de cordões arrebentados e troca
de fechos quebrados até reformas completas. Normalmente,
o orçamento é dado na hora e o prazo é negociado caso a
caso. Aceita os cartões Mastercard e Visa.

MÔNICA PEREIRA
9971-8816. As visitas devem ser agendadas.

Quem nunca olhou um colar de ouro amarelo e quis que ele


fosse de ouro branco? Ou o contrário? Mônica Pereira
resolve o dilema. Há oito anos no mercado, ela dá banho no
metal e muda sua cor. Também cria peças novas a partir de
jóias antigas, aproveitando o metal ou as pedras. São jóias
para usar no dia-a-dia. E saem de 30% a 50% mais baratas
que peças novas. Mônica vai à casa ou ao trabalho do
cliente.

TONY JÓIAS
Rua Francisco Sá, 95, loja O, Copacabana, 2287-2349.
Rua Visconde de Pirajá, 580/315, Ipanema, 2239-6603.

O ourives Vicente Gammino dá continuidade ao negócio de


sua família, há 45 anos no ramo. Além de reformas radicais
em jóias, utilizando o metal e as pedras, ele faz consertos
em bijuterias, coisa difícil de achar por aí. Converte brinco
de tarraxa (para orelha furada) em brinco de pressão (R$
12,00) e troca o fio de colares (R$ 30,00 para pérolas e R$
15,00 para bijuterias). Aceita todos os cartões de crédito.

http://veja.abril.com.br/vejarj/210704/capa.html 6/11/2010