Você está na página 1de 3

VII ENTEC – Encontro de Tecnologia da UNIUBE

16 a 18 de novembro de 2011
Campus Aeroporto – Uberaba

RELIGAMENTO AUTOMÁTICO DE UMA SUBESTAÇÃO


INDUSTRIAL
1 2
Matheus Gomes Joaquim ; Edilberto Pereira Teixeira
1, 2
Universidade de Uberaba
matheus.gomes.joaquim@gmail.com
edilberto.teixeira@gmail.com

1 - Introdução elimina os desligamentos nos consumidores


A modernização dos sistemas de proteção e de urbanos causadas por falhas na zona rual,
automação, em instalações elétricas de áreas (Campitelli, 2007).
industriais, oferece algumas vantagens para a O processo de religamento não é difundido em
manutenção, a operação e a segurança de instalações industriais devido a particularidades
pessoas e de equipamentos. Os sistemas digitais presentes em cada fábrica e a pouca utilização
modernos permitem que as instalações de controle dos recursos digitais existentes, que estão em
sejam dotadas de diagnósticos e de automação, grande expansão. Mas, com uma boa estratégia
criando-se uma gama de funcionalidades que de configuração e a utilização dos recursos
melhoram a precisão, a velocidade de disponíveis no mercado, é possível atingir
identificação de defeitos e o restabelecimento do segurança e velocidade, além de garantir o
sistema com segurança (Zimmerman, 2011). perfeito funcionamento das instalações industriais,
A união de um sistema SCADA (Supervisory sem que haja problemas no processo produtivo,
Control and Data Aquisition) capaz de monitorar, mantendo a continuidade de suprimento de
rastrear e gravar informações de um processo energia. Desta forma, este projeto mostra a
elétrico, com relés inteligentes e controladores aplicação do processo de religamento automático
lógicos programáveis (CLP) cria uma estrutura de uma subestação industrial, reduzindo o tempo
para a operação de disjuntores, religando-se de paradas das plantas produtivas por falta de
automaticamente uma unidade industrial por meio energia elétrica, minimizando o contato humano
de estratégias automatizadas. Além do mais, com manobras e assim reduzindo o risco de
impede-se que cargas críticas sejam religadas em acidentes.
situação de risco, pois existe uma integração do
sistema de proteção elétrica com a automação 2 - Religamento automático:
industrial. Garante-se, com isto, a integridade equipamentos, controles e premissas.
física dos trabalhadores e das instalações elétricas Neste trabalho apresenta-se o projeto de
(Abboud 2011). religamento automático de uma subestação
Segundo Campitelli (2007), em alguns casos industrial, onde são utilizadas tecnologias
não é recomendada a instalação de religadores, consagradas no mercado de automação industrial
devido ao fato de algumas cargas não poderem e de sistemas elétricos, tais como:
ser religadas, pois o processo exige um certo • Relés de proteção multifunção
tempo de acomodação, além de dificuldades para microprocessados;
a retomada da produção. Como exemplo destes • Processador de comunicação SEL-3332;
casos, têm-se as indústrias de papel, têxteis, • Concentrador de comunicação SEL-2032;
metalúrgicas etc.
• CLP (Controlador Lógico Programável);
A utilização do religamento automático em
• Software supervisório SCASA;
concessionárias elétricas é uma prática adotada
• Multimedidores de grandezas elétricas;
com frequência, integrando seletividade lógica e
elétrica, para reduzir o tempo de interrupção dos • Antena e receptor GPS (Global Positioning
consumidores atendidos, onde apenas o circuito System);
de falha permanece desligado. Elas alocam os • Rede de sincronização dos dispositivos de
religadores em pontos estratégicos dos circuitos proteção padrão IRIG-B;
de distribuição para melhorar a qualidade do • Redes de campo Modbus RTU (padrão
serviço de fornecimento de energia elétrica. Em físico: RS-232, RS-485 e Ethernet (Elétrico
circuitos urbanos e rurais com o mesmo e ótico)), Modbus Plus e SEL Fast Message
alimentador, há um religador que protege o setor Protocol;
urbano e outro para o setor rural. Este conjunto • Bridge Modbus para ethernet TCP/IP;

Modelo para elaboração do resumo expandido para o VII ENTEC


VII ENTEC – Encontro de Tecnologia da UNIUBE
16 a 18 de novembro de 2011
Campus Aeroporto – Uberaba

• Bridge Modbus Plus para ethernet TCP/IP; somadas à função de verificação de sincronismos
• Conversor de EIA-232 para Fibra Ótica (ANSI – 25) serão instalados nos pontos onde
multímodo; necessitem destas funções, ou seja, em locais de
• Switch Ethernet com 16 portas paralelismo entre geradores e a concessionária.
10/100BASE-T; A parametrização para o religamento
• Conversor serial de RS232 para RS422 / automático obedece aos seguintes critérios:
RS485 • Fechamento em barra morta após 20
A arquitetura de rede que interliga os relés de segundos da verificação da abertura do seu
proteção microprocessados segue a topologia respectivo disjuntor e detecção da barra
estrela que é extremamente comum nas atuais morta, ou seja, barra sem presença de
comunicações das subestações. O SCADA mestre tensão. Exige-se ainda a condição lógica de
é o núcleo que comunica com as RTU’s (Remote permissão vinda do CLP, que verifica todas
Terminal Unit) nas radiais, através do processador as possibilidades de intertravamentos,
de comunicação que, por sua vez, comunica com estabilidade da comunicação entre os
o concentrador de comunicação e este último com dispositivos, validando a permissão para o
cada relé de proteção. Para a interligação onde a fechamento do disjuntor.
distância supere os 15 metros serão instalados • Caso exista presença de tensão na barra, o
conversores serial de RS232 para RS422 / RS485. relé de proteção faz a verificação de
Para distâncias superiores ou próximas a 1200 sincronismo. Com a permissão de
metros utiliza-se o conversor de EIA-232, para fechamento vinda do PLC, o relé aguarda o
Fibra Ótica multímodo. O protocolo de sincronismo entre as fases da cogeração e
comunicação entre eles é o SEL Fast Message da concessionária, ou seja, a mesma
Protocol que é um protocolo binário podendo ser frequência, a mesma magnitude da tensão e
intercalado com o ASCII (Zimmerman e uma pequena velocidade de deslocamento
Schweitzer III, 2011). entre os fasores. Atendidas todas essas
A arquitetura de rede que interliga possibilidades, o disjuntor é religado,
multimedidores de grandezas elétricas segue a colocando o sistema novamente em
topologia barramento, usando o RS485. Através paralelo.
do protocolo Modbus RTU mestre-escravo. Como premissa, quando atuar as proteções de
Para o sincronismo do relógio utiliza-se o IRIG- sobrecorrente instantânea ou temporizada, seja de
B, que fornece um sinal recebido pelo GPS, via neutro ou de fase, (ANSI – 50 / 51 / 50N / 51N),
satélite para sincronização dos relés. O direcional de corrente (ANSI – 67), ou a proteção
processador de comunicação recebe a diferencial (ANSI – 87) não será permitido o
sincronização que é transmitida fisicamente para religamento automático. Sendo assim, o ciclo do
os concentradores que, por sua vez, replicam para religamentos não se iniciará enquanto a falha não
os relés de proteção. for eliminada. O religamento não é habilitado caso
O processador de comunicação, SEL-3332 é ocorra o desligamento manual, remoto ou por
um servidor inteligente com um sistema de algum automatismo (SEL-351A, 2007).
hardware e software. Existe compatibilidade entre Nos disjuntores com relé de proteção
a arquitetura microcontrolada integrada, o sistema microprocessado, o próprio relé faz o bloqueio do
operacional embarcado e o software servidor de religamento, e, onde existir relé de proteção
protocolo. O SEL-3332 fornece uma interface eletromecânico, o PLC será o responsável para a
gráfica de fácil configuração para o mapeamento verificação, a análise e o fechamento dos
de dados seriais e Ethernet entre inúmeros disjuntores.
clientes e servidores (SEL-3332, 2009). Para o religamento das unidades produtoras, é
O CLP possui cartões de entrada inteligentes obedecida uma sequência pré-deteminada e
com registro de eventos que avaliam o estado dos temporizada. Na indústria mineral e de
sinais de entrada a cada 1 ms. Na comunicação fertilizantes, quanto mais rápido ocorrer o
entre o CLP, as estações de supervisão e o religamento, menores são as perdas de produção
concentrador SEL-3332 são usadas switches e menor é o tempo para a re-estabilização da
industriais de comunicação Ethernet (140 ERT 854 produção. Nesses casos, a maior preocupação
10, 2002). será com as instalações elétricas que não
A conexão física entre os dispositivos que suportam o religamento instantâneo de cargas.
estiverem no mesmo prédio é através de cabos Depois de implementadas as lógicas de
UPT industrial CAT6 e quando estiverem em intertravamentos, as sequências de fechamento e
prédios diferentes é via fibra óptica. a parametrização dos relés microprocessados de
Os relés microprocessados que possuem a proteção, foram simuladas as possibilidades de
função de religamento automático (ANSI – 79) operação pelo software PSAT.

Modelo para elaboração do resumo expandido para o VII ENTEC


VII ENTEC – Encontro de Tecnologia da UNIUBE
16 a 18 de novembro de 2011
Campus Aeroporto – Uberaba

CAMPITELLI, E. M. Análise e estudos para


3 - Resultados e discussão alocação e ajustes de dispositivos de proteção em
Para o religamento automático em uma redes de média tensão de energia elétrica com
subestação industrial, o levantamento dos pontos geração distribuída. 2007. 99 f Dissertação
onde é necessária a verificação de sincronismo (mestrado) - Universidade Estadual Paulista.
será de grande importância, visto que, a Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Ilha
segurança das instalações e da integridade física Solteira, 2007.
das pessoas são primordiais. Uma vez que o
sistema elétrico em conjunto com automatismos SCHNEIDER ELECTRIC (Ma). 140 ERT 854 10:
exige um ajuste criterioso. Mas, com as premissas Modicon Quantum Automation Series Hardware
adotadas, a precisão na aquisição dos dados e a Reference Guide. Version 10.0 North Andover:
certificação da estabilidade da comunicação entre Aeg Schneider Automation, Inc, 2002. 868 p.
PLC, processador de comunicação e relés de
proteção, garante-se que o sistema ficará seguro e
eficaz. SEL-351A, SCHWEITZER ENGINEERING
O religamento das unidades produtivas de LABORATORIES (Ma)., 1 Relay Distribution
forma sequenciada previne que ocorra uma Protection System, Instruction Manual. Manual
sobrecarga no sistema, amenizando-se o impacto date code: 20070117 Schweitzer Engineering
das correntes de inrush dos transformadores e das Laboratories, Inc, 2007. 660 p.
correntes de partida dos motores. A temporização
no inicio do religamento, garante que todos os SEL-3332, SCHWEITZER ENGINEERING
motores já estejam com sua inércia estabilizada e LABORATORIES (Ma)., Intelligent Server,
que os sistemas que os comandam já tenham Instruction Manual. Manual date code: 20090625
reconhecido sua parada. Nestas condições, torna- Schweitzer Engineering Laboratories, Inc, 2009.
se permitido o religamento desta unidade e das 94 p.
unidades subsequentes.
SEL-2032, SCHWEITZER ENGINEERING
Para os intertravamentos, será adotada a LABORATORIES (Ma). Communicaions
redundância entre as informações física e lógica Processor, Instruction Manual. Manual date code:
recebidas pelo sistema de comunicação, 20090812 Schweitzer Engineering Laboratories,
garantindo-se assim a veracidade da informação. Inc, 2009. 352 p.
Agregando-se a verificação da estabilidade de
comunicação, através do WATCHDOG (“cão de ZIMMERMAN, Karl. Aplicações de Relés
guarda”) individualizado por dispositivo de Microprocessados na Distribuição. Disponível em:
comunicação, permite-se executar o religamento <http://www.selinc.com.br/art_tecnicos.aspx>.
automático com precisão. Acesso em: 28 set. 2011.

ZIMMERMAN, Karl; SCHWEITZER III, Edmund O.


4 - Considerações finais Comunicações com subestações: quando se deve
Espera-se que, concluído o projeto e a sua usar EIA-232, EIA-485 e fibra ótica? Disponível
aplicação na indústria, seja atingida a redução da em: <http://www.selinc.com.br/art_tecnicos.aspx>.
interrupção prolongada das unidades produtivas, Acesso em: 28 set. 2011.
minimizando-se o contato humano com manobras
e reduzindo-se assim o risco de acidentes. As
simulações e a documentação dos processos
garantem funcionabilidade, estabilidade,
segurança e agilidade do projeto de religamento
automático.

5 - Referências
ABBOUD, Ricardo et al. Aplicação do IEC 61850
no Mundo Real: Projeto de Modernização de 30
Subestações Elétricas. Disponível em:
<http://www.selinc.com.br/art_tecnicos.aspx>.
Acesso em: 27 set. 2011.

Modelo para elaboração do resumo expandido para o VII ENTEC