Você está na página 1de 266

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Instituto de Filosofia e Ciências Sociais


Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia

Governo de Mortes
Uma etnografia da gestão de populações de favelas no Rio de Janeiro

Juliana Farias

Rio de Janeiro
2014
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Instituto de Filosofia e Ciências Sociais
Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia

Governo de Mortes

Uma etnografia da gestão de populações de favelas no Rio de Janeiro

Juliana Farias

Tese de Doutorado apresentada ao


Programa de Pós-Graduação em Sociologia
e Antropologia da Universidade Federal do
Rio de Janeiro, como parte dos requisitos
necessários à obtenção do título de Doutora
em Ciências Humanas (Sociologia).

Orientador: Luiz Antônio Machado da Silva

Rio de Janeiro
2014

ii
Governo de Mortes

Uma etnografia da gestão de populações de favelas no Rio de Janeiro

Juliana Farias

Orientador: Luiz Antônio Machado da Silva

Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Sociologia e


Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos
necessários à obtenção do título de Doutora em Ciências Humanas (Sociologia).

Aprovada por:

________________________________________________________
Prof.Dr. Luiz Antônio Machado da Silva, Presidente da Banca
PPGSA/IFCS/UFRJ

________________________________________________________
Prof.Dr. Fernando Rabossi
PPGSA/IFCS/UFRJ

________________________________________________________
Profª. Dra. Adriana de Resende Barreto Vianna
PPGAS/Museu Nacional/UFRJ

________________________________________________________
Profª. Dra. Márcia da Silva Pereira Leite
PPCIS/UERJ

________________________________________________________
Profª. Dra. Patrícia Birman
PPCIS/UERJ

________________________________________________________
Profª. Dra. Beatriz Maria Alasia de Heredia (Suplente)
PPGSA/IFCS/UFRJ

________________________________________________________
Profª. Dra. Letícia Carvalho de Mesquita Ferreira (Suplente)
CPDOC/FGV

Rio de Janeiro
2014

iii
FARIAS, Juliana.
Governo de Mortes: Uma etnografia da gestão de populações
de favelas no Rio de Janeiro / Juliana Farias. Rio de Janeiro:
UFRJ/PPGSA, 2014.
xviii, 248f. il; 31cm.
Orientador: Luiz Antonio Machado da Silva.
Tese (doutorado) – UFRJ / Instituto de Filosofia e Ciências
Sociais / Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia.
Referências bibliográficas: pp 208 – 219.
1. Antropologia do Estado. 2. Execução sumária. 3. Favela. 4.
Auto de resistência. 5. Violência institucional. 6. Militarização. I.
Machado da Silva, Luiz Antonio. II. Universidade Federal do Rio de
Janeiro, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Programa de Pós
Graduação em Sociologia e Antropologia. III. Governo de Mortes:
Uma etnografia da gestão de populações de favelas no Rio de Janeiro.

iv
Para Maria Dalva da Costa Correia da Silva e Gabriela Deivid Correia da Silva,

mãe e filha de Thiago da Costa Correia da Silva.

v
AGRADECIMENTOS

Agradeço a todas e todos que hoje integram a Rede de Comunidades e Movimentos


contra Violência: Dona Ana, Deize Carvalho, Dona Izildete, Dona Julia, Márcia Jacintho,
Patricia Oliveira, Alexandre Magalhães, Deley de Acari, Fabio Araujo, José Luiz e
Maurício Campos; e também àqueles que se articulam ou já se articularam a esse espaço
político de outras formas: Elaine Freitas, Luciane Rocha, Maristela Santos, Maria da
Penha, Josilmar Macário, Luciano dos Santos (Cuca!), Marcelo Braga e Wesley Denílio –
por terem me concedido o privilégio da convivência, da interlocução e da militância.
Agradeço também àqueles cujos encontros se deram através da Rede e marcaram o
início da trajetória desta pesquisa: Marta Dahyle, Sônia, Elizabeth, Dona Aldeci, Isabel
Ferreira, Regina Bordalo, Susanne Dzeik, Kirsten Wagenschein, Gas-PA, Joel Valentim,
Marcio Jerônimo, Jonas, Baiano, Aurélio e Augusto. Agradeço também às mães de
vítimas já falecidas com quem tive a oportunidade de conviver e aprender muito:
Dulcinéria, Vera Lucia e Marilene Lima.

À Maria Dalva Correia também devo um agradecimento especial, pela confiança


depositada no meu trabalho, por ter aberto as portas de sua casa para mim, por todo o
afeto com o qual sempre me acolheu e pela interlocução política construída ao longo
desses anos.

Ao meu orientador, Luiz Antonio Machado da Silva, agradeço por todos os anos de
formação, pautados por uma interlocução sincera e compreensiva – o que foi
fundamental para um processo de escrita onde a minha liberdade esteve plenamente
garantida. À Márcia Leite, com quem aprendi, ainda na graduação, que era possível fazer
pesquisa acadêmica politicamente comprometida e posicionada. À Patrícia Birman, a
quem devo a possibilidade de olhar o mundo com as lentes da antropologia. À Adriana
Vianna, com quem tive o privilégio de dividir parte do trabalho de campo desenhado no
projeto de tese e a quem devo, portanto, muitas das ideias exploradas neste trabalho.
Considero um verdadeiro privilégio ter podido contar com essas quatro interlocuções
ao longo desta etapa da minha formação, visto que estas se desdobraram em uma
espécie de comissão informal de orientação – o que me coloca em eterna dívida com
todos, ao mesmo tempo em que me obriga a dizer que qualquer aspecto positivo deste
trabalho compartilho com eles, ao contrário dos aspectos negativos, dos quais sou
inteiramente responsável.

Agradeço ao professor Fernando Rabossi e à professora Beatriz Heredia, por terem


concedido tempo e atenção ao meu trabalho, aceitando compor a banca de defesa desta
tese, juntamente com Letícia Ferreira.

vi
À Letícia Ferreira agradeço ainda por toda a atenção concedida durante a realização
deste trabalho – sua interlocução foi realmente um presente que recebi no início do
doutorado e do qual nunca mais abri mão.

A Carla Mattos, Christina Vital, Jussara Freire, Lia Rocha, Márcia Leite, Palloma Menezes,
Wania Mesquita, Dinaldo Almendra, Cesar Teixeira, Fabio Araujo, Luiz Antonio Machado
da Silva e Luis Carlos Fridman – com quem tive o privilégio de realizar uma segunda
etapa da minha formação enquanto pesquisadora, no âmbito do CEVIS – Coletivo de
Estudos sobre Violência e Sociabilidade (Instituto de Estudos Sociais e Políticos / UERJ).

Em função de outra parte da minha dívida com Adriana Vianna, agradeço à Paula
Lacerda, Angela Facundo, Maria Gabriela Lugones e Antonio Carlos de Souza Lima pelas
possibilidades de interlocução no âmbito do LACED – Laboratório de Pesquisas em
Etnicidade, Cultura e Desenvolvimento (Departamento de Antropologia do Museu
Nacional/UFRJ).

Agradeço imensamente à toda a equipe da Justiça Global: Alexandra Montgomery, Alice


De Marchi, Ana Esther, Andressa Caldas, Cristiana Andrade, Francisca Moura Lopes,
Glaucia Marinho, Greice Lima, Isabel Lima, Lourdes Deloupy, Marisa Viegas, Melisanda
Trentin, Natália Damazio, Sandra Carvalho, David Ramos, Eduardo Baker, Gabriel
Strautman, Mario Campagnani, Rafael Dias e Renato Cosentino – pelos diversos tipos de
apoio a este trabalho e pelo período de licença que me foi concedido para finalizar a
escrita. Agradeço especialmente à Gláucia, Alice, Bel e Sandrinha, que acompanharam
mais de perto as questões e os dramas relativos à elaboração da tese e à Greice Lima,
pela consultoria na produção dos anexos.

Agradeço ainda à Renata Lira, Isabel Mansur, Camila Ribeiro, Taiguara Soares e Tomás
Ramos pelos diferentes suportes e incentivos à pesquisa a partir da qual foi realizado
este trabalho. Agradeço especialmente à Marielle Franco por toda atenção, cuidado e
interlocução.

Às companheiras e companheiros do Bloco Se Benze que Dá, por me ensinarem a cruzar


fronteiras físicas e políticas. Agradeço especialmente à Gizele Martins, Geandra Nobre,
Priscila Monteiro, Josi Lira, Mariluci Nascimento, Renata Souza e Leonardo Melo, pelo
incentivo e pelas trocas de ideias.

Agradeço também às interlocuções acadêmicas/militantes/boêmias do eixo Rio-SP, em


especial à Natalia Padovani e Larissa Nadai e do eixo Rio-Córdoba, em especial à Graciela
Tedesco, Natalia Bermudez e Marina Liberatori (muitas saudades de todas!).

Sou extremamente grata à Patrícia Rivero, pelos incentivos fundamentais no período


inicial do doutorado e à Leilah Landim, pelas possibilidades de trocas. Agradeço às
professoras e aos professores com quem realizei cursos no PPGSA, no PPGAS/MN e no
IESP/Uerj: Elisa Reis, André Botelho, Michel Misse, Pedro Paulo Oliveira, Adriana Vianna,

vii
Luiz Antonio Machado da Silva, Jussara Freire e Alexandre Werneck. Agradeço ainda a
todos os funcionários do PPGSA, nas figuras de Claudia e Verônica. Durante a realização
do doutorado pude contar com bolsas de estudo concedidas pelo Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Fundação Carlos Chagas Filho
de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ) – apoio imprescindível para
a realização deste trabalho. Ao final do quarto ano do curso, fui contemplada com a
Bolsa para Jovens Investigadores, concedida pelo Centro de Estudos Sociais (CES) da
Universidade de Coimbra, através da qual tive a oportunidade de construir importantes
interlocuções para o meu campo de pesquisa: agradeço especialmente à professora
Tatiana Moura e ao professor José Manuel Pureza por toda a atenção durante minha
curta estadia em Portugal. Deixo registrado um agradecimento sincero à Alexandra
Pereira, pessoa responsável pela melhor acolhida que um centro de pesquisa pode
proporcionar, bem como a Maria Jose Carvalho e Acácio Machado, por todo suporte
durante o mês de trabalho na Biblioteca Norte-Sul.

Agradeço imensamente à Juliana Pimenta, Flavia Calmon e Tania Fróes – figuras centrais
para que a maluquice que me habita fosse sempre produtiva e não o contrário.

Agradeço finalmente à minha família, aos meus amigos e aos meus amores:

À minha mãe, Andrea, agradeço por ter sido – durante o doutorado e sempre – o meu
grande porto seguro. A João, agradeço por ter sido – durante o doutorado e sempre – o
meu melhor amigo. À minha avó Mariazinha, por ter estado sempre ao meu lado, em
todos os momentos, especialmente os mais difíceis. À minha avó Jacira e ao meu avô
José, por terem sempre apoiado os meus estudos. Aos meus padrinhos, tios e primos,
pelos vários incentivos, com um agradecimento especial ao meu primo Bernardo, que
tem talento na arte de torcer. Agradeço ao meu pai, Julio, à minha biza Rosinha e ao
meu avô Hugo, por ter a certeza de que a torcida dos três está viva dentro de mim.

À Patrícia Pedrosa, por todo apoio, carinho e cumplicidade.

Às amigas e aos amigos que há muito (ou pouco) tempo torcem para que tudo dê certo,
em especial agradeço a Diana Tubenchlack e Pedro Nasser, Mônica Coelho, Amanda
Coelho, Licius Coelho, Francine Ramos, Paula Pimenta, Paula Quaresma, Claudia
Pinheiro, Cynthia Bimbi, Juliana Pitta, Flavia Cupolillo, Camila Galvão, Lia Baron, Ursula
Peres, Camila Sampaio, Alberto Calil, Suellen Guariento, João Paulo Rodrigues, Vanessa
Leite, Guilherme Almeida, Andréia Resende, Ana Cunha, Aline Morais, Bruno Zilli, Flavia
Braga, Michel Carvalho, Bárbara Pires e Felipe Lins.

A Mônica Dias, Julia Malafaia e Alessandra Magalhães, pelas interlocuções e


navegações.

A Raquel Barros, Marilia Marcia e Alexis Cortés, por todas as trocas.

viii
A todas as amizades que cresceram entre pesquisa e/ou militância. Aos amigos do
“quinteto”: Claudia Trindade, Lia Rocha, Marielle Franco e Otto Faber, pelas tantas
trocas de ideias ao longo da realização dessa pesquisa. Um agradecimento especial à Lia
Rocha e Graziella Silva pela paciência e pelo carinho nos momentos de “pânico de
doutoranda”.

À Palloma Menezes e Bianca Freire-Medeiros, pelos apoios vários e por uma amizade
que atravessa tempo e espaço.

Agradeço à Mônica Santos e Patrícia Lanes, pelos ensinamentos e parcerias de tantos


anos.

À Carolina Gonçalves e Roberta Zanatta, irmandades uerjianas para o resto da vida!

A Fred Martins, pela torcida à distância, mas sempre presente.

À Fabiene Gama, pela irmandade mais aquariana e internacional (agradeço


especialmente por todas as horas de skype e pelo headphone babado, que tornou
possível a escrita da tese em temporada de obras no prédio!). Com minha outra
irmandade aquariana, Silvia Aguião, dividi algumas dores e delícias nesses últimos 5 anos
– e agradeço especialmente pelo intercâmbio de playlist “força na peruca” dessa reta
final da escrita!

A Wallace Lino, pelo apoio, pelo carinho e pelas visitas no período barra pesada do
“confinamento”. Essa e outras visitas trouxeram alegria no momento de escrita.
Agradeço especialmente a Caju Bezerra, Thais Justen, Taiane Mendonça e Romulo Beck
– presenças sempre muito bem-vindas.

A Jaqueline Andrade, por todas as trocas e todo o companheirismo, do início desse


doutorado até hoje.

A Paulo Victor Leite Lopes, por todo o cuidado, todo o carinho e apoios tão diversos que
não cabem em lista, nem em agradecimento.

À Raíza Siqueira, minha irmã e dupla desde o início da graduação, agradeço por cada
semana, cada mês e cada ano de lá pra cá. A ela e a Daniel Rodrigues, assim como a
Paulo Victor, são tantos os agradecimentos que não caberiam aqui.

Agradeço finalmente à Tássia Mendonça, com quem dividi os momentos de maior


entusiasmo e maior dificuldade durante esse processo. Foi um privilégio e um presente
poder escrever em sua companhia, contando não só com sua interlocução, mas também
seu carinho. Nem sei como começar a agradecer, então espero apenas poder retribuir
sempre, na mesma intensidade, tanto cuidado, tanta atenção, tanta paciência, tanto
papo reto, tanto companheirismo e tanto amor.

ix
Quem é morador sabe, ao mesmo tempo tá ligado
Que quando os vermes vêm dentro ou fora do blindado
Vem mandado, programado pra matar
Despreparado, mas sabendo muito bem atirar
Nos excluídos, incluídos em um plano perverso
Bala perdida, tiro aqui tem endereço certo
Segue o recém nascido até o mais idoso
Tudo plano de rico pra manter o controle do povo
É louco o amor que eles têm pelo dinheiro
Fazem lágrimas de sangue escorrerem no mundo inteiro
Kponne e us neguin que nunca vão ficar calado
Contra a política de extermínio adotada pelo Estado

Us Neguin q Não C Kala e Família Kponne, Lágrima de Sangue

x
RESUMO

Governo de Mortes
Uma etnografia da gestão de populações de favelas no Rio de Janeiro

Esta tese é construída a partir do interesse em compreender determinadas angulações


da engrenagem governamental de gestão das mortes dos moradores de favelas no Rio
de Janeiro. O momento da efetuação do disparo da arma de fogo que atinge o morador
de favela demarca a produção de um recorte analítico do processo de gestão dessas
mortes, considerando papéis e registros oficiais – sendo o laudo cadavérico acionado
enquanto documento a partir do qual são exploradas outras movimentações
(burocráticas ou não) que compõem o inquérito policial e o processo judicial de casos
de homicídio ocorridos durante intervenções militares em favelas. As formas como
chefes e agentes de Estado se referem a essas mortes em declarações públicas, assim
como as repercussões sobre o enquadramento dessas mortes por entre diferentes
instâncias estatais, referenciam o quadro político enfocado na tese – cuja elaboração
decorre de um trabalho de campo pautado pela agenda dos familiares de vítimas de
violência institucional. Trata-se do resultado de uma experiência de pesquisa junto a
coletivos políticos protagonizados por esses familiares, entendendo seus
enfrentamentos, demandas, dores e conquistas enquanto orientação primeira para a
conformação do olhar sobre forças de estado que produzem legitimidade e legalidade
para mortes completamente ilegítimas.

Palavras-chave: execução sumária; favela; auto de resistência; violência institucional;


militarização.

Rio de Janeiro
2014

xi
ABSTRACT

Government of Deaths
An etnography of population manegement of Rio de Janeiro's favelas

This thesis seeks to comprehend specific variations within the government machinery
devoted to the management of deaths of a particular population: the one who lives in
the Rio de Janeiro favelas. The very moment when a firearm is fired against a favela
resident demarcates the production of an analytical approach that concerns the
management of those deaths, considering official papers and records – being the
cadaverous report taken as the document upon which I examine other flows
(bureaucratic or not) that are part of the police investigation and persecution related to
homicide cases occurred during military operations in the favelas. The way State
leadership and agents refer to those deaths in public speeches, as well as the
repercussions propagated by the framing of such deaths within different State bodies,
inform the political framework that this thesis focus upon – whose elaboration is the
result of a fieldwork which was guided by the schedule followed by the relatives of
victims of institutional violence. It is the result of a research experience conduct with
political groups, which have those relatives as their forefront. The aim was to
understand their struggles, demands, pains and gains as the primary window through
which one sees the State forces producing legitimacy and legality to deaths which are
completely illegitimate.

Key-words: summary execution; favela; resisting arrest; institutional violence;


militarization.

Rio de Janeiro
2014

xii
LISTA DE FIGURAS

Figura 1 Cartaz bilíngue / Movimento Posso Me Identificar? 30


Figura 2 Capa da Folha SP 31
Figura 3 Capa da Carta Capital 32
Figura 4 Screenshot 1 – Entre Muros e Favelas 38
Figura 5 Screenshot 2 – Entre Muros e Favelas 39
Figura 6 Screenshot 3 – Entre Muros e Favelas 41
Figura 7 Postal 1 Frente – Campanha contra o Caveirão 44
Figura 8 Postal 1 Verso – Campanha contra o Caveirão 44
Figura 9 Adesivos 1 e 2 – Campanha contra o Caveirão 45
Figura 10 Postal 2 Frente – Campanha contra o Caveirão 46
Figura 11 Postal 2 Verso – Campanha contra o Caveirão 47
Figura 12 Charge Latuff Cauê armado e Caveirão 51
Figura 13 Detalhe (Caô e Caveirão) – faixa da Rede contra Violência 52
Figura 14 Stencil Caô 1 53
Figura 15 Stencil Caô 2 53
Figura 16 Charge Latuff (2008) / Outdoor 58
Figura 17 Outdoor Censurado 1 60
Figura 18 Outdoor Censurado 2 60
Figura 19 Foto - Matheus Rodrigues (Baixa do Sapateiro) 65
Figura 20 Cartaz de Convocação do Ato do dia 20/12/2008 65
Figura 21 Capa do Relatório produzido por Justiça Global, MNMMR e 65
OMCT
Figura 22 Cartaz de convocação da atividade dos 5 anos da morte de 65
Matheus
Figura 23 Material de convocação / Fórum de Juventudes do Rio de 74
Janeiro
Figura 24 #somostodosamarildo (Buika) 78
Figura 25 Capa de Facebook (Onde estão os Amarildos?) 78
Figura 26 Somos todos Amarildo (Coletivo Projetação) 80
Figura 27 Arte e foto: Coletivo Projetação 1 81

xiii
Figura 28 Arte e foto: Coletivo Projetação 2 81
Figura 29 Arte e foto: Coletivo Projetação 3 82
Figura 30 Arte e foto: Coletivo Projetação 4 82
Figura 31 Print Screen – Petição online pela desmilitarização das polícias 83
do Brasil.
Figura 32 Laudo cadavérico, Face anterior – Emanuel. 153
Figura 33 Screenshot 4 – Entre Muros e Favelas 195
Figura 34 Material – Campanha Nacional contra o Extermínio da 196
Juventude Negra

Figura 35 Jornal O Dia – Caso do Borel 1 197

Figura 36 Jornal O Dia – Caso do Borel 2 198


Figura 37 Cartaz – Dalva 199
Figura 38 Charge Latuff – 10 Anos Chacina do Borel 199
Figura 39 Siluetazo 201
Figura 40 Cartaz – Silhuetas – Desaparecidos 201

xiv
LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

ALERJ Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro


AMB Associação dos Magistrados Brasileiros
BAC Batalhão de Ações com Cães
BAM Boletim de Atendimento Médico
BO Boletim de Ocorrência
BOPE Batalhão de Operações Especiais
BPM Batalhão da Polícia Militar
BPCHq Batalhão de Policiamento de Choque
CDDHC Comissão de Defesa dos Direitos Humanos
e Cidadania da Alerj
CDDPH Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa
Humana
CIDH Comissão Interamericana de Direitos
Humanos
CORE Coordenadoria de Recursos Especiais da
Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro
CPP Código de Processo Penal
CREMERJ Conselho Regional de Medicina do Estado
do Rio de Janeiro
DP Delegacia de Polícia
DRCPIM Delegacia de Repressão aos Crimes de
Propriedade Imaterial
DH Divisão de Homicídios
DDH Instituto de Defensores de Direitos
Humanos
FAC Folha de Antecedentes Criminais
FSM Fórum Social de Manguinhos
FJRJ Fórum de Juventudes do Rio de Janeiro
GTNM-RJ Grupo Tortura Nunca Mais – Rio de Janeiro
ICC Instituto Carioca de Criminologia
ICCE Instituto de Criminalística Carlos Éboli
IFP Instituto Félix Pacheco
IML Instituto Médico-Legal
IMLAP ou IML-RJ Instituto Médico-Legal Afrânio Peixoto ou
Instituto Médico-Legal do Rio de Janeiro
IPM Inquérito Policial Militar
ISP Instituto de Segurança Pública
MNDH Movimento Nacional de Direitos Humanos
MJ Ministério da Justiça
MP Ministério Público
NUDEDH Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos da
Defensoria Pública do Estado do Rio de
Janeiro

xv
OAB-RJ Ordem dos Advogados do Brasil – Seção do
Estado do Rio de Janeiro
OEA Organização dos Estados Americanos
ONG Organização Não-Governamental
ONU Organização das Nações Unidas
PAF Projétil de Arma de Fogo
PCERJ Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro
PMERJ Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro
REDE Rede de Comunidades e Movimentos
contra Violência
RO Registro de Ocorrência
SDH/PR Secretaria de Direitos Humanos –
Presidência da República
SENASP Secretaria Nacional de Segurança Pública
SESEG Secretaria de Estado de Segurança
UPP Unidade de Polícia Pacificadora

xvi
SUMÁRIO

Introdução 1
Cena 1 1
Da entrada (e permanência) em campo 2
Redesenhos da pesquisa 7
Desse Estado que se reconstrói nos intervalos do cotidiano 15
Sobre materiais de pesquisa e decisões metodológicas 21
Organização da tese 24
Uma consideração inicial 25

Parte I

Capítulo 1. Execuções e chacinas em pauta 27

1.1 Traduzindo violência de Estado pra quem é brasileiro e pra quem não é 29
1.2 Cartões postais e adesivos contra um veículo de guerra 41
1.3 Charge, stencil e outdoor: detenções e censura nos anos 2000 47
1.4 Da foto por e-mail à capa do Facebook: divulgação das mortes dentro e
fora da internet 60

Capítulo 2. Discutindo um enquadramento de morte por dentro do Estado 84

2.1 Entendendo o auto de resistência a partir dos familiares de vítimas 85


2.2 Uma audiência no Rio de Janeiro 87
2.3 Uma reunião em Brasília 103
2.4 Detalhes gramaticais e políticos 112

Parte II

Advertência 115
Morro do Russo, zona sul do Rio de Janeiro – junho de 2008 116
Parque Andrade, zona norte do Rio de Janeiro – dezembro de 2010 118

Capítulo 3. Imbricação “Estado-família”: capilaridades extremas da gestão 119

3.1 Que tipo de interlocução “Estado-família” é essa? 122


3.2 Como tal interlocução produz atualizações do exercício
do poder de Estado? 126
3.3 Como se configuram as legitimidades “de Estado” e “de família”
nesse desenho das atualizações do exercício do poder estatal? 143

xvii
Capítulo 4. Registros de morte em atos e papéis: obscuridades oficiais 149

4.1 Disputa de versões sobre as mortes na ação penal 154


4.2 Releitura dos fatos com a lente da perícia independente 168
4.3 Zona de tatuagem: um carimbo do Estado no corpo do favelado 178
4.4 Ortopedias discursivas para informações estatais 188
4.5 O documento laudo cadavérico, para além da necropsia 193

Considerações finais: do poder sobre a vida e a morte 203

Referências bibliográficas 208

Anexos 220

xviii
Introdução

Cena 1. [Dois minutos antes do letreiro anunciar o título do documentário.] Na


rua de uma favela plana do Rio de Janeiro, uma mulher mostra a casa onde mora e
convida a equipe de filmagem para entrar. “Este é o meu lar”, diz ela, entrando na
sala. Em seguida, aponta para cima do armário, continuando a apresentação: “e este
aqui é o retrato do meu filho”. O zoom da câmera revela um jovem negro, sério,
fazendo pose num pátio arborizado. À fotografia emoldurada se sobrepõe outra, do
mesmo rapaz, desta vez andando de bicicleta. O colorido e o movimento dos retratos
são substituídos em fade pela silhueta de um corpo masculino, em preto e branco,
visto de frente. O mesmo dedo da mãe que apontou a fotografia, aponta agora uma
marca assinalada no antebraço esquerdo da figura reproduzida numa das páginas do
laudo cadavérico do filho: “Aqui. Ele levou um tiro aqui.”. A mãe fala, vira a página e
mostra outra marca, desta vez assinalada na silhueta de um corpo masculino visto de
costas: “Aqui, o outro tiro que ele levou, que você vai ver que foi covardia, esse entrou,
esse ficou. Foi o que matou. Esse tiro das costas aqui foi o que matou ele”.

Reunidas, as quatro imagens descritas nos apresentam Julio César da Silva: um


jovem de 16 anos que morava em uma das favelas do Caju, onde foi executado por
agentes do 4º Batalhão da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro na noite de 06 de
janeiro de 2004. Neste mesmo dia foram executados1 também Wallace Damião

1
Nesta tese utilizo a definição de execução tal qual formulada pelo Núcleo de Estudos da Violência
(NEV/USP), a partir da qual os crimes de execução sumária correspondem a “homicídios dolosos, nos
quais existem evidências (implícitas ou explícitas) de que os agressores perpetraram a ação: com a
intenção prévia de eliminar a vítima, ficando excluídos os casos de morte resultante de assalto (tentado
ou consumado), seqüestro, tortura, brigas ou discussões, bala perdida, tiros acidentais ou outros delitos
em que a morte da vítima não seja resultado dessa intenção prévia; tendo motivações específicas,
sobretudo vingança, acerto de contas ou dívidas. As execuções podem ocorrer por outras motivações,
desde que, ao agirem, os agressores tenham um mínimo de planejamento e a intenção de cometer o
homicídio; de uma tal maneira e com um modus operandi (tipo de armas e de ferimentos, número de
tiros e de vítimas e qualificação dos agentes) que nos permitam qualificar a ação como execução sumária;
sem que a vítima tenha tido oportunidade de esboçar reação física ou jurídica.” Disponível em
<http://www.nevusp.org/portugues/index.php?option=com_content&task=view&id=1387&Itemid=94>.
Ao longo da tese, os motivos para a priorização da utilização de “execução” e “execução sumária” vão se
tornando mais evidentes, no entanto, é no capítulo 4 que são explicitadas as conexões entre justificativas
técnicas e políticas para tal escolha.

1
Gonçalves, Eduardo Moraes de Andrade, Flávio Moraes de Andrade e José Manoel da
Silva, cujas idades marcavam, respectivamente, 13, 17, 19 e 26 anos. Todos negros.
Reunidas, as cinco mortes configuram o episódio que ficou conhecido como
Chacina do Caju – chacina escolhida pelos diretores do documentário Entre Muros e
Favelas para abrir uma segunda edição do filme2, produzida especialmente para
exibições fora do Brasil, mais especificamente para um circuito europeu articulado junto
ao Comitê Suiço de Apoio aos Direitos Humanos nas Favelas do Rio de Janeiro3. Entre
Muros e Favelas foi filmado no Rio de Janeiro, durante os anos de 2003 e 2004: dirigido
por Márcio Jerônimo, Susanne Dzeik e Kirsten Wagenschein, traz histórias relacionadas
a seis casos de violência institucional em favelas cariocas – todos os casos envolvendo
execuções sumárias provocadas por agentes de Estado4.
O acionamento do documentário nesta introdução se deve a um motivo
específico, diretamente conectado à cena descrita. Em 40 segundos, a Cena 1 desenha
um trajeto: uma favela, um beco, uma casa, uma mãe, a foto de um filho, um laudo
cadavérico. Esse trajeto condensa elementos centrais do percurso de pesquisa que
realizei e a partir do qual construo essa tese.

Da entrada (e permanência) em campo

Em abril de 2004, tive a oportunidade de participar de uma manifestação contra


a violência do Estado nas favelas5. Tratava-se de um ato no Largo do Machado, seguido
de uma caminhada até o Palácio das Laranjeiras, marcando um ano da Chacina do Borel
– episódio no qual Carlos Alberto da Silva Ferreira, Carlos Magno de Oliveira
Nascimento, Everson Gonçalves Silote e Thiago da Costa Correia da Silva foram
executados por policiais militares do 6º BPM6. O ato havia sido organizado pelo

2
A versão em inglês do título do documentário é About walls and favelas.
3
Tal atividade é explorada no Capítulo 1 desta tese.
4
Os referidos casos de execução sumária são apresentados no capítulo 1, quando o documentário Entre
Muros e Favelas é novamente acionado na discussão do trabalho.
5
Na época, eu estava cursando o último ano da graduação em Ciências Sociais na UERJ e tal manifestação
fazia parte da agenda de pesquisa no qual eu era bolsista de extensão: o projeto “Cidadania e Imagem”
(no Núcleo de Antropologia e Imagem – NAI/UERJ), coordenado por Márcia Pereira Leite – a quem nunca
serão suficientes os agradecimentos pelos ensinamentos e pela cumplicidade nas orientações e nas
parcerias que se estendem até os dias de hoje.
6
No dia 16 de abril de 2003, dezesseis policiais do 6º Batalhão da Polícia Militar realizaram uma operação
no Morro do Borel, zona norte da cidade do Rio de Janeiro, operação que resultou nas quatro mortes

2
Movimento Posso me identificar? – coletivo que reunia moradores do Borel, integrantes
de outros coletivos políticos (como a Frente de Luta Popular, o Centro de Cultura
Proletária, e a Central de Movimentos Populares) e familiares de vítimas7 daquele e de
outros episódios marcados pela violência do Estado8.
A partir de então, comecei a acompanhar as atividades deste movimento,
decidindo realizar minha monografia de conclusão de curso sobre seu primeiro ano de
atuação9. Ainda durante 2004, algumas divergências políticas internas ao movimento10

mencionadas, além de ter deixado mais dois moradores do Borel feridos. O episódio ficou conhecido como
“Chacina do Borel” e passou a ser apresentado por organizações de defesa dos Direitos Humanos como
“caso emblemático” do uso excessivo da força pelos agentes do Estado (cfr. Justiça Global, 2003; 2004a;
2004b e Anistia Internacional, 2003). Para uma análise detalhada deste episódio e seus desdobramentos
políticos, ver Farias (2007; 2008; 2009).
7
Apesar de considerar a pertinência da discussão realizada por um segmento forte do campo de defesa
dos Direitos Humanos (que se expressa de forma muito contundente através do posicionamento político
de Cecília Coimbra – nas suas atuações mescladas entre academia e movimento social, a partir de sua
inserção no Grupo Tortura Nunca Mais – RJ) sobre as conotações negativas que o termo “vítima” carrega.
Muitos dos familiares da Rede realizaram ou ainda realizam atividades de apoio psicológico com
integrantes do GTNM-RJ – que compartilham desse posicionamento contrário ao termo “vítima” – e aí
está em questão muito menos o tratamento que outros (incluídos aí pesquisadores, como eu) dão ao
termo e muito mais a maneira como cada familiar se reconhece subjetivamente e se apresenta
publicamente após esses “eventos críticos” (Das, 1995). A partir de uma definição de Furet (1989) para a
revolução francesa – como um “evento por excelência” porque, segundo Das (1995: 5), “instituiu uma
nova modalidade de ação histórica que não estava inscrita no inventário dessa situação” –, Veena Das
explica que nenhum dos eventos analisados por ela podem ser comparados à revolução francesa, mas
que eles possuem um traço em comum: após esses eventos, novos modos de ação redefinem categorias
tradicionais como códigos de honra e pureza, como o significado de martírio, como a construção de uma
vida heróica; assim como novas formas são adquiridas por uma variedade de atores políticos, como
coletivos internos a castas específicas, comunidades religiosas, coletivos de mulheres, bem como a nação
como um todo. Das afirma, ainda, que os terrenos nos quais se dão esses eventos críticos podem ser
localizados via o entrecruzamento de diferentes instituições, atravessando família, comunidade,
burocracia, tribunais de justiça, a profissão médica, o estado e corporações multinacionais (DAS, 1995: 6).
Segundo Das (1995), a descrição de eventos críticos proporcionam a elaboração de uma etnografia que
produz uma incisão sobre todas essas instituições ao mesmo tempo e assim suas respectivas implicações
nos eventos são trazidas para o primeiro plano da análise. Dito isto, aciono neste trabalho o termo
“vítima” para me referir especificamente às pessoas que foram mortas ou feridas por agentes de Estado,
enquanto aciono o termo “familiares de vítimas” para me referir às mães, irmãs, irmãos, enfim, parentes
dessas vítimas em geral, enfocando, a partir de uma abordagem antropológica, o fato de esses “familiares
de vítimas” terem experimentado situações aproximadas do que Das (1995) chama de “eventos críticos”.
8
Vale destacar que a articulação do Posso me identificar? expressa um entre tantos momentos
significativos do histórico de resistência dos moradores do Borel, cujos primeiros registros datam do ano
de 1954 – ano no qual se formalizaram as primeiras organizações de moradores de favelas no Rio de
Janeiro, dentre as quais a União dos Trabalhadores Favelados do Morro do Borel (Lima, 1989; Machado
da Silva, 2002; Feire-Medeiros e Chinelli, 2003).
9
O trabalho foi orientado por Márcia Pereira Leite e intitulava-se “Movimento Posso me identificar?: De
objetos da violência a sujeitos da política”. Parte dos resultados apresentados nesta monografia encontra-
se em Farias (2005).
10
Após alguns dos integrantes responsáveis por gerir seus eventuais recursos financeiros retirararem-se
do movimento, é acirrado o debate em torno da modalidade de atuação do mesmo: um grupo defendia
a organização permanente de passeatas e atos públicos para pressionar o poder público, exigir justiça,

3
se desdobraram numa divisão do grupo – divisão a partir da qual surge a Rede de
Comunidades e Movimentos contra a Violência, movimento cuja marca de atuação foi
sendo construída em torno do protagonismo dos familiares de vítimas de violência do
Estado em favelas, em especial das mães de vítimas.11
Ao analisar experiências de familiares de desaparecidos durante a última
ditadura militar na Argentina, Catela (2001a) chama atenção para a eficácia política de
símbolos que indicam uma substância comum, como laços de sangue e metáforas de
parentesco. Para pensar na construção desse repertório simbólico ligado a uma
substância comum, a autora se baseia nas formulações de Geertz (1978) a respeito dos
laços primordiais – ideia que é retomada por Leite (2003; 2004) durante suas
investigações sobre a atuação política de mães de vítimas de violência na cidade do Rio
de Janeiro. Segundo Leite, o acúmulo de significados em torno dos laços primordiais –
aqueles experimentados como “vínculos inefáveis, vigorosos e obrigatórios em si
mesmos” (Geertz, 1978: 261) – possibilita a constituição de uma identidade política, a
de “mãe de vítima de violência”, dotada de forte legitimidade em seu clamor por
justiça12.
Em suas etnografias, ambas as pesquisadoras dirigem o olhar para formas de
apropriação dos espaços públicos durante a atuação política dos familiares. Catela
(2001a) examina o processo de construção de territórios de memória na paisagem
urbana, identificando as disputas em torno do que os familiares de desaparecidos

denunciar a violência policial e reivindicar acesso à cidade; outro sustentava a idéia de atuar através do
desenvolvimento de projetos pontuais, especialmente cursos profissionalizantes direcionados aos jovens.
11
Segundo a explicação de um dos integrantes mais antigos, a Rede de Comunidades e Movimentos contra
a Violência (movimento ao qual também me refiro nesta tese como Rede) é constituída por três grupos
distintos: um formado por pessoas que não necessariamente moram em favelas, mas que participam de
movimentos sociais urbanos e atuam contra a violação dos Direitos Humanos; outro composto por
moradores de favelas que participam de atividades políticas dentro e fora das favelas; e um terceiro – em
sua opinião o “mais forte”, formado pelos familiares das vítimas de violência policial em favelas.
Participam ou já participaram da “Rede” moradores das seguintes favelas: Acari, Borel, Caju, Cantagalo,
Coroa, Jacarezinho, Manguinhos, Maré, Rocinha, Pedreira, Pica-Pau, Providência e Vigário Geral; além de
integrantes da Frente de Luta Popular, do Centro de Cultura Proletária, da Central de Movimentos
Populares e do coletivo de Hip-Hop Lutarmada.
12
Sobre o protagonismo de mães e familiares de vítimas de violência do estado em favelas cariocas, além
de Leite (2003; 2004; 2013) e Vianna (2011; 2013a), destaco também os trabalhos de Moura (2007);
Soares, Moura e Afonso (2009); Araujo (2008 e 2012) e Freire (2010). Para a análise de coletivos políticos
protagonizados por familiares frente a outros enquadramentos de violência em território nacional, ver
Ferreira (2011) e Lacerda (2012). Para análises produzidas a partir do contexto argentino, além de Catela
(2001a), ver Bermúdez (2010).

4
reivindicam que seja lembrado e do que o Estado julga merecer (ou não) status de
memória oficial. Leite (2004), por sua vez, monta uma espécie de cartografia dos
espaços de protesto, explicitando como as tensões embutidas nas relações entre as
mães de vítimas pertencentes às classes mais abastadas e as mães de vítimas moradoras
de favelas acabam sendo reproduzidas através das escolhas dos roteiros das
manifestações públicas e do próprio conteúdo discursivo dos materiais apresentados
nas mesmas.
Quando se focaliza diferentes tematizações da violência e de elaboração de
acontecimentos traumáticos na cidade do Rio de Janeiro, os casos específicos das mães
de vítimas de violência policial em favelas chamam atenção, especialmente porque estas
mulheres têm que lidar com duas modalidades distintas de violência: a violência física,
que interrompe inesperadamente a vida de seus filhos; e a violência moral, configurada
na criminalização das vítimas, na destituição de sua dignidade como pessoas e como
cidadãos, seguindo a análise realizada por Birman e Leite (2004).
Esse quadro de enfrentamentos políticos passa a ser demarcado a partir dessa
figura englobante da mãe, que, como observamos Adriana Vianna e eu, expressa “uma
insurgência política definida em estreitas conexões com as construções – sempre em
processo – de gênero” (Vianna e Farias, 2011): mães, tias, irmãs ou irmãos (ou seja, tanto
mulheres, quanto homens) se movem nessa busca por justiça a partir de uma inscrição
no feminino – trazendo esse feminino não nos seus corpos, mas como “marca de
significação das relações que se romperam, bem como da violência ilegítima que as
destruiu” (idem).
Nesse contexto, a busca pela reparação moral passa a nortear as ações
cotidianas de muitas destas mães. Diversas manifestações públicas por elas
protagonizadas são marcadas por homenagens aos filhos mortos, configurando o que
Catela e Novaes (2004) denominam rituais para a dor. As diferentes etapas que
compõem esses rituais permitem às mães vivenciarem publicamente a experiência do
luto, reconstruindo a imagem de seus filhos como mártires da luta contra a violência,
como observamos Márcia Leite e eu, ao analisarmos diferentes situações deste

5
movimento social marcado pelo protagonismo das mães de vítimas (Leite e Farias, 2006;
2009).13
Analisando ritos funerários da Austrália, Mauss (1979) argumenta que o luto não
é uma expressão espontânea de emoções individuais. Para além de uma manifestação
dos próprios sentimentos, o luto é um rito, e como tal compreende um modo de
manifestar estes sentimentos aos outros.14 Esta chave interpretativa foi explorada em
minha dissertação de mestrado (Farias, 2007), marcando a conclusão de uma etapa da
análise deste processo de elaboração de um idioma de ação (Steil, 2002), isto é, de um
repertório político próprio das mães de vítimas de violência policial em favelas,
focalizando o valor simbólico da mobilização dos sentimentos em manifestações
públicas – o que implica atualizações fundamentais para a reconstrução das linguagens
de protesto de movimentos sociais urbanos como a Rede de Comunidades e Movimentos
contra Violência.
Enquanto acompanhava o trabalho da Rede, compreendi que a participação da
maior parte daqueles familiares de vítimas na luta contra a violência policial em favelas
era alimentada cotidianamente através de ações que, embora menos visíveis, também
demandavam um forte investimento emocional. Refiro-me aos percursos compostos
por suas idas a delegacias, quartéis, batalhões, ao Núcleo de Direitos Humanos da
Defensoria Pública (NUDEDH), à Subprocuradoria-Geral de Justiça de Direitos Humanos
e Terceiro Setor do Ministério Público (MPRJ), a comissões de Direitos Humanos da
ALERJ e da OAB-RJ, diferentes secretarias municipais e estaduais, ONGs de Direitos
Humanos, enfim, uma lista considerável de instituições e organizações através das quais
essa rede de familiares estabelece relações com determinados setores da sociedade civil
e com o poder público em diversos níveis.
Mapeados esses percursos, então, elaborei o desenho de pesquisa que compôs
o projeto desta tese, considerando especialmente as condições de possibilidade para
observar encontros entre agentes de Estado e os familiares de vítimas com os quais eu

13
Seguindo a sugestão de Catela e Novaes (2004), os “rituais para a dor” são pensados nesses trabalhos
como um “modelo para interpretação do presente”; como manifestações capazes de apontar alternativas
para “evitar a banalização das mortes violentas”.
14
“Todas as expressões coletivas, simultâneas, de valor moral e de força obrigatória dos sentimentos do
indivíduo e do grupo, são mais que meras manifestações, são sinais de expressões entendidas, quer dizer,
são linguagem” (Mauss, 1979: 153).

6
havia construído uma interlocução sólida em função da minha participação (ora como
pesquisadora, ora como militante, ora como apoiadora) nas atividades da Rede de
Comunidades e Movimentos contra Violência.

Redesenhos da pesquisa

A decisão por acompanhar os encontros entre agentes de Estado e os familiares


de vítimas decorreu do interesse em compreender algumas das angulações menos
explícitas da engrenagem que compõe a gestão governamental das mortes dos
moradores de favelas ocorridas durante ações militarizadas nesses territórios. Partindo
de um enquadramento teórico-metodológico que articula o controle de corpos ao
controle de populações e territórios, entendo que a gestão dessas mortes envolve forças
de Estado que exercem seu poder sobre os corpos de todos os moradores de favelas –
os mortos e os vivos.
O enquandramento teórico-metodológico deste estudo é construído, portanto,
a partir do argumento de Foucault (2008a) de que não devemos nos prender à ideia de
que “a soberania se exerce nos limites de um território”, “a disciplina se exerce sobre o
corpo dos indivíduos” e “a segurança se exerce sobre o conjunto de uma população”,
visto que tanto a soberania, quanto a disciplina e a segurança lidam com multiplicidades.
Seguindo essa linha de raciocínio, entende-se que 1) o exercício da soberania em seu
desenrolar cotidiano indica uma multiplicidade que é tratada como multiplicidade de
sujeitos ou como a multiplicidade de um povo (mesmo que a ideia de soberania sobre
um território não povoado seja jurídica e politicamente aceita e, em diferentes leituras,
a primeira a ser acionada); 2) que ainda que a disciplina seja exercida sobre o corpo dos
indivíduos, o indivíduo pode ser compreendido como uma maneira de recortar a
multiplicidade, visto que não é o dado primeiro sobre o qual a disciplina é exercida.
Sob esse enquandramento, então, as diferentes disciplinas – a disciplina escolar,
a disciplina militar ou a penal, para seguir os exemplos de Foucault (2008a) – são
compreendidas enquanto maneiras de administrar as multiplicidades. No presente
estudo, volto minha atenção para a gestão da população residente em favelas
considerando as conexões existentes entre as políticas de segurança pública atuais com
as políticas destinadas a essas pessoas e a esses territórios em função da sua

7
identificação (por parte do poder público, especialmente) enquanto lepra da estética ou
enquanto uma ameaça à saúde da cidade, como demonstram as análises de Valladares
(2000; 2005).
Refiro-me a formas atuais de administrar a favela e seus moradores que que
reeditam antigas pedagogias civilizatórias (Burgos, 1998), conectando-as a outras
formas de controle. A implementação dos parques proletários na cidade do Rio de
Janeiro é um bom exemplo para pensarmos reedições contemporâneas dessa
pedagogia, visto que evidencia procedimentos governamentais desenvolvidos para
conhecer, dominar e utilizar os indivíduos – marcas da arte das distribuições sobre a qual
se refere Foucault (2007) ao refletir sobre a fabricação de corpos submissos15.
Tanto a técnica de distribuição dos indivíduos no espaço, quanto o
desenvolvimento de uma mecânica do poder direcionada aos corpos, fornecem
elementos para uma interpretação dos objetivos políticos (incluídos aí os interesses
econômicos) que sustentaram a implementação dos parques proletários na cidade do
Rio de Janeiro. Enquanto a pobreza era vista como opção e o favelado apontado como
aquele que estava recusando o mundo do trabalho (Valladares, 1991), os parques
apareciam como uma dupla-solução: além de deslocarem espacialmente parte da
pobreza e concentrá-la em áreas cercadas, os parques eram equipados com aparelhos
que possibilitavam um controle da rotina dos indivíduos, mantendo a disciplina como
garantia da pedagogia civilizatória.
Valladares (2005) aborda o período de surgimento dos parques proletários em
um sub-capítulo intitulado Conhecer para melhor administrar e controlar a favela e seus
habitantes. Durante sua análise, a autora destaca a ligação entre os primeiros estudos
estatísticos a respeito das favelas (e seus moradores) e a política de construção destes
parques. Valladares refere-se à ótica populista do governo Vargas, chama atenção para
a ligação entre o nome ‘parques proletários’ e uma suposta valorização do trabalhador,

15
A “arte das distribuições”, nos termos trabalhados por Foucault (2007), é marcada por procedimentos
desenvolvidos para “conhecer, dominar e utilizar” os indivíduos. Tal utilização está diretamente
relacionada à “fabricação de corpos submissos e exercitados” – o que é realizado através de processos
impostos para “responder a exigências de conjuntura”. O filósofo evidencia como os processos
disciplinares se constituem de métodos que impõem às operações do corpo uma relação de “docilidade-
utilidade”: “a disciplina aumenta as forças do corpo (em termos econômicos de utilidade) e diminui essas
mesmas forças (em termos políticos de obediência)” (Foucault, 2007:119).

8
e faz questão de apontar o fato de que tais iniciativas “não foram simples operações de
realojamento provisório”:

“Não se tratava apenas de retirar as famílias dos espaços insalubres das favelas,
fornecendo-lhes novas moradias de acordo com as regras sanitárias. O objetivo
era também dar assistência e educar os habitantes para que eles próprios
modificassem as suas práticas, adequando-se a um novo modo de vida capaz
de garantir sua saúde física e moral. [...] Esses parques também compreendiam
dispensários, escolas, centros sociais, equipamentos esportivos, creches e um
posto de polícia” (Valladares, 2005: 62).

Tais referências aos parques proletários tanto podem remeter a técnicas de


controle marcadas pela “invenção de um lugar de coação onde a moral grassa através
de uma disposição administrativa” – como descreve Foucault (2005a) ao analisar o
Hospital Geral, quanto podem indicar uma comunicação direta entre o que era
construído enquanto proposta governamental de gestão das populações de favelas nos
anos 1940 e propostas atuais que mesclam tentativas de intervenções pedagógico-
civilizatórias com policiamento, como no caso das Unidades de Polícia Pacificadora16.
Considerando, também, a ligação entre a política de implementação dos parques
proletários e a produção de estatísticas sobre os favelados, bem como a instalação de
um posto de polícia em cada parque (local de “valorização do trabalhador”), como
observa Valladares (2005), teríamos nesse cenário da década de 40 a combinação entre
a “decifração das forças constitutivas de um Estado” (Foucault, 2008a) e um modelo de
controle que guarda estreitas ligações com aquele objetivado pela constituição da
polícia enquanto elemento central da arte de governar que conformava os estados
nacionais no século XVII: “o objetivo da polícia é o controle e a responsabilidade pela
atividade dos homens na medida em que essa atividade possa constituir um elemento
diferencial no desenvolvimento das forças do Estado” (Foucault, 2008a: 433).
Foucault (2008a) explica que a arte de governar se manifesta em um campo
relacional (ou concorrencial) de forças – o que se expressa através da instalação de dois
grandes conjuntos de tecnologia política: um marcado pela técnica de “ordenar a

16
Dentre as análises atuais a respeito das Unidades de Polícia Pacifica, destaco: Barbosa (2012), Cano
(2012), Carvalho (2011), Cavalcanti (2013), Davies (2013), Fleury (2012), Leite (2012b), Loretti (2013),
Machado (2010a, 2010b), Meirelles et all (2013), Mendonça (2014), Menezes (2013), Miagusko (2013),
Rocha (2011), Rodrigues et alii (2012), Silva (2012) e Passos e Franco (2013).

9
composição e a compensação interestatal das forças” (via instrumentação diplomática
e organização de um exército profissional); o outro conjunto seria formado pelo que se
chamava então (no século XVII até o fim do século XVIII) de “polícia”. Tal “polícia”
corresponderia ao cálculo e à técnica responsáveis pelo estabelecimento de uma relação
“entre a ordem interna do Estado e o crescimento das suas forças” – que ainda que
móvel – seria estável e controlável17. Esses dois “conjuntos tecnológicos” característicos
desta “nova arte de governar” estariam articulados através da estatística – a estatística
enquanto instrumento de saber do Estado sobre o Estado, enquanto “saber de si do
Estado” inerente ao funcionamento de uma engrenagem administrativa capaz de
identificar em cada Estado suas possibilidades de desenvolvimento.
Refletindo sobre as atualizações dos mecanismos de controle governamentais
sobre as populações residentes em favelas nas quais a centralidade da atuação da polícia
se dá de forma articulada a uma determinada forma de administração burocrática
desses corpos, considero o registro do auto de resistência como um dos elementos
através dos quais é possível compreender essa engrenagem de gestão.
Segundo Cano (1997), “auto de resistência” é a “nomenclatura oficial que a
polícia usa para definir as mortes e os ferimentos ocorridos em confronto, decorrentes
da resistência à autoridade policial.” Inicialmente regulamentado pela Ordem de Serviço
“N”, no 803, de 2 de outubro de 1969, da Superintendência da Polícia Judiciária, do
antigo estado da Guanabara, o “auto de resistência” foi registrado pela primeira vez no
dia 14 de novembro do mesmo ano, após uma ação policial realizada por integrantes do
Grupo Especial de Combate à Delinqüência em Geral – grupo que também havia sido

17
É destacada ainda uma outra definição para “polícia”, cuja circulação predominou no início do século
XVII, que Foucault resume como sendo o que deveria “assegurar o esplendor do Estado”. Não vou
estender o debate a partir deste enquadramento, mas gostaria de registrar que tal definição de “polícia”
certamente abre pistas para refletir sobre o atual processo de reordenamento urbano pré-megaeventos
pelo qual a cidade do Rio de Janeiro está passando (especialmente para se pensar pontos de contato entre
aquela “polícia” do século XVII e algumas ações da Guarda Municipal do Rio de Janeiro, dos agentes da
Secretaria Municipal de Assistência Social, da Secretaria Municipal de Habitação, entre outros), pois,
perseguindo o significado com Foucault, chegamos a ‘esplendor’ como sendo ao mesmo tempo “a beleza
visível da ordem e o brilho de uma força que se manifesta e que se irradia”, o que leva o autor a
reapresentar a definição de “polícia” como “a arte do esplendor do Estado como ordem visível e força
brilhante” (2008a: 422). Para uma análise de processos atuais de invisibilização da pobreza no Rio de
Janeiro, ver Consentino (2013).

10
formado em 1969 e ficou conhecido como “Grupo dos Onze Homens de Ouro” (Verani,
1996)18.
Em dezembro de 1974, o conteúdo da Ordem de Serviço 803/69 foi ampliado
pela Portaria “E”, no 0030, do Secretário de Segurança Pública. De acordo com o
Desembragador Sergio Verani (1996), esta Portaria desenvolveu uma ilegalidade básica,
pois estabelecia que o policial não poderia ser preso em flagrante nem indiciado. Verani
destaca que:
“A preocupação fundamental da Portaria é com o esclarecimento, no inquérito,
das ‘figuras penais consumadas ou tentadas pelo opositor durante a
resistência’. E determina que o inquérito, com o auto de exame cadavérico e o
atestado de óbito do opositor, seja remetido ‘ao Juízo competente para
processar e julgar os crimes praticados pelo opositor’, com o fim de ‘permitir ao
juízo apreciar e julgar extinta a punibilidade dos delitos cometidos ao enfrentar
o policial’. Se o opositor não morrer, a autoridade deverá ‘Ordenar a lavratura
do auto de prisão em flagrante para os que foram dominados e presos’” (1996:
37).

Para o desembargador, tal Portaria seria marcada por uma “absurda


inconstitucionalidade”, pois, através dela, “quem legisla para o policial que mata é o
próprio Secretário de Segurança, de nada valendo o Código Penal, o Código de Processo
Penal e a Constituição Federal” (Verani, 1996: 37). Quando, a partir da década de 90, tal
registro é reeditado no repertório de práticas burocráticas da Polícia Militar do Rio de
Janeiro19, o “auto de resistência” se configura enquanto um desafio burocrático e
político a ser enfrentado pelos familiares das pessoas mortas durante operações
policiais nas favelas, afinal, a imensa maioria dos casos registrados como “auto de
resistência” ou “resistência seguida de morte” são casos nos quais as vítimas foram
executadas sumariamente, como discuto ao longo da tese, a partir de diferentes
enquadramentos.
Convidado para expor seu posicionamento sobre o tema em audiência pública
realizada pela Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia

18
Diferentes aspectos do registro “auto de resistência” são explorados ao longo da tese, em especial no
capítulo 2 e no capítulo 4. Abordagens mais recentes sobre o tema informam a presente reflexão, com
destaque para Nascimento, Grillo e Neri (2009), Leite (2012), Líbano (2013), Ferreira (2013) e Misse et al
(2013).
19
Para análise da intensificação dos registros de auto de resistência na década de 1990, ver Cano (1997).

11
Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, em junho de 200920, o desembargador Sergio
Verani retoma o ponto abordado em seu livro sobre a inconstitucionalidade do registro
de “auto de resistência” e sua origem datada da ditadura civil-militar no Brasil,
destacando que todos os Secretários de Segurança Pública que sucederam o período
ditatorial mantiveram o registro enquanto um recurso possível de ser acionado pelos
policiais em serviço. Na ocasião, Verani afirmou estarmos diante de “um escândalo
democrático”, enquanto o sociólogo Ignacio Cano, também presente na audiência,
tratou a possibilidade do registro do “auto de resistência” como “um limbo legal que
invisibiliza o problema”.
Os exemplos mais gritantes de “auto de resistência” decorrem dos casos nos
quais a morte foi provocada por tiro de fuzil na nuca ou casos nos quais os laudos
cadavéricos atestam que os disparos foram efetuados à curta distância, atingindo
regiões do braço e do antebraço das vítimas que só poderiam ser atingidas caso as
mesmas estivessem rendidas – de joelhos no chão, com os braços na cabeça. O desafio
burocrático e político que se coloca aos familiares destas vítimas fatais, portanto, está
relacionado à possibilidade que o policial tem de realizar o registro de “auto de
resistência” descrevendo os fatos do episódio no qual se deu a morte do morador de
favela de outra forma – trata-se da produção de um documento oficial que localiza a
morte em questão como decorrente da resistência à autoridade policial, como se tivesse
havido confronto, como se o agente de Estado que efetuou o disparo o tivesse realizado
para se defender.
Analisando dispositivos de produção das favelas como espaços heterotópicos no
Rio de Janeiro, Leite (2013) localiza o “auto de resistência” em um conjunto de
dispositivos governamentais que atribuem “ao agente policial “na ponta” a prerrogativa
de decidir quando, como e contra quem agir de forma extra-legal, em um movimento
discricionário que "embaralha" o legal e o ilegal, o legítimo e o ilegítimo”21. Leite (2013)

20
Esta atividade é analisada no capítulo 2 desta tese.
21
Esta linha interpretativa se fundamenta no trabalho de Das e Poole (2004), no qual as autoras insistem
em demonstrar que apesar de todos os antropólogos que participam da coletânea Anthropology in the
Margins of the State (2004) terem trabalhado em estados e regiões que são freqüentemente
caracterizados em teoria política comparativa como “novas nações” com estados “falhos”, “fracos”, ou
“parciais”, suas etnografias sobre disciplina, regulação e práticas de aplicação da lei estão formuladas
como convites para se repensar as fronteiras entre centro e periferia, público e privado, legal e ilegal – e
não como estudos de estados falhos. Volto a este ponto da discussão na seção a seguir.

12
desenvolve esta linha de raciocínio acionando os estudos de Telles (2010) desenvolvidos
a partir do argumento de que as relações de poder se processam nas “dobras do legal-
ilegal”. Assim como Telles (2010), Leite (2013) se inspira na noção de “gestão diferencial
dos ilegalismos” (Foucault, 1987), trazendo para o centro da discussão a possibilidade
de enxergar positividades nos ilegalismos, ao invés de imperfeições ou lacunas na
aplicação das leis – ou seja, enxergar agenciamentos, ações possíveis dos ilegalismos na
composição dos jogos de poder. Tal enquadramento é fundamental para compreender
a possibilidade da existência do registro do “auto de resistência”, mas também para
refletir sobre outros processos desta gestão governamental das mortes dos moradores
de favelas na cidade do Rio de Janeiro, que são analisados ao longo deste estudo.
Dando continuidade a esta introdução, retomo outra parte do argumento
desenvolvido por Leite (2013) ao analisar “a dimensão segregatória e excludente” da
relação do Estado com as favelas e seus moradores para dar continuidade à reflexão
sobre o desafio burocrático e político colocado aos familiares das vítimas desses casos
registrados como “autos de resistência”: o peso da versão do “confronto” não se faz
valer apenas no momento do registro na delegacia, mas é atualizado em diferentes
momentos, especialmente nas audiências públicas desses casos, como mencionei
anteriormente. Leite (2013) destaca a relação entre o fato destas mortes serem
registradas como “legítima defesa em exercício do dever legal pelo agente policial” e a
possibilidade da inimputabilidade dos agentes policiais, lembrando que o Código de
Processo Penal estabelece que “não há crime quando o agente pratica o fato: I em
estado de necessidade; II em legítima defesa; III em estrito cumprimento do dever legal
ou exercício regular de direito”22. Nestas audiências, a impossibilidade do ataque ao réu
está diretamente conectada ao campo de possibilidades de formular acusações a
respeito das vítimas, suas famílias e seus territórios de moradia – e é através de
mecanismos deste tipo que a criminalização dos moradores de favelas vai sendo
reeditada de formas variadas ao longo de cada etapa dos processos judiciais desses
casos de mortes registradas como “autos de resistência”. Por esse motivo reside aí um
dos desafios mais cruéis a ser enfrentado pelos familiares das vítimas que decidem

22
Artigo 23 do CPP. Para uma análise detalhada sobre o registro do “auto de resistência” e entraves em
processos judiciais dos mesmos, ver Leandro (2012) e Misse et al (2013).

13
investir no encaminhamento jurídico dos mesmos, aspecto que desenvolvo de forma
mais detida no capítulo 3 desta tese.
Seja na organização e realização de manifestações públicas, seja nas
peregrinações cotidianas a diferentes instituições e órgãos públicos que passam a
compor a agenda desses familiares de vítimas, faz-se necessário reunir esforços para
construir um rebatimento desse processo de criminalização: uma contra-argumentação
frente ao “argumento de autoridade” do agente do estado; uma contra-imagem frente
à parcela de “imagens de favela” (e de favelado) que alimentam aquela ideia da favela
como foco irradiador da violência que assola a cidade – que alimentam, portanto, a
“metáfora da guerra” (Leite, 2000) no Rio de Janeiro.
Como anunciado anteriormente, tive a oportunidade de acompanhar parte
destes esforços durante os períodos de trabalho de campo que antecederam minha
entrada no doutorado, quando minhas atenções estavam voltadas para processos de
reconstrução das linguagens de protesto de movimentos sociais urbanos, em especial o
Movimento Posso me identificar? e a Rede de Comunidades e Movimentos contra
Violência. Foi justamente durante este período (que se estendeu de abril de 2004 ao
final de 2008) que, através da interlocução com os familiares de vítimas e demais
integrantes destes coletivos, eu fui amadurecendo um olhar de estranhamento em
relação aos poderes de Estado. E quanto mais se ampliavam as possibilidades de
observação de situações nas quais os moradores de favelas com quem passei a conviver
evidenciavam suas estratégias de resistência política frente às opressões e violações
atravessadas por forças estatais, eu ficava mais atenta às engrenagens de gestão
governamental dessas populações.
Fui articulando, assim, a essa experiência de trabalho de campo/militância 23,
atividades de formação acadêmica (orientações, cursos, seminários, bem como os
projetos nos quais tive a oportunidade de trabalhar como assistente de pesquisa e,
posteriormente, pesquisadora24) através das quais obtive os aportes teóricos e

23
Retorno a este ponto adiante, ao tratar dos materiais com os quais trabalhei nesta pesquisa e das trocas
produzidas ao longo da interlocução com os familiares de vítimas e demais integrantes da Rede contra
Violência.
24
Dentre as atividades de pesquisa das quais tive a oportunidade de participar neste período que
antecedeu o curso de doutorado, destaco os projetos “Rompendo o cerceamento da palavra: a voz dos
favelados em busca do reconhecimento”, coordenado pelo professor Luiz Antonio Machado da Silva, e
“Quando a Cidade é um Cartão-Postal: O Rio de Janeiro dos Guias e Relatos de Viagem - 1922-2002”,

14
metodológicos acionados na elaboração do projeto que deu origem ao presente
estudo25.

Desse Estado que se reconstrói nos intervalos do cotidiano

A peregrinação institucional realizada pelos familiares de vítimas aqui referidos


é entendida nesta tese como parte da reconstrução cotidiana de um Estado encravado
em práticas, linguagens e lugares considerados às margens do Estado nacional – lendo
essas margens no sentido proposto por Das e Poole (2004), como: 1) periferias habitadas
por pessoas tidas como insuficientemente socializadas de acordo com as leis e a ordem
vigentes; 2) lugares onde os direitos podem ser violados através de dinâmicas distintas
de interação das pessoas com documentos, práticas e palavras do Estado; e 3) um
espaço localizado entre corpos, leis e disciplina (2004: 8-10)26.

coordenado pela professora Bianca Freire-Medeiros. Tais projetos desdobraram-se, respectivamente, nas
seguintes pesquisas das quais eu também participei: “Direitos humanos, pobreza e violência no Rio de
Janeiro: moradores de favelas em busca de reconhecimento e acesso à justiça”, coordenado pela
professora Márcia da Silva Pereira Leite; e “Para Ver os Pobres: A Favela Carioca como Destino Turístico”,
também coordenado pela professora Bianca Freire-Medeiros. A cada um dos coordenadores e integrantes
das equipes de pesquisa deixo registrados meus agradecimentos pelo privilégio da interlocução.
25
Vale registrar que, ainda que a análise empreendida neste estudo focalize ângulações da gestão
governamental das favelas e suas populações a partir das execuções sumárias dos moradores desses
territórios, os estudos sobre diferentes políticas públicas destinadas a esss populações, bem como as
reflexões sobre as políticas associativas em favelas e periferias (e sua interlocução com o poder público,
em diferentes níveis) conformaram uma forma de pensar a relação Estado-favelas que atravessa a
elaboração desta tese. Para análises sobre as primeiras tentativas de organização dos moradores de
favelas, através da formação de comissões de moradores, ainda na década de 40 e para as relações entre
essas organizações e poder público, ver Machado da Silva (1967), Lima (1989), Burgos (1998), Pandolfi &
Grynszpan (2002), Machado da Silva e Leite (2004), Valladares (2005). Para leituras de períodos mais
recentes sobre política e associativismo em favelas e periferias cariocas, ver Leite (2000), Machado da
Silva (2002), Machado da Silva e Leite (2004), Silva e Rocha (2008), Rocha (2009), Siqueira (2009),
Guariento (2009), Landim e Guariento (2010), Rodrigues et alia (2012), Trindade (2012), Landim (2013),
Landim e Siqueira (2013) e Mendonça (2014). Para uma análise sobre institucionalidades outras que –
articuladas de formas variadas a forças de Estado – também agem na gestão das populações de favelas e
periferias urbanas, ver Birman (2012), Birman e Machado (2012) e Machado (2012; 2013).
26
Das e Poole afirmam que a antropologia sempre foi (embora de formas não reconhecidas algumas
vezes), “sobre” o estado – mesmo (e segundo as autoras, talvez especialmente) “quando seus objetos
eram constituídos como excluídos (de), ou contrários a formas da racionalidade administrativa, da ordem
política e da autoridade relegada ao estado” (2004: 5). As “margens do Estado”, no contexto dos trabalhos
organizados para Anthropology in the Margins of the State, não são demarcadas somente a partir de
aspectos geográficos: o descolamento de um modelo espacial de centro e periferia foi acontecendo na
medida em que se percebia que várias ideias a respeito de “margens” eram baseadas em relações entre
soberania e formas de poder disciplinar, assim como em genealogias específicas de assuntos políticos e
econômicos.

15
Dando continuidade à sua linha de raciocínio, Das e Poole (2004) recuperam o
trabalho de Pierre Clastres (2003), para quem a racionalidade e as formas de vida
características dos objetos etnográficos “não modernos” poderiam ser melhor
compreendidos como expressões de um desejo coletivo de defender-se da iminente
emergência do estado27. Argumentando que atualmente seja impossível pensar em
sistemas políticos habitando qualquer forma de sociedade sem estado, as antropólogas
perguntam:

“estamos nós observando formas de estado simplesmente incompletas – ou


frustradas – nessas situações? Ou as formas de ilegibilidade, pertencimento
parcial e desordem que parecem habitar as margens do estado constituem sua
condição necessária como um objeto teórico e político?” (2004: 6)

Através da tentativa de responder a este questionamento, Das e Poole abrem


espaço para uma parte importante deste debate – relacionada diretamente à relação
entre a formação do estado e o monopólio do uso da força. Para elas, a relação entre as
funções de ordenamento do estado e a violência se apresenta como uma possível chave
de interpretação. A reflexão é desenvolvida ironicamente: “Informada como é por um
retrato particular da natureza humana, a teologia política européia presenteou o estado
com a qualidade da transcendência e com o monopólio sobre a força” (2004: 7). A
criação das fronteiras entre as práticas e os espaços que seriam vistos como parte do
estado e aqueles que seriam excluídos do mesmo foi inerente à imaginação da figura da
lei, segundo as autoras.
A partir desta chave interpretativa, a legitimidade emerge como uma função
desse efeito “marcador de fronteira” (Das e Poole, 2004) das práticas do estado. Nas
“margens” por elas estudadas, a questão da origem da lei emerge não como o mito do
Estado, mas na forma de homens cujas habilidades para representar o Estado ou para
aplicar suas leis estão localizadas em uma disposição para se mover impunemente entre
o que aparece na forma da lei e práticas extrajudiciais.

27
A afirmação de que “todos os povos policiados foram selvagens”, se torna o ponto de partida para a o
início da formulação da crítica que conduz ao argumento central do trabalho clássico de Pierre Clastres
(2003). A resposta de Clastres à afirmação citada é a seguinte: “o registro de uma evolução evidente de
forma alguma fundamenta uma doutrina que, relacionando arbitrariamente o estado de civilização com
a civilização do Estado, designa este último como termo necessário atribuído a toda sociedade. Pode-se
então indagar o que manteve os últimos povos ainda selvagens.” (Clastres, 2003: 208).

16
Falar de relações estado-margens é falar de relações estabelecidas, mas não
estabilizadas; marcadas por fragilidades, ruídos, surpresas, desgastes... enfim,
elementos variados que se combinam na configuração de arranjos para
governamentalidades específicas – a partir dos quais torna-se possível acessar uma
extensa lista de recursos acionáveis, que se estende desde carimbos e papéis timbrados
a medidas provisórias e decretos-leis.
Quando recorto essa lista tomando como referência especificidades da gestão
das favelas e dos favelados no Rio de Janeiro, aparecem, obviamente, os registros de
“auto de resistência” e as “fraudes processuais” que geralmente os acompanham (como
a prática de depositar junto aos corpos das vítimas uma arma de fogo e trouxinhas de
maconha ou papelotes de cocaína – o chamado “kit bandido”; ou simplesmente a
prática de apresentar esse “kit” na delegacia como material apreendido durante a
operação). Tal recorte traria como uma espécie de orientação de fundo o
comprometimento de pensar essa agenda de pesquisa como fonte de situações
privilegiadas para encarar determinadas práticas do Estado na linha sugerida por Das e
Poole (2004): não nos termos da lei ou da sua transgressão, mas como práticas que se
encontram simultaneamente dentro e fora da lei.

Para compreender o processo de gestão governamental das mortes dos


moradores de favelas, foi elaborado, então, o desenho de uma etnografia pautada pelo
interesse em identificar e perseguir analiticamente as imbricações institucionais que
marcam a reconstrução cotidiana do “Estado” através das relações estabelecidas com
suas “margens”. Em função do enquadramento teórico-analítico empreendido nesta
tese, é imprescindível dizer que a definição de Estado aqui adotada decorre da renúncia
à realização de uma teoria do Estado, sendo acionada a argumentação de que “o Estado
não tem essência”; “O Estado não tem em si uma fonte autônoma de poder” (Foucault,
2008b):
“O Estado nada mais é que o efeito, o perfil, o recorte móvel de uma perpétua
estatização, ou de perpétuas estatizações, de transações incessantes que
modificam, que deslocam, que subvertem, que fazem deslizar insidiosamente,
pouco importa, as fontes de financiamento, as modalidades de investimento,
os centros de decisão, as formas e os tipos de controle, as relações entre as
autoridades locais, a autoridade central, etc. Em suma, o Estado não tem
entranhas, como se sabe, não só pelo fato de não ter sentimentos, nem bons,
nem maus, mas não tem entranhas no sentido de que não tem interior. [...] O

17
Estado não é nada mais que o efeito móvel de um regime de
governamentalidades múltiplas.” (Foucault, 2008b: 106)

É a partir desta definição que Foucault incentiva a interrogação do problema do


Estado pelo lado de fora, a investigação deste problema a partir das práticas de
governamentalidade (Foucault, 2008b)28. Entendendo que são muitas as práticas de
governamentalidade que compõem o que venho chamando de engrenagem de gestão
das mortes dos moradores de favelas ocorridas durante ações militarizadas, decidi
elaborar um desenho de pesquisa a partir do qual a movimentação e os
posicionamentos políticos dos familiares de vítimas me indicassem para quais destas
práticas de governamentalidade eu deveria voltar minha atenção.
Deste modo, tanto levei em consideração críticas expressas em conversas,
reuniões, bares, idas e vindas de uma manifestação pra outra, sobre declarações
públicas de secretários de segurança, governadores, comandantes da Polícia Militar,
dentre outros, quanto organizei uma metodologia de trabalho para estar disponível29
para acompanhá-los em qualquer tipo de encontro com agentes de Estado, entendendo
que seriam “esses Estados” o foco inicial da minha reflexão para a partir daí elaborar
interpretações possíveis sobre práticas de governamentalidade diretamente conectadas
às mortes dos moradores de favelas.
Tanto foram identificados segmentos de Estado30 em sua forma mais estanque,
inacessíveis aos familiares ou surdos em relação às suas demandas e formas

28
É fundamental destacar que o título desta tese se refere a essas práticas de governamentalidade, nos
termos trabalhados por Foucault (2008b) – visto que aciono neste estudo a definição de “governo”
enquanto “atividade que consiste em reger a conduta dos homens num quadro e com instrumentos
estatais” (Foucault, 2008b). Não se trata, portanto, de fazer referrência a um mandato específico, e sim
às formas de governar, que não são determinadas por um único cargo, por um único órgão estatal, mas
por uma engrenagem composta por uma infinidade de cargos, funções, atribuições, substituições,
procedimentos, requerimentos, ofícios, registros, carimbos, assinaturas, enfim, atos relativos a
determinadas competências que por sua vez estão relacionadas a determinados órgãos, institutos,
secretarias, núcleos etc, distribuídos em suas respectivas instâncias de governo.
29
Essa disponibilidade diz respeito não apenas a tempo, mas à essa organização de uma rotina de pesquisa
que envolvia ter sempre as pilhas do gravador digital recarregadas, uma lista com os principais endereços
visitados pelos familiares decorada (bem como as linhas de ônibus e metrô através das quais eu poderia
chegar mais rápido a estes locais), caderno de campo sempre à mão, afinal, ainda que muitos desses
encontros sejam agendados com antecedência, o trabalho de campo impõe seu próprio ritmo e a agenda
desses familiares de vítimas é bastante intensa, incluindo compromissos programados em cima da hora
também.
30
Me refiro a segmentos de Estado tendo como referência a análise de Souza Lima (2002) sobre formas
administrativas de “gestar e gerir desigualdades”, através da qual o autor nos incentiva a enxergar
nuances nos exercícios de poder de “um estado segmentado e conflituoso”.

18
antropomorfizadas de estado31, bem como capilaridades mais extremas da gestão
(como evidenciam as situações em análise na Parte II desta tese). Assim sendo, não foi
feita uma escolha pré-definida de recorte analítico sobre este ou aquele órgão ou
instância estatal, o que faz com que o presente estudo apresente discussões que
transitam entre um segmento de Estado e outro, assim como o próprio percurso dos
familiares de vítimas que tive a possibilidade de acompanhar durante a realização do
trabalho de campo32.
Dito isto, é possível apresentar uma lista dos principais segmentos de Estado que
habitam – de forma desigual – as discussões travadas neste estudo. Ainda que as formas
de apresentação dos mesmos em cada capítulo tenha sido pensada de modo a dar conta
desse tipo de diferenciação, vale dizer que nesta lista aparecem tanto locais nos quais
estive presente, quanto segmentos que correspondem a instâncias outras, cujo
acionamento neste estudo se justifica, por exemplo, por conta de tramitações de leis,
ou devido às conexões existentes entre as ações dos agentes de Estado desses
respectivos segmentos no processo de gestão das mortes dos moradores de favelas.
No âmbito estadual, dando início à lista a partir do poder executivo, a referência
mais imediata deve ser feita à Secretaria de Estado de Segurança – cujos variados
segmentos que habitam a presente discussão se distinguem amplamente. É
fundamental indicar apenas que, de batalhões da Polícia Militar ao IML-RJ (alocado no
Departamento de Polícia Técnico-Científica da Polícia Civil), tais segmentos são
compreendidos neste estudo enquanto parte da engrenagem de gestão das mortes em
questão. Ainda no âmbito estadual, destaco a Procuradoria-Geral de Justiça do Estado
do RJ e a Defensoria Pública Geral do Rio de Janeiro (com destaque para o Núcleo de
Defesa dos Direitos Humanos)33 e a Assembléia Legislativa do estado do Rio de Janeiro

31
Como a frase que Adriana Vianna e eu acionamos em nossa análise (Vianna e Farias, 2011) – a frase
havia sido dita por uma mãe de vítima no dia do enterro de outra: “Enquanto o Estado está lá, sentado,
comendo e bebendo do bom e do melhor, estamos aqui enterrando mais uma mãe”. Essa e outras formas
que remetem ao Estado como entidade simbólica, que remetem à sua dimensão de idéia, como proposto
por Abrams (2006), são recorrentes e muitas vezes expressam uma força englobante que ameaça e/ou
oprime cotidianamente as populações residentes em favelas.
32
Vale registrar que esta decisão por estruturar a própria forma do texto da tese a partir de
movimentações observadas/realizadas em campo junto aos familiares de vítimas se deve especialmente
à interlocução com Tássia Mendonça, cuja etnografia (Mendonça, 2014) expressa não só no conteúdo,
mas também na forma, os enfrentamentos políticos de seus interlocutores na favela do Batan.
33
Apesar de a Constituição de 1988 determinar a independência das defensorias públicas, em diferentes
estados brasileiros tal independência é bastante questionável e, no caso específico do Estado do Rio de

19
(com destaque para a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania).
Encerrando essa parte da lista com o poder judiciário, cito o Tribunal de Justiça
(Corregedoria Geral de Justiça do Rio de Janeiro / Fórum Central – Capital / Tribunal do
Júri).
No executivo federal, destaco a Secretaria Especial de Direitos Humanos da
Presidência da República (em especial o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa
Humana) e o Ministério da Justiça; no legislativo federal, a Câmara dos Deputados.
Trata-se, contudo, repito, de uma lista de segmentos de Estado variados que são
acionados de forma muito distinta nas discussões travadas ao longo deste estudo – e as
conexões entre esses segmentos e a gestão das mortes dos moradores de favelas são
exploradas também a partir de suas distinções e especificidades, na medida em que os
debates vão se desenvolvendo. É necessário registrar, ainda, que a partir de
determinados segmentos de Estado são exploradas formas distintas de capilaridades
dessa engrenagem de gestão das mortes dos moradores de favelas.
Como argumentam Das e Poole (2004), estamos diante de um Estado que se
reconstrói continuamente nos intervalos do cotidiano – proposta teórico-metodológica
central para o desenvolvimento desta pesquisa: no intuito de compreender o processo
de gestão das mortes dos moradores de favelas no Rio de Janeiro, priorizei a construção
de um trabalho de campo que tornasse possível capturar o que vem acontecendo em
alguns desses intervalos do cotidiano através dos quais o Estado se constrói e se
reconstrói.
Seguindo as formulações que embasam a linha de pesquisa proposta por Das e
Poole (2004), esse intervalo sobre o qual estou me referindo é mencionado durante uma
das passagens do texto nas quais as autoras se posicionam contra o entendimento do
Estado enquanto falho, fraco, ou parcial: sustentam o argumento de que as margens do
Estado não são espaços nos quais esse Estado ainda tem que penetrar, mas justamente
configuram lugares nos quais o Estado é continuamente construído nos intervalos do
cotidiano.

Janeiro, a defensoria é alocada no interior do organograma do próprio governo do Estado enquanto um


órgão do Poder Executivo. O mesmo acontece com a Procuradoria Geral.

20
Para a reflexão que desenvolvo neste estudo, é fundamental pensar esses
intervalos considerando tanto o cotidiano dos familiares de vítimas, quanto o cotidiano
de repartições públicas, órgãos governamentais e tipos diversos de segmentos de
Estado que estejam relacionados aos casos de execução de moradores de favelas por
agentes de Estado – entendo que é através desses cotidianos que se abrem as
possibilidades de captura e interpretação dos intervalos nos quais o Estado se constrói
e se reconstrói.

Sobre materiais de pesquisa e decisões metodológicas

A partir de 2009 foi iniciado o trabalho de campo pautado de forma mais direta
pela agenda dos próprios familiares de vítimas, cujo roteiro sugeria uma espécie de
peregrinação institucional – composta especialmente por idas à Defensoria Pública do
Rio de Janeiro, ao Fórum e à Assembléia Legislativa, dentre outros espaços institucionais
que passam a fazer parte dos compromissos cotidianos destes familiares, como exposto
acima.
A abertura da agenda dos familiares de vítimas se deu através de convites
variados (alguns mais formais, outros menos), que tanto partiam dos familiares
relacionados ao caso específico que motivou a atividade (uma audiência judicial no
Fórum, por exemplo), quanto surgiam via demandas mais gerais por apoio e
solidariedade, como acontece com frequência nas ações convocadas pela Rede. Todas
essas atividades foram registradas em caderno de campo e parte delas registradas
também em áudio – às vezes no gravador que eu levava, às vezes pelo gravador levado
pelos próprios familiares (que adquiriram esse hábito para documentar o passo a passo
dos seus respectivos casos e, eventualmente, poder acionar declarações de agentes de
Estado como recurso de pressão política).
Vale destacar que as gravações em áudio de reuniões fechadas se deram a partir
de autorizações prévias: as reuniões no NUDEDH foram registradas com a concordância
do defensor público responsável pelos casos na época da realização do trabalho de
campo. O mesmo aconteceu em atividades mais ampliadas, como as audiências
realizadas na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, cuja autorização para observação
e registro foram concedidas pela Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania

21
da casa legislativa. Nesse último caso, pude contar ainda com o apoio fundamental de
integrantes da equipe que me concediam a estrutura da pauta, o material compilado
pela própria equipe para ser discutido na audiência, bem como os registros taquigráficos
produzidos durante as atividades, em geral acompanhados dos encaminhamentos
tirados34.
Além das trocas de registros de áudio, diversas foram as trocas – políticas,
intelectuais e afetivas – que pude realizar com os familiares de vítimas com os quais
estabeleci as interlocuções mais fundamentais desta pesquisa. Para não perder o foco,
no entanto, dou continuidade à descrição do intercâmbio de materiais e tarefas que
marcaram este trabalho de campo. Através destes familiares, tive acesso ao processo
judicial (inteiro ou parcial) dos casos que acompanhei de forma mais detida, visto que
os mesmos solicitaram ao defensor público que acompanhava os casos a autorização
para que eu tirasse cópia de toda a documentação.
O mesmo posso dizer a respeito dos arquivos dos casos elaborados pelos
familiares, contendo fotografias, recortes de jornal e outros documentos (que haviam
sido incluídos ou não nos respectivos processos judiciais), como abaixo-assinados que
circularam entre os moradores da favela onde a vítima morava e foi executada, exigindo
respostas das autoridades públicas a respeito daquela morte; cartas e solicitações
escritas à mão pela mãe da vítima ou outros familiares, dentre outros.
Junto ao material já referido, utilizo também meus arquivos relativos ao
acompanhamento das atividades do Movimento Posso me identificar? e da Rede de
Comunidades e Movimentos contra a Violência (entre 2004 e final de 2008). Trata-se de
fotografias, materiais de campanhas e de divulgação de manifestações, recortes de
jornal, notas de campo e entrevistas. Considero pertinente registrar o fato de ter feito a
opção por não realizar nenhuma entrevista durante o trabalho de campo realizado a
partir de 2009: tal decisão se deve ao fato de concentrar a observação nos encontros
entre familiares e agentes de Estado, explorando essas situações de pesquisa enquanto
fonte principal de informação. A partir dos encontros, ao invés de agendar entrevistas
com os interlocutores, priorizei um percurso que ainda não havia experimentado: dar
continuidade à investigação através dos documentos – em especial os documentos

34
Deixo registrados meus agradecimentos à equipe da CDDHC/Alerj, em especial à Marielle Franco, por
todo apoio e pela interlocução valiosa para a realização desta pesquisa.

22
utilizados ou mencionados durante os encontros em questão, entendendo que nesse
“governo de mortes”, os papéis são imprescindíveis35.
Essas decisões estão diretamente conectadas com o entendimento de que essa
pesquisa foi realizada junto aos familiares, mantendo o foco nos segmentos de Estado e
nas situações através era possível compreender mais algum elemento da relação
Estado-margens. A captura, portanto, de determinadas práticas de governamentalidade
(Foucault, 2008b) não poderia ser viabilizada através de entrevista (fosse com os
familiares de vítimas, fosse com agentes de Estado); e sim a partir da observação dos
encontros entre familiares de vítimas e agentes de Estado e encontros registrados em
“papéis” (entre agentess de Estado e as próprias vítimas ou entre agentes de Estado e
os familiares das vítimas, também).
Articulo às decisões metodológicas já anunciadas o fato de não ter escolhido um
caso de violência institucional específico (para produzir um estudo de caso) ou um
número X de casos, para perseguir seus respectivos desdobramentos políticos. Os casos
vão sendo lembrados e acionados nas discussões ao longo da tese em função das
respectivas práticas de governamentalidade em foco. De toda forma, entendendo a
importância de organizar minimamente as informações relativas aos casos
mencionados/trabalhados (ainda que de formas desiguais) nesta tese, elaborei o anexo
“Casos Emblemáticos de Violência Institucional (2003 – 2014)”, contendo 26 casos – em
sua maioria execuções ou chacinas.
Finalmente em relação aos materiais analisados nesta tese, deixo registrado que
todo o material relacionado à Resolução produzida pelo CDDPH que recomenda o fim
da utilização dos registros “auto de resistência” e “resistência seguida de morte” em
todas as unidades federativas do Brasil (assunto abordado no segundo capítulo desta
tese), bem como a descrição da reunião de aprovação da resolução só foram possíveis

35
Ainda que o enquadramento teórico-analítico desta pesquisa seja diretamente orientado pelos estudos
de Michel Foucault, a atenção dada aqui a especificidades dos processos de produção de sujeitos e
populações e de formação de Estado quando se trata de investigações envolvendo documentos de rotina
de instituições públicas (como o IML-RJ) é resultado da leitura dos trabalhos de Letícia Ferreira, em
especial Ferreira (2009, 2011, 2013). Tal aspecto é desenvolvido no capítulo 4 desta tese, mas deixo
registrado que, seguindo a linha analítica adotada por Ferreira, entendo que os “documentos podem ser
encarados como artefatos que exercem mais do que a função meramente referencial de registrar ou
representar graficamente algo que existiria no mundo à sua revelia. [...]Funcionam, em suma, não como
artefatos estéreis e autocontidos, e sim como objetos materiais do direito, da administração e da
governança.”

23
em função da minha atual inserção profissional, enquanto pesquisadora da Justiça
Global.

Organização da tese

Esta tese está dividida em duas partes. Na primeira, registro e exploro


declarações públicas e reuniões oficiais cujo assunto central eram as mortes dos
moradores de favelas ocorridas durante ações militarizadas de agentes de Estado. No
primeiro capítulo discuto formas públicas de pautar essas mortes, atenta ao que se diz
e ao que não se diz sobre as mesmas. Realizo essa discussão tomando como referência
as estratégias elaboradas pelos familiares de vítimas, coletivos e organizações políticas
para denunciar as mortes dos moradores de favelas elaboradas por outros. No capítulo
2, abordo debates, reuniões, posicionamentos e encaminhamentos governamentais a
respeito dessas mortes. Mais especificamente, analiso situações nas quais o registro do
“auto de resistência” é transformado em alvo de críticas e encaminhamentos mais
concretos por parte da própria institucionalidade governamental.
A segunda parte da tese é construída a partir da exploração de caminhos mais
capilares das relações estado-margens, através dos quais entramos em contato com
práticas de governamentalidade (Foucault, 2008b) menos visíveis na composição da
engrenagem de gestão das mortes dos moradores de favelas. No capítulo 3, analiso uma
configuração possível da relação Estado-família a partir do encontro entre familiares de
e um defensor público, explorando como tal interlocução é capaz de produzir
atualizações do exercício do poder de Estado. No capítulo 4, reconstruo um trecho do
percurso documental de um caso de execução sumária, tomando como contraponto
narrativo a troca de tiros e as composições políticas articuladas a essa versão, para
depois refletir sobre as potencialidades do laudo cadavérico enquanto plataforma de
registro oficial. As considerações finais da tese são apresentadas no quinto e último
capítulo.
Como recurso para a descrição de diferentes situações analisadas ao longo deste
estudo, tomei a decisão de construir Cenas. Todas as cenas que compõem a tese foram
redigidas por mim, mas nem todas tiveram como primeiro registro meus cadernos de
campo: como a Cena 1, na qual descrevo cenas de um documentário, há apenas mais

24
uma cena que foi montada a partir de outro tipo de registro (uma peça do inquérito de
um dos casos analisados na tese). Busquei manter ao longo da tese uma espécie de
padrão narrativo para as cenas e estas duas que não foram produzidas a partir de
situações nas quais eu mesma estava presente receberam uma anotação sobre a origem
das informações – em rodapé ou no corpo do texto.

Uma consideração inicial

Uma vez me perguntaram qual era a diferença entre a pesquisa que realizei para
escrever a dissertação e a pesquisa que eu faria quando iniciasse o doutorado. Formulei
uma resposta a partir das diferenças entre um trabalho de campo que priorizava
manifestações, ocupação do espaço público etc, e um trabalho de campo que
acompanharia a agenda dos familiares de vítimas nas suas peregrinações por dentro das
engrenagens governamentais. Na época, essa era a diferença fundamental. Hoje,
terminada a escrita da tese, entendo que há algo muito mais determinante nesse
processo. Sempre pensei que meu envolvimento enquanto pesquisadora colocava as
pesquisas que eu realizava naquele conjunto de pesquisas nas quais a proximidade com
o “objeto” estudado é a marca do estudo. Talvez o desconforto com o termo “objeto”
não tivesse apenas a ver com o teor assimétrico e a passividade que o termo carrega,
mas também com o próprio fato da inadequação metodológica do termo, ainda que eu
insistisse na realização da “pesquisa com” ao invés da “pesquisa sobre” determinado
coletivo, suas práticas etc. O movimento social, a Rede contra Violência, ou as
integrantes e os integrantes deste coletivo passaram batido pelo lugar de um “outro”
que uma etnografia possibilita compreender. Agora entendo que enquanto eu fazia
pesquisa com aqueles com quem eu me identificava política e afetivamente, eu estava
mesmo era aprendendo o que de fato parecia estranho pra mim, o que de jeito nenhum
eu conseguia entender e o que, portanto, deveria pesquisar. Durante todo o tempo que
passei fazendo trabalho de campo com a Rede contra Violência, passando por todas as
favelas que passei junto com as integrantes e os integrantes deste coletivo, eu estava
aprendendo a recortar aquilo que um dia viria a ser meu “objeto” de estudo. Meu
“outro” nunca foi a favela, meu “outro” sempre foi o Estado.

25
Parte I

26
Capítulo 1.

Execuções e chacinas em pauta

Governo federal e estadual castiga no carro


O povo tá com medo, olha só
Não dá pra ficar de pilantragem
Lá vem o caveirão, no bombardeio kamikaze
No jogo de totó, polícia com bandido
Um tiro na criança, já morreu mais um fudido
Criança de rico crescendo com sorriso
Aqui na favela tá na profissão perigo
Mayday, mayday, mayday, capa de jornal
Um preto favelado meteu bala em geral, sobrou pra nós
Us Neguin q Não C Kala e Família Kponne, Lágrima de Sangue

Dentre um vasto conjunto de noções e ideias que atravessaram os debates


relacionados às favelas cariocas durante a década de 2000, aquelas mais diretamente
implicadas com a pauta da “visibilidade” foram reeditadas com força total. Neste
período, a produção de “imagens” e “representações” das favelas na cidade passou a
contar com novas propostas de ação – cujo motor, na maior parte dos casos, era o
comprometimento em mostrar “uma favela diferente” (fosse daquela que aparecia na
chamada grande mídia, fosse daquela que habitava o imaginário dos moradores “do
asfalto”, ou das duas combinadas).

Na esteira dessa produção, a comunicação virtual (através da criação de sites,


homepages e posteriormente blogs sobre favelas) foi acompanhada pelo surgimento de
diferentes iniciativas (implementadas e/ou coordenadas tanto por moradores dessas
localidades, quanto por agentes externos) dedicadas à elaboração e divulgação de
registros visuais de favelas, como, por exemplo, a agência “Olhares do Morro” (criada
em 2002, na favela Santa Marta) ou a “Escola de Fotógrafos Populares” (criada em 2004,
no conjunto de favelas da Maré, no âmbito do projeto “Imagens do Povo”), que se
desdobrou em outras iniciativas na mesma localidade, como a “Escola Popular de
Comunicação Crítica – ESPOCC” (criada em 2006) e o coletivo “Favela em Foco” (criado
em 2009)36.

36
Como define Gama (2006), “Olhares do Morro” é uma “agência de imagens de favelas” cujo objetivo
principal seria “capacitar jovens para formar uma rede de correspondentes capaz de nutrir um acervo de

27
Nesta mesma década, cresce uma outra vertente desta produção de “imagens
de favela” a partir de trânsitos e interesses distintos: aquelas imagens que compõem o
circuito internacional da favela enquanto trademark, “como um signo a que estão
associados significados ambivalentes que a alocam, a um só tempo, como território
violento e local de autenticidades preservadas”, seguindo as formulações de Freire-
Medeiros (2007). Refiro-me aqui, portanto, não só ao crescimento da prática do turismo
em favelas cariocas37, mas a ações, atividades e empreendimentos que, por sua
diversificação ou fluidez, permitem múltiplos suportes a essas imagens e ampliam as
possibilidades de acionamento de “favela” enquanto prefixo atraente (como produções
cinematográficas, instalações, ou mesmo bares e restaurantes inspirados nas favelas
brasileiras) – peças centrais neste enquadramento sociológico, difundido por Freire-
Medeiros, da favela enquanto fenômeno de circulação e consumo em nível global38.

Dialogando direta e indiretamente com todas essas vertentes de produção de


“imagens de favela”, teve início (também a partir dos anos 2000) um processo de
reatualização dos formatos de protesto dos movimentos sociais engajados na luta
contra violência de Estado praticada em favelas e periferias do Rio de Janeiro. Tanto a

fotografias passíveis de serem comercializadas”. Sobre o trabalho desta agência e suas (auto)
representações, ver os trabalhos de Fabiene Gama (especialmente 2006 e 2009). Já a agência inserida no
projeto “Imagens do Povo” (da ONG “Observatório de Favelas”) é apresentada no trabalho de Carminati
(2009) como “uma agência fotográfica especializada em temáticas sociais abordadas por aqueles que, em
tese, compõem a questão social: os favelados”. Sobre a ESPOCC, consultar http://www.espocc.org.br e
sobre o “Favela em Foco”, consultar http://favelaemfoco.wordpress.com. Vale dizer, ainda, que antes da
institucionalização enquanto “Escola de Fotógrafos Populares”, o incentivo à utilização da fotografia
enquanto recurso comunicacional no conjunto de favelas da Maré já vinha sendo impresso através das
“Oficinas de Imagem e Comunicação” organizadas pelo CEASM (Centro de Estudo e Ações Solidárias da
Maré), projeto contíguo à criação do jornal local “O Cidadão”, distribuído gratuitamente desde 2002 nas
dezesseis favelas que integram a Maré. Sobre “O Cidadão”, consultar Souza (2011) e Martins (2011).
Também data do início da década (mais especificamente do ano 2000), a criação do portal “Viva Favela”
– uma iniciativa da ONG Viva Rio, marcado pelo trabalho dos fotógrafos “correspondentes” (moradores
de diferentes favelas do Rio).
37
Somente as visitas dos turistas já engrossam consideravelmente a produção e circulação de “imagens
de favela” mundo afora, como revela o estudo de Menezes (2007), no qual foram analisados 50 fotologs
produzidos por turistas estrangeiros, onde eram exibidas mais de 700 fotografias registradas em suas
visitas à favela da Rocinha.
38
Um bom exemplo dessa multiplicidade de suportes é o “Morrinho”: iniciativa que “desde os anos 1990
vem se constituindo em torno de uma enorme maquete de tijolos na qual aspectos do cotidiano das
favelas são encenados com pecinhas de Lego. Recentemente reconhecido como Ponto de Cultura, o
Morrinho se desdobra em quatro iniciativas complementares: TV Morrinho (que já produziu peças
audiovisuais para clientes como Nickelodeon e Coca-Cola); Turismo no Morrinho (visitas guiadas à
maquete); Morrinho Social (braço responsável pelo desenvolvimento de atividades culturais na favela) e
Morrinho Exposição (reprodução da maquete em exposições internacionais e grandes feiras de arte).”
(Freire-Medeiros e Rocha, 2011).

28
valorização do poder de comunicação das imagens, quanto a intencionalidade da
amplificação das reivindicações para além das fronteiras nacionais pautaram diferentes
estratégias de visibilidade – compreendendo neste conjunto a criação de sites na
internet, a produção de documentários, a organização de oficinas e debates sobre
“imagem e violência”, bem como o investimento em formas de ocupação do espaço
público que combinassem técnicas e idiomas tradicionais da cena política protagonizada
por movimentos sociais (latino-americanos, especialmente) com novas tecnologias de
protesto.

Neste capítulo, exploro algumas dessas estratégias, entendendo que através


delas seja possível demarcar o quadro político a partir do qual o presente estudo foi
desenvolvido. Dou início a esta reflexão acionando plataformas de informação ligadas
direta ou indiretamente às ações políticas do Movimento Posso me identificar? e da
Rede de Comunidades e Movimentos contra Violência, para depois dedicar atenção a
formas de pautar as mortes dos moradores de favelas elaboradas por outros coletivos e
organizações políticas. Todas as estratégias selecionadas para esta discussão
correspondem a produções visuais ou audiovisuais – compreendidas aqui enquanto
tentativas de produção de visibilidade das mortes de moradores de favelas provocadas
por agentes de Estado.

1.1 Traduzindo violência de Estado pra quem é brasileiro e pra quem não é

Em meio a faixas, bandeiras, camisetas e demais objetos utilizados como suporte


para a exposição pública de reivindicações, denúncias e propostas políticas deste
coletivo protagonizado pelos familiares de vítimas, uma das confecções mais simples
adquiriu destaque: um cartaz no formato pirulito, cuja haste havia sido produzida com
um pedaço fino de madeira, sobre o qual era acoplado um pedaço retangular de papelão
que trazia em cada lado de sua superfície uma folha branca de papel A3 colada, com
dizeres impressos em tinta preta. De um lado de cada cartaz, os dizeres estavam em
português; do outro, em inglês.

29
A primeira vez que vi o cartaz bilíngue foi durante uma manifestação pública em
abril de 2004 – que marcava um ano da “Chacina do Borel”, referida anteriormente. Nos
cartazes bilíngues, era possível ler frases como: “Moro onde os meios de comunicação
só chegam para contar os mortos” e “Moro no Brasil: o país com a segunda pior
concentração de renda do mundo!”.

Um ano depois, em abril de 2005, o cartaz bilíngue apareceu estampado na


primeira página da Folha de São Paulo. A fotografia havia sido realizada durante uma
passeata coorganizada pela Rede de Comunidades e Movimentos contra Violência e o
MST-RJ e exibia uma menina negra que trazia na mão direita o cartaz. No registro
escolhido pelo jornal, o lado do cartaz que está à mostra não é o que foi escrito em
português: a frase que chamava a atenção do leitor naquele dia era “I have been a victim
of violence!!! Who will be the next? YOU??? We hope not.”. Abaixo da fotografia, a
legenda: “Globalizados. Menina exibe cartaz, em inglês, contra violência; 1.200 sem-
terra e favelados do Rio protestaram na língua para atingir “a opinião pública
internacional””.

30
Não cabe aqui desenvolver uma análise sobre impacto/recepção de uma matéria
jornalística para o debate em questão, mas sim reconhecer o potencial do cartaz bilíngue
enquanto instrumento de luta, enquanto estratégia de visibilidade eficaz diante das
dificuldades enfrentadas pelos movimentos sociais para pautarem suas reivindicações e
bandeiras no que se convencionou chamar de grande mídia. Foi uma fotografia da
mesma menina, na mesma passeata, ainda com o cartaz bilíngue em punho, que
estampou a capa da revista Carta Capital no mês seguinte – cuja matéria principal
explicitava no título a necessidade de algum posicionamento político em meio ao
debate: “Por que a polícia mata”, frase sem ponto de interrogação, aparecia seguida do
sub-título “sem controle, repressão ao crime arrasta o País a uma espiral de violência”.

31
A capa de revista aparece, então, neste processo, como um ícone que cumpre
aqui uma dupla função – tanto sintetiza algum sucesso, ainda que limitado, do esforço
por visibilizar e pautar essas mortes dos moradores de favelas na cidade, como evidencia
o potencial de comunicação do cartaz bilíngue produzido em 2004 para a manifestação
que marcava um ano da Chacina do Borel.

Levando em conta as condições de possibilidade da enunciação dessas mortes


no espaço público enquanto mortes ilegítimas, esta intenção de comunicar guarda
estreitas ligações com sentimentos como indignação, dor, revolta, saudade, enfim –
combustíveis não menos importantes neste campo político. Pensando especialmente
neste episódio que ficou conhecido como Chacina do Borel, o equilíbrio entre as
emoções e o cálculo para organizar da melhor forma as manifestações públicas contra
violência policial em favelas contribuiu para que fossem construídos caminhos bem-
sucedidos de comunicação e de visibilização das mortes em questão.

Também é fundamental destacar que, para além das especificidades do caso do


Borel, consolidava-se na esfera de luta em defesa dos Direitos Humanos a prática de
denúncia de violações às organizações internacionais – ação desempenhada tanto para
esse quanto para outros casos de violência institucional pela Justiça Global, mas que,
neste caso, resultou nas visitas (ainda em 2003) da Secretária Geral da Anistia

32
Internacional, Irene Khan, e de Asma Jahangir, relatora da Organização das Nações
Unidas para Execuções Sumárias, Arbitrárias e Extrajudiciais ao morro do Borel.

Durante sua visita, uma das frases marcantes proferidas por Asma Jahangir nas
entrevistas que concedeu aos jornalistas interessados pelo caso foi “Nenhuma
sociedade civilizada deu à polícia o direito de julgar e matar”. Esta frase foi escrita à mão
com hidrocor preto em uma cartolina verde e exibida na mesma manifestação na qual
foi registrada a fotografia que se tornou capa da Folha de São Paulo e da Carta Capital.
Estratégias diferentes para comunicar a ilegitimidade das mortes de uma mesma
população: os moradores de favelas.

A oportunidade de acompanhar a produção das estratégias de visibilidade do


Movimento Posso me identificar? e da Rede de Comunidades e Movimentos contra
Violência torna possível alocar em um mesmo conjunto um cartaz feito a mão e um
documentário – visto que importa menos a tecnologia envolvida na confecção destes
instrumentos de luta e mais a intenção de comunicar que alimenta sua produção.
Enquanto o cartaz, utilizado em manifestações no Brasil39, foi projetado para emitir sua
mensagem para além das fronteiras nacionais através do acionamento da língua inglesa,
o documentário Entre Muros e Favelas40 foi editado em duas versões: uma para ser
exibida no Brasil e outra para ser exibida na Europa.

Como anunciado na introdução da tese, foi planejado um circuito europeu


articulado junto ao Comitê Suiço de Apoio aos Direitos Humanos nas Favelas do Rio de
Janeiro41. Através deste circuito (cujo período mais intenso de atividades corresponde
ao ano de 2005), a exibição do documentário era organizada junto com um debate sobre
violência policial em favelas, ocasião em que eram também solicitadas doações – a verba
era enviada ao Rio de Janeiro, para ser utilizada para a confecção de faixas e camisetas

39
Além das manifestações já mencionadas, realizadas no Rio de Janeiro, o cartaz bilíngue também foi
utilizado na marcha de abertura do Fórum Social Mundial, em 2005, na cidade de Poro Alegre.
40
Entre muros e favelas, direção de Susanne Dzeik, Kirsten Wagenschein e Márcio Jerônimo, Brasil-
Alemanha, 2005, 60 min, cor.
41
O Comitê Suiço de Apoio aos Direitos Humanos nas Favelas do Rio de Janeiro foi articulado por Marta
Dahyle, mãe de Carlos Magno, uma das vítimas fatais da Chacina do Borel, que residia na Suíça na época
dos crimes.

33
do movimento e também para cobrir as despesas relativas a passagem e alimentação
de integrantes da Rede contra Violência durante atividades da militância.

Entre Muros e Favelas conta as histórias de cinco episódios de violência


institucional em favelas envolvendo execuções de moradores: a execução de Marcio da
Rocha Maia (ocorrida em 1995 na Favela do Salgueiro); a Chacina do Borel (ocorrida em
16/04/2003, resultando na morte de 5 pessoas); a Chacina do Caju (ocorrida em
06/01/2004, resultando na morte de 5 pessoas); a execução de L.E. Caldeira (ocorrida
em fevereiro de 2004 na Favela da Rocinha) e a execução de Jeferson Ricardo (ocorrida
em 13/04/2004, em Manguinhos).

Tomando como referência, portanto, a execução mais antiga desta lista, é


possível notar que o ano da morte de Marcio da Rocha Maia corresponde ao ano em
que foi instituída no estado do Rio de Janeiro a gratificação por bravura (decreto em
novembro de 1995, período em que Nilton Cerqueira ocupava o cargo de Secretário de
Segurança, durante o governo Marcello Alencar)42 – tal premiação ficou conhecida como
gratificação faroeste, em função da orientação seguida pelo policial em serviço: atirar
primeiro e conferir depois.

Essa foi uma das medidas emblemáticas das políticas de Segurança Pública
implementadas durante a década de 1990 – década das chacinas de Acari, Candelária e
Vigário Geral – período a partir do qual Leite (2000) formula a noção de metáfora da
guerra, definida por uma conexão entre a consolidação da representação da cidade em
guerra e o desenvolvimento de uma ambigüidade em relação aos direitos civis e
humanos de favelados, por presumi-los incompatíveis com a segurança pública.

Os ecos políticos dessa metáfora ainda atravesariam os anos 2000, consolidando


ações governamentais cada vez mais letais nas favelas do Rio de Janeiro. Dois meses
antes da incursão que resultou na Chacina do Borel, o então Secretário de Segurança
Pública, Josias Quintal, evidencia através de declaração pública que a percepção da
cidade em guerra era acionada enquanto justificativa para o confronto como opção

42
“No Estado do Rio de Janeiro, a Secretaria de Segurança Pública aplicou entre os anos de 1995 e 1998
um programa de “premiações por bravura”, concedidas preferencialmente a policiais envolvidos em
ocorrências com resultado de morte de suspeitos. Essas premiações incrementavam a remuneração do
agente em 50%, 75% e até 150% sobre o salário original” (Cano, 2003b).

34
plausível (se não, primeira) de atuação da polícia militar: Nosso bloco está na rua, e se
tiver que ter conflito armado, que tenha. Se alguém tiver que morrer por isso, que morra.
Nós vamos partir pra dentro43. A respeito da chacina em questão, o mesmo secretário
declarou que quando há enfrentamento, ocorrem mortes. Mas a polícia foi correta.
Vamos apurar se houve inocentes entre os mortos, embora aceditemos que todos eram
marginais44.

No mês seguinte à chacina do Borel, Anthony Garotinho (sucessor de Josias


Quintal no cargo de secretário havia apenas 15 dias), comemorou a morte de mais de
100 pessoas (“supostos bandidos”) durante ações policiais em favelas45. Tal declaração
do secretário foi lembrada por Dalva, mãe de Thiago, uma das quatro vítimas fatais do
Borel, em um dos trechos da sua entrevista para o documentário Entre Muros e Favelas:

O Garotinho recebeu a gente no gabinete dele. Prometeu que ía ajudar as


favelas com esse negócio de incursão policial, disse que estava afastando
os maus policiais... e naquela época mesmo ele comemorou 100 mortes de
bandidos. E nesses 100, tavam incluídos os 4 inocentes do Borel.

Durante a década de 2000, portanto, a histórica associação entre pobreza e


criminalidade46 foi reelaborada enquanto justificativa para o endurecimento de ações e
decisões no campo da segurança pública no Rio de Janeiro. Vale registrar que, como a
criminalização das vítimas é parte da criminalização de toda a população residente em
favelas, simples tentativas de descriminalização também podem ser entendidas como
atos criminosos: no dia do enterro de uma das vítimas da Chacina do Borel alguns
moradores foram levados para a delegacia porque estavam colocando uma faixa na
passarela que dá acesso ao morro. A faixa, na qual estava escrito “Foram assassinados
quatro inocentes”, havia sido confeccionada para ser levada para o sepultamento. Ainda

43
Declaração citada no relatório Rio de Janeiro: Candelária e Vigário Geral, 10 anos depois, elaborado pela
Anistia Internacional em 2003.
44
Idem.
45
O Globo, 11/05/2003. Fonte: Relatório da Sociedade Civil para o Relator Especial das Nações Unidas
para Execuções Sumárias, Arbitrárias e Extrajudiciais. Rio De Janeiro: 2007.
46
O debate sobre a associação entre pobreza e criminalidade marca diferentes análises sobre a
construção da favela como “o outro da cidade” – construção que, através de angulações e referenciais
empíricos variados, fundamenta diferentes trabalhos sobre as favelas do Rio de Janeiro, dentre os quais
destaco os de Valladares (1991, 2000 e 2005), Machado da Silva (2002, 2005 e 2008), Leite (2000) e Leeds
e Leeds (1978).

35
que o ato de pendurar uma faixa em algum lugar dificilmente pudesse ser confundido
com uma ação violenta, os moradores do Borel que fizeram isto foram levados para a
delegacia pela manhã e só foram soltos às oito horas da noite47.

Contextualizando o período a partir de referenciais institucionais, relembro


ainda que menos de um ano após a chacina, Anthony Garotinho (também enquanto
Secretário de Segurança Pública), determinou que os delegados titulares das delegacias
distritais passassem a enquadrar por “crime de associação ao tráfico” todas as pessoas
que antes eram autuadas por “crime de depredação do patrimônio privado”48 –
enquadramento sob o qual costumava-se “alocar” moradores de favelas que
participassem de algum tipo de manifestação pública compreendida como “arruaça”
pelas forças policiais. “Arruaça” foi a mesma palavra utilizada por um dos policiais
acusados pelas mortes ocorridas nesse episódio do Borel, durante seu depoimento no
Tribunal do Júri, no dia do seu julgamento. Segundo seu depoimento, no dia 16 de abril
de 2003 foi feita uma denúncia anônima no 6o Batalhão da Polícia Militar, comunicando
que vários traficantes do Borel estavam se reunindo pra roubar carros e tocar fogo em
ônibus. Então, para evitar a ocorrência desses atos, conhecidos dentro da instituição
como “arruaças”, os policiais que estavam de plantão nesse batalhão decidiram realizar
uma incursão no morro. Assim se justificou a operação que resultou na chacina.

Estamos, então, diante de um quadro de sobreposições de criminalização: a


potencialidade de crime que é utilizada como justificativa para a incursão que provoca
a chacina é a mesma potencialidade depositada na ação dos moradores que quiseram
pendurar uma faixa na passarela e foram presos; essa é a mesma potencialidade que
reúne as vítimas da chacina, seus familiares e os demais moradores da favela sob uma
nebulosa de suspeitas49.

47
Informação fornecida por Dalva Correia, mãe de Tiago Correia da Costa, em conversa não gravada,
durante a etnografia que realizei em 2004.
48
Conforme explicação técnica apresentada pelo Centro de Justiça Global (2004), casos de queimas de
ônibus ou interrupção de avenidas e túneis, por exemplo, eram enquadrados como “associação ao tráfico”
através do artigo 14 da lei 6368/76: “Art.14. Associarem-se duas ou mais pessoas para o fim de praticar,
reiteradamente ou não, qualquer dos crimes previstos nos artigos 12 ou 13 desta Lei: Pena-Reclusão de
três a dez anos, e pagamento de cinqüenta a trezentos e sessenta dias-multa”.
49
Como argumentam Birman e Leite (2004), as mães de vítimas se vêm diante de (e tendo que lidar com)
duas modalidades distintas de violência: a violência física, que interrompe inesperadamente a vida de

36
Foi enxergando as vítimas e suas famílias dessa forma que um agente da Polícia
Militar que acompanhou a remoção dos corpos das vítimas da Chacina do Caju (também
explorada no roteiro de Entre Muros e Favelas) foi capaz de dizer: Menos um porco pra
gente prender50. Não se tratava de uma remoção de corpos qualquer: as vítimas da
Chacina do Caju haviam sido jogadas num lamaçal próximo ao local do crime e os
familiares que foram informados a tempo, permaneceram nesse local até que a retirada
dos corpos fosse feita. Logo, estavam presentes quando seus filhos e irmãos, já mortos,
foram chamados de porcos.

Uma cena de Entre Muros e Favelas mostra uma das manifestações organizadas
pelos familiares das vítimas da Chacina do Caju, ao lado desse local onde os corpos
foram encontrados: enquanto eram feitos discursos contra a violência policial e
homenagens aos mortos, passa um carro identificado pelos manifestantes como um dos
veículos utilizados pela polícia secreta e uma das câmeras que estava sendo usada pelos
documentaristas captura, em zoom in, a imagem dos policiais dentro do veículo, que
passava devagar, com as janelas abertas. Na edição do documentário, essa imagem é
anunciada por uma manifestante (olha lá, tão tirando foto, tão tirando foto!) e exibida
em câmera lenta, quando fica evidente o registro da manifestação pelos policiais, à
paisana, com uma câmera na mão. A manifestação não foi repreimida, mas foi vigiada à
distância.

O documentário mostra como o mesmo procedimento ocorreu durante a


manifestação realizada em 2004, marcando um ano da Chacina do Borel, já mencionada
no início desta seção. Ao chegarem na frente do Palácio das Laranjeiras, destino da
caminhada que havia sido iniciada no Largo do Machado, os manifestantes se
posicionaram com suas faixas e seus cartazes, para ouvirem os discursos que
continuavam a ser proferidos de cima do carro de som. O encerramento do ato só
aconteceria após a entrega do documento O Movimento Posso me identificar? dirige-se
aos poderes públicos à governadora Rosinha. Enquanto aguardavam as negociações

seus filhos; e a violência moral, configurada na criminalização das vítimas, na destituição de sua dignidade
como pessoas e como cidadãos.
50
Este relato foi produzido pela Rede contra Violência e está disponível no site do coletivo, através do
endereço < http://www.redecontraviolencia.org/Casos/2004/210.html>.

37
para a entrada de um grupo de familiares de vítimas daquela e de outras chacinas, os
manifestantes eram filmados por um agente de Estado, de uma das janelas do Palácio.
Ao seu lado, um segurança vestido de terno observava o protesto.

Figura 4: Screenshot 1 – Entre Muros e Favelas

Até a data daquela manifestação, diversas outras execuções haviam ocorrido nas
favelas do Rio de Janeiro, dentre elas os casos narrados no documentário Entre Muros e
Favelas. Na manifestação não se falava só das mortes do Borel, mas de todas essas
outras:

Será que o poder público só vai funcionar pra nós como repressão? Nós
estamos pedindo pro poder público ter outras maneiras de ocupar as
nossas comunidades, não só com repressão policial. Queria dizer que esse
movimento “Posso me identificar?”, ele nasce nas comunidades, são
pessoas de dentro da comunidade que não agüentam mais ficar calados,
vendo seus filhos serem assassinados. Se o país não tem pena de morte,
porque que toda comunidade favelada está condenada à morte e à
exclusão?51

Na edição do documentário, alguns discursos proferidos naquela manifestação


aparecem quase na íntegra. Enquanto o carro de som se dirigia ao palácio, foram
realizadas imagens de cima dele, momento no qual Isabel, moradora de Manguinhos

51
Discurso proferido por uma moradora do Borel no início da manifestação, que não está incluído no
documentário. Registro em áudio, realizado por mim durante a manifestação.

38
bastante presente durante as articulações do Movimento Posso me identificar?, usa seu
tempo de fala para articular a simbologia militar à repressão nas favelas: O símbolo do
BOPE é uma caveira, que representa a morte. No símbolo da PM tem a cana e o café,
que nos condenam à escravidão. Se somos escravos, então vamos assumir e conquistar
nossa liberdade. Sua imagem ao microfone é substituída pela imagem da faixa do
movimento abrindo a caminhada rumo à sede do governo do Estado, mas sua voz foi
mantida, em off, até a finalização do recado.

Figura 5: Screenshot 2 – Entre Muros e Favelas

O discurso de Isabel é traduzido na legenda da versão do documentário


preparada para o circuito europeu de exibições. Os diretores do Entre Muros e Favelas
decidiram fazer essa segunda versão após perceberem que, nos primeiros debates
realizados fora do Brasil, estava sendo difícil discutir as execuções ocorridas nas favelas
sem fazer uma longa introdução sobre racismo no Brasil. Foram incluídas cenas de um
homem negro regando os pés de pessoas brancas em troca de dinheiro numa praia
carioca, mesma praia na qual mulheres negras aparecem fazendo massagem em
homens brancos. Os cortes da edição privilegiam imagens que mostram em primeiro e
segundo plano pessoas negras que trabalham na praia vendendo mate, óculos e picolé.

39
Na sequência, são intercaladas imagens de agentes de segurança – pública e
privada – que fazem plantão em lojas no centro do Rio, com trechos de uma entrevista
com vera Malaguti, realizada para essa nova versão do documentário:

A polícia foi fundada no Brasil, como o sistema penal, dirigida aos escravos.
Pra manter os escravos sob controle, pra manter a propriedade branca em
ordem, quer dizer, é um tipo de ordem no Brasil – e eu acho que não houve
nunca uma ruptura disso – uma ordem branca e proprietária.

Após uma cena que mostra agentes da guarda municipal vestindo coletes à prova
de balas, ombreiras protetoras e capacetes reprimindo duramente um camelô, é
incluído um trecho da entrevista com Baiano, outro morador de Manguinhos, contando
que em alguns supermercados, se entra um negro, sempre tem um segurança atrás, se
entra uma pessoa branca, nunca tem segurança. Essa entrevista, que já fazia parte da
primeira versão do documentário, antecipa uma nova inclusão na edição de um episódio
de repressão violenta a dois homens que acabaram sendo presos. Ficamos sem saber o
motivo da prisão, porque a filmagem é interrompida pelo segurança do
estabelecimento, mas fica evidente a ação conjunta entre este e o agente de segurança
pública acionado52.

52
Trata-se de uma cena na qual as ações de agentes de segurança pública e privada são atravessadas por
racismo institucional, nos termos trabalhados por Leite (2012): “no Brasil, negros sofrem não só a
discriminação racial devida ao preconceito racial e operada no plano privado, mas também e sobretudo
o racismo institucional, que inspira as políticas estatais que lhes são dirigidas e se materializa nelas. Trata-
se de discriminação racial praticada pelo Estado ao atuar de forma diferenciada em relação a esses
segmentos populacionais, introduzindo em nossas cidades e em nossa sociedade, pela via das políticas
públicas, “um corte entre o que deve viver e o que deve morrer”, a faxina étnica.”

40
Figura 6: Screenshot 3 – Entre Muros e Favelas

O homem negro foi levado dentro de um camburão, que estava acompanhado


por mais uma viatura da PM. O policial que dirigia essa outra viatura retira sua arma da
cintura e a coloca no banco do carro, antes de manobrar para sair da vaga e seguir o
camburão. Sirenes ligadas, os carros partem pela pista do meio da avenida, a sequência
se encerra. Os diretores acumularam material suficiente pros debates pós exibições fora
do Brasil – se o tratamento dado a um homem negro, na frente das câmeras, no centro
da cidade, durante o dia, é aquele, a execução de um homem negro na favela deixa de
ser algo incompreensível. O policial que acompanhou a remoção dos corpos no Caju, se
estivesse trabalhando naquela lanchonete no centro da cidade, não poderia comemorar
menos um porco pra prender. A nova edição da versão de Entre Muros e Favelas dava
conta, assim, do recado de Isabel pra dentro e pra fora das favelas: Se somos escravos,
então vamos assumir e conquistar nossa liberdade.

1.2 Cartões postais e adesivos contra um veículo de guerra

Na medida em que a metáfora da guerra (Leite, 2000) se fortalece, os


equipamentos – também de guerra – que foram sendo adquiridos para dar sustentação
às políticas de segurança pública implementadas no Rio de Janeiro produzem cada vez

41
mais mortes em favelas. O grande ícone desse processo é o caveirão, veículo blindado
adquirido durante o governo de Anthony Garotinho, em 2002, para ser utilizado pelo
Batalhão de Operações Policiais Especiais da Polícia Militar (BOPE) em operações nas
favelas53.

Em julho de 2005 ocorreu um dos casos considerados emblemáticos pelas


organizações de defesa dos Direitos Humanos atentas à utilização do veículo em
operações militares realizadas nas favelas do Rio. Era dia de festa junina e na quadra de
esportes da Vila do Pinheiro, uma das favelas da Maré, acontecia a quarilha. Enquanto
uma parte das crianças dançava, a outra brincava no parque de diversões mais próximo.
Foi justamente naquela direção do parque que foram efetuados disparos de fuzil. Já era
noite quando o caveirão entrou na favela e foi de dentro dele que partiram os disparos.
Os moradores presentes na festa correram, dentre os quais muitas crianças, que ficaram
machucadas por conta da movimentação tumultuada na hora que ouviram o som dos
tiros. Os disparos atingiram Carlos Henrique da Silva, um menino de 11 anos, e seu pai,
Carlos Alberto. O relato produzido pela Rede contra violência expressa de forma concisa
o desdobramento da situação:

Carlos Henrique estava sentado no banco de trás do carro que foi atingido
pelos tiros de fuzil disparados pelos policiais. Carlos Alberto, ainda com o
projétil alojado na cabeça, segurou o filho no colo, retirou-o do carro e o
exibiu para os policiais, dizendo: “Olha só o que vocês fizeram, vocês
mataram meu filho”. Testemunhas do episódio contam que um dos

53
A definição de caveirão elaborada pela Anistia Internacional para a publicação intitulada “Vim buscar a
sua alma”: o caveirão e o policiamento no Rio de Janeiro, lançada em 2006, junto com a campanha
abordada a seguir, traz dados importantes para a discussão em pauta: O caveirão é um carro blindado
adaptado para ser um veículo militar. A palavra caveirão refere-se ao emblema do Batalhão de Operações
Policiais Especiais (BOPE), que aparece com destaque na lateral do veículo. Entre as modificações feitas
nos caminhões blindados originais estão o acréscimo de uma torre de tiro, capaz de girar em 360 graus, e
fileiras de posições de tiro em cada lado do caminhão. O caveirão tem capacidade para até 12 policiais
com armas pesadas. Construído para resistir às armas de alta potência e aos explosivos, o caveirão tem
duas camadas de blindagem, assim como uma grade de aço para proteger as janelas quando sustenta
fogo pesado. Os pneus são revestidos com uma substância glutinosa que impede que sejam furados. As
quatro portas travam automaticamente e não podem ser abertas pelo lado de fora – dois alçapões de
escape, um na torre e outro no piso, podem ser usados em emergências. Embora pese cerca de 8 toneladas,
o caveirão pode alcançar velocidades de até 120km/h. [...] Alto-falantes montados na parte externa do
veículo anunciam repetidamente a chegada do caveirão. As expressões usadas variam desde a frase
educada: “Senhores moradores, estamos aqui para defender a comunidade. Por favor, não saiam. É
perigoso”; a alarmista: “Crianças, saiam da rua, vai haver tiroteio”; até a intimidação descarada: “Se você
deve, eu vou pegar a sua alma”. Quando o caveirão se aproxima de alguém na rua, a polícia grita pelo
megafone: “Ei, você aí! Você é suspeito. Ande bem devagar, levante a blusa, vire... agora pode ir...”. A
Anistia Internacional também recebeu relatos de que a polícia xinga e insulta os moradores, especialmente
as mulheres.

42
policiais desceu do carro armado com um fuzil e, ao ver o menino morto,
voltou para o veículo dizendo “Vamos embora que a gente fez merda”.54

No ano seguinte da morte de Carlos Henrique, a Anistia Internacional, articulada


junto à Rede de Comunidades e Movimentos contra Violência, a Justiça Global e o
Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis deram início a uma campanha
contra o uso do caveirão nas operações militares55. A campanha articulava debates e
outras atividades públicas à coleta de assinaturas em um abaixo-assinado planejado
para circular amplamente, além da produção de dois tipos de suportes imagéticos de
fácil distribuição: foram confeccionados cartões postais e adesivos, no intuito de
garantir ampla divulgação do posicionamento contrário ao uso do blindado. O inícia da
coleta das assinaturas se deu em março de 2006, durante um ato público na Cinelândia
e a primeira leva dos cartões saiu da gráfica diretamente endereçada à Exma.
Governadora Sra. Rosângela Rosinha Garotinho de Oliveira, trazendo no verso a
denúncia da morte de Carlos Henrique na Vila do Pinheiro e solicitando o fim da
utilização do veículo.

Na frente do cartão, a imagem de dois agentes do BOPE com seus uniformes


pretos, segurando seus fuzis, ao lado do caveirão, condensava os elementos da política
de segurança militarizada56 contra a qual se posicionavam os familiares das vítimas de
violência institucional em favelas articulados em torno da Rede contra Violência e as
demais organizações reunidas na campanha. Seguem abaixo as imagens de frente e
verso do cartão.

54
Relato produzido pela Rede contra Violência, disponível no site do coletivo, através do endereço <
http://www.redecontraviolencia.org/Casos/2005/207.html>.
55
Para maiores detalhes da articulação e desdobramentos desta campanha, consultar Magalhães (2007)
e Ramos (2010).
56
Na época, uma declaração do então comandante do BOPE foi bastante divulgada por condensar em
uma frase curta o entendimento institucional sobre o equipamento: Agiremos como na guerra
convencional, onde o tanque vai na frente, e a infantaria cerca o inimigo pelos lados. (Anistia Internacional,
2006).

43
Figura 7: Postal 1 Frente – Campanha contra o Caveirão

Figura 8: Postal 1 Verso – Campanha contra o Caveirão

Os adesivos produzidos para a divulgação da campanha possuíam dois formatos


distintos: um era circular, trazia o símbolo do BOPE (a caveira com uma faca cravada no
centro, sobre duas pistolas), sobreposto pelo sinal de proibido e ao seu redor, o
endereço da lista de e-mails da campanha, para a qual poderiam ser enviadas
assinaturas; o outro era retangular, trazia ao centro a imagem desenhada em preto e
branco do próprio caveirão, enquadrada acima e abaixo pelo texto CAVEIRÃO DIGA
NÃO!, contendo abaixo da moldura o endereço virtual criado para a campanha.

44
Figura 9: Adesivos 1 e 2 – Campanha contra o Caveirão

De acordo com a análise de Magalhães (2007), apesar de a entrega das


assinaturas não ter tido o impacto desejado (especialmente por não ter sido atendida a
reivindicação da suspensão da utilização do blindado pela PM)57, o coletivo de
organizadores da campanha avaliou positivamente aqueles primeiros meses de
atividade, por terem conseguido pautar os debates relativos às eleições daquele ano.
Tratava-se das eleições para o governo estadual e os cinco principais candidatos – Sérgio
Cabral (PMDB), Denise Frossard (PPS), Marcelo Crivella (PRB), Eduardo Paes (PSDB) e
Vladimir Palmeira (PT) – se posicionaram contra a utilização do caveirão (Magalhães,
2007).

57
Foi realizada uma manifestação para que o abaixo-assinado fosse entregue à governadora Rosinha
Garotinho. Os manifestantes se concentraram no Largo do Machado e se dirigiram até o palácio das
Laranjeiras, fazendo discursos, levando faixas e cartazes e distribuindo o cartão postal da campanha para
as pessoas que encontravam pelo caminho. Me lembro de que, na época, considerei aquela a mais difícil
das atividades de abordagem de pessoas na rua (envolvendo panfletagem) da qual eu já tinha participado.
Enquanto eu tentava explicar o motivo da manifestação e os objetivos da campanha, algumas pessoas até
escutavam, no entanto, ao verem no cartão a imagem do caveirão, recusavam recebê-lo. Naquele
período, avaliei que não só a imagem do caveirão era mal recepcionada naquele suporte imagético, como
o próprio assunto também o era. Adicionei a essa avaliação o fato de a caminhada até o palácio não ter
sido tranquila: a polícia agiu com truculência, especialmente em relação aos manifestantes que se
posicionaram à frente, abrindo passagem pela Rua das Laranjeiras e pela Pinheiro Machado. Vale dizer
ainda que, de acordo com a pesquisa realizada por Magalhães (2007), foram coletadas por volta de 7 mil
assinaturas até o dia da entrega ao governo – número considerado inexpressivo pelos organizadores da
campanha.

45
A declaração de Sergio Cabral, em de novembro de 2006, merece destaque: É
um trauma para as comunidades. Não dá para fazer Segurança Pública com 'caveirão'58.
Foi também no início de novembro que os coletivos articulados em torno do primeiro
momento da campanha se reuniram para avaliar a possibilidade de sua reedição,
aproveitando justamente a abertura da pauta para o assunto durante as campanhas
eleitorais. Naquele momento, foi feita uma aposta na declaração do governador eleito
para elaborar a segunda versão do cartão postal da campanha contra o caveirão. Assim
como o outro, o verso do cartão já vinha endereçado ao Palácio Guanabara, trocando
agora o destinatário. Ao invés do resumo do episódio da morte de Carlos Henrique na
Maré, o novo cartão trazia entre aspas três declarações de Sergio Cabral, se
posicionando contrariamente à utilização do veículo durante operações em favelas. Na
frente, outra fotografia, mas os mesmos elementos de composição da cena militarizada
dessas operações: o agente do BOPE com fuzil e o caveirão, em alguma favela do Rio de
Janeiro.

Figura 10: Postal 2 Frente – Campanha contra o Caveirão

58
“Sérgio Cabral diz que vai aposentar caveirões”, Jornal O Dia, 15 de novembro de 2006, disponível em:
<http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI1248507-EI5030,00-
Sergio+Cabral+diz+que+vai+aposentar+caveiroes.html>.

46
Figura 11: Postal 2 Verso – Campanha contra o Caveirão

No entanto, apesar das declarações de campanha, os investimentos daquela


gestão em equipamentos atingiriam marcas expressivas, sendo que o veículo blindado
representaria os valores mais altos da lista. Como observa Ramos (2010), ainda no final
de 2006, Mario Sergio Duarte (na época, superintendente de Planejamento Operacional
da Secretaria de Estado de Segurança) viajou à África do Sul para visitar uma fábrica de
blindados e seis meses depois a secretaria anunciou a intenção de adquirir um modelo.
Foram avaliados também blindados israelenses e russos (utilizados, respectivamente,
em Gaza e durante ações militares contra terroristas chechenos)59.

1.3 Charge, stencil e outdoor: detenções e censura nos anos 2000

O acionamento da guerra enquanto metáfora, como analisado por Leite (2000),


continuava pautando as políticas de segurança pública e no primeiro ano do governo
Cabral 1.330 autos de resistências foram registrados, segundo dados divulgados pelo
próprio ISP. A marca resume em números o que significou para os moradores de favelas
o ano de 2007 – ano de jogos panamericanos. Antecedendo o período dos jogos, uma
megaoperação militar na Vila Cruzeiro provocou, em apenas um dia, 19 mortes de
moradores: 550 agentes da Polícia Militar, 700 da Polícia Civil e 150 da Força de

59
“Dentro do Caveirão”. Revista Piauí, Rio de Janeiro, abril de 2008.

47
Segurança Nacional60 atuaram juntos no episódio que ficou conhecido como Chacina do
Alemão ou Chacina do Pan61. Além dos 19 mortos, naquele 27 de junho outros 44
moradores ficaram feridos – mas a soma total de vítimas, contando desde o início da
ocupação militar em 02 de maio, corresponde a 43 pessoas mortas e 81 pessoas
feridas62, sendo superado todos os números de moradores de favelas vitimados em
chacinas no estado do Rio de Janeiro63.
Diante deste número e dos perigos anunciados com a continuidade da
megaoperação, a Comissão de Direitos Humanos da OAB/RJ solicitou que um perito
independente realizasse um novo relatório a partir dos laudos do Instituto Médico Legal
– RJ, relativos às dezenove vítimas fatais da operação64. A repercussão do novo relatório
– que ia de encontro à versão do confronto difundida pelo governador e outros
representantes do poder público – produziu a exoneração do advogado João Tancredo,
presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ65.

60
“Secretário nega excessos da polícia no Complexo do Alemão”. Carta Maior, 29 de junho de 2007.
Disponível em < http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Direitos-Humanos/Secretario-nega-excessos-
da-policia-em-operacoes-no-Complexo-do-Alemao/5/13631>.
61
De acordo com o Manifesto pela apuração das violações de direitos humanos cometidas na operação
Complexo do Alemão, que circulou em formato de abaixo-assinado tanto pelos militantes dos movimentos
sociais quanto pelo circuito das ONGs e dos operadores de direito que atuam na área dos Direitos
Humanos no Rio de Janeiro, “a operação contou com a participação de 1.350 agentes policiais, a utilização
de 1.080 fuzis, 180.000 balas e teve duração de cerca de oito horas. Após o término da operação, o Estado
divulgou a apreensão de 14 armas, 50 explosivos e munição de 2.000 balas, supostamente em poder de
traficantes”.
62
Dados apresentados no Manifesto público contra mega-operação no Alemão, assinado por diversos
coletivos e organizações que atuam no campo da defesa dos direitos humanos no Rio de Janeiro.
Disponível em: <http://global.org.br/programas/complexo-do-alemao-moradores-entidades-civis-e-
ongs-exigem-hoje-dia-28-audiencia-com-beltrame/>.
63
Antes da Chacina do Alemão, o episódio que ficou conhecido como Chacina da Baixada totalizava o
maior número de vítimas durante ações da PMERJ: 29 pessoas foram assassinadas por policiais militares
nos municípios de Nova Iguaçu e Queimados. Para uma análise do caso, consultar Guariento (2009) e
Landim e Guariento (2010). Para um estudo sobre as articulações políticas no campo dos movimentos
sociais a partir da Chacina da Baixada e seus desdobramentos no campo da segurança pública, ver Landim
(2013) e Landim e Siqueira (2013).

64
“Preparado pelo médico-legista e perito judicial Odoroilton Larocca Quinto, o relatório, feito com base
nos laudos do IML-RJ, aponta que, pelo ângulo dos disparos, de cima para baixo, algumas vítimas estavam
sentadas ou ajoelhadas, o que indica que teriam sido rendidas pelos autores dos tiros.” Fonte: “Laudo da
OAB aponta mortes sem confronto”, matéria publicada pelo jornal Folha de São Paulo, em 12/07/2007.
Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u311270.shtml>.
65
Durante entrevista que realizei com João Tancredo para o projeto de pesquisa “Direitos Humanos e vida
cotidiana: pluralidade de lógicas e violência urbana”, coordenado por Jussara Freire, as explicações sobre
os antecedentes da exoneração apareceram articuladas à dificuldade institucional que o advogado
encontrou para a divulgação do relatório independente: “Contratamos um médico particular que
começou a examinar os laudos do IML e, chegou a uma conclusão muito simples, ele viu o laudo dos
corpos: tiro assim, de rajada de metralhadora, pelas costas, então, pelo entendimento, isso significa que

48
Interpretada e divulgada pelos colegas do campo jurídico e demais
companheiros de militância como uma ação que representou “o cerceamento e a
neutralização das atividades de um órgão que tem como pauta a fiscalização e
monitoramento das políticas governamentais em face dos limites internacionalmente
consagrados de direitos humanos”66, a exoneração de João Tancredo funcionou como
estopim para a fundação, ainda em 2007, do Instituto dos Defensores de Direitos
Humanos (DDH) – organização não governamental que passou a ser presidida por este
advogado, em acordo com o conselho deliberativo que passou a ser integrado
espontaneamente por aqueles que faziam parte da Comissão de Direitos Humanos da
OAB-RJ antes da exoneração. A ideia seria dar prosseguimento às práticas e orientações
políticas cerceadas no interior da Ordem dos Advogados.
Além do perito independente acionado pela Comissão da OAB-RJ – causando a
exoneração do presidente, nunca é exagerado relembrar –, os laudos das 19 vítimas
fatais da operação do dia 27 de junho também foram avaliados em nova perícia, desta
vez encomendada pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República67.
Segundo o estudo realizado por Souza e Pedrinha (2009), os acionamentos das perícias
independentes correspondiam ao enfrentamento direto da tentativa do governo

a vítima parada ou correndo ele atira, os garotos eram: um garoto de 12 anos, um de 17 anos, sadios, [...]
muitos tiros, o ângulo de entrada de 45, o tiro de entrada era na nuca e saía pelo abdômen, estava no
laudo, significa que eles foram vítimas de execução, essa é a conclusão, eu apresentei isso pra Ordem e
aí, me disseram que esse tipo de legislação não é uma coisa adequada porque não era a nossa função,
não era muito a nossa função, eu falei: “ Eu não sei qual é a nossa função não, a nossa função, pra mim,
é receber as denúncias e encaminhar as denúncias.””
66
Trecho do documento que anuncia a denúncia oficial da exoneração de João Tancredo à Representante
da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Defensores de Direitos Humanos, Hina Jilani e a Unidade
de Defensores da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, Organização dos Estados
Americanos. A denúncia foi assinada por: Justiça Global; Campanha Contra o Caveirão; Organização de
Direitos Humanos Projeto Legal; Observatório de Favelas; Rede de Comunidades e Movimentos Contra a
Violência; Mandato do Deputado Estadual Marcelo Freixo; Coordenação Regional de Estudantes de
Direitos do Rio de Janeiro; Fórum de Entidades Nacionais de Direitos Humanos; Raízes em Movimento;
Movimento Nacional de Luta pela Moradia e Assembléia Popular-RJ; Fórum de Meio Ambiente e
Qualidade de Vida dos Trabalhadores; Intersindical; Associação Cons. Tutelares Municipais do Rio de
Janeiro; CEA São Domingos Sávio; Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis (CCDH); MNLM;
Círculos Bolivarianos Leonel Brizola; SINTUPERJ; Associação dos Remanescentes de Quilombos do Estado
do Rio de Janeiro; MST; Centro de Assessoria Jurídica Popular Mariana Criola; Rede Nacional de
Advogados e Advogadas Populares - RENAP/RJ; Movimento Direito Para Quem.
67
A perícia independente foi apresentadano relatório oficial da SDH enquanto cooperação técnica a
órgãos do Poder Executivo do Estado do Rio de Janeiro nas investigações sobre eventuais excessos
cometidos na morte de civis, durante operação policial-militar no denominado Complexo do Alemão.

49
estadual de ocultar informações sobre as execuções sumárias, visto que os peritos
independetes contratados pela SDH chegaram às seguintes conclusões sobre o trabalho
da polícia técnica do estado após a chacina:
 não houve perícia do local, apesar de fotos publicadas em jornais
apresentarem a presença de populares e jornalistas;
 todos os corpos chegaram despidos no Instituto Médico Legal;
 não foram feitas radiografias nos corpos;
 não foram coletados estojos (cápsulas das balas) no local;
 não forma coletadas amostras de sangue das vítimas;
 entre 14 vítimas havia um total de 25 projéteis na região posterior;
 entre seis vítimas havia um total de 8 perfurações nos crânios e nas
faces;
 cinco vítimas sofreram disparos à queima roupa;
 houve uma média de 3,8 disparos por vítima;
 duas execuções comprovadas pela trajetória das balas em vítimas
que se encontravam em posição decúbito dorsal, além de suspeitas
de execuções em outros casos68.

Diante das mortes na Vila Cruzeiro e da possibilidade de novas intervenções


estatais em favelas por conta dos jogos panamericanos, coletivos, movimentos sociais,
partidos e organizações posicionadas contra a violência institucional no Rio de Janeiro
organizaram um ato unificado no dia 13 de julho, dia da abertura dos jogos: a
convocação anunciava uma concentração em frente à sede da prefeitura a partir das
11h. No cartaz, abaixo da chamada geral “Todos ao ato nacional dia 13 de julho”, foi
impresso o texto que condensava o momento político atravessado “Bilhões para o Pan!
Para os trabalhadores tiros, remoções e retirada de direitos”. Além da lista com

68
Sobre este ponto, vale trazer o registro original apresentado pela perícia independente no Relatório da
Visita de Cooperação Técnica da SDH, que tive acesso a partir da circulação do documento entre militantes
e pesquisadores que, na época, estavam articulados na construção de uma agenda comum contra
violações daquele tipo: “Pelo menos nos Laudos N° RJ/SN/0/04094/07 e N° RJ/SN/0/04097/07, das
vítimas José da Silva Farias Júnior e Emerson Goulart, respectivamente, foram encontradas evidências de
morte por execução sumária e arbitrária. Em ambos os casos, o primeiro disparo foi letal, no crânio, de
trás para a frente e o segundo, de frente para trás, numa das vítimas na face e na outra no tórax; em
ambos os casos, com o corpo em decúbito dorsal; Nestes dois casos, ainda, verifica-se a impossibilidade
de defesa da vítima, uma vez que o disparo letal foi dado de trás para a frente”.

50
posicionamentos/demandas69 que unificaram o ato, o cartaz trazia ainda uma charge
que havia se transformado no ícone da luta contra a violência de estado naquele
período, por colocar lado a lado o caveirão e o cauê (mascote dos jogos) armado com
um fuzil, vestido com a camiseta com a marca oficial dos jogos panamericanos.

Figura 12: Charge Cauê armado e Caveirão (Latuff, 2006)

A charge, elaborada pelo cartunista Latuff ainda em 2006, havia sido utilizada por
diferentes coletivos para pautar os investimentos realizados na área da segurança pública em
função dos jogos panamericanos naquele ano de 2007 e as consequências da utilização dos
equipamentos bélicos durante as operações nas favelas do Rio. Não só jornais da mídia
alternativa local divulgavam a imagem, como foram produzidas camisetas e faixas utilizando a
charge inteira, ou apenas a imagem do mascote segurando o fuzil, que no meio da militância,
acabou sendo chamado pelo apelido de Caô70, ao invés de Cauê (nome atribuído ao mascote
durante a campanha oficial dos jogos).

69
O ato se posicionava “contra a violência policial e a criminalização da pobreza e dos movimentos sociais;
contra a reforma da previdência e as reformas que retiram direitos; contra a política econômica do
governo Lula; pela reforma agrária sob o controle dos trabalhadores; pelo passe livre para idosos,
deficientes e estudantes; pela unificação das greves, lutas e mobilizações na cidade e no campo”.
70
Caô é um termo popular que se refere, de maneira geral, a algo (uma situação, pessoa, ação)
inconsistente, cujo discurso esteja atravessado por expectativas/promessas/previsões que não se
sustentam. Assim, um caô pode estar anunciado no momento em que é falado ou mesmo ser identificado
a posteriori. De modo que se alguém não tem reputação, este é cheio de caô, fica de caôzada. Se o caô é
usado para falar de uma situação ou uma ação em específico ele é usado de outra forma, como em isso é
o maior caô! Usos diversos do caô na cultura popular podem ser observados em músicas, tais quais: Fala
Mal de Mim (Mc Beyonce); Candidato Caô Caô (Bezerra da Silva); Caô Caô (Grupo Pixote).

51
Figura 13: Detalhe (Caô e caveirão) – faixa da Rede contra Violência
(Fotografia: Maurício Campos)

Durante o ato do dia 13 de julho, a faixa com a charge foi exibida durante todo
trajeto da atividade (foi realizada uma caminhada da sede da prefeitura ao Maracanã71)
e os manifestantes vestiram a camiseta com o desenho estampado, seguida dos dizeres
Jogos Panamericanos / Rio de Janeiro 2007 / Sol e Lucros para os ricos / Violência contra
os pobres. No dia 20 do mesmo mês, o militante da Rede responsável pela confecção
das camisetas e da faixa foi abordado por policiais da Delegacia de Repressão aos Crimes
de Propriedade Imaterial (DRCPIM) ao chegar no edifício onde se localizava a sala (sede)
do coletivo: foi autuado em flagrante por violação de direito autoral (Artigo 184 do
Código Penal). A sala da rede contra Violência foi vasculhada e além do integrante que
havia sido abordado na portaria, outros dois membros do coletivo que estavam na sede
foram levados até a DRCPIM e dois tiveram que prestar depoimento (tendo estes sido

71
Na prefeitura, os manifestantes racharam o ato. Uma parte manteve a atividade na Av. Presidente
Vargas e depois dispersou, a outra, na qual eu me encontrava, caminhou na direção do maracanã. No
trajeto, uma das palavras de ordem era: “Pra gente rica, o pan é esporte / pra favelado é porrada e morte”.
Nos limites desta tese não será possível explorar as aproximações entre aquele período e este que
vivemos de forma mais intensa a partir de junho de 2013 no Rio de Janeiro pré megaeventos. No entanto,
cabe o registro de que em 2007 não tínhamos a certeza de que, no dia seguinte, a manifestação “seria
maior”. Hoje temos.

52
autuados por violação de direito autoral). Em torno de 60 camisetas com a charge foram
apreendidas naquele dia – parte delas estava na sala da Rede, outras estavam sendo
levadas pelo militante detido.

Na mesma semana, o cartunista Latuff, autor da charge, recebeu uma intimação


para comparecer à DRCPIM prestar esclarecimentos – foi autuado sob o mesmo
enquadramento dos militantes da Rede contra Violência e a investigação incluída no
mesmo inquérito72. Na noite do dia 22 (ainda na mesma semana), três jovens foram
detidos enquanto grafitavam o mascote do Pan segurando o fuzil, utilizando a técnica
do stencil (ver imagem abaixo). Desta vez, a acusação foi “dano ao patrimônio” e os
jovens ficaram detidos até o dia seguinte.

Figuras 14 e 15: Stencil Caô 1 e 2

Todas as detenções e a intimação de Carlos Latuff foram entendidas pelos


militantes da Rede e demais ativistas do mesmo campo de luta como uma ação de
criminalização dos protestos realizados naquele período. Dentre as mensagens de apoio

72
Detalhes do ocorrido podem ser lidos no relato produzido pela Rede contra Violência, através do
endereço: < http://www.redecontraviolencia.org/Atividades/335.html>.

53
recebidas pelo coletivo, destacou-se na época o e-mail enviado por um professor do
curso de Direito da PUC-RJ:

Fiquei ultrajado com a censura que vocês estão sofrendo. Sou perito
judicial, atuando nas áreas de direito autoral e propriedade intelectual.
Não existe hipótese nenhuma de interpretar o que vocês fizeram como
pirataria de marca ou uso indevido de obra alheia. Do ponto de vista
técnico/jurídico, essa acusação é sem fundamento. Coloco-me à disposição
para qualquer consultoria que vocês precisarem, nesse sentido. Isto tudo
nada mais é do que intimidação policial a serviço dos interesses de alguns
poucos que se julgam donos do poder.73

Aquela não seria, no entanto, a única imagem censurada durante o primeiro


governo de Sergio Cabral. A Chacina do Alemão se transformou numa espécie de marco
da política de segurança pública implementada no estado do Rio de Janeiro naquele
período, legitimando o confronto como orientação primeira para as ações militares em
favelas. A avaliação de Paulo Vannuchi, então ministro da Secretaria de Direitos
Humanos da Presidência da República, evidencia o acionamento da aceitação da
população do Rio de Janeiro enquanto argumento do governo estadual para dar
prosseguimento àquela agenda de repressões:

Sergio Cabral cometeu um erro em escolher a política de confronto. Ele


mandou um recado para mim, dizendo que eu tenho que entender que ele
está trabalhando com pesquisa de opinião, e o povo está dando 80% de
aprovação a essa política de confronto. Mas eu não quero brigar com ele.
Não interessa, sou do governo federal. Agora, chegou uma vez no
Complexo do Alemão com mortos, chegou outra vez. Na terceira vez
tivemos de entrar com uma perícia independente. [...] Tínhamos fotos
também dos cadáveres, um deles chamuscado de pólvora, e isso só existe
se o tiro for a dez centímetros. Dois com bala na nuca, trajetória
descendente, e eles diziam que era morte em combate. Ora, morte em
combate é feito daqui para lá, a pessoa, se ela está correndo e leva um tiro
na nuca, ela está fugindo e leva um tiro na altura da cabeça, o que já
contraria as recomendações e uso proporcional da força, que manda atirar
na perna, atirar nas nádegas, atirar em região não letal. A academia de
polícia ensina isso. Agora quando tem uma trajetória de bala na nuca,
descendente, aumenta a chance de a pessoa estar rendida, ajoelhada,
jogada no chão etc. Se eu quizesse, eu tinha dez minutos de Jornal Nacional
com o caso do Complexo do Alemão, mas não fiz nada, telefonei para a
OAB, para o Beltrame e disse: “Estamos entregando o laudo
independente”. O Beltrame foi para a imprensa dizer que era um absurdo,
foi contra mim. Eu liguei pra ele e disse: “Não é assim que se lida. Você tem

73
Fonte: < http://www.redecontraviolencia.org/Atividades/335.html>.

54
um laudo, eu tenho outro, vamos fazer um terceiro. Tenho sempre essa
arma, que é uma perícia internacional.74

A declaração de Vannuchi, além de chamar atenção para a centralidade da


perícia independente nos desdobramentos das investigações dos casos de execução
sumária (assunto abordado no quarto capítulo desta tese), indica as divergências entre
o poder executivo federal e o poder executivo estadual na condução não só do processo
investigativo, como da própria base política que sustentava toda uma agenda da
segurança pública no estado do Rio. O ministro se refere tanto à Cabral, quanto à
Beltrame enquanto figuras públicas que respondiam ou deveriam responder por aquela
chacina. Como Vannuchi avaliou, Sergio Cabral cometeu um erro em escolher a política
de confronto, mas quem foi à imprensa se posicionar contrariamente à perícia
independente contratada pela SDH foi Beltrame.

As ações e declarações do executivo estadual estavam afinadas. Em outubro de


2007, ao divulgar sua análise sobre os transitos dos traficantes de drogas pela cidade, o
secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro declarou que um tiro em Copacabana
é uma coisa. Um tiro na [favela da] Coréia, no complexo do Alemão [nas zonas oeste e
norte, respectivamente], é outra75. É nesse contexto político que as mães –
mulheres/negras/moradoras de favelas – são chamadas de fábricas de marginais” e
enquadradas como um problema merecedor de técnicas de governo compatíveis com
uma “proposta de tratamento epidemiológico da população favelada”, seguindo a
análise de Birman (2008). No mesmo dia da declaração de Beltrame sobre a diferença
entre um tiro na Zona Sul e outro nas Zonas Norte ou Oeste da cidade, o governador do
estado afirma publicamente que

Você pega o número de filhos por mãe na Lagoa Rodrigo de Freitas, Tijuca,
Méier e Copacabana, é padrão sueco. Agora, pega na Rocinha. É padrão
Zâmbia, Gabão. Isso é uma fábrica de produzir marginal. Estado não dá

74
Trecho de entrevista de Paulo Vannuchi, à época ministro da Secretaria de Direitos Humanos da
Presidência da República, concedida à Maria Helena Moreira Alves e José Valentin Palacios, em junho de
2008. (Alves, 2013: 313, 314).
75
“Para secretário, tiro em Copacabana ‘é uma coisa’ e, no Alemão, ‘é outra’”, Folha de São Paulo, edição
de 24 de outubro de 2007. Disponível em
<http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u339328.shtml>.

55
conta. Não tem oferta da rede pública para que essas meninas possam
interromper a gravidez. Isso é uma maluquice só.76

Como chamou atenção Birman (2008), trata-se de uma declaração atravessada


pela defesa de uma política de eugenia, publicizada num período marcado por
megaoperações cujos efeitos irreversíveis para a população residente em favelas era
justamente sua redução: como anunciado no início desta seção, naquele ano foram
registrados 1.330 autos de resistência – a maior marca anual deste tipo de registro no
estado do Rio de Janeiro (sendo que destes, 902 foram registrados na própria capital)77.
Naquele ano de 2007, as favelas sofreram grandes ataques por conta das diferentes
ocupações e operações militares e também pelas declarações de diferentes figuras do
“poder público”, através das quais se consolidou a legitimidade daquela forma de gestão
dos territórios favelados e da população que ali reside.

Não se falava mais do uso excessivo da força que qualificava as ações dos agentes
de Estado nesses territórios enquanto uma falha (nem individual, nem institucional) que
não estava prevista e, portanto, passível de punição: em especial após a Chacina do
Alemão, legitimava-se o confronto como orientação primeira e as mortes dos

76
A declaração faz parte do trecho de uma entrevista concedida ao G1, em 24/10/2007. Pergunta e
resposta são destacadas na íntegra a seguir: G1 – Mas o Brasil não consegue dar conta do mosquito da
dengue. Teremos condições de resolver essa questão das drogas? Cabral - O Brasil não dá conta do câncer.
Não dá conta dos que necessitam de CTIs. Não dá conta de um monte de coisas. Se for partir para isso...
São duas questões que têm a ver com violência: uma é a questão das drogas que é mais internacional. O
Brasil deve contribuir. A outra, é um tema que, infelizmente, não se tem coragem de discutir. É o aborto.
A questão da interrupção da gravidez tem tudo a ver com a violência pública. Quem diz isso não sou eu,
são os autores do livro "Freakonomics" (Steven Levitt e Stephen J. Dubner). Eles mostram que a redução
da violência nos EUA na década de 90 está intrinsecamente ligada à legalização do aborto em 1975 pela
suprema corte americana. Porque uma filha da classe média se quiser interromper a gravidez tem dinheiro
e estrutura familiar, todo mundo sabe onde fica. Não sei por que não é fechado. Leva na Barra da Tijuca,
não sei onde. Agora, a filha do favelado vai levar para onde, se o Miguel Couto não atende? Se o Rocha
Faria não atende? Aí, tenta desesperadamente uma interrupção, o que provoca situação gravíssima. Sou
favorável ao direito da mulher de interromper uma gravidez indesejada. Sou cristão, católico, mas que
visão é essa? Esses atrasos são muito graves. Não vejo a classe política discutir isso. Fico muito aflito. Tem
tudo a ver com violência. Você pega o número de filhos por mãe na Lagoa Rodrigo de Freitas, Tijuca, Méier
e Copacabana, é padrão sueco. Agora, pega na Rocinha. É padrão Zâmbia, Gabão. Isso é uma fábrica de
produzir marginal. Estado não dá conta. Não tem oferta da rede pública para que essas meninas possam
interromper a gravidez. Isso é uma maluquice só. (Disponível em: <
http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,MUL155710-5601,00-
CABRAL+DEFENDE+A%20BORTO+CONTRA+VIOLENCIA+NO+RIO+DE+JANEIRO.html>).
77
A relação entre a divulgação de dados oficiais e a ocultação de outras informações sobre as mortes
provocadas por agentes de estado é discutida no capítulo 4 desta tese. Ainda assim, vale destacar o
número de registros de autos de resistência dos anos que antecederam e sucederam 2007 (segundo
dados do ISP): em 2005, foram registrados 1.098 autos de resistência; em 2006, 1.063; em 2008, 1.137 e
2009, 1.048.

56
moradores de favelas como consequências inevitáveis. Frases como “os mortos e os
feridos geram um desconforto, mas não tem outra maneira”, pronunciada por Luiz
Fernando Côrrea (então Secretário Nacional de Segurança Pública)78 e “não se pode
fazer omelete sem quebrar os ovos”, pronunciada por Beltrame e outros 79 fazem eco
pelas diferentes esferas de poder de Estado, cujo arremate pode ser traduzido via
pronunciamento do próprio Presidente da República:

Nessa ação de vocês [governo do Estado do Rio] no complexo do Alemão,


tem gente que acha que é possível enfrentar a bandidagem com pétalas de
rosa ou jogando pó-de-arroz. A gente tem que enfrentá-los sabendo que
muitas vezes eles estão mais preparados do que a polícia, com armas mais
sofisticadas. A gente tem que enfrentá-los sabendo que a maioria do povo
que trabalha lá é de gente trabalhadora, de bem, que não pode ficar refém
de uma minoria.80

A política de confronto se intensificava, portanto, levando diferentes


organizações do campo de defesa dos direitos humanos e coletivos políticos (dentre
estes a Rede contra Violência) a elaborarem uma agenda de atividades para pautar o
posicionamento contra a violência de Estado – que acabou se traduzindo enquanto a
própria denominação da articulação: Pela vida, contra o extermínio.

Diante da percepção de uma certa legitimação da política de confronto (como


ressaltou Vannuchi em seu comentário sobre a política de segurança pública
implementada no governo Cabral), uma das propostas desta articulação era construir
formas de comunicar àqueles que não residiam em favelas, as ações violentas do Estado
nesses territórios. A idéia mais forte e que adquiriu adesão da maioria foi a elaboração
de um outdoor, que convocasse para o próximo ato (marcado para 23 de julho, quando
seriam completados 15 anos da Chacina da Candelária81) e trouxesse uma imagem de

78
Jornal do Brasil, 29/06/2007.
79
A declaração foi registrada pelo Jornal O Globo (edição de 29/06/2007), no entanto, trata-se de ditado
acionado por diferentes autoridades durante atividades relacionadas ao PAC – Programa de Aceleração
do Crescimento, como analisa Trindade (2012). Segundo a autora, o ditado foi utilizado por diversos
técnicos e políticos do governo do estado em reuniões com lideranças e moradores de Manguinhos para
justificar problemas ocorridos durante a implementação do programa, quando a resposta vinha como
outra pergunta por parte dos moradores: “E os ovos somos nós?”.
80
Lula, ao anunciar investimentos de R$ 3,880 bilhões do PAC para o Rio de Janeiro. Folha On line,
disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff0307200709.htm>.
81
O ato também marcaria os 18 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente, ratificando o
entrelaçamento das agendas.

57
rápida comunicação associada a um texto que pudesse condensar episódios
emblemáticos daquele processo de extermínio da população residente em favelas. O
resultado combinou uma charge do Latuff (exibida abaixo) às frases “Candelária, Vigário
Geral, Baixada, Alemão, Acari, Providência... estamos mais seguros?”, “Este ano o
Estatuto da Criança e do Adolescente completa 18 anos sob banhos de sangue?” e
“Infeliz é a sociedade que assiste passivamente sua juventude ser exterminada”,
reservando espaço para a convocação do ato do dia 23 de julho.

Figura 16: Charge Latuff (2008) / Outdoor

Em função do aniversário do ECA, a primeira colocação dos outdoors ficou sob a


responsabilidade do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente
(CEDCA) – exposto entre os dias 21 e 24 de julho, o outdoor foi retirado das ruas após
críticas do chefe da Casa Civil, Régis Fichtner. O mesmo afirmou em entrevista para a
Agência Estado: "Liguei para o presidente do Cedca [Siro Darlan] e ponderei que
considerava a imagem de muito mau gosto, que isso não ajudava em nada a causa da

58
criança e continha mensagem grave e equivocada sobre a PM”82. Segundo matéria da
Carta Maior, o governador Sergio Cabral também teria telefonado para Siro Darlan para
se queixar do outdoor83.

No mês seguinte, a articulação Pela vida, contra o extermínio decidiu recolocar o


outdoor nas ruas, denunciando a censura sofrida. Foi produzida uma nova versão, com
uma faixa vermelha por cima da charge, na qual foi escrito “CENSURADO!”, com o apoio
do Grupo Tortura Nunca Mais (GTNM-RJ), Justiça Global, Instituto de Defensores de
Direitos Humanos (DDH), Rede de Comunidades e Movimentos Contra a Violência,
Instituto Carioca de Criminologia (ICC) e Projeto Legal. Recolocados nas ruas no dia 03
de agosto, com contrato para exibição por duas semanas, um dos outdoors (o que havia
sido colocado na Av. Presidente Vargas, em frente à Secretaria de Segurança) teve a
parte da charge pintada de branco e outro foi totalmente coberto por cal84.

Em entrevista ao jornalista Marcelo Salles, Latuff descreve a imagem e se


posiciona a respeito da censura:

O desenho tem a mãe desesperada, berrando. O filho dela, uma criança,


com uniforme de escola, baleada, morta. Ela estava indo ou vindo da
escola. Provavelmente, como a imagem é de noite, estava voltando da
escola. Mas isso não sensibilizou a maioria das pessoas. A reação a este
desenho é didática e serve de alerta. Ninguém se comoveu com o
assassinato da criança. As pessoas se incomodaram mais com a descrição
do policial. Isso porque as instituições da repressão são sacrossantas, não
podem ser maculadas. Independentemente de elas já estarem maculadas,
comprometidas.85

Abaixo, imagens da segunda versão do outdoor: antes e depois de ter a charge tampada.

82
Disponível em <http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,outdoor-com-critica-a-seguranca-no-rio-
de-janeiro-e-apagado,218836,0.htm> .

83
“Outdoor censurado por Cabral volta às ruas do Rio”. Agência Carta Maior, 06 de agosto de 2008.
Disponível em: <http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Direitos-Humanos/Outdoor-censurado-por-
Cabral-volta-as-ruas-do-Rio%0D%0A/5/14094>.

84
“Outdoor contra violência policial recolocado com crítica à censura sofre ataques”, disponível em
<http://global.org.br/programas/outdoor-contra-violencia-policial-recolocado-com-critica-a-censura-
sofre-ataques/>.
85
“Cabral censura desenho de Latuff”, Fazendo Media, 26 de julho de 2008. Disponível em:
<http://www.fazendomedia.com/diaadia/protoblog.htm>.

59
Figuras 17 e 18: Outdoor Censurado – 2008. Fotografia: Marcos D'Paula/Agência Estado

1.4 Da foto por e-mail à capa do Facebook: divulgação das mortes dentro e fora da
internet
A sequência de arbitrariedades e violações que marcavam os dois primeiros anos
do governo Cabral exigia posicionamentos não só da Secretaria Especial de Direitos
Humanos, como também da Secretaria Nacional de Segurança Pública. Entrevistado
ainda em julho de 2008, Ricardo Balestreri (Secretário Nacional de Segurança Pública no
segundo governo Lula) declarou que o governo federal estava tomando medidas que
correspondiam a um posicionamento contrário à ideologia de guerra. A explicação
estava diretamente conectada à compra de armamentos para os diferentes estados da
federação:

Nós no governo federal não vamos mais financiar armas de guerra para os
estados. Não vamos mais financiar metralhadoras, submetralhadoras,
granadas, nem fuzis, que são armas pesadas de guerra. O que estamos
financiando hoje para a polícia é uma carabina ponto 40, que é a indicada
para a polícia em situação de confrontos urbanos. Qual é a diferença? A
diferença é a seguinte: um tiro de fuzil em uma favela vai atravessar dois,
três barracos, matar quem estiver no caminho, e atravessar os corpos. Já
com uma carabina ponto 40, o policial em uma situação de confronto
incontornável pode usar, está democaticamente autorizado a usar, se ele
não tiver outra saída. Mas uma carabina ponto 40, se é utilizada em um

60
confronto real, vai parar aí. Ela não transfixa, não passa pela pessoa,
podendo atingir inocentes etc. Não passa por paredes etc.86

Na continuidade da entrevista, ao ser perguntado se Cabral estaria aceitando


aquele posicionamento, respondeu: Trocamos um pedido de fuzis por 1,5 mil carabinas
calibre ponto 40. Não sei se ele vai aceitar e aplicar no Rio ou não. Mas, de parte da
Senasp, tanto no Rio como no resto do Brasil, não aceitamos mais pedidos de armas de
guerra.87 Os pedidos não seriam mais aceitos – no entanto, naqueles estados que
comprassem seus próprios fuzis, o tiro continuaria atravessando dois, três barracos e os
corpos de quem estivesse no caminho. Chama atenção o fato de Balestreri dizer “não
vamos mais financiar armas de guerra” tanto porque o “mais” evidencia que num
passado próximo o financiamento existia, quanto por se tratar da suspensão de um
financiamento que demarcava um posicionamento político a respeito dos confrontos
armados diferente do posicionamento do Presidente da República:

[...] na hora que apresentam as armas dos bandidos, elas são mais
modernas que as armas da polícia. E eles entram em um território que eles
não conhecem. Foi assim que os Estados Unidos foram derrotados no
Vietnã, entraram em um território que não conheciam. Estavam aqueles
vietnamitas de um metro e sessenta, magrinhos, em um buraco que mal
cabia um tatu. E eles derrotaram os americanos. É importante trabalhar
com o lado psicológico também. Você tem um policial que é um ser
humano, mal remunerado, mal preparado e que tem tanto medo de morrer
quanto o bandido.88

E foi assim, associando bandidos a vietnamitas e vice-versa que Lula, mais uma
vez, legitimou a política de confronto nas favelas. O acionamento da metáfora da guerra
(Leite, 2000) atravessava, portanto, reflexões, considerações e posicionamentos de
agentes e chefes de estado. Ainda que o Secretário Nacional de Segurança Pública do
segundo governo do presidente petista afirmasse que não financiariam mais armas de

86
Entrevista concedida à Maria Helena Moreira Alves e a José Valentin Palacios, em julho de 2008. (Alves,
2013: 298, 299).
87
Balestreri segue a explicação se posicionando a favor das armas não letais. Nos limites deste trabalho,
não há como desenvolver a discussão a respeito da letalidade do armamento dito não letal que vem sendo
utilizado tanto pelos policiais que atuam nas Unidades de Polícia Pacificadora, quanto na repressão das
manifestações públicas que se amplificaram a partir de junho de 2013. No entanto, vale mencionar o
registro da morte de Mateus Oliveira Casé, em Manguinhos, no dia 17 de março de 2013, após ter sido
atingido por disparo de arma Taser, utilizada por agentes da UPP local. Esse e os demais casos de mortes
de moradores em favelas onde foram instaladas Unidades de Polícia Pacificadora são apresentados
adiante.
88
Entrevista concedida à Maria Helena Moreira Alves e a José Valentin Palacios, em julho de 2008. (Alves,
2013: 277).

61
guerra para os estados da federação, Lula já havia dito que não seria com pétalas de
rosas que os agentes entrariam nas favelas do Rio.

Sem pétalas e sem critério para atirar: qualquer morador da favela poderia
morrer e essa morte não seria um problema pro Estado. Se em outubro de 2007,
Beltrame declarava que "Mesmo morrendo crianças, não há outra alternativa. Esse é o
caminho”89, um ano depois, continuava valendo a mesma orientação daquele que se
tornaria o Secretário de Segurança Pública que permaneceria por mais tempo no
cargo90. Tal declaração tinha ocorrido após uma operação da Polícia Civil nas favelas da
Coréia e do Taquaral, em Senador Camará, deixou 12 pessoas mortas e 6 feridas – uma
das vítimas fatais foi Jorge Kauã Silva de Lacerda, que tinha 4 anos91. Em dezembro do
ano seguinte, outra criança seria morta durante uma intervenção militar em favela.

No dia 04 de dezembro de 2008, Matheus Rodrigues foi atingido por um disparo


de fuzil na cabeça enquanto saía de casa de manhã para comprar pão, na Baixa do
Sapateiro, uma das favelas da Maré, na qual residia. Policiais tentaram alegar que a
morte do menino havia ocorrido durante confronto, no entanto, nenhum morador
escutou som de troca de tiros. Os vizinhos que ouviram o disparo – único –, saíram de

89
“Beltrame: mesmo morrendo crianças, não há alternativa”, matéria publicada no site Terra, no dia
17/10/2007, disponível em < http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI1998832-EI5030,00.html>.
90
Ainda que no processo de compreensão da engrenagem governamental que faz a gestão das mortes
dos moradores de favelas, ações individuais – de agentes ou chefes de Estado – não sejam enxergados de
forma isolada e sim no interior desta engrenagem (ponto explorado no quarto capítulo desta tese),
considero pertinente ressaltar que José Mariano Beltrame é o Secretário de Segurança Pública que
permaneceu por mais tempo nesta função – de 1º de janeiro de 2007 até hoje, já se somam 7 anos. Nem
no período localizado entre 1975 e 1983, nem no período que vai de 1983 até o final de 2006 (o intervalo
equivale aos anos nos quais tal secretaria estava extinta), nenhuma outra pessoa ocupou o cargo por
tanto tempo. E Lindbergh Farias, pré-candidato do PT ao governo do estado do Rio de Janeiro, divulgou o
interesse em manter Beltrame no cargo, mas o mesmo recusou, dizendo que só ficaria no cargo se o
candidato apoiado por Cabral – o atual vice-governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB) – fosse eleito.
(Dados disponíveis em < http://oglobo.globo.com/pais/beltrame-diz-nao-convite-de-lindbergh-para-
integrar-possivel-governo-10133123>.
91
Ainda que a versão da troca de tiros tenha sido sustentada por moradores e familiares de Jorge Kauã
(informações disponíveis através da matéria publicada no Estadão, disponível em:
http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,mae-de-menino-assassinado-elogia-
policial,67259,0.htm), a declaração do secretário não se torna razoável. Na operação na favela da Coréia,
um policial foi morto. Segundo os laudos do IML, as vítimas foram atingidas na cabeça, no peito e no
estômago, “sugerindo que a intenção específica era a de matar” (Justiça Global, MNMMR e OMCT, 2009).

62
suas casas e, ao saberem da morte de Matheus, acudiram sua mãe, ao mesmo tempo
em que espalhavam a notícia92.

A informação da morte do menino chegou rapidamente até Naldinho, fotógrafo


e morador da Baixa do Sapateiro também. Sabendo do ocorrido, Naldinho foi até o local
da morte, se deparou com os moradores cercando o corpo de Matheus, para que o
mesmo não fosse levado e a perícia pudesse ser realizada devidamente93. Ali naquele
local, Naldinho faria o registro fotográfico que se transformaria em mais um forte ícone
da luta contra a violência de estado nas favelas – o assassinato de Matheus Rodrigues
seria considerado o caso mais emblemático já documentado por um fotógrafo do
Imagens do Povo (Gama, 2012)94. Entrevisto por Fabiene Gama em sua pesquisa sobre
fotodocumentação e participação política, Naldinho narra a especificidade do momento
do registro:

[...] quando eu soube da morte do Matheus, eu nem sabia quem era o


Matheus. Minha mãe chegou e falou: mataram mais uma criança. E eu
comecei a escrever: caralho, mais uma criança... [...] O corpo tava lá, aí eles
decidiram fechar a Av. Brasil. Tinham alguns fotógrafos lá. [...] Aí eu fiquei.
Aí tava o Alessandro Molon lá. Aí tinha a Marielle que estava dando uma
ajuda. Aí precisava fazer as fotos e a perícia não tinha fotografo no local. Aí
a Marielle falou: ele pode fazer as fotos [apontando para o Naldinho]. Aí eu
fui fazer as fotos pra perícia. Tira o tecido, faz as fotos, tal. “Fotografa isso
aqui mais próximo”. Aí tem uma bala, tal. Aí quando a tia e o tio da criança
e a presidente de uma ONG chamada Uerê tiraram e botaram a criança no
chão, aí eu fiz uma foto dela sem o pano, aí a perícia veio e cobriu o corpo.
Quando cobriu, ficou só a mão da criança com a moeda. Eu falei: caralho,
isso aqui deve ser a foto. Aí fui e fiz umas três ou quatro imagens, e foi. [...]
Eu fui pro CEASM de novo. Aí separei as fotos lá, fiz uma edição rápida de
algumas imagens e mandei. Mas eu não escrevi absolutamente nada, só

92
Este relato da morte de Matheus Rodrigues é produzido a partir do texto elaborado por Gizele Martins
e Silvana Sá (O Cidadão/RENAJORP), para a divulgação do episódio. O texto foi publicado por diferentes
veículos de comunicação, em especial aqueles desenvolvidos no campo da mídia alternativa, como o site
Fazendo Media, através do endereço
<http://www.fazendomedia.com/2008/movimentos20081205.htm>. Para uma análise da repercussão
do caso do assassinato de Matheus na mídia, ver Martins (2011).
93
A relação entre a perícia e a remoção dos corpos pela polícia é discutida no quarto capítulo desta tese.
94
Segue a análise de Gama (2012) sobre a imagem: “A "imagem da moeda", como veio a ser conhecida a
imagem que Naldinho fez da mão de Matheus semiaberta tornou-se um símbolo da luta contra a violência
policial e garantiu a "veracidade" da história. Matheus não estava segurando uma arma ou um pacote de
drogas, mas a unidade do dinheiro brasileiro, que seria usado para comprar pão, parte da cena comum
da vida familiar brasileira.”

63
falei...Aliás, eu peguei o texto... A Gizele escreveu uma parada, se eu não
me engano, e ela me passou isso e eu enviei com o texto dela. Foi isso.95

A circulação da fotografia de Naldinho junto ao texto elaborado pelas jornalistas


Gizele Martins e Silvana Sá, no dia da morte, por e-mail e através de diferentes blogs e
sites transformou a morte de Matheus no assunto mais comentado no campo da
“militância de esquerda” no Rio, se transformou em cartaz na manifestação realizada no
dia 10 de dezembro no centro da cidade e cartaz de convocação para outra
manifestação realizada no dia 20 de dezembro, na Maré96. Depois virou capa de
relatório97 e no ano de 2013, serviu de referência para a arte gráfica produzida para o
material de divulgação da atividade que marcava os 5 anos da morte de Matheus98.

95
Trecho da entrevista que Naldinho concedeu à Fabiene Gama, em 29 de junho de 2012 (texto editado
aqui, em função das prioridades da discussão). Em sua tese, Gama (2012) analisa a participação de
Naldinho e Valdean enquanto fotógrafos em episódios nos quais crianças moradoras da Maré foram
assassinadas por policiais militares durante incursões à favela.
96
No dia que Matheus foi assassinado, um grupo de moradores da Maré estava em São Paulo, pois lá
realizava-se o Tribunal Popular – atividade construída por coletivos e organizações de São Paulo, Rio de
Janeiro e Bahia para julgar o estado brasileiro por crimes cometidos nesses três estados. A seção do Rio
de Janeiro no Tribunal Popular havia sido organizada pelas pessoas/organizações/coletivos que estavam
participando da articulação “Pela vida, contra o extermínio”, já citada anteriormente. A mesma articulação
planejava um ato para o dia 10 de dezembro, em função do aniversário de 60 anos da Declaração Universal
dos Direitos Humanos – e, com a notícia da morte de Matheus, foi decidido que aquele, que já seria um
ato para denunciar as violações de direitos humanos cometidas por agentes de estado nas favelas e
periferias do Rio de Janeiro, fosse pautado de forma prioritária pelo assassinato de Matheus. Além dessa
decisão, a articulação “Pela vida, contra o extermínio” se uniu a coletivos e organizações da Maré na
organização de uma manifestação para denunciar aquela morte, no dia 20 de dezembro do mesmo ano.
97
Me refiro à publicação A Criminalização da Pobreza – Relatório sobre as Causas Econômicas, Sociais e
Culturais da Tortura e de Outras Formas de Violência no Brasil, organizada pela ONG Justiça Global,
MNMMR; OMCT (2009).
98
A atividade foi convocada para o dia 07 de dezembro de 2013. Estavam previstas uma manifestação às
14h, na rua onde Matheus morava e foi morto, na Baixa do Sapateiro; uma caminhada pela Maré às 17h
e às 18h haveria uma atividade pelo aniversário de 14 anos do jornal mareense O Cidadão (no Timbau).

64
Figura 19: Matheus Rodrigues (Baixa do Sapateiro), 2008. Fotografia: Rosinaldo Lourenço.

Figuras 20, 21 e 22: cartaz de convocação do ato do dia 20/12/2008; capa do relatório
produzido por Justiça Global, MNMMR e OMCT (2009); cartaz de convocação da atividade dos
5 anos da morte de Matheus, dia 07/12/2013.

No dia da morte de Matheus, o presidente Lula estava participando de uma


atividade no Morro do Alemão, para a inauguração de um projeto do governo federal

65
chamado Territórios de Paz99. Em seu discurso, Lula lembrou de quando anunciou o PAC
junto ao governador do Rio de Janeiro, fazendo uma leitura de como eram vistas as
favelas – e seus moradores – na época do anúncio:

Quando nós anunciamos o PAC e pedimos ao Governador que nos


apresentasse propostas de melhoramento da cidade do Rio de Janeiro
naqueles locais que eram tidos como mais inacessíveis, nos locais mais
delicados do Rio de Janeiro, e que a gente via na televisão a cada dia:
Rocinha, Complexo do Alemão, Manguinhos, Pavão-Pavãozinho, Maré e
tantas outras comunidades. Quem não mora no Rio de Janeiro só via essas
comunidades, nos jornais ou na televisão, no noticiário policial. A
impressão que se tinha é de que não tinha uma fruta boa nesse pé de
laranja, de que o pé estava todo podre. Na verdade, em um pé de laranja
que tem mais de 200 laranjas, às vezes tem uma podre, e nós precisamos
tirá-la sem machucar as outras 199 que estão boas e que vão amadurecer
e servir para muita coisa neste país. [...] A polícia estará aqui, porque é
necessário ter a polícia mesmo que a gente estivesse em paz. É preciso que
tenha policiais para evitar eventuais problemas que tem em toda e
qualquer comunidade do mundo. Mas a polícia que vai atuar aqui vai ser
uma polícia mais companheira das pessoas que trabalham aqui. Nós não
queremos mais aquela polícia que aparece de quando em quando, sem
saber tratar quem é bom e quem não é bom, tratando todo mundo como
se fosse inimigo.100

Lula não se referiu à morte de Matheus. Mas se referiu a uma laranja podre que
deve ser tirada sem machucar as que estão boas – após comparar as favelas a pés de
laranja que pareciam estar todos podres. Mas ele anunciava que a polícia seria “mais
companheira”, que saberia “tratar quem é bom e quem não é”, ao invés de tratar “todo
mundo como se fosse inimigo”. Estando a Maré citada na lista dele ao falar com
moraores do Alemão, poderíamos imaginar então duas possibilidades de leitura da
morte de Matheus através das lentes do presidente: 1) a polícia que atuaria daquela
nova forma ainda não tinha chegado na Maré; 2) a polícia já atuava assim lá e matou
Matheus por saber que ele “não era bom”, logo, deveria “tirá-lo” do meio das outras

99
Projeto inserido no âmbito do PRONASCI (Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania),
para mais informações, consultar <http://portal.mj.gov.br/data/Pages/MJF4F53AB1PTBRNN.htm>.
100
“Discurso do Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do
programa Território de Paz no Complexo do Alemão”, disponível on line na Biblioteca da Presidência da
República, através do endereço: <http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/ex-presidentes/luiz-inacio-
lula-da-silva/discursos/2o-mandato/2008/2o-semestre/04-12-2008-discurso-do-presidente-da-
republica-luiz-inacio-lula-da-silva-na-cerimonia-de-lancamento-do-programa-territorio-de-paz-no-
complexo-do-alemao/view>.

66
laranjas sem machucá-las. Lembro apenas que Matheus foi morto atingido por um único
disparo de fuzil – ninguém mais foi ferido na Baixa do Sapateiro naquele dia.

Enquanto agentes da PMERJ matavam crianças na favela como se não houvesse


alternativa e aquele fosse o caminho (segundo declaração de Beltrame citada
anteriormente), a morte do menino João Roberto, que aos 3 anos foi atingido por
policiais enquanto estava dentro do carro de sua mãe, estacionado numa rua na Tijuca,
configurou uma espécie de contraponto a partir do qual foi possível para o governo
explicitar ainda mais as bases políticas que orientavam as ações junto à população
residente em favelas. Uma declaração do Secretário Nacional de Segurança Pública do
segundo governo Lula, sobre caso joão Roberto, condensa elementos importantes a
respeito da fixação do posicionamento que vinha se legitimando:

Sobre o caso que está na imprensa, claro que o governador é um homem


correto e o secretário Beltrame também. Eles devem estar muito
consternados. A culpa não é nem deles, existe uma cultura que esse caso
expressa. Claro, se não fosse um menino branco, de 3 anos, se não fosse
uma criança assassinada – se fossem, por exemplo, três jovens, homens,
pobres e negros, de alguma comunidade - , ninguém acharia estranho o que
aconteceu. Seria registrado como auto de resistencia, ou seja, morte em
confronto com a polícia, e as mães passariam o resto da vida tentando
provar que seus filhos não eram bandidos, mas sim trabalhadores
honestos. Mas como foi um menino branco, de 3 anos, ficou difícil. [...] O
caso, um menino branco de classe média, de 3 anos, não deu pra registrar
como traficante.101

Cabral considerou a morte de João Roberto um “erro fatal” e, defendendo a


expulsão dos dois PMs que efetuaram os disparos, os chamou de “débeis mentais”102.
Já sobre a morte de Matheus, na Baixa do Sapateiro... se percorrermos a interpretação
de Balestreri, lembrando que Matheus era negro e morador da Baixa do Sapateiro, na
Maré, alguma comoção só poderia estar ligada ao fato de ele ser uma criança. No
entanto, ainda que não tenha sido possível dizer (ou sustentar, no caso de Matheus) que

101
Entrevista concedida à Maria Helena Moreira Alves e a José Valentin Palacios, em julho de 2008. (Alves,
2013: 296).

102
“Cabral avalia como 'erro fatal' ação de PMs na morte de criança”, matéria publicada no G1, em
08/07/2008, disponível através do endreço < http://g1.globo.com/Noticias/Rio/0,,MUL640158-5606,00-
CABRAL+AVALIA+COMO+ERRO+FATAL+ACAO+DE+PMS+NA+MORTE+DE+CRIANCA.html>.

67
as vítimas eram bandidos por conta das suas idades, a morte de João Roberto foi
considerada um erro, enquanto a de Matheus não.

Naquele ano era instalada a primeira Unidade de Polícia Pacificadora, no Santa


Marta. Apesar da repressão instaurada nos territórios onde as UPPs “chegaram”, nos
dois primeiros anos do projeto do governo do Estado, não foi registrada nenhuma morte
de morador provocada por agentes da PMERJ que estivessem atuando nas respectivas
unidades. No entanto, a partir de 2011, quando foi registrado um auto de resistência
após uma ação de policiais da UPP correspondente à área do Pavão-
Pavãozinho/Cantagalo, foi inaugurada uma lista de mortes de moradores em favelas
com UPPs que impede a sustentação da euforia inicial com o projeto. Esta lista será
abordada em breve.

Antes é preciso lembrar que muitas mortes ocorreram por conta das operações
realizadas nas favelas nas quais seriam instaladas as Unidades de Polícia Pacificadora –
períodos pré-UPP que não entram na lista inaugurada em 2011 com a morte de André
no Pavão-Pavãozinho. É o caso da morte de Hugo Leonardo Silva, executado por policiais
militares no dia 17 de abril de 2012 durante a ocupação que antecedeu a instalação da
UPP da Rocinha103: tal morte só veio à tona após estourar o escândalo do
desaparecimento/morte do pedreiro Amarildo. Nos últimos 5 anos, ainda que tenha
sido comemorada (especialmente por parte do governo, mas não só) a queda do

103
Uma descrição da morte de Hugo Leonardo está disponível no site da Rede contra Violência, através
do endereço: <http://www.redecontraviolencia.org/Casos/2012/915.html>.

68
número de registros de mortes decorrentes de ações policiais104, incursões e operações
violentas continuaram marcando o cotidiano das favelas e periferias no estado do Rio
de Janeiro – incursões essas que tiveram como resultado a morte de moradores, da
mesma forma como aconteceu em 2003 no Borel, em 2005 na Baixada, em 2007 no
Alemão e em tantas outros territórios marcados por sua condição de margem, no
sentido proposto por Das e Poole (2004), anunciado na introdução desta tese.
Casos emblemáticos ocorridos em 2009, como a execução de Josenildo dos
Santos e mais 5 pessoas no Morro da Coroa105, no Centro, ou a execução de Maxwill dos
Santos em Cinco Bocas, Brás de Pina, correspondem a 7 dos 1.048 registros de auto de
resistência realizados naquele ano106. A incursão que deixou dois moradores mortos,
sendo que um deles estava com o filho no colo (e o menino, de 5 anos, foi atingido na
mão), na Nova Holanda, em 2010, nos lembra que ainda há aquelas situações nas quais
as mortes provocadas por agentes de estado não são registradas enquanto “auto de
resistência” – visto que nesse caso, os policiais produziram o registro de ocorrência
alegando terem chegado após a denúncia de um confronto entre facções rivais, tendo
então prestado socorro às vítimas (sem precisarem justificar a autoria daquelas mortes).

104
É fundamental registrar que foi divulgado recentemente o aumento do número de “mortes em
confronto” (classificação utilizada para a divulgação dos dados do levantamento realizado pela
Coordenadoria de Inteligência da PM) – em 2012, foram 312 mortes; em 2013, 347. As informações foram
divulgadas pelo Jornal EXTRA, em 11/01/2014, através da matéria “Em um ano, confrontos entre PM e
bandidos aumentaram 28,8% no estado do Rio”. Disponível em <
http://oglobo.globo.com/rio/em-um-ano-confrontos-entre-pm-bandidos-aumentaram-288-no-estado-
do-rio-11271419#ixzz2qAUciy7n>. Considero válido observar também que as quedas dos registros de
“autos de resistência” a partir da instalação das UPPs, além de virem acompanhadas pelo aumento do
número de “desaparecimentos” (a discussão sobre esses registros estatísticos está contemplada no
capítulo 4), é importante lembrar que a queda do número de mortes ainda está longe de atingir uma
marca que corresponda a um posicionamento político diferente em relação às populações residentes em
favelas. Desde 2007, o número de registros de “auto de resistência” caem, mas em 2009, a marca era de
1.048 mortes, em 2010, 854, em 2011, 526, em 2012, 312 e agora com a divulgação relatada acima, em
2013 foram registradas 347 mortes sob a mesma rubrica (dados do ISP). São 3.087 mortes no total, desde
2009 (contando a partir do primeiro ano inteiro com uma UPP instalada) – logo, um número que mesmo
se não tivesse deixado de cair, não poderia ser comemorado. Trata-se, para pensarmos em termo de
impacto político, de um número de mortes maior do que o número total de mortos na queda das torres
gêmeas do World Trade Center em 2001 – episódio alocado entre as grandes tragédias da
contemporaneidade (morreram 2.996 pessoas no episódio, incluindo equipes de resgate, sequestradores,
pessoas que estavam no Pentágono e demais vítimas fatais fora do próprio WTC, segundo dados
disponibilizados em <http://www.statisticbrain.com/911-death-statistics/>).
105
Ver tabela sobre os casos de violência institucional mencionados neste capítulo, no anexo 1.
106
O número de registros de auto de resistência corresponde a dados divulgados pelo ISP. Os relatos do
caso da Coroa e do caso de Brás de Pina estão disponíveis através dos seguintes endereços:
<http://www.redecontraviolencia.org/Casos/2009/470.html> e
<http://www.redecontraviolencia.org/Casos/2009/511.html>, respectivamente.

69
O desenvolvimento da investigação, no entanto, desmontou essa versão – as duas
vítimas fatais daquela incursão (Paulo Cardoso Batalha e Deividson Evangelista Pacheco)
foram atingidas por disparos efetuados por policiais militares que participaram da
incursão, mas essas mortes não entraram na lista das 854 “mortes em confronto”
contabilizadas e divulgadas pelo Instituto de Segurança Pública.

Mas, como já anunciado, os processos de como ocultar ou não informações


sobre as mortes dos moradores de favelas provocadas por agentes de estado serão
discutidos de forma mais detida no capítulo 4. Este primeiro capítulo foi construído no
intuito de apresentar parte das estratégias de visibilidade elaboradas entre 2003 e 2013
pelos familiares das vítimas, movimentos sociais e outros coletivos políticos articulados
a esses familiares, bem como organizações não-governamentais, para pautar essas
mortes dos moradores de favelas enquanto mortes ilegítimas – na produção da contra-
informação e da contra-imagem em relação à forma de apresentação pública das
mesmas mortes quando alocadas enquanto baixas de guerra por parte dos chefes de
Estado. Encerro, portanto, o capítulo, trazendo dois dos 15 casos de mortes em favelas
onde foram instaladas UPPs para os quais foram elaboradas estratégias de visibilidade
que somaram os alcances das redes sociais com manifestações nas ruas.

Atualmente há registros sobre 15 casos de moradores de favelas mortos por


policiais em favelas nas quais foram instaladas UPPs. Entre maio e junho de 2013
elaboramos, na Justiça Global, um informe para ser enviado à relatoria de Execuções
Sumárias, Arbitrárias e Extrajudiciais da ONU, relatando os casos que haviam sido
publicizados até aquele momento. Abaixo segue a lista com os demais casos,
ocorridos/divulgados após o envio do Informe da Justiça Global:

1. André de Lima Cardoso Ferreira (12/06/2011 – Pavão-Pavãozinho);

2. Jackson Lessa dos Santos (07/06/2012 – Morro do Fogueteiro);

3. Thales Pereira Ribeiro D’Adrea (25/06/2012 – Morro do Fogueteiro)107;

107
Durante a elaboração do Informe enviado à ONU, pela Justiça Global, observamos que um dos casos
de homicídio ocorrido no morro do Fogueteiro durante ação do BOPE naquela favela “explicitava ainda
mais as fragilidades deste programa de “pacificação” implementado pelo governo do Estado do Rio de
Janeiro. As possibilidades de intervenção de diferentes unidades da PMERJ – seja através do Batalhão de
Operações Especiais, o Batalhão de Policiamento de Choque ou batalhões de área – ou de unidades da

70
4. Paulo Henrique dos Santos Benedito (20/03/2013 – Cidade de Deus);

5. Mateus Oliveira Casé (17/03/2013 – Vila Turismo/Manguinhos);

6. Aliélson Nogueira (04/04/2013 – Jacarezinho);

7. Diogo de Oliveira Santos (08/06/2013 - Providência);

8. Anderson dos Santos Moura (15/06/2013 – Morro do Querosene);

9. Amarildo Dias de Souza (14/07/2013 – Rocinha);

10. Laércio Hilário da Luz Neto (14/08/2013 – Parque Proletário);

11. Israel de Oliveira Malet (28/08/2013 – Jacarezinho);

12. Paulo Roberto Pinho de Menezes (17/10/2013 – Manguinhos);

13. Thomas Rodrigues Martins (24/10/2013 – Pavão-Pavãozinho);

14. Wellington Sabino Vieira (05/01/2014 – Mangueira);

15. Petrick Costa dos Santos (18/01/2014 – Cantagalo).

Dentre esses casos, destaco agora o de Mateus Oliveira Casé, não só por ter se
tornado emblemático na luta contra o extermínio da juventude negra e favelada, mas
também por se tratar de uma morte que evidencia o potencial de letalidade inerente à
presença militarizada do Estado nas favelas – seja uma incursão do BOPE utilizando
caveirão, seja uma ocupação associada ao rótulo da “pacificação” na qual os agentes
sejam orientados a utilizar armamento não-letal. Cito o relato do caso contido no
Informe que a Justiça Global enviou à ONU, visto que o processo de elaboração do
mesmo contou com a consultoria de integrantes do Forum Social de Manguinhos –
coletivo que, por estar diretamente conectado às resistências à ocupação militarizada

Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro como a Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) nos
territórios onde foram instaladas UPPs podem ser alocadas no conjunto de incertezas relativas aos
regimentos de governamentalidade produzidos a partir da implementação deste projeto de
“pacificação””.

71
das favelas, atua dentro e fora de Manguinhos e acompanhou de perto o caso do
homicídio de Mateus.

Na madrugada do dia 17 de março, policiais da Unidade de Polícia


Pacificadora de Manguinhos abordaram o jovem Mateus Oliveira Casé, de
16 anos, nos arredores da Praça Américo Junior, na localidade de
Manguinhos conhecida como Vila Turismo. Mateus estava com um grupo
de amigos quando uma viatura utilizada pela UPP local parou e um dos
policiais que estava dentro da viatura, que segundo testemunhas teria se
desentendido com Mateus dias antes do ocorrido, disse “olha quem caiu
na minha mão”. Ao ouvir o policial, Mateus correu e foi atingido pelo
disparo da arma Taser que estava sendo utilizada por aqueles agentes da
UPP local, sendo eletrocutado, caindo e batendo com a cabeça no chão. Os
policiais disseram pra uma amiga dele que após duas horas Mateus iria
acordar e sairam sem prestar socorro à vítima. Os moradores de Vila
Turismo levaram Mateus à UPA (unidade de pronto Atendimento) de
Manguinhos, onde veio a falecer. Segundo a versão da Polícia Militar,
divulgada através da acessoria de imprensa das Unidades de Polícia
Pacificadora, havia sido realizada apenas uma revista de rotina em Mateus.
Também consta da nota institucional informação curiosa a respeito da
utilização da arma de eletrochoque: “A informação de truculência policial
sob o uso do equipamento de choque Taser é improcedente haja vista que
a unidade ainda não dispõe deste tipo de equipamento não letal. De acordo
com médicos da UPA, o jovem não apresenta nenhuma marca de violência
no corpo, consequência do uso deste tipo de equipamento”. O
posicionamento público desta unidade da Polícia Militar a respeito da arma
Taser revela a ausência de controle não só das ações dos agentes que vem
atuando nas UPPs, como do próprio equipamento que vem sendo utilizado
por esses policiais em suas rotinas de trabalho nas favelas ocupadas. Ao
circularmos por Manguinhos e outras favelas nas quais foram instaladas
UPPs, podemos ver alguns policiais portando a pistola Taser, facilmente
reconhecida por seu formato e sua cor amarela – características da Taser
X26, um tipo específico de “Dispositivo Eletrônico de Controle” cujo
atrativo é seu alto “poder de incapacitação” da vítima. Se, como informa a
nota institucional, tal unidade de policiamento ainda não “dispõe deste
tipo de equipamento não letal”, conclui-se que o mesmo vem sendo
adquirido pelos policiais e utilizado de forma rotineira sem que haja
nenhuma regulação a respeito. O caso do Mateus Oliveira Casé revela que
esta prática extra-legal dos agentes da Polícia Militar que atuam nos
territórios de favela e periferia não acontece somente quando se trata de
armamento não letal. Durante manifestação dos moradores após a notícia
da morte de Mateus, policiais utilizaram pistolas calibre ponto 40, de uso
particular, efetuando disparos em direção à população – ação registrada
em vídeo por cinegrafista de telejornal carioca. A ação também foi marcada
pela utilização de bombas de efeito moral e spray de pimenta, além de
agressão física. Ainda durante a manifestação, familiares e vizinhos de
Mateus ouviram os policiais gritarem com as mulheres que estavam no
local que elas eram faveladas e vagabundas e que era pra elas irem pra

72
casa. Foi aberto um Inquérito Policial Militar e três dos policiais envolvidos
na ação foram afastados.108

A morte de Mateus foi divulgada via Facebook109 por moradores de Manguinhos


e de outras favelas, integrantes de organizações e movimentos sociais, além de amigos
e conhecidos de todos esses, já que os compartilhamentos amplificam as informações
de forma muito rápida nessa rede social. Dentre os coletivos mais atuantes nessa
divulgação, destaco o Fórum Social de Manguinhos110 e o Fórum de Juventudes do Rio
de Janeiro111 – coletivos que têm pautado de forma séria o debate contra a
criminalização e o extermínio da juventude negra.

Parte dessa agenda de luta foi surpreendida pela morte de Mateus, que, foi
sucedida pela morte de outro jovem, também morador de uma favela na qual havia sido
instalada uma Unidade de Polícia Pacificadora: no dia 04 de abril de 2013 (menos de um
mês depois da morte de Mateus), Alielson Nogueira foi morto por agentes da UPP local
durante a repressão de uma manifestação que os moradores do Jacarezinho realizavam
por conta das arbitrariedades que vinham sendo cometidas pelos policiais militares
alocados naquela unidade.

No dia 06 de abril de 2013, o Fórum de Juventudes do Rio de Janeiro publicou


através da sua página no Facebook uma convocação para duas atividades conectadas,
mencionando as mortes de mateus e Alielson, como mostra o texto que acompanhou a
imagem postada:

Som@s jovens, negr@s e favelad@s: Queremos viver! Quem deveria


proteger, esta oprimindo e matando as/os jovens. Nas ultimas semanas,
foram noticiados os assassinatos de 2 jovens por policiais de UPPs. Além,

108
O relato do caso de Mateus foi produzido pela equipe do programa de Violência Institucional e
Segurança Pública da ONG Justiça Global, em diálogo estreito com integrantes do Fórum Social de
Manguinhos (que ouviram relatos de testemunhas que estavam com Mateus no momento da
abordagem), e também com membros da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Alerj,
além de informações disponibilizadas em notícias de jornal. O vídeo citado no relato está disponível para
visualização através do link: link <http://r7.com/Fg6l>.
109
“O Facebook é um site e serviço de rede social operado e de propriedade privada da Facebook Inc.
criado em 2004 nos EUA por Mark Zuckerberg e colegas de faculdade. Em outubro de 2012 o Facebook
tinha 1 bilhão de usuários ativos.” (Lanes, 2013).
110
A página do Fórum Social de Manguinhos no Facebook pode ser visualizada através do endereço <
https://www.facebook.com/forumsocialdemanguinhos>.
111
A página do Fórum de Juventudes do Rio de Janeiro no Facebook pode ser visualizada através do
endereço < https://pt-br.facebook.com/forumdejuventuderj>.

73
de inúmeros casos de violência policial contra @s jovens, negr@s e pobres
que ocorrem diariamente. Venha discutir e protestar contra o extermínio
da juventude negra moradora de favela. BASTA DE EXTERMÍNIO DA
JUVENTUDE NEGRA! Participe!

Figura 23: Material de convocação / Fórum de Juventudes do Rio de Janeiro. 2013.

No dia 09 do mesmo mês, véspera da primeira atividade convocada pelo FJRJ,


outra convocação foi publicada, enfatizando a importância da participação dentro e fora
das redes sociais112. Tanto esta quanto a convocação anterior também foram elaboradas
de forma a evidenciar que não se trata de qualquer juventude – é a juventude negra e
favelada que tem sido atingida pelas políticas de segurança pública implementadas no
estado do Rio de Janeiro e, enquanto as divulgações técnicas dessa informação são
feitas a partir de gráficos e tabelas, os integrantes do Fórum de Juventudes o faz
inserindo seus próprios retratos no material da convocação.

112
Para uma análise recente sobre as articulações políticas de jovens moradores de favelas e o uso das
novas tecnologias de comunicação no contexto da luta contra a presença repressora do Estado nas
Favelas, ver Lanes (2013). A pesquisadora explora o caso do Ocupa às 9 (atividade simultânea ocorrida no
Morro do Borel e no Morro do Alemão, em protesto contra o toque de recolher imposto por agentes das
Unidades de Polícia Pacificadora instaladas nas respectivas favelas). Consdero o estudo fundamental para
pensarmos no uso das novas tecnologias de comunicação no contexto de denúncias de violações
cometidas por agentes de estado durante ocupações militarizadas de favelas e periferias urbanas – visto
que o registro fotográfico e audiovisual das situações de abordagem agressiva e repressão estatal nas
favelas vem sendo realizados com cada vez mais cuidado pelos próprios moradores, seja com
equipamentos mais simples – como as câmeras de seus celulares – seja com equipamentos profissionais,
adquiridos por quem trabalha no campo da fotografia, do cinema, da comunicação popular, das mídias
alternativas em geral.

74
Chegou a hora de Ocuparmos a Rua, no caso à Pça da Vila Turismo em
Manguinhos a partir das 18h. Vamos mostrar que as Juventudes Negr@s de
Favelas lutam por seus Direitos!!! Cheguem Junto!!! Chegou a hora da
mobilização através das Redes Sociais se transformar em gente nas ruas!!!

Durante a atividade em Manguinhos, entre um discurso, um rap e um funk,


foram confeccionados cartazes para serem levados pra atividade de ocupação da
Secretaria de Segurança Pública. A convocação do Fórum de Juventudes funcionou para
ambas as atividades – apesar de nenhuma ter contado com um número tão expressivo
de participantes, estiveram presentes em Manguinhos e na Central do Brasil moradores
de diferentes favelas da cidade, integrantes de coletivos políticos como o Favela Não se
Cala e a CAMTRA – Casa da Mulher Trabalhadora, jovens que organizaram o Ocupa
Alemão113, representantes de diferentes organizações que atuam no campo de defesa
dos direitos humanos, além do próprio Fórum Social de Manguinhos, obviamente.

Tais atividades, no entanto, aconteceram antes de junho de 2013. Nos limites


desta tese, não há como explorar nem integral, nem parcialmente a complexidade das
manifestações, assim como não é possível concentrar a atenção nas formas violentas de
repressão das mesmas por parte da Polícia Militar. No entanto, seria negligente da
minha parte deixar de registrar, ao menos, alguns episódios, bem como algumas ações
e resistências que, no momento mesmo em que acontecem, já fazem parte da reflexão.
Me refiro especialmente à Chacina da Maré e ao desaparecimento/assassinato de
Amarildo Dias de Souza e às ações de resistência popular relacionadas a ambos os casos.

No início da noite de 24 de junho de 2013, agentes do Batalhão de Operações


Especiais da Polícia Militar, entraram na Nova Holanda, uma das favelas da Maré, com
blindados e fuzis, para realizar uma operação que duraria toda a madrugada e uma parte
da manhã do dia 25. Também participaram da ação agentes do Batalhão de
Policiamento de Choque (BPCHq) e do Batalhão de Ações com Cães (BAC), além de
agentes da Força Nacional de Segurança114. Durante a operação um sargento do BOPE
foi baleado e morreu. Na manhã do dia 25, foram contados nove moradores mortos por
agentes da PMERJ. “A ação criminosa era intensa e o BOPE agiu dentro dos parâmetros

113
Para uma análise desta atividade, ver Lanes (2013).
114
As informações foram divulgadas pelo site G1, através do endereço < http://g1.globo.com/rio-de-
janeiro/noticia/2013/06/policia-diz-ter-prendido-suspeito-de-matar-agente-do-bope-na-mare-rio.html>.

75
legais”, afirmou o subcomandante do BOPE que comandou a operação, em entrevista
ao RJTV115.

A Chacina da Maré, no entanto, não seria o único episódio que marcaria a


continuidade da presença violenta do Estado nas favelas do Rio – estejam elas em
territórios onde foram instaladas UPPs ou não. No dia 14 de julho, o pedreiro Amarildo
Dias de Souza estava limpando peixe na porta de sua casa, na favela da Rocinha, quando
foi detido por agentes da Unidade de Polícia Pacificadora local e levado até sua sede.
Assim se configurou o caso mais recente – e de maior repercussão em se tratando de
um morador de favela – de desaparecimento forçado116 no estado do Rio de Janeiro.
Desde a Chacina de Acari117, nenhum caso de desaparecimento de moradores de favelas
havia adquirido tanta repercussão nacional e internacional como este.

Ao longo das investigações, diversas campanhas e posicionamentos públicos


cobrando das autoridades explicações sobre tal desaparecimento e apoiando a família
de Amarildo tomaram as redes sociais e as ruas. Amarildo tinha 43 anos, era casado e
tinha 6 filhos. Além deles sete, sua sobrinha e sua irmã também se tornaram ícones de
uma luta que não se limita ao caso do desaparecimento forçado de Amarildo. A partir
deste caso, tem sido tematizada, debatida, ilustrada, musicada e gritada nas ruas a
opressão dos moradores de favelas no Rio e no Brasil, a violência institucional que atinge
as favelas e os efeitos devastadores da presença militarizada do estado nesses
territórios118.

115
A entrevista está disponível através do endereço <http://globotv.globo.com/rede-globo/rjtv-1a-
edicao/v/major-do-bope-fala-sobre-operacao-na-mare/2654094/>. O subcomandante ainda afirmou que
“Qualquer desvio de conduta do policial tem que ser encaminhado às nossas ouvidorias, corregedorias,
estamos lá à disposição abertos a receber qualquer queixa e qualquer denúncia. A Polícia Militar vai fazer
seu processo investigativo e se teve desvio, se teve problemas, as pessoas serão responsabilizadas.
Quanto à truculência, quanto a isso, são visões. Nós agimos dentro de um momento em que estávamos
sendo atacados por criminosos. Tanto é que o resultado é que temos ali uma farta quantidade de
armamento, de drogas e munição apreendidas, além de carros, veículos, ou seja, os números de
apreensões vão falar pela ação que nós tivemos contra nossas patrulhas”.
116
Sobre a categoria “desaparecimento forçado” e casos de moradores de favelas e periferias que se assim
se enquadram, ver Araujo (2012).
117
No episódio conhecido como “chacina de Acari”, em julho de 1990, oito jovens e três adultos
moradores dessa favela foram assassinados, em um sítio em Magé, por policiais civis e militares. Para os
desdobramentos deste episódio e da luta das mães das vítimas por justiça, ver Araújo (2007; 2008; 2012)
e também Birman e Leite (2004).
118
Dentre as diferentes manifestações realizadas a partir da notícia do desaparecimento de Amarildo –
todas impulsionadas também pela amplificação dos protestos a partir de junho de 2013 em todo o país –
destaco a que aconteceu em 22 de agosto (uma articulação entre coletivos do Rio de Janeiro com o

76
Nas redes sociais passaram a circular fotografias, enviadas de diferentes lugares
do mundo, de pessoas apoiando a luta segurando cartazes com a hashtag119
#cadêoamarildo? – frase que foi traduzida em muitas línguas e também passada a ser
conjugada no plural contemplando as diferentes pessoas desaparecidas em contextos
políticos atravessados pela violência de estado120. A hashtag também foi utilizada para
compor artes gráficas diversas, produzidas tanto para circular na internet, como para
ser impressa em papel e exibida durante as manifestações nas ruas. Um exemplo de
concisão e intercâmbio entre as redes sociais da internet e as manifestações nas ruas é
a arte produzida pelo designer gráfico André Buika121, que acionando a referência á
silhueta do rosto de Amarildo, preencheu o correspondente a uma tarja nos olhos com
#somostodosamarildo – outra hashtag que tomou as redes a partir do desaparecimento
em questão.

Movimento Reaja ou Será Morto, Reaja ou Será Morta (Bahia), para a organização da Marcha Nacional
contra o Genocídio do Povo Negro, que foi realizada na cidade de Salvador e na cidade do rio de Janeiro
e que também teve reedições em outras capitais) quando amigos de um dos filhos de Amarildo levaram
para o início do ato a gravação de um funk composto por eles sobre o desaparecimento em questão.
Todos os familiares de Amarildo que estavam presentes cantavam o funk nos momentos em que o sistema
de som da atividade o colocava para intercalar as falas. A música também foi divulgada pelo grupo na
internet e pode ser escutada através do endereço <https://soundcloud.com/jefinhovintedois-1/cade-o-
amarildo-assanhado>.
119
Em seu estudo sobre o uso de novas tecnologias de comunicação por coletivos de jovens moradores
de favelas e periferias do Rio de Janeiro, Lanes (2013), aciona a seguinte definição para hashtag:
“Hashtags são palavras-chave antecedidas pelo símbolo "#", que designam o assunto o qual está se
discutindo em tempo real no Twitter e também foi adicionado ao Facebook e Instagram. As hashtags
viram hiperlinks dentro da rede e indexáveis pelos mecanismos de busca. Sendo assim, usuários podem
clicar nas hashtags ou buscá-las em mecanismos como o Google para ter acesso a todos que participaram
da discussão. As hashtags mais usadas no Twitter ficam agrupadas no menu Trending Topics, encontrado
na barra lateral do microblog”. Lanes observa que “o uso de hashtags têm sido incorporado como forma
de dar visibilidade pública para assuntos sociais e políticos em contextos de militância”.

120
A hashtag #cadêoamarildo?, no mês seguinte ao desaparecimento, chegou a atingir os trending topics
de Rio de Janeiro, São Paulo e Brasil, no Twitter (informação disponível na matéria “Declaração de ministra
dos Direitos Humanos sobre caso Amarildo repercute no Twitter”, disponível em
<http://www1.folha.uol.com.br/paineldoleitor/ultimasdasredessociais/2013/08/1320713-declaracao-
de-ministra-dos-direitos-humanos-sobre-caso-amarildo-repercute-no-twitter.shtml>). Os trending topics
(TTs), correspondem aos assuntos mais comentados nesta rede social e, nos estudos de mídia, trata-se de
ferramenta importante para a medição e avaliação de diferentes estratégias de comunicação e
publicidade. Em se tratando de campanhas políticas como #cadêoamarildo?, trata-se de uma ferramenta
que possibilidade refletir sobre o engrandecimento da denúncia, nos termos trabalhados por Boltanski
(1990).
121
O trabalho do designer pode ser visualizado em sua página do Facebook, através do endereço:
<https://www.facebook.com/andre.buika>.

77
Figura 24: #somostodosamarildo/ Design: André Buika – 2013.

Um material contendo a frase Onde estão os Amarildos? traduzida em 27


idiomas foi produzida pela página homônima do Facebook122, sendo divulgada e
utilizada enquanto “capa” dos perfis das páginas pessoas da rede social, expressão
significativa – em se tratando do ambiente virtual – dos posicionamentos políticos dos
usuários. Lembrando que o cartaz bilíngue em formato de pirulito confeccionado em
2003 virou capa de revista e primeira página de jornal em 2005, em 2013 o acionamento
de outros idiomas acompanha a extensão do próprio suporte escolhido: uma capa de
Facebook.

Figura 25: Capa de Facebook / Página Onde estão os Amarildos? – 2013.

122
O endereço da página no facebook é <https://www.facebook.com/pages/Onde-est%C3%A3o-os-
Amarildos/596492360390508>.

78
A pergunta “Cadê o Amarildo?” ainda se espalharia de muitas outras formas
naquele ano de 2013 e as pressões por respostas sobre o desaparecimento tiveram seu
primeiro retorno em menos de 3 meses. No início de outubro foi concluído o inquérito
do caso de desaparecimento forçado de Amarildo e entregue ao Ministério Público pela
Delegacia de Homicídios: Amarildo havia sido torturado até a morte dentro de um
container da UPP da Rocinha por agentes da unidade; técnicas como choques elétricos
e asfixia fizeram parte da sessão de tortura. Dez policiais militares foram indiciados por
tortura seguida de morte e ocultação de cadáver123.

Ao longo das manifestações amplificadas a partir de junho de 2013, o grito “Ei,


polícia, cadê o Amarildo?” foi desdobrado em diferentes suportes imagéticos e pautado
em diversas manifestações, mesmo naquelas (poucas) nas quais esse desaparecimento
não ocupasse o conjunto de bandeiras prioritárias. Um dos coletivos políticos que se
destacou durante as manifestações ocorridas no Rio em 2013 a partir da utilização da
técnica da projeção no espaço público como tecnologia de protesto rapidamente
elaborou projeções sobre o desaparecimento de Amarildo, fazendo com que os trânsitos
entre a postagem das imagens nas redes sociais, a projeção da mesma imagem nas ruas
e depois o compartilhamento da fotografia da projeção da imagem nas ruas alimentasse
uma espiral dinâmica de formas de pautar as mortes dos moradores de favelas a partir
do desaparecimento forçado do pedreiro Amarildo. Dentre os locais escolhidos por este
coletivo – denominado Coletivo Projetação124 – para projetar esse tipo de informação,
tornou-se ação emblemática durante o Ocupa Cabral125 a projeção de imagens e textos
no edifício de esquina da Avenida Delfim Moreira com a Rua Aristides Espínola, no
Leblon.

123
“Amarildo foi torturado por policiais até a morte, aponta inquérito”, Revista Fórum, edição de
02/10/2013, disponível em < http://revistaforum.com.br/blog/2013/10/esta-noticia-nao-e-de-1968-
amarildo-foi-torturado-por-policiais-em-unidade-da-upp/>.
124
O endereço da página do coletivo no Facebook é <https://pt-br.facebook.com/pages/Coletivo-
Projeta%C3%A7%C3%A3o/516672891719996>.
125
Ocupação realizada durante as manifestações de 2013, no Leblon, nas esquinas da Avenida Delfim
Moreira e da Rua Aristides Espínola, em frente à residência do governador Sergio Cabral. Segundo a
apresentação pública do coletivo, disponibilizada em sua página do Facebook, o Ocupa Cabral se define
como “um movimento de jovens políticos, supra-partidários e com um objetivo. Ocupar para cobrar e
cobramos para mudar. Mudar o rio, não pelas nossas mãos, mas pelos diretos do povo. O direito de ter
um RIO melhor”. O endereço da página do Ocupa Cabral no Facebook é < https://pt-
br.facebook.com/ocupamoscabral>.

79
Figura 26: Somos todos Amarildo / Arte e foto: Coletivo Projetação – 2013.

As projeções do coletivo não tinham como pauta única o desaparecimento de


Amarildo, muito pelo contrário – o Projetação se destacou durante as manifestações
amplificadas a partir de junho de 2013 tanto pelo potencial criativo da equipe, quanto
por conseguir condensar, em frases objetivas, bandeiras e reivindicações de diferentes
campos de luta, constribuindo assim para a configuração de uma espécie de estética da
agenda unificada em 2013. No entanto, como o foco deste trecho da discussão é o
desaparecimento forçado de Amarildo e a elasticidade deste caso enquanto ícone da
luta contra a violência de estado nas favelas, destaco a seguir imagens de projeções do
coletivo construpidas a partir deste eixo temático.

80
Figura 27: Arte e foto: Coletivo Projetação, Rio de Janeiro – julho de 2013.

Figura 28: Arte e foto: Coletivo Projetação, São Paulo – outubro de 2013.

81
Figura 29: Arte e foto: Coletivo Projetação, São Paulo – outubro de 2013.

Figura 30: Arte e foto: Coletivo Projetação, São Paulo – outubro de 2013.

82
As três últimas imagens correspondem a momentos da participação do Coletivo
Projetação na X Bienal de Arquitetura de São Paulo126. Em mensagens objetivas, está
condensado o limite do impacto do formato UPP das ocupações militarizadas das favelas
do Rio de Janeiro via o desaparecimento forçado de Amarildo, recortes específicos de
uma composição política ampla, unificada no grito “Fora Cabral” e na demanda pela
desmilitarização. Na última fotografia das projeções exibidas anteriormente, ao lado do
“Fora Cabral” é possível ver uma parte da charge do Latuff escolhida em 2008 para a
construção do outdoor censurado. A mesma charge foi escolhida para ilustrar uma
petição on line pela desmilitarização das polícias no Brasil, elaborada pelo coletivo Mães
de Maio (SP)127, em 2012.

Figura 31: Print Screen – Petição online pela desmilitarização das polícias do Brasil.

No contexto das manifestações de 2013, a petição voltou a circular amplamente


pelas redes sociais – e como ícone da demanda, novamente estava lá a imagem em
primeiro plano da mulher negra, com seu filho negro morto nos braços e ao lado um
agente de estado vestido de preto, segurando o fuzil com a mão direita, enquanto em
segundo plano aparece de um lado, a favela e do outro lado, o caveirão. Até o
fechamento desta tese, a página da petição contava mais de 19 mil assinaturas.

126
Para mais informações, ver <http://www.xbienaldearquitetura.org.br/>.
127
A atuação deste coletivo fundado no Estado de São Paulo em 2006 é abordada no capítulo 2 desta
tese.

83
Capítulo 2.
Discutindo um enquadramento de morte por dentro do Estado

Licença pra matar, eu tô ligado


Dr. Cabral deu ordem pra matar geral
Não vou ficar parado
A lei agora simplesmente é nos matar
Porém sem hesitar
A ordem é nos liquidar
Us Neguin q Não C Kala e Família Kponne, Lágrima de Sangue

Se, durante a década de 90, é legitimada a metáfora da guerra (Leite, 2000)


enquanto motor das políticas de segurança pública do estado do Rio de Janeiro, na
década seguinte tal orientação política seria alimentada, então, por novas tecnologias
de repressão e controle – parte delas apresentadas no capítulo anterior através das
declarações públicas de diferentes autoridades. As interpretações que acionam a ideia
de “confronto” são expressadas através de entrevistas a jornalistas e pesquisadores, em
especial quando os respectivos chefes e agentes de estado são questionados sobre
episódios nos quais as ações e intervenções governamentais se caractarizam pelo uso
excessivo da força nos territórios de favelas e periferias em questão.
Entre o ano da Chacina do Borel e o ano da Chacina da Maré – marcos temporais
para os 10 anos mapeados no capítulo anterior a partir das estratégias de visibilidade
produzidas por familiares, movimentos sociais, organizações e coletivos políticos para
pautar as mortes dos moradores de favelas no espaço público – consolidaram-se novas
argumentações a favor da política de confronto. No centro desta política, um
enquadramento específico para as mortes provocadas por agentes de estado voltou a
chamar atenção e a ser questionado128 de forma mais enfática, tanto por movimentos

128
No ano de 1997, o Instituto de Estudos da Religião (ISER) publicou os dados de uma pesquisa acerca da
letalidade da ação policial no Rio de Janeiro. Coordenada por Ignacio Cano, atualmente pesquisador do
Laboratório de Análises da Violência da UERJ e professor na mesma universidade, a pesquisa havia sido
encomendada pela Comissão de Segurança Pública e pela Comissão de Direitos Humanos da Assembléia
Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. A demanda foi motivada pelo fato de ter se estabelecido - após
uma série de matérias divulgadas pelo Jornal do Brasil (de 7 a 16 de abril de 1996) - uma ligação entre o
aumento do número de mortos por “Autos de Resistência” e a gratificação por bravura instituída por
decreto em novembro de 1995 (período em que Nilton Cerqueira ocupava o cargo de Secretário de
Segurança do Estado do Rio de Janeiro), período já mencionado no capítulo 1.

84
sociais e organizações de defesa de Direitos Humanos, quanto por instâncias
governamentais cujas áreas de atuação também se concentram no campo dos Direitos
Humanos.
Para a elaboração deste capítulo, portanto, são acionadas situações nas quais o
registro do “auto de resistência” – já anunciado na introdução e no primeiro capítulo
enquanto um enquadramento produzido no interior das engrenagens estatais para as
mortes discutidas nesta tese – é transformado em alvo de críticas e encaminhamentos
mais concretos por parte da própria institucionalidade governamental. Como
demarcações situacionais para a discussão aqui proposta, foram escolhidos dois
encontros entre representantes do poder público e da sociedade civil organizados por
instâncias do governo estadual e do governo federal: uma das audiências públicas
realizadas pela Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembléia
Legislativa do Rio de Janeiro, em 2009, para discutir o registro “auto de resistência” e
uma reunião do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH) da
Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), em 2012, para a
aprovação da resolução que recomendaria o fim da utilização dos registros “auto de
resistência” e “resistência seguida de morte” em todas as unidades federativas do Brasil.
Antes da descrição analítica desses dois encontros, no entanto, realizo uma
apresentação do registro de “auto de resistência” situada a partir do enfoque daqueles
que tiveram que lidar diretamente com esse registro a partir do dia em que a morte de
um parente seu foi justificada em um documento numa delegacia do Rio de Janeiro
como tendo sido resultado de um confronto armado, ocorrido em função da resistência
da vítima diante da autoridade policial.

2.1 Entendendo o auto de resistência a partir dos familiares de vítimas

“Eu, Solange Vieira Gonçalves, mãe da vítima fatal Gustavo Vieira Afonso,
executado por PMs do Estado do Rio de Janeiro, venho através desta carta
direcionada ao Ministério Público do Rio de Janeiro, mostrar as minhas
indignações. [...] tudo o que eu pude fazer para trazer a luz da verdade eu
fiz, a verdade do que aconteceu naquela tarde de 22 de novembro de 2003,
com aquele menino pobre, negro, favelado e que era um “Zé ninguém”
para os policiais. Continuo achando que estou realizando tarefas que uma
mãe de vítima não deveria estar realizando, afinal são tarefas que deveriam
estar sendo desempenhadas pelas instituições públicas deste país. Não sei

85
quanto tempo ainda vou ter que esperar para que a justiça seja feita, para
que os culpados sejam punidos. Os policiais respondem com convicção da
impunidade, assumem a responsabilidade da declaração do auto de
resistência, mas há muito tempo diferentes instituições que trabalham com
a defesa dos Direitos Humanos mostram que o auto de resistência é
utilizado para retirar a responsabilidade dos policiais que executam
pessoas inocentes em favelas. Eu sei que meu filho foi executado com um
tiro no coração. Ele não resistiu a nada e não estava armado para ter
acontecido uma resistência armada, que seria a situação que poderia
caracterizar o auto de resistência. Eu quero justiça”.129

Solange, integrante da Rede contra Violência desde suas primeiras articulações,


redigiu esta carta cinco anos após a execução do seu filho, em meio a outros
documentos produzidos por ela para serem entregues aos órgãos que poderiam intervir
nos encaminhamentos da investigação do caso e na abertura do processo judicial do
mesmo. O documento é acionado por condensar aspectos determinantes das mortes
dos moradores de favelas provocadas por agentes de Estado, evidenciando o
posicionamento de uma mãe de vítima de violência institucional em relação ao registro
do auto de resistência.
Na descrição do registro apresentada por Solange, um movimento determinante
para as investigações e para o encaminhamento judicial dos casos de execução em
favelas é explicado com bastante propriedade: ao mesmo tempo em que assumem a
responsabilidade na declaração do auto de resistência, é a partir do mesmo registro que
os policiais se protegem da acusação do homicídio.
Desde 2004, quando comecei a acompanhar as atividades da Rede contra
Violência, as críticas dos familiares de vítimas e demais integrantes do coletivo a respeito
do registro do auto de resistência marcavam tanto debates internos, quanto atividades
públicas nas quais eram pautadas as bandeiras centrais de sua luta contra a violência de
Estado nas favelas. No entanto, considero que a campanha lançada pelo Movimento
Mães de Maio (SP)130 certamente é a expressão mais concreta da articulação de forças

129
Carta elaborada em agosto de 2008, a mim disponibilizada pela autora. Os nomes da vítima e de sua
mãe, bem como a data da execução foram substituídos, por se tratar de documento que não foi
incorporado ao processo judicial, nem publicizado por outras vias.
130
Sobre o Movimento Mães de Maio, ver Movimento Mães de Maio (2011; 2012). Para uma abordagem
sociológica sobre violência de Estado na periferia de São Paulo na qual os Crimes de Maio são abordados,
ver Feltran (2011).

86
entre os movimentos sociais e coletivos formados majoritariamente por familiares de
vítimas de violência institucional.
Divulgada através de um abaixo assinado que veio ao público em fevereiro de
2012, no qual se exigia fim de tais registros, a campanha era apoiada pelo Fundo Brasil
de Direitos Humanos e contava com material gráfico que o Movimento Mães de Maio
utilizava nas diferentes manifestações públicas das quais participava. Além do próprio
Movimento Mães de Maio (SP), a abertura da lista de assinaturas traz os movimentos
Rede de Comunidades e Movimentos Contra Violência (RJ), Associação de Mães e
Familiares de Vítimas de Violência do Estado do Espírito Santo (ES), Campanha Reaja ou
será Morto, ou será Morta! (BA), Grupo de Apoio Familiares de Pres@s e Frente Anti-
Prisional das Brigadas Populares (MG) e Rede Nacional de Familiares e Amig@s de
Vítimas do Estado Brasileiro.
Na seção a seguir, as palavras de Solange transcritas no início desta seção são
reeditadas na voz de outra mãe de vítima de violêcia de Estado. Já não se tratava mais
de uma carta, a estratégia desta vez utilizaria também o registro escrito, mas para
solicitar a palavra em uma audiêcia pública. Na seção final deste capítulo, a solicitação
para falar é substituída por um convite para que uma mãe de vítima realize uma
intervenção sobre o registro dos autos de resistência durante uma reunião em Brasília.

2.2 Uma audiência no Rio de Janeiro

Cena 2. [Junho de 2009, Palácio Tiradentes, Praça XV, Rio de Janeiro] Evento
agendado com antecedência, sala reservada no Palácio Tiradentes. Da porta estreita
de entrada é possível enxergar no fundo da sala um conjunto de cadeiras diferentes
das demais: dispostas em linha reta, lado a lado, as três cadeiras ocupam uma espécie
de tablado, sendo que a cadeira do meio ocupa um nível mais alto. Esta é a cadeira na
qual se senta o presidente da audiência – na ocasião, o deputado Marcelo Freixo. Ao
seu lado direito (ainda sobre o tablado), o vice-presidente da audiência, deputado
Alessandro Molon. E ao lado esquerdo de Freixo (posição que se tornou motivo de
piadas explícitas por parte dos parlamentares), o deputado Flavio Bolsonaro. Nas
demais cadeiras, colocadas sobre o chão mesmo, sentam-se todos os que aceitaram o

87
convite para aquele evento: tanto os que foram convidados para discorrer sobre o
tema da audiência, quanto os outros, que foram convidados para ouvir 131.
Para falar sobre o tema da vez – os autos de resistência – estavam presentes o
desembargador Sérgio Verani, presidente do Fórum Permanente de Direitos Humanos
da EMERJ; a socióloga Patrícia Rivero, do IPEA; a criminalista Roberta Pedrinha, ex-
integrante da Comissão de Direitos Humanos da OAB e o sociólogo Ignácio Cano, da
UERJ. Todos os quatro, apresentados como representantes da sociedade civil,
compuseram o primeiro bloco de explanações da audiência. Em seguida, o presidente
da audiência transfere o eixo das explanações para os representantes do poder
público:
Ninguém aqui tem a pretensão de resolver o problema da segurança
pública numa audiência pública na Alerj, mas é um passo fundamental. É
um passo fundamental o debate, para que a gente possa daqui tirar
encaminhamentos. Não foi por acaso o diálogo com agentes do governo.
Nesse sentido, eu quero passar a palavra ao coronel Mario Sergio, que hoje
está aqui representando o ISP. Fazendo a justiça – viu, Mario – de que em
todos os momentos que essa comissão solicitou a presença do Mario Sergio
ou solicitou qualquer informação, foi atendida. E falo isso porque – por
mais que o coronel goste de dizer que essa não é mais que a sua obrigação
– essa não é uma obrigação cumprida por boa parte do governo, no que diz
respeito à casa legislativa, no que diz respeito às presenças ou ao respeito
ao legislativo. Então, faço questão absoluta de ser honesto, não é? e dizer
que a presença do coronel é freqüente na casa, sempre respondendo a
essas demandas.

Atento à anunciação de sua fala, Mario Sergio tanto agradece a gentileza,


quanto retoma a questão da importância do diálogo – mas colocado, no entanto, nos
moldes de um debate (ou, talvez, de uma disputa):

Excelentíssimo senhor deputado Marcelo Freixo, agradeço as palavras


gentis, excelentíssimo deputado Flavio Bolsonaro, é um prazer mais uma
vez estar com o senhor aqui nesta casa, senhor deputado Molon, senhoras
e senhores presentes... eu vejo aqui vários rostos conhecidos... já há algum
tempo venho participando de eventos discutindo as questões da segurança
pública do Rio de Janeiro, as interpretações que temos sobre o problema
da violência, numa identidade com a segurança pública do Estado. E
embora em muitos momentos nos colocando em posições diferentes,

131
A lista de presença do evento foi assinada por vinte e sete ouvintes – visto que nesta lista não entravam
as pessoas convidadas para falar, apenas as que foram convidadas para estar lá.

88
interpretações diferentes, temos procurado fazer isso com muita lealdade
nas nossas posições...é... contrárias.132

A respirada longa, que gera uma pausa antes do pronunciamento da palavra


“contrárias”, demarca o início de uma argumentação que, negando inicialmente a
disputa, acaba por encaminhar sua construção:
Mas eu queria dizer que não exatamente nós vamos estar aqui em posições
antagônicas, eu não tenho esta pretensão de iniciar a minha fala em defesa
de algo, não é exatamente isso, mas fazer uma análise. Claro que tem aqui
uma posição, o pessoal com uma posição aqui quase pessoal, olha com uma
profunda identidade o que se faz no Rio de Janeiro, mas eu inicio primeiro
com uma concordância: a primeira descrição que me despertou
verdadeiramente aqui foi essa afirmação do desembargador Sergio Verani
quando ele diz que nós temos que ter uma conversa mais franca, uma
conversa muito franca. Nós estamos fazendo isso, exatamente. Nós
estamos hoje discutindo um problema existente na cidade do Rio de
Janeiro – é lógico que nós temos esta questão pelo Brasil, mas que existe
verdadeiramente na nossa cidade: um problema de mortes por
conseqüência de confrontos com as forças policiais. Mas, se por um lado eu
começo com uma concordância, dizendo que nós temos que discutir isso,
por outro eu queria fazer um alerta e esse alerta talvez seja o que vai me
colocar numa posição contrária, porque observando algumas expressões e
algumas frases que foram ditas aqui, como por exemplo: “ocorre uma
limpeza social, uma conspiração social”; “há execuções extrajudiciais”... é...
a impressão é de que aquela... a presença das nossas bússolas, das nossas
direções ideológicas da idéia, né?, ela tá sempre muito presente. Não
obstante, toda a ciência, em que a gente procura atentar os discursos, mas
as nossas ideologias e as nossas formas de ver o mundo, que nascem das
nossas idiossincrasias, elas vão estar regulando os nossos discursos. Eu
queria fazer esse alerta pra isso.

O problema dos autos de resistência... eu não posso falar deles sem fazer
uma digressão histórica da minha atuação como policial ao longo de quase
30 anos, pra tentar dizer o que eu vi durante todo esse período.
Independente de todas as pesquisas, mas... não sem um respeito a elas, eu
tenho um respeito a todas as pesquisas, me preocupo muito, a própria
pesquisa apresentada pela doutora Patricia, eu assisti ao filme produzido
com é... a participação de algumas pessoas que estão presentes aqui nesta
sala e com alguns moradores de algumas comunidades [...] eu é... procurei
assistir e trazer aquelas informações pro meu mundo. Mas eu preciso falar
daquilo que eu vi ao longo de trinta anos. E queria dizer para as senhoras e
para os senhores que o quadro hoje, desses últimos vinte anos, é
completamente diferente daquele dos primeiros dez anos de profissão, os
dez primeiros anos em que eu fui verdadeiramente policial na cidade do
Rio de Janeiro. E um fator, que eu considero marcante, fez com que a cidade
se transformasse nisso que nós temos hoje, que estamos tentando
reverter. Eu considero que a chegada das armas de guerra, no final da
década de oitenta, é o que verdadeiramente vem provocando esse quadro

132
Assim como esta marcação, todas as seguintes correspondem a grifos meus.

89
de agrestia que acaba promovendo os confrontos da polícia com os
criminosos e fomentando todo esse número tão alto de mortes. É... até
oitenta, início da década de oitenta, nós tínhamos na mão de criminosos
algumas armas mais poderosas, mas nós não tínhamos os fuzis AK-47, os
fuzis Hugger, os fuzis de fabricação nacional, como FAL e outras
metralhadoras e sub-metralhadoras como nós temos hoje. É essa
quantidade enorme que tem, por exemplo, no Complexo do Alemão,
estima-se cerca de trezentos fuzis no complexo, que impede que a polícia
faça o seu papel policiando essas áreas e não com um aspecto
marcadamente invasivo, como se esse, aqueles territórios não
pertencessem ao território nacional. É... a doutora [referindo-se à
criminalista Roberta Pedrinha] falou aqui sobre a força que foi utilizada
para a realização no complexo do Alemão, no ano de 2007. Ora, realmente
foi utilizada uma força muito grande porque ao longo de três meses tentou-
se realizar operações menores e elas foram é... mal sucedidas porque a
quantidade de armas, o enfrentamento que foi realizado naquele período,
não se permitiu a entrada dos policiais e a realização das operações que a
polícia deveria fazer.

Essa é verdadeiramente a realidade que nós temos na cidade do Rio de


Janeiro. Nós temos, no Rio, alvos que em Minas nós só vamos encontrar
nos cinemas, que é a presença das armas de guerra. Por isso o quadro de
Minas Gerais é um quadro que nós não precisamos grande esforço pra
entender o diferente. Os policiais em Minas Gerais fazem polícia, eles usam
seus revólveres porque vão enfrentar criminosos armados de revólveres
também. Em Minas Gerais não há esse quadro dicotômico que temos ora o
trabalho policial mais marcadamente no asfalto e daqui a pouco vão
enfrentar uma força com características de força de guerrilha, com um
comportamento marcadamente militar. Ou alguém duvida que os
narcotraficantes que se empoderaram nos seus territórios não tenham um
comportamento militar quando se defrontam com as autoridades policiais?
Têm. Se comportam como pequenos escalões de infantaria: um homem
ponta, segurança e retaguarda e principalmente, com uma vontade de
guerra.

É bem verdade que o ideal é que não houvesse autos de resistência, bem
verdade que o ideal era que nós não tivéssemos esses confrontos, que os
policiais não fossem caçados nas viaturas, atacados como são atacados nas
ruas. Este seria o quadro ideal pro Rio de Janeiro. Ai que saudade que eu
tenho quando eu usava um revolver e um par de algemas. Naquele
momento eu era polícia, policial. Mas esse quadro foi mudando. [...] Eu não
poderia deixar de fazer, de trazer essas considerações, porque autos de
resistências não são cômodos. O ideal é que nós não tenhamos resistência
por parte do opositor, o ideal da segurança pública é não ser defendido – e
hoje nós estamos trabalhando com a idéia de pacificação. [...] Estamos
numa nova fase, uma fase de planos de metas da Segurança Pública, o
doutor Ignácio Cano citou esse programa de metas da Segurança Pública,
numa fase de pacificação, e a expressão parece que está sendo assimilada
por todos, e a expectativa, até porque já está acontecendo, é que nós
tenhamos números menores de confrontos. E confrontos com armas,
senhoras e senhores, infelizmente trazem os resultados que nós
conhecemos bem. [...] Mas o ideal é que nós não tenhamos tudo isso, é que

90
nós possamos, consigamos trazer, voltar o Estado a um quadro de
tranqüilidade pública e paz social que interessa a todos nós. Eu vou
encerrar minha fala por aqui. Claro que estarei pronto para responder
todas as perguntas que as senhoras e os senhores desejarem. Essa é uma
fala absolutamente pessoal, embora falando pela Secretaria de Segurança
Pública, como representante do Secretário nesta manhã e eu estou pronto
para responder as perguntas.

Após a exposição do então presidente do Instituto de Segurança Pública (ISP),


a audiência prossegue através das intervenções de Carmem Bessa, Delegada de Polícia
da Sub-Chefia da Polícia Civil e Jorge Abreu, Sub-Corregedor da Corregedoria Geral
Unificada. Encerradas as explanações de todos os convidados, o deputado Marcelo
Freixo inaugura o momento destinado à realização de perguntas para os
representantes do poder público. Logo durante a primeira resposta, uma das mães de
vítimas do coletivo “Mães da Cinelândia”133 levanta-se, caminha na direção da
presidência da audiência e entrega um bilhete para o deputado Alessandro Molon. O
deputado – na condição de vice-presidente daquela audiência – lê o bilhete e balança
a cabeça fazendo sinal de afirmação. O direito de fala daquela mãe foi, assim,
garantido, sendo anunciado pelo deputado Marcelo Freixo, após as intervenções dos
deputados integrantes da CDDHC/Alerj. De pé, ao lado da mesa da presidência da
audiência, ela toma a palavra; cumprimenta formalmente todos os presentes, realiza
uma apresentação de si a partir dos seus anos de militância, deixando evidente sua
competência para discutir o tema da audiência a partir de uma argumentação técnica,
ao mesmo tempo que anuncia sua recusa:
[...] Prefiro falar uma fala doméstica, uma fala de mãe, uma fala de pessoa
que vivencia o auto de resistência. O que é o auto de resistência pro familiar
de vítima de violência? Eu sei bem, a Márcia sabe bem que dor é. A dor é
igual pra todas as mães, mas quando nós perdemos um ente querido, que
nós educamos, que nós tratamos com todo amor, nós queremos vê-lo de
uma forma absolutamente dentro da sociedade, de repente alguém tira a
vida desse ente querido, se ele nem arma estava portando, e eu respondo
aí portanto ao caso do meu filho que foi pego no portão e aos centenas de
milhares de casos. O que eu acho interessante é que as estatísticas falam
de noventa e sete pra cá. Em noventa e cinco, um tal de general Nilton
Cerqueira criou a gratificação faroeste. E com isso, o exemplo do auto de
resistência se transformou em lugar comum. Nós tivemos, em noventa e
cinco, 1.172 mortes, sendo que 250 ou mais, foi o que o jurista colocou,
pelo menos 254 mor* pessoas não tinham nenhuma ligação com tráfico,
com nada e morreram. Daí pra cá é uma luta incessante, porque quando

133
Sobre a atuação deste e de outros coletivos de mães de vítimas de violência policial, ver Leite (2004).
*
O pronunciamento da palavra “mortos” foi interrompido, sendo pronunciada a palavra “pessoas”.

91
você chega numa delegacia e tá lá “auto de resistência” ou “oposição à
ordem legal com evento de morte”, tira de você todo o direito de provar a
dignidade da nossa família. Por quê? Porque a polícia, quando faz o registro
de ocorrência, ela faz com quem está. E aí a família, a família do morto tá
no hospital tentando salvar a vida do seu filho, do seu ente querido. Então,
o quê que coloca na primeira coisa do boletim de ocorrência, é o jeito que
o autor identifica as coisas. É que é difícil você transformar aquilo em outra
situação. Você desmentir o que um policial falou é muito complicado. Eu
moro no asfalto e eu estou há quatorze anos tentando provar a dignidade
da minha família. Por quê? Porque os processos e inquéritos, pelo menos
de noventa e oito até dois mil e quatro, quando foi pedido o arquivamento
do meu filho, foi doze vezes, o inquérito foi doze vezes pra delegacia e
voltou pro Ministério Público, que não teve coragem, que está arquivo até
hoje, coragem de colocar lá que ele teve que trabalhar. E os policiais,
infelizmente, não têm como verificar capsula por capsula. Então nós temos,
pasmem pessoas, noventa mil inquéritos nos Deacs134, noventa mil
inquéritos nos Deacs sem solução, porque quando o policial tem a coragem
de fazer um despacho dizendo que não tem máquina, que não tem como
trabalhar... eu gostaria muito que essa comissão fosse aos Deacs pra ver o
quê que é isso! O Deac pega todos os inquéritos vindos antes da Delegacia
Legal. Então colocou-se debaixo do tapete toda a vida da minha família e
de outras famílias, porque nós não temos como, hoje, quatorze anos
depois, nós não temos como chamar testemunhas e o Estado continua
inerte. São noventa mil inquéritos, só que o policial diz que não tem mesa,
não tem cadeira, não tem colegas pra fazerem a investigação e as nossas
vidas acabaram. Acabaram porque provar que a minha família é digna é o
motivo que eu tenho. E já que o Estado é inerte, ele devia nos proporcionar
pelo menos o direito, porque eu criei uma pessoa pro bem, de nós irmos,
pelo menos aqueles casos que acabaram, entendeu, termos direito às
nossas pensões e isso não acontece. [...]

Portanto, o que eu queria deixar claro, é que os senhores tenham uma ação
de auto de resistência diferente. Eu tô cansada, eu confesso aos senhores
que eu to cansada de ir a várias audiências públicas onde o nosso acesso à
fala é, como hoje aconteceu, de uma forma delicada, mas a grande maioria
nós não temos direito à fala. Me preocupa muito a lógica dos dados
estatísticos porque eles são desumanos. Eles não transferem as
necessidades das pessoas que estão em números ali. Eu costumo dizer nos
meus tabefes que, no dia primeiro de novembro de noventa e cinco, o meu
filho virou um número. Meu filho foi um número no registro de ocorrência,
meu filho foi um número no atestado de óbito, meu filho foi número no
inquérito e foi um número no processo. E continua sendo um número de
uma sepultura. Que nada faz. É a certeza que nós tenhamos condições de
transformar em pranto, achei muito boas as palavras do deputado: é um
homicídio, gente. Auto de resistência, como é que eu vou provar? Como é
que essas mães de favela que têm os seus filhos mortos, muitos
trabalhadores, têm agido? O que a gente precisa saber de auto de
resistência é como é que essas pessoas estão conseguindo ter a sua
dignidade preservada. Mais importante do que qualquer tese, do que
qualquer papel, do que qualquer dado estatístico é a preservação da

134
Delegacias de Acervo Cartorário.

92
dignidade humana. A gente precisa que o auto de resistência seja
modificado para que outras mães, que já não tenham mais esperança,
possam provar que elas são dignas como a Letícia135, como eu e como todas
as outras [neste momento, chorando muito] que vão ter esse direito. Nós
vamos ter esse direito. Obrigada.

Após essa intervenção, então, ocorre a seção de perguntas direcionadas aos


representantes do poder público convidados para a atividade. Apesar de todas as
perguntas serem pertinentes, apenas parte delas obtem retorno. Em relação à
pergunta sobre a megaoperação realizada no Complexo do Alemão, o coronel Mario
Sergio constrói sua resposta através da argumentação de que naquela ocasião o Rio
de Janeiro e a polícia estavam sofrendo ataques do Comando Vermelho (e que,
segundo as investigações da polícia, as ordens para os ataques partiam do Complexo
do Alemão); em relação à pergunta sobre a existência de algum plano de redução da
letalidade elaborado pela PMERJ, o coronel fala sobre as expectativas acerca da polícia
de proximidade que estava sendo implantada.
Cumprindo os protocolos de encerramento daquele tipo de encontro, o
deputado Marcelo Freixo pronuncia as palavras finais, chamando atenção para o fato
de aquela ser uma audiência construída com o objetivo de “superar o debate entre o
que é o legal e o que é a prática” – descompasso que o deputado explicita ao afirmar
que os “autos de resistência” não eram considerados “homicídios” nem pela polícia,
nem pelo MP, nem pelo Judiciário, transformando-se, portanto, em “instrumento de
impunidade e de acobertamento das execuções sumárias”.

Destaco, nesta seção, a fala que inaugura a série de considerações do segundo


conjunto apresentado acima: o dos representantes do poder público. Mario Sergio
Duarte, representando o Secretário de Estado de Segurança, Senhor José Mariano
Beltrame, tem sua fala anunciada pelo deputado Marcelo Freixo após quatro
intervenções que criticaram duramente a política de segurança pública vigente no
estado do Rio de Janeiro. Vale destacar, inclusive, que o desembargador Sergio Verani,
ao dizer que não se pode haver “extermínio nem práticas autoritárias de violações à
Constituição e ao Código de Processo Penal e ao Código Penal”, chegou a definir os

135
A referência à Letícia (nome fictício) se deve ao fato de o os policiais acusados de terem executado seu
filho terem sido condenados.

93
“autos de resistência” como um “escândalo democrático”, como anunciado na
introdução desta tese.
Diante da tensão que caracterizava o momento, o presidente da audiência
realiza a transferência do eixo das explanações dos representantes da sociedade civil
para os do poder público com certa cautela: diz que o debate é “um passo fundamental”;
pedagogicamente, justifica a importância do “diálogo com agentes do governo” e,
cumprindo a tarefa que lhe foi atribuída na condição de presidente, ‘faz as honras da
casa’ elogiando a solicitude do coronel.
Gostaria de destacar, primeiro, que o coronel deixa claro que sua concordância
em relação às falas anteriores existe apenas em relação à necessidade da discussão
franca sobre o tema (“eu queria dizer que não exatamente nós vamos estar aqui em
posições antagônicas”). Para além desta “concordância”, o que se observa na fala é a
explicitação de divergências – processo que se inicia a partir da definição do
posicionamento do outro (o “pessoal com uma posição aqui quase pessoal”).
Demonstrando total habilidade para conduzir sua argumentação, o ex-comandante do
BOPE aciona um ponto específico do discurso do desembargador Verani para
estabelecer a conexão entre o que ele próprio apresentou como concordância e o que
eu identifico como uma das discordâncias mais significativas para o embate em pauta:
a definição de “autos de resistência” como “mortes por conseqüência de confrontos com
as forças policiais”.
A seqüência é composta por três frases apenas: a que ele replica a necessidade
da conversa franca; a seguinte, na qual ele afirma com veemência que essa conversa é
o que está acontecendo naquele momento; e a última, quando pela primeira vez Mario
Sergio atinge o núcleo duro da discussão proposta pela Comissão de Defesa dos Direitos
Humanos e Cidadania da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro. Somente após
imprimir sua maneira de definir o ‘problema-tema’ da audiência como se aquela
definição fosse algo dado, o represente do Secretário de Estado de Segurança torna
explícita a possibilidade de uma “posição contrária” (nos termos dele) – e o faz
encaminhando a divergência para um campo delicado, abrindo espaço em sua fala para
um tópico sobre tensões entre ideologias e produções científicas.
A partir deste conjunto de considerações, Mario Sergio, apesar de levar em conta
diferentes posicionamentos (e suas orientações “ideológicas”) delineia uma disputa na

94
qual é possível identificar ‘a verdade’ – ‘A’, artigo definido feminino singular. E esta única
verdade é revelada através de um relato que, ironicamente, se vale de recursos
semelhantes àqueles que caracterizam a “autoridade etnográfica” (CLIFFORD, 2002) –
marca de uma vertente considerável das produções no campo das ciências sociais:
“Independente de todas as pesquisas, mas... não sem um respeito a elas, eu tenho um
respeito a todas as pesquisas [...] Mas eu preciso falar daquilo que eu vi ao longo de
trinta anos”.
Considero relevante destacar o acionamento do termo “agrestia” nesta etapa do
discurso. Chamo atenção para duas definições da palavra, a primeira para sua utilização
como substantivo e a segunda para sua utilização no sentido figurado: 1. Caráter ou
estado do que é agreste; agrestidade; 2. Rudeza, rusticidade, agressividade 136. Mesmo
compreendendo que o coronel tenha se valido de uma conotação do termo, um
desdobramento da sua primeira definição pode enriquecer a leitura da frase: a palavra
agreste, dentre diferentes possibilidades, pode significar “áspero, inculto,
indelicado”137. Embaralhando as diferentes definições e remontando a expressão
pronunciada pelo então presidente do Instituto de Segurança Pública, surgiriam, por
exemplo, expressões como: ‘quadro de agressividade’; ‘quadro de caráter inculto’;
‘quadro de rudeza’. Sem me descolar do campo semântico já demarcado, me permito
uma última experimentação nesta ‘fase lúdica’ da análise: uma única substituição da
palavra “quadro” propiciaria o surgimento da expressão ‘retrato da rusticidade’.
A imagem emoldurada no “quadro de agrestia” do Comandante Geral da Polícia
Militar do Estado do Rio de Janeiro, corresponderia, então a um ‘retrato da rusticidade’,
no qual são ‘enquadrados’ os moradores do Complexo do Alemão, para manter o
exemplo trazido no relato. É portanto, nos “territórios” como o Complexo do Alemão,
ou seja, nas favelas, que se localizam os elementos que, de acordo com a linha de
raciocínio de Mario Sergio, acabam “fomentando todo esse número tão alto de mortes”.
Os elementos, lembro, são as “armas de guerra” enumeradas pelo coronel e não os
moradores destas localidades. Os moradores das favelas do Rio de Janeiro não são
mencionados nos trechos acima transcritos – mas esse fato não garante que eles
estejam fora da cena. Mesmo que a expressão “quadro de agrestia” não tenha sido

136
Definições disponíveis em http://www.dicionariodoaurelio.com/dicionario.php?P=Agrestia.
137
Definições disponíveis em http://www.dicionariodoaurelio.com/dicionario.php?P=Agreste.

95
cunhada a partir de qualquer qualificação pejorativa já atribuída aos moradores de
favelas desde a sua identificação como o outro da cidade, não há como negar a presença
deles nos “territórios” aos quais se referiu Mario Sergio, afinal, trata-se de seus próprios
locais de moradia.
Fiz questão de tentar explorar mais detidamente a complexidade deste quadro,
pois compreendo que este seja o pano de fundo do embate que marcou a audiência
pública em pauta. E é exatamente por dominar a profundidade das questões embutidas
nesse pano de fundo, que o coronel Mario Sergio elabora cuidadosamente a justificação
apresentada naquele momento.
Tal reflexão foi bastante estimulada pelas propostas analíticas que Scott e Lyman
(2009 [1968]) desenvolvem acerca de uma determinada característica da fala que
“envolve dar e receber” o que os autores chamam de “accounts” – “o ato de dar
satisfação”; “a prestação de contas”. Duas definições para “accounts” apresentadas no
artigo homônimo merecem destaque: “um account é um dispositivo lingüístico
empregado sempre que se sujeita uma ação a uma indagação valorativa” (SCOTT e
LYMAN, 2009 [1968]: 140) e “uma afirmação feita por um ator social para explicar um
comportamento seu ou de outra pessoa, quer o motivo imediato para a afirmação parta
do próprio ator ou de alguém mais” (Idem).
Ao definirem diferentes tipos de “accounts”, os autores apontam uma distinção
geral entre “desculpas” e “justificativas” (ou “justificações”, como eles acrescentam).
Esta distinção revelou-se especialmente significativa para esta fase inicial de
‘tratamento’ deste material empírico, dentre outros motivos, pela seguinte explicação:

Justificativas são accounts em que alguém aceita a responsabilidade pelo ato


em questão, mas renega a qualificação pejorativa associada a tal ato. Deste
modo, um soldado em combate pode admitir ter matado, embora negue ter
realizado um ato imoral, já que aqueles que ele matou eram membros de um
grupo inimigo e, conseqüentemente, “mereciam” esse destino. (SCOTT e
LYMAN, 2009 [1968]: 141)

Retomo outro ponto esclarecedor da construção de Scott e Lyman (2009 [1968])


a respeito das “justificações”: segundo os autores, tanto as “desculpas” quanto as
“justificações” correspondem a “vocabulários socialmente aprovados que neutralizam
um ato ou suas conseqüências quando um ou ambos são questionados” (Idem: 147). A

96
diferença mais relevante a ser destacada entre tais “dispositivos lingüísticos” reside no
fato de que “justificar um ato é afirmar seu valor positivo em face à alegação do
contrário”(Idem). Prosseguindo com esta seqüência explicativa, outro exemplo que
pode ser conectado à questão dos “autos de resistência” vem à tona:

As justificações reconhecem um sentido geral em que o ato em questão não é


permitido, mas alegam que uma ocasião em particular permite ou mesmo exige
tal ato. As leis que regulam o direito de tirar a vida de outros indivíduos são um
caso ilustrativo. As jurisprudências americana e inglesa não convergem de
modo algum sobre definições ou mesmo sobre a natureza dos atos em questão.
Em geral, porém, um homem pode justificar ter tirado a vida de outra pessoa
alegando ter agido em legítima defesa, em defesa da vida ou da propriedade de
outros, ou em ação contra um inimigo confesso do Estado.” (SCOTT e LYMAN,
2009 [1968]: 147)

Se na citação acima, “as leis que regulam o direito de tirar a vida de outros
indivíduos” aparecem como um “caso ilustrativo”, durante a audiência pública que
norteou a confecção deste trabalho tais leis ocupam o centro do debate em pauta. É
evidente a conexão entre os aspectos levados em conta por Scott e Lyman (2009 [1968])
ao explorarem a noção de “justificações” e as “justificativas” concretas elaboradas pelo
coronel Mario Sergio durante sua explanação. A alegação de que uma situação particular
exigiu – e exige – a concretização do ato ou da ação que está sendo justificada aparece
de formas diferentes no discurso do coronel.
Mario Sergio também se refere à intervenção da criminalista Roberta Pedrinha
sobre a megaoperação no Complexo do Alemão, respondendo que

“realmente foi utilizada uma força muito grande porque ao longo de três
meses tentou-se realizar operações menores e elas foram é... mal
sucedidas porque a quantidade de armas, o enfrentamento que foi
realizado naquele período, não se permitiu a entrada dos policias e a
realização das operações que a polícia deveria fazer”

Em sua fala, a criminalista havia destacado o fato de que a operação realizada no


Complexo do Alemão em 2007 resultou na morte de dezenove moradores – duas destas
com características flagrantes de execução sumária – além do registro de sessenta e
duas pessoas feridas. Mas outro dado a respeito deste caso foi mais enfatizado pela
“representante da sociedade civil”: nenhum policial havia sido morto. O caso do

97
Complexo do Alemão, portanto, se configura como um exemplo concreto de um dos
pontos chave da exposição do sociólogo Ignácio Cano: segundo suas explicações,
quando se estabelece de fato o confronto armado entre policiais e traficantes, é
esperado que o número de policiais mortos seja menor (por conta do treinamento, da
preparação física etc); no entanto, quando se ultrapassa a marca de dez “opositores”
mortos para um policial morto, já está configurado o uso excessivo da força. Apesar de
estar ciente destas informações e lidar rotineiramente com esses números, no momento
de sua intervenção, o coronel Mario Sergio desloca o eixo da discussão, enfocando
elementos que transferem o policial da posição de algoz para a posição de vítima: “eles
usam seus revólveres porque vão enfrentar criminosos armados de revólveres também”.
A questão da ‘verdade única’ aparece repetidas vezes na fala do coronel. Além
da palavra “verdadeiramente”, nota-se ainda a utilização da palavra “realidade”. De
fato, se observa o estabelecimento de uma disputa em torno ‘da verdade’: ‘a verdade’
sobre os “autos de resistência” – sobre como se define “autos de resistência” e o que se
diz a respeito do assunto. É durante a fala do coronel Mario Sergio, portanto, que aquela
audiência pública passa a configurar uma situação de disputa. É claro que em uma
audiência pública onde denúncias são apresentadas (ou re-apresentadas, como ocorre
no caso em questão) e discutidas, uma parte dos envolvidos nesta situação critica as
ações de um outro (indivíduo ou grupo), que por sua vez, se faz presente para ouvir as
críticas, para apresentar sua ‘contra-argumentação’, para se defender, enfim: para
justificar, de alguma forma, as ações que estão sendo alvo de críticas.
Portanto, além das reflexões trazidas por Scott e Lyman (2009 [1968]) acerca das
“justificações” e “dispositivos lingüísticos” afins, acredito que as discussões propostas
por Boltanski e Thévenot (1999) e Boltanski (2000 [1990]) indiquem caminhos
interessantes não só para possíveis desdobramentos da análise das “justificações”,
como também para a exploração da compreensão da audiência pública como uma
“situação de disputa”138.
A noção de “humanidade comum” (Boltanski e Thévenot, 1991) e (Boltanski,
1990), atrelada à noção de “bem-comum”, corresponderia a um princípio superior

138
A questão mais delicada ao trazer como referência os trabalhos de Boltanski e Thévenot é avaliar se é
possível pensar em uma ação orientada para o acordo quando se trata de uma situação na qual a
concepção de igualdade, de “pertencimento a uma humanidade comum” Boltanski e Thévenot (1999)
não está dada – como parece ser o caso da audiência organizada para se discutir “autos de resistência”.

98
partilhado por todos. Considerando estas questões, a transposição deste modelo para
uma situação como a audiência pública em pauta pode resultar em uma operação
arriscada.
Enquanto para os membros da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e
Cidadania da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro que organizaram uma audiência
para debater os “autos de resistência”, assim como para os representantes da sociedade
civil convidados para falar sobre o assunto, o “bem comum” poderia aparecer como
objetivo do encontro (caso essa expressão fosse considerada adequada por algum dos
participantes); já na fala do coronel, o “bem comum” aparece na mesma seqüência de
outras “justificações” para as ações que estão sendo criticadas naquela audiência.
Para tornar viável, portanto, um “quadro de tranqüilidade pública e paz social”,
seria necessário eliminar o tal “quadro de agrestice” – a qualquer custo. Talvez esse
distanciamento entre as noções de “bem-comum”139 dos atores envolvidos naquela
audiência pública seja um dos elementos limitadores da disputa em questão. Não quero
afirmar que a disputa não exista, apenas chamo atenção para o fato de que a
explicitação de posicionamentos divergentes durante a audiência, as críticas
apresentadas às ações da polícia e suas respectivas justificações não equivalem a ações
orientadas para um acordo que realmente encerre aquela disputa. O acordo é
momentâneo e encerra aquela situação específica, mas não a disputa na qual ela se
insere. Assim como o uso da norma culta da língua ao se referir ao presidente da
audiência pública como “Excelentíssimo senhor deputado Marcelo Freixo”, as
justificações apresentadas pelo coronel são protocolares. E seria exatamente esta
habilidade para seguir os protocolos sua maior “competência” demonstrada naquela
audiência pública. O registro de sua fala se delimita ao que Scott e Lyman apresentam
como um “estilo formal” dentre os estilos lingüísticos que enquadram a maneira através
da qual um “account” é dado.
Sem invalidar a competência do coronel, no entanto, considero pertinente
ressaltar o fato de Mario Sergio ter falado mais alto que todos os que o antecederam e

139
Gostaria de ressaltar que ao se referir à “pacificação”, a expressão “ser assimilada” utilizada pelo
coronel aparece como sinônimo de sucesso da política de segurança pública. Mas o termo “assimilação”
está relacionado à linguagem, à reprodução falada da expressão – e não à experiência concreta da
“pacificação”.

99
que o sucederam nas explanações durante a audiência. Adiciono a este registro uma
anotação do meu caderno de campo: “Mario Sergio fala levantando as sobrancelhas;
mão direita quase que o tempo todo agarrada ao microfone”. Tais elementos podem
sugerir um certo desconforto em desempenhar aquela ação. As competências são
sinalizadas, portanto, através do conteúdo do discurso, mas sua entonação e os
componentes visuais da sua condução transparecem uma espécie de esforço para ser
escutado. De fato, realizar aquela série de “justificações” – a respeito das atuações da
Polícia Militar e a respeito do conjunto de ações que correspondem à implementação e
à manutenção da política de segurança pública vigente no Estado do Rio de Janeiro, visto
que representa o Secretario de Estado de Segurança – não deve ser uma tarefa muito
agradável.
Entretanto, esta configuração de uma situação desagradável pode não
corresponder exatamente à tarefa de elaborar as justificações, mas sim a uma espécie
de descrença no encontro – o que explicaria ainda melhor o comportamento
‘protocolar’ e o “estilo formal” da fala da autoridade. Trago um trecho de outro discurso
do coronel Mario Sergio – mas desta vez um discurso escrito e não falado. Trata-se de
uma seqüência de frases inscritas no relato elaborado pelo coronel sobre sua
participação na audiência pública em questão e publicado dois dias após o evento no
seu blog pessoal140:
Não é fácil convencer convencidos. Não pretendo isso. Fui àquele local porque
era minha missão. Aquelas pessoas que prestigiavam o debate formam um
círculo ideológico. Lá estavam representantes do Justiça Global, da Rede Contra
Violência, do Tortura Nunca Mais etc. Se é ilusão acreditar que qualquer
consideração, mesmo fundamentada na mais pura verdade e assentada em
valores universais e absolutos, como o direito de um não agressor à vida, mas
em sentido contrário às suas teses, lhes mudará a disposição e o entendimento,
não posso, todavia, me furtar de me apresentar na arena das polêmicas dos
juízos quando isso me é exigido num contexto de legalidade e legitimidade.

140
Intitulado “Segurança Pública - Idéias e Ações”, o blog é apresentado como “Espaço destinado à
exposição de idéias sobre segurança, ordem e paz. São bem-vindos todos os que pretendem contribuir
para a exposição da verdade objetiva, participar de debates construtivos do bem comum e concorrer para
a tolerância entre entidades propositoras de verdades subjetivas, através do diálogo.” Disponível em:
http://marius-sergius.blogspot.com/ Acesso em 28/01/2010.

100
O imediato acionamento da condição de “mãe” se alinha ao texto que anunciou
a possibilidade daquela fala: “você tem toda a legitimidade como mãe de uma vítima”,
havia anunciado o presidente da audiência. E assim é descontruído um problema que
estava colocado: o fato de nenhum familiar de vítima de violência policial fazer parte da
composição original das falas oficiais naquela audiência141. Como descrevi
anteriormente, o conjunto de pessoas presentes na audiência pública poderia ser
dividido em dois grupos distintos: aqueles que foram convidados para discorrer sobre o
tema da audiência e os outros, que foram convidados para ouvir. Para compreender
melhor este tipo de situação, recorro a uma passagem do trabalho de Scott e Lyman
(2009 [1968]) na qual são enumeradas ocasiões semelhantes à audiência, nas quais se
predomina o “estilo formal” da fala. Segundo os autores, tal “estilo linguístico” é
empregado quando
o grupo é grande demais para que a co-participação informal seja constante na
interação. Em geral, é adequado a ocasiões em que um ator se dirige a uma
platéia composta por mais de seis pessoas. Os ouvintes têm que esperar a vez
de responder, ou, caso interponham comentários, sabem que protagonizam um
evento inapropriado e que a situação precisará ser reestruturada. Orador e
platéia estão em papéis ativo e passivo, respectivamente, e, se o grupo é grande
o suficiente, podem ser obrigados a falar ou permanecer em silêncio de acordo
com códigos de conduta pré-estabelecidos. O estilo formal também pode ser
empregado quando aquele que fala e o que ouve possuem status rigidamente
definidos. Tais situações ocorrem em organizações burocráticas, entre pessoas
de diferentes posições na hierarquia, ou no tribunal, na interação entre juiz e
réu. (SCOTT e LYMAN, 2009 [1968]:157)

Para além do fato do discurso dessa mãe de vítima ter sido iniciado nesse registro
formal da fala, o que considero pertinente destacar é a expectativa da passividade do
ouvinte em situações como a audiência pública – nesse caso específico, uma situação na
qual todos poderiam participar ouvindo, como a própria rotulação do evento sugere.
Caso tivessem sido seguidos estritamente os tais “códigos de conduta pré-
estabelecidos”, não teria ocorrido tal fala em público aquele dia. Mas, evidentemente,
a passividade não é uma característica muito presente na rotina desses familiares de
vítimas de violência policial que decidem se posicionar e lutar por justiça.

141
Vale registrar que tal ausência foi admitida como uma falha da organização do evento pelos próprios
integrantes da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio de
Janeiro, nos corredores do Palácio Tiradentes, após a conclusão da audiência.

101
Apesar de ter assinado a lista de presença da audiência como integrante do
grupo “Mães da Cinelândia”, o trânsito desta mãe em apoio a outros coletivos e sua
cumplicidade com demais familiares de vítimas faz com que seu pertencimento
“original” seja eventualmente adicionado a outros: o deputado Marcelo Freixo, por
exemplo, atrelou a legitimidade de sua fala ao fato de ela ser mãe de vítima e também
à possibilidade de ela estar representando a Rede de Comunidades e Movimentos contra
Violência em sua intervenção.
De fato, realizou-se naquela audiência uma intervenção em nome dos diferentes
coletivos de mães de vítimas existentes na cidade do Rio de Janeiro e um ponto decisivo
para esta interpretação é o fato de não ter ocorrido uma denúncia pública sobre a ação
deste ou daquele policial envolvido em mortes específicas. O que foi denunciado
naquela audiência era a manutenção do registro “auto de resistência” e,
consequentemente, todos os obstáculos atrelados a esse registro que teriam que ser
enfrentados pelos familiares das vítimas durante os respectivos inquéritos policiais e
processos jurídicos.
Segundo a explicação de uma “pessoa que vivencia o auto de resistência”, a
versão dos policiais registrada no boletim de ocorrência, trazendo “o jeito que o autor
identifica as coisas”, se transforma em um enorme obstáculo à realização da denúncia
dos familiares da vítima, afinal, “você desmentir o que um policial falou é muito
complicado”.
A continuidade da denúncia apresentada no Palácio Tiradentes por esta mãe traz
uma crítica de conteúdo mais técnico, direcionada às justificativas dos policiais para
despacharem inquéritos para as das Delegacias de Acervo Cartorário. Tal crítica se
fortalece com a apresentação do número de inquéritos não solucionados que se
encontram arquivados nestas delegacias, afinal, noventa mil não é uma quantidade que
passe despercebida. O momento da audiência funciona também para a cobrança das
pensões que o Estado deveria pagar aos familiares de vítimas cujos casos já estivessem
concluídos142.

142
Em alguns dos casos cujos policiais envolvidos foram julgados e condenados (realmente um número
pequeno frente ao conjunto de violações cometidas por estes agentes, especialmente em favelas e
periferias) é exigido do governo do Estado o comprometimento com o pagamento de pensões. É
fundamental registrar que o pagamento das pensões não retira dos familiares o direito de cobrar do
Estado uma indenização pecuniária por danos morais e materiais – como ocorreu com a mãe e três irmãs

102
Na audiência em questão, foram feitos encaminhamentos para que a Comissão
de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Alerj solicitasse ao Ministério Público
informações sobre o acompanhamento de cada caso; encaminhasse as famílias para
atendimento no MP, para terem notícias de seus casos e providenciasse cópias dos
documentos dos inquéritos que interessarem aos organismos responsáveis pelo
acompanhamento de cada caso. Também foi acordado que a equipe se organizaria para
fazer visitas sistemáticas às delegacias sempre que houvesse um novo registro de “auto
de resistência”.

2.3 Uma reunião em Brasília

Cena 3. [28 de novembro de 2012, Edifício Parque Cidade Corporate, Setor


Comercial Sul - B, Quadra 9, Lote C, Brasília] Tratava-se da 214ª reunião ordinária do
Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH), cuja pauta principal era
a “resolução sobre a abolição do uso de terminologias genéricas como “autos de
resistência” e “resistência seguida de morte”. Como procedimento de praxe, a
presidente do Conselho, Maria do Rosário, Ministra de Estado Chefe da Secretaria de
Direitos Humanos, realiza a abertura da sessão e concede a palavra aos conselheiros
para se manifestarem sobre os itens da pauta e para as inscrições para os devidos
informes. Durante a apresentação do item da pauta relativo ao “auto de resistência”,
Maria do Rosário comenta: “Não podemos ter este tipo de instrumento vigente da
forma como temos tido [...] que vem sendo utilizado visando, grande parte das vezes,
acobertar uma situação de violência e extermínio”.
Durante os informes, a conselheira Ivana Farina Navarrete Pena, representante
do Conselho Nacional de Procuradores Gerais do Ministério Público dos Estados e da
União, relata a visita de um grupo de trabalho do CDDPH a Belém, Altamira e Anapu,

de Luiz Jorge Barboza Rodrigues, vítima do caso conhecido como “chacina da Baixada Fluminense”, por
exemplo. Na sentença desta condenação, o juiz da 3ª Vara da Fazenda Pública do Rio afirma que “é
irrelevante se os policiais estavam ou não no exercício da função pública. Desde que o agente tenha se
valido do cargo ou tenha, de qualquer forma, se utilizado das facilidades ou dos meios proporcionados
por este para a prática do ato lesivo, responde o Estado pelos atos por ele praticados”. (Disponível em
http://www.ambito-
juridico.com.br/site/index.php?n_link=visualiza_noticia&id_caderno=20&id_noticia=7570, acesso em
10/2006).

103
para averiguar denúncias de violações de Direitos Humanos na região. Após algumas
considerações sobre os casos de violação identificados143, é aberto um espaço para
informes sobre o andamento da resolução que o CDDPH vinha elaborando sobre a
utilização de armamento não-letal – chamando pela Ministra de armamento menos
letal144. Maria do Rosário retoma a pauta prioritária daquela reunião: “Mas Hoje
vamos nos dedicar a buscarmos a abolição deste conceito que é resistência seguida de
morte”; passa a palavra ao Procurador Federal dos Direitos do Cidadão, Aurélio Rios,
relator da Resolução e sugere que o Conselho ouça as quatro organizações da
sociedade civil convidadas para a atividade.
O procurador Aurélio Rios sugere que seja lido o documento (previamente
entregue a cada participante da reunião) contendo as modificações sugeridas pela
sociedade civil durante o período em que esteve disponível para consulta pública no
site do Conselho145. A primeira organização da sociedade civil convidada a se
manifestar diante da resolução foi a Justiça Global (cuja representante, naquela
ocasião, era eu mesma), em seguida o Movimento Nacional de Direitos Humanos -
MNDH (cujo representante, Rildo Marques, sugeriu a construção de uma campanha
“Brasil sem extermínio”), a Anistia Internacional, representada por Renata Neder e,
finalmente, o Movimento Mães de Maio, representado por Débora Silva.
A ministra faz uma longa e honrosa apresentação de Debora Silva, presidente
do Movimento Mães de Maio, que já inicia sua fala demonstrando a positividade
daquela movimentação do CDDPH em torno do registro: “Nós estamos agraciadas e
agradecemos o CDDPH por ter trazido à tona a bandeira das Mães de Maio. […] É bem
vinda essa resolução. Essa é uma bandeira que as mães de maio começaram no início
de 2012”. Debora aproveita a oportunidade para denunciar a ROTA146, atribuindo a

143
O vice-presidente do CDDPH, Percílio de Souza Neto (do Conselho Federal da OAB) sugeriu que o
CDDPH faça um acompanhamento das ações que estão em andamento no estado do Pará, via
Procuradoria. Maria do Rosário também sugeriu como encaminhamento a revisão de todas as decisões
condenatórias do caso da Irmã Dorothy.
144
Ao final de 2012, o CDDPH discutia a necessidade da suspensão (ou não) do uso de “determinadas
armas de baixa letalidade” (segundo documento de circulação interna do CDDPH, disponibilizado às
organizações e movimentos sociais com interlocução próxima com a Conselho) – tema ao qual se dedicou
bastante atenção durante o ano de 2013 dentro e fora deste Conselho. Nos limites desta tese (e em função
do dinamismo das determinações e posicionamentos oficiais sobre essa questão), a discussão acerca do
armamento dito não-letal fica restrita apenas ao contexto do policiamento em favelas onde foram
instaladas UPPs, mais especificamente ao caso da morte de Mateus, relatado no capítulo 1.
145
Tal consulta pública será abordada após a descrição da cena.
146
A ROTA (Rondas Ostensivas Tobias Aguiar) corresponde à tropa de elite da Polícia Militar de São Paulo.

104
esta o título de “polícia mais letal de São Paulo” e relatando o episódio no qual
perguntou a um juiz se ele não voltava pra casa com dor no coração após mandar
arquivar um caso de “auto de resistência”.
Após apresentar sua leitura sobre o contexto de violência no estado de São
Paulo, Débora refaz sua apresentação, ampliando para além do território paulista o
problema em pauta: “Eu tô aqui como representante de todas as mães brasileiras. Que
esse Conselho olhe a dor dessas mães. […] Esses meninos foram executados e depois
foi registrado o auto de resistência.” Débora encerra sua intervenção destacando a
importância do reconhecimento político dos familiares das pessoas assassinadas
durante ações violentas do Estado no período pós-ditadura militar – que Débora
chama de “familiares de agora”.
Após a intervenção de Débora, alguns integrantes do Conselho se posicionam
em relação ao registro e à importância da publicação da resolução. Maria Roseli,
representante da AMB – Associação dos Magistrados Brasileiros, parabeniza o autor
da resolução e se dirige diretamente à Débora para reforçar seu posicionamento,
enquanto magistrada, ao lado dos familiares de vítimas em suas demandas ligadas aos
institutos de criminalística, enfatizando o número reduzido de profissionais nesses
institutos e a demora na produção dos laudos. A representante da AMB informa ainda
que as preocupações dos magistrados em relação ao campo de promoção e proteção
dos Direitos Humanos estavam começando a se concretizar e que se até aquele
momento haviam ocorrido erros, a intenção sempre foi acertar.
Após as considerações mais gerais dos conselheiros sobre a resolução, iniciou-
se o debate relativo ao texto do documento. Termos, expressões, conjunções,
preposições – muitas palavras foram questionadas e disputadas na mesa de reuniões
retangular, comprida e hi-tech do CDDPH. Acordadas as mofidicações e o conteúdo
político do documento, decide-se pela aprovação da resolução sob a condição de que
após aquela reunião se mexeria na forma, consolidando a versão final. O outro ponto
de pauta previsto para aquele dia (um relato do conselheiro Tarciso Dal Maso,
professor de Direito Constitucional, sobre a situação de impunidade no caso
Carandiru) é adiada para a próxima reunião ordinária do Conselho, que aconteceria
dali a vinte dias.

105
A partir do relato da reunião no CDDPH, trago para a discussão proposta neste
capítulo duas etapas distintas, porém interconectadas, deste processo de construção da
Resolução Recomendatória a respeito do uso dos assim chamados “autos de resistência
ou resistência seguida de morte”: a consulta pública e a discussão entre conselheiros,
ministra e demais convidados do CDDPH para a 214ª reunião ordinária (dentre os quais
se encontravam os quatro representantes da sociedade civil e também aqueles que
estavam presentes em função de suas representações profissionais – como, por
exemplo, o representante da Federação Nacional dos Jornalistas do Brasil e o
representante da Polícia Federal).
Durante o mês de outubro de 2012, houve uma movimentação interna ao campo
nacional de defesa dos Direitos Humanos relativa ao incentivo à participação da consulta
pública – que não duraria muito tempo (menos de um mês). Diversas organizações não-
governamentais e especialistas na área foram incentivados pela assessoria da SDH a
enviarem suas contribuições. Abaixo, o anúncio da consulta pública publicado no site da
SDH – endereço que circulou especialmente via e-mail147, nas trocas entre a própria
militância, para que as contribuições fossem enviadas a tempo.

147
O endreço da divulgação da consulta pública que circulou era
http://portal.sdh.gov.br/clientes/sedh/sedh/conselho/pessoa_humana/minuta-de-resolucao-cddph/, no
entanto, após reformulação do site da SDH, a página não pode mais ser visualizada (motivo pelo qual
reproduzi o printscreen realizado na época da consulta).

106
A avaliação da equipe que, na época, integrava o programa de Violência
Institucional e Segurança Pública da Justiça Global foi de que seria importante produzir
uma contribuição que enfatizasse aspectos considerados cruciais nos debates entre
interlocutores próximos (em especial coletivos de familiares de vítimas, ONGs parceiras
e a CDDHC/Alerj). Assim sendo, a ratificação da necessidade da abolição dos termos
“autos de resistência” ou “resistência seguida de morte” nos registros e inquéritos
policiais e denúncias penais pautava-se pelas próprias demandas do movimento social,
que, acompanhadas de perto por diferentes organizações, foram informadas ao CDDPH
em sua consulta pública.
O fato de não existir na legislação brasileira o tipo penal “resistência seguida de
morte” ou “auto de resistência” foi articulado à origem da regulamentação desse tipo
de registro (ocorrida durante a Ditadura Militar no Brasil, como dito na introdução desta
tese), configurando a sugestão da Justiça Global para a inclusão de um parágrafo que
não constava da proposta inicial da resolução. Embora esta sugestão não tenha sido
acolhida na íntegra, vale destacar que as recomendações relativas à perícia
independente e à preservação do local do crime foram incorporadas ao texto da
resolução.
Considero pertinente trazer para o presente estudo este tipo de construção por
compreender que, mesmo dentro das limitações inerentes a uma resolução produzida
pelo CDDPH, a incorporação de demandas antigas dos movimentos sociais, em especial
os coletivos formados por familiares de vítimas de violência do Estado neste tipo de
documento, expressa o reconhecimento das mesmas por parte de um Conselho ligado
à Presidência da República – reconhecimento este que, uma vez oficializado neste
formato de resolução, pode ser apropriado pelos próprios familiares enquanto
instrumento embasador de cobranças e pressões junto aos órgãos do poder executivo
de seus respectivos estados, ou mesmo junto à Presidência da República, em situações
de ausência de pronunciamentos públicos (ou pronunciamentos inadequados) de quem
esteja presidindo o país diante de casos graves de violações provocadas por agentes de
Estado.
Dito isto, destaco a seguir parte das modificações realizadas a partir das
contribuções enviadas pelas diferentes organizações, coletivos e acadêmicos durante a

107
consulta pública148. Enquanto na minuta da resolução lia-se que deveria ser “assegurada
perícia técnica especializada imediata em todos os armamentos, veículos e maquinários
envolvidos em ação policial com resultado morte, assim como do local onde a ação
ocorreu”, o trecho correspondente ao mesmo inciso foi modificado e desdobrado na
resolução em dois incisos diferentes do artigo 2º:

II – a perícia técnica especializada será realizada de imediato em todos os


armamentos, veículos e maquinários, envolvidos em ação policial com
resultado morte ou lesão corporal, assim como no local em que a ação
tenha ocorrido, com preservação da cena do crime, das cápsulas e projeteis
até que a perícia compareça ao local, conforme o disposto no art. 6.º,
incisos I e II; art. 159; art. 160; art. 164 e art. 181, do Código de Processo
Penal.
III – é vedada a remoção do corpo do local da morte ou de onde tenha sido
encontrado sem que antes se proceda ao devido exame pericial da cena, a
teor do previsto no art. 6.º, incisos I e II, do Código de Processo Penal.

O outro trecho da minuta que considero relevante o destaque para a


modificação é o seguinte: “garantido que nenhum inquérito policial seja arquivado sem
que tenha sido anexado o respectivo laudo necroscópico ou cadavérico”, cuja
modificação na resolução encontra-se redigida no inciso IV do artigo 2º:

IV – cumpre garantir que nenhum inquérito policial seja sobrestado ou


arquivado sem que tenha sido juntado o respectivo laudo necroscópico ou
cadavérico subscrito por peritos criminais independentes e imparciais, não
subordinados às autoridades investigadas.

Adicionadas às modificações produzidas no documento em questão a partir da


consulta pública, temos as modificações produzidas a partir da própria reunião descrita
na Cena 3, cujos debates recupero nesta discussão, a partir das anotações que realizei
durante a atividade. A primeira alteração significativa discutida pelos conselheiros do
CDDPH e convidados presentes naquela reunião diz respeito à substituição da palavra
“morte” pela palavra “homicídio”, na terceira consideração (são nove no total) que

148
Gostaria de enfatizar que a pequena seleção de trechos prioriza aspectos diretamente relacionados a
argumentos expostos nesta tese (em especial no capítulo 4) e cuja atenção nesta seção está diretamente
conectada ao fato de reconhecer este trabalho como mais um documento no qual podem estar
registradas parte das demandas prioritárias dos movimentos sociais e coletivos integrados pelos
familiares de vítimas de violência institucional.

108
antecede o artigo 1º da resolução. Na versão provisória do documento distribuída aos
presentes o texto dizia:

Considerando que não existe, na legislação brasileira, a excludente de


“resistência seguida de morte”, também documentada como “auto de
resistência”, o registro do evento deve ser morte decorrente de
intervenção policial e, no curso da investigação, deve-se verificar se houve
de fato alguma resistência que fundamentasse a excludente de ilicitude.

Tratava-se, justamente, da discussão sobre como deveria ser o “novo


enquadramento” pra esse tipo de morte, o registro que então substituiria o “auto de
resistência” – demanda antiga dos movimentos sociais, das organizações de Direitos
Humanos, registro apontado por especialistas do campo jurídico como “um escândalo
democrático” e por especialistas em violência urbana como “um limbo legal que
invisibiliza o problema”149. Como observamos Sandra Carvalho e eu, mais que uma
simples mudança de termos, tratava-se de “oficializar e publicizar, enquanto instância
governamental, o reconhecimento de uma prática violadora de direitos que vem sendo
atualizada desde a ditadura no cotidiano mesmo do funcionamento estatal”150.
Durante o debate, um conselheiro que argumentava pela utilização da tipificação
“homicídio” disse: “por trás desses autos de resistência tem havido um extermínio
sistemático de pessoas”. Eram muitos profissionais do campo do Direito presentes, há
assentos especiais no CDDPH para “Conselheiro Professor de Direito Constitucional” e
para “Conselheiro Professor de Direito Penal” e esse ponto da discussão ocupou certo
tempo da reunião. Alguns argumentavam que a utilização da tipificação “homicídio” era
indevida, visto que já enquadrava o agente que efetuou o disparo como autor de um
crime antes que esse crime tivesse sido julgado pelas instâncias competentes.
No entanto, como foi destacado na reunião, o que o registro do “auto de
resistência” faz é exatamente a mesma coisa – produz a vítima, já morta, enquanto
autora de um crime, visto que traz embutido em sua própria possibilidade de
oficialização da descrição dos fatos a versão de que a pessoa que morreu estava atirando

149
Como relatei na introdução, tais qualificações referem-se, respectivamente, às intervenções do
desembargador Sergio verani e do sociólogo Ignácio Cano durante a audiência descrita na seção anterior
deste capítulo.
150
Entrevista que Sandra Carvalho, então diretora adjunta da Justiça Global, e eu concedemos à Fundação
Heinrich Böll após a divulgação da publicação da resolução. Disponível em:
<http://www.br.boell.org/web/51-1493.html>.

109
contra aquele agente de Estado que a matou. A diferença reside apenas no fato de que
no registro questionado pela resolução do CDDPH, a autoria do crime recai, em geral,
sobre um morador de favela e, a partir da modificação proposta para a resolução, a
autoria do crime recairia sobre um agente de Estado.
Aqueles que defenderam a segunda opção, argumentaram que em se tratando
desse tipo de situação, a utilização da tipificação naquele documento significava uma
sugestão interpretativa que, caso devidamente contestada através dos meios legais, em
nada poderia prejudicar o agente de Estado que havia efetuado o disparo. Um dos
conselheiros (professor de Direito Penal), considerou “excesso de melindre não querer
se chamar a morte de homicídio” – ratificando sua posição com a frase “não precisa usar
eufemismos para dizer o que é mesmo”. Foi argumentado também que, “para quem
maneja a linguagem técnica” a opção por “morte” ficaria “enviesada” e deveria ser
substituída, afinal “dizer homicídio não é o mesmo que dizer homicida”. Na redação final,
após aprovada pelos conselheiros a utilização da tipificação, o texto fixado foi:

Considerando que não existe, na legislação brasileira, excludente de


“resistência seguida de morte”, frequentemente documentada por “auto
de resistência”, o registro do evento deve ser como de homicídio
decorrente de intervenção policial e, no curso da investigação, deve-se
verificar se houve, ou não, resistência que possa fundamentar excludente
de antijuridicidade.

Durante praticamente todo o debate, era evidente a preocupação dos


conselheiros e da Ministra em não transformar aquela resolução em um documento
desrespeitoso aos profissionais das polícias civil e militar das diversas unidades
federativas do país. Na quarta consideração do documento, por exemplo, uma alteração
de texto foi solicitada para que nenhum tipo de antagonismo fosse demarcado. O texto
original dizia:
Considerando que apenas quatro Estados da Federação divulgam
amplamente o número de mortes decorrentes de atos praticados por
policiais civis e militares (Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo e
Santa Catarina) e que, nestes, entre janeiro de 2010 e junho de 2012, houve
3086 mortes em confrontos com policiais, sendo 2986 registradas por meio
dos denominados autos de resistência (ou resistência seguida de morte)
enquanto 100 foram policiais civis e militares mortos em ação [grifos meus]

110
E após as considerações dos conselheiros, a frase grifada acima foi substituída
por “e 100 mortes em ação de policiais civis e militares”. A substituição de “enquanto”
– uma conjunção subordinativa, que estabelece uma relação de
dependência/subordinação entre duas palavras ou frases, por “e” – uma conjunção
aditiva, que une vocábulos ou orações de mesmo valor sintático (ou uma palavra que
expressa conexão ou adição), expressa, em detalhe, a atenção relacionada a possíveis
incômodos por parte dos agentes de Estado concernidos naquele debate e, mais que
isso, expressa o cuidado exigido àquele Conselho quanto à oficialização de
posicionamentos políticos daquele tipo – como alertou um conselheiro presente, tal
substituição deveria ser feita porque ali não se estava “contrapondo nenhum lado”.
Seguindo a mesma linha do debate, outro conselheiro chamou a atenção para a
existência de um inciso específico para que fosse assegurada “a devida reparação às
vítimas e a familiares das pessoas mortas em decorrência de intervenções policiais”.
Apesar desse rigor no tratamento do assunto e na redação do texto definitivo da
resolução recomendatória, um representante do Departamento da Polícia Federal que
estava presente interrompeu diversas vezes as intervenções dos conselheiros,
desrespeitando um protocolo básico diante das formalidades que caracterizam aquele
tipo de reunião. Para resumir o conjunto de interrupções produzidas, informo que o
representante da Polícia Federal argumentou que a resolução era marcada por uma
antítese entre o posicionamento do CDDPH e o da Polícia Federal e critica o fato de
aquela resolução expor tal posicionamento sendo o CDDPH um Conselho da Secretaria
de Direitos Humanos da Presidência da República.
Tal situação exige uma intervenção mais determinada da Ministra: “O Senhor
disse que tem uma antítese e eu aqui represento o governo, então eu quero saber quem
o Senhor representa: a Polícia Federal ou o Senhor mesmo?” e recebe como resposta
“Vai parecer uma decisão de gabinete, de Brasília”. Neste momento, Débora,
representante das Mães e Maio, que estava sentada à frente do representate da Polícia
Federal na mesa, balançou a cabeça fazendo sinal de reprovação. O ponto central da
argumentação do representante da Polícia Federal girava em torno do fato de ele não
aceitar que a modificação do registro do “auto de resistência” pudesse ser sugerida pelo
poder executivo federal – de início, ele não se posicionava a respeito dos incisos ou das
considerações da resolução: sua presença naquela reunião tinha como objetivo

111
questionar a decisão mesma do CDDPH de publicar uma resolução recomendando o fim
dos registros em questão.
A situação exigiu jogo de cintura de todos os presentes, mas especialmente da
Ministra. Ela insistiu num caminho pedagógico da argumentação: “A resolução tem um
caráter simbólico de procurar estabelecer o que é mais adequado a gestores de políticas
públicas que atuam na área da segurança preocupados com os Direitos Humanos”,
lembrando que o Brasil faz parte de conselhos internacionais e que precisa prestar
contas. A Ministra também enfatizava o fato de a resolução não estar “acima da lei” –
acusação que também havia sido feita pelo representante da Polícia Federal durante
uma das vezes que interrompeu a intervenção de um conselheiro. A Ministra concedeu
a palavra a ele por muitas vezes – todas as vezes solicitadas, para ser exata. Entendendo
que seu objetivo primeiro não seria atendido, o representante da Polícia Federal decidiu
propor alterações ao texto da resolução – alterações a respeito das quais a Ministra
disse “são contribuições muito relevantes, eu tô anotando todas”, fazendo questão de
explicitar o fato de que ainda que fosse a presidente do Conselho, ela não tinha poder
decisório: “Os conselheiros vão se pronunciar. Eu não tenho palavra final aqui”. A
resolução foi aprovada por unanimidade no dia 11 de dezembro e publicada no Diário
Oficial da União no dia 21 do mesmo mês151.

2.4 Detalhes gramaticais e políticos

Nas reuniões acionadas neste capítulo, intervenções de agentes de Estado que


atuam em diferentes polícias centralizaram as discussões. Em ambos os encontros, a
pauta dos autos de resistência mobilizava as representações de segmentos específicos
de Estado de formas bastante distintas. Tratam-se de atividades organizadas por uma
comissão (poder legislativo estadual) e um conselho (poder executivo federal) que
acolheram demandas dos movimentos sociais e coletivos integrados por familiares de
vítimas de violência institucional, mas cuja atuação está restrita ao discurso, ao debate,

151
A publicação foi anunciada em nota pública da SDH/PR em 08/01/2013. Disponível em:
<http://www.sdh.gov.br/importacao/2013/01/08-jan-13-nota-publica-sobre-resolucao-do-cddph-que-
recomenda-o-fim-do-uso-do-termo-auto-de-resistencia>. A forma final da resolução é apresentada no
anexo 2.

112
às recomendações por escrito, a poucos encaminhamentos práticos sobre as mortes em
questão152.
Às disputas por “morte” ou “homicídio” no texto da resolução recomendatória
do CDDPH, somaram-se discussões sobre conjunções, eufemismos, vieses e melindres
– detalhes ao mesmo tempo gramaticais e políticos nesse debate público sobre um
enquadramento que, desde o período ditatorial no Brasil, habita o conjunto de recursos
acionáveis dentro da engrenagem de gestão das mortes dos moradores de favelas. Após
a publicação da referida resolução, os movimentos sociais acompanham atentos uma
movimentação mais desafiadora – em se tratando de posicionamentos e decisões no
âmbito federal – a respeito do registro do “auto de resistência”: a tramitação do Projeto
de Lei 4471/2012153 na Câmara dos Deputados de Brasília. No quarto capítulo desta tese
retomo, a partir de outro ângulo, a centralidade dos registros, dos textos e dos papéis
de Estado para o funcionamento da engrenagem de gestão das mortes dos moradores
de favelas ocorridas em ações militarizadas.

152
É fundamental destacar após a publicação da Resolução do CDDPH, mais precisamente em janeiro de
2013, a Polícia Civil do Rio de Janeiro determinou o fim do registro “auto de resistência”. Ainda que haja
notícias de que o registro continua sendo realizado, o reconhecimento da inconstitucionalidade do
mesmo por parte da PCERJ pode ser considerado uma conquista dos movimentos sociais. A Rede contra
Violência produziu inclusive uma nota, fazendo suas considerações a respeito da determinação. A Portaria
pode ser lida no anexo 5, junto à nota da Rede.

153
“O Projeto de Lei 4471/2012 tem como objeto a alteração do Código de Processo Penal (artigos 161,
162, 164, 165, 169 e 292) para, a partir de medidas normativas entornadas a garantir a exaustiva apuração
de casos de letalidade derivada do emprego da força policial, extirpar de vez do cotidiano policial as
figuras da “resistência seguida de morte” e dos “autos de resistência”.” (Nota pública pela célere
aprovação do Projeto de Lei 4471/2012, assinada por Ação dos Cristãos Para Abolição da Tortura (ACAT-
BRASIL); Associação dos Servidores do IBGE de São Paulo (SSIBGE/SP); Associação Juízes Para a
Democracia (AJD); Associação Pela Reforma Prisional (ARP); Brigadas Populares; Centro de Direitos
Humanos e de Educação Popular Campo Limpo (CDHEP); Centro de Direitos Humanos Sapopemba (CDHS);
Círculo Palmarino; Coordenação Nacional de Entidades Negras (CONEN); Fórum de HIP HOP – SP; Instituto
de Defesa do Direito de Defesa (IDDD); Instituto de Estudos da Religião (ISER); Instituto Paulista da
Juventude; Instituto Práxis de Direitos Humanos; Instituto Terra, Trabalho e Cidadania (ITTC); Justiça
Global; Levante Popular da Juventude; Mães de Maio; Movimento Negro Unificado (MNU); Núcleo de
Consciência Negra na USP; Núcleo Especializado de Cidadania e Direitos Humanos da Defensoria Pública
do Estado de São Paulo; Ouvidoria-Geral da Defensoria Pública do Estado de São Paulo; Pastoral Carcerária
– CNBB; Pastoral Carcerária do Estado de São Paulo – CNBB Sul I; Pastoral da Juventude da Arquidiocese
de São Paulo; Pastoral da Juventude do Regional Sul 1 – CNBB; Rede Extremo Sul; Rede 2 de Outubro;
Setorial Nacional de Negras e Negros da Central de Movimentos Populares do Brasil (CMP); Sindicato dos
Advogados do Estado de São Paulo.).

113
Parte II

114
Advertência

Os capítulos que compõem esta segunda parte da tese adicionam ao debate


análises desenvolvidas a partir de encontros relacionados a dois casos específicos de
violência institucional em favelas que, embora não estejam mais em fase de inquérito
policial, ainda não se encontram em etapas avançadas dos respectivos processos
judiciais. A documentação relativa aos processos em questão, a mim disponibilizada
pelos familiares das vítimas fatais, é tão fundamental para a elaboração das análises que
compõem os capítulos 3 e 4 quanto os encontros já mencionados – e tanto os encontros
quanto os documentos relativos a esses dois casos de violência institucional recebem
um tratamento diferente nesta segunda parte da tese.

Tal diferença está atrelada, de forma considerável, à alteração ou ocultação de


informações em ambos os capítulos da Parte II: os nomes das favelas foram substituídos
por nomes fictícios, assim como os nomes das vítimas fatais e de seus respectivos
familiares; as datas (mês e ano, especificamente) dos episódios também sofreram
modificações; as profissões das vítimas fatais foram substituídas; o número dos
batalhões nos quais estavam lotados os policiais militares que participaram das
operações em questão foi ocultado das descrições, bem como os nomes dos agentes
indiciados; por fim, foram substituídos também os nomes dos profissionais ligados a
outros órgãos estatais envolvidos com os processos judiciais de cada caso.

Como pessoas, papéis e situações conectados a ambos os casos habitam tanto o


capítulo 3, quanto o capítulo 4, avaliei que esta segunda parte da tese poderia conter
uma espécie de introdução, que apresentasse de forma resumida154 esses dois casos de
violência institucional – daí a redação desta advertência. Antes das referidas
apresentações, no entanto, gostaria de dizer ainda que desidentificar os casos não é
apenas um recurso para evitar interferferências indesejadas nos processos judiciais em
questão, mas é também uma forma de reforçar um dos argumentos sustentados ao
longo deste estudo: não existe nenhuma favela no Estado do Rio de Janeiro – tendo sido

154
Apresento aqui descrições mais resumidas tendo em vista que ao longo dos capítulos que se seguem,
passagens e informações mais detalhadas relativas a cada caso vão sendo adicionadas ao texto na medida
em que se desenvolve a análise.

115
instalada em seu território uma Unidade de Polícia Pacificadora ou não – na qual o
direito à vida da população local seja respeitado e garantido. Ainda que as favelas sejam
muito diferentes entre si, ainda que a presença do Estado em cada uma delas também
se dê de diversas maneiras, há algo na relação do Estado com as favelas que não muda:
a possibilidade de governar as mortes de seus moradores.

Vale lembrar que esta parte da tese é construída a partir da exploração de


caminhos mais capilares das relações estado-margens, conforme explicitado na
introdução deste estudo, através dos quais entramos em contato com práticas de
governamentalidade (Foucault, 2008b) menos visíveis na composição da engrenagem
de gestão das mortes dos moradores de favelas. Assim sendo, importa menos em quais
favelas se deram os episódios de violência e mais as engrenagens estatais articuladas
em torno desses episódios; importa menos – sempre pensando nesta etapa específica
da análise – quem foi o morador que morreu e mais as pequenas movimentações de
agentes de Estado capazes de interferir na qualificação daquela morte enquanto uma
execução sumária.

Dito isto, vamos aos casos da Parte II.

Morro do Russo, zona sul do Rio de Janeiro – junho de 2008

Durante uma incursão da Polícia Militar realizada no fim da tarde de um dia de


semana no Morro do Russo, alguns dos agentes que participavam da operação se
esconderam em um dos becos da favela e ali permaneceram. Ao sairem do esconderijo,
os policiais, encapuzados, atiraram e mataram Fernando Sabino de Figueiredo, Jonathan
Freitas Murtinho, Pedro Henrique de Almeida Lopes, Rodrigo Firmino da Silva e Hugo
Venâncio de Souza no momento em que Emanuel se dirigia para um bar próximo do
local onde havia sido preparada a emboscada. Outros moradores que se encontravam
nas proximidades viram quando Emanuel Cardoso da Conceição foi abordado. Contam
que ele chegou a levantar os braços, dizendo que estava voltando do trabalho, pedindo
para mostrar os documentos, mas os policiais o levaram ao chão e atiraram na sua
cabeça. Alguns moradores que não viram as execuções, mas que estavam próximas do
local e também prestaram depoimento na delegacia encarregada do inquérito,

116
afirmaram que ouviram um “rajadão”155, depois vários tiros bem alternados, e depois
outro “rajadão” – e todos os depoentes explicaram que aquele não era o mesmo som
que ouvem quando acontece troca de tiros no morro.

Os familiares de Emanuel acompanharam a investigação desde o início, entraram


em contato com a Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ e com a Rede de
Comunidades e Movimentos contra Violência, para a continuidade dos
encaminhamentos. Quatro policiais militares foram denunciados pelo Ministério
Público, acusados pelo homicídio156 de Emanuel e, aproximadamente um ano após sua
morte, foi marcada a primeira audiência de instrução e julgamento do caso, dando o
seguimento esperado pela família ao processo judicial, que passou a correr na 2ª Vara
Criminal da Comarca da Capital157.

O processo relativo à execução de Emanuel vinha sendo acompanhado pelo


NUDEDH, o Núcleo de Direitos Humanos da Defensoria Pública do Rio de Janeiro e,
durante o período de realização do trabalho de campo para esta tese, o profissional
deste núcleo responsável pelo caso era o defensor público Frederico Chagas, também
chamado de Dr. Frederico, ou apenas de Chagas, pelos familiares de vítimas. Dentre os
familiares de Emanuel mais atentos ao processo judicial, dois de seus irmãos – João Luiz
e Mário –, e também sua irmã Alexandra, mostraram-se mais dispostos a acompanhar
de perto os devidos encaminhamentos. Foi através deles e dela que se aproximaram do
caso outros profissionais capazes de somar forças aos encaminhamentos relativos ao
processo, como Dr. Saul, um perito legista aposentado da Polícia Civil que, em função

155
Expressão reproduzida do “Termo de declaração” produzido pela Delegacia de Polícia responsável pelo
inquérito e enviado em cópia ao NUDEDH, sendo incorporada ao processo do caso. Como anunciado na
introdução desta tese, tive acesso a este e outros documentos trazidos para a análise especialmente nesta
segunda parte da tese através da autorização da família de Emanuel, que solicitou ao defensor público
responsável pelo caso o empréstimo das pastas do processo para que eu pudesse fazer uma cópia. A todos
eles deixo registrado, mais uma vez, um agradecimento sincero por sua interlocução e pela confiança
depositada no meu trabalho.
156
Os quatro policiais militares foram acusados por homicídio qualificado. Na capa do processo do caso,
registra-se o artigo do Código Penal referente ao crime, que copio aqui adicionando as respectivas
definições entre parênteses: Art. 121 (“Matar alguém”), parágrafo 2º (“Se o homicídio é cometido”),
incisos I (“mediante paga ou promessa de recompensa, ou por outro motivo torpe”) e IV (“à traição, de
emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossivel a defesa do
ofendido”). A ação empreendida é caracterizada, então, como uma penal de competência do Júri.
157
Até o momento de conclusão desta tese, o processo ainda se encontrava nas etapas de audiências de
instrução e julgamento.

117
de uma atuação enquanto pesquisador do seu próprio ofício, realizou um parecer
técnico a partir da documentação relativa à execução de Emanuel.

Parque Andrade, zona norte do Rio de Janeiro – dezembro de 2010

Era sexta-feira à tarde. Numa rua do Parque Andrade, pouco antes de chegar na
Av. Brasil, policiais militares do BPM da região entraram numa casa e se esconderam na
laje – configurando a preparação de uma tática conhecida como Cavalo de Tróia, assim
definida quando parte de um grupamento de policiais não retorna ao batalhão,
preparando uma emboscada (um “ataque surpresa”) na favela onde a operação havia
sido realizada. Assim foi feito aquele dia no Parque Andrade e, de cima da laje onde
ficaram escondidos, os policiais miraram na direção de uma padaria e atiraram. Os
disparos atingiram seis moradores. Dois morreram: Roger, um pintor de parede de 39
anos, e Vicente, que tinha 18 anos e era estudante.

Dentre os sobreviventes da operação, Adriano, um rapaz de 22 anos que


trabalhava como caixa na padaria, foi atingido na cabeça, ficando com sequelas graves.
Sua esposa, Carolina, se juntou à Pricila, viúva de Roger, para levar a investigação do
caso à frente. Foram atendidas pela Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e
Cidadania da Alerj e de lá encaminhadas para a Defensoria Pública e para o Ministério
Público. As testemunhas prestaram seus depoimentos na Delegacia de Homicídios da
Barra, policiais da Divisão de Homicídios apreenderam as armas dos agentes da PMERJ,
para que fosse realizado o exame de confronto balístico no Instituto de Criminalística
Carlos Éboli (ICCE) e uma perícia foi realizada no local. Passados 15 meses da operação
no Parque Andrade, foi realizada a primeira audiência de instrução e julgamento dos
policiais militares acusados de envolvimento com os crimes associados àquele episódio,
tendo sido quatro, do número total de policiais indiciados, acusados por homicídio
qualificado. O processo judicial do caso também corre na 2ª Vara Criminal da Comarca
da Capital158.

158
Até o momento de conclusão desta tese, o processo ainda se encontrava nas etapas de audiências de
instrução e julgamento.

118
Capítulo 3.
Imbricação “Estado-família”: capilaridades extremas da gestão

Sei que o perigo é do meu lado


Chegando do trabalho, cansado
Sei que posso ser baleado
A Era de Cabral está de volta
Segurança reforçada
Us Neguin q Não C Kala e Família Kponne, Lágrima de Sangue

No intuito de compreender a engrenagem da gestão das mortes dos moradores


de favelas a partir da identificação e da análise de práticas de governamentalidade
(Foucault, 2008b), enfoco neste capítulo desdobramentos políticos de um encontro
entre familiares de Emanuel, vítima da Chacina do Morro do Russo (apresentada na
Advertência que abre esta segunda parte da tese) e o defensor público Frederico
Chagas. Antes da descrição do encontro, no entanto, gostaria de registrar que o
enquadramento das movimentações “de família” e “de Estado” aqui empreendido é
pautado pelas considerações de Foucault (2008a) sobre a família enquanto referencial
no processo de configuração de uma nova “arte de governar”.

A partir dessa linha interpretativa a família é localizada enquanto um elemento


no interior da população – localização fundamental para compreendermos as novas
possibilidades de arranjos governamentais que surgem a partir de então, afinal trata-se
da família como segmento da população e como instrumento privilegiado para se pensar
e compreender e, no limite, governar a população. Segundo Foucault (2008a), o
desbloqueio da arte de governar pela população está diretamente conectado com a
eliminação do modelo da família – no entanto, é fundamental compreender que a
eliminação do modelo não corresponde à eliminação do elemento “família” dos arranjos
políticos: a “família” apenas vai mudando de lugar.

Assim é possível acompanhar o deslocamento de “família” no interior do próprio


desenvolvimento da “economia política” – ícone da passagem de um regime dominado

119
pelas estruturas da soberania para um regime dominado pelas técnicas do governo159.
Como chama atenção Foucault, ao produzir o verbete “economia política” para a
Enciplopédia, Rousseau aciona “família” ao registrar a origem da palavra “economia”:
“o sábio governo da casa para o bem comum da família”. O desenvolvimento do
argumento foucaultiano conta com a articulação entre a meticulosidade da gestão
familiar pela figura do pai e o acionamento desta meticulosidade para a gestão
governamental de populações.

Na situação analisada neste capítulo a partir do encontro entre a família de


Emanuel e o defensor público, é possível identificar uma atualização do acionamento da
família para rearranjos de gestão – no entanto, tal acionamento é realizado em mão
dupla, tornando evidentes as habilidades dos familiares de vítimas para se moverem por
entre a malha administrativa governamental, como discuto a partir da cena a seguir.

Cena 4. [Final de fevereiro de 2011, cerca de uma hora após o adiamento do


julgamento de um dos casos acompanhados pela Rede contra Violência.] Estávamos
saindo do Fórum do Rio de Janeiro, a caminho do prédio anexo da Defensoria Pública,
onde se localizava a sala do NUDEDH, para que os familiares pudessem conversar com
o defensor público sobre o adiamento do julgamento e pensar possíveis
encaminhamentos a partir disso. No grupo, havia familiares de três casos diferentes e
eu, somando 6 pessoas no total. Uma das familiares recebeu um telefonema sobre a
detenção arbitrária de uma moradora do Complexo do Alemão por “desacato à
autoridade”160 e se despediu do grupo para agir em relação àquela nova demanda.
Nos dirigimos então à sala do defensor Cléia, mãe de Otávio, executado por policiais
em 2001, Alexandra, Mário e João Luiz, irmã e irmãos de Emanuel, vítima fatal da
Chacina do Russo e eu. Como o motivo do adiamento tinha sido explicado no próprio

159
“A constitução de um saber de governo é absolutamente indissóciável da constituição de um saber de
todos os processos que giram em torno da população no sentido lato, o que se chama precisamente
“economia”. [...] é apreendendo essa rede contínua e múltipla de relações entre a população, o território
e a riqueza que se constituirá uma ciência chamada “economia política” e, ao mesmo tempo, um tipo de
intervenção característica do governo, que vai ser a intervenção no campo da economia e da população”
(Foucault, 2008: 140).
160
Artigo 331 do Código Penal Brasileiro: “Desacatar funcionário público no exercício da função ou em
razão dela”.

120
Fórum – a existência de uma infiltração no plenário do Tribunal do Júri no qual
aconteceria o julgamento161 – os familiares aproveitaram a oportunidade do encontro
com o defensor para pensar nos próximos passos não só daquele, como de outros
casos. No meio da conversa, o defensor começou a contar um episódio de violência
policial ocorrido no Parque Andrade. Aí pegou um pedaço de papel, onde estavam
anotados um nome e um telefone e entregou na mão de João Luiz, dizendo que
gostaria que ele entrasse em contato com a família de um dos sobreviventes daquela
incursão policial, pois os familiares deste sobrevivente e também os familiares de uma
das vítimas fatais estavam com dificuldades para dar andamento ao caso, que ainda
estava em fase de inquérito policial.

A realização daquele pedido concretizou algo extremamente importante para a


análise que venho desenvolvendo: esses encontros que eu observei durante o trabalho
de campo não podem ser lidos numa chave de mão única do tipo “familiares de um
morador de favela que foi executado por policiais buscando a orientação de um
defensor público que atua no campo dos Direitos Humanos”. O que se configurou ali
naquele dia, de maneira informal, foi um acordo de cooperação entre o defensor e o
irmão da vítima – situação que se desdobra em variações da imbricação “Estado-família”
que exploro neste capítulo162.

161
Os adiamentos de audiências de instrução e julgamento relativos aos casos de homicídio praticados
por agentes de Estado nas favelas do Rio de Janeiro têm sido constantes. Cada adiamento significa um
momento bastante difícil pra toda a militância, mas em especial para os familiares mais diretamente
envolvidos com os respectivos casos. Embora momentos assim tenham preenchido o cotidiano do
trabalho de campo que realizei, não os aciono diretamente enquanto objeto de análise. Para uma
abordagem politicamente comprometida com os coletivos dos familiares de vítimas sobre esses
adiamentos, consultar Vianna (2011).
162
Este capítulo é construído a partir de uma análise preliminar do material aqui explorado, apresentada
na 28ª Reunião Brasileira de Antropologia, no Grupo de Trabalho “Famílias e ações estatais de gestão:
práticas, moralidades e estratégias”, coordenado pelas professoras Adriana Vianna e Maria Gabriela
Lugones. Através das propostas de embaralhar os campos semânticos morais de “família” e de “estado”
e de estourar alocações prévias de “família” enquanto um signo em si de valor moral e de valor afetivo e
de “estado” enquanto a burocracia administrativa, a força ou o poder coercitivo, o GT privilegiou o debate
de trabalhos realizados em contextos de gestões particulares de violências de diferentes ordens. Muitas
das interlocuções ali estabelecidas estão refletidas direta ou indiretamente nesta tese, mas gostaria de
fazer um agradecimento especial à professora Maria Gabriela Lugones, debatedora da sessão na qual
apresentei minha comunicação, pelos comentários e críticas extremamente valiosos para o
desenvolvimento da análise aqui impressa. Agradeço também ao professor John Comerford pela sugestão
certeira para redação da passagem do trabalho de campo apresentada aqui enquanto Cena 5.

121
Entendendo que tal acordo e seus desdobramentos oferecem elementos chave
para pensar diferentes ângulos desta pauta de investigação, elaborei uma divisão de
seções para este capítulo orientada a partir de três perguntas: Que tipo de interlocução
“Estado-família” é essa? Como tal interlocução produz atualizações do exercício do
poder de Estado? Como se configuram as legitimidades “de Estado” e “de família” no
desenho destas atualizações?

3.1 Que tipo de interlocução “Estado-família” é essa?

Em todas as reuniões entre os familiares de Emanuel e este defensor que tive a


oportunidade de acompanhar, foi possível perceber que João Luiz, um dos irmãos de
Emanuel, havia criado um vínculo mais estreito com o defensor, que o colocava em
diferentes momentos das conversas não só como seu interlocutor principal, mas como
uma espécie de parceiro naquela empreitada. Não à toa foi justamente a João Luiz que
Frederico Chagas, durante este encontro no início de 2011, confiou esta tarefa que não
estava ligada ao caso de Emanuel.

Nesta seção do texto dedicada à tarefa de pensar sobre que tipo de interlocução
“Estado-família” é essa, considero importante compreender o quê, nesta situação, é
configurado e lido enquanto “Estado” e enquanto “família”. Embora esta discussão
alimente e atravesse praticamente todo este capítulo, e, portanto, os distintos pólos
continuem recebendo os holofotes que merecem, gostaria de explicitar – realizando
brevemente um exercício de abstração – algo que está dito, mas não com as mesmas
palavras, nas linhas e entrelinhas deste estudo.

Pensando em escalas e variações tanto para “família”, quanto para “Estado”,


seria possível, a partir da Cena 4, condensar numa primeira escala “a família” na figura
de João Luiz e “o Estado” na figura de Frederico. Irmão e defensor cumprem papéis
específicos e interagem se reconhecendo mutuamente enquanto “família” e “Estado”.
Num outro plano, estamos aqui diante de três irmãos que, juntos, representam a família
de Emanuel em uma reunião realizada em uma das salas de um núcleo específico da
Defensoria Pública do Rio de Janeiro – aqui, então, “família” ganha corpo na família de

122
Emanuel e “Estado” aparece como o Núcleo de Direitos Humanos da Defensoria Pública
do Rio de Janeiro (NUDEDH).

Entendendo que a ida desta família de Emanuel ao NUDEDH se dá em um


contexto de criminalização de todo e qualquer morador de favela, não há como não
estabelecer uma conexão direta entre o percurso desta família em sua busca por justiça
com o esforço que marca o cotidiano dos moradores de favelas (as cariocas, pelo menos,
mas nada impede que alarguemos o raciocínio para as demais favelas e periferias de
outras cidades brasileiras) em realizar o que Machado da Silva e Leite (2008) chamam
de “limpeza moral”. Diante deste quadro, a ida da família de Emanuel ao NUDEDH, para
além de instituir a possibilidade do acesso de toda a comunidade do Russo àquele
segmento de Estado (e aqui me refiro à Defensoria Pública Geral, e não só a um de seus
núcleos temáticos), corresponde a um esforço pela descriminalização da própria vítima
já morta que está atrelado a este movimento cotidiano que busca a restituição da
dignidade não só do morto, mas da sua família e, por extensão, da sua comunidade e
das populações faveladas em geral163.

Aqui nesta sequência, teríamos uma espécie de extensão da família de Emanuel


para a comunidade do Russo, entendendo comunidade aqui não a partir da lógica de
“valorização do eufemismo” (Birman, 2008) – como se comunidade fosse um substituto
moralmente mais adequado, possível de ser acionado sem, no entanto, não afrontar o
estigma, como bem ressalta Birman –, mas no que talvez seja um sentido mais
romântico de comunidade, aquele que privilegia a existência de laços estreitos de afeto,
companheirismo e fraternidade entre os moradores; ou seja, aquele sentido de
comunidade empregado pelos próprios moradores de favelas que enfatizam que seu
local de moradia possui uma “densidade afetiva própria” (Birman, 2008: 110).

Os laços de afeto, companheirismo e fraternidade que mencionei anteriormente


são enaltecidos pelos próprios moradores hoje em dia em situações muito específicas
(daí eu assumir o caráter romântico) que só encontram correspondência concreta (ao

163
Esta chave de leitura se alimenta diretamente do enquadramento que Adriana Vianna e eu construímos
para trabalhar esta extensão da criminalização/descriminalização do morto em conexão direta com a
figura da “mãe de vítima” – que, em diferentes situações, aparecem e se expressam enquanto “sujeitos
da díade mãe-filho” (Vianna e Farias, 2011).

123
menos a partir da base empírica com a qual trabalho) em situações passageiras,
expressões ou gírias que indiquem essas relações afetivas entre os moradores de uma
determinada favela com os outros moradores e com a própria localidade onde residem.
Dizer que dá pra confiar em fulano porque fulano é “sangue bom” e mora lá no “morrão”
ou justificar a impossibilidade de corte de uma relação cordial com um morador que
passou a desempenhar alguma função numa “boca de fumo” local porque este morador
“é cria da comunidade” e jogou bola com seu filho são exemplos que poderiam ser
usados para pensar esta dimensão de fratria/fraternidade/irmandade, também
presente na correlação entre “favela” e “comunidade”, e que conectaria num mesmo
campo “família”, “comunidade” e “favela”.

Todo este circuito supõe, na outra ponta, o correspondente do “Estado” nos


respectivos arranjos – o que me obriga a retomar o fio condutor do exercício de
abstração do ponto de onde interrompi a sequência agrupada dos polos “família” e
“Estado” para pensar as possibilidades de extensão da “família de Emanuel” até chegar
na “favela” genérica. Retomo daqui, então, a partir do polo que ficou suspenso, para,
em seguida, recuperar a leitura pela conexão dos polos agrupados.

É importante dizer que o NUDEDH se propõe a desempenhar uma tarefa que,


sob o olhar de muitos profissionais que atuam na Defensoria Pública Geral, corresponde
ao inverso do que seria a missão do defensor público, visto que os integrantes deste
núcleo participam dos processos atuando como assistentes de acusação dos policiais164.
Seguindo a leitura analítica que teria como objetivo esclarecer sobre que “Estado” se
está falando, esta forma de atuação dos profissionais do NUDEDH nos coloca diante de
um órgão do “Estado” cujas subdivisões internas se chocam – o que é exemplar para
pensarmos nas múltiplas agências que compõem essa engrenagem estatal que se supõe

164
Esta espécie de incompatibilidade da atuação dos profissionais do NUDEDH com o conjunto geral dos
defensores da Defensoria do Rio me foi relatada pelo próprio Frederico Rosa e pode ser melhor
compreendida a partir da seguinte explicação: “Essa atuação às vezes é vista como inadequada à função
de defensores públicos, porque os leva a acusar o réu ao invés de defendê-lo. A explicação dos
profissionais deste Núcleo é que, enquanto defensores públicos posicionados contra violações de direitos
fundamentais, é a defesa ao direito à vida o que define sua atuação como assistente de acusação” (Vianna
e Farias, 2011).

124
soberana e rearticula cotidianamente saberes específicos ao se relacionar com suas
“margens” a fim de renovar e perpetuar tal soberania.

Reagrupo, portanto, os polos “família” e “Estado” nesta esfera analítica, puxando


como um bloco a extensão “família de Emanuel”-“comunidade do Russo”-“favela” e o
colocando diante deste “Estado” que – “segmentado e conflituoso”, como nos chama
atenção Souza Lima (2002) – atua em defesa da vida e da dignidade dos moradores de
favela (via os profissionais do NUDEDH) após esta mesma vida ter sido interrompida
através da ação de agentes de outra instância estatal (no caso, a Polícia Militar)165;
agentes que serão denunciados pelo Ministério Público e que poderão acionar para se
defender da acusação pelo crime de homicídio o serviço gratuito oferecido pela mesma
Defensoria Pública na qual está alocado o NUDEDH.

Vale ressaltar que este exercício de abstração também é construído a partir da


compreensão de que as relações estabelecidas entre os familiares de Emanuel e o
NUDEDH evidenciam formas elaboradas pelos próprios familiares de vítimas para
acionarem as especificidades dos diferentes segmentos de Estado: o Estado, na situação
em análise, não é acionado em abstrado, é acionado a partir de suas unidades
administrativas, é acionado via profissionais que atuam nessas unidades, identificados
enquanto aliados. Como analisa Vianna (2013a), ao Estado em sua dimensão totalizante,
como unidade de evocação, como Estado-ideia (Abrams, 2006), se contrapõe à
competência dos familiares em transitarem por entre os diferentes segmentos de
Estado, em dominarem os códigos administrativos que marcam essa dimensão rotineira
e institucional do Estado nos termos trabalhados por Souza Lima (2002).

Para que o esforço pelo agrupamento das correspondências entre os polos


“família” e “Estado” não fique perdido nas sequências e arranjos espalhados pelos
parágrafos anteriores, decidi organizá-los em um quadro que sintetiza o percurso do
exercício de abstração: como parti da relação entre um dos irmãos da vítima Emanuel e
o defensor Frederico Chagas e fui afastando o zoom até parar na dupla “margens” e
“soberania”.

165
Na realização deste exercício de abstração algumas das conexões mais complexas entre diferentes
órgãos governamentais e a gestão das mortes dos moradores de favelas estão de certa forma suspendidas
para não interromper o ritmo da montagem sequencial que preenche esta seção.

125
Margens Soberania
Favela Estado
Morro do Russo / “Comunidade” do Defensoria Pública
Russo
Família de Emanuel NUDEDH
João Luiz Frederico
“Família” “Estado”

Feito isto, retorno agora ao plano “pé no chão”, com pessoas de carne e osso,
suas ações e histórias, para pensar nas atualizações do exercício do poder de estado que
podem ser elaboradas a partir de um dos encontros entre esse “Estado” e essa “família”.

3.2 Como tal interlocução produz atualizações do exercício do poder de Estado?

Após o pedido do defensor, não demorou muito para que João Luiz entrasse em
contato com Carolina, esposa de Adriano, sobrevivente da incursão policial que em
dezembro de 2010 provocou a morte de Roger, um pintor de parede de 39 anos, e
Vicente, que tinha 18 anos e era estudante. Como apresentado na Advertência, tal
incursão foi realizada no Parque Andrade por policiais militares e além das duas vítimas
fatais, deixou feridos outros três moradores.

Adriano tinha 22 anos na época da incursão. Por conta dos disparos que o
atingiram, possui sequelas de locomoção e fala. A partir da demanda do defensor
Frederico Chagas, então, João Luiz marcou com a esposa de Adriano uma visita à casa
deles. Fui convidada por João Luiz para acompanhá-los nesta atividade, que aconteceu
no dia 05 de março de 2011, um sábado de carnaval166.

Cena 5. [Avenida Brasil, por volta das 15h.] Encontro Alexandra, João Luiz,
Mário e Raquel e entramos na Parque Andrade, em direção à casa de Carolina e
Adriano. Somos recebidos na porta da casa pelas filhas de Carolina. Do lado de dentro,
na sala, Adriano nos esperava sentado na cadeira de rodas. Em poucos minutos,

166
Levando em conta que dificilmente tal visita aconteceria neste mesmo dia se tivesse que ser realizada
por uma equipe de profissionais de algum órgão governamental, a divulgação do “detalhe” da data reforça
o que, em uma primeira leitura, pode ser entendido como um caráter “extraoficial” da situação. Este
aspecto é retomado ao final desta seção.

126
Carolina também aparece e a conversa começa muito rapidamente, sem
apresentações, com Alexandra contando que buscou na internet algumas matérias de
jornal sobre o caso, para se inteirar da situação antes de fazer a visita, mas que estava
ali para ouvir a família. Pergunta se eles receberam algum tipo de apoio emocional,
alguma orientação. Carolina conta que estava sendo acompanhada pelo pessoal do
Marcelo Freixo167, que já tinha ido prestar depoimento na Delegacia de Homicídios, na
Barra, onde informaram que seria necessário que Adriano e um primo dele, que
também testemunhou os crimes, fizessem o reconhecimento dos policiais que
atuaram na operação. Em menos de cinco minutos de conversa, se arma o seguinte
diálogo:

Alexandra: Você tem algum documento? Porque vocês foram na delegacia


e formalizaram uma denúncia, não é isso?

Carolina: Tenho a cópia do...

João Luiz: Do RO? Do BO?

Carolina: Isso, do RO.

Alexandra: Ah, eu queria, pra anotar o número.

Carolina [para uma das filhas]: Pega a pasta que tem aí com os documentos
dele.

João Luiz: Traz os documentos todos que você tem aí, que até hoje vocês
oficialmente fizeram.

Carolina: A gente tá sempre em cima, junto do pessoal do Marcelo,


perguntando...

Raquel: Mas se vocês também não reconhecerem [os policiais] não adianta,
não tem como...

Alexandra: Muita calma nessa hora. Ela tem o número registro de


ocorrência, fez a queixa. A gente precisa agora saber em que pé tá essa
queixa.

Raquel: Não tá em pé nenhum, porque não pode ter virado nada sem o
reconhecimento.

167
Carolina aqui se refere aos integrantes da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da
Alerj.

127
Alexandra: Beleza, mas agora a gente precisa saber como eles vão fazer
esse reconhecimento sem expor as pessoas. Isso a gente tem que bater em
cima. Vamos procurar saber como a gente vai fazer esse reconhecimento e
continuar efetivando essas denúncias sem expor as pessoas.

Carolina: Ele [o policial da Delegacia de Homicídios] até falou que o doutor


Frederico poderia ir junto com a gente. Mas tá sendo muito difícil falar com
ele.

Raquel: Frederico Chagas? A gente faz uma comissão e vamos juntos.

João Luiz: quinta-feira agora a gente vai estar com ele lá na Defensoria
Pública. Se você tivesse com um tempinho e se pudesse ir lá com a gente
seria até uma, às duas horas da tarde, entendeu, a gente lá faria esse
debate com ele, pra você formalizar, oficializar essa denúncia, entendeu.

Depois os integrantes da Rede tranquilizam Carolina, dizendo q a Delegacia de


Homicídios da Barra é diferente, investiga quieta, é mais séria – impressão que a
esposa do sobrevivente confirma com a informação de que o policial responsável pela
investigação foi buscá-la em casa para ir à Barra prestar seu depoimento e depois a
deixou no hospital onde Adriano realizava um atendimento. Ainda se discute mais um
tempo sobre a questão do reconhecimento dos policiais, se seria possível acessar as
placas das viaturas utilizadas e/ou os registros dos GPS das mesmas, para que a autoria
do crime fosse definida e os policiais pudessem, então, ser indiciados. Passado todo
este momento bastante importante da conversa, Mário, que até então estava mais
calado, inicia a apresentação do grupo:

Mário: Quem indicou a gente pra vir aqui foi até o Dr. Frederico Chagas...

João Luiz: ... foi o Dr. Frederico Chagas que pediu pra gente dar um apoio
pra vocês...

Mário: ...porque o caso de vocês tava parado...

João Luiz: ...nós somos parentes também, de vítima, né, tivemos um irmão
assassinado também...

Mário: ....e a gente sempre se mobiliza, porque a Rede trabalha assim, a


gente se mobiliza, todo mundo, porque somos a Rede contra Violência,
Rede de Comunidades contra Violência...

128
A apresentação é interrompida por um telefonema para Carolina. Era Pricila, viúva de
uma das vítimas da mesma operação policial – que, ao informar que poderia ir ao
nosso encontro, já recebeu de Carolina a orientação para levar toda a documentação
que possuísse sobre o caso. Os integrantes da Rede começam a olhar a documentação
sobre Adriano reunida na pasta e a conversa vai se desenrolando ora sobre o que
estava registrado na papelada, ora sobre o trabalho de Carolina e as alterações
inevitáveis no cotidiano do casal após a operação policial. Nesta altura da conversa
João Luiz avisa que ele estava realizando uma gravação em áudio para que eu
produzisse um relato do caso pro site da Rede e pergunta pra Carolina se ele teria a
permissão dela para fotografar as lesões de Adriano. Carolina não só autoriza como
pergunta se temos o e-mail do Frederico Chagas para enviar as fotos pra ele, porque
ela tinha ficado de enviar mas não anotou o e-mail. Alexandra pede uma foto de
Adriano antes de ser atingido, diz que é pra incluir no relatório, com uma foto dele
agora: pra fazer um antes e depois. Carolina diz que, no computador, guarda fotos dele
no hospital, aí Alexandra passa o e-mail dela, para Carolina enviar as fotos depois.
Perguntam se ela já entregou essas fotos tiradas no hospital pro Frederico Chagas e
ela diz que sim. João Luiz começa, então, a fazer os seus registros. As fotos são feitas
com câmera digital, levada pelo próprio João Luiz, que nos solicita: façam algumas
perguntas pra ele porque eu vou tentar fazer um framezinho pequeneninho assim, de
como ele está conseguindo falar hoje. Nessa hora, a partir das perguntas – a maioria
delas feitas por Lu – é reconstruído mais uma vez o momento dos disparos: Você viu
mais alguém sendo baleado nesse dia? Perguntou João Luiz. Aí Adriano diz que viu o
primo sendo baleado e que o primo foi baleado antes dele. Neste momento, João Luiz
aproveita pra fazer um resumo do caso – via depoimentos gravados, em registro
áudiovisual. Depois prossegue com os registros fotográficos. Na conversa, Carolina diz
que o caso havia sido mencionado em um programa de televisão (da Record) e os
integrantes da Rede anotam, para procurar depois o programa e inserir no relatório.
Carolina diz q salvou um arquivo do G1. Raquel lê toda a notícia em voz alta e vai
fazendo intervenções, com suas opiniões sobre o caso, durante a leitura. Após cerca
de uma hora, Pricila chega à casa de Carolina. Logo após se apresentar, diz que é muito
difícil ir até lá, porque a cada vez que vai ao Parque Andrade, ela tem que reviver tudo
de novo. A contrapartida da apresentação desta vez fica a cargo de Alexandra: Nós

129
também estamos no mesmo barco. Eu sei que é doído, mas se a gente não começar a
unir forças sabe lá Deus de onde, tentar correr atrás, a gente não consegue... A
integrante da Rede, então, resume como atua o coletivo e relembra à Patrícia o
propósito daquela visita, que já tinha sido explicado por telefone. O mesmo
procedimento em relação à documentação é realizado: João Luiz pede à Patrícia para
ver o laudo cadavérico, a certidão de óbito e o BAM – Boletim de Atendimento
Médico. Pricila não encontra o laudo, mas diz que tem, que já viu. Alexandra explica
que se ela não achar, ela pode pedir no IML, porque ela como esposa, tem o direito. O
convite para ir ao encontro do Dr. Frederico na quinta-feira também é feito à Pricila.
Pricila tinha muitas dúvidas sobre os compromissos dela caso o processo judicial fosse
iniciado. Diz que como esposa do falecido, quer justiça, quer que o caso vá pra frente,
mas não quer botar a cara. Fala-se muito, a partir de então, sobre aspectos positivos
da atuação junto ao movimento social, especialmente junto a outros familiares. No
adiantado da conversa, foram relembrados outros casos de pessoas que foram
assassinadas durante incursões policiais naquela mesma favela e são refeitos os
cálculos relacionados à possibilidade de testemunhas mais próximas prestarem seu
depoimento. Carolina e Pricila expressam, então, a demanda para que algum dos
integrantes da Rede pudesse intervir em relação a uma testemunha muito importante
que estava com receio de contar o que viu. Fica decidido que um dos familiares de
Emanuel tentaria, portanto, conversar com essa testemunha para explicar sobre a
importância do depoimento. Alexandra, Mário e Raquel saem na companhia de
Carolina para procurar alguma lan house que estivesse aberta onde as cópias dos
documentos pudessem ser feitas. João Luiz e eu esperamos na casa, com Adriano e
Patrícia, até que os outros retornassem, para irmos juntos embora168.

168
O relato desta cena foi produzido a partir das anotações no meu caderno de campo, mas tive o
privilégio de poder utilizar também o registro em áudio realizado por João Luiz, como mencionado na
introdução desta tese. Tal gravação, bem como os registros fotográficos e audiovisuais feitos durante
aquela visita me foram entregues pelos familiares de Emanuel na semana seguinte – dádivas do trabalho
de campo, em relação às quais todo tipo de gratidão e retribuição sempre me parece insuficiente.
Também considero importante dizer que muitas passagens da conversa que não foram incorporadas à
cena são acionadas ao longo do capítulo, na medida que a discussão assim demanda.

130
Destacando, de início, algo evidente: trata-se de um trabalho de equipe, cujas
competências169 de cada integrante se complementam na medida em que variam em
relação aos graus de objetividade, expertise e eloquência de cada um. As maneiras de
cuidar do caso e daqueles que de alguma forma estão a ele relacionados também são
diferentes e, por esse mesmo motivo, juntas proporcionam um bom “resultado” – termo
que pode remeter a um campo semântico do universo empresarial e que aqui é
empregado justamente para demarcar as ações daqueles familiares de vítimas
enquanto equipe formada por um grupo de pessoas que acumularam saberes
específicos para agir em determinadas situações e que estavam ali aquele dia a pedido
de um profissional do campo jurídico cuja atuação se dá em um órgão governamental,
logo, um agente de Estado.

Esse enquadramento da visita é determinante para a análise que desenvolvo,


especialmente porque tive mais oportunidades para acompanhar integrantes da Rede
realizando visitas daquele mesmo tipo a partir de demandas de outros moradores de
favelas ou a partir de demandas políticas internas do coletivo, do que a partir da
demanda de um agente de Estado. A afirmação que faço agora ficará mais
compreensível ao final desta seção, mas considero pertinente registrar desde já que não
é meu objetivo realizar uma crítica desta visita, e sim destrinchá-la enquanto situação

169
O termo “competência” é acionado aqui no sentido proposto por Boltanski (2000) ao analisar a
construção de denúncias públicas a partir de um conjunto de 275 cartas enviadas ao periódico Le Monde
nos anos de 1979, 1980 e 1981 – investigação pautada pelo objetivo de “construir um sistema de regras
que permitam determinar em que casos a atitude que consiste em protestar e dar voz publicamente tem
possibilidades de ser reconhecida como válida, ainda que seja combatida, e em que casos a ignora ou
desqualifica” (Boltanski, 2000: 243). Vale registrar que, reconhecendo as diferenças de background
teórico-metodológico existentes entre esta tese e trabalhos produzidos a partir de perspectivas
características de uma “sociologia pragmatista” ou de uma “sociologia das operações críticas”, considero
as influências decorrentes desse campo de estudo enriquecedoras para a presente análise no que diz
respeito a fragmentos do material empírico nos quais as ações dos familiares de vítimas podem ser
compreendidas nesse horizonte de construção de uma denúncia pública. O percurso destes familiares
exige uma certa aceleração no desenvolvimento de competências específicas tanto para a atualização dos
repertórios de ação e mobilização – que correspondem ao que Boltanski (2000) chama de “fabricação do
político”, quanto para intervenções públicas de tipos variados. A visita trazida na cena 5, embora ocorra
numa residência – ambiente, a priori, da ordem do “privado” – está alocada em um contexto de
consolidação de movimentações políticas sequenciais e abrangentes que interferem diretamente na
“elaboração de problemas públicos” nos termos propostos por Freire (2005; 2007; 2008; 2010). Ainda
sobre a utilização do termo “competência”, registro, por fim, que a conexão entre a descrição analítica
desenvolvida nesta seção e uma perspectiva que valoriza os posicionamentos críticos dos atores sociais
também se dá em função do questionamento de Boltanski sobre o “corte epistemológico entre
competência científica e competência comum” (Dosse, 2003).

131
em análise por acreditar que em sua especificidade habita um potencial de expansão
para um ângulo importante da gestão governamental das mortes dos moradores de
favelas.

Dito isto, retornemos às competências dos familiares e demais fatores


determinantes para os rumos da visita: listei anteriormente os elementos que variam;
indico então que há também o invariável. Um componente da lista que não varia é o
comprometimento político de cada familiar de vítima integrante desta Rede no
momento em que realiza esse tipo de visita. Entendo que a combinação entre o laço de
sangue com uma vítima fatal de violência institucional e esse comprometimento político
com a causa configura uma determinada inscrição social que autoriza esses familiares a
agirem livre e confortavelmente em relação a outros casos com os quais se deparam ao
longo da sua caminhada. Não há entraves, por exemplo, para se solicitar os documentos
antes de se apresentar. A própria apresentação, aliás, quando acontece, deixa ainda
mais evidente que mesmo tendo se encontrado pela primeira vez aquele dia, aqueles
familiares não precisam se conhecer – eles apenas se reconhecem170.

As perguntas feitas sobre o caso e sobre como está sendo a nova rotina171 das
famílias de Carolina ou de Pricila trazem informações adicionais, se for levado em conta
que o fator central da transformação das rotinas é o mesmo em todos os casos: um
episódio de violência institucional que provocou a morte de um membro da família (ou
quase provocou, como na situação de Adriano). Durante a conversa, as semelhanças e
diferenças de um caso pro outro são escutadas, comentadas e assim vai se
concretizando a costura política daquele encontro: entre as trocas de relatos de dor e

170
Este aspecto da apresentação é discutido na seção seguinte.
171
Utilizo o termo “rotina” no sentido trabalhado por Machado da Silva e Leite (2008) ao refletirem sobre
possibilidades de contrução de uma “ordem rotineira estável” em contextos marcados por ações violentas
de traficantes e também de agentes do Estado, como no caso das favelas do Rio de Janeiro. Os autores
acionam elementos dos debates acerca da “modernização reflexiva” das sociedades contemporâneas,
como a noção de “risco calculado” (Beck, 1997) e o conceito de “segurança ontológica” (Giddens, 1991;
2003) – com a devida ressalva para o fato de que “não se pode presumir a confiança dos moradores de
favelas nas instituições estatais encarregadas da proteção aos cidadãos” – para a elaboração de um
quadro interpretativo capaz de explicar como é possível “continuar”, como é possível “prosseguir” face a
situações extraordinárias, ou, como os moradores de favelas conseguem “ajustar suas condutas às
situações de violência, perigo e insegurança” (2008: 76). De acordo com esta linha analítica, o conjunto
de aparelhos de controle social, “depositários da capacidade de impor regras generalizadas de conduta”,
não são capazes de prover “garantias externas” a esse conjunto de cidadãos, os quais encontram,
portanto, em sua própria experiência prática, as respostas para a administração de suas rotinas (Machado
da Silva e Leite, 2008: 75).

132
sofrimento, os familiares que já passaram por aquela experiência há mais tempo
indicam as melhores estratégias para driblar burocracias, atrasos, ameaças,
preconceitos e demais obstáculos que marcam o caminho a ser percorrido pelo caso e
pelos familiares a ele conectados.

Trata-se de um encontro no qual é possível compartilhar “os extremos do próprio


perigo” (Vianna, 2013a) e fazer cálculos juntos, planejar os próximos passos, sempre
mantendo a preocupação com a exposição: Vamos procurar saber como a gente vai
fazer esse reconhecimento e continuar efetivando essas denúncias sem expor as pessoas.
Os debates sobre como deveria ser realizado o reconhecimento dos policiais foram
longos naquela tarde, mas independente da divergência de opiniões dos visitantes sobre
o formato ideal para tal procedimento, a tarefa era encarada na primeira pessoa do
plural, como no comentário de Alexandra destacado acima e em outros que surgiram
no mesmo trecho da conversa.

E assim como o reconhecimento dos policiais envolvidos na operação na Parque


Andrade é transformada em um compromisso de todos os familiares presentes naquele
encontro, também o é a organização da documentação do caso para ser entregue ao
defensor. Os integrantes da Rede não ensinam a Carolina ou Patrícia o que elas deveriam
fazer e vão embora: discutem ali, enquanto organizam juntos a papelada, sentados ao
lado delas. Mesmo durante a realização dos registros audiovisuais, que João Luiz poderia
optar por desempenhar isoladamente, o mesmo solicita ajuda dos demais presentes,
dando continuidade à execução coletiva das tarefas mais objetivas que caracterizaram
a visita.

O desempenho do trabalho em equipe é marcado pela variedade de campos de


saber acionados: domina-se modo de funcionamento de delegacia especializada,
tecnologia de GPS, enquadramento de vídeo e fotografia, dialetos policial e jurídico,
artigos do Código de Processo Penal, técnicas de perícia forense, procedimentos
hospitalares, calibres de armas de fogo. Múltiplos saberes acumulados ao longo do
tempo, especialmente um tempo cujo marco inicial data do dia da morte de um parente
próximo – e essa especificidade diz respeito à forma de conduzir tarefas que

133
praticamente qualquer pessoa poderia desempenhar; diz respeito à marca impressa
pelos familiares ao executarem tais tarefas.

Em diferentes momentos da visita foi mencionado um relatório, no qual as


informações acerca do caso da Parque Andrade seriam reunidas. Para além da
documentação, o material produzido naquela tarde para ser utilizado na produção do
relatório era composto basicamente pelos registros realizados por João Luiz: fotografias,
vídeo e gravação do áudio da conversa. Esse tipo de material poderia ser produzido e
organizado por uma equipe do NUDEDH, uma equipe da Comissão de Defesa dos
Direitos Humanos e Cidadania da Alerj, uma equipe de profissionais que atuem em uma
organização não-governamental de Direitos Humanos, ou uma equipe de pesquisadores
que estivesse fazendo um trabalho acadêmico, como era o meu caso, na época da visita.

No entanto, poder desempenhar uma mesma tarefa não significa desempenhar


aquela tarefa da mesma forma: nenhuma dessas outras equipes hipotéticas combinaria
com aquela naturalidade todas as preocupações e cuidados com o tom objetivo
necessário aos encaminhamentos previstos; nem poderia falar tão de igual pra igual com
aquelas famílias; nem ficaria tão à vontade durante aquela visita, pois não se sentiria
tão “em casa”. Afinal, não se trata apenas de ter ou não ter experiência com esse tipo
de situação, não se trata apenas de dominar ou não dominar os procedimentos
necessários ao bom encaminhamento do caso, mas sim de estar em uma situação como
esta sendo ou não familiar de uma vítima de violência institucional.

Foi sabendo das potencialidades desta condição que Frederico Chagas solicitou
aos familiares de Emanuel que realizassem aquela visita. Entretanto, faria mais sentido
se o pedido tivesse relação com um caso que estivesse totalmente parado, com os
familiares das vítimas desestimulados, como já ocorrera em outras visitas realizadas por
integrantes da Rede contra Violência. Neste caso em especial da Parque Andrade, é
preciso ressaltar que definitivamente não se tratava de um caso antigo que estivesse
parado, nem muito menos de um caso cujos familiares das vítimas precisassem de
orientação.

Desde essa primeira conversa com Carolina, no dia da visita, não havia como
negar que, para além de se tratar de uma mulher extremamente ágil e atenta em relação

134
às movimentações do inquérito policial, não era uma familiar de vítima que se
encontrava totalmente desamparada, se considerarmos o horizonte mais comum de
possibilidades de acionamento quando um episódio de violência institucional como esse
ocorre: Carolina estava em contato com a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e
Cidadania da Alerj, possuindo números de telefone celular de mais de um integrante da
Comissão, sendo um deles advogado (portanto, apto inclusive para o acompanhamento
à delegacia, quando fosse necessário); sabia, através de informações do policial civil
responsável pela investigação do caso na Delegacia de Homicídios que a Comissão da
Alerj estava pressionando para que o caso fosse investigado com destreza; e contava
também com uma assessoria jurídica de um advogado do seu local de trabalho, porque
– o que é na verdade raríssimo de ocorrer em situações desse tipo – também contou,
na fase inicial do inquérito, com o apoio do seu patrão para realizar as atividades
necessárias ao encaminhamento do caso172.

Ressalva 1

Gostaria de destacar que, para além daquela interlocução com os familiares de


Emanuel – que à época da visita se dava há mais de um ano –, lembro que a relação
desse defensor com boa parte desses “familiares de vítimas” se inicia no mesmo
momento da organização da Rede de Comunidades e Movimentos contra Violência.

Como apresentado na introdução desta tese, o caso do Borel marca uma


determinada rearticulação de forças políticas que se posicionavam contra a violência de
Estado no Rio de Janeiro, em especial aquela que tinha como alvo as favelas, e é neste
contexto que surge o Movimento Posso me identificar? e posteriormente a Rede de

172
Em diferentes casos acompanhados ao longo desta pesquisa, os familiares que passaram a se dedicar
ao acompanhamento mais próximo dos casos, por conta da intensidade da agenda que se impõe nessas
situações, foram demitidos de seus empregos, acabaram pedindo demissão ou passaram a trabalhar em
expedientes menores, dependendo do tipo de ofício que exercem/exerciam. Um fator também
determinante para essas transformações nas rotinas de trabalho dos familiares é seu estado psíquico,
visto que muitos vivenciam as etapas iniciais do luto em depressão ou com dificuldades outras para seguir
com sua rotina. Para uma leitura das variadas composições dos relatos sobre dores, doenças e ônus
domésticos nesses contextos, ver Vianna (2011; 2012). Recentemente foi divulgado um registro em vídeo,
intitulado “Mães – Efeitos psicológicos da violência policial nas famílias”, realizado por Clara Ianni junto
às mães das vítimas dos “Crimes de Maio de 2006” (São Roger), e está disponível no youtube, através do
link http://www.youtube.com/watch?v=BJfHNadtHPA&feature=em-uploademail.

135
Comunidades e Movimentos contra Violência – e o caso do Borel foi justamente o
primeiro caso trabalhado no NUDEDH, sob os cuidados do defensor Frederico Chagas.
Desde então, esse defensor acompanhou diversos casos encaminhados ao NUDEDH
através da Rede e teve muitas oportunidades para conhecer de perto o tipo de trabalho
realizado pelos seus militantes. Por esse motivo, ao endereçar o pedido que
desencadeou a visita relatada na Cena 5 àqueles familiares, Frederico Chagas já sabia o
que esperar do futuro encontro, sabia que potencialidades habitavam aquele grupo
reunido em volta de sua mesa de trabalho.

No dia da visita, enquanto uma parte do grupo saiu com Carolina para tirar xerox
dos documentos, Patrícia – que ainda não estava presente no momento em que Mário
apresentou o grupo e o trabalho da Rede – recebeu a seguinte informação de João Luiz:
“Dr. Frederico Chagas pediu pra gente dar esse empurrão, pra tentar ajudar”. Uma vez
que aquele caso já estava estruturado enquanto um caso, uma vez que todas as
instâncias competentes já haviam sido acionadas, como destaquei anteriormente, não
era o caso em si que precisava de um “empurrão”. O que precisava ser movimentado,
então, não era exatamente o caso e o movimento que enxerguei assemelha-se mais à
força de puxar ou de atrair, do que de empurrar: a família de Emanuel agiu como um
imã, que enquanto mais perto do NUDEDH, trazia as famílias da Parque Andrade nesta
direção e, enquanto mais perto da Parque Andrade, deslocava o NUDEDH para lá.

Tal movimento, numa escala, permitiu que o defensor se aproximasse do caso


da Parque Andrade e dos familiares a ele conectados; em outra escala, atribuiu-se
elasticidade ao NUDEDH, que se estendeu até a favela da Parque Andrade, através de
uma imbricação deste núcleo governamental com os familiares de Emanuel, que se
configura equanto uma imbricação “Estado-família”. A força do campo magnético que
propiciou esse tipo de aproximação de ambos os pólos – “Estado”, enquanto NUDEDH
e “família”, enquanto “famílias da Parque Andrade” – decorre da possibilidade de a
família de Emanuel, naquela situação, se apropriar da autorização conferida pelo
defensor, de falar em seu nome, de falar em nome do Estado. A imbricação “Estado-
família” é, portanto, um arranjo que rapidamente pode ser feito e desfeito, dependendo
sempre da situação, mas um arranjo que, uma vez aceito pela família, configura uma
imbricação muito podeChagas, visto que acumula potencialidades de “família” e de

136
“Estado”, se movendo em mão-dupla e provocando movimentações de outros sujeitos
e composições coletivas também em mão-dupla, demarcando o movimento das
“margens” indicado por Das e Poole (2004): se movendo tanto dentro quanto fora do
Estado173.

Seguindo sugestão de Maria Gabriela Lugones para “tentar captar a


profundidade corporal e afetiva que tem essa intersecção entre agentes estatais e
sujeitos em configurações familiares” (Lugones, 2012b), me inspiro aqui na ideia de
copresença, no sentido proposto por Lugones (2012a), ao trabalhar a “densidade das
dinâmicas” que observou nos Juizados Prevencionais de Menores, na cidade de Córdoba
(Argentina). Com foco nos exercícios de poder administrativo-judicial circunscritos a
esses juizados, Lugones argumenta que as dinâmicas observadas são marcadas por
“fricções [que] produzem constantes reacomodações nas correlações de forças”
(2012a)174.

Esta linha interpretativa desenhada por Lugones, sugere que estamos diante de
diferentes possibilidades de leitura sobre a interseção, priorizando, no entanto, uma
ideia retorcida a partir da quebra do verbo interceder – inter+ceder – visto que assim
compreendemos dinâmicas nas quais autoridades estão sendo cedidas: o Estado, de
uma certa forma, para poder estender seu domínio, cede uma parte da sua intervenção
e as famílias cedem uma parte da sua autoridade para também poderem acessar
mobilidades sócio-políticas (Lugones, 2012b). Trata-se, portanto, de reconhecer que o

173
Inspirado pela leitura dos artigos que compõem a coletânea Anthropology in the Margins of the State
(2004), Talal Asad (2004) formulou uma questão bastante provocativa: quando a relação entre o estado
e a população governada é compreendida como uma maneira através da qual o estado incorpora
soberania independentemente da sua população, ele passa a estar autorizado a manter certos espaços e
populações como margens através das suas práticas administrativas. Inversamente, uma compreensão
do estado como aquele para o qual tal poder é delegado, em vez de alienado dos seus sujeitos, permitiria
a esse mesmo estado ser visto como margem do corpo cidadão. A recepção da provocação por Das e
Poole aparece como conclusão do capítulo da coletânea que elas assinam juntas: o ponto de Asad é
apresentado como aquele que evidencia que é a forma de pensar soberania que pode mudar a posição
relativa do centro e da periferia; “as margens se movem, então, tanto dentro quanto fora do Estado” –
movimento que, segundo as autoras, é o que faz das margens tão centrais para a compreensão do estado
(Das e Poole, 2004: 30).
174
Em sua reflexão, Lugones (2012a) ressalta que a densidade à qual se refere tanto se expressa enquanto
copresença de profissionais que atuam nos Juizados e aqueles que estão ali na condição de
“administrados” (aqueles a quem são direcionadas “técnicas de menorização”, que, seguindo o
argumento da autora, “menorizam — ainda que parcialmente — também maiores de idade na sua
condição de responsáveis civis por um menor”); quanto deve ser compreendida como “densidade
emocional, inseparável do tipo de situações que são geridas”.

137
Estado precisa das famílias para fazer sua gestão: a Defensoria pública, na situação em
análise, precisa dos familiares de Emanuel para governar o que está desmadrado, nos
termos de Lugones. Se diz desmadrado de uma cria que é, por algum motivo qualquer,
separada de sua mãe; mas também se diz desmadrado de um rio que perde seu curso –
definições que abrem pistas para compreender o movimento que essas famílias realizam
por dentro da engrenagem estatal, agindo junto a um órgão específico diante de uma
situação que, na ausência daqueles familiares, estaria desmadrada, estaria
desgovernada, como sugere Lugones (2012b).

Ressalva 2

Outra ressalva se faz necessária. Gostaria de chamar atenção para o fato de


integrantes da Rede contra Violência realizarem esse tipo de visita relatado na Cena 5
como parte de suas ações prioritárias (especialmente a partir do segundo ano de
atuação do coletivo), tendo organizado inclusive duas de suas comissões internas para
atuarem nestas situações: a Comissão de Apoio aos Familiares e a Comissão Jurídica,
que trabalhavam (enquanto organizadas sob tais rubricas) sempre em conjunto. Não
questiono a legitimidade desta ação enquanto estratégia política do coletivo. E o
caminho percorrido após a realização dessas visitas também tinha como um dos seus
destinos o NUDEDH e, especialmente, a sala do Frederico Chagas, visto que por muito
tempo foi ele quem atendeu esse tipo de demanda naquele Núcleo da Defensoria.

Um dos motivos que me levaram a iniciar a presente ressalva está ligado, então,
ao fato de que a atuação do movimento social não só foi compreendida como eficaz,
como foi acionada por um dos profissionais que atuava neste órgão governamental
específico – e cujo comprometimento com os casos e a causa daqueles familiares
sempre foi reconhecido e divulgado no interior do campo da própria militância. Enfim,
considero importante dizer que não elaboro, através da presente reflexão, uma crítica
sobre a atuação do defensor nesta situação, muito menos sobre a atuação dos
integrantes da Rede. Estou lendo a situação, que é o que me cabe neste momento,
enquanto uma pesquisadora pautada pela proposta de investigar ações desse Estado
“encravado em práticas, linguagens e lugares” considerados às margens do Estado

138
nacional – perspectiva já apresentada e discutida em outros trechos desta tese, que
marca uma antropologia realizada “nas margens do Estado” (Das e Poole, 2004).

A decisão de dedicar parte da atenção a esta situação específica (e a partir daqui


chegamos ao segundo motivo da ressalva) é pautada pelo entendimento de que a gestão
dessas mortes dos moradores de favelas não se faz apenas por dentro das polícias Civil
e Militar ou demais segmentos governamentais centralizados sob o guarda-chuva da
Secretaria de Estado de Segurança – tal gestão se faz através do trabalho cotidiano de
profissionais alocados nos mais variados órgãos e instâncias de Estado, incluindo nessa
vasta lista não só a Defensoria Pública, como também o Ministério Público. Retomando
algo já registrado anteriormente para dar prosseguimento à reflexão, lembro que um
defensor público alocado no NUDEDH, atua como assistente de acusação do promotor
do caso – fazendo uso de suas competências profissionais para defender o direito à vida
diante daqueles que o teriam violado.

Gostaria, então, de usar um espaço deste estudo para fazer uma breve reflexão
sobre uma situação específica desta atuação conjunta do Ministério Público com a
Defensoria Pública (nas suas versões de assistência de acusação e de defesa): o
momento do julgamento de um policial militar que está sendo acusado pelo homicídio
de um morador de favela. Considero importante destacar que, se por um lado o
julgamento pode corresponder a vitórias parciais para a luta desses familiares de
vítimas, por outro pode significar frustrações implacáveis – não só porque o acusado
pode ser absolvido, mas também – e principalmente – porque não é inerente à
condenação a certeza de que “a justiça foi feita”.

Lembro aqui de duas situações. Um episódio que presenciei durante o trabalho


de campo, no qual após o resultado da sentença (condenatória), a mãe da vítima ficou
indignada. Na leitura da situação realizada por Vianna (2013b), a pena imposta ao
policial correspondeu a um “presente envenenado” do Estado àquela mãe: “Oito anos?
É isso que ele pega por tirar a vida do meu filho? Oito anos? Presa estou eu, que vou ficar
a vida toda sem meu filho, presa estou eu!” (Vianna, 2013b). A interpretação da autora,
construída a partir dos ensinamentos de Mauss (2003), considera uma dimensão de
“envenenado” enquanto “insuficiente na proporção da dor incalculável” e outra

139
dimensão, relativa ao “congelamento que revelava desse sujeito moral e do sofrimento
que se construiu sempre na perspectiva da luta que cessará com a última sentença”
(Vianna, 2013b)175.

A outra lembrança que aciono para argumentar que nem sempre a condenação
corresponde à certeza de que “a justiça foi feita” é uma passagem do vídeo Mães –
Efeitos psicológicos da violência policial nas famílias176, na qual a mãe de uma das
vítimas fatais dos Crimes de Maio fala dessa ausência de conexão direta entre o que
pode ser uma retratação do Estado e a pena a ser cumprida pelo policial condenado,
diante da irreversibilidade da morte do filho:

“Não é ninguém na cadeia, é que o Estado reconheça o erro. A cadeia


não ajuda ninguém. Que eles reconheçam... a retratação do Estado.
Porque meu filho não vai voltar. Eu vou falar um absurdo aqui: se eles
não mataram meu filho, me coloquem ele na minha frente, me tragam
ele de volta.”

Ao acionar essas duas lembranças, dou continuidade à linha de raciocínio que


me levou a dedicar esse espaço à ressalva (ainda) em desenvolvimento: a condenação
de um policial que efetuou um disparo que atingiu e matou um morador de favela não
é garantia de "missão cumprida" ou de que a "justiça foi feita", num plano mais
localizado do caso, nem é sinônimo do fim do extermínio da juventude negra, num plano
mais geral da causa. Os mortos já estão mortos, não voltam mais. A condenação de um
policial possui múltiplos significados e portanto, múltiplas possibilidades de
interpretação, mas na análise que aqui desenvolvo, privilegio a leitura desta condenação
como mais um elemento da gestão dessas mortes, afinal, o julgamento individual e a
condenação – também individual – desse policial é um tipo de resposta viável para o
Estado diante de um episódio de violência institucional desse porte. O Estado é obrigado
a responder – e responde (ainda que de forma insatisfatória e ainda que não responda
para todos que merecem alguma resposta) – pelas violações cometidas por seus agentes

175
Na continuidade da reflexão, Vianna (2013b) ressalta um ponto fundamental para a linha
argumentativa que sigo na segunda pare desta ressalva: “parece-me significativa a imagem da pessoa que
ficará presa toda a vida, mesmo que sem sentença legal. Presa à dor, presa à dissolução de si vinda com
a morte do filho, mas presa também a esse novo desaparecimento: o da figura que se constrói subjetiva,
moral e politicamente na busca pela justiça.”
176
Ver nota 17.

140
no âmbito do funcionamento da própria engrenagem estatal. Ou, dito de forma mais
direta e coloquial, o Estado não pode matar pessoas e “deixar por isso mesmo”.

Estamos em 2013, o estado do Rio de Janeiro é uma unidade federativa do Brasil,


que é uma República Federativa Presidencialista que possui uma Constituição (na qual
se assegura a “inviolabilidade do direito à vida”177). O Brasil é Estado-Membro da
Organização dos Estados Americanos (OEA), estando portando submetido a julgamento
no âmbito do Sistema Interamericano de Proteção dos Direitos Humanos pelas violações
que por ventura cometer178; é também País-Membro (e fundador) da Organização das
Nações Unidas (ONU), tendo ratificado em 1951 a Convenção para a Prevenção e a
Repressão do Crime de Genocídio179, e tendo, ainda, iniciado em novembro de 2012, um
mandato de três anos no Conselho de Direitos Humanos da ONU180. Enfim, o elemento
que gostaria de trazer à discussão a partir desta conhecida lista de circunscrições
políticas é a existência de uma lista tão ou mais longa de sanções e punições.

Retornemos, então, à esfera local e particularizante do tribunal competente para


julgar os crimes dolosos contra a vida em todas as unidades ferativas do território
nacional – o Tribunal do Júri181. No Rio de Janeiro, atualmente localizado no 9º andar da

177
Art. 5º da Constituição da República Federativa do Brasil: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção
de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade
do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”.
178
Em abril de 1948, a OEA aprovou a Declaração Americana de Direitos e Deveres do Homem, em Bogotá,
Colômbia – considerado pelos organismos internacionais de Direitos Humanos como o primeiro
documento internacional de Direitos Humanos de caráter geral. A Comissão Interamericana de Direitos
Humanos (CIDH) foi criada em 1959, reunindo-se pela primeira vez em 1960, configurando um dos órgãos
do Sistema Interamericano responsáveis pela promoção e pela proteção dos direitos humanos. Para uma
análise dos dos dez anos da adesão do Brasil à Convenção Americana, ver Viegas (2004).
179
Disponível para consulta através do link <http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Sistema-
Global.-Declara%C3%A7%C3%B5es-e-Tratados-Internacionais-de-Prote%C3%A7%C3%A3o/convencao-
para-a-prevencao-e-a-repressao-do-crime-de-genocidio-1948.html>.
180
O Conselho de Direitos Humanos da ONU substitui a Comissão de Direitos Humanos, configurada neste
formato desde 1946. Para uma análise do campo político interno da ONU e dos fatores determinantes
para a criação do Conselho de Direitos Humanos, consultar Viegas (2011). Para uma abordagem objetiva
sobre os seis primeiros anos de atuação deste Conselho, consultar Viegas (2013). A divulgação da notícia
do novo mandato do Brasil no Conselho em questão está disponível no site brasileiro da ONU, através do
link <http://www.onu.org.br/brasil-volta-a-fazer-parte-do-conselho-de-direitos-humanos-da-onu/>.

181
O Tribunal do Júri é reconhecido constitucionalmente através do Artigo 5º, Inciso XXXVIII – “é
reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der a lei, assegurados: a) a plenitude de
defesa; b) o sigilo das votações; c) a soberania dos veredictos; d) a competência para o julgamento dos
crimes dolosos contra a vida.”

141
denominada Lâmina Central do Tribunal de Justiça, é nos plenários desses tribunais, cuja
forma “aquário”182 atual foi inaugurada em meados de 2012, que ocorrem as audiências
de instrução e julgamento dos agentes de Estado acusados pelo homicídio dos
moradores de favelas mortos durante incursões e operações da Polícia Militar.

É nesse cenário que se enfrentam, quando as audiências não são adiadas, o


defensor público que atua enquanto assistente de acusação junto à promotoria e o
outro, que atua na defesa do agente de Estado que efetuou o disparo que atingiu um
morador de favela, provocando sua morte. Quando o júri popular decide pela
condenação, é ali que ela é anunciada. Entendendo que o trabalho realizado pelos
profissionais do NUDEDH é fundamental para a argumentação do defensor público que
atua, naquele julgamento, enquanto assistente de acusação, encaminho a finalização
desta ressalva ratificando a conexão que venho construindo ao longo desta reflexão: a
Defensoria Pública do Rio de Janeiro (incluindo o NUDEDH) não pode ser pensada como
um órgão externo à engrenagem governamental que faz a gestão das mortes dos
moradores de favelas, visto que sua atuação é imprescindível para a realização dos
julgamentos dos policiais acusados de terem cometido os crimes em questão.

E o julgamento de um policial não é apenas mais uma peça dessa engrenagem –


é um dispositivo político formulado no interior do campo do direito penal através do
qual se assentam as condições de possibilidade de uma nova execução de um morador
de favela por um agente de Estado. As mortes são administradas no interior da própria
lei, como acontece há séculos em diferentes configurações de Estado, e não era minha
intenção alocar o julgamento, a Defensoria Pública ou o Ministério Público na
engrenagem governamental que faz a gestão das mortes dos moradores de favelas
como se assim estivesse formulando um dado novo. Ao invés disso, pretendia demarcar
enquadramentos analíticos justapostos a um posicionamento político inerente ao
debate travado neste capítulo.

Construir a reflexão a partir do pedido de um defensor público a familiares de


uma vítima fatal de violência institucional foi o caminho encontrado para abordar

182
O espaço reservado para a platéia das salas de audiência do Tribunal do Júri atuais fica cercado por
vidro e em andar acima do espaço no qual são dispostas acusação, defesa, réu(s), juiz e demais
profissionais envolvidos na atividade.

142
pontos delicados das especificidades da gestão dessas mortes, em especial no que diz
respeito à imbricação “Estado-família” para a qual chamei atenção. E foi compartilhando
do entendimento de Lugones (2012b) de que “não é pela via das atribuições funcionais
que estão cristalizadas em organogramas que vamos acessar como o exercício do poder
estatal vem se dando” que priorizei o foco na interlocução construída entre um defensor
público que atuava como assistente de acusação em julgamentos de policiais acusados
pelo homicídio de moradores de favelas e as famílias das vítimas.

A configuração anunciada enquanto imbricação “Estado-família” poderia ser lida


como uma atualização realizada pelo próprio Estado do “encapsulamento” ao qual
Machado da Silva (2002) se refere ao trabalhar a ideia de “controle negociado” das
demandas dos movimentos associativos dos moradores de favelas por parte de
programas governamentais estruturados a partir de uma agenda marcada por
enunciados de “participação democrática”. No entanto, o material empírico trabalhado
nesta tese exige uma releitura desta abordagem, uma vez que os moradores de favela
em questão (esses familiares de víitimas) ao invés de se deixarem encapsular, fazem uso
de todo e qualquer tipo de brecha, produzindo fendas no que seria a demarcação
limítrofe das engrenagens governamentais e se apropriando do que for necessário para
resistir, para seguir sua luta.

Na situação em análise, afirmar que a família está imbricada com o Estado e não
encapsulada por ele é entender essas famílias também enquanto unidades
administrativas, no sentido trabalhado por Vianna (2002) e Lugones (2012a), ou seja, as
enxergando em conexão com formas de gestão de populações, com formas de gestão
de territórios – e não apenas como locus privilegiado para se pensar afetos, obrigações
morais, consanguinidade e relações de parentesco. Todos esses elementos se conectam
e analisá-los em sua complexidade é parte da tarefa da próxima seção.

3.3 Como se configuram as legitimidades “de Estado” e “de família” nesse desenho
das atualizações do exercício do poder estatal?

Retornando à Cena 4 e à forma como o defensor público realizou o pedido aos


familiares de Emanuel, relembro que o mesmo se deu verbalmente, acompanhado de
um pedaço de papel no qual estavam anotados à mão o nome e o telefone de Carolina,

143
esposa de Adriano. Não foi necessário produzir um ofício, em papel timbrado com a
logomarca do NUDEDH ou da Defensoria Pública, nem um carimbo que garantisse a
institucionalidade da visita, nem mesmo um e-mail que pudesse ser impresso para
comprovar qualquer coisa. No momento do pedido, a oficialidade está em quem passa
o papel escrito à mão. No momento da visita, tal oficialidade é acoplada à condição de
familiares de vítima dos visitantes.

Na sequência da interlocução que acompanhei, a legitimidade “de família” é


acionada para o Estado, pelo o Estado, e para a família que recebe a visita; por outro
lado, é considerado importante pela família de Emanuel dizer que foi o defensor público
quem passou o telefone – aqui as legitimidades “de estado” e “de família” se encontram.
No entanto, não há como negar que ao chegar àquela casa na Parque Andrade, a
condução assertiva da conversa decorre do peso de os visitantes em questão serem
familiares de um homem que morreu nas condições que o Adriano poderia ter morrido.

Essa inscrição social constitui aquele grupo de pessoas de tal forma que não é
necessário priorizar o momento de dizê-la ou lembrá-la no momento inicial do roteiro
da visita: como destaquei na Cena 5, após terem solicitado a documentação do caso à
Carolina e após terem discutido detidamente a questão do reconhecimento dos
policiais, um dos familiares de Emanuel iniciou uma apresentação do grupo, passando
como primeira informação dessa apresentação que o Dr. Frederico Chagas havia feito
uma indicação para que eles fossem até lá.

A indicação do defensor inaugura a apresentação porque este é o fator adicional


daquela situação – é o que não está dado de antemão. A condição de familiares de
vítima preenche de significado as ações daquela visita, bem como toda a movimentação
política recente daquelas três pessoas e é devido a essa centralidade que tal condição
quase não precisa ser pronunciada: é inserida entre a referência ao pedido do defensor
público e a apresentação do coletivo político do qual aqueles familiares fazem parte.
Recuperando o curto trecho da conversa que segue a frase inicial da apresentação,
explicita-se essa arrumação das informações:

João Luiz: “foi o Dr. Frederico Chagas que pediu pra gente dar um apoio pra
vocês...”.

144
MÁRIO: ...porque o caso de vocês tava parado...

MAC: ...nós somos parentes também, de vítima, né, tivemos um irmão


assassinado também...

MÁRIO: ....e a gente sempre se mobiliza, porque a Rede trabalha assim, a


gente se mobiliza, todo mundo, porque somos a Rede contra Violência,
Rede de Comunidades contra Violência...

A dispensa de um comunicado mais alongado dessa relação de parentesco com


uma vítima fatal de violência institucional também está conectada aos vários pequenos
gestos de cuidado que dominam o ambiente da visita – dito de outro modo, naquele
encontro entre familiares de vítimas de operações policiais distintas, essa condição
praticamente dispensa anúncios por ser englobante e seu englobamento não se
imprime apenas de forma subjetiva, como pode ser captado através de ações concretas.

Em geral tais ações são tão sutis quanto o fato de Alexandra ter produzido sua
primeira intervenção na conversa perguntando se a família de Adriano tinha recebido
algum apoio emocional, alguma orientação – nesta ordem. Mas também podem
aparecer a partir de demandas específicas dos familiares do caso mais recente, como o
momento no qual a viúva de Roger contou que foi ao Batalhão da Polícia Militar mais
próximo da favela prestar um depoimento após ter recebido uma carta na qual ela era
intimada a fazê-lo. Ao receberem essa informação, os familiares de Emanuel
prontamente disseram que ela não deveria ter ido, contam que receberam a mesma
intimação, que trata-se de uma forma de intimidar os familiares das vítimas de
operações desse tipo e que em outro momento do inquérito (ou mesmo quando virasse
processo judicial) se Patrícia fosse cobrada por qualquer coisa que tenha dito no
depoimento que prestou no Batalhão, poderia/deveria solicitar a anulação daquelas
falas porque estava sob pressão e muito vulnerável.

Orientações desse tipo não dizem apenas das expertises acumuladas pelos
familiares do caso mais antigo, porque seria diferente se as mesmas informações
viessem através de uma pessoa que não tivesse recebido a mesma intimação, ou ainda
alguém que tivesse recebido uma intimação de um batalhão porque passou pelo local
do crime, testemunhou algo, sem no entanto ter nenhuma relação de parentesco com
nenhuma das vítimas. Há também momentos nos quais nenhuma sutileza torna-se

145
sinônimo de total cuidado “de familiar para familiar” – quando Patrícia contou que
recebeu ligações de pessoas oferecendo-lhe ajuda após a morte do marido, Alexandra
nem respirou: “mas tem que ter cuidado... quem são essas pessoas? Porque nós estamos
no mesmo barco”.

Estar no mesmo barco resume infinitas conexões existentes entre aquelas


pessoas pelo fato de todas elas serem familiares de vítimas de violência institucional.
Mas gostaria de destacar uma passagem da conversa que aconteceu naquela tarde
capaz de expressar aspectos bem peculiares dessa inscrição social: enquanto Carolina e
Pricila contavam como estava sendo a rotina das respectivas famílias após a operação
policial, a viúva de Roger disse que no mesmo dia em que o marido foi morto ela se
mudou da casa onde morava com ele e com seu filho na Parque Andrade e foi para a
casa de parentes em outra favela longe dali. Disse que ter que ir à Parque Andrade é
“ter que reviver tudo de novo”.

Os familiares de Emanuel ali presentes sabem exatamente o que é “ter que


reviver tudo de novo” porque experimentam essa sensação cotidianamente e não
precisaram dizer que sabiam do que Patrícia estava falando para ela sentir que seu relato
ecoava de uma forma especial por entre aquele grupo de familiares. Esse elemento
inerente à condição de familiar de vítima é problematizado por absolutamente todos os
familiares que integram a Rede contra Violência e em algumas etapas obrigatórias dos
respectivos inquéritos e processos a agudez da dor sentida ao “reviver tudo de novo” é
muito evidente, como, por exemplo, nas edições e reedições de depoimentos. O mesmo
pode ser dito de entrevistas ou dos relatos em atos e manifestações públicas, ainda que
microfones ou megafones amplifiquem outros ângulos daquele mesmo “ter que
reviver”183.

183
Embora não se faça presente na situação em análise, por conta das relações de parentesco
em questão, considero fundamental mencionar aqui o fato de que o que se revive não é apenas o episódio
da morte ou seu anúncio, visto que quando se trata especificamente de mães de vítimas, muitas delas
relatam, particularmente ou em público, que revivem o momento do parto, por exemplo. Como analisa
Vianna (2013a): “Os corpos maternos reinventados nesse processo, através das fotografias, tatuagens
com os nomes dos filhos, doenças e sonhos aparecem como linguagem não apenas da perda insuportável,
mas também dos processos de reinscrição de si no mundo e do próprio mundo como algo que agora
precisa ganhar novo sentido e que passa a ser lido e descrito em outros termos. Como disse uma mãe no

146
Da mesma forma, então, que o que é Estado vai se dando em processo, como
analisado anteriormente, os contornos do que é “família” e de como as potencialidades
e legitimidades dessa inscrição se evidenciam de formas variadas de situação para
situação. O que importa registrar nesta seção é que por mais potente que possa ser a
imbricação “Estado-família”, sua configuração não anula as especificidades de um ou
outro polo, muito pelo contrário: quanto mais demarcadas as potências de “Estado” e
de “família”, mais se fortalece tal imbricação.

Na situação escolhida para a elaboração deste capítulo, a pluralidade de


competências dos familiares de vítimas foi o que formou a base de sustentação da
combinação entre as legitimidades “de Estado” e “de família”. As especificidades da
interlocução entre esses familiares são insubstituíveis. Como explorado na seção
anterior, não há formação profissional, não há especialização que garanta que uma
situação desse tipo vai ser conduzida da mesma forma por uma pessoa que não possua
essa inscrição social e política: os familiares de casos mais antigos conseguem
estabelecer um vínculo de confiança com familiares de casos mais recentes pelo fato de
terem passado por situação semelhante; conseguem administrar os afetos nesses
encontros de forma que a dor que sentem seja comunicada aos seus interlocutores
enquanto um fio que os conecta – logo, não trazendo mais sofrimento para aquela
família que foram visitar, mas, ao contrário, oferecendo-se como um canal através do
qual se escoa parte daquele sofrimento. Os encontros dos familiares de casos mais
antigos com familiares de casos mais recentes funcionam como catalisadores capazes
de transformar as dores de ambas as famílias em combustível para suas buscas
incessantes por justiça e para suas lutas cotidianas por dignidade. O trecho de uma fala
mais longa de um dos irmãos do Emanuel na conversa condensa as marcações mais
pungentes dessa inscrição enquanto familiar de vítima e com este discurso proferido na
sala de uma casa da favela Parque Andrade encerro esta etapa da discussão:

A melhor forma de a gente enfrentar um inimigo é partir pra luta, é


enfrentar de frente a situação. Porque eles conhecem a nossa fisionomia,
sabem onde a gente mora e tudo. Mas se a gente decide enfrentá-los, eles

ato público que antecedeu a primeira audiência sobre a morte de seu filho, “o dia de hoje é como se eu
estivesse em trabalho de parto””.

147
não sabem o que a justiça pode estar preparando pra eles. Somos várias
famílias, vocês não são as únicas que estão nessa luta. E a intenção da gente
é modificar essa situação, entendeu, essa covardia com pessoas que
moram em comunidade não pode acontecer. Ele chega de lá da Av. Brasil,
bota um fuzil aqui pra dentro e atira a esmo não sabe nem se tem criança
na rua, isso acontece em qualquer lugar, aí diz “ah, tava trocando tiro”... vê
se eles fazem isso no Leblon, na Barra da Tijuca... não fazem isso. Então a
gente tá aí tentando somar, no dia que for fazer um movimento maior, um
movimento grande, puxar faixa, bandeira, aí sim, vocês vão tá dentro da
programação, vão tá ciente junto com a gente, se quiserem colaborar, é
mais uma mão ali pra dar um apoio, pra puxar a bandeira, entendeu?!
Quanto mais pessoas somar, menos isso vai acontecer, porque eu tenho
certeza que você não vai querer que isso aconteça com mais ninguém. Isso
é doloroso à beça pra você, isso pesa a vida, então outras pessoas não tem
mais que morrer. O seu filho lá à diante pode ver essa história mudada.
Pode ser que a gente tenha que lutar, lutar, lutar, mas a gente tá vendo as
coisas mudarem.

148
Capítulo 4.
Registros de morte em atos e papéis: obscuridades oficiais

Com a ponta da caneta a guerra é geral


A porra do governo traz a Força Nacional
Copacabana, Ipanema e Leblon
Nem precisarão, pra ver como é que é bom
Complexo do Alemão, reflexo do pesadelo
A faixa de Gaza do meu Rio de Janeiro
Corre e se esconde que o tiro te atinge
A bala come solta, nosso mundo não é pinto
Você diz: "sou trabalhador", não adianta
Desenrola, leva tapa, sai com a cara de anta
Us Neguin q Não C Kala e Família Kponne, Lágrima de Sangue

Estamos diante de um Estado que se reconstrói continuamente nos intervalos do


cotidiano – ensinamento de Das e Poole (2004) que, conforme explicitei na introdução
desta tese, é acionado enquanto proposta teórico-metodológica central para o
desenvolvimento desta pesquisa: no intuito de compreender o processo de gestão das
mortes dos moradores de favelas no Rio de Janeiro, priorizei a construção de uma
etnografia que tornasse possível capturar o que vem acontecendo em alguns desses
intervalos do cotidiano através dos quais o Estado se constrói e se reconstrói.

No capítulo anterior, um convite da família de Emanuel me permitiu refletir


sobre uma determinada angulação dessa gestão a partir do acompanhamento de uma
visita ao Parque Andrade – uma visita marcada no período do feriado de carnaval, num
dia em que as pessoas que precisavam estar presentes naquele encontro não estariam
trabalhando, enfim, uma visita que, com todas aquelas marcas que a caracterizam, pode
ser entendida como uma atividade realizada num desses intervalos do cotidiano que
busquei identificar durante o trabalho de campo.

Como a perseguição desses intervalos tanto se deu via encontros com pessoas,
quanto via encontros com os papéis (e através dos papéis), no presente capítulo trago
para a discussão trajetórias documentais (Ferreira, 2009) que são compostas por (e às
vezes também compõem) intervalos do cotidiano. Diferentemente da visita, que pode

149
ela mesma ser considerada um intervalo único, as situações, os momentos, os instantes
e os documentos explorados a seguir dizem respeito a um conjunto muito heterogêneo
de intervalos do cotidiano através dos quais o Estado se constrói e se reconstrói.

Entendendo o momento da efetuação do disparo da arma de fogo que atinge o


morador de favela como marco inicial para se produzir um recorte analítico do processo
de gestão dessas mortes que incluísse também papéis e registros oficiais, elegi o laudo
cadavérico como documento a partir do qual são acionadas outras movimentações
(burocráticas ou não) que compõem o inquérito policial e o processo judicial de um caso
de homicídio ocorrido durante uma intervenção militar na favela. Construo essa análise
tomando como referência a execução de Emanuel, que conforme explicado na
Advertência, foi morto durante incursão da Polícia Militar no Morro do Russo, em 2008.
Assim sendo, as situações e a documentações acionadas neste capítulo se referem a
encontros e papéis que constituem este caso específico. Vamos a eles.

Cena 6. [Outubro de 2010, 2º andar do prédio da Defensoria Pública Pública


Geral do Estado do Rio de Janeiro.] Alexandra, irmã de Emanuel, foi me buscar no
corredor. Eu tinha chegado alguns minutos atrasada pra uma reunião que os familiares
de Emanuel marcaram com antecedência com Frederico Chagas, com o objetivo de
apresentar ao defensor um perito legista aposentado da Polícia Civil que havia
concordado em realizar um novo estudo – com estatuto de parecer técnico-científico
– sobre o homicídio em questão. Como o defensor ainda não tinha podido atendê-los,
Alexandra e João Luiz aguardavam numa espécie de sala de recepção do NUDEDH,
junto com Dr. Saul, o perito legista. João Luiz me apresentou a ele (como “uma
companheira que tá junto com a gente nessa luta”) e em pouco tempo, a secretária do
NUDEDH informou que poderíamos entrar, que Dr. Frederico Chagas já poderia nos
receber. Mal entramos na sala e o defensor perguntou: Temos uma audiência, né?!
Chagas referia-se à próxima audiência do caso, que estava marcada para dezembro.
Familiares, defensor e perito conversaram bastante sobre essa próxima audiência e
sobre a possibilidade da utilização do parecer técnico-científico no desenrolar do
processo. Defensor e familiares aproveitaram o encontro para tirar dúvidas com o
perito a respeito de alguns detalhes da documentação produzida pelo Instituto
Médico Legal Afrânio Peixoto no dia seguinte da morte de Emanuel. Chagas

150
perguntou: Pelo laudo, o tiro teria sido disparado a curta distância, vê se não é isso Dr.
Saul? O perito respondeu afirmativamente, mas fez questão de anunciar uma série de
críticas à forma como o laudo cadavérico havia sido preenchido. Pegou a cópia das
folhas do processo do caso nas quais encontrava-se o laudo de Emanuel, e realizou
uma leitura em voz alta de um trecho da descrição da necropsia:

INSPEÇÃO EXTERNA: Cadáver de um homem de cor parda, que mede cerca


de 166 cm de altura, em rigidez muscular generalizada com livores
violáceos nas regiões posteriores do corpo; é de compleição física boa, bom
estado de nutrição e cerca de 42 anos de idade; cabelos pretos, curtos e
anelados; olhos com córneas transparentes, íris castanhas, escleróticas
esbranquiçadas; barba e bigode por fazer; dentes naturais em regular
estado de conservação; genitália externa masculina normal; apresenta
ferimento de bordos regulares e invertidos, com características de entrada
de projétil de arma de fogo (PAF), localizado na região occipital, assinalado
no esquema 2 pela letra E; apresenta ferimento de bordos irregulares e
evertidos, sangrantes, com características de saída de PAF. Localizado em
região fronto-parietal, assinalado no esquema 1 pela letra S; apresenta orla
de tatuagem no membro superior esquerdo, acometendo parte do braço e
toda a extensão ao antebraço nas faces Antero-lateral posterior,
assinalados nos esquemas 1 e 2 pela letra T; os demais segmentos corporais
estão normais.

Uma das marcas encontradas no corpo de Emanuel, registrada nesta parte da


necropsia como orla de tatuagem, tomou um bom tempo da conversa entre
familiares, perito e defensor. Respondendo à pergunta feita anteriormente por
Frederico Chagas, Dr. Saul explicou que essa marca, cujo termo correto seria zona de
tatuagem, “é necessariamente produzida a tiro de curta distância”, ratificando a
afirmação através de uma espécie de demonstração sobre como, a partir de um tiro
que atingiu a cabeça, foi possível a formação da zona de tatuagem no braço da vítima.
Dr. Saul solicitou que João Luiz se posicionasse de joelhos no chão, com as duas mãos
na cabeça, como se estivesse rendido – posição na qual provavelmente encontrava-se
Emanuel, no momento em que foi atingido, como argumentava o perito. A explicação
técnica teve sequência a partir da simulação da posição na qual se encontrava o fuzil
de onde se efetuou o disparo que atingiu Emanuel naquele episódio do Morro do
Russo: Dr. Saul demonstrou como a extremidade final do cano deveria estar próxima
à parte de trás da cabeça, lembrando que os fuzis utilizados pelos policiais militares
possuem eventos laterais, através dos quais, no momento do disparo, são expelidos
grânulos da pólvora que, em contato com a superfície da pele, produzem a marca

151
caracterizada como zona de tatuagem. Daí a dedução de que Emanuel deveria estar
com as mãos na cabeça (provavelmente algemado, seguindo a interpretação do
perito), pois esta é a posição sugerida pela presença da zona de tatuagem no braço
esquerdo da vítima. Após essa espécie de “reconstituição da cena do crime” ali na sala
do defensor Chagas, João Luiz deixou a posição de joelhos na qual permaneceu
durante toda a explicação, sentou-se novamente na cadeira que ocupava em volta da
mesa e a conversa seguiu. Ao final do encontro, perito, defensor e familiares já haviam
chegado a um acordo quanto à anexação do parecer técnico-científico ao processo,
assim que o mesmo fosse concluído por Dr. Saul.

Gostaria de iniciar esta etapa do debate trazendo para a reflexão o mesmo


destaque que teve durante o encontro entre os familiares, o perito e o defensor essa
marca específica encontrada no corpo de Emanuel: registrada na descrição acima como
orla de tatuagem (mas tratada como zona de tatuagem nos estudos sobre
traumatologia médico-legal), tal marca “é produzida pelos grânulos de pólvora,
queimada ou não que, partindo com o projétil, percutem o contorno do orifício de
entrada e se incrustam mais ou menos profundamente na região atingida.” (Fávero,
1991)184. No caso de Emanuel, a zona de tatuagem aparece assinalada nos esquemas
que compõem o laudo cadavérico através da anotação da letra “T”, realizada à mão e
facilmente identificada na figura abaixo185:

184
Há variação nas definições da zona de tatuagem em relação à presença de pólvora combusta. Alguns
especialistas mencionam apenas o efeito produzido pela incrustação de grânulos de pólvora incombusta,
como é o caso do perito legista que acompanha o caso do Morro do Russo aqui abordado. Tal forma de
definição assemelha-se à de Greco (2013), para quem a zona de tatuagem decorre da “incrustação de
grânulos e fragmentos de pólvora não combusta pelo disparo na região atingida, não sendo removível”.
Já de acordo com o estudo de Eisele e Campos (2003), a zona de tatuagem “é composta por partículas de
carvão (pólvora combusta) e de grânulos de pólvora incombusta, dispersas em torno do orifício de
entrada, de bordas deprimidas, cujo diâmetro cresce progressivamente até perder-se a energia cinética
de cada corpúsculo, assim como a aceleração de que está animado.”
185
O esquema teve algumas informações cobertas por mim através de editor de imagem (com marcação
em preto), como: nome completo da vítima; nome completo, matrícula e registro do CRM do perito que
realizou o exame; bem como uma anotação contendo o número da delegacia que anexos 3 e 4.

152
Figura 32 – Laudo cadavérico, Face anterior – Emanuel.

.
Como anunciado na Cena 6, trata-se de uma marca fundamental por permitir ao
especialista estimar a distância entre atirador e vítima e também a distância entre o
cano da arma e a vítima. O ponto a ser destacado, então, é que a importância atribuída
a essa marca durante a reunião na Defensoria Pública está diretamente conectada aos
encaminhamentos do caso que ela tem o poder de determinar. A justificativa do
NUDEDH, por exemplo, para solicitar ao delegado responsável pelas investigações que
fossem colhidos depoimentos de todos os policiais militares que participaram da
operação foi também a presença da zona de tatuagem no esquema de lesões do laudo
de Emanuel:

Conforme consta do Laudo de Exame de Necropsia IMLRJ[inscrição], a


vítima foi atingida mortalmente por PAF na região occipital, apresentando
“ORLA DE TATUAGEM” no membro superior esquerdo, evidenciando
disparo à curtíssima distância, o que descaracteriza, de pronto, qualquer
possibilidade de confronto entre policiais e supostos traficantes, alegação
esta comuníssima por parte das forças policiais quando o objetivo é
camuflar execuções.186

A anotação “T”, ao indicar a localização da zona de tatuagem, demarca a posição


na qual se encontrava a vítima no momento em que foi atingida, encaminhando a
investigação do homicídio de Emanuel para uma direção diferente daquela sugerida

186
Requerimento enviado pelo NUDEDH à DP na qual seguiam as investigações sobre o caso. Sobre a
documentação utilizada nesta análise, ver nota 156 da seção “Advertência”.

153
pelo registro de ocorrência realizado na delegacia da região pelos policiais que
participaram da incursão em pauta. No entanto, a crítica do perito independente
convocado pela família de Emanuel, enfatizou que a anotação desacompanhada de um
correto preenchimento do laudo, ao invés de revelar dados importantes a respeito
daquela morte, os estaria ocultando. Daí a proposta de realizar o aprecer técnico-
científico.

A possibilidade da assessoria técnica da perícia independente para uma releitura


do laudo cadavérico não foi comemorada somente pelos familiares. O defensor público,
desde aquele primeiro encontro, enxergou no perito legista um aliado nos esforços para
os encaminhamentos do caso – valorizando a realização do parecer técnico-científico,
Frederico Chagas declarou: “Eles tão dizendo que o cara é traficante, pô, vamos mostrar
que não é. É importantíssimo.”.

Na seção a seguir, então, reconstruo um trecho do percurso documental do caso,


tomando como contraponto narrativo a troca de tiros e as composições políticas
articuladas a essa versão, para depois (seção 4.2) dar continuidade à reflexão sobre as
potencialidades do laudo cadavérico enquanto plataforma de registro oficial 187.

4.1 Disputa de versões sobre as mortes na ação penal

O processo é lento, o barato é louco e o bagulho é sério.


Mr. Catra, Vacilão

Neste caso do Morro do Russo, assim como na grande maioria dos casos de
execuções sumárias de moradores de favelas cometidas por policiais militares, o registro

187
As primeiras reflexões sobre o laudo cadavérico enquanto um documento chave para entender a
engrenagem que governa as mortes dos moradores de favelas foram apresentadas durante o colóquio
Dispositivos urbanos e tramas dos viventes: ordens e resistências, realizado no PPCIS/Uerj, em 2011 e
registradas em artigo que irá compor a publicação homônima que se desdobrou do colóquio. Deixo
registrados meus sinceros agradecimentos às professoras Patrícia Birman, Carly Machado, Márcia Leite e
Sandra Carneiro não só pelo convite para a participação naquele espaço de interlocução, mas
especialmente pelas críticas e sugestões feitas ao meu trabalho, as quais busquei trazer para o debate
proposto por esta tese, em especial neste capítulo.

154
de ocorrência traz a versão da troca de tiros entre traficantes e policiais. Segue a
dinâmica do fato, segundo um dos policiais que participaram da operação:

Segundo o comunicante [patente e nome] informa que hoje por volta de


18:30h cumprindo determinação superior juntamente com seus colegas de
farda do batalhão fizeram incursão no morro do Russo com vistas a reprimir
o tráfico local, sendo os mesmos recebidos a tiros por traficantes do local.
Que na localidade conhecida como [nome] após serem recebidos com
disparos de arma de fogo revidaram a justa agressão, ocasião em que
alvejaram seis indivíduos, sendo quatro identificados e que após prestarem
socorro os mesmos vieram a falecer. Que no local foram apreendidas armas
de fogo, além de material entorpecente. 188

Configura-se, assim, o já referido registro do auto de resistência, que neste – como


também em muitos outros casos semelhantes – vem acompanhado da informação de
que os policiais presentes na operação prestaram socorro à vítima, levando-a para o
hospital municipal mais próximo, local onde ela, então, teria falecido.

A versão da troca de tiros preenchida no RO aparece em outros documentos


relativos ao inquérito policial, que posteriormente seria acionado, no decorrer do
processo judicial. No relatório final do inquérito, o confronto é justificado porque os
policiais, na iminência de serem alvejados por tantos disparos, não tiveram outro modo
de agir, a não ser fazer uso das armas de fogo que traziam consigo, em legítima defesa
e como forma de fazer cessar a resistência oposta pelos infratores189.

Tal versão da troca de tiros, no entanto, além de não encontrar eco nos
depoimentos das pessoas que moram no Morro do Russo e que estavam próximas ao
local da execução, como já citado na Advertência que antecede este capítulo, também
é negada na denúncia190 apresentada pelo Ministério Público, através do Promotor de

188
Trecho do registro de ocorrência do caso, peça do inquérito policial incluída no processo judicial em
questão. Sobre a documentação aqui utilizada, ver nota 156 da seção “Advertência”. Sobre os
procedimentos administrativos relacionados a um inquérito policial, ver Misse et al (2010) e Misse (2011).
Especificamente sobre o inquérito policial instaurado a partir do registro de auto de resistência, ver Misse
et al (2013).
189
Trecho do relatório de inquérito final. Sobre a documentação aqui utilizada, ver nota 156 da seção
“Advertência”.
190
“O processo penal, tanto nos crimes como nas contravenções, inicia-se pelo recebimento da denúncia,
com a descrição dos fatos, a imputação da autoria, a classificação do crime e o rol de testemunhas (art.
41 do CPP). Iniciada a ação, não pode o Ministério Público dela desistir (art. 42 do CPP)”. (Führer e Führer,
2009).

155
Justiça responsável pelo caso, ao Juiz Presidente do Tribunal do Júri da Comarca da
Capital, no intuito de iniciar o processo:

No dia 4 de junho de 2008, por volta de 17 horas e 30 minutos, no Morro


do Russo, bairro do Atalaia, no local em que se situa o Bar do Sergio, os
denunciados, com vontade livre e consciente de matar, efetuaram disparos
de arma de fogo contra Emanuel Castilho da Silva, Fernando Sabino de
Figueiredo, Jonathan Freitas Murtinho, Pedro Henrique de Almeida Lopes,
Rodrigo Firmino da Silva, Hugo Venâncio de Souza, causando nas vítimas as
lesões corporais descritas nos autos de exame cadavérico de fls. 268, 243,
237, 251, 264 e 259, respectivamente.

Tais ferimentos, por sua natureza e sede, em sua grande maioria na cabeça
e pelas costas, foram a causa das mortes das vítimas. Os denunciados,
todos policiais militares em serviço – segundo alegaram por determinação
superior – realizavam incursão no citado morro, tendo em dado momento
detido as vítimas e as levado para o local em que decidiram consumar os
homicídios.

As provas orais e testemunhais colhidas ao longo da investigação


rechaçaram a tese de legítima defesa lançada pelos policiais em seus
depoimentos por ocasião da apresentação da ocorrência em sede policial,
tendo se demonstrado que agiram com violência imoderada e
desnecessária, sem que tenham comprovado haver sofrido qualquer
ataque.

Ainda buscando dar aparência de licitude aos atos violentos que


cometeram e sob o pretexto de prestar socorro às vítimas, os denunciados
transportaram os cadáveres para o Hospital Municipal [mais próximo], não
obstante a evidente letalidade dos ferimentos que haviam provocado,
demonstrada com abundância nos esquemas de lesões que ilustram os
autos de exames cadavéricos.

Agiram os denunciados por motivo torpe, eis que se vingaram das vítimas
indiscriminadamente sob o falacioso fundamento de que seriam
traficantes, o que ainda que verdadeiro jamais os autorizaria a praticar o
“justiçamento sumário” que perpetraram.

Do mesmo modo, a descrição minuciosa dos ferimentos suportados pelas


vítimas demonstra que os denunciados agiram de forma a não lhes permitir
qualquer chance de defesa e nem mesmo a tentativa de fuga ou rendição.

A participação de cada um dos denunciados no conjunto de homicídios,


ainda que, em relação a alguma das seis vítimas tenha consistido numa
atitude corporal inerte, redundou em força moral cooperativa, pela certeza
da solidariedade entre todos, tendo eles mantido odiodo pacto de silêncio
da verdade ao longo de toda a investigação.

156
Estão assim os denunciados incursos nas penas do artigo 121, §2º, incisos I
e IV (6 vezes), na forma do artigo 69, todos do Código Penal191.

Isto posto, requer a V.EX.a. que, recebendo a presente, determine a citação


dos acusados para responderem à imputação ora deduzida, esperando vê-
la, ao final, julgada procedente com a prolação de sentença de pronúncia,
levando os réus a julgamento pelo Tribunal do Júri desta Comarca.192

No primeiro parágrafo do texto assinado pelo promotor, já são mencionados os


exames cadavéricos como fonte central da informação a ser denunciada. É através
daqueles registros que se sabe quais foram as lesões corporais, quais foram os
ferimentos que, seguindo a denúncia, foram a causa das mortes das vítimas. O
documento produzido no MP também informa que as vítimas estavam detidas,
reforçando a leitura dos fatos realizada por Dr. Saul, que, como descrito na Cena 6, se
apoiou na localização da zona de tatuagem anotada no laudo cadavérico de Emanuel
para deduzir que o mesmo poderia estar algemado, com as mãos na cabeça, no
momento em que foi atingido.

Ao se referir ao transporte dos cadáveres para o hospital – ação interpretada


como tentativa de dar aparência de licitude aos atos violentos cometidos –, o MP
menciona a evidente letalidade dos ferimentos. Mais uma vez os exames cadavéricos
são acionados enquanto fonte documental central, sendo feita referência direta ao
conteúdo imagético desta documentação, pois são destacados os esquemas de lesões
que ilustram os autos – para cujo potencial comunicativo dedico espaço na discussão
proposta neste capítulo em outras seções.

Quanto à remoção dos corpos, há que se destacar que trata-se de uma prática
frequente em casos de execuções e chacinas em favelas, motivo pelo qual uma das
demandas dos movimentos sociais e organizações que trabalham junto aos familiares
de vítimas de violência institucional no Rio de Janeiro é que se cumpra a determinação

191
Ver nota 157 na Advertência.
192
Neste trecho da denúncia produzida pelo Ministério Público, além das modificações já anunciadas na
Advertência, foram modificados também o nome do bairro onde se localiza a favela em questão, o nome
do bar próximo ao local dos crimes e os números das folhas do processo relativas às cópias dos laudos
cadavéricos das vítimas fatais da operação. Sobre a documentação utilizada nesta análise, ver nota 156
da seção “Advertência”.

157
da Portaria no 553 da PCERJ193. O Artigo 1o desta portaria, que trata das diretrizes básicas
a serem seguidas pela Autoridade Policial em caso de ocorrência que lhe seja
apresentada como ensejadora da lavratura do denominado “Auto de Resistência”, traz
no inciso I a seguinte diretriz: acionamento imediato de equipe de apoio policial, para
fins de isolamento e preservação do local, acaso ainda não tenha sido providenciado,
determinando que não seja alterado o estado e a conservação das coisas.

A aparência de licitude à qual se refere o MP também pode ser lida por outro
ângulo: mesmo que as pessoas atingidas pelos disparos das armas de fogo portadas
pelos policiais em operação não estivessem mortas, seu transporte não poderia ser
realizado nas viaturas utilizadas por esses agentes neste tipo de atividade. Segundo
Resolução no 116/97 do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro,
dentre os seis tipos de ambulância autorizados a realizar o transporte médico, o veículo
destinado ao atendimento de socorro seria a ambulância de resgate, que deve conter
não apenas equipamentos necessários à manutenção da vida e equipamentos de
salvamento, como também deve ser tripulada por médico, motorista e técnico de
enfermagem194. Durante os trajetos das favelas para os hospitais públicos mais
próximos, os veículos utilizados são as viaturas da PMERJ e os profissionais presentes
são os próprios policiais que atiraram nas vítimas.

Esta prática de desfazer o local do crime é mais uma peça na construção da


versão da troca de tiros, que ao longo do desenvolvimento da denúncia, vai sendo
contestada. Essa desconstrução também se vale dos depoimentos orais das
testemunhas do caso, qualificados como provas orais e testemunhais nesta denúncia.
No intuito de trazer à reflexão o devido peso deste tipo de prova, trago o trecho de um
morador do Morro do Russo que viu e ouviu parte da ação dos policiais naquele dia em
que Emanuel foi executado:

[...] escutou o barulho de muita água descendo pela rua e que viu essa água
suja de sangue; conta que ouviu um policial gritando de forma debochada
e rindo “Tá morrendo afogado? Morre, morre afogado desgraçado!”. Conta

193
Ver anexo 6.
194
Tal resolução determina ainda que o motorista e o técnico de enfermagem devem ser treinados em
curso técnico de emergência médica de nível básico e devem ter conhecimentos específicos de resgate.
Portaria disponível no site do CREMERJ, através do endereço
http://old.cremerj.org.br/skel.php?page=legislacao/resultados.php .

158
que soube depois que o cano foi estourado por um tiro dos policiais e que
eles mesmos fecharam o registro da CEDAE. Observou que os policiais
estavam muito eufóricos, rindo muito e que tinham a fala meio “embolada”
e que gritavam “sob nova direção! Não tem mais arrego!”. Conta que nesse
momento não viu quantos policiais estavam ali, mas que eles não deixavam
ninguém subir nem descer o beco; conta ainda que pela janela da sua casa
viu uma arma (fuzil 762 cromado) no chão do beco; que também ouvia
vozes dos policiais conversando em tom alto e que depois disso houve um
grande silêncio; por fim, conta que quando já estava escurecendo, viu
policiais fardados da PM – talvez uns 6 ou 7 – recolherem os corpos.195

Para além da atitude dos agentes em relação às vítimas e ao tratamento dado


àquelas mortes, que discuto a seguir, gostaria de chamar atenção para a descrição da
cena que antecede o recolhimento dos corpos – visto que torna evidente o fato de
aqueles moradores estarem mortos, não cabendo, portanto, qualquer tentativa de
socorro, conforme mencionado anteriormente. Qualifica-se, no texto da denúncia,
também a violência que caracterizou a ação dos policiais: violência imoderada e
desnecessária – exercida em contexto no qual os policiais não teriam ao quê reagir, visto
que não comprovaram haver sofrido qualquer ataque.

Ainda que na denúncia aqui transcrita tenham sido utilizadas expressões como
vontade livre e consciente de matar para caracterizar o momento de efetuação dos
disparos, é fundamental ressaltar que esses disparos partiram de fuzis adquiridos pela
corporação através de investimentos governamentais na área da segurança pública196.
A partir desta colocação, não estou querendo retirar as qualificações de imoderada e
desnecessária atribuídas pelo MP à ação violenta dos agentes de Estado que
participaram da operação no Morro do Russo aqui discutida – a referência aos
investimentos no armamento da corporação PMERJ tem o objetivo de demarcar as

195
Trecho final de um dos depoimentos que constam do processo do caso em questão. Sobre a
documentação utilizada nesta análise, ver nota 156 da seção “Advertência”.
196
Como destacam Misse et al. (2013: 15), “o governo do Estado do Rio de Janeiro adotou, a partir de
meados dos anos 90, a estratégia de investir, cada vez mais, em recursos materiais e humanos
principalmente para a polícia militar, através da aquisição de armas de alto potencial letal, como os fuzis
.762, da contratação de membros para a corporação e da expansão considerável de sua frota de viaturas,
incluindo veículos blindados, apelidados de “caveirões”. Também houve investimento na capacitação dos
policiais para atuar em contextos de “guerrilha urbana”, aumentando-se o efetivo do Batalhão de
Operações Especiais (BOPE) e do Batalhão de Policiamento de Choque (BPCHq), além de se criarem
Grupamentos de Ação Tática (GAT) nos batalhões convencionais. Todo este aparato de guerra foi
empregado em operações de incursão cada vez mais freqüentes em favelas com o objetivo de fazer frente
ao poder local dos traficantes.”

159
condições de possibilidade daquele disparo, visto que no debate aqui proposto ele é
compreendido enquanto produto e produtor dessa lógica militarizada que caracteriza
as políticas de segurança pública que vêm sendo implementadas no Estado do Rio de
Janeiro, especialmente a partir da década de 90.

Retomando brevemente um ponto já abordado no primeiro capítulo desta tese,


vale lembrar aqui que foi na década de 90 que se consolidou a legitimidade do
enfrentamento militarizado à favela e seus moradores, por serem estes entendidos por
diferentes setores da sociedade residente no Rio de Janeiro como o foco irradiador da
violência urbana que assolava a cidade (Leite, 2000; Machado da Silva, 2002; Machado
da Silva, Leite e Fridman, 2005). Assim se pautaram políticas de segurança pública para
todo o Estado – marcadas pela diferença entre a atuação das polícias no “asfalto” e na
favela. Configurava-se um contexto político pautado pela “metáfora da guerra”, noção
através da qual Leite (2000) explora os diferentes ângulos da aceitação de uma divisão
do Rio de Janeiro em dois pólos social e geograficamente demarcados:

Presumindo que se vivia de fato uma guerra que opunha morro e asfalto,
favelados e cidadãos, bandidos e policiais, os partidários desta perspectiva
aceitavam a violência policial em territórios dos e contra os grupos
estigmatizados e assistiam passivos ao envolvimento de policiais militares em
várias chacinas. (Leite, 2000: 75).

Dentre as diferentes frentes de ampliação desse quadro político a partir dos anos
2000, aciono mais uma vez um ícone desses investimentos para uma segurança pública
mais militarizada: o caveirão, veículo blindado adquirido para ser utilizado pelo Batalhão
de Operações Policiais Especiais da Polícia Militar (BOPE) em operações nas favelas.
Como explorado no capítulo 1, a intensificação das operações militares em favelas com
a utilização do caveirão fez com que se iniciasse em 2006 uma campanha contra o uso
do veículo. Segundo Ramos (2010), o ano seguinte (2007), pode ser considerado um
marco do que ele chama de política Caveirão.

Tratando o veículo enquanto aparelho de caça e o alocando no centro da política


de segurança pública que promoveu naquele ano a chacina do Alemão, Ramos (2010)
relembra duas declarações importantes para a discussão aqui travada. A primeira que
destaco foi proferida por José Mariano Beltrame, desde então Secretário de Segurança

160
Pública do Estado do Rio de Janeiro, sobre a marca de 19 pessoas mortas na mega-
operação realizada na Vila Cruzeiro: o remédio para trazer a paz, muitas vezes, passa
por alguma ação que traz sangue197.

As 19 pessoas mortas não configuram o único número impressionante a respeito


daquela operação: essas 19 pessoas mortas foram atingidas por um total de 78 tiros,
dos quais 32 foram disparados pelas costas das vítimas, como registrado nos laudos
cadavéricos examinados por perito legista independente a pedido da Comissão de
Direitos Humanos da OAB-RJ198. Adiciono ao debate, então, a declaração de um policial
civil sobre o fato de os agentes terem chegado a determinados pontos do Complexo do
Alemão considerados inacessíveis escoltados por caveirões e, portanto, em posição que
facilitou a execução do ataque que tinham planejado: Foi igual a dar tiro em pato no
parque de diversões199. Enquanto no Alemão foi igual a dar tiro em pato, no Morro do
Russo o morador já atingido gravemente teve que engolir a água que lavava o sangue
do seu próprio corpo, ouvindo o policial dizer: morre, morre afogado desgraçado, como
relatou uma das testemunhas do caso, no trecho destacado anteriormente.

A declaração do secretário e a declaração do policial da ponta podem ser lidas


como exemplos do entrelaçamento entre o posicionamento institucional a respeito das
mortes dos moradores de favelas e o que o MP denominou vontade livre e consciente
de matar. Não há como (e esse não é um objetivo deste estudo) negar a implicação do
policial que efetua o disparo fatal na engrenagem governamental que faz a gestão
dessas mortes – a insistência dessa argumentação é para que não se deixe de enxergar
a engrenagem.

Afinal, há trechos da documentação do processo judicial que abrem espaço para


uma leitura das execuções como ações orientadas especificamente pelo campo
afetivo/pessoal, como a passagem da denúncia que traz a compreensão de que os
policiais denunciados agiram por motivo torpe, que se vingaram das vítimas

197
Jornal O Globo, edição de 29 de junho de 2007, p. 14.
198
Relatório da Sociedade Civil para o Relator Especial das Nações Unidas para Execuções Sumárias,
Arbitrárias e Extrajudiciais. Rio De Janeiro: 2007.
199
“Secretário nega excessos da polícia no Complexo do Alemão”. Carta Maior, 29 de junho de 2007.
Disponível em < http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Direitos-Humanos/Secretario-nega-excessos-
da-policia-em-operacoes-no-Complexo-do-Alemao/5/13631>.

161
indiscriminadamente. Ainda que sentimentos de vingança e revanchismo habitem
dimensões de ordem pessoal, há processos de institucionalização da vingança que não
podem ser ofuscados neste debate – institucionalização declarada, inclusive, por
quadros da PMERJ que atuaram na ponta enquanto agentes de segurança pública.

Em entrevista realizada durante as filmagens do documentário Notícias de uma


guerra particular200, em 1997, com Rodrigo Pimentel (à época capitão do BOPE), essa
institucionalização da vingança aparece no mesmo discurso que defende a interpretação
de que acontece uma guerra nos morros do Rio. Após Pimentel dizer que se ele estivesse
nas Forças Armadas talvez não tivesse a oportunidade de participar de uma ação real,
ele é surpreendido pela pergunta: você sente falta de ter participado de uma guerra?
Transcrevo abaixo a resposta, seguida de outros trechos da entrevista que merecem
espaço no debate aqui travado:

Eu estou participando de uma guerra, acontece que eu tô voltando pra casa


todo dia. É a única diferença. Nossa guerra é diariamente nesses morros do
Rio. Esse mês no Batalhão de Operações Especiais nós tivemos quatro
policiais feridos a bala. Só esse mês. Então eu tenho consciência de que eu
estou participando de uma guerra. [...] De seis meses pra cá, eu poderia
dizer que 100% das nossas missões foram em favelas, com exceção de uma
ocorrência num estabelecimento prisional, com refém. [...] Quando mata?
Quando mata a sensação é só de dever cumprido, né. Dizer que cheguei em
casa e não dormi, eu vou estar mentindo. Mas logicamente sem sadismo, é
porque houve a necessidade. O BOPE é uma unidade consagrada até por
não matar muito na polícia. A maioria das nossas grandes prisões, o
bandido nem baleado estava. O BOPE prendeu o Escadinha, o BOPE
prendeu o Meio Quilo, o BOPE prendeu o Marcinho VP e nenhum deles o
BOPE matou. [...] Nenhum deles nem baleado foi. E eles estavam armados.
Com exceção do Marcinho VP que tava desarmado, os outros estavam
armados atirando contra a equipe. [...] Durante 17 anos de vida da unidade,
nós tivemos 4 policiais mortos, feridos à bala em confronto. [...] É uma
guerra sem fim. Por mais que toda noite você vá lá... Durante duas semanas
o BOPE quase toda noite matava um traficante ali [aponta para o Morro da
Mineira]. Apreendia uma pistola, matava um traficante, apreendia um
fuzil, matava um traficante. [...] A nossa guerra já se tornou particular, é
uma guerra de polícia com traficante. A sociedade tá alheia a isso tudo. [...]
A polícia vive essa guerra particular, onde você mata um traficante, o
traficante fica com ódio da polícia. Aí eles matam um policial, você fica com

200
Utilizo aqui trechos da entrevista completa realizada com Rodrigo Pimentel, então capitão do BOPE,
durante as filmagens do documentário Notícias de uma guerra particular (1999), dirigido por João Moreira
Salles e Katia Lund. Disponibilizada nos extras do DVD do filme, a entrevista completa (dividida em duas
partes) também pode ser acessada através dos links: <http://www.youtube.com/watch?v=h9Jngj99NlI>
e <http://www.youtube.com/watch?v=ZAvoKor-XjQ>. Acesso em: 20/08/2013.

162
ódio do traficante, essa coisa vai nesse nível, é uma guerra quase que
particular já. [...] A política é de combate.

Esse agente de Estado, à época capitão do BOPE, se refere, portanto, ao


sentimento de ódio que um policial pode ter de um traficante na mesma entrevista em
que diz que matar é cumprir um dever. Se a guerra à qual se refere o capitão é particular,
é de polícia com traficante, se o policial sente ódio do traficante, se essa guerra é gerida
por uma política de combate na qual matar é cumprir seu dever, estamos diante de um
quadro no qual essa mesma vingança, que pode habitar cada policial que sentiu ódio, é
uma vingança que está institucionalizada.

Considerando ainda a leitura do MP sobre o fato de os policiais denunciados pela


ação no Morro do Russo terem matado aqueles seis moradores por vingança sob o
falacioso fundamento de que seriam traficantes, gostaria de chamar atenção para a
perenidade desse sentimento de vingança. Nessa operação do Morro do Russo nenhum
policial foi morto, sequer ferido – caso contrário, tais informações constariam dos autos
do processo em diferentes documentos examinados ao longo deste estudo. Assim
sendo, a possibilidade de vingança dos policiais denunciados estaria então relacionada
à suposta morte de um policial ocorrida em momento anterior àquele.

Dando continuidade a esta linha de raciocínio, aciono novamente a entrevista do


capitão da tropa de elite para recuperar dois trechos, não necessariamente na ordem
em que aparecem: 1) a justificativa de que se trata de uma guerra porque em 17 anos
de vida da unidade, 4 policiais foram mortos, feridos à bala em confronto; 2) o fato de o
BOPE ter realizado incursões diárias durante duas semanas no Morro da Mineira,
período no qual, segundo o capitão, quase todas as noites um traficante foi morto por
um policial. Considerando que quase todas as noites, em uma conta por baixo, poderia
corresponder a uma morte a cada dois dias, em duas semanas o total de mortes de
moradores de favelas (visto que não se sabe – e, no limite, não importa – se eram
traficantes ou não) equivaleria a 7 mortes em duas semanas de operação militar.

O que nos é apresentado em números, então, em menos de 20 minutos de


entrevista, é o seguinte quadro: nos 17 primeiros anos de atuação do BOPE nas favelas
do Rio de Janeiro, 4 policiais foram mortos por traficantes locais, enquanto em duas
semanas de operação do BOPE no Morro da Mineira, 7 moradores foram mortos por

163
policiais201. Quando me referi à perenidade do sentimento de vingança, pensava em
assimetrias como essa e, finalizando essa minha brevíssima incursão no campo da
análise (quase) quantitativa, faço questão de utilizar como unidade de medida a locução
adverbial de tempo que o capitão usou em sua entrevista: quase toda noite. Afinal, não
é preciso trazer aqui o número de moradores de favelas mortos por agentes do BOPE
durante os 17 primeiros anos de atuação deste batalhão para entendermos que os tais
4 policiais mortos no mesmo período foram e ainda são vingados quase toda noite em
operações policiais – realizadas pelo BOPE ou outras unidades da PMERJ – nas favelas
do Rio de Janeiro. A vingança à qual se refere o MP na denúncia é produzida
institucionalmente; a vontade livre e consciente de matar, mencionada no mesmo
documento, também é institucional – cada disparo efetuado por um policial durante
uma operação na favela está atravessado pelo Estado202.

Retorno à entrevista de Pimentel uma última vez nesta seção, para refletir sobre
o posicionamento firme do MP a respeito de os policiais denunciados não estarem
autorizados a matarem aqueles seis moradores do Morro do Russo, ainda que os
mesmos fossem traficantes. O termo utilizado pelo MP para qualificar as ações letais
dos agentes foi justiçamento sumário. Relembro, então, a afirmação do capitão do BOPE
de que quando um agente da sua unidade mata é por necessidade. Em seguida, o
entrevistado apresenta uma lista de bandidos cariocas conhecidos que foram presos
sem serem baleados, fazendo questão de dizer que eles estivam armados e atirando
contra a equipe.

O que o entrevistado não explicou foi sob quais argumentos, portanto, se


sustenta a necessidade de matar. Pelas pistas oferecidas por ele mesmo, é possível

201
Ainda que a exibição de tais números não tenha o objetivo de subsidiar estatísticas, considero
importante lembrar aqui o modelo utilizado por Ignacio Cano (apresentado por ele na audiência pública
sobre registros de autos de resistência realizada na Alerj, como discutido no capítulo 2 desta tese): quando
se estabelece de fato o confronto armado entre policiais e traficantes, é esperado que o número de
policiais mortos seja menor (por conta do treinamento, da preparação física etc); no entanto, quando se
ultrapassa a marca de dez “opositores” mortos para um policial morto, já está configurado o uso excessivo
da força.
202
Esta leitura compartilha do posicionamento explicitado na análise de Leite (2012), que argumenta que
as execuções dos moradores de favelas devem ser compreendidas “não como produto de "desvios de
conduta" ou "excessos" praticados por agentes das instituições estatais, ou por "maus policiais", mas
como resultantes dos dispositivos de gestão das favelas e de suas populações que estão inscritos nas
próprias concepções e práticas estatais na sociedade brasileira”.

164
entender que essa necessidade estaria atrelada ao cumprimento do dever (já que matar
traz a sensação de dever cumprido) – esse seria, então, outra possibilidade de caminho
interpretativo para a leitura das mortes em questão como produtos de uma orientação
institucional, cumprida pelo profissional da ponta que tem a necessidade de realizar bem
sua missão. Como propaga uma das músicas de treinamento do BOPE mais difundidas,
a missão da tropa de elite é entrar pela favela e deixar corpos no chão.

Dito isto, retorno ao enquadramento demarcado no texto assinado pelo


promotor de justiça ao ressaltar que os denunciados – todos policiais militares em
serviço – segundo alegaram por determinação superior – realizavam incursão no citado
morro. Aqui, na própria denúncia em discussão, a corporação está presente enquanto
determinação superior e a institucionalidade da ação é ratificada pela redação de duas
palavras: em serviço. Após a identificação e descrição de todos os atos condenatórios, o
texto condensa em um único parágrafo essas duas dimensões – a individual e a
corporativa – mencionando o fato de que a participação de cada um dos denunciados
no conjunto de homicídios, ainda que, em relação a alguma das seis vítimas tenha
consistido numa atitude corporal inerte, redundou em força moral cooperativa. Tal
afirmativa se vale do fato de que havia certeza da solidariedade entre todos, tendo eles
mantido odiodo pacto de silêncio da verdade ao longo de toda a investigação.

Conforme se encaminha para o encerramento, no entanto, a denúncia torna a


focalizar especificamente os policiais que participaram na incursão no Morro do Russo.
Em seis linhas de texto, três denominações são utilizadas para se referir a esses agentes:
os denunciados (incursos nas penas do artigo 121203); os acusados (para responderem à
imputação deduzida) e os réus (que serão julgados pelo Tribunal do Júri). Na sequência
desse texto, que corresponde à apresentação do fato delituoso, o documento é
encerrado com um requerimento da oitiva, realizado em apenas uma frase seguida da
lista nominal das oito testemunhas ouvidas naquela fase do inquérito.

Assinada por um promotor de justiça – que explicita que o documento é


produzido no uso de suas atribuições legais –, essa denúncia chega ao Fórum para ser
entregue às mãos do juiz em três folhas de papel timbrado do MP. A chegada ao destino

203
Ver nota 156 na Advertência.

165
é protocolada com um carimbo na primeira das folhas da denúncia, o qual traz acima do
nome do juiz e do espaço para preenchimento da data, dois itens informativos: 1) D.R.A.,
que corresponde a “distribua-se, registre-se, autue-se”, e 2) Decisão de recebimento da
denúncia em separado.

Neste outro documento, então, nomeado decisão, o juiz afirma que a denúncia
oferecida pelo MP preenche os pressupostos legais para o seu recebimento, afirmação
ratificada pela listagem dos seguintes componentes: exposição do fato criminoso, com
todas as suas circunstâncias, a qualificação dos acusados, a classificação do crime e rol
de testemunhas. A decisão é curta e cifrada (não só por citar artigos do Código de
Processo Penal, mas especialmente pela composição lexical que marca o campo
jurídico), mas ainda assim se faz evidente o status que ocupa no desenvolvimento do
caso o resultado dos exames realizados no IML:

Há justa causa para a deflagração da ação penal, consubstanciada na


materialidade delitiva, que se encontra positivada pelos Autos de Exames
Cadavéricos anexados às fls. 268/269, 243/244, 237/238, 251/252, 264/265
e 259/260 e nos indícios de autoria, que exsurgem do teor dos depoimentos
prestados pelas testemunhas [nomes das testemunhas ouvidas na oitiva].

Este trecho da decisão do juiz ao aceitar a denúncia do MP não deixa dúvidas


quanto à centralidade do laudo cadavérico para a condução do caso: a apresentação da
documentação produzida no IML juntamente com os depoimentos das testemunhas
ratifica não apenas o peso do laudo enquanto prova, mas a equivalência entre inscrições
que marcam no corpo sua própria morte e relatos orais que trazem informações
fundamentais para a investigação.

Um mês após a divulgação da decisão, a Defensoria Pública do Estado do Rio de


Janeiro envia ao juiz o posicionamento da defesa escrita prelinar, criticando a
generalização da autoria descrita na denúncia apresenta pelo MP e solicitando a rejeição
da mesma por parte do juiz:

[...] Emérito Julgador, assim ante ao exposto, espera a defesa a rejeição da


inicial, dada a inépcia, como a própria generalidade das narrativas
envolvendo os policiais militares que eventualmente estiveram em
atividade de segurança pública.

166
Ausência de justa causa se faz a todos os olhos!!! A presunção do atuar dos
réus na forma da peça acusatória se faz pelos locais das lesões. Ora, como
admitir a conjectura para exercício acionário, quando a norma processual
federal requer indícios de autoria como exigido?

Assim, então, a defesa dos policiais mobiliza o resultado dos exames cadavéricos
para dizer que a partir deles não é possível sustentar aquela denúncia. Ainda que o
ponto da crítica resida na ausência de provas que permitam determinar a autoria dos
crimes de forma individual, importa o fato de que a reação aos locais das lesões
enquanto prova tenha sido precedida por uma expressão que se refere ao órgão da
visão. Se a ausência de justa causa se faz a todos os olhos, qualquer um que estivesse
interessado no caso enxergaria aquela ausência de prova anunciada pela defesa, mais
ainda um especialista.

Certamente foi a busca pela argumentação especializada que orientou a


elaboração de uma nova listagem de testemunhas a serem ouvidas: das sete pessoas
escolhidas, solicitou-se um perito em armamento do Instituto de Criminalística Carlos
Éboli e também um perito legista. A defesa requisitou ainda que fosse incorporada aos
autos publicação jornalística da atividade ilícita em comunidades cariocas, dentre as
quais o Morro do Russo – requisição que expõe um dos caminhos utilizados pelos
operadores do direito que atuam na defesa de policiais acusados durante a elaboração
da inversão operada nas audiências de instrução e, em especial, no dia do julgamento
dos policiais em casos como esse.

Tal inversão, como trabalhamos Adriana Vianna e eu a respeito do julgamento


de policiais militares envolvidos em um caso semelhante ao do Morro do Russo,
acontece da seguinte forma:

o réu deixa de ser o alvo das acusações daquele julgamento, pois estas são
direcionadas pela defesa para as vítimas da chacina [...], fazendo com que o
promotor e o assistente de acusação tivessem que se esforçar para defender as
próprias vítimas. Nesse sentido, a equipe responsável pela acusação dos
policiais é obrigada a usar a maior parte do tempo das audiências de instrução
e julgamento “limpando moralmente”204 as vítimas e, por extensão, seus
familiares. A inversão completa do quadro, portanto, faz com que durante o

204
Para a análise em questão, foi acionada a ideia de “limpeza moral” elaborada por Machado da Silva e
Leite (2008) durante investigação sobre estratégias de enfrentamento de estigmas e de distanciamento
moral dos moradores de favelas em relação aos traficantes que atuam nessas localidades.

167
julgamento de um processo deste tipo, a defesa acuse e a acusação defenda.
(Vianna e Farias, 2011: 100)

Para fortalecer ainda mais essa linha argumentativa, a defesa solicitou ainda que
o Batalhão da Polícia Militar responsável pela operação no Morro do Russo enviasse
cópia do IPM (Inquérito Polícial Militar). Ao me referir ao fortalecimento da linha
argumentativa, estou informada pelo Relatório de Inquérito Final – documento que
fornece muitos dados que sustentam a versão da troca de tiros relatada pelos policiais
ao preencherem o Registro de Ocorrência, conforme explicitei no início desta seção do
capítulo.

Oito dias após o posicionamento da defesa dos policiais denunciados, a


promotoria se manifestou mais uma vez, encaminhando ao juiz documento de resposta
à defesa inicial: verifica-se que em nenhum momento foi levantada alguma questão
relevante que possa conduzir à extinção do feito de forma prematura. O promotor que
assinava tal resposta já não era o mesmo que assinou a denúncia, mas tal substituição
não alterou o posicionamento do MP sobre o caso do Morro do Russo. Consta do
documento, inclusive, crítica severa à defesa apresentada, qualificando como impossível
o pedido da defesa e como inadequada a via escolhida para propor o trancamento da
ação penal em questão.

Finalmente o vai e vem de papéis relativos ao início do processo se encerra com


a divulgação da última decisão do juiz, dois dias após a resposta da promotoria à defesa
dos acusados. É ratificada a primeira decisão, são repetidos os motivos pelos quais
deveria ser instaurada a ação penal e designa-se o dia da primeira audiência do caso –
para dali a três meses.

4.2 Releitura dos fatos com a lente da perícia independente

Em meio às disputas descritas na seção anterior, registrei a centralidade dos


exames cadavéricos para a condução do caso do Morro do Russo a partir dos textos de
outros documentos mobilizados na composição do processo. Agora, dedico atenção

168
especial ao laudo cadavérico enquanto plataforma de registros oficiais – elaboro uma
descrição analítica a partir do que foi dito pelo perito legista durante a reunião no
NUDEDH (relatada na Cena 6), adicionando à reflexão o conteúdo do parecer técnico-
científico por ele produzido.

Cabe explicar que este parecer começou a ser produzido quando o processo já
estava em andamento, mas como é permitido que ambas as partes apresentem
documentos em qualquer fase do processo205, após as negociações entre os familiares
de Emanuel, Dr. Saul e Frederico Chagas206 (parte delas relatada na Cena 6), decidiu-se
pela juntada do estudo ao processo. Como antecipei na introdução do capítulo, todos
os presentes na reunião dedicaram atenção especial a uma anotação nos esquemas do
laudo cadavérico de Emanuel, a tal zona de tatuagem. Sua existência no corpo da vítima
e, mais especificamente, seu adequado registro no laudo cadavérico somado às
informações acerca da entrada e da saída do projétil, são informações capazes de
comprovar que o tiro fatal foi dado pelas costas e à curta distância.

Informações que, segundo o perito legista convocado pelos familiares, deveriam


aparecer articuladas na continuidade do preenchimento do laudo cadavérico no
momento da perícia no IML, através da seção do laudo reservada para as respostas aos
quesitos, constituída de cinco perguntas, que reproduzo aqui com as respectivas
respostas preenchidas no documento relativo à vítima Emanuel:

Houve morte?

205
“Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em qualquer fase do
processo (art. 231 do CPP). Não é permitida a exibição ou leitura de documento no plenário do Júri sem a
ciência antecipada da parte contrária (art. 479). Documento é qualquer objeto que contenha marca ou
sinal, como superfícies escritas, papéis, cartas, fotografias, filmes, gravações sonoras etc. As cartas
particulares, interceptadas ou obtidas por meios criminosos, não serão admitidas em juízo (art. 233 do
CPP). O mesmo ocorre com as fitas magnéticas e a escuta telefônica. Não é permitida a apreensão do
documento em poder do defensor do acusado, salvo quando constituir elemento do corpo de delito (Art.
243, § 2o , do CPP). São inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos (art. 5º, LVI, da
CF).” (Führer e Führer, 2009).

206
Nesta seção me refiro a Frederico Chagas também como “o defensor”. Gostaria de lembrar que tata-
se de um dos defensores que atua enquanto assistente de acusação do caso, não podendo ser confundido,
portanto, com o defensor público que atua na defesa dos policiais acusados. Na tentativa de evitar
qualquer mal entendido nesse sentido, busquei utilizar na redação deste capítulo o termo “defesa” para
me referir à defesa dos réus, sem apresentá-la através do profissional que a desempenha.

169
SIM.

Qual foi a causa da morte?

FERIMENTO TRANSFIXIANTE DE CRÂNIO COM LESÃO DE ENCÉFALO.

3) Qual foi o instrumento ou meio que produziu a morte?

AÇÃO PÉRFURO-CONTUNDENTE.

4) Foi produzido por meio de veneno, fogo, explosivo, asfixia ou tortura, ou


por outro meio insidioso ou cruel (resposta especificada)?

SEM ELEMENTOS PARA RESPONDER POR DESCONHECER A DINÂMICA DO


FATO.

5) Outras considerações objetivas relacionadas aos vestígios produzidos


pela morte, a critério do Senhor Perito Legista.

SEM OUTRAS ALTERAÇÕES. (sic)

Segundo as explicações de Dr. Saul para os familiares e o defensor, apesar da


referência à zona de tatuagem na descrição da necropsia e a indicação da marca no
esquema que compõe o laudo cadavérico, a forma como os cinco quesitos foram
respondidos prejudicam de forma concreta a investigação do caso207, como fica explícito
através do trecho do parecer técnico-científico produzido posteriormente. A crítica
deste profissional ao trabalho realizado no IML Afrânio Peixoto acompanha a ideia de
que há situações em que o perito não vê e o que vê não descreve (recuperando uma
passagem da explicação durante a reunião no NUDEDH). O posicionamento do perito
convocado pelos familiares de Emanuel poderia ser resumido com outra frase que
anotei no meu caderno de campo – o problema do laudo é que é um somatório de
incompetências – no entanto, vale complementar a argumentação com a versão formal
(e técnica) da crítica:

Quando o perito legista não encontra sinais cadavéricos que expressem o


emprego de “veneno, fogo, explosivo, asfixia ou tortura ou outro meio
insidioso ou cruel”, resta absolutamente errôneo prejudicar o QUARTO
QUESITO, sob a alegação de “PREJUDICADO”, ou “SEM ELEMENTOS DE
CONVICÇÃO PARA RESPONDER”, ou “SEM ELEMENTOS POR DESCONHECER

207
Vale ressaltar que, nesta situação, prejudicar a investigação do caso não é uma frase neutra, mas
posicionada, e que indica uma acusação de mau uso da “verdade técnica”.

170
A DINÂMICA DO EVENTO”, ou mesmo, como se pode ler no Laudo de Exame
Cadavérico em comento, “SEM ELEMENTOS PARA RESPONDER POR
DESCONHECER A DINÂMICA DO FATO”. Ora, se o perito quer ter
informações sobre a dinâmica do evento, ele poderá solicitar ao delegado
de polícia que preside o inquérito policial, ou mesmo ao INSTITUTO DE
CRIMINALÍSTICA CARLOS ÉBOLI, informações sobre a Perícia de Local de
Crime. E, ainda, quando o cadáver provém de unidade hospitalar, solicitar
informações hospitalares, sobre o atendimento prestado, ou, no caso de
morte no ingresso da unidade hospitalar, o que foi evidenciado pelos
médicos. E, como vimos, o perito legista independe de informações
adicionais, de Local de Crime, para afirmar ou negar se houve emprego de
“VENENO, FOGO, EXPLOSIVO, ASFIXIA OU TORTURA OU OUTRO MEIO
INSIDIOSO OU CRUEL”. [...] Em suma, “PREJUDICAR” a resposta ao QUARTO
QUESITO é pura tergiversação capaz de deixar pairarem dúvidas
inaceitáveis sobre os fatos, que obrigatoriamente têm de ser determinados
por meio de um Exame Cadavérico corretamente realizado, o que trará
prejuízos para o processo penal. Respondê-lo corretamente é dever de
ofício do perito legista. (sic)208

Neste parecer técnico-científico, o foco da crítica do perito legista acionado pelos


familiares de Emanuel não se prende à maneira de responder o quarto quesito – ao
contrário, se espalham pelas páginas do estudo apontamentos sobre cuidados que não
foram tomados e que, da mesma forma que ocorre com a resposta ao quarto quesito,
acabam deixando “dúvidas inaceitáveis sobre os fatos”. Desta lista, destaco mais dois
exemplos: 1) a ausência de uma mensuração completa das duas feridas por PAF (projétil
de arma de fogo) – mensurações imprescindíveis para a estimativa do calibre do projétil
(para conferir se o calibre coincidia ou não com os calibres das armas utilizadas pelos
policiais durante a “operação”) e que, vale ressaltar, deveriam acontecer através da
utilização de instrumentos de medição específicos, como o paquímetro digital ou
mesmo uma régua milimetrada; 2) a ausência de descrição da forma da ferida de
entrada do projétil – que, segundo o estudo, poderia esclarecer a trajetória do projétil,
dado que poderia ser utilizado para inferir em que posições estavam atirador e vítima.

Justapondo-se, portanto, à porção “visível” do preenchimento do laudo,


percebe-se que há uma série de perguntas a serem respondidas pelo perito que não
estão impressas no documento (da forma como estão os cinco quesitos citados

208
Trecho do laudo de exame de necropsia de Emanuel, produzido no Instituto Médico Legal Afrânio
Peixoto, no dia seguinte de sua morte. Sobre a documentação aqui utilizada, ver nota 156 da seção
“Advertência”.

171
anteriormente). Se somássemos as perguntas não impressas (e não respondidas) às
perguntas impressas com respostas incompletas, poderíamos compor uma lista
considerável de ausências neste laudo cadavérico – ausências que correspondem a
informações que não foram registradas no devido documento pelo profissional capaz
de fazê-lo, ou seja, informações invisíveis aos olhos dos não especialistas.

Este tipo de produção do laudo cadavérico pode ser entendido, então, como um
procedimento orientado por uma espécie de negativo da revelação, não porque
esconde informações, mas porque revela a força de um indizível burocrático, porque
explicita a intimidade do especialista com uma economia de palavras em um documento
crucial para o prosseguimento de investigações, para o encaminhamento de acusações,
para o tratamento jurídico/legal de violações e crimes de estado. Aqui reside, portanto,
o caráter de (i)legibilidade desta documentação, nos termos trabalhados por Das e Poole
(2004) em suas reflexões sobre processos de construção e reconstrução do Estado
através das suas práticas de escrita – (i)legibilidade que pode ser compreendida, ainda,
através da chave interpretativa de que governar é também não fazer, conforme
sugerem os trabalhos de Vianna (2002) e Lugones (2009).

Seguindo a chave analítica proposta por Das e Poole (2004), o problema da


(i)legibilidade da documentação do Estado é encarado como uma das bases de
consolidação do controle estatal sobre populações, territórios e vidas – enquadramento
que será discutido na seção 4.4 deste capítulo. Os opostos legibilidade/ilegibilidade
abrem espaço para possibilidades de interpretação pautadas por contrastes e/ou
escalas do visível e do legível, como no caso dos desdobramentos de leitura do laudo a
partir da zona de tatuagem aqui discutida. Por se tratar de uma marca no corpo e uma
anotação no esquema gráfico que compõe o laudo que podem ser enxergadas por leigos
(e inclusive compreendidas, se devidamente explicadas), a zona de tatuagem pode
sugerir a garantia da legibilidade deste documento para além da esfera da perícia
estatal.

Uma simples anotação “T”, feita à mão pelo perito de plantão no IML, no dia
seguinte da morte de Emanuel, carrega consigo uma determinada versão dos fatos e o
devido preenchimento desta informação na documentação em questão orienta,
correlaciona ou confronta diversas outras informações a respeito da morte deste

172
morador de favela – tanto informações que habitam ou deveriam habitar o mesmo
laudo cadavérico, quanto informações produzidas via outros registros e situações no
decorrer das investigações, como discutido na seção 4.1 deste capítulo.

É possível explorar nesta documentação de estado uma informação visual


(mesmo que o conteúdo imagético e seu potencial comunicativo sejam radicalmente
distintos de fotografias e outros suportes trabalhados no capítulo 1). Mas é também
indiscutível o fato de que não peritos (ou seja, leigos, como eu) possam enxergar a
anotação “T” no laudo. O ponto a ser destacado a partir desta leitura é que o fato de
não peritos enxergarem (e até entenderem) a anotação “T” não faz do laudo cadavérico
um documento completamente “legível”.

Aqui, entra em debate a questão das especializações, afinal, mesmo que muitos
possam enxergar a anotação referente à zona de tatuagem, não são todos que podem
realizar esta anotação no documento e não são todos que, dentro do tribunal do júri,
podem construir argumentações a partir desta anotação durante o julgamento do
policial que efetuou o disparo. Neste pequeno (mas determinante) trajeto burocrático,
estão conectados saberes de áreas distintas que se entrecruzam na engrenagem estatal
que se supõe soberana e rearticula cotidianamente estes saberes específicos a fim de
renovar e perpetuar tal soberania.

No caso em questão, o domínio do campo da medicina legal tanto possibilitou o


esclarecimento de informações, quanto sua omissão – e o controle dessas informações
passou por especialistas que trabalham produzindo registros oficiais. Provavelmente foi
considerando o peso desta oficialidade que Dr. Saul, enquanto perito legista
independente, explicitou seu julgamento nas páginas do parecer técnico-científico
elaborado para o caso do Morro do Russo:

A Ciência Forense prescinde de peritos legistas que, propositalmente


escudados da evasiva resposta ao QUARTO QUESITO – “SEM ELEMENTOS
PARA RESPONDER POR DESCONHECER A DINÂMICA DO FATO” –, lavam suas
mãos (mãos claramente irresponsáveis), como se PILATOS pós-modernos
fossem, diante de fatos científicos, de suma importância para a Justiça; e
mais que para esta, para a própria sociedade, ao final de tudo. [...] O povo,
pelo geral, atribui a impunidade à Justiça; mas nesse caso, em particular, a

173
impunidade fora referendada por exame cadavérico mal feito, desidioso,
incompleto, falho, omisso e incompetente.209

Apesar do enfoque dado à perícia na discussão aqui travada e de uma possível


interpretação da escolha da citação acima como aglutinadora de posicionamentos
políticos afins, considero fundamental enfatizar que este estudo é produzido a partir da
compreensão de que no percurso deste caso de execução de Emanuel (e dos demais
casos de violações cometidos por agentes do Estado nas favelas e periferias do Rio de
Janeiro) há múltiplas esferas e agências de estado intercaladas. Não se trata de arrastar
para cima de determinado perito legista ou para o IML-RJ holofotes (ou acusações) que
recaem com maior frequência sobre ações individuais de policiais ou sobre a instituição
da Polícia Militar como um todo, ou sobre o sistema de Justiça em curso.

Em relação a este ponto da discussão, gostaria de ressaltar que não é


desconsiderado aqui o fato de o Instituto Médico Legal Afrânio Peixoto fazer parte da
estrutura da Policia Civil do Estado do Rio de Janeiro, alocado especificamente no
Departamento de Polícia Técnico-Científica da instituição. No entanto, não seria
analiticamente coerente deslocar o foco de acusação de uma polícia para a outra, visto
que no presente estudo as polícias são compreendidas enquanto integrantes da
engrenagem que faz a gestão das mortes dos moradores de favelas.

Como indiquei na introdução deste capítulo, foi a importância dada ao laudo


cadavérico na conversa entre os familiares de Emanuel, o perito legista e o defensor
público responsável pelo caso no Núcleo de Direitos Humanos na Defensoria Pública que
orientou a escolha de trazer para a análise essa discussão. Dentre as situações
vivenciadas durante o trabalho de campo, aquele foi um dos encontros mais instigantes,
especialmente por anunciar um conjunto de informações sobre as mortes dos
moradores de favelas ao qual eu ainda não tinha tido acesso.

Esse conjunto estava sob os domínios de um campo de saber que, embora tão
fundamental para a compreensão da gestão dessas mortes, até aquele dia não tinha se

209
Trecho do parecer técnico-científico produzido por Dr. Saul para ser anexado ao processo do caso do
Morro do Russo. Sobre a documentação aqui utilizada, ver nota 156 da seção “Advertência”.

174
apresentado enquanto possibilidade, enquanto via de acesso a outras fontes de
investigação. Não me refiro apenas ao parecer técnico-científico produzido por Dr. Saul,
mas ao próprio laudo cadavérico – documento insólito que não fazia parte da lista de
papéis oficiais sobre os quais eu planejava me debruçar.

Mas as reflexões de Dr. Saul sobre o laudo e o entusiasmo dos familiares com a
possibilidade da assistência de uma perícia independente, que contaria inclusive com a
produção de um parecer especial sobre a morte de Emanuel se apresentaram quase
como uma intimação do campo pra pesquisadora. Se estava me propondo a identificar
e perseguir analiticamente as imbricações institucionais que marcam a reconstrução
cotidiana do Estado através das relações estabelecidas com suas margens, não seria
coerente deixar de lado a explicação sobre a formação da zona de tatuagem no braço
esquerdo de Emanuel, ou ignorar o fato de que laudos cadavéricos são preenchidos de
forma inadequada.

Afinal, se a forma de responder aos cinco quesitos do laudo pode prejudicar


concretamente a investigação do caso, a produção deste documento não pode ter seu
lugar diminuído na engrenagem de gestão dessas mortes. Seguindo as pistas oferecidas
por Ferreira (2009) em seu estudo sobre o processo de identificação dos corpos não-
identificados no IML-RJ, entendo que assim como “cada identificação de um não-
identificado confere vigor a um modo específico de gerir estes corpos e suas mortes”
(Ferreira, 2009: 34), o mesmo pode ser dito para cada zona de tatuagem
inadequadamente anotada, ou para cada quarto quesito respondido de forma evasiva.

A análise aqui empreendida sugere que não só o momento de preenchimento


do laudo cadavérico pode ser entendido como mais um intervalo do cotidiano no qual
o Estado se reconstrói, como a própria forma de preenchimento produz intervalos nas
respectivas fichas – espaços deixados em branco e informações deliberadamente
ocultadas, que fazem parte do cotidiano burocrático através do qual o Estado se constrói
e se reconstrói.

Esses micro intervalos do cotidiano são produzidos no interior desse intervalo


correspondente ao momento de preenchimento do laudo. A leitura do preenchimento
do laudo cadavérico enquanto um intervalo do cotidiano anuncia um intervalo ainda

175
mais englobante, visto que o próprio ambiente no qual se realiza a necropsia pode ser
considerado um intervalo, um espaço obscuro, praticamente intransitável,
deliberadamente protegido e genuinamente evitado.

A discussão teria percorrido, então, micro intervalos espaciais e do oculto (do


espaço em branco e da informação não registrada), um intervalo temporal (do momento
do preenchimento) e um intervalo espacial englobante (a sala onde se realiza o exame
de necropsia) – todos aqui compreendidos como intervalos do cotidiano nos quais o
Estado, nessa relação com sua margem, se faz Estado. Somam-se a esses os intervalos
discutidos na seção anterior: podem ser lidos como intervalos de tempo englobantes o
período que separa o término do inquérito policial do início da ação penal, o momento
de apresentação da denúncia pelo MP e a primeira audiência, bem como os períodos de
espera entre uma audiência e outra210.

Em relação a este intervalo que separa uma audiência da outra, vale mencionar
um documento que integra o processo do caso do Morro do Russo, intitulado Atos da
Serventia, através do qual um escrivão alocado no Cartório da 2ª Vara Criminal comunica
ao Juiz da respectiva vara que o dia da próxima audiência do caso teria que ser
remarcado visto que um Ato Executivo determinava que naquele mesmo dia não haveria
expediente forense. No mesmo dia o juiz recebeu os Atos da Serventia e produziu um
Despacho:

I – Tendo em vista a certidão cartorária de fls. [número], remarco a


continuação da audiência de instrução para o dia [data], às 13:30 horas, nos
termos do art. 411 do Código de Processo Penal, com a redação dada pela
nova Lei no 11.689/08.

II – Renovem-se as diligências, observando-se o despacho de fls. [número].

III – Dê-se ciência ao MP e à Defesa.211

É necessário informar que esse adiamento significou a adição de um período de


3 meses entre uma audiência e outra. Cada dia, então, sem expediente forense, pode

210
Sobre dimensões subjetivas desses períodos pré-audiências e outras temporalidades que marcam as
trajetórias dos familiares de vítimas de violência institucional, consultar Vianna (2011).
211
Trecho do Despacho assinado pelo Juz Titular da Vara em questão, documento também incluído no
processo do Morro do Russo. Sobre a documentação utilizada nesta análise, ver nota 156 da seção
“Advertência”.

176
corresponder a um aumento muito significativo nesses intervalos englobantes entre
audiências – período de tempo que precisa ser considerado ao se refletir sobre a
engrenagem governamental de gestão das mortes dos moradores de favelas.

Ainda que sejam bem-vindos os descaminhos de leitura proporcionados pelo


acionamento da formulação de Das e Poole (2004) a respeito dos intervalos do cotidiano
enquanto um recurso metodológico e analítico, gostaria de dar continuidade à discussão
através de um movimento de reapropriação do ponto de onde partem as autoras para
elaborar tal formulação. Como exponho na introdução desta tese, ao argumentarem
que as margens do Estado configuram lugares nos quais esse Estado é continuamente
construído nos intervalos do cotidiano, Das e Poole (2004) estão se posicionando contra
o entendimento das margens enquanto espaços nos quais esse Estado ainda tem que
penetrar.

Na análise desenvolvida nesta tese, são explorados formatos específicos da


relação Estado-favelas que evidenciam a capilaridade dos poderes de Estado. E apesar
da obviedade inerente ao próprio fato, considero imprescindível dedicar um espaço
deste estudo para refletir sobre a relação do Estado com a favela a partir do próprio
corpo do favelado executado – sem referenciar a discussão diretamente ao exame de
necropsia, como nesta seção.

Já foi registrado que a perícia independente, através de suas explicações em


reunião e do parecer técnico-científico que produziu, informou que, além da perfuração
provocada pelo tiro de fuzil, o corpo da vítima também foi marcado por grânulos de
pólvora incombusta que incrustaram-se na epiderme e atingiram a derme, funcionando
como pequeninos projéteis, nas palavras utilizadas pelo próprio perito legista em seu
estudo. No parecer há inclusive trechos explicativos sobre a penetração do projétil na
cavidade craniana, sendo acionado, portanto, o mesmo verbo escolhido por Das e Poole
em sua argumentação sobre a presença do Estado junto a suas margens.

Na seção seguinte, então, exploro as demarcações políticas que acompanham as


marcações físicas desses corpos marginais.

177
4.3 Zona de tatuagem: um carimbo do Estado no corpo do favelado

A operação foi pouco dolorosa e extremamente rápida: colocaram-nos numa


fila e, um por um, conforme a ordem alfabética dos nossos nomes, passamos
por um hábil funcionário, munido de uma espécie de punção com uma agulha
minúscula. Ao que parece, esta é a verdadeira iniciação: só “mostrando o
número” recebe-se o pão e a sopa. Necessitamos de vários dias e muitos
socos e bofetadas, até criarmos o hábito de mostrar prontamente o número,
de modo a não atrapalhar as cotidianas operações de distribuição de víveres;
necessitamos de semanas e meses para acostumarmo-nos ao som do número
em alemão. E durante muitos dias, quando o hábito da vida em liberdade me
levava a olhar a hora no relógio, no pulso aparecia-me, ironicamente, meu
novo nome, esse número tatuado em marcas azuladas sob a pele.

Primo Levi, É isto um homem?

Dentre as marcas produzidas por instituições estatais nas peles de populações


sobre as quais eram/são exercidos controles variados, o número tatuado no braço
esquerdo dos judeus ao chegarem nos campos de concentração nazistas integra o
conjunto de versões contemporâneas mais aterrorizantes desta prática. Formatos
variados de inscrições produzidas contra a vontade daqueles cuja pele estava sendo
marcada atravessam a história da humanidade e oferecem pistas importantes para
reflexões sobre processos de identificação, classificação e separação de populações em
diferentes contextos políticos envolvendo julgamentos morais, criminalização e
extermínio.

Na Grécia Antiga, pessoas criminalizadas e escravizadas eram marcadas através


de uma inscrição na pele conhecida como stigmata212 – prática que depois foi
transmitida pelos gregos aos romanos, que a desenvolveram enquanto mecanismo de
controle do Estado (Gustafson, 2000). O potencial de visibilidade da tatuagem na Roma
Antiga é explorado no estudo de Gustafson (2000) através da identificação de três tipos

212
Em seu estudo sobre estigma e tatuagem na antiguidade greco-romana, Christopher Jones (2000)
explica que a inscrição stigma(ta) foi difundida de forma equivalente ao branding (técnica de
escarificação, caracterizada pela realização de desenhos através de queimaduras na pele), ao invés de ser
relacionada ao conceito atual de tatuagem, que seria o mais adequado de acordo com o historiador. Jones
(2000) argumenta que nem gregos nem romanos utilizavam a técnica branding em humanos e que tal
prática, muito utilizada em animais, não estava relacionada à palavra stigma, mas era identificada através
de palavras cujo significado se aproximava de queimadura, selo ou carimbo.

178
de penal tattoos213: 1) a inscrição do nome do crime no corpo da pessoa considerada
criminosa; 2) a inscrição do nome do imperador que liderava o governo sob o qual o
crime foi cometido e 3) a inscrição do nome da punição sofrida pela pessoa condenada.

Ainda que as legislações brasileiras e a lista de circunscrições políticas


mencionadas nos capítulos 2 e 3 materializem conjuntos normativos que demarquem o
afastamento entre os estilos penais (Foucault, 1987) característicos do antigo Estado
romano e do atual Estado brasileiro, acredito que o presente debate possa se alimentar
das possibilidades interpretativas que se apresentam a partir da reflexão de Gustafson
(2000) sobre as tatuagens de punição.

No centro deste debate, reside a tríplice aliança entre a lei, a escrita e o corpo
sobre a qual nos fala Clastres (2003), em seus escritos sobre tortura nas sociedades ditas
primitivas. A reflexão se tece em função da relação de interdependência entre a dureza
da lei e a escrita: sendo dura, a lei é ao mesmo tempo escrita. A escrita existe em função
da lei, a lei habita a escrita; e conhecer uma é não poder mais desconhecer a outra (2003:
195). Clastres faz menção às colônias penais da Moldávia, onde essa dureza da lei sobre
a qual ele se refere encontrava o próprio corpo do culpado-vítima como meio para se
enunciar – há relatos de prisioneiros soviéticos que foram tatuados na face e na testa
com os textos: os comunistas sugam o sangue do povo, ou Comunistas = Carrascos, ou
ainda escravos de Kruchtchev.

O ponto enfatizado a partir da dureza da lei é que há uma diferença crucial entre
as marcações realizadas nos rituais de iniciação analisados por Clastres e esse tipo de
marcação sobre os corpos presos em colônias penais: o autor argumenta que enquanto
a primeira demarca pertencimento ao expressar uma lei que a sociedade dita a seus
membros, a segunda corresponde a uma lei separada, distante, despótica, que –
garantida pela escrita – seria a lei do Estado, cujo objetivo da inscrição seria divulgar que
o prisioneiro está inteiramente fora da lei e quem o diz é o seu corpo escrito.

As inscrições feitas nos corpos durante os rituais de iniciação corresponderiam,


sob essa perspectiva, a uma conjuração a essa lei separada, que institui e garante
desigualdade. Nas sociedades contra o Estado que habitam a obra de Clastres, a marca

213
No desenrolar desta reflexão, o termo aparece, em tradução livre, como tatuagens de punição.

179
é igual sobre todos os corpos e enuncia Tu não terás o desejo do poder, nem desejarás
ser submisso. E contendo tal enunciado, essa lei não-separada só poderia ser inscrita no
próprio corpo, este espaço não-separado. (Clastres, 2003: 204).

Ao trazer para a discussão aqui implementada as reflexões de Gustafson (2000)


sobre as tatuagens de punição e a tríplice aliança entre a lei, a escrita e o corpo
explorada por Clastres (2003), não pretendo produzir aproximações entre marcações
realizadas para serem exibidas de forma exemplar e uma inscrição num corpo já morto,
que após a passagem pelo IML, será enterrado (e que mesmo que seja necessária e
autorizada a sua exumação, poucos serão aqueles que vão gravar em suas retinas tal
imagem). Aciono tais referências, distantes no tempo e no espaço, para pensar sobre os
enquadramentos políticos atribuídos a essas populações cujos corpos eram/são
marcados por forças de Estado214.

Os três exemplos trazidos de marcações produzidas pelo Estado contra a vontade


de quem estava sendo marcado (na ordem em que aparecem no texto: os judeus nos
campos de concentração nazistas, os escravos e criminosos na Roma Antiga e os
prisioneiros soviéticos na colônia penal na Moldávia), dizem respeito a populações cuja
existência estava sendo condenada, populações cujos corpos foram contados como
peças (Levi, 1988), populações escravizadas, populações consideradas fora da lei,
populações que em função de alguma regra inventada enquanto poder de Estado,
estavam sendo punidas – e a inscrição na pele fazia parte desta punição ou fazia parte
de determinada economia do castigo, nos termos de Foucault (1987).

Analisando diferentes tipos de marcas corporais, Le Breton (2004) enfatiza o


potencial de determinadas práticas em relação ao isolamento de pessoas – para o autor,
determinadas inscrições no corpo são capazes de projetar a pessoa para um limbo social
entre a vida e a morte, conferindo-lhe uma existência sob o olhar permanente dos outros

214
Não está sendo abordada neste debate a relação entre a criminalização de pessoas e as tatuagens que
elas mesmas decidiram realizar em seus corpos. No entanto, cabe registrar que, apesar de o estudo de
Lombroso (2013 [1876]) parecer datado, ainda há abordagens e posicionamentos que sugerem que a
perspectiva lombrosiana vai se reeditando no interior de engrenagens dos processos de criminalização de
populações. Um exemplo brasileiro recente é a cartilha Tatuagens: Desvendando Segredos, idealizada por
um tenente da Polícia Militar e publicada pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia em 2012, cujo
objetivo é facilitar “a atuação do policial dentro do reconhecimento visual ainda pouco explorado durante
as operações de patrulhamento”. A cartilha está disponível para download através do endereço
<http://pt.slideshare.net/mana5066/tatuagem-desvendando-segredos>.

180
(Le Breton, 2004: 31)215. Importa ressaltar, ainda, o fato de se tratarem de marcações
definitivas sobre esses corpos – independente da técnica predominante (se utilizaram
agulha, ferro em brasa216, ou outro artefato), tratam-se de marcas impressas por forças
estatais que modificaram aqueles corpos, tendo os mesmos assim permanecido até suas
mortes.

Nesses casos, no entanto, as marcas não estavam diretamente relacionadas às


mortes daquelas pessoas. Há outros casos em que estão.

Tendo como combustível de criação os acontecimentos da 1ª Guerra Mundial,


surge uma ficção literária sobre a construção e utilização de uma máquina estatal que
tatuava no corpo do condenado o texto da sua sentença até que as perfurações o
levassem à morte. Escrita por Kafka, a ficção Na colônia penal (1919) mostra uma
máquina tatuadora enquanto aparelho judiciário, cuja operação ficava nas mãos de um
único agente de Estado: aqui na colônia, eu exerço a função de juiz. O princípio segundo
o qual eu sentencio é de que a culpabilidade nunca deixa dúvidas. Não há, como em
outros lugares, vários juízes nem tribunais de instância superior217.

A máquina havia sido construída por um comandante que era ao mesmo tempo
soldado, juiz, técnico, químico e desenhista. Equipada com um rastelo em forma de

215
Sobre os limites contemporâneos para esse tipo de marcação de identificação/controle/isolamento de
corpos, Le Breton (2004) cita uma proposta elaborada por políticos de extrema direita (não localiza onde,
mas são extrema direita), para que pessoas infectadas pelo vírus HIV fossem marcadas na fronte com um
sinal identificador.
216
Dentre as diferentes marcações produzidas através desta técnica, destaco não só a estigmata, já citada,
como também as marcações produzidas pela Coroa Portuguesa em seus escravos (sec. XV): com ferro
quente produzia-se uma marca vermelha no ombro ou no peito do escravo, o identificando como
propriedade do Rei de Portugal (Thomas, 1997). Thomas (1997) também informa que a mesma marcação
a ferro em brasa era produzida no peito direito de escravos da Royal Africa Company, enquanto a South
Sea Company utilizava ouro ou prata em brasa para produzir uma marca relativa aos portos do Império
espanhol para onde os escravos estavam sendo enviados (Cartagena, Caracas ou Veracruz, por exemplo).
Há ainda aquelas marcações que predominaram na França do sec. XIV: “O ferrete é uma marca realizada
com ferro em brasa no ombro do condenado, a flor de lis e as letras GAL assinalam a passagem pelas
galerias reais conduzindo a um reconhecimento imediato daquele que se acha dever ser rejeitado
publicamente pela sociedade. Os ladrões são punidos com uma flor de lis com um V. As prostitutas são
igualmente marcadas. [...] O código negro, que rege as relações com os escravos nas colônias, impõe
desde 1685 uma flor de lis na pele dos fugitivos e toda uma série de mutilações em caso de recidiva.” (Le
Breton, 2004: 32).
217
Considerando a necessidade de trazer para o corpo do texto trechos da ficção correspondentes às falas
do operador da máquina, fiz a opção de citar os diálogos entre o oficial e o visitante da colônia publicados
na versão em quadrinhos de Na colônia penal (edição da Companhia das Letras, 2011), por serem mais
curtos e, assim, afetarem menos a sequência da argumentação desta seção do capítulo.

181
corpo humano, trazia dois tipos de agulhas: as longas, para escrever a sentença e as
curtas, para escoar o sangue e manter a inscrição sempre legível. O oficial assegura que
os termos da sentença nada têm de severos, afinal escrevem com o rastelo no corpo do
condenado o mandamento que ele infrigiu. Ao rastelo caberia a execução propriamente
dita da sentença. A explicação do funcionamento da máquina é feita com naturalidade:

uma vez deitado o homem, o rastelo desce até encontrar o corpo. Vibrando, o
rastelo penetra suas pontas no corpo, que, por sua vez, vibra com a cama. [...]
o rastelo começa a escrever. Uma vez que a inscrição faz sua passagem, o corpo
é delicadamente girado a fim de permitir uma nova inscrição. O algodão
especialmente concebido estanca o sangramento, permitindo uma segunda
administração, dessa vez mais profunda. Assim ele inscreve sempre mais
profundamente, durante doze horas. Nas seis primeiras horas, o condenado
vive quase normalmente. Apenas sofre. Depois de duas horas, retiramos o
tampão que está em sua boca, já que ele não tem mais forças pra gritar. Nesta
gamela, colocamos arroz cozido quente. O condenado pode pegar quanto
quiser com a língua. Pela sexta hora ele não sente mais qualquer prazer em
comer. Então eu me aproximo dele e observo o fenômeno. O homem não diz
mais nada, e o entendimento o domina pouco a pouco. Começa ao redor dos
olhos e depois, lentamente, se espalha. O homem começa a compreender a
inscrição, levanta o pescoço como se a escutasse. Ele compreende através das
feridas. É bastante complexo. São necessárias mais seis horas para chegar ao
fim. Mas então o rastelo o transpassa de cima pra baixo e o joga na fossa, onde
ele termina banhado em seu próprio sangue. E a justiça está feita.218

Como complemento do trabalho daquele aparelho judiciário, a audiência: Para


que todos possam assistir à execução da sentença, o rastelo é de vidro. [...] Todos podem
ver a inscrição sendo feita no corpo. O oficial explica, ainda, que o condenado da história
não dominava a sentença, não sabia que tinha sido condenado e não lhe deram
oportunidade de se defender. Para o oficial, seria inútil anunciar-lhe a sentença, visto
que ele deve conhecê-la a contragosto.

Na colônia penal foi lida por Clastres (2003) como um anúncio da mais
contemporânea das realidades – para ele, o delírio kafkiano que marca a novela foi uma
espécie de antecipação (2003: 196). Compartilhando do mesmo entendimento,
encaminho a discussão aqui proposta tomando como referência o aparelho judiciário da

218
Citações equivalentes às páginas 18; 23 e 24 da versão em quadrinhos. Sobre a publicação, ver nota
anterior.

182
ficção para refletir sobre a produção da zona de tatuagem nos corpos dos moradores de
favelas.

Ciente dos riscos inerentes a esse tipo de recurso analítico, identifiquei quatro
elementos significativos da ficção kafkiana que, isolados das especificidades da novela,
são apresentados enquanto base das correspondências possíveis entre o que se passava
na colônia penal fictícia e o que acontece nas favelas do Rio de Janeiro: 1. Uma máquina
estatal que mata uma pessoa produzindo uma tatuagem no seu corpo; 2. Um agente de
Estado que opera essa máquina enquanto um dever a ser cumprido; 3. Uma pessoa que
está sendo condenada por algo que desconhece e a quem, portanto, não foi dado o
direito de se defender; e 4. Um período de tempo que separa a vida e a morte daquela
pessoa sendo controlado pelo Estado.

Seguindo, então, a ordem de enumeração dos quatro elementos acima, destaco


algumas considerações. Sobre a máquina e a tatuagem produzida, vale registrar que no
caso dos homicídios em favelas, ainda que a zona de tatuagem não seja a causa da
morte, ela só é produzida a tiros de curta distância, que, segundo Cano (2003a) são o
sinal mais evidente de execução sumária – e, por esse motivo, não é negligente afirmar
que a máquina mata produzindo aquela marca no corpo da pessoa (apenas não se trata
da mesma relação de causalidade que se passa com a máquina da colônia penal).

Sobre a máquina propriamente dita, no caso o fuzil, há que se considerar o fato


de ser utilizado pelos agentes da PMERJ o armamento conhecido como de fuzil de
assalto, cujo modelo originário é o fuzil StG 44 (Sturmgewehr 44) produzido pela
Alemanha nazista, ainda durante a Segunda Guerra Mundial (Cashner, 2013)219.
Atualmente a PMERJ apresenta como armamento permanente da corporação o fuzil
COLT M4 e o fuzil FZ–M964 cal .762220 – calibre que segundo o parecer técnico-científico
produzido por Dr. Saul deixa zona de tatuagem aparente quando o tiro é realizado até
1,5m, logo, à curta distância221.

219
O fuzil StG 44 é considerado o primeiro fuzil de assalto e a partir dele outros modelos de fuzil utilizados
em operações militares foram desenvolvidos.
220
Fonte: Site Oficial da PMERJ, seção “armas e veículos”, através do endereço
<http://www.policiamilitar.rj.gov.br/armas_veiculos.php>.
221
Um fuzil calibre .762 como o que é usado pelos agentes da PMERJ tem alcance efetivo de 800m,
podendo alcançar até 3.800m. Trata-se de um armamento de alta precisão e longo alcance.

183
Sobre a devoção do agente de Estado ao operar a máquina, relembro a
declaração do capitão do BOPE na entrevista citada na seção 4.1 deste capítulo: matar
traz a sensação de dever cumprido. E antecipando uma emenda do segundo elemento
enumerado com o terceiro, vale retomar uma frase do oficial da colônia penal: aqui na
colônia, eu exerço a função de juiz. O mesmo acúmulo indevido de funções também é
atribuído aos policiais militares que executam moradores de favelas e condenado pelo
Ministério Público, que, como descrito na seção 4.1, qualificou as execuções no Morro
do Russo como justiçamento sumário. No enquadramento dos organismos
internacionais de Direitos Humanos, trata-se de uma execução extrajudicial222.

Tal justiçamento arbitrário é denunciado por outro caminho pelos próprios


familiares das vítimas: durante o trabalho de campo, ouvi um encadeamento que se
repetiu muitas vezes, em diferentes discursos públicos e também nos lamentos mais
privados, quando se referiam ao fato da vítima não ter ligação com o crime. O
encadeamento mais recorrente pode ser condensado na fala de uma das mães de
vítimas do coletivo junto ao qual realizei a pesquisa: meu filho não era bandido e, mesmo
se fosse, não poderia ter sido morto, teria que ter sido julgado e preso223.

Nesse sentido afirmei que o segundo elemento podia ser emendado no


terceiro: o condenado da colônia penal escrita por Kafka não sabia que tinha sido
condenado, logo, não podia nem se defender. Se as execuções nas favelas
correspondem, como qualificou o MP, a justiçamentos sumários, aí está embutida uma
condenação que não procede – não só pelos mecanismos extralegais de julgamento,
mas também pela ausência de conhecimento da acusação pelos próprios condenados.
Como discutido na introdução desta tese, tanto os moradores da favela, como o
território, na sua dimensão espacial e política, são alvos de ataques e condenações
diversas desde o seu surgimento na cidade e a concretização desses ataques se faz via
operações militares. Trata-se de um processo de julgamentos morais e criminalização

222
Vide a relatoria especial da ONU para execuções sumárias, arbitrárias e extrajudiciais
(http://www.ohchr.org/en/issues/executions/pages/srexecutionsindex.aspx) para a qual as organizações
brasileiras que atuam no campo da defesa dos Direitos Humanos enviam as denúncias das violações
cometidas por agentes de Estado.
223
Posicionamentos desse tipo também se referem à ausência da pena de morte na legislação brasileira,
como explicita o final do discurso da moradora do Borel, citado no primeiro capítulo deste trabalho: Se o
país não tem pena de morte, porque que toda comunidade favelada está condenada à morte e à
exclusão?.

184
de uma população, que transforma ações arbitrárias em legítimas – efeitos
contemporâneos do misto de moralidade e trabalho que marcava o ofício do
reformador geral da polícia nos primórdios da instituição sobre os quais reflete Foucault
(2008).

Sofrendo essa opressão há mais de um século, essa população que mora nas
favelas do Rio de Janeiro, ao contrário do condenado da colônia penal, sabe exatamente
quais são as condenações que recaem sobre ela – e as enfrenta cotidianamente. Mas
considerei válida a aproximação justamente porque o desconhecimento do personagem
da ficção a respeito de sua própria condenação corresponde à negação do seu direito
de se defender, o direito de dizer quem é, da mesma forma que foi negada ao taxista
morto na chacina do Borel a possibilidade de mostrar seus documentos, de se
identificar.

Um policial que atira na nuca de um morador de favela e relata durante o


preenchimento do registro de ocorrência que estava em troca de tiros e atirou para se
defender não age de forma muito diferente do oficial da ficção kafkiana que diz que os
termos da sentença não são severos porque o o rastelo escreve no corpo do condenado
o mandamento que ele mesmo infrigiu. Ambos agem por motivo torpe, para usar os
termos do MP: se na colônia penal a sentença é conhecida a contragosto, nas favelas
esse gosto pode estar encapsulado por alguma vingança, como foi discutido na primeira
seção deste capítulo.

Completo o trabalho do aparelho judiciário, a própria máquina se encarrega de


jogar o corpo na fossa. Dediquei um trecho específico da seção 4.1 sobre a ilegalidade
da remoção dos corpos realizada pelos policiais ao final das operações militares nas
favelas. Interessa agora mencionar a diferença da duração do trabalho das duas
máquinas em questão. Enquanto a máquina que tatua a sentença no corpo do
condenado leva 12 horas para findar sua tarefa, o fuzil produz a zona de tatuagem no
corpo do morador de favela durante o instante mesmo do disparo. Pá: missão cumprida.

No entanto, como anunciado na enumeração dos elementos escolhidos para


orientar esse exercício analítico, importa menos a duração (se 12 horas ou um instante),
e mais o fato de o período de tempo que separa a vida e a morte das vítimas ser

185
controlado por poderes de Estado: 12 horas ou um instante de exibição da forma crua
de exercício do biopoder, nos termos de Foucault (1999). Mas, como venho discutindo
ao longo da tese, não é só de biopoder que se retroalimenta a engrenagem de gestão
das mortes dos moradores de favelas.

Dando sequência à análise dessa engrenagem a partir das pistas deixadas por
Foucault, faz-se imprescindível enxergar também os exercícios de poder de Estado
através da polícia enquanto modernidade administrativa (Foucault, 2008). Articulo,
portanto, ao ato da execução sumária aqui discutida o preenchimento do laudo
cadavérico da vítima, no intuito de refletir sobre as imbricações entre o ofício do agente
da polícia militar e do agente da polícia civil enquanto potencialidades para a
administração da população residente em favelas via controle, classificação e
identificação de suas mortes. A partir deste recorte analítico, a zona de tatuagem é
trabalhada também enquanto registro burocrático indexador dessa população, sendo
consideradas as especificidades do processo de oficialização desse registro.

Tal processo de oficialização da zona de tatuagem enquanto registro de Estado


é produzido por pelo menos dois agentes: 1) um policial militar (ou, eventualmente um
policial civil) que tenha efetuado o disparo e 2) o perito legista do IML (agente da polícia
civil) para o qual o corpo da vítima tenha sido levado. O primeiro agente produz a marca
diretamente no corpo do favelado ainda vivo, o segundo reproduz a marca na silhueta
de corpo padronizada que integra a ficha correspondente ao laudo cadavérico, a partir
do exame de necrópsia do corpo do favelado. Os dois agentes têm acesso àquele corpo
durante um período de tempo que, independente do número de horas que se passem,
engloba a demarcação da fronteira entre a vida e a morte, como destacado
anteriormente.

Considerando essas etapas do processo de oficialização da zona de tatuagem, é


possível identificar uma dupla marcação governamental: trata-se de uma lesão
produzida no corpo do favelado ao ser executado que vira registro através de uma
anotação num papel timbrado de IML. As duas formas da mesma inscrição são “feitas à
mão” pelos agentes de estado já mencionados, sendo que um utiliza como instrumento
de marcação o fuzil e outro, a caneta. Enxergo em ambas as ações componentes de
reedição da rotina desencantada do funcionário que carimba documentos enquanto

186
cumprimento de seu dever, mas que assim o faz exercendo o poder decisório atribuído
a todo funcionário público que na repartição onde trabalha é responsável por
preencher, carimbar e assinar papéis – poder que, como destaca Ferreira (2009; 2011;
2013), está revestido de autoridade.

Ao abordar especificamente a trajetória burocrática de corpos não-identificados


no IML-RJ, Ferreira (2009) explica que “carimbos e assinaturas não remetem às pessoas
que os conduziram e registraram, mas são investidos de validade por sua simples
anotação, por funcionários oficiais, em folhas de papel igualmente oficiais” (Ferreira,
2009: 33). Pautando o debate sobre o anonimato dos funcionários de quadros
administrativos a partir das formulações de Herzfeld (1992), a antropóloga torna
evidente a assimetria inerente aos processos de classificação de corpos como não-
identificados: funcionários nomeados para ocuparem cargos em repartições públicas
agem sob a proteção do anonimato possível dos atos burocráticos enquanto nomeiam
como não-identificados corpos que tiveram vida e morte anônimas.

A linha de argumentação desenvolvida neste capítulo se alimenta desse


ensinamento trazido pelas reflexões de Ferreira (2009) sobre como a desimportância
atribuída à documentação de populações específicas corresponde também a uma
desimportância sobre os corpos aos quais essa documentação está relacionada224. Os
laudos cadavéricos dos corpos daquelas pessoas que foram/são executadas nas favelas
também são produto de uma gestão burocrática específica, dessa administração pública
atravessada pelo que Foucault (1999) denominou mecanismos mudos de um racismo de
Estado.

Estamos diante de uma racionalidade de Estado engendrada em processos de


controle de populações nos quais o ato de matar moradores de favela é sinônimo de
cumprimento de dever – logo, trata-se de uma ação que pode ser realizada de forma
análoga ao ato de preencher ou carimbar papéis. A produção da zona de tatuagem
durante a execução de um morador de favela por um agente de Estado expressa uma
marcação sistemática dessa população, tanto quanto o registro da mesma marca

224
É através desse mesmo modo de fazer administração pública que se dá a produção social da
indiferença, nos termos de Herzfeld (1992) trabalhados por Ferreira (2009).

187
durante o preenchimento do laudo cadavérico – trata-se de uma anotação que aloca
aqueles corpos em uma determinada seção das estatísticas oficiais: a zona de tatuagem
é uma marca de morte.

Essa marca tanto pode ser revelada via registros oficiais através de um
preenchimento do laudo cadavérico como o que foi produzido no IML-RJ a partir do
exame do corpo de Emanuel, quanto pode ser traduzida, também via registros oficiais,
em estatísticas sobre letalidade da ação policial no estado do Rio de Janeiro e divulgadas
em relatórios de balaços semestrais e anuais do Instituto de Segurança Pública. Mas em
qualquer uma das duas formas de registro dessa morte, quem controla e gerencia tais
informações é o Estado, como discuto a seguir.

4.4 Ortopedias discursivas para informações estatais

Desde as perguntas que compoem a seção quesitos na ficha do laudo, até os


enquadramentos nos grandes conjuntos de saldos anuais do ISP, há uma seleção das
informações que serão divulgadas e as que serão ocultadas, há um formato específico
para as que serão reveladas o serem, tal qual a polícia dos enunciados e o controle das
enunciações sobre os quais escreveu Foucault (1988) – visto que não se trata da
produção de uma regulação estatal sobre o que se diz e o que não se diz sobre essas
mortes, mas sim da produção de determinações sobre diferentes maneiras de não dizer
– como são distribuídos os que podem e os que não podem falar, que tipo de discurso é
autorizado ou que forma de discrição é exigida a uns e outros (1988: 34).

Quando durante as investigações, as pressões dos familiares, com a assessoria


do NUDEDH, resultam em pedido oficial ao IMLAMP para que o profissional que tivesse
realizado a necropsia de Emanuel respondesse detalhadamente duas perguntas
específicas sobre aquela morte, as perguntas não deixam de ser respondidas. Não é
negada, de forma oficial, nenhuma resposta. Ao invés disso é enviado ofício em papel
timbrado da Secretaria de Segurança, com todas as sub-divisões internas relativas ao
órgão responsável pela necropsia em cabeçalho (Secretaria de Segurança / Polícia Civil
do Estado do Rio de Janeiro / Departamento de Polícia Técnico-Científica / Instituto
188
Médico Legal Afrânio Peixoto), com duas respostas assinadas pelo perito que realizou o
exame no corpo de Emanuel no dia em que o mesmo chegou àquele IML.

Destaco, então, dois trechos que evidenciam construções discursivas


equivalentes a maneiras de não dizer sobre as quais alertou Foucault (1988), como
mencionei acima. O primeiro trecho resume-se a apenas uma frase na qual a perícia
afirma que baseado apenas nas características do ferimento de entrada podemos dizer
que o mesmo é sugestivo de disparo à distância – ainda que o parecer técnico-científico
não tivesse refutado este tipo de afirmação, qualquer leitura atenta entenderia, ao
menos, que a utilização da expresão sugestivo de disparo corresponde a uma maneira
de responder sem dizer nada.

O segundo trecho corresponde ao início da resposta à pergunta sobre a origem


dos ferimentos no braço esquerdo de Emanuel e se teriam relação com o ferimento por
PAF:

Em primeiro lugar, não há ferimentos no membro superior esquerdo e sim


uma zona de tatuagem conforme descrito no laudo, que caracteriza disparo
efetuado à curta distância. Com relação a se os sinais descritos, ferimento
no crânio e zona de tatuagem do membro superior, terem sido produzidos
por disparo único, depende de vários fatores. Portanto, seria leviano da
parte dos peritos fazerem tal afirmação.

Tal forma de responder, além de estar totalmente condicionada ao fato de quem


é autorizado ou não a falar sobre aquela morte, exibe recursos variados equivalentes a
maneiras de não dizer – no último trecho transcrito, dizer que uma informação com o
grau de complexidade que caracteriza ferimentos provocados por disparo de arma de
fogo depende de vários fatores é dizer algo que os leigos já sabem. Justamente por
depender de vários fatores – fatores os quais o especialista da área domina – é que a
pergunta se dirige a este profissional e não a outro. O especialista nega e afirma
obviedades e continua sem fornecer as informações que foram oficialmente solicitadas.
Vale lembrar que esta cirulação de informações se dá no interior de instâncias
governamentais, logo, trata-se da operação de uma ortopedia discursiva (Foucault,
1988) por dentro da própria engrenagem de gestão dessas mortes.

189
Mas tal ortopedia também se faz na produção das informações a serem
publicizadas, através do tratamento das mortes enquanto estatísticas estatais. Ainda
que sejam predominantemente apresentadas como dado inquestionável, porque
formuladas a partir de ciências exatas, as estatísticas sobre mortes também podem estar
permeadas de obscuridade. Não porque a estatística foi mal calculada, mas porque tal
cálculo já é produzido de forma a ressaltar determinados números em detrimento de
outros, a valorizar arranjos quantitativos que alocam num mesmo conjunto informações
que deveriam aparecer separadas umas das outras.

É o que acontece, por exemplo, com os homicídios que são registrados como
mortes violentas com causa indeterminada por diferentes estados da federação:
segundo pesquisa recente do IPEA, realizada com dados do Sistema de Informações
sobre Mortalidade (SIM), a taxa de homicídios no Brasil é 18,3% superior aos números
presentes nos registros oficiais – percentual que indica que oito mil e seiscentos
homicídios por ano no Brasil são classificados erroneamente como “mortes violentas
com causa indeterminada” (Cerqueira, 2013)225.

Tal pesquisa do IPEA, apresentada como Mapa dos homicídios ocultos traz no
próprio título a noção de uma informação não disponibilizada, apagada dos registros
oficiais. Em pesquisa anterior realizada especificamente a partir de dados sobre
homicídios no município do Rio de Janeiro, o IPEA havia divulgado que os bairros onde
ocorre a maior parte desses crimes correspondem às regiões nas quais estão localizadas
aproximadamente 60% das favelas da cidade (Rivero e Imanishi, 2009). A mesma
pesquisa revelou que o trabalho letal de polícia concentra-se nas mesmas áreas: favelas
ou entorno de favelas.

Entendo que, pautada pelo trabalho de campo, tive a oportunidade de explorar


outras angulações dessas maneiras de não dizer que compõem a engrenagem de gestão
das mortes dos moradores de favelas. Tive acesso a formas menos “arrumadas” de
arranjos e imbricações que compõem tal engrenagem – formas mais “borradas” talvez.

225
Movimento análogo pode ser observado em relação ao tratamento dos dados relativos aos
desaparecimentos forçados. Segundo Araujo (2012), entre 1991 e maio deste ano, o Estado do Rio
registrou 92 mil casos. No entanto, muitos desses casos registrados como desaparecimento
correspondem a homicídios praticados por agentes de estado, em especial aqueles que integram milícias,
mas praticados também por traficantes de drogas ilícitas.

190
(O borrão aqui é acionado a partir das suas derivações por metonímia: “primeira feição
de algo”; “qualquer rascunho que se faz no borrador (‘caderno’)”; ou ainda, sob a rubrica
da literatura, como “texto escrito com emendas, ou para emendar e aprimorar”226).

Decorre daí também essa investida analítica focada no laudo cadavérico e suas
(i)legibilidades – cujo arranjo não seria pensado como mais ou menos borrado
simplesmente pela forma como foi conduzido o preenchimento do documento ainda no
IML ou pela resposta dada ao quarto quesito, mas pelas circunstâncias do próprio
desdobramento encaminhado pelos familiares de Emanuel junto ao perito inde-
pendente que, ao se propor a produzir um parecer técnico-científico para um caso em
andamento, passa a ocupar uma função – temporária – em outra “esfera de estado” que
não aquela na qual se acostumou a desempenhar seu trabalho antes de se aposentar.
Esse caráter de transitoriedade ao qual me refiro (evidenciado nas palavras do próprio
autor do parecer: “[...] este perito legista, ora na função de assistente técnico junto ao
Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos da Defensoria Pública do Estado do Rio de
Janeiro [...]”) tem aparecido como uma marca em diferentes situações de pesquisa
observadas.

Tal transitoriedade tanto se expressa em relação a deslocamentos individuais


dos profissionais envolvidos nos casos (como, por exemplo, o afastamento de algum
defensor público de uma função ocupada em um dos núcleos da Defensoria cuja atuação
é marcada por laços estreitos com movimentos sociais urbanos de luta por moradia –
no caso do Núcleo de Terras227, ou movimentos de defesa dos Direitos Humanos – no
caso do já referido NUDEDH), quanto em relação a redesenhos institucionais em maior
escala.

A partir da rubrica da literatura para “borrão” anunciada acima – um “texto


escrito com emendas, ou para emendar e aprimorar”, retomo aqui a discussão sobre os
registros estatais destacados neste capítulo, o que se pode registrar ou deixar de
registrar no laudo cadavérico e, também, o que se fixa enquanto verdade sobre
determinada morte nos documentos que circulam durante a composição da ação penal.

226
Definições 2 e 2.1 do Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa – versão 2009.
227
Para um debate atual e comprometido a respeito das lutas por moradia no Rio de Janeiro, ver
Magalhães (2008).

191
Todos esses registros que são produzidos em meio a essa burocracia estatal ao mesmo
tempo que a produzem podem ser compreendidos, também, a partir desta ideia de um
escrito que se faz para emendar ou aprimorar.

Ao pautar a discussão em torno das burocracias estatais a partir dos registros


mencionados acima e, em especial, das possibilidades de preenchimento do laudo
cadavérico e suas potencialidades enquanto documento oficial, chamo atenção para as
possibilidades de sustentação da versão da troca de tiros via essa ortopedia discursiva
das informações sobre as mortes em questão. Como citado na introdução deste
capítulo, o confronto é uma alegação esta comuníssima por parte das forças policiais
quando o objetivo é camuflar execuções. O verbo camuflar utilizado no documento
produzido pelo NUDEDH habita o mesmo campo lexical do verbo ocultar e no mesmo
campo político, de acordo com a análise em curso das micro ações governamentais
pautadas pela necessidade da criação de maneiras de não dizer, pela produção de
informações escorregadias sobre essas mortes, difíceis de agarrar.

Trata-se, por outro lado, de tentativas de produção da invisibilidade das mortes


de moradores de favelas e a relação desta produção com a gestão governamental das
mortes provocadas por agentes de estado em favelas e periferias. Tal recorte se
alimenta diretamente da noção de tecnologias movediças trazida por Foucault (2008)
ao argumentar a favor do investimento nos estudos sobre governamentalidade.
Decantando o movediço na direção de uma suscetibilidade à mudança de posições,
poderíamos pensar em tecnologias da inconstância ou da volubilidade previstas na
marcação de um quadro de gestão de populações como esse recortado aqui a partir de
relações Estado-favelas.

Neste capítulo, explorei a forma de preenchimento do laudo cadavérico como


ação que se realiza enquanto tecnologia movediça através da qual se produziu
determinada verdade sobre a morte de Emanuel. Minha insistência em chamar atenção
para a zona de tatuagem enquanto uma marca de morte, sobre a qual essa ortopedia
discursiva se opera na produção de estatísticas e demais enquadramentos inerentes à
gestão governamental dessas mortes, também está articulada a um posicionamento dos
familiares e dos coletivos que os apoiam no enfrentamento à transformação da morte
(ou do próprio morto) em número.

192
Logo, a insistência em chamar atenção para a anotação que o perito legista
produz, no IML-RJ, demarcando na silhueta do laudo cadavérico a zona de tatuagem, se
justifica pela possibilidade de leitura que se abre quando é percorrido o caminho
inverso, afinal, anotar na ficha a tatuagem que foi feita no corpo é produzir o próprio
corpo morto no papel – é fixar aquele morador de favela em algum enquadramento que
cumpre uma função no interior da engrenagem estatal. O movimento inverso
corresponderia a desprender politicamente o corpo da silhueta, enxergar naquele corpo
seu nome e sua história e imaginar o momento em que aquele corpo – vivo – foi tatuado,
pelo Estado, com a pólvora espelida pelos eventos laterais do fuzil.

A zona de tatuagem é uma marca de morte, mas sua anotação – tanto no corpo
do morador de favela, quanto no laudo cadavérico – tem, para o Estado, o peso de uma
estatística, enquanto para a família da vítima e para o conjunto da população residente
em favelas, tem o peso de um enterro. Para cada silhueta marcada pela anotação “T”
num laudo cadavérico, mais um enterro mobiliza uma favela: pessoas choram, pessoas
rezam, pode ser que um ato seja marcado, pode ser que uma avenida seja parada. E
quem enxerga naquela silhueta a pessoa que foi morta pelo agente de Estado, elabora
outras formas de ler e acionar o laudo cadavérico: esse documento, no enfrentamento
conduzido pelos familiares de vítimas contra a violência institucional, é matéria prima
para caminhos argumentativos que extrapolam as possibilidades de interferência de
uma necropsia, ainda que cuidadosamente realizada. São esses acionamentos outros do
laudo cadavérico que pautam a discussão da seção final deste capítulo.

4.5 O documento laudo cadavérico, para além da necropsia

Ao longo deste capítulo, destaquei as potencialidades do documento laudo


cadavérico, enfatizando sua produção enquanto plataforma de registro indispensável
para a movimentação da engrenagem da gestão governamental das mortes dos
moradores de favelas. Conectando informações que habitam linhas e entrelinhas da
argumentação aqui empreendida, seria possível condensar em três pontos os atrativos
deste documento enquanto objeto relevante no recorte metodológico deste estudo:

193
1) É um documento produzido pelo Estado, em grande volume e padronizado –
remetendo-nos ao caráter totalizante da medição/contagem de mortos; para
depois ser modificado através da intervenção (via preenchimento) por um
agente do Estado (em geral, o médico legista) responsável pelas anotações
específicas a respeito de cada corpo perfurado de um morador de favela que
chega no IML – remetendo-nos à percepção da documentação de indivíduos
enquanto técnica de controle inerente a processos de produção de sujeitos,
na linha trabalhada por Ferreira (2009);
2) Trata-se de um documento cujo acesso – em termos de produção de
legibilidade – é restrito a alguns profissionais específicos, que neste contexto
são também agentes do Estado;
3) Trata-se de um documento que traz impressa uma imagem que também
passa a representar as vítimas cujas fotografias são exibidas pelos familiares,
especialmente suas mães, durante as manifestações referidas na introdução
e no capítulo 1 desta tese, ainda que estas representações se prestem a fins
muito diferentes; (me refiro aqui, especialmente, à silhueta dos corpos das
vítimas, no caso dos laudos, e, no segundo caso, àqueles registros
fotográficos das vítimas ainda vivas, bem arrumadas, que são coladas em
cartazes, ou estampadas em camisetas e banners – que Leite (2004) designa
como “foto-símbolo”).
Embora as três formas de enquadramento tenham sido exploradas ao longo das
seções anteriores, gostaria de mencionar ainda um tipo de acionamento deste
documento que já foi anunciado, mas que demanda atenção especial. Na Cena 1, que
compõe a introdução desta tese, descrevo uma mãe que aponta uma marca assinalada
no antebraço esquerdo da figura reproduzida numa das páginas do laudo cadavérico do
filho, dizendo: “Aqui. Ele levou um tiro aqui.”. Ela vira a página e mostra outra marca,
assinalada na silhueta de um corpo masculino visto de costas, como demonstra a
imagem a seguir:

194
Figura 33: Screenshot 4 – Entre Muros e Favelas

Fiz um recorte da imagem da cena que traz a tradução do primeiro trecho da fala
desta mãe, que enxerga no laudo informações diferentes da perícia técnica, como, por
exemplo, a covardia da ação: “Aqui, o outro tiro que ele levou, que você vai ver que foi
covardia, esse entrou, esse ficou. Foi o que matou. Esse tiro das costas aqui foi o que
matou ele”. Enquanto mostra o laudo pra câmera durante as filmagens de Entre Muros
e Favelas, é a covardia que essa mãe deseja denunciar – e a denúncia é feita através da
mesma plataforma de registro utilizada pelo Ministério Público para redigir a denúncia
que abre a ação penal.

No caso da cena escolhida para a introdução, era o próprio laudo, mais


especificamente a página relativa ao esquema de lesões, que aparece enquanto objeto
através do qual a denúncia é feita. Mas gostaria de mencionar o acionamento de outras
referências, também relacionadas ao contexto da produção dos laudos, mas enfocando
o próprio corpo, ao invés da silhueta que caracteriza o esquema de lesões. É o caso da
imagem gráfica produzida para a divulgação da Campanha Nacional contra o Extermínio
da Juventude Negra228.

228
Realizada entre 2009 e 2010, a campanha estava diretamente articulada às ações da Coordenação do
Fórum Nacional de Juventude Negra (FONAJUNE) juntamente com os Fóruns Estaduais de Juventude
Negra integrantes do FONAJUNE.

195
Figura 34: Material – Campanha Nacional contra o Extermínio da Juventude Negra

Mas como as silhuetas dos corpos são a referência mais direta aos laudos
cadavéricos, em face da silhueta dos esquemas de lesões, trago um último exemplo
deste tipo de acionamento para a construção do enfrentamento da violência
institucional protagonizado pelos familiares das vítimas.

Em uma matéria especial do jornal O Dia sobre a chacina do Borel, sob o título
Caso Borel – Plano para uma chacina229, fotografias do rosto das quatro vítimas fatais
foram organizadas ao lado de reproduções das silhuetas de seus corpos, indicando
através de pontos vermelhos os locais onde tinham sido atingidos pelos disparos dos
policiais militares.

229
Jornal O DIA, edição impressa do dia 19 de novembro de 2003.

196
Figura 35: Jornal O Dia – Caso do Borel 1

A página do jornal foi recortada por Dalva, para que a foto do seu filho Thiago,
juntamente com a reprodução da silhueta e as informações sobre os disparos, pudesse
fazer parte do cartaz que ela preparou para exibir do lado de fora do Fórum em fevereiro
de 2005, no dia do julgamento de um dos policiais acusados pelos crimes.

197
Figura 36: Jornal O Dia – Caso do Borel 2

Mais uma vez a zona de tatuagem é destacada como prova de que os disparos
foram efetuados à curta distância, mas no texto jornalístico é chamada, de forma
bastante apropriada, de “tatuagem” de pólvora. No cartaz produzido por Dalva, a
reprodução da silhueta do corpo do filho, com as sinalizações das perfurações dos
disparos que provocaram sua morte, foi colocada ao lado de um outro recorte de jornal,
que estampava uma fotografia da própria Dalva junto à sua neta, Gabriela, filha de
Thiago. Gabriela, que na época da ainda tinha dois, aparece sendo segurada pela avó,
ao mesmo tempo que segura a ampliação de uma foto do rosto do pai.

No mesmo cartaz, havia recortes de matérias de jornais sobre a manifestação


que marcou um ano da chacina do Borel, também referida na introdução e no capítulo
1 desta tese, sendo que uma das matérias exibia a fotografia da faixa do Movimento
“Posso me identificar?”, com essa pergunta seguida do texto: os Silvas, os Santos, os
Souzas, os Costas, os Oliveiras, os Pereiras, os Nascimentos, os Rodrigues, os Gonçalves.
Em busca de DIGNIDADE! A lista da faixa tinha o poder de nomear, portanto, não só as
vítimas da chacina do Borel, como as vítimas de várias outras chacinas ocorridas em
favelas do Rio de Janeiro.

198
Figura 37: Cartaz – Dalva

Então aqueles sobrenomes nomeiam, também, cada corpo fixado em ficha do


IML durante os exames de necropsia realizados após cada uma dessas chacinas. Como
anunciei no encerramento da seção anterior, aqueles que sentem essas mortes
enxergam nas silhuetas dos esquemas de lesões dos laudos muito mais do que a
possibilidade de provar tecnicamente que a vítima foi executada sumariamente.
Enxergam naquelas silhuetas a força dos corpos dos moradores de favelas que resistem.

Figura 38: Charge Latuff – 10 Anos Chacina do Borel.

199
Embora configure o objeto que materialize mais fortemente o percentual de
aridez do material coletado durante esta pesquisa, dentre toda esta papelada que
registra, classifica e regula mortos e vivos, o laudo cadavérico foi escolhido pelos
próprios familiares das vítimas enquanto matéria prima para a elaboração de estratégias
de visibilidade da luta contra a violência institucional – é um documento que também
pode ser mobilizado enquanto instrumento de luta nas ruas.

As silhuetas ilustradas por Latuff para o material de convocação para as


atividades que marcaram os 10 anos da chacina do Borel se comunicam diretamente
tanto com as silhuetas reproduzidas nos laudos cadavéricos (elas mesmas utilizadas por
Dalva em seu cartaz), quanto com as silhuetas que circularam de diversas formas por
muros e outras superfícies da paisagem urbana argentina, em referência às 30.000230
pessoas desaparecidas e mortas durante a ditadura militar no país.

230
Após o desapareciento de Julio Lopez – testemunha importante dos processos judiciais a respeito dos
crimes cometidos durante a ditadura militar na Argentina, a militância local se refere aos mortos e
desaparecidos políticos como 30.001, somando aos 30.000 este desaparecimento ocorrido no período
pós-ditadura.

200
Figura 39: Siluetazo – Fonte: Brodsky (2005).

Figura 39: Cartaz – Silhuetas – Desaparecidos. Fonte: Indji (2011)

201
As intervenções denominadas siluetazos231 foram acionadas em diferentes
momentos, para cobrar respostas, bem como para demarcar uma memória política que
reedita no espaço público a resistência daqueles que morreram e as denúncias de uma
violência de Estado que não se restringe aos períodos ditatoriais – em nenhum dos
países latino-americanos. Os punhos erguidos das silhuetas dos quatro moradores do
Borel mortos na chacina em 2003 também nos informam sobre uma resistência que se
alimenta da própria lembrança daquela violência de Estado. Ainda que tenham se
passado dez anos.

231
Para uma análise desta modalidade de intervenção política, consultar Catela (2001a; 2001b).

202
Considerações finais: do poder sobre a vida e a morte232

Quantos Malcon terão que vir à Terra


pra ver pistola, fuzil e granada?
Us Neguin q Não C Kala e Família Kponne, Lágrima de Sangue

Cena 7. [durante um “Registro de Ocorrência” numa delegacia de polícia no Rio


de Janeiro há três anos atrás.] “Dinâmica do fato”: “Que o declarante é [patente]
lotado no [número do batalhão] BPM, prestando serviços no [nome do grupamento]
da referida Unidade; Que no dia [de] hoje estava em patrulhamento de rotina quando
recebeu um informe, diretamente de moradores da comunidade [nome da favela], a
respeito de que, supostamente, estaria ocorrendo uma invasão na comunidade por
meliantes vinculados a uma facção rival; que tal informe ocorreu por volta das 17:00
horas; que diante dos informes retornou ao Batalhão visando verificar as informações,
no entanto, para tal empreitada seria necessário a utilização do blindado da unidade;
que juntamente com sua guarnição retornou ao Batalhão e assumiu o blindado com
escopo de verificar os informes recebidos; que ao chegar no Batalhão notou que havia
informes a respeito de suposta invasão na comunidade; que juntamente com sua
guarnição procedeu em direção ao interior da comunidade [nome da favela], sendo
tal incursão realizada, como já dito, com o blindado da Unidade; que a sua guarnição
foi recebida a tiros na localidade, sendo, portanto, necessário que alguns disparos
fossem efetuados como forma de revide à injusta agressão realizada; que tais disparos
foram necessários para que fosse viabilizado o acesso ao interior da comunidade; que
conforme o blindado ia progredindo em direção ao interior da comunidade notou a
presença de alguns corpos deitados ao longo da via, inclusive diversas pessoas
pedindo socorro; que naquela ocasião obteve sucesso em resgatar três elementos
supostamente baleados; que também foi arrecadado neste local duas pistolas e um
revólver calibre 38, bem como diversos sacos contendo pequenos sacolés com erva

232
A decisão por produzir estas considerações sob este enquadramento decorrem da leitura de Morte e
Vida favelada (Fridman, 2008).

203
seca picada no seu interior, capsulas com um pó branco pulverulento, aparentando
ser cocaína e pequenas pedras embaladas em papel alumínio, aparentando ser crack,
bem como determinada quantia em espécie; que ao resgatar os corpos e o referido
material, a mencionada guarnição procedeu imediatamente ao Hospital [nome do
hospital] visando prestar socorro imediato às vítimas resgatadas; que ao sair do local
notou uma interrupção no intenso tiroteio ocorrido; que acredita que todos tenham
chegado com vida à referida Unidade Hospitalar; que indagado a respeito da
existência de alguma espécie de confronto direto com os meliantes, o declarante
afirma que os disparos efetuados foram realizados apenas para viabilizar o
desembarque do blindado, pois caso tais disparos não fossem realizados, seria inviável
a descida da referida viatura; que o declarante afirma não ter sido o autor dos disparos
que ocasionaram os ferimentos nos corpos resgatados; que a diligência foi realizada
somente para viabilizar o resgate dos feridos, não havendo, portanto, segundo o
declarante, nenhum confronto direto com meliantes da localidade; que o declarante
afirma que a região onde os corpos foram encontrados é conhecida por Rua [nome da
rua]; que o declarante afirma que dois dos corpos estavam no interior de uma loja, e
o outro corpo estava em via pública, em frente ao referido estabelecimento; que o
declarante possui informações que próximo ao local de encontro dos corpos há uma
“boca de fumo”, inclusive, tal suspeita é justificada com a grande apreensão de
material arrecadado, material este supostamente entorpecente; que o declarante
informa que notou, na região onde os corpos foram resgatados, vestígios de sangue,
móveis revirados, veículos tombados, em suma, praticamente uma situação de guerra;
que retirou-se da comunidade, após o resgate dos corpos, visando prestar onde
recebeu a informação de que deveria proceder até a [número da delegacia] DP, por
atuar como núcleo de flagrante, e considerando não ser a ocorrência apresentada
como homicídio proveniente de auto de resistência, o fato foi devidamente
apresentado a esta Especializada;”

Assim, com ponto e vírgula, se encerra este registro de ocorrência. Gostaria de


chamar atenção para o fato de o policial declarante ter notado a “presença de alguns
corpos deitados ao longo da via” de dentro do caveirão e ter dito que “obteve sucesso
em resgatar três elementos supostamente baleados”; que após resgatar os corpos

204
“procedeu” imediatamente para o hospital mais próximo, “visando prestar socorro
imediato às vítimas resgatadas”. Neste registro de ocorrência, portanto, a história que
se conta é que foram avistados corpos, corpos esses que depois são chamados de
vítimas no momento em que se conta que foi prestado socorro. Depois o declarante diz
que que “acredita que todos tenham chegado com vida à referida Unidade Hospitalar”.

Sobre o confronto, afirma que atirou, mas que atirou para “viabilizar o
desembarque do blindado” e que no caso, sim, ele atirou, mas que não foi ele “o autor
dos disparos que ocasionaram os ferimentos nos corpos resgatados”. O declarante disse
o nome da rua onde “os corpos foram resgatados”, afirmando ainda que “dois dos
corpos estavam no interior de uma loja, e o outro corpo estava em via pública”. Neste
registro, a palavra vítimas aparece uma vez, enquanto a palavra corpo(s) aparece nove
vezes.

Tive acesso a esse documento – “Registro de Ocorrência Aditado” – através da


esposa de uma das vítimas. Em uma outra seção de preenchimento deste documento,
as três vítimas/corpos mencionadas pelo declarante aparecem listadas na mesma
página e ao lado dos três nomes completos, aparece em caixa alta “IDENTIFICAÇÃO
CIVIL” e em seguida a palavra “Falecido”. Acima dos nomes, é possível ler a palavra
“vítima”, seguida de “Homicídio Provocado por Projétil de Arma de Fogo”, assim,
iniciando com letra maiúscula todas as palavras.

As testemunhas deste caso relataram que não foram os policiais de dentro do


caveirão que atiraram, mas que já havia policiais perto da loja e que esses, sim, atiraram,
porque a loja fica ao lado de uma “boca de fumo”. Contaram também que quando o
caveirão chegou, algumas pessoas feridas haviam sido resgatadas, outras ainda estavam
dentro da loja e que três delas foram levadas embora dentro do caveirão e que
souberam que o veículo não foi pro hospital, mas sim pro batalhão mais próximo,
porque alguns moradores feridos foram levados pro hospital e que muito tempo depois
policiais chegaram com os três corpos resgatados no hospital. E que os corpos estavam
empilhados dentro do caveirão e foram largados na unidade de saúde.

Agora imagine se, dessas três vítimas que foram oficialmente registradas como
falecidas por terem sido atingidas por PAF (projétil de arma de fogo), que foram

205
transportadas empilhadas dentro de um caveirão e jogadas na entrada do hospital,
alguma estivesse viva. Pois foi isso o que aconteceu. Desses três corpos empilhados, dois
estavam mortos, um estava vivo. É Adriano, que me recebeu em sua casa, junto com sua
esposa Carolina, num sábado de carnaval, como relatei no capítulo 3 desta tese.

A parte dos corpos empilhados dentro do caveirão, foi ele mesmo que, com sua
dificuldade de fala, relatou a mim e à família de Emanuel, que havia me convidado para
fazer aquela visita. Transcrevo abaixo o trecho da conversa entre Alexandra e Carolina
no qual essa informação nos é revelada:

Alexandra [para Carolina]: Deixa eu te perguntar uma coisa: o nome dele é


Adriano dos Santos Ferreira, não é?

Carolina: é.

Alexandra [com o RO na mão]: e aí aqui colocaram falecido?

Carolina: Quando eu tava lendo, quando eu recebi, eu li tudo e aí eu vi. Aí


eu li e falei: ué? Aí levei até o Dr. Frederico e mostrei a ele o que tinha
acontecido. Porque na hora da confusão, deram dois meses, e no sábado,
na madrugada do sábado, quando eu cheguei em casa depois lá da
operação, eu cheguei aqui por volta de umas quatro, cinco horas da manhã,
eu tava sentada aqui no sofá com a irmã dele e uma amiga minha, aí o
primo dele veio e falou: Carolina, o quê que houve? Tá dizendo no rádio que
o Adriano morreu. Aí eu peguei um moto-táxi, corri pro hospital e comecei
a me informar, perguntar, médico, enfermeiro, policial e aí uma enfermeira
lá de dentro veio, me levou lá, mostrou e falou: não, ele tá bem, tá aqui.
Foi algum erro deles lá...

Alexandra continua lendo o registro e Carolina complementa:

Carolina: Na verdade, esse... RO, né?

Alexandra: “Isso, registro de ocorrência”

Carolina: ...então, eles foram na frente e fizeram [...] eles disseram que
havia um confronto na comunidade, que eles passaram na hora e vieram
recolhendo os cadáveres. [...] Levaram pro batalhão ao invés de levar pro
hospital. Levaram primeiro pro batalhão. E nesse meio tempo, duas
pessoas foram socorridas por vizinhos e chegaram lá primeiro que eles,
então viram a hora que chegaram com eles e viram jogando. Teve uma
vizinha que falou: Olha, parecia que eles tavam deixando um troféu lá
dentro. Eles jogaram eles. E aí quando ouviram o médico pegando ele – esse
aqui tá vivo, vamos socorrer, vamos socorrer – aí diz que um botou a mão
na cabeça e falou: cara, fizemos merda. E saíram. Eles não sabiam que ele
tava vivo ainda. Ele tava falando pra mim que ía falar, mas não conseguiu.

206
Graças a Deus que não conseguiu, porque se falasse, acabava de matar. [...]
Pegaram, jogaram dentro do caveirão, levaram pro batalhão, depois que
levaram pro hospital.

Dentre os diversos tipos de violência de Estado que podem ser identificados


neste relato, destaco agora uma observação de Carolina sobre o fato de que Adriano
contou pra ela que tentou falar e não conseguiu, no que ela emenda “Graças a Deus que
não conseguiu, porque se falasse, acabava de matar”. Não conheço o enquadramento
que o Estado inventou para este tipo de violência “Acabar de matar” e admito que,
chegando ao final da escrita desta tese, estou mais atenta a ele do que ao registro do
“auto de resistência” ou a inscrição da “zona de tatuagem”. Nunca tinha me deparado,
em dez anos de interlocução com familiares de vítimas, com um caso como esse. O
Estado havia matado Adriano no registro de ocorrência, mas não através do disparo da
arma de fogo, que o deixou com sequelas, mas que, como observou sua esposa, não
“acabou de matar”.

Reflito sobre esses moradores de favelas que ficam vivos e sobre os familiares
dos que foram executados e que morrem depois, como Dulcinéria, como Marilene,
como Vera – todas mães de vítimas de pessoas mortas em chacinas no Rio de Janeiro.
Entendo que esta é uma tese que fala de uma forma de governar muitas mortes, não só
aquelas provocadas por projétil de arma de fogo – e que a engrenagem governamental
de gestão das mortes dos moradores de favelas compõe a engrenagem da gestão de
toda a população residente em favelas desta forma.

Na epígrafe que abre este trabalho, cito um trecho da música Lágrima de Sangue,
dos “Neguin q não C kala” que diz “Bala perdida, tiro aqui tem endereço certo / Segue o
recém nascido até o mais idoso”. Que a luta desses e outros neguinhos que ficam vivos
e não se calam seja a luta de todas e todos.

207
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABRAMS, Philip. Notes on the difficulty of studying the state. In: SHARMA, Aradhana;
GUPTA, Akhil. (eds.) The anthropology of the state: a reader. Oxford, Blackwell
Publishing, 2006, pp. 112-130.
ALVES, Maria Helena M. Vivendo no fogo cruzado: moradores de favela, traficantes de
droga e violência policial no Rio de Janeiro. São Paulo: Editora Unesp, 2013.
ANISTIA INTERNACIONAL. Rio de Janeiro: Candelária e Vigário Geral, 10 anos depois.
Londres: Amnesty International Publications, 2003.
______. Vim buscar a sua alma: o caveirão e o policiamento no Rio de Janeiro. Índice AI:
AMR 19/007/2006. Londres, 2006.

ARAÚJO, Fábio A. Do luto à luta: a experiência das Mães de Acari. 2007. Dissertação de
Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Sociologia (PPGAS). UFRJ, Rio
de Janeiro, 2007.

______. Falta alguém na minha casa: desaparecimento, luto, maternidade e política. In:
LIMA, Roberto Kant de. (org.) Antropologia e Direitos Humanos V. Brasília, Booklink,
2008, pp. 166-225.

______. Das consequências da ‘arte’ macabra de fazer desaparecer corpos: violência,


sofrimento e política entre familiares de vítima de desaparecimento forçado. 2012. Tese
de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Sociologia (PGSA). UFRJ,
Rio de Janeiro, 2012.
ASAD, Talal. Where are the Margins of the State? In: DAS, Veena e POOLE, Deborah.
(org.) Anthropology in the Margins of the State. New Mexico: School of American
Research Press, 2004.
BARBOSA, Antonio Rafael. Considerações introdutórias sobre territorialidade e mercado
na conformação das Unidades de Polícia Pacificadora no Rio de Janeiro. Revista
Brasileira de Segurança Pública, v. 6, n. 2, 256-265 Ago/Set 2012.
BECK, Ulrich. A invenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva. In:
GIDDENS, A; BECK, U; LASH, S. (eds.), Modernização reflexiva: política, tradição e estética
na ordem social moderna. São Paulo: UNESP, 1997.
BERMÚDEZ, Natalia. Y los muertos no mueren: uma etnografía sobre clasificaciones,
valores morales e prácticas em torno a muertes violentas. (Córdoba – Argentina).
Buenos Aires: Editorial Académica Española, 2010.

BIRMAN, Patricia. Favela é comunidade? MACHADO DA SILVA, L.A. (org.) Vida sob cerco:
violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, FAPERJ/Nova Fronteira,
2008, pp. 99-114.

______. Cruzadas pela paz: práticas religiosas e projetos seculares relacionados à


questão da violência no Rio de Janeiro. Relig. soc., 2012, vol.32, no.1, p.209-226.

208
______; LEITE, Márcia Pereira. (org.). Um mural para a dor: movimentos cívico-religiosos
por justiça e paz. Porto Alegre: Ed.UFRGS/CNPq-Pronex, 2004.
______;MACHADO, Carly. A violência dos justos: evangélicos, mídia e periferias da
metrópole. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. 2012, vol.27, n.80, pp. 55-69.

BOLTANSKI, Luc. El Amor y la Justicia como competencias: tres ensayos de sociología de


la acción. Buenos Aires: Amorrortu Editores, 2000 [1990].

BOLTANSKI, L. e THEVENOT, L. De La Justification – Les Economies des Grandeurs. Paris,


Gallimard, 1991.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF,


Senado, 1988.
BRODSKY, Marcelo. Memoria em construcción: el debate sobre la Esma. Buenos Aires:
la marca editora, 2005.
BURGOS, Marcelo. Dos parques proletários ao Favela-Bairro: as políticas públicas nas
favelas do Rio de Janeiro. In: ZALUAR, Alba; ALVITO, Marcos. (Orgs.). Um século de
favela. Rio de Janeiro: FGV, 1998.
CANO, Ignácio (coord.). Os Donos do Morro: uma avaliação exploratória do impacto das
Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) no Rio de Janeiro. São Paulo: Fórum Brasileiro
de Segurança Pública, 2012.

______. Execuções Sumárias no Rio de Janeiro: o uso da força pelos agentes públicos.
In: CEJIL; LAV (UERJ); Núcleo de Direitos Humanos (PUC-Rio) (Orgs). Relatório do Rio de
Janeiro sobre Execuções Sumárias, 2003a.

______. Execuções sumárias no Brasil: o uso da força pelos agentes do Estado. In:
JUSTIÇA GLOBAL. Execuções sumárias no Brasil – 1997/2003. Rio de Janeiro: Justiça
Global/Núcleo de Estudos Negros, 2003b.
______. Letalidade da Ação Policial no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: ISER, 1997.
CARMINATTI, Thiago. Imagens da favela, imagens pela favela: etnografando
representações e apresentações fotográficas em favelas cariocas. In: GONÇALVES,
Marco Antonio; HEAD, Scott. Devires imagéticos: a etnografia, o outro e suas imagens.
Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.
CARVALHO, Monique Batista. A ação do Estado nas favelas do Rio de Janeiro: a
experiência da UPP Borel. Anais do XV Congresso Brasileiro de Sociologia, 2011.
CASHNER, Bob. The FN FAL Battle Rifle. Great Britain: Osprey Publishing, 2013.
CATELA, Ludmila. Situação-limite e memória: a reconstrução do mundo dos familiares
de desaparecidos da Argentina. São Paulo: Hucitec: Anpocs, 2001a.

CATELA, Ludmila. Antropologia e Direitos Humanos: registrando experiências. In:


NOVAES, Regina (org.) Direitos Humanos: temas e perspectivas. Rio de Janeiro: Mauad,
2001b.

209
CATELA, Ludmila e NOVAES, Regina. “Rituais para a dor. Política, religião e violência no
Rio de Janeiro”. In: BIRMAN, Patrícia; LEITE, Márcia Pereira (orgs). Um mural para a dor:
movimentos cívico-religiosos por justiça e paz. Porto Alegre: EdUFRGS/Pronex-
MCT/CNPq, 2004.
CAVALCANTI, Mariana. A vida social das ruínas e as políticas de escombros no Rio de
Janeiro "pré-oliímpico". Anais do XVI Congresso Brasileiro de Sociologia, 2013.
CERQUEIRA, Daniel. (2013). Mapa dos Homicídios Ocultos. Texto para Discussão nº1848.
Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - Brasília : Rio de Janeiro : Ipea, 2013.
CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado – pesquisas de antropologia política
(1974). São Paulo: Cosac Naify, 2003.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: Antropologia e Literatura no século XX.


Editora UFRJ, 2002.

COSENTINO, Renato. A invisibilização da pobreza e dos pobres no Rio Olímpico.


Disponível em http://global.org.br/programas/a-invisibilizacao-da-pobreza-e-dos-
pobres-no-rio-olimpico/. Acesso em: 16/04/2013. 2013.

DAS, Veena. Critical Events: An Anthropological Perspective on Contemporary India.


New Delhi: Oxford University Press, 1995.

DAS, Veena e POOLE, Deborah. State and its Margins: Comparative ethnographies.
In:______. Anthropology in the Margins of the State. New Mexico: School of American
Research Press, 2004.

DAVIES, Andrew Frank. A paz que queremos seguir? Etnografando reuniões


comunitárias organizadas pelos comandos das UPPs. Anais do XVI Congresso Brasileiro
de Sociologia, 2013.

DOSSE, François. O Império do Sentido: A Humanização das Ciências Humanas. Bauru:


EDUSC, 2003.
EISELE, Rogério; CAMPOS, Maria L. Manual de Medicina Forense e Odontologia Legal.
Curitiba: Juruá Editora, 2003.

FARIAS, Juliana. “Da política das ‘margens’: reflexões sobre a luta contra violência
policial em favelas. In: HEREDIA, Beatriz; ROSATO, Ana. Política, instituiciones y
gobierno: abordajes y perspectivas antropológicas sobre El hacer política. Buenos Aires:
Antropofagia, 2009.

______. "Quando a exceção vira regra: os favelados como população "matável" e sua
luta por sobrevivência". Teoria & Sociedade (UFMG), v. 15.2, p. 138-171, 2008.
______. Estratégias de visibilidade, política e movimentos sociais: Reflexões sobre a luta
de moradores de favelas cariocas contra violência policial. Dissertação de Mestrado
em Ciências Sociais, PPCIS/UERJ, 2007.

_____. “Posso me identificar?”: moradores de favelas por justiça, cidadania e direito à


cidade. Revista Proposta, Rio de Janeiro, ano 29, n. 105, p. 58-65, 2005.

210
FÁVERO, Flamínio. Medicina Legal: Introdução ao Estudo da Medicina Legal. Identidade,
Traumatologia, Infortunística, Tenatologia. 10ª ed. Belo Horizonte: Vila Rica, 1991.
FELTRAN, Gabriel. Fronteiras de Tensão: política e violência nas periferias de São Paulo.
Editora UNESP, 2011.

FERREIRA, Letícia. Dos autos da cova rasa: a identificação de corpos não identificados
no Instituto Médico-Legal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: E-papers/LACED/Museu
Nacional. 2009, 198 pp.
______. Uma Etnografia para Muitas Ausências: O Desaparecimento de Pessoas como
Ocorrência Policial e Problema Social. 2011. Tese de Doutorado. UFRJ/ Museu Nacional/
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, 2011.
______. Apenas preencher papel: reflexões sobre registros policiais de desaparecimento
de pessoa e outros documentos. Mana, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, abr. 2013.
FERREIRA, Natália Damazio. Testemunhas do esquecimento: uma análise do auto de
resistência a partir do estado de exceção e da vida nua. 2013. Dissertação de Mestrado.
Programa de Pós-graduação em Direito. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2013.
FLEURY, Sônia. Militarização do social como estratégia de integração - o caso da UPP do
Santa Marta. Sociologias, v. 30, p. 194-222, 2012.
FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.
______. História da Sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal,
1988.
______. História da Loucura. 8a ed. São Paulo: Perspectiva, 2005a.
______. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo:
Martins Fontes, 2005b.
______. Segurança, Território e População: curso dado no Collège de France (1977-
1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008a.
______. Nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France (1977-1978). São
Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FREIRE, Jussara. Sensos do justo e problemas públicos em Nova Iguaçu. 2005. Tese de
Doutorado, IUPERJ, 2005, mimeo.
______. Percepções de justiça e competências políticas em Nova Iguaçu (RJ). Ciências
Sociais Unisinos, Rio Grande do Sul, vol. 43, 2007, p. 157-161.
______. Elevar a voz em uma ordem violenta: a indignação colocada à prova pelo
silêncio. In: MACHADO DA SILVA, L.A. (org). Vida sob cerco: violência e rotina nas favelas
do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FAPERJ/Nova Fronteira, 2008.
______. Quando as emoções dão formas às reivindicações. In: COELHO, Maria Claudia e
REZENDE, Claudia Barcellos. (orgs.) Cultura e Sentimentos - Ensaios em antropologia das
emoções. Rio de Janeiro, FAPERJ, 2010, pp.168-196.

211
FREIRE-MEDEIROS, Bianca. A favela que se vê e que se vende: reflexões e polêmicas em
torno de um destino turístico. Rev. bras. Ci. Soc., vol.22, n.65, pp. 61-72, 2007.
FREIRE-MEDEIROS, Bianca; ROCHA, Lia M. Uma pequena revolução: arte, mobilidade e
segregação em uma favela carioca. Paper apresentado no XV Congresso Brasileiro de
Sociologia, Curitiba, 2011.
FREIRE-MEDEIROS, Bianca; CHINELLI, Filippina. Favela e Redes solidárias: formas
contemporâneas de mobilização e organização popular no Rio de Janeiro. Trabalho
desenvolvido no âmbito do projeto Latin American Urbanization in the Late Twentieth
Century: a comparative study. Mimeo, 2003.
FRIDMAN, Luis Carlos. Morte e vida favelada. In: Machado da Silva, L. A. (org). Vida sob
cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FAPERJ/Nova
Fronteira, 2008.
FÜHRER, M.C.A.; FÜHRER, M.R.E. Resumo de Processo Penal. 24ª edição. São Paulo:
Malheiros Editores, 2009.
FURET, François. Pensando a Revolução Francesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.
GAMA, Fabiene. Olhares do morro: uma reflexão sobre os limites e os alcances da auto-
representação fotográfica”. In: FREIRE-MEDEIROS, Bianca; COSTA, Maria Helena.
Imagens Marginais. Rio Grande do Norte: Editora UFRN, 2006.
______. Etnografias, auto-representações, discursos e imagens: somando
representações. In: GONÇALVES, Marco Antonio; HEAD, Scott. Devires imagéticos: a
etnografia, o outro e suas imagens. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.

______. Fotodocumentação e Participação Política: um estudo comparativo entre o


Brasil e o Bangladesh. 2012. Tese de Doutorado. Programa de Pós-graduação em
Sociologia e Antropologia – IFCS/UFRJ / École des Hautes Études en Sciences Sociales,
2012.

GEERTZ, Clifford (1978). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e
Científicos Editora S.A.

GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade. São Paulo: Editora UNESP, 1991.


______. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GRECO, Rogério. Medicina legal à luz do Direito Penal e do Direito Processual Penal. 11ª
ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2013.
GUARIENTO, Suellen. Mobilizações Sociais e Violência: diferentes discursos e a trajetória
de um movimento social. 2009. Monografia de conclusão de Graduação em Serviço
Social. Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil, 2009.
GUSTAFSON, M. The Tattoo in the Later Roman Empire and Beyond. In: CAPLAN, J. (ed.)
Written on the Body: The Tattoo in European and American History. Princeton: Princeton
University Press, 2000.

212
HERZFELD, Michael. The Social Production of Indifference: exploring the symbolic roots
of western bureaucracy. Chicago: The University of Chicago Press, 1992.

INDIJ, Guido. Gráfica política de izquierdas. Buenos Aires: la marca editora, 2011.

JONES, C.P. Stigma and Tattoo. In: CAPLAN, J. (ed.) Written on the Body: The Tattoo in
European and American History. Princeton: Princeton University Press, 2000.
JUSTIÇA GLOBAL. Direitos Humanos no Brasil 2003. Relatório Anual do Centro de Justiça
Global. RJ: Justiça Global, 2003.

_______. Execuções sumárias no Brasil – 1997/2003. Rio de Janeiro: Justiça


Global/Núcleo de Estudos Negros, 2003.

_______. Relatório RIO: Violência Policial e Insegurança Pública. RJ: Justiça Global, 2004.
_______; MNMMR; OMCT. A Criminalização da Pobreza – Relatório sobre as Causas
Econômicas, Sociais e Culturais da Tortura e de Outras Formas de Violência no Brasil. Rio
de Janeiro/Pernambuco/Geneva: Fundação Karl Popper; OMCT, 2009.
KAFKA, Franz. Na colônia penal. São Paulo: Companhia das letras, 2011.
LACERDA, Paula. O "caso dos meninos emasculados de Altamira": polícia, justiça e
movimento social. Tese de Doutorado. UFRJ/ Museu Nacional/ Programa de Pós-
Graduação em Antropologia Social, 2012.

LANDIM, Leilah. Violência e organizações civis na periferia do Rio de Janeiro: novas


cartografias? In: CUNHA, Neiva Vieira da Cunha; FELTRAN, Gabriel (orgs.). Sobre
periferias: novos conflitos no Brasil contemporâneo. Rio: Lamparina / FAPERJ, 2013.
______; GUARIENTO, Suellen. Violência e Ação Coletiva na Baixada Fluminense. Paper
apresentado no 34º Encontro Anual da ANPOCS. ST31S1. 2010, Mimeo.
______; SIQUEIRA, Raíza. Trajetos da Violência, da Segurança Pública e da Sociedade
Civil na Cidade do Rio de Janeiro. Textos para discussão. 1821. Brasília-Rio de Janeiro:
IPEA, 2013.
LANES, Patrícia (2013). Favela, Internet e militância: o caso do #OcupaÀs9. II Seminário
Fluminense de Sociologia, GT5: Novos meios de organização política: ciberespaço e
ciberativismo. 2013.
LEANDRO, Sylvia Amanda da Silva. "O que matar (não) quer dizer nas práticas e discursos
da justiça criminal: o tratamento judiciário dos 'homicídios por auto de resistência' no
Rio de Janeiro". Mestrado em Direito, Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de
Janeiro, 2012.
LE BRETON, David. Sinais de identidade: tatuagens, piercings e outras marcas corporais.
Lisboa: Miosótis, 2004.
LEEDS, Anthony; LEEDS, Elizabeth. Sociologia do Brasil urbano. Rio de Janeiro:
Zahar, 1978.

213
LEITE, Márcia. Entre o individualismo e a solidariedade: dilemas da política e da
cidadania no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 15, n. 44,
2000.
______. A linguagem dos sentimentos e a missão como política: religião, violência e
movimentos sociais no Rio de Janeiro. Trabalho apresentado no GT Religião e Sociedade,
27. Encontro Anual da Anpocs, Caxambu: Mimeo, 2003.
______. As mães em movimento. In: BIRMAN, Patrícia; LEITE, Márcia Pereira (Orgs). Um
mural para a dor: movimentos cívico religiosos por justiça e paz. Porto Alegre: Editora
da UFRGS, 2004.
______. Preconceito racial e racismo institucional no Brasil. Le Monde Diplomatique
(Brasil), v. ano 5, p. 24-25, 2012.
______. Da “metáfora da guerra” ao projeto de “pacificação”: favelas e políticas de
segurança pública no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Segurança Pública v. 6, n. 2,
374-389 Ago/Set 2012b.
______. La favela et la ville: de la production des “marges” à Rio de Janeiro. Brésil(s):
Sciences Humaines et Sociales, v. 3, p. 109-128. Paris: CRBC-Mondes Américains/EHESS;
Éditions de la Maison des Sciences de l’Homme, 2013.
LEITE, Márcia; FARIAS, Juliana. Rituais e política: imagens, símbolos e celebrações
religiosas no espaço público. Trabalho apresentado no simpósio “Cultura política e
cultura religiosa na América Latina: desenvolvimentos históricos e protagonismos
contemporâneos”, XI Congresso Latino-Americano sobre Religião e Etnicidade, ALER,
São Bernardo do Campo. Mimeo, 2006.

_____. Rituais e política: manifestações contra violência no espaço público. In:


CARNEIRO, S. (org.) Cidade: olhares e trajetórias. Rio de Janeiro: FAPERJ/Garamond,
2009.
LEVI, Primo. É isto um homem? Rio de Janeiro: Rocco, 1988.
LIMA, Nísia Verônica Trindade. O Movimento de Favelados do Rio de Janeiro: políticas
do Estado e lutas sociais (1954-1973). 1989. Dissertação de Mestrado em Ciência Política
- IUPERJ, Rio de Janeiro.

LOMBROSO, Cesare. O homem delinquente. São Paulo: Ícone Editora, 2013.


LUGONES, Maria Gabriela. Obrando en autos, obrando en vidas: formas y fórmulas de
protección judicial en los tribunales prevencionales de menores de Córdoba, Argentina,
a comienzos del siglo XXI. Rio de Janeiro: E-papers/LACED/Museu Nacional, 2012a.

______. Comentários à sessão “Famílias, tramas judicias e burocráticas”. In: 28ª Reunião
Brasileira de Antropologia. GT38 – Famílias e ações estatais de gestão práticas,
moralidades e estratégias. São Paulo, 2012b.

MACHADO, Carly. “Resgatando vidas, Restituindo cidadania e Promovendo a inclusão


social”: projetos religiosos, midiáticos e políticos de uma Assembléia de Deus da Baixada

214
Fluminense na criação de circuitos das e nas periferias cariocas e fluminenses. Paper
apresentado na RAM - Reunião de Antropologia do Mercosul. 2013.

______. “É muita mistura”: religião, música, política, dengue, beleza e saúde no


Complexo do Alemão. Paper apresentado na 28a. RBA - Reunião Brasileira de
Antropologia. São Paulo, 2012.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. A política na favela. Cadernos Brasileiros, 9, 41, 1967.

______. A continuidade do “problema favela”. In: OLIVEIRA, Lúcia Lippi. (Org.). Cidade:
história e desafios. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

______. As várias faces das UPPs. Revista Ciência Hoje, n. 276, 2010.

______. Afinal qual é a das UPPs? Observatório das Metrópoles. Rio de Janeiro:
Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.

______; LEITE, Márcia da Silva Pereira. Favelas e Democracia: temas e problemas da


ação coletiva nas favelas cariocas”. In: Itamar Silva (org.). Rio – a democracia vista de
baixo. Rio de janeiro, Ibase, 2004.

______; LEITE, Márcia. Violência, Crime e Polícia: o que os favelados dizem quando falam
desses temas? In: Machado da Silva, L. A. (org). Vida sob cerco: violência e rotina nas
favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FAPERJ/Nova Fronteira, 2008.

______; LEITE, Márcia Pereira; FRIDMAN, Luís Carlos. VVAA, Matar, morrer, civilizar: o
problema da “segurança pública”. In: MAPAS: monitoramento ativo da participação da
sociedade. Rio de Janeiro: IBASE, Ford Foundation, ActionAid, 2005.
MAGALHÃES, Alexandre. A campanha contra o "caveirão" no Rio de Janeiro. Estudos e
Pesquisas em Psicologia v. 7, n.2, 2007.

_______. Entre a vida e a morte: a luta! A construção da ação coletiva por moradores de
favelas no Rio de Janeiro. 2008. Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro.
Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Dissertação de Mestrado, 2008.

MARTINS, Gizele. Cidadãos e vítimas: a representação de dois crimes nos jornais


cariocas. 2011. Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
Departamento de Comunicação Social. Graduação em Jornalismo. Monografia de
Bacharelado, 2011.
MAUSS, Marcel. “A expressão obrigatória dos sentimentos”. In: Cardoso de Oliveira,
Roberto (org.). Antropologia. São Paulo: Ática, 1979.
______. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003.
MEIRELLES, Delton Ricardo Soares; ALMEIDA FILHO, José Carlos de Araújo; NUNES,
Valter Eduardo Bonanni. Entre a legalidade e a informalidade: uma análise sócio-jurídica

215
da mediação comunitária incorporada à política de segurança pública das Unidades de
Polícia Pacificadora. Anais do XVI Congresso Brasileiro de Sociologia, 2013.
MENDONÇA, Tássia. Batan: Tráfico, Milícia e "Pacificação" na Zona Oeste do Rio da
Janeiro. 2014. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia
Social – PPGAS / Museu Nacional / UFRJ, 2014.

MENEZES, Palloma. Rumores na “favela modelo”: um estudo sobre os impactos da


implementação da primeira Unidade de Polícia Pacificadora. Anais do XVI Congresso
Brasileiro de Sociologia, 2013.
______. Gringos e câmeras na favela da Rocinha. Rio de Janeiro. 2007. Monografia
(bacharelado), Departamento de Ciências Sociais, Universidade do Estado do Rio de
Janeiro, 2007.

MIAGUSKO, Edson. "Chatuba não é favela": os sentidos das políticas de pacificação na


Baixada Fluminense. Anais do XVI Congresso Brasileiro de Sociologia, 2013.

MISSE, Michel. O papel do inquérito policial no processo de incriminação no Brasil:


algumas reflexões a partir de uma pesquisa. Revista Sociedade e Estado. Abr 2011,
vol.26, no.1, p.15-27, 2011.
______. et al. O inquérito policial no Brasil: uma pesquisa empírica. Rio de Janeiro:
BOOKLINK, 2010.
MISSE, M.; GRILLO, C.; TEIXEIRA, C.; NERI, N. (2013) Quando a polícia mata: homicídios
por “autos de resistência” no Rio de Janeiro (2001-2011). Rio de Janeiro: NECVU;
BOOKLINK, 2013.
MOURA, Tatiana (2007). Rostos invisíveis da violência armada: um estudo de caso sobre
o Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007.
MOVIMENTOS MÃES DE MAIO. Mães de Maio: do luto à luta. São Paulo: Movimento
Mães de Maio, 2011.
______. Mães de Maio, Mães do Cárcere: a periferia grita. Movimento Mães de Maio:
2012.
NASCIMENTO, Andrea; GRILLO, Carolina; NERI, Natasha. “Autos com ou sem resistência:
uma análise dos inquéritos de homicídios cometidos por policiais”. Paper apresentado
no 33º Encontro Anual da Anpocs. 2009.

PANDOLFI, Dulce; GRYNSZPAN, Mário. Poder público e favela: uma relação delicada. In:
OLIVEIRA, Lúcia Lippi. (Org.). Cidade: História e desafios. Rio de Janeiro: FGV, 2002.
PASSOS, Pâmela; FRANCO, Marielle. "A Paz nas favelas cariocas: reflexões sobre a
implementação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP’s) no Rio de Janeiro (2008-
2013)”. XXIX Congreso de Sociología – ALAS, 2013.
RAMOS, Tomás. “Vim buscar sua alma”: a governamentalidade da política Caveirão.
2010. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Sociologia e Direito.
Universidade Federal Fluminense, 2010.

216
ROCHA, Lia. Notas sobre experiências de “Pacificação” em favelas do Rio de Janeiro –
Brasil (mimeo), 2011.

ROCHA, Lia. Uma favela “diferente das outras?”: Rotina, silenciamento e ação coletiva
na favela do Pereirão, Rio de Janeiro. 2009. Instituto Universitário de Pesquisas do Rio
de Janeiro. Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Tese de Doutorado, 2009.
RODRIGUES, A., CASANOVA, C. SIQUEIRA, R., MENDONÇA, T., GUARIENTO, S. (2012).
Pensando as associações de moradores no contexto das UPPs. In: RODRIGUES, A;
SIQUEIRA, R; LISSOVISKY, M. Unidades de Polícia Pacificadora: debates e reflexões.
Comunicações do Iser, número 67, ano 31.
RIVERO, Patrícia e IMANISHI, Rute. Indicadores Socioeconômicos de Proteção e Risco
para a Instrumentação de Políticas Públicas em Favelas. Instituto de Pesquisa Econômica
Aplicada. Brasília : Rio de Janeiro : Ipea, 2009.
SCOTT, Marvin B.; LYMAN, Stanford. (2009 [1968]). “Accounts”. Dilemas: Revista de
Estudos de Conflito e Controle Social. Vol. 1, no 2, pp. 139-172.
SILVA, Itamar; ROCHA, Lia. Associações de moradores de favelas e seu dirigentes: o
discurso e a ação como reversos do medo. In: JUSTIÇA GLOBAL (org). Segurança, tráfico
e Milícias no Rio de Janeiro. Fundação Heinrich Boll, 2008.
SILVA, Marcella Carvalho de Araujo. “Rio em forma olímpica: a construção social da
pacificação na cidade do Rio de Janeiro”. In: MISSE, Michel; WERNECK, Alexandre (orgs.).
Conflitos de (grande) interesse: estudos sobre crimes, violências e outras disputas
conflituosas. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.
SIQUEIRA, Raíza. “Quem trabalha tem história pra contar”: estudo do cotidiano de um
membro da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro. In: HEREDIA, Beatriz; ROSATO,
Ana; BOIVIN, Maurício (orgs). Política, instituciones y gobierno: abordajes y perspectivas
antropológicas sobre el hacer política. Buenos Aires: Antropofagia, 2009.
______. A Política no Loteamento: Um estudo sobre mediação na Zona Oeste carioca.
2013.Tese de Doutorado. Instituto de Estudos Sociais e Políticos - IESP/ Universidade do
Estado do Rio de Janeiro, 2013.
SOARES, Barbara Musumeci; MOURA, Tatiana; AFONSO, Carla (orgs.). Auto de
resistência: relatos de familiares de vítimas da violência armada. Rio de Janeiro, 7Letras,
2009.
SOUZA, Taiguara. Constituição, Segurança Pública e Estado de Exceção Permanente: A
biopolítica dos Autos de Resistência. 2010. Dissertação. Mestrado em Direito
Constitucional, PUC-RIO, Departamento de Direito, 2010.
_______; PEDRINHA, Roberta. Biopolítica e Militarização da Vida Social: o caso da
megaoperação policial do Complexo do Alemão. Anais do XVIII Encontro Nacional do
CONPEDI. Brasília/DF: Fundação BOITEUX, 2009.
SOUZA, Renata. O CIDADÃO: uma década de experiência ideológica, pedagógica e
política de comunicação comunitária. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de

217
Janeiro. Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura. Dissertação de
Mestrado. 2011.

SOUZA LIMA, Antonio Carlos. Sobre gestar e gerir a desigualdade: pontos de


investigação e diálogo. In:______ (org). Gestar e gerir: estudos para uma antropologia
da administração pública no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Núcleo de
Antropologia da Política/UFRJ, 2002.

STEIL, Carlos Alberto (2002). Política, etnia e ritual – o Rio das Rãs como remanescente
de quilombos. Em: PEIRANO, Mariza (Org.). O dito e o feito: ensaios de antropologia dos
rituais. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Núcleo de Antropologia da Política/UFRJ.

TELLES, Vera. As cidades nas fronteiras do legal e do ilegal. Belo Horizonte:


Argumentum, 2010.

THOMAS, Hugh (1997). The Branding (and Baptism) of Slaves. Review of Arts, Literature,
Philosophy and the Humanities. Volume XIII, Number 1. Disponível em
<http://www.ralphmag.org/>. Acesso em 20/10/2013.
TRINDADE, Claudia. “Não se faz omelete sem quebrar os ovos”. Política Pública e
participação social no PAC Manguinhos – Rio de Janeiro. 2012. Tese de Doutorado.
Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia,
Departamento de História, 2012.
VALLADARES, Lícia. Cem anos pensando a pobreza (urbana) no Brasil. In: BOSCHI, Renato
R. (Org.). Corporativismo e desigualdade: a construção do espaço público no Brasil. Rio
de Janeiro/São Paulo: IUPERJ/Vértice, 1991.
______. A gênese da favela carioca: a produção anterior às ciências sociais. Revista
Brasileira de Ciências Sociais, v. 15, n. 44, p. 5-34, out./2000.
______. A invenção da favela: do mito de origem a favela.com. Rio de Janeiro: FGV
Editora, 2005.
VIANNA, Adriana. Limites da Menoridade: tutela, família e autoridade em julgamento.
2002. 334p. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Programa de Pós-Graduação em
Antropologia Social do Museu Nacional. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2202.

______. Corpos, dores e tempos: a "espera" pela justiça entre familiares de vítimas de
violência policial. 35º Encontro Anual da ANPOCS. Caxambu: Associação Nacional de
Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais. Mimeo, 2011.

______. Temporality of pain: hope, resentment, and resilience in contexts of violence.


12th EASA Biennual Conference: Uncertainty and Disquiet. Nanterre: EASA. Mimeo, 2012.

______. Violência, Estado e gênero: considerações sobre corpos e corpus entrecruzados.


In SOUZA LIMA, Antonio Carlos e ACOSTA, Virgina Garcia (orgs). Margens da Violência:
Contornos estatais e sociais do problema da violência nos contextos mexicano e
brasileiro. São Paulo: ABA (no prelo), 2013a.

218
______. Comunicação. Mesa Práticas de justiça, lutas de reparação. III ENADIR –
Encontro Nacional de Antropologia do Direito. FFLCH-USP, 2013b.

VIANNA, Adriana; FARIAS, Juliana. A guerra das mães: dor e política em situações de
violência institucional. Cadernos Pagu, Campinas, n. 37, 2011.
VIEGAS, Marisa. A influência das normas do sistema interamericano de proteção dos
direitos humanos e o avanço dos direitos humanos no Brasil. 2004. Dissertação de
mestrado. Departamento de Ciência Política. Universidade Federal de Pernambuco,
2004.
______. O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas: seis anos depois. Revista
Sur – Revista Internacional de Direitos Humanos. v. 10, n. 18. São Paulo: Conectas
Direitos Humanos, 2013.
______. El Consejo de Derecho Humanos de las Naciones Unidas. Tese de Doutorado.
2011. Instituto de Derechos Humanos Bartolomé de las Casas. Universidade Carlos III de
Madrid, 2011.

219
ANEXO 1

220
Caso Vítima(s) Fatal (ais) Favela Responsável pela Data Plataforma de Informação
Ação
Chacina do Carlos Alberto da Silva Morro do 17/04/2003 Rio de Janeiro: Candelária e Vigário Geral, 10
Borel Ferreira (21 anos), Carlos Borel 6º Batalhão da anos depois. Londres, Amnesty International
Magno de Oliveira Polícia Militar do Publications, 2003.
Nascimento (18 anos), Estado do Rio de Direitos Humanos no Brasil 2003. Relatório Anual
Everson Gonçalves Silote (26 Janeiro. do Centro de Justiça Global. Rio de Janeiro,
anos) e Thiago da Costa Justiça Global, 2003.
Correia da Silva (19 anos). Execuções sumárias no Brasil – 1997/2003. Rio
de Janeiro, Justiça Global/Núcleo de Estudos
Negros, 2003. Relatório RIO: Violência
Policial e Insegurança Pública. Rio de Janeiro,
Justiça Global, 2004. Documentário: “Entre
Muros e Favelas” + Site da Rede de comunidades
e Movimentos contra Violência.
Chacina do Caju Júlio César da Silva (16); Parque 4º Batalhão da 06/01/2004 Documentário: “Entre Muros e Favelas” + Site da
Wallace Damião Gonçalves Alegria / Caju Polícia Militar do Rede de comunidades e Movimentos contra
(13); Eduardo Moraes de Estado do Rio de Violência.
Andrade (17); Flávio Moraes Janeiro (PMERJ).
de Andrade (19) e José
Manoel da Silva (26).
Execução de Luiz Eduardo Caldeira da Rocinha CORE 14/01/2004 Documentário: “Entre Muros e Favelas”.
Luiz Eduardo Silva (16 anos) (Coordenadoria de
Caldeira Recursos Especiais
da Polícia Civil do
Estado do Rio de
Janeiro)
Chacina na Alessandro (15), Bruno da Municípios 15º Polícia Militar 30/03/2005 LINK:
Baixada Silva de Souza, Calupe de Nova do Estado do Rio www.redecontraviolencia.org/Casos/2005/246.h
Fluminense Florindo Ferreira (44), Iguaçu e de Janeiro (PMERJ) tml

221
Douglas Felipe Brasil de Queimados,
Paula (14), Elizabeth Soares na Baixada
de Oliveira (43), Fábio Fluminense.
Vasconcelos (27), Felipe
Soares Carlos de Oliveira
(13), Francisco José da Silva
Neto (34), Jailton Vieira da
Silva (27), João da Costa
Magalhães(52), Jonas de
Lima Silva(19), José Gomes
de Oliveira (39), Leonardo da
Silva Moreira (18), Leonardo
Felipe da Silva (15),
Luciano(38), Luiz Henrique
da Silva (23), Luiz Jorge
Barbosa Rodrigues (28),
Manoel Domingos Lima
Pereira (53), Marcelo Julio
Gomes do Nascimento (16),
Marcio Joaquim Martins
(26), Marco Aurélio
Alves(37), Marcos Vinícuis
Sipriano de Andrade (15),
Renato Azevedo dos Santos
(31), Robson Albino e
Wagner.
Execução de Carlos Henrique da Silva (11 Vila do 4º Batalhão da 03/07/2005 LINK:
Carlos Henrique anos) Pinheiro, Polícia Militar do www.redecontraviolencia.org/casos/2005/207.h
da Silva Maré Estado do Rio de tml
Janeiro (PMERJ).

222
Chacina do 19 pessoas mortas Complexo do PMERJ; PCERJ; 27/06/2007 Relatório do Relator Especial de execuções
Alemão Alemão Força Nacional de extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias
Segurança. (Documento ONU A/HRC/11/2/Add.2).
Execução de Matheus Rodrigues (8 anos) Baixa do Bope (Batalhão de 05/12/2008 LINK:
Matheus Sapateiro, Operações Policiais www.redecontraviolencia.org/Casos/2008/454.h
Maré Especiais). tml
Chacina da Diego Edilson do Carmo (20 Morro da 1° Polícia Militar do 02/04/2009 LINK:www.redecontraviolencia.org/Casos/2009/
Coroa anos), Gregory marinho Coroa Estado do Rio de 470.html
Castilho (20 anos), Josenildo Janeiro (PMERJ)
dos Santos (42 anos), Luiz
Cesar de Castro Alves (28
anos), Paulo Ricardo Barbosa
(22 anos), Rafael Martins (17
anos)
Execução de Maxwill dos Santos (21 anos) Favela Cinco 16º Polícia Militar 24/05/2009 LINK:
Maxwill dos Bocas, Brás do Estado do Rio www.redecontraviolencia.org/Casos/2009/511.h
Santos de Pina de Janeiro (PMERJ) tml
Execuções de Paulo Cardoso Batalha, (40 Nova 22º Polícia Militar 11/06/2010 LINK:
Paulo Batalha e anos), e o Holanda, do Estado do Rio www.redecontraviolencia.org/Casos/2010/806.h
Deividson estudante Deividson Maré de Janeiro (PMERJ) tml
Pacheco Evangelista Pacheco, (19
anos).
Execução de André de Lima Cardoso Pavão- UPP que abrange 12/06/2011 Video - Nova Democracia:
André Ferreira Ferreira, de 19 anos. Pavãozinho as favelas Pavão- www.youtube.com/watch?v=vWgqp_OJuLw
Pavãozinho,
Cantagalo e Vietnã.
Execução de Jackson Lessa dos Santos, de Morro do UPP que abrange 07/06/2012 Informações recentes. [Veículos de Massa e
Jackson Lessa 20 anos. Fogueteiro as favelas Coroa, Mídia Alternativa.]
Fallet e Fogueteiro

223
Execução de Thales Pereira Ribeiro Morro do BOPE (Batalhão de 25/06/2012 Informações recentes. [Veículos de Massa e
Thales Pereira D’Adrea (15 anos) Fogueteiro Operações Mídia Alternativa.]
Ribeiro D’Adrea Especiais da Polícia
Militar)
Homicídio de Mateus Oliveira Casé (16 Manguinhos UPP que abrange 17/03/2013
Mateus Oliveira anos) Vila Turismo, Informações recentes. [Veículos de Massa e
Parque João Mídia Alternativa.]
Goulart, Parque
Carlos Chagas (ou
Varginha), Parque
Oswaldo Cruz (ou
Amorim), CHP2 (ou
Vila União),
Conjunto Nelson
Mandela,
Higienópolis, Vila
São Pedro e Vitória
de Manguinhos (ou
Cobal).
Homicídio de Paulo Henrique dos Santos Cidade de UPP que abrange 20/03/2013 Informações recentes. [Veículos de Massa e
Paulo Henrique Benedito (de 25 anos) Deus Cidade de Deus, Mídia Alternativa.]
dos Santos Quadras,
Apartamentos,
Caratê, Beirada do
Rio, Jardim Novo
Mundo, Rua Davi,
Banca da Velha,
Coroado, Sítio da
Amizade, Moisés,
Praça da Bíblia,
Pantanal, Santa

224
Efigênia, Moquiço,
Efraim, Vila Nova
Cruzada, Vila da
Conquista e Jardins
do Amanhã.
Execução de Alielson Nogueira (21 anos) Jacarezinho UPP que abrange 04/04/2013 Informações recentes. [Veículos de Massa e
Alielson Tancredo Neves, Mídia Alternativa.]
Nogueira Pica-Pau Amarelo,
Vila São João, Xuxa,
Marlene, Vila Viúva
Claúdio, Marimbá,
Jacarezinho, Carlos
Drummond de
Andrade e Vila
Jandira.
Execução de Diogo de Oliveira Santos (26 Providência UPP que abrange 08/06/2013 Informações recentes. [Veículos de Massa e
Diogo Santos anos) Morro da Mídia Alternativa.]
Providência, Vila
Mimosa, São
Diogo, Moreira
Pinto, Conjunto
Vila Portuária e
Pedra Lisa.
Execução de Anderson dos Santos Moura Morro do UPP que abrange 15/06/2013 Informações recentes. [Veículos de Massa e
Anderson dos (29 anos) Querosene Morro do São Mídia Alternativa.]
Santos Carlos, Querosene,
Mineira, Zinco,
Azevedo Lima,
Clara Nunes e
Favela do Rato.

225
Chacina da 9 pessoas mortas Nova BOPE (Batalhão de 24/06/2013 Informações recentes. [Veículos de Massa e
Maré Holanda Operações Mídia Alternativa.]
Especiais da Polícia
Militar)
Tortura seguida Amarildo Dias de Souza (43 Rocinha UPP que abrange 14/07/2013 Informações recentes. [Veículos de Massa e
de morte de anos) Bairro Barcelos, Mídia Alternativa.]
Amarildo Dias Largo do Boiadeiro,
de Souza Vila Verde, Curva
do S, Cachopinha,
Cachopa, Dioneia
Almir, Vila União,
Cidade Nova, Rua
Um, Rua Dois, Rua
Três, Rua Quatro,
Portão Vermelho,
Vila Laboriaux, Vila
Cruzado, 199, Faz
Depressa, Vila
Vermelha, Capado,
Terreirão, Macega,
Roupa Suja e
Parque da Cidade.
Homicídio de Laércio Hilário da Luz Neto Parque UPP que abrange 04/08/2013 Informações recentes. [Veículos de Massa e
Laércio Neto (17 anos) Proletário Parque Proletário, Mídia Alternativa.]
Vila Proletária da
Penha e Laudelino
Freire.

226
Execução de Israel de Oliveira Malet (23 Jacarezinho UPP que abrange 23/08/2013 Informações recentes. [Veículos de Massa e
Israel Malet anos) Tancredo Neves, Mídia Alternativa.]
Pica-Pau Amarelo,
Vila São João, Xuxa,
Marlene, Vila Viúva
Claúdio, Marimbá,
Jacarezinho, Carlos
Drummond de
Andrade e Vila
Jandira.
Execução de Paulo Roberto Pinho de Manguinhos UPP que abrange 17/10/2013 Informações recentes. [Veículos de Massa e
Paulo Roberto Menezes (18 anos) Vila Turismo, Mídia Alternativa.]
Menezes Parque João
Goulart, Parque
Carlos Chagas (ou
Varginha), Parque
Oswaldo Cruz (ou
Amorim), CHP2 (ou
Vila União),
Conjunto Nelson
Mandela,
Higienópolis, Vila
São Pedro e Vitória
de Manguinhos (ou
Cobal).
Execução de Thomas Rodrigues Martins Pavão- UPP que abrange 24/10/2013 Informações recentes. [Veículos de Massa e
Thomas (32 anos) Pavãozinho as favelas Pavão- Mídia Alternativa.]
Rodrigues Pavãozinho,
Cantagalo e Vietnã.

227
Execução de Wellington Sabino Vieira (20 Morro da UPP que abrange 04/01/2014 Informações recentes. [Veículos de Massa e
Wellington anos) Mangueira Morro do Mídia Alternativa.]
Sabino Telégrafo, Parque
Candelária, Vila
Miséria,
Bartolomeu
Gusmão, Marechal
Jardim, Buraco
Quente, Minhocão
e Parque dos
Mineiros.
Execução de Petrick Costa dos Santos (21 Morro do UPP que abrange 18/01/2014 Informações recentes. [Veículos de Massa e
Petrick Costa anos) Cantagalo as favelas Pavão- Mídia Alternativa.]
dos Santos Pavãozinho,
Cantagalo e Vietnã.

228
ANEXO 2

229
RESOLUÇÃO N° 08 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012.

Dispõe sobre a abolição de

designações genéricas, como “autos

de resistência”, “resistência seguida

de morte”, em registros policiais,

boletins de ocorrência, inquéritos

policiais e notícias de crime.

A MINISTRA DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DE DIREITOS

HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, na qualidade de PRESIDENTA DO

CONSELHO DE DEFESA DOS DIREITOS DA PESSOA HUMANA, no uso das atribuições

que lhe são conferidas pela Lei nº 4.319, de 16 de março de 1964, com alterações

proporcionadas pelas Leis nº 5.763, de 15 de dezembro de 1971, e nº 10.683, de 28 de maio de

2003, esta última com a redação dada pela Lei nº 12.314, de 19 de agosto de 2010, dando

cumprimento à deliberação unânime do Colegiado do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa

Humana, realizada em sua 214ª reunião ordinária, nas presenças dos senhores Percílio De Sousa

Lima Neto, Vice-Presidente do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana; Gláucia

Silveira Gauch, Conselheira Representante do Ministério das Relações Exteriores; Carlos

Eduardo Cunha Oliveira, Conselheiro Representante do Ministério das Relações Exteriores;

Aurélio Virgílio Veiga Rios, Conselheiro Representante do Ministério Público Federal; Tarciso Dal

Maso Jardim, Conselheiro Professor de Direito Constitucional; Fernando Santana Rocha,

Conselheiro

230
Professor de Direito Penal; Eugênio José Guilherme de Aragão, Conselheiro Professor de Direito

Penal; Edgar Flexa Ribeiro, Conselheiro Representante da Associação Brasileira de Educação e

Ivana Farina Navarrete Pena, Conselheira “ad hoc” Representante do Conselho Nacional de

Procuradores Gerais dos Ministérios Públicos dos Estados e da União,

Considerando que os direitos à vida, à liberdade, à segurança e à integridade


física

e mental são elementares dos sistemas nacional e internacional de proteção de direitos

humanos e se situam em posição hierárquica suprema nos catálogos de direitos fundamentais;

Considerando que todo caso de homicídio deve receber do Estado a mais

cuidadosa e dedicada atenção e que a prova da exclusão de sua antijuridicidade, por legítima

defesa, estado de necessidade, estrito cumprimento de dever legal ou exercício regular de

direito, apenas poderá ser verificada após ampla investigação e instrução criminal e no curso de

ação penal;

Considerando que não existe, na legislação brasileira, excludente de “resistência

seguida de morte”, frequentemente documentada por “auto de resistência”, o registro do

evento deve ser como de homicídio decorrente de intervenção policial e, no curso da

investigação, devese verificar se houve, ou não, resistência que possa fundamentar excludente

de antijuridicidade;

Considerando que apenas quatro Estados da Federação divulgam amplamente


o

número de mortes decorrentes de atos praticados por policiais civis e militares (Mato Grosso do

Sul, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina) e que, nestes, entre janeiro de 2010 e junho de

2012, houve 3086 mortes em confrontos com policiais, sendo 2986 registradas por meio dos

231
denominados autos de resistência (ou resistência seguida de morte) e 100 mortes em ação de

policiais civis e militares;

Considerando que a violência destas mortes atinge vítimas e familiares, assim

como cria um ambiente de insegurança e medo para toda a comunidade;

Considerando o disposto na Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, que

regulamenta o direito fundamental ao acesso à informação e na Lei nº 12.681, 04 de julho de

2012, que institui o Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e sobre

Drogas – SINESP;

Considerando que o Decreto nº 7.037, de 21 de dezembro de 2009, que aprova o

Programa Nacional de Direitos Humanos 3 – PNDH – 3, em sua Diretriz 14, Objetivo Estratégico

I, recomenda “o fim do emprego nos registros policiais, boletins de ocorrência policial e

inquéritos policiais de expressões genéricas como “autos de resistência”, “resistência seguida

de morte” e assemelhadas, em casos que envolvam pessoas mortas por agentes de segurança

pública;

Considerando o Relatório 141/11, de 31 de outubro de 2011, da Comissão

Interamericana de Direitos Humanos/OEA para o Estado Brasileiro, recomendando a eliminação

imediata dos registros de mortes pela polícia por meio de autos de resistência;

Considerando o disposto no Relatório do Relator Especial da ONU para

Execuções Extrajudiciais, Sumárias ou Arbitrárias - Philip Alston -, que no item 21, b, expressa

como inaceitável o modo de classificação e registro das mortes causadas por policiais com a

designação de “autos de resistência”, impondo-se a investigação imparcial dos assassinatos

classificados como “autos de resistência”, recomenda:

Art. 1º As autoridades policiais devem deixar de usar em registros policiais,

232
boletins de ocorrência, inquéritos policiais e notícias de crimes designações genéricas como

“autos de resistência”, “resistência seguida de morte”, promovendo o registro, com o nome

técnico de “lesão corporal decorrente de intervenção policial” ou “homicídio decorrente de

intervenção policial”, conforme o caso.

Art. 2º Os órgãos e instituições estatais que, no exercício de suas atribuições, se

confrontarem com fatos classificados como “lesão corporal decorrente de intervenção policial”

ou “homicídio decorrente de intervenção policial” devem observar, em sua atuação, o seguinte:

I - os fatos serão noticiados imediatamente a Delegacia de Crimes contra a


Pessoa

ou a repartição de polícia judiciária, federal ou civil, com atribuição assemelhada, nos termos do

art. 144 da Constituição, que deverá:

a) instaurar, inquérito policial para investigação de homicídio ou de lesão

corporal;

b) comunicar nos termos da lei, o ocorrido ao Ministério Público.

II- a perícia técnica especializada será realizada de imediato em todos os

armamentos, veículos e maquinários, envolvidos em ação policial com resultado morte ou lesão

corporal, assim como no local em que a ação tenha ocorrido, com preservação da cena do crime,

das cápsulas e projeteis até que a perícia compareça ao local, conforme o disposto no art. 6.º,

incisos I e II; art. 159; art. 160; art. 164 e art. 181, do Código de Processo Penal;

III - é vedada a remoção do corpo do local da morte ou de onde tenha sido

encontrado sem que antes se proceda ao devido exame pericial da cena, a teor do previsto no

art. 6.º, incisos I e II, do Código de Processo Penal;

IV - cumpre garantir que nenhum inquérito policial seja sobrestado ou


arquivado

233
sem que tenha sido juntado o respectivo laudo necroscópico ou cadavérico subscrito por peritos

criminais independentes e imparciais, não subordinados às autoridades investigadas;

V - todas as testemunhas presenciais serão identificadas e sua inquirição


será

realizada com devida proteção, para que possam relatar o ocorrido em segurança e sem temor;

VI - cumpre garantir, nas investigações e nos processos penais relativos a

homicídios ocorridos em confrontos policiais, que seja observado o disposto na Resolução

1989/65 do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (ECOSOC).

VII - o Ministério Público requisitará diligências complementares caso algum


dos

requisitos constantes dos incisos I a V não tenha sido preenchido;

VIII - no âmbito do Ministério Público, o inquérito policial será distribuído a

membro com atribuição de atuar junto ao Tribunal do Júri, salvo quando for hipótese de “lesão

corporal decorrente de intervenção policial”;

IX - as Corregedorias de Polícia determinarão a imediata instauração de


processos

administrativos para apurar a regularidade da ação policial de que tenha resultado morte,

adotando prioridade em sua tramitação;

X - sem prejuízo da investigação criminal e do processo administrativo

disciplinar, cumpre à Ouvidoria de Polícia, quando houver, monitorar, registrar, informar, de

forma independente e imparcial, possíveis abusos cometidos por agentes de segurança pública

em ações de que resultem lesão corporal ou morte;

XI - os Comandantes das Polícias Militares nos Estados envidarão esforços no

sentido de coibir a realização de investigações pelo Serviço Reservado (P-2) em hipóteses não

relacionadas com a prática de infrações penais militares;

234
XII - até que se esclareçam as circunstâncias do fato e as responsabilidades,
os

policiais envolvidos em ação policial com resultado de morte:

a) serão afastados de imediato dos serviços de policiamento ostensivo ou de

missões externas, ordinárias ou especiais; e

b) não participarão de processo de promoção por merecimento ou por bravura.

XIII - cumpre às Secretarias de Segurança Pública ou pastas estaduais

assemelhadas abolir, quando existentes, políticas de promoção funcional que tenham por

fundamento o encorajamento de confrontos entre policiais e pessoas supostamente envolvidas

em práticas criminosas, bem como absterem-se de promoções fundamentadas em ações de

bravura decorrentes da morte dessas pessoas;

XIV - será divulgado, trimestralmente, no Diário Oficial da unidade federada,

relatório de estatísticas criminais que registre o número de casos de morte ou lesões corporais

decorrentes de atos praticados por policiais civis e militares, bem como dados referentes a

vítimas, classificadas por gênero, faixa etária, raça e cor;

XV - será assegurada a inclusão de conteúdos de Direitos Humanos nos


concursos

para provimento de cargos e nos cursos de formação de agentes de segurança pública, membros

do Poder Judiciário, do Ministério Público e da Defensoria Pública, com enfoque historicamente

fundamentado sobre a necessidade de ações e processos assecuratórios de política de

segurança baseada na cidadania e nos direitos humanos;

XVI - serão instaladas câmeras de vídeo e equipamentos de geolocalização


(GPS)

em todas as viaturas policiais;

XVII - é vedado o uso, em fardamentos e veiculos oficiais das polícias, de

235
símbolos e expressões com conteúdo intimidatório ou ameaçador, assim como de frases e

jargões em músicas ou jingles de treinamento que façam apologia ao crime e à violência;

XVIII - o acompanhamento psicológico constante será assegurado a policiais

envolvidos em conflitos com resultado morte e facultado a familiares de vítimas de agentes do

Estado;

XIX - cumpre garantir a devida reparação às vítimas e a familiares das


pessoas

mortas em decorrência de intervenções policiais;

XX - será assegurada reparação a familiares dos policiais mortos em


decorrência

de sua atuação profissional legítima;

XXI - cumpre condicionar o repasse de verbas federais ao cumprimento de


metas

públicas de redução de:

a) mortes decorrentes de intervenção policial em situações de alegado


confronto;

b) homicídios com suspeitas de ação de grupo de extermínio com a participação

de agentes públicos; e

c) desaparecimentos forçados registrados com suspeita de participação de


agentes

públicos.

XXII - cumpre criar unidades de apoio especializadas no âmbito dos Ministérios

Públicos para, em casos de homicídios decorrentes de intervenção policial, prestarem devida

colaboração ao promotor natural previsto em lei, com conhecimentos e recursos humanos e

financeiros necessários para a investigação adequada e o processo penal eficaz.

236
Art. 3º Cumpre ao Ministério Público assegurar, por meio de sua atuação no controle externo

da atividade policial, a investigação isenta e imparcial de homicídios decorrentes de ação

policial, sem prejuízo de sua própria iniciativa investigatória, quando necessária para instruir a

eventual propositura de ação penal, bem como zelar, em conformidade com suas competências,

pela tramitação prioritária dos respectivos processos administrativos disciplinares instaurados

no âmbito das Corregedorias de Polícia.

Art. 4º O Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana oficiará os órgãos

federais e estaduais com atribuições afetas às recomendações constantes desta Resolução

dandolhes ciência de seu inteiro teor.

Art. 5º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

MARIA DO ROSÁRIO NUNES

Presidenta do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana

237
ANEXO 3 e 4

238
239
240
ANEXO 5

241
Nota da Rede de Comunidades e Movimentos Contra Violência:

Fim do registro "auto de resistência" no


Rio de Janeiro
Após alguns dias depois da decisão do governo de São Paulo, a Polícia Civil do Rio de
Janeiro determinou o fim do registro “auto de resistência”, seguindo a resolução da
Secretaria de Direitos Humanos da Presidência. Agora, as mortes provocadas por
policiais devem ser registradas como “lesão corporal decorrente de intervenção policial”
ou “homicídio decorrente de intervenção social” e deverão seguir a portaria da polícia
civil n° 553, de 07 de julho de 2011, que determina, entre outras coisas, a preservação do
local do ocorrido e a realização de perícia.

A decisão é uma resposta, tardia, a anos de luta e exigência de vários movimentos e


organizações de direitos humanos no Rio de Janeiro. Entretanto, entendemos que, embora
seja possível considerar um avanço a mudança de nomenclatura, ela é ainda
extremamente limitada. Esta alteração apenas se tornará efetiva se as práticas que lhes
são subjacentes se alterarem profundamente. É importante lembrar que nenhuma das
resoluções ou portarias acima mencionadas são uma novidade legal: primeiro, “auto de
resistência” é algo que sequer existe no ordenamento jurídico, embora seja usado como
se assim o fosse. De acordo com a legislação, todo homicídio deve ser tratado enquanto
tal: como homícidio. E, assim, seguir os trâmites institucionais necessários para sua
resolução, iniciando pela investigação (no caso dos autos de resistência iisso não ocorre
ou ocorre raramente, como no caso em que as famílias buscam justiça). Em relação à
portaria da polícia civil é a mesma coisa: é dever da autoridade pública policial preservar
o local do crime e realizar a perícia. A portaria emitida, formulada após o caso do jovem
Juan, sequestrado e morto por PMs em 2011 em Nova Iguaçu, é “chover no molhado”.

Por isso, reiteramos que, embora seja um importante e necessário avanço, é preciso
ficarmos atentos para o fundamental: as práticas de extermínio que perpassam toda a
instituição policial. Sem mudar esta realidade, qualquer resolução ou portaria ou tem um
alcance muito limitado ou simplesmente não tem efeito algum.

Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência

Veja a portaria da polícia civil:

"
ATOS DA CHEFE DE POLÍCIA

PORTARIA PCERJ Nº 617 DE 10 DE JANEIRO DE 2013.

DISPÕE SOBRE O USO DO TERMO TÉCNICO “LESÃO CORPORAL


DECORRENTE DE INTERVENÇÃO POLICIAL” OU “HOMICÍDIO DECORRENTE
DE INTERVENÇÃO POLICIAL” NO REGISTRO DE OCORRÊNCIA, E DÁ
OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

242
A CHEFE DA POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas
atribuições legais, e considerando as diretrizes estabelecidas na Resolução nº 08 de 21 de
dezembro da 2012, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, que
dispõe sobre a abolição de designações genéricas, como “autos de resistência”,
“resistência seguida de morte”, em registros policiais, boletins de ocorrência, inquéritos
policiais e notícias de crime;

R E S O L V E:

Art. 1º – A Autoridade Policial deverá zelar pela adoção, no registro de ocorrência, do


termo técnico “lesão corporal decorrente de intervenção policial” ou “homicídio
decorrente de intervenção policial”, conforme o caso, afastando-se o uso da expressão
“auto de resistência”.

Art. 2º – Nas hipóteses de “lesão corporal decorrente de intervenção policial” ou de


“homicídio decorrente de intervenção policial”, deverão ser adotadas todas as
providências elencadas na Portaria PCERJ nº 553, de 07 de julho de 2011.

Art. 3° – O Departamento Geral de Tecnologia da Informação e Telecomunicações


adotará as medidas necessárias para viabilizar, no que couber, a implementação do
presente ato.

Art. 4°- Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação.

Rio de Janeiro, 10 de janeiro de 2013"

243
ANEXO 6

244
PORTARIA PCERJ Nº553 DE 07 DE JULHO DE 2011. - 11/07/2011

PORTARIA PCERJ Nº553 DE 07 DE JULHO DE 2011.

ESTABELECE AS DIRETRIZES BÁSICAS A SEREM OBSERVADAS PELAS AUTORIDADES POLICIAIS,


NA APRECIAÇÃO DE FATOS APRESENTADOS COMO ENSEJADORES DA LAVRATURA DO
DENOMINADO “AUTO DE RESISTÊNCIA”, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

A CHEFE DA POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,
e;

CONSIDERANDO:

- que a função precípua da Polícia Judiciária consiste no agrupamento dos meios de provas, de
forma a demonstrar a existência ou não de um fato, a falsidade ou a veracidade de uma
afirmação, de maneira contundente e eficaz, com vistas à garantir a higidez da persecução
penal;

- que é dever da Autoridade Policial zelar pela boa imagem institucional, por meio da
elaboração diligente dos atos de polícia judiciária, garantindo, dentre outros princípios
constitucionais, a dignidade da pessoa humana;

- e, finalmente, que o êxito de uma investigação policial encontra-se diretamente relacionado


à proficiência na execução das diligências levadas a efeito pela Polícia Civil, órgão
constitucionalmente competente para o exercício das funções de polícia judiciária e a
apuração de infrações penais.

R E S O L V E:

Art. 1º - A Autoridade Policial, ao tomar conhecimento de ocorrência que lhe seja apresentada
como ensejadora da lavratura do denominado “Auto de Resistência”, deverá, antes de decidir
acerca da capitulação jurídica dos fatos, observar as seguintes diretrizes básicas:

I – acionamento imediato de equipe de apoio policial, para fins de isolamento e preservação


do local, acaso ainda não tenha sido providenciado, determinando que não seja alterado o
estado e a conservação das coisas;

II – requisitar o concurso da Polícia Técnico-Científica;

III – dirigir-se ao local para o colhimento de todas as provas disponíveis, visando o


esclarecimento do fato, bem como de suas circunstâncias, sobretudo a hora exata do evento,
de modo a respaldar sua decisão técnica;

IV – proceder às oitivas de todos os policiais envolvidos na ocorrência, observada,


rigorosamente, a cautela preconizada no artigo 210 do Código de Processo Penal;

245
V – requisitar, quando necessárias à formação de seu convencimento, as perícias pertinentes,
inclusive laudos prévios, quando tecnicamente viáveis;

VI – proceder à oitiva da vítima, quando possível, bem como das testemunhas do fato.

§ 1º - A inobservância de qualquer uma das diligências descritas neste artigo deverá ser
devidamente motivada, pela Autoridade Policial, quando da elaboração de seu despacho.

§ 2º - Diante das peculiaridades do caso concreto, poderá a Autoridade Policial determinar a


imediata substituição da equipe de apoio policial incumbida da preservação do local.

§ 3º - A Autoridade Policial deverá se dirigir ao hospital para onde tiver sido encaminhado o
noticiado “opositor”, para fins de entrevistar-se com médicos responsáveis pelo atendimento
e, surgindo dúvidas, requisitar o concurso de polícia técnica-científica a fim de dirimi-las.

§ 4º - Deverá a Autoridade Policial zelar pela efetiva preservação da prova, providenciando a


apreensão das armas diretamente envolvidas no contexto fático que ensejou o evento
morte/lesão, sem prejuízo de proceder à plena identificação de todas as armas dos policiais
envolvidos na ocorrência, objetivando, em ambos os casos, a realização dos exames periciais
que se fizerem necessários.

Art. 2º – Em caso de alteração do estado das coisas, deverá a Autoridade Policial adotar as
medidas administrativas e/ou penais cabíveis.

Parágrafo único: A alteração do estado das coisas não elide a obrigatoriedade da presença da
Autoridade Policial, tampouco o concurso da perícia criminal, sem prejuízo das providências
dispostas no caput deste artigo.

Art. 3º – O registro de ocorrência somente será ultimado após a realização de todas as


diligências dispostas no art. 1º, de modo a propiciar à Autoridade Policial o maior acervo
possível de informações acerca do evento, respaldando a sua decisão em dados concretos,
alicerçando-a sob a ótica técnico-científica.

Art. 4º – Ao final das diligências necessárias para a escorreita tipificação e conseqüente


enquadramento na legislação processual penal vigente, impõe-se à Autoridade Policial
instrumentalizar, de forma motivada, em uma das situações a seguir expostas:

246
I – Inquérito Policial, se persistirem dúvidas não dirimidas pelos elementos de convicção
produzidos e que exijam complementação de diligências afiguradas inviáveis na apuração
preliminar, ou se configurada a hipótese do artigo 292 do Código de Processo Penal;

II – Auto de Prisão em Flagrante, no caso de haver indícios da prática de crime doloso contra a
vida não amparado pela norma do artigo 292 do Código de Processo Penal.

Art. 5º – A Coordenadoria de Recursos Especiais - CORE poderá ser acionada pela Autoridade
Policial, se assim entender necessário ao bom andamento dos trabalhos que estiverem sendo
desenvolvidos.

Parágrafo Único – O Coordenador da CORE deverá manter, diuturnamente, um quantitativo


adequado para o atendimento imediato à previsão disposta no caput deste artigo.

Art. 6º – Deverá ser encaminhada cópia integral dos autos à Corregedoria da Instituição a que
estiver subordinado o servidor-apresentante da ocorrência.

Parágrafo Único: Na hipótese de lavratura de auto de prisão em flagrante em face do servidor-


apresentante da ocorrência, caberá à Autoridade Policial cientificar a chefia imediata do
mesmo e/ou a respectiva Corregedoria, garantindo, assim, o acompanhamento dos
procedimentos adotados.

Art. 7º – O Departamento-Geral de Polícia Técnico-Científica - DGPTC deverá manter o


quantitativo adequado de recursos, humano e material, nos Institutos de Criminalística Carlos
Éboli, Médico Legal Afrânio Peixoto e de Identificação Félix Pacheco – ICCE, IMLAP e IIFP, assim
como em seus respectivos Postos avançados, visando o atendimento imediato e pleno das
demandas fomentadas a partir das regras deste ato.

Parágrafo único: Dentre as providências a serem adotadas pelo DGPTC, mencionadas no caput
deste artigo, inserem-se aquelas que visem o incremento com vistas à confecção de eventuais
laudos prévios.

Art. 8º – O perito criminal que proceder ao local, em cumprimento à determinação da


Autoridade Policial, deverá providenciar a coleta de sangue, com emprego de “suabe”, nas
viaturas, vestimentas ou quaisquer outros locais passíveis de depósito deste material, sem
prejuízo do recolhimento de vestígios reputados imprescindíveis ao êxito da apuração, como
pêlos, cabelos, fibras e outros.

247
Art. 9º - Deverá o ICCE priorizar o exame pericial nas armas apreendidas nas ocorrências que
envolvam os fatos que constituem o objeto desta portaria, que serão recebidas pela Divisão de
Fiscalização de Armas e Explosivos – DFAE, independentemente de agendamento prévio.

Art. 10 – A Chefia de Gabinete deverá promover a ciência imediata do teor desta portaria à
Secretaria de Estado de Segurança – SESEG, através de ofício, pugnando pela adoção de igual
providência no âmbito da Polícia Militar, com vistas à uniformização dos procedimentos de
isolamento e preservação de locais de crime.

Art. 11 - O descumprimento do disposto nesta Portaria importará em transgressão disciplinar


na forma do Decreto-Lei nº 218/75.

Art. 12 - Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação.

MARTHA MESQUITA DA ROCHA

CHEFE DA POLÍCIA CIVIL

Fonte : site da ADEPOL (Associaçãodos Delegados de Polícia do Estado do Rio de Janeiro),


através do endreço http://adepolrj.com.br/Portal/Noticias.asp?id=9831

248