Você está na página 1de 3

Questão 03

(2009.1) A figura de coronel era muito comum durante os anos iniciais da República,
principalmente nas regiões do interior do Brasil. Normalmente, tratava-se de grandes
fazendeiros que utilizavam seu poder para formar uma rede de clientes políticos e garantir
resultados de eleições. Era usado o voto de cabresto, por meio do qual o coronel obrigava os
eleitores de seu “curral eleitoral” a votarem nos candidatos apoiados por ele. Como o voto era
aberto, os eleitores eram pressionados e fiscalizados por capangas, para que votassem de
acordo com os interesses do coronel. Mas recorria-se também a outras estratégias, como
compra de votos, eleitoresfantasma, troca de favores, fraudes na apuração dos escrutínios e
violência. (Disponível em: http://www.historiadobrasil.net. Acesso em: 12 dez. 2008 -
adaptado)

Com relação ao processo democrático do período registrado no texto, é possível afirmar que:
A) o coronel se servia de todo tipo de recursos para atingir seus objetivos políticos.

B) o eleitor não podia eleger o presidente da República.

C) o coronel aprimorou o processo democrático ao instituir o voto secreto

D) o eleitor era soberano em sua relação com o coronel. E) os coronéis tinham influência
maior nos centros urbanos.

3. (Unicamp 2009) Na busca de um herói para a República, quem atendeu as exigências da


mitificação foi Tiradentes. O busto de Tiradentes idealizado em 1890 era a própria imagem de
Cristo. A simbologia cristã apareceu em várias outras obras de arte da época. Mas Tiradentes
não era apenas um herói republicano, era um herói do jacobinismo, dos setores mais radicais
do Partido Republicano. Além do republicanismo, atribuía-se a Tiradentes um caráter plebeu,
humilde, popular, em contraste com a elite econômica e cultural, aproximando-o assim do
florianismo.
(Adaptado de José Murilo de Carvalho, "A formação das almas: imaginário da
República no Brasil". São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 57-69.)

a) De acordo com o texto, quais os significados associados à imagem de Tiradentes pela


propaganda republicana no Brasil?
b) Dê duas características políticas dos primeiros governos da república (Marechal Deodoro e
Floriano Peixoto).

4. (Fuvest 2009) A expressão "política do café com leite" é muito utilizada para caracterizar a
Primeira República no Brasil.

Sobre essa política, descreva:


a) seu funcionamento;
b) seu colapso na década de 1920.

8 (Ueg 2008) A peça teatral "O santo e a porca", de Ariano Suassuna, tem como referência
histórica a Primeira República - período caracterizado por fenômenos socioculturais como
cangaço e fervor religioso. Analise a relação do governo republicano com esses fenômenos.

8. (Uerj 2005) Poucos anos após sua proclamação, a república no Brasil já sofria
contestações. A Revolta da Armada, que eclodiu no governo de Floriano Peixoto, refletiu as
insatisfações decorrentes da implantação do sistema republicano no país, somando-se a outras
rebeliões como a Federalista, ocorrida na mesma época, no Rio Grande do Sul. Esta última,
apesar de ser uma rebelião regional, também foi influenciada pelas tensões políticas que
caracterizaram esse governo.

a) Explique um fator que tenha levado os membros da Marinha a se rebelarem contra o


governo de Floriano Peixoto.
b) Descreva a situação política do Rio Grande do Sul durante esse governo, de forma a
explicar a aproximação entre federalistas gaúchos e integrantes da Revolta da Armada.

Resposta da questão 1:
Alterações políticas sofridas no primeiro período de governo militar (1891-1894):

Modificações institucionais:
• dissolução do Congresso pelo presidente Deodoro da Fonseca em 3 de novembro de 1891;
• decretação do estado de sítio;
• substituição do Presidente pelo Vice, Floriano Peixoto, sem a necessária convocação de
novas eleições.

Segundo período de governo militar (1964-1985):


Modificação institucional:
• suspensão da Constituição de 1946;
• aplicação de Atos Institucionais;
• eleições indiretas dos executivos estaduais e de alguns executivos municipais;
• eleições indiretas para a Presidência de República;
• fechamento do Congresso em 1968;
• instalação do bipartidarismo.

Questão de “História Comparada e temática” que aborda a presença dos militares no poder no
Brasil, em dois contextos diferentes. Vale lembrar que o “ser militar” nos dois períodos
representam situações muito distintas, épocas em que o exército percebia o Estado e a política
de formas distintas.

Resposta da questão 2:
Sobrevivência econômica — produção agrícola de subsistência, comércio com localidades
próximas.

Prática espiritual — messianismo / catolicismo popular / atuação profética de Antonio


Conselheiro.

Resposta da questão 3:
a) Segundo o texto, a propaganda republicana associou Tiradentes ao ideal de República, à
imagem de Cristo e à de representante das camadas populares.

b) A presença dos militares do exército e autoritarismo dois presidentes, mais evidente em


Floriano Peixoto, alcunhado de "Marechal de Ferro".

Resposta da questão 4:
a) A "política do café com leite", surgida no governo do presidente Campos Sales, foi uma
política de revezamento do poder nacional executada na República Velha pelos estados de
São Paulo - mais poderoso economicamente, principalmente devido à produção de café - e
Minas Gerais - maior polo eleitoral do país da época e produtor de leite.
b) A "política do café com leite" foi quebrada quando o então presidente paulista Washington
Luís apoiou a candidatura do também paulista Júlio Prestes, o que desagradou a elite mineira,
que se aliou à elite do Rio Grande do Sul, juntamente com a Paraíba, para a criação da Aliança
Liberal, dissidência oligárquica que lançaria Getúlio Vargas como candidato à presidência.
Outro fator para a queda desta política foi a Crise de 1929, quando os preços do café brasileiro
despencaram no mercado internacional, retirando dos barões do café seu poder político.

Resposta da questão 5:
a) Na década de 1870, a fundação do Partido Republicano no Rio de Janeiro e, pouco tempo
depois, do Partido Republicano Paulista, fortaleceram o movimento a favor da República,
conferindo-lhe organização e capacidade para a difusão de seu ideal.

b) Os ideais positivistas, que associavam a ideia de governo forte à instauração de um governo


republicano, foram importantes para promover a adesão de militares ao movimento. No
entanto, tais ideais foram adotados devido à insatisfação dos militares com o regime
monárquico brasileiro, que os excluía da política nacional, e não tanto pelo seu conteúdo.

Resposta da questão 6:
O discurso de Lobato define uma nova identidade para o homem do campo. Este homem deve
associar-se aos valores do trabalho, representados no texto por meio da figura do imigrante
europeu, da valorização da propriedade e da utilização de instrumentos intensivos de
produção, como o arado. O caboclo é identificado como aquele que trabalha apenas para a
satisfação de suas necessidades básicas, passando seu tempo ociosamente. É esse homem
que deve ser transformado. Por conta dessa necessidade de transformação, o texto de Lobato
expressa os atributos depreciativos do caboclo, demarcando a tensão entre os valores
modernos e arcaicos.

Resposta da questão 7:
O governo republicano brasileiro tratou esses dois fenômenos de maneira diversa. No caso do
cangaço, apesar de muitas vezes ser combatido no âmbito local, foi também utilizado pelo
governo, como no caso do grupo liderado por Lampião, para fazer frente à Coluna Prestes. No
caso dos movimentos religiosos populares, principalmente de caráter messiânico, ocorridos na
Primeira República, o governo brasileiro tratou de forma repressiva, como pode ser notado no
caso do movimento de Canudos, no interior da Bahia e Contestado, em Santa Catarina.
Resposta da questão 8:
a) Uma dentre as explicações:

- Descontentamento de oficiais da Marinha, com a perda dos postos de destaque no cenário


político nacional, em detrimento dos oficiais do Exército.
- Eram contrários à posse de Floriano Peixoto na presidência, considerando-a inconstitucional
por não haverem transcorridos dois anos do mandato de Deodoro da Fonseca.

b) Os dois grupos oligárquicos gaúchos - os maragatos e os chimangos ou pica-


paus divergiam quanto ao caráter da política nos níveis regional e nacional.Os maragatos
eram federalistas e acusados de simpatizantes da monarquia, levando o governo federal a
apoiar os chimangos, defensores da centralização política que caracterizava o governo de
Floriano Peixoto.