Você está na página 1de 8

Lucas 7.

36-50
Introdução
→ Episódio do acidente com o barco Itaparica-Salvador [ago/17]
Morreram mais de 20 pessoas
Encontro de uma sobrevivente com quem lhe salvou

Leitura – Lucas 7.36-50


Elucidação
→ Sobre evangelho de Lucas
a. Apresentar relato organizado e fiel do ministério de Jesus Cristo
b. Dirigido inicialmente a Teófilo e, a cada um dos “amigos de Deus”
c. Instruções pertinentes à pregação: arrependimento, fé e perdão
d. Especial atenção aos necessitados e desprezados; a prática da oração
i. Contemporâneo: mulheres e outros excluídos!
→ Contexto próximo
a. Ministério na Galileia [judeus dispersos e pobres, e gentios]
b. Antes – testemunho de João Batista e rejeição pelos judeus
i. A “presente geração” não creu nem recebeu o testemunho
c. Depois – mulheres acompanham o ministério | ensino sobre o Reino

Exposição
→ O texto nos diz que,
(1) O escândalo do fariseu
(a) a falsa religião se apresenta
(2) O ensino de Jesus
(b) o efeito da graça
(3) A aplicação do ensino
(c) Jesus repreende a incredulidade em seus efeitos
(d) Jesus exalta a fé em seus efeitos
(4) A autoridade de Cristo
(e) Jesus perdoa e despede a mulher
(f) mais uma demonstração de incredulidade
Coração do texto
“A quem muito se perdoa, muito ama”
(1) O escândalo do fariseu [vv. 36-39]
O trecho nos oferece o contexto para entendermos o Reino segundo Lucas
A montagem da cena
O convite de Simão, o fariseu, era comum em seu tempo
(a) convidava-se um profeta para jantar honroso em sua casa
(b) muitas vezes, depois de ouvi-lo na sinagoga
(c) certamente, por causa de sua fama
(d) mas Simão estava curioso e inseguro quanto a Jesus
As características da ocasião
(a) casa rica, com pátio externo, onde ocorria o jantar
(b) pessoas não convidadas tinham acesso ao evento
(c) mesa baixa, convivas reclinados, pés para trás
O escândalo trazido pela mulher pecadora
Lucas introduz a personagem com “e eis”, surpresa
(a) a mulher era pecadora notória [tē polei hamartōlos]
(b) provavelmente, também a mulher o ouviu
(c) ela se aproveitou do ambiente aberto e ousou entrar
(d) isso trazia impureza para o ambiente e convidados
Tamanho do escândalo
(a) suspeita de que o seu presente viesse de ganhos ilícitos
“Não trarás salário de prostituição nem preço de sodomita à Casa do
SENHOR, teu Deus, por qualquer voto; porque uma e outra coisa são
igualmente abomináveis ao SENHOR, teu Deus” [Dt 23.18]
(b) ela soltou seus cabelos em público, algo desonroso
(c) deveria ter sido severamente repreendida
O que fazia ali a mulher
(a) ela foi para ungir os pés de Jesus com perfume caríssimo
(b) passou a chorar sobre seus pés e os enxugava com o cabelo
(e) também beijava os pés de Jesus
A conclusão e escândalo de Simão o fariseu
Se profeta, não se deixaria contaminar pela impureza
Se profeta, saberia quem é a pessoa que lhe toca
Ou não sabe quem é, ou não se importa que lhe toca
De qualquer modo, não pode ser profeta!
O retrato da falsa religião legalista
As pessoas são puras ou impuras por causa de suas obras
(a) parcialmente certo, impuras por causa de más obras
(b) mas se puras, pela graça mediante a fé
Nessa religião, as coisas não mudam, porque as obras não se apagam
(a) mulher de má reputação, sempre seria isso
(b) suas ofertas e seu toque seriam sempre impuros
(2) O ensino de Jesus [vv. 40-43]
Jesus reage ao coração do fariseu
Primeiro, ele prova ser profeta
(a) um profeta deveria ter percepção especial, dada por Deus
(b) Jesus discerniu o coração de Simão, o fariseu
(c) como profeta, também fala ao coração
Uma das parábolas de misericórdia aos devedores – Joachim Jeremias
(a) o evangelho inteiro – “a salvação chegou aos pobres”!
i. temos uma grande dívida
ii. temos um credor
iii. somos pobres e não temos com que pagar
iv. expectativa de condenação
v. a graça é concedida
vi. o seu efeito é o amor [gratidão]
(b) parábolas pelas quais Jesus defende o evangelho dos críticos
(c) pelas quais se acusa aqueles que desprezam a graça
Jesus lhe propõe uma parábola
Um credor e dois devedores
(a) eles são diferentes no tamanho da dívida
(b) iguais na incapacidade para saldá-la
(c) ambos são perdoados
(d) de novo diferentes no quanto são gratos
Uma observação importante
(a) no hebraico e no arameu não havia a palavra “gratidão”
(b) a palavra “amor” no sermão de Cristo, também tem esse uso
Uma segunda observação
(a) não é o amor que causa o perdão
(b) é o perdão que causa o amor
Uma terceira observação
(a) há proporcionalidade entre o quanto se perdoa e se ama
(b) quanto maior a [percepção da] dívida, maior o perdão
(b) quanto maior o perdão, maior o amor
(c) maior amor é evidência de maior perdão
Uma quarta observação
(a) Jesus pretende capturar a alma desse fariseu
(b) Jesus pretende tornar Simão testemunha contra si
(c) Jesus pretende confrontar a nós aqui hoje reunidos
(3) A aplicação do ensino de Jesus [vv. 44-47]
Montagem da cena
Esse tipo de jantar na antiguidade: alguns atos de hospitalidade
(a) saudavam-se com beijo os convidados
“Tendo Labão ouvido as novas de Jacó, filho de sua irmã, correu-lhe ao
encontro, abraçou-o, beijou-o e o levou para casa. E contou Jacó a
Labão os acontecimentos de sua viagem” [Gn 29.13]
(b) lavavam-se os pés aos convidados
“traga-se um pouco de água, lavai os pés e repousai debaixo desta
árvore” [Gn 18.4]
(c) ungiam suas cabeças com óleos
“Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me
a cabeça com óleo; o meu cálice transborda” [Sl 23.5]
Jesus compara o amor do fariseu ao da mulher
Ao fariseu faltou conceder a Jesus toda a honra devida
A pecadora se mostrou diligente em honrar a Jesus
(a) beijou-lhe não o rosto, mas os pés
(b) lavou seus pés com lágrimas e enxugou com os cabelos
(c) ungiu seus pés com caríssimo perfume
“Beijai o Filho para que se não irrite, e não pereçais no caminho; porque
dentro em pouco se lhe inflamará a ira. Bem-aventurados todos os que
nele se refugiam” [Sl 2.12]
Ainda mais sobre a pecadora
(a) diz-se dela que era “pecadora” [hamartolos]
(b) em aramaico, [hayyabta], “pecadora” ou “endividada”
(c) diz-se que eram muitos os seus pecados, e muito o seu amor
(d) maioria dos encontros particulares com Jesus: diálogo
(e) essa mulher não fala, mas age!
(f) os seus atos são humildes, reverentes e alegres: gratos!
A gratidão da mulher é prova de que a graça lhe foi concedida!
O que não é a gratidão
(a) um egoísta pode se alegar com uma dádiva sem ser grato
“Um dos dez, vendo que fora curado, voltou, dando glória a Deus em
alta voz, e prostrou-se com o rosto em terra aos pés de Jesus,
agradecendo-lhe; e este era samaritano” [Lc 17.15,16]
(b) alegra-se com a dádiva recebida
(c) mas é incapaz de reconhecer alegremente uma dívida
(d) mas é incapaz de retribuir uma dádiva com amor
Por que o fariseu não honrou a Jesus?
“O orgulho não quer dever e o amor-próprio não quer pagar” La
Rochefoucault
(e) sua religião era uma tentativa de não se endividar
(f) se ele não reconhece seu credor, não pode amar a sua graça!
O que é a gratidão
“Gratidão é alegria que acompanha a ideia de sua causa, quando está é
a generosidade, a coragem ou o amor” Espinoza
(a) certamente, gratidão implica alegria
“Sairão deles ações de graças e o júbilo dos que se alegram” [Jr 30.19a]
(b) alegria com a qual louvamos e cultuamos a Deus
“Louvarei com cânticos o nome de Deus, exaltá-lo-ei com ações de
graças” [Sl 69.30] “Entrai por suas portas com ações de graças e nos
seus átrios, com hinos de louvor; rendei-lhe graças e bendizei-lhe o
nome” [Sl 100.4]
(c) há na gratidão reconhecimento de um benfeitor
(d) há, portanto, conhecimento de sua bondade
(e) ser grato a Deus implica conhecê-lo
“Oferecer-te-ei sacrifícios de ações de graças e invocarei o nome do
SENHOR” [Sl 116.17]
(f) conhecemos a Cristo quando pela fé o recebemos
(g) andamos firmados no conhecimento de sua pessoa
(h) crescemos no conhecimento de sua pessoa e na gratidão
“Ora, como recebestes Cristo Jesus, o Senhor, assim andai nele, nele
radicados, e edificados, e confirmados na fé, tal como fostes instruídos,
crescendo em ações de graças” [Cl 2.6,7]
(i) a gratidão é a base da verdadeira amizade
(j) a intenção disfarçada de receber mais não é gratidão
(k) a gratidão é satisfeita, humilde e abundante em amor
“Eu sou um pobre coitado a quem Deus tomou, e por quem ele fez tão
indescritivelmente mais do que se poderia esperar... que eu apenas
anseio a paz da eternidade a fim de nada mais fazer do que ser
eternamente grato” [Kierkegaard]
Ela não foi perdoada por ser grata, mas foi grata por ser perdoada
“Nós amamos porque ele nos amou primeiro” [1Jo 4.19]
(4) A autoridade de Cristo [vv. 48-50]
O cerne dos evangelhos
Um dos pontos mais importantes é estabelecer a identidade de Jesus
(a) os que o ouviam reconheciam os seus prodígios
(b) reconheciam a autoridade de seu ensino
(c) e o seguiam com confiança no anúncio do reino
(a) outros não criam
Com autoridade, Jesus legitima a fé da pecadora
(a) ela confiou na proclamação da salvação
(b) pela fé, Deus transformou a sua vida
(c) a bênção da salvação é o motivo de sua gratidão

Aplicações
– O cristão se identifica à pecadora que se refugia em Cristo
(1) como ela, somos endividados
cada um dos pecados que já cometemos
cada um dos pecados que cometeremos
(2) nosso credor é o próprio Deus
ele é quem detém nosso escrito de dívida
(3) como ela, não temos com que pagar
não há nada que já não pertença a Deus
mesmo nossos corações não o dominamos para entregá-lo
(4) nos resta crer no sublime anúncio do evangelho
“E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões e pela
incircuncisão da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele,
perdoando todos os nossos delitos; tendo cancelado o escrito de dívida,
que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era
prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz, e,
despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao
desprezo, triunfando deles na cruz” [Cl 2.13-15]
– Não pensemos que é nosso “dever” sermos gratos
(1) a gratidão é o que ocorre no coração do crente
é a manifestação da realidade do perdão
é um dos frutos do perdão que vem com o Espírito
(2) se alguém não demonstra gratidão, pouco se lhe perdoou
ainda lhe resta notar seus próprios pecados e dívidas
ainda lhe resta arrepender-se verdadeiramente
ainda lhe resta confiar na palavra do perdão
então lhe virá a alegria da salvação
– Consideremos isto: quanto maior o arrependimento, maior o amor
(1) meditar sobre quão pobres espiritualmente somos
nos levará efetivamente ao quebrantamento
aprofundará o nosso arrependimento
(2) isso nos levará a novas percepções da graça de Deus
nos fará notar a profundidade e largura da generosidade
nos fará notar o caráter irrevogável desse amor
nos fará notar que ele nos dará tudo juntamente com Cristo
(3) isso estimulará mais ainda nossa devoção e piedade
aumentará nosso temor diante de Deus
aumentará o nosso amor a Deus
aumentará a nossa sede de Deus
aumentará nossa confiança em Deus
– Saibamos isto: que a gratidão nos fará viver uma vida nova com Cristo
(1) isso purificará o nosso culto
(2) isso purificará a nossa alma
(3) isso purificará a nossa vida
“Pois o amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um morreu
por todos; logo, todos morreram. E ele morreu por todos, para que os
que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por
eles morreu e ressuscitou” [2Co 5.14-15]

Discriminação:
Ao crente,
A gratidão que você já encontra em seu coração
Estimule-a ao modo do que já dissemos
Buscando conhecer mais de Jesus Cristo
E cresça em ações de graças
Ao descrente,
Este é o chamado
Má notícia: há um escrito de dívida contra vc
Boa notícia (evangelho): alguém proclama-se o nosso fiador
Desconfiar dele é rejeitá-lo
Confiar nele é o sinal de que ele pagou a sua dívida
Restará a vc uma vida eterna de gratidão
Talvez a começar de hoje!