Você está na página 1de 21

ROTEIRO GRAVITAÇÃO

Prof. Carlos Vianna (primeiro semestre - 2019)

Conteúdo:
a. Leis de J. Kepler;

b. Lei da Gravitação Universal de Newton;

Formulário:

G.M A .M B G.M planeta/ estrela G.M planeta/ estrela


FA, B = 2
; g planeta/ estrela = 2
; vorbital = ; v =  .R ;
d A, B R planeta/ estrela Rorbital
2.G.M planeta/ estrela −11 N .m 2
vescape = ; G = 6,67 x10 ;
Rorbital kg 2

1. (Unicamp 2019) Em agosto de 2018 a NASA lançou a Sonda Solar Parker, destinada a
investigar o Sol, passando pela coroa solar. A sonda seguirá uma trajetória dando várias voltas
em torno do Sol, em órbitas elípticas com grande excentricidade.

a) Considere um corpo que descreve uma órbita elíptica em torno do Sol, como ilustra a figura
A. A área da elipse varrida pela linha que liga o corpo ao Sol no trecho 2 é o dobro da área
varrida no trecho 1 (A2 = 2  A1); já as distâncias percorridas nos trechos são tais que
d2 = 0,8  d1. Se a velocidade escalar média do corpo no trecho 1 é igual a
v1 = 172.000 km h, quanto vale a velocidade escalar média no trecho 2?

b) A sonda terá sua velocidade modificada (sem consumo adicional de combustível) nas
passagens próximas ao planeta Vênus, explorando o efeito conhecido como catapulta
gravitacional. Para ilustrar esse efeito, considere dois corpos de massas M e m,
inicialmente com velocidades de mesmo módulo (v 0 ), mesma direção e sentidos contrários.
Após a aproximação, os corpos se afastam com velocidades de módulos VA e VB ,
seguindo na mesma direção inicial, conforme mostra a figura B. Como a energia cinética se
conserva, a velocidade de afastamento dos corpos é igual à de aproximação:
2v0 = VB − VA . Encontre a velocidade VB da massa m em termos de M, m e v 0 . Em
seguida, use M = 100 m e encontre a razão VB v0 .
2. (Unicamp 2017) O uso do sistema de localização GPS (Global Positioning System) cresceu
bastante nos últimos tempos devido principalmente à existência do sensor GPS na maioria dos
celulares disponíveis no mercado. Nesses celulares, o sinal de GPS tem sido usado para
localização do aparelho em mapas, para obter sugestões de rotas e até em jogos. Considere
que os satélites responsáveis por enviar o sinal GPS encontram-se a aproximadamente
RGPS = 27.000 km do centro da Terra, seu período de rotação em torno do centro da Terra é
TGPS = 12 horas e sua órbita é circular.
Use π = 3.
a) Qual é a velocidade escalar média de um satélite do sistema GPS?
b) Os satélites de GPS enviam continuamente as três coordenadas que determinam sua
posição atual e o horário do envio da mensagem. Com as informações de 4 satélites, o
receptor pode determinar a sua posição e o horário local. Para garantir a precisão dessas
informações, efeitos relativísticos são considerados na determinação do horário enviado
pelos satélites. Os relógios localizados nos satélites são afetados principalmente por efeitos
da relatividade restrita, que atrasam os relógios, e da relatividade geral, que adiantam os
relógios, conforme mostra a figura abaixo. Qual é a distância do centro da Terra R e o
período T da órbita em que os efeitos da relatividade geral e da relatividade restrita se
cancelam, ou seja, quando a soma dos dois efeitos é zero?

3. (Unicamp 2016) Plutão é considerado um planeta anão, com massa Mp = 1 1022 kg, bem
menor que a massa da Terra. O módulo da força gravitacional entre duas massas m1 e m2 é
m1m2
dado por Fg = G , em que r é a distância entre as massas e G é a constante
r2
gravitacional. Em situações que envolvem distâncias astronômicas, a unidade de comprimento
comumente utilizada é a Unidade Astronômica (UA).

a) Considere que, durante a sua aproximação a Plutão, a sonda se encontra em uma posição
que está dp = 0,15 UA distante do centro de Plutão e dT = 30 UA distante do centro da
 FgT 
Terra. Calcule a razão   entre o módulo da força gravitacional com que a Terra atrai a
 FgP 
 
sonda e o módulo da força gravitacional com que Plutão atrai a sonda. Caso necessário, use
a massa da Terra MT = 6  1024 kg.

b) Suponha que a sonda New Horizons estabeleça uma órbita circular com velocidade escalar
orbital constante em torno de Plutão com um raio de rp = 1 10−4 UA. Obtenha o módulo da
velocidade orbital nesse caso. Se necessário, use a constante gravitacional
G = 6  10−11 N  m2 kg2 . Caso necessário, use 1UA (Unidade astronômica) = 1,5  108 km.

4. (Unicamp 2014) “As denúncias de violação de telefonemas e transmissão de dados de


empresas e cidadãos brasileiros serviram para reforçar a tese das Forças Armadas da
necessidade de o Brasil dispor de seu próprio satélite geoestacionário de comunicação militar”
(O Estado de São Paulo, 15/07/2013). Uma órbita geoestacionária é caracterizada por estar no
plano equatorial terrestre, sendo que o satélite que a executa está sempre acima do mesmo
ponto no equador da superfície terrestre. Considere que a órbita geoestacionária tem um raio r
42000 km.

a) Calcule a aceleração centrípeta de um satélite em órbita circular geoestacionária.

b) A energia mecânica de um satélite de massa m em órbita circular em torno da terra é dada


GMm
por E = − , em que r é o raio da órbita, M = 6  1024 kg é a massa da Terra e
2r
Nm2
G = 6,7  10−11 . O raio de órbita de satélites comuns de observação (não
kg2
geoestacionários) é tipicamente de 7000 km. Calcule a energia adicional necessária para
colocar um satélite de 200 kg de massa em uma órbita geoestacionária, em comparação a
colocá-lo em uma órbita comum de observação.

5. (Fuvest 2014) Há um ponto no segmento de reta unindo o Sol à Terra, denominado “Ponto
de Lagrange L1”. Um satélite artificial colocado nesse ponto, em órbita ao redor do Sol,
permanecerá sempre na mesma posição relativa entre o Sol e a Terra.

Nessa situação, ilustrada na figura acima, a velocidade angular orbital ω A do satélite em torno
do Sol será igual à da Terra, ωT . Para essa condição, determine
a) ωT em função da constante gravitacional G, da massa MS do Sol e da distância R entre a
Terra e o Sol;
b) o valor de ω A em rad/s;
c) a expressão do módulo Fr da força gravitacional resultante que age sobre o satélite, em
função de G, MS ,MT, m, R e d, sendo MT e m, respectivamente, as massas da Terra e do
satélite e d a distância entre a Terra e o satélite.

Note e adote: 1ano  3,14  107 s. O módulo da força gravitacional F entre dois corpos de
massas M1 e M2, sendo r a distância entre eles, é dado por F = G M1 M2/r2. Considere as
órbitas circulares.
6. (Fuvest 2017) Foram identificados, até agora, aproximadamente 4.000 planetas fora do
Sistema Solar, dos quais cerca de 10 são provavelmente rochosos e estão na chamada região
habitável, isto é, orbitam sua estrela a uma distância compatível com a existência de água
líquida, tendo talvez condições adequadas à vida da espécie humana. Um deles, descoberto
em 2016, orbita Proxima Centauri, a estrela mais próxima da Terra. A massa, MP , e o raio,
RP , desse planeta são diferentes da massa, MT , e do raio, RT , do planeta Terra, por fatores
α e β : MP = αMT e RP = βRT .

a) Qual seria a relação entre α e β se ambos os planetas tivessem a mesma densidade?

Imagine que você participe da equipe encarregada de projetar o robô C-1PO, que será enviado
em uma missão não tripulada a esse planeta. Características do desempenho do robô, quando
estiver no planeta, podem ser avaliadas a partir de dados relativos entre o planeta e a Terra.
Nas condições do item a), obtenha, em função de β,

g
b) a razão rg = P entre o valor da aceleração da gravidade, gP , que será sentida por C-1PO
gT
na superfície do planeta e o valor da aceleração da gravidade, gT , na superfície da Terra;

t
c) a razão rt = P entre o intervalo de tempo, tP , necessário para que C-1PO dê um passo no
tT
planeta e o intervalo de tempo, t T , do passo que ele dá aqui na Terra (considere que cada
perna do robô, de comprimento L, faça um movimento como o de um pêndulo simples de
mesmo comprimento);

v
d) a razão rv = P entre os módulos das velocidades do robô no planeta, vP , e na Terra, v T .
vT

Note e adote:
A Terra e o planeta são esféricos.
O módulo da força gravitacional F entre dois corpos de massas M1 e M2 , separados por uma
M1M2
distância r, é dado por F = G , em que G é a constante de gravitação universal.
r2
O período de um pêndulo simples de comprimento L é dado por T = 2π (L g)
12
, em que g é a
aceleração local da gravidade.
Os passos do robô têm o mesmo tamanho na Terra e no planeta.

7. (Fuvest 2016) O grande mérito do sábio toscano estava exatamente na apresentação de


suas conclusões na forma de “leis” matemáticas do mundo natural. Ele não apenas defendia
que o mundo era governado por essas “leis”, como também apresentava as que havia
“descoberto” em suas investigações.
Carlos Z. Camenietzki, Galileu em sua órbita. 01/02/2014.
www.revistadehistoria.com.br.

Considerando que o texto se refere a Galileu Galilei (1564-1642),


a) identifique uma das “leis” do mundo natural proposta por ele;
b) indique dois dos principais motivos pelos quais ele foi julgado pelo Tribunal da Inquisição.

8. (Uerj 2018) Considere a existência de um planeta homogêneo, situado em uma galáxia


distante, e as informações sobre seus dois satélites apresentadas na tabela.

Raio da órbita Velocidade


Satélite
circular orbital

X 9R VX

Y 4R VY

Sabe-se que o movimento de X e Y ocorre exclusivamente sob ação da força gravitacional do


planeta.

VX
Determine a razão .
VY

9. (Ufpr 2017) Em 18 de junho de 2016, foi lançado o foguete Ariane 5 ECA, que transportava
o satélite de comunicação EchoStar XVIII, com o objetivo de transferi-lo para uma órbita
geoestacionária. As órbitas geoestacionárias são aquelas em que o período de revolução do
satélite é de 24 h, o que corresponde a seu posicionamento sempre sobre um mesmo ponto da
superfície terrestre no plano do Equador. Considere o raio R1 da órbita desse satélite como
sendo de 42.000 km.
Em 15 de setembro de 2016, foi lançado o foguete Vega, transportando os satélites SkySats,
denominados de 4 a 7 (satélites de uma empresa do Google), para mapeamento com alta
precisão da Terra inteira. A altitude da órbita desses satélites, em relação à superfície terrestre,
é de 500 km. Considerando o raio da terra como sendo de aproximadamente 6.500 km e que
a velocidade de um satélite, tangencial à órbita, pode ser calculada pela raiz quadrada do
produto da constante gravitacional G pela massa M da terra dividida pelo raio da órbita do
satélite, determine:

(Obs.: Não é necessário o conhecimento dos valores de G e M e todos os cálculos devem ser
claramente apresentados. Alguns dos valores estão com aproximações por conveniência de
cálculo. Não é necessário determinar os valores das raízes quadradas, basta deixar os valores
numéricos, após os devidos cálculos, indicados no radical. )

a) O valor numérico da velocidade V2 do satélite EchoStar XVIII, em relação à velocidade V1


de um dos satélites SkySats.
b) O valor do período T2 dos satélites SkySats, em horas, por aplicação da terceira Lei de
Kepler.

10. (Famerp 2017) A figura representa um satélite artificial girando ao redor da Terra em
movimento circular e uniforme com período de rotação de 140 minutos. O gráfico representa
como varia o módulo da aceleração da gravidade terrestre para pontos situados até uma
distância 2R do centro da Terra, onde R = 6.400 km é o raio da Terra.
Considere a Terra perfeitamente esférica e as informações contidas na figura e no gráfico.

a) Calcule o menor intervalo de tempo, em minutos, para que o satélite se movimente da


posição A para a posição B.
b) Determine o módulo da aceleração da gravidade terrestre, em m s2 , na posição em que se
encontra o satélite.

11. (Uerj 2012) Na tirinha a seguir, o diálogo entre a maçã, a bola e a Lua, que estão sob a
ação da Terra, faz alusão a uma lei da Física.

Aponte a constante física introduzida por essa lei.


Indique a razão entre os valores dessa constante física para a interação gravitacional Lua-
Terra e para a interação maçã-Terra.

12. (Ufpr 2015) Sabemos que em nosso universo a força gravitacional entre uma estrela de
massa M e um planeta de massa m varia com o inverso do quadrado da distância R entre
eles. Considere a hipótese em que a força gravitacional variasse com o inverso do cubo da
distância R e que os planetas descrevessem órbitas circulares em torno da estrela.

a) Deduza, para esse caso hipotético, uma equação literal análoga à terceira lei de Kepler.
b) Utilizando a resposta do item (a) e considerando dois planetas orbitando essa estrela, um
deles com órbita de raio R1 e o outro com órbita de raio R2 = 2R1, determine a razão entre
os períodos de suas órbitas.

13. (Uema 2016) “Na eternidade, eu quisera ter


Tantos ano-luz, quantos fosse precisar
Para cruzar o túnel
Do tempo do teu olhar”
Seu olhar – Gilberto Gil, 1984.

A letra da música usa a palavra composta ano-luz no sentido prático. Em geral, esse sentido,
não é obrigatoriamente o mesmo dado ao termo na área da ciência.
Na Física, um ano-luz é uma medida que relaciona a velocidade da luz e o tempo de um ano.
a) Qual a grandeza física que está associada à palavra “ano”?
b) Com base na física moderna, explique qual grandeza está associada à palavra ”luz”.
c) A terminologia ano-luz está associada a qual grandeza física?
d) Demonstre matematicamente a expressão que ratifica a questão “c”.

14. (Ufu 2016) Em 2009, foi realizada uma missão de reparos no Telescópio Espacial Hubble,
que se encontra em órbita em torno da Terra a, aproximadamente, 600 km de altitude. Isso foi
feito para que o equipamento pudesse ainda operar por mais alguns anos. Na ocasião, os
astronautas foram vistos em uma condição em que pareciam flutuar do lado do fora do
instrumento, levando à ideia equivocada de que estavam sem ação da força gravitacional
terrestre.

a) Assumindo que o raio da Terra é aproximadamente igual a 6.400 km, a massa de nosso
planeta é de 6  1024 kg e a massa do Telescópio Hubble é de 11 103 kg, qual é o valor da
aceleração da gravidade terrestre a que os astronautas estavam sujeitos durante a missão
de reparos? Considere G = 6,7  10−11 N  m2 / kg2

b) Supondo que no universo somente existisse o planeta Terra, a que distância em relação a
ele os astronautas deveriam ser colocados para que a aceleração gravitacional terrestre
fosse nula?

15. (Ita 2018) Seja um cometa numa órbita elíptica com as distâncias do afélio, ra , e periélio,
rp . Com o
Sol num dos focos como origem de um sistema de coordenadas polares, a equação que
descreve o módulo do vetor posição r em função do ângulo θ medido a partir do periélio é
r(θ) = α (1 + ε cos θ), em que α e ε são constantes, sendo 0  ε  1. Expresse a
excentricidade e, a constante α e o período da órbita em função de ra e rp .

16. (Ita 2017) Suponha que a atmosfera de Vênus seja composta dos gases CO2 , N2, Ar, Ne e
He, em equilíbrio térmico a uma temperatura T = 735 K.

a) Determine a razão entre a velocidade quadrática média das moléculas de cada gás e a
velocidade de escape nesse planeta.
b) Que conclusão pode ser obtida sobre a provável concentração desses gases nessa
atmosfera?
Obs.: Considere Vênus com o raio igual ao da Terra e a massa igual a 0,810 vezes a desta.

17. (Ita 2015)

Uma nave espacial segue inicialmente uma trajetória circular de raio rA em torno da Terra.
Para que a nave percorra uma nova órbita também circular, de raio rB  rA , é necessário por
razões de economia fazer com que ela percorra antes uma trajetória semielíptica, denominada
órbita de transferência de Hohmann, mostrada na figura. Para tanto, são fornecidos à nave dois
impulsos, a saber: no ponto A, ao iniciar sua órbita de transferência, e no ponto B, ao iniciar
sua outra órbita circular. Sendo M a massa da Terra; G, a constante da gravitação universal;
m e v, respectivamente, a massa e a velocidade da nave; e constante a grandeza mrv na
órbita elíptica, pede-se a energia necessária para a transferência de órbita da nave no ponto B.
18. (Uerj 2014) A intensidade F da força de atração gravitacional entre o Sol e um planeta é
expressa pela seguinte relação:
mM
F=G
r2

G − constante universal da gravitação

m − massa do planeta

M − massa do Sol

r − raio da órbita do planeta

Admitindo que o movimento orbital dos planetas do sistema solar é circular uniforme, estime a
massa do Sol.

19. (Ime 2013) Um planeta desloca-se em torno de uma estrela de massa M, em uma órbita
elíptica de semi-eixos a e b (a > b). Considere a estrela fixa em um dos focos. Determine as
velocidades mínima e máxima do planeta.
Dados: constante gravitacional: G; distância entre os focos: 2c.

20. (Ita 2012) O momento angular é uma grandeza importante na Física. O seu módulo é
definido como L = rpsenθ , em que r é o módulo do vetor posição com relação à origem de um
dado sistema de referência, p o módulo do vetor quantidade de movimento e θ o ângulo por
eles formado. Em particular, no caso de um satélite girando ao redor da Terra, em órbita
elíptica ou circular, seu momento angular (medido em relação ao centro da Terra) é
conservado.
Considere, então, três satélites de mesma massa com órbitas diferentes entre si, I, II e III,
sendo I e III circulares e II elíptica e tangencial a I e III, como mostra a figura. Sendo L I, LII e LIII
os respectivos módulos do momento angular dos satélites em suas órbitas, ordene, de forma
crescente, LI, LII e LIII . Justifique com equações a sua resposta.

21. (Fuvest 2016) O grande mérito do sábio toscano estava exatamente na apresentação de
suas conclusões na forma de “leis” matemáticas do mundo natural. Ele não apenas defendia
que o mundo era governado por essas “leis”, como também apresentava as que havia
“descoberto” em suas investigações.
Carlos Z. Camenietzki, Galileu em sua órbita. 01/02/2014.
www.revistadehistoria.com.br.

Considerando que o texto se refere a Galileu Galilei (1564-1642),

a) identifique uma das “leis” do mundo natural proposta por ele;


b) indique dois dos principais motivos pelos quais ele foi julgado pelo Tribunal da Inquisição.
Gabarito:

Resposta da questão 1:
a) Temos que:
 d1
v1 = Δt
 1 v d Δt
  2 = 2 1
v = d2 v1 d1 Δt 2


2
Δ t 2

Mas, como A 2 = 2A1, pela 2ª lei de Kepler, Δt 2 = 2Δt1. Logo:


v2 1
= 0,8 
172000 2
 v 2 = 68800 km h

b) Por conservação da quantidade de movimento:


Qinício = Qfim
Mv 0 − mv 0 = MVA + mVB

Substituindo VA = VB − 2v0 , vem:


Mv 0 − mv 0 = MVB − 2Mv 0 + mVB
( 3M − m ) v 0 = (M + m ) VB
( 3M − m ) v 0
 VB =
M+m

Para M = 100m, temos:


VB 300m − m
=
v 0 100m + m
VB 299
 =
v 0 101

Resposta da questão 2:
ΔS 2 π RGPS 2  3  27.000
a) vm = = =  vm = 13.500 km h = 3.750 m s.
Δt TGPS 12

b) Analisando o gráfico, nota-se que a compensação entre o adiantamento e o atraso ocorre


para R = 9  103 km, onde esses tempos são +2,5  10−10 s e −2,5  10−10 s conforme
mostra o gráfico.
O tempo T para a órbita pode ser calculado aplicando a 3ª lei de Kepler, comparando as
duas situações, órbita regular e órbita com compensação de tempos.
2 3 3
 T   R  T2  9  103  144 16 4
  =   2 =    T2 = = T= 
3 
 TGPS   RGPS  12  27  10  27 3 3

4 3
T= h.
3

Resposta da questão 3:
a) Dados: MP = 1 1022 kg; M T = 6  1024 kg; dT = 30UA; d P = 0,15UA.
 MT m
FgT = G
d T2 6  1024  ( 0,15 )
2
 FgT G MT m d P2
   =  = 
 MP m FgP d T2 G MP m 1 1022  302
FgP = G
 d P2

FgT
= 1,5  10 −2.
FgP

b) Dados:
M P = 1 1022 kg; G = 6  10 −11 N  m2 / kg2 ;

r P = 1 10−4 UA = 1 10 −4  1,5  108 km = 1,5  107 m.

Nesse caso, a força gravitacional age como resultante centrípeta:


m v 2 GM p m GM P 6  10−11  1 10 22
FRcent = Fg  =  v= = = 4  10 4 
2 7
rP rP r P 1,5  10

v = 200 m/s.

Resposta da questão 4:
a) Dados: re = 42.000 km; π = 3.
Como o satélite é geoestacionário, seu período orbital é igual ao período de rotação da
Terra:
T = 24 h.
Calculando a intensidade da aceleração centrípeta:
2
 2π  4 π2 4  32
ac = ω2 re =   re  ac =  42.000 =  42.000 
 T  242 576
(1.000 m )
ac = 2.625 km/h2  ac = 2.625 
( 3.600 s )2
ac = 0,2 m/s2 .

b) Dados:
re = 42.000km = 42  106 m; M = 6  1024 kg; G = 6,7  10−11kg  m2 / kg2 ; rc = 7.000 km = 7  106 m.

 −G M m   − G M m  G M m  −1 1 
Ead = Ee − Ec =  −   Ead =  −  
 2 re   2 rc  2  re rc 

6,7  10−11  6  1024  2  102  −1 1 


Ead =  +  
6
2  42  10 7  106 
 −1 + 6  2  1017
Ead = 40,2  1015    Ead = 
 42  106  42  106

Ead = 4,8  109 J.

Resposta da questão 5:
Nota: o termo órbita em torno do Sol é redundante, pois a órbita já é em torno de algo.

a) a força que o satélite exerce sobre a Terra é desprezível. Então, a resultante centrípeta
sobre a Terra é a força gravitacional que o Sol exerce sobre ela, conforme indica a figura.

G MS MT G MS
Rcent = FST  MT ω2T R =  ωT2 = 
2
R R3

G MS
ωT = .
R3

b) O período de translação do satélite é igual ao período de translação da Terra:


TA = TT = 1ano = 3,14  107 s.
2π 2  3,14
ωA = =  ωA = 2  10−7 rad/s.
TA 3,14  107
c) A força resultante gravitacional sobre o satélite é a soma vetorial das forças gravitacionais
que o satélite recebe do Sol e da Terra, conforme ilustra a figura.

G MS m G MT m
Fres = FS − FT = − 
(R − d ) 2
d2

 M M 
Fres = G m  S
− T .
 (R − d )2 d2 
 

Resposta da questão 6:
M
a) A densidade é a razão entre a massa e o volume: d = .
V
Se as densidades fossem iguais:
M M α MT MT α 1
dP = dT  P = T  =  =  α = β3 .
VP VT 4
π ( βR T )
3 4
π R3T β3 1
3 3

GM
b) A gravidade na superfície de um planeta esférico é: g = .
R2
 G MP G α MT β3 G MT β G MT
gP =  gP =  gP =  gP =
 2
RP ( β RT ) 2 2 2
β RT RT2
 rP =
gP
= β.

 G MT gT
gT =
 R2T

1
 L 2
c) O período do pêndulo simples é: T = 2 π   .
g
1 1 1
t 2π  L gT  2  gT  2  1 2 1
rt = P  rt =    =   rt =    rt = .
12
tT 2π  gP L   gP  β β

L
d) A velocidade é: v = .
t
vP L tT tT
rv = =  =  rv = β1 2 .
v T tP L tP

Resposta da questão 7:
[Resposta do ponto de vista da disciplina de Física]
a) Galileu é um dos proponentes do heliocentrismo, teoria que previa a movimentação dos
planetas ao redor do Sol. Galileu, por meio da observação, foi capaz de reforçar o discurso
de outros sábios, que estavam se tornando cientistas, no final da Idade Média e início da
Idade Moderna.
b) Galileu foi julgado pela inquisição por alguns motivos, entre eles a proposta do
heliocentrismo, o que contrariava a visão de mundo da Igreja Católica – defensora do
geocentrismo. Outro motivo que podemos apontar é a forma de produção do conhecimento
proposta por ele e seus pares. A noção de se produzir conhecimento a partir da observação,
(como o tempo de queda livre independer da massa) e usando instrumentos, tais como a
luneta, e com um método próprio (o método científico), preocupava a Igreja Católica que
naquele momento ainda era a maior detentora de conhecimentos capazes de explicar o
funcionamento do universo.

[Resposta do ponto de vista da disciplina de História]


a) Podemos citar algumas leis criadas por Galileu, como (1) a teoria de que todos os planetas
orbitam em torno do Sol – o heliocentrismo e (2) a teoria de que, sem a resistência do ar,
todos os corpos em queda livre atingem a mesma velocidade independente de suas massas.
b) Como todos os pensadores renascentistas, Galileu primava pelo uso da razão em suas
análises. Assim, muitas vezes, suas teorias iam de encontro ao que a Igreja Católica
preconizava. Em especial, ele foi perseguido pela teoria do heliocentrismo, uma vez que a
Igreja defendia o geocentrismo.

Resposta da questão 8:
A força gravitacional age como resultante centrípeta. Sendo r o raio da órbita, m a massa do
satélite, M a massa do planeta e G a constante de gravitação universal, têm-se:
m V 2 GM m GM
Fcp = Fgrav  = V= .
r r2 r

Relacionando as duas órbitas:


VX GM 4R VX 2
=   = .
VY 9R GM VY 3

Resposta da questão 9:
a) A razão das velocidades é dada por:
v2 GM / R1 v2 R2 v ( 6500 + 500 ) km v2 1 6
=  =  2 =  = =
v1 GM / R2 v1 R1 v1 42000 km v1 6 6

b) O valor do período T2 dos satélites SkySats, em horas será:

T12 T22 242 T22 242  70003


=  =  T2 =  T2 = 1,63 h
R13 R23 420003 70003 420003

Resposta da questão 10:


a) Comprimento L do arco AB :
360 2π (6400 + 2560)
108 L
L = 5376π km

Velocidade do satélite:
2π ( 6400 + 2560 )
v=
140
v = 128π km min

Portanto, o menor intervalo de tempo é de:


L 5376 π
v=  128 π =
Δt Δt
 Δt = 42 min

b) Distância do satélite ao centro da Terra em função de R :


6400 R
6400 + 2560 d
d = 1,4 R

Pelo gráfico, para d = 1,4 R, g = 5 m s2 .

Resposta da questão 11:


A lei da gravitação universal descreve que dois corpos de massas m1 e m2, cujos centros de
massa estão separados por uma distância “d”, são atraídos por uma força cujo módulo é dado
por:

G.m1.m2
FG =
d2

Onde “G” é uma constante, definida como constante universal da gravitação, cujo valor, igual
para interação entre todos os corpos, é dada por:

G  6,67.10−11N.m2 / kg2

Como uma constante universal é igual para todos os corpos, a razão pedida tem valor igual a
1.

Resposta da questão 12:


Do enunciado, teremos:
G Mm
Fg =
r3
Onde,
r=d

Assim,

a) Fg = Fc

G Mm m  v2
=
r3 r
Se, v = ω  r
G M ω2  r 3
=
r3 r

Onde,
2π
ω=
T
G M 4  π2  r
=
r3 T2
G M r4
=
4  π2 T2
A parte esquerda da igualdade é composta somente de constante. Logo,
T2
= cte.
r4

b) Usando os dados fornecidos, temos que:


T12 T22
=
r14 r24
T12 r14 r14 r14
= = =
T22 r24 ( 2  r1 )4 16  r14

T12 1
=
2 16
T2

T12 1
=
2 16
T2
T1 1
=
T2 4

Resposta da questão 13:


a) Ano está relacionada com a grandeza tempo, que significa o tempo para que a Terra
circule totalmente o Sol em sua translação. Um ano representa 365,25 dias exatamente,
sendo esse quarto de dia restante juntado em quatro anos para termos mais um dia nos
anos considerados bissextos.

b) A grandeza associada à luz é a velocidade, pois a luz percorre aproximadamente 300 mil
quilômetros por segundo, que é considerado o limite máximo de velocidade de qualquer
objeto. Einstein menciona em seu artigo de 1905, sobre a Relatividade Restrita, no seu
postulado 2 que: “A velocidade da luz no vácuo tem o mesmo valor c qualquer que seja o
movimento da fonte.” Esse postulado nos diz que independente do movimento ou não das
fontes de luz, a luz sempre mantém sua velocidade c para quaisquer observadores.

c) A terminologia ano-luz está associada à distância percorrida pela luz em um ano.

d) Para comprovar o fato de a terminologia ano-luz estar associada à distância, abaixo


comprova-se o fato com a determinação do valor referente a 1 ano-luz juntamente com a
análise dimensional demonstrando se tratar de uma distância.
24 h 3600 s km
1ano − luz = 365 dias    300000  1ano − luz = 9,46  1012 km
1 dia 1h s
tempo em segundos de 1ano veloc. luz

Resposta da questão 14:


a) Teremos:
GMm GMm
F= F=
2
d (R + r)2
Fterra = mg
GMm
mg =
(R + r)2
GM 6,7  1011  6  1024
g= g=  g = 8,2 m / s2
2 6
(R + r) 7  10
GM
b) De acordo com a equação g = para que a aceleração gravitacional g seja nula, a
(R + r)2
distância à terra deve ser infinita, uma vez que g depende do inverso da distância ao
quadrado.

Resposta da questão 15:

α
r(θ) =
1 + ε cos θ

Para θ = 0  r(θ) = rp
α
rp = (I)
1+ ε

Para θ = 180  r(θ) = ra


α
ra = (II)
1− ε

De (I) e (II), obtemos que:


ra − rp 2rarp
ε= e α=
ra + rp ra + rp

Pela 3ª Lei de Kepler, temos:


T2 4π2 ra + rp
= , onde R =
R3 GM 2
3
2  ra + rp  4 π2
T = 
 2  GM
 

(ra + rp )
3

 T = 2π
8GM

Resposta da questão 16:


a) A velocidade quadrática média das moléculas de um gás num ambiente em equilíbrio
térmico é dada pela seguinte equação:

3RT
VQM = (1)
M
sendo R a constante universal dos gases, T a temperatura absoluta do gás, e M a massa
da molécula.

Já a velocidade de escape para o planeta Vênus é dada por:

2GMVênus
VEsc = (2)
RVênus

sendo G a constante gravitacional, MVênus a massa de Vênus, e RVênus o raio do planeta.

Dividindo-se a equação (1) pela equação (2) tem-se:

3RT
VQM M 3 R T R Vênus 1 k
= =  = (3)
VEsc 2GMVênus 2 G MVênus M M
R Vênus

sendo que:
3 R T R Vênus 3 R T RTerra
k= = 
2 G MVênus 2 G  0,810 MTerra

3  8,3  735  6,4  106


k =  1,35  10−6
2  6,7  10−11  0,81 6  1024

A equação (3) é reescrita como segue:


VQM 1,35  10−6
 (4)
VEsc M

Conclui-se que:
VQM 1,35  10−6
= = 0,063
VEsc CO −3
2 44  10 [kg]
VQM 1,35  10 −6
= = 0,080
VEsc N
2 28  10−3
VQM 1,35  10−6
= = 0,067
VEsc Ar 40  10 −3
VQM 1,35  10−6
= = 0,21
VEsc He 2  10−3

b) A partir dos resultados obtidos no item anterior, pode-se concluir que o He é o gás com
maior propensão a escapar de Vênus, seguido em ordem decrescente por: N2 , Ar, CO2 . Dessa
forma, o gás He tenderá a se concentrar em camadas da atmosfera mais distantes do núcleo
de Vênus, o gás N2 tenderá a se concentrar numa camada mais próxima ao núcleo que He; o
Ar numa camada mais próxima que o N2 ; e o CO2 tenderá a se concentrar em camadas
mais próximas ao núcleo do que todos os outros gases.

Resposta da questão 17:


A energia necessária (E) para a transferência de órbita corresponde à diferença entre as
energias cinéticas, no ponto B, para as órbitas circular final e elíptica.
Então:
( )
2 2
m vBc m vBe m 2
E=
2

2
 E=
2
2
vBc − vBe . (I)

2
- Cálculo de vBc para a órbita circular final.
A força gravitacional age como resultante centrípeta. Então:
2
m vBc GM m G Mm
FRc = FG 
rB

2
2
 vBc = (II)
rB rB

2
- Cálculo de vBe para a órbita elíptica.
Como o sistema é mecanicamente isolado, ocorre conservação do momento angular (L).
Assim, para os pontos A (periélio) e B (afélio) da órbita elíptica, temos:
r
L A = LB  m v Ae rA = m vBe r B  v Ae = v Be B .
rA
(III)

Usando (III), pela conservação da energia mecânica, vem:


m v 2Ae G M m 2
m vBe GMm
EM = EM  − = − 
A B 2 rA 2 rB

1  2 rB2  r −r 
1 2
2
( 2
v Ae − vBe )
 1 1
= GM −  
 rA r B 
2
 vBe 2 − vBe
2  rA
 = GM B A
  rA rB
 

  
 
 
2
vBe  r2  r −r   r −r  1 
 B2 − 1 = G M  B A   vBe = 2 GM 
2 B A   
2 r   rA rB   rA rB   r 2 − r 2
 A      B A 
 r2 
 A 
 rB − rA  2 GM rA
2
vBe = 2 GM rA 
 rB (rB + rA )(rB − rA ) 
2
 vBe =
rB (rA + rB )
(IV )
 

Substituindo (II) e (IV) em (I):


m  GM 2G M rA 
E=
m 2
2
( 2
vBc − vBe  E=  ) 
2  rB
−  
rB (rA + rB ) 

G Mm  1 2 rA  G Mm  rA + rB − 2 rA 
E=  −   E =   
2  rB rB (rA + rB )  2  rB (rA + rB ) 

G Mm  rB − rA 
E=  
2rB  rA + rB 

Resposta da questão 18:


Dados: r = 1,5  1011m; G = 6,7  10−11N  m2  kg2; π = 3,14; T = 1 ano = 3  107 s.

Sendo circular a órbita do planeta, a força gravitacional exerce a função de resultante


centrípeta.
2
 2π  3
 T  r 4 π2 r 3
= m ω r  M=  
GM m 2
F = Rcent   M= 
r2 G G T2

( )
3
4 ( 9,9 )  1,5  1011 1,3  1035
M= = 
( )( )
2
6,7  10−11  3  107 6  104

M = 2,2  1030 kg.

Resposta da questão 19:


De acordo com o enunciado podemos desenhar:

Sendo A e P os pontos mais distante e mais próximo, respectivamente, da estrela, lembre-se


que no ponto mais distante o planeta possui velocidade mínima e que no ponto mais próximo
ele possui velocidade máxima.

Um sistema planetário se comporta como um sistema conservativo, ou seja:


2
GMm mV 2mín. GMm mV máx.  1 1 
Emec.A = Emec.P → − + =− + → V 2máx. − V 2mín. = 2  GM  − 
(a + c) 2 (a − c) 2 a−c a+c 

A lei das áreas de Kepler nos dá a seguinte relação: Vmáx. (a − c) = Vmín. (a + c)


Vmín. (a + c)
Vmáx. (a − c) = Vmín. (a + c) → Vmáx. =
(a − c)

Substituindo na primeira equação, teremos:


2
 1 1   Vmín. (a + c)   1 1 
V 2máx. − V 2mín. = 2  GM  −  → 2
 − V mín. = 2  GM  − 
 a − c a + c   (a − c)  a−c a+c 
GM(a − c)
Vmín =
a(a + c)
GM(a − c)
Vmáx. (a − c) = Vmín. (a + c) → Vmáx. (a − c) =  (a + c)
a(a + c)
GM(a + c)
Vmáx. =
a(a − c)

Resposta da questão 20:


O enunciado nos informa a existência de duas órbitas circulares (I e III) e uma elíptica (II),
conforme figura abaixo:
Sendo rI e rIII os vetores posição das órbitas circulares I e III, respectivamente, e, ra e rp , os
vetores posição do afélio e do periélio, respectivamente, da órbita elíptica II, observamos que:
rI = rp e rIII = ra .

O exercício trata do momento angular L = rpsenθ , onde p = m.v , sendo m a massa do satélite
que está girando ao redor da Terra e v a intensidade de sua velocidade.
L = rpsenθ → L = rmvsenθ

Como θ = 90 senθ = 1


L = rmvsenθ → L = r.m.v
L = r.m.v (eq.1)

Dos estudos de gravitação, temos que:


– Para órbitas circulares
G.M
V=
r
Substituindo na eq.1, teremos:
G.M
LI = rI.m.
rI
G.M
LIII = rIII.m.
rIII

– Para órbitas elípticas


2.G.M.ra
Vp = sendo Vp a intensidade da velocidade do satélite no periélio;
rp .(ra + rp )

2.G.M.rp
Va = sendo Va a intensidade da velocidade do satélite no afélio.
ra .(ra + rp )
Como o momento angular do satélite girando ao redor da Terra e conservado, podemos utilizar
Va ou Vp . Considerando Vp e substituindo na eq.1, teremos:
2.G.M.ra
LII = rp .m.
rp .(ra + rp )
2.G.M.ra 2.G.M.rIII
Como rI = rp e rIII = ra : LII = rp .m. → LII = rI.m.
rp .(ra + rp ) rI.(rIII + rI )

Conclusão
G.M
LI = rI.m.
rI
2.G.M.rIII
LII = rI.m.
rI.(rIII + rI )
G.M
LIII = rIII.m.
rIII
2.G.M.rIII G.M
Como rI.m é constante para LI e LII , e   LII  LI .
rI.(rIII + rI ) rI
Como rIII  rI  LIII  LII

RESPOSTA: LI  LII  LIII .

Resposta da questão 21:


[Resposta do ponto de vista da disciplina de Física]
a) Galileu é um dos proponentes do heliocentrismo, teoria que previa a movimentação dos
planetas ao redor do Sol. Galileu, por meio da observação, foi capaz de reforçar o discurso
de outros sábios, que estavam se tornando cientistas, no final da Idade Média e início da
Idade Moderna.
b) Galileu foi julgado pela inquisição por alguns motivos, entre eles a proposta do
heliocentrismo, o que contrariava a visão de mundo da Igreja Católica – defensora do
geocentrismo. Outro motivo que podemos apontar é a forma de produção do conhecimento
proposta por ele e seus pares. A noção de se produzir conhecimento a partir da observação,
(como o tempo de queda livre independer da massa) e usando instrumentos, tais como a
luneta, e com um método próprio (o método científico), preocupava a Igreja Católica que
naquele momento ainda era a maior detentora de conhecimentos capazes de explicar o
funcionamento do universo.

[Resposta do ponto de vista da disciplina de História]


a) Podemos citar algumas leis criadas por Galileu, como (1) a teoria de que todos os planetas
orbitam em torno do Sol – o heliocentrismo e (2) a teoria de que, sem a resistência do ar,
todos os corpos em queda livre atingem a mesma velocidade independente de suas massas.
b) Como todos os pensadores renascentistas, Galileu primava pelo uso da razão em suas
análises. Assim, muitas vezes, suas teorias iam de encontro ao que a Igreja Católica
preconizava. Em especial, ele foi perseguido pela teoria do heliocentrismo, uma vez que a
Igreja defendia o geocentrismo.