Você está na página 1de 7

Abigail: Senhora das circunstâncias

Sábado à tarde Ano Bíblico: Lc 9–11

VERSO PARA MEMORIZAR: “No coração do prudente, repousa a sabedoria,


mas o que há no interior dos insensatos vem a lume” (Provérbios 14:33).

Leituras da semana: 1Sm 25; Is 28:23, 53:12; Dn 9:15-19; Mt 15:10; Rm 8:34

Você já se sentiu vítima das circunstâncias? Já desejou estar em outro lugar?


Ou desejou ser outra pessoa? Pense, então, no personagem desta semana:
Abigail.

Mulher inteligente e bonita mas, infelizmente, se casou um homem egoísta,


míope e mesquinho: Nabal – descendente de Calebe, em nada semelhante a
seu antepassado estimado. Nabal pode ter sido rico, mas seu nome ou apelido,
que significa “bobo” ou “tolo,” refletia com precisão seu caráter.

No tempo de Abigail e Nabal, os casamentos eram pré-arranjados, e então,


Abigail certamente não teve escolha a esse respeito. As circunstâncias
pareciam falar contra ela em um casamento como esse. As condições não
eram favoráveis, mas, no vislumbre que temos da vida de Abigail, somos
encorajados a não nos tornar vítimas das circunstâncias.

Abigail não tentou escapar à realidade. Era realista sobre sua situação (1Sm
25:25), mas não permitiu que as circunstâncias a arruinassem. Decidiu crescer
onde havia sido plantada.
Domingo Ano Bíblico: Lc 12–14

Alguém que ouça

A maioria das pessoas não tem problemas em falar. Para dizer a verdade, a
maioria de nós fala demais. Com seria melhor se aprendêssemos a ser bons
ouvintes! Existem seminários sobre maneiras de melhores ouvintes. Afinal, está
acontecendo muita coisa ao nosso redor. E como é importante ouvir!

1. Como as Escrituras destacam a necessidade de ouvir? Is 28:23; Mt


15:10; Tg 1:19

Davi e seus homens estavam fugindo de Saul. Enquanto se refugiaram no


deserto de Parã, eles se encontraram com os pastores e os animais do rico
proprietário Nabal. Em vez de se aproveitarem dos animais, Davi e seus
homens protegeram os pastores e animais. Finalmente, chegou o tempo da
tosquia das ovelhas, e havia um espírito festivo no ar. Essa era uma ocasião de
gratidão e oferecimento de presentes. Sabendo disso, Davi enviou dez de seus
homens para pedir provisões.

2. Por que Davi ficou tão ofendido pela resposta de Nabal? O que Davi
entendeu? 1Sm 25:1-11

Nabal estava verdadeiramente confirmando o significado de seu nome. Ele


chamou zombeteiramente os homens de Davi de escravos fugitivos e os enviou
de mãos vazias. Nabal deixou muito claro que pensava ser Davi um ninguém.
Em sua mente, Davi era tão insignificante que não valia a pena perguntar de
onde vinha nem o que fazia. Embora Davi demonstrasse surpreendente
domínio próprio com o assassino rei Saul, à nossa semelhança, ele se sentiu
profundamente ferido quando lhe foi dito que ele não era ninguém e não valia
nada. Tudo isso foi agravado pelo fato de que ele havia mostrado generosidade
e estava sendo recompensado com insultos e humilhação.

Nabal ignorava totalmente com quem estava lidando. Aparentemente, ele


conhecia alguns dos fatos. Sabia quem era o pai de Davi e que Davi estava
fugindo de Saul, mas era tão egoísta e convencido que não foi capaz ou não
estava disposto a ouvir seus servos. Os servos de Nabal tinham vivido
próximos aos homens de Davi e sabiam que eram uma força de batalha com
que podiam contar. Os servos reconheceram que seu senhor era “um homem
tão mau que ninguém [conseguia] conversar com ele” (1Sm 25:17, NVI). Então,
buscaram alguém que os ouviria – Abigail.

Quando foi a última vez em que sua falta de ouvir atentamente o colocou em
dificuldades? Como você pode aprender de seus erro
Segunda Ano Bíblico: Lc

Ações falam mais alto que palavras

3. Leia 1 Samuel 25. Qual é a essência da história de Abigail? Que lições


podem ser imediatamente tiradas dela? Que perguntas permanecem?

Depois de ter ouvido o relatório do servo, Abigail imediatamente começou os


preparativos. Ela fez mais que ouvir; ela agiu. O narrador de 1 Samuel 25:18,
19 detalha a lista de materiais que ela preparou: passas, figos, ovelhas prontas
para ser cozidas, cereais tostados, pão e vinho. Esses materiais eram luxuosos
e provavelmente mais do que os dez homens de Davi esperavam.

A parte seguinte da história é cheia de movimento e ação. O autor da


passagem se move entre cenas diferentes, construindo a tensão. Nós
contemos a respiração, esperando o momento do contato. No calor da hora,
sem parar para ouvir Deus nem a razão, Davi e seus homens marchavam para
se vingar do insulto. O número de homens que ele levava consigo reflete quão
zangado ele estava. Davi levava consigo dois terços de suas forças.

Quando reagimos com ira, é muito difícil apresentar uma resposta apropriada;
normalmente, reagimos com exagero. Abigail não enviou simplesmente seus
presentes e então esperou para ver o que acontecia. Ela assumiu a
responsabilidade e saiu a caminho para encontrar Davi. Apesar de ser casada
com um homem dominador e precipitado, ela não permitiu que ele esmagasse
seu espírito. Não se permitiu ser vítima. Ela ainda manteve o senso de valor
próprio e se prontificou a arriscar a própria vida a fim de proteger sua casa.
Suas chances eram parecidas com as do jovem Davi enfrentando Golias: uma
mulher com jumentos carregados de alimentos e alguns servos, indo enfrentar
400 homens armados e zangados.

Enquanto isso, Nabal, o tolo, também estava ocupado. Enquanto sua valente
esposa saía para enfrentar um exército irado, ele estava em casa festejando e
se embriagando.

4. Que ensinam os versos a seguir sobre o significado de nossas ações?


Mt 7:21; 25:31-46; Tg 2:14-17

Falar pode ser fácil, mas nossos atos confirmam ou contradizem o que
dizemos. Os atos de Abigail, Davi e Nabal dizem muito sobre o que eles
pensavam, quem era importante para eles, e que espírito motivava seus atos.

Se alguém fosse tirar conclusões somente por seus atos sobre você e que tipo
de pessoa é você, que conclusões tiraria, e por quê? O que sua resposta lhe
diz sobre você mesmo?
Terça Ano Bíblico: Lc 18–20

Tempo de falar

Em um vale entre montanhas, Abigail se encontrou com as forças de Davi. Ela


se curvou diante dele e o tratou como se já fosse rei.

5. Leia cuidadosamente o discurso de Abigail em 1 Samuel 25:23-31.


Contraste com a resposta de Nabal (v. 10, 11). Qual é a diferença entre as
duas?

Abigail se dirigiu a Davi como “meu senhor”. Talvez isso já servisse como
lembrete a Davi de que ele deveria se comportar de maneira adequada a um
rei ungido de Deus e não como chefe de um bando de saqueadores. Abigail foi
capaz de promover nobreza em Davi porque não havia perdido o senso de
valor próprio. Foi isso que a capacitou a ver o melhor em Davi e encorajar nele
um comportamento piedoso.

6. Qual foi a primeira coisa que Abigail disse a Davi? O que suas palavras
nos fazem recordar? O que ela tentou fazer? Êx 32:32; Et 7:2-4; Is 53:12; Dn
9:15-19; Rm 8:34

A intercessão é marcada por um denominador comum: aquele que intercede


deve se identificar muito de perto com aquele por quem está intercedendo,
quer o intercessor obtenha proveito na transação, quer não. A pessoa deve
estar disposta a pôr de lado seus próprios interesses egoístas e pedir o que for
melhor para a outra pessoa. Abigail poderia ter visto essa ameaça à vida de
Nabal como um meio de se livrar de seu marido e recuperar a liberdade. Em
vez disso, ela escolheu se identificar com ele e implorar por sua vida indigna.

Talvez a melhor forma de intercessão seja a oração intercessora. Oramos


pelas pessoas que estão impossibilitadas ou pouco dispostas a orar por si
mesmas. Temos que pôr de lado nossas próprias necessidades, carências e
desejos e falar com Deus em favor dessas pessoas. Nossas orações dão a
Deus o motivo para invadir fundo o território de Satanás. É quando oramos
pelos outros que percebemos a imensa compaixão que Deus tem por nós.
Podemos aprender a bendizer aqueles que nos maldizem e orar por aqueles
que nos caluniam (Lc 6:28).

Alguém já intercedeu por você em uma situação em que você mesmo não
podia cuidar de si? Como essa situação o ajudou a entender melhor o que
significa que Jesus está intercedendo em nosso favor?
Quarta Ano Bíblico: Lc 21, 22

O que Abigail se recusou a fazer

Frequentemente, as pessoas têm medo de uma pessoa abusiva. É comum


acobertarem o abusador, mentir e fingir a fim de satisfazê-lo.

7. Abigail foi muito franca a respeito do marido. O que isso revela sobre
ela? 1Sm 25:25, 26. Como este fato torna sua intercessão em seu favor
ainda mais notável?

Embora Abigail estivesse disposta a arriscar a própria vida para salvar sua
casa, ela também manteve sua integridade pessoal. Não mentiu em favor de
Nabal. Ela sabia que o problema era ele, e não teve medo de dizer isso,
mesmo em público.

Frequentemente, aqueles que se encontram em um relacionamento abusivo


começam a se sentir responsáveis pelas ações do abusador e se sentem
culpados. Abigail não fez assim. Ela mantinha um forte senso de valor próprio.
Esse senso de valor derivava de seu senso de missão. Ela não se vangloriava
por haver detido Davi e levar-lhe presentes mas se considerava simplesmente
um instrumento de Deus para fazer Davi mudar de ideia. Por saber quem era,
Abigail estava em condições de encorajar Davi a ser tudo o que podia ser. Ela
lhe lembrou que lhe cabia travar as batalhas do Senhor e não desperdiçar seu
tempo e energia em busca de vingança por insultos pessoais. A observação de
Abigail de que “não se ache mal” em Davi (1Sm 25:28) era tanto uma
declaração como uma advertência para que Davi não se desqualificasse para o
grande ofício para o qual havia sido ungido – o de ser rei.

Abigail também lembrou a Davi que, com a vida firmemente dedicada a Deus,
ele não tinha necessidade de salvar as aparências nem defender sua honra.
Deus faria isso por ele.

Lembre-se, também, de que, no mundo de Abigail, nem o divórcio nem mesmo


a separação eram aceitáveis para uma mulher. Do ponto de vista terreno, ela
“pertenceria” a seu marido até o dia de sua morte. Porém, Abigail não
considerava a vida inútil nem uma prisão permanente. Ela cria que Deus lidaria
com seu marido a Seu próprio tempo.

O discurso de Abigail mostra que a sabedoria pode ser encontrada em


qualquer situação da vida quando nos rendemos a Deus. A sabedoria não é
uma teoria, mas um modo prático de viver e reagir aos que nos cercam.

Que significa submeter-nos completamente a Deus? Como se faz isso? Se


alguém lhe dissesse: “Quero entregar-me completamente ao Senhor, mas não
sei como”, o que você responderia?
Quinta Ano Bíblico: Lc 23, 24

Dentro e fora

Ao contrário de muitos de nós, Davi aceitou a crítica construtiva e observou


nas palavras da Abigail a operação de Deus. Em um momento, ele percebeu
em perspectiva as consequências de seus propósitos, e foi grato por ter Deus
intervindo e impedido que ele cometesse um banho de sangue. Abigail voltou
para casa só para descobrir que, mais uma vez, seu marido não estava em
condições de ouvir, e então, esperou sabiamente até a manhã seguinte para
informá-lo do que ocorrera.

Nabal ficou aterrorizado. Muito provavelmente, ele tenha sofrido um ataque


cardíaco e morreu dez dias depois. Davi não se esqueceu de Abigail e enviou
homens com uma proposta de casamento.

8. No contexto do estudo desta semana (1Sm 25:41), o que as últimas


palavras de Abigail registradas na Bíblia nos dizem sobre ela? Que outros
exemplos bíblicos expõem o mesmo princípio em ação?

9. Abigail era uma mulher influente. Apesar de ter cinco servas, ela estava
disposta a servir. Quem mais expôs o mesmo dever? Mt 20:28

A vida de Abigail não foi nenhum conto de fadas, mesmo depois de seu
casamento com Davi. Como era costume naqueles dias, Davi teve muitas
esposas, e a vida familiar estava longe do ideal de Deus. Abigail foi a segunda
esposa de Davi e teve que estar constantemente em fuga do rei Saul. Em
Ziclague, ela, juntamente com as famílias de outros homens, foi capturada
pelos amalequitas e, mais tarde, foi salva. É aqui que finalmente desaparece
Abigail da narrativa bíblica. Todos esperaríamos ver essa bela e sábia mulher
ao lado do rei Davi, desempenhando um papel importante no desenvolvimento
posterior da sua história, mas, ao contrário, só existe silêncio. Tudo o que
sabemos além disso é que ela teve um filho chamado Daniel (1Cr 3:1) ou
Quileabe (2Sm 3:3), que era o segundo na linha do trono em ordem de
nascimento. Porém, tanto Abigail como seu filho desaparecem da cena. Alguns
estudiosos acreditam que tanto ela como seu filho morreram violentamente.
Devido aos estupros, assassinatos, revoltas e rebeliões em que, mais tarde, os
filhos mais velhos de Davi estiveram envolvidos, a morte prematura talvez não
fosse a pior que poderia acontecer.

Como seguidores de Jesus, nossa vida também não é necessariamente um


conto de fadas. Deus sabe o fim desde o princípio e, portanto, nem todas as
voltas de nossa vida precisam ter sentido para nós. Mas precisamos confiar na
bondade de Deus.
Sexta Ano Bíblico: Jo 1–3

Estudo adicional

As palavras [de Abigail] poderiam apenas ter vindo dos lábios de quem tivesse
participado da sabedoria do alto. A piedade de Abigail, semelhante ao perfume
de uma flor, exalava de seu rosto, de suas palavras e ações, sem que disso ela
se apercebesse. O Espírito do Filho de Deus habitava em seu coração. Seu
discurso, adubado pela graça e cheio de bondade e paz, derramava uma
influência celestial. Melhores impulsos vieram a Davi, e ele tremeu ao pensar
quais poderiam ter sido as consequências de seu intuito precipitado. ‘Bem-
aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus’ (Mt
5:9). Permita Deus que haja muitos outros como essa mulher de Israel, que
abrandem os sentimentos irritados, detenham impulsos temerários e, com
palavras de calma e bem dirigida sabedoria, aplaquem grandes males!

“Uma vida cristã consagrada está sempre a derramar luz, consolação e paz.
Caracteriza-se pela pureza, tato, simplicidade e utilidade. É dirigida por aquele
amor abnegado que santifica a influência. Está repleta de Cristo, e deixa um
rastro de luz aonde quer que seu possuidor vá. Abigail tinha sabedoria para
reprovar e aconselhar. A paixão de Davi esvaiu-se sob o poder de sua
influência e raciocínio. Ele ficou convicto de que assumira uma conduta
imprudente e perdera o autodomínio.

“Com humilde coração, recebeu a repreensão em conformidade com suas


próprias palavras: ‘Fira-me o justo, será isso uma benignidade; e repreenda-
me, será um excelente óleo’ (Sl 141:5). Ele deu graças e louvores porque ela o
aconselhara retamente. Muitos há que, quando reprovados, julgam ser dignos
de elogio se recebem a repreensão sem se tornarem impacientes; mas quão
poucos recebem a reprovação com coração grato e abençoam aqueles que os
procuram salvar de seguir por um mau caminho!” (Ellen G. White, Patriarcas e
Profetas, p. 667).

Respostas sugestivas:

Pergunta 1: A Bíblia nos aconselha a ouvir a voz de Deus, os conselhos dos sábios e as razões
dos humildes.
Pergunta 2: Nabal ignorou o bem que Davi havia feito aos seus homens e ainda zombou dele.
Pergunta 3: Abigail agiu com presteza e sabedoria para defender o marido, sua casa e seus
servos.
Pergunta 4: As ações falam muito mais alto que as palavras.
Pergunta 5: Nabal não avaliou a realidade do bem que lhe havia sido feito nem a gravidade do
perigo em que incorria. Enquanto Nabal se embebedava, Abigail percebeu a seriedade da
situação e agiu prontamente para afastar o perigo.
Pergunta 6: Assumiu a culpa do marido e intercedeu por todos de sua casa.
Pergunta 7: Abigail foi franca a respeito dos defeitos do marido e assumiu a culpa por ele.
Pergunta 8: Sua admirável disposição de servir.
Pergunta 9: Jesus