Você está na página 1de 322

DEDICATÓRIA

Á Deus toda honra e glória, pois é Ele a fonte da ins-


piração que por intermédio do Espirito Santo tem
nos outorgado a possibilidade de contribuir com
o progresso espiritual e ministerial de todos aque-
les que se empenham no projeto do Reino de Deus
(Sempre grato ao meu Eterno Deus!). Meu singelo
agradecimento á minha querida esposa (Flayldes
Gomes Reis Soares) que de uma forma incansável
sempre nos deu momentos de motivações e com-
panheirismo para prosseguirmos avante no labor
ministerial pela boa causa do Mestre. Aos meus
queridos ilhos que carregam a ARCA comigo nos
tornando uma família Sacerdotal (Jefferson Nattan
G. Soares 23 anos – Jessika Lourrany Soares 21 anos
– Jaminny Larissa G. Soares 18 anos – Karolinny
Gomes Soares 6 anos – Muito grato por todas as
vidas que de bom grado adquirem este compêndio
de mensagens bíblicas para o elevo espiritual. Deus
abençoe á todos!
PALAVRA DO AUTOR

É com imensa satisfação, que me dirijo a um público composto


de abnegadas pessoas, dedicadas ao Reino de Deus que tem como
excelência as Sagradas Escrituras como regra de fé e prática para
obtermos os céus, morada do Eterno. Desta vez, para desejar o bom
uso de mais uma obra que Deus nos concede que é este singelo livro
intitulado “MIL ESBOÇOS” para sermões, que apresenta diversos
temas com assuntos de diversas naturezas onde o leitor poderá am-
pliar cada argumento com o intuito de alcançar o objetivo comum.
Achamos por bem em dividir todo conteúdo em duas partes
(Antigo Testamento e Novo Testamento) para facilitar o manuseio
e manter coordenação ampla dos assuntos requeridos. De acordo
com eventos determinados o leitor encontrará, também, neste livro,
temas sintéticos que podem ser alterados dependendo da habilida-
de do orador. Manejar bem a palavra de Deus é uma recomendação
Bíblica e não podemos ser negligentes quanto a esta sublime tarefa
(I Tm 2:15).
Sabemos que a inspiração continua, será sempre do Espírito
Santo de Deus em nossas vidas, porém, o papel de organizar e esta-
belecer ordens na mensagem são completamente do orador, mesmo
assim, o mesmo não pode icar independente da oração e do mover
do Santo Espírito Divino (Jo 14:26). É bom lembrar que os esboços
estão agrupados por livros, excetos aqueles que apresentam Jesus
na sua multiforme sabedoria de operar o seu imenso amor pela hu-
manidade perdida.
Observa-se que todos os esboços contidos neste livro estão
sintetizados, pois se remetem ao método usado para desenvolver
uma mensagem cujo propósito é esclarecer um determinado assun-
to da Bíblia. O produto aqui elaborado (conteúdo) não tem a inali-
dade primordial de treinar ou habilitar o orador quanto á pratica ou
execução do sermão. Portanto, se constitui de suma importância o
estudo da Bíblia Sagrada de forma esboçada facilitando o entendi-
mento do leitor e a compreensão daqueles que a ouvem! Lembre-se,
que o Espírito Santo está pronto para lembrar aquilo que está es-
crito, por isso nunca devemos cessar de estudar o Livro do Senhor.

Certa vez o então Presidente dos Estados Unidos, Woodrow


Wilson, foi convidado a fazer uma palestra perante uma reu-
nião de um clube cívico e lhe perguntaram quanto tempo ele
ia precisar para preparar-se. O Presidente respondeu: “Se o
senhor está querendo uma palestra de 30 minutos, eu gostaria
de ter duas semanas para preparar; se me permitirem falar 10
minutos, eu posso estar pronto em uma semana; mas se quer
que eu vá lá bater o papo uma hora ou duas, é só me chamar
uns 5 minutos antes da reunião.” Se o irmão quer que suas
pregações vão além dum mero “bate-papo”, sem rumo e sem
nexo, então vai Ter que estudar e preparar bem sua mensa-
gem. Pastor Edgar Potter1.

Que Deus em Cristo dispense toda sorte de bênção sobre vos-


sas vidas e que o Espírito Santo inspire, ilumine e continue capaci-
tando cada um de vós!

1 Fonte: www.palavraprudente.com.br
APRESENTAÇÃO

Apresento ao público de leitores e amantes da palavra de Deus


a mais nova obra literária do Pr Josaphat Batista, intitulada 1000
ESBOÇOS de Sermões, que sem dúvida, auxiliará aos pregadores,
mestres, obreiros, professores da EBD, missionários, Seminaristas
e etc.
Sobre o autor, nós testimunhamos sua vida de dedicação
e esmero para com à Sagradas Escrituras, além de uma vasta ex-
periência em ministracoes da palavra de Deus e o labor pastoral,
anunciando a cause do nosso maior Mestre, Jesus de Nazaré. Dese-
jo sucesso à todos que adquirirem este livro, e digo ser de grande
valia tal investimento, pois a exposição da Palavra Divina se cons-
titui uma arte que deve ser colocada em prática e muito mais nos
dias que estamos vivendo. Que esta obra venha impactar a vida
dos leitores e todos aqueles que diretamente ou indiretamente fo-
rem alcançados por esses escritos que estão intrínsecos na graciosa
e magestosa PALAVRA DE DEUS!
Deus vos abençoe!
Pr Valdomiro Pereira da Silva.
Presidente da CEADEB (Convenção Estadual das Assem-
bleias de Deus na Bahia).
PREFÁCIO

O Pastor Josafá Batista nesse seu belíssimo compêndio de es-


boços de Ministrações, demonstra de maneira clara e irretorquível,
que lui nele o dom de ensino, que o tornou um exímio expositor
de Bíblia.
Essa seleção de Mensagens Arrebatadoras é uma fonte ine-
xaurível de inspiração para tantos quantos Pregadores do Evange-
lho tenham o privilégio de obter essa Obra como Paradigma dos
seus Sermões.
Sabe-se que a Palavra que prevalece nos leciona que: “Um ao
outro ajudou, e ao seu companheiro disse esforça-te” Isaías 41:6
Essas ricas páginas literárias Teológico–Eclesiásticas, com seu
começo, meio e im, são como Apostilas balizadas, fornecidas por
Seminários Maiores ou Institutos Teológicos, capazes de equipar
a tantos quantos caminheiros que passarem por essas páginas, an-
dando e chorando, plantando a Boa Semente, para certamente vol-
tarem, com alegria, trazendo consigo os seus molhos.
O Reverendo Josafá Batista do alto da sua experiência como
verdadeiro Pastor de Ovelhas, compartilha de maneira liberal o seu
legado, acumulado, das priscas eras que bem longe vão, mediante a
Ação Inspiracional do Espirito Santo da Aliança.
Leitor faça dessa obra, depois da Bíblia, o seu livro de cabecei-
ra. E você se surpreenderá, quando nas suas Pregações, lançar mão
de quaisquer desses esboços, como manancial profundo de Águas
Vivas, capaz de aquecer corações, inundar almas, e abrasar espíri-
tos, mediante a fervente vibração da Bíblia Sagrada, o Manual do
Fabricante, a Constituição do Governo de Deus.
Boa Leitura!
Salvador, Bahia, verão de 2018.
Bispo Dr. Atila Brandão - PhD.ThD.DD.PDE
SUMÁRIO

Dedicatória ...........................................................................................................................................................................3
Palavra do Autor ..................................................................................................................................................................5
Apresentação ........................................................................................................................................................................7
Prefácio .................................................................................................................................................................................9
Nº 1 – DA CRIAÇÃO AO PATRIARCA ABRAÃO .....................................................................................................36
Nº 2 – A CRIAÇÃO HUMANA ......................................................................................................................................36
Nº 3 – QUEDA E REDENÇÃO HUMANA ..................................................................................................................36
Nº 4 – CAIM, O PRIMEIRO HOMICIDA DA TERRA ..............................................................................................36
Nº 5 – OS PECADOS DE LAMEQUE ...........................................................................................................................37
Nº 6 – A ARCA DE NOÉ COMO INSTRUMENTO DE SALVAÇÃO ......................................................................37
Nº 7 – ATITUDES DOS FILHOS DE NOÉ ...................................................................................................................37
Nº 8 – O COMEÇO DAS NAÇÕES................................................................................................................................37
Nº 9 – MELQUISEDEQUE, SACERDOTE DO DEUS ALTÍSSIMO ........................................................................38
Nº 10 – ISAQUE, O HERDEIRO DA PROMESSA ......................................................................................................38
Nº 11 – JACÓ, ANTES DO ENCONTRO COM DEUS ..............................................................................................38
Nº 12 – JACÓ, DEPOIS DO ENCONTRO COM DEUS .............................................................................................38
Nº 13 – A HISTÓRIA DE JOSÉ.......................................................................................................................................39
Nº 14 – A LEI, CRISTO E A FÉ.......................................................................................................................................39
Nº 15 – DEUS REVELA SUA LEI ...................................................................................................................................39
Nº 16 – A IGREJA E A LEI DE DEUS ............................................................................................................................39
Nº 17 – ISRAEL NO PLANO DE DEUS........................................................................................................................40
Nº 18 – MOISÉS, O LIBERTADOR DE ISRAEL ..........................................................................................................40
Nº 19 – A INSTITUIÇÃO DA PÁSCOA .......................................................................................................................40
Nº 20 – O DESAFIO DO MAR VERMELHO ..............................................................................................................40
Nº 21 – UM LIDER, CHAMADO JOSUÉ .....................................................................................................................41
Nº 22 – ESTRATÉGIA DIVINA RESULTA EM MILAGRES .....................................................................................41
Nº 23 – 0 SENHOR É VARÃO DE GUERRA ...............................................................................................................41
Nº 24 – DEUS, É O SER SUPREMO POR EXCELÊNCIA ..........................................................................................41
Nº 25 – A IMPORTÂNCIA DA DOUTRINA BÍBLICA .............................................................................................42
Nº 26 – AVIVAMENTO PELA DOUTRINA ................................................................................................................42
Nº 27 – A RELEVÂNCIA DA VOCAÇÃO ....................................................................................................................42
Nº 28 – CARACTERÍSTICAS DE DAVI .......................................................................................................................42
Nº 29 – ESPERANDO EM DEUS ...................................................................................................................................43
Nº 30 – DAVI, UM LIDER EXEMPLAR .......................................................................................................................43
Nº 31 – NÃO ENTREIS EM TENTAÇÃO.....................................................................................................................43
Nº 32 – O SUCESSOR DE MOISÉS ...............................................................................................................................43
Nº 33 – ATRAVESSANDO O RIO JORDÃO................................................................................................................44
Nº 34 – A CONQUISTA DE JERICÓ.............................................................................................................................44
Nº 35 – A MALDIÇÃO DO PECADO ..........................................................................................................................44
Nº 36 – A ORDEM PARA ERIGIR UM ALTAR AO SENHOR .................................................................................44
Nº 37 – O ARTIFÍCIO DOS GIBEONITAS ..................................................................................................................44
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 38 – AS CIDADES DE REFÚGIOS...........................................................................................................................45
Nº 39 – JOSUÉ, UM LIDER EXEMPLAR .....................................................................................................................45
Nº 40 – A DOUTRINA DAS ÚLTIMAS COISAS ........................................................................................................45
Nº 41 – A BÍBLIA ..............................................................................................................................................................46
Nº 42 – A PALAVRA DE DEUS ......................................................................................................................................46
Nº 43 – A TIRANIA DO PECADO ................................................................................................................................46
Nº 44 – O SEGREDO DO SUCESSO NO MINISTÉRIO DE ELIAS .........................................................................46
Nº 45 – CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA UMA VIDA VITORIOSA ...............................................................47
Nº 46 – A MULHER E A SUBMISSÃO .........................................................................................................................47
Nº 47 – REQUISITOS PARA UMA BOA LIDERANÇA ............................................................................................47
Nº 48 – A RELEVÂNCIA DA OBEDIÊNCIA ...............................................................................................................47
Nº 49 – O DEUS DA BÍBLIA...........................................................................................................................................48
Nº 50 – O DEUS QUE SE COMUNICA ........................................................................................................................48
Nº 51 – DEUS INTÉRVEM NA HISTÓRIA .................................................................................................................48
Nº 52 – NOSSA ETERNA REDENÇÃO ........................................................................................................................48
Nº 53 – NÃO HÁ OUTRO DEUS ...................................................................................................................................49
Nº 54 – A REBELIÃO TERÁ FIM ..................................................................................................................................49
Nº 55 – A INERRANTE PALAVRA DE DEUS ............................................................................................................49
Nº 56 – A EXCELÊNCIA DA PALAVRA DE DEUS....................................................................................................49
Nº 57 – A BÍBLIA, NOSSA ÉTICA .................................................................................................................................50
Nº 58 – DEUS FALA ATRAVÉS DOS PROFETAS ......................................................................................................50
Nº 59 – A COMUNICAÇÃO PROFÉTICA ..................................................................................................................50
Nº 60 – DEUS CONDENA A ADVINHAÇÃO ............................................................................................................50
Nº 61 – A TRAJETÓRIA DO MESSIAS.........................................................................................................................51
Nº 62 – CITAÇÕES PROFÉTICAS.................................................................................................................................51
Nº 63 – OS FALSOS PROFETAS.....................................................................................................................................51
Nº 64 – O DEUS DE ABRAÃO .......................................................................................................................................51
Nº 65 – A OBEDIÊNCIA ÁS LEIS DIVINAS ...............................................................................................................52
Nº 66 – A EXCELÊNCIA DA PALAVRA ......................................................................................................................52
Nº 67 – A RESPONSABILIDADE DE CUIDAR DOS NOSSOS IRMÃOS ..............................................................52
Nº 68 – O MANDAMENTO ...........................................................................................................................................53
Nº 69 – A FAMÍLIA ..........................................................................................................................................................53
Nº 70 – A JUSTIFICAÇÃO DOS PECADOS................................................................................................................53
Nº 71 – A TRINDADE .....................................................................................................................................................53
Nº 72 – O HOMEM, UMA OBRA PRIMA DE DEUS ................................................................................................54
Nº 73 – O ARREPENDIMENTO NOS APROXIMA DE DEUS ................................................................................54
Nº 74 – O SÁBADO PARA ISRAEL ...............................................................................................................................55
Nº 75 – A MENSAGEM DOS PROFETAS ....................................................................................................................55
Nº 76 – O CASAMENTO ILUSTRADO .......................................................................................................................55
Nº 77 – O DERRAMAMENTO DO ESPÍRITO SANTO ............................................................................................56
Nº 78 – A JUSTIÇA SOCIAL ..........................................................................................................................................56
Nº 79 – A OBEDIÊNCIA ACIMA DO SACRIFÍCIO ..................................................................................................57
Nº 80 – DEUS É AMOR E JUSTIÇA ..............................................................................................................................57
Nº 81 – A SETENÇA DE DEUS NÃO TARDA ............................................................................................................57
Nº 82 – O FIM ESTÁ CHEGANDO...............................................................................................................................58

12
Pr. Josahat Baista
Nº 83 – A PROFECIA DA RECONSTRUÇÃO.............................................................................................................58
Nº 84 – HAVERÁ AUSÊNCIA DE GUERRA ...............................................................................................................58
Nº 85 – A RELEVÂNCIA DA FAMÍLIA ........................................................................................................................59
Nº 86 – A PROMESSA DIVINA NOS FAZ SORRÍ......................................................................................................59
Nº 87 – TEMAS CHAVES DO LIVRO DE GÊNESIS..................................................................................................59
Nº 88 – 0 MUNDO IMPIEDOSO DE LAMEQUE ......................................................................................................60
Nº 89 – O GOVERNO HUMANO .................................................................................................................................60
Nº 90 – OS DESCENDENTES DE NOÉ ........................................................................................................................60
Nº 91 – A ORIGEM DAS NAÇÕES ...............................................................................................................................61
Nº 92 – O PECADO DA COBIÇA .................................................................................................................................61
Nº 93 – NÃO MATARÁS O INOCENTE E O JUSTO.................................................................................................61
Nº 94 – O PERIGO DO ADULTERO ............................................................................................................................62
Nº 95 – O PERIGO DO ROUBO ....................................................................................................................................62
Nº 96 – O FALSO TESTEMUNHO ................................................................................................................................62
Nº 97 – O PERIGO DE PROFANAR O NOME DE DEUS .........................................................................................63
Nº 98 – SOMOS MONOTEÍSTAS ..................................................................................................................................63
Nº 99 – ADORADORES E NÃO IDÓLATRAS ............................................................................................................63
Nº 100 – HONRA TEU PAI E TUA MÃE .....................................................................................................................64
Nº 101 – A FIDELIDADE DE DEUS .............................................................................................................................64
Nº 102 – DEUS É FIEL .....................................................................................................................................................64
Nº 103 – A FIDELIDADE DE DEUS E SUAS PROMESSAS ......................................................................................65
Nº 104 – A FIDELIDADE DE DEUS EM RELAÇÃO AO SEU POVO.....................................................................65
Nº 105 – O CÂNTICO DA FIDELIDADE DE DEUS..................................................................................................65
Nº 106 – A PÁSCOA .........................................................................................................................................................65
Nº 107 – OS ELEMENTOS DA PÁSCOA .....................................................................................................................66
Nº 108 – CRISTO, NOSSA PÁSCOA .............................................................................................................................66
Nº 109 – OS AUXILIARES DE MOISÉS........................................................................................................................67
Nº 110 – A LIDERANÇA DE MOISÉS E SUAS QUALIDADES................................................................................67
Nº 111 – O SACERDÓCIO..............................................................................................................................................68
Nº 112 – A VIDA FOI DADA POR DEUS ....................................................................................................................68
Nº 113 – O PERIGO DA INFIDELIDADE CONJUGAL ............................................................................................68
Nº 114 – PLANEJAMENTO FAMÍLIAR .......................................................................................................................68
Nº 115 – A VIDA É UM DOM DE DEUS .....................................................................................................................69
Nº 116 – A EUTANÁSIA É CRIME CONTRA A VONTADE DE DEUS ................................................................69
Nº 117 – A DOAÇÃO DE ÓRGÃOS É UM ATO DE AMOR E SOLIDARIEDADE ..............................................69
Nº 118 – A UTILIZAÇÃO DAS FINANÇAS ................................................................................................................69
Nº 119 – O PERIGO DO VINHO ..................................................................................................................................70
Nº 120 – A CONDENAÇÃO DO ALCOOLISMO.......................................................................................................70
Nº 121 – A MALDIÇÃO DOS JOGOS DE AZAR .......................................................................................................70
Nº 122 – CIDADÃOS DOS CÉUS ..................................................................................................................................70
Nº 123 – O JUSTO E A POBREZA.................................................................................................................................71
Nº 124 – O SACRIFÍCIO DA EXPIAÇÃO ....................................................................................................................71
Nº 125 – A OFERTA DE MANJARES EM LEVÍTICO................................................................................................71
Nº 126 – AS DIRETRIZES DA FAMÍLIA ......................................................................................................................72
Nº 127 – A FAMÍLIA E A IGREJA .................................................................................................................................72

13
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 128 – O PERIGO DA MÁ COMPANHIA ...............................................................................................................72


Nº 129 – RESPONSABILIDADES DOS CÔNJUGES ..................................................................................................72
Nº 130 – A AUTORIDADE PATERNA .........................................................................................................................73
Nº 131 – A FAMÍLIA E A CRIANÇA ............................................................................................................................73
Nº 132 – A FAMÍLIA E O IDOSO ..................................................................................................................................73
Nº 133 – AMOR, O VÍNCULO DA FAMÍLIA .............................................................................................................73
Nº 134 – A FAMÍLIA E OS MEIOS DE COMUNICAÇÕES ......................................................................................73
Nº 135 – A ANSIEDADE PELAS RIQUEZAS ..............................................................................................................74
Nº 136 – O CULTO DOMÉSTICO ................................................................................................................................74
Nº 137 – A SALVAÇÃO NA FAMÍLIA ..........................................................................................................................74
Nº 138 – DANIEL, UM EXEMPLO DE PUREZA .......................................................................................................75
Nº 139 – UM MAL CHAMADO SOBERBA.................................................................................................................75
Nº 140 – A SOBERANIA DE DEUS ...............................................................................................................................75
Nº 141 – A BÍBLIA EXALTA A INTEGRIDADE .........................................................................................................75
Nº 142 – O REINO DO MESSIAS ..................................................................................................................................75
Nº 143 – O TEMPO DO FIM ..........................................................................................................................................76
Nº 144 – O FIM DOS TEMPOS......................................................................................................................................76
Nº 145 – O DEVER DE ORAR........................................................................................................................................76
Nº 146 – A ORAÇÃO NO ANTIGO TESTAMENTO.................................................................................................77
Nº 147 – A EXCELÊNCIA DA ORAÇÃO .....................................................................................................................77
Nº 148 – A ORAÇÃO NO NOVO TESTAMENTO .....................................................................................................77
Nº 149 – A ORAÇÃO QUE JESUS ENSINOU .............................................................................................................77
Nº 150 – O RELACIONAMENTO COM DEUS ATRAVÉS DA ORAÇÃO.............................................................78
Nº 151 – A IGREJA DE ORAÇÃO .................................................................................................................................78
Nº 152 – JESUS E A ORAÇÃO........................................................................................................................................78
Nº 153 – A ORAÇÃO E A VONTADE DE DEUS........................................................................................................78
Nº 154 – A ORAÇÃO INTERCESSÓRIA ......................................................................................................................79
Nº 155 – A ORAÇÃO E A CONFISSÃO .......................................................................................................................79
Nº 156 – O CRENTE QUE NÃO ORA ..........................................................................................................................79
Nº 157 – O BOM RELACIONAMENTO NA FAMÍLIA .............................................................................................79
Nº 158 – A OBEDIÊNCIA LIVRA DO CATIVEIRO ..................................................................................................80
Nº 159 – O CRENTE APROVADO ................................................................................................................................80
Nº 160 – EDIFICADOS SOBRE CRISTO......................................................................................................................80
Nº 161 – VENCENDO OS INIMIGOS ..........................................................................................................................80
Nº 162 – FUGINDO DO ENGANO ..............................................................................................................................81
Nº 163 – A EXCELÊNCIA DA LEI .................................................................................................................................81
Nº 164 – ARREPENDIMENTO E CONVERSÃO .......................................................................................................81
Nº 165 – JESUS É O SENHOR DO SÁBADO ..............................................................................................................81
Nº 166 – A PROIBIÇÃO DO JUGO DESIGUAL .........................................................................................................82
Nº 167 – O TEMOR DE DEUS EXALTA ......................................................................................................................82
Nº 168 – JESUS CITA DANIEL ......................................................................................................................................82
Nº 169 – A FIRMEZA DE DANIEL ...............................................................................................................................82
Nº 170 – ESTE É O NOSSO DEUS .................................................................................................................................83
Nº 171 – OS PROPÓSITOS DE DEUS JAMAIS SERÃO FRUSTADOS ...................................................................83
Nº 172 – CRISTO SUPERIOR Á MOISÉS.....................................................................................................................83

14
Pr. Josahat Baista
Nº 173 – OBRAS DE SATANÁS......................................................................................................................................83
Nº 174 – O ÊXODO DO POVO DE DEUS ...................................................................................................................84
Nº 175 – RUMO Á LIBERDADE ....................................................................................................................................84
Nº 176 – A LEI DE MOISÉS E A GRAÇA .....................................................................................................................84
Nº 177 – O OBREIRO ADMINISTRANDO PARA DEUS .........................................................................................84
Nº 178 – O SANTUÁRIO DE DEUS ..............................................................................................................................85
Nº 179 – A LEI DE DEUS É JUSTA................................................................................................................................85
Nº 180 – JESUS, SACERDOTE ETERNO .....................................................................................................................85
Nº 181 – MOISÉS FOI USADO POR DEUS.................................................................................................................85
Nº 182 – A ADORAÇÃO NA ANTIGA E NOVA ALIANÇA ....................................................................................86
Nº 183 – UM MAL CHAMADO APOSTASIA.............................................................................................................86
Nº 184 – A VIDA DE ELIAS............................................................................................................................................86
Nº 185 – A LONGA SECA SOBRE ISRAEL..................................................................................................................86
Nº 186 – O CONFRONTO DE ELIAS E OS PROFETAS DE BAAL .........................................................................87
Nº 187 – OS CONFLITOS DE UM PROFETA .............................................................................................................87
Nº 188 – PROVISÃO DE DEUS NO MINISTÉRIO DE ELIAS .................................................................................87
Nº 189 – O PERIGO DA COBIÇA .................................................................................................................................87
Nº 190 – A CHAMADA DE ELIAS ................................................................................................................................88
Nº 191 – O TESTEMUNHO DO MESSIAS PROMETIDO........................................................................................88
Nº 192 – OS MILAGRES DE ELISEU ............................................................................................................................88
Nº 193 – A EDUCAÇÃO NOS DIAS DO PROFETA ELISEU ...................................................................................88
Nº 194 – A TRAJETÓRIA FINAL DE ELISEU .............................................................................................................89
Nº 195 – AS AUTORIDADES VÊM DE DEUS ............................................................................................................89
Nº 196 – UMA VIDA SAUDÁVEL E FELIZ .................................................................................................................89
Nº 197 – TEMOR E SABEDORIA ..................................................................................................................................89
Nº 198 – OS ATRIBUTOS DA SABEDORIA................................................................................................................89
Nº 199 – A VERDADEIRA SABEDORIA .....................................................................................................................90
Nº 200 – DEUS, VERDADEIRO .....................................................................................................................................90
Nº 201 – DEUS É FIEL .....................................................................................................................................................90
Nº 202 – DEUS É SANTO ...............................................................................................................................................90
Nº 203 – A SANTIDADE DE DEUS E OS HOMENS .................................................................................................91
Nº 204 – A MISERICÓDIA DE DEUS ...........................................................................................................................91
Nº 205 – A GRAÇA DE DEUS ........................................................................................................................................91
Nº 206 – FUGINDO DO ADULTERO ..........................................................................................................................92
Nº 207 – A VERDADEIRA PROSPERIDADE..............................................................................................................92
Nº 208 – UMA SÓ LEI .....................................................................................................................................................92
Nº 209 – EXEMPLO DE LEALDADE ............................................................................................................................92
Nº 210 – MANSIDÃO, UMA VIRTUDE.......................................................................................................................93
Nº 211 – O QUESTIONAMENTO DE HABACUQUE...............................................................................................93
Nº 212 – A CRISE É PASSAGEIRA ................................................................................................................................93
Nº 213 – A FÉ DE ABRAÃO EM DEUS, O FEZ VENCEDOR..................................................................................94
Nº 214 – OBEDIÊNCIA E PROVISÃO..........................................................................................................................94
Nº 215 – A PRECIPITAÇÃO GERA CRISE ..................................................................................................................94
Nº 216 – PROVISÃO EM MEIO Á CRISE ....................................................................................................................94
Nº 217 – O DEUS DE JOSÉ .............................................................................................................................................95

15
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 218 – 0 DEUS DE RUTE.............................................................................................................................................95


Nº 219 – O DEUS DE ELISEU ........................................................................................................................................95
Nº 220 – ADORANDO A DEUS EM MEIO Á CRISE ................................................................................................95
Nº 221 – O SOCORRO DE DEUS ..................................................................................................................................96
Nº 222 – DEUS CONCEDE A DAVI SABEDORIA NA CRISE .................................................................................96
Nº 223 – APRENDENDO COM O APÓSTOLO PAULO ..........................................................................................96
Nº 224 – O PRIMEIRO EVANGELISTA .......................................................................................................................97
Nº 225 – O ANÚNCIO DO MILÊNIO ..........................................................................................................................97
Nº 226 – ISRAEL NA GRANDE TRIBULAÇÃO .........................................................................................................97
Nº 227 – O TEMPO DA GRANDE TRIBULAÇÃO ....................................................................................................97
Nº 228 – ISRAEL, O RELÓGIO DE DEUS ...................................................................................................................98
Nº 229 – PROFECIAS ESCATOLÓGICAS ACERCA DO MESSIAS ........................................................................98
Nº 230 – A ESSÊNCIA DO VERDADEIRO CULTO ..................................................................................................98
Nº 231 – INDIFERENTE Á TENTAÇÃO .....................................................................................................................99
Nº 232 – A FALTA DE ÊXITO NA FAMÍLIA DE DAVI .............................................................................................99
Nº 233 – CONFISSÃO E ABANDONO ........................................................................................................................99
Nº 234 – DEUS É COM DAVI ........................................................................................................................................99
Nº 235 – REINO UNIDO ..............................................................................................................................................100
Nº 236 – OS LIDERADOS DE DAVI E SUA LIDERANÇA .....................................................................................100
Nº 237 – DAVI ESPERAVA EM DEUS ........................................................................................................................100
Nº 238 – A CONDUTA SÁBIA DE DAVI ...................................................................................................................100
Nº 239 – O DESAFIO DA DAVI A GOLIAS...............................................................................................................101
Nº 240 – O PROPÓSITO DA VOCAÇÃO DE DAVI ................................................................................................101
Nº 241 – A MALDADE DA INVEJA ...........................................................................................................................101
Nº 242 – ADORANDO Á DEUS NAS PERDAS ........................................................................................................101
Nº 243 – VIDA FINANCEIRA BEM - SUCEDIDA ...................................................................................................102
Nº 244 – A EDUCAÇÃO DOS FILHOS ......................................................................................................................102
Nº 245 – ADVERTÊNCIA AOS CÔNJUGES .............................................................................................................102
Nº 246 – A PROVISÃO MEIO Á ESCASSEZ .............................................................................................................102
Nº 247 – A DEVIDA HONRA AS VIÚVAS ................................................................................................................103
Nº 248 – O PERIGO DA VIOLÊNCIA ........................................................................................................................103
Nº 249 – MORTE E RESSURREIÇÃO .........................................................................................................................103
Nº 250 – O PODER DE DEUS SOBRE AS EFERMIDADE ......................................................................................103
Nº 251 – FILHOS, HERANÇA DO SENHOR ............................................................................................................104
Nº 252 – O VALOR DA ORAÇÃO ...............................................................................................................................104
Nº 253 – CUIDADO COM O ESPÍRITO CONSUMISTA........................................................................................104
Nº 254 – DEUS, O AUTOR DA PAZ............................................................................................................................104
Nº 255 – A SEPARAÇÃO DO MUNDO .....................................................................................................................105
Nº 256 – A VIRTUDE DA ESPERANÇA ....................................................................................................................105
Nº 257 – COMUNHÃO COM DEUS ..........................................................................................................................105
Nº 258 – DIALOGANDO COM DEUS .......................................................................................................................106
Nº 259 – O LIVRO DE INSTRUÇÃO ..........................................................................................................................106
Nº 260 – O CULTO CRISTÃO ......................................................................................................................................106
Nº 261 – O SERVIÇO CRISTÃO ..................................................................................................................................106
Nº 262 – DÍZIMOS E OFERTAS...................................................................................................................................106

16
Pr. Josahat Baista
Nº 263 – O DEVIDO LOUVOR....................................................................................................................................107
Nº 264 – O TESTEMUNHO CRISTÃO .......................................................................................................................107
Nº 265 – ORANDO PELAS AUTORIDADES ............................................................................................................107
Nº 266 – AMOR, VÍNCULO DA PERFEIÇÃO ..........................................................................................................107
Nº 267 – CONFIANDO EM DEUS ..............................................................................................................................108
Nº 268 – CRISTO, O SUMO SACERDOTE ................................................................................................................108
Nº 269 – FILHO DE DAVI.............................................................................................................................................108
Nº 270 – A VIDA ESPIRITUAL DA FAMÍLIA CRISTÃ ...........................................................................................109
Nº 271 – EDUCAÇÃO MATERIALISTA ....................................................................................................................109
Nº 272 – A ORIGEM DO UNIVERSO ........................................................................................................................109
Nº 273 – DESMASCARANDO A TEORIA DA EVOLUÇÃO .................................................................................109
Nº 274 – TENHA SAÚDE FÍSICA E MENTAL..........................................................................................................110
Nº 275 – TECNOLOGIA: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO.............................................................................................110
Nº 276 – MANTENDO A CHAMA DO AMOR .......................................................................................................110
Nº 277 – A AUTENCIDADE DA DOUTRINA BÍBLICA ........................................................................................110
Nº 278 – DEUS, SUPREMO SER ..................................................................................................................................110
Nº 279 – O ESPÍRITO SANTO NÃO É UMA FORÇA IMPESSOAL .....................................................................111
Nº 280 – A DOUTRINA DA SANTÍSSIMA TRINDADE ........................................................................................111
Nº 281 – A NOVA JERUSALÉM...................................................................................................................................111
Nº 282 – O REINO DO MESSIAS ................................................................................................................................111
Nº 283 – PERÍODO DE MAIOR ANGÚSTIA............................................................................................................112
Nº 284 – O NOVO IMPÉRIO ROMANO ...................................................................................................................112
Nº 285 – O SANTO TEMPLO.......................................................................................................................................112
Nº 286 – A DEDICAÇÃO MINISTERIAL ..................................................................................................................112
Nº 287 – NÃO VOS PRENDAIS... ................................................................................................................................113
Nº 288 – ARREPENDIMENTO E CONFISSÃO DE PECADOS.............................................................................113
Nº 289 – VALORIZANDO A PALAVRA ....................................................................................................................113
Nº 290 – A OBRA DE ENGANO..................................................................................................................................113
Nº 291 – RECONSTRUINDO COM O CONSTRUTOR ..........................................................................................114
Nº 292 – FALANDO NO TEMPO CERTO .................................................................................................................114
Nº 293 – FALANDO DE FINANÇAS ..........................................................................................................................114
Nº 294 – O VALOR DO TRABALHO..........................................................................................................................114
Nº 295 – TEMOR E SABEDORIA ................................................................................................................................115
Nº 296 – SEDENTO POR DEUS ..................................................................................................................................115
Nº 297 – COSMOVISÃO CRISTÃ................................................................................................................................115
Nº 298 – O PROBLEMA DA FOME ............................................................................................................................115
Nº 298 – ATENDENDO OS REFUGIADOS ..............................................................................................................116
Nº 299 – DEUS ABOMINA A DISCRIMINAÇÃO ...................................................................................................116
Nº 300 – JUSTIÇA: UM DEVER DAS AUTORIDADES ..........................................................................................116
Nº 301 – NÃO À VIOLÊNCIA ......................................................................................................................................116
Nº 302 – O CUIDADO COM A VIOLÊNCIA DIGITAL .........................................................................................117
Nº 303 – USANDO AS REDES .....................................................................................................................................117
Nº 304 – A ORDEM DO ENSINO ...............................................................................................................................117
Nº 305 – DEUS CRIOU O TEMPO (CHRONOS) .....................................................................................................117
Nº 306 – A PREGUIÇA É DESCARTADA..................................................................................................................118

17
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 307 – O MILAGRE DA RESTITUIÇÃO ................................................................................................................118


Nº 308 – A SÓS COM DEUS .........................................................................................................................................118
Nº 309 – FUGINDO DA DEPRESSÃO .......................................................................................................................118
Nº 310 – O VERDADEIRO PRAZER ..........................................................................................................................119
Nº 311 – A VIDA FINANCEIRA ..................................................................................................................................119
Nº 312 – O CRISTÃO E O DINHEIRO .......................................................................................................................119
Nº 313 – CONFLITOS ENTRE IRMÃOS....................................................................................................................119
Nº 314 – CONSTRUÍNDO UM LAR ...........................................................................................................................120
Nº 315 – O PADRÃO DIVINO PARA A FAMÍLIA ...................................................................................................120
Nº 317 – A VERDADEIRA MOTIVAÇÃO DO CRENTE ........................................................................................120
Nº 318 – A IMPORTÂNCIA DA LEI ...........................................................................................................................121
Nº 319 – O MONOTEÍSMO JUDAICO - CRISTÃO .................................................................................................121
Nº 320 – LIVRO DE MIQUÉIAS (I) ............................................................................................................................121
Nº 321 – LIVRO DE MIQUÉIAS (II) ...........................................................................................................................122
Nº 322 – LIVRO DE MIQUÉIAS (III) .........................................................................................................................122
Nº 323 – DESMASCARANDO O FALSO PROFETA ...............................................................................................122
Nº 324 – CUIDADO COM OS FALSOS PROFETAS ................................................................................................122
Nº 325 – RELACIONAMENTO E COMUNHÃO .....................................................................................................123
Nº 326 – A PRIMEIRA FAMÍLIA .................................................................................................................................123
Nº 327 – O CONCEITO BÍBLICO DO TRABALHO................................................................................................123
Nº 328 – AMIGOS, DÁDIVA DE DEUS .....................................................................................................................123
Nº 329 – O RELACIONAMENTO COM TODOS.....................................................................................................124
Nº 330 – O JOVEM E O CASAMENTO .....................................................................................................................124
Nº 331 – RELACIONAMENTO DESCARTÁVEL .....................................................................................................124
Nº 332 – O CRISTÃO E A DIVERSIDADES DE CRENÇAS OU RELIGIÕES .....................................................125
Nº 333 – DEUS CUIDANDO DOS SOLITÁRIOS .....................................................................................................125
Nº 334 – A DOUTRINA DO PERDÃO .......................................................................................................................125
Nº 335 – JESUS E O ATO DE SOLIDARIEDADE .....................................................................................................125
Nº 336 – O CONHECIMENTO DE UM DEUS QUE SE REVELA ........................................................................126
Nº 337 – AS GERAÇÕES NO LIVRO DE GÊNESIS .................................................................................................126
Nº 338 – A TERCEIRA PESSOA DA TRINDADE ....................................................................................................127
Nº 339 – A PERSONALIDADE DO ESPÍRITO SANTO ..........................................................................................127
Nº 340 – OBRAS DO ESPÍRITO SANTO ...................................................................................................................127
Nº 341 – NOMES DO ESPÍRITO SANTO ..................................................................................................................127
Nº 342 – SÍMBOLOS DO ESPÍRITO SANTO ............................................................................................................127
Nº 343 – SEDENTOS POR DEUS ................................................................................................................................128
Nº 344 – A AUTENTICIDADE DA DOUTRINA BÍBLICA ....................................................................................128
Nº 345 – A NECESSIDADE DA DOUTRINA BÍBLICA ..........................................................................................128
Nº 346 – A PRESENÇA DA DOUTRINA BÍBLICA..................................................................................................128
Nº 347 – O ESPÍRITO SANTO NA VIDA DO CRENTE .........................................................................................128
Nº 348 – PECADOS CONTRA O ESPÍRITO SANTO..............................................................................................129
Nº 349 – A SANTÍSSIMA TRINDADE NO NOVO TESTAMENTO .....................................................................129
Nº 350 – A VERDADE SOBRE OS ANJOS.................................................................................................................129
Nº 351 – O CARÁTER DOS ANJOS ............................................................................................................................129
Nº 352 – A CLASSIFICAÇÃO DOS ANJOS ...............................................................................................................130

18
Pr. Josahat Baista
Nº 353 – A MISSÃO DOS ANJOS ................................................................................................................................130
Nº 354 – HOMEM, OBRA PRIMA DE DEUS............................................................................................................130
Nº 355 – O QUE É O HOMEM ....................................................................................................................................131
Nº 356 – OBJETIVOS DA CRIAÇÃO DO HOMEM.................................................................................................131
Nº 357 – A CONSTITUIÇÃO DO HOMEM..............................................................................................................131
Nº 358 – A DOUTRINA DO PECADO ......................................................................................................................131
Nº 359 – A UNIVERSALIDADE DO PECADO ........................................................................................................131
Nº 360 – AS CONSEQÜÊNCIAS DO PECADO........................................................................................................132
Nº 361 – TIPOS DE PECADOS ....................................................................................................................................132
Nº 362 – A GRAÇA DA SALVAÇÃO ...........................................................................................................................132
Nº 363 – A INSPIRAÇÃO PLENÁRIA DA BÍBLIA ...................................................................................................132
Nº 364 – A DOUTRINA DO AVIVAMENTO ...........................................................................................................133
Nº 365 – A EXCELÊNCIA DA PALAVRA ..................................................................................................................133
Nº 366 – DEUS AVISA ANTES DO JULGAMENTO ...............................................................................................133
Nº 367 – O PROFETA ISAÍAS ......................................................................................................................................133
Nº 368 – O DIA DO SENHOR ......................................................................................................................................133
Nº 369 – O COLAPSO DA NAÇÃO E O JUÍZO........................................................................................................134
Nº 370 – PREDIÇÕES DE JUÍZO E GLÓRIA ............................................................................................................134
Nº 371 – DEUS COMUNICA O EXÍLIO ....................................................................................................................134
Nº 372 – A VISÃO EXTRAORDINÁRIA DE UM PROFETA..................................................................................135
Nº 373 – PROFECIAS ACERCA DO MESSIAS .........................................................................................................135
Nº 374 – EMANUEL, DEUS CONOSCO....................................................................................................................135
Nº 375 – O REINO MESSIÂNICO ...............................................................................................................................135
Nº 376 – A CONSUMAÇÃO DE TODAS AS COISAS .............................................................................................136
Nº 377 – SALVAÇÃO E ESPERANÇA .........................................................................................................................136
Nº 378 – JESUS, O SERVO DO SENHOR ...................................................................................................................136
Nº 379 – O LUGAR DA FAMÍLIA ...............................................................................................................................136
Nº 380 – A RELEVÂNCIA DO CUIDADO ................................................................................................................137
Nº 381 – LOUVOR E ADORAÇÃO .............................................................................................................................137
Nº 382 – OBEDIÊNCIA NA ADORAÇÃO .................................................................................................................137
Nº 383 – ABEL E CAIM .................................................................................................................................................137
Nº 384 – HOMENS NA VONTADE DE DEUS ..........................................................................................................138
Nº 385 – UM POVO EXCLUSIVO ...............................................................................................................................138
Nº 386 – A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA ADORAÇÃO......................................................................................138
Nº 387 – LEGALISTAS NA ADORAÇÃO ..................................................................................................................139
Nº 388 – A ADORAÇÃO NOS TEMPOS DE MIQUÉIAS .......................................................................................139
Nº 389 – JESUS E A ADORAÇÃO ...............................................................................................................................139
Nº 390 – ADORAR A DEUS É CONHECÊ - LO .......................................................................................................139
Nº 391 – A LITURGIA DO CULTO.............................................................................................................................140
Nº 392 – MODISMO NO CULTO................................................................................................................................140
Nº 393 – LOUVANDO ETERNAMENTE...................................................................................................................140
Nº 394 – PARA TUDO HÁ UM TEMPO ....................................................................................................................140
Nº 396 – RESTITUIÇÃO ...............................................................................................................................................141
Nº 397 – FICANDO A SÓS COM DEUS ....................................................................................................................141
Nº 398 – MILAGRES, EVENTOS NATURAIS PARA DEUS ...................................................................................141

19
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 399 – PROXIMIDADE DO DIA DO SENHOR ....................................................................................................142


Nº 400 – A COSMOVISÃO MATERIALISTA ............................................................................................................142
Nº 401 – A ALEGORIA CASAMENTO ......................................................................................................................142
Nº 402 – A MENSAGEM DOS PROFETAS ................................................................................................................143
Nº 403 – O MOVIMENTO DO ESPÍRITO.................................................................................................................143
Nº 404 – A JUSTIÇÃO SOCIAL ...................................................................................................................................143
Nº 405 – A LEI DA SEMEADURA...............................................................................................................................143
Nº 406 – A GRANDEZA DO AMOR DE DEUS........................................................................................................144
Nº 407 – A PRÁTICA DA PIEDADE ...........................................................................................................................144
Nº 408 – A JUSTIÇA DIVINA ......................................................................................................................................144
Nº 410 – O JUÍZO VINDOURO ..................................................................................................................................145
Nº 411 – RECONSTRUINDO O TEMPLO ................................................................................................................145
Nº 412 – O REINADO DO MESSIAS ..........................................................................................................................145
Nº 413 – A MENSAGEM DE DEUS EM MALAQUIAS ...........................................................................................145
Nº 414 – O Dia do Senhor..............................................................................................................................................145
Nº 415 – A SANTIDADE EXIGIDA ............................................................................................................................146
Nº 416 – A GLÓRIA DO CULTO DIVINO ................................................................................................................146
Nº 417 – O CHAMADO DOS LEVITAS .....................................................................................................................146
Nº 418 – FUNÇÕES DO SACERDOTES ....................................................................................................................146
Nº 419 – SANTIDADE, A MARCA DISTINTIVA DO CRISTÃOS ........................................................................147
Nº 420 – NADABI E ABIÚ ............................................................................................................................................147
Nº 421 – O VINHO EM QUE HÁ CONTENDA .......................................................................................................147
Nº 422 – O HOLOCAUSTO DA ANTIGA ALIANÇA .............................................................................................147
Nº 423 – SACRIFÍCIOS PACÍFICOS A DEUS ...........................................................................................................148
Nº 424 – MANTENDO A LÂMPADA ACESA ..........................................................................................................148
Nº 425 – O PÃO DA VIDA ............................................................................................................................................148
Nº 426 – ORAÇÃO, É A MAIOR OFERENDA DO CRENTE Á DEUS .................................................................148
Nº 427 – A PÁSCOA E O PENTECOSTES .................................................................................................................149
Nº 428 – FILHOS, HERANÇA DO SENHOR ............................................................................................................149
Nº 429 – CUIDANDO DA PROSPERIDADE ............................................................................................................149
Nº 430 – DIREITOS FUNDAMENTADOS NO AMOR ...........................................................................................149
Nº 431 – ASPECTO SACRO DA VIDA .......................................................................................................................150
Nº 432 – A VIDA PERTENCE A DEUS ......................................................................................................................150
Nº 433 – SEXUALIDADE, UMA DÁDIVA DIVINA ................................................................................................150
Nº 434 – A VIDA, UMA DÁDIVA DE DEUS ............................................................................................................151
Nº 435 – AS PERDAS NA VIDA DE JÓ ......................................................................................................................151
Nº 436 – UM HOMEM CHAMADO JÓ .....................................................................................................................151
Nº 437 – O SALTÉRIO DE ISRAEL .............................................................................................................................152
Nº 438 – CONHECIMENTO QUE NÃO PODE SER ESQUECIDO......................................................................152
Nº 439 – DEUS FAZ JUSTIÇA A JUSTOS E ÍMPIOS ...............................................................................................152
Nº 440 – O SENHOR DAS NAÇÕES ...........................................................................................................................152
Nº 441 – O JUÍZO VINDOURO ..................................................................................................................................153
Nº 442 – A ESPERANÇA DO POVO DE DEUS ........................................................................................................153
Nº 443 – O REINO DE DEUS PROCLAMADO ........................................................................................................153
Nº 444 – A ESPERANÇA DO REINO .........................................................................................................................153

20
Pr. Josahat Baista
Nº 445 – O REINO DE DEUS ESTÁ PRÓXIMO .......................................................................................................154
Nº 446 – O PACTO DE DEUS COM ISRAEL ............................................................................................................154
Nº 447 – O CANON SAGRADO NA SUA FORMAÇÃO.........................................................................................154
Nº 448 – CRISTO NO PENTATEUCO........................................................................................................................154
Nº 449 – CONTANDO A HISTÓRIA DE ALGUEM ................................................................................................155
Nº 450 – A FIRMEZA DOS PROFETAS .....................................................................................................................155
Nº 451 – O EVANGELHO DE MATEUS ....................................................................................................................158
Nº 452 – O NASCIMENTO DE JESUS NO EVANGELHO DE MATEUS .............................................................158
Nº 453 – JESUS, O VERBO DIVINO ...........................................................................................................................158
Nº 454 – JESUS, O FILHO DE DEUS ..........................................................................................................................158
Nº 455 – A DUPLA NATUREZA DE CRISTO ..........................................................................................................159
Nº 456 – O MENINO JESUS .........................................................................................................................................159
Nº 457 – O BATISMO DE JESUS .................................................................................................................................159
Nº 458 – O MISTÉRIO PROFÉTICO DE JESUS .......................................................................................................159
Nº 459 – JESUS, O SACERDOTE ETERNO ...............................................................................................................160
Nº 460 – JESUS, FILHO DE DAVI ...............................................................................................................................160
Nº 461 – O ENSINO DE JESUS ....................................................................................................................................160
Nº 462 – O PODER MILAGROSO DE JESUS ............................................................................................................160
Nº 463 – A MORTE DE JESUS .....................................................................................................................................161
Nº 464 – A RESSURREIÇÃO DO NOSSO SENHOR................................................................................................161
Nº 465 – REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES ...........................................................................................161
Nº 466 – CRISTO, NOSSO EXEMPLO POR EXCELÊNCIA ...................................................................................162
Nº 467 – O CUSTO DO DISCIPULADO ...................................................................................................................162
Nº 468 – A MULHER NO MINISTÉRIO DE JESUS .................................................................................................162
Nº 469 – O PODER DE JESUS ......................................................................................................................................162
Nº 470 – O PODER DE JESUS SOBRE AS FORÇAS DO MAL...............................................................................163
Nº 471 – JESUS E SEUS DISCIPULOS ........................................................................................................................163
Nº 472 – JESUS E O DINHEIRO ..................................................................................................................................163
Nº 473 – A PRIMEIRA SANTA CEIA .........................................................................................................................164
Nº 474 – CRUCIFICAÇÃO E MORTE DE JESUS .....................................................................................................164
Nº 475 – A RESSURREIÇÃO DE JESUS É A RAZÃO DA NOSSA FÉ...................................................................164
Nº 476 – A REALIDADE DA TENTAÇÃO ................................................................................................................165
Nº 477 – A RELEVÂNCIA DO REINO DE DEUS .....................................................................................................165
Nº 478 – A RELEVÂNCIA CRISTÃ..............................................................................................................................165
Nº 479 – O CRISTÃO E O RESPEITO .........................................................................................................................166
Nº 480 – JESUS, O ÚNICO SALVADOR.....................................................................................................................166
Nº 481 – O PREÇO DA RENÚNCIA ...........................................................................................................................166
Nº 482 – A ESCOLA DA HUMILDADE .....................................................................................................................166
Nº 483 – A PREVENÇÃO CONTRA A ANSIEDADE ..............................................................................................167
Nº 484 – A NECESSIDADE DA ORAÇÃO.................................................................................................................167
Nº 485 – A RELEVÂNCIA DO AMOR ........................................................................................................................167
Nº 486 – ELE LEVOU AS NOSSAS ENFERMIDADES ............................................................................................167
Nº 487 – O ANDAR DO SALVO EM CRISTO ..........................................................................................................167
Nº 488 – VALORIZANDO A MULHER .....................................................................................................................168
Nº 489 – AS CRIANÇAS NO REINO DE DEUS........................................................................................................168

21
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 490 – BEM AVENTURADOS .................................................................................................................................168


Nº 491 – A VERDADEIRA IGREJA .............................................................................................................................168
Nº 492 – A VINDA DE CRISTO...................................................................................................................................169
Nº 493 – A SALVAÇÃO E O ADVENTO DO MESSIAS ..........................................................................................169
Nº 494 – O PREÇO DA OBRA SALVÍFICA DE CRISTO ........................................................................................169
Nº 495 – A RELEVÂNCIA DA GRAÇA EM CRISTO ...............................................................................................169
Nº 496 – A REALIDADE DO LIVRE ARBÍTRIO......................................................................................................170
Nº 497 – A PLENA GLORIFICAÇÃO DOS SALVOS ...............................................................................................170
Nº 498 – VIVENDO COM AMENTE DE CRISTO...................................................................................................170
Nº 499 – JESUS VOLTARÁ............................................................................................................................................171
Nº 500 – O MUNDO VINDOURO .............................................................................................................................171
Nº 501 – O EVANGELHO DE LUCAS ........................................................................................................................171
Nº 502 – ATÉ JOÃO! ......................................................................................................................................................172
Nº 503 – JOSÉ, O PAI TERRENO DE JESUS..............................................................................................................172
Nº 504 – A NOSSA SUFICIÊNCIA ESTÁ EM JESUS................................................................................................172
Nº 505 – UMA NOVA VIDA EM CRISTO .................................................................................................................172
Nº 506 – O NOVO CONVERTIDO EM CRISTO .....................................................................................................173
Nº 507 – PÓS - RESSURREIÇÃO .................................................................................................................................173
Nº 508 – PROVAS INFALÍVEIS DA RESSURREIÇÃO DE JESUS..........................................................................173
Nº 509 – JESUS ENTRA EM JERUSALEM .................................................................................................................174
Nº 510 – RESPLANDEÇA A VOSSA LUZ ..................................................................................................................174
Nº 511 – CHAMADA SANTA ......................................................................................................................................174
Nº 512 – JESUS AINDA É O MESMO .........................................................................................................................174
Nº 513 – JESUS, O ÚNICO SALVADOR DO MUNDO ...........................................................................................175
Nº 514 – NASCENDO EM CRISTO ............................................................................................................................175
Nº 515 – FAZENDO A VONTADE DE CRISTO .......................................................................................................175
Nº 516 – JESUS DAR UM SINAL SOBRE OS FALSOS PROFETAS .......................................................................175
Nº 517 – JESUS, A ÚNICA OPÇÃO ............................................................................................................................176
Nº 518 – JESUS ENSINA A MISERICÓRDIA EM VEZ DE JULGAR ....................................................................176
Nº 519 – JESUS ENSINA A CONFIAR EM DEUS ....................................................................................................176
Nº 520 – O CARÁTER SUPREMO DE JESUS ............................................................................................................177
Nº 521 – MARIA, EXEMPLO DE HUMILDADE ......................................................................................................177
Nº 522 – O FIM DA LEI É CRISTO .............................................................................................................................177
Nº 523 – O CRENTE EXEMPLAR ...............................................................................................................................177
Nº 524 – A ALEGRIA DO SALVO ...............................................................................................................................178
Nº 525 – A NOSSA EXPERIÊNCIA DE VIDA...........................................................................................................178
Nº 526 – O COMUNICADOR DO EVANGELHO ...................................................................................................178
Nº 527 – PERSEVERANÇA NA VOCAÇÃO DE DEUS...........................................................................................178
Nº 528 – VIVENDO UMA VIDA SANTA ..................................................................................................................179
Nº 529 – VIVENDO EM AMOR ..................................................................................................................................179
Nº 530 – A ESPERANÇA DE QUEM VIGIA .............................................................................................................179
Nº 531 – UM LÍDER EXEMPLAR................................................................................................................................179
Nº 532 – DIGNOS DA VOCAÇÃO DE DEUS ...........................................................................................................180
Nº 533 – NÃO VOS MOVAIS FACILMENTE ............................................................................................................180
Nº 534 – A MENSAGEM CONSOLADORA..............................................................................................................180

22
Pr. Josahat Baista
Nº 535 – NUMA SOCIEDADE CARENTE DE EXEMPLO .....................................................................................180
Nº 536 – A TERRA DO SALVADOR ...........................................................................................................................181
Nº 537 – SAINDO DA TERRA .....................................................................................................................................181
Nº 538 – JESUS E OS GRUPOS RELIGIOSOS ...........................................................................................................181
Nº 539 – JESUS E O CUMPRIMENTO DA LEI.........................................................................................................181
Nº 540 – JESUS E O REINO ..........................................................................................................................................182
Nº 541 – O SIMBOLISMO DO TEMPLO ...................................................................................................................182
Nº 542 – A JUSTIÇA PRATICADA .............................................................................................................................182
Nº 543 – O BATISMO É UMA ORDENANÇA ..........................................................................................................182
Nº 544 – A PARÁBOLA DO TRIGO E DO JOIO ......................................................................................................183
Nº 545 – O CRESCIMENTO DO REINO ...................................................................................................................183
Nº 546 – O REINO, SEMELHANTE A UM TESOURO ...........................................................................................183
Nº 547 – A ROCHA É CRISTO ....................................................................................................................................183
Nº 548 – O ALERTA DE JESUS ....................................................................................................................................184
Nº 549 – JUSTIÇA E GRAÇA DE DEUS.....................................................................................................................184
Nº 550 – O CRENTE PRUDENTE ...............................................................................................................................184
Nº 551 – ATENDENDO O CONVITE ........................................................................................................................184
Nº 552 – O REI JESUS ....................................................................................................................................................184
Nº 553 – FRUTO E DONS DO ESPÍRITO..................................................................................................................185
Nº 554 – A TEMPERANÇA ..........................................................................................................................................185
Nº 555 – MANSIDÃO, VIRTUDE CRISTÃ ................................................................................................................185
Nº 556 – O FRUTO DA FIDELIDADE ........................................................................................................................186
Nº 557 – A BONDADE E BENIGNIDADE ................................................................................................................186
Nº 558 – O CRENTE E A PACIÊNCIA .......................................................................................................................186
Nº 559 – A VERDADEIRA PAZ ...................................................................................................................................187
Nº 560 – O FRUTO ALEGRIA ......................................................................................................................................187
Nº 561 – O FRUTO EXCELENTE ................................................................................................................................187
Nº 562 – O CRISTÃO E O FRUTO ..............................................................................................................................187
Nº 563 – O FRUTO E O CRISTÃO ..............................................................................................................................188
Nº 564 – A PROMESSA DA SALVAÇÃO....................................................................................................................188
Nº 565 – A PROMESSA DE DEUS E A PÁSCOA ......................................................................................................188
Nº 566 – OS FEITOS DE CRISTO POR NÓS .............................................................................................................188
Nº 567 – A IMPORTÂNCIA DA DECISÃO ...............................................................................................................189
Nº 568 – UM CHAMADO PARA O ARREPENDIMENTO ....................................................................................189
Nº 569 – NASCENDO DE NOVO................................................................................................................................189
Nº 570 – FILIADOS ........................................................................................................................................................190
Nº 571 – A PERSERVERANÇA ....................................................................................................................................190
Nº 572 – NOVO CORPO ...............................................................................................................................................190
Nº 573 – SEJAMOS CUIDADOSOS COM A LÍNGUA ............................................................................................190
Nº 574 – PROSPERIDADE SEM DEUS ......................................................................................................................191
Nº 575 – A AFEIÇÃO DE PAULO PELOS IRMÃOS EM FILIPOS.........................................................................191
Nº 576 – O QUE É O CHAMADO DO EVANGELHO?...........................................................................................191
Nº 577 – VIVENDO NA HUMILDADE .....................................................................................................................191
Nº 578 – A SALVAÇÃO COMO OBRA DA GRAÇA DE DEUS .............................................................................192
Nº 579 – A RESPONSABILIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR .....................................................................192

23
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 580 – REGOZIJAI - VOS NO SENHOR! ...............................................................................................................192


Nº 581 – PROSSIGUINDO PARA O ALVO ...............................................................................................................192
Nº 582 – INIMIGOS DA CRUZ DE CRISTO .............................................................................................................193
Nº 583 – ALEGRIA E FIRMEZA NA FÉ .....................................................................................................................193
Nº 584 – SACRIFÍCIOS QUE AGRADAM A DEUS .................................................................................................193
Nº 585 – ORIENTAÇÕES AS LIDERANÇAS CRISTÃ .............................................................................................193
Nº 586 – EXORTAÇÃO Á ORAÇÃO ...........................................................................................................................194
Nº 587 – SERVIÇO, A RAZÃO DE SER DO MINISTÉRIO.....................................................................................194
Nº 588 – CUIDADOS DE UM SANTO MINISTÉRIO .............................................................................................194
Nº 589 – CONSELHOS PRÁTICOS .............................................................................................................................195
Nº 590 – CRENDO COM FIDELIDADE ....................................................................................................................195
Nº 591 – COMO DEVE SER O OBREIRO APROVADO .........................................................................................195
Nº 592 – A BATALHA DE PAULO NO MINISTÉRIO .............................................................................................195
Nº 593 – ORGANIZAÇÃO E CRECIMENTO DA IGREJA .....................................................................................196
Nº 594 – EXORTAÇÕES GERAIS ................................................................................................................................196
Nº 595 – A MANIFESTAÇÃO DO EVANGELHO DA GRAÇA .............................................................................196
Nº 596 – AOS ROMANOS, O EVANGELHO DO CRISTO RESSURRETO .........................................................197
Nº 597 – A PECAMINOSIDADE HUMANA.............................................................................................................197
Nº 598 – A INCREDULIDADE DOS JUDEUS ..........................................................................................................197
Nº 599 – OS EFEITOS DA JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ .............................................................................................198
Nº 600 – VIVENDO EM SANTIDADE PARA CRISTO...........................................................................................198
Nº 601 – A ATIVIDADE DO ESPÍRITO SANTO NA VIDA DO CRENTE .........................................................198
Nº 602 – ISRAEL É POVO DE DEUS ..........................................................................................................................198
Nº 603 – SEPARANDO - SE DO MUNDO ................................................................................................................199
Nº 604 – O CRISTÃO E O ESTADO ............................................................................................................................199
Nº 605 – NÃO JULGUEIS..............................................................................................................................................199
Nº 606 – O CRISTÃO E AS OBRAS SOCIAIS ............................................................................................................200
Nº 607 – O DIÁLOGO DE PAULO Á IGREJA EM ROMA......................................................................................200
Nº 608 – TODOS PECARAM .......................................................................................................................................200
Nº 609 – JUSTIFICADOS PELA FÉ .............................................................................................................................201
Nº 610 – JESUS, SUPERIOR A ADÃO ........................................................................................................................201
Nº 611 – A GRAÇA DE JESUS CRISTO .....................................................................................................................201
Nº 612 – A LEI, A CARNE E O ESPÍRITO .................................................................................................................202
Nº 613 – VIVENDO NO ESPÍRITO ............................................................................................................................202
Nº 614 – DEVER DO CRISTÃO, CIVIL, MORAL E ESPIRITUAL ........................................................................202
Nº 615 – O JULGAMENTO IMPEDE O AMOR .......................................................................................................203
Nº 616 – COSMOVISÃO MISSIONÁRIA ...................................................................................................................203
Nº 617 – FALTA O TÍTULO ..........................................................................................................................................203
Nº 618 – CRISTO SUPERIOR A MOISÉS...................................................................................................................203
Nº 619 – JESUS E A CARTA AOS HEBREUS ............................................................................................................204
Nº 620 – UMA TÃO GRANDE SALVAÇÃO ..............................................................................................................204
Nº 621 – UMA ALIANÇA SUPERIOR ........................................................................................................................204
Nº 622 – UMA ÚNICA VEZ .........................................................................................................................................205
Nº 623 – HOMENS DE FÉ.............................................................................................................................................205
Nº 624 – A CARREIRA PROPOSTA............................................................................................................................205

24
Pr. Josahat Baista
Nº 625 – A MENSAGEM DE DEUS EM HEBREUS .................................................................................................206
Nº 626 – CRISTO, SUMO SACERDOTE ....................................................................................................................206
Nº 627 – JESUS, SUMO SACERDOTE SUPERIOR...................................................................................................206
Nº 628 – O PERFIL MAJESTOSO DE CRISTO .........................................................................................................206
Nº 629 – CRISTO SUPERIOR AOS ANJOS................................................................................................................207
Nº 630 – CRISTO É NOSSO REPOUSO .....................................................................................................................207
Nº 631 – CRISTO SUPERIOR A ARÃO ......................................................................................................................207
Nº 632 – JESUS, O SUMO SACERDOTE PERFEITO...............................................................................................207
Nº 633 – CRISTO, O MEDIADOR DE UMA NOVA ALIANÇA ............................................................................208
Nº 634 – CRISTO, O CONCERTO DA NOVA ALIANÇA.......................................................................................208
Nº 635 – SACRIFÍCIOS DIÁRIOS DO ANTIGO CONCERTO ..............................................................................208
Nº 636 – CONCEITO DE FÉ.........................................................................................................................................208
Nº 637 – OBEDIÊNCIA, AMOR E SUBMISSÃO ......................................................................................................209
Nº 638 – AS OBRAS........................................................................................................................................................209
Nº 639 – TRIUNFANDO SOBRE A TENTAÇÃO .....................................................................................................209
Nº 640 – NÃO DESAMPARE A SABEDORIA ...........................................................................................................209
Nº 641 – SEM ACEPÇÃO ..............................................................................................................................................210
Nº 642 – FÉ E OBRAS ....................................................................................................................................................210
Nº 643 – O PRÉ - PENTECOSTALISMO DA IGREJA .............................................................................................210
Nº 644 – RESUMO DO LIVRO DE ATOS ..................................................................................................................210
Nº 645 – A ASCENSÃO DE CRISTO E A PROMESSA DE SUA VINDA .............................................................211
Nº 646 – A DESCIDA DO ESPÍRITO SANTO ..........................................................................................................211
Nº 647 – A COMUNHÃO DA IGREJA .......................................................................................................................211
Nº 648 – COMPROMISSOS QUE PROCLAMAM AS BOAS NOVAS ..................................................................211
Nº 649 – A ESSÊNCIA DA DISCIPLINA NA IGREJA ..............................................................................................212
Nº 650 – OBRAS DE MISERICÓRDIAS .....................................................................................................................212
Nº 651 – O AVANÇO DA IGREJA NAS PERSEGUIÇÕES ......................................................................................212
Nº 652 – PAULO, UM VASO ESCOLHIDO ...............................................................................................................212
Nº 653 – A PROPAGAÇÃO DO EVANGELHO ENTRE OS GENTIOS ................................................................213
Nº 654 – O PRIMEIRO CONCÍLIO ECLESIÁSTICO...............................................................................................213
Nº 655 – A EXPANSÃO DA IGREJA ...........................................................................................................................213
Nº 656 – O TESTEMUNHO DE PAULO EM ROMA ...............................................................................................213
Nº 657 – EM DEFESA DO EVANGELHO ..................................................................................................................214
Nº 658 – O DEUS, DE TODA CONSOLAÇÃO .........................................................................................................214
Nº 659 – A AUTENTICIDADE DO EVANGELHO ..................................................................................................214
Nº 660 – A GLÓRIA DA NOVA ALIANÇA ...............................................................................................................214
Nº 661 – VASO DE BARRO NAS MÃOS DO OLEIRO ............................................................................................215
Nº 662 – O MINISTÉRIO DA RECONCILIAÇÃO ...................................................................................................215
Nº 663 – BÊNÇÃOS DECORRENTES DA RECONCILIAÇÃO..............................................................................215
Nº 664 – PAULO, UM LÍDER EXEMPLAR ................................................................................................................215
Nº 665 – UMA VIDA SANTIFICADA ........................................................................................................................216
Nº 666 – O PRINCÍPIO BÍBLICO DA GENEROSIDADE .......................................................................................216
Nº 667 – A AUTORIDADE APOSTÓLICA DE PAULO ..........................................................................................216
Nº 668 – PAULO, UM LÍDER CRISTÃO AUTÊNTICO ...........................................................................................216
Nº 669 – AS VISÕES DE PAULO .................................................................................................................................217

25
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 670 – ADVERTÊNCIAS PASTORAIS ....................................................................................................................217


Nº 671 – OS DONS ESPITIRUAIS COMO DÁDIVAS DIVINA .............................................................................217
Nº 672 – AS FINALIDADES DOS DONS ...................................................................................................................217
Nº 673 – DONS DE REVELAÇÕES .............................................................................................................................218
Nº 674 – DONS DE PODER - CAPACITA O CRENTE ...........................................................................................218
Nº 675 – DONS DE ELOCUÇÃO ................................................................................................................................218
Nº 676 – O DOM DO APOSTOLADO .......................................................................................................................218
Nº 677 – O MINISTÉRIO DE PROFETA ....................................................................................................................219
Nº 678 – O EVANGELISTA E O EVANGELHO ........................................................................................................219
Nº 679 – O MINISTÉRIO PASTORAL ........................................................................................................................219
Nº 680 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR ...........................................................................................219
Nº 681 – O MINISTÉRIO DE PRESBÍTERO..............................................................................................................220
Nº 682 – SERVINDO COMO DIÁCONO ..................................................................................................................220
Nº 683 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS ................................................................................................220
Nº 684 – JOÃO EM DEFESA DA FÉ NA PALAVRA.................................................................................................220
Nº 685 – JESUS É ETERNO...........................................................................................................................................221
Nº 686 – O JESUS QUE ILUMINA ..............................................................................................................................221
Nº 687 – JESUS, O NOSSO REDENTOR ....................................................................................................................221
Nº 688 – A ESSÊNCIA DO AMOR CRISTÃO ...........................................................................................................222
Nº 689 – REJEITANDO O MUNDO ...........................................................................................................................222
Nº 690 – A CHEGADA DO ANTICRISTO ................................................................................................................222
Nº 691 – A ETERNA SALVAÇÃO ................................................................................................................................222
Nº 692 – UM HOMEM PERSONIFICANDO O DIABO .........................................................................................223
Nº 693 – CONSELHOS PRÁTICOS .............................................................................................................................223
Nº 694 – IDENTIFICANDO OS FALSOS PROFETAS .............................................................................................223
Nº 695 – A PRÁTICA DO AMOR CRISTÃO .............................................................................................................223
Nº 696 – O TESTEMUNHO DO NOVO NASCIMENTO .......................................................................................224
Nº 697 – A LOUCURA DA CRUZ ...............................................................................................................................224
Nº 698 – VENCENDO O PARTIDARISMO...............................................................................................................224
Nº 699 – MINISTROS DE CRISTO..............................................................................................................................225
Nº 700 – REPUDIANDO O PECADO IMORAL ......................................................................................................225
Nº 701 – FUNDADO POR DEUS DESDE O PRINCÍPIO .......................................................................................225
Nº 702 – FUGINDO DA IDOLATRIA DO SACRIFÍCIO ........................................................................................226
Nº 703 – A ATUALIDADE DOS DONS ......................................................................................................................226
Nº 704 – A RESSURREIÇÃO, VÍNCULO DO CRISTIANISMO ............................................................................226
Nº 705 – CONTRIBUIÇÃO, UM PRIVILÉGIO DO CRENTE................................................................................226
Nº 706 – AMOR, A VIRTUDE SUPREMA .................................................................................................................227
Nº 707 – A PROMESSA DO BATISMO COM ESPÍRITO SANTO ........................................................................227
Nº 708 – AVIVAMENTO ESPIRITUAL NA IGREJA ................................................................................................227
Nº 709 – O ESPÍRITO SANTO E OS SEUS ATRIBUTOS ........................................................................................227
Nº 710 – BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO - DÁDIVA DIVINA ..................................................................228
Nº 711 – O MESMO ESPÍRITO ....................................................................................................................................228
Nº 712 – SANTOS DE DEUS ........................................................................................................................................228
Nº 713 – O ESPÍRITO SANTO NA VIDA DO CRENTE .........................................................................................228
Nº 714 – VIDA RENOVADA NO ESPÍRITO .............................................................................................................229

26
Pr. Josahat Baista
Nº 715 – NÃO ENTRISTEÇAIS O ESPÍRITO............................................................................................................229
Nº 716 – VIVENDO NO PODER DO ESPÍRITO .....................................................................................................229
Nº 717 – DESCÊNCIA E ORDEM NO CULTO .........................................................................................................229
Nº 718 – MANTENDO O ESPÍRITO ATÉ O FIM ....................................................................................................230
Nº 719 – JESUS VIRÁ! ...................................................................................................................................................230
Nº 720 – O BENDITO REINO DE DEUS ...................................................................................................................230
Nº 721 – A RELEVÂNCIA DO CRISTIANISMO ......................................................................................................231
Nº 722 – A ÉTICA CRISTÃ ...........................................................................................................................................231
Nº 723 – A RELEVÂNCIA DO RESPEITO .................................................................................................................231
Nº 724 – PERNOSAGENS DOS ATOS DA IGREJA..................................................................................................231
Nº 725 – A DIDÁTICA DA JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ ............................................................................................232
Nº 726 – BENEFÍCIOS DA JUSTIFICAÇÃO .............................................................................................................232
Nº 727 – A OFENSA DO PECADO .............................................................................................................................232
Nº 728 – JESUS E A GRAÇA .........................................................................................................................................232
Nº 729 – MORTOS PARA O PECADO E VIVOS EM CRISTO ..............................................................................233
Nº 730 – O CIDADÃO E AS AUTORIDADES...........................................................................................................233
Nº 731 – A DÍVIDA DO AMOR ..................................................................................................................................233
Nº 732 – DANDO FRUTO EXEMPLAR .....................................................................................................................234
Nº 733 – A LEI .................................................................................................................................................................234
Nº 734 – A SEGURANÇA DA ORAÇÃO DO PAI - NOSSO...................................................................................234
Nº 735 – A ANSIEDADE PELA VIDA ........................................................................................................................234
Nº 736 – ANTES, A MISERICÓRDIA .........................................................................................................................235
Nº 737 – OS DOIS LADOS ............................................................................................................................................235
Nº 738 – DISCERNINDO O FRUTO ..........................................................................................................................235
Nº 739 – OUVINDO E CUMPRINDO .......................................................................................................................235
Nº 740 – A RESPEITO DA IGREJA .............................................................................................................................236
Nº 741 – O MINISTÉRIO DA IGREJA ........................................................................................................................236
Nº 742 – AS OREDENANÇAS DE CRISTO Á SUA IGREJA ...................................................................................236
Nº 743 – O SUSTENTO DA IGREJA ...........................................................................................................................236
Nº 744 – UM SÓ ..............................................................................................................................................................236
Nº 745 – OS DONS ESPIRITUAIS SÃO DÁDIVAS DIVINA ..................................................................................237
Nº 746 – A EXCELÊNCIA DO ENSINO .....................................................................................................................237
Nº 747 – A PRÁTICA SOCIAL DA IGREJA ...............................................................................................................237
Nº 748 – DAI A CESAR O QUE É DE CESAR ...........................................................................................................237
Nº 749 – A SALVAÇÃO É OFERECIDA .....................................................................................................................238
Nº 750 – SERVINDO COMO CORPO ........................................................................................................................238
Nº 751 – IGREJA, CRIAÇÃO ESPECIAL MEDIANTE CRISTO.............................................................................238
Nº 752 – SÍMBOLOS DA IGREJA ................................................................................................................................238
Nº 753 – IGREJA, AGÊNCIA EVANGELIZADORA ................................................................................................239
Nº 754 – BATISMO NAS ÁGUAS - TESTEMUNHO DA FÉ...................................................................................239
Nº 755 – A MISSÃO EDUCADORA DA IGREJA .....................................................................................................239
Nº 756 – ADORADORES DE VERDADE ..................................................................................................................239
Nº 757 – CÂNTICOS NEOTESTAMENTÁRIOS ......................................................................................................240
Nº 758 – IGREJA, VOZ PROFÉTICA DE DEUS NA TERRA..................................................................................240
Nº 759 – A MISSÃO ÉTICA DA IGREJA ....................................................................................................................240

27
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 760 – A MISSÃO AUXILIADORA DA IGREJA ...................................................................................................240


Nº 761 – O MINISTÉRIO DA VISITAÇÃO................................................................................................................241
Nº 762 – A COMUNHÃO DOS SANTOS ..................................................................................................................241
Nº 763 – PRESERVANDO A DOUTRINA .................................................................................................................241
Nº 764 – A NECESSIDADE DE MANTER O AVIVAMENTO ...............................................................................242
Nº 765 – A IGREJA DO NOSSO SENHOR JESUS CRISTO ....................................................................................242
Nº 766 – CRISTO, UM CONCERTO MELHOR ........................................................................................................242
Nº 767 – O MEDIADOR ................................................................................................................................................242
Nº 768 – ETERNO SACERDOTE ................................................................................................................................243
Nº 769 – O ESPÍRITO DO ANTICRISTO ..................................................................................................................243
Nº 770 – SEM DEUS .......................................................................................................................................................243
Nº 771 – PERSEGUIÇÃO AOS FIEIS DE DEUS .......................................................................................................243
Nº 772 – A VIRTUDE DO AMOR ...............................................................................................................................244
Nº 773 – Á INTEGRIDADE DA PALAVRA DE DEUS ............................................................................................244
Nº 774 – ASSEMBLEIA DOS PRIMOGÊNITOS .......................................................................................................244
Nº 775 – O SENHOR JESUS CRISTO..........................................................................................................................244
Nº 776 – A VITÓRIA DA IGREJA ...............................................................................................................................245
Nº 777 – REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES ...........................................................................................245
Nº 778 – FILHO DE DAVI.............................................................................................................................................245
Nº 779 – A DIVINDADE DE CRISTO ........................................................................................................................245
Nº 780 – CRISTO, NOSSA ESPERANÇA ...................................................................................................................245
Nº 781 – A PAZ DE DEUS .............................................................................................................................................246
Nº 782 – A RIQUEZA E A POBREZA.........................................................................................................................246
Nº 783 – ATOS PESSOAIS DO ESPÍRITO SANTO ..................................................................................................246
Nº 784 – CARACTERÍSTICAS PESSOAIS DO ESPÍRITO SANTO .......................................................................246
Nº 785 – OBRA DO ESPÍRITO SANTO NA VIDA DOS SALVOS (I) ...................................................................247
Nº 786 – OBRA DO ESPÍRITO SANTO NA VIDA DOS SALVOS (II) .................................................................247
Nº 787 – ATRIBUTOS DIVINO DO ESPÍRITO SANTO.........................................................................................247
Nº 788 – JESUS CRISTO E O ESPÍRITO SANTO .....................................................................................................247
Nº 789 – O GRACIOSO ESPÍRITO SANTO ..............................................................................................................247
Nº 790 – A PRESENÇA DE DEUS NO LAR...............................................................................................................248
Nº 791 – O VALOR DO JEJUM ALIADO Á ORAÇÃO ............................................................................................248
Nº 792 – PERDÃO, O MELHOR REMÉDIO ..............................................................................................................248
Nº 793 – O PERDÃO BÍBLICO ....................................................................................................................................248
Nº 794 – FILHOS, SÃO O GALARDÃO E A HERANÇA ........................................................................................249
Nº 795 – FINALIDADE DA DISCIPLINA ..................................................................................................................249
Nº 796 – A IGREJA DO DEUS VIVO ..........................................................................................................................249
Nº 797 – A IGREJA E A PALAVRA DA VERDADE .................................................................................................249
Nº 798 – UTILIZANDO OS MEIOS DE COMUNICAÇÕES..................................................................................250
Nº 799 – O AMOR AO PRÓXIMO ..............................................................................................................................250
Nº 800 – A SAÚDE DO CORPO E DA MENTE ........................................................................................................250
Nº 801 – VENCENDO NA TRIBULAÇÃO ................................................................................................................250
Nº 802 – PERDOANDO E SENDO PERDOADO .....................................................................................................250
Nº 803 – UM SOLDADO DE CRISTO ........................................................................................................................251
Nº 804 – NA CONTRA - MÃO DO MUNDO ...........................................................................................................251

28
Pr. Josahat Baista
Nº 805 – VITÓRIA NA TENTAÇÃO ...........................................................................................................................252
Nº 806 – O CARÁTER DE CRISTO .............................................................................................................................252
Nº 807 – ABANDONANDO OS MAUS COSTUMES ..............................................................................................252
Nº 808 – AGUARDANDO A VINDA DE JESUS .......................................................................................................252
Nº 809 – A PALAVRA DE DEUS PREVINE DAS HERESIAS .................................................................................253
Nº 810 – VIVENDO NO PROGRESSO DA PALAVRA ...........................................................................................253
Nº 811 – O FILHO E O PAI ...........................................................................................................................................253
Nº 812 – IDENTIFICANDO - SE COM CRISTO ......................................................................................................253
Nº 813 – UMA VIDA DE ORAÇÃO ............................................................................................................................254
Nº 814 – O LAR CRISTÃO ............................................................................................................................................254
Nº 815 – TRÊS TIPOS DE HOMEM NA TERRA ......................................................................................................254
Nº 816 – O CRIADOR DOS MUNDOS ......................................................................................................................255
Nº 817 – AS FUNÇÕES DO HOMEM ........................................................................................................................255
Nº 818 – CUIDANDO DO CORPO ............................................................................................................................255
Nº 819 – A REALIDADE DA ALMA ...........................................................................................................................256
Nº 820 – A REALIDADE DO ESPÍRITO ....................................................................................................................256
Nº 821 – A MORDOMIA DO DINHEIRO .................................................................................................................256
Nº 822 – 11 MANDAMENTOS DO DINHEIRO ......................................................................................................256
Nº 823 – CONTRIBUINDO PARA O REINO DE DEUS .........................................................................................257
Nº 824 – O CRISTÃO E O DÍZIMO.............................................................................................................................257
Nº 825 – O DIZÍMO EXEMPLAR................................................................................................................................257
Nº 826 – SOU DIZIMISTA ............................................................................................................................................258
Nº 827 – DEVOLVENDO O DÍZIMO .........................................................................................................................258
Nº 828 – A EXCELÊNCIA DA ADORAÇÃO .............................................................................................................259
Nº 829 – O ELEITO É UM SALVO ..............................................................................................................................259
Nº 830 – UM DEUS UNO .............................................................................................................................................259
Nº 831 – JOSÉ E JESUS ..................................................................................................................................................259
Nº 832 – ADORANDO EM SANTIDADE .................................................................................................................259
Nº 833 – O CULTO NO ANTIGO TESTAMENTO ..................................................................................................260
Nº 834 – A CHAMADA DOS LEVITAS......................................................................................................................260
Nº 835 – A HISTÓRIA DE NADABI E ABIÚ.............................................................................................................260
Nº 836 – A CHAMADA DIVINA É INCOMPATÍVEL COM O ALCOOLISMO ................................................260
Nº 837 – OS HOLOCAUSTOS DA ANTIGA ALIANÇA .........................................................................................261
Nº 838 – MANTENDO A LÂMPADA ACESA ..........................................................................................................261
Nº 839 – OS PÃES DA PROPOSIÇÃO ........................................................................................................................261
Nº 841 – O MINISTÉRIO E VIDA DE PAULO (I) ....................................................................................................262
Nº 842 – O MINISTÉRIO E VIDA DE PAULO (II)...................................................................................................262
Nº 843 – ESPERANDO A VOLTA DE JESUS COM PACIÊNCIA ..........................................................................262
Nº 844 – ARREBATAMENTO, UMA ESPERANÇA FUTURA ..............................................................................262
Nº 845 – A DERROTA DO ANTICRISTO .................................................................................................................263
Nº 846 – A MAIOR TRIBULAÇÃO .............................................................................................................................263
Nº 847 – SEPARADOS PARA SERVIR ........................................................................................................................263
Nº 848 – EIS O CORDEIRO DE DEUS... ....................................................................................................................263
Nº 849 – O VENCEDOR NO TRIBUNAL ..................................................................................................................264
Nº 850 – O CLÍMAX DAS BODAS DO CORDEIRO................................................................................................264

29
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 851 – O CONFRONTO FINAL ...............................................................................................................................264


Nº 852 – MIL ANOS FINAL..........................................................................................................................................265
Nº 853 – JUIZ DOS JUIZES ..........................................................................................................................................265
Nº 854 – O NÚMERO DOIS .........................................................................................................................................265
Nº 855 – O TRONO DE DEUS .....................................................................................................................................265
Nº 856 – O INFERNO É UM LUGAR .........................................................................................................................266
Nº 857 – OS SINAIS NO PENTECOSTES ..................................................................................................................266
Nº 858 – A PRÁTICA DA PALAVRA ..........................................................................................................................266
Nº 859 – O ESPÍRITO SANTO .....................................................................................................................................267
Nº 860 – A EXPERIÊNCIA DO BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO ..............................................................267
Nº 861 – A UTILIDADE DOS DONS ESPIRITUAIS ................................................................................................267
Nº 862 – O PROFETA E A PROFECIA .......................................................................................................................267
Nº 863 – JESUS E AS PARÁBOLAS .............................................................................................................................268
Nº 864 – MASHAL (Antigo T.) ou PARABOLE (Novo T). .......................................................................................268
Nº 865 – SEMEANDO COM O SEMEADOR ............................................................................................................269
Nº 866 – A SINGELEZA DO REINO DE DEUS ........................................................................................................269
Nº 869 – O REDENTOR VIVE (I)................................................................................................................................269
Nº 870 – O REDENTOR VIVE (II) ..............................................................................................................................269
Nº 871 – A GRAÇA PELA GRAÇA .............................................................................................................................270
Nº 872 – A CRUZ... .........................................................................................................................................................270
Nº 873 – A IMPORTÂNCIA DO ARREPENDIMENTO..........................................................................................270
Nº 874 – REDENÇÃO, UM ATO SOBERANO DE DEUS .......................................................................................270
Nº 875 – JESUS! ...............................................................................................................................................................270
Nº 876 – O ESPÍRITO SANTO É DEUS......................................................................................................................271
Nº 877 – NOMES ATRIBUÍDOS AO ESPÍRITO SANTO........................................................................................271
Nº 878 – ATUAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO ............................................................................................................271
Nº 879 – PERSONALIDADE DO ESPÍRITO SANTO NA BÍBLIA.........................................................................272
Nº 880 – O ENSINAMENTO BÍBLICO DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO .................................................272
Nº 881 – O CORPO DE CRISTO..................................................................................................................................272
Nº 882 – ATRIBUIÇÕES DO ESPÍRITO SANTO .....................................................................................................272
Nº 883 – A ATUAÇÃO DE CRISTO NOS ASSEGURA ............................................................................................273
Nº 884 – ORDENANÇAS BÍBLICAS ...........................................................................................................................273
Nº 885 – O SIGNIFICADO DO BATISMO ................................................................................................................274
Nº 886 – SÓ A IGREJA ...................................................................................................................................................274
Nº 887 – DEUS INSTITUIU LÍDERES ........................................................................................................................274
Nº 888 – O LEGÍTIMO CHAMADO DIVINO ..........................................................................................................275
Nº 889 – A MISSÃO DE PREGAR O EVANGELHO ................................................................................................275
Nº 890 – MISSÕES TRANSCULTURAIS....................................................................................................................275
Nº 891 – PRIVILÉGIOS DA NOSSA CHAMADA ....................................................................................................275
Nº 892 – NA CONTRA MÃO DO MUNDO..............................................................................................................275
Nº 893 – A VERDADEIRA IGREJA .............................................................................................................................276
Nº 894 – A PALAVRA DE DEUS É A SEMENTE ......................................................................................................276
Nº 895 – JESUS, ANTES DE TUDO ............................................................................................................................276
Nº 896 – JESUS NO ANTIGO E NOVO TESTAMENTO (I) ...................................................................................277
Nº 897 – JESUS NO ANTIGO E NOVO TESTAMENTO (II) .................................................................................277

30
Pr. Josahat Baista
Nº 898 – JESUS SEMELHANTE AOS HOMENS.......................................................................................................277
Nº 899 – ATRIBUTOS DO PAI E DO FILHO (I) ......................................................................................................277
Nº 900 – ATRIBUTOS DO PAI E DO FILHO (II) .....................................................................................................278
Nº 901 – LOUVOR E ADORAÇÃO .............................................................................................................................278
Nº 902 – A RELEVÂNCIA DA OBEDIÊNCIA ...........................................................................................................278
Nº 903 – O PERIGO DO LEGALISMO .......................................................................................................................278
Nº 904 – OS DILEMAS E DESAFIOS DE MIQUEIAS..............................................................................................279
Nº 905 – LOUVAI AO SENHOR ..................................................................................................................................279
Nº 906 – ADMINISTRANDO BEM AS FINANÇAS ................................................................................................279
Nº 907 – PERSONAGENS QUE FIZERAM VOTO AO SENHOR .........................................................................280
Nº 908 – TRÊS FINALIDADES BÁSICAS DO DÍZIMO ..........................................................................................280
Nº 909 – TRÊS PRINCÍPIOS BÁSICOS DO DÍZIMO ..............................................................................................280
Nº 910 – O PREÇO DO RESGATE NO VOTO DISPENSADO ..............................................................................280
Nº 911 – OS MILAGRES CONFIRMAM O MINISTÉRIO DA IGREJA................................................................281
Nº 912 – A CURA DIVINA NO ANTIGO TESTAMENTO (I) ...............................................................................281
Nº 913 – A CURA DIVINA NO ANTIGO TESTAMENTO (II) .............................................................................282
Nº 914 – A CURA DIVINA NO NOVO TESTAMENTO (I) ...................................................................................282
Nº 915 – A CURA DIVINA NO NOVO TESTAMENTO (II)..................................................................................283
Nº 916 – QUANDO NÃO SOMOS CURADOS .........................................................................................................283
Nº 917 – JESUS DESEJA A NOSSA CURA .................................................................................................................283
Nº 918 – A CURA DIVINA ...........................................................................................................................................283
Nº 919 – OS MISTERIOS DO REINO DE DEUS ATRAVÉS DAS PARABOLAS ................................................284
Nº 920 – OUVINDO A PALAVRA ..............................................................................................................................284
Nº 921 – A PARÁBOLA COMO UM RECURSO LINGUÍSTICO DE JESUS .......................................................284
Nº 922 – UMA PARÁBOLA REFERE - SE:.................................................................................................................284
Nº 923 – O TERRENO DO SEMEADOR....................................................................................................................285
Nº 924 – O FIRME FUNDAMENTO DA FÉ..............................................................................................................285
Nº 925 – O DEVER DO PASTOR .................................................................................................................................285
Nº 926 – A LIÇÃO DO PERDÃO .................................................................................................................................286
Nº 927 – O ORGULHO ATRAPALHA ........................................................................................................................286
Nº 928 – A VERDADE SOBRE O DESTINO ETERNO ...........................................................................................286
Nº 929 – A REALIDADE SOBRE O INFERNO .........................................................................................................287
Nº 930 – A LIBERDADE É PARA TODOS .................................................................................................................287
Nº 931 – O IRMÃO DO FILHO PRÓDIGO ...............................................................................................................287
Nº 932 – O SENTIDO DA VIDA PERTO DO PAI ....................................................................................................287
Nº 933 – ACOLHIDO PELO O PAI .............................................................................................................................288
Nº 934 – NOMEADOS PARA FRUTIFICAR .............................................................................................................288
Nº 935 – A ÁRVORE SEM FRUTOS ............................................................................................................................288
Nº 936 – BENS E POSSES - NÃO SÃO FUNDAMENTOS PARA A VIDA ...........................................................288
Nº 937 – O LOUCO INSENSATO................................................................................................................................289
Nº 938 – A LIÇÃO DO AMOR .....................................................................................................................................289
Nº 939 – O BOM SAMARITANO ................................................................................................................................289
Nº 940 – A FIDELIDADE COMO SEGREDO DA BÊNÇÃO ..................................................................................289
Nº 941 – A DISTRIBUIÇÃO DOS TALENTOS .........................................................................................................290
Nº 942 – AGINDO MOTIVADO PELO O AMOR ....................................................................................................290

31
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 943 – O CULTO INTELIGENTE (I) ......................................................................................................................290


Nº 944 – O CULTO INTELIGENTE (II) .....................................................................................................................291
Nº 945 – ISRAEL E O EVANGELHO...........................................................................................................................291
Nº 946 – A LUTA DO CRENTE CONTRA A CARNE .............................................................................................291
Nº 947 – A VALIDADE DA LEI E O PECADO .........................................................................................................291
Nº 948 – 0 VIVER PELO ESPÍRITO ............................................................................................................................292
Nº 949 – NASCEMOS PARA CRISTO, SOMOS NOVA CRIATURA.....................................................................292
Nº 950 – EM QUE CONSISTE A NOVA VIDA EM CRISTO..................................................................................292
Nº 951 – A NECESSIDADE UNIVERSAL DA SALVAÇÃO ....................................................................................292
Nº 952 – ABRAÃO E A JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ ..................................................................................................293
Nº 953 – O JUDEU - CRISTÃO ....................................................................................................................................293
Nº 954 – A JUSTIFICAÇÃO CERTIFICA NOSSA BÊNÇÃO ..................................................................................293
Nº 955 – CRISTO, ADÃO E O PECADO ....................................................................................................................293
Nº 956 – A GRAÇA DE CRISTO ..................................................................................................................................294
Nº 957 – O CRENTE PÓS - JUSTIFICAÇÃO ............................................................................................................294
Nº 958 – O CULTO QUE AGRADA A DEUS ............................................................................................................294
Nº 959 – O PRÓXIMO ...................................................................................................................................................295
Nº 960 – NÃO DEVA NADA A NINGUÉM ...............................................................................................................295
Nº 961 – CARACTERÍSTICAS DA MAJESTADE DIVINA .....................................................................................295
Nº 962 – O TESTEMUNHO DA RESSURREIÇÃO DE CRISTO ............................................................................295
Nº 963 – A BIBLIOTECA DE DEUS ............................................................................................................................296
Nº 964 – O SENHOR QUE JULGA ..............................................................................................................................296
Nº 965 – JULGAMENTOS NA BÍBLIA .......................................................................................................................296
Nº 966 – A MANIFESTAÇÃO DO ANTICRISTO ....................................................................................................297
Nº 967 – O PERFIL DO ANTICRISTO .......................................................................................................................297
Nº 968 – O SISTEMA DO ANTICRISTO ...................................................................................................................298
Nº 969 – EVENTOS DO FIM (I) ..................................................................................................................................298
Nº 970 – EVENTOS DO FIM (II).................................................................................................................................299
Nº 971 – EVENTOS DO FIM (III) ...............................................................................................................................299
Nº 972 – A REALIDADE DA ESCATOLOGIA BÍBLICA.........................................................................................299
Nº 973 – MORTE, MALDIÇÃO DIVINA CONTRA O PECADO .........................................................................300
Nº 974 – MORTE, SENTIDO METAFÓRICO E LITERAL .....................................................................................300
Nº 975 – MORTE, SENTIDO BÍBLICO E DOUTRINÁRIO ...................................................................................300
Nº 976 – TIPOS DISTINTOS DE MORTE .................................................................................................................301
Nº 977 – RAZÕES BÍBLICAS PARA A MORTE ........................................................................................................302
Nº 978 – A VIDA DEPOIS DA MORTE......................................................................................................................303
Nº 979 – A REALIDADE BÍBLICA DO ESTADO INTERMEDIÁRIO ..................................................................304
Nº 980 – A REVIVIFICAÇÃO DOS CORPOS FÍSICOS ..........................................................................................304
Nº 981 – PERSONAGENS BÍBLICOS QUE CRIAM NA RESSURREIÇÃO..........................................................304
Nº 982 – O SENTIDO DOUTRINÁRIO DA RESSURREIÇÃO ..............................................................................305
Nº 983 – TIPOS DE RESSURREIÇÃO.........................................................................................................................305
Nº 984 – A NATUREZA DA RESSURREIÇÃO .........................................................................................................306
Nº 985 – OS SINAIS ANUNCIAM A VINDA DE CRISTO .....................................................................................307
Nº 986 – PREDIÇÕES DE SINAIS ATUAIS ...............................................................................................................307
Nº 987 – ISRAEL, O RELÓGIO DIVINO NA TERRA..............................................................................................308

32
Pr. Josahat Baista
Nº 988 – ACONTECIMENTOS ESCATOLÓGICOS NA ORDEM CORRETA ....................................................308
Nº 989 – A CERTEZA DO ARREBATAMENTO DA IGREJA ................................................................................309
Nº 990 – PARTICIPANTES DO ARREBATAMENTO DA IGREJA .......................................................................309
Nº 991 – ELEMENTOS ESPECIAIS DO ARREBATAMENTO ...............................................................................310
Nº 992 – O TRIBUNAL DE CRISTO ...........................................................................................................................310
Nº 993 – O TRIBUNAL DE CRISTO E OS SEUS ASPECTOS GERAIS.................................................................311
Nº 994 – COMO PROCEDERÁ O TRIBUNAL DE CRISTO ..................................................................................312
Nº 995 – TIPOS DE RECOMPENSA NO TRIBUNAL DE CRISTO.......................................................................312
Nº 996 – O CLIMAX DAS BODAS DO CORDEIRO................................................................................................313
Nº 997 – A REALIDADE DA GRANDE TRIBULAÇÃO .........................................................................................314
Nº 998 – O RETRATO DA GRANDE TRIBULAÇÃO..............................................................................................314
Nº 999 – O TEMPO DOS GENTIOS SE COMPLETARÃO NA GRANDE TRIBULAÇÃO ...............................314
Nº 1000 – O REINO MILENAL E ETERNO DE CRISTO ........................................................................................315
VÁRIOS NOMES DE DEUS NAS ESCRITURAS ......................................................................................................317
OS SETE NOMES REDENTORES DE JEOVÁ SÃO:.................................................................................................319
OS NOMES DE DEUS....................................................................................................................................................320
Sobre o autor ....................................................................................................................................................................321

33
. Es oços – Mensagens diversii adas

34
Pr. Josahat Baista

ANTIGO
TESTAMENTO

35
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 1 – DA CRIAÇÃO AO HUMANA
PATRIARCA ABRAÃO (Gn 3:1 - 24)
1 - Deus cria, no princípio, os 1 - A Queda do homem trouxe o
céus e a terra (Gn 1:1) pecado e a morte (Rm 5:12,13)
2 - A criação do ser humano, 2 - Em Adão, todos os homens
obra prima da criação (Gn pecaram e foram afastados de
2:7) Deus (Rm 3:23)
3 - A Queda do homem e a en- 3 - Em sua misericórdia, Deus
trada do pecado no mundo faz uma promessa de salva-
(Gn 3:1 - 7) ção (Gn 3:15)
4 - A maldade humana se multi- 4 - Deus proveu salvação para
plica e Deus ordena o dilúvio toda a humanidade (Jo 3:16)
(Gn 7:1 - 12) 5 - Jesus, o segundo Adão, veio
5 - Deus chama Abraão e dá iní- libertar o homem do pecado
cio à nação de Israel (Gn 12:1 (1 Co 15:45 - 47)
- 3)
Nº 4 – CAIM, O PRIMEIRO
Nº 2 – A CRIAÇÃO HOMICIDA DA TERRA
HUMANA 1 - Caim, o primogênito de
1 - No princípio Deus criou a Adão, era mau (Gn 4:1)
raça humana (At 17:26) 2 - Caim, foi um importante la-
2 - Deus nos fez; logo, somos to- vrador da terra (Gn 4:2)
dos irmãos (Ml 2:10) 3 - Caim e sua oferta foram rejei-
3 - O homem e a mulher são tados por Deus (Gn 4:5)
obras primas da criação de 4 - Caim tinha o seu coração to-
Deus (Gn 1:27) mado pelo rancor (Gn 4:6)
4 - Deus nos criou menor do que 5 - O ódio e o rancor izeram de
os anjos (Hb 2:7) Caim um homicida (Gn 4:8)
5 - Que toda a Terra saiba que 6 - Caim foi dominado pelo pe-
Deus é o Criador (Sl 100:3) cado, pois seu coração era
mau (1 Jo 3:12)
Nº 3 – QUEDA E REDENÇÃO

36
Pr. Josahat Baista
Nº 5 – OS PECADOS DE ço (Gn 9:1 - 19)
LAMEQUE
1 - Lameque, o bígamo que não Nº 7 – ATITUDES DOS
andou segundo as leis de FILHOS DE NOÉ
Deus (Gn 4:19) 1 - A atitude desrespeitosa de
2 - Lameque e sua descendência Cam para com seu pai (Gn
corrompida (Gn 4:20 - 21) 9:22)
3 - Lameque, o poeta da violên- 2 - A atitude reverente de Sem
cia e da maldade (Gn 4:23,24) e Jafé para com seu pai (Gn
4 - Lameque e o seu mundo pe- 9:23)
caminoso e distante de Deus 3 - Sem, ascendente do Messias
(Gn 6:1,2) que viria para salvar a huma-
5 - O mundo de Lameque resiste nidade (Lc 3:36)
ao Espírito de Deus (Gn 6:3) 4 - Abraão, amigo de Deus, é
6 - O mundo de Lameque de- descendente de Sem (Gn
teriora - se totalmente (Gn 11:10,29)
6:5,6) 5 - A maldade levou o ilho
de Cam a ser amaldiçoado
Nº 6 – A ARCA DE NOÉ (Gn.9:25)
COMO INSTRUMENTO DE 6 - Canaã perde suas terras, que
SALVAÇÃO são entregues a Abrão (Gn
1 - Deus anuncia a Noé, seu ser- 17:8)
vo, o Dilúvio (Gn 6:13)
2 - Arca, um lugar para a preser- Nº 8 – O COMEÇO DAS
vação da criação (Gn 6:19) NAÇÕES
3 - aliança de Deus com seu ser- 1 - Torre de Babel, um monu-
vo iel, Noé (Gn 6:18) mento à soberba humana (Gn
4 - O Dilúvio sobre toda a terra, 11:1 - 9)
pois todos pecaram (Gn 7:1 - 2 - Os povos e nações são dividi-
24) dos em línguas (Gn 10:20)
5 - Por sua misericódia e graça, 3 - Povos e línguas contempla-
Deus prepara um novo come- rão a glória de Deus (Is 66:18)

37
. Es oços – Mensagens diversii adas

4 - Nações e línguas curvam - se - 67)


à idolatria(Dn 3:4 - 7) 4 - Os ilhos de Isaque, herdeiros
5 - Paulo, um missionário poli- da promessa (Gn 25:21)
glota escolhido pelo Senhor 5 - Isaque, o ilho da promessa,
(At 21:37 - 40; 27:31) abençoa seus ilhos (Gn 27:1
6 - A reversão de Babel em o - 46)
Novo Testamento (At 2:1 - 4) 6 - Isaque, o ilho bendito do Se-
nhor (Gn 27,26)
Nº 9 – MELQUISEDEQUE,
SACERDOTE DO DEUS Nº 11 – JACÓ, ANTES DO
ALTÍSSIMO ENCONTRO COM DEUS
1 - Melquisedeque, rei de Salém 1 - Jacó: um homem de caráter
e sacerdote de Deus (Hb 7:1) oportunista (Gn 25:31)
2 - Melquisedeque, rei de Salém 2 - Jacó: homem de caráter enga-
e rei de justiça (Hb 7:2) nador (Gn 27:14 - 25)
3 - Melquisedeque, um sacerdó- 3 - Jacó: um homem de caráter
cio eterno (Hb 7:3) calculista (Gn 25:33; Hb 12.16)
4 - Melquisedeque recebe os dí- 4 - Jacó: um homem de caráter
zimos de Abraão (Gn 14:20) mentiroso (Gn 27:18 - 29)
5 - Melquisedeque traz pão e vi- 5 - Jacó: um homem de caráter
nho a Abraão (Gn 14:18) fraco (Gn 27:11,12)
6 - Jesus, Sacerdote da ordem de
Melquisedeque (Sl 110:4) Nº 12 – JACÓ, DEPOIS DO
ENCONTRO COM DEUS
Nº 10 – ISAQUE, O 1 - Jacó: um homem de caráter
HERDEIRO DA PROMESSA transformado (Gn 32:24 - a),
1 - Deus promete a Abraão um (Gn 32:27,28)
herdeiro (Gn 18:10) 2 - Jacó: um homem de caráter
2 - Deus é iel, nasce o ilho da agradecido (Gn 28:20 - 22)
promessa (Gn 21:1,2) 3 - Jacó: um homem de caráter
3 - Uma esposa para Isaque, o esforçado (Gn 29:21 - 30), (Gn
ilho da promessa (Gn 24:58 31:7)

38
Pr. Josahat Baista
4 - Jacó: um homem de caráter partir da fé (Rm 1.16,17)
na direção de Deus (Gn 31:3), 3 - Cristo veio alcançar os que
(Gn 31:13) estavam sob a Lei (Gl 4.4,5)
5 - Jacó: um homem de cará- 4 - Cristo - sabedoria, justiça,
ter quebrantado e temente a santiicação e redenção (1Co
Deus Jacó (Gn 32:9 - 12), (Gn 1.30,31)
32:11 - 21), (Gn 32:11,12) 5 - A fé pela Palavra quando cri-
da e obedecida (Rm 10.8,17)
Nº 13 – A HISTÓRIA DE 6 - A justiicação nos vem pela fé
JOSÉ em Cristo (Gl 2.16)
1 - José, o ilho amado e preferi-
do do pai (Gn 37:3) Nº 15 – DEUS REVELA SUA
2 - José, um jovem que ousou so- LEI
nhar os sonhos de Deus (Gn 1 - A promulgação da lei é a ceri-
37:5) mônia oicial do concerto que
3 - A angústia de José diante da Deus fez (Êx 34.27)
maldade de seus irmãos (Gn 2 - Israel faz voto de idelidade
37:23 - 28) e obediência à lei de Deus (Êx
4 - José, um jovem que escolheu 19.8)
fazer o que era certo (Gn 39:7 3 - Deus já havia feito um con-
- 20) certo com Abraão (Gn 15.18)
5 - José nos mostra que os que 4 - Era comum celebrar um con-
são de Deus prosperam em certo com festa (Gn 26.28 - 30)
qualquer lugar (Gn 39:21.23) 5 - A lei é santa e veio de Deus,
6 - De escravo José se torna go- portanto, era preciso observá
vernador do Egito (Gn 41:38 - la (Rm 7.12)
- 46) 6 - A origem da lei é o próprio
Deus, por isso era preciso
Nº 14 – A LEI, CRISTO E A FÉ obedecer - lhe (Ne 8.1)
1 - A lei de Moisés e a graça de
Deus (Jo 1.16,17) Nº 16 – A IGREJA E A LEI DE
2 - O crente vive em Cristo a DEUS

39
. Es oços – Mensagens diversii adas

1 - A lei de Deus é a mesma lei mais serão frustrados (Jó 42.2)


de Moisés, o servo do Senhor
(Ne 10.28,29) Nº 18 – MOISÉS, O
2 - O Senhor Jesus reconhecia a LIBERTADOR DE ISRAEL
lei como a Palavra de Deus 1 - Moisés, um servo iel (Hb 3.5)
(Mc 7.9 - 13) 2 - Deus ouve o clamor do povo
3 - O Senhor Jesus é o centro e (Êx 2.23 - 25)
o cumprimento da lei e dos 3 - Deus chama Moisés (Êx 3.10)
profetas (Lc 24.44) 4 - Deus conirma a liderança de
4 - Nem todos os mandamen- Moisés com sinais (Êx 4.3 - 8)
tos têm o mesmo peso para o 5 - Moisés diante de Faraó (Êx
nosso Deus (Mt 23.23) 5.1)
5 - A lei testemunhava de an-
temão a salvação em Cristo Nº 19 – A INSTITUIÇÃO DA
(Rm 10.4) PÁSCOA
6 - Cristo imprimiu a lei no mais 1 - Um cordeiro sem mácula de-
profundo do coração huma- veria ser morto (Êx 12.5)
no (Jr 31.33) 2 - Sangue foi aspergido nas
portas (Êx 12.7)
Nº 17 – ISRAEL NO PLANO 3 - Morte nas famílias egípcias
DE DEUS (Êx 12.29 - 33)
1 - José não se esqueceu da pro- 4 - O Cordeiro de Deus que tira
messa (Gn 50.25) o pecado do mundo (Jo 1.29)
2 - O crescimento dos hebreus 5 - O sangue puriicador do Cor-
no Egito (Êx 1.7) deiro de Deus (1Jo 1.7)
3 - A alição dos hebreus (Êx 6 - Pela fé, Moisés celebrou a
1.11) Páscoa (Hb 11.28)
4 - A opressão do Povo Escolhi-
do (Êx 1.13,14) Nº 20 – O DESAFIO DO MAR
5 - Deus atende ao clamor do VERMELHO
seu povo (Jr 33.3) 1 - Rumo à liberdade (Êx 13.17)
6 - Os propósitos do Senhor ja- 2 - Uma promessa é cumprida

40
Pr. Josahat Baista
(Êx 13.19) 3 - O milagre da queda dos mu-
3 - Deus protege o seu povo (Êx ros deu - se mediante a fé (Hb
13.21) 11.30)
4 - A murmuração do povo de 4 - Raabe é salva com sua famí-
Deus (Êx 14.11) lia (Js 6.22 - 25)
5 - “Vede o livramento do Se- 5 - As armas cristãs não são car-
nhor” Êx 14.13,14) nais (2 Co 10.4 - 6)
6 - A celebração do povo de 6 - As armas divinas triunfam
Deus (Êx 15.1) sobre os inimigos (Ef 6.10 -
18)
Nº 21 – UM LIDER,
CHAMADO JOSUÉ Nº 23 – 0 SENHOR É VARÃO
1 - Traços biográicos de Josué DE GUERRA
(Êx 17.8 - 14) (Êx 15.3º).
2 - Moisés pede a Deus um su- 1 - O Senhor é valente e mostra
cessor (Nm 27.15) sua força contra os inimigos
3 - Deus designa Josué para su- (Is 42.13)
ceder Moisés (Nm 27.18 - 20) 2 - O Senhor é mais poderoso
4 - Deus conirma Josué como lí- do que os carros de guerra do
der (Nm 27.22,23) inimigo (Êx 15.19)
5 - O modo como Deus levantou 3 - Deus cinge os seus servos de
Josué (Dt 31.1 - 8) força (Sl 18.37 - 40)(
6 - O signiicado da morte de 4 - Do Senhor é a terra e a sua
Moisés (Js 1.1 - 9) plenitude (Sl 24.1)
5 - As armas de nossa milícia
Nº 22 – ESTRATÉGIA
não são carnais (2 Co 10.4,5)
DIVINA RESULTA EM
MILAGRES Nº 24 – DEUS, É O
1 - A estratégia divina para a SER SUPREMO POR
operação milagrosa (Js 6.1 - 5) EXCELÊNCIA
2 - Josué orienta seus liderados “Ouve, Israel, o
para a batalha (Js 6.6 - 14) SENHOR, nosso

41
. Es oços – Mensagens diversii adas

Deus, é o único 7.14


SENHOR” (Dt 6.4). 4 - O avivamento e o arrependi-
1 - Deus é verdadeiro (Jo 3.33) mento nacional Jn 3.1 - 10
2 - Deus é Espírito (Jo 4.24) 5 - O avivamento e o temor a
3 - Deus é luz (1 Jo 1.5) Deus At 5.1 - 16
4 - Deus é amor (1 Jo 4.8) 6 - O avivamento e o amor (1 Co
5 - Deus é a verdade (Dt 32.4) 13)
6 - Deus é poderoso (2 Co 9.8)
Nº 27 – A RELEVÂNCIA DA
Nº 25 – A IMPORTÂNCIA DA VOCAÇÃO
DOUTRINA BÍBLICA 1 - A vocação celestial e os ilhos
(2 Jo 1.9). de Deus (Hb 3:1)
2 - A vocação cristã é santa (2
1 - A doutrina bíblica é boa (Pv Tm 1.9)
4.2) 3 - As vocações divinas proce-
2 - A doutrina bíblica é fonte de dem de Deus (Tg 1.17)
vida (Pv 13.14) 4 - Diferentes vocações, um cha-
3 - A doutrina bíblica é admirá- mado (1 Co 7.20 - 24)
vel (Mt 7.28) 5 - A esperança da nossa voca-
4 - A doutrina bíblica é divina ção (Ef 1.18)
(Jo 7.16) 6 - A soberana vocação (Fp 3.14)
5 - A doutrina bíblica é necessá-
ria (1 Co 14.8) Nº 28 – CARACTERÍSTICAS
DE DAVI
Nº 26 – AVIVAMENTO PELA (1 Sm 18.5)
DOUTRINA
(Hc 3.2). 1 - Davi, um homem prudente
(Pv 14.15)
1 - O avivamento e a Palavra de 2 - Davi, um homem sábio (Pv
Deus 2 Rs 23.2,3 18.15)
2 - O avivamento e o ensino da 3 - Davi, um homem de discer-
Palavra de Deus Ne 8.1 - 9 nimento (Os 14.9)
3 - O avivamento e a oração 2 Cr 4 - Davi, um homem temente a

42
Pr. Josahat Baista
Deus - (Jó 28.28) 5 - Davi, um líder corajoso e res-
5 - Davi, um homem bem - aven- ponsável (1 Sm 17.34 - 37)
turado (Pv 3.13) 6 - Davi, um líder que descansa-
6 - Davi, um homem de lábios va em Deus (Sl 37.7)
moderados - (Pv 10.19)
Nº 31 – NÃO ENTREIS EM
Nº 29 – ESPERANDO EM TENTAÇÃO
DEUS (Mt 26:40 - 42).
(Sl 40:1,2) 1 - A tentação sobrevem a todos
1 - A Bíblia aconselha esperar (1 Co 10.13)
em Deus (Sl 37.7) 2 - É preciso vigiar (1 Pe 5.8)
2 - Novas forças para os espe- 3 - Fuja da tentação (2 Tm 2.22)
rançosos (Is 40.31) 4 - A tentação vem de maus de-
3 - O favor divino para os que sejos interiores (Tg 1.12 - 15)
esperam (Is 64.4) 5 - Satanás, o tentador (1 Cr 21.1)
4 - Esperando a salvação que 6 - Resistindo ao tentador (Tg
vem de Deus (Mq 7.7) 4.7)
5 - O esperar com fé (Hb 11.1)
Nº 32 – O SUCESSOR DE
Nº 30 – DAVI, UM LIDER MOISÉS
EXEMPLAR (Dt 31.7).
(1 Sm 22.2). 1 - Traços biográicos de Josué
1 - Davi, um líder cheio do Es- (Êx 17.8 - 14)
pírito do Senhor (1 Sm 16.13) 2 - Moisés pede a Deus um su-
2 - Davi, um líder segundo o co- cessor (Nm 27.15 - 17)
ração de Deus (At 13.22) 3 - Deus designa Josué para su-
3 - Davi, um líder amável e be- ceder Moisés (Nm 27.18 - 20)
nevolente (1 Cr 19.2) 4 - Deus conirma Josué como lí-
4 - Davi, um líder que sabia res- der (Nm 27.22,23)
peitar e perdoar (1 Sm 26.1 - 5 - O modo como Deus levantou
25) Josué (Dt 31.1 - 8)

43
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 33 – ATRAVESSANDO O sobre os inimigos (Ef 6.10 -


RIO JORDÃO 18)
(Josué 3.1 - 7).
Nº 35 – A MALDIÇÃO DO
1 - A santiicação propicia a ope-
PECADO
ração de milagres (Js 3.5)
(Rm 6.23).
2 - Deus conirma sua aliança
com Josué (Js 3.7) 1 - A origem do pecado (Gn 3.1
3 - Um convite gracioso e inesti- - 19)
mável (Js 3.9) 2 - O pecado de um afetou a to-
4 - O grandioso milagre anun- dos (Rm 5.12 - 21)
ciado (Js 3.13) 3 - O pecado de avareza na igre-
5 - O milagre realizado (Js ja primitiva (At 5.1 - 10)
3.15,16) 4 - Os trágicos resultados do pe-
6 - O milagre comprovado (Js cado (Js 7.1 - 13)
4.5 - 7) 5 - Não há pecado encoberto
diante de Deus (Js 7.14 - 26)
Nº 34 – A CONQUISTA DE 6 - Os pecadores inconversos se-
JERICÓ rão julgados (2 Pe 2.4 - 6)
(Hb 11.30).
Nº 36 – A ORDEM PARA
1 - A estratégia divina para a
ERIGIR UM ALTAR AO
operação milagrosa (Js 6.1 - 5)
SENHOR
2 - Josué orienta seus liderados
(Dt 27.4,5).
para a batalha (Js 6.6 - 14)
3 - O milagre da queda dos mu- 1 - Abraão em cada lugar er-
ros deu - se mediante a fé (Hb guia um altar ao Senhor (Gn
11.30) 12:7,8)
4 - Raabe é salva com sua famí- 2 - Isaque aprendeu a ediicar al-
lia (Js 6.22 - 25) tares ao Senhor Gn 26.25
5 - As armas cristãs não são car- 3 - Jacó levantou um altar ao Se-
nais (2 Co 10.4 - 6) nhor (Gn 33.20)
6 - As armas divinas triunfam
Nº 37 – O ARTIFÍCIO DOS

44
Pr. Josahat Baista
GIBEONITAS Nº 39 – JOSUÉ, UM LIDER
(Josué 9.1 - 6,15,16). EXEMPLAR
1 - A astúcia dos gibeonitas (Js (Josué 24.14 - 18).
9.1 - 15) 1 - Josué, servo iel às diretrizes
2 - A fraude gibeonita descober- do Senhor (Js 1.1,2,10,11)
ta (Js 9.16 - 19) 2 - Josué, um líder dependente
3 - O serviço obrigatório dos gi- da Palavra de Deus (Js 1.8)
beonitas (Js 9.20 - 23,27) 3 - Josué, um líder corajoso (Js
4 - O argumento dos gibeonitas 11.6)
(Js 9.24 - 26) 4 - Josué, um líder que amava a
5 - O artifício dos gibeonitas mo- Deus de todo coração (Js 22.5)
dernos (Is 29.13) 5 - Josué, um líder também da
6 - Jesus ordena prudência (Mt família (Js 24.15)
10.16)
Nº 40 – A DOUTRINA DAS
Nº 38 – AS CIDADES DE ÚLTIMAS COISAS
REFÚGIOS 1 - A Doutrina das Últimas Coi-
(Sl 46.1). sas é consoladora (1 Ts 2.19)
1 - As cidades dos levitas (Nm 2 - A Doutrina das Últimas Coi-
35.1 - 8) sas nos leva à santiicação (1
2 - As cidades de refúgio (Nm Ts 3.13)
35.9 - 34) 3 - A Doutrina das Últimas Coi-
3 - Deus ordena a instituição das sas nos preserva do mal (1 Ts
cidades de refúgio (Js 20.2) 5.23)
4 - Deus, alto refúgio em tempos 4 - A Doutrina das Últimas Coi-
de angústia (Sl 9.9) sas irma - nos doutrinaria-
5 - Deus não se esquece dos ne- mente (2 Ts 2.1 - 2)
cessitados (Sl 10.12) 5 - A Doutrina das Últimas Coi-
6 - Cristo, abrigo seguro nas in- sas leva - nos a proclamar a
tempéries (Is 32.1,2) Palavra (2 Tm 4.1,2)
6 - A Doutrina das Últimas Coi-
sas é consistente (2 Pe 1.16)

45
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 41 – A BÍBLIA 1 - O Diabo peca desde o princí-


(2 Tm 3.16,17). pio (1 Jo 3.8)
1 - A Bíblia é divinamente 2 - O pecado gera a morte (Tg
inspirada (2 Tm 3.16,17) 1.15)
2 - A Bíblia é absolutamente 3 - O aguilhão da morte é o pe-
inerrante (Pv 30.5) cado (1 Co 15.56)
3 - A Bíblia é infalível (Mc 13.31) 4 - O salário do pecado é a morte
4 - A Bíblia é soberana (Is 8.20) (Rm 6.23)
5 - A Bíblia é perfeita (Sl 19.7) 5 - O pecado não terá domínio
6 - A Bíblia é suiciente em si sobre os que estão sob a graça
mesma (2 Tm 3.15) (Rm 6.14)
6 - Somente o Espírito Santo
Nº 42 – A PALAVRA DE pode convencer - nos do pe-
DEUS cado (Jo 16.8)
(Jo 17:17)
Nº 44 – O SEGREDO DO
1 - A Palavra de Deus é conselho SUCESSO NO MINISTÉRIO
(Sl 119.24) DE ELIAS
2 - A Palavra de Deus produz (Tg 5.17).
alegria (Sl 119.47)
3 - A Palavra de Deus é luz (Sl 1 - Elias, um servo obediente (1
119.105) Rs 18.1,2)
4 - A Palavra de Deus é justa (Sl 2 - Coragem, uma armadura ne-
119.137) cessária no serviço do Senhor
5 - A Palavra de Deus é a verda- (1 Rs 18.22 - 40)
de (Sl 119.199) 3 - Determinação, um requisi-
6 - A Palavra de Deus é eterna to para alcançar vitória (1 Rs
(Sl 119.99) 18.7 - 18)
4 - Fé que produz vitória (1 Rs
Nº 43 – A TIRANIA DO 17.10 - 16)
PECADO 5 - Retidão, princípio indispen-
(1 Jo 3.4). sável para andar - se com
Deus (1 Rs 17.1,24)

46
Pr. Josahat Baista
6 - Vivendo para a glória de 3 - A mulher virtuosa é a honra
Deus (1 Rs 18.37 - 39) de seu marido (Pv 12.4)
4 - A submissão aplaca ofensas
Nº 45 – CONDIÇÕES (Ec 10.4)
NECESSÁRIAS PARA UMA 5 - A submissão da esposa impe-
VIDA VITORIOSA de a blasfêmia contra a Pala-
(Sl 118.8,9). vra de Deus (Tt 2.5)
1 - A humildade precede a hon- 6 - Cristo, o exemplo de submis-
ra (Pv 15.33) são (Fp 2.5 - 12)
2 - Servir com humildade é um
princípio cristão (Fp 2.3) Nº 47 – REQUISITOS PARA
3 - A consciência do dever cris- UMA BOA LIDERANÇA
tão gera disposição (At 21.10 (Hb 11.27).
- 13) 1 - Sabedoria, requisito para a li-
4 - A sensatez é uma dádiva di- derança (Sl 90.12)
vina (Pv 2.6,11) 2 - Deus nos concede habilida-
5 - O valor inestimável da pala- des e dons para realizarmos
vra oportuna (Pv 25.11) sua obra Rm 12.8
6 - Nossos propósitos e atos no 3 - Graça divina, a sustentação
tempo certo (Ec 3.1,7) do líder (2 Tm 2.1)
4 - Esforço e bom ânimo, requi-
Nº 46 – A MULHER E A sitos indispensáveis para o
SUBMISSÃO líder (Js 1.7)
(Ef 5.24). 5 - O líder e a sua obediência ir-
1 - A submissão da esposa ao restrita a Palavra de Deus (Js
seu marido é mandamento 1.8)
divino (Cl 3.18) 6 - Cristo, o modelo de líder (Mt
2 - A mulher crente que é sub- 4.19)
missa a seu marido não con-
vertido é uma fonte de bên- Nº 48 – A RELEVÂNCIA DA
çãos para o lar (1 Pe 3.1) OBEDIÊNCIA
(Hb 11.8).

47
. Es oços – Mensagens diversii adas

1 - Obediência, garantia de su- 1 - Deus falou com Adão (Gn


cesso para o líder (Js 1.8) 3.9)
2 - A obediência que viabiliza a 2 - Deus falou com Noé (Gn 8.15)
restauração (1 Rs 19.15,19) 3 - Deus falou com Abraão (Gn
3 - Deus prefere a obediência ao 17.3)
sacrifício (1 Sm 15.22) 4 - Deus falou com Jacó (Gn 46.2)
4 - A obediência que contribui 5 - Deus falou com Moisés (Êx
para a salvação de almas (At 6.2)
10.20,21) 6 - Deus falou com Salomão (1
5 - Obediência que beneicia a Rs 3.5)
Igreja (At 9.11,17)
6 - Cristo, modelo máximo de Nº 51 – DEUS INTÉRVEM NA
obediência (Fp 2.8) HISTÓRIA
(Is 46.9,10).
Nº 49 – O DEUS DA BÍBLIA 1 - Deus é dono de tudo (Sl 24.1)
(1 Tm 1.17). 2 - Deus fez a terra (Is 45.18)
1 - O Deus da Bíblia é o Criador 3 - Deus intervirá no Universo (2
(Gn 1.1) Pe 3.10)
2 - O Deus da Bíblia é Eterno (Dt 4 - Na corrupção geral da huma-
33.27; Is 40.28) nidade (Gn 6.8,9)
3 - O Deus da Bíblia é Santo (Lv 5 - Na redenção do ser humano
11.44; Jó 34.10; Sl 99.9; Ap 4.8) (Is 61.10) (Jo 1.29; Hb 7.26,27)
4 - O Deus da Bíblia é o Supremo 6 - Nos últimos dias (1 Ts 4.15
Juiz do Universo (Is 33.22) - 17)
(Gn 18.25; Sl 75.7)
5 - O Deus da Bíblia é o Deus Nº 52 – NOSSA ETERNA
Salvador (Gn 32.30; Sl 7.10) REDENÇÃO
(Hb 9.12).
Nº 50 – O DEUS QUE SE 1 - Deus enviou a redenção ao
COMUNICA seu povo (Sl 111.9)
(Gn 3.8). 2 - A redenção de uma alma é

48
Pr. Josahat Baista
caríssima (Sl 49.8) 3 - A rebelião no Éden (Gn 3.1
3 - A redenção pelo sangue de - 6)
Jesus (Ef 1.7) 4 - Vaticinado o im dos rebeldes
4 - Cristo efetuou uma eterna re- (Sl 9.17)
denção (Hb 9.12) 5 - Ai dos rebeldes, diz o Senhor
5 - Cristo veio para tirar os peca- (Is 30.1)
dos (Hb 9.28)
6 - Cristo livra do pecado e da Nº 55 – A INERRANTE
morte (Rm 8.2) PALAVRA DE DEUS
(Sl 119:5,6)
Nº 53 – NÃO HÁ OUTRO 1 - O temor pela Palavra de Deus
DEUS (Hc 3.2)
(Dt 10.17). 2 - A Palavra de Deus produz fé
1 - Deus muda tempos e homens (Rm 10.17)
(Dn 2.21) 3 - A Palavra de Deus é a espada
2 - Ninguém pode resistir a do Espírito (Ef 6.17)
Deus (Rm 9.19) 4 - A Palavra de Deus é escudo
3 - Deus salva a todo o que crê (Pv 30.5)
(Jo 3.16) 5 - A Palavra de Deus é alimento
4 - Deus não faz acepção de pes- (Mt 4.4)
soas (Dt 10.17) 6 - A Palavra de Deus é poder (1
5 - Ninguém impede a vontade Co 1.18)
diretiva Deus (Is 43.13)
Nº 56 – A EXCELÊNCIA DA
Nº 54 – A REBELIÃO TERÁ PALAVRA DE DEUS
FIM (Jr 1.12).
(Jd v.15). 1 - A Palavra de Cristo é espírito
1 - A rebelião é como o pecado e vida (Jo 6.63)
de feitiçaria (1 Sm 15.23) 2 - A Palavra é lâmpada e luz (Sl
2 - Deus perdoa a rebelião dos 119.105)
homens (Mq 7.18) 3 - A Palavra é como fogo e mar-

49
. Es oços – Mensagens diversii adas

telo (Jr 23.29) 3 - Deus falou pelo ministério do


4 - A Palavra cumpre os propó- profeta Aías (1 Rs 12.15)
sitos divinos (Is 55.10,11) 4 - Deus falou pelo ministério do
5 - Deus vela pelo cumprimento profeta Jeú (1 Rs 16.12)
de sua Palavra (Jr 1.12) 5 - Deus falou pelo ministério do
6 - Deus não falha em suas Pala- profeta Elias (1 Rs 17.16)
vras (Nm 23.19) 6 - A vinda do Messias foi anun-
ciada pelos profetas (At 3.24)
Nº 57 – A BÍBLIA, NOSSA
ÉTICA Nº 59 – A COMUNICAÇÃO
(Sl 119.105). PROFÉTICA
1 - A conduta do crente diante (Hb 1.1).
de Deus (Êx 20.1 - 7) 1 - Deus fala por meio de sonhos
2 - A ética cristã na família (Ef e visões (Nm 12.6)
5.22 - 6.1 - 4) 2 - Deus fala por meio de voz
3 - A ética divina nos relaciona- audível (1 Sm 3.8 - 10)
mentos sociais (Êx 20.13 - 17) 3 - Deus conduz seus profetas (1
4 - A ética divina aplicada ao Sm 16.7)
trabalho (Ef 6.5 - 9) 4 - Deus pode falar ao profeta
5 - A ética e o caráter dos ilhos durante a noite (2 Sm 7.4)
do Reino (Mt 5.3 - 12) 5 - Deus usa os profetas para
6 - A ética do Sermão do Monte exortar seus ilhos (2 Sm
(Mt 5.13 - 7.1 - 27) 12.13)
6 - A palavra profética procede
Nº 58 – DEUS FALA do Espírito Santo (Ez 3.24)
ATRAVÉS DOS PROFETAS
(Os 12.10). Nº 60 – DEUS CONDENA A
1 - Deus falou pelo ministério de ADVINHAÇÃO
Moisés (Js 20.2) (Jr 29.8).
2 - Deus falou pelo ministério de 1 - O fracasso dos sábios adivi-
Samuel (1 Cr 11.3) nhadores (Gn 41.8)

50
Pr. Josahat Baista
2 - A enganação dos magos con- 1 - Citação de Isaías em o Novo
tinua ainda hoje (Êx 8.18) Testamento (Mt 3.3)
3 - A antiga falácia dos magos e 2 - Menção de Jeremias no Evan-
astrólogos (Dt 2.2 - 5) gelho (Mt 16.14)
4 - Hepatoscopia praticada por 3 - Menção de Daniel pelo Se-
Nabucodonosor (Ez 21.21) nhor Jesus Cristo (Mt 24.15)
5 - Rabdomancia feita pelo espí- 4 - Jonas é mencionado por Jesus
rito de luxúria (Os 4.12) (Mt 12.39 - 41)
6 - A Bíblia condena toda for- 5 - O profeta Joel é mencionado
ma de prática divinatória (Lv em Atos (At 2.16)
20.27) 6 - Os Santos Escritos de todos
os profetas formam um só
Nº 61 – A TRAJETÓRIA DO corpo literário (Lc 24.44)
MESSIAS
(Mq 5.2). Nº 63 – OS FALSOS
1 - A descendência do Messias PROFETAS
(Jr 23.5,6) (Dt 18.22).
2 - O nascimento do Messias (Is 1 - Devemos tomar cuidado com
7.14) o profeta mentiroso (1 Rs
3 - O lugar em que o Messias iria 13.11,18)
morar (Is 9.1,2) 2 - Jezabel e os profetas pagãos
4 - A entrada do Messias em Je- (1 Rs 18.19)
rusalém (Zc 9.9) 3 - Os falsos profetas agradam o
5 - O traidor do Messias (Sl 41.9; povo (1 Rs 22.11,12)
Jo 13.18) 4 - As atitudes de um falso pro-
6 - A ressurreição do Messias (Sl feta (1 Rs 22.24)
16.10; At 13.34 - 38) 5 - Profetas que falaram em
nome de Baal (Jr 23.13)
Nº 62 – CITAÇÕES 6 - Falsos profetas e doutores (2
PROFÉTICAS Pe 2.1)
(Lc 24.27).
Nº 64 – O DEUS DE ABRAÃO

51
. Es oços – Mensagens diversii adas

(Gn 15.6). (119.9 - 11,15 e 16)


1 - Is 41.8 - Abraão, amigo de 1 - (Sl 119.9) - Com que puriica-
Deus rá o mancebo o seu caminho?
2 - Gn 26.5 - Abraão obedeceu à Observando - o conforme a
Palavra de Deus tua palavra.
3 - Jo 8.53 - 56 - Abraão, pai dos 2 - (Sl 119.10) - De todo meu co-
judeus ração te busquei; não me dei-
4 - Gl 3.7 - Abraão, pai dos cris- xes desviar dos teus manda-
tãos mentos.
5 - Gn 21.13,18 - Abraão, pai dos 3 - (Sl 119.11) - Escondi a tua pa-
árabes lavra no meu coração , para
6 - Hb 11.8 - 16 - Deus não se eu não pecar contra ti.
envergonha de ser chamado 4 - (Sl 119.15) - Em teus preceitos
“Deus de Abraão” meditarei e olharei para os
teus para os teus caminhos.
Nº 65 – A OBEDIÊNCIA ÁS 5 - (Sl 119.16) - Recrear - me - ei
LEIS DIVINAS nos teus estatutos; não me es-
1 - O Juiz de toda a Terra (Gn quecerei da tua Palavra.
18.25)
2 - O primeiro legislador do Nº 67 – A
povo de Deus (Êx 18.13) RESPONSABILIDADE DE
3 - O estabelecimento dos juízes CUIDAR DOS NOSSOS
(Dt 16.18) IRMÃOS
4 - Julgar o povo com justiça (Lv 1 - Deus questiona a ira entre ir-
19.15) mãos Gn 4.6
5 - O julgamento justo vale mais 2 - Deus não aprova a falta de
que sacrifícios (Pv 21.3) solidariedade entre irmãos
6 - A Deus devemos toda a nos- (Gn 38.8 - 10)
sa obediência (At 4.19) 3 - Deus abençoa o injustiçado
entre os irmãos (Gn 37.28; At
Nº 66 – A EXCELÊNCIA DA 7.9)
PALAVRA 4 - Deus exalta aquele que serve

52
Pr. Josahat Baista
aos irmãos (1Sm 16.11,13) 6 - Família é lugar de crescimen-
5 - Jesus adverte sobre o aumen- to (Lc 1.80)
to da hostilidade entre a fa-
mília (Mc 13.12) Nº 70 – A JUSTIFICAÇÃO
6 - Jesus evitou conlito com DOS PECADOS
seus irmãos (Jo 7.8 - 10) 1 - Abraão foi justiicado pela
fé e não pelas obras da carne
Nº 68 – O MANDAMENTO (Rm 4.2)
1 - A origem do mandamento 2 - Abraão creu em Deus e por
(Gn 2.24) isso Ele o aceitou e justiicou
2 - Deus reitera o mandamento (Rm 4.3)
(Gn 12.1) 3 - Feliz é o homem a quem Deus
3 - Rebeca obedece ao manda- imputa a sua justiça (Rm 4.6)
mento (Gn 24.58) 4 - Felizes são aqueles a quem
4 - Isaque cumpre o mandamen- o Senhor perdoa as iniquida-
to (Gn 24.67) des (Rm 4.7)
5 - Jesus ratiica o mandamento 5 - A Palavra de Deus airma que
(Mt 19.5; Mc 10.7) a fé foi imputada como justi-
6 - Paulo conirma o manda- ça a Abraão (Rm 4.9)
mento (Ef 5.31) 6 - Salvação somente pela fé,
mediante a graça divina (Rm
Nº 69 – A FAMÍLIA 4.16)
1 - Família é ideia de Deus (Gn
2.18) Nº 71 – A TRINDADE
2 - Família é lugar de proteção “A graça do Senhor
(Gn 2.8) Jesus Cristo, e o
3 - Família é lugar de salvação amor de Deus, e
(Gn 6.18,21) a comunhão do
4 - Família é lugar de bênção Espírito Santo sejam
(Gn 24.38) com vós todos.
5 - Família é lugar de aprendiza- Amém!” (2 Co 13.13).
do (2Tm 1.5; 3.15) 1 - A Trindade na criação do

53
. Es oços – Mensagens diversii adas

Universo. (Gn 1.2) 6 - dever de todo homem é guar-


2 - A Trindade na criação do ho- dar a Palavra de Deus. (Ec
mem. (Gn 1.26) 12.13)
3 - A Trindade na bênção apos-
tólica. (2 Co 13.13) Nº 73 – O
4 - A Trindade no batismo de ARREPENDIMENTO NOS
Cristo. (Mt 3.13 - 17) APROXIMA DE DEUS
5 - A Trindade no testemunho “E se o meu povo,
de João Batista. (Jo 1.32 - 34) que se chama pelo
6 - A Trindade testemunha- meu nome, se
da pelo próprio Cristo. (Jo humilhar, e orar, e
14.16,26) buscar a minha face,
e se converter dos
Nº 72 – O HOMEM, UMA seus maus caminhos,
OBRA PRIMA DE DEUS então, eu ouvirei dos
“SENHOR, que é o céus, e perdoarei
homem, para que o os seus pecados, e
conheças, e o ilho do sararei a sua terra” (2
homem, para que o Cr 7.14).
estimes?” (Sl 144.3). 1 - Arrependimento e conversão
1 - O homem é produto de um (At 3.19)
ato criativo de Deus. (Gn 1.26) 2 - Frutos de arrependimento
2 - O homem expulso do paraí- (Lc 3.8)
so por causa do pecado. (Gn 3 - Alegria pelo arrependimento
3.22 - 24) (Lc 15.7)
3 - A limitação biológica do ho- 4 - Contristados para o arrepen-
mem. (Gn 6.3) dimento (2 Co 7.9)
4 - A brevidade da vida huma- 5 - Arrependimento tardio (Hb
na. (Sl 103.15) 12.7)
5 - A verdadeira sabedoria do 6 - Arrependimento para todos
homem vem de Deus. (Pv (At 17.30)
3.13)

54
Pr. Josahat Baista
Nº 74 – O SÁBADO PARA profetas, segundo
ISRAEL o mandamento
“Tu, pois, fala aos do Deus eterno, a
ilhos de Israel, todas as nações para
dizendo: Certamente obediência da fé”
guardareis meus (Rm 16.26).
sábados, porquanto 1 - A regra áurea cumpre a lei e
isso é um sinal entre os profetas (Mt 7.12)
mim e vós nas vossas 2 - A lei e os profetas dependem
gerações; para que do amor (Mt 22.40)
saibais que eu sou 3 - Cumprimento das Escrituras
o Senhor, que vos dos profetas (Mt 26.56)
santiica” (Êx 31.13). 4 - Os profetas anunciaram a sal-
1 - O sábado é dia santo para Is- vação dos gentios (At 15.15 -
rael (Êx 31.14) 17)
2 - O sábado é concerto perpé- 5 - A mensagem da Igreja é
tuo para Israel (Êx 31.16,17) a mesma dos profetas (At
3 - Os discípulos colheram espi- 26.22,23)
gas no sábado (Mt 12.1) 6 - Os profetas falaram sobre a
4 - Jesus é Senhor do sábado (Mt vinda do Messias (Rm 1.2)
12.8)
5 - Jesus curava no sábado (Lc Nº 76 – O CASAMENTO
13.16) ILUSTRADO
6 - Jesus ressuscitou num do- “Porque estou zeloso
mingo (Mc 16.9) de vós com zelo de
Deus; porque vos
Nº 75 – A MENSAGEM DOS tenho preparado
PROFETAS para vos apresentar
“Mas que se como uma virgem
manifestou agora pura a um marido, a
e se notiicou pelas saber, a Cristo” (2 Co
Escrituras dos 11.2).

55
. Es oços – Mensagens diversii adas

1 - Deus se apresenta a Israel Santo (Is 4.43)


como um marido (Is 54.5) 2 - Jesus batiza com o Espírito
2 - A união de marido e mulher é Santo (Mt 3.11)
uma igura do relacionamen- 3 - O Consolador está sempre
to entre Deus e Israel (Jr 2.2) conosco (Jo 14.16)
3 - O Senhor Jesus compara o 4 - O Espírito Santo ensina a
cortejo nupcial a sua vinda Igreja (Jo 14.26)
(Mt 25.1) 5 - As línguas e o batismo com o
4 - O resplendor do casamento Espírito Santo (At 2.4)
real ilustra a beleza e a pure- 6 - Os gentios e o batismo com
za da Igreja (Sl 45.9 - 11) o Espírito Santo (At 11.15,16)
5 - O casamento deve ser honra-
do por todos (Hb 13.4) Nº 78 – A JUSTIÇA SOCIAL
6 - O encontro de Cristo com a “Porque vos digo
Igreja é comparado a um ca- que, se a vossa
samento (Ap 19.7) justiça não exceder
a dos escribas e
Nº 77 – O DERRAMAMENTO fariseus, de modo
DO ESPÍRITO SANTO nenhum entrares no
“E nos últimos dias Reino dos céus” (Mt
acontecerá, diz 5.20).
Deus, que do meu 1 - A justiça social exalta as na-
Espírito derramarei ções (Pv 14.34)
sobre toda a carne; 2 - Quem ajuda o pobre empres-
e os vossos ilhos ta a Deus (Pv 19.17)
e as vossas ilhas 3 - O sacrifício e o estado espiri-
profetizarão, os tual do adorador (Is 1.13 - 15)
vossos jovens terão 4 - A espiritualidade do trabalho
visões, e os vossos social (Rm 15.26,27)
velhos sonharão 5 - Deus abençoa quem socorre
sonhos” (At 2.17). os pobres (2 Co 9.8,9)
1 - O derramamento do Espírito 6 - Socorrer os necessitados é

56
Pr. Josahat Baista
parte da adoração (Tg 1.27) JUSTIÇA
“Disse mais: Ora,
Nº 79 – A OBEDIÊNCIA não se ire o Senhor
ACIMA DO SACRIFÍCIO que ainda só mais
...Porventura, o esta vez falo: se,
SENHOR tem porventura, se
tanto prazer em acharem ali dez?
holocaustos e E disse: Não a
sacrifícios como destruirei, por amor
em que se obedeça dos dez” (Gn 18.32).
à palavra do
1 - O pecado de Sodoma e Go-
SENHOR? Eis que
morra (Gn 18.20)
o obedecer é melhor
2 - Deus faz justiça aos justos e
do que o sacriicar,
ímpios (Sl 18.25,26)
e o atender melhor
3 - O exemplo do juízo divino (Is
é do que o gordura
1.9)
de carneiros” (1 Sm
4 - O juízo divino à nação peca-
15.22).
dora (Ez 14.13)
1 - A rejeição do sacrifício for- 5 - A ruína de uma cidade orgu-
mal (Dt 10.12,13) lhosa (Mt 11.23,24)
2 - Ritos sem piedade nada va- 6 - A bondade e a severidade de
lem (Is 1.15 - 17) Deus (Rm 11.22)
3 - A piedade é maior que sacri-
fícios (Mt 12.7) Nº 81 – A SETENÇA DE
4 - Prática e teoria da obediência DEUS NÃO TARDA
(Mt 21.28 - 31) “Tu és tão puro
5 - O dízimo não substitui a pie- de olhos, que não
dade (Mt 23.23) podes ver o mal e a
6 - A lição do fariseu e do publi- vexação não podes
cano (Lc 18.10 - 14) contemplar, por
que, pois, olhas para
Nº 80 – DEUS É AMOR E os que procedem

57
. Es oços – Mensagens diversii adas

aleivosamente e te 2 - Daniel profetizou o tempo de


calas quando o ímpio angústia (Dn 12.1)
devora aquele que 3 - Uma convulsão geral na so-
é mais justo do que ciedade (Lc 21.25,26)
ele?” (Hc 1.13). 4 - Os céus passarão com grande
1 - Deus usou a Assíria contra estrondo (2 Pe 3.10)
Israel (2 Rs 17.23) 5 - Um tempo de destruição (1
2 - O castigo contra a Assíria (Sf Ts 5.2,3)
2.13) 6 - O juízo inal (Mt 25.31,46)
3 - Deus usou a Babilônia contra
Nº 83 – A PROFECIA DA
Judá (Jr 25.9)
RECONSTRUÇÃO
4 - O castigo contra a Babilônia
(Ageu 1.1 - 9).
(Jr 25.12)
5 - As nações sob a autoridade 1 - O rei da Pérsia e o Templo (2
divina (Jr 27.5 - 7) Cr 36.23)
6 - Perante o Senhor a Terra se 2 - Lançam - se os alicerces do
cala (Hc 2.20) Templo (Ed 3.10)
3 - A ediicação do Templo (Ed
Nº 82 – O FIM ESTÁ 4.3)
CHEGANDO 4 - O embargo da construção
“Porque surgirão (Ed 4.23,24)
falsos cristos e falsos 5 - Reinicia - se a construção do
profetas e farão Templo (Ed 5.1,2)
tão grandes sinais 6 - A nação prospera pela profe-
e prodígios, que, cia (Ed 6.14)
se possível fora,
enganariam até os Nº 84 – HAVERÁ AUSÊNCIA
escolhidos” (Mt DE GUERRA
24.24). “Eis que vêm dias,
diz o SENHOR, em
1 - Um tempo de angústia para
que levantarei a Davi
Jacó (Jr 30.7)
um Renovo justo;

58
Pr. Josahat Baista
sendo rei, reinará, 5.25 - 28)
e prosperará, e 4 - Obediência na família (Ef 6.1
praticará o juízo e a - 3)
justiça na terra” (Jr 5 - A comunhão no âmbito fami-
23.5). liar (Sl 133.1)
1 - A guerra não mais existirá (Is 6 - A família que agrada a Deus
2.2 - 4) (Tt 2.2 - 6)
2 - A plenitude da paz universal
Nº 86 – A PROMESSA
(Is 11.6 - 9)
DIVINA NOS FAZ SORRÍ
3 - Haverá completa segurança
(Gn 21.6).
na terra (Jr 23.5,6)
4 - Jerusalém habitará segura 1 - Deus promete a Abraão um
(Zc 14.11) herdeiro (Gn 18.10)
5 - A restauração de todas as coi- 2 - Deus é iel, nasce o ilho da
sas (At 3.20,21) promessa (Gn 21.1,2)
6 - Esperamos novos céus e nova 3 - Uma esposa para Isaque, o
terra (2 Pe 3.13) ilho da promessa (Gn 24.58
- 67)
Nº 85 – A RELEVÂNCIA DA 4 - Os ilhos de Isaque, herdeiros
FAMÍLIA da promessa (Gn 25.21)
“Portanto, deixará o 5 - Isaque, o ilho da promessa,
varão o seu pai e a abençoa seus ilhos (Gn 27.1
sua mãe e apegar - - 46)
se - á à sua mulher, 6 - Isaque, o ilho bendito do Se-
e serão ambos uma nhor ( Gn 27,26)
carne” (Gn 2.24).
Nº 87 – TEMAS CHAVES DO
1 - O modelo da família ( Sl
LIVRO DE GÊNESIS
128.3,4)
Sem o livro de
2 - Submissão na família (Ef 5.22
Gênesis, as grandes
- 24)
perguntas da vida
3 - Amor sacriical na família (Ef
ainda estariam sem

59
. Es oços – Mensagens diversii adas

resposta. (Gn 6.1,2)


5 - O mundo de Lameque resiste
1 - Deus cria, no princípio, os ao Espírito de Deus (Gn 6.3)
céus e a terra (Gn 1.1) 6 - O mundo de Lameque de-
2 - A criação do ser humano, teriora - se totalmente (Gn
obra prima da criação (Gn 6.5,6)
2.7)
Nº 89 – O GOVERNO
3 - A Queda do homem e a en-
HUMANO
trada do pecado no mundo
(Rm 13.1).
(Gn 3.1 - 7)
4 - A maldade humana se multi- 1 - O livro de Gênesis e a origem
plica e Deus ordena o dilúvio do governo humano (Gn 9.6)
(Gn 7.1 - 12) 2 - O princípio do governo hu-
5 - Deus chama Abraão e dá iní- mano revelado na Palavra de
cio à nação de Israel (Gn 12.1 Deus (Rm 13.1)
- 3) 3 - A Palavra de Deus e a honra
6 - José, o governo da providên- devida às autoridades (1Pe
cia divina (Gn 45.5) 2.17)
4 - Orações devem ser feitas pe-
Nº 88 – 0 MUNDO las autoridades (1Tm 2.1,2)
IMPIEDOSO DE LAMEQUE 5 - A Palavra de Deus e o objeti-
(Gn 6.5). vo da lei (1Tm 1.9,10)
1 - Lameque, o bígamo que não 6 - Jesus Cristo, a suprema auto-
andou segundo as leis de ridade revelada à humanida-
Deus (Gn 4.19) de (Ap 19.6)
2 - Lameque e sua descendência
Nº 90 – OS DESCENDENTES
corrompida (Gn 4.20 - 21)
DE NOÉ
3 - Lameque, o poeta da violên-
(Gn 9.26,27)
cia e da maldade (Gn 4.23,24)
4 - Lameque e o seu mundo pe- 1 - A atitude desrespeitosa de
caminoso e distante de Deus Cam para com seu pai (Gn

60
Pr. Josahat Baista
9.22) 6 - A reversão de Babel em o
2 - A atitude reverente de Sem Novo Testamento (At 2.1 - 4)
e Jafé para com seu pai (Gn
9.23) Nº 92 – O PECADO DA
3 - Sem, ascendente do Messias COBIÇA
que viria para salvar a huma- “De ninguém cobicei
nidade (Lc 3.36) a prata, nem o ouro,
4 - Abraão,amigo de Deus, é nem a veste” (At
descendente de Sem (Gn 20.33).
11.10,29) 1 - A queda do homem começou
5 - A maldade levou o ilho com a cobiça daquilo que não
de Cam a ser amaldiçoado era seu (Gn 3.6)
(Gn.9.25) 2 - A beleza é também uma por-
6 - Canaã perde suas terras, que ta para a entrada da cobiça
são entregues a Abrão (Gn (Pv 6.25)
17.8) 3 - A cobiça é um pecado que
gera outros tipos de pecado
Nº 91 – A ORIGEM DAS (Mt 5.28)
NAÇÕES 4 - O apóstolo Paulo mencionou
(Gn 11.6) a cobiça como fonte da con-
1 - Torre de Babel, um monu- cupiscência (Rm 7.7)
mento à soberba humana (Gn 5 - O cristão deve aprender a li-
11.1 - 9) ção dos israelitas no deserto
2 - Os povos e nações são dividi- sobre a cobiça (1Co 10.6)
dos em línguas (Gn 10.20) 6 - Ninguém é suicientemente
3 - Povos e línguas contempla- forte para brincar com o pe-
rão a glória de Deus (Is 66.18) cado e sair ileso (Tg 1.14,15)
4 - Nações e línguas curvam - se
à idolatria (Dn 3.4 - 7) Nº 93 – NÃO MATARÁS O
5 - Paulo, um missionário poli- INOCENTE E O JUSTO
glota escolhido pelo Senhor (Êx 23.7)
(At 21.37 - 40; 27.31)

61
. Es oços – Mensagens diversii adas

1 - A vida deve ser protegida 5 - O plano divino desde o prin-


porque o homem é a imagem cípio era monogâmico (Mt
de Deus (Gn 9.5,6) 19.4 - 6)
2 - Pena para o homicídio culpo- 6 - No NT, adultério é qualquer
so, quando não há intenção relação sexual extraconjugal
de matar (Dt 19.4) (Mc 10.11,12)
3 - Pena para o homicídio do-
loso, quando há intenção de Nº 95 – O PERIGO DO
matar (Dt 27.24,25) ROUBO
4 - Somente Deus, o Doador da (Ef 4.28)
vida, tem o direito de tirá - la 1 - O oitavo mandamento diz
(1Sm 2.6) respeito ao sequestrador (Êx
5 - O Senhor Jesus condenou 21.16)
o assassinato e o ódio (Mt 2 - O dever de não atrasar in-
5.21,22) tencionalmente o pagamento
6 - O Senhor Jesus veio para que (Lv 19.11 - 13)
todos tenham vida (Jo 10.10) 3 - O dever de não usar de dois
pesos e duas medidas (Dt
Nº 94 – O PERIGO DO 25.13 - 16)
ADULTERO 4 - Apropriação indébita é rou-
(Mt 5.28). bo, ainda que as coisas per-
1 - O casamento foi instituído tençam aos pais (Pv 28.24)
por Deus antes da queda no 5 - O Senhor Jesus reconheceu a
Éden (Gn 2.21 - 24) autoridade do oitavo manda-
2 - O adultério destrói a reputa- mento (Mt 19.18)
ção e deixa cicatrizes indelé- 6 - Os roubadores não herdarão
veis (Pv 6.32,33) o Reino do Deus (1Co 6.10)
3 - O adultério é uma prática in-
sana com consequências fu- Nº 96 – O FALSO
nestas (Jr 29.20 - 23) TESTEMUNHO
4 - Deus exige idelidade entre (Êx 23.1)
marido e mulher (Ml 2.14)

62
Pr. Josahat Baista
1 - O mexerico está incluído voto a Deus (Ec 5.2 - 5)
no nono mandamento (Lv 6 - A linguagem do cristão deve
19.11,16) ser sim, sim e não, não (Tg
2 - O falso testemunho e a men- 5.12)
tira são estilo de vida do ím-
pio (Sl 109.2) Nº 98 – SOMOS
3 - A falsa testemunha está entre MONOTEÍSTAS
as sete coisas que Deus abor- (Dt 6.4)
rece e abomina (Pv 6.16 - 19) 1 - O rei Ezequias introduz a sua
4 - O Senhor Jesus ratiicou o oração com uma expressão
nono mandamento (Mt 19.18) monoteísta (2 Rs 19.15)
5 - O apóstolo Paulo reairma: 2 - Neemias ressalta o monoteís-
pecado é dizer falso testemu- mo na sua oração retrospecti-
nho (Rm 13.9) va (Ne 9.6)
6 - É dever do cristão permanecer 3 - O Senhor Jesus ensina que
longe de mexericos (2Co Deus é único, o Criador dos
12.20) céus e da terra (Mc 12.28 - 30)
4 - A unidade de Deus não con-
Nº 97 – O PERIGO DE tradiz a divindade de Jesus
PROFANAR O NOME DE (Jo 17.3)
DEUS 5 - O monoteísmo judaico - cris-
(Lv 19.12) tão não contradiz a doutrina
1 - O cuidado do juramento em da Trindade (Ef 4.4 - 6)
nome de Deus (Dt 6.13) 6 - O cristianismo é uma religião
2 - O Deus de Melquisedeque monoteísta (1Co 8.6)
era o mesmo Deus de Abraão
(Gn 14.18 - 20) Nº 99 – ADORADORES E
3 - Deus é santo e exige santida- NÃO IDÓLATRAS
de de seu povo (1Pe 1.15,16) (1Co 10.14)
4 - É dever do cristão santiicar o 1 - Deus proíbe a fabricação de
nome divino (Mt 6.9) ídolos e deuses de fundição
5 - O cuidado antes de fazer um

63
. Es oços – Mensagens diversii adas

(Lv 19.4) Deus para nos trazer à exis-


2 - A adoração a Deus deve ser tência (Zc 12.1)
sem imagens e sem iguras 6 - O Senhor Jesus reairma
(Dt 4.12) a origem divina do quinto
3 - Somente Deus deve ser ado- mandamento (Mt 15.4)
rado e a Ele devemos servir
(Mt 4.10) Nº 101 – A FIDELIDADE DE
4 - Deus é Espírito e deve ser DEUS
adorado em espírito e em (Sl 36.5)
verdade (Jo 4.24) 1 - A idelidade é uma das glo-
5 - Deus não habita em templo riosas perfeições do Senhor,
feito por mãos humanas (At uma vestimenta do próprio
17.24,25) Deus (Sl 89.8).
6 - O combate à idolatria é man- 2 - Tudo o que há acerca de Deus
tido pelo apóstolo João (1Jo é grande, vasto e incompará-
5.21) vel, assim é também Sua ide-
lidade (Sl 36.5).
Nº 100 – HONRA TEU PAI E 3 - A idelidade é parte inerente
TUA MÃE do ser divino e Ele tem enor-
(Cl 3.20) me satisfação em revelar - se
1 - Deixar pai e mãe não signi- a seu povo como Deus iel (Dt
ica abandoná - los (Gn 2.24) 7.9).
2 - A sanção da lei é implacável 4 - O apóstolo Paulo airma que
para quem ferir ou amaldi- nem mesmo a inidelidade
çoar os pais (Êx 21.15 - 17) humana pode alterar a ideli-
3 - Honrar pai e mãe signiica dade divina (2Tm 2.13).
também acatar os seus ensi-
nos e instruções (Pv 1.8) Nº 102 – DEUS É FIEL
4 - É honroso para o ilho cuidar (Dt 7.9)
dos pais na velhice deles (Pv 1 - A vida de Deus não muda (Sl
23.22) 93.2).
5 - Os pais são instrumentos de

64
Pr. Josahat Baista
2 - Ele tem vida em si mesmo e 103.1 - 9
o que Ele é agora será eterna- 2 - Deus é iel em socorrer e li-
mente (Hb 13.8). vrar. (Sl 124.1 - 3). (Dn 3.23 -
3 - Os propósitos de Deus nunca 25),
se alteram (Sl 33.11), 3 - A promessa da Sua presença.
4 - O seu propósito abrange (Êx 33.12 - 15). (Êx 13.21, 22),
grandes reinos (Dn 4.32),
5 - O que Deus executa no pre- Nº 105 – O CÂNTICO DA
sente, Ele já planejara desde a FIDELIDADE DE DEUS
eternidade (Ef 3.3 - 11). 1 - Salmos 89.1 - Cantarei para
sempre as tuas misericórdias,
Nº 103 – A FIDELIDADE DE ó Senhor, os meus lábios pro-
DEUS E SUAS PROMESSAS clamarão a todas as gerações
(Dn 9.1, 2). a tua idelidade.
1 - Deus é iel no cumprimento 2 - Salmos 89.2 - Pois disse eu:
de Suas promessas. Hebreus a benignidade está fundada
10.23, para sempre: a tua idelidade,
2 - As promessas de Deus po- tu a conirmarás até nos céus,
dem ser condicionais. (Gn dizendo.
18.9 - 14), 3 - Salmos 89.5 - Celebram os
3 - As promessas de Deus po- céus as tuas maravilhas, ó SE-
dem parecer demoradas. (Sl NHOR, e, na assembleia dos
27.14). santos, a tua idelidade.
4 - Ás promessas de Deus são 4 - Salmos 89.24 - A minha i-
atuais. (Gn 8.22). delidade e a minha bondade
o hão de acompanhar, e em
Nº 104 – A FIDELIDADE DE meu nome crescerá o seu po-
DEUS EM RELAÇÃO AO SEU der.
POVO
(2Tm 2.13). Nº 106 – A PÁSCOA
Os judeus deveriam
1 - Deus é iel em perdoar. Sl comemorar a Páscoa

65
. Es oços – Mensagens diversii adas

no mês de Abib se crescer (Êx 12.8,11,34 - 36,)


(corresponde à parte (Jo 6.35).
de março e parte 2 - As ervas amargas - Simboli-
de abril em nosso zavam toda a amargura e ali-
calendário), cujo ção enfrentadas no cativeiro.
signiicado são as Foram 430 anos de opressão,
“espigas verdes”. dor, angústia, quando os he-
1 - Para os egípcios - Para os breus eram cativos do Egito.
egípcios a Páscoa signiicou o (Êx 12.8).
juízo divino inal sobre o Egi- 3 - O cordeiro Um cordeiro sem
to, Faraó e todos os deuses defeito deveria ser morto e o
cultuados ali. (Êx 11.4,5) sangue derramado nos um-
2 - Para Israel - Era a saída, a brais das portas das casas.
passagem para a liberdade, (Êx 12.3 - 7), (Jo 1.29).
para uma vida vitoriosa e
Nº 108 – CRISTO, NOSSA
abundante. Foi para isto que
PÁSCOA
Cristo veio ao mundo, mor-
(1Co 5.7b).
reu e ressuscitou ao terceiro
dia, para nos libertar do jugo 1 - Jesus, o Pão da Vida - Sem
do pecado e nos dar uma vida Ele não é possível a nossa re-
cristã abundante (Jo 10.10). conciliação com Deus (2Co
3 - Para nós - Cristo, o nosso 5.19). (Jo 6.35,48,51).
Cordeiro Pascal, morreu em 2 - O sangue de Cristo - No Egi-
nosso lugar e com o seu san- to, o sangue do cordeiro mor-
gue nos redimiu dos nossos to só protegeu os hebreus,
pecados (1Co 5.7). mas o sangue de Jesus derra-
mado na cruz proveu a salva-
Nº 107 – OS ELEMENTOS DA ção não apenas dos judeus,
PÁSCOA mas também dos gentios.1Co
1 - O pão - Deveria ser assado 5.7; Rm 5.8,9).
sem fermento, pois não havia 3 - A Ceia do Senhor - Não é um
tempo para que o pão pudes- mero símbolo; é um memorial

66
Pr. Josahat Baista
da morte redentora de Cristo levitas (Js 8.33; 24.1).
por nós e um alerta quanto à 4) Jetro, o sogro de Moisés, não
sua vinda: “Em memória de era israelita, mas demonstrou
mim” (1Co 11.24,25). ser um homem cheio de sabe-
doria. Ele muito ajudou Moi-
Nº 109 – OS AUXILIARES DE sés.
MOISÉS 5) Josué, sucessor de Moisés
(Êx 18.25). (Nm 27.18 - 23), é menciona-
- Certamente Moisés teve do pela primeira vez na Bíblia
muitos auxiliares cujos nomes em Êxodo 17.9, num contexto
não foram registrados nas Es- que destaca a sua obediência
crituras Sagradas, mas vejamos a Moisés (33.11). Por ter sido
apenas alguns que o ajudaram iel e obediente a Moisés foi o
durante a caminhada do povo escolhido de Deus para suce-
até a Terra Prometida. der o Legislador.
1) Miriã era auxiliar de Moisés
e também sua irmã. Era pro- Nº 110 – A LIDERANÇA
fetisa e cantora (Êx 15.20,21). DE MOISÉS E SUAS
Seu nome, em hebraico, cor- QUALIDADES
responde em grego a Maria. 1 - Mansidão e humildade -
Certa vez, levantou - se con- Deus falava com Moisés face
tra Moisés e pagou caro por a face. (Nm 12.3).
sua rebeldia (Nm 12). 2 - Piedoso e obediente. Moisés
2) Arão, irmão de Moisés, seu era um exemplo de obediên-
porta - voz (Êx 4.14 - 16; 7.1,2) cia e integridade e da mesma
e líder dos sacerdotes. forma o obreiro precisa ser
3) Os anciãos, também cha- modelo dos iéis (1Pe 5.3).
mados príncipes no perío- 3 - Fiel - Esta é uma das qualida-
do mosaico. Eram líderes e des primordiais de um líder,
representantes do povo (Dt pois “requer - se nos despen-
1.13 - 15; Êx 3.16,18). Outros seiros que cada um se ache
auxiliares eram os juízes e os iel” (1Co 4.2). (Nm 12.7; Hb

67
. Es oços – Mensagens diversii adas

3.2,5). (Sl 139.13,14)


1 - Deus soprou o fôlego da vida
Nº 111 – O SACERDÓCIO
(Gn 2.7).
Deus ordena que
2 - Deus requer a vida do ho-
Moisés separe
mem (Gn 9.5).
Arão e seus ilhos
3 - Deus dá a vida (Jó 33.4).
para o ministério
4 - Não matarás (Êx 20.13).
sacerdotal. (ÊX 28.1
5 - Deus mata e faz viver (Dt
- 5)
32.39).
1 - O sacerdote - sacerdote de- 6 - A matança dos inocente (Mt
veria não somente pertencer 2.16).
à tribo de Levi, mas era preci-
so que fosse um descendente Nº 113 – O PERIGO DA
de Arão, que teve o privilégio INFIDELIDADE CONJUGAL
de ser o primeiro sacerdote (Mt 19.9)
de Israel. 1 - Abstendo - se da prostituição
2 - O ministério dos sacerdo- (At 15.20).
tes. Eram, especiicamente, 2 - Grande imoralidade (1 Co
três as obrigações básicas do 5.1).
sacerdote: “santiicar o povo, 3 - Cidades prostituídas (Gn
oferecer dons e sacrifícios 19.26).
pelo povo e interceder pelos 4 - Coração impuro (Mt 15.19).
transgressores”. Eles também 5 - A pergunta dos fariseus (Mt
atuavam como mestres da lei 19.3).
(Lv 10.10,11). 6 - A inidelidade conjugal (Ml
3 - O sumo sacerdote. O sacer- 2.14.)
dócio de Arão apontava para
Cristo, nosso Sumo Sacerdote Nº 114 – PLANEJAMENTO
eterno 6.20). FAMÍLIAR
(1 Ts 5.21)
Nº 112 – A VIDA FOI DADA
POR DEUS 1 - Coroa dos velhos são os i-

68
Pr. Josahat Baista
lhos (Pv 17.6). 7.22).
2 - Um pai, pedindo ilhos (Gn 3 - Deus requer a vida (Gn 9.5).
15.2). 4 - Temeram tirar a vida (Ex
3 - Promessa de ilhos (Gn 1.17).
17.15,16). 5 - A inspiração do Todo Pode-
4 - O choro da mulher estéril (1 roso (Jó 33.4).
Sm 1.7.) 6 - Pedindo a morte (Jn 4.3).
5 - Um ilho dado a Deus (1 Sm
1.10,11). Nº 117 – A DOAÇÃO DE
6 - Um ilho especial (Lc 1.31). ÓRGÃOS É UM ATO DE
AMOR E SOLIDARIEDADE
Nº 115 – A VIDA É UM DOM (At 20.35)
DE DEUS 1 - A vida dada em resgate de
(Gn 37.21) muitos (Mt 20.28)
1 - Vida por vida (Êx 2 - Jesus veio dar vista aos cegos
21.23). (Lc 4.19).
2 - A pena de morte (Nm 35.31). 3 - Dar boas dádivas (Lc 11.13).
3 - Deus dá e tira a vida (1 Sm 4 - Dar a vida pelos amigos (Jo
2.6). 15.13).
4 - Abominando a vida (Jó 7.16.) 5 - Devemos dar a vida pelos ir-
5 - A vida é favor de Deus (Sl mãos (1 Jo 3.16.)
30.5). 6 - Doação de olhos (Gl 4.15).
6 - Não matarás (Êx 20.13).
Nº 118 – A UTILIZAÇÃO DAS
Nº 116 – A EUTANÁSIA FINANÇAS
É CRIME CONTRA A (1Tm 6.10)
VONTADE DE DEUS 1 - A incerteza das riquezas
(1 Sm 2.6) (1Tm 6.17).
1 - Deus, o Autor da vida (Gn 2 - Trabalho generoso (Ef 4.28).
2.7) 3 - Tudo para a glória de Deus
2 - A vida exterminada (Gn (1Co 10.31).

69
. Es oços – Mensagens diversii adas

4 - Exortação ao preguiçoso (Pv 5.11,12).


6.9 - 11). 2 - O sofrimento dos viciados
5 - A raiz de todos os males (Pv 29.29,30,33 - 35).
(1Tm 6.10). 3 - O alcoolismo no Novo Tes-
6 - Tudo recebemos de Deus tamento (Lc 12.45,46), (1Co
(1Cr 29.14.) 6.9,10), Ver Rm 13.13; 1Pe 4.3
- 5.
Nº 119 – O PERIGO DO
VINHO Nº 121 – A MALDIÇÃO DOS
(Is 5.11,12) JOGOS DE AZAR
1 - A primeira embriaguez (Gn (Pv 28.22)
9.21). 1 - A ilusão do jogo (Pv 23.32).
2 - Incesto sob o vinho (Gn 2 - O amor ao dinheiro (1Tm
19.32). 6.10).
3 - O vinho proibido (Lv 10.9). 3 - O desprezo ao trabalho (Ef
4 - O vinho em família (Jó 1.13). 4.28).
5 - Folga para pecar (1Co 10.7). 4 - O problema do vício (I Co
6 - O Vinho que Jesus bebeu (Mt 6.10.)
26.29). 5 - A ilusão da contribuição so-
7 - No texto original, Ele tomou cial.
“do fruto da vide” (do gr.
guenematos tês ampèlou), Nº 122 – CIDADÃOS DOS
indicando tratar - se do suco CÉUS
fresco da uva. Se fosse vinho (Hb 11.13)
fermentado a palavra seria 1 - Nomes no livro da vida (Fp
oinos. 4.3b).
2 - Somos ilhos de Deus (Jo
Nº 120 – A CONDENAÇÃO 1.12).
DO ALCOOLISMO 3 - Co - herdeiros de Cristo (Rm
(Gn 9.21 - 25) 8.17).
1 - Condenação à bebedice. (Is 4 - Nossa cidade está nos céus

70
Pr. Josahat Baista
(Fp 3.20.) vontade, perante o Senhor.
5 - Fazer bem aos domésticos da 3 - Lv 1.4 - E porá a sua mão so-
fé (Gl 6.10). bre a cabeça do holocausto,
6 - Alegria com os justos (Pv para que seja aceito por ele,
28.12). para sua expiação.
4 - Lv 1.6 - Então esfolará o ho-
Nº 123 – O JUSTO E A locausto e o partirá nos seus
POBREZA pedaços.Lv 1.7 - E os ilhos
1 - 1 Jo 3.7: O justo pratica a jus- de Arão, os sacerdotes, porão
tiça. fogo sobre o altar, pondo em
2 - Pv 31.20: Abre a mão ao po- ordem a lenha sobre o fogo.
bre.
3 - Pv 22.22: Não roube ao po- Nº 125 – A OFERTA DE
bre. MANJARES EM LEVÍTICO
4 - 2 Co 8.9: Cristo se fez pobre 1 - LV 2:1 Este capítulo contém
por amor de nós. a lei da oferta de carne, e dá
5 - Sl 128.2: Comerás do teu tra- uma conta do que foi feito, fa-
balho. rinha ina, com óleo derrama-
do e incenso sobre ele...
Nº 124 – O SACRIFÍCIO DA 2 - Lv 2:2 O que foi feito com ela
EXPIAÇÃO parte dele queimada sobre o
1 - Lv 1.2 - Fala aos ilhos de altar, e o resto foi proprieda-
Israel, e dize - lhes: Quando de dos sacerdotes...
algum de vós oferecer oferta 3 - Lv 2:4 Como era ser cozido
ao Senhor, ofereceis as vossas em um forno ou em uma pa-
ofertas de gado, de vacas e de nela ou frito em uma frigidei-
ovelhas. ra...
2 - Lv 1.3 - Se a sua oferta for ho- 4 - Lv 2:11 O que foi proibido
locausto de gado, oferecerá nela, fermento e mel...
macho sem mancha; à por- 5 - Lv 2:13 O que devia ser usa-
ta da tenda da congregação do, sal...
a oferecerá, de sua própria 6 - Lv 2:13 E qual seria a oferta e

71
. Es oços – Mensagens diversii adas

a oferta de carne das primei- do Senhor.


ras frutas e o que fazer com
ela... Nº 128 – O PERIGO DA MÁ
COMPANHIA
Nº 126 – AS DIRETRIZES DA 1 - Rm 12.1,2 - Evitemos o mode-
FAMÍLIA lo do mundo.
(Gn 1.28). 2 - 1Pe 1.15,16 - Deus nos cha-
1 - Ef 5.31 - O casamento dá ori- mou para a santidade.
gem à família. 3 - Dt 7.3,4 - Deus já disse: Não!
2 - 1 Pe 3.1 - Diretrizes bíblicas 4 - Sl 1.1,2 - Aviso contra as más
às mulheres. companhias.
3 - Ef 5.33 - Diretrizes bíblicas 5 - 1Co 15.33 - Más companhias
aos maridos. corrompem.
4 - Ef 6.1,2 - Diretrizes bíblicas 6 - 1Co 3.16 - O crente: habitação
aos ilhos. do Espírito Santo.
5 - Ef 6.4 - Diretrizes bíblicas aos
Nº 129 –
pais.
RESPONSABILIDADES DOS
6 - Js 24.15 - A família servindo
CÔNJUGES
ao Senho.r
1 - 1Co 11.3 - O marido como lí-
Nº 127 – A FAMÍLIA E A der da mulher.
IGREJA 2 - Gn 2.18 - A esposa como aju-
1 - Sl 122.1 - A alegria de estar na dadora do marido.
casa do Senhor. 3 - 1Tm 5.8 - O marido como
2 - Cl 4.15 - A Igreja e a família. provedor da família.
3 - Sl 27.4 - Aprendendo na casa 4 - Pv 31.15,27 - A esposa como
do Senhor. administradora da casa.
4 - Hb 10.25 - Não deixando a 5 - 1Pe 3.7 - Um marido idôneo,
nossa congregação. compreensivo e sensato.
5 - At 12.12 - Uma congregação 6 - Ef 5.22 - 24,33 - Esposa sábia
em casa. e submissa ao marido.
6 - Lc 2.41 - Uma família na casa

72
Pr. Josahat Baista
Nº 130 – A AUTORIDADE Nº 132 – A FAMÍLIA E O
PATERNA IDOSO
1 - Êx 20.12 - O acatamento a au- 1 - Sl 71.9 - A oração do idoso.
toridade dos pais prolonga a 2 - Is 65.22 - A velhice como pro-
vida. messa divina.
2 - 1Co 11.3 - A amorosa auto- 3 - Rt 4.15 - Velhice - tempo de
ridade do esposo sobre a es- recreação.
posa. 4 - Js 8.32 - É possível ter uma
3 - Pv 17.25 - A insensatez do i- boa velhice.
lho frustra os pais. 5 - Gn 15.15 - A velhice pode ser
4 - Dt 4.9 - A obediência é um um período de paz.
pré - requisito para quem or- 6 - Jó 12.12 - A velhice é um tem-
dena. po de sabedoria.
5 - Jr 35.18,19 - O Senhor aben-
çoa o ilho que obedece. Nº 133 – AMOR, O VÍNCULO
6 - Pv 13.1 - Ouvir a repreensão DA FAMÍLIA
é sinal de sabedoria. 1 - Ef 5.25 - O marido tem o de-
ver de amar sua esposa.
Nº 131 – A FAMÍLIA E A 2 - Tt 2.4 - A esposa tem o dever
CRIANÇA de amar seu marido.
1 - Dt 11.18,19 - Os pais: os pri- 3 - Jo 13.34,35 - Amor: a base da
meiros mestres da criança. família de Deus.
2 - Dt 6.6 - 9 - O lar, a primeira 4 - 1Co 13.5 - Quem ama doa - se
escola da criança. a si mesmo.
3 - Ef 6.4 - Como deve ser a cria- 5 - 1Jo 3.14 - Amor: a evidência
ção dos ilhos. da nova vida.
4 - Pv 22.6 - O bendito e dura- 6 - 1Co 13.7 - O amor traz renún-
douro ensino da Palavra. cia e paciência.
5 - Jo 21.16 - A prioridade do en-
sino da criança. Nº 134 – A FAMÍLIA E OS
6 - Sl 127.3 - Os ilhos são heran- MEIOS DE COMUNICAÇÕES
ça e galardão do Senho.r 1 - Sl 101.3 - A prevenção da fa-

73
. Es oços – Mensagens diversii adas

mília cristã diante dos meios Nº 136 – O CULTO


de comunicação. DOMÉSTICO
2 - 1Ts 5.21 - A atitude crítica (Pv 22.6).
da família cristã diante dos 1 - 2Cr 26.4 - Valores adquiridos
meios de comunicação. dos pais.
3 - Js 24.15 - A responsabilidade 2 - Dt 6.6,7 - Ensinar aos ilhos:
da família crista diante dos responsabilidade dos pais.
meios de comunicação. 3 - Dt 11.19 - Ensinando diligen-
4 - Sl 128 - A família cristã não temente.
deve ser escrava dos meios 4 - 2Tm 1.5; 3.15 - O culto do-
de comunicação. méstico produz sabedoria.
5 - 1Jo 5.21 - A família cristã foge 5 - Pv 22.6 - Culto doméstico: re-
aos ídolos dos meios de co- sistência ao pecado.
municação. 6 - Sl 1 - O culto doméstico pro-
6 - 1Co 16.19 - A família cristã move estabilidade e prosperi-
deve preservar sua condição dade espirituais.
de igreja de Cristo.
Nº 137 – A SALVAÇÃO NA
Nº 135 – A ANSIEDADE FAMÍLIA
PELAS RIQUEZAS 1 - Gn 7.1 - 7 - A salvação da fa-
1 - 1Tm 6.7 - Os bens terrenos mília de Noé.
permanecerão aqui. 2 - Gn 45.7 - A salvação da famí-
2 - 1Tm 6.8 - Satisfazendo - se lia de José.
com o essência. 3 - Êx 12.23 - A salvação da
3 - 1Tm 6.10 - As consequências família israelita no Egito.
do amor ao dinheiro. 4 - Is 6.25 - A salvação da família
4 - Fp 4.11 - 13 - Suportando de Raabe.
qualquer situação. 5 - Lc 19.1 - 10 - A salvação da
5 - Pv 30.8,9 - Nem pobreza nem família de Zaqueu.
riqueza. 6 - At 16.31 - A salvação da famí-
6 - Mt 6.19 - 21 - Mais vale um lia do carcereiro.
tesouro no céu.

74
Pr. Josahat Baista
Nº 138 – DANIEL, UM (Dn 5.23).
EXEMPLO DE PUREZA 1 - Sl 2.1 - 4; É 44,23 - 28 - Deus
1 - Dn 1.8 - A Fidelidade de Da- frustra os maus intentos.
niel. 2 - Êx 34,5 - 7; Na 1.3 - Deus é
2 - Lv 11,43 - 45 - A Alimentação Paciente e Tardio a ira - se.
de Daniel. 3 - Nm 14,18 - 20 - Deus não tem
3 - Sl 65.5; 118.8,9; - Daniel eA ao culpado por inocente.
Coniança los Deus. 4 - Gl 6.7 - De Deus não se zom-
4 - Dn 6.10 - A irmeza de Da- ba.
niel. 5 - 1Co 29,10 - 14 - Deus é Senhor
5 - Dn 2.30 - A humildade de Sobre reis e Nações.
Daniel.
6 - Ez 14.14,20 - Daniel entre os Nº 141 – A BÍBLIA EXALTA A
piedosos. INTEGRIDADE
(Dn 6.4).
Nº 139 – UM MAL
CHAMADO SOBERBA 1 - Sl 7.8 - Deus julga - nos con-
(Dn 4.37). forme Nossa Integridade.
2 - Jó 1.1; 2.3 - Era Jó Homem ín-
1 - Pv 8.13 - Deus aborrece a so- tegro.
berba. 3 - 1Rs 9,4 - Integridade é Sím-
2 - Pv 11.2 - A soberba E afronta. bolo de inteireza.
3 - Mc 7,20 - 22 - A soberba e o 4 - Mt 6,19 - 24 - Jesus ensinou
Pecado do Coração. Sobre a Integridade.
4 - 1 Jo 2.16 - A soberba da vida 5 - 2Cr 25.2; 1Rs 9.4 - Integrida-
Localidade: Não é de Deus. de é tudo.
5 - Gn 17.1; Jó 11.7 - Nenhuma 6 - 1Jo 2,15 - 17 - Integridade e
soberba resiste a Deus. Localidade: Não dividir o co-
6 - 2Cr 26,3 - 21 - O rei Uzias e a ração.
soberba.
Nº 142 – O REINO DO
Nº 140 – A SOBERANIA DE MESSIAS
DEUS

75
. Es oços – Mensagens diversii adas

(Dn 7.27). 1 - Mc 13.22 - Os falsos cristos e


1 - Hb 1.3 - Jesus é rei eterna- profetas.
mente. 2 - 2Ts 2.3,4 - “O homem da ini-
2 - Dn 2.44 - O reino do Messias quidade”.
será único e eterno. 3 - Ap 13.1 - 18 - A falsa trinda-
3 - Dn 7.14 - O reino do Messias de.
é invencível. 4 - Dn 9.24 - 27 - A Grande Tri-
4 - Ap 19.15 - Jesus, o Rei dos bulação.
reis. 5 - Dn 9.27; 12.7 - O controle do
5 - Ap 20.4 - O reino milenial de tempo do im está com Deus.
Cristo. 6 - 1Ts 4.16 - 18 - O Arrebata-
6 - Mt 6.33; Mc 4.11; Mt 12.28 - A mento da Igreja será antes da
realidade do Reino de Deus. Tribulação.

Nº 143 – O TEMPO DO FIM Nº 145 – O DEVER DE ORAR


(Dn 8.19). (Ef 6.18).

1 - Tt 2.13 - O aparecimento do 1 - Gn 20.17 - O alvo da oração


grande Deus. é Deus.
2 - Dn 7.13 - Cristo vindo em 2 - Ef 6.18 - Devemos orar em
glória nas nuvens. todo o tempo.
3 - Mc 13.26 - Cristo vindo com 3 - Sl 34.17,18 - A oração deve
grande poder. expressar um coração contri-
4 - Mt 25.31,32 - Jesus vindo em to e quebrantado.
glória para julgar as nações. 4 - 1 Tm 2.1,2 - Devemos orar
5 - At 1.10,11 - Os anjos airmam por todos os homens e pelas
que Jesus voltará. autoridades.
6 - Mt 16.27 - Jesus vindo para 5 - Hb 10.22,23 - Devemos orar
julgar a cada um. com fé.
6 - Jo 14.13 - A oração deve ser
Nº 144 – O FIM DOS TEMPOS feita sempre em nome de Je-
(2Ts 2.3). sus.

76
Pr. Josahat Baista
Nº 146 – A ORAÇÃO NO sagra o Templo em oração.
ANTIGO TESTAMENTO 6 - 2 Cr 7.12 - 16 - O Senhor res-
(2 Cr 30.27). ponde a oração de Salomão.
1 - Gn 1.28 - O primeiro registro
Nº 148 – A ORAÇÃO NO
de comunicação entre Deus e
NOVO TESTAMENTO
o homem.
(1 Ts 5.16,17).
2 - Gn 4.26 - A oração em o nome
do Senhor inicia com Sete e 1 - Mc 1.35 - Jesus orou durante
seu ilho. o seu ministério.
3 - Gn 18.23 - 33 - Abraão inter- 2 - Jo 15.7,16 - Jesus ensina sobre
cede a Deus pelo povo. a oração.
4 - Êx 8.30,31 - Moisés orou, e 3 - At 1.13,14; 2.42 - A Igreja Pri-
Deus lhe respondeu. mitiva perseverava unânime
5 - Sl 34.6 - Davi clamou a Deus em oração.
e foi atendido. 4 - Ef 1.15 - 17 - Paulo e sua vida
6 - Jr 15.15 - 18,20 - Jeremias, o de oração.
profeta, é consolado na ora- 5 - Cl 4.2,3 - A oração com vigi-
ção a Deus. lância e gratidão.
6 - 1 Tm 2.1 - A oração por todos.
Nº 147 – A EXCELÊNCIA DA
ORAÇÃO Nº 149 – A ORAÇÃO QUE
(2 Cr 7.1). JESUS ENSINOU
1 - Jo 14.6,13,14 - Jesus é o cami-
1 - 1 Rs 3.7 - 12 - Salomão pede a
nho de resposta para a ora-
Deus sabedoria.
ção.
2 - 1 Jo 5.14 - A oração é subordi-
2 - Lc 18.13,14 - Como devemos
nada à vontade de Deus.
orar.
3 - 1 Rs 3.7,9,11,12 - A oração
3 - Mc 11.22 - 24 - Devemos orar
que agrada a Deus.
com fé.
4 - Lc 12.31 - A oração prioriza o
4 - Mc 11.25; Mt 6.15 - A oração
Reino de Deus.
eicaz depende do perdão.
5 - 2 Cr 6.18 - 20 - Salomão con-
5 - Mt 6.9 - 13 - A oração - mode-

77
. Es oços – Mensagens diversii adas

lo de Jesus. a obra missionária.


6 - Lc 11.9,10 - A persistência na 5 - At 20.36 - 38 - Uma oração co-
oração. movente da igreja.
6 - At 28.8,9 - A oração por cura
Nº 150 – O divina.
RELACIONAMENTO
COM DEUS ATRAVÉS DA Nº 152 – JESUS E A ORAÇÃO
ORAÇÃO (Lc 6.12).
(Hb 4.16). 1 - Mt 11.25,26 - Jesus ora ao Pai.
1 - At 1.13,14 - A oração conduz 2 - Mt 6.9 - 13 - A oração - mode-
ao fervor espiritual. lo de Jesus.
2 - Sl 55.17; Dn 6.10 - A oração 3 - Mt 21.13; Lc 4.16 - Jesus ia
deve ser um hábito pessoal. ao templo e à sinagoga para
3 - Mt 6.6 - A oração devocional. orar.
4 - At 1.14,24; 12.12 - A oração 4 - Hb 5.7 - Jesus orou com lágri-
congregacional. mas em seu sofrimento.
5 - 1 Tm 2.1 - 3 - A oração traz 5 - Lc 6.12,13 - Jesus orou para
quietude e sossego. escolher seus discípulos
6 - Mt 17.21 - A oração acompa- 6 - Lc 22.31,32 - Jesus orou em
nhada do jejum. favor de Pedro.

Nº 151 – A IGREJA DE Nº 153 – A ORAÇÃO E A


ORAÇÃO VONTADE DE DEUS
(At 2.42). (Jo 15.7).
1 - At 1.24,25 - A escolha de 1 - Tg 4.3 - A oração e a motiva-
obreiros através da oração. ção do indivíduo que ora.
2 - At 4.31 - A igreja foi cheia do 2 - Jo 3.21,22 - A oração e a obe-
Espírito em oração. diência a Deus.
3 - At 12.11 - 14 - A igreja ora por 3 - 1 Pe 3.7 - O relacionamento
livramento. conjugal e a oração.
4 - At 13.2 - 4 - A oração expande 4 - 2 Cr 1.7 - 12; Tg 1.5 - 7 - A ora-

78
Pr. Josahat Baista
ção sábia é respondida. 3 - Dn 9.19 - 22 - A oração con-
5 - 1 Rs 18.36 - 38 - A oração de- fessional é respondida.
inida e sincera é respondida. 4 - Mc 11.25; Mt 6.15 - A oração
6 - Mc 5.22 - 24,41,42 - A oração abre o caminho para o per-
com espírito quebrantado é dão.
respondida. 5 - Lc 6.28 - Ore pelos calunia-
dores.
Nº 154 – A ORAÇÃO 6 - Lc 23.34 - Ore pelos que o
INTERCESSÓRIA maltratam.
(Ef 6.18).
1 - Mt 15.22 - 28 - A intercessão Nº 156 – O CRENTE QUE
da mulher siro - fenícia. NÃO ORA
2 - Jó 42.10 - A intercessão al- (Js 9.14).
truísta de Jó. 1 - Jn 2.1,2 - O crente deve orar
3 - Lc 23.34 - A intercessão com- na angústia.
passiva. 2 - Jn 2.9,10 - O crente que ora,
4 - Rm 8.34; Hb 7.25 - Cristo in- Deus responde.
tercede pelo seu povo. 3 - Mt 10.16 - O crente que não
5 - Rm 8.26 - O Espírito Santo in- ora, não é prudente.
tercede pelo crente. 4 - 1 Pe 4.7 - O crente que ora é
6 - 1 Tm 2.1 - 4 - Devemos inter- sóbrio e vigilante.
ceder por todos os homens. 5 - Js 9.14,15 - O crente que não
ora, se precipita.
Nº 155 – A ORAÇÃO E A 6 - Pv 12.15 - O crente que não
CONFISSÃO ora, não ouve conselhos.
(Sl 51.10).
1 - Sl 34.18 - A oração com que- Nº 157 – O BOM
brantamento nos aproxima RELACIONAMENTO NA
de Deus. FAMÍLIA
2 - Is 57.15 - A oração contrita (Gn 2.24).
reanima o coração. 1 - Sl 128.3,4 - O modelo da fa-

79
. Es oços – Mensagens diversii adas

mília 1 - 2Tm 2.15 - Homens aprova-


2 - Ef 5.22 - 24 - Submissão na dos por Deus
família 2 - Pv 6.16,19 - Deus abomina os
3 - Ef 5.25 - 28 - Amor sacriical contenciosos
na família 3 - Pv 24.10 - É preciso ter cora-
4 - Ef 6.1 - 3 - Obediência na fa- gem nas tribulações
mília 4 - Rm 8.37 - Mais que vencedo-
4 - Sl 133.1 - A comunhão no âm- res por Cristo
bito familiar 5 - 2 Cr 15.7 - Não desfalecer as
5 - Tt 2.2 - 6 - A família que agra- mãos no trabalho
da a Deus 6 - 1 Co 15.57 - Deus nos dá a
vitória
Nº 158 – A OBEDIÊNCIA
LIVRA DO CATIVEIRO Nº 160 – EDIFICADOS
(Ne 1.3). SOBRE CRISTO
1 - 1 Sm 15.22 - O obedecer é me- (Ef 2.20)
lhor do que o sacriicar 1 - Mt 16.18 - Jesus ediica sua
2 - Cl 3.6 - A desobediência atrai igreja
a ira de Deus 2 - 2 Cr 14.7 - Cidades protegi-
3 - 1 Rs 8.46 - O pecado é causa das com muros
de cativeiro 3 - Hb 11.10 - Deus é o sábio
4 - Ed 9.7 - As iniquidades são construtor
causa de cativeiro 4 - Mt 7.24 - O prudente ediica
5 - 2 Cr 7.14 - A intercessão livra sobre a rocha
do cativeiro 5 - 1 Pe 2.5 - Ediicados como
6 - Sl 126.1,2 - A libertação traz casa espiritual
alegria
Nº 161 – VENCENDO OS
Nº 159 – O CRENTE INIMIGOS
APROVADO (Ne 4.9).
(Ne 2.20). 1 - 2 Rs 17.39 - Deus livra dos

80
Pr. Josahat Baista
inimigos lavra
Terça - Rm 8.37 - Mais que ven- 2 - Rm 12.7 - Ensino com dedi-
cedores por Cristo cação
2 - Êx 14.14 - O Senhor peleja por 3 - Lc 11.28 - São felizes os que
nós ouvem a Palavra
3 - Is 34.8 - A vingança do Se- 4 - Jó 34.3 - O ouvido prova as
nhor predita palavras
4 - Rm 12.21 - Vencendo o mal 5 - Ez 3.3 - Doce como o mel é a
com o bem Palavra de Deus
5 - 1 Co 15.57 - A vitória por nos-
so Senhor Jesus Cristo Nº 164 – ARREPENDIMENTO
E CONVERSÃO
Nº 162 – FUGINDO DO (At 3.19).
ENGANO 1 - Lc 3.8 - Frutos de arrependi-
(Ne 6.3b). mento
1 - Mt 26.41 - Vigiando e orando 2 - Lc 15.7 - Alegria pelo arre-
2 - 2 Cr 15.7 - O trabalho para pendimento
Deus tem uma recompensa 3 - 2 Co 7.9 - Contristados para o
3 - 1 Jo 4.1 - Cuidado com os fal- arrependimento
sos profetas 4 - Hb 12.7 - Arrependimento
4 - Sl 101.7 - Enganador não ica tardio
na Casa de Deus 5 - At 17.30 - Arrependimento
5 - Ef 4.14 - Levados pelo engano para todos
dos trapaceiros
6 - Hb 3.13 - O engano do peca- Nº 165 – JESUS É O SENHOR
do DO SÁBADO
(Mt 12.8)
Nº 163 – A EXCELÊNCIA DA - Êx 31.14 - O sábado é dia santo
LEI para Israel
(Ne 8.2,3). 1 - Êx 31.16,17 - O sábado é con-
1 - Am 8.11 - Fome e sede da Pa- certo perpétuo para Israel

81
. Es oços – Mensagens diversii adas

2 - Mt 12.1 - Os discípulos colhe- lhas torna - se rei


ram espigas no sábado 4 - Sl 34:7 - O que temer ao Se-
3 - Lc 13.16 - Jesus curava no sá- nhor é guardado
bado 5 - Pv 10:9 - O que temer ao Se-
4 - Mc 16.9 - Jesus ressuscitou nhor recebe sabedoria
num domingo
(At 20.7) - Paulo prega no dia do Nº 168 – JESUS CITA DANIEL
Senhor (Mt 24,15).
1 - Gn 3.15 - A Primeira Profecia
Nº 166 – A PROIBIÇÃO DO escatológica
JUGO DESIGUAL 2 - Gn 22.18; 26,4; 28,14; 49.10
(2 Co 6.14). - Um parágrafo Promessa
Segunda - Êx 32.9 - Povo obsti- Abraão
nado para pecar 3 - é 7,14; 9,6; 42,1 - 4; 52,13 - 15
1 - Dt 7.1 - 4 - A proibição do ca- - A predição da Vinda do Rei
samento misto e Redentor
2 - 1 Rs 11.1 - 5 - A perversão 4 - Dn 2.44,45; 7.13,14 - A predi-
pela poligamia ção do reino Vindouro
3 - Tt 2.14 - A igreja é o povo es- 5 - Jr 23,3; É 11,11; Ez 37,1 - 11
pecial de Deus - A Promessa de Restauração
4 - 1 Pe 1.15 - A igreja deve ser de Israel
um povo santo para Deus
Nº 169 – A FIRMEZA DE
Nº 167 – O TEMOR DE DEUS DANIEL
EXALTA (Dn 6.10)
(Ne 5.14,15). 1 - Dn 1.8 - A Fidelidade de Da-
1 - Sl 113.7,8 - O necessitado en- niel
tre os príncipes 2 - Lv 11,43 - 45 - A Alimentação
2 - Et 2.17 - Uma órfã torna - se de Daniel
rainha 3 - Sl 65.5; 118.8,9; Daniel eA
3 - 1 Sm 16.1 - Um pastor de ove- Coniança los Deus

82
Pr. Josahat Baista
4 - Dn 6.10 - A irmeza de Daniel hebreus no Egito
5 - Dn 2.30 - A humildade de 4 - Êx 1.11 - A alição dos he-
Daniel breus
6 - Ez 14.14,20 - Daniel piedosos 5 - Êx 1.13,14 - A opressão do
between OS Povo Escolhido
6 - Jr 33.3 - Deus atende ao cla-
Nº 170 – ESTE É O NOSSO mor do seu povo
DEUS
(Dn 3.17) Nº 172 – CRISTO SUPERIOR
1 - Sl 34.17 - Deus clamamos Á MOISÉS
Ouve quando (Êx 3.14 – Moisés
2 - Sl 68.10 - A bondade de Deus enviado por Deus)
3 - Fp 2,8 - 11 - Jesus, nome sobre 1 - Hb 3.5 - Moisés, um servo iel
todos os nomes 2 - Êx 2.23 - 25 - Deus ouve o cla-
4 - Sl 50.15 - Livra Deus nós do mor do povo
mal 3 - Êx 3.10 - Deus chama Moisés
5 - Sl 59.16 - O Senhor Nos pro- 4 - Êx 4.3 - 8 - Deus conirma a li-
tegido na Angústia derança de Moisés com sinais
6 - Mt 6.13 - Pertencem a Deus o 5 - Êx 5.1 - Moisés diante de Fa-
reino, o Poder e a Glória. raó

Nº 171 – OS PROPÓSITOS Nº 173 – OBRAS DE


DE DEUS JAMAIS SERÃO SATANÁS
FRUSTADOS (Ef 6.11).
(Jó 42.2). 1 - 2Co 11.14 - Satanás engana
1 - Gn 50.25 - vos visitará Deus, pela imitação
e fareis transportar os meus 2 - 1Tm 4.1 - Doutrinas falsas
ossos daqui” vêm de demônios
2 - Gn 50.25 - José não se esque- 3 - Jo 8.44 - A mentira procede
ceu da promessa do Diabo
3 - Êx 1.7 - O crescimento dos 4 - 1Ts 2.18 - Satanás combate a

83
. Es oços – Mensagens diversii adas

obra de Deus 4 - Êx 14.13,14 - “Vede o livra-


5 - 1Co 15.57 - Deus nos dá a vi- mento do Senhor”
tória 5 - Êx 15.1 - A celebração do
povo de Deus
Nº 174 – O ÊXODO DO POVO
DE DEUS Nº 176 – A LEI DE MOISÉS E
(Êx. 12.1 - 11). A GRAÇA
Segunda - Êx 12.5 (Jo 1.16,17).
- Um cordeiro sem 1 - Rm 1.16,17 - O crente vive em
mácula deveria ser Cristo a partir da fé
morto 2 - Gl 4.4,5 - Cristo veio alcançar
1 - Êx 12.7 - Sangue foi aspergi- os que estavam sob a Lei
do nas portas 3 - 1Co 1.30,31 - Cristo - sabe-
2 - Êx 12.29 - 33 - Morte nas fa- doria, justiça, santiicação e
mílias egípcias redenção
3 - Jo 1.29 - O Cordeiro de Deus 4 - Rm 10.8,17 - A fé pela Palavra
que tira o pecado do mundo quando crida e obedecida
4 - 1Jo 1.7 - O sangue puriicador 5 - Gl 2.16 - A justiicação nos
do Cordeiro de Deus vem pela fé em Cristo
5 - Hb 11.28 - Pela fé, Moisés ce-
Nº 177 – O OBREIRO
lebrou a Páscoa
ADMINISTRANDO PARA
Nº 175 – RUMO Á DEUS
LIBERDADE (Êx 28.1).
(Êx 13.17 - Êx 15.2). 1 - Êx 29.44 - Santiicados para o
1 - Êx 13.19 - Uma promessa é ministério
cumprida 2 - Êx 40.13 - 15 - Ungidos para o
2 - Êx 13.21 - Deus protege o seu ministério
povo 3 - Mc 3.13,14 - Jesus chama e
3 - Êx 14.11 - A murmuração do envia para a obra
povo de Deus 4 - 1Pe 5.3 - O obreiro como

84
Pr. Josahat Baista
exemplo para o rebanho 5 - Êx 23.1,2 - Leis acerca do fal-
5 - Rm 15.30 - Oração da igreja so testemunho
pelos obreiros 6 - Êx 23.3 - 9 - Leis acerca da in-
justiça social
Nº 178 – O SANTUÁRIO DE
DEUS Nº 180 – JESUS, SACERDOTE
(Êx 25.8). ETERNO
1 - Êx 29.45,46 - Deus habita no (Hb 6.20).
meio do seu povo 1 - Hb 5.1 - 9 - A superioridade
2 - Êx 25.10 - 16 - A Arca de ma- do sacerdócio de Jesus
deira de cetim 2 - Hb 5.10 - Sacerdote segundo
3 - Êx 25.17 - 22 - O propiciatório a ordem de Melquisedeque
de ouro puro 3 - Hb 7.1 - 4 - Figura do sacer-
4 - Êx 25.23 - 30 - A mesa de ma- dócio eterno de Cristo
deira de cetim 4 - Hb 7.26 - Jesus, Sacerdote
5 - Êx 26.1 - 14 - As cortinas do Santo
Tabernáculo 5 - Ap 1.6 - Cristo nos fez reis e
6 - Êx 26.31 - 33 - O véu do Ta- sacerdotes do Altíssimo
bernáculo
Nº 181 – MOISÉS FOI
Nº 179 – A LEI DE DEUS É USADO POR DEUS
JUSTA (Dt 34.7).
(Sl 94.15). 1 - Êx 6.20 - A família de Moisés
1 - Êx 21.1 - 16 - Leis acerca dos 2 - Dt 33.1 - 29 - A última bênção
servos e dos homicidas de um líder
2 - Êx 21.17 - Lei acerca de quem 3 - Lc 24.27,44,45 - Moisés, pro-
amaldiçoar os pais feta messiânico
3 - Êx 21.18,19 - Lei acerca de 4 - At 3.22,23 - Moisés, tipo de
quem fere uma pessoa Cristo
4 - Êx 22.1 - 15 - Leis acerca da 5 - Dt 32.1 - 47 - O último cântico
propriedade de Moisés

85
. Es oços – Mensagens diversii adas

6 - Dt 34.1 - 5 - Moisés vê a Terra homem de Deus


Prometida e morre 5 - At 1.25 - A apostasia exem-
pliicada
Nº 182 – A ADORAÇÃO NA 6 - Hb 6.11,12 - A apostasia pode
ANTIGA E NOVA ALIANÇA ser evitada
(Hb 9.1 - 5, 14,15,22
- 28). Nº 184 – A VIDA DE ELIAS
1 - Hb 9.22: Os utensílios do cul- (2 Rs 1.7,8).
to na Antiga Aliança 1 - 1 Rs 18.36 - O Deus de Elias
2 - Hb 9.4: O culto, os oiciantes 2 - 1 Rs 18.41 - 45 - A fé de Elias
e a liturgia na Antiga Aliança 3 - 1 Rs 17.1 - A vocação de Elias
3 - Hb 9.14: Uma redenção eter- 4 - 2 Rs 9.35,36 - A natureza do
na pelo sangue do Cordeiro ministério de Elias
4 - Hb 9.14,15: Uma consciência 5 - 1 Rs 18.18 - A função social
limpa pelo sangue de Cristo do profeta Elias
5 - Hb 9.15,22: Uma herança 6 - Mt 17.10 - 13 - O lugar de
eterna pelo sangue de Jesus Elias nas Escrituras
6 - Hb 9.28: Uma promessa glo-
riosa pelo sacrifício do Filho Nº 185 – A LONGA SECA
de Deus SOBRE ISRAEL
(2 Cr 7.14).
Nº 183 – UM MAL 1 - 1 Rs 18.21 - O que motivou a
CHAMADO APOSTASIA estiagem
(1 Rs 16.31). 2 - 1 Rs 18.2 - As consequências
1 - Hb 6.4,5,6 - A apostasia como da estiagem
um perigo real 3 - 1 Rs 18.39 - As lições deixa-
2 - 1 Tm 4.1 - A apostasia possui das pela estiagem
seus agentes 4 - 1 Rs 17.4; 18.13 - As provisões
3 - 2 Ts 2.3,12 - A apostasia está de Deus durante a estiagem
sujeita ao juízo divino 5 - 1 Rs 17.1; 18.1 - O lugar da
4 - Hb 3.12 - A apostasia afasta o profecia na estiagem

86
Pr. Josahat Baista
6 - Tg 5.17,18 - A soberania de 5 - 1 Rs 19.4,5,6 - Elias, um ho-
Deus na estiagem mem em autocomiseração
6 - 1 Rs 19.7 - Elias, um homem
Nº 186 – O CONFRONTO DE sob os cuidados divinos
ELIAS E OS PROFETAS DE
BAAL Nº 188 – PROVISÃO DE
(1 Rs 18.21). DEUS NO MINISTÉRIO DE
1 - 2 Rs 1.2,3 - Rejeitando os fal- ELIAS
sos deuses 1 - 1 Rs 17.4 - Provisão em Que-
2 - 1 Rs 18.19 - Rejeitando os fal- rite
sos profetas 2 - 1 Rs 17.12 - Escassez em Sa-
3 - 2 Rs 10.11 - Rejeitando os fal- repta
sos sacerdotes 3 - 1 Rs 17.13 - Deus em primeiro
4 - Êx 12.38 - Rejeitando o sincre- lugar
tismo religioso 4 - 1 Rs 17.14 - A suiciência di-
5 - 1 Rs 18.21 - Rejeitando a falsa vina
adoração 5 - 1 Rs 17.19 - O poder da ora-
6 - 1 Rs 18.24 - Promovendo a ção intercessória de Elias
verdadeira adoração 6 - 1 Rs 17.21 - O poder da ora-
ção perseverante
Nº 187 – OS CONFLITOS DE
UM PROFETA Nº 189 – O PERIGO DA
(2 Co 4.8,9). COBIÇA
(Gl 6.7).
1 - Tg 5.18 - Elias, um homem
espiritual 1 - Mc 7.22 - 23 - A raiz da cobiça
2 - Tg 5.17 - Elias, um homem 2 - Ef 5.5 - Fruto da cobiça
sentimental 3 - Êx 10.17 - Advertência contra
3 - 1 Rs 19.3 - Elias, um homem a cobiça
em fuga 4 - Gn 31.41 - A cobiça exempli-
4 - 1 Rs 19.4 - Elias, um homem icada
em isolamento 5 - Pv 28.20 - Consequência da
cobiça

87
. Es oços – Mensagens diversii adas

6 - Is 57.17 - Julgamento da co- 6 - Lc 9.29 - O Messias exaltado


biça
Nº 192 – OS MILAGRES DE
Nº 190 – A CHAMADA DE ELISEU
ELIAS (2 Rs 8.4).
(2 Rs 3.11). 1 - 2 Rs 4.43 - A multiplicação
1 - 1 Rs 19.16 - A origem da cha- dos pães
mada 2 - 2 Rs 7.1 - Abundância de ví-
2 - 1 Rs 19.20 - A exclusividade veres
da chamada 3 - 2 Rs 4.36,37 - A ressurreição
3 - 1 Rs 19.21 - O custo da cha- do ilho da sunamita
mada 4 - 2 Rs 6.6 - O machado lutuan-
4 - 2 Rs 2.14 - A autoridade da te
chamada 5 - 2 Rs 2.21,22 - As águas de Je-
5 - 2 Rs 3.13,14 - Os inimigos da ricó
chamada 6 - 2 Rs 5.14 - A cura de Naamã
6 - 2 Rs 2.15 - Os resultados da
chamada Nº 193 – A EDUCAÇÃO NOS
DIAS DO PROFETA ELISEU
Nº 191 – O TESTEMUNHO (2 Tm 2.1,2).
DO MESSIAS PROMETIDO 1 - 2 Rs 6.1 - Educação e insti-
(Mt 17.2,3). tuição
1 - Mt 17.3 - O Messias e a tipo- 2 - 2 Rs 6.3 - Educação e função
logia 3 - 1 Rs 9.1 - Educação e treina-
2 - Mt 17.10 - O Messias e a es- mento
catologia 4 - 2 Rs 6.6 - Educação e encora-
3 - Mt 17.12 - O Messias rejeita- jamento
do 5 - 2 Rs 4.36,37 - Educação e ex-
4 - Lc 9.35 - O Messias esperado perimento
5 - Mc 9.12 - O Messias humilha- 6 - 2 Rs 5.26 - Educação e exem-
do plo

88
Pr. Josahat Baista
Nº 194 – A TRAJETÓRIA SAUDÁVEL E FELIZ
FINAL DE ELISEU (Sl 42.5).
(2 Rs 13.21). 1 - Mt 11.28 - 30 - Jesus, alívio
1 - 2 Rs 13.20 - A transitoriedade para o cansado e oprimido
da vida - 2 - 2 Co 1.3,4 - O consolo de Deus
2 - 2 Rs 13.14 - O sofrimento hu- em meio à tribulação
mano 3 - Jó 19.25,26 - Fé em meio às
3 - 2 Rs 13.17 - O lado divino na diiculdades
profecia 4 - Sl 91.2 - Deus, nosso refúgio
4 - 2 Rs 13.18 - O lado humano 5 - Sl 121.3 - A proteção divina
na profecia 6 - Sl 125.1 - Os que coniam no
5 - 2 Rs 13.21 - O justo abençoa Senhor não se abalam
em todo tempo
6 - 2 Rs 13.23,25 - A idelidade Nº 197 – TEMOR E
de Deus SABEDORIA
(Pv 1.7).
Nº 195 – AS AUTORIDADES 1 - Pv 1.2 - A sabedoria revela
VÊM DE DEUS prudência
(Rm 13.1). 2 - Pv 1.3 - A sabedoria oferece
1 - 1 Sm 16.1b - Um rei provido justiça, juízo e equidade
por Deus 3 - Pv 1.4 - A sabedoria traz co-
2 - Dn 2.47 - Deus domina os rei- nhecimento
nos 4 - Pv 1.5 - A sabedoria gera sá-
3 - Mt 22.21 - A Deus o que é de bios conselhos
Deus 5 - Pv 1.6 - A sabedoria interpre-
4 - Jo 19.11 - De Deus vem a au- ta a vida
toridade
5 - 1 Tm 2.2 - Orando pelas au- Nº 198 – OS ATRIBUTOS DA
toridades SABEDORIA
1 - É poderosa (Jó 36:5).
Nº 196 – UMA VIDA 2 - É universal (Jó 28:24; Dan.

89
. Es oços – Mensagens diversii adas

2:22 e Atos 15: 18). 3 - As suas obras e a sua pala-


3 - É ininita (Sal 147:5 e Rorn, vra são sempre verdade (SI
11:3). 119.160).
4 - É insondável (Isa. 40:28 e 4 - “..A verdade do Senhor é
Rom. 11:33). para sempre...” (SI 117.2b).
5 - É maravilhosa (Sal. 139:6). 5 - “se estende de geração a ge-
ração” (SI 100.5).
Nº 199 – A VERDADEIRA
SABEDORIA 6 - “Sempre seja Deus verdadei-
1 - Ultrapassa a compreensão ro” (Rm 3.4).
humana (Sal 139:6).
2 - É incomparável (Isa. 44:7 e Nº 201 – DEUS É FIEL
Jer. 10:7). 1 - Deus é iel na sua chamada (1
3 - Não é derivada (ver Jó 21:22 Co 1.9).
e Isa. 40:44). 2 - Ele é iel quando o pecador
4 - O evangelho contém os te- vem confessando o seu peca-
souros da sabedoria divina (I do (1 Jo 1.9).
Cor. 2:7). 3 - Ele é iel para guardar (2 Ts
5 - A sabedoria dos santos é de- 3.3).
rivada da sabedoria de Deus 4 - Ele é iel ao sermos tentados
(Esd. 7: 25). 13. (1 Co 10.13).
6 - Toda a sabedoria humana 5 - Ele é iel quanto às suas pro-
deriva da sabedoria divina messas (Hb 10.23).
(ver Dan. 2:2). 6 - Ele é também iel quando o
crente padece (1 Pe 4.19).
Nº 200 – DEUS, 7 - Sua idelidade chega até as
VERDADEIRO mais altas nuvens (SI 36.5).
(SI 31.5).
1 - Deus é a própria verdade (Jr Nº 202 – DEUS É SANTO
10.10; Dt 32.4; SI 31.5). (1 Pe 1.16; Lv 19.2;
2 - A verdade é a substância da 20.7; SI 99.6,9).
sua Pessoa (1 Jo 5.20; Jo 17.3). 1 - A Bíblia dá a Deus o nome

90
Pr. Josahat Baista
“Santo’’ (SI 99.3). 5 - Ele não pode tolerar o pecado
2 - Ele é chamado “...o Santo de (Hb 1.13).
Israel...” (SI 89.18b). 6 - Por isto “as vossas iniquida-
3 - Só no livro de Isaías é este des fazem divisão entre vós
nome usado 30 vezes (Is 1.4 e o vosso Deus: e os vossos
etc.). pecados encobrem o seu ros-
4 - Deus diz: “...Assim diz o alto, to de vós, para que vos não
o sublime que habita na eter- ouça’’ (Is 59.2).
nidade e cujo nome é San-
to...” (Is 57.15a). Nº 204 – A MISERICÓDIA DE
5 - A Bíblia diz que Deus é glo- DEUS
riicado na sua santidade (Êx 1 - Deus é chamado “o Pai da
15.11). misericórdia” (2 Co 1.3).
6 - A glória de Deus são raios da 2 - A Bíblia diz que Ele é riquís-
sua santidade, e nós o adora- simo em misericórdia (Ef 2.4).
mos na beleza da sua santida- 3 - A misericórdia que Ele mos-
de (SI 29.2; 96.8,9). tra, perdoando ao pecador é
pelos méritos de Jesus Cristo
Nº 203 – A SANTIDADE DE (Tt 3.5; 1 Pe 1.3).
DEUS E OS HOMENS 4 - Pelo seu amor, Ele se mostra
(Is 6.3b; Ap 4.8). longânimo (1 Pe 3.20).
1 - “...Sede santos porque eu sou 5 - Esperando com paciência que
santo” (1 Pe 1.16b). o pecador aceite o seu convite
2 - Ele deseja que “...sirvamos (Rm 2.4).
a Deus de modo agradável,
Nº 205 – A GRAÇA DE DEUS
com reverência e santo te-
1 - Manifestou por intermédio
mor” (Hb 12.28b).
do sacrifício do seu Filho (2
3 - Na sua santidade Deus, po-
Tm 1.9; 2 Co 8.9).
rém, sente tristeza e zelo (Dt
2 - Trazendo salvação a todos os
32.4; Rm 10.2).
homens (Tt 2.11).
4 - Deus ama a justiça e aborrece
3 - A Bíblia diz: “por um ato
a iniquidade (Hb 1.9).

91
. Es oços – Mensagens diversii adas

de justiicação de vida” (Rm 3 - Pv 3.13 - 15 - O conhecimento


5.18). gera prosperidade
4 - “...Onde o pecado abundou, 4 - Pv 22.13; 24.34 - A preguiça
superabundou a graça” (Rm afasta a prosperidade
5.20b). 5 - Pv 24.30 - A preguiça gera
5 - “Graças a Deus, pois, pelo displicência
seu dom inefável” (2 Co 9.15). 6 - Pv 30.25 - Poupar também é
prosperar
Nº 206 – FUGINDO DO
ADULTERO Nº 208 – UMA SÓ LEI
(Pv 5.15,18). 1 - Êx 34.28 - Os Dez Manda-
1 - Pv 5.3,4 - A ilusão do adul- mentos são chamados de “tá-
tério buas do concerto”
2 - Pv 5.7,8 - Prevenção contra o 2 - Ne 8.1,2,8,18 - A lei de Moisés
adultério e a lei do Senhor não são duas
3 - Pv 5.9 - 12 - As consequências leis distintas
do adultério 3 - Lc 2.22,23 - Não há diferença
4 - Pv 7.13 - A falsa delicadeza entre a Lei de Moisés e a Lei
da adúltera do Senhor
5 - Pv 5.1; 6.20; 7.1 - O conselho 4 - Mc 12.28 - 32 - Os dois maio-
previne o adultério res mandamentos não fazem
6 - Pv 5.15 - 19 - A saudável inti- parte da alegada lei moral
midade do casal 5 - Mt 5.17,18 - O Senhor Jesus
cumpriu toda a lei e a sua Pa-
Nº 207 – A VERDADEIRA lavra permanece para sempre
PROSPERIDADE 6 - Jo 1.17 - A lei e a graça são
(Pv 10.22). os dois lados opostos de uma
mesma moeda
1 - Pv 10.22 - A bênção do Se-
nhor prospera Nº 209 – EXEMPLO DE
2 - Pv 3.9,10 - A generosidade LEALDADE
gera prosperidade (1Sm 18.3).

92
Pr. Josahat Baista
1 - Dt 3.22: Deus peleja pelo seu 1 - Hc 1.3,4: Um profeta entris-
povo tecido em meio à crise de vio-
2 - Pv 17.17: Na angústia nasce lência e corrupção
o irmão 2 - Hc 2.2: A resposta de Deus
3 - Pv 18.24: Amigo mais chega- em meio à crise
do que um irmão 3 - Hc 1.13: Deus usa o ímpio,
4 - Pv 27.10: Um amigo não em meio à crise, como instru-
abandona o outro mento de correção
5 - Jo 11.11: Um amigo de Jesus 4 - Hc 3.17,18: A fé na provisão
6 - 1Sm 26.23: O Senhor paga a de Deus em tempos de crise
lealdade 5 - Hc 3.19: Deus é a nossa força
em tempos de crise
Nº 210 – MANSIDÃO, UMA
VIRTUDE Nº 212 – A CRISE É
(Pv 15.1). PASSAGEIRA
1 - Nm 12.3: Moisés era manso e (1 Jo 2.17).
equilibrado 1 - Jo 10.10; Vida abundante em
2 - Gl 5.22: A temperança é fruto meio a um mundo em crise
do Espírito 2 - 2 Co 9.8: Toda a suiciência
3 - Pv 16.32: O longânimo gover- em meio a um mundo em cri-
na o seu espírito se
4 - Mt 11.29: Jesus, o Mestre da 3 - Ef 3.20: O poder abundante
mansidão e da humildade de Deus em meio a um mun-
5 - Mt 5.9: Os paciicadores são do em crise
chamados ilhos de Deus 4 - Fp 4.19: Deus suprirá todas
6 - Tg 3.18: O fruto da justiça é as coisas em meio a um mun-
para os que exercitam a paz do em crise
5 - Sl 132.15: Deus farta de pão
Nº 211 – O o necessitado em meio a um
QUESTIONAMENTO DE mundo em crise
HABACUQUE 6 - Jo 10.11: O Bom Pastor cui-
(Hc 1.1,2). da de suas ovelhas em meio a

93
. Es oços – Mensagens diversii adas

um mundo em crise 4 - Gn 22.9: A obediência do i-


lho e a provisão no monte do
Nº 213 – A FÉ DE ABRAÃO sacrifício
EM DEUS, O FEZ 5 - Gn 22.13,14: O cordeiro subs-
VENCEDOR tituto no monte do sacrifício
(Hb 11.8). 6 - Gn 22.17: A bênção de Deus
1 - Gn 12.1: Deus separa e chama no monte do sacrifício
Abraão
2 - Gn 12.2,3: A promessa divina Nº 215 – A PRECIPITAÇÃO
na vida de Abraão GERA CRISE
3 - Gn 12.4,5: Abraão parte acre- (Pv 14.29).
ditando na promessa 1 - Pv 29.20: A precipitação é
4 - Gn 12.7: Deus conirma a loucura e gera crise
promessa na vida de Abraão 2 - Gn 13.10: A escolha precipi-
5 - Gn 15.2: Abraão tem que tada de Ló leva à crise
aguardar a promessa de Deus 3 - Gn 14.16: A escolha precipi-
em sua vida tada de Ló e o seu resgate
6 - Gn 22.1,2: A difícil prova que 4 - Jó 12.13: Os conselhos de
Abraão teve que enfrentar Deus nos livram das crises
5 - Sl 1.1 - 3: Meditar nos con-
Nº 214 – OBEDIÊNCIA E selhos de Deus nos faz pros-
PROVISÃO perar
(Gn 22.8). 6 - Pv 16.1: A resposta certa vem
1 - Gn 22.3: A obediência de de Deus e nos livra das crises
Abraão e a provisão no mon-
te do sacrifício Nº 216 – PROVISÃO EM
2 - Gn 22.6: Um altar é erguido MEIO Á CRISE
no monte do sacrifício (Gn 26.2)
3 - Hb 11.18: A fé do patriarca 1 - Gn 26.3,4: A promessa de
e a provisão no monte do sa- Deus em meio à crise
crifício 2 - Gn 26.5: Obedecendo a voz

94
Pr. Josahat Baista
de Deus e os seus preceitos 2 - Rt 1.3: Noemi enfrenta a mor-
em meio à crise te em sua família
3 - Gn 26.19: Encontrando águas 3 - Rt 1.6,7: O triste regresso de
vivas em meio à crise Noemi em meio à crise
4 - Gn 26.21: Cavando poços em 4 - Rt 2.1,2: O trabalho de Rute
meio à crise em meio à crise
5 - Gn 26.22: A bênção do Senhor 5 - Rt 2.8,9: Provisão divina e
em meio à crise cuidado em meio à crise
6 - Gn 26.24: Em meio à crise não 6 - Rt 4.13: A bênção do casa-
temas, conie em Deus mento em meio à crise

Nº 217 – O DEUS DE JOSÉ Nº 219 – O DEUS DE ELISEU


(Gn 39.2). (Dt 10.17,18).
1 - Gn 37.3,4: Uma túnica colori- 1 - 2 Rs 2.8: Eliseu divide as
da e a crise de inveja águas do Jordão
2 - Gn 37.6 - 8: Um sonho e o iní- 2 - 2 Rs 4.1 - 7: Eliseu multiplica
cio de várias crises o azeite da viúva de um dos
3 - Gn 37.22: Um plano perverso ilhos dos profetas
e a crise da cova 3 - 2 Rs 4.19 - 35: Eliseu ressus-
4 - Gn 37.28: Da crise da cova cita o ilho de uma sunamita
para a crise da escravidão 4 - 2 Rs 4.42 - 44: Eliseu multipli-
5 - Gn 39.20: Da crise da escra- cou os pães para cem homens
vidão para a crise do cárcere 5 - 2 Rs 5.9 - 14: Eliseu indicou a
6 - Gn 39.21: A bênção de Deus e cura da lepra de Naamã
a sua benignidade em tempos 6 - 2 Rs 6.6,7: Eliseu fez o macha-
de crise do lutuar

Nº 218 – 0 DEUS DE RUTE Nº 220 – ADORANDO A


(Rt 4.14). DEUS EM MEIO Á CRISE
1 - Rt 1.1: A fome leva uma famí- (Sl 136.1).
lia a deixar Belém 1 - 2 Cr 20.3: O medo diante da

95
. Es oços – Mensagens diversii adas

crise 1 - 1 Rs 1.1,5: A velhice de Davi e


2 - 2 Cr 20.4: Um pedido de so- a crise no reino com a sedição
corro em meio à crise de Adonias
3 - 2 Cr 20.9: Clamor e angústia 2 - 1 Rs 1.11,15 - 17: A ação de
em meio à crise Bate - Seba em meio à crise.
4 - 2 Cr 20.12: Mantendo os olhos 3 - 1 Rs 1.39: Salomão é ungido
em Deus em meio à crise rei em meio à crise.
5 - 2 Cr 20.15: O socorro de Deus 4 - 1 Rs 2.1 - 4: Conselhos de um
em meio à crise pai para evitar a crise no fu-
6 - 2 Cr 20.17: Deus se faz pre- turo.
sente em meio às crises 5 - 1 Rs 3.9: O pedido de Salo-
mão para evitar as crises.
Nº 221 – O SOCORRO DE 6 - 1 Rs 3.28: A sabedoria de
DEUS Deus para fazer justiça e evi-
(Sl 34.17). tar as crises.
1 - Et 1.1 - 8: Um banquete rico e
glorioso Nº 223 – APRENDENDO
2 - Et 1.9; O banquete oferecido COM O APÓSTOLO PAULO
por uma rainha (Fp 4.13).
3 - Et 1.10,11: Um rei bêbado e 1 - Fp 4.11: Aprendendo a se
uma crise contentar com o que tem
4 - Et 1.12:: A rainha recusa a or- 2 - Fp 4.12: Aprendendo a ser
dem do rei bem - sucedido em todas as
5 - Et 2.19: Uma nova rainha circunstâncias
deve ser escolhida 3 - Fp 4.19: Aprendendo a espe-
6 - Et 3.11,13: Uma crise para ex- rar no Deus que supre as nos-
terminar os judeus sas necessidades
4 - Fp 1.21: Aprendendo que
Nº 222 – DEUS CONCEDE para o crente tudo é ganho
A DAVI SABEDORIA NA 5 - 2 Co 1.3,4: Aprendendo com
CRISE o Deus de misericórdia e de
(Pv 2.6). toda a consolação

96
Pr. Josahat Baista
6 - 2 Co 1.8 - 10: Aprendendo a 3 - Mq 4.3,4 - Haverá paz entre
coniar em Deus em tempos povos e nações
de crise 4 - Is 32.16,17 - Haverá paz e jus-
tiça em plenitude
Nº 224 – O PRIMEIRO 5 - Is 11.6 - 9 - Haverá paz até na
EVANGELISTA criação em geral
(Gn 3.15). 6 - Cl 3.4 - Os salvos estarão em
1 - Gn 3.15: Deus anuncia a sua glória com o seu Salvador
admirável redenção a Adão
2 - Gn 6.18: Deus proclama a Nº 226 – ISRAEL NA
maravilhosa ‘ salvação a Noé GRANDE TRIBULAÇÃO
3 - Gn 12.1,2: Deus prega o Evan- (Ap 12.11).
gelho ao patriarca Abraão 1 - Ap 6.7 - 17 - O sofrimento na
4 - 2 Sm 7.16: Deus promete o terra sob os selos de juízo di-
Messias à casa do amado rei vino
Davi 2 - Ap 8.7 - 13 - Mais sofrimento
5 - Is 7.14: Deus revela de forma na terra sob as trombetas de
maravilhosa a concepção vir- juízo divino
ginal do Messias 3 - Ap 9.1 - 12 - Seres infernais
6 - Lc 2.10,11: Os anjos de Deus atormentadores
noticiam o nascimento de 4 - Ap 13.1 - 10 - O Anticristo e a
Cristo Grande Tribulação
5 - Ap 16.1 - 21 - Os piores sofri-
Nº 225 – O ANÚNCIO DO mentos sob as taças de juízo
MILÊNIO divino
(Zc 14.9). 6 - Ap 19.11 - 21 - Cristo volta
1 - Mt 6.10 - O Milênio é ansio- em glória, majestade e poder
samente esperado pelo povo vencedor
de Deus
2 - Ap 20.4 - 6 - Os salvos reina- Nº 227 – O TEMPO DA
rão com Cristo no Milênio GRANDE TRIBULAÇÃO
(Dn 9.24 - 27).

97
. Es oços – Mensagens diversii adas

1 - Fp 4.5; Hb 10.37; Tg 5.8 - A “dia da angústia de Jacó” - Ez


proximidade da vinda de 37.21 - 28; Jr 30.9; Ez 34.23; Os
Cristo 3.5
2 - Is 2.12; 13.6,9; At 2.20; 1 Ts
5.2; 2 Ts 2.2 - A Grande Tri- Nº 229 – PROFECIAS
bulação faz parte do Dia do ESCATOLÓGICAS ACERCA
Senhor DO MESSIAS
3 - 2 Ts 2.1 - 8 - Quem impede (Hc 2.3).
a manifestação do Anticristo 1 - A primeira profecia escatoló-
agora gica - Gn 3.15; Ap 12.9; 20.2
4 - 1 Jo 4.3 - O espírito do Anti- 2 - A promessa do Redentor vin-
cristo douro - Gn 3.15; 22.18; 26.4;
5 - Ap 13.1 - 8 - A manifestação 28.14; 49.10; 2 Sm 7.12,13
do Anticristo 3 - A predição do futuro Rei e
Redentor - Is 7.14; 9.6; 42.1 -
Nº 228 – ISRAEL, O RELÓGIO 4; 49.5 - 7; 52.13 - 15
DE DEUS 4 - A predição dos sofrimentos
(Jr 24.6). de Jesus - Is 53
1 - Predição sobre a dispersão de 5 - A predição do Reino vindou-
Israel - Lv 26.33,36,37 ro do Senhor - Dn 2.44,45;
2 - As promessas de Deus ao pai 7.13,14
da nação israelita, Abraão Gn 6 - A restauração de Israel - Jr
12.1,2,7; 17.8 23.3; Is 11.11; Ez 37.1 - 11; Jl
3 - Deus é iel às suas promessas 2.28,29.
- Dt 7.9; 32.9 - 11; Sl 89.1
4 - Predição da volta de Israel à Nº 230 – A ESSÊNCIA DO
sua terra - - Jr 24.6; Ez 36.24,28 VERDADEIRO CULTO
5 - A promessa de restauração (1 Cr 16.29).
material e espiritual de Israel 1 - 1 Sm 16.17,18 - Davi, um ado-
- Am 9.14,15; Jl 2.28 - 32; Ez rador
34.27,28; Jr 31.28 2 - 1 Cr 16.1 - Um lugar de ado-
6 - A restauração de Israel no

98
Pr. Josahat Baista
ração sobre a família de Davi
3 - 1 Cr 16.4 - Levitas separados 4 - 2 Sm 15.6 - Um ilho rebelde
para o louvor 5 - 2 Sm 12.16; 1 Cr 29.19 - A ora-
4 - Sl 29.2 - Adorando a Deus ção de um pai em favor de
com intensidade seu ilho
5 - Sl 33.2 - Adorando com ins- 6 - Pv 23.13 - A disciplina dos
trumentos musicais ilhos
6 - Ap 22.9 - Adorar somente a
Deus Nº 233 – CONFISSÃO E
ABANDONO
Nº 231 – INDIFERENTE Á (2 Sm 12.13).
TENTAÇÃO 1 - Jó 22.23 - Deus restaura o que
(2 Sm 11.1). se arrepende
1 - 1 Co 10.13 - A tentação sobre- 2 - Sl 19.7 - A Palavra de Deus
vem a todos restaura a alma
2 - 1 Pe 5.8 - É preciso vigiar 3 - Is 57.18 - Deus restaura os ca-
3 - 2 Tm 2.22 - Fuja da tentação minhos do pecador
4 - Tg 1.12 - 15 - A tentação vem 4 - Mq 7.18,19 - Deus perdoa e
de maus desejos interiores “esquece”
5 - 1 Cr 21.1 - Satanás, o tentador 5 - Hb 8.12 - A misericórdia di-
6 - Tg 4.7 - Resistindo ao tenta- vina
dor 6 - Sl 32.1,2 - O perdão traz a
verdadeira alegria
Nº 232 – A FALTA DE ÊXITO
NA FAMÍLIA DE DAVI Nº 234 – DEUS É COM DAVI
(1 Tm 3.4). (2 Sm 5.10).
1 - 2 Sm 6.16 - O injusto despre- 1 - 2 Sm 5.1 - 3 - Davi é constituí-
zo de uma esposa do rei de todo o Israel
2 - 2 Sm 11.1 - 4; Êx 20.14 - Adul- 2 - 2 Sm 8.1 - 8 - Davi conquista
tério, o inimigo do lar as nações vizinhas
3 - 2 Sm 12.11 - O juízo divino 3 - 2 Sm 7.10,11 - A promessa de

99
. Es oços – Mensagens diversii adas

Deus a respeito dos inimigos amável e benevolente


4 - 2 Sm 8.15 - Um reino compro- 4 - 1 Sm 26.1 - 25 - Davi, um líder
metido com a justiça que sabia respeitar e perdoar
5 - 2 Sm 23.8 - 39 - Um reino com 5 - 1 Sm 17.34 - 37 - Davi, um lí-
muitos valentes der corajoso e responsável
6 - 2 Sm 5.12 - Um reino conir- 6 - Sl 37.7 - Davi, um líder que
mado pelo Senhor descansava em Deus

Nº 235 – REINO UNIDO Nº 237 – DAVI ESPERAVA


(2 Sm 3.9,10). EM DEUS
1 - 1 Sm 15.23 - Um reinado re- (1 Sm 24.6).
jeitado 1 - Sl 25.3 - Os que coniam não
2 - 2 Sm 1.25,27 - A morte dos se confundem
valentes 2 - Sl 37.7 - A Bíblia aconselha
3 - 2 Sm 2.7 - Buscando a unida- esperar em Deus
de do reino 3 - Is 40.31 - Novas forças para
4 - 2 Sm 5.1,2 - Um reino unii- os esperançosos
cado 4 - Is 64.4 - O favor divino para
5 - 2 Sm 5.12 - O reinado de Davi os que esperam
é conirmado 5 - Mq 7.7 - Esperando a salva-
6 - Mt 12.25 - O reino dividido ção que vem de Deus
está fadado à destruição 6 - Hb 11.1 - O esperar com fé

Nº 236 – OS LIDERADOS DE Nº 238 – A CONDUTA SÁBIA


DAVI E SUA LIDERANÇA DE DAVI
(1 Sm 22.2). (1 Sm 18.5).
1 - 1 Sm 16.13 - Davi, um líder 1 - Pv 14.15 - Davi, um homem
cheio do Espírito do Senhor prudente
2 - At 13.22 - Davi, um líder se- 2 - Pv 18.15 - Davi, um homem
gundo o coração de Deus sábio
3 - 1 Cr 19.2 - Davi, um líder 3 - Os 14.9 - Davi, um homem de

100
Pr. Josahat Baista
discernimento procedem de Deus
4 - Jó 28.28 - Davi, um homem 4 - 1 Co 7.20 - 24 - Diferentes vo-
temente a Deus cações, um chamado
5 - Pv 3.13 - Davi, um homem 5 - Ef 1.18 - A esperança da nos-
bem - aventurado sa vocação
6 - Pv 10.19 - Davi, um homem 6 - Fp 3.14 - A soberana vocação
de lábios moderados
Nº 241 – A MALDADE DA
Nº 239 – O DESAFIO DA INVEJA
DAVI A GOLIAS (Pv 14.30).
(1 Sm 17.45). 1 - Sl 37.1 - 3 - Pratique a bon-
1 - 2 Co 10.4 - Armas espirituais dade
poderosas 2 - Pv 23.17 - Não seja invejoso
2 - Ef 6.17 - A espada do Espírito 3 - Fp 1.15 - Pregar por inveja e
3 - Rm 13.12 - Armas espirituais disputa
da luz 4 - 1 Sm 2.22 - 25 - As maldades
4 - Ef 6.13 - 17 - A armadura de dos ilhos de Eli
Deus 5 - Pv 11.19,20 - Deus abomina a
5 - Sl 41.2 - A proteção divina em maldade
meio à batalha 6 - Ez 36.33 - Deus puriicará o
6 - Rm 8.37 - Mais que vencedo- seu povo de toda a maldade
res
Nº 242 – ADORANDO Á
Nº 240 – O PROPÓSITO DA DEUS NAS PERDAS
VOCAÇÃO DE DAVI (Jó 1.21).
(1 Sm 13.14). 1 - Jó 1.1 - 22 - As perdas na vida
1 - Hb 3.1 - A vocação celestial e de Jó
os ilhos de Deus 2 - Jó 1.13 - 15 - Jó perde seu gado
2 - 2 Tm 1.9 - A vocação cristã é 3 - Jó 1.16 - Jó perde seu rebanho
santa 4 - Jó 1.17 - Jó perde os camelos e
3 - Tg 1.17 - As vocações divinas funcionários

101
. Es oços – Mensagens diversii adas

5 - Jó 1.18,19 - Jó perde seus i- 5 - 2 Tm 3.2 - A desobediência


lhos como sinal do im
6 - Jó 42.10,12 - Deus restaura a 6 - Êx 20.12 - Obediência como
sorte de Jó fonte de vida

Nº 243 – VIDA FINANCEIRA Nº 245 – ADVERTÊNCIA


BEM - SUCEDIDA AOS CÔNJUGES
(Sl 128.1,2). (1 Pe 3.1).
1 - Is 55.2 - A repreensão por 1 - Gn 2.18,22 - 24 - A primeira
causa do desperdício família
2 - Pv 3.9 - Honrando a Deus 2 - Pv 14.1 - A sabedoria da mu-
com os haveres lher
3 - Lc 3.14 - Contentando - se 3 - Mc 10.6 - 12 - O ensino acerca
com o salário do divórcio
4 - Pv 1.19 - A cobiça aprisiona 4 - At 16.1,2; 2 Tm 1.5 - Evange-
a alma lismo no lar
5 - Rm 13.8 - Não contraia dívi- 5 - Mt 5.13 - Sal da terra
das 6 - Ef 5.8 - Filhos da Luz
6 - Pv 11.15 - Fugindo da iança
e das dívidas Nº 246 – A PROVISÃO MEIO
Á ESCASSEZ
Nº 244 – A EDUCAÇÃO DOS (Sl 37.25).
FILHOS 1 - Êx 16.15 - A provisão no An-
(Pv 22.6). tigo Testamento
1 - Sl 127.3 - Filhos, herança do 2 - 2 Rs 4.42 - 44; Jo 6.5 - 13 - O
Senhor Deus que multiplica
2 - Pv 23.13,14 - A necessidade 3 - 1 Rs 17.8 - 16 - O Deus da pro-
da disciplina visão
3 - Pv 29.17 - Disciplina e obe- 4 - At 4.32,36,37 - A provisão em
diência o Novo Testamento
4 - Ef 6.4 - Disciplina e conselho 5 - 2 Co 8.14; Ef 4.28 - A provisão

102
Pr. Josahat Baista
na Igreja do primeiro século lentamente a altivez
6 - 1 Jo 3.17,18 - Amando o pró-
ximo Nº 249 – MORTE E
RESSURREIÇÃO
Nº 247 – A DEVIDA HONRA (Fp 1.21).
AS VIÚVAS 1 - Rm 6.23 - A morte é conse-
(1 Tm 5.3). quência do pecado
1 - 1 Tm 5.3 - Honra as verdadei- 2 - Gn 35.18; Tg 2.26 - Morte, se-
ramente viúvas paração entre alma e corpo
2 - 1 Tm 5.14 - Recomenda - se 3 - Sl 16.10; 49.14,15 - A expecta-
que a viúva jovem se case tiva de vida após a morte
3 - Lc 2.36 - 38 - Uma viúva de fé 4 - Sl 16.9 - 11; Is 26.19; Dn 12.2
4 - 1 Rs 17.8 - 24 - Uma viúva - A ressurreição no Antigo
hospedeira e trabalhadora Testamento
5 - 1 Tm 5.16 - Um apelo à lide- 5 - 1 Co 15.1 - 58 - A ressurreição
rança e aos crentes no Novo Testamento
6 - Tg 1.27 - A religião pura e 6 - Ap 20.14 - A morte da morte
imaculada
Nº 250 – O PODER DE DEUS
Nº 248 – O PERIGO DA SOBRE AS EFERMIDADE
VIOLÊNCIA (Sl 41.3 - ARA).
(Gn 6.11). 1 - Êx 15.26 - Deus cura as nos-
1 - Gn 6.11 - 13 - O mundo an- sas enfermidades
tigo destruído pela violência 2 - Sl 91.1,2 - Deus, refúgio e for-
2 - Gn 49.5 - Irmãos violentos taleza em meio à dor
3 - Sl 10.18 - A justiça evita a vio- 3 - Jó 19.25 - Esperança e fé em
lência meio às enfermidades
4 - Lm 2.6 - A violência divina 4 - Sl 125.1 - Coniança inabalá-
5 - Zc 4.6 - A violência deve dar vel
lugar ao Espírito 5 - Is 38.2,3 - Dor e choro na en-
6 - Is 10.33 - O Senhor abate vio- fermidade incurável

103
. Es oços – Mensagens diversii adas

6 - Is 38.5 - Deus responde o cla- 6 - Pv 12.15 - O crente que não


mor pela cura ora, não ouve conselhos

Nº 251 – FILHOS, HERANÇA Nº 253 – CUIDADO COM O


DO SENHOR ESPÍRITO CONSUMISTA
(SL 128). (Pv 30.8).
1 - Pv 17.6 - Coroa dos velhos 1 - Pv 27.20 - Os olhos do consu-
são os ilhos mista nunca se fartam
2 - Gn 15.2 - Um pai, pedindo 2 - Pv 16.32 - É melhor dominar
ilhos a si mesmo do que conquistar
3 - Gn 17.15,16 - Promessa de i- cidades
lhos 3 - Pv 12.9 - Trabalhar para viver
4 - 1 Sm 1.7 - O choro da mulher é melhor do que bancar o rico
estéril e passar fome
5 - 1 Sm 1.10,11 - Um ilho dado 4 - Pv 30.15 - O espírito consu-
a Deus mista de nosso tempo nunca
6 - Lc 1.31 - Um ilho especial se farta
5 - 1 Tm 6.6 - Grande ganho é a
Nº 252 – O VALOR DA piedade com contentamento
ORAÇÃO 6 - Fp 4.6 - Não estejais inquietos
(Js 9.14). por coisa alguma
1 - Jn 2.1,2 - O crente deve orar
na angústia - Nº 254 – DEUS, O AUTOR DA
2 - Jn 2.9,10 - O crente que ora, PAZ
Deus responde (Jo 14.27).
3 - Mt 10.16 - O crente que não 1 - Rm 5.1 - A justiicação pela fé
ora, não é prudente produz paz com Deus
4 - 1 Pe 4.7 - O crente que ora é 2 - Rm 8.6 - O Espírito Santo é
sóbrio e vigilante vida e paz
5 - Js 9.14,15 - O crente que não 3 - Rm 14.17 - O Reino de Deus é
ora, se precipita justiça, paz e alegria no Espí-

104
Pr. Josahat Baista
rito Santo 1 - 1 Co 13.13 - As três virtudes
4 - Gl 5.22 - O fruto do Espírito do cristianismo: fé, esperança
é paz e outras preciosas vir- e amor
tudes 2 - 1 Pe 1.3 - O crente foi gerado
5 - 2 Ts 3.16 - O Senhor da paz para uma viva esperança
dará sempre paz aos seus i- 3 - Sl 146.5 - Bem - aventurado
lhos aquele cuja esperança está no
6 - Ef 2.13,14 - Cristo é a nossa Senhor
paz 4 - Lm 3.26 - Bom é ter esperança
e aguardar em silêncio a sal-
Nº 255 – A SEPARAÇÃO DO vação do Senhor
MUNDO 5 - Rm 5.5 - A esperança não traz
(Rm 12.2). confusão
1 - 1 Jo 2.17 - A sociedade mun- 6 - Rm 8.24 - A esperança que se
dana e suas concupiscências vê não é esperança
efêmeras
2 - Tg 4.4 - Amigos do mundo, Nº 257 – COMUNHÃO COM
inimigos de Deus DEUS
3 - Jo 14.16,17 - O mundo não (Sl 42.2).
conhece e não pode receber o 1 - Sl 42 - O anseio da alma pere-
Espírito Santo grina por Deus
4 - Jo 15.14 - 21 - O mundo odiou 2 - Rm 5.1 - Somente em Cristo
a Jesus e aos seus discípulos podemos ter comunhão com
5 - 1 Co 1.21 - O mundo não co- Deus
nhece a Deus 3 - Gn 5.24 - Andar com Deus e
6 - Cl 2.8 - Não andeis segundo ter com Ele comunhão
os rudimentos do mundo 4 - Ec 12.1 - A falta de comunhão
com Deus torna o homem va-
Nº 256 – A VIRTUDE DA zio
ESPERANÇA 5 - Jó 42.2 - O Deus da nossa co-
(Rm 15.13). munhão é soberano
6 - Sl 37 - O cântico daquele que

105
. Es oços – Mensagens diversii adas

tem comunhão com Deus 1 - Êx 12.26 - O signiicado do


culto divino
Nº 258 – DIALOGANDO 2 - Sl 100.1 - 5 - A alegria do cul-
COM DEUS to divino
(Ef 6.18). 3 - Sl 103 - Cultuando a Deus
1 - Sl 27.8 - Buscando a face de com a alma
Deus 4 - 1 Co 14.26 - A fórmula do cul-
2 - Sl 116.12 - 14 - Ação de graças to divino
a Deus 5 - Hc 3.18 - Adorando a Deus
3 - Mt 6.10 - Intercessão pelo como Salvador
avanço do Reino de Deus 6 - Sl 128 - O culto doméstico
4 - 1 Jo 5.14 - Orando segundo a torna a família feliz
vontade de Deus
5 - Jó 42.10 - A bênção da inter- Nº 261 – O SERVIÇO
cessão CRISTÃO
6 - 1 Ts 5.17 - Orando sem cessar (Ag 2.4).
1 - Sl 126.5,6 - Semeando com
Nº 259 – O LIVRO DE alegria
INSTRUÇÃO 2 - Jó 5.7 - O homem nasce para
(2 Tm 3.16,17). o trabalho
1 - 2 Pe 1.20,21 - A Bíblia é divi- 3 - Jo 5.17 - Jesus, exemplo de
namente inspirada trabalho
2 - Sl 19.7 - A Bíblia é inerrante 4 - Hb 11 - O serviço a Deus exe-
3 - Mc 13.31 - A Bíblia é infalível cutado pela fé
4 - Is 8.20 - A Bíblia é soberana 5 - Gn 1.26 - Adão, o primeiro
5 - Ap 22.18 - 21 - A Bíblia é com- servidor de Deus
pleta 6 - Gn 12.13 - Abraão, pai dos
6 - Sl 119.81 - A Bíblia dá - nos a que, pela fé, servem a Deus
provisão de salvação
Nº 262 – DÍZIMOS E
Nº 260 – O CULTO CRISTÃO OFERTAS
(1 Co 14.26). (Ml 3.10).

106
Pr. Josahat Baista
1 - Gn 4.4 - A oferta de Abel 1 - Mt 5.20 - A ética do testemu-
2 - Gn 14.18 - 20 - O dízimo de nho cristão
Abraão 2 - 1 Pe 3.13 - O testemunho cris-
3 - Ml 3.10 - A ordenança do dí- tão zela pelo bem
zimo 3 - Sl 15 - O cântico do testemu-
4 - Pv 3.9,10 - Através das ofer- nho cristão
tas, honramos a Deus 4 - Mt 5.7 - A legislação do teste-
5 - 2 Co 9.7 - Através do ofertar munho cristão
expomos nossa alegria a Deus 5 - Gl 5.22 - Os fundamentos do
6 - 2 Sm 24.24 - A contribuição testemunho cristão
exige desprendimento 6 - Ef 5.1,18 - 21 - A eicácia do
testemunho cristão
Nº 263 – O DEVIDO
LOUVOR Nº 265 – ORANDO PELAS
(Sl 33.2,3). AUTORIDADES
1 - Sl 150 - Tudo que tem fôlego, (1 Pe 2.17).
louve ao Senhor 1 - Sl 33.12 - A verdadeira felici-
2 - Sl 145.1 - O nome do Senhor é dade de uma nação
bendito eternamente 2 - 1 Tm 2.1 - 3 - Orar pela pátria
3 - Sl 147.1 - O louvor é agradá- - obrigação de todos nós
vel e decoroso 3 - Rm 13.1 - Nossa postura
4 - Sl 146.6 - 10 - Deus é louvado como cidadãos da terra
pelos seus atos de justiça 4 - At 4.19 - O limite de nossa
5 - Sl 148 - Toda a criação deve obediência às autoridades
louvar ao Senhor 5 - Mt 5.13,14 - O crente como sal
6 - Sl 149 - O louvor na congre- da terra e luz do mundo
gação dos santos 6 - Jn 3.3 - 5 - Nosso brado profé-
tico às nações
Nº 264 – O TESTEMUNHO
CRISTÃO Nº 266 – AMOR, VÍNCULO
(Fp 2.15). DA PERFEIÇÃO
(At 2.42).

107
. Es oços – Mensagens diversii adas

1 - Cl 3.14 - O amor é o vínculo Nº 268 – CRISTO, O SUMO


da perfeição SACERDOTE
2 - Jo 13.35 - O amor mútuo é (Sl 110.4).
testemunho do discipulado 1 - Gn 14.18 - Melquisedeque,
autêntico rei e sacerdote
3 - 1 Co 13 - A excelência do 2 - Jó 1.5 - O sacerdócio exercido
amor divino pelo chefe da família
4 - Hb 13.1 - 3 - O amor cristão 3 - Êx 28.1 - Instituição do sacer-
manifesto entre os necessita- dócio de Arão
dos 4 - Hb 6.19 - Jesus, nosso precur-
5 - 1 Co 13.4 - 8 - Os atributos do sor e sumo sacerdote eterno
amor 5 - Hb 4.15,16 - Jesus, o sumo
6 - Jo 3.16 - O verdadeiro amor sacerdote santo e misericor-
dioso
Nº 267 – CONFIANDO EM
6 - Hb 9.11 - Jesus, o sumo sacer-
DEUS
dote dos bens futuros
(1 Pe 5.7).
Nº 269 – FILHO DE DAVI
1 - Sl 34.8 - O homem que conia (Jo 7.42).
no Senhor é bem - aventura- 1 - 2 Sm 7.16 - Deus promete a
do Davi um descendente eterno,
2 - Sl 37.3 - Coniar no Senhor e o Messias
praticar o bem 2 - Sl 132.11 - O rei Davi conir-
3 - Pv 3.5 - Coniar no Senhor de ma a promessa divina
todo o coração 3 - Is 9.7 - O vaticínio do Messias
4 - Pv 28.25 - O homem que con- davídico
ia no Senhor prosperará 4 - Jr 23.5,6 - O Renovo de Davi
5 - Jr 17.5 - 7 - Maldito aquele 5 - Mt 1.1 - Jesus, Filho de Davi
que conia no homem e se 6 - Rm 1.3 - Jesus, descendente
aparta do Senhor de Davi
6 - Sl 125.1 - Os que coniam no
Senhor não se abalam

108
Pr. Josahat Baista
Nº 270 – A VIDA Nº 272 – A ORIGEM DO
ESPIRITUAL DA FAMÍLIA UNIVERSO
CRISTÃ (1 Tm 6.20).
(Js 24.15). 1 - Jr 33.22 - Não se podem con-
1 - Gn 2.24 - A união indispensá- tar as estrelas
vel no lar 2 - Is 40.15 - As nações são como
2 - Lv 18.22; 20.13 - União huma- pó
na abominável 3 - Jo 1.3 - Jesus fez todas as coi-
3 - Gn 3.8 - Deus presente no pri- sas
meiro lar 4 - 1 Co 3.19 - A sabedoria do
4 - Gn 3.12,13 - Desunião e des- mundo é louca
coniança conjugal 5 - 2 Pe 3.5 - Criados pela Pala-
5 - Ef 5.25; Tt 2.4 - O indispensá- vra de Deus
vel amor na família 6 - Jó 26.7 - A Terra está suspen-
6 - Dt 11.19,20 - O valor da Pala- sa sobre o nada
vra de Deus no lar
Nº 273 – DESMASCARANDO
Nº 271 – EDUCAÇÃO A TEORIA DA EVOLUÇÃO
MATERIALISTA (Gn 2.7).
(Sl 119.105). 1 - Sl 10.4 - O ímpio diz: Não há
1 - Mc 10.14 - As crianças perto Deus
de Jesus 2 - Ap 4.11 - Deus criou todas as
2 - Ec 12.1 - O jovem lembrando coisas
- se de Deus 3 - 2 Tm 3.13 - Enganando e sen-
3 - Sl 119.105 - A Palavra ilumi- do enganados
na o caminho 4 - Gn 1.24 - Conforme a sua es-
4 - Sl 119.63 - De quem somos pécie
companheiros 5 - Sl 33.6 - A palavra do Senhor
5 - Mt 16.18 - As portas do infer- fez os céus
no não prevalecerão 6 - Gn 12 - A criação segundo a
Bíblia

109
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 274 – TENHA SAÚDE Nº 276 – MANTENDO A


FÍSICA E MENTAL CHAMA DO AMOR
(3 Jo v.2). (Mt 24.12).
1 - Sl 90.10 - A vida aqui é curta 1 - Gn 4.8 - Contrário ao amor
2 - Dt 28.1 - 6 - Obedecer traz 2 - Fp 4.8 - Pensar no que é amá-
saúde vel
3 - Dt 28.27,28,35,61 - Desobede- 3 - Lc 10.30 - 37 - O sentido de
cer traz doença e maldição amar o próximo
4 - Fp 4.6,7 - Oração e súplica 4 - Ef 5.25 - Amor à esposa
trazem paz 5 - Tt 2.4 - Amor ao marido
5 - 1 Pe 5.7 - Lançando nossas 6 - Jo 13.35 - Amor, a marca dis-
ansiedades sobre o Senhor tintiva do cristão
6 - Rm 8.23 - O corpo ainda não
está redimido Nº 277 – A AUTENCIDADE
DA DOUTRINA BÍBLICA
Nº 275 – TECNOLOGIA: (2 Jo 1.9).
BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO 1 - Pv 4.2 - A doutrina bíblica é
(Dn 12.4). boa
1 - 1 Co 2.15 - Quem é espiritual 2 - Pv 13.14 - A doutrina bíblica
discerne tudo é fonte de vida
2 - Is 5.20,21 - Valores morais in- 3 - Mt 7.28 - A doutrina bíblica é
vertidos admirável
3 - Fp 4.8 - Em que devemos 4 - Jo 7.16 - A doutrina bíblica é
continuamente pensar divina
4 - Sl 119.105 - A Palavra de 5 - 1 Co 14.8 - A doutrina bíblica
Deus ilumina é necessária
5 - Ec 1.8 - Olhos e ouvidos não 6 - 1 Tm 6.3 - A doutrina bíblica
se fartam é única
6 - Fp 4.13 - Em Deus, temos po-
der sobre tudo Nº 278 – DEUS, SUPREMO
SER

110
Pr. Josahat Baista
(Dt 6.4). ção do Universo.
1 - Jo 3.33 - Deus é verdadeiro 2 - Gn 1.26 - A Trindade na cria-
2 - Jo 4.24 - Deus é Espírito ção do homem.
3 - 1 Jo 1.5 - Deus é luz 3 - 2 Co 13.13 - A Trindade na
4 - 1 Jo 4.8 - Deus é amor bênção apostólica.
5 - Dt 32.4 - Deus é a verdade 4 - Mt 3.13 - 17 - A Trindade no
6 - 2 Co 9.8 - Deus é poderoso batismo de Cristo.
5 - Jo 1.32 - 34 - A Trindade no
Nº 279 – O ESPÍRITO testemunho de João Batista.
SANTO NÃO É UMA FORÇA 6 - Jo 14.16,26 - A Trindade teste-
IMPESSOAL munhada pelo próprio Cris-
(Jo 14.26). to.

1 - Sl 51.11 - O Espírito Santo ha- Nº 281 – A NOVA


bita no crente. JERUSALÉM
2 - Is 63.10 - O Espírito Santo (2 Pe 3.13).
pode ser contristado.
3 - At 1.8 - O Espírito Santo re- 1 - Is 65.17 - Os novos céus e
veste os crentes para o traba- a nova terra são criação de
lho missionário. Deus
4 - Rm 5.5 - O Espírito Santo der- 2 - Is 66.22 - Deus os criou por-
rama o amor em nosso cora- que ama o seu povo
ção. 3 - Gl 4.26 - A Jerusalém Celeste
5 - 1 Co 2.13 - O Espírito Santo é a mãe de todos nós
nos ensina. 4 - Hb 12.22 - A Nova Jerusalém
6 - 1 Ts 1.6 - O Espírito Santo en- é a cidade do Deus vivo
che - nos de alegria. 5 - Ap 3.10 - A Nova Jerusalém
desce de Deus
Nº 280 – A DOUTRINA DA 6 - Ap 21.2 - A Nova Jerusalém é
SANTÍSSIMA TRINDADE santa e formosa
(2 Co 13.13).
Nº 282 – O REINO DO
1 - Gn 1.2 - A Trindade na cria- MESSIAS

111
. Es oços – Mensagens diversii adas

(Ap 20.6). ROMANO


1 - Is 2.4 - O Milênio será um rei- (Dn 7.7).
no de paz 1 - Dt 28.49,50 - Uma antiga pro-
2 - Is 11.6 - O Milênio será um fecia do opressor
reino de tranquilidade 2 - Dn 2.33 - Ferro - O metal sím-
3 - Is 11.8 - As crianças estarão bolo de guerra
seguras 3 - Dn 7.7 - Roma - O animal fe-
4 - Is 11.10 - As nações buscarão roz com dentes de ferro
o Cristo de Deus 4 - Dn 2.33,42,43 - A fraqueza de
5 - Is 35.1,2 - Os lugares secos re- Roma
verdecerão 5 - Dn 7.8 - Roma - O instrumen-
6 - Is 35.4,5 - Haverá saúde e to do Anticristo
conforto espiritual 6 - Dn 2.34,45 - A destruição de
Roma
Nº 283 – PERÍODO DE
MAIOR ANGÚSTIA Nº 285 – O SANTO TEMPLO
1 - Mt 24.21 - A Grande Tribu- (Mt 24.15).
lação será um fato, não uma 1 - 1 Rs 6 - A construção do San-
possibilidade to Templo
2 - Lc 21.23 - A Grande Tribula- 2 - 2 Cr 6 e 7 - A consagração do
ção será um período de ira Santo Templo
3 - Ap 3.10 - A Grande Tribula- 3 - Ez 11.23 - A glória do Senhor
ção não alcançará os crentes deixa o Santo Templo
4 - Ez 30.3 - A Grande Tribula- 4 - 2 Cr 36.11 - 23 - A destruição
ção será o Dia do Senhor do Santo Templo
5 - Jr 30.7 - A Grande Tribulação 5 - Ed 6.13 - 18 - A reinaugura-
será a angústia do Jacó ção do Santo Templo
6 - Mt 24.29 - A Grande Tribula- 6 - Ag 2.9 - A maior glória do
ção será seguida de fatos ex- Santo Templo
traordinários
Nº 286 – A DEDICAÇÃO
Nº 284 – O NOVO IMPÉRIO

112
Pr. Josahat Baista
MINISTERIAL E CONFISSÃO DE PECADOS
(Rm 12.7,8). (2 Cr 7.14).
1 - Sl 113.7,8 - O necessitado en- 1 - At 3.19 - Arrependimento e
tre os príncipes conversão
2 - Et 2.17 - Uma órfã torna - se 2 - Lc 3.8 - Frutos de arrependi-
rainha mento
3 - 1 Sm 16.1 - Um pastor de ove- 3 - Lc 15.7 - Alegria pelo arre-
lhas torna - se rei pendimento
4 - Ne 1.4 - Um líder que orava 4 - 2 Co 7.9 - Contristados para o
5 - Ne 5.14,15 - O temor de Deus arrependimento
evita a corrupção 5 - Hb 12.7 - Arrependimento
6 - Ne 8.1 - Um líder que valori- tardio
zava a Lei 6 - At 17.30 - Arrependimento
para todos
Nº 287 – NÃO VOS
PRENDAIS... Nº 289 – VALORIZANDO A
(2 Co 6.14). PALAVRA
1 - Êx 32.9 - Povo obstinado para (Ne 8.2,3).
pecar 1 - Am 8.11 - Fome e sede da Pa-
2 - Dt 7.1 - 4 - A proibição do ca- lavra
samento misto 2 - Rm 12.7 - Ensino com dedi-
3 - 2 Co 6.14 - A proibição do cação
“jugo desigual” 3 - Lc 11.28 - São felizes os que
4 - 1 Rs 11.1 - 5 - A perversão ouvem a Palavra
pela poligamia 4 - Jó 34.3 - O ouvido prova as
5 - Tt 2.14 - A igreja é o povo es- palavras
pecial de Deus 5 - Ez 3.3 - Doce como o mel é a
6 - 1 Pe 1.15 - A igreja deve ser Palavra de Deus
um povo santo para Deus
Nº 290 – A OBRA DE
Nº 288 – ARREPENDIMENTO ENGANO

113
. Es oços – Mensagens diversii adas

(Ne 6.3b). certo


1 - 1 Jo 4.1 - Cuidado com os fal- 2 - Pv 15.2 - A língua como ador-
sos profetas no da sabedoria
2 - Sl 101.7 - Enganador não ica 3 - Pv 6.17 - A língua que Deus
na Casa de Deus aborrece
3 - Ef 4.14 - Levados pelo engano 4 - Pv 16.24 - A língua como ins-
dos trapaceiros trumento de cura
4 - Hb 3.13 - O engano do peca- 5 - Pv 16.21 - O saber pela doçu-
do ra no falar
5 - Mt 26.41 - Vigiando e orando 6 - Tg 3.8 - A difícil arte de do-
mar a língua
Nº 291 – RECONSTRUINDO
COM O CONSTRUTOR Nº 293 – FALANDO DE
(Ne 4.6). FINANÇAS
(Pv 23.23).
1 - Mt 16.18 - Jesus ediica sua
igreja 1 - Pv 11.15 - Advertência contra
2 - 2 Cr 14.7 - Cidades protegi- a iança
das com muros 2 - Pv 22.26,27 - Advertência
3 - Hb 11.10 - Deus é o sábio acerca do crédito
construtor 3 - Pv 28.8 - Advertência contra
4 - Mt 7.24 - O prudente ediica a usura
sobre a rocha 4 - Pv 17.16 - Advertência contra
5 - Ef 2.20 - Ediicados sobre o tolo
Cristo 5 - Pv 23.23 - Buscando virtudes
6 - 1 Pe 2.5 - Ediicados como 6 - Fp 4.19 - Buscando a suiciên-
casa espiritual cia em Cristo

Nº 292 – FALANDO NO Nº 294 – O VALOR DO


TEMPO CERTO TRABALHO
(Pv 16.24). (Pv 10.22).

1 - Pv 15.23 - Falando no tempo 1 - Pv 10.22 - A bênção do Se-

114
Pr. Josahat Baista
nhor prospera 1 - Sl 43.1 - Buscando a Deus
2 - Pv 3.9,10 - A generosidade 2 - Sl 43.2 - Sedento por Deus
gera prosperidade 3 - Sl 43.3 - Alimentando - se das
3 - Pv 3.13 - 15 - O conhecimento lágrimas
gera prosperidade 4 - Sl 43.4 - Um coração quebran-
4 - Pv 22.13; 24.34 - A preguiça tando perante Deus
afasta a prosperidade
5 - Pv 24.30 - A preguiça gera Nº 297 – COSMOVISÃO
displicência CRISTÃ
6 - Pv 30.25 - Poupar também é (Sl 24).
prosperar 1 - Gn 1 - 2: A Criação
2 - Gn 3: A Queda
Nº 295 – TEMOR E 3 - Gn 3.15: A Redenção
SABEDORIA 4 - At 17.18: Paulo enfrenta as
(Pv 1.7). ideologias da sua época
1 - Pv 1.2 - A sabedoria revela 5 - Ef 4.23: Renovação da mente
prudência 6 - At 17.28: O sentido da cosmo-
2 - Pv 1.3 - A sabedoria oferece visão cristã
justiça, juízo e equidade
3 - Pv 1.4 - A sabedoria traz co- Nº 298 – O PROBLEMA DA
nhecimento FOME
4 - Pv 1.5 - A sabedoria gera sá- (At 2.46).
bios conselhos 1 - Gn 43.1: Fome na terra
5 - Pv 1.6 - A sabedoria interpre- 2 - Am 8.11: Fome, mas não de
ta a vida pão
6 - Pv 1.7 - O temor do Senhor e 3 - Mt 4.2: Jesus teve fome
a sabedoria 4 - Rm 12.20: Comida para o ini-
migo
Nº 296 – SEDENTO POR 5 - Mc 8.1,2: Compaixão de Jesus
DEUS para com os famintos
(Sl 43:1 - 4). 6 - Lc 9.13: “Dai - lhes vós de co-

115
. Es oços – Mensagens diversii adas

mer” todas as raças e línguas

Nº 298 – ATENDENDO OS Nº 300 – JUSTIÇA: UM


REFUGIADOS DEVER DAS AUTORIDADES
(Êx 23.9). (Rm 13.1).
1 - Sl 9.9: Refúgio para o oprimi- 1 - Is 51.4: A justiça de Deus é
do luz para as nações
2 - Hb 11.38: Caminhando como 2 - Pv 29.2: O povo se alegra com
refugiados a administração sábia e justa
3 - Mt 2.13: O menino Jesus, um 3 - Pv 29.4: A diferença entre o
refugiado governante justo e o corrupto
4 - Lv 23.22: A lei da respiga 4 - At 5.29: Melhor obedecer a
para os estrangeiros Deus que aos homens
5 - Rm 12.13: Seguindo a hospi- 5 - Ef 4.28: Aquele que furtava,
talidade não furte mais
6 - Hb 13.2: Não esqueça a hos- 6 - Jo 10.10: O ladrão mata, rou-
pitalidade ba e destrói

Nº 299 – DEUS ABOMINA A Nº 301 – NÃO À VIOLÊNCIA


DISCRIMINAÇÃO (Gn 6.11).
(Gn 1.26). 1 - Ez 7.23: Cidade cheia de vio-
1 - Rm 2.11: Para Deus não há lência
acepção de pessoas 2 - Pv 16.29: A ação do homem
2 - Tg 2.1: O pecado da acepção violento
de pessoas 3 - Pv 24.1,2: Não tenha inveja
3 - Lc 20.21: Conduta que não de homens violentos
leva em consideração a apa- 4 - Sl 11.5: Deus odeia quem ama
rência a violência
4 - Dt 1.17: Não discriminarás 5 - Na 3.1: Ai da cidade de der-
5 - Mt 7.1: Não julgueis ramamento de sangue
6 - Ap 7.9: A salvação abrange 6 - Is 60.18: Nunca mais haverá

116
Pr. Josahat Baista
violência 6 - Mt 13.47: A rede apanha toda
qualidade de peixe
Nº 302 – O CUIDADO COM A
VIOLÊNCIA DIGITAL Nº 304 – A ORDEM DO
(Pv 10.23). ENSINO
1 - Pv 3.31: Não siga o caminho (Mt 28.19).
dos maus 1 - Lv 10.11: Ensinar os ilhos de
2 - Pv 12.6: As palavras dos ím- Deus
pios são ciladas para derra- 2 - Dt 6.7: Pais e professores
mar sangue 3 - Os 4.6: A falta de conheci-
3 - Pv 18.21: A morte e a vida es- mento
tão no poder da língua 4 - Os 6.3: Conheçamos a Deus
4 - 2 Rs 2.23,24: Bullying com 5 - Os 6.6: Deus deseja o conhe-
um im trágico cimento
5 - Tg 3.1 - 9: O poder da língua 6 - Mc 12.24: A falta de conheci-
6 - Pv 3.31: Não tenha inveja do mento e o erro
homem violento
Nº 305 – DEUS CRIOU O
Nº 303 – USANDO AS REDES TEMPO (CHRONOS)
(Lc 5:1 - 11). (Gn 1.14).
1 - Ef 5.16: Remindo o tempo 1 - SI 39.4: A brevidade da vida
2 - 1 Co 10.13: Deus não nos dei- 2 - Ec 912: O homem que não co-
xa tentar acima do que pode- nhece o seu tempo
mos resistir 3 - Et 4.14: Aproveitando o tem-
3 - 1 Co 16.9: Uma porta aberta po de Deus
por Deus 4 - Gl 6.10: Enquanto temos tem-
4 - Mc 1.18: Deixaram as redes e po, façamos o bem
seguiram a Jesus 5 - Ef 5.15.16: Otimizando o tem-
5 - Jo 21.6: Lançando a rede po
para o lado determinado pelo 6 - SI 31.15: O tempo está nas
Mestre mãos de Deus

117
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 306 – A PREGUIÇA É Nº 308 – A SÓS COM DEUS


DESCARTADA (Dn 6.10).
(Pv 6.6). 1 - Gn 24.63: Indo ao campo para
1 - Mt 20.3: O Senhor vê o ocioso estar a sós com Deus
2 - Mt 20.4: O Senhor chama o 2 - Gn 32.23,24: Jacó ica a sós
ocioso com um anjo
3 - Mt 20.6: O Senhor questiona 3 - Êx 3.1,2: A sós com Deus no
os ociosos deserto
4 - Pv 19.15: A preguiça entor- 4 - Mt 14.23: Despedindo a mul-
pece tidão para estar a sós com o
5 - Pv 13.4 (ARA): A preguiça Pai
empobrece 5 - Mc 14.32: A sós com o Pai em
6 - Pv 10.4: A diligência enrique- um momento
ce e traz honra 6 - At 16.13: Buscando um lugar
para estar a sós com Deus
Nº 307 – O MILAGRE DA
RESTITUIÇÃO Nº 309 – FUGINDO DA
(Jl 2.25). DEPRESSÃO
1 - 1 Sm 30.7 - 20: Lutando para (SI 46.1).
retomar os bens 1 - SI 44.25: O abatimento da
2 - 2 Rs 13.25: Recuperando pos- alma
sessões 2 - Mt 11.28: O convite de Jesus
3 - Os 12.4: Jacó lutou e chorou aos cansados e oprimidos
pela sua bênção 3 - SI 91.1: Deus, nosso refúgio
4 - Lc 15.18: Voltando para recu- em meio à dor
perar o perdão do pai 4 - Jó 33: O desprezo pela vida
5 - Lc 19.8: Restituindo o que em meio ao sofrimento
não era seu 5 - Jó 19.25,26: A coniança em
6 - Fl 3.8: A perda de tudo pelo Deus em meio à dor
amor a Cristo 6 - SI 125.1: A coniança em Deus

118
Pr. Josahat Baista
Nº 310 – O VERDADEIRO tranquilidade inanceira
PRAZER
(Ec 2.1). Nº 312 – O CRISTÃO E O
DINHEIRO
1 - Lc 17.26 - 28: O prazer como
(1Tm 6.10).
o bem supremo
2 - 2 Pe 2.13: O prazer como ina- 1 - 1Tm 6.17 - A incerteza das ri-
lidade da vida quezas
3 - Pv 21.17:Os prazeres 2 - Ef 4.28 - Trabalho generoso
4 - Ec 2.1: Cedendo ao prazer 3 - 1Co 10.31 - Tudo para a gló-
5 - Hb 11.25: Desprezando o ria de Deus
prazer 4 - Pv 6.9 - 11 - Exortação ao pre-
6 - SI 1.2: O prazer do justo guiçoso
5 - 1Tm 6.10 - A raiz de todos os
Nº 311 – A VIDA males
FINANCEIRA 6 - 1Cr 29.14 - Tudo recebemos
1 - Ag 2.8: O Senhor é fonte de de Deus
toda a riqueza, tudo pertence
a Ele Nº 313 – CONFLITOS ENTRE
2 - 1Tm 6.8 - 10: O amor do di- IRMÃOS
nheiro é a raiz de toda a espé- (Tg 3.16).
cie de males 1 - Gn 4.6 - Deus questiona a ira
3 - 1Ts 2.9: O trabalho é o meio entre irmãos
digno para a nossa subsistên- 2 - Gn 38.8 - 10 - Deus não apro-
cia va a falta de solidariedade
4 - 1Co 10.32,33: A nossa vida entre irmãos
inanceira não deve servir de 3 - Gn 37.28; At 7.9 - Deus aben-
escândalo à sociedade çoa o injustiçado entre os ir-
4 - Ml 3.7 - 10: A bênção inan- mãos
ceira tem a ver com a nossa 4 - 1Sm 16.11,13 - Deus exalta
idelidade a Deus aquele que serve aos irmãos
5 - Pv 21.5: O planejamento do 5 - Mc 13.12 - Jesus adverte so-
orçamento familiar produz

119
. Es oços – Mensagens diversii adas

bre o aumento da hostilidade mia e suas consequências


entre a família 5 - Ml 2.15,16; Mt 19.6,8 - Casa-
6 - Jo 7.8 - 10 - Jesus evitou con- mento indissolúvel: a vonta-
lito com seus irmãos de de Deus
6 - 1Tm 3.2; Tt 1.6 - A família
Nº 314 – CONSTRUÍNDO UM tradicional como requisito
LAR ministerial
(Pv 24.4). Nº 316
1 - Gn 24.2 - 4 - Escolhendo o A ORDEM DE DEIXAR PAI E
MÂE
cônjuge no lugar certo
(Jó 39.4).
2 - Gn 26.34,35 - Escolhendo o
1 - Gn 2.24 - A origem do man-
cônjuge no lugar errado
damento
3 - Gn 29.9 - 11 - Passeando no
2 - Gn 12.1 - Deus reitera o man-
lugar certo
damento
4 - Gn 34.1 - Passeando no lugar
3 - Gn 24.58 - Rebeca obedece ao
errado
mandamento
5 - Pv 18.22 - Alcançando o favor
4 - Gn 24.67 - Isaque cumpre o
de Deus
mandamento
6 - 2Co 6.14 - 18 - Prendendo - se
5 - Mt 19.5; Mc 10.7 - Jesus ratii-
a um jugo desigual
ca o mandamento
Nº 315 – O PADRÃO DIVINO 6 - Ef 5.31 - Paulo conirma o
PARA A FAMÍLIA mandamento
(Mt 19.8).
Nº 317 – A VERDADEIRA
1 - Gn 2.18 - Família monogâmi- MOTIVAÇÃO DO CRENTE
ca: uma ideia de Deus (Mt 6.6).
2 - Gn 2.22 - Família monogâmi-
1 - Jo 3.30 - Cristo é quem deve
ca: um presente de Deus
aparecer
3 - Gn 4.23 - Lameque, o primei-
2 - Mc 9.30 - 37 - Tendo o cora-
ro caso de bigamia
ção de uma criança
4 - Gn 30.1,2; 1Rs 11.3 - A poliga-
3 - Mc 10.42 - 45 - O Filho do Ho-

120
Pr. Josahat Baista
mem veio servir 1 - 2 RS 19,15 - O rei Ezequias
4 - Pv 8.13 - Deus aborrece o co- introduz uma sua oração com
ração soberbo Uma Expressão monoteísta
5 - Fp 4.8,9 - Devemos ter uma 2 - Ne 9.6 - Neemias ressalta o
motivação nobre monoteísmo na sua oração
6 - Mt 11.29 - Devemos aprender retrospectiva
do Senhor 3 - Mc 12,28 - 30 - O Senhor Je-
sus Ensina que Deus e único,
Nº 318 – A IMPORTÂNCIA o Criador dos Céus e da terra
DA LEI 4 - Jo 17,3 - A Unidade de Deus
(Rm 9.4) . não contradiz a divindade de
1 - Êx 34.27 - A promulgação da Jesus
lei E a cerimónia oicial do 5 - Ef 4,4 - 6 - O monoteísmo ju-
concerto Que Deus fez daico - Cristão não contradiz
2 - Êx 19,8 - Israel Faz voto de a Doutrina da Trindade
idelidade e obediencia à lei 6 - 1Co 8.6 - O cristianismo é
de Deus uma Religião monoteísta
3 - Gn 15.18 - Deus Já havia Feito
hum concerto com Abraão Nº 320 – LIVRO DE
4 - Gn 26,28 - 30 - Era comum MIQUÉIAS (I)
celebrar hum concerto com Capítulos 1 à 3
festa 1 - Uma série de juízo contra Is-
5 - Rm 7.12 - A lei veio de Deus, rael e Judá - (1 e 3)
portanto, era Preciso observá 2 - Destruição de Samaria (1.2 -
- la 7).
6 - Ne 8.1 - A origem da lei é o 3 - Destruição de Judá (1.8 - 16).
proprio Deus, por isso é Pre- 4 - Pecados especíicos do povo
ciso obedecer - lhe (2.1 - 11): cobiça e orgulho (2.1
- 5); falsos profetas (2.6 - 11).
Nº 319 – O MONOTEÍSMO 5 - Vislumbre de um livramento
JUDAICO - CRISTÃO (2.12,13).
(Dt 6,4) . 6 - Pecados dos líderes da nação

121
. Es oços – Mensagens diversii adas

(3.1 - 12). suas predições em relação


ao futuro se cumprem (Dt
Nº 321 – LIVRO DE 18.21,22)
MIQUÉIAS (II) 2 - Contatam espíritos de mor-
Capítulos 4 e 5 tos - (Dt 18.11)
1 - Promessa do reino vindouro 3 - Utilizam meios de adivinha-
(4.1 - 5). ção - (Dt 18.11)
2 - A derrota dos inimigos de Is- 4 - Envolvem médiuns ou feiti-
rael (4.6 - 13). ceiras - (Êx 20.3,4)
3 - O Rei virá de Belém (5.1 - 8). 5 - Seguem a falsos deuses ou
4 - O novo reino (5.9 - 15). ídolos - (Êx 20.3,4; Dt 13.1 - 3)
6 - Negam a divindade de Jesus
Nº 322 – LIVRO DE Cristo - (Cl 2.8,9)
MIQUÉIAS (III)
Capítulos 6 e 7 Nº 324 – CUIDADO COM OS
FALSOS PROFETAS
1 - Deus contra o seu povo (6.1
(Dt 18.10 - 22).
- 8).
2 - Culpa de Israel e o castigo di- 1 - Negam a humanidade de Je-
vino (6.9 - 16). sus Cristo - (1 Jo 4.1,2)
3 - O lamento do profeta (7.1 - 6). 2 - As suas profecias desviam
4 - A esperança do profeta (7.7). a atenção da pessoa de Jesus
5 - Israel será restabelecido (7.8 Cristo - (Ap 19.10)
- 13). 3 - Defendem a abstenção de cer-
6 - Bênçãos inais de Deus para tos alimentos e carnes por ra-
seu povo (7.14 - 20). zões espirituais - (1 Tm 4.3,4)
4 - Criticam ou negam a neces-
Nº 323 – DESMASCARANDO sidade do casamento - (1 Tm
O FALSO PROFETA 4.3)
(Dt 18.10 - 22). 5 - Promovem a imoralidade -
1 - Eles sempre entregam falsas (Jd vv.4,7)
profecias - Cem por cento de 6 - Encorajam a renúncia pessoal
legalista - (Cl 2.16 - 23)

122
Pr. Josahat Baista
Nº 325 – gâmica ameaçada
RELACIONAMENTO E 5 - Gn 4.25 - 26 - Restauração do
COMUNHÃO propósito divino na família
(Sl 133.1). 6 - Ef 5.22 - 6.4 - Princípios divi-
1 - Gn 1.1 - 23; 2.1 - 15 - Deus nos para uma família saudá-
prepara um lindo jardim para vel
o homem
Nº 327 – O CONCEITO
2 - Gn 1.24,25; 2.19,20 - Deus cria
BÍBLICO DO TRABALHO
seres para companhia do ho-
(Ec 5.19).
mem
3 - Gn 1.26 - 31 - Deus cria o ho- 1 - Gn 2.4 - 15 - O Senhor institui
mem à sua imagem o trabalho
4 - Gn 2.21 - 25 - Deus cria para o 2 - Gn 3.17 - 19 - A desobediên-
homem alguém que lhe fosse cia tornou o trabalho penoso
semelhante 3 - Ec 3.11 - 13 - A dignidade do
5 - Gn 2.16,17 - Obediência, ado- trabalho e direitos do traba-
ração e amor lhador
6 - Gn 3.1 - 24 - Os relacionamen- 4 - Ec 2.17 - 24; 6.7 - Futilidade e
tos com o Criador, a natureza bênçãos provenientes do tra-
e a criatura corrompidos. balho
5 - Ec 9.7 - 10 - A felicidade do
Nº 326 – A PRIMEIRA trabalhador
FAMÍLIA 6 - Ec 4.4 - O trabalhador compe-
(Sl 68.6a). tente é invejado pelo incom-
1 - Gn 2.24 - A instituição da pri- petente
meira família
Nº 328 – AMIGOS, DÁDIVA
2 - Gn 3.12 - 20 - A crise na pri-
DE DEUS
meira família
(Pv 18.24).
3 - Gn 4.8 - 16 - A primeira tragé-
dia entre irmãos 1 - Pv 17.17 - Grandes amigos
4 - Gn 4.18 - 24 - A família mono- tornam - se grandes irmãos

123
. Es oços – Mensagens diversii adas

2 - Pv 18.24 - Amigos mais che- Nº 330 – O JOVEM E O


gados do que irmãos CASAMENTO
3 - Pv 14.20 - “Amizade” obtida (1Co 7.32b).
por meio das riquezas 1 - Gn 2.18 - 24 - O casamento
4 - Pv 16.28 - O difamador sepa- instituído por Deus
ra os melhores amigos 2 - 1Co 7.25 - 36 - Recomenda-
5 - Pv 22.11 - Regras para ter ções aos jovens solteiros
amigos famosos 3 - Pv 30.18,20 - O mistério do
6 - Pv 27.10 - Não se deve aban- encontro
donar o amigo na adversida- 4 - 2 Sm 13 - Os desatinos da pai-
de xão doentia e pecaminosa
5 - Ct 7.6,7 - O verdadeiro amor
Nº 329 – O
entre homem e mulher
RELACIONAMENTO COM
6 - 1Co 6.18 - 20 - Fugir de toda
TODOS
impureza
(Rm 12.18).
1 - At 7.9,10 - Relacionamento Nº 331 – RELACIONAMENTO
de José com seus irmãos DESCARTÁVEL
2 - 2Tm 4.14,15 - Relacionamen- (Jo 15.12).
to de Paulo com Alexandre 1 - Gn 37.13 - 22 - Sentença de
3 - Nm 16 - 18 - Relacionamen- morte ao irmão
to de Moisés e Arão contra os 2 - 2 Sm 13.1 - 22 - Paixão efê-
insurgentes mera leva a relacionamentos
4 - At 15.36 - 39 - Relacionamen- descartáveis
to dos amigos Paulo e Barna- 3 - 1Sm 18.17 - 19 - Planos im-
bé piedosos acompanham rela-
5 - 3 Jo 9 - 11 - Relacionamento cionamentos descartáveis
de João com Diótrofes 4 - Rt 1.1 - 22 - Relacionamen-
6 - Gn 13.7 - 12 - O relaciona- tos maduros construídos em
mento familiar de Abraão e Deus
Ló em conlito 5 - 1 Sm 18.1 - 6 - Relacionamen-

124
Pr. Josahat Baista
tos maduros produzem ami- 3 - Sl 102.3 - 11 - Os males da so-
zades iéis lidão
6 - Jo 16.1 - 33 - Jesus, iel amigo 4 - Sl 128.1 - 6 - A bênção da
companhia familiar
Nº 332 – O CRISTÃO E 5 - Ec 3.1 - 8 - Há tempo para
A DIVERSIDADES DE tudo: abraçar e se afastar
CRENÇAS OU RELIGIÕES 6 - Gn 32.22 - 32 - A sós com
(At 17.16,18,22 - 28). Deus
1 - Jo 4.1 - 30 - O relacionamento
de Jesus com a religião sama- Nº 334 – A DOUTRINA DO
ritana PERDÃO
2 - Lc 9.51 - 56 - Jesus repreende (Mt 18.21,22).
a intolerância religiosa dos 1 - 1Co 13.1 - 13 - Perdão é o
apóstolos amor em ação
3 - 1Co 1.10 - 17 - Relacionamen- 2 - Gn 45.1 - 14 - O perdão irres-
to conlituoso entre os do- trito de José
mésticos da fé 3 - At 7.54 - 60 - O perdão orante
4 - At 5.17 - 42 - A intolerância de Estêvão
religiosa dos judeus à fé cristã 4 - Sl 51.1 - 19 - Suplicando o
5 - Gl 1.6 - 24 - Pela pureza do perdão divino
Evangelho 5 - Mt 6.9 - 15 - Exortação ao per-
6 - Mc 16.14 - 20 - A missão im- dão
perativa da Igreja 6 - Mt 5.43 - 48 - O perdão con-
duz à perfeição
Nº 333 – DEUS CUIDANDO
DOS SOLITÁRIOS Nº 335 – JESUS E O ATO DE
(Sl 68.6). SOLIDARIEDADE
1 - 1 Sm 1 - 2 - Sozinha, mas não (Mt 25.34 - 36)
desamparada 1 - Jesus, exemplo maior de so-
2 - Ec 4.9 - 12 - Lamento sobre o lidariedade (2Co 8.9; Fp 2.5
solitário - 8).

125
. Es oços – Mensagens diversii adas

2 - A Bíblia fala da solidariedade DE UM DEUS QUE SE


como um ato divino (Is 53.1 REVELA
- 12). (Os 6.3).
3 - Jesus foi solidário com as ne- 1 - Gn 12.1 - 9 - Deus revela - se
cessidades da humanidade a Abraão
(Lc 4.18,19) e ordenou: “Ide 2 - Gn 28.10 - 17 - Deus revela -
[...] e aprendei o que signii- se a Jacó
ca: Misericórdia quero e não 3 - Êx 3.1 - 22 - Deus revela - se
sacrifício” (Mt 9.13). a Moisés
4 - A solidariedade de Jesus acha 4 - Jo 1.1 - 17 - Deus revela - se
- se primeiro na encarnação e por meio de Jesus
morte substituta e sacriical 5 - At 9.1 - 19 - Jesus revela - se
(Mt 8.16,17). a Paulo
5 - Ele assumiu a natureza hu- 6 - Ap 1.9,20 - Jesus revela - se à
mana completa, exceto o pe- Igreja
cado (Fp 2.5 - 8). Revestiu - se
de carne, a im de satisfazer Nº 337 – AS GERAÇÕES NO
as necessidades espirituais LIVRO DE GÊNESIS
dos homens (Jo 1.14; 3.16). 1 - As gerações do céu e da terra
6 - Sua identiicação com a hu- 2: 4 - 4: 26
manidade foi tão profunda 2 - As gerações de Adão 5: 1 - 6:
que, sendo rico, tornou - se 8
pobre; santo, foi cruciicado 3 - A gerações de Noé 6: 9 - 9: 29
como um pecador, “para que, 4 - As gerações dos ilhos de
pela sua pobreza, enriquecês- Noé, 10: 1 - 11: 9
seis” (2Co 8.9). 5 - As gerações de Shem 11: 10
7 - Os atos solidários de Jesus - 26
foram movidos por íntima 6 - As gerações de Tera 11: 27 -
compaixão e misericórdia 25: 11
(Mt 14.14; 15.32; 20.34). 7 - A gerações de Ismael 25: 12
- 18
Nº 336 – O CONHECIMENTO 8 - A gerações de Isaque 25: 19

126
Pr. Josahat Baista
- 35: 29 5 - Intristece (Ef 4.30)
9 - As gerações de Esaú, 36: 1 - 6 - Ele tudo sabe e nada ignora
43 (Sl 139.2.11,13)
10 - As gerações de Jacó 37: 1 -
50: 26 Nº 340 – OBRAS DO
ESPÍRITO SANTO
Nº 338 – A TERCEIRA (Mt 3.16).
PESSOA DA TRINDADE 1 - Jo 16.13 - O Espírito Santo
(Jo 14.16). guia - nos em toda a verdade
1 - Gn 1.2,26 - O Espírito Santo 2 - Jo 16.8 - O Espírito Santo con-
na criação vence do pecado
2 - Gn 41.38,39 - O Espírito Santo 3 - Jo 14.26 - O Espírito Santo
na era patriarcal nos ensina todas as coisas
3 - Jz 3.10; 6.34 - O Espírito Santo 4 - Rm 8.26 - O Espírito Santo in-
no tempo dos juízes tercede por nós
4 - Jo 14.16,17 - O Espírito San- 5 - At 1.8 - O Espírito Santo con-
to como a promessa do Pai à fere poder para testemunhar
Igreja 6 - Rm 8.14 - O Espírito Santo
5 - Jl 2.28,29 - O Espírito Santo guia os ilhos de Deus
e a promessa no AT de sua
efusão Nº 341 – NOMES DO
6 - At 2.1 - 4 - O Espírito Santo ESPÍRITO SANTO
no Pentecostes (Gn 25.26).
1 - O Consolador - (Jo 14.16)
Nº 339 – A PERSONALIDADE 2 - O Espírito da Verdade - (Jo
DO ESPÍRITO SANTO 14.6)
(Rm 1.23; Hb 1.11). 3 - Espírito de Graça - (Hb 10.29
1 - Ele ensina (Jo 14.26) e Zc 12.10)
2 - Testiica (Jo 15.26) 4 - Espírito de Vida - (Ef 2.1), (2
3 - Guia (Rm 8.14) Co 5.17)
4 - Intercede por nós (Rm 8.26)
Nº 342 – SÍMBOLOS DO

127
. Es oços – Mensagens diversii adas

ESPÍRITO SANTO 6 - 1 Tm 6.3 - A doutrina bíblica


1 - Fogo (Lc 3.16) é única
2 - Água, rio e chuva (Jo 7.37,38)
3 - Selo (2 Co 1.21,22; Ef 1.13) Nº 345 – A NECESSIDADE
DA DOUTRINA BÍBLICA
Nº 343 – SEDENTOS POR (Dt 6.6 - 9).
DEUS 1 - A doutrina bíblica proporcio-
(Is 44.3). na - nos a salvação em Cristo
1 - 2 Cr 7.14 - Buscando a Deus - (1 Tm 4.16)
2 - Jr 33.3 - Clamando a Deus 2 - A doutrina bíblica santiica -
3 - Os 6.3 - Conhecendo a Deus nos - (Jo 17.14 - 17)
4 - Ed 7.10 - Conhecendo a Pala- 3 - A doutrina bíblica torna - nos
vra de Deus sábios (2 Tm 3.15)
5 - Dt 28.1 - 14 - Obedecendo os
preceitos de Deus Nº 346 – A PRESENÇA DA
6 - Hb 4.16 - Chegando com con- DOUTRINA BÍBLICA
iança ao trono da graça (At 20.27).
1 - Na evangelização - (Mt
Nº 344 – A AUTENTICIDADE 28.19,20 - ARA).
DA DOUTRINA BÍBLICA 2 - Na instrução dos santos -
(2 Jo 1.9). (At 20.7,8 - ARA), (At 20.11
1 - Pv 4.2 - A doutrina bíblica é - ARA).
boa 3 - Na defesa da santíssima fé -
2 - Pv 13.14 - A doutrina bíblica (1 Pe 3.15).
é fonte de vida
3 - Mt 7.28 - A doutrina bíblica é Nº 347 – O ESPÍRITO SANTO
admirável NA VIDA DO CRENTE
4 - Jo 7.16 - A doutrina bíblica é (Jo 14.26).
divina 1 - Sl 51.11 - O Espírito Santo ha-
5 - 1 Co 14.8 - A doutrina bíblica bita no crente.
é necessária 2 - Is 63.10 - O Espírito Santo

128
Pr. Josahat Baista
pode ser contristado. 5 - No testemunho eicaz da fé
3 - At 1.8 - O Espírito Santo re- cristã - (At 7.55)
veste os crentes para o traba- 6 - No chamamento de obreiros
lho missionário. (At 9.17) e no Concílio de Je-
4 - Rm 5.5 - O Espírito Santo der- rusalém (At 15.1 - 35)
rama o amor em nosso cora- 7 - Nas epístolas - (Rm 14.17;
ção. 15.16; 2 Co 13.13; Ef 4.30; Hb
5 - 1 Co 2.13 - O Espírito Santo 2.3,4; 2 Pe 1.16 - 21; 1 Jo 5.7).
nos ensina. 8 - No Apocalipse, a Santíssi-
6 - 1 Ts 1.6 - O Espírito Santo en- ma Trindade encontra - se do
che - nos de alegria. princípio ao im: 1.1,2; 2.8,11,
etc.
Nº 348 – PECADOS CONTRA
O ESPÍRITO SANTO Nº 350 – A VERDADE SOBRE
1 - A blasfêmia contra o Espírito OS ANJOS
Santo - (Mt 12.31), (1 Sm 2.25). (Hb 1.14).
2 - Resistência contra o Espírito 1 - Lc 9.26 - Os anjos são seres
Santo (At 7.51) gloriosos.
3 - Entristecer o Espírito Santo - 2 - Sl 103.20 - Os anjos são mag-
(Ef 4.30) níicos em poder.
3 - Mt 4.11 - Os anjos ministram
Nº 349 – A SANTÍSSIMA
a Cristo.
TRINDADE NO NOVO
4 - Hb 1.14 - Os anjos são envia-
TESTAMENTO
dos para servir aos santos.
1 - No batismo de Jesus - (Mt
5 - Mt 16.27 - Os anjos compõem
3.16,17
o exército de Cristo.
2 - No ministério de Jesus - (Lc
6 - Mt 24.31 - Os anjos no inal
4.18,19 (61.1)
dos tempos.
3 - Na ressurreição e na ascen-
são de Jesus - (Mt 28.19) Nº 351 – O CARÁTER DOS
4 - Na vida da Igreja Primitiva ANJOS
- (At 1.1,2) (At 5.32; At 10.38) 1 - Os anjos como seres eleitos -

129
. Es oços – Mensagens diversii adas

(1 Tm 5.21) constantemente santiicado


2 - Os anjos são santos - Mt pelos homens (Gn 3.24; Sl
25.31,41 e Ap 14.10 99.1; Ez 10.1). (Ez 28.14).
3 - Os anjos são sábios - (Pv 1.7) 5 - Serains - (Is 6.1 - 6). Esta é
(2 Sm 14.20) a única passagem bíblica que
4 - Os anjos são obedientes - (Mt os menciona.
6.10) 6 - Outras classes angélicas - São
também tidas como classes
Nº 352 – A CLASSIFICAÇÃO angélicas estas categorias
DOS ANJOS mencionadas por Paulo: (Cl
1 - Anjo do Senhor - (Êx 3.1 - 6; 1.15,16).
Js 5.13 - 15), (Nm 22.22), (Zc
1.12) (Ml 2.7). Referi - se pro- Nº 353 – A MISSÃO DOS
feticamente ao Senhor Jesus ANJOS
em sua pré - encarnação. Em 1 - Enaltecer a Deus. (Is 6.3). (Lc
Ml 3.1b, “o anjo do concerto” 2.13,14).
é uma alusão a Ele. O “con- 2 - Trabalhar em prol dos que
certo” é certamente o de Mt hão de herdar a vida eter-
26.28. na. (Hb 1.14). (At 5.19; 12.7;
2 - Arcanjo Miguel - (Ap 12.7) 27.23).
(Dn 12.1). (Jd v.9 (Dn 10.13). 3 - Proteger a nação de Israel -
3 - Gabriel. Conhecido como (12.1).
varão, ou herói de Deus, apa-
rece Gabriel como intérpre- Nº 354 – HOMEM, OBRA
te dos arcanos divinos - (Dn PRIMA DE DEUS
9.20 - 27). Assistindo diante (Sl 144.3).
do trono de Deus (Lc 1.19), 1 - Gn 1.26 - O homem é produto
(Lc 1.26,27). de um ato criativo de Deus.
4 - Querubins - São os querubins 2 - Gn 3.22 - 24 - O homem ex-
responsáveis por sustentar o pulso do paraíso por causa
trono divino e por reivindicar do pecado.
seja o nome Todo - Poderoso 3 - Gn 6.3 - A limitação biológica

130
Pr. Josahat Baista
do homem. Nº 357 – A CONSTITUIÇÃO
4 - Sl 103.15 - A brevidade da DO HOMEM
vida humana. (1 Ts 5.23).
5 - Pv 3.13 - A verdadeira sa- 1 - Espírito - (Sl 51.17), voluntá-
bedoria do homem vem de rio (Sl 51.12) e reto (Sl 51.10).
Deus. (Rm 1.9). (Lc 23.46; At 7.59).
6 - Ec 12.13 - O dever de todo ho- (Lc 16.19 - 31; Sl 9.17; Mt 13.40
mem é guardar a Palavra de - 42; 25.41,46).
Deus. 2 - Alma - (Gn 2.19; Sl 42.2).
3 - Corpo - (Gn 2.7). (1 Co 6.18
Nº 355 – O QUE É O HOMEM
- 20).
1 - Criatura de Deus. (Rm 1.25).
(Jó 4.17; Ec 12.1). Nº 358 – A DOUTRINA DO
2 - Imagem e semelhança de PECADO
Deus. (Gn 1.26). (Ef 5.1). (Mt (1 Jo 3.4).
5.16).
3 - Coroa da criação divina. (1 1 - 1 Jo 3.8 - O Diabo peca desde
Co 11.7), (Gn 1.28). (1 Tm o princípio.
2.14), (Rm 8.20 - 22). 2 - Tg 1.15 - O pecado gera a
morte.
Nº 356 – OBJETIVOS DA 3 - 1 Co 15.56 - O aguilhão da
CRIAÇÃO DO HOMEM morte é o pecado.
1 - Gloriicar o nome de Deus - (I 4 - Rm 6.23 - O salário do pecado
Co 11.7). é a morte.
2 - Cultivar a terra. (Gn 3), (Jo 5 - Rm 6.14 - O pecado não terá
5.17). domínio sobre os que estão
3 - Reinar, em nome de Deus, sob a graça.
sobre a criação. Deus criou 6 - Jo 16.8 - Somente o Espírito
Adão para que reinasse sobre Santo pode convencer - nos
toda a terra (Gn 1.28). (Rm do pecado.
8.18 - 20; 3.9).
Nº 359 – A

131
. Es oços – Mensagens diversii adas

UNIVERSALIDADE DO Nº 362 – A GRAÇA DA


PECADO SALVAÇÃO
1 - Os gentios - (Rm 1.23 - 27). (Tt 2.11).
2 - Os judeus - (Rm 2.17 - 23). 1 - At 4.12 - A salvação é obtida
3 - A universalidade do pecado somente em nome de Jesus.
- (Rm 3.23). 2 - Rm 1.16 - O Evangelho é po-
der de Deus para a salvação.
Nº 360 – AS
3 - Rm 13.11 - A salvação está
CONSEQÜÊNCIAS DO
mais perto de nós do que
PECADO
quando aceitamos a fé.
1 - No homem - (Gn 3.17 - 19).
4 - 2 Co 6.2 - Eis o tempo aceitá-
2 - Na mulher - (Gn 3.16).
vel, eis o tempo de salvação.
3 - Na natureza - (Rm 8.20 - 22).
5 - 1 Ts 5.9 - Deus não nos des-
4 - No relacionamento com
tinou para a ira, mas para a
Deus. (Is 59.2). (Ef 2.3).
salvação.
5 - O salário do pecado é a mor-
6 - 2 Tm 3.15 - Sábios para a sal-
te. (Gn 2.17; Rm 6.23). (Ap
vação.
21.8).
Nº 363 – A INSPIRAÇÃO
Nº 361 – TIPOS DE PECADOS
PLENÁRIA DA BÍBLIA
1 - Pecados de debilidade e de
(2 Tm 3.16,17).
presunção - (Sl 19.12,13; Is
5.18; Ml 7.2,3; Gl 3.1; Ef 4.14). 1 - 2 Tm 3.16,17 - A Bíblia é divi-
2 - Pecados de comissão e de namente inspirada.
omissão - Jo 13.34,35; 15.17. 2 - Pv 30.5 - A Bíblia é absoluta-
(Mateus 25.41 - 46). mente inerrante.
3 - Pecados sociais. Gn 39.9; Dt 3 - Mc 13.31 - A Bíblia é infalível.
24.15; 2 Rs 18.14; Êx 23.7. 4 - Is 8.20 - A Bíblia é soberana.
4 - Pecados contra o Espírito 5 - Sl 19.7 - A Bíblia é perfeita.
Santo - ( Mateus 12.32 e Lucas 6 - 2 Tm 3.15 - A Bíblia é sui-
12.10). (Hb 6.4 - 6; 10.26 - ciente em si mesma.
29).

132
Pr. Josahat Baista
Nº 364 – A DOUTRINA DO Nº 366 – DEUS AVISA
AVIVAMENTO ANTES DO JULGAMENTO
(Hc 3.2). (Is 1.18).
1 - 2 Rs 23.2,3 - O avivamento e a 1 - Is 1.11 - 13 - A corrupção do
Palavra de Deus. povo
2 - Ne 8.1 - 9 - O avivamento e 2 - Is 1.14,15 - Deus não aceita o
o ensino da Palavra de Deus. culto, os rituais e as orações
3 - 2 Cr 7.14 - O avivamento e a feitas pelo povo
oração. 3 - Is 1.21,22 - O profeta chama
4 - Jn 3.1 - 10 - O avivamento e o Israel de prostituta
arrependimento nacional. 4 - Is 1.23 - Isaías profetiza con-
5 - At 5.1 - 16 - O avivamento e o tra as autoridades
temor a Deus. 5 - Is 1.18,19 - Isaías convida o
6 - 1 Co 13 - O avivamento e o povo ao arrependimento
amor. 6 - Is 1.16,17 - Deus convida o
povo para um novo caminho
Nº 365 – A EXCELÊNCIA DA
PALAVRA Nº 367 – O PROFETA ISAÍAS
(1 Tm 4.13). 1 - Is 6.1 - 13 - A chamada do
1 - Sl 119.24 - A Palavra de Deus profeta
é conselho. 2 - 2 Cr 26.1 - 5 - O profeta Isaías
2 - Sl 119.47 - A Palavra de Deus viu parte do bom reinado de
produz alegria. Uzias
3 - Sl 119.105 - A Palavra de 3 - 2 Cr 26.16 - 21 - A morte de
Deus é luz. Uzias
4 - Sl 119.137 - A Palavra de 4 - 2 Rs 15.5 - O reinado de Jotão
Deus é justa. 5 - 2 Cr 28.1 - O reinado de Acaz
5 - Sl 119.199 - A Palavra de 6 - Is 37.1 - 7 - O profeta Isaías e
Deus é a verdade. os reis de Judá
6 - Sl 119.99 - A Palavra de Deus
Nº 368 – O DIA DO SENHOR
é eterna.
(2Pe 3.10).

133
. Es oços – Mensagens diversii adas

1 - Is 2.1 - 5 - Julgamento e res- (Is 4.6).


tauração 1 - Is 4.1 - Profecia sobre o Mes-
2 - Dn 12.1 - 3 - O inal da his- sias
tória 2 - Mt 25.31 - 32 - No dia do juízo
3 - Is 4.2 - A glória de Deus sobre Deus honrará seus verdadei-
seu povo ros ilhos
4 - Mt 25.1 - 13 - O encontro en- 3 - Is 2.4 - Deus realiza seu juízo
tre o Noivo e a Noiva 4 - Is 2.1 - 2 - Deus manifestará
5 - Mt 24.26 - 28 - A vinda de Je- sua glória restauradora
sus será clara e sem confusão 5 - Is 44.21 - 22 - Deus apaga os
6 - Ap 21.1 - 4 - O Dia do Senhor pecados do seu povo
é um dia de restauração e gló- 6 - Is 65.17 - 18 - A glória de Deus
ria traz alegria e regozijo

Nº 369 – O COLAPSO DA Nº 371 – DEUS COMUNICA


NAÇÃO E O JUÍZO O EXÍLIO
(Is 3.14). (Is 5.20).
1 - Is 3.1 - 3 - O julgamento de 1 - Is 5.1,2 - Deus compara Israel
Deus com o vinha
2 - Is 1.5 - O profeta Isaías e o 2 - Is 5.3,4 - Deus comunica seu
juízo de Deus projeto e castigo ao povo
3 - Pv 22.8 - Israel estava se- 3 - Is 5.5,6 - Deus anuncia o exí-
meando a iniquidade lio de Judá
4 - Is 7.17 - 18 - Judá recebeu o 4 - Is 5.20 - A perversão do povo
castigo anunciado por Deus é denunciada
5 - Is 1.14,15 - Deus leva a juízo 5 - Is 5.13 - A falta de entendi-
os líderes do povo mento do povo causa o exílio
6 - Is 1.4 - O julgamento da na- 6 - 2 Cr 36.17 - 21 - O cumpri-
ção pecadora mento do castigo anunciado
por Isaías
Nº 370 – PREDIÇÕES DE
JUÍZO E GLÓRIA

134
Pr. Josahat Baista
Nº 372 – A VISÃO 6 - Is 12.6 - O Messias trará ale-
EXTRAORDINÁRIA DE UM gria e júbilo
PROFETA
(Is 6.5). Nº 374 – EMANUEL, DEUS
CONOSCO
1 - Is 6.1 - 4 - Deus manifesta sua
(Lc 1.35).
glória a Isaías
2 - Is 6.5 - Isaías reconhece sua 1 - Is 7.11 - 13 - Deus conversa
fragilidade com o rei Acaz
3 - Is 6.6,7 - Deus puriica o pro- 2 - 2Cr 28.22 - 25 - Os pecados do
feta rei Acaz
4 - Is 6.8 - 10 - Deus convoca 3 - Is 7.3 - 7 - O contexto antes da
Isaías para pregar ao povo promessa messiânica
5 - Rm 10.14,15 - A Boa - Nova 4 - Is 61.1 - 3 - O Emanuel vai
é anunciada por aqueles acei- apregoar libertação
tam o desaio 5 - Is 7.14,15 - A promessa do
6 - Mc 16.15,16 - O chamado de Emanuel
Deus é para todos 6 - Mt 28.20 - O Deus Emanuel
estará com a Igreja
Nº 373 – PROFECIAS
ACERCA DO MESSIAS Nº 375 – O REINO
(Is 9.6). MESSIÂNICO
(Lc 1.32).
1 - Is 7.14 - O anúncio profético
da vinda do Emanuel 1 - Is 11.1,2 - A promessa do Re-
2 - Is 9.1,2 - O profeta mostra a bento de Jessé
linhagem do futuro Rei 2 - Is 11.3 - 5 - O Messias é justo
3 - Is 9.6 - Os adjetivos do Mes- 3 - Is 11.6 - 9 - O Messias trará
sias paz e harmonia
4 - Is 53.4,5 - O profeta descreve 4 - Is 12.6 - O Messias será moti-
a missão do Messias vo de alegria
5 - Is 53.11 - A promessa de um 5 - Ap 21.4 - O Messias acabará
Messias de justiça com o sofrimento

135
. Es oços – Mensagens diversii adas

6 - Is 66.12,13 - O reinado do 5 - Is 66.10 - 12 - A restauração


Messias será pleno inal do povo
6 - Is 43.1 - 13 - A salvação de
Nº 376 – A CONSUMAÇÃO Deus não será impedida por
DE TODAS AS COISAS poder algum
(2Pe 3.13).
1 - Is 24.1,2 - A consumação das Nº 378 – JESUS, O SERVO DO
coisas SENHOR
2 - Is 24.21 - 23 - A justiça inal (1Pe 2.24).
será feita 1 - Is 49.1 - 3 - O Servo do Senhor
3 - Is 25.6 - 9 - O profeta anuncia é a luz dos gentios
a restauração inal de Israel 2 - Is 50.4,5 - O Servo Sofredor
4 - Is 26.1 - 6 - O povo coniará ouve a voz de Deus
plenamente em Deus 3 - Is 53.6 - O Servo Sofredor as-
5 - Is 27.1; Ap 20.1,2 - Deus des- sumiu os pecados do povo
truirá de uma vez por todas 4 - Is 53.9 - O Servo Sofredor é
o mal exemplo de retidão
6 - Is 27.12,13 - Deus reunirá seu 5 - Is 55.1 - O Servo Sofredor
povo junto de si dará vida eterna
6 - Is 53.12 - O Servo Sofredor
Nº 377 – SALVAÇÃO E anulou a condenação mere-
ESPERANÇA cida
(Hb 4.2).
1 - Is 40.1,2 - Deus anuncia o per- Nº 379 – O LUGAR DA
dão dos pecados de Israel FAMÍLIA
2 - Is 40.10,11 - Deus promete (Gn 2.24).
pastorear seu povo 1 - Gn 2.18 - Família é ideia de
3 - Is 40.29 - 31 - Deus irá reno- Deus
var as forças de seu povo 2 - Gn 2.8 - Família é lugar de
4 - Is 41.14,15 - Deus convida o proteção
povo a não temer 3 - Gn 6.18,21 - Família é lugar

136
Pr. Josahat Baista
de salvação de Deus
4 - Gn 24.38 - Família é lugar de 3 - Mt 4.10 - O Senhor Deus é
bênção o único que merece louvor e
5 - 2Tm 1.5; 3.15 - Família é lugar adoração
de aprendizado 4 - Sl 22.3 - O louvor como ins-
6 - Lc 1.80 - Família é lugar de tante da manifestação da pre-
crescimento sença divina
5 - Mt 21.16 - O perfeito louvor
Nº 380 – A RELEVÂNCIA DO 6 - 2Cr 7.3 - Adoração e louvor, o
CUIDADO fundamento de nosso relacio-
(Gn 33.14). namento com Deus
1 - 1 Sm 25.13 - Cuidando da ba-
gagem Nº 382 – OBEDIÊNCIA NA
2 - 1 Tm 4.16 - Cuidando de si ADORAÇÃO
mesmo (Dt 10.12).
3 - 1 Tm 4.8 - Cuidando da saú- 1 - 1 Sm 15.22 - A obediência vo-
de física luntária é muito melhor que o
4 - Fp 4.8 - O cuidado com a ma- sacrifício ritualístico
neira de pensar 2 - Jr 42.6 - A obediência precisa
5 - 1 Tm 5.8 - Cuidando da fa- ser incondicional
mília 3 - Lc 18.22 - Não era sobre di-
6 - Rm 16.1,2 - Cuidando dos nheiro, mas sobre adoração
cooperadores do Reino como obediência
4 - Fp 2.8 - Jesus, paradigma de
Nº 381 – LOUVOR E obediência
ADORAÇÃO 5 - 2 Co 2.9 - O desaio da obe-
(Sl 95.6). diência sincera
1 - Dt 6.4 - O primeiro grande 6 - Cl 3.20 - Quando a obediên-
mandamento cia aos pais é adoração ao Pai
2 - Jó 1.20 - Adoração como re- Celeste
conhecimento da soberania
Nº 383 – ABEL E CAIM

137
. Es oços – Mensagens diversii adas

(Hb 11.4). 6 - Mc 3.34,35 - O cumprimento


1 - Gn 4.2 - Abel e Caim, duas da vontade de Deus
trajetórias
Nº 385 – UM POVO
2 - 1Jo 3.12 - Caim, homem de
EXCLUSIVO
comportamento maligno
(Dt 7.6).
3 - Mt 23.35 - Abel, um homem
justo 1 - 1Cr 17.21 - Povo incompará-
4 - Gn 4.16 - Por seu pecado, vel
Caim não pôde permanecer 2 - 2 Sm 7.24 - A condição de
na presença de Deus povo especial
5 - Jd 11 - Caim, paradigma da- 3 - 1 Sm 12.22 - A imutável ide-
queles que entraram pelo ca- lidade do Senhor
minho mal 4 - Sl 100.3 - Foi o Senhor que
6 - Hb 12.24 - O sangue de Jesus trouxe esse povo à existência
para a obra da salvação 5 - 1Pe 2.9 - A Igreja como povo
de Deus
Nº 384 – HOMENS NA 6 - Tt 2.14 - A inalidade do sa-
VONTADE DE DEUS crifício de Jesus
(Rm 12.2).
Nº 386 – A
1 - Gn 22.5 - A inabalável fé de
INSTITUCIONALIZAÇÃO
Abraão
DA ADORAÇÃO
2 - Gn 26.24 - A promessa a Isa-
(Sl 79.13).
que
3 - Jo 9.31 - O Senhor ouve aque- 1 - Êx 25.8 - A prescrição para a
les que fazem sua vontade confecção do Tabernáculo
4 - Gn 17.1 - A adoração que leva 2 - Lv 9.7 - Ordenanças de sacri-
ao aperfeiçoamento do ado- fícios pelo povo e pelos sacer-
rador dotes
5 - 1Pe 4.19 - Aqueles que pa- 3 - Nm 3.10 - A instituição do sa-
decem fazendo a vontade de cerdócio
Deus 4 - Lv 23.2 - As solenidades sa-

138
Pr. Josahat Baista
gradas de Israel 3 - Mq 6.7 - Adorar é muito mais
5 - Dt 10.8 - Levi, a tribo vocacio- que cerimonialismo
nada para o serviço da adora- 4 - Mq 6.15 - Quando a prática
ção religiosa não se torna adora-
6 - Êx 29.46 - A inalidade dos ção
sacrifícios 5 - Mq 7.2 - A situação decaden-
te da humanidade
Nº 387 – LEGALISTAS NA 6 - Mq 7.18 - O incomparável
ADORAÇÃO Deus
(Is 29.13).
1 - Tg 4.11 - A natureza soberba Nº 389 – JESUS E A
dos legalistas ADORAÇÃO
2 - Am 5.21 - Festas solenes sem (Mc 12.33).
pureza de coração são rituais 1 - Lc 4.8 - Adorar só a Deus
vazios 2 - Mt 2.11 - Jesus foi adorado
3 - Is 58.5 - Fórmulas religiosas desde o seu nascimento
que para nada servem 3 - Mt 15.9 - A falsa adoração
4 - Jr 7.4 - O legalismo faz o lugar 4 - Jo 12.13 - Adoração sem pro-
sagrado virar um amuleto fundidade
5 - Mt 23.4 - Os legalistas do pe- 5 - Lc 16.13 - Adoração sem mis-
ríodo de Jesus tura
6 - Cl 2.21 - As regras dos lega- 6 - Mt 14.33 - Adoração como
listas no tempo de Paulo ato de reconhecimento da na-
tureza de Jesus
Nº 388 – A ADORAÇÃO NOS
TEMPOS DE MIQUÉIAS Nº 390 – ADORAR A DEUS É
(Mq 6.8). CONHECÊ - LO
1 - Mq 3.11 - Peril da espirituali- (Jo 4.10).
dade no período de Miqueias 1 - Jo 4.9 - O trauma sociocultu-
2 - Mq 4.2 - A vocação universal ral
para o louvor e adoração 2 - Jo 4.10 - A ignorância da mu-

139
. Es oços – Mensagens diversii adas

lher 1 - Jz 2.12 - O modismo espiri-


3 - Rm 10.14 - A impossibilidade tual ainda no AT
de uma fé genuína em virtu- 2 - Ap 2.14 - O tortuoso caminho
de da ignorância de Balaão
4 - At 17.23 - Os atenienses e o 3 - Jd 4 - Os falsos profetas e seus
deus desconhecido falsos ensinos
5 - Jo 4.23 - A revelação da es- 4 - Ef 4.14 - Cuidado com as no-
sência da adoração vidades doutrinárias
6 - Jo 4.42 - As consequências da 5 - Tt 1.16 - O comportamen-
verdadeira adoração to daqueles que introduzem
modismos
Nº 391 – A LITURGIA DO 6 - 2Jo 10 - Como lidar com os
CULTO falsos mestres
(Rm 12.1).
1 - 1Co 11.34 - A necessidade de Nº 393 – LOUVANDO
ordem no culto ETERNAMENTE
2 - 1Tm 2.8 - A oração e o culto (Sl 145.2).
a Deus 1 - Sl 30.12 - O desejo do salmista
3 - Ef 5.19 - O louvor como parte 2 - Sl 111.10 - O louvor a Deus
de nosso culto é o que permanece para sem-
4 - Cl 3.16 - A pregação da pa- pre
lavra como um momento do 3 - Ap 7.12 - O cântico dos anjos
culto 4 - Fp 4.20 - O único digno de
5 - 2Co 9.13 - A administração todo louvor
de ofertas no culto 5 - Jd 25 - Um cântico da Igreja
6 - Cl 2.18 - Cuidado com os fal- Primitiva
sos cultos 6 - Sl 79.13 - O povo de Deus o
louvará para sempre
Nº 392 – MODISMO NO
CULTO Nº 394 – PARA TUDO HÁ
(Tt 1.9). UM TEMPO
(Gn 1.14).

140
Pr. Josahat Baista
1 - Sl 39.4 - A brevidade da vida sessões
2 - Ec 9.12 - O homem que não 3 - Os 12.4 - Jacó lutou e chorou
conhece o seu tempo pela sua bênção
3 - Et 4.14 - Aproveitando o tem- 4 - Lc 15.18 - Voltando para re-
po de Deus cuperar o perdão do pai
4 - Gl 6.10 - Enquanto temos 5 - Lc 19.8 - Restituindo o que
tempo, façamos o bem não era seu
5 - Ef 5.15,16 - Otimizando o 6 - Fp 3.8 - A perda de tudo pelo
tempo amor a Cristo
6 - Sl 31.15 - O tempo está nas
mãos de Deus Nº 397 – FICANDO A SÓS
Nº 395 COM DEUS
CONTROLANDO A ANSIEDA- (Dn 6.10).
DE
1 - Gn 24.63 - Indo ao campo
(1Pe 5.7).
para estar a sós com Deus
1 - Pv 12.25 - A solicitude no co-
2 - Gn 32.23,24 - Jacó ica a sós
ração abate o homem
com um anjo
2 - At 16.25 - Controlando a an-
3 - Êx 3.1,2 - A sós com Deus no
siedade diante da tribulação
deserto
3 - Fp 4.6 - Ansiedade jamais
4 - Mt 14.23 - Despedindo a mul-
4 - Rm 4.18,19 - Fé e esperança
tidão para estar a sós com o
5 - Sl 40.1 - Esperar com paciên-
Pai
cia
6 - At 16.13 - Buscando um lugar
6 - Fp 4.11 - 13 - Contente e sem
para estar a sós com Deus
ansiedade em toda e qual-
quer situação Nº 398 – MILAGRES,
EVENTOS NATURAIS PARA
Nº 396 – RESTITUIÇÃO
DEUS
(Jl 2.25).
(Hb 13.8).
1 - 1Sm 30.7 - 20 - Lutando para
1 - Is 53.4 - O sacrifício de Jesus,
retomar os bens
garantia da cura
2 - 2Rs 13.25 - Recuperando pos-

141
. Es oços – Mensagens diversii adas

2 - Is 61.1 - A unção sobre Jesus, 2 - Sl 14.1 - A loucura dos nés-


garantia dos milagres cios
3 - Mc 16.17 - A promessa de Je- 3 - Lc 12.19 - 21 - O materialismo
sus não enriquece
4 - Mt 10.1 - Os discípulos como 4 - Lc 16.19 - 21 - O materialismo
instrumentos dos milagres promove a indiferença
5 - Sl 77.14 - O Deus que realiza 5 - Jo 20.29 - Felizes são os que
milagres creem
6 - Mt 19.26 - Para Deus tudo é 6 - 2Co 4.18 - Atentando no que
possível não se vê

Nº 399 – PROXIMIDADE DO Nº 401 – A ALEGORIA


DIA DO SENHOR CASAMENTO
(2Pe 3.9). (2 Co 11.2).
1 - Ez 30.3 - O dia do Senhor está 1 - Is 54.5 - Deus se apresenta a
perto Israel como um marido
2 - Hb 10.37 - Um poucochinho 2 - Jr 2.2 - A união de marido e
de tempo mulher é uma igura do re-
3 - Ap 12.12 - Pouco tempo para lacionamento entre Deus e
o Diabo Israel -
4 - 1Jo 2.18 - A última hora 3 - Mt 25.1 - O Senhor Jesus com-
5 - Hc 2.3 - Certamente virá, não para o cortejo nupcial a sua
tardará vinda
6 - Ap 1.3 - O tempo está próxi- 4 - Sl 45.9 - 11 - O resplendor do
mo casamento real ilustra a bele-
za e a pureza da Igreja
Nº 400 – A COSMOVISÃO 5 - Hb 13.4 - O casamento deve
MATERIALISTA ser honrado por todos
(1Co 15.19). 6 - Ap 19.7 - O encontro de Cris-
1 - Jó 12.7 - 10 - A natureza de- to com a Igreja é comparado a
põe contra o materialismo um casamento

142
Pr. Josahat Baista
Nº 402 – A MENSAGEM DOS batismo com o Espírito Santo
PROFETAS
(Rm 16.26). Nº 404 – A JUSTIÇÃO
SOCIAL
1 - Mt 7.12 - A regra áurea cum-
(Mt 5.20).
pre a lei e os profetas
2 - Mt 22.40 - A lei e os profetas 1 - Pv 14.34 - A justiça social
dependem do amor exalta as nações
3 - Mt 26.56 - Cumprimento das 2 - Pv 19.17 - Quem ajuda o po-
Escrituras dos profetas bre empresta a Deus
4 - At 15.15 - 17 - Os profetas 3 - Is 1.13 - 15 - O sacrifício e o
anunciaram a salvação dos estado espiritual do adorador
gentios 4 - Rm 15.26,27 - A espiritualida-
5 - At 26.22,23 - A mensagem da de do trabalho social
Igreja é a mesma dos profetas 5 - 2 Co 9.8,9 - Deus abençoa
6 - Rm 1.2 - Os profetas falaram quem socorre os pobres
sobre a vinda do Messias 6 - Tg 1.27 - Socorrer os necessi-
tados é parte da adoração
Nº 403 – O MOVIMENTO DO
ESPÍRITO Nº 405 – A LEI DA
(At 2.17). SEMEADURA
(Ob 1.15).
1 - Is 4.43 - O derramamento do
Espírito Santo 1 - Gn 25.22,23 - A inimizade
2 - Mt 3.11 - Jesus batiza com o desde a gestação
Espírito Santo 2 - Sl 137.7 - O clamor pela puni-
3 - Jo 14.16 - O Consolador está ção de Edom
sempre conosco 3 - Os 8.7 - Quem semeia vento
4 - Jo 14.26 - O Espírito Santo en- colhe tempestade
sina a Igreja 4 - Na 1.3 - Deus não terá o cul-
5 - At 2.4 - As línguas e o batis- pado por inocente
mo com o Espírito Santo 5 - Gl 6.7 - A lei da semeadura e
6 - At 11.15,16 - Os gentios e o o princípio da retribuição

143
. Es oços – Mensagens diversii adas

6 - Hb 2.2 - A desobediência re- titui a piedade


ceberá justa retribuição 6 - Lc 18.10 - 14 - A lição do fari-
seu e do publicano
Nº 406 – A GRANDEZA DO
AMOR DE DEUS Nº 408 – A JUSTIÇA DIVINA
(Jn 3.10). (Gn 18.32).
1 - Sl 85.10 - Justiça e amor no 1 - Gn 18.20 - O pecado de Sodo-
Calvário ma e Gomorra
2 - Jr 31.3 - A grandeza do amor 2 - Sl 18.25,26 - Deus faz justiça
de Deus aos justos e ímpios
3 - Lm 3.22 - As misericórdias de 3 - Is 1.9 - O exemplo do juízo
Deus divino
4 - Mt 12.39,40 - O profeta Jonas 4 - Ez 14.13 - O juízo divino à na-
como igura de Cristo ção pecadora
5 - Lc 11.32 - O exemplo dos ni- 5 - Mt 11.23,24 - A ruína de uma
nivitas cidade orgulhosa
6 - Lc 15.28 - 30 - A “justiça” do 6 - Rm 11.22 - A bondade e a se-
irmão do ilho pródigo veridade de Deus
Nº 409
Nº 407 – A PRÁTICA DA A SOBERANIA DIVINA SOBRE
PIEDADE AS NAÇÕES
(1 Sm 15.22). (Hc 1.13).
1 - 2 Rs 17.23 - Deus usou a Assí-
1 - Dt 10.12,13 - A rejeição do sa-
ria contra Israel
crifício formal
2 - Sf 2.13 - O castigo contra a
2 - Is 1.15 - 17 - Ritos sem pieda-
Assíria
de nada valem
3 - Jr 25.9 - Deus usou a Babilô-
3 - Mt 12.7 - A piedade é maior
nia contra Judá
que sacrifícios
4 - Jr 25.12 - O castigo contra a
4 - Mt 21.28 - 31 - Prática e teoria
Babilônia
da obediência
5 - Jr 27.5 - 7 - As nações sob a
5 - Mt 23.23 - O dízimo não subs-
autoridade divina

144
Pr. Josahat Baista
6 - Hc 2.20 - Perante o Senhor a pela profecia
Terra se cala
Nº 412 – O REINADO DO
Nº 410 – O JUÍZO MESSIAS
VINDOURO (Jr 23.5).
(Mt. 25.31,46) 1 - Is 2.2 - 4 - A guerra não mais
1 - Jr 30.7 - Um tempo de angús- existirá
tia para Jacó 2 - Is 11.6 - 9 - A plenitude da
2 - Dn 12.1 - Daniel profetizou o paz universal
tempo de angústia 3 - Jr 23.5,6 - Haverá completa
3 - Lc 21.25,26 - Uma convulsão segurança na terra
geral na sociedade 4 - Zc 14.11 - Jerusalém habitará
4 - 2 Pe 3.10 - Os céus passarão segura
com grande estrondo 5 - At 3.20,21 - A restauração de
5 - 1 Ts 5.2,3 - Um tempo de des- todas as coisas
truição 6 - 2 Pe 3.13 - Esperamos novos
céus e nova terra
Nº 411 – RECONSTRUINDO
O TEMPLO Nº 413 – A MENSAGEM DE
(Mt 6.33). DEUS EM MALAQUIAS
1 - 2 Cr 36.23 - O rei da Pérsia e (Ml (1.2 - 3.18)
o Templo 1 - Amor de Deus por Israel -
2 - Ed 3.10 - Lançam - se os ali- (1.2 - 5)
cerces do Templo 2 - Pecados dos sacerdotes - (1.6
3 - Ed 4.3 - A ediicação do Tem- - 2.9)
plo 3 - Pecados da comunidade -
4 - Ed 4.23,24 - O embargo da (2.10 - 16)
construção 4 - A justiça divina - (2.17 - 3.5)
5 - Ed 5.1,2 - Reinicia - se a cons- 5 - Ofensas rituais - (3.6 - 12)
trução do Templo 6 - Os servos de Deus - (3.13 - 18)
6 - Ed 6.14 - A nação prospera
Nº 414 – O Dia do Senhor

145
. Es oços – Mensagens diversii adas

(Ml 4.1 - 6) do a cultuar


1 - Arrogante e malfeitor - (v.1) 3 - Êx 4.31: A fé conduz ao culto
2 - Um dia de triunfo para os 4 - Êx 12.27: A explicação do
justos - (v.2,3) culto
3 - Restauração dos relaciona- 5 - Êx 10.9: A reivindicação do
mentos entre pais e ilhos e culto
entre o Povo de Deus - (v.4 - 6 - Rm 12.1 - 3: Um culto perfeito
6)
Nº 417 – O CHAMADO DOS
Nº 415 – A SANTIDADE LEVITAS
EXIGIDA (Nm 3.45).
(Lv 11.44). 1 - Gn 29.34: Levi, o patriarca sa-
1 - Êx 15.11: Deus é majestoso cerdotal
em santidade 2 - Êx 32.26: O zelo dos levitas
2 - Lv 8.9: A santidade dos sa- 3 - Nm 3.45: Os levitas são sepa-
cerdotes rados para Deus
3 - 1Cr 16.29: Adoração em san- 4 - Nm 18.20,21: A herança dos
tidade levitas
4 - Sl 93.5: A santidade convém à 5 - Ml 2.4,5: A aliança do Senhor
Casa de Deus com Levi
5 - Ef 4.24: Santidade, o revesti- 6 - Ml 2.6,7: A sabedoria dos le-
mento do crente vitas
6 - 1Ts 3.13: Santidade irrepreen-
Nº 418 – FUNÇÕES DO
sível
SACERDOTES
Nº 416 – A GLÓRIA DO (Lc 5.14).
CULTO DIVINO 1 - Lv 13.3: A função clínica do
(Lv. 9.23). sacerdote
1 - Gn 4.4: Abel inicia o culto di- 2 - Lv 13.53: A função sanitarista
vino do sacerdote
2 - Gn 12.1 - 3: Abraão é chama- 3 - Lv 14.36: A função urbanista

146
Pr. Josahat Baista
do sacerdote 3 - Êx 28.1: Nadabe e Abiú no
4 - Lv 27.18 - 23: A função civil santo ministério
do sacerdote 4 - Lv 10.1: Nadabe e Abiú e o
5 - Nm 18.21 - 28: A função ad- fogo estranho
ministrativa do sacerdote 5 - Lv 10.2: Deus fulmina Nada-
6 - Nm 5.11 - 22: A função judi- be e Abiú
cial do sacerdote 6 - Nm 3.1 - 4: A história de Na-
dabe e Abiú
Nº 419 – SANTIDADE, A
MARCA DISTINTIVA DO Nº 421 – O VINHO EM QUE
CRISTÃOS HÁ CONTENDA
(Lv 20.26). (Ef 5.18).
1 - Êx 15.11: Deus é gloriicado 1 - Gn 9.20 - 24: A embriaguez
em santidade de Noé
2 - Lv 10.3: A santidade de Deus 2 - Gn 19.30 - 35: O vinho e a
revelada profanação familiar
3 - Rm 1.1 - 7: A beleza da santi- 3 - 2 Sm 11.6 - 13: A corrupção
dade divina pelo vinho
4 - Sl 77.13: O caminho de Deus 4 - Pv 31.4,5: O vinho é impró-
é de santidade prio aos que presidem
5 - Sl 93.5: A santidade convém à 6 - Ef 5.1 - 18: Enchei - vos do
Casa de Deus Espírito
6 - 1 Ts 3.13: O coração conir-
mado em santidade Nº 422 – O HOLOCAUSTO
DA ANTIGA ALIANÇA
Nº 420 – NADABI E ABIÚ (Hb 10.10).
(Lv 10.3). 1 - Lv 1.9: O cheiro suave do ho-
1 - Êx 6.23: A ascendência de locausto
Nadabe e Abiú 2 - 1 Sm 6.14: O holocausto como
2 - Êx 24.1 - 9: Nadabe e Abiú vi- ação de graças
ram a glória divina 3 - Sl 40.6: O holocausto, igura

147
. Es oços – Mensagens diversii adas

da morte de Cristo das


4 - Gn 8.20: O holocausto de Noé 5 - Jo 8.12: Jesus é a luz do mun-
5 - Gn 22.13: O holocausto de do
Abraão 6 - Mt 5.14: Nós somos a luz do
6 - Fp 4.18: A oferenda dos ili- mundo
penses
Nº 425 – O PÃO DA VIDA
Nº 423 – SACRIFÍCIOS (Jo 6.47,48).
PACÍFICOS A DEUS 1 - 1 Cr 9.32: Os pães eram feitos
(Hb 13.15). pelos coatitas
1 - Sl 103.1,2: Uma alma devota- 2 - Lv 24.5: O material do pão
da em bendizer ao Senhor 3 - Dt 8.3: A suiciência da Pala-
2 - 1 Sm 1.24 - 28: O sacrifício de vra de Deus
Ana 4 - Êx 16.31 - 35: O pão que desce
3 - Gn 28.20,21: O voto de Jacó do céu
4 - Sl 22.25: O voto de Davi 5 - Mt 6.11: O pão nosso de cada
5 - 1 Ts 5.18: Nossos contínuos dia
sacrifícios pacíicos 6 - Jo 6.35: Jesus, o pão da vida
6 - Rm 12.1: Nossa verdadeira
oferta pacíica Nº 426 – ORAÇÃO, É A
MAIOR OFERENDA DO
Nº 424 – MANTENDO A CRENTE Á DEUS
LÂMPADA ACESA (Hb 4.16).
(Jo 8.12). 1 - Êx 26.36: O lugar santo
1 - Êx 25.37 - 40: A fabricação 2 - Êx 30.1 - 10: O altar do incen-
das lâmpadas so
2 - Êx 30.7,8: O acendimento das 3 - Êx 30.8: O incenso contínuo
lâmpadas 4 - Lv 16.12,13: A cerimônia do
3 - Êx 39.37: As lâmpadas eram incenso
de puro ouro 5 - Mt 6.9 - 13: A oração perfeita
4 - Lv 24.4: A ordem das lâmpa- 6 - Ap 5.8: O incenso é a oração

148
Pr. Josahat Baista
dos santos é enaltecido por Jesus Cristo
5 - Tg 4.13 - 15: Nossos projetos
Nº 427 – A PÁSCOA E O precisam da aprovação divi-
PENTECOSTES na
(At 2.1,4). 6 - 1Tm 5.8: A Palavra de Deus
1 - Êx 34.18: A festa dos pães as- ensina a responsabilidade
mos com a nossa família
2 - Êx 24.7,8: A aliança entre
Deus e Israel Nº 429 – CUIDANDO DA
3 - 1 Co 5.7: Jesus Cristo, o Cor- PROSPERIDADE
deiro Pascal (Is 55.2a).
4 - Êx 12.12: O signiicado da 1 - Ag 2.8: O Senhor é fonte de
Páscoa toda a riqueza, tudo pertence
5 - Êx 34.22,26: A festa de Pen- a Ele
tecostes 2 - 1 Tm 6.8 - 10: O amor do di-
6 - At 2.1 - 4: A descida do Espí- nheiro é a raiz de toda a espé-
rito Santo no Pentecostes cie de males
3 - 1Ts 2.9: O trabalho é o meio
Nº 428 – FILHOS, HERANÇA digno para a nossa subsistên-
DO SENHOR cia
(SI 127.3). 4 - 1Co 10.32,33: A nossa vida
1 - Gn 1.28; 2.23, 24; 9.1: Deus inanceira não deve servir de
ordenou o ser humano a pro- escândalo à sociedade
criar 5 - Ml 3.7 - 10: A bênção inan-
2 - Sl 127.3 - 5: Gerar ilhos era ceira tem a ver com a nossa
sinal de benevolência do Al- idelidade a Deus
tíssimo 6 - Pv 21.5: O planejamento do
3 - 1Sm 1.6,7: A esterilidade era orçamento familiar produz
motivo de preconceito e de tranquilidade inanceira
discriminação
4 - Lc 14.28 - 32: O planejamento Nº 430 – DIREITOS
FUNDAMENTADOS NO

149
. Es oços – Mensagens diversii adas

AMOR mento
(Êx 22.21). 5 - 2Pe 1.3: A vida humana é
1 - Gl 3.28: As Escrituras conde- uma dádiva divina
nam o preconceito e a discri- 6 - Dt 32.39: Deus está no contro-
minação le da vida humana
2 - Tg 5.4 - 6: A Bíblia Sagrada
Nº 432 – A VIDA PERTENCE
condena a exploração contra
A DEUS
os trabalhadores
(Jo 10.10).
3 - Mt 25.35 - 40: Sendo solidá-
rios com os necessitados 1 - Jz 16.28 - 30: Sansão não se
4 - Rm 2.11: Como servos de suicidou, mas morreu em
Cristo não podemos fazer combate
acepção de pessoas 2 - Mt 27.4,5; At 1.8: Judas Isca-
5 - 2Ts 3.13: O cristão deve per- riotes, tomado de remorsos,
severar na prática do que é dá im a própria vida
bom e direito 3 - Sl 100.3: Foi Deus quem deu
6 - 1Co 10.24: Preocupando - se a vida e, portanto, a vida per-
com os direitos do próximo tence a Ele
4 - Ec 3.2: Deus é quem determi-
Nº 431 – ASPECTO SACRO na o nosso nascer e morrer
DA VIDA 5 - Jo 15.13: O maior amor é o
(1 Sm 2.6). que entrega 3 vida em favor
1 - Gn 9.5,6: O homicida não ica do outro
impune diante de Deus 6 - Jo 10.15: Cristo entregou a
2 - 2Sm 12.13: Deus livra a Davi sua vida pela suas “ovelhas”
da morte
Nº 433 – SEXUALIDADE,
3 - Cl 1.16,17: Deus é o Criador
UMA DÁDIVA DIVINA
e o sustentador de todas as
(Hb 13.4).
coisas
4 - Jó 2.9,10: Jó rejeita a eutaná- 1 - Gn 1.27: Deus criou o homem
sia e decide passar pelo sofri- e a mulher com sexos diferen-

150
Pr. Josahat Baista
tes 6 - 1Tm 4.1,2: As verdades bíbli-
2 - Gn 1.31: Tudo o que Deus fez cas não devem ser relativiza-
é bom das pela consciência
3 - Gn 1.28; 9.1: Um dos propósi-
tos do sexo é a multiplicação Nº 435 – AS PERDAS NA
da raça humana VIDA DE JÓ
4 - Pv 5.18,19: Entre o casal, o (Jó 1.1 - 22).
sexo também deve ser praze- 1 - Jó 1.13 - 15 - Jó perde seu gado
roso e satisfatório 2 - Jó 1.16 - Jó perde seu rebanho
5 - Lv 18.6 - 24: A Bíblia proíbe 3 - Jó 1.17 - Jó perde os camelos e
e condena as práticas sexuais funcionários
ilícitas 4 - Jó 1.18,19 - Jó perde seus i-
6 - 1Co 7.2 - 9: O casamento é o lhos
antídoto contra as práticas se- 5 - Jó 42.10,12 - Deus restaura a
xuais ilícitas sorte de Jó

Nº 434 – A VIDA, UMA Nº 436 – UM HOMEM


DÁDIVA DE DEUS CHAMADO JÓ
(Sl 139.16). (Jó 1.8).
1 - Gn 2.7: Deus é quem concede 1 - Jó 1.1 - O homem que se des-
a vida ao ser humano tacou por sua piedade
2 - Jr 1.5: Deus nos conhece antes 2 - Ez 14.14 - Um dos homens
mesmo de sermos formados mais santos de todos os tem-
3 - Êx 21.22,23: A lei mosai- pos
ca condena a morte de uma 3 - Ez 14.20 - Um homem justo
criança no ventre da mãe 4 - Tg 5.11 - Um homem paciente
4 - 1Sm 2.6: O poder da vida e a 5 - Jó 42.9 - Um homem aceitável
da morte são atributos exclu- diante de Deus
sivamente divinos 6 - Jó 42.10 - Um homem de ora-
5 - Êx 20.13: O sexto mandamento ção
do Decálogo preserva a vida
humana

151
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 437 – O SALTÉRIO DE do o ser humano


ISRAEL 6 - Ec 12.13,14 - Um dia prestare-
(2 Sm 23.1). mos contas
1 - Sl 121.1,3 - O nosso socorro
Nº 439 – DEUS FAZ JUSTIÇA
vem do Senhor
A JUSTOS E ÍMPIOS
2 - Sl 29.2 - Adoremos a Deus na
(Gn 18.32).
beleza da sua santidade
3 - Sl 91.1 - Habitar no esconde- 1 - Gn 18.20 - O pecado de Sodo-
rijo do Altíssimo ma e Gomorra
4 - Sl 150.6 - Tudo quanto tem 2 - Sl 18.25,26 - Deus faz justiça
fôlego louve ao Senhor aos justos e ímpios
5 - Sl 78; 105; 106; 108; 114 - Deus 3 - Is 1.9 - O exemplo do juízo
lidou com a nação de Israel divino
6 - Sl 149; 150; 1 Cr 15.16 - 22) 4 - Ez 14.13 - O juízo divino à na-
- Os Salmos desempenhava ção pecadora
papel de importância no cul- 5 - Mt 11.23,24 - A ruína de uma
to do antigo Israel cidade orgulhosa
6 - Rm 11.22 - A bondade e a se-
Nº 438 – CONHECIMENTO veridade de DEUS
QUE NÃO PODE SER
ESQUECIDO Nº 440 – O SENHOR DAS
(Ec. 12:13). NAÇÕES
(Hc 1.13).
1 - Gn 2.7 - Conhecendo a cria-
tura 1 - 2 Rs 17.23 - Deus usou a Assí-
2 - Ec 12.1 - Conhecendo o Cria- ria contra Israel
dor 2 - Sf 2.13 - O castigo contra a
3 - Ec 11.9,10; Jo 21.18a - Conhe- Assíria
cendo a mocidade 3 - Jr 25.9 - Deus usou a Babilô-
4 - Ec 12.1 - 7; Jo 21.18b - Conhe- nia contra Judá
cendo a velhice 4 - Jr 25.12 - O castigo contra a
5 - Ec 12.7; 1Ts 5.23 - Conhecen- Babilônia

152
Pr. Josahat Baista
5 - Jr 27.5 - 7 - As nações sob a 5 - At 3.20,21 - A restauração de
autoridade divina todas as coisas
6 - Hc 2.20 - Perante o Senhor a 6 - 2 Pe 3.13 - Esperamos novos
Terra se cala céus e nova terra

Nº 441 – O JUÍZO Nº 443 – O REINO DE DEUS


VINDOURO PROCLAMADO
(Mt 24.24). (Mt 6.33).
1 - Jr 30.7 - Um tempo de angús- 1 - Mt 3.1 - 3 - O Reino de Deus
tia para Jacó anunciado por João Batista
2 - Dn 12.1 - Daniel profetizou o 2 - Mt 6.33 - O Reino de Deus
tempo de angústia conirmado pelo Senhor Jesus
3 - Lc 21.25,26 - Uma convulsão 3 - Jo 3.1 - 3 - O Reino de Deus e
geral na sociedade o novo nascimento
4 - 2 Pe 3.10 - Os céus passarão 4 - Mt 5.3 - 12 - O Reino de Deus
com grande estrondo e as Bem - aventuranças
5 - 1 Ts 5.2,3 - Um tempo de des- 5 - Mt 21 .42 - 44; CI 1.1 3,14 - O
truição Reino de Deus e a Igreja
6 - Mt 25.31,46 - O juízo inal 6 - Ap 20.4 - 6; 21.1 - 5 - O Reino
de Deus e a consumação dos
Nº 442 – A ESPERANÇA DO séculos
POVO DE DEUS
(Jr 23.5). Nº 444 – A ESPERANÇA DO
1 - Is 2.2 - 4 - A guerra não mais REINO
existirá (Is 11.1).
2 - Is 11.6 - 9 - A plenitude da 1 - 1 Tm 2.4 - O Deus de espe-
paz universal rança
3 - Jr 23.5,6 - Haverá completa 2 - Tt 2.13 - Conservemos a ben-
segurança na terra dita esperança
4 - Zc 14.11 - Jerusalém habitará 3 - Mt 5.20 - Vivendo os valores
segura do Reino em esperança

153
. Es oços – Mensagens diversii adas

4 - Dt 4.32 - 34; Mt 13 - O Reino 2 - 1 Sm 12.22 - Deus nunca de-


de Deus é tema central nas sampara o seu povo
Escrituras 3 - 1 Rs 8.56 - A idelidade da
5 - Mt 25.31 - 34 - A plenitude do Palavra transpõe tempo e cir-
Reino de Deus cunstâncias
6 - Ap 21.5 - Deus fará novas to- 4 - Ez 36.26 - Israel será conver-
das as coisas tido
5 - Zc 12.10 - A conversão de Is-
Nº 445 – O REINO DE DEUS rael é certa
ESTÁ PRÓXIMO 6 - Ef 2.12 - 15 - Em Cristo, ju-
(Me 1.15). deus e gentios formam a ge-
1 - Jo 3.3 - 5 - O novo nascimento ração eleita
e a entrada no Reino de Deus
2 - Jo 18..H - 36 - A natureza es- Nº 447 – O CANON
piritual do Reino de Deus SAGRADO NA SUA
3 - Mt 6.25 - 33 - Buscando o FORMAÇÃO
Reino de Deus em primeiro (Lc 24.44).
lugar 1 - Dt 31.24 - 26 - Moisés escre-
4 - Jo 15.16 - Ef 2.10 Frutiicando veu a Lei
no Reino de Deus 2 - Js 24.26 - Josué escreveu após
5 - Mt 5 - 7 - Os princípios eter- Moisés
nos do Reino de Deus 3 - Is 8.16 - Isaías e o proto - câ-
6 - Rm 14.17 - O Reino de DEUS non de seus dias
é justiça, alegria e paz no Es- 4 - 2 Rs 22.8 - 13 - A Lei de Moi-
pírito Santo sés como cânon parcial
5 - Ed 7.14 O cânon parcial nos
Nº 446 – O PACTO DE DEUS dias de Esdras
COM ISRAEL 6 - Ne 8.1 - 3 - O Livro da Lei no
(Is 59.21). pós - cativeiro
1 - Gn 15.18 - O Senhor é Deus
de Aliança Nº 448 – CRISTO NO
PENTATEUCO

154
Pr. Josahat Baista
(Jo 5.46). 4 - 2 Cr 13.22 - Ido escreveu tam-
1 - Jo 7.22; Gn 17.10 - O livro de bém a história do rei Abias
Gênesis é parte do Pentateu- 5 - 2 Cr 32.32 - Isaías escreveu a
co história do rei Ezequias
2 - Mc 12.26; Êx 3.6 - O livro de 6 - 2 Cr 33.19 - Videntes anôni-
Êxodo é parte do Livro de mos escreveram a história do
Moisés rei Manassés
3 - Ap 21.3; Lv 26.11,12 - A pro-
Nº 450 – A FIRMEZA DOS
messa de Deus de habitar no
PROFETAS
meio de seu povo
(2 Pe 1.19).
4 - Jo 3.14,15; Nm 21.9 - Cristo
cruciicado no madeiro por 1 - Rm 9.25,26 - O profeta Oséias
nossos pecados mencionado no Novo Testa-
5 - At 3.22; Dt 18.15 - 19 - A pro- mento
messa do Profeta semelhante 2 - At 2.16 - 21 - O profeta Joel
a Moisés mencionado no Novo Testa-
6 - Hb 10.1 - A sombra dos bens mento
futuros 3 - At 15.15,16 - O livro do pro-
feta Amós mencionado no
Nº 449 – CONTANDO A Novo Testamento
HISTÓRIA DE ALGUEM 4 - Mt 12.39 - 41 - O Senhor Jesus
(Hb 11.32). mencionou o profeta Jonas
1 - 1 Cr 29.29 - Natã, Gade e Sa- 5 - Mt 2.5,6; Mq 5.2 - O profeta
muel escreveram a história Miquéias anunciou o local do
do rei Davi nascimento de Jesus
2 - 2 Cr 9.29 - Natã, Aías e Ido 6 - Rm 1.17; Hc 2.4 - Habacuque,
registraram a história do rei o profeta da justiicação pela
Salomão fé
3 - 2 Cr 12.15 - Semaías e Ido
escreveram a história do rei
Roboão

155
. Es oços – Mensagens diversii adas

156
Pr. Josahat Baista

NOVO
TESTAMENTO

157
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 451 – O EVANGELHO DE releitura das tradições


MATEUS 5 - Mt 1.21 - O nome de Jesus
(Mt 1.1). está relacionado à sua missão
1 - Mt 1.1 - Jesus é da descendên- 6 - Mt 1.22,23 - O nascimento de
cia davídica Jesus ocorreu conforme o que
2 - Mt 1.2 - A genealogia de Je- fora predito pelos profetas
sus começa por Abraão
Nº 453 – JESUS, O VERBO
3 - Mt 1.16 - A descendência da-
DIVINO
vídica de Jesus é herdada por
(Jo 1.14).
meio de seu pai terreno, José
4 - Mt 5.17 - Jesus veio para cum- 1 - 1 Jo 1.1 - 4 - Jesus é a Palavra
prir a Lei e os profetas da Vida
5 - Mt 16.18 - Mateus é o único 2 - Ap 19.13 - Jesus é a Palavra
dos evangelistas que mencio- de Deus
na a Igreja 3 - Cl 1.15 - 17 - Jesus é o Criador
6 - Mt 28.18 - 20 - A Igreja é cha- do Universo
mada para cumprir as orde- 4 - Rm 9.5 - Jesus existe eterna-
nanças de Jesus mente
5 - Jo 17.5,24 - Jesus com o Pai
Nº 452 – O NASCIMENTO DE antes da criação do mundo
JESUS NO EVANGELHO DE 6 - Mt 1.23 - Jesus é Deus entre
MATEUS os homens
(Mt 1.23).
Nº 454 – JESUS, O FILHO DE
1 - Mt 1.18 - Maria concebeu Je-
DEUS
sus pelo Espírito Santo
(1 Jo 4.15).
2 - Mt 1.19 - José era um homem
justo 1 - Sl 2.7 - Jesus Cristo e sua en-
3 - Mt 1.25 - José só conheceu carnação
Maria após o nascimento de 2 - Jo 3.16 - O Filho Unigênito foi
Jesus enviado para nos trazer vida
4 - Mt 5.21 - 48 - Jesus fez uma eterna

158
Pr. Josahat Baista
3 - Jo 8.36 - O Filho foi enviado Menino
para libertar os oprimidos 5 - Mt 2.13 - 15 - A fuga do Meni-
4 - Jo 5.18 - O Filho é igual ao Pai no para o Egito
5 - 1 Jo 5.10 - Negar o Filho é ne- 6 - Mt 2.21 - O Menino retorna
gar o Pai do Egito
6 - Gl 1.10 - O Filho de Deus
morreu pelos pecadores Nº 457 – O BATISMO DE
JESUS
Nº 455 – A DUPLA (Jo 1.31).
NATUREZA DE CRISTO 1 - Lc 3.21,22 - O Espírito Santo
(Rm 9.5). no batismo de Jesus
1 - Is 9.6 - Os cinco nomes do 2 - Mt 3.16 - O batismo de Jesus
Messias foi por imersão
2 - Jr 23.5,6 - A divindade do Re- 3 - Lc 3.22; Jo 1.33 - O Pai certi-
novo de Davi ica a identidade do Filho no
3 - 1 Tm 2.5 - Jesus é o verdadei- batismo
ro homem 4 - Mt 3.15 - Jesus foi batizado
4 - Cl 2.9 - Jesus é o verdadeiro para cumprir toda a justiça
Deus em toda a sua plenitude 5 - Mt 28.19; Mc 16.16 - O batis-
5 - 1 Jo 5.20 - Jesus é o verdadei- mo nas águas é uma orde-
ro Deus e a vida eterna nança bíblica
6 - At 8.37 - É necessário crer em
Nº 456 – O MENINO JESUS Jesus para ser batizado
(Lc 2.52).
1 - Is 9.6 - A vinda do Menino é Nº 458 – O MISTÉRIO
anunciada PROFÉTICO DE JESUS
2 - Os 11.1 - Do Egito o Menino (Mt 21.11).
foi chamado 1 - Dt 18.15,18 - Jesus, Profeta se-
3 - Lc 2.27 - O Menino é apresen- melhante a Moisés
tado no templo 2 - Jo 6.14 - Jesus, Profeta que de-
4 - Mt 2.11 - Presentes para o via vir ao mundo

159
. Es oços – Mensagens diversii adas

3 - Lc 7.16 - Jesus, o Grande Pro- o Messias


feta 2 - Sl 132.11 - O rei Davi conir-
4 - Lc 24.19 - Jesus, o Poderoso ma a promessa divina
Profeta 3 - Is 9.7 - O vaticínio do Messias
5 - Jo 4.19 - Jesus, reconhecido dravídico
como Profeta 4 - Jr 23.5,6 - O Renovo de Davi
6 - Jo 7.40 - Jesus, o Profeta acla- 5 - Mt 1.1 - Jesus, Filho de Davi
mado 6 - Rm 1.3 - Jesus, descendente
de Davi
Nº 459 – JESUS, O
SACERDOTE ETERNO Nº 461 – O ENSINO DE JESUS
(Sl 110.4). (Mc 6.2).
1 - Gn 14.18 - Melquisedeque, 1 - Jo 7.46 - Jamais alguém ensi-
rei e sacerdote nou como Jesus
2 - Jó 1.5 - O sacerdócio exercido 2 - Mt 13.3 - Jesus ensinava por
pelo chefe da família parábolas
3 - Êx 28.1 - Instituição do sacer- 3 - Jo 8.2 - Jesus ensinava no
dócio de Arão Templo
4 - Hb 6.19 - Jesus, nosso precur- 4 - Lc 4.15 - Jesus ensinava nas
sor e sumo sacerdote eterno sinagogas
5 - Hb 4.15,16 - Jesus, o sumo 5 - Lc 5.2,3 - Jesus não perdia a
sacerdote santo e misericor- oportunidade de ensinar
dioso 6 - Lc 20.21 - O ensino de Jesus
6 - Hb 9.11 - Jesus, o sumo sacer- era divino
dote dos bens futuros
Nº 462 – O PODER
Nº 460 – JESUS, FILHO DE MILAGROSO DE JESUS
DAVI (At 2.22).
(Jo 7.42). 1 - Lc 8.23,24 - O poder de Jesus
1 - 2 Sm 7.16 - Deus promete a sobre a tempestade
Davi um descendente eterno, 2 - Mt 8.28 - 32 - O poder de Je-

160
Pr. Josahat Baista
sus sobre as forças do mal 1 - At 2.25 - 32 - A ressurreição
3 - Lc 17.12 - 14 - Jesus cura dez de Jesus no Antigo Testamen-
leprosos de uma só vez to
4 - Jo 11.25 - 44 - O poder de Je- 2 - Os 6.1,2 - A dupla aplicação
sus sobre a morte do terceiro dia
5 - Jo 9.1 - 7 - Jesus cura um cego 3 - Mt 16.21 - Jesus anuncia a sua
de nascença ressurreição
6 - Mt 14.13 - 21 - O milagre da 4 - Jo 11.25 - Jesus é a ressurrei-
multiplicação dos pães e dos ção e a vida
peixes 5 - At 3.6,13 - 16 - A prova pú-
blica da ressurreição de Jesus
Nº 463 – A MORTE DE JESUS 6 - 1 Co 15.17 - 20 - A ressurrei-
(1 Co 15.3). ção de Cristo é a base da fé
1 - At 13.26 - 29 - A morte de Je- cristã
sus anunciada pelos profetas
do Antigo Testamento Nº 465 – REI DOS REIS E
2 - Jo 8.20 - 24 - Jesus falou de SENHOR DOS SENHORES
sua morte vicária (1 Tm 6.15).
3 - Jo 19.1 - 3,17 - O martírio de 1 - Gn 49.10 - A realeza do Mes-
Jesus sias nas primeiras profecias
4 - Hb 2.9 - Jesus morreu por to- da Bíblia
dos os homens 2 - Jr 23.5,6 - Os profetas vatici-
5 - Hb 9.15 - A morte de Jesus nam o reinado justo do Mes-
foi para remissão dos nossos sias
pecados 3 - Zc 9.9 - A profecia da vinda
6 - Mt 27.45 - 53 - O brado da de um rei justo e salvador
cruz 4 - Lc 19.35 - 38 - Jesus foi acla-
mado Rei pelo povo
Nº 464 – A RESSURREIÇÃO 5 - Jo 19.19 - 22 - Jesus Nazareno,
DO NOSSO SENHOR Rei dos Judeus
(At 1.3). 6 - Lc 1.31 - 33 - O seu reino nun-
ca terá im

161
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 466 – CRISTO, NOSSO do


EXEMPLO POR EXCELÊNCIA 5 - Lc 9.23 - O Senhor Jesus Cris-
(Jo 13.15). to e a preparação dos discípu-
1 - Mt 11.29 - Cristo, exemplo de los
humildade 6 - Lc 9.1 - 12 - A missão dos dis-
2 - Sl 26.6 - A pureza é exigida ao cípulos era árdua, mas o Mes-
adorador tre estaria com eles
3 - Sl 11.7 - A bênção de Deus
Nº 468 – A MULHER NO
está sobre os que praticam a
MINISTÉRIO DE JESUS
justiça
(Lc 8.2,3).
4 - Jr 29.7 - A paz deve ser culti-
vada entre os ilhos de Deus 1 - Lc 1.35; Gn 3.15 - Jesus é da
5 - Jo 7.38 - Cristo é a fonte da descendência da mulher e
vida espiritual veio para resgatá - las
6 - Jo 13.15 - Cristo, nosso exem- 2 - Lc 7.44 - 47 - Jesus valorizou
plo por excelência as mulheres como ninguém
jamais o fez no mundo
Nº 467 – O CUSTO DO 3 - Lc 8.3 - Jesus foi ajudado por
DISCIPULADO mulheres que possuíam bens
(Lc 14.27). materiais
1 - Lc 4.15,31 - Jesus, o Mestre 4 - Lc 7.36 - 48; 8.2,3 - Jesus teve
por excelência e nosso exem- entre seus seguidores muitas
plo mulheres
2 - Lc 11.1 - 4 - Jesus não somen- 5 - Lc 13.16 - Jesus libertou mui-
te ensinou com palavras, mas tas mulheres que foram até
também pelo exemplo Ele
3 - Lc 9.57 - 62 - Jesus se utilizou 6 - Lc 7.50 - Jesus salvou as mu-
de vários métodos em seu lheres e digniicou sua condi-
ministério de ensino ção social
4 - Lc 14.25 - 27 - Jesus demons-
Nº 469 – O PODER DE JESUS
tra o alto custo do discipula-
(Lc 7.16).

162
Pr. Josahat Baista
1 - Lc 5.24 - Jesus e o seu poder 6 - Cl 2.15 - Jesus e a sua comple-
para perdoar e curar a todos ta vitória sobre os demônios
2 - Lc 5.12,13 - Jesus e a sua com-
paixão pelos doentes e neces- Nº 471 – JESUS E SEUS
sitados DISCIPULOS
3 - Lc 5.17 - Jesus e a autoridade (Lc 9.40).
para curar toda enfermidade 1 - Lc 9.40,41 - A falta de fé dos
4 - Lc 10.17 - 19 - Jesus e a dele- discípulos mesmo depois de
gação de autoridade aos seus verem os milagres
discípulos 2 - Lc 9.46 - 48 - Jesus não aceita
5 - Lc 17.20,21 - Jesus e a mani- a disputa dos discípulos
festação do Reino de Deus 3 - Lc 9.49,50 - Jesus repudia o
para todos exclusivismo dos discípulos
6 - Lc 21.31 - Jesus anunciou 4 - Lc 12.13,14 - Jesus é contra a
eventos que precederiam a avareza dos discípulos
vinda literal do Reino 5 - Lc 12.22 - 34 - Jesus ensina os
discípulos quanto a solicitu-
Nº 470 – O PODER DE JESUS de da vida
SOBRE AS FORÇAS DO MAL 6 - Lc 7.40 - 50 - Os discípulos e a
(Lc 8.25). necessidade do perdão
1 - Lc 8.22 - 35 - Jesus tem poder
sobre as forças da natureza Nº 472 – JESUS E O
2 - Lc 4.33 - 37 - Jesus tem poder DINHEIRO
sobre as forças malignas (Lc 18.24).
3 - Lc 8.29 - 31 - Jesus veio para 1 - Lc 21.1 - 4 - Riqueza e pobre-
libertar os cativos do Diabo za no tempo de Jesus Cristo
4 - Mc 1.21 - 26 - Jesus conhecia a 2 - Lc 18.29,30 - Generosidade e
natureza dos demônios e não prosperidade segundo a Pa-
os deixava falar lavra de Deus
5 - Lc 9.38 - 42 - Jesus veio para 3 - Lc 16.13 - Os perigos de se ter
destruir as obras dos demô- as riquezas como senhor
nios

163
. Es oços – Mensagens diversii adas

4 - Lc 12.13 - 34 - A vida do ho- 1 - Lc 22.39 - 46 - Momentos que


mem não consiste no seus antecederam a cruciicação
bens de Jesus
5 - Lc 7.36 - 50 - Avaliando a ver- 2 - Lc 22.2 - 6 - Judas, por ambi-
dadeira intenção do coração ção, negociou com os judeus
6 - Lc 16.9 - Não guardar tesou- a traição do Filho de Deus
ros na terra, mas no céu 3 - Jo 11.47 - 53 - O porquê da
cruciicação de Jesus na esfe-
Nº 473 – A PRIMEIRA ra religios
SANTA CEIA 4 - Jo 18.31 - O motivo da cru-
(1Co 5.7). ciicação de Jesus na esfera
1 - Êx 12.1 - 28 - O real propósito política
da Páscoa para os judeus 5 - Lc 23.21 - 23 - O método ter-
2 - Lc 22.7 - 13 - A última ceia rível de execução para os con-
de Jesus com seus discípulos denados à morte
aqui na terra 6 - Is 53.11 - O real signiicado
3 - Lc 22.14 - 20 - O verdadeiro da cruciicação do Senhor Je-
signiicado da celebração da sus Cristo
Ceia
4 - Lc 22.19,20 - Os elementos Nº 475 – A RESSURREIÇÃO
que compõem a Santa Ceia DE JESUS É A RAZÃO DA
do Senhor NOSSA FÉ
5 - 1Co 11.26 - O real propósi- (Lc 24.5).
to da Ceia do Senhor para a 1 - 1Rs 17.17 - 24 - A ressurreição
Igreja no contento do Antigo Testa-
6 - 1Co 11.27 - 32 - Ouem pode mento
participar da Santa Ceia do 2 - Lc 7.11 - 17 - A ressurreição
Senhor no contexto do Novo Testa-
mento
Nº 474 – CRUCIFICAÇÃO E 3 - Lc 24.39 - A ressurreição lite-
MORTE DE JESUS ral de Jesus segundo o Evan-
(Lc 23.46). gelho de Lucas

164
Pr. Josahat Baista
4 - Lc 24.41 - 43 - Jesus não está REINO DE DEUS
morto. Ele verdadeiramente (Mc 11.10).
ressuscitou 1 - Mt 26.26 - 29 - A esperança do
5 - Jo 20.10 - 18; At 2.32 - As evi- Reino de Deus
dências da ressurreição de Je- 2 - Jo 3.1 - 8 - A conquista do Rei-
sus, o Filho de Deus no de Deus
6 - Rm 4.25 - O propósito da res- 3 - Mt 6.33 - A justiça do Reino
surreição de Jesus segundo o de Deus
Evangelho de Lucas 4 - Sl 145.1 - 13 - A glória do Rei-
no de Deus
Nº 476 – A REALIDADE DA
5 - Sl 45.1 - 7 - A ética do Reino
TENTAÇÃO
de Deus
(Hb 4.15).
6 - Mt 25.31 - 40 - Os súditos do
1 - Lucas 4.2; 1Co 10.13 - A ten- Reino de Deus
tação é uma realidade para
todos os crentes Nº 478 – A RELEVÂNCIA
2 - Lc 4.3; 1Pe 5.8 - A necessi- CRISTÃ
dade constante de vigilância (Mt 5.16).
ante a tentação 1 - Gl 1.1 - 12 - A relevância da
3 - Gn 3.6; Lc 4.3,4 - A tentação pregação
de ser saciado em um mo- 2 - Hb 11.1 - 3,6 - A relevância
mento de necessidade da fé
4 - Lc 4.5 - 8 - A tentação de ser 3 - Ef 2.1 - 10 - A relevância da
prestigiado e assim descum- graça
prirmos o propósito divino 4 - 1Jo 1.5 - 7 - A relevância da
5 - Lc 4.9 - A tentação de ser no- comunhão
tado quando Deus quer dis- 5 - Rm 12.9 - 15 - A relevância da
crição solidariedade
6 - Lc 4.12,13 - Em Jesus Cristo 6 - Rm 12.17 - 21 - A relevância
podemos vencer a tentação da fraternidade

Nº 477 – A RELEVÂNCIA DO

165
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 479 – O CRISTÃO E O RENÚNCIA


RESPEITO (Lc 9.23).
(Mt 5.25). 1 - Lc 14.33 - Renunciar a tudo
1 - Êx 20.7 - O respeito a Deus para ser discípulo de Jesus
2 - Êx 20.16 - O respeito ao pró- 2 - Gn 22.12 - A primazia de
ximo Deus sobre os ilhos
3 - Rm 13.1 - 7 - O respeito às au- 3 - Mt 8.22 - Deixando os mortos
toridades para seguir a Jesus
4 - 1Co 6.12 - O respeito à liber- 4 - Mt 19.27 - É preciso deixar
dade cristã tudo por Cristo
5 - Jr 5.20 - 29 - O respeito ao di- 5 - Mc 10.21,22 - Alguém que
reito não quis deixar tudo
6 - Ec 4.9,10 - O respeito ao com- 6 - Lc 9.23 - Tomando a cruz de
panheirismo cada dia

Nº 480 – JESUS, O ÚNICO Nº 482 – A ESCOLA DA


SALVADOR HUMILDADE
(Mt 18.11). (Mt 11.29).
1 - Lc 1.47 - A alegria no Salva- 1 - Pv 15.33 - A humildade pre-
dor cede a honra
2 - Mt 1.21 - O Salvador de seu 2 - At 20.19 - Servindo com hu-
povo mildade
3 - Mc 5.34 - Considerando a fé 3 - Fp 2.3 - Tudo fazendo com
pessoal humildade
4 - Lc 17.33 - A perda que é ga- 4 - 1 Pe 5.5 - Cingindo - se de hu-
nho mildade
5 - Jo 10.9 - A porta da salvação 5 - Mt 18.4 - Humilde como
6 - Jo 12.47b - Veio para salvar o criança
mundo 6 - Tg 4.6 - Deus dá graça aos hu-
mildes
Nº 481 – O PREÇO DA

166
Pr. Josahat Baista
Nº 483 – A PREVENÇÃO 1 - Rm 5.8 - Deus prova seu amor
CONTRA A ANSIEDADE 2 - 1 Co 13.1 - Sem amor não so-
(Mt 6.25a). mos nada
1 - Gn 42.21 - Colhendo ansieda- 3 - 2 Co 5.14 - O amor de Cristo
de nos constrange
2 - Lv 26.36 - Pavor proveniente 4 - Gl 5.22 - O amor é fruto do
da desobediência Espírito
3 - Pv 12.25 - A solicitude angus- 5 - Ef 5.2 - Andando em amor
tiosa abate o coração 6 - 1 Jo 4.8 - Deus é amor
4 - Ez 12.18 - Comendo com re-
Nº 486 – ELE LEVOU AS
ceio
NOSSAS ENFERMIDADES
5 - Mt 6.25 - Ansiosos quanto à
(Mt 8.17).
vida
6 - Fp 4.6 - Não viver inquietos 1 - Ex 15.26 - A promessa de ne-
nhuma enfermidade
Nº 484 – A NECESSIDADE 2 - Is 53.4 - Ele tomou as enfer-
DA ORAÇÃO midades
(Lc 6.12). 3 - Mt 4.23 - Curando todas as
1 - Lc 6.12 - Jesus fazia vigílias enfermidades
2 - 1 Rs 8.44,45 - Orando pelo 4 - Jo 11.4 - Enfermidade para a
povo glória de Deus
3 - Jó 16.17 - Oração pura 5 - 1 Tm 5.23 - Constantes enfer-
4 - Sl 72.15 - Orando continua- midades
mente 6 - Tg 5.15 - A oração da fé salva-
5 - Pv 15.8 - A oração dos retos é rá o doente
aprazível a Deus
Nº 487 – O ANDAR DO
6 - Mt 17.21 - Oração e jejum
SALVO EM CRISTO
Nº 485 – A RELEVÂNCIA DO (Mt 5.13).
AMOR 1 - Mc 9.50 - Ter sal em si mesmo
(Mc 12.30). 2 - Fp 2.15 - Irrepreensíveis e

167
. Es oços – Mensagens diversii adas

sinceros crianças
3 - Pv 4.18 - A vereda dos justos 4 - Mt 2.16 - Meninos extermina-
brilha dos
4 - Mc 4.22 - Tudo será descober- 5 - Mt 21.16 - O perfeito louvor
to dos meninos
5 - 1 Pe 2.12 - Um viver honesto 6 - 1 Pe 2.2 - Meninos espirituais
6 - 1 Pe 2.15 - Deus quer que fa-
çamos o bem Nº 490 – BEM
AVENTURADOS
Nº 488 – VALORIZANDO A (Mt 5.8).
MULHER 1 - Sl 2.12 - Bem - aventurados os
(Lc 1.28). que coniam em Deus
1 - Mt 15.28 - Mulher de fé 2 - Sl 84.4 - Bem - aventurados
2 - Jo 4.9 - Quebrando preconcei- os que habitam na casa do Se-
tos nhor
3 - 1 Co 11.7 - A glória do ho- 3 - Sl 106.3 - Bem - aventurados
mem os que observam o direito
4 - Gl 4.4 - Nascido de mulher 4 - Sl 119.1 - Bem - aventurados
5 - Jo 20.13 - Consolando a mu- os que trilham caminhos re-
lher tos
6 - 1 Pe 3.7 - Dando honra à mu- 5 - Pv 8.32 - Bem - aventurados
lher os que guardam os caminhos
do Senhor
Nº 489 – AS CRIANÇAS NO 6 - Is 30.18 - Bem - aventurados
REINO DE DEUS os que esperam em Deus
(Mc 10.14).
1 - Gn 33.5 - Filhos dados por Nº 491 – A VERDADEIRA
Deus IGREJA
2 - Gn 50.20,21 - Deus sustenta (Mt 16.18).
as crianças 1 - At 2.47 - A Igreja reúne os sal-
3 - Sl 34.11 - Convite de Deus às vos

168
Pr. Josahat Baista
2 - At 8.1 - A Igreja sofre perse- 3 - Rm 5.14 - 17 - Jesus Cristo,
guição mediante sua morte, tira o
3 - At 11.22 - A igreja local pecado do mundo
4 - At 12.5 - A igreja em oração 4 - Rm 3.23,24 - A justiicação do
5 - At 14.23 - A liderança da igre- pecador foi um ato da graça
ja local de Deus
6 - Rm 16.5 - A Igreja no lar 5 - Ef 2.8 - A salvação pela graça
mediante a fé somente
Nº 492 – A VINDA DE 6 - Jo 3.16 - O amor de Deus pela
CRISTO humanidade é a razão de sua
(Mt 24.27). ação salvadora
1 - Mt 24.42 - Não se sabe a hora
da vinda de Jesus Nº 494 – O PREÇO DA OBRA
2 - Mt 24.37 - Como foi nos dias SALVÍFICA DE CRISTO
de Noé (Jo 19.30).
3 - Mt 24.46 - Esperando com 1 - Mt 27.29,30 - Um evento de
prudência humilhação em nosso favor
4 - Mt 24.21 - Alição como nun- 2 - Mt 27.39,40 - Blasfemado por
ca vista nossa causa
5 - Mt 24.11 - Surgirão falsos 3 - Lc 23.34 - O perdão imereci-
profetas do, Jesus ofereceu na cruz
6 - Mt 24.14 - A pregação em 4 - Ef 2.13,14 - Pelo sangue de
todo o mundo Cristo nos aproximamos de
Deus
Nº 493 – A SALVAÇÃO E O 5 - Rm 3.24 - Fomos justiicados
ADVENTO DO MESSIAS mediante a obra salvíica de
(Jo 1.14). Cristo
1 - Jo 1.9 - 12 - Jesus Cristo é a luz 6 - Gl 2.18 - 20 - Fomos cruciica-
de todos os que creem dos com Cristo: vivamos uma
2 - Mt 1.1 - 17 - O nascimento de vida santa
Jesus e a linhagem de Davi
Nº 495 – A RELEVÂNCIA DA

169
. Es oços – Mensagens diversii adas

GRAÇA EM CRISTO submeter ou não ao jugo da


(Rm 5.18). escravidão
1 - Ef 2.8,9 - Salvos pela graça 6 - Sl 119.30,31 - O salmista de-
mediante a fé cidiu andar pelo caminho da
2 - Rm 4.25 - A Ressurreição de verdade
Cristo: o triunfo da graça so-
Nº 497 – A PLENA
bre a morte e o pecado
GLORIFICAÇÃO DOS
3 - 1Tm 1.14 - A graça de Deus
SALVOS
transborda em nós
(Fp 3.20).
4 - At 15.10,11 - Somente pela
graça somos salvos 1 - 1Co 15.42 - 44 - A transfor-
5 - Gl 2.16 - Nenhuma obra me- mação do corpo natural em
ritória garante a salvação corpo gloriicado
6 - Rm 5.20,21 - Onde havia o 2 - Rm 8.22,23 - A esperança na
pecado a graça de Deus o su- plena gloriicação do nosso
plantou corpo
3 - 2Co 5.4 - O que é mortal será
Nº 496 – A REALIDADE DO absorvido pela vida
LIVRE ARBÍTRIO 4 - Jd vv.24,25 - Conservados
(Sl 25.12). para se apresentar diante de
1 - Gn 3.1,6 - Deus dá ao homem Deus
capacidade de fazer escolhas 5 - 1Pe 5.10,11 - Convidados a
2 - Dt 30.19 - A liberdade de es- participar da eterna glória de
colher entre a bênção e a mal- Deus
dição 6 - Cl 3.4 - A manifestação em
3 - Is 48.18 - O povo escolhe não glória de Cristo, juntamente
obedecer a Deus com a sua Noiva
4 - Rm 10.9 - A salvação é pela
Nº 498 – VIVENDO COM
graça, mas o homem precisa
AMENTE DE CRISTO
decidir aceitá - la
(1Co 2.16).
5 - Gl 5.1 - O homem escolhe se

170
Pr. Josahat Baista
1 - Mt 5.1 - 12 - As bem - aven- VINDOURO
turanças trazem bom senso (Ap 21.1).
para a vida 1 - At 24.15 - Todos os mortos
2 - Mt 5.13 - 16 - Sendo sal para serão ressuscitados
temperar e luz para iluminar 2 - Is 65.20 - 22 - A longevida-
3 - Mt 5.21 - 26 - Sabedoria no de humana, característica do
relacionamento interpessoal Reino Milenar de Cristo
4 - Mt 5.38 - 42 - Guardando o 3 - 1Co 15.26 - A morte será ani-
coração do ódio e do mal quilada para sempre no Juízo
5 - Mt 6.1 - 4 - Fazendo o bem Final
com a motivação correta 4 - Mt 25.46 - Há na eternidade
6 - Mt 6.9 - 15 - Orando a Deus um lugar para os justos e ou-
com sabedoria tro para os injustos
5 - Ap 20.1 - 3 - O Milênio será
Nº 499 – JESUS VOLTARÁ
instaurado por ocasião da
(Mt 24.27).
vinda de Cristo em glória
1 - Jo 14.3 - O Senhor Jesus Cris- 6 - Ap 22.3 - 5 - Uma amostra da
to prometeu nos levar para o glória do lar dos santos
céu
2 - Lc 17.34 - 36 - O arrebatamen- Nº 501 – O EVANGELHO DE
to da Igreja acontecerá repen- LUCAS
tinamente (Lc 1.4)
3 - Jd 14 - A vinda de Jesus em 1 - Lc 3.1,2 - O cristianismo no
glória seu cenário histórico.
4 - Mt 24.21 - Após o arrebata- 2 - Lc 1.1 - 4 - O cristianismo se
mento da Igreja se seguirá a fundamenta em fatos.
Grande Tribulação 3 - Lc 16.16 - O cristianismo no
5 - 2Co 5.10 - O Tribunal de Cris- contexto bíblico.
to 4 - Lc 2.23 - 28 - O cristianismo
6 - Ap 22.20 - Jesus em breve virá em seu aspecto universal.
5 - Lc 1.35; 5.24 - O cristianismo
Nº 500 – O MUNDO

171
. Es oços – Mensagens diversii adas

e a deidade de Jesus. 6 - Mt 1.19 - José, um homem


6 - Lc 4.18 - O Cristianismo e o justo.
Ministério do Espírito.
Nº 504 – A NOSSA
Nº 502 – ATÉ JOÃO! SUFICIÊNCIA ESTÁ EM
(Lc 16.16). JESUS
1 - O ministério de João Batista (Jo 10.10).
anunciado (Is 40.3 - 5). 1 - 1 Rs 3.9,13 - Salomão não pe-
2 - João Batista, cheio do Espírito diu riquezas.
Santo (Lc 1.15). 2 - 1 Tm 6.17 - A coniança do
3 - João Batista, consciente de crente rico não deve estar no
sua identidade (Jo 1.20 - 23). dinheiro.
4 - João Batista, reconhecido 3 - Pv 30.8 - Nem pobreza, nem
como profeta de Deus (Mt riqueza.
14.5). 4 - Pv 14.31 - Os pobres não de-
5 - João Batista batizou Jesus nas vem ser oprimidos.
águas (Mc 1.9 - 11). 5 - 1 Tm 6.18 - Os ricos devem
6 - João Batista despertou a aten- ser generosos.
ção das autoridades (Jo 1.19). 6 - Mc 8.36 - Nada vale ganhar o
mundo e perder a alma.
Nº 503 – JOSÉ, O PAI
TERRENO DE JESUS Nº 505 – UMA NOVA VIDA
(Mt 1.24) EM CRISTO
1 - Jo 1.1 O Verbo se fez carne. (Rm 12.1).
2 - Lc 2.4 - José era da descen- 1 - Jo 3.16 - O Reino de Deus é
dência de Davi. para todos aqueles que creem,
3 - Mt 2.13,14 - José fugiu para o não somente para o judeu.
Egito com Maria e Jesus. 2 - Jo 3.3 - Para fazer parte do
4 - Mt 13.55 - Jesus, “o ilho do Reino é necessário nascer de
carpinteiro”. novo.
5 - Mc 6.3 - Jesus, “carpinteiro”. 3 - 2 Co 5.17 - Se alguém está em

172
Pr. Josahat Baista
Cristo é uma nova criatura e 1 - Mt 28.16 - Os discípulos re-
tudo se fez novo. tornaram para a Galileia.
4 - Jo 3.5,6 - A regeneração pela 2 - Mt 28.17 - Alguns quando vi-
água e pelo Espírito nos torna ram o Cristo ressurreto duvi-
novas criaturas. daram.
5 - Cl 2.6,7 - Receber a Jesus 3 - Mt 28.18 - Jesus tem todo o
como salvador é o início da poder no céu e na terra.
vida cristã. 4 - Mt 10.6 - O primeiro comis-
6 - Cl 2.11 - Como novas criatu- sionamento dos discípulos
ras fomos circuncidados em foi para os judeus.
Jesus Cristo. 5 - Mt 28.19 - Jesus comissiona
os discípulos para pregar o
Nº 506 – O NOVO Evangelho ao mundo.
CONVERTIDO EM CRISTO 6 - Mt 20.20 - A missão dada por
(2 Co 5.17). Jesus.
1 - At 2.37,38,41 - O arrependi-
mento na vida do homem. Nº 508 – PROVAS
2 - 2 Co 5.17 - A nova criatura INFALÍVEIS DA
em Cristo. RESSURREIÇÃO DE JESUS
3 - Fp 3.13,14 - Deixando o pas- (Mt 28.6),
sado e prosseguindo para o 1 - Mt 28.1 - Jesus ressuscitou no
futuro. primeiro dia da semana.
4 - Hb 12.2 - Olhando para Cris- 2 - Mt 28.2 - Um anjo do Senhor
to. removeu a pedra do sepulcro
5 - Rm 6.4; 1 Jo 5.12 - A nova 3 - Mt 28.9 - 10 - Jesus é visto
vida em Jesus. pelas mulheres que foram ao
6 - At 1.8 - Testemunhando de sepulcro
Cristo ao mundo todo. 4 - Mt 28.11 - 15 - Os chefes dos
sacerdotes compram o silên-
Nº 507 – PÓS - cio dos soldados.
RESSURREIÇÃO 5 - Mt 28.16,17 - Jesus aparece
(Mt 28.19). para os onze discípulos.

173
. Es oços – Mensagens diversii adas

6 - Mt 28.18 - A Jesus é dado todo 4 - Jo 1.9 - A luz que ilumina to-


poder nos céus e na terra. dos os homens.
5 - Jo 8.12 - A luz dissipa as tre-
Nº 509 – JESUS ENTRA EM vas.
JERUSALEM 6 - Tg 1.17 - Deus, o Pai das Lu-
(Mt 21.9). zes.
1 - Mt 21.4,5 - A entrada triun-
fal de Jesus em Jerusalém foi Nº 511 – CHAMADA SANTA
predita pelos profetas. (1 Pe 1.15).
2 - Mt 21.6 - A obediência e dis- 1 - Lv 10.10 - O profano é aquele
ciplina dos discípulos. que lida com as coisas sagra-
3 - Mt 16.21 - Jesus prediz que das como se fossem banais.
seria morto, e ressuscitaria ao 2 - Êx 26.33 - Santo é a separação
terceiro dia. daquilo que é de uso comum.
4 - Zc 9.9 - Zacarias prediz a en- 3 - Lv 19.2 - Deus é santo.
trada triunfal de Jesus em um 4 - Hb 9.14 - O sangue de Cristo
jumentinho. nos santiica.
5 - 1 Rs 1.33 - Era costume os reis 5 - 1Pe 1.16 - Deus nos chamou
terem sua mula. para a santiicação.
6 - Sl 118.25 - “Bendito aque- 6 - Hb 12.14 - Sem a santiicação
le que vem em nome do Se- ninguém verá o Senhor
nhor”.
Nº 512 – JESUS AINDA É O
Nº 510 – RESPLANDEÇA A MESMO
VOSSA LUZ (Hb 13.8).
(Mt 5.16). 1 - Is 53.4 - O sacrifício de Jesus,
1 - Mc 9.49 - Salgados com fogo. garantia da cura
2 - Pv 4.18 - A vereda dos justos 2 - Is 61.1 - A unção sobre Jesus,
brilha. garantia dos milagres
3 - Jo 1.7 - Dando testemunho da 3 - Mc 16.17 - A promessa de Je-
luz. sus

174
Pr. Josahat Baista
4 - Mt 10.1 - Os discípulos como do pecador uma nova criatu-
instrumentos dos milagres ra em Cristo Jesus
5 - SI 77.14 - O Deus que realiza 3 - At 10.43 - O perdão dos pe-
milagres cados está disponível a todos
6 - Mt 19.26 - Para Deus tudo é 4 - Tt 3.5 - O novo nascimento
possível signiica regeneração
5 - 2Co 5.18,19 - Fomos reconci-
Nº 513 – JESUS, O ÚNICO liados com Deus pela morte
SALVADOR DO MUNDO de Jesus
(Jo 14.6). 6 - Jo 1.12 - Fomos adotados
1 - Jo 3.16 - 18 - Jesus é o Filho como ilhos de Deus pela fé
Unigênito de Deus em Jesus
2 - Rm 1.3,4 - Jesus é o verdadei-
ro Deus e o verdadeiro ho- Nº 515 – FAZENDO A
mem VONTADE DE CRISTO
3 - Is 7.14 - Mt 1.20,23: Jesus foi (Lc 6. 46).
concebido pelo Espírito Santo 1 - Ml 1.6 - A honra de Pai e o
e nasceu da virgem Maria temor de Senhor
4 - Hb 10.12 - A morte de Jesus 2 - Lc 6.46 - É preciso obedecer,
foi expiatória e não apenas chamá - lo de
5 - Rm 8.34 - Jesus ressuscitou Senhor
dentre os mortos e intercede 3 - Lc 13.27 - Uma dura sentença
por nós 4 - Lc 10.17 - 20 - A verdadeira
6 - At 1.9 - Jesus subiu aos céus alegria
5 - 2 Cr 35.20 - 25 - Um bom iní-
Nº 514 – NASCENDO EM cio não garante um inal feliz
CRISTO 6 - Os 6.6; Mt 9.13 - Misericórdia
(Jo 3.7). e não sacrifício
1 - Jo 3.3 - 8 - O novo nascimento
é nascer do Espírito Nº 516 – JESUS DAR UM
2 - 2 Co 5.17 - A fé salvíica faz SINAL SOBRE OS FALSOS
PROFETAS

175
. Es oços – Mensagens diversii adas

(Mc 13.22). JULGAR


1 - Lc 6.43 - O fruto segundo a (Lc 6.36).
sua árvore 1 - Mc 4. 24 - O ónus do julga-
2 - Lc 6.44 - O fruto identiica a mento
árvore 2 - Lc 6.37 - Não julgueis e não
3 - Lc 3.8,9 - Frutos dignos de sereis julgados
quem se arrependeu 3 - Lc 6.38 - Com a medida que
4 - Mt 21.43 - Os frutos do Reino medirmos, seremos igual-
de Deus mente medidos
5 - Mc 4.20 - A Palavra gera fruto 4 - Lc 6.41 - O argueiro e a trave
em abundância 5 - Lc 6.42 - Antes de reparar o
6 - Gl 5.22 - O fruto do Espírito argueiro, tire a trave da sua
frente
Nº 517 – JESUS, A ÚNICA 6 - Lc 6.36 - A melhor recomen-
OPÇÃO dação
(Jo 14.6).
1 - Dt 11.26 - 28 - A bênção e a Nº 519 – JESUS ENSINA A
maldição CONFIAR EM DEUS
2 - Dt 30.11 - 20 - A vida e o bem, (Mt 6.34).
a morte e o mal 1 - SI 37.25 - O testemunho de
3 - Sl 1.6 - O caminho dos justos Davi
e o caminho dos ímpios 2 - Lc 12.31 - O Reino de Deus
4 - SI 119.29,30 - O caminho da em primeiro
falsidade e o caminho da ver- 3 - 1Tm 4.8 - A promessa para o
dade presente e para o futuro
5 - Jr 21.8 - O caminho da vida e 4 - Tg 4.13 - 16 - O amanhã só
o caminho da morte virá com a permissão divina
6 - Lc 13.24 - A porta estreita 5 - Pv 27.1 - A imprevisibilidade
do amanhã
Nº 518 – JESUS ENSINA A 6 - Lc 12.13 - 21 - A precariedade
MISERICÓRDIA EM VEZ DE dos bens

176
Pr. Josahat Baista
Nº 520 – O CARÁTER Nº 522 – O FIM DA LEI É
SUPREMO DE JESUS CRISTO
(Is 9.6). (Rm 104).
1 - Jo 1.2 - Jesus, o Verbo de 1 - Lc 16.17 - A Lei cumprida in-
Deus tegralmente
2 - At 10.38 - Jesus, ungido por 2 - Mt 11.13 - Lc 16.16: A dura-
Deus ção da Lei
3 - Gn 3.15 - Jesus, a semente da 3 - Rm 13.10 - O cumprimento
mulher da Lei
4 - Jo 14.6 - Jesus, o caminho, a 4 - Rm 13.8 - Quem ama, cum-
verdade e a vida priu a Lei
5 - Jo 1.14 - Jesus, o Unigênito do 5 - Rm 14.17 - O que o Reino de
Pai Deus não é
6 - Mt 24.30 - Jesus voltará “com 6 - Rm 13.5 - Obedecer pela
poder e grande glória” consciência

Nº 521 – MARIA, EXEMPLO Nº 523 – O CRENTE


DE HUMILDADE EXEMPLAR
(Lc 1.38). (Lc 6.43).
1 - Jo 1.46 - Nazaré, cidade sem 1 - 1Tm 4.12 - Sendo exemplo na
importância juventude
2 - Sl 147.6 - Deus “eleva os hu- 2 - Gn 41.38 - Um jovem exem-
mildes” plar
3 - 1 Co 1.27 - 29 - Deus usa as 3 - Tt 2.7 - Ser exemplo em tudo
coisas sem importância 4 - 1Pe 5.3 - A liderança deve dar
4 - Lc 1.45 - Maria, a serva bem - o exemplo
aventurada 5 - 1Ts 1.6,7 - Uma igreja exem-
5 - Tg 4.6 - Deus “dá graça aos plar
humildes” 6 - Jo 13.13 - 15 - O maior exem-
6 - Lc 1.28 - Maria, a serva agra- plo
ciada

177
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 524 – A ALEGRIA DO (1 Ts 2.8).


SALVO 1 - Gl 1.10 - Quando Deus con-
(Mt 5.12). irma o ministério de uma
1 - SI 15.1 - 5 - O peril do salvo pessoa
2 - Lc 6. 20 - A alegria do pobre 2 - 1 Ts 2.11 - A Igreja como es-
3 - Lc 6. 21 - A alegria do famin- paço de ediicação mútua
to e do triste 3 - At 20.24 - O nível de doação
4 - Lc 6. 22 - A alegria dos des- exigido dos que anunciam o
prezados Evangelho
5 - Lc 6. 23 - A alegria da identi- 4 - 1 Ts 2.3 - A integridade da
icação mensagem
6 - Lc 6. 24 - 26 - A tristeza da 5 - 2 Pe 2.3 - A denúncia contra
alegria mundana os estelionatários da fé
6 - 2 Co 7.7 - A alegria do minis-
Nº 525 – A NOSSA tro iel
EXPERIÊNCIA DE VIDA
(1 Ts 1.3). Nº 527 – PERSEVERANÇA
1 - 1 Co 13.13 - As três virtudes NA VOCAÇÃO DE DEUS
cristãs (1 Ts 3.8).
2 - 2 Co 5.17 - A nova vida em 1 - 1 Co 4.9 - 14 - Paulo e sua en-
Cristo trega à obra de Deus
3 - Jo 15.13 - O amor maior 2 - At 14.22 - As tribulações não
4 - 1 Ts 2.19 - Nossos relaciona- podem nos impedir de entrar
mentos devem ser causa de no Reino de Deus
nossa alegria 3 - Mt 5.10 - 12 - Os ilhos do Rei-
5 - 1 Co 2.4 - A palavra que salva no serão perseguidos
6 - Rm 8.1 - Como vivem os que 4 - Hb 12.14 - Santidade como
estão em Cristo elemento indispensável
5 - Ef 4.15,16 - Somente o amor
Nº 526 – O COMUNICADOR produz um crescimento sau-
DO EVANGELHO dável

178
Pr. Josahat Baista
6 - Rm 12.14 - Deve - se vencer o 5 - Rm 14.8 - Não vivemos para
ódio com amor nós mesmos
6 - 1 Pe 5.7 - O Senhor cuida de
Nº 528 – VIVENDO UMA nós
VIDA SANTA
(1 Ts 4.8). Nº 530 – A ESPERANÇA DE
1 - Cl 3.17 - Vivendo para a gló- QUEM VIGIA
ria de Deus (1 Ts 5.6).
2 - 1 Co 6.19 - Reconhecer o cor- 1 - Hb 5.14 - A necessidade de
po como templo de Deus crescer na fé
3 - Jo 8.32 - A verdade que liber- 2 - 1 Co 6.14 - As consequências
ta da ressurreição
4 - Lv 25.17 - Ninguém oprima o 3 - Mt 24.42 - A exortação para a
seu próximo vigilância
5 - 1 Co 6.11 - O Espírito nos san- 4 - Jo 14.3 - Nosso destino: mo-
tiica rar com o Pai
6 - Mt 5.24 - A relação entre ofer- 5 - 1 Ts 5.18 - O consolo do cris-
ta, santidade, adoração e co- tão
munhão 6 - 1 Ts 5.3 - O caráter surpreen-
dente da chegada do Reino
Nº 529 – VIVENDO EM
AMOR Nº 531 – UM LÍDER
(1 Ts 4.9). EXEMPLAR
1 - 1 Jo 4.20 - Não existe adora- (1 Ts 5.15).
ção onde há ódio 1 - At 6.3 - Homens de boa re-
2 - Jo 15.12 - Jesus, o perfeito pa- putação
drão de amor 2 - At 6.1 - 4 - Escolhidos para
3 - Tt 3.5 - Somos salvos pela mi- servir
sericórdia e amor do Pai 3 - 1 Co 12.28 - Alguns foram
4 - Rm 13.8 - O amor, uma dívi- chamados para liderar
da impagável 4 - 1 Co 9.27 - A necessidade de

179
. Es oços – Mensagens diversii adas

disciplina na vida cristã 3 - 2 Pe 2.1 - O antigo perigo das


5 - Cl 3.23 - Fazei tudo de cora- heresias
ção, como ao Senhor 4 - 2 Ts 2.10 - O Anticristo vem
6 - 1 Ts 5.21 - É necessário exami- com a operação do engano
nar tudo e ter discernimento 5 - 1 Jo 4.3 - O perigo do espírito
do Anticristo
Nº 532 – DIGNOS DA 6 - 2 Ts 2.12 - O im dos desobe-
VOCAÇÃO DE DEUS dientes
(2 Ts 1.11).
1 - 1 Co 11.19 - Em meio às crises Nº 534 – A MENSAGEM
os iéis se revelam CONSOLADORA
2 - Sl 11.5 - O justo passa por (2 Ts 2.16).
provas 1 - 2 Ts 2.13 - Deus nos elegeu
3 - Rm 8.38,39 - As alições não para a salvação
podem nos separar do amor 2 - Cl 1.28 - Em Jesus somos
de Deus aperfeiçoados
4 - Hb 4.1 - 11 - Há um lugar de 3 - Ef 5.1: - Devemos ser imita-
descanso para nós dores de Cristo
5 - Cl 1.12 - Somos chamados 4 - Rm 6.4 - Somos chamados
para uma vida digna para novidade de vida
6 - 1 Co 10.31 - Devemos viver 5 - Sl 4.8 - Somente Deus nos faz
para a glória de Deus habitar em segurança
6 - Pv 4.23 - Devemos guardar o
Nº 533 – NÃO VOS MOVAIS coração
FACILMENTE
(2 Ts 2.2). Nº 535 – NUMA SOCIEDADE
1 - Mt 24.36 - Ninguém sabe CARENTE DE EXEMPLO
quando ocorrerá o Dia do Se- (2 Ts 3.6).
nhor 1 - Hb 7.28 - Cristo, o homem
2 - Sf 1.14 - O Dia do Senhor no perfeito
AT 2 - Jo 17.14 - Não somos como o

180
Pr. Josahat Baista
mundo da a Josué
3 - Mt 10.16 - Vivemos como 6 - 2Sm 5.1 - 12 - Davi conquista
ovelhas entre lobos Jerusalém
4 - 2 Ts 3.13 - Somos convocados
para fazer sempre o bem Nº 538 – JESUS E OS
5 - 2 Co 13.11 - O Deus da paz GRUPOS RELIGIOSOS
6 - 2 Co 3.5 - O que temos de (Mt 23.13).
bom não procede de nós 1 - Mt 16.6 - O fermento dos fari-
seus e saduceus
Nº 536 – A TERRA DO 2 - Mt 22.34 - 46 - A resposta ao
SALVADOR fariseu
(Mt 2.21). 3 - Lc 15.2 - Murmuração dos re-
1 - Hb 1.10 - O fundador da terra ligiosos
3 - Gl 4.4,5 - O envio à terra 4 - Lc 18.10 - 14 - O orgulho dos
4 - Mt 2.6 - Terra do Salvador fariseus
5 - Mt 28.18 - Poder sobre o céu 5 - Mc 3.6 - A estratégia dos he-
e a terra rodianos
6 - Jr 22.29 - Terra, ouve a Pala- 6 - Tg 1.27 - A verdadeira reli-
vra do Senhor! gião

Nº 537 – SAINDO DA TERRA Nº 539 – JESUS E O


(Gn 12.1). CUMPRIMENTO DA LEI
1 - Gn 15.18 - Promessa da terra (Mt 5.17).
a Abraão 1 - Jo 14.23 - Quem ama a Cristo,
2 - Gn 26.3 - 5 - Promessa conir- guarda os seus mandamentos
mada a Isaque 2 - Gl 4.1 - 5 - O Evangelho isen-
3 - Gn 35.8 - 15 - Promessa con- ta - nos da lei
irmada a Jacó 3 - Sl 119.33 - Os estatutos do Se-
4 - Êx 19.1 - 8 - Promessa conir- nhor
mada a Moisés 4 - Hb 10.1 - A sombra dos bens
5 - Js 1.1 - 9 - Promessa conirma- futuros

181
. Es oços – Mensagens diversii adas

5 - Tg 2.8 - A Lei Real nhor Deus


6 - Rm 8.2 - A Lei do Espírito de
Vida Nº 542 – A JUSTIÇA
PRATICADA
Nº 540 – JESUS E O REINO (Mt 5.6).
(Mt 12.28). 1 - Sl 119.142 - Justiça eterna
1 - Mt 4.23 - O Evangelho do 2 - Sl 89.14 - A base do trono
Reino 3 - 1Jo 3.7 - Aquele que pratica a
2 - Lc 12.31 - A prioridade do justiça é justo
Reino 4 - Fp 1.11 - Frutos de justiça
3 - 1Co 6.10 - Não herdarão o 5 - Dt 16.20 - Seguindo a justiça
Reino de Deus 6 - Sl 82.3 - Fazei justiça ao pobre
4 - Mt 18.4 - O maior do Reino
dos céus Nº 543 – O BATISMO É UMA
5 - Sl 145.13 - O Reino de Deus ORDENANÇA
6 - Lc 18.24 - O Reino e as rique- (Mt 28.19).
zas 1 - At 2.38 - 41 - Arrependimen-
to, pré - requisito para o ba-
Nº 541 – O SIMBOLISMO DO tismo
TEMPLO 2 - At 2.41 - Ponto de partida
(Mt 4.23). para o crente integrar - se à
1 - Lc 24.53 - Lugar de louvor e igreja
adoração 3 - Rm 6.4 - 8 - Identiicação com
2 - Ec 5.1 - Lugar de reverência a morte, sepultamento e res-
3 - Ez 43.5 - Lugar da glória de surreição de Cristo
Deus 4 - Cl 2.12 - Símbolo do novo
4 - Sl 122.1 - Alegria em ir à Casa nascimento
do Senhor 5 - Mt 28.18,19 - O batismo é efe-
5 - 1Co 3.16 - O crente é o templo tuado em nome da Trindade
do Espírito 6 - At 16.33 - O batismo é o teste-
6 - Ap 21.22 - O templo é o Se- munho público dos discípu-

182
Pr. Josahat Baista
los de Jesus 6 - Mc 16.15 - 20; Ef 4.13,14 -
Evangelização, nutrimento e
Nº 544 – A PARÁBOLA DO discipulado
TRIGO E DO JOIO
1 - Mt 13.36 - 43 - O signiicado Nº 546 – O REINO,
do trigo e do joio SEMELHANTE A UM
2 - Js 5.11,12 - O trigo de Canaã TESOURO
em lugar do maná do deserto 1 - Jo 3.3 - O único modo de co-
3 - Jz 6.11 - Trigo no lagar, por- nhecer o Reino
tanto fora do lugar 2 - Pv 2.4,5 - O conhecimento de
4 - Pv 11.26 - Porque não deve- Deus é como o tesouro
mos reter o trigo 3 - 2 Co 4.7 - Tesouro em vasos
5 - At 27.18,38 - Porque lança- de barro
ram trigo ao mar 4 - Fp 3.7,8 - Nosso tesouro su-
6 - Mt 13.30,40 - 42 - O joio será premo é Cristo
atado e queimado. 5 - 2 Co 8.9 - Cristo se fez pobre
para nos tornar ricos
Nº 545 – O CRESCIMENTO
DO REINO Nº 547 – A ROCHA É CRISTO
1 - Mt 28.19,20 - Crescimento da (Sl 127.1).
igreja segundo a Grande Co- 1 - 2 Tm 2.19 - O irme funda-
missão mento de Deus
2 - At 1.8,15 - O ponto de partida 2 - Ef 2.20; Dt 32.3,4; 1 Co 3.11 -
para o crescimento Jesus é a nossa rocha
3 - At 2.41 - 44 - O crescimento 3 - Is 28.16; 1 Pe 2.4 - Jesus é a
corporativo da igreja pedra eleita e preciosa
4 - At 2.41,47; 4.4; 5.14; 9.31; 4 - 1 Pe 2.5 - 9 - Os crentes são
12.24 - O crescimento numé- pedras vivas
rico da igreja 5 - 1 Sm 2.2 - O Senhor é a única
5 - At 1.14; 2.1 - 4; 4.20, 24, 31; e verdadeira rocha
13.52; 16.5 - O crescimento 6 - Sl 27.5 - Encontramos prote-
qualitativo da igreja ção na Rocha

183
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 548 – O ALERTA DE todo na terra


JESUS 2 - Mt 25.10 - Os crentes preci-
(Mt 7.15 - 27). sam estar preparados
- três tipos de falsidade dentro 3 - Mt 25.1,4; Ef 6.18 - Os crentes
da Igreja precisam ter azeite em
1 - Falsos profetas (vv.15 - 20), 4 - Rm 13.11 - O crente descuida-
2 - Falsos mestres (vv.21 - 23) do quanto à vinda do Senhor
3 - Falsos ouvintes (vv. 26,27). 5 - Ap 21.2 - Os santos viverão
na Jerusalém celestial
Nº 549 – JUSTIÇA E GRAÇA
DE DEUS Nº 551 – ATENDENDO O
(Mateus 20.1 - 10). CONVITE
(Mt 22:2 - 14).
1 - 1 Co 3.6 - 8 - Cada um recebe-
rá o galardão segundo o seu 1 - At 13.46 - O convite real re-
trabalho jeitado
2 - Lc 16.1 - 13 - O Senhor requer 2 - Jo 1.12 - O convite real aceito
idelidade de seus mordomos 3 - 1 Jo 3.2 - Os convidados as-
3 - 1 Co 4.1 - 5 - Despenseiros semelhar - se - ão ao anitrião
dos mistérios de Deus 4 - Ap 3.21 - O lugar de honra
4 - Is 5.1 - 7 - Cristo, o Amado da dos convidados vencedores
vinha 5 - Ap 19.7 - A noiva deve estar
5 - 1 Co 3.12 - 15 - A qualidade pronta para as bodas
dos serviços prestados
Nº 552 – O REI JESUS
6 - Ap 11.18 - O Senhor dará re-
1 - Será um período de comple-
compensa a todos os seus
ta manifestação da glória de
Nº 550 – O CRENTE Cristo no Seu domínio, go-
PRUDENTE verno, justiça e reino (Is 9.6;
(Mateus 25:1 - 13). Sl 45.4; Is 11.4; Sl 72.4; Dt
18.18,19; Is 33.21,22; At 3.22).
1 - 1 Co 12.12,14,27 - Os verda- 2 - Ele é chamado - O Renovo
deiros crentes formam um (Is 4.2; 11.1; Jr 23.5; 33.15; Zc

184
Pr. Josahat Baista
3.8,9; 6.12,13) nicados por Ele
3 - O Senhor dos Exércitos - (Is
24.23; 44.6) Nº 554 – A TEMPERANÇA
4 - O Ancião de dias - (Dn 7.13) (2 Tm 1.7).
5 - O Altíssimo - (Dn 7.22 - 24) 1 - 1 Co 9.25 - A temperança con-
6 - O Filho de Deus - (Is 9.6; Dn duz o crente a uma vida dis-
3.25) ciplinada em tudo
7 - O Rei - (Is 33.17,22; 44.6; Dn 2 - 1 Co 6.12 - A temperança e a
2.44) liberdade cristã
8 - O Juiz - (Is 11.3,4; 16.5; 33.22; 3 - 1 Ts 5.8 - A temperança inte-
51.4,5) gra a armadura espiritual do
9 - Messias Príncipe - (Dn cristão
9.25,26) 4 - Pv 16.32 - A temperança ca-
pacita o crente a ser tolerante,
Nº 553 – FRUTO E DONS DO moderado e equilibrado
ESPÍRITO 5 - Pv 25.28 - A temperança pro-
(I Co 12.28 - 31; tege o crente dos ataques do
13.1,2). Inimigo
1 - 1 Co 14.1 - O fruto e os dons 6 - Tt 1.8 - A temperança é indis-
devem ser igualmente busca- pensável aos líderes
dos
2 - Rm 12.3 - O fruto é conexo à Nº 555 – MANSIDÃO,
fé que Deus reparte VIRTUDE CRISTÃ
3 - Mt 7.16 - Pelo fruto conhece - (Sl 37.11).
se a árvore 1 - Mt 5.5 - A mansidão qualiica
4 - 1 Co 1.7,8 - O fruto tem a ver o cristão para herdar a terra
com o nosso ser e os dons 2 - 1 Pe 3.4 - A mansidão é pre-
com o fazer ciosa diante de Deus
5 - 1 Co 12.4 - Os dons são opera- 3 - Is 29.19 - A mansidão resulta
ções sobrenaturais do em repetido regozijo no Se-
6 - Gl 5.22 - O fruto é gerado nhor
pelo Espírito e os dons comu-

185
. Es oços – Mensagens diversii adas

4 - Tg 3.13 - A mansidão - uma 2 - Ef 4.32 - A benignidade entre


característica do crente sábio os irmãos - uma ordenança
5 - Ef 4.26 - Nem na ira o crente bíblica
deve pecar 3 - Rm 15.14 - A plenitude da
6 - 1 Tm 6.11 - O fruto da man- bondade no cristão
sidão acompanha as virtudes 4 - Cl 3.12 - O revestimento espi-
cristãs. ritual do crente
5 - Rm 13.10 - O amor não prati-
Nº 556 – O FRUTO DA ca o mal
FIDELIDADE 6 - 2 Sm 22.26 - Deus retribui a
(Tt 2.10). benignidade de seus servos
1 - Tt 2.10 - A idelidade eviden-
cia a doutrina de Deus Nº 558 – O CRENTE E A
2 - Ap 13.10 - A idelidade coo- PACIÊNCIA
pera com a paciência (Rm 12.12).
3 - Pv 3.3,4 - A idelidade propi- 1 - 2 Ts 1.4 - A paciência dos
cia ao crente a graça de Deus crentes de Tessalônica
4 - Gl 5.22 - Quem vive e anda no 2 - Rm 8.24,25 - Aguardando
Espírito evidencia idelidade com paciência sua completa
5 - 2 Cr 19.9 - O fruto da idelida- salvação
de deve ser demonstrado na 3 - Tg 5.11 - A paciência move a
vida de cada crente bondade e a piedade divinas
6 - 2 Cr 31.18 - O fruto da ideli- 4 - 2 Co 1.6 - A paciência capa-
dade conduz o cristão à san- cita o crente a suportar a tri-
tidade bulação
5 - Hb 6.13 - 15 - A promessa de
Nº 557 – A BONDADE E Deus é alcançada por meio da
BENIGNIDADE paciência
(Ef 5.9,10). 6 - Rm 15.4 - A paciência é for-
1 - Pv 21.21 - A bondade propi- talecida com a leitura das Es-
cia vida, justiça e honra crituras

186
Pr. Josahat Baista
Nº 559 – A VERDADEIRA gria supera as tristezas da
PAZ tentação
(Hb 12.14).
Nº 561 – O FRUTO
1 - Rm 8.6 - O fruto da paz é o
EXCELENTE
efeito da união com o Espírito
(1Jo 4.7).
-
2 - Rm 14.17 - A paz é o fruto do 1 - Cl 3.14 - O Amor é o vínculo
Reino de Deus da perfeição
3 - 2 Co 13.11 2 - 1Jo 4.7 - O Amor conirma a
4 - Ef 2.14 - 17 - Cristo é a paz, iliação divina
pregou a paz 3 - 1Co 13.13 - O Amor é a essên-
5 - Ef 4.1 - 3 - A paz e a unidade cia das virtudes cristãs
do Espírito 4 - Rm 12.9 - O Amor combate a
6 - Tg 3.18 - A justiça semeia - se hipocrisia
na paz 5 - Rm 5.5 - O Amor é resultado
da ação do Espírito Santo no
Nº 560 – O FRUTO ALEGRIA crente
(Fp 4.4). 6 - 1Jo 4.16 - Deus é a fonte e a
1 - Rm 14.17 - O Fruto a Alegria causa do Amor
procede do Espírito Santo
Nº 562 – O CRISTÃO E O
2 - 2Co 8.2 - Alegria na Tribula-
FRUTO
ção
(Cl 1.10).
3 - Hb 1.9 - O Fruto da Alegria
na vida de Cristo 1 - Jo 15.1 - 5 - Os crentes são os
4 - Cl 1.11 - O Fruto da Alegria ramos da Videira Verdadeira
opera junto à paciência e à 2 - Mt 7.16 - 20 - O Fruto do Espí-
longanimidade rito revela o caráter do crente
5 - Rm 12.8 - O Fruto da Alegria 3 - Rm 8.5 - 9 - A inclinação do
coopera com o dom da mise- Espírito é vida
ricórdia 4 - Rm 7.4 - O Fruto do Espírito
6 - 1Pe 1.6 - 8 - O Fruto da Ale- é direcionado a Deus

187
. Es oços – Mensagens diversii adas

5 - Hb 12.11 - A disciplina cristã da humanidade


produz fruto 6 - Ef 2.8 - A salvação é dom de
6 - Lc 3.8 - Frutos que seguem a Deus
conversão
Nº 565 – A PROMESSA DE
Nº 563 – O FRUTO E O DEUS E A PÁSCOA
CRISTÃO 1 - Êx 6.2 - 8 - A promessa de
(Mt 7.18,19). Deus para salvar o seu povo
1 - Gl 5.22 - Fruto do Espírito - a e cumprir seus propósitos
identidade do crente 2 - Lv 23 - 4,5 - Páscoa, uma das
2 - 2Pe 1.4 - 7 - O crente como principais festas israelitas
participante da natureza di- 3 - Dt 16.5,6 - A celebração da
vina Páscoa no local escolhido por
3 - Ef 5.9 - As três faces do fruto Deus
4 - Jo 15.1,5 - A necessidade de o 4 - Mt 26.17,18 - A orientação de
crente produzir fruto Jesus e o preparo da Páscoa
5 - Lc 6.43 - O fruto do Espírito 5 - Lc 22,1,2 - A conspiração con-
revela a qualidade da árvore tra Jesus antes da Páscoa
6 - Rm 6.22 - O objetivo do fruto 6 - Jo 1.35,36 - Jesus é o Cordeiro
do Espírito é a santiicação de Deus

Nº 564 – A PROMESSA DA Nº 566 – OS FEITOS DE


SALVAÇÃO CRISTO POR NÓS
1 - Gn 3.1 - 3 - A liberdade para 1 - Gl 5.1 - Cristo nos libertou da
escolher escravidão do pecado
2 - Gn 6.5 - 7 - A tragédia da raça 2 - Hb 9.28 - Cristo ofereceu - se
humana para, de uma única vez, tirar
3 - Gn 12.2 - O plano de salvação o pecado do mundo
para a humanidade 3 - 2 Co 5.20 - Somos embaixa-
4 - Is 51.4,5 - A salvação e a justi- dores da parte de Cristo nesta
ça vêm do justo Senhor Nova Aliança
5 - Lc 4.18,19 - Jesus, o Salvador 4 - Fp 3.20,21 - Cristo transfor-

188
Pr. Josahat Baista
mará o nosso corpo de humi- (Ap 3.19).
lhação conforme seu Corpo 1 - SI 51.1 - 3 - O arrependimento
glorioso abre caminho para o perdão
5 - Hb 10.16 - 18 - Cristo perdoa de Deus
todos nossos pecados 2 - Is 30.15 - Deus concede salva-
6 - Rm 8.1,2 - Não há mais con- ção ao que se arrepende
denação para os que estão em 3 - Mt 3.8 - Um convite para dar
Cristo Jesus frutos dignos de arrependi-
mento
Nº 567 – A IMPORTÂNCIA
4 - Lc 15.7 - Há alegria no céu
DA DECISÃO
quando um pecador se arre-
1 - Gn 3.1 - 6 - Deus dá ao ho-
pende
mem capacidade de fazer es-
5 - 1Jo 1.9 - Deus é iel para jus-
colhas
tiicar quem se arrepende dos
2 - Dt 30.19 - A liberdade de es-
seus pecados
colher entre a bênção e a mal-
dição Nº 569 – NASCENDO DE
3 - Is 48.18 - O povo escolhe não NOVO
obedecer a Deus 1 - Jo 1.12,13 - A experiência do
4 - Rm 10.9 - A salvação é pela Novo Nascimento espiritual
graça, mas o homem precisa 2 - 2Co 5.17 - O Novo Nascimen-
decidir aceitá - la to torna o homem uma nova
5 - Gl 5.1 - O homem escolhe se criação
submeter ou não ao jugo da 3 - 1Jo 3.1,2 - Quem nasce de
escravidão novo verá a glória de Deus
6 - Sl 119.30,31 - O salmista de- 4 - 1Pe 1.23 - Fomos regenerados
cidiu andar pelo caminho da pela Palavra de Deus
verdade 5 - Rm 6.11 - Novo Nascimento:
mortos para o pecado e vivos
Nº 568 – UM
para Deus
CHAMADO PARA O
6 - Cl 3.9 - Despindo - se da prá-
ARREPENDIMENTO
tica do pecado

189
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 570 – FILIADOS da fé
1 - 1Jo 3.1 - Filhos de Deus me-
diante o seu grande amor Nº 572 – NOVO CORPO
2 - Jo 1.12,13 - Uma relação de 1 - 1 Co 15.42 - 44 - A transfor-
pai e ilho mediante o amor mação do corpo natural em
de Deus corpo gloriicado
3 - Rm 8.16: O testemunho do 2 - Rm 8.22,23 - A esperança na
Espírito Santo quanto à nossa plena gloriicação do nosso
iliação divina corpo
4 - Gl 3.26,27 - Filhos de Deus re- 3 - 2 Co 5.4 - O que é mortal será
vestidos de Cristo absorvido pela vida
5 - Os 1.10 - Verdadeiros e au- 4 - Jd vv.24,25: - Conservados
tênticos ilhos de Deus para se apresentar diante de
6 - Mt 5.9 - Os que anunciam e Deus
vivem a paz serão chamados 5 - 1Pe 5.10,11 - Convidados a
ilhos de Deus participar da eterna glória de
Deus
Nº 571 – A PERSERVERANÇA 6 - Cl 3.4 - A manifestação em
1 - Gl 6.9,10 - Perseverando em glória de Cristo, juntamente
fazer o bem com a sua Noiva
2 - Tg 1.2 - 4 - Quando a perse-
verança amadurece a nossa Nº 573 – SEJAMOS
caminhada de fé CUIDADOSOS COM A
3 - Fp 3.13,14 - Mantendo os LÍNGUA
olhos ixos em Cristo Jesus (Tg 3.2).
4 - Mc 13.13 - A promessa para 1 - Sl 12.3 - A soberba da língua
quem perseverar até o im 2 - Pv 6.16 - 19 A língua menti-
5 - Ap 3.11 - Guardando o que rosa
tem para ninguém roubar a 3 - Sl 15.3 - A língua difamadora
nossa coroa 4 - Sl 34.13 - Guarde a língua do
6 - 2 Ts 2.16,17 - Consolando o mal
coração durante a caminhada 5 - Sl 66.16,17 - Exaltemos a Deus

190
Pr. Josahat Baista
com a nossa língua 4 - Jo 15.4,5,8,16 - O amor revela
6 - Sl 119.172 - Anunciando a Pa- - se em obras
lavra de Deus 5 - Rm 12.9 - 21 - O amor valida
as boas obras
Nº 574 – PROSPERIDADE 6 - Fp 4.14 - 19 - O amor gera
SEM DEUS contentamento
(Mt 6.33).
1 - Sl 30.6 - A prosperidade sem Nº 576 – O QUE É
Deus traz soberba O CHAMADO DO
2 - Sl 73.3 - A prosperidade sem EVANGELHO?
Deus traz inveja (Fp 1.27).
3 - Pv 1.32 - A prosperidade sem 1 - Fp 1.27 - 30 - Um chamado ao
Deus traz destruição Evangelho
4 - Jr 22.21 - A prosperidade sem 2 - Fp 2.1 - 4 - Um chamado à
Deus traz rebeldia unidade
5 - Ec 7.14 - A prosperidade re- 3 - Jo 10.7 - 18 - O chamado do
quer juízo e relexão Bom Pastor
6 - 1 Co 16.2 - A verdadeira pros- 4 - Sl 15 - Um chamado à santi-
peridade produz serviço ao dade
Reino de Deus 5 - Hb 4.14 - 16 - Um chamado a
coniar em Cristo
Nº 575 – A AFEIÇÃO DE 5 - 1Co 12.12 - Em Jesus somos
PAULO PELOS IRMÃOS EM um
FILIPOS
(Fp 1.9). Nº 577 – VIVENDO NA
1 - Fp 1.3 - 6 - A oração que ins- HUMILDADE
pira compromisso (Fp 2.5).
2 - Fp 1.7 - A justiça provém do 1 - Fp 2.5 - 8 - Cristo: o maior
amor exemplo de humildade
3 - Fp 1.12 - 15 - Tribulações por 2 - Jo 12.20 - 28 - Gloriique a
amor ao Evangelho Deus na tribulação

191
. Es oços – Mensagens diversii adas

3 - Jo 13.3 - 7 - Quem ama serve 2 - Jo 10.12,13 - O mercenário é o


4 - Lc 6.27 - 36 - Amando como falso pastor
Jesus 3 - Jo 10.14,15 - O verdadeiro
5 - Rm 12.9 - 15 - A verdadeira pastor conhece as suas ove-
fraternidade lhas
6 - Fp 2.3 - Considerando o ou- 4 - Mt 20.28 - O verdadeiro pas-
tro superior tor serve à igreja
5 - 1Tm 3.3 - O pastor não deve
Nº 578 – A SALVAÇÃO ser materialista
COMO OBRA DA GRAÇA 6 - 2Pe 2.3 - Não se deve fazer
DE DEUS comércio com o rebanho
(Fp 2.13).
1 - Hb 12.2,3 - A salvação é ga- Nº 580 – REGOZIJAI - VOS
rantida na cruz NO SENHOR!
2 - Ef 2.8 - A salvação é pela gra- (Fp 3.1a).
ça 1 - 1Ts 5.16 - Regozijai - vos sem-
3 - Ef 2.9,10 - As boas obras evi- pre
denciam a salvação 2 - Sl 32.11 - Alegrai - vos no Se-
4 - 1Ts 4.15 - 18 - A consumação nhor
da salvação 3 - Ne 8.10 - A alegria do Senhor
5 - Fp 2.15,16 - Não corremos em é a nossa força
vão 4 - Rm 8.31 - 39 - A alegria de
6 - Rm 1.16,17 - A salvação é saber que Deus é por nós
pela fé 5 - At 13.50 - 52 - Alegria em
meios às perseguições
Nº 579 – A 6 - Fp 3.3 - A verdadeira circun-
RESPONSABILIDADE DOS cisão cristã
OBREIROS DO SENHOR
(Fp 2.19). Nº 581 – PROSSIGUINDO
1 - Jo 10.11 - Jesus, o verdadeiro PARA O ALVO
pastor (Fp 3.14).

192
Pr. Josahat Baista
1 - Fp 3.12 - 14 - Prosseguindo nhor traz gratidão
para o alvo 2 - Ne 8.8 - 12 - A Palavra de
2 - Fp 3.17 - Um exemplo a ser Deus traz alegria
seguido 3 - Fp 4.4 - Alegrai - vos no Se-
3 - Os 6.1 - 6 - Prossigamos em nhor
conhecer ao Senhor 4 - Fp 4.4 - 7 - Alegria apesar das
4 - Mt 5.48 - Sejamos perfeitos circunstâncias
5 - Jo 17.17 - A Palavra de Deus 5 - Sl 43.4,5 - O Deus que nos ale-
leva à maturidade gra
6 - 1Co 9.24 - 26 - O prêmio do 6 - At 4.24 - 31 - Alegria em meio
verdadeiro crente à tribulação

Nº 582 – INIMIGOS DA Nº 584 – SACRIFÍCIOS QUE


CRUZ DE CRISTO AGRADAM A DEUS
(Fp 3.18). (Sl 54.6).
1 - Jo 12.32,33 - A “atração” da 1 - Gn 4.1 - 7 - Os primeiros sa-
cruz crifícios
2 - Mt 27.32 - 28.10 - À cruz se- 2 - Sl 50.7 - 23 - Os sacrifícios que
gue - se a glória Deus quer
3 - At 8.18 - 23 - Identiicando o 3 - Sl 51.17 - Sacrifícios para
falso mestre Deus
4 - Cl 2.4 - 8 - A vigilância quan- 4 - Hb 13.15 - Sacrifício de lou-
to aos falsos mestres vor
5 - Gl 6.14 - A glória do crente 5 - Is 58.1 - 12 - O sacrifício do
6 - Fp 3.20 - A nossa pátria é o jejum
céu 6 - Fp 4.14 - 18 - O auxílio como
oferta a Deus
Nº 583 – ALEGRIA E
FIRMEZA NA FÉ Nº 585 – ORIENTAÇÕES AS
(Fp 4.4). LIDERANÇAS CRISTÃ
1 - Sl 92.1 - 5 - A alegria do Se- (1Tm 4.12).

193
. Es oços – Mensagens diversii adas

1 - 1Tm 1.2 - O cuidado paternal Nº 587 – SERVIÇO, A RAZÃO


pelo jovem obreiro DE SER DO MINISTÉRIO
2 - Ef 6.17 - A Palavra de Deus é 1 - Tg 5.15 - A oração da fé salva-
a “Espada do Espírito” rá o doente e ele será levan-
3 - Gl 4.9 - 11 - O pastor deve ter tado
cuidado com o legalismo 2 - Sl 6.9 - Deus aceita as nossas
4 - At 15.19,20 - De que os cren- orações e súplicas
tes gentios devem se abster 3 - Pv 15.8 - Deus se contenta
5 - 1Co 5.7ª - Paulo alerta a res- com a oração dos retos
peito do cuidado com o “fer- 4 - Pv 28.9 - A oração dos que
mento velho” se desviam da lei do Senhor é
6 - 2Tm 2.15 - Preparado para abominável
manejar a Palavra da verdade 5 - At 3.1 - A oração de Pedro e
João feita no Templo
Nº 586 – EXORTAÇÃO Á 6 - Tg 5.16 - Devemos orar uns
ORAÇÃO pelos outros diariamente
(1Tm 2.1).
1 - Tg 5.15 - A oração da fé salva- Nº 588 – CUIDADOS DE UM
rá o doente e ele será levan- SANTO MINISTÉRIO
tado (1Tm 4.1).
2 - Sl 6.9 - Deus aceita as nossas 1 - Mt 7.15 - O cuidado com os
orações e súplicas ensinos dos falsos profetas
3 - Pv 15.8 - Deus se contenta 2 - Hb 3.12 - Que não haja em
com a oração dos retos nós um coração iniel
4 - Pv 28.9 - A oração dos que 3 - 1Pe 2.2 - Desejando o “leite
se desviam da lei do Senhor é racional, não falsiicado”
abominável 4 - 1Pe 1.15 - Santos em toda a
5 - At 3.1 - A oração de Pedro e nossa maneira de viver
João feita no Templo 5 - Jr 48.10 - A maldição de se
6 - Tg 5.16 - Devemos orar uns fazer a obra do Senhor relaxa-
pelos outros diariamente damente
6 - Hb 12.14 - O cultivo da san-

194
Pr. Josahat Baista
tiicação na nossa vida diária 4 - 1Co 4.2 - Os despenseiros de-
vem ser achados em idelida-
Nº 589 – CONSELHOS de
PRÁTICOS 5 - 1Tm 1.12 - Para que o nome
(At 20.28). do Senhor Jesus Cristo seja
1 - Mt 26.41 - O crente precisa gloriicad
orar e vigiar para não cair em 6 - Hb 10.22 - Crendo com intei-
tentação ra certeza de fé e tendo o co-
2 - Nm 14.18 - “Deus não tem o ração puriicado
culpado por inocente”
3 - Jo 7.24 - Jamais devemos jul- Nº 591 – COMO DEVE SER O
gar pela a aparência OBREIRO APROVADO
4 - Cl 3.23 - Devemos trabalhar (2Tm 2.15).
para o Senhor e não para os 1 - Tt 3.9 - 11 - Paulo ensina como
homens tratar o homem herege
5 - Lc 12.21 - A insensatez do ho- 2 - Mt 5.13 - O discípulo de Je-
mem revelada na busca por sus é “sal da terra” e “luz do
riquezas mundo”
6 - Ef 2.10 - Fomos criados em 3 - 1Tm 3.2 - O obreiro deve ter
Jesus para as boas obras uma conduta irrepreensível
4 - Sl 119.63 - Companheiro dos
Nº 590 – CRENDO COM que guardam os preceitos de
FIDELIDADE Deus
(2Tm 1.12). 5 - 1Tm 6.11 - De que o obreiro
1 - Pv 25.13 - O mensageiro iel do Senhor deve fugir
para com os que o enviam
2 - At 24.14 - Crendo em tudo Nº 592 – A BATALHA DE
quanto está escrito na Lei e PAULO NO MINISTÉRIO
nos Profetas (2Tm 4.7).
3 - Jo 6.69 - Crendo em Jesus 1 - At 9.15,16 - Paulo, um vaso
Cristo, Filho de Deus escolhido por Deus para pre-

195
. Es oços – Mensagens diversii adas

gar aos gentios Nº 594 – EXORTAÇÕES


2 - Jd 3 - Batalhando pela fé que GERAIS
uma vez nos foi dada (Tt 2.7).
3 - Cl 1.29 - Combatendo com 1 - Tg 1.19 - Sejamos prontos
eicácia o bom combate para ouvir e tardios para falar
4 - Fp 3.13,14 - Esquecendo as 2 - Tg 2.12 - Integridade do
coisas que já passaram obreiro no falar e no proceder
5 - Ap 3.11 - Guardando o que 3 - 1Tm 2.9 - As mulheres cren-
Deus concede para que nin- tes devem se vestir com trajes
guém tome honestos
4 - Pv 14.1 - A mulher sábia edi-
Nº 593 – ORGANIZAÇÃO E
ica a sua casa e será louvada
CRECIMENTO DA IGREJA
por sua família
(Tt 1.5).
5 - 1Jo 2.14 - Os jovens são fortes,
1 - At 18.11 - Um ano e meio en- pois vivem segundo a Pala-
sinando a poderosa Palavra vra de Deus
de Deus 6 - Mt 22.21 - Devemos dar a
2 - At 18.23 - Indo de um lugar Deus tudo aquilo que lhe per-
para o outro animando os ir- tence
mãos
3 - Ef 5.19 - Animando os irmãos Nº 595 – A MANIFESTAÇÃO
com salmos, hinos e canções DO EVANGELHO DA
espirituais GRAÇA
4 - Mt 28.19,20 - A ordenança do (Tt 2.11).
Senhor Jesus para que a Igre- 1 - Ef 2.8 - O homem é salvo pela
ja ensine a todos graça, por meio da fé
5 - 1Co 4.1,2 - A idelidade dos 2 - Jo 5.24 - Aquele que ouve e
servidores de Cristo Jesus crê tem a vida eterna e não
6 - Rm 16.5; 1Co 16.19 - Sauda- entrará em condenação
ção aos crentes que se reu- 3 - At 20.24 - Dando testemunho
niam nas casas dos irmãos do “evangelho da graça de

196
Pr. Josahat Baista
Deus” 1 - Mc 7.21 - 23 - O que contami-
4 - Mc 1.15 - É necessário que o na o homem vem de seu pró-
pecador se arrependa e pela prio interior
fé creia em Jesus Cristo 2 - 1Co 6.9,10; 2Co 12.20 - Lista
5 - 2Co 5.17 - Todos os que es- de pecados de Corinto
tão em Jesus Cristo são novas 3 - Gl 5.19 - 21 - Lista de pecados
criaturas da Galácia
6 - Hb 12.14 - Sem santiicação 4 - Ef 5.3 - 6 - Devemos nos afas-
ninguém verá o Senhor tar do pecado
5 - Cl 3.5,8,9 - Devemos estar re-
Nº 596 – AOS ROMANOS, O vestidos do novo homem
EVANGELHO DO CRISTO 6 - 2Tm 3.2 - 5 - Pecados dos úl-
RESSURRETO timos dias
(Rm 1.17).
1 - Rm 3.2 - A doutrina das Es- Nº 598 – A INCREDULIDADE
crituras em Romanos DOS JUDEUS
2 - Rm 1.20; 3.4 - A doutrina de (Rm 3.9).
Deus em Romanos 1 - Rm 3.1 - 4 - A incredulidade
3 - Rm 9.5 - A doutrina de Cristo dos judeus não anula a ideli-
em Romanos dade de Deus
4 - Rm 15.13,16,19 - A doutrina 2 - Rm 11.28 - Os judeus torna-
do Espírito Santo em Roma- ram - se inimigos do evange-
nos lho por causa dos gentios
5 - Rm 5.12 - 19 - A doutrina do 3 - 1Ts 2.14 - 16 - Os judeus não
pecado em Romanos agradam a Deus e são contrá-
6 - Rm 3.21 - 26 - A doutrina da rios a todos os homens
expiação em Romanos 4 - Jr 30.11 - A eleição de Israel
não isenta os judeus do casti-
Nº 597 – A go divino
PECAMINOSIDADE 5 - Gn 12.1 - 4 - O antissemitismo
HUMANA é condenado pela Palavra de
(Rm 3.23). Deus

197
. Es oços – Mensagens diversii adas

6 - Hb 6.13 - 18 - A eleição de Is- 3 - 1Pe 1.14 - 16 - Devemos viver


rael é uma determinação di- em santidade porque Deus é
vina e por isso é imutável santo
4 - Gl 2.20 - Estamos cruciica-
Nº 599 – OS EFEITOS DA dos com Cristo, pois vivemos
JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ para Ele
(2Co 1.20). 5 - Hb 12.14 - Sem a santiicação
1 - Fp 4.7 - A paz de Deus excede ninguém verá a Deus
todo o entendimento 6 - 1Pe 2.11 - 16 - Como deve ser
2 - Ef 2.18 - Por Jesus temos aces- a conduta cristã na sociedade
so ao Pai
3 - Mt 11.28 - 30 - Em Jesus, en- Nº 601 – A ATIVIDADE DO
contramos descanso para ESPÍRITO SANTO NA VIDA
nossas almas DO CRENTE
4 - Mt 5.11,12 - Somos partici- (Romanos 8.1 - 14).
pantes dos sofrimentos de 1 - Mt 28.19 - O Espírito Santo é
Cristo a terceira Pessoa da Trindade
5 - 1Pe 4.12 - 16 - Se padecemos 2 - Jo 14.17 - O Espírito Santo ha-
como cristãos, devemos glo- bita nos iéis
riicar a Deus 3 - Tt 3.5 - O Espírito Santo rege-
6 - 1Jo 4.19 - Deus nos amou pri- nera o pecador
meiro 4 - 1Co 3.16,17 - Somos o templo
do Espírito Santo
Nº 600 – VIVENDO EM 5 - 1Co 6.11 - O Espírito Santo
SANTIDADE PARA CRISTO lava, justiica e santiica o ho-
(Cl 3.1). mem
1 - 1Ts 4.2 - 7 - Nossa santiica- 6 - Gl 5.18 - Somos guiados pelo
ção é a vontade de Deus Espírito Santo porque não es-
2 - Ef 2.8 - 10 - Praticamos as tamos debaixo da lei
boas obras porque somos sal-
vos e não para sermos salvos Nº 602 – ISRAEL É POVO DE
DEUS

198
Pr. Josahat Baista
(Rm 11.12). tendimento dos incrédulos
1 - Gn 28.14 - 16 - Deus escolheu
Nº 604 – O CRISTÃO E O
Israel para abençoar todas as
ESTADO
famílias da terra
(Mt 22.21).
2 - Êx 19.4 - 6 - Deus fez de Israel
sua propriedade peculiar 1 - Dt 17.14 - 20 - Os deveres de
3 - Zc 2.8 - 12 - Israel é a menina um rei
dos olhos de Deus 2 - Tt 3.1,2 - O cristão não deve
4 - Rm 9.30 - 33 - Israel tropeçou difamar o governo
na Pedra da Esquina 3 - Is 10.1,2 - Aviso de Deus aos
5 - Zc 12.10 - Israel se converterá parlamentares
ao Senhor Jesus nos últimos 4 - Fp 3.20 - O crente é cidadão
dias do céu
6 - Hb 6.13 - 18 - A promessa da 5 - At 22.25 - 28 - A cidadania
eleição de Israel é irrevogável do céu não anula a cidadania
terrestre
Nº 603 – SEPARANDO - SE 6 - 1Pe 2.13,14 - A obediência às
DO MUNDO autoridades
(1Jo 2.15).
Nº 605 – NÃO JULGUEIS...
1 - 1Jo 5.19 - O mundo jaz no
(Lc 6.37).
maligno
2 - Gl 1.4 - O presente sistema 1 - Pv 6.16 - 19 - Qual a sétima
humano e secular é mau coisa que Deus abomina?
3 - Fp 2.5 - Devemos conformar 2 - Mt 7.1 - 5 - O Senhor Jesus
nossa mente à vontade de condena o julgamento teme-
Deus rário do próximo
4 - Sl 119.11 - O nosso padrão é a 3 - Jo 7.24 - Não julgueis segun-
Palavra de Deus do a aparência
5 - Sl 119.104 - Devemos aborre- 4 - 1Co 4.3 - 5 - Quem nos julga
cer tudo o que é mau é o Senhor
6 - 2Co 4.4 - Satanás cegou o en- 5 - Rm 2.1 - 3 - Deus condena

199
. Es oços – Mensagens diversii adas

quem julga os outros e come- impedido


te os mesmos pecados deles 3 - Rm 1.10 - Paulo rogava a
6 - Tg 1.26,27 - Quem cuida ser Deus para estar com os ir-
religioso e não refreia a sua mãos em Roma
língua a religião desse é vã 4 - Rm 1.11 - Paulo desejava co-
municar algum dom espiri-
Nº 606 – O CRISTÃO E AS tual aos irmãos em Roma
OBRAS SOCIAIS 5 - Rm 1.14 - Paulo dedicou toda
(Hb 13.16). a sua vida a divulgar as Boas
1 - Pv 11.26 - Quem retém o trigo Novas
o povo amaldiçoa 6 - Rm 1.17 - Paulo pregou que o
2 - Pv 14.34 - A justiça exalta as justo deve viver pela fé
nações
3 - Pv 19.17 - Quem dá ao pobre Nº 608 – TODOS PECARAM
empresta a Deus (Rm 3.10).
4 - Mt 25.35 - 40 - Jesus prome- 1 - Rm 3.9 - Todos os homens,
teu retribuir aos que izerem depois da Queda, estão de-
algo pelos seus pequeninos baixo do pecado
5 - 2Co 8.9 - Jesus se fez pobre 2 - Rm 3.10 - Não há um nenhum
para nos enriquecer justo sob a face da Terra, ju-
6 - 2Co 8.14 - Deus multiplica o deu ou gentio
que é dado aos pobres 3 - Rm 3.23 - Todos pecaram e
foram afastados da presença
Nº 607 – O DIÁLOGO DE de Deus
PAULO Á IGREJA EM ROMA 4 - Rm 3.20 - Nenhum homem
(Rm 1.16). pode ser justiicado diante de
1 - Rm 1.1 - Paulo, chamado e se- Deus pelas obras da lei
parado pelo Senhor para ser 5 - Rm 6.23 - O castigo ou o sa-
apóstolo lário para o pecado é a morte
2 - Rm 1.13 - Paulo já havia ten- 6 - Rm 3.24 - Somos justiicados
tado ir até Roma, porém, foi somente pela graça e reden-
ção de Jesus Cristo

200
Pr. Josahat Baista
Nº 609 – JUSTIFICADOS 3 - Rm 5.13 - O pecado só pode
PELA FÉ ser imputado havendo a lei
(Rm 4.20). 4 - Rm 5.15 - A suprema ei-
1 - Rm 4.2 - Abraão foi justiica- ciência da redenção em Jesus
do pela fé e não pelas obras Cristo
da carne 5 - Rm 5.17 - O pecado trouxe
2 - Rm 4.3 - Abraão creu em morte, mas Cristo trouxe a
Deus e por isso Ele o aceitou graça divina
e justiicou 6 - Rm 5.21 - A graça e a justi-
3 - Rm 4.6 - Feliz é o homem a ça reinam por intermédio de
quem Deus imputa a sua jus- Cristo
tiça
Nº 611 – A GRAÇA DE JESUS
4 - Rm 4.7 - Felizes são aqueles a
CRISTO
quem o Senhor perdoa as ini-
(Rm 6.14).
quidades
5 - Rm 4.9 - A Palavra de Deus 1 - Rm 3.24 - A graça do Senhor
airma que a fé foi imputada Jesus Cristo provê a justiica-
como justiça a Abraão ção
6 - Rm 4.16 - Salvação somente 2 - Cl 1.29 - A graça nos capacita
pela fé, mediante a graça di- para o trabalho e o combate
vina 3 - Ef 1.3 - A graça nos concede
bênçãos espirituais nos luga-
Nº 610 – JESUS, SUPERIOR A res celestiais
ADÃO 4 - Ef 2.13 - A graça nos apro-
(Rm 5.8). ximou e nos reconciliou com
1 - 1Co 15.21 - O pecado entrou Deus
no mundo mediante a Queda 5 - Ef 2.8 - A graça é resultado
de um único homem da misericórdia do Todo - Po-
2 - 1Co 15.22 - Todos morreram deroso
em Adão e só podem ser vivi- 6 - Jo 3.16 - A graça é resultado
icados em Jesus do amor de Deus pela huma-
nidade

201
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 612 – A LEI, A CARNE E O Deus


ESPÍRITO 4 - Jo 16.13 - O Espírito Santo
(Rm 7.25). nos guia em toda a verdade
1 - Rm 6.2,3 - O poder do pecado 5 - 1Co 2.10 - O Espírito examina
foi aniquilado por Jesus Cris- todas as coisas, até mesmo as
to e não pela lei profundezas de Deus
2 - Rm 6.11 - Nossa antiga natu- 6 - 1Co 2.11 - “Ninguém sabe as
reza está morta, agora esta- coisas de Deus, senão o Espí-
mos vivos para Deus rito de Deus”
3 - Rm 6.12 - Não podemos per-
Nº 614 – DEVER DO
mitir que o pecado assuma o
CRISTÃO, CIVIL, MORAL E
controle de nossas vidas
ESPIRITUAL
4 - Gl 5.13 - Não usemos da li-
(Rm 13.1).
berdade para dar lugar à car-
ne 1 - Rm 13.1 - É Deus que cons-
5 - Gl 5.16 - 21 - Já não somos titui as autoridades para que
mais dominados pelas obras governem com justiça
da carne 2 - Rm 13.2 - Resistir às autori-
6 - Gl 5.22 - O fruto do Espírito dades é resistir à ordenação
na vida do crente de Deus
3 - Rm 13.3 - As autoridades são
Nº 613 – VIVENDO NO constituídas para punir os
ESPÍRITO que fazem o mal
(Rm 8.16). 4 - Rm 13.5 - Os crentes devem
1 - 1Co 6.19 - Nosso corpo é mo- respeitar as autoridades
rada do Espírito Santo 5 - Rm 13.7,8 - Pagando os tri-
2 - 1Co 6.20 - Fomos comprados butos e não devendo nada a
por bom preço, vivamos en- ninguém, a não ser o amor
tão para Deus 6 - At 5.29 - A obediência a Deus
3 - Rm 8.14 - Os ilhos de Deus deve vir sempre em primeiro
são guiados pelo Espírito de lugar

202
Pr. Josahat Baista
Nº 615 – O JULGAMENTO vel
IMPEDE O AMOR 5 - Rm 10.14 - Como as pessoas
(Rm 14.13 - 23). ouvirão o Evangelho se não
1 - Mc 12.33 - Amar o próximo há quem pregue?
é melhor que qualquer sacri- 6 - Rm 10.15 - Como os anuncia-
fício dores pregarão se não forem
2 - 1Co 13.7 - O amor tudo sofre, enviados?
tudo crê e tudo suporta
Nº 617 – FALTA O TÍTULO
3 - Rm 14.4 - Aquele que ama
(Rm 16.1 - 16).
não julga o seu irmão
4 - Rm 14.10 - Não desprezemos 1 - Rm 16.1,2 - Febe, coopera-
os nossos irmãos dora do apóstolo Paulo e da
5 - Rm 14.12 - Cada um dará obra do Senhor
conta de si mesmo perante 2 - Rm 16.3 - Priscila e Áquila
Deus, o Criador cooperadores do apóstolo em
6 - Rm 14.13 - Deixemos de lado Jesus Cristo
todo julgamento alheio 3 - Rm 16.5 - Paulo sabia cultivar
boas relações interpessoais
Nº 616 – COSMOVISÃO 4 - Rm 16.17 - Paulo recomenda
MISSIONÁRIA evitar os que promovem dis-
(Rm 15.20). sensões
1 - Mt 28.19 - Anunciar o Evan- 5 - Rm 16.21 - Paulo cultiva um
gelho é uma ordenança de Je- bom relacionamento com
sus Cristo para a Igreja seus parentes
2 - Mt 28.20 - A Igreja tem como 6 - 1Co 3.9 - Sejamos bons coo-
missão primordial educar e peradores de Deus para cui-
evangelizar darmos da “lavoura”
3 - At 1.8 - A Igreja deve alcan-
Nº 618 – CRISTO SUPERIOR
çar os conins da Terra
A MOISÉS
4 - Jo 3.16 - O amor de Deus pela
(Hb 3.3).
humanidade é incomensurá-

203
. Es oços – Mensagens diversii adas

1 - Hb 3.1 - Uma vocação supe- Nº 620 – UMA TÃO GRANDE


rior dada a Cristo por Deus SALVAÇÃO
Pai (Hb 2.3).
2 - Lc 19.10 - Uma missão supe- 1 - Jo 10.9 - Jesus deu testemu-
rior que apenas Cristo pode- nho de uma tão grande salva-
ria cumprir ção
3 - Hb 3.1; 1 Tm 2.5 - Cristo - O 2 - Hb 2.3 - A Igreja Primitiva
único Mediador entre os ho- deu testemunho da salvação
mens e Deus 3 - Hb 2.7,9 - A salvação do ho-
4 - Hb 3.2 - Cristo, o ediicador mem tornou necessária a hu-
da Casa de Deus manização do Redentor
5 - Hb 3.5,6 - Cristo, não apenas 4 - Hb 2.14 - A eicácia da salva-
servo, mas Filho ção é demonstrada na vitória
6 - Hb 3.7,8 - Cristo, superior em sobre o Diabo
palavra à Lei 5 - Hb 2.15 - A eicácia da salva-
ção é demonstrada no triunfo
Nº 619 – JESUS E A CARTA
sobre a morte
AOS HEBREUS
6 - Hb 2.18 - A eicácia da salva-
(Hb 1.1).
ção é demonstrada na vitória
1 - 2 Tm 3.16 - Hebreus, uma sobre as tentações
carta inspirada como as de-
mais do Novo Testamento Nº 621 – UMA ALIANÇA
2 - Hb 1.1 - A revelação profética SUPERIOR
na Antiga Aliança. (Hb 8.10).
3 - Hb 1.2,3 - Cristo, a revelação 1 - Hb 8.2 - Um Tabernáculo ce-
inal de Deus lestial fundado pelo Senhor
4 - Hb 1.4,5 - Cristo, superior aos 2 - Hb 8.3,4 - Um ministério ce-
anjos em natureza e essência lestial que transcende o sacer-
5 - Hb 1.6 - 8 - Cristo, superior dócio terreno
aos anjos em majestade e dei- 3 - Hb 8.6 - Um ministério eicaz
dade. e fundamentado em promes-

204
Pr. Josahat Baista
sas superiores e a fé que ainda fala
4 - Hb 8.10 - Promessas funda- 2 - Hb 11.5 - O testemunho de
mentadas no Espírito Enoque e sua trasladação
5 - Hb 8.11 - Uma promessa de 3 - Hb 11.7 - A coniança de Noé
natureza individual e univer- que o fez herdeiro da justiça
sal 4 - Hb 11.8 - A obediência de
6 - Hb 8.12 - Uma promessa de Abraão em sair para um lu-
natureza misericordiosa gar desconhecido
5 - Hb 11.22 - A idelidade de
Nº 622 – UMA ÚNICA VEZ José e a ordem acerca de seus
(Hb 10.12). ossos
1 - Hb 10.14 - Uma única oferta 6 - Hb 11.24,25 - A determinação
santiicou aos que creem de Moisés em se recusar a ter
2 - Hb 10.12 - O único ofertante o gozo do pecado
suiciente para o sacrifício
3 - Hb 10.10 - Uma única vez, Nº 624 – A CARREIRA
um único sacrifício e a subs- PROPOSTA
tituição do culto (Hb 12.1).
4 - Hb 10.23 - A necessidade 1 - Hb 12.1 - O exemplo dos anti-
de vigilância para continuar gos em correr a maratona da
crendo na promessa fé
5 - Hb 10.35 - A necessidade de 2 - Hb 12.2 - O exemplo de Jesus,
coniança na grande recom- autor e consumador de nossa
pensa fé
6 - Hb 10.36 - necessidade de 3 - Hb 12.3,4 - O exemplo da
perseverança para alcançar a igreja em resistir à persegui-
promessa ção
4 - Hb 13.17 - A necessidade de
Nº 623 – HOMENS DE FÉ se valorizar os líderes espiri-
(Hb 11.1). tuais
1 - Hb 11.4 - O sacrifício de Abel 5 - Hb 13.9 - A necessidade de
se valorizar a doutrina bíblica

205
. Es oços – Mensagens diversii adas

6 - Hb 13.18 - A necessidade de 2 - Hb 4.15 - Jesus, Sumo Sacer-


se cultivar os valores espiri- dote identiicado com a con-
tuais dição humana
3 - Hb 5.4 - Jesus, Sumo Sacerdo-
Nº 625 – A MENSAGEM DE te e ministro do santuário
DEUS EM HEBREUS 4 - Hb 5.7 - Jesus, o Sumo Sacer-
(Hb 4.11). dote de vida santa
1 - Hb 4.2 - A mensagem de Deus 5 - Hb 5.8, 12.28 - Jesus, o Sumo
deve ser recebida pela fé Sacerdote obediente e sub-
2 - Hb 4.6 - A mensagem de misso que nos ensina
Deus deve ser acompanhada 6 - Hb 5.9 - 14 - Jesus, o Sumo
pela obediência Sacerdote transcendente e ne-
3 - Hb 4.7 - A mensagem de cessário
Deus dever ser acolhida com
contrição Nº 627 – JESUS, SUMO
4 - Hb 4.8,9 - A mensagem de SACERDOTE SUPERIOR
Deus promove um descanso (Hb 7.26).
real e total 1 - Sl 110.4 - Jesus, um sacerdó-
5 - Hb 4.11 - A mensagem de cio com realeza
Deus promove um descanso 2 - Hb 7.11 - Jesus, um sacerdó-
eterno cio perfeito
6 - Hb 4.12 - A Palavra de Deus é 3 - Hb 7.12 - Jesus, um sacerdó-
viva e eicaz cio imutável
4 - Hb 7.17 - Jesus, um sacerdó-
Nº 626 – CRISTO, SUMO cio eterno
SACERDOTE 5 - Hb 7.26 - Jesus, um sacerdó-
(Hb 4.14). cio santo
1 - Hb 4.14 - Jesus, Sumo Sacer- 6 - Hb 7.26; cf.2 Co 5.21 - Jesus,
dote qualiicado para repre- um sacerdócio inculpável e
sentar os homens diante de imaculado
Deus
Nº 628 – O PERFIL

206
Pr. Josahat Baista
MAJESTOSO DE CRISTO 2 - Is 32.17 - Repouso, fruto da
(Hb 1.3). justiça
1 - Sl 96.6 - Glória e majestade 3 - Rm 8.34 - Jesus, nosso inter-
diante de Deus cessor
2 - Rm 11.36 - Glória a Cristo 4 - Mt 11.29 - Jesus dá descanso
eternamente à alma
3 - 2 Co 4.4 - Jesus, imagem e 5 - Êx 33.14 - A presença de Deus
glória de Deus dá descanso
4 - Ef 3.21 - A Cristo, glória na 6 - Ap 14.13 - Os salvos descan-
igreja sarão
5 - 1 Tm 3.16 - Jesus, recebido
Nº 631 – CRISTO SUPERIOR
em glória
A ARÃO
6 - Ap 4.11 - Jesus, digno de re-
(Hb 5.6).
ceber glória
1 - Êx 4.14 - Arão, irmão de Moi-
Nº 629 – CRISTO SUPERIOR sés
AOS ANJOS 2 - Êx 17.12 - Arão, ajudador de
(Hb 1.4). Moisés
1 - Mt 4.23 - Jesus, o ensinador 3 - Êx 32 - Arão e sua falha
2 - Lc 4.18,19 - Jesus, o libertador 4 - Hb 7.1 - 4 - Melquisedeque,
3 - At 2.32 - Jesus venceu a morte rei de Salém e sacerdote de
4 - Sl 34.7 - O anjo do Senhor Deus
5 - Sl 148.2 - Os Anjos louvam a 5 - Hb 6.20 - Jesus, nosso eterno
Deus sumo sacerdote
6 - Hb 13.2 - Hospedando anjos 6 - Ap 19.16 - Jesus, Rei dos reis
e Senhor dos senhores
Nº 630 – CRISTO É NOSSO
REPOUSO Nº 632 – JESUS, O SUMO
(Hb 4.9). SACERDOTE PERFEITO
(Hb 7.26).
1 - Is 23.1 - Deus deu repouso a
Israel 1 - At 2.32 - Jesus venceu a morte

207
. Es oços – Mensagens diversii adas

2 - At 10.38 - Jesus, o ungido de 2 - Dt 4.13 - Um concerto em tá-


Deus buas de pedra
3 - At 16.31 - Jesus, nosso Salva- 3 - Jr 31.32 - Um concerto inva-
dor lidado
4 - 1 Co 3.11 - Jesus, nosso fun- 4 - Jr 31.31 - Um Novo Concerto
damento com Israel
5 - 1 Tm 2.5 - Jesus, único me- 5 - Jr 31.33 - Um Novo Concerto
diador no coração
6 - Hb 2.9 - Jesus, coroado de 6 - Rm 8.1 - Um Concerto sem
glória condenação

Nº 633 – CRISTO, O Nº 635 – SACRIFÍCIOS


MEDIADOR DE UMA NOVA DIÁRIOS DO ANTIGO
ALIANÇA CONCERTO
(Hb 8.10). (Hb 10.1).
1 - 1 Tm 2.5 - Cristo, mediador 1 - Cl 2.17 - Sombra das coisas
entre Deus e os homens futuras
2 - Hb 8.6 - Mediador de melhor 2 - Lv 16.21 - Pecados sobre um
concerto animal
3 - Hb 9.15 - Mediador da Nova 3 - Mq 6.6,7 - Dúvidas quanto ao
Aliança sacrifício
4 - Is 54.10 - Aliança da paz 4 - Sl 40.6 - Sacrifício rejeitado
5 - Is 55.3 - Aliança perpétua 5 - Jo 17.19 - Jesus santiicou - se
6 - Jr 31.31 - Nova Aliança por nós
6 - Hb 9.12 - Uma eterna reden-
Nº 634 – CRISTO, O ção
CONCERTO DA NOVA
ALIANÇA Nº 636 – CONCEITO DE FÉ
(Hb 8.6). (Hb 11.1).
1 - Êx 2.24 - Um concerto com 1 - Rm 8.25 - Esperando o que
Abraão, Isaque e Jacó não vê

208
Pr. Josahat Baista
2 - Hc 2.4 - O justo viverá da fé 4 - Ef 2.8,9 - Não somos salvos
3 - Mt 6.30 - Pequena fé pelas boas obras
4 - Mt 9.22 - Fé que salva 5 - Ef 2.10 - Salvos praticam boas
5 - Mt 15.28 - Grande fé obras
6 - Mt 21.21 - Fé que remove 6 - Rm 12.9,10 - Amor cordial e
montanhas fraterno

Nº 637 – OBEDIÊNCIA, Nº 639 – TRIUNFANDO


AMOR E SUBMISSÃO SOBRE A TENTAÇÃO
(Hb 13.16). (Tg 1.2,3).
1 - Hb 13.3 - Lembrando dos 1 - Pv 1.10 - Tentado, nao cedas!
presos 2 - Hb 2.18 - Jesus foi assim pro-
2 - Hb 13.7 - Lembrando dos vado como nós
pastores 3 - 1Pe 1.7 - Tentação, uma pro-
3 - Hb 13.4 - O casamento na óti- vação da Fé
ca de Deus 4 - Dt 8.2,3 - Conheça a ti mesmo
4 - Hb 13.8 - O Deus que não 5 - Mt 26,41 - Vigilância e oração
muda 6 - 1Pe 5.9 - Provações identiica-
5 - Hb 13.8 - Firmeza na Palavra ção através das
6 - Hb 13.17 - Obedecendo aos
pastores Nº 640 – NÃO DESAMPARE
A SABEDORIA
Nº 638 – AS OBRAS (Pv 4.6).
(Tg 2.17). 1 - Tg 4.3 - Oração com propósi-
1 - Hb 10.24 - Como boas obras to sábio
devem servi estimuladas 2 - Pv 3.35 - Uma honra a sabe-
2 - 1Tm 6,17 - 19 - Como boas doria resulta
obras e como riquezas do 3 - Pv 16.16 - A Sabedoria é a
mundo maior riqueza
3 - Tg 2,14 - 17 - E possível haver 4 - Cl 4.5 - A Sabedoria com os
fé sem como obras? não - crentes

209
. Es oços – Mensagens diversii adas

5 - Pv 3.21b - A Sabedoria inclui Nº 643 – O PRÉ -


prudência PENTECOSTALISMO DA
6 - 2Co 1.10 - Deus dá sabedoria IGREJA
a quem o pede (At 1.8).
1 - At 1.4 - Jesus conirma a pro-
Nº 641 – SEM ACEPÇÃO
messa do Pai
(Tg 2.8,9).
2 - At 1.9 - A ascensão de Jesus
1 - Dt 1.17 - Diante de Deus, so- 3 - At 1.15 - 26 - A primeira reu-
mos Iguais nião da Igreja
2 - At 2.44 - Uma Igreja solidária 4 - At 1.8 - A missão da Igreja
3 - Jó 5.16 - Esperança para o po- 5 - At 6.7 - A expansão da Igreja
bre 6 - Ef 4.3 - Conservando a uni-
4 - 1Co 1.28 - O paradoxo divino dade da Igreja pelo Espírito
5 - Fp 2.5 - 8 - Nosso referencial Santo
de humildade
6 - 1Pe 2.9 - Das trevas para a luz Nº 644 – RESUMO DO LIVRO
DE ATOS
Nº 642 – FÉ E OBRAS Data: cerca de 63
(Mt 5,16). d.C.
1 - 1Ts 1,3 - A Fé e obras São In- 1 - Introdução (1.1 - 11).
separaveis 2 - O derramamento do Espírito
2 - 2Ts 1,11 - A preceder oração Santo (1.12 - 2.41).
e Ação 3 - A comunidade cristã em Je-
3 - Hb 11.17 - Como obras da fé rusalém (2.42 - 8.1).
abrangem uma ação 4 - A perseguição (8.1b - 9.31).
4 - Ap 2.19 - O Senhor conhece 5 - A Igreja entre os Gentios
as nossas obras (9.32 - 12.25).
5 - 2Tm 4,6 - 8 - A esperança for- 6 - O concílio de Jerusalém e as
talecida pelas obras viagens missionárias (13.1 -
6 - como 7,60 - Uma fé a toda 21.16).
prova 7 - A prisão de Paulo e seu mi-

210
Pr. Josahat Baista
nistério em Roma (21.17 - em Deus
28.31).
Nº 647 – A COMUNHÃO DA
Nº 645 – A ASCENSÃO DE IGREJA
CRISTO E A PROMESSA DE (Ef 4.3,4).
SUA VINDA 1 - 1 Ts 4.9 - A comunhão é uma
(At 1.11). ordem de Deus
1 - At 1.12 - 14 - As testemunhas 2 - Rm 12.10 - O amor fraternal
da ascensão nos conduz a honrar o próxi-
2 - Lc 24.44 - 49 - As últimas ins- mo
truções de Jesus antes de sua 3 - 2 Co 13.13 - A comunhão do
ascensão Espírito Santo é para os sal-
3 - At 1.6 - 8 - Instruções de Je- vos
sus, antes da ascensão com 4 - 1 Jo 1.6 - É preciso andar em
respeito ao futuro comunhão e falar a verdade
4 - At 1.9 - O ato da partida 5 - 1 Pe 1.22 - Precisamos ter um
5 - At 1.11 - A promessa da sua amor não ingido
segunda vinda 6 - At 2.42 - A comunhão era
6 - Hb 10.12 - Jesus está assen- uma das mais importantes
tado para sempre à destra de características da Igreja
Deus
Nº 648 – COMPROMISSOS
Nº 646 – A DESCIDA DO QUE PROCLAMAM AS
ESPÍRITO SANTO BOAS NOVAS
(At 1.5). (Hb 2.4).
1 - Is 44.3 - A profecia de Isaías 1 - 1 Co 12.10 - Operação sobre-
2 - Jl 2.28 - 31 - A profecia de Joel natural da parte de Deus na
3 - Mt 3.11 - A profecia de João igreja
Batista 2 - At 3.5,6 - Os milagres são rea-
4 - At 1.5 - A promessa de Jesus lizados em nome de Jesus
5 - At 2.42 - Maior perseverança 3 - At 3.12 - Não são para osten-

211
. Es oços – Mensagens diversii adas

tação pessoal mantinha - se unida


4 - At 5.11 - Devem trazer temor 3 - Atos 2.44 - Havia unidade en-
à igreja tre os irmãos
5 - At 2.44 - Deve trazer união à 4 - Atos 2.46 - Perseveraram no
igreja partir do pão
6 - 2 Co 12.12 - São um testemu- 5 - 1 Co 16.1 - 4 - A igreja socorre
nho para a pregação os crentes em Jerusalém
6 - 2 Co 9.7 - A igreja contribuía
Nº 649 – A ESSÊNCIA DA com alegria
DISCIPLINA NA IGREJA
(Hb 12.11 - ARA). Nº 651 – O AVANÇO
1 - Pv 23.12 - O incentivo à dis- DA IGREJA NAS
ciplina PERSEGUIÇÕES
2 - Hb 12.7 - Aquele que supor- (Mt 5.11).
ta a correção é tratado como 1 - 1 Co 10.13 - Deus dá o escape
ilho para sua igreja
3 - Jr 6.8 - Deus adverte seu povo 2 - Tg 1.2 - 4 - Deus prova a fé
a que se corrija da igreja
4 - Pv 29.15 - Disciplina e corre- 3 - Sl 46.1 - 3 - Deus é o refúgio
ção andam juntas da sua igreja
5 - Hb 12.6 - Deus nos corrige 4 - Sl 54.7 - Deus livra a sua igre-
como pai ja da angústia
6 - Hb 12.8 - Devemos buscar a 5 - Is 43.2 - Deus conforta sua
disciplina igreja em meio a perseguição
6 - Sl 126.6 - Os molhos da vi-
Nº 650 – OBRAS DE tória
MISERICÓRDIAS
(At 4.35). Nº 652 – PAULO, UM VASO
1 - Atos 4.34 - Dentre os crentes ESCOLHIDO
não havia necessitados (At 9.15,16).
2 - Atos 4.32 - A Igreja Primitiva 1 - At 22.3 - Paulo, o judeu de

212
Pr. Josahat Baista
Tarso 1 - Êx 4.29 - O primeiro concílio
2 - At 26.4,5 - Paulo, o fariseu de de Israel
Jerusalém 2 - Nm 11.16 - 30 - Um concílio
3 - At 8.3 - Paulo, o perseguidor de homens sábios e santos
dos cristãos 3 - Js 7.6 - Um concílio prostrado
4 - At 9.1 - 18 - A conversão de ante o Senhor
Paulo 4 - Ed 5.6 - Um concílio sob o
5 - At 9.20 - 22 - Paulo, o ardoro- olhar do Senhor
so pregador 5 - At 1.12 - 26 - A primeira reu-
6 - At 13.2 - A vocação de Paulo nião dos apóstolos
6 - At 6.1,2 - A segunda reunião
Nº 653 – A PROPAGAÇÃO dos apóstolos
DO EVANGELHO ENTRE OS
GENTIOS Nº 655 – A EXPANSÃO DA
(At 10.45). IGREJA
1 - At 13.1 - 3 - Saulo e Barnabé (At 13.2).
são enviados aos gentios 1 - At 13.1 - 3 - O Espírito Santo
2 - At 10.34,35 - Deus não faz comissiona os missionários
acepção de pessoas 2 - At 13.48,49 - O Evangelho
3 - At 11.15 - O dom do Espírito avança entre os gentios
sobre os gentios 3 - At 15.40,41 - Início da segun-
4 - At 15 - O concílio de Jerusa- da viagem missionária
lém e os gentios 4 - At 18.28 - O sucesso da se-
5 - At 15.19,20,28,29 - Recomen- gunda viagem missionária
dações aos crentes gentios 5 - At 19 - Início da terceira via-
6 - Gl 2.7,8 - O evangelho da in- gem missionária
circuncisão 6 - Mt 28.19 - A vocação univer-
sal da Igreja
Nº 654 – O PRIMEIRO
CONCÍLIO ECLESIÁSTICO Nº 656 – O TESTEMUNHO
(At 15.28,29 - ARA). DE PAULO EM ROMA
(At 23.11).

213
. Es oços – Mensagens diversii adas

1 - At 9.15 - Chamado para evan- (2 Co 1.3).


gelizar os poderosos 1 - Sl 23.4 - A vara e o cajado de
2 - At 24.1 - 27 - Paulo testiica Deus nos consolam
diante do governador Félix 2 - Sl 86.17 - Deus consola o seu
3 - At 25.1 - 17 - Paulo perante povo
Festo 3 - 2 Co 7.6 - Deus, o Consolador
4 - At 25.18 - 26.32 - Paulo testii- dos abatidos
ca ao rei Agripa 4 - 2 Co 1.4,5 - O Deus de toda
5 - At 28.11 - 31 - Prisão domici- consolação
liar de Paulo em Roma 5 - Cl 2.2 - Consolados e unidos
6 - Rm 15.18 - 24 - Paulo, apósto- em amor
lo dos gentios 6 - 1 Ts 5.14 - Consolai os desani-
mados; amparai os fracos
Nº 657 – EM DEFESA DO
EVANGELHO Nº 659 – A AUTENTICIDADE
(2 Co 1.5). DO EVANGELHO
1 - Sl 59.9 - Deus é a nossa alta (2 Co 2.14).
defesa 1 - Ef 6.6 - Servindo a Deus com
2 - Fp 1.16 - Paulo, levantado autenticidade
por Deus para a defesa do 2 - 2 Co 11.2 - Servindo a Deus
evangelho com zelo
3 - Fp 1.27 - O combate do cris- 3 - 2 Sm 12.7 - Ministrando com
tão em defesa da fé autenticidade
4 - Tt 1.13 - Em defesa de uma fé 4 - 2 Ts 2.5,6 - Autenticidade na
saudável conduta
5 - 2 Co 1.9,10 - O livramento di- 5 - Gl 2.7 - 14 - Autenticidade
vino de um defensor da fé nas convicções
6 - 1 Co 1.18 - Em defesa da pa- 6 - Jo 2.13 - 17; 8.46 - Cristo, su-
lavra da cruz prema autenticidade e zelo

Nº 658 – O DEUS, DE TODA Nº 660 – A GLÓRIA DA


CONSOLAÇÃO

214
Pr. Josahat Baista
NOVA ALIANÇA 2 - Cl 1.20 - Reconciliados pelo
(2 Co 3.11) sangue de Jesus
1 - Jr 31.33 - Uma nova aliança 3 - Hb 2.17 - Reconciliação pela
com a casa de Israel expiação
2 - Mt 26.28 - O sangue da nova 4 - Rm 3.22 - A reconciliação
aliança pela fé
3 - Hb 12.24 - Jesus, o Mediador 5 - Ef 2.18 - A reconciliação per-
de uma nova aliança mite o acesso ao Pai
4 - Is 55.3 - Uma aliança perpé- 6 - Ef 2.1 - Viviicados mediante
tua a reconciliação
5 - Hb 13.20 - Uma aliança de
Nº 663 – BÊNÇÃOS
sangue
DECORRENTES DA
6 - Gl 4.24 - 26 - Dois concertos
RECONCILIAÇÃO
Nº 661 – VASO DE BARRO 1 - Salvação - Rm 5.8,9
NAS MÃOS DO OLEIRO 2 - Justiça - Rm 5.12,15,18,21
(2 Co 4.7). 3 - Vida Eterna - Rm 5.12,16,17,21
4 - Relacionamento com Deus -
1 - Is 45.9 - Cacos de barro Rm 5.11,19
2 - Is 64.8 - Barro nas mãos do 5 - Obediência - Rm 5.12,19
oleiro 6 - Corpo incorruptível, vida
3 - Jr 18.6 - O vaso do oleiro eterna - 1 Co 15.42 - 52
4 - Rm 9.21 - Vaso para honra
5 - At 9.15 - Um vaso escolhido Nº 664 – PAULO, UM LÍDER
6 - 2 Co 4.5 - Vasos utilizados na EXEMPLAR
obra de Deus (2 Co 6.1).

Nº 662 – O MINISTÉRIO DA 1 - 2 Co 3.1 - Paulo, um líder re-


RECONCILIAÇÃO comendável
(2 Co 5.18). 2 - 2 Co 4.2 - Paulo, um líder
exemplar
1 - Ef 2.16 - Reconciliados com 3 - Mt 20.26 - Paulo, um líder
Deus pela cruz servo

215
. Es oços – Mensagens diversii adas

4 - Rm 5.3 - Paulo, um líder pa- 3 - 1 Tm 6.18 - Sejamos genero-


ciente sos
5 - 2 Co 4.5 - Paulo, um líder que 4 - Gl 5.22 - Generosidade, fruto
pregava somente a mensa- do Espírito
gem de Cristo 5 - Rm 12.20,21 - Generosidade
6 - At 14.22 - Paulo, um líder até para com os inimigos
provado pelas adversidades 6 - Rm 12.13 - A generosidade
para com os crentes
Nº 665 – UMA VIDA
SANTIFICADA Nº 667 – A AUTORIDADE
(2 Co 7.1). APOSTÓLICA DE PAULO
1 - 1 Pe 1.16 - Deus é santo (2 Co 1.1).
2 - Lv 11.45 - Sede santos, por- 1 - Ef 4.1,2 - A autoridade apos-
que eu sou santo tólica exercida com mansidão
3 - Hb 13.12 - Santiicados pelo 2 - Fp 4.5 - A autoridade apostó-
sangue de Cristo lica exercida com retidão
4 - 2 Tm 2.21 - Santiicados e idô- 3 - 1 Co 2.1 - 3 - A autoridade
neos apostólica exercida com hu-
5 - Hb 12.14 - Sem santiicação mildade
ninguém verá o Senhor 4 - Rm 13.8,10 - A autoridade
6 - Jo 17.17 - Santiicados na ver- apostólica exercida com amor
dade fraternal
5 - 1 Co 3.6 - A autoridade apos-
Nº 666 – O PRINCÍPIO tólica e o trabalho em equipe
BÍBLICO DA 6 - 2 Co 8.21 - A autoridade
GENEROSIDADE apostólica exercida com ho-
(2 Co 9.7). nestidade
1 - Dt 15.10,11 - Deus recompen-
sa a generosidade Nº 668 – PAULO, UM LÍDER
2 - Pv 11.25 - A alma generosa CRISTÃO AUTÊNTICO
prosperará (2 Co 11.2).

216
Pr. Josahat Baista
1 - Ef 5.18 - Paulo, um líder cheio (2 Co 13.5a).
do Espírito Santo 1 - Rm 12.16 - “Sede unânimes”
2 - 2 Co 1.1 - Paulo, um líder co- 2 - Rm 15.1 - Suportai as fraque-
missionado pelo Senhor zas dos fracos
3 - 2 Co 2.4 - Paulo, um líder que 3 - Fp 2.3 - “Nada façais por con-
amava os crentes coríntios tenda”
4 - 2 Co 4.1,16 - Paulo, um líder 4 - Fp 4.4 - “Regozijai - vos, sem-
perseverante pre, no Senhor”
5 - 2 Co 6.8 - 10 - Paulo, um líder 5 - Cl 3.1 - “Buscai as coisas que
que permaneceu iel a Deus são de cima”
sob todas as circunstâncias 6 - Cl 4.6 - “A vossa palavra seja
6 - 1 Co 11.1 - Paulo, um líder sempre agradável”
exemplar
Nº 671 – OS DONS
Nº 669 – AS VISÕES DE ESPITIRUAIS COMO
PAULO DÁDIVAS DIVINA
(2 Co 12.1). (Ef 4.8).
1 - At 9.3 - Uma visão no cami- 1 - 1Co 12.4 - Há diversidade de
nho de Damasco dons
2 - At 16.9,10 - Uma visão mis- 2 - 1Co 12.20 - Os dons e a uni-
sionária dade da Igreja
3 - At 18.9 - Uma visão de enco- 3 - 1Co 12.11 - A concessão dos
rajamento dons
4 - At 26.19 - Obedecendo à vi- 4 - 1Co 12.27 - Membros do Cor-
são divina po de Cristo
5 - At 27.23,24 - Visões e revela- 5 - 1Co 12.31 - “Procurai com
ções em meio ao perigo zelo os melhores dons”
6 - 2 Co 5.7 - Andando por fé e 6 - Ef 4.12 - Os dons são para
não por vista aperfeiçoar os santos

Nº 670 – ADVERTÊNCIAS Nº 672 – AS FINALIDADES


PASTORAIS

217
. Es oços – Mensagens diversii adas

DOS DONS CAPACITA O CRENTE


(1Co 14.12). (1Co 2.4,5).
1 - 1Co 12.12 - A igreja - um só 1 - Rm 1.16 - O evangelho de po-
corpo der
2 - 1Co 12.4,11 - Diversidade de 2 - Rm 15.19 - Sinais e prodígios
dons no mesmo Espírito 3 - 2Co 4.7 - A excelência do po-
3 - 1Co 14.26 - Tudo deve ser fei- der de Deus
to para a ediicação 4 - 2Co 13.4 - O poder de Deus
4 - 1Co 12.12 - 27 - A verdadeira em nós
unidade 5 - 1Co 14.12 - Ediicando a igre-
5 - 1Co 13.1,2 - Exercendo os ja mediante os dons
dons amorosamente 6 - 1Co 2.4 - Demonstração de
6 - 1Co 12.7 - A manifestação do poder divino
Espírito e sua utilidade
Nº 675 – DONS DE
Nº 673 – DONS DE ELOCUÇÃO
REVELAÇÕES (1Pe 4.11).
(1Co 14.26). 1 - Jo 17.17 - A Palavra de Deus
1 - 1Rs 4.29 - 31 - Sabedoria con- é a verdade
cedida por Deus 2 - 1Tm 4.14 - Não despreze o
2 - 2 Rs 6.8 - 12 - Deus revela o dom de Deus
oculto 3 - 1Co 14.3 - Os objetivos do
3 - 1Co 12.8 - Sabedoria e ciência dom de profecia
4 - Mt 2.12 - Proteção por divina 4 - 1Co 14.32 - Equilíbrio e bom -
revelação senso quanto aos dons
5 - Ef 1.17 - Espírito de sabedoria 5 - 1Co 14.22 - 25 - Sinais para os
e revelação iéis e para os iniéis
6 - Ap 1.1 - A revelação de Jesus 6 - 1Co 12.31 - Buscar os dons
Cristo com zelo

Nº 674 – DONS DE PODER - Nº 676 – O DOM DO

218
Pr. Josahat Baista
APOSTOLADO Nº 678 – O EVANGELISTA E
(Ef 4.11). O EVANGELHO
1 - Hb 3.1 - Jesus, o apóstolo por (2Tm 4.5).
excelência 1 - Lc 4.18 - Jesus o maior evan-
2 - 2Co 12.12 - Sinais do aposto- gelista
lado 2 - 2Tm 4.5 - A obra de um evan-
3 - At 2.42 - A doutrina dos após- gelista
tolos 3 - At 21.8 - Filipe, o evangelista
4 - 1Tm 1.1 - Paulo, apóstolo de 4 - 1Co 1.17 - Enviado para evan-
Jesus Cristo gelizar
5 - 1Co 4.9 - Apóstolo, uma mis- 5 - 1Co 9.18 - O prêmio do evan-
são sacriical gelista
6 - Lc 6.12 - 16 - Os doze apósto- 6 - Lc 4.18,19 - O evangelista
los de Cristo apregoa a libertação do mal

Nº 677 – O MINISTÉRIO DE Nº 679 – O MINISTÉRIO


PROFETA PASTORAL
(1Co 12.28). (Jo 10.11).
1 - At 3.22 - Jesus o profeta pro- 1 - Ec 12.11 - Há um só Pastor
metido 2 - Is 40.11 - O pastor apascenta
2 - At 11.27 - Profetas na igreja as ovelhas
primitiva 3 - Ez 34.12 - O pastor em busca
3 - Lc 11.49 - Profetas enviados das ovelhas
por Deus 4 - Am 3.12 - O pastor protege as
4 - 1Co 14.3 - O ministério do ovelhas
profeta 5 - Zc 11.17 - O pastor negligente
5 - 1Ts 5.20 - Não despreze as com o rebanho
profecias 6 - Hb 13.20 - Cristo, o Pastor
6 - Ap 3.22 - O Espírito fala às das ovelhas
igrejas
Nº 680 – O MINISTÉRIO DE

219
. Es oços – Mensagens diversii adas

MESTRE OU DOUTOR 1 - Fp 1.1 - Auxiliares dos líderes


(Rm 12.6,7). da igreja local
1 - At 13.1 - Doutores na igreja 2 - At 6.1 - 5 - Homens exempla-
2 - 1Co 12.29 - Nem todos são res
doutores 3 - At 6.6 - Separados com impo-
3 - 1Tm 1.6,7 - Doutores sem en- sição de mãos
tendimento 4 - 1Tm 3.12 - Bons líderes no lar
4 - 2Tm 4.3 - Falsos doutores 5 - 1Tm 3.13 - Chamados para
5 - Tg 3.1 - A responsabilidade servir
do mestre 6 - Mt 20.26 - 28 - Jesus veio para
6 - Mt 4.23 - 25 - Jesus, o mestre servir
por excelência
Nº 683 – A MULTIFORME
Nº 681 – O MINISTÉRIO DE SABEDORIA DE DEUS
PRESBÍTERO (Ef 3.10).
(Tt 1.5). 1 - Pv 2.6 - Deus dá sabedoria
1 - Tt 1.5 - O estabelecimento 2 - Pv 9.10 - O princípio da sa-
dos Presbíteros bedoria
2 - Tg 5.14 - Homens espirituais 3 - Rm 11.33 - A insondável sa-
3 - 1Tm 4.14 - A ação do presbi- bedoria divina
tério 4 - Rm 11.34 - 36 - Quem com-
4 - 1Pe 5.1,2 - Presbíteros apas- preendeu o intento divino
centadores 5 - 1Co 1.24 - Cristo, a Sabedoria
5 - 1Pe 5.3 - Como exemplo do de Deus
rebanho 6 - Ef 1.17 - O espírito de sabedo-
6 - Tt 1.5,7 - Bispo - Outro nome ria e revelação
para presbítero
Nº 684 – JOÃO EM DEFESA
Nº 682 – SERVINDO COMO DA FÉ NA PALAVRA
DIÁCONO (2 Tm 3.16).
(1Tm 3.13). 1 - Lc 5.10,11 - João, um discípu-

220
Pr. Josahat Baista
lo que deixou tudo para se- Nº 686 – O JESUS QUE
guir a Cristo ILUMINA
2 - Gl 2.9 - João, uma das colunas (Jo 8.12).
da Igreja 1 - Mt 4.16 - A presença de Jesus
3 - 1 Jo 4.9,10 - A prova do amor dissipa as trevas
de Deus foi enviar seu Filho 2 - Lc 2.32 - Jesus se revela como
ao mundo a luz das Nações
4 - Jo 1.12,13; 1 Jo 5.1 - Os crentes 3 - Jo 1.9 - Jesus, a luz autêntica
são ilhos de Deus mediante e imparcial
a fé 4 - Mt 4.16 - Jesus, a luz que sara
5 - 1 Jo 4.7 - O novo nascimento 5 - Mt 5.14,15 - A luz do crente
nos faz conhecer a Deus deve ser constante
6 - 1 Jo 2.24 - Conservar - se na 6 - Ap 21.23 - Na glória, Cristo
Palavra faz - nos permanecer será a eterna luz
em Deus
Nº 687 – JESUS, O NOSSO
Nº 685 – JESUS É ETERNO REDENTOR
(Jo 1.1). 1 - Ef 2.2 - Éramos por natureza
1 - Jo 1.18 - Jesus Cristo, eterno ilhos da ira
como o Pai 2 - 1 Co 15.3 - Jesus morreu por
2 - Is 9.6 - Jesus, nascido de mu- nossos pecados
lher, mas eternamente divino 3 - Hb 2.17 - Cristo é o Cordeiro
3 - Mt 3.17 - Jesus é apresentado e o Sumo Sacerdote que ex-
ao mundo como o Filho de piou os nossos pecados
Deus 4 - Ef 2.13 - 16 - Cristo, pela sua
4 - Mt 27.54 - Jesus, reconhecido morte na cruz, nos reconci-
na terra como Filho de Deus liou com Deus
5 - Hb 1.8 - Jesus Cristo, O Rei 5 - 1 Jo 1.7 - O sangue de Jesus
Eterno nos puriica de todo pecado
6 - Ap 3.21 - O vencedor reinará 6 - Hb 9.15 - A morte de Jesus
com Cristo na glória proporcionou - nos a promes-
sa da herança eterna

221
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 688 – A ESSÊNCIA DO ou amamos ao mundo


AMOR CRISTÃO 5 - Jo 17.14 - Não somos deste
(Jo 13.34). mundo
1 - Mc 12.33 - O amor cristão é o 6 - Jo 16.33 - Com Jesus o crente
resumo da lei de Deus vence o mundo
2 - 1 Jo 3.17 - O amor de Deus
Nº 690 – A CHEGADA DO
leva o crente a ser altruísta
ANTICRISTO
3 - 1 Jo 3.18 - O amor verdadei-
(1 Jo 4.3).
ro não consiste em palavras,
mas em obras 1 - 2 Ts 2.3 - O Anticristo, o ilho
4 - 1 Jo 3.15 - Quem odeia o seu da perdição
irmão é considerado homici- 2 - 2 Ts 2.7 - O Anticristo e o mi-
da nistério da injustiça
5 - Mt 24.12 - A multiplicação da 3 - 2 Ts 2.9 - Prodígios e sinais do
iniquidade é a causa do es- Anticristo
friamento do amor 4 - 1 Jo 2.2 - O Anticristo é men-
6 - Rm 8.35,39 - Nada pode nos tiroso
separar do amor de Cristo 5 - Ap 13.7 - O Anticristo guer-
reia contra os crentes
Nº 689 – REJEITANDO O 6 - Dn 7.8 - O poder político do
MUNDO Anticristo
(Rm 12.2).
Nº 691 – A ETERNA
1 - Tg 4.4 - Um amigo do mundo
SALVAÇÃO
é um inimigo de Deus
(Jo 3.16).
2 - Ef 2.2; 1 Jo 5.19 - O mundo,
que jaz no maligno, é regido 1 - Is 12.2 - A salvação vem de
por Satanás Deus
3 - Rm 8.20 - 22 - O mundo pas- 2 - Ef 2.4 - 7 - Deus proveu a sal-
sa; ele está em processo contí- vação da humanidade
nuo de desintegração 3 - At 4.12 - Só há salvação em
4 - Mt 6.24 - Ou amamos a Deus Cristo

222
Pr. Josahat Baista
4 - Hb 5.9 - Jesus é o autor da sal- 6 - 2 Co 13.11 - A busca do aper-
vação feiçoamento garante a paz
5 - Ef 1.13,14 - Selados com o Es-
pírito Santo Nº 694 – IDENTIFICANDO
6 - Gl 4.6 - O Espírito nos assegu- OS FALSOS PROFETAS
ra que somos ilhos de Deus (Mt 7.15).
1 - 1 Tm 1.3 - 7 - Advertência
Nº 692 – UM HOMEM contra as falsas doutrinas
PERSONIFICANDO O 2 - 1 Tm 6.3 - 10 - Os falsos mes-
DIABO tres e a busca de riqueza ilí-
1 - Sua aparição - Dn 9.27 cita
2 - Sua identidade - 2 Ts 2.8; Dn 3 - 2 Tm 2.14 - 18 - Os falsos pro-
7.8 fetas estão desviados da ver-
3 - Suas atividades - Dn 9.20 - 27 dade
4 - Seu im - Ap 19.19 - 21 4 - Gl 1.6 - 9 - O ensino estranho
à Palavra é maldito
Nº 693 – CONSELHOS
5 - Mq 3.5 - 11 - O castigo dos
PRÁTICOS
falsos profetas
(Fp 2.12).
6 - 2 Pe 2.1 - 3,12 - 19 - Ainda há
1 - Cl 4.2 - A perseverança na falsos profetas entre nós
oração é um ato de autodisci-
plina Nº 695 – A PRÁTICA DO
2 - Pv 19.23 - O temor conduz à AMOR CRISTÃO
vida (Jo 13.35).
3 - 2 Tm 2.1 - A graça de Cristo 1 - 1 Co 13.1 - 14.1 - O amor é pe-
fortalece o crente rene; e é maior que qualquer
4 - Lc 2.37 - A idade não deter- dom
mina a nossa diligência espi- 2 - Jo 13.35 - O amor mútuo é
ritual a prova de que nascemos de
5 - Jo 12.26 - Quando servimos novo
ao Senhor, somos por Ele 3 - 1 Jo 2.10 - O amor dirigido
honrados

223
. Es oços – Mensagens diversii adas

aos nossos irmãos demonstra Nº 697 – A LOUCURA DA


que estamos na luz CRUZ
4 - Jo 3.16; 1 Jo 3.16 - O amor de (1 Co 1.18).
Cristo é o padrão para amar- 1 - 1 Co 1.18 - A loucura e o po-
mos aos irmãos der da cruz de Cristo
5 - Ef 5.25 - 33 - O amor de Cristo 2 - Jo 19.19 - 20 - A mensagem
pela Igreja é o padrão para os trilíngue da cruz
cônjuges se amarem 3 - 1 Co 1.21 - Salvos pela lou-
6 - 1 Jo 4.16 - O amor é a pro- cura da pregação de Cristo
va de que estamos em Deus e cruciicado
Ele em nós 4 - 1 Co 1.23 - O escândalo da
mensagem da cruz de Cristo
Nº 696 – O TESTEMUNHO
5 - 1 Co 2.4,5 - A pregação do
DO NOVO NASCIMENTO
evangelho no poder do Espí-
(1 Jo 5.4).
rito
1 - 1 Jo 5.12 - Quem crê no Filho 6 - 1 Co 2.14,15 - O homem in-
de Deus tem a vida eterna converso e as coisas do Espí-
2 - 1 Jo 5.13 - Temos a vida eter- rito
na e podemos nos aproximar
de Deus com a certeza de que Nº 698 – VENCENDO O
Ele nos ouve PARTIDARISMO
3 - 1 Jo 3.23 - O amor fraternal é (Sl 133.1).
resultado do novo nascimen- 1 - 1 Co 1.10 - 13 - O partidaris-
to mo entre os crentes produz
4 - 1 Jo 3.10 - Quem não ama o dissensões na igreja
seu irmão não é de Deus 2 - 1 Co 12.14 - 20 - A unidade do
5 - 1 Jo 2.15 - Quem experimenta corpo na diversidade de seus
o novo nascimento abandona membros
aquilo que é vil 3 - Gl 5.19 - 21 - A discórdia, a
6 - 1 Jo 5.6 - O tríplice testemu- poria e a inveja são obras da
nho carne

224
Pr. Josahat Baista
4 - Ef 4.3 - 6 - A unidade que o profana o “templo do Espíri-
Espírito produz to Santo”
5 - Fp 2.14,15 - Trabalhemos sem 2 - Mt 5.28; 15.19 - O nascedouro
murmuração nem contenda do pecado de adultério
6 - Sl 133 - A bênção da união 3 - 1 Co 6.9,10 - Os adúlteros não
fraternal herdarão o Reino de Deus
4 - Hb 13.4 - A idelidade conju-
Nº 699 – MINISTROS DE gal e a pureza sexual no casa-
CRISTO mento
(1 Co 4.1). 5 - 1 Co 5.1 - O pecado desen-
1 - 1 Co 3.9 - Os ministros da freado e insuportável
Palavra são cooperadores de 6 - 1 Co 5.9 - Não devemos com-
Deus pactuar com aqueles que in-
2 - 2 Co 8.23 - Os ministros da sistem em pecar
Palavra são embaixadores de
Deus Nº 701 – FUNDADO POR
3 - Fp 3.17 - Os ministros da Pa- DEUS DESDE O PRINCÍPIO
lavra devem ser exemplo em (Hb 13.4).
tudo 1 - 1 Co 7.39 - O casamento deve
4 - 2 Tm 3.17 - Os ministros da ser no Senhor
Palavra devem buscar a per- 2 - 2 Co 6.14 - 18 - Deus condena
feição os casamentos mistos
5 - 2Tm 2.15 - Os ministros da 3 - Gn 2.24 - O casamento torna
Palavra devem ser aprovados o homem e a mulher “uma só
6 - 1 Ts 2.19,20 - Os ministros da carne”
Palavra e seus frutos 4 - Mt 19.6 - O casamento deve
ser indissolúvel
Nº 700 – REPUDIANDO O 5 - Mt 5.27,28 - O casamento é
PECADO IMORAL uma salvaguarda contra a
(1 Co 6.20). imoralidade
1 - 1 Co 6.18,19 - A prostituição 6 - Hb 13.4 - O casamento deve
ser puro

225
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 702 – FUGINDO dons


DA IDOLATRIA DO
SACRIFÍCIO Nº 704 – A RESSURREIÇÃO,
(1 Co 10.20). VÍNCULO DO
CRISTIANISMO
1 - Dt 32.15 - 21 - O péssimo
(1 Co 15.20).
exemplo de Israel no passado
2 - Sl 106.36,37 - Correlação en- 1 - Sl 16.10 - A ressurreição de
tre os ídolos e os demônios Cristo predita no Antigo Tes-
3 - At 15.29 - Uma norma divina tamento
para todos os crentes 2 - Jo 11.25 - Jesus é a ressurrei-
4 - 1 Co 8.13 - O manjar do es- ção e a vida
cândalo 3 - At 2.23,24 - O testemunho de
5 - 1 Co 10.20 - Coisas sacriica- Pedro acerca da ressurreição
das aos demônios 4 - At 4.33 - Os apóstolos - tes-
6 - Tg 4.4,5 - O zelo do Espírito temunhas da ressurreição de
pelo crente Cristo
5 - At 24.15 - A ressurreição dos
Nº 703 – A ATUALIDADE justos e injustos
DOS DONS 6 - Ap 20.5,6 - A primeira ressur-
(1 Co 12.7). reição
1 - Jl 2.28 - 31 - A promessa do
Nº 705 – CONTRIBUIÇÃO,
derramamento do Espírito
UM PRIVILÉGIO DO
2 - At 1.5; 2.1 - 4 - A chama do
CRENTE
Espírito foi acesa
(2 Co 9.7).
3 - Rm 12.6 - Diversidade de
dons 1 - 1 Cr 29.6 - 9 - Devemos ofer-
4 - 1 Co 12.31; 13.1 - 8 - Amor, o tar do melhor que possuímos
caminho mais excelente 2 - Ml 3.10 - A contribuição deve
5 - 1 Co 14.1 - Procurai com zelo ser entregue na Casa do Se-
os dons espirituais nhor
6 - 1 Co 14.1 - 4 - O objetivo dos 3 - Mc 12.44 - A oferta deve ser

226
Pr. Josahat Baista
dada com fé batismo com o Espírito
4 - 2 Co 9.7 - A contribuição deve 5 - At 1.8 - Testemunhando com
ser voluntária e com alegria poder pentecostal
5 - 2 Co 9.8,9 - O retorno da con- 6 - Ef 5.18 - Estejamos sempre
tribuição cheios do Espírito
6 - 2 Co 9.10,11 - As bênçãos dos
que contribuem Nº 708 – AVIVAMENTO
ESPIRITUAL NA IGREJA
Nº 706 – AMOR, A VIRTUDE (Jr 29.13).
SUPREMA 1 - Lv 6.13 - Fogo incessante do
(Rm 5.5). Espírito em nosso altar
1 - Dt 6.5 - Amor total a Deus 2 - 1 Sm 7.3 - Avivamento real
2 - Dt 10.19 - Amor aos estran- não coexiste com a idolatria
geiros 3 - 1 Rs 18.30 - Reunir o povo e
3 - Mt 5.44 - Amor aos inimigos consertar o altar
4 - Rm 12.10 - Amor aos santos 4 - Ez 37.15 - 17 - Avivamento
5 - Ef 5.25 - Amor à família real alcança os afastados e
6 - 1 Ts 5.12,13 - Amor aos obrei- une os separados
ros do Senhor 5 - 1 Rs 18.11,12 - Avivamento
do Espírito vai além de fenô-
Nº 707 – A PROMESSA DO menos e agitação
BATISMO COM ESPÍRITO 6 - At 18.8 - 12 - O clima espiri-
SANTO tual de um avivamento real
(At 2.33).
1 - Mc 1.8 - Jesus batiza com o Nº 709 – O ESPÍRITO SANTO
Espírito Santo E OS SEUS ATRIBUTOS
2 - At 1.4 - Jesus conirma a pro- (Lc 1.35).
messa do Espírito 1 - At 5.3,4 - O Espírito Santo é
3 - At 2.39 - A promessa do ba- Deus
tismo é para todos os salvos 2 - Hb 9.14 - O Espírito Santo é
4 - Lc 24.49 - Poder do alto no eterno

227
. Es oços – Mensagens diversii adas

3 - Jó 33.4 - O Espírito Santo é 1 - Is 11.2 - O Espírito de sabe-


Criador doria
4 - Sl 139.7 - 10 - O Espírito Santo 2 - Ef 1.17 - Espírito de revelação
é onipresente 3 - Rm 15.30 - O amor do Espíri-
5 - Lc 1.35 - O Espírito Santo é to Santo
onipotente 4 - Cl 1.8 - Vosso amor no Espí-
6 - 1 Co 2.10,11 - O Espírito San- rito
to é onisciente 5 - Rm 8.11 - O Espírito Santo
nos viviica
Nº 710 – BATISMO COM O 6 - Rm 1.4 - Espírito de santii-
ESPÍRITO SANTO - DÁDIVA cação
DIVINA
(At 2.4). Nº 712 – SANTOS DE DEUS
1 - Is 32.15 - O Espírito Santo (Hb 12.14).
derramado para a frutiicação 1 - Is 6.3 - Nosso Deus é santís-
2 - Lc 11.13 - Ao que pede, Deus simo
concede o Espírito Santo 2 - Sl 16.3 - Deus tem prazer nos
3 - At 1.5 - 8 - O Espírito Santo é seus santos
a promessa do Pai 3 - Dt 33.3 - Os santos estão nas
4 - At 5.32 - O Espírito Santo é mãos de Deus
concedido aos obedientes 4 - 2 Co 7.1 - Os santos se aper-
5 - Lc 24.49 - O batismo com o feiçoam
Espírito Santo é um revesti- 5 - Ap 22.11 - Quem é santo san-
mento de poder tiique - se mais
6 - At 10.44 - 46 - O batismo com 6 - 1 Ts 3.13 - Jesus vem buscar
o Espírito evidenciado pelas somente os santos
línguas
Nº 713 – O ESPÍRITO SANTO
Nº 711 – O MESMO NA VIDA DO CRENTE
ESPÍRITO (Is 44.3).
(1 Co 12.11). 1 - 2 Co 3.6 - O Espírito de Deus

228
Pr. Josahat Baista
viviica 1 - Is 63.10 - Não entristeçais o
2 - 2 Tm 1.7 - O Espírito comu- Espírito Santo
nica fortaleza, amor e mode- 2 - At 5.3 - Não mintais ao Espí-
ração rito Santo
3 - 1 Co 12.7 - 11 - O Espírito 3 - Mt 12.31,32 - Não blasfemeis
Santo distribui dons contra o Espírito Santo
4 - Fp 1.19 - Nosso socorro pelo 4 - Hb 10.29 - Não insulteis o Es-
Espírito Santo pírito Santo
5 - Ef 4.3 - Conservando a unida- 5 - At 7.51 - Não resistais ao Es-
de pelo Espírito pírito Santo
6 - Gl 5.5 - Aguardando pela fé 6 - 1 Ts 5.19 - Não extingais o Es-
mediante o Espírito pírito Santo

Nº 714 – VIDA RENOVADA Nº 716 – VIVENDO NO


NO ESPÍRITO PODER DO ESPÍRITO
(2 Co 4.16). (At 1.8).
1 - Ef 4.23 - Renovação da mente 1 - At 2.14 - 18 - Proclamando o
2 - Rm 12.2 - Renovação que Evangelho no poder do Espí-
transforma rito
3 - Cl 3.10 - Renovação para o 2 - At 3.1 - 10 - O poder do Espí-
conhecimento rito opera os milagres
4 - Tt 3.5 - Renovação do Espíri- 3 - At 4.1 - 12 - Defendendo o
to Santo Evangelho no poder do Espí-
5 - Jó 14.7 - Renovação para dar rito
frutos 4 - At 8.14 - 17 - O poder do Es-
6 - 2 Cr 15.8 - Renovação do altar pírito sendo recebido
do Senhor 5 - At 13.1 - 4 - Missionários diri-
gidos pelo Espírito
Nº 715 – NÃO 6 - At 13.6 - 12 - Vencendo o dia-
ENTRISTEÇAIS O ESPÍRITO bo no poder do Espírito
(Ef 4.30).
Nº 717 – DESCÊNCIA E

229
. Es oços – Mensagens diversii adas

ORDEM NO CULTO e as nossas companhias


(Ec 5.1).
Nº 719 – JESUS VIRÁ!
1 - Rm 12.1 - 8 - O culto racional
1 - At 1.10,11 - Jesus virá - é a
propicia a manifestação do
mensagem pentecostal
Espírito Santo
2 - Tt 2.13 - Jesus virá - é mensa-
2 - Êx 12.24 - 27 - O culto é uma
gem vinda do céu
celebração dos feitos do Se-
3 - 1 Co 15.51 - Jesus virá - é o
nhor
mistério da nossa plena re-
3 - Lc 2.27 - O crente indo para
denção
o culto
4 - 1 Ts 4.13 - 17 - Jesus virá - é o
4 - 1 Co 14.26 - O culto deve edi-
nosso eterno consolo
icar a todos
5 - Ap 3.3 - Jesus virá - é o nosso
5 - Cl 3.16 - Os elementos do cul-
motivo de vigilância
to pentecostal
6 - Tg 5.8 - Jesus virá - sua vinda
6 - Ml 1.6 - 10 - O culto rejeitado
está bem próxima
por Deus
Nº 720 – O BENDITO REINO
Nº 718 – MANTENDO O
DE DEUS
ESPÍRITO ATÉ O FIM
(Mc 11.10).
(Ap 2.25).
1 - Mt 26.26 - 29 - A esperança do
1 - Lv 6.12,13 - O contínuo fervor
Reino de Deus
espiritual
2 - Jo 3.1 - 8 - A conquista do Rei-
2 - 1 Rs 18.30 - O altar quebrado
no de Deus
pode ser refeito
3 - Mt 6.33 - A justiça do Reino
3 - Jo 14.26 - O Espírito Santo
de Deus
quer nos ensinar
4 - Sl 145.1 - 13 - A glória do Rei-
4 - At 6.3 - O Espírito Santo con-
no de Deus
fere sabedoria
5 - Sl 45.1 - 7 - A ética do Reino
5 - Jd v.18 - Os que não têm o
de Deus
Espírito Santo
6 - Mt 25.31 - 40 - Os súditos do
6 - At 11.2 - 18 - O Espírito Santo
Reino de Deus

230
Pr. Josahat Baista
Nº 721 – A RELEVÂNCIA DO Nº 723 – A RELEVÂNCIA DO
CRISTIANISMO RESPEITO
(Mt 5.16). (Mt 5.25).
1 - Gl 1.1 - 12 - A relevância da 1 - Êx 20.7 - O respeito a Deus
pregação 2 - Êx 20.16 - O respeito ao pró-
2 - Hb 11.1 - 3,6 - A relevância ximo
da fé 3 - Rm 13.1 - 7 - O respeito às au-
3 - Ef 2.1 - 10 - A relevância da toridades
graça 4 - 1Co 6.12 - O respeito à liber-
4 - 1Jo 1.5 - 7 - A relevância da dade cristã
comunhão 5 - Jr 5.20 - 29 - O respeito ao di-
5 - Rm 12.9 - 15 - A relevância da reito
solidariedade 6 - Ec 4.9,10 - O respeito ao com-
6 - Rm 12.17 - 21 - A relevância panheirismo
da fraternidade
Nº 724 – PERNOSAGENS
Nº 722 – A ÉTICA CRISTÃ DOS ATOS DA IGREJA
(Mt 5.20). (Rm 1.17).
1 - Fp 3.7 - 11 - O padrão da jus- 1 - Rm 1.1,5 - Paulo justiica suas
tiça credenciais de apóstolo
2 - 1Ts 5.23 - O padrão da santi- 2 - Rm 1.13 - O apóstolo já havia
icação tentado ir a Roma
3 - At 2.42 - O padrão da dou- 3 - At 18.1 - 3 - Priscila e Áquila
trina já conheciam Paulo
4 - 1.13 - 16 - O padrão da con- 4 - Rm 16.1 - 2 - Febe, uma diaco-
duta nisa da igreja de Cencreia
5 - Ef 5.22 - 33; 6.1 - 9 - O padrão 5 - Rm 1.16 - Paulo não tinha
da família vergonha do evangelho de
6 - Cl 3.12 - 17 - O padrão da Cristo
Igreja 6 - Rm 1.17 - O Evangelho revela
a justiça de Deus

231
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 725 – A DIDÁTICA DA gura a certeza do amor de


JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ Deus por nós
1 - Rm 3.21 - Somos justiicados 6 - Rm 5.11 - A justiicação certi-
pela fé ica a nossa reconciliação com
2 - Gl 1.6,9 - Alguns dos gálatas Deus
depois de justiicados, foram
tentados a retroceder Nº 727 – A OFENSA DO
3 - Rm 4.1 - 8 - A justiicação de PECADO
Abraão foi um presente de (Rm 5.12).
Deus 1 - Rm 5.12 - O pecado de uma
4 - Rm 4.9 - 16 - Abraão foi justi- pessoa inluenciou negati-
icado antes da circuncisão e vamente o destino de toda a
da lei raça humana
5 - Hb 11.18 - Abraão acreditava 2 - Rm 3.23 - Todos os seres hu-
que Deus poderia ressuscitar manos são pecadores
Isaque 3 - Rm 5.12 - O pecado gera a
6 - Gn 12.1 - 9 - A justiicação de morte
Abraão foi um protótipo da 4 - Rm 5.14 - Adão é o primeiro e
fé cristã único tipo de Cristo
5 - Rm 5.20 - A lei veio para ma-
Nº 726 – BENEFÍCIOS DA jorar o pecado
JUSTIFICAÇÃO 6 - Rm 5.21 - A graça de Cristo
(Rm 5.10). reina pela justiça
1 - Rm 5.1 - A justiicação e a paz
com Deus Nº 728 – JESUS E A GRAÇA
2 - Rm 5.2 - Firmes pela graça de (Rm 5.18).
Deus 1 - Rm 5.15 - Pela desobediência
3 - Rm 5.3,4 - A justiicação pro- de Adão a morte passou a rei-
porciona gozo na alma nar
4 - Rm 5.5 - A justiicação nos 2 - Rm 14.17 - Pela obediência de
garante esperança Cristo veio um novo reino de
5 - Rm 5.8 - A justiicação asse-

232
Pr. Josahat Baista
justiça AUTORIDADES
3 - Rm 5.16 - O dom gratuito da (Rm 13.3).
salvação 1 - Rm 13.1 - As autoridades
4 - At 9.4 - O apóstolo antes de constituídas
conhecer a graça de Cristo 2 - Rm 13.2 - Quem resiste as au-
perseguia a igreja toridades
5 - Rm 5.20 - A lei veio para que 3 - Rm 13.4 - Os magistrados são
a ofensa do pecado abundas- constituídos para punirem os
se maus
6 - Rm 10.4 - Jesus é o im da lei 4 - Rm 13.5 - O respeito às auto-
ridades
Nº 729 – MORTOS PARA
5 - Sl 62 - O poder é propriedade
O PECADO E VIVOS EM
exclusiva de Deus
CRISTO
6 - At 5.29 - É melhor obedecer
(Rm 6.4).
a Deus
1 - Rm 6.1,2 - O crente não pode
abusar da graça de Deus Nº 731 – A DÍVIDA DO
2 - Rm 6.7 - O crente morre para AMOR
o pecado na justiicação (Rm 13.8).
3 - Cl 2.12 - O crente é sepultado 1 - Rm 13.8ª - O cristão e as dí-
no batismo nas águas vidas
4 - Fp 3.27 - O crente é batizado 2 - Rm 13.8b - A única dívida re-
em Cristo comendada é o amor
5 - 1Co 15.54; 1Ts 4.16 - 18 - A 3 - Êx 22.25; Dt 23.19 - O judeu e
gloriicação de Cristo com seu próximo
sua ressurreição é a garantia 4 - Dt 15.1 - 8; 23.20 - O judeu
que o crente salvo terá um não considerava o estrangei-
corpo gloriicado ro como seu próximo
6 - Cl 3.1 - 3; Ef 2.6 - O crente é 5 - Lc 10.27 - 37 - O ensino de Je-
ressuscitado com Cristo sus a respeito do próximo
6 - Rm 13.9 - 10 - Toda a lei se
Nº 730 – O CIDADÃO E AS

233
. Es oços – Mensagens diversii adas

resume em amar ao próximo Nº 734 – A SEGURANÇA DA


ORAÇÃO DO PAI - NOSSO
Nº 732 – DANDO FRUTO (Lc 11.1).
EXEMPLAR
1 - Lc 11.1 - Os discípulos apren-
(Lc 6.43).
dem a orar
1 - 1Tm 4.12 - Sendo exemplo na 2 - Lc 11.2 - A santidade do Se-
juventude nhor e a vinda do Reino
2 - Gn 41.38 - Um jovem exem- 3 - Lc 11.3 - O pão diário
plar 4 - Lc 11.4 - Perdoa - nos como
3 - Tt 2.7 - Ser exemplo em tudo perdoamos e não nos deixe
4 - 1Pe 5.3 - A liderança deve dar cair
o exemplo 5 - Lc 11.13 - O Espírito concedi-
5 - 1Ts 1.6,7 - Uma igreja exem- do pelo Pai celestial
plar 6 - Mc 11.25 - A consciência do
6 - Jo 13.13 - 15 - O maior exem- perdão durante a oração
plo
Nº 735 – A ANSIEDADE
Nº 733 – A LEI PELA VIDA
(Rm 10.4). (Mt 6.34).
1 - Lc 16.17 - A Lei cumprida in- 1 - Sl 37.25 - O testemunho de
tegralmente Davi
2 - Mt 11.13 - Lc 16.16 - A dura- 2 - Lc 12.31 - O Reino de Deus
ção da Lei em primeiro lugar
3 - Rm 13.10 - O cumprimento 3 - 1Tm 4.8 - A promessa para o
da Lei presente e para o futuro
4 - Rm 13.8 - Quem ama, cum- 4 - Tg 4.13 - 16 - O amanhã só
priu a Lei virá com a permissão divina
5 - Rm 14.17 - O que o Reino de 5 - Pv 27.1 - A imprevisibilidade
Deus não é do amanhã
6 - Rm 13.5 - Obedecer pela 6 - Lc 12.13 - 21 - A precariedade
consciência dos bens materiais

234
Pr. Josahat Baista
Nº 736 – ANTES, A Nº 738 – DISCERNINDO O
MISERICÓRDIA FRUTO
(Lc 6.36). (Mc 13.22).
1 - Mc 4.24 - O ônus do julga- 1 - Lc 6.43 - O fruto segundo a
mento sua árvore
2 - Lc 6.37 - Não julgueis e não 2 - Lc 6.44 - O fruto identiica a
sereis julgados árvore
3 - Lc 6.38 - Com a medida que 3 - Lc 3.8,9 - Frutos dignos de
medirmos, seremos igual- quem se arrependeu
mente medidos 4 - Mt 21.43 - Os frutos do Reino
4 - Lc 6.41 - O argueiro e a trave de Deus
5 - Lc 6.42 - Antes de reparar o 5 - Mc 4.20 - A Palavra gera fruto
argueiro, tire a trave da sua em abundância
frente 6 - Gl 5.22 - O fruto do Espírito
6 - Lc 6.36 - A melhor recomen-
dação Nº 739 – OUVINDO E
CUMPRINDO
Nº 737 – OS DOIS LADOS (Tg 1.25).
(Jo 14.6). 1 - Lc 6.47 - Vir a Jesus e ouvir
1 - Dt 11.26 - 28 - A bênção e a suas palavras
maldição 2 - Lc 6.48 - A atitude do discí-
2 - Dt 30.11 - 20 - A vida e o bem, pulo consciente
a morte e o mal 3 - Lc 6.49 - A falta de lucidez do
3 - Sl 1.6 - O caminho dos justos ouvinte esquecido
e o caminho dos ímpios 4 - Tg 1.22 - Cumpridores da Pa-
4 - Sl 119.29,30 - O caminho da lavra e não apenas ouvintes
falsidade e o caminho da ver- 5 - Tg 1.23,24 - O peril do ouvin-
dade te não cumpridor da Palavra
5 - Jr 21.8 - O caminho da vida e 6 - Tg 1.25 - A felicidade do cum-
o caminho da morte pridor da Palavra
6 - Lc 13.24 - A porta estreita

235
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 740 – A RESPEITO DA 1 - Mt 28.19 - O batismo nas


IGREJA águas
(1Co 3.11). 2 - Mt 3.13 - 17 - Jesus é batizado
1 - At 12.5 - A igreja que ora 3 - At 8.16 - Os primeiros cris-
2 - 2Ts 1.4 - A igreja suporta as tãos eram batizados
alições 4 - Lc 22.19,20 - A Santa Ceia
3 - At 20.28 - A igreja deve ser 5 - 1Co 11.24,25 - Em memória
apascentada de Cristo
4 - Ef 5.29 - Jesus sustenta sua 6 - 1Co 11.26 - Até que Ele venha
igreja
Nº 743 – O SUSTENTO DA
5 - 1Co 10.32 - Tendo um com-
IGREJA
portamento digno na igreja
(Ml 3.10).
6 - Ap 3.22 - Ouça o que o Espí-
rito diz às igrejas 1 - 2Co 8.1 - 5 - Ofertar de boa
vontade
Nº 741 – O MINISTÉRIO DA 2 - 2Co 9.7 - Ofertar com alegria
IGREJA 3 - 2Co 9.6 - Ofertar proporcio-
(Ap 1.6). nalmente
1 - At 4.32 - Ministério e unidade 4 - Lc 21.1 - 4 - Ofertar com libe-
2 - At 6.1 - 3 - Ministério e ser- ralidade
viço 5 - Pv 3.9 - Honrando a Deus
3 - At 9.36 - Ministério e miseri- 6 - Êx 22.29 - Entregando as pri-
córdia mícias ao Senhor
4 - At 8.6 - Ministério e sinais
Nº 744 – UM SÓ
5 - At 4.8 - Ministério e o poder
(Hb 10.38).
do Espírito Santo
6 - At 4.13 - Ministério e ousadia 1 - Jo 14.6 - Um só caminho
2 - 1Tm 2.5 - Um só Deus
Nº 742 – AS OREDENANÇAS 3 - At 4.12 - Um só Salvador
DE CRISTO Á SUA IGREJA 4 - Sl 119.130 - Uma só Palavra
(Mt 28.20). 5 - Ef 4.5 - Uma só fé

236
Pr. Josahat Baista
6 - Rm 11.36 - Somente a Deus 6 - Mt 22.29 - A falta de ensino
toda a glória conduz ao erro

Nº 745 – OS DONS Nº 747 – A PRÁTICA SOCIAL


ESPIRITUAIS SÃO DA IGREJA
DÁDIVAS DIVINA (At 4.35).
(1Co 14.39). 1 - Dt 15.10,11 - A responsabili-
1 - 1Co 12.5 - Diversidade de dade social no AT
dons 2 - Gl 2.10 - A responsabilidade
2 - 1Co 12.8 - Dom da palavra de social no NT
sabedoria 3 - Sl 14.6 - Deus é o refúgio dos
3 - 1Co 12.9 - Dom da fé pobres
4 - 1Co 12.9 - Dons de cura 4 - At 4.34 - A responsabilidade
5 - 1Co 12.10 - Operação de mi- social na igreja primitiva
lagres 5 - Tg 1.27 - Ajudar os órfãos e
6 - 1Co 12.31 - Procurai com zelo as viúvas
os dons 6 - Tg 2.14 - 17 - Fé e obras so-
ciais
Nº 746 – A EXCELÊNCIA DO
ENSINO Nº 748 – DAI A CESAR O
(2Tm 2.2). QUE É DE CESAR
1 - Cl 3.16 - A palavra de Cristo (Mt 22.21).
em cada crente 1 - Ef 6.12 - O combate da igreja
2 - Mt 28.19 - Ensino, uma orde- é espiritual
nança de Cristo 2 - Lc 7.8 - Homens sujeitos às
3 - 2Tm 2.2 - Homens idôneos autoridades
para ensinar 3 - 1Tm 2.1,2 - A igreja e a oração
4 - 2Tm 3.16 - Toda a Bíblia é pelos governantes
proveitosa para o ensino 4 - Jo 19.11 - Todo poder huma-
5 - 1Tm 5.17 - Os que trabalham no é dado por Deus
no ensino 5 - At 5.29 - Importa obedecer a

237
. Es oços – Mensagens diversii adas

Deus 6 - Ef 4.3 - Guardando a unidade


6 - 1Pe 2.17 - Honrai o rei do corpo

Nº 749 – A SALVAÇÃO É Nº 751 – IGREJA, CRIAÇÃO


OFERECIDA ESPECIAL MEDIANTE
(Jo 3.16). CRISTO
1 - At 16.30,31 - É preciso crer (Mt 16.18).
para ser salvo 1 - 1Pe 2.4 - 8 - Jesus é a pedra
2 - 2Pe 3.9 - Deus deseja que to- fundamental da Igreja
dos venham a arrepender - se 2 - Ef 1.19 - 23 - A Igreja foi ar-
3 - Jo 5.24 - Quem ouve a pala- quitetada no céu
vra e crê 3 - Ef 2.20 - 22 - Jesus estabeleceu
4 - Fp 2.12 - “Operai a vossa sal- uma Igreja organizada
vação com temor” 4 - Mt 18.15 - 20 - Jesus estabe-
5 - Lc 19.10 - Jesus veio buscar o leceu disciplina para a sua
perdido Igreja
6 - Rm 10.9 - Saber, confessar e 5 - 1Tm 3.14 - 16 - A Igreja é a
crer coluna e irmeza da verdade
6 - 1Co 12.12,13,27 - A Igreja é o
Nº 750 – SERVINDO COMO corpo de Cristo
CORPO
(Sl 100.2). Nº 752 – SÍMBOLOS DA
1 - Cl 1.24 - Suportando alições IGREJA
em prol da Igreja 1 - Edifício - (Ef 2:21; I Co 3:9)
2 - Rm 12.5 - Um só corpo 2 - Morada de Deus - ( Ef 2:22;
3 - Ef 5.29,30 - Membros do cor- Hb 3:2 - 4)
po 3 - Templo de Deus (Ef 2:21; I Co
4 - 1Co 12.12 - Igreja, Corpo de 6;19)
Cristo 4 - Corpo de Cristo - (Ef 1:22,23;
5 - Ef 4.12 - A ediicação do cor- I Co 12:12 - 27)
po 5 - Noiva de Cristo (II Co 11:2; Ef
5:25 - 27)

238
Pr. Josahat Baista
6 - Esposa - (Ap 19:7; 21:9) 3 - Rm 6.4 - 8 - Identiicação com
7 - Família de Deus (Ef 2:19) a morte, sepultamento e res-
surreição de Cristo
Nº 753 – IGREJA, AGÊNCIA 4 - Cl 2.12 - Símbolo do novo
EVANGELIZADORA nascimento
(Mc 16.15). 5 - Mt 28.18,19 - O batismo é efe-
1 - At 18.9 - 11 - A Igreja e sua tuado em nome da Trindade
missão urbana 6 - At 16.33 - O batismo é o teste-
2 - At 8.12 - A Igreja é a agência munho público dos discípu-
do Reino de Deus na ter los de Jesus
3 - At 16.9 - 13 - A Igreja usa es-
tratégias adequada Nº 755 – A MISSÃO
4 - At 1.8 - A Igreja depende de EDUCADORA DA IGREJA
poder do alto para evangeli- (Mt 28.19).
zar eicazmente 1 - 2 Tm 2.2; Gl 4.19 - Cada discí-
5 - 2Tm 2.16 - 18 - A Igreja en- pulo gerando outro
frenta o desaio das seitas 2 - Mt 28.19; 1 Pe 1.23 - O im-
6 - Lc 4.18,19 - A Igreja evange- perativo da multiplicação de
liza alcançando o ser humano discípulos
integral 3 - At 2.41 - 47 - O princípio da
multiplicação de discípulos
Nº 754 – BATISMO NAS 4 - At 1.8; Lc 24.49 - A dinâmica
ÁGUAS - TESTEMUNHO DA do discipulado
FÉ 5 - 2Tm 2.15 - A preparação de
(Mt 28.19). discipuladores
1 - At 2.38 - 41 - Arrependimen- 6 - Jo 15.12; 2 Pe 3.18 - Ingredien-
to, pré - requisito para o ba- tes do discipulado
tismo
2 - At 2.41 - Ponto de partida Nº 756 – ADORADORES DE
para o crente integrar - se à VERDADE
igreja (Jo 4.24).

239
. Es oços – Mensagens diversii adas

1 - Sl 9.1,2 - Na adoração a Deus 1 - Mt 28.16 - 20 - A Igreja, depo-


está o prazer do cristão sitária do Evangelho
2 - Sl 15.1,2 - Aquele que adora 2 - At 8 - 12 - A Igreja, agência do
a Deus separa - se das coisas Reino de Deus
profanas 3 - 1 Pe 2.9,10; 2 Co 5.16 - 19 - A
3 - Sl 95.6 - 11 - Adoração é um Igreja tem um ministério sa-
ato de temor a Deus cerdotal
4 - Is 29.13; Mc 7.6 - Adoração 4 - 1 Co 4.1,2 - A Igreja, despen-
que Deus não aceita seira dos mistérios de Deus
5 - Hb 13.15; Rm 12.1; 1 Pe 2.5 - 5 - Mc 1.14,15 - A Igreja procla-
O signiicado da adoração ma a mensagem do Reino
6 - Jo 4.23,24 - O ensino de Jesus 6 - Lc 22.24 - 30 - A Igreja tem um
sobre a adoração papel escatológico no mundo

Nº 757 – CÂNTICOS Nº 759 – A MISSÃO ÉTICA


NEOTESTAMENTÁRIOS DA IGREJA
(No Latim). (1 Co 10.32).
1 - MAGNIFICAT - O Cântico 1 - Mt 5.20 - O cristão e a justiça
de Maria (Lc 1: - 46 - 55). 2 - Mt 5.21 - 30 - A moralidade
2 - BENEDICTUS - O Cântico de é tanto interna como externa
Zacarias (Lc 1:68 - 79). 3 - Mt 7.1 - 5 - O cristão e a ética
3 - GLORIA IN EXCELSIS DEO no julgamento
- O Cântico dos Anjos (Lc 4 - Mt 5.17 - 21 - A ética cristã e
2:13,14). os Dez Mandamentos
4 - NUNC DIMITTIS - O Cânti- 5 - Êx 21.12 - 16; 1 Sm 2.6 - A éti-
co de Simeão (Lc 2:29 - 32). ca cristã frente às questões da
vida física
Nº 758 – IGREJA, VOZ 6 - Rm 13.1 - 7 - A ética cristã e a
PROFÉTICA DE DEUS NA política
TERRA
(1 Pe 2.9). Nº 760 – A MISSÃO
AUXILIADORA DA IGREJA

240
Pr. Josahat Baista
(Cl 3.16 - ARA). 6 - 2 Co 13.11 - O consolo espiri-
1 - Is 9.6 - Jesus, Maravilhoso tual ministrado entre os cren-
Conselheiro tes
2 - Jo 14.16,26 - O Espírito Santo,
Nº 762 – A COMUNHÃO
Conselheiro sempre presente
DOS SANTOS
3 - Hb 3.13 - O aconselhamento
(At 2.42).
cristão deve ser mútuo e diá-
rio 1 - 1 Co 10.16; 11.25 - A comu-
4 - 1 Ts 5.11 - Exortação e edi- nhão do sangue de Jesus
icação mútua no aconselha- 2 - 1 Co 10.16; 11.28,29 - A comu-
mento cristão nhão do Corpo de Cristo
5 - Rm 15.14 - Bondade e conhe- 3 - 2 Co 13.13 - A comunhão do
cimento no aconselhamento Espírito Santo
cristão 4 - Cl 2.9; 1 Jo 1.3,7 - A comu-
6 - Tg 5.16 - A oração da fé tam- nhão entre os irmãos
bém sara a alma ferida 5 - Fm v.6 - Comunhão da fé em
Cristo
Nº 761 – O MINISTÉRIO DA 6 - 1 Co 13.4 - 7 - A comunhão
VISITAÇÃO que provém do amor
(Tg 1.27).
Nº 763 – PRESERVANDO A
1 - Jo 11.19,20 - Jesus visitou um
DOUTRINA
lar enlutado
(1 Tm 4.16).
2 - Lc 5.27 - 29; 7.36 - 38 - Jesus
visitou outros lares 1 - Hb 6.1,2 - Os princípios ele-
3 - 1 Co 12.4 - 6; Tg 1.27 - Visi- mentares da doutrina
tar é um ministério altamente 2 - 1 Co 3.13 - Os males das fac-
importante ções na igreja
4 - Rm 12.8 - Encorajamento me- 3 - 2 Jo v.9 - A desobediência à
diante o dom de exortar doutrina bíblica
5 - Jo 14.16; 1 Co 12.25 - Consolo 4 - 1 Co 5.1 - 13 - A disciplina na
e alento na missão de visitar igreja

241
. Es oços – Mensagens diversii adas

5 - 1 Co 10.23 - 32 - Os limites da 3 - At 11.22 - A igreja local


liberdade cristã 4 - At 12.5 - A igreja em oração
6 - Mt 16.13 - 18; 1 Co 3.10,11 - O 5 - At 14.23 - A liderança da igre-
fundamento da igreja ja local
6 - Rm 16.5 - A Igreja no lar
Nº 764 – A NECESSIDADE DE
MANTER O AVIVAMENTO Nº 766 – CRISTO, UM
(1 Ts 1.5). CONCERTO MELHOR
1 - At 19.18,19 - Evidências de (Hb 8.6).
um avivamento 1 - Êx 2.24 - Um concerto com
2 - Rm 9.1 - O Espírito Santo age Abraão, Isaque e Jacó
na consciência 2 - Dt 4.13 - Um concerto em tá-
3 - Jl 2.28 - 32 - O avivamento é buas de pedra
uma promessa divina 3 - Jr 31.32 - Um concerto inva-
4 - At 2.1 - 4 - Precisamos viver e lidado
manter a experiência do Pen- 4 - Jr 31.31 - Um Novo Concerto
tecostes com Israel
5 - 1 Co 12.4 - 10 - Precisamos de 5 - Jr 31.33 - Um Novo Concerto
uma crescente manifestação no coração
dos dons do Espírito 6 - Rm 8.1 - Um Concerto sem
6 - Gl 5.22 - Precisamos de fartu- condenação
ra do fruto do Espírito
Nº 767 – O MEDIADOR
Nº 765 – A IGREJA DO (Hb 8.10).
NOSSO SENHOR JESUS 1 - 1 Tm 2.5 - Cristo, mediador
CRISTO entre Deus e os homens
(Mt 16.18). 2 - Hb 8.6 - Mediador de melhor
1 - At 2.47 - A Igreja reúne os sal- concerto
vos 3 - Hb 9.15 - Mediador da Nova
2 - At 8.1 - A Igreja sofre perse- Aliança
guição 4 - Is 54.10 - Aliança da paz

242
Pr. Josahat Baista
5 - Is 55.3 - Aliança perpétua 6 - Ap 19.19 - 21 - A destruição
6 - Jr 31.31 - Nova Aliança do Anticristo

Nº 768 – ETERNO Nº 770 – SEM DEUS


SACERDOTE (Sl 30.6).
(Hb 7.26). 1 - Sl 73.3 - sem Deus só há in-
1 - At 2.32 - Jesus venceu a morte veja
2 - At 10.38 - Jesus, o ungido de 2 - Pv 1.32 - Sem Deus só há des-
Deus truição
3 - At 16.31 - Jesus, nosso Salva- 3 - Jr 22.21 - sem Deus só há re-
dor beldia
4 - 1 Co 3.11 - Jesus, nosso fun- 4 - Ec 7.14 - A prosperidade re-
damento quer juízo e relexão
5 - 1 Tm 2.5 - Jesus, único me- 5 - 1 Co 16.2 - A verdadeira pros-
diador peridade produz serviço ao
6 - Hb 2.9 - Jesus, coroado de Reino de Deus
glória
Nº 771 – PERSEGUIÇÃO AOS
Nº 769 – O ESPÍRITO DO FIEIS DE DEUS
ANTICRISTO (Ap 2.10c).
(1 Jo 2.18). 1 - Êx 1.1 - 22 - A perseguição de
1 - 1 Jo 2.18 - A vinda do Anti- Israel no Egito
cristo 2 - Êx 17.8 - 16 - A perseguição
2 - Ap 14.8 - Babilônia: a sede do de Israel no deserto
governo anticristão 3 - Et 3.1 - 15 - A perseguição de
3 - Ap 11.8 - Jerusalém: a sede Israel no Império Persa
religiosa do Anticristo 4 - At 8.1 - 3 - A Igreja é perse-
4 - Ap 13.3,4,14,15 - Os dois guida em Jerusalém
grandes sinais do Anticristo 5 - Ap 2.8 - 11 - A Igreja é perse-
5 - Ap 20.4 - Os mártires do An- guida no mundo romano
ticristo 6 - Ap 7.9 - 17 - A Igreja será per-

243
. Es oços – Mensagens diversii adas

seguida no inal dos tempos (Hb 12.22,23).


1 - Mt 16.18 - Cristo anuncia a
Nº 772 – A VIRTUDE DO
fundação da Igreja.
AMOR
2 - Ef 1.22 - Cristo é o cabeça da
(Ap 2.5).
Igreja.
1 - 1 Jo 4.8 - Deus é amor 3 - Ef 3.10 - A Igreja revela ago-
2 - Gl 5.22 - O amor é fruto do ra a multiforme sabedoria de
Espírito Deus.
3 - Ef 6.23 - O amor acompanha- 4 - 1 Tm 3.15 - A Igreja é a coluna
do da fé e irmeza da verdade.
4 - Fp 2.1 - O amor consola 5 - Hb 12.23 - A Igreja é a univer-
5 - Cl 2.2 - O amor conforta sal assembléia dos santos.
6 - 1 Co 13 - O hino do amor 6 - Ap 3.20 - A Igreja é o castiçal
de Deus
Nº 773 – Á INTEGRIDADE
DA PALAVRA DE DEUS Nº 775 – O SENHOR JESUS
(Jo 14.23). CRISTO
1 - Sl 105.42 - A Palavra de Deus (2 Tm 2.8).
é santa 1 - Jo 1.14 - A encarnação de
2 - Mc 16.15 - 17 - A Igreja pro- Cristo
clama a Palavra 2 - Mt 1.23 - A concepção virgi-
3 - Sl 19.9 - 11 - Há recompensa nal de Cristo
em guardar a Palavra 3 - Mt 4.1 - 10 - A tentação de
4 - Sl 119.97 - O crente iel ama a Cristo
Palavra 4 - Mt 4.23 - O ministério de
5 - 2 Co 4.1,2 - A Igreja não falsi- Cristo
ica a Palavra 5 - Lc 23.26 - 48 - A paixão de
6 - Jo 17.17 - A Palavra de Deus Cristo
é a verdade 6 - Jo 20.1 - 10 - A ressurreição
de Cristo
Nº 774 – ASSEMBLEIA DOS
PRIMOGÊNITOS

244
Pr. Josahat Baista
Nº 776 – A VITÓRIA DA Nº 778 – FILHO DE DAVI
IGREJA (Jo 7.42).
(1 Co 15.57). 1 - 2 Sm 7.16 - Deus promete a
1 - Ef 5.27 - A glória futura da Davi um descendente eterno,
Igreja o Messias
2 - At 14.22 - A Igreja é provada 2 - Sl 132.11 - O rei Davi conir-
3 - Ap 3.8 - Vencendo pela ide- ma a promessa divina
lidade 3 - Is 9.7 - O vaticínio do Messias
4 - 1 Co 15.41 - 43 - A glória da davídico
imortalidade da Igreja 4 - Jr 23.5,6 - O Renovo de Davi
5 - Ap 12.10,11 - O sangue do 5 - Mt 1.1 - Jesus, Filho de Davi
Cordeiro traz vitória 6 - Rm 1.3 - Jesus, descendente
de Davi
Nº 777 – REI DOS REIS E
SENHOR DOS SENHORES Nº 779 – A DIVINDADE DE
(1 Tm 6.15). CRISTO
1 - Gn 49.10 - A realeza do Mes- (Rm 9.5).
sias nas primeiras profecias 1 - Is 9.6 - Os cinco nomes do
da Bíblia Messias
2 - Jr 23.5,6 - Os profetas vatici- 2 - Jr 23.5,6 - A divindade do Re-
nam o reinado justo do Mes- novo de Davi
sias 3 - 1 Tm 2.5 - Jesus é o verdadei-
3 - Zc 9.9 - A profecia da vinda ro homem
de um rei justo e salvador 4 - Cl 2.9 - Jesus é o verdadeiro
4 - Lc 19.35 - 38 - Jesus foi acla- Deus em toda a sua plenitude
mado Rei pelo povo 5 - 1 Jo 5.20 - Jesus é o verdadei-
5 - Jo 19.19 - 22 - Jesus Nazareno, ro Deus e a vida eterna
Rei dos Judeus 6 - Mt 1.23 - Jesus é o Deus em
6 - Lc 1.31 - 33 - O seu reino nun- forma humana
ca terá im
Nº 780 – CRISTO, NOSSA

245
. Es oços – Mensagens diversii adas

ESPERANÇA 6 - Ef 2.13,14 - Cristo é a nossa


(Rm 15.13). paz
1 - 1 Co 13.13 - As três virtudes
Nº 782 – A RIQUEZA E A
do cristianismo: fé, esperança
POBREZA
e amor
(Lc 12.15).
2 - 1 Pe 1.3 - O crente foi gerado
para uma viva esperança 1 - Gn 3.17 - A origem da pobre-
3 - Sl 146.5 - Bem - aventurado za
aquele cuja esperança está no 2 - Sl 62.10 - Não colocar o cora-
Senhor ção nas riquezas
4 - Lm 3.26 - Bom é ter esperança 3 - Sl 119.14,72 - A Palavra de
e aguardar em silêncio a sal- Deus é melhor que as rique-
vação do Senhor zas
5 - Rm 5.5 - A esperança não traz 4 - Pv 30.8 - Nem riqueza, nem
confusão pobreza
6 - Rm 8.24 - A esperança que se 5 - Pv 23.4 - Não devemos ambi-
vê não é esperança cionar a riqueza
6 - Fp 4.4 - 20 - As circunstâncias
Nº 781 – A PAZ DE DEUS não devem abalar a fé
1 - Rm 5.1 - A justiicação pela fé
produz paz com Deus Nº 783 – ATOS PESSOAIS DO
2 - Rm 8.6 - O Espírito Santo é ESPÍRITO SANTO
vida e paz 1 - Ele perscruta (ICo.2:10).
3 - Rm 14.17 - O Reino de Deus é 2 - Ele fala (Ap.2:7; Gl.4:6;
justiça, paz e alegria no Espí- Jo.15:26).
rito Santo 3 - Ele intercede (Rm.8:26).
4 - Gl 5.22 - O fruto do Espírito 4 - Ele ensina (Jo.14:26).
é paz e outras preciosas vir- 5 - Ele guia (Jo.16:12 - 14;
tudes Ne.9:20).
5 - 2 Ts 3.16 - O Senhor da paz 6 - Ele chama (At.13:2;20:28).
dará sempre paz aos seus i-
lhos Nº 784 – CARACTERÍSTICAS

246
Pr. Josahat Baista
PESSOAIS DO ESPÍRITO ICo.2:1 - 5).
SANTO 6 - Produz Frutos (Gl.5:22,23;
1 - Inteligência (ICo.2:10,11; Fp.3:3; At.2:11).
Rm.8:27). 7 - Intercede (Rm.8:26; Jd.20).
2 - Vontade (ICo.12:11).
3 - Amor (Rm.15:30). Nº 787 – ATRIBUTOS
4 - Bondade (Ne.9:20). DIVINO DO ESPÍRITO
5 - Tristeza (Ef.4:30; Is.63:10). SANTO
1 - Deus - (At.5:3,4).
Nº 785 – OBRA DO ESPÍRITO 2 - Senhor - (IICo.3:18).
SANTO NA VIDA DOS 3 - Atributos - Divinos:
SALVOS (I) 4 - Eternidade - (Hb.9:14).
1 - Regenera - (Jo.3:3 - 6;6:63; 5 - Onipresença - (Sl.139:7 - 10).
Tt.3:5; ICo.2:4;3:6). 6 - Onipotência - (Lc.1:35).
2 - Batiza - (Jo.1:32 - 34; ICo.12:13; 7 - Onisciência - (ICo.2:10,11).
At.1:5).
3 - Habita - (ICo.3:16;6:15 - 19; Nº 788 – JESUS CRISTO E O
Rm.8:9). ESPÍRITO SANTO
5 - Sela - (Ef.1:13,14;4:30). 1 - Concebido pelo Espirito San-
6 - Testiica (Rm.8:14,16). to - (Lc.1:35).
7 - Fortalece (Ef.3:16). 2 - Ungido pelo Espirito Santo
8 - Enche (Ef.5:18 - 20). (At.10:38; Is.11:2;61:1;
3 - Movido pelo Espírito Santo -
Nº 786 – OBRA DO ESPÍRITO Lc.4:14,18; Mt.12:17,18).
SANTO NA VIDA DOS 4 - Guiado pelo Espirito Santo -
SALVOS (II) (Mt.4:1).
1 - Liberta (Rm.8:2). 5 - Cheio do Espirito Santo -
2 - Guia (Rm.8:14; At.8:27 - (Lc.4:1; Jo.3:34).
29;13:2,4). 6 - Deu mandamentos pelo Es-
3 - Ilumina (ICo.2:12,14). pirito Santo (At.1:1,2).
4 - Instrui (Jo.16:13,14).
5 - Capacita (ITs.1:5; At.1:8; Nº 789 – O GRACIOSO

247
. Es oços – Mensagens diversii adas

ESPÍRITO SANTO 2 - Et 4.3 - Jejum com lágrimas


1 - O Espírito Santo é Deus - At 3 - Dn 6.18 - Jejum Noturno
5.3,4; 1Jo 5.7 4 - Dn 9.3 - Jejum com Rogos e
2 - Deus nos deu o Espírito San- Oração
to - Jo 14.16; 1Co 2.12 5 - Jn 3.5 - 7 - Uma Cidade Em
3 - O Espírito Santo Habita em Jejum
nós - 1Co 3.16; 6.19; 2Tm 1.14 6 - 2Cr 20.3 - Buscando a DEUS
4 - O Espírito Santo é o nosso em Jejum Nacional
guia - Jo 16.13; Rm 8.14
5 - O Espírito Santo é o nosso In- Nº 792 – PERDÃO, O
tercessor - Rm 8.26,27 MELHOR REMÉDIO
6 - O Penhor da nossa herança - (Mt 6.14).
Ef 1.13,14 1 - Sl 130.4 - Com Deus está o
perdão
Nº 790 – A PRESENÇA DE 2 - Dn 9.9 - Ao Senhor pertence
DEUS NO LAR o perdão
1 - No primeiro lar, Deus estava 3 - Ne 9.17 - Deus é perdoador
presente - (Gn 3) 4 - Nm 15.25,26 - O sacrifício
2 - O Pai de família é feliz - (Sl pelo perdão
128.1) 5 - Mt 6.12 - O modo como per-
3 - A Mãe, esposa e mulher é fe- doamos
liz(Sl 128.3a) 6 - Mt 6.14,15 - Só é perdoado
4 - Os Filhos são abençoados(Sl por Deus, aquele que antes
128 3b) perdoa os outros
5 - A Prosperidade no Lar Cris-
tão(Sl 128.2; 4 - 6; Dt 28) Nº 793 – O PERDÃO BÍBLICO
(Cl 3.12,13).
Nº 791 – O VALOR DO JEJUM
ALIADO Á ORAÇÃO 1 - Com Deus está o perdão - (Sl
(Ed 8.21). 130.4).
2 - Ao Senhor pertence o perdão
1 - Mc 9.29 - Oração e Jejum con- - (Dn 9.9).
tra os demônios

248
Pr. Josahat Baista
3 - Deus é perdoador - (Ne 9.17; 4 - Sabedoria: Pv 29.15.
Sl 99.8).
4 - É sem reservas. Quem mais Nº 796 – A IGREJA DO DEUS
ama ao Senhor mais será per- VIVO
doado - (Lc 7.41 - 47). (1 Tm 3.15).
5 - Promove comunhão. Perdoar 1 - Mt 16.18 - A Igreja é inven-
é sinal da presença de Cristo cível.
na vida - (Cl 3.11 - 13). 2 - 1 Co 11.18 - Reunidos na igre-
ja.
Nº 794 – FILHOS, SÃO O 3 - Ef 3.21 - Glória a Cristo na
GALARDÃO E A HERANÇA Igreja.
(Sl 127.3). 4 - Cl 1.18 - Cristo - O cabeça da
1 - Sl 103.13 - Compaixão pelos Igreja
ilhos 5 - 1 Tm 3.15 - A Igreja do Deus
2 - Pv 4.1 - Filhos que ouvem a vivo.
instrução do pai 6 - Sl 122.1 - Indo à Casa do Se-
3 - Pv 15.20 - O ilho sábio alegra nhor.
seu pai
4 - Pv 19.18 - A disciplina dos i- Nº 797 – A IGREJA E A
lhos no devido tempo PALAVRA DA VERDADE
5 - Is 54.13 - Filhos bem instruí- (Jo 17:17).
dos nas coisas do Senhor 1 - Ela recebeu esta verdade para
6 - Ef 6.1 - Filhos obedientes aos obedecê - la - (Mt 28.20)
pais 2 - Escondê - la no coração - (Sl
119.11)
Nº 795 – FINALIDADE DA 3 - Proclamá - la como “a pala-
DISCIPLINA vra da vida” - (Fp 2.16)
(Pv 3.12). 4 - Defendê - la - (Fp 1.17)
1 - Obediência - Cl 3.20; 5 - Demonstrar seu poder no Es-
2 - Honra: Ex 20.12; pírito Santo - (Mc 16.15 - 20;
3 - Responsabilidade: Lm 3.27; At 1.8; 4.29 - 33; 6.8)

249
. Es oços – Mensagens diversii adas

Nº 798 – UTILIZANDO OS Nº 800 – A SAÚDE DO


MEIOS DE COMUNICAÇÕES CORPO E DA MENTE
(Sl 101.3). (3 Jo 2).
1 - Sl 101.3 - O cuidado com o 1 - 3 Jo 2 - Saúde do corpo e da
que se vê alma
2 - 1 Sm 3.11 - Coisas que fazem 2 - Pv 14.30 - Um coração sau-
o ouvido tinir dável
3 - Sl 89.15 - Ouvindo o som ale- 3 - Pv 16.24 - Palavras salutares
gre 4 - Jr 33.6 - Saúde e cura da parte
4 - 1 Tm 4.13 - Persiste em ler a de Deus
Palavra de Deus 5 - Pv 4.20 - 22 - A Palavra pro-
5 - Sl 19.8 - A Palavra do Senhor duz vida e saúde
alumia os olhos 6 - Mt 8.7 - Jesus dá saúde
6 - Dt 7.26 - Não ponha maldição
em sua casa Nº 801 – VENCENDO NA
TRIBULAÇÃO
Nº 799 – O AMOR AO (Rm 8.35).
PRÓXIMO 1 - Jó 15.24 - Assombrado pela
(Fp 2.3). tribulação
1 - Ef 4.25 - Falar a verdade com 2 - Sl 107.28 - Clamando na tri-
o próximo bulação
2 - Tg 4.11 - Não falar mal do ir- 3 - Is 33.2 - Salvação na tribula-
mão ção
3 - Fp 2.3 - Considerar o outro 4 - Mc 4.17 - Escandalizados na
superior tribulação
4 - Rm 12.9 - Amar sem ingi- 5 - Rm 12.12 - Pacientes na tri-
mento bulação
5 - Rm 12.10 - Amar de coração 6 - 2 Co 1.4 - Consolo na tribu-
6 - 1 Jo 3.15 - O perigo de odiar lação
o irmão
Nº 802 – PERDOANDO E

250
Pr. Josahat Baista
SENDO PERDOADO sistem (Fp 1.28),
(1 Co 1.10). 6 - Vesti toda a armadura de
1 - Gn 16.11 - Deus ouve a ali- Deus - (Ef 6.11),
ção na família 7 - Fica irme (Ef 6: 13,14),
2 - Sl 130.4 - Com Deus está o 8 - Destrui as fortalezas de Sata-
perdão nás (2 Co 10.4),
3 - Mt 18.35 - Perdoando de co- 9 - Leva cativo todo pensamento
ração ao irmão (2 Co 10.5)
4 - Ef 4.25 - Não dormir irado 10 - Fortalece na guerra contra o
5 - Jr 31.34 - Deus esquece as mal (Hb 11.34)
ofensas perdoadas
Nº 804 – NA CONTRA - MÃO
6 - Mt 6.12,14 - Na oração deve-
DO MUNDO
mos tratar dos nossos peca-
(Tg 4.4; 2.16).
dos e também estar dispostos
a perdoar aqueles que nos i- 1 - O mundo está sob o domínio
zeram mal de Satanás - ( Jo 12.31)
2 - A igreja pertence exclusiva-
Nº 803 – UM SOLDADO DE mente a Deus - (Ef 5.23,24; Ap
CRISTO 21.2). Por isso, o crente deve
(2 Tm 2.3). separar - se do mundo .
1 - Sofre em prol do evangelho 3 - No mundo, os crentes são fo-
- (Mt 5.10 - 12; Rm 8.17; 2 Co rasteiros e peregrinos - (Hb
11.23; 2 Tm 1.8), 11.13; 1Pe 2.11)
2 - Combate o bom combate da 4 - Não devem pertencer ao
fé - (1 Tm 6.12; 2 Tm 4.7), mundo - (Jo 15.19)
3 - Guerrea espiritualmente - (2 5 - Não se conformar com o
Co 10.3), mundo - (Rm 12.2)
4 - Defende o evangelho - (Fp 6 - Não amar o mundo - (2.15)
1.16), 7 - Odiar a iniqüidade do mun-
5 - Combate pela fé - (Fp 1.27), do - (Hb 1.9)
não se alarmar ante os que re- 8 - Morrer para o mundo - (Gl
6.14)

251
. Es oços – Mensagens diversii adas

9 - Ser libertos do mundo - (Cl (Mateus 9:36; Marcos 6:34); e


1.13; Gl 1.4) perdão - (Mateus 9:2; Lucas
5:20).
Nº 805 – VITÓRIA NA 4 - Não há possibilidade de ma-
TENTAÇÃO nifestar o fruto do Espírito e
1 - Mc 14.38 - A carne é fraca o caráter de Cristo, sem estar
pelo efeito do pecado espiritualmente unido a Cris-
2 - Lc 8.13 - Desviados pela ação to - (João 15:4, 5), e sem ter a
da tentação semente da Palavra plantada
3 - Lc 22.40 - Orando para não em nossos corações - (João
cair 15:3; I Pedro 1:22, 23).
4 - 1 Co 10.13 - Escape por Deus
na tentação Nº 807 – ABANDONANDO
5 - Gl 4.14 - Tentação na carne OS MAUS COSTUMES
6 - 2 Pe 2.9 - Livres da tentação (Tito 2.13,14).
pelo Senhor 1 - 2 Rs 17.33,34 - Costumes abo-
mináveis a DEUS
Nº 806 – O CARÁTER DE
2 - Is 2.6 - Costumes pecamino-
CRISTO
sos dos ímpios
(Mateus 5:43 - 48;
3 - Jr 10.3 - Costumes indignos
Rm 12:10; Fl 2:3; I
4 - At 13.18 - Deus suportou os
João 3:16).
maus costumes de Israel
1 - Uma das características de 5 - 1 Co 15.33 - Costumes cor-
Cristo foi amor ao próximo - rompidos
(João 13:34,35; 15:9 - 13; I João 6 - Hb 13.5 - Costumes sem ava-
4:7 - 11 ). reza
2 - Em sua relação com o Pai, Je-
sus mostrou submissão - (Lu- Nº 808 – AGUARDANDO A
cas 22:42; João 4:34; 5:30). VINDA DE JESUS
3 - Em sua relação com o pró- (1 Ts 5.23).
ximo, Jesus mostrou aceita- 1 - Mt 24.3 - O interesse do cren-
ção - (João 8:11 ); compaixão

252
Pr. Josahat Baista
te pela vinda de Jesus PROGRESSO DA PALAVRA
2 - 1 Ts 3.13 - Irrepreensíveis na (1 Coríntios 3:1 - 2;
vinda de Jesus Hebreus 5:11 - 14).
3 - 2 Ts 2.8 - O esplendor da vin- 1 - 1Pe 1.15,16 - Santidade é in-
da de Jesus dispensável ao crente
4 - 2 Ts 2.9 - A vinda do Anti- 2 - 2Co 5.17 - As coisas velhas
cristo são passadas
5 - 2 Tm 4.8 - Os que amam a 3 - Sl 133.1 - As bênçãos da união
vinda de Jesus entre os irmãos
6 - Tg 5.8 - Jesus vem breve 4 - Pv 8.13 - Temer a Deus é
apartar - se do mal
Nº 809 – A PALAVRA
5 - Ef 2.10 - As Boas obras dos
DE DEUS PREVINE DAS
salvos
HERESIAS
6 - 2Pe 3.18 - O Crescimento na
(2Pe 2.11).
graça e no conhecimento
1 - Sl 119.5 - A Palavra de Deus è
Luz contra as Heresias Nº 811 – O FILHO E O PAI
2 - Sl 119.113 - Devemos Amar a (Cl 1.18).
Lei do Senhor 1 - Jo 10.30 - Jesus e o Pai são um.
3 - Sl 119.118 - O Senhor abor- 2 - Jo 14.9 - Quem vê a Cristo vê
rece os que desprezam sua o Pai
Palavra 3 - Hb 1.3 - Cristo, o resplendor
4 - Sl 119.127 - O Mandamento da glória de Deus
do Senhor è como ouro rei- 4 - 1Co 15.20 - Cristo, o primeiro
nado dentre os mortos
5 - Sl 119.128 - O que ama os 5 - Ef 1.22 - Cristo - é a cabeça da
Preceitos do Senhor aborrece Igreja
a falsa vereda 6 - Ap 1.8 - Jesus, o alfa e o ôme-
6 - Sl 119.130 - A exposição da ga
Palavra ilumina o crente
Nº 812 – IDENTIFICANDO -
Nº 810 – VIVENDO NO

253
. Es oços – Mensagens diversii adas

SE COM CRISTO náculo de uma casa


(Cl 2.6,7). 2 - At 2.46 - Partindo o pão em
1 - 1Ts 2.2 - O Grande combate casa
da Fé 3 - At 5.42 - No templo e nas ca-
2 - Ef 6.17 - A Espada do Espírito sas
3 - 2Tm 4.7 - Combatendo o bom 4 - Cl 4.15 - Uma igreja no lar
combate 5 - (At 5.42) - No templo e nas
4 - Sl 133.1 - O Suave convívio casas
em união
Nº 815 – TRÊS TIPOS DE
5 - Cl 3.9 - 10 - O Novo Homem
HOMEM NA TERRA
segundo a imagem de Deus
1 - Homem Natural: 1Co 2.14 -
6 - Mt 7.24 - Ouvindo e Pratican-
Aquele que já nasceu em pe-
do a Palavra
cado e continua na prática do
Nº 813 – UMA VIDA DE mesmo, sem se importar com
ORAÇÃO Deus, vive sem saber porque
(Cl 4.2). - (Rm 5.12)
2 - Homem Espiritual: 1Co 2. 15
1 - Sl 55.17 - Orando continua- - Aquele que tendo nascido
mente em pecado, se arrependeu,
2 - Mt 26.44 - O exemplo de Je- se converteu e aceitou a Cris-
sus orando to como único e suiciente
3 - 1 Ts 5.17 - Orando sem cessar salvador, recebendo assim o
4 - At 2.42 - Perseverando nas Esopírito Santo para viver em
orações novidade de vida e na prática
5 - (At 1.14; 6.4; 12.5; 13.2 - A de boas obras - (Ef 2.10)
igreja será uma igreja de ora- 3 - O homem carnal: Aquele que
ção e jejum tendo conhecido a salvação
desprezou o seu Senhor e
Nº 814 – O LAR CRISTÃO
mestre Jesus Cristo, andando
(Cl 4.15).
agora na prática do pecado -
1 - At 1.13,14 - Reunidos no ce- (Cl 2.18) - (2Co 1.12)

254
Pr. Josahat Baista
Nº 816 – O CRIADOR DOS havendo feito por si mesmo a
MUNDOS puriicação dos nossos peca-
(Hb 11:1 - 3). dos, assentou - se à destra da
1 - Gn 1.1 (No princípio, criou Majestade, nas alturas)
Deus os céus e a terra)
Nº 817 – AS FUNÇÕES DO
2 - Sl 36.6 (A tua justiça é como
HOMEM
as grandes montanhas; os
1 - Dominar a Criação - Gn 1:27
teus juízos são um grande
- 28, 9.2, Sl 8.4 - 8, Hb 2.5 - 9
abismo; Senhor, tu conservas
2 - Multiplicar - se e Povoar a
os homens e os animais)
Terra - Gn 1.28, 2.24, 9.1 - 7
3 - Ne 9.6 (Tu só és Senhor, tu
3 - Alimentar - se - Gn 1.29, 9.3
izeste o céu, o céu dos céus
-4
e todo o seu exército, a terra
4 - Trabalhar, Cultivar e Guar-
e tudo quanto nela há, os ma-
dar o Jardim - Gn 2.15
res e tudo quanto neles há; e
5 - Obedecer a Deus - Gn 2.16 -
tu os guardas em vida a to-
17
dos, e o exército dos céus te
adora): Nº 818 – CUIDANDO DO
4 - Jo 1.3 (Todas as coisas foram CORPO
feitas por ele, e sem ele nada (1 Co 6.19).
do que foi feito se fez)
5 - Ef 3.9 (e demonstrar a todos 1 - Rm 12.1,2 - O nosso corpo
qual seja a dispensação do deve ser consagrado a Deus
mistério, que, desde os sécu- 2 - Gl 5.17 - 21 - A carne e suas
los, esteve oculto em Deus, obras pecaminosas
que tudo criou) 3 - 2 Co 5.17 - Quem é converti-
6 - Hb 1.3 (O qual, sendo o res- do vive para Cristo em santi-
plendor da sua glória, e a ex- icação
pressa imagem da sua pessoa, 4 - 1 Co 3.16,17 - O cuidado com
e sustentando todas as coisas o corpo que é a habitação do
pela palavra do seu poder, Espírito Santo
5 - 1 Jo 3.3 - 9 - A puriicação das

255
. Es oços – Mensagens diversii adas

más obras do corpo vida ao corpo


6 - Jo 4.24 - No espírito está o
Nº 819 – A REALIDADE DA âmago da nossa adoração a
ALMA Deus
(Gn 2.7).
1 - Dt 11.13 - Servir ao Senhor de Nº 821 – A MORDOMIA DO
toda a nossa alma DINHEIRO
2 - 1 Rs 8.48 - Conversão a Deus (1 Tm 6.10).
de toda a alma 1 - Mc 12.41 - Jesus observava e
3 - Dt 4.29 - Buscar ao Senhor de discernia o comportamento
toda a nossa alma dos ofertantes
4 - Sl 23.3 - A restauração da 2 - Lc 12.15 - Jesus advertiu para
alma o perigo do mau uso do di-
5 - Sl 35.9 - A alma alegre no Se- nheiro
nhor 3 - Gn 13:1 - 6 - Abraão foi ho-
6 - Sl 42.5,11 - A alma cansada e mem muito rico e piedoso
abatida 4 - Mt 6.24 - A idolatria ao di-
nheiro vista em Mamom
Nº 820 – A REALIDADE DO 5 - Is 55.1,2 - A salvação em Cris-
ESPÍRITO to não se compra com dinhei-
(Rm 8.16). ro
1 - Mt 27.50 - Jesus, como ho- 6 - At 5.1 - 10 - O Espírito Santo
mem perfeito tinha espírito suplanta a força do dinheiro
2 - Pv 16.32 - O homem pode do-
minar seu espírito Nº 822 – 11 MANDAMENTOS
3 - Jó 34.14; Is 42.5 - Fôlego e es- DO DINHEIRO
pírito são coisas distintas (1 Tm 6.10).
4 - Rm 8.16 - É no nosso espírito 1 - Reconhecer que tudo é de
que o Espírito Santo testiica Deus, e devolver pelo menos
da nossa iliação com Deus o dízimo - (Ml 3.10 - 11).
5 - Tg 2.26 - O Espírito comunica 2 - Trabalhar e ganhar dinheiro

256
Pr. Josahat Baista
honestamente - (Pv 6.6 - 11, 2 Nº 823 – CONTRIBUINDO
Ts 3.10 - 12) PARA O REINO DE DEUS
3 - Não entrar em dívidas e pro- 1 - Sacriicalmente - 2 Co 8.2, Pv
curar sair delas - (Pv 22.7, Rm 11.24 - 25
13.8, 1 Co 7.21 - 23) 2 - Alegremente - 2 Co 9.7
4 - Não colocar o coração em di- 3 - Voluntariamente - não por
nheiro ou em coisas materiais que é “lei”: 2 Co 8.3, 9.7
- (Pv 23.4 - 5, 28.22, Mt 6.19 - 4 - Regularmente - (pelo menos
21) uma vez por mês): 1 Co 16.2
5 - Não viver ansioso ou preocu- 5 - Começar pelo dízimo - (10%
pado - (Fl 4.6 - 7, 1 Pe 5.7) da renda total): Ml 3.8, 10 - 11,
6 - Não ser avarento - (Ec 5.10, Lc 11.42
Lc 12.15, Cl 3.5)
7 - Planejar os gastos - (Pv 16.9). Nº 824 – O CRISTÃO E O
Faça um orçamento e pare DÍZIMO
com os gastos desnecessá- (Ml 3.10).
rios! Coloque seus propósitos 1 - Sl 24.1,5 - Reconhecimento
diante do Senhor - (Sl 37.4) da majestade de Deus e sua
8 - Economizar - (Pv 18.9 e bênção
21.20). Guardar para quando 2 - Hb 7.2 - 4 - O exemplo de
precisar (emergências) - (Pv Abraão no dízimo
27.18). 3 - Dt 12.6,11 - O povo de Deus e
9 - Ser sensível em relação ás o dízimo e as ofertas
necessidades dos outros - Lc 4 - Dt 26.12,16 - O dízimo entre-
3.11, Rm 12.13. gue com amor
10 - Não se deve icar alimentan- 5 - Mc 12.41 - 44 - Jesus observa
do o preguiçoso - Pv 19.19 e 2 as ofertas
Ts 3.6 - 16. 6 - Ml 3.8 - 10 - O dízimo reair-
11 - Contribuir regularmente mado na Bíblia
para o sustento da causa de
Cristo - 2 Co 8.3 - 5, Fp 4.18 Nº 825 – O DIZÍMO
EXEMPLAR

257
. Es oços – Mensagens diversii adas

(Ml 3.8 - 12). bem - aventurado é dar do


1 - O exemplo de Caim e Abel - que receber. At 20.35
(Gn 4.2 - 7). 8 - Sou Dizimista porque Deus
2 - O exemplo de Abraão - (Gn ama ao que dá com alegria. 2
14.18 - 24). Co 9.7
3 - O exemplo de Jacó - (Gn 28.18 9 - Sou Dizimista porque tudo
- 22). vem das Mãos de Deus. 1Cr
4 - O exemplo de Moisés - (Lv 29.14
27.30) 10 - Sou Dizimista porque não
5 - O exemplo de Jesus - (Jo sou avarento. 1 Tm 6. 10
13.15)
Nº 827 – DEVOLVENDO O
6 - O exemplo da igreja primiti-
DÍZIMO
va - (At 4.32; 2 Co 8.7)
1 - Devolvendo primeiramente
Nº 826 – SOU DIZIMISTA ao Senhor - (II Co 8.5).
1 - Sou Dizimista porque o Dízi- 2 - Devolvendo de boa vontade
mo é Santo. Lv 27.30 - (II Co 8:3 - 12).
2 - Sou Dizimista porque quero 3 - Devolvendo com alegria - (II
ser participante das grandes Co 9:7).
bênçãos. Ml 3.11 4 - Devolvendo com generosida-
3 - Sou Dizimista porque amo a de, com liberalidade - (II Co
obra de Deus na face da Ter- 8.2; 9.13).
ra. Ml 3.10 5 - Devolvendo proporcional-
4 - Sou Dizimista porque não mente - (II Co 9.6; 8.14 - 15).
quero ser amaldiçoado. Ml 6 - Devolvendo regularmente -
3.9 (I Co 16.1 - 2).
5 - Sou Dizimista porque Deus é 7 - Devolvendo sistematicamen-
dono de tudo. Sl 24. 1 te - (II Co 9.7).
6 - Sou Dizimista porque eu 8 - Devolvendo com amor - (II
mesmo vou gozá - lo na casa Co 8.24).
de Deus. Dt 14.23 9 - Devolvendo com gratidão -
7 - Sou Dizimista porque mais (II Co 9.11 - 12).

258
Pr. Josahat Baista
10 - Dar como ministração ao que todos os homens se sal-
Senhor e seus santos (II Co vem
9.12 - 13). 6 - Atos 15.7 - 9 - Ele não fez di-
ferença entre eles e nós
Nº 828 – A EXCELÊNCIA DA
ADORAÇÃO Nº 830 – UM DEUS UNO
(1 Cr 16.29). (Rm 11.33 - 36).
1 - Êx 20.1 - 5 - Adoração somen- 1 - 1 Timóteo 2.1 - 5 - Um só Deus
te a Deus 2 - João 14.1 - 6 - Um só caminho
2 - 1 Sm 2.1 - 10 - Adoração na 3 - Salmo 119,97 - 107 - Uma só
oração Palavra
3 - Sl 96.1 - 9 - A excelência da 4 - Atos 4.8 - 12 - Um só Salvador
adoração é Deus 5 - Efésios 4.1 - 5 - Uma só fé
4 - Ap 4.11 - Adoração universal
a Deus - céu, terra e mar Nº 831 – JOSÉ E JESUS
5 - Sl 136.1 - 26 - Motivos para (Mt 1:24 - 25).
adorar a Deus 1 - Lc 2.4 - José era da descen-
6 - Jo 4.21 - 24 - Jesus ensina so- dência de Davi
bre a adoração 2 - Mt 2.13,14: José fugiu para o
Egito com Maria e Jesus
Nº 829 – O ELEITO É UM 3 - Mt 13.55 - Jesus, “o ilho do
SALVO carpinteiro”
1 - Ts 1.3,4 - A vossa eleição é de 4 - Mc 6.3 - Jesus, “carpinteiro”
Deus 5 - Mt 1.19 - José, um homem
2 - 2 Ts 2.13,14 - Eleito desde o justo
princípio para a salvação
3 - Romanos 8.29,30 - Também Nº 832 – ADORANDO EM
os predestinou SANTIDADE
4 - Efésios 1.1 - 11 - Elegeu - nos (Lv 26.11).
Nele antes da fundação do
1 - Êx 15.11 - Deus é majestoso
mundo
em santidade
5 - 1 Timóteo 2.4 - 6 - Ele quer

259
. Es oços – Mensagens diversii adas

2 - Lv 8.9 - A santidade dos sa- 2 - Êx 32.26 - O zelo dos levitas


cerdotes 3 - Nm 3.45 - Os levitas são sepa-
3 - 1Cr 16.29 - Adoração em san- rados para Deus
tidade 4 - Nm 18.20,21 - A herança dos
4 - Sl 93.5 - A santidade convém levitas
à Casa de Deus 5 - Ml 2.4,5 - A aliança do Senhor
5 - Ef 4.24 - Santidade, o revesti- com Levi
mento do crente 6 - Ml 2.6,7 - A sabedoria dos le-
6 - 1Ts 3.13 - Santidade irre- vitas
preensível
Nº 835 – A HISTÓRIA DE
Nº 833 – O CULTO NO NADABI E ABIÚ
ANTIGO TESTAMENTO (Lv 10.3).
(Lv. 9.23). 1 - Êx 6.23 - A ascendência de
1 - Gn 4.4 - Abel inicia o culto Nadabe e Abiú
divino 2 - Êx 24.1 - 9 - Nadabe e Abiú
2 - Gn 12.1 - 3 - Abraão é chama- viram a glória divina
do a cultuar 3 - Êx 28.1 - Nadabe e Abiú no
3 - Êx 4.31 - A fé conduz ao culto santo ministério
4 - Êx 12.27 - A explicação do 4 - Lv 10.1 - Nadabe e Abiú e o
culto fogo estranho
5 - Êx 10.9 - A reivindicação do 5 - Lv 10.2 - Deus fulmina Nada-
culto be e Abiú
6 - Rm 12.1 - 3 - Um culto per- 6 - Nm 3.1 - 4 - A história de Na-
feito dabe e Abiú

Nº 834 – A CHAMADA DOS Nº 836 – A CHAMADA


LEVITAS DIVINA É INCOMPATÍVEL
(Nm 3.45). COM O ALCOOLISMO
1 - Gn 29.34 - Levi, o patriarca (Ef 5.18).
sacerdotal 1 - Gn 9.20 - 24 - A embriaguez

260
Pr. Josahat Baista
de Noé 1 - Êx 25.37 - 40 - A fabricação
2 - Gn 19.30 - 35 - O vinho e a das lâmpadas
profanação familiar 2 - Êx 30.7,8 - O acendimento
3 - 2 Sm 11.6 - 13 - A corrupção das lâmpadas
pelo vinho 3 - Êx 39.37 - As lâmpadas eram
4 - Pv 31.4,5 - O vinho é impró- de puro ouro
prio aos que presidem 4 - Lv 24.4 - A ordem das lâm-
5 - 1 Tm 3.3 - O vinho é vedado padas
ao pastor 5 - Jo 8.12 - Jesus é a luz do mun-
6 - Ef 5.1 - 18 - Enchei - vos do do
Espírito 6 - Mt 5.14 - Nós somos a luz do
mundo
Nº 837 – OS HOLOCAUSTOS
DA ANTIGA ALIANÇA Nº 839 – OS PÃES DA
(Hb 10.10). PROPOSIÇÃO
1 - Lv 1.9 - O cheiro suave do ho- (Jo 6.47,48).
locausto 1 - 1 Cr 9.3 - Os pães eram feitos
2 - 1 Sm 6.14 - O holocausto pelos coatitas
como ação de graças 2 - Lv 24.5 - O material do pão
3 - Sl 40.6 - O holocausto, igura 3 - Dt 8.3 - A suiciência da Pala-
da morte de Cristo vra de Deus
4 - Gn 8.20 - O holocausto de 4 - Êx 16.31 - 35 - O pão que des-
Noé ce do céu
5 - Gn 22.13 - O holocausto de 5 - Mt 6.11 - O pão nosso de cada
Abraão dia
6 - Fp 4.18 - A oferenda dos ili- 6 - Jo 6.35: Jesus, o pão da vida
penses 840
O INCENSO E AS ORAÇÕES
Nº 838 – MANTENDO A DOS SANTOS
LÂMPADA ACESA (Hb 4.16).
(Jo 8.12). 1 - Êx 26.36 - O lugar santo
2 - Êx 30.1 - 10 - O altar do in-

261
. Es oços – Mensagens diversii adas

censo - (At 9.21)


3 - Êx 30.8 - O incenso contínuo 3 - Seu esforço apologético - (At
4 - Lv 16.12,13 - A cerimônia do 9.22)
incenso 4 - A fuga de Paulo - (2Co 11.32),
5 - Mt 6.9 - 13 - A oração perfeita (At 9.25).
6 - Ap 5.8 - O incenso é a oração 5 - De Damasco para o mundo -
dos santos (At 9.23 - 24)

Nº 841 – O MINISTÉRIO E Nº 843 – ESPERANDO A


VIDA DE PAULO (I) VOLTA DE JESUS COM
(G11.23). PACIÊNCIA
1 - At 9.20 - A pregação de Paulo (Tiago 5.8).
nas Sinagogas 1 - Mateus 24.37 - 39 - Como nos
2 - At 9.21 - E todos os que o ou- dias de Noé
viam Paulo estavam atônitos 2 - Apocalipse 1.4 - 7 - Todo olho
3 - At 9.25 - Paulo sendo cuida- contemplará a volta de Cristo
do pelos discipulos 3 - Atos 1.1 - 11 - Os anjos pro-
4 - At 9.26 - todos o temiam Pau- clamam o advento de Jesus
lo, não crendo que fosse dis- 4 - Lucas 21.34 - 36 - Vigiando
cípulo. em todo o tempo
5 - At 9.27 - Barnabé defende 5 - Apocalipse 11.15 - 19 - O rei-
Paulo nado eterno de Cristo
6 - At 9.28 - A liberdade de Pau- 6 - Mateus 25.1 - 13 - As virgens
lo loucas e as prudentes

Nº 842 – O MINISTÉRIO E Nº 844 – ARREBATAMENTO,


VIDA DE PAULO (II) UMA ESPERANÇA FUTURA
(G11.23). (João 14.3).
1 - Pregando nas sinagogas - (At 1 - 1 João 3.10 - 13 - Seremos se-
9.20) melhantes a Cristo
2 - O espanto dos que o ouviam 2 - 1 Tessalonicenses 4.13 - 18 -

262
Pr. Josahat Baista
Os salvos reunidos com o Sal- rível angústia
vador 2 - Ezequiel 9 - O grande dia do
3 - João 5.24 - 29 - Os mortos ou- furor do Senhor
virão a voz do Filho de Deus 3 - Lucas 21.25 - 33 - Sinais es-
4 - 2 Coríntios 12.1 - 4 - Arreba- pantosos no céu e na terra
tado até o terceiro céu 4 - Apocalipse 11.1 - 3 - Dois
5 - Apocalipse 4 - João é um dos profetas especiais na Grande
tipos dos arrebatados Tribulação
6 - Efésios 5.14 - Hora de desper- 5 - Apocalipse 16 - As sete taças
tarmos do sono da ira de Deus
6 - Marcos 13.24 - 31 - Os anjos
Nº 845 – A DERROTA DO ajuntarão os escolhidos de
ANTICRISTO Deus
(16.20).
1 - Daniel 9.24 - 27 - O príncipe Nº 847 – SEPARADOS PARA
que há de vir SERVIR
2 - Isaías 51.12 - 15 - O furor do (Ap14.1).
angustiador 1 - Atos 13.1 - 5 - Servindo ao Se-
3 - Daniel 11.37 - 39 - Ao deus nhor
das fortalezas honrará 2 - 1 Coríntios 6.10 - 20 - Com-
4 - Apocalipse 13.1 - 3 - A besta prados por bom preço
que sobe do mar 3 - 2 Coríntios 7.1 - 10 - Purii
5 - 1 João 2.18 - 29 - O mentiroso quemo - nos de toda a imun-
e enganador dícia
6 - Apocalipse 19.11 - 21 - O des- 4 - Efésios 1.3 - 14 - Selados com
tino inal do Anticristo o Espírito Santo
5 - 1 Timóteo 3.1 - 7 - Irrepreen-
Nº 846 – A MAIOR sível e exemplar
TRIBULAÇÃO 6 - Apocalipse 22.3 - 7 - O nome
(Ap 3.10). de Deus escrito nas testas
1 - Daniel 12 - Um tempo de ter-
Nº 848 – EIS O CORDEIRO

263
. Es oços – Mensagens diversii adas

DE DEUS... 6 - Apocalipse 22.6 - 12 - Galar-


(João 1.29). dão segundo a sua obra
1 - 1 Pedro 1.13 - 19 - O Cordeiro
Nº 850 – O CLÍMAX DAS
incontaminado
BODAS DO CORDEIRO
2 - Apocalipse 14.1 - 5 - O Cor-
(Ap19.7).
deiro e o remanescente iel de
Israel 1 - Juízes 14.12 - 17 - Bodas cele-
3 - Apocalipse 12.11 - 17 - Ven- bradas por sete dias
cedores pelo sangue do Cor- 2 - Cantares 2.1 - 4 - A sala do
deiro banquete
4 - Apocalipse 19.7 - 9 - As bodas 3 - Mateus 8.5 - 13 - Assentar - se
do Cordeiro à mesa com Abraão, Isaque e
5 - Apocalipse 21.9 - 27 - Seu Jacó
nome está no livro da vida do 4 - Mateus 22.1 - 14 - Sem as ves-
Cordeiro? tes nupciais
6 - Apocalipse 22.1 - 5 - O trono 5 - Mateus 25.1 - 6 - A chegada
e os servos do Cordeiro do esposo
6 - Apocalipse 19.1 - 9 - Felizes
Nº 849 – O VENCEDOR NO são os convidados para as Bo-
TRIBUNAL das
(Rm 14.10).
Nº 851 – O CONFRONTO
1 - 1 Coríntios 4.1 - 5 - Despen-
FINAL
seiros iéis
(Ap 17.14).
2 - 1 Coríntios 9.22 - 27 - Coroa
incorruptível 1 - Daniel 9.24 - 27 - Virá o asso-
3 - Hebreus 11.24 - 27 - Buscava lador
uma recompensa maior 2 - Joel 3.9 - 14 - Porque o Dia do
4 - Hebreus 12.1 - 11 - Perseve- Senhor está perto
rança na trajetória 3 - Sofonias 1.14 - 18 - O grande
5 - Apocalipse 21.1 - 8 - O ven- Dia do Senhor
cedor herdará todas as coisas 4 - Zacarias 14.1 - 4 - Todas as

264
Pr. Josahat Baista
nações contra Jerusalém em condenação
5 - 2 Tessalonicenses 2.1 - 8 - O 5 - Romanos 2.1 - 16 - Julgar os
esplendor da sua vinda segredos dos homens
6 - Apocalipse 20.1 - 20 - E a bes- 6 - Hebreus 12.12 - 23 - Deus, o
ta foi presa Juiz de todos

Nº 852 – MIL ANOS FINAL Nº 854 – O NÚMERO DOIS


(Za 14.9). 1 - Duas portas - (Mt 7.13,14);
1 - Isaías 32.14 - 20 - O efeito da 2 - Dois caminhos - (Mt 7.13,14);
justiça será a paz 3 - Duas árvores - (Mt 7.18);
2 - Ezequiel 47.1 - 12 - O rio do 4 - Dois senhores - (Lc 16.13);
Milênio produz vida e saúde 5 - Dois alicerces - (Mt 7.24 - 27);
3 - Joel 3.14 - 18 - Uma fonte da 6 - Dois salteadores - (Mc 15.27);
casa do Senhor 7 - Duas mulheres - (Lc 10.38 -
4 - Miqueias 4.2 - 7 - De Sião 42);
sairá a Lei, e a Palavra do Se- 8 - Dois ilhos - (Lc 15.11 - 32);
nhor, de Jerusalém 9 - Duas escolhas - (Js 24.14 - 16);
5 - Zacarias 6.12 - 15 - Ele mesmo 10 - Dois destinos - (Jr 21.8).
ediicará o templo do Senhor
Nº 855 – O TRONO DE DEUS
6 - Apocalipse 20.4 - Reinaram
(Sl 11.4).
com Cristo durante mil anos
1 - O Senhor Eterno está assen-
Nº 853 – JUIZ DOS JUIZES tado em Seu trono - (Sl 47.8;
(Sl 50.6). 113.5; Is 6.1; Ap 7.10,15).
1 - 1 Samuel 24.8 - 12 - Julgue o 2 - João indica o local em que
Senhor esse trono está posto no céu
2 - Eclesiastes 3.16,17 - Deus jul- - (Ap 4.2; 5.13; 19.1,4. 21.1,5).
gará o justo e o ímpio 3 - o trono de Deus é alto e subli-
3 - Daniel 5.17 - 28 - Pesado foste me - (Is 6.1).
na balança 4 - o trono de Deus é poderoso -
4 - João 5.16 - 24 - Não entrará (1 Rs 22.19).
5 - o trono de Deus é santo - (Sl

265
. Es oços – Mensagens diversii adas

47.8). não morre é o remorso eterno


6 - o trono de Deus se parece (Mc 9.43,48);
com chamas de fogo - (Dn 5 - Uma prisão eterna (Mt
7.9). 5.25,26).
7 - o trono de Deus é chamado
de trono da graça - (Hb 4.16). Nº 857 – OS SINAIS NO
8 - o trono de Deus também é PENTECOSTES
chamado de trono da Majes- (Mc 16.17).
tade - (Hb8.1). 1 - Dt 16.1 - Deus relembra ao
9 - Diante do trono eterno estão povo o livramento recebido
os sete Espíritos de Deus - 2 - Dt 16.10 - O Pentecostes vi-
(Ap 4.5). nha depois da Páscoa
3 - Dt 16.11 - O Pentecostes tra-
Nº 856 – O INFERNO É UM zia alegria aos hebreus e a ou-
LUGAR tras pessoas
(Lc 16.24,25). 4 - At 1.14 - O Pentecostes come-
- Na língua grega, “basanos” ça com oração
(indo ao mais profundo e ter- 5 - At 2.4 - Uma promessa cum-
rível nível de tortura ou so- prida
frimento]; basanizo [torturar; 6 - At 2.39 - Uma promessa para
estar sofrendo (Mt 8.6,29; Mc os nossos dias
5.7)
1 - Um lugar de trevas, onde as Nº 858 – A PRÁTICA DA
pessoas permanecerão na es- PALAVRA
curidão eterna (Mt 8.12); (Sl 119.11).
2 - Um lugar onde o fogo - que 1 - At 18.4 - A Palavra usada de
representa a ira de Deus pu- modo correto convence as
nindo os ímpios - nunca se pessoas
apagará (Is 33.14); 2 - At 8.30 - Entendes o que lês?
3 - um lugar de alições e angús- 3 - Sl 119.97 - O amor à Lei de
tias indescritíveis Deus
4 - Um lugar onde o bicho que

266
Pr. Josahat Baista
4 - Os 4.6 - A falta de entendi- pírito Santo é diferente do ba-
mento faz o povo perecer tismo de João
5 - Mt 7.24 - Construindo sobre 3 - At 19.6 - O batismo com o Es-
um alicerce sólido pírito Santo dado por imposi-
6 - Tg 1.22: - Sejamos praticantes ção de mãos
da Palavra de Deus 4 - Mt 3.11 - Jesus é quem batiza
com o Espírito Santo
Nº 859 – O ESPÍRITO SANTO 5 - At 10.47,48 - O batismo com
(At 1.1 - 9). o Espírito Santo é para todos
1 - Lc 4.1 - O Espírito Santo con- 6 - Lc 1113 - O Espírito Santo
duz Jesus será dado a quem pedir
2 - Lc 4.18 - O Espírito Santo em
Jesus Nº 861 – A UTILIDADE DOS
3 - At 2.4 - O Espírito Santo é DONS ESPIRITUAIS
derramado sobre os discípu- (1Co 12.7).
los 1 - 1 Co 12.1 - Não podemos ser
4 - At 13.2 - O Espírito Santo es- ignorantes para com os dons
colhe obreiros 2 - 1 Co 12.4 - O mesmo Espírito
5 - At 19.6 - O Espírito Santo nas opera todos os dons
línguas e na profecia 3 - 1 Co 12.1 - O Espírito reparte
6 - O Espírito Santo veio so- os dons como quer
bre Ele em “forma corpórea, 4 - 1 Co 14.1 - Devemos buscar o
como uma pomba” (Lc 3.22) dom de profetizar
5 - 1 Co 12.30 - Nem todos têm
Nº 860 – A EXPERIÊNCIA DO os mesmos dons
BATISMO COM O ESPÍRITO 6 - 1 Co 14.39 - O falar em lín-
SANTO guas não deve ser proibido
(Atos 2.39).
1 - At 4.31 - Cheios do Espírito Nº 862 – O PROFETA E A
Santo após a oração PROFECIA
2 - At 1.5 - O batismo com o Es- (1Co 14.26).

267
. Es oços – Mensagens diversii adas

- Em 1 Coríntios 14, a profecia o Reino de Deus


refere - se a várias mensa- 4 - Mt 13.13 - 15 - Fácil para uns,
gens espontâneas, inspiradas difícil para outros
peto Espírito, numa Língua 5 - Mt 15.15.16 - Os discípulos
conhecida a quem fala ‘para não entendem
ediicação [especialmente na 6 - Mc 4.1,2 - Jesus ensina uma
fé], exortação [especialmente multidão
para avançar na idelidade e
no amor] e consolação [que Nº 864 – MASHAL (Antigo T.)
anima e reviica a esperança ou PARABOLE (Novo T).
e a expectativa]’. Em ambos os casos, os ter-
1 - Hb 1.1 - Deus falou por meio mos podem referir - se:
de profetas aos pais 1 - A um provérbio (1 Sm 24.13;
2 - Am 3.7 - Deus revela seus Ez 18.2,3; Lc 4.23; 6.39)
planos aos profetas 2 - Uma sátira (Sl 44.11; 69.11; Is
3 - 1 Co 14.31 - Profetas também 14.3,4; Hc 2.4)
devem aprender 3 - Uma charada (5149.4; 78.2;
4 - 1 Co 13.8 - Profecia, línguas e Pv 1.6)
ciência vão desaparecer 4 - Um dito simbólico (Mc
5 - Am 3.8,9 - Quando Deus 7.14,17; Lc 5.36,38)
manda profetizar 5 - Um símile extensa ou simili-
6 - Mt 7.15 - O cuidado com os tude (Mt 13.33; Mc 4.30,32; Lc
falsos profetas 15.8 - 10)
6 - Uma parábola histórica (Mt
Nº 863 – JESUS E AS 25.1 - 13; Lc 14.16,24; 15.11 -
PARÁBOLAS 32; 16.1 - 8)
(Mc 4.34). 7 - Um exemplo de parábola (Mt
1 - Mc 4.33 - Jesus ensinava de 18.23 - 25; Lc 10.29 - 37; 12.16
forma clara - 21; 16.19 - 31)
2 - Mt 4.34 - O Mestre ensinava 8 - Uma alegoria (Jz 9.7 - 20; Ez
por parábolas 16.1 - 5; 17.2 - 10; 20.49 - 21.5;
3 - Mt 13.10 - 12 - As parábolas e Mc 4.3 - 9,13 - 20; 12.1 - 11)

268
Pr. Josahat Baista
Nº 865 – SEMEANDO COM O não herdarão o Reino de Deus
SEMEADOR 6 - Gl 5.19 - 21 - Os que prati-
(Mt 13.23). cam as obras maléicas da
1 - Mc 4.3,14 - Os semeadores carne não herdarão o Reino
devem semear de Deus
2 - Mt 4.4 - 8,15 - 20 - Quatro ti-
Nº 869 – O REDENTOR VIVE
pos de terrenos
(I)
3 - Mc 4.4,15 - As aves do céu e
(Jó 19:25).
sua representação
4 - Mc 4.5,6,16,17 - Os pedregais 1 - Is 59.2: O Senhor virá como
e o seu signiicado redentor
5 - Mc 4.7,18,19 - Os espinhos e 2 - Jó 19.25: O Redentor está vivo
sua representação 3 - Jr 14.8: O Redentor na angús-
6 - Mc 4.8,20 - A boa terra e o tia
tipo de ouvinte 4 - Sl 49.8: Não há dinheiro que
pague a redenção
Nº 866 – A SINGELEZA DO 5 - Rm 3.24; Ct 1.14: Jesus é nos-
REINO DE DEUS so Redentor
(Lc 17.21). 6 - 1Tm 2.6: Jesus pagou o preço
1 - Jo 3.3 - 6 - Só pode ver o Rei-
Nº 870 – O REDENTOR VIVE
no de Deus quem experimen-
(II)
ta o novo nascimento
1 - Lc 1.34,35; Mt 1.18 - A con-
2 - Mc 4.26 - 29 - O Reino de
cepção do Redentor
Deus é semelhante a uma
2 - Lc 2.6 - O nascimento do Re-
plantação
dentor
3 - Lc 13.18,19 - O Reino de Deus
3 - Lc 2.7 - A “hospitalidade” ao
comparado a uma semente
Redentor
de mostarda
4 - Mt 2.1,23 - As cidades do Re-
4 - Lc 13.20,21 O Reino de Deus
dentor
comparado a um fermento
5 - Mt 2.16 - A recepção de Hero-
5 - 1Co 6.9 - 11 - A lista dos que
des ao Redentor

269
. Es oços – Mensagens diversii adas

6 - Lc 2.13,14 - A recepção do céu 1 - Jr 26.3 - Arrependimento é


ao Redentor uma opção
2 - Mt 3.1,2 - João Batista pregou
Nº 871 – A GRAÇA PELA o arrependimento
GRAÇA 3 - Mc 1.15 - Jesus pregou o arre-
(Tt 2.11). pendimento
1 - Hb 4.16 - O trono da graça 4 - At 2.38; 26.20 - Pedro e Paulo
2 - Rm 3.24 - Deus nos aceita pregaram o arrependimento
pela graça 5 - Ap 2.21 - Tempo para se ar-
3 - Gl 4.5 - Decaídos da graça repender
4 - At 15.11;Tt 2.11 - A graça al-
cança a todos Nº 874 – REDENÇÃO, UM
5 - Ef 2.5 - Salvos pela graça ATO SOBERANO DE DEUS
6 - Rm 5.2 - Pela fé alcançamos (Rm 8.23).
a graça 1 - Redenção é o ato ou efeito de
remir ou redimir (se livrar,
Nº 872 – A CRUZ... libertar, conseguir, resgatar).
(Gl 6:14). ... Redenção teve origem nos
1 - Fp 3.18: - Inimigos da cruz primeiros séculos que era o
2 - Gl 6.14: Alegrando - se na ato de soltar...
cruz 2 - Cl 1.14 - Aguardando a re-
3 - 1 Co 1.18: A loucura da cruz denção
4 - Ef 2.16: Paz pela cruz 3 - 1Tm 2.6 - Redenção para to-
5 - Lc 14.27: Cada um deve levar dos
sua cruz 4 - 1Co 1.30 - Jesus, nossa reden-
6 - 1 Co 1.17: A dignidade da ção
cruz 5 - Ef 4.30 - Eterna redenção
6 - Ef 4.30 - O Dia da Redenção
Nº 873 – A IMPORTÂNCIA
DO ARREPENDIMENTO Nº 875 – JESUS!
(At 17.30). 1 - Mt 1.18 - 23 - Jesus, o Ema-
nuel

270
Pr. Josahat Baista
2 - Jo 14.6 - Jesus é o caminho de 1 - Espírito de Deus - (Gn 1.2)
volta para Deus 2 - Espírito do Senhor - (Lc 4.18;
3 - Lc 9.18 - 20 - Jesus é o Messias At 5.9)
Prometido 3 - Espírito do Senhor Deus - (Is
4 - 1Tm 2.5 - Jesus é o único me- 61.1)
diador entre Deus e os Ho- 4 - Espírito de Cristo - (Rm 8.9)
mens 5 - Espírito de Jesus - (At 16.7)
5 - Mt 9.2 - 6 - Jesus Perdoa Pe- 6 - Espírito do nosso - Deus (1Co
cados 6.11)
6 - Jo 1.1 - Jesus é o verbo que se 7 - Espírito do Deus vivente - (2
fez carne Co 3.3)
8 - Espírito daquele que ressus-
Nº 876 – O ESPÍRITO SANTO citou a Jesus dentre os mortos
É DEUS - (Rm 8.11).
(Jo 14.16).
1 - At 5.3,4 - O Espírito Santo é Nº 878 – ATUAÇÃO DO
Deus ESPÍRITO SANTO
2 - Ef 4.30,31 - Cuidado para não (João 16.7 - 14).
entristecer o Espírito Santo 1 - Na criação do universo - (Gn
3 - Tg 4.5 - O Espírito Santo tem 1.2; Sl 104.30).
ciúme de nós 2 - Na formação do homem - (Jó
4 - Gn 1.2 - O Espírito Santo na 27.3; 33.4).
Criação 3 - Na vida dos profetas sacer-
5 - 1Co 6.19 - Seu corpo é templo dotes, reis e juízes - (2 Sm
do Espírito Santo 23.2; Mq 3.8; Mt 22.43,44).
6 - Rm 8.26,27 - O Espírito Santo 4 - No nascimento e vida de Je-
Intercede por nós sus Cristo - (Lc 1.35; 4.1).
5 - Na história da igreja primiti-
Nº 877 – NOMES va e na escolha e consagração
ATRIBUÍDOS AO ESPÍRITO de obreiros locais - (At 13.2).
SANTO 6 - Ele inspirou e supervisionou
(João 16.7 - 14). toda a construção das Sagra-

271
. Es oços – Mensagens diversii adas

das Letras - (2 Tm 3.16; 2 Pe 2 - Jo 1.29 - 33 - Jesus é quem Ba-


1.21). tiza no Espírito Santo
3 - At 2.1 - 4 - A Promessa do
Nº 879 – PERSONALIDADE Derramamento é cumprida
DO ESPÍRITO SANTO NA 4 - 1 Co 12.1 - 10 - A diversidade
BÍBLIA dos dons espirituais
(João 16.7 - 14). 5 - 1Co 12.11 - O Espírito Santo é
1 - Ele possui conhecimento - o doador dos dons
(Co 2.11). 6 - Gl 5.22 - O fruto do Espírito
2 - Vontade - (1Co 12.11). Santo
3 - Inteligência - (Rm 8.27).
4 - Ele ama (Gl 5.22), fala (Ap Nº 881 – O CORPO DE
2.7), guia (Jo 16.13) dá teste- CRISTO
munho de Jesus (Jo 15.26), (1Co 12.27).
ensina e instrui na verdade - 1 - Mt 16.18 - Igreja ediicada por
(1Co 2.13). Cristo
5 - É passível de tristeza - (Ef 2 - Rm 12.4,5 - Igreja, Corpo de
4.30) e intercede por nós - Cristo
(Rm 8.26). 3 - 1 Pe 2.9,10 - Igreja, povo de
6 - O bendito Espírito Santo é o Deus
outro consolador prometido 4 - Ef 2.21 - Igreja, Santuário do
por Jesus que seria nosso pro- Deus Vivo
fessor supremo - (Jo 14.16). 5 - Ap 21.9,10 - Igreja, a Noiva
do Cordeiro
Nº 880 – O ENSINAMENTO 6 - Ef 1.22: Cristo, Cabeça da
BÍBLICO DO BATISMO NO Igreja
ESPÍRITO SANTO
(Jl 2.28). Nº 882 – ATRIBUIÇÕES DO
1 - Jl 2.28 - 32 - A Promessa do ESPÍRITO SANTO
Derramamento do Espírito (At 1.4,5).
Santo 1 - Produz viviicação - ‘E estan-

272
Pr. Josahat Baista
do nós mortos em nossos de- que habita em vós’ (2 Timó-
litos, nos deu vida juntamen- teo 1.14).
te com Cristo (Efésios 2.5). 9 - Testiica com o nosso espí-
2 - Guia - Guie - me o teu bom rito: ‘O próprio Espírito tes-
Espírito por terreno plano’ tiica com o nosso espírito
(Salmo 14310). que somos ilhos de Deus’
3 - Sustenta - ‘Nem me retire o (Romanos 8.16). ‘E nisto co-
teu Santo Espírito... e susten- nhecemos que ele permanece
ta - me’ (Salmo 51.11,12). em nós, pelo Espírito que nos
4 - Prevalece - ‘Não por for- deu’ (1João 3.24).
ça nem por poder, mas pelo 10 - Dá poder: ‹Mas recebereis
meu Espírito, diz o Senhor poder, ao descer sobre vós o
dos Exércitos’ (Zacarias 4.6). Espirito Santo› (Atos 1.8)...»
5 - Dá liberdade - ‘Onde está o
Espirito do Senhor, aí há li- Nº 883 – A ATUAÇÃO DE
berdade’ (2 Coríntios 3.17). CRISTO NOS ASSEGURA
6 - Mortiica o pecado - ‘Porque, (1Co 12.14 - 20).
se viverdes segundo a carne, 1 - Que somos um Corpo bem
caminhais para a morte: mas, ajustado - (Ef 4.16)
se pelo Espírito mortiicardes 2 - Uma Noiva pura - (Ef 5.26)
os feitos do corpo, certamen- 3 - Um edifício indestrutível - (1
te vivereis’ (Romanos 8.13). Co 3.11 - 14)
7 - Ajuda a obedecer - ’Eleitos... 4 - Um Templo Santo - (Ef 2.22)
em santiicação do Espirito, 5 - A Igreja só é inabalável, por-
para a obediência e a aspersão que permanece unida a Cris-
do sangue de Jesus Cristo... to - (Jo 15:1 - 3)
tendo puriicado as vossas al-
mas, pela vossa obediência à Nº 884 – ORDENANÇAS
verdade’ (1Pedro 1.2,22). BÍBLICAS
8 - Ajuda a conservar a graça de (Mt 28.19).
Deus: ‘Guarda o bom depósi- 1 - Mt 28.19 - Batismo, uma or-
to, mediante o Espírito Santo

273
. Es oços – Mensagens diversii adas

dem de Jesus 4 - É uma bênção - Deus propor-


2 - At 2.38 - O batismo na prega- ciona, mediante o batismo, ri-
ção apostólica cas bênçãos que aperfeiçoam
3 - Lc 12.8 - Conissão pública da a salvação recebida (Rm 6.23)
aliança com Deus
4 - At 3.19; At 8.36,37 - Requisi- Nº 886 – SÓ A IGREJA
tos para o batismo: fé e arre- (I Tm 3:15).
pendimento 1 - 1 Tm 3.15 - É a Casa de Deus
5 - Lc 22.19; 1Co 11.24,25 - A ceia 2 - At 20.28 - É o rebanho de
é uma ordenança bíblica Deus
6 - 1Co 11.26 - Um anúncio da 3 - Ef 2.21,22 - É morada do Es-
vinda de Cristo pírito
4 - 1 Pe 2.5 - É Edifício espiritual
Nº 885 – O SIGNIFICADO 5 - Hb 12.23 - Igreja dos inscritos
DO BATISMO nos céus
(Mt 3.21). 6 - Cl 1.24 - É o Corpo de Cristo
1 - É um símbolo - O batismo é
um símbolo da nossa identi- Nº 887 – DEUS INSTITUIU
icação com a morte, sepulta- LÍDERES
mento e ressurreição de Jesus (Cl 4.17).
(Rm 6.3,4). 1 - Mc 10.41 - 45 - Cristo, o maior
2 - É uma conissão - O batismo é exemplo de liderança
também um ato de conissão 2 - Ef 4.11 - Ministérios dados
da nossa fé em Jesus, pois, por Cristo à igreja
por intermédio desta, morre- 3 - Rm 13.1,2 - Autoridades são
mos para o mundo, a im de constituídas por Deus
pertencermos a Jesus (Gl 3.27; 4 - 2Co 3.4 - 6 - Deus capacita
1Pe 3.18). seus escolhidos
3 - É uma ordem - Jesus orde- 5 - Hb 13.17 - Devemos obedecer
nou, e queremos obedecê - lo. os nossos líderes
Jesus é o nosso exemplo em 6 - Tt 1.5 - 11; 1Pe 5.3 - O líder e
tudo ( Pe 2.21; Jo 13.15)

274
Pr. Josahat Baista
sua vida pessoal Nº 890 – MISSÕES
TRANSCULTURAIS
Nº 888 – O LEGÍTIMO (At 13.2).
CHAMADO DIVINO
1 - Mt 28.18 - 20 - A missão de
(Jo 15.16; Ef 4.15,16).
evangelizar os povos
1 - Deus chamou Abraão para 2 - Rm 10.13 - 15 - A visão do
uma grande obra - (Gn 12.1). mundo perdido
2 - Deus chamou para uma gran- 3 - Mc 6.34 - Compaixão pelas
de missão - (Êx 3.10). almas
3 - O Senhor chamou sendo ele 4 - Rm 22 - O Clamor do mundo
bem jovem - (l Sm 3.1,3,4). 5 - 1Co 9.16 - Prontidão para
4 - Jeremias - Desde o ventre, o pregar
Senhor o chamou (Jr1.5). 6 - Mc 16.15,16 - Obediência ao
5 - Jonas - Foi chamado indepen- Ide
dente da sua vontade - (Jn 1.1
- 3). Nº 891 – PRIVILÉGIOS DA
NOSSA CHAMADA
Nº 889 – A MISSÃO DE (Rm 12.2).
PREGAR O EVANGELHO
1 - Ml 3.18 - Chamados para fa-
(Mc 16.15).
zer a diferença
1 - Mc 16.15 - Pregar o Evange- 2 - Mt 5.13 - Sal da terra
lho é uma ordem 3 - Mt 5.14 - Luz do mundo
2 - 2Tm 4.2 - Pregue em todo 4 - 1Pe 2.9 - Povo escolhido
tempo 5 - Mt 10.8 - Agentes de transfor-
3 - Mt 28.18 - 20 - Nossa missão mação social
4 - Mc 16.17,18 - Os sinais te 6 - 1Co 15.48; Fp 3.20 - Cidadãos
acompanharão do céu
5 - Hb 10.37, 1Pe 4.7 - Resta - nos
pouco tempo Nº 892 – NA CONTRA MÃO
6 - Lc 10.19 - Cristo nos dá auto- DO MUNDO
ridade (Jo 5:19).

275
. Es oços – Mensagens diversii adas

1 - Não devem pertencer ao Deus


mundo - (Jo 15.19)
2 - Não se conformar com o Nº 894 – A PALAVRA DE
mundo, não amar o mundo - DEUS É A SEMENTE
(Jo 2.15) (Lc 8.11).
3 - Vencer o mundo - (Jo5.4) 1 - Ela é como uma semente viva
4 - Odiar a iniquidade do mun- - (Hb 4.12)
do, morrer para o mundo - 2 - Ela tem o poder de salvar -
(Gl 16.14) (Tg 1.21)
5 - Ser libertos do mundo - (Cl 3 - Regenerar - (1Pe 1.23)
1.13; Gl 1,4) 4 - Llibertar - (Jo 8.32)
6 - No mundo, os crentes são fo- 5 - Produzir fé - (Rm 10.17)
rasteiros e peregrinos - (Hb 6 - Ssantiicar - (Jo 17.17)
11.13; 1 Pe 2,11) 7 - Nos leva a Deus - (Jo 6.44)

Nº 893 – A VERDADEIRA Nº 895 – JESUS, ANTES DE


IGREJA TUDO
(Mt 16.18). (Jo 17.5).
1 - Jo 3.3 - 8 - A verdadeira igreja 1 - Jesus estava no princípio, e
é composta por quem já nas- Ele é o próprio princípio - Ele
ceu de novo estava no princípio com Deus
2 - 1 Jo 2.4 - 6 - A verdadeira ( Jo 1.2).
igreja relete as mesmas atitu- 2 - Eu sou o Alfa e o Ômega, o
des de Cristo princípio e o im, o primeiro e
3 - Jo 17.21 - A verdadeira igreja o derradeiro - (Ap 22.13).
vive em unidade 3 - Jesus já era Deus antes da
4 - Jo 13.35;1Jo 4.20 - A verdadei- criação de todas as coisas -
ra igreja vive em amor (Cl 1.17), (Jo 17.5).
5 - 1 Pe 1.15,15 - A verdadeira 4 - Jesus estava na criação do
igreja vive em santidade mundo - (Gn 1.26ª).
6 - 1 Co 10.31 - A verdadeira 5 - Jesus estava com Sadraque,
igreja vive para a glória de

276
Pr. Josahat Baista
Mesaque e Abednego - (Dn pecadores (Mt 27.38)
3.25). 5 - (Sl 22.16) - Traspassaram suas
6 - Jesus já conhecia Abraão - (Jo mãos e pés (Jo 20.27)
8.56). 6 - (Sl 34.20) - Nenhum osso
7 - Jesus é o primogênito de toda de Jesus seria quebrado (Jo
criação - (Cl 1.15). 19.33)
7 - (Sl 16.10) - Ressurreição de
Nº 896 – JESUS NO ANTIGO Cristo (Mt 28.6)
E NOVO TESTAMENTO (I)
1 - (Gn 3.15) - Jesus, descendente Nº 898 – JESUS
da mulher (Gl 4.4) SEMELHANTE AOS
2 - (Gn 49.10) - Descendente da HOMENS
Tribo de Judá (Mt 1.2) (Fl 2:7).
3 - (Mq 5.2) - Local de nascimen- 1 - Jesus teve fome - (Mt 4.2)
to de Cristo (Lc 2.4) 2 - Jesus chorou - (Jo 11.35)
4 - (Os 11.1) - A saída de Jesus 3 - Jesus se cansou - (Jo 4.6)
para o Egito (Mt 2.14) 4 - Jesus teve sede - (Jo 4.7)
5 - (Sl 110.4) - Cristo, Sacerdote 5 - Jesus se irou - (Mt 21.12)
segundo a ordem de Melqui- 6 - Jesus se angustiou - (Lc 22.44)
sedeque (Hb 5.5 - 6) 7 - Jesus sentiu - se desampara-
6 - (Is 53.3) - Jesus rejeitado pe- do - (Mt 27.46)
los judeus (Jo 1.11)
Nº 899 – ATRIBUTOS DO PAI
Nº 897 – JESUS NO ANTIGO E DO FILHO (I)
E NOVO TESTAMENTO (II) 1 - PAI (Êx 6.3) Todo - Poderoso
1 - (Zc 9.9) - A entrada triunfal - FILHO (Mt 28.18)
do Senhor Jesus (Jo 12.12 - 15) 2 - PAI (Sl 24.8) Rei da Glória -
2 - (Sl 41.9) - Traído por seu ami- FILHO (Jo 1.14)
go (Mc 14.10) 3 - PAI (Is 43.13) Preexistente FI-
3 - (Is 50.6) - Ferido e cuspido LHO (Jo 8.58)
(Mc 14.65) 4 - PAI (Rm 15.33) Deus de paz -
4 - (Is 53.12) - Cruciicado com FILHO (Is 9.6)

277
. Es oços – Mensagens diversii adas

5 - PAI (Gn 48.3) Deus de luz - 3 - Jó 1.20 - Adoração como re-


FILHO (Jo 9.5) conhecimento da soberania
6 - PAI (2Cr 7.14) Deus perdoa- de Deus
dor - FILHO (Mt 9.6) 4 - Mt 21.16 - O perfeito louvor
7 - PAI (Êx 20.6) Deus Misericor- 5 - Mt 4.10 - O Senhor Deus é
dioso - FILHO (Jd 1.21) o único que merece louvor e
adoração
Nº 900 – ATRIBUTOS DO PAI 6 - 2 Cr 7.3 - Adoração e louvor,
E DO FILHO (II) o fundamento de nosso rela-
1 - PAI (Sl 10.16) Eterno - FILHO cionamento com Deus
(Hb 13.8)
2 - PAI (Sl 41.13) Bendito - FI- Nº 902 – A RELEVÂNCIA DA
LHO (Mc 11.9) OBEDIÊNCIA
3 - PAI (Is 6.3) Santo - FILHO (Dt 10.12).
(At 4.27) 1 - 1 Sm 15.22 - A obediência vo-
4 - PAI (Sl 23.1) Pastor - FILHO luntária é muito melhor que o
(Jo 10.11) sacrifício ritualístico
5 - PAI (Sl 24.8 Rei - FILHO (Jo 2 - Fp 2.8 - Jesus, paradigma de
1.49) obediência
6 - PAI (Sl 68.20) Salvador - FI- 3 - Jr 42.6 - A obediência precisa
LHO (Jo 4.42) ser incondicional
7 - PAI (1Jo 4.8) Amoroso - FI- 4 - 2 Co 2.9 - O desaio da obe-
LHO (Jo 15.9) diência sincera
5 - Lc 18.22 - Não era sobre di-
Nº 901 – LOUVOR E
nheiro, mas sobre adoração
ADORAÇÃO
como obediência
(Sl 95.6).
6 - Cl 3.20 - Quando a obediên-
1 - Dt 6.4 - O primeiro grande cia aos pais é adoração ao Pai
mandamento Celeste
2 - Sl 22.3 - O louvor como ins-
tante da manifestação da pre- Nº 903 – O PERIGO DO
sença divina LEGALISMO

278
Pr. Josahat Baista
(Is 29.13). Nº 905 – LOUVAI AO
1 - Tg 4.11 - A natureza soberba SENHOR
dos legalistas (Sl 145:2).
2 - Jr 7.4 - O legalismo faz o lugar 1 - Sl 30.12 - O desejo do salmista
sagrado virar um amuleto 2 - Fp 4.20 - O único digno de
3 - Am 5.21 - Festas solenes sem todo louvor
pureza de coração são rituais 3 - Sl 111.10 - O louvor a Deus
vazios é o que permanece para sem-
4 - Mt 23.4 - Os legalistas do pe- pre
ríodo de Jesus 4 - Jd 25 - Um cântico da Igreja
5 - Is 58.5 - Fórmulas religiosas Primitiva
que para nada servem 5 - Ap 7.12 - O cântico dos anjos
6 - Cl 2.21 - As regras dos lega- 6 - Sl 79.13 - O povo de Deus o
listas no tempo de Paulo louvará para sempre

Nº 904 – OS DILEMAS E Nº 906 – ADMINISTRANDO


DESAFIOS DE MIQUEIAS BEM AS FINANÇAS
(Mq 6.8). (Is 55.2a).
1 - Mq 3.11 - Peril da espirituali- 1 - Ag 2.8 - O Senhor é fonte de
dade no período de Miqueias toda a riqueza, tudo pertence
2 - Mq 6.15 - Quando a prática a Ele
religiosa não se torna adora- 2 - 1 Tm 6.8 - 10 - O amor do di-
ção nheiro é a raiz de toda a espé-
3 - Mq 4.2 - A vocação universal cie de males
para o louvor e adoração 3 - 1 Ts 2.9 - O trabalho é o meio
4 - Mq 7.2 - A situação decaden- digno para a nossa subsistên-
te da humanidade cia
5 - Mq 6.7 - Adorar é muito mais 4 - 1 Co 10.32,33 - A nossa vida
que cerimonialismo inanceira não deve servir de
6 - Mq 7.18 - O incomparável escândalo à sociedade
Deus 5 - Ml 3.7 - 10 - A bênção inan-

279
. Es oços – Mensagens diversii adas

ceira tem a ver com a nossa 18.18);


idelidade a Deus 7 - Os 4 homens em Jerusalém
6 - Pv 21.5 - O planejamento do - Estes senhores izeram um
orçamento familiar produz voto a Deus (At 21.23).
tranquilidade inanceira
Nº 908 – TRÊS FINALIDADES
Nº 907 – PERSONAGENS BÁSICAS DO DÍZIMO
QUE FIZERAM VOTO AO 1 - Para a manutenção da obra
SENHOR do Senhor (Ml 3.10,11; 2 Cr
1 - Jacó - Prometeu entregar o 31.5,10)
dízimo em gratidão a Deus 2 - Para a manutenção dos obrei-
por cada benção recebida em ros do Senhor (Nm 18.24,26;
sua jornada (Gn 28.20; 31.13) Ne 10.37; Dt 26.12,13)
2 - Os Israelitas - Prometeu des- 3 - Para a manutenção do tem-
truir todas as cidades de Ca- plo do Senhor (Ne 13.11,12;
naã se o Senhor os entregasse Ag 1.4,6,9)
em suas mãos (Nm 21.2);
3 - Jefté - Prometeu dar a Deus Nº 909 – TRÊS PRINCÍPIOS
aquilo que saísse da sua porta BÁSICOS DO DÍZIMO
se o Senhor desse os Amoni- 1 - Princípio da obediência (1
tas em suas mãos (Jz 11.31,39); Sm 15.52; Hb 5.8; At 5.29)
4 - Ana - Prometeu entregar o 2 - Princípio do reconhecimento
ilho que lhe nascesse ao Se- (Sl 116.12; 1 Ts 5.12; 2 Co 1.14;
nhor, porquanto era estéril (1 Pv 3.9,10)
Sm 1.11); 3 - Princípio da Gratidão (Gn
5 - Jonas - Prometeu oferecer 14.20; 28.22; 1 Ts 5.18)
sacrifício ao Senhor no seu
Templo se fosse salvo de den- Nº 910 – O PREÇO DO
tro do grande peixe (Jn 2.9); RESGATE NO VOTO
6 - Paulo - A Bíblia menciona DISPENSADO
que este rapou a cabeça por (Lv 27.21 - 26).
causa de voto ao Senhor (At 1 - Um homem entre 20 e 60 anos

280
Pr. Josahat Baista
de idade: 50 siclos de prata. maravilhas do Senhor.
2 - Uma mulher entre 20 e 60 5 - “E muitos sinais e prodígios
anos de idade: 30 siclos de eram feitos entre o povo pe-
prata. las mãos dos apóstolos - (At
3 - Um homem entre 5 e 20 anos 5.12).
de idade: 20 siclos de prata.
4 - Uma mulher entre 5 e 20 anos Nº 912 – A CURA DIVINA
de idade: 10 siclos de prata. NO ANTIGO TESTAMENTO
5 - Um homem entre 1 mês e 5 (I)
anos de vida: 5 siclos de pra- 1 - Gn 20.17 - Deus curou Abi-
ta. meleque em resposta à ora-
6 - Uma mulher entre 1 mês e 5 ção de Abraão.
anos de vida: 3 siclos de pra- 2 - Êx 15.26 - Deus não só air-
ta. ma que Ele é “o Senhor que
7 - Um homem com mais de 60 te sara”, mas que, se o povo
anos de idade: 15 siclos de de Israel obedecesse à Sua lei,
prata. não poria sobre eles nenhuma
8 - Uma mulher com mais de 60 das enfermidades que pusera
anos de idade: 10 siclos de sobre os egípcios.
prata. 3 - Nm 12.10 - 15 - Quando Moi-
sés suplicou ao Senhor, Ele
Nº 911 – OS MILAGRES curou Miriã, da lepra.
CONFIRMAM O 4 - Nm 21.5 - 9 - Nisto vemos,
MINISTÉRIO DA IGREJA não só um exemplo de cura,
(At 2.22). as também um símbolo de
1 - Sl 77.14 - Deus opera mila- salvação (João 3.14 - 15). Com
gres. um só olhar para o nosso
2 - Mt 19.26 - O impossível aos Substituto, vem a cura para o
homens não o é para Deus corpo e para a alma.
3 - At 6.8 - Sinais e prodígios por 5 - Dt 7.15 - Israel tinha falhado e
Estêvão. entrar na terra da promissão.
4 - Sl 77.11 - Lembremo - nos das Agora Deus dá a mesma pro-

281
. Es oços – Mensagens diversii adas

messa de Ex 15.26 para esta cruz, chama - o de mentiroso,


nova geração. porque aqui diz: “verdadei-
6 - 1 Reis 17.17 - 24 - Quando ramente”.
Elias clamou a Deus, o ilho
da viúva foi ressuscitado da Nº 914 – A CURA DIVINA
morte. NO NOVO TESTAMENTO (I)
1 - Mt 4.23 - 24 - Andava Jesus...
Nº 913 – A CURA DIVINA ensinando... Pregando... e
NO ANTIGO TESTAMENTO curando todas as doenças e
(II) enfermidades.. todos os en-
1 - 2 Rs 5.1 - 17 - A cura de Naa- fermos... endemoninhados,
mã epiléticos e paralíticos e Ele
2 - 2 Rs 20.5 - 6 - Pela oração foi os curou”.
prolongada a vida de Eze- 2 - Mt 8.16 - 17 - Estes versícu-
quias los combinados com Isaías
3 - Sl 30.2 - 3 - O cântico de Davi 53.4 - 5, mostram que não fo-
por sua cura. ram só as doenças espirituais
4 - Sl 103.2 - 5 - Coniamos em que Cristo tomou sobre Si, na
Deus acerca da primeira par- cruz.
te do versículo três; por que 3 - Mc 8.22 - 25 - Às vezes não
não o fazemos também acer- compreendemos porque a
ca da última parte? cura não é completa. Aqui,
5 - Sl 107.17 - 20 - Revela - se a Cristo lhe pós as mãos a se-
causa de doença, no versículo gunda vez.
17; ensina - se o que o doente 4 - Mc 16.17 - 18 - A vida e a
deve fazer no v. 19; mostra - crença de muitos, são como
se como o Senhor opera no v. se Cristo tivesse dito: “estes
20, “envia a Sua Palavra, e os sinais há de acompanhar os
sara”. discípulos durante o primei-
6 - Is 53.4 - 5 - O que não conia ro século”.
que o Senhor já levou as nos- 5 - Lc 22.50 - 51 - Cristo tocou e
sas dores e doenças sobre a sarou a orelha do “servo do

282
Pr. Josahat Baista
sumo sacerdote”. iança em Deus.
6 - Jo 9 - O cego recebeu a visão. 2 - Tg 5.14 - 16 - Muitas vezes o
doente não é curado porque
Nº 915 – A CURA DIVINA não tem confessado o seu pe-
NO NOVO TESTAMENTO cado.
(II) 3 - Tg 1.3 - Deus quer ver em nós
1 - At 3.1 - 16 - A cura é confor- uma fé perfeita.
me a nossa fé.
2 - At 5.14 - 16 - É possível andar Nº 917 – JESUS DESEJA A
tão cheio do Espírito Santo NOSSA CURA
que os perdidos, só em olhar (Jo 5.6).
para nós, icam convictos do 1 - Mt 9.1 - 8 - Jesus cura um pa-
pecado, e têm de cair aos pés ralítico em sua cidade
do Salvador. 2 - Mc 3.1 - 6 - Jesus cura o ho-
3 - At 9.32 - 35 - Aqui se revela mem da mão ressequida
porque Deus quer curar por 3 - Mc 3.10,11 - Jesus curou mui-
nosso intermédio. to mais do que está relatado
4 - At 16.16 - 18 - Note - se o po- 4 - Mc 7.31 - 37 - Jesus curou um
der que tem o “nome de Jesus surdo que: falava com dii-
Cristo”. culdade
5 - At 28.3 - 6 - O resultado da 5 - Mt 8.14,15 - Jesus curou a so-
crença na primeira parte de gra de Pedro
Marcos 16.18. 6 - Mt 8.16,17 - Jesus desempe-
6 - Tg 5.14 - 16 - A oração da fé nhou um ministério em cum-
salvará o doente, e o Senhor o primento da Palavra
restabelecerá.
Nº 918 – A CURA DIVINA
Nº 916 – QUANDO NÃO (Is 53.5).
SOMOS CURADOS
1 - Tg 1.6 - Quando não somos 1 - Mt 8.2 - Jesus quer e pode
curados, quase sempre é por curar
causa da nossa falta de con- 2 - Mt 9.8 - A cura gloriica a

283
. Es oços – Mensagens diversii adas

Deus 2 - Jo 4.40 - 42 - Os samaritanos


3 - Lc 17.16 - Cura e gratidão ouvem e creem na Palavra
4 - Lc 13.11 - Espíritos de enfer- 3 - Jo 5.24 - A recompensa de
midade quem ouve e crê na Palavra
5 - Tg 5.15 - Cura e perdão dos 4 - Rm 10.17 - A fé provém do
pecados ouvir a Palavra
6 - 2 Cr 32.25 - Correspondendo 5 - 1Ts 1.6 - Devemos receber a
à cura recebida Palavra com alegria
6 - Tg 1.19 - O crente deve sem-
Nº 919 – OS MISTERIOS DO pre estar pronto para ouvir
REINO DE DEUS ATRAVÉS
DAS PARABOLAS Nº 921 – A PARÁBOLA
(Mt 13.34,35). COMO UM RECURSO
1 - Ez 17.2 - A parábola é uma LINGUÍSTICO DE JESUS
comparação (Mc 4.34).
2 - Mc 4.2 - A parábola é um re- 1 - Mc 4.33 - Jesus ensinava de
curso educacional forma clara
3 - Mt 13.36,37 - A parábola pode 2 - Mt 4.34 - O Mestre ensinava
ser interpretada por parábolas
4 - Mt 24.32 - A parábola pode 3 - Mt 13.10 - 12 - As parábolas e
ser aprendida o Reino de Deus
5 - Mc 4.13 - É importante apren- 4 - Mt 13.13 - 15 - Fácil para uns,
der todas as parábolas difícil para outros
6 - Mc 4.30 - A parábola é fonte 5 - Mt 15.15.16 - Os discípulos
de inesgotáveis recursos não entendem
6 - Mc 4.1,2 - Jesus ensina uma
Nº 920 – OUVINDO A multidão
PALAVRA
(Mt 13.11). Nº 922 – UMA PARÁBOLA
1 - Mt 7.24 - 27 - Dois tipos de REFERE - SE:
ouvintes, sensato e insensato 1 - A um provérbio - (1 Sm 24.13;
Ez 18.2,3; Lc 4.23; 6.39)

284
Pr. Josahat Baista
2 - Uma sátira - (Sl 44.11; 69.11; 6 - Mc 4.8,20 - A boa terra e o
Is 14.3,4; Hc 2.4) tipo de ouvinte
3 - Uma charada - (5149.4; 78.2;
Pv 1.6) Nº 924 – O FIRME
4 - Um dito simbólico - (Mc FUNDAMENTO DA FÉ
7.14,17; Lc 5.36,38) (Hb 11:1 - 6).
5 - Um símile extensa ou simili- 1 - Hb 11.1 - O irme fundamen-
tude - (Mt 13.33; Mc 4.30,32; to e a prova das coisas que se
Lc 15.8 - 10) não veem
6 - Uma parábola histórica - (Mt 2 - Ef 2.8,9 - A salvação é pela
25.1 - 13; Lc 14.16,24; 15.11 - graça, mediante a fé, para
32; 16.1 - 8) que ninguém se glorie
7 - Um exemplo de parábola - 3 - Mt 17.20 - A fé não precisa ser
(Mt 18.23 - 25; Lc 10.29 - 37; grande, mas tem de ser ínte-
12.16 - 21; 16.19 - 31) gra e verdadeira
8 - Uma alegoria - (Jz 9.7 - 20; Ez 4 - Hb 11.6 - É preciso acredi-
16.1 - 5; 17.2 - 10; 20.49 - 21.5; tar, pois sem fé é impossível
Mc 4.3 - 9,13 - 20; 12.1 - 11). agradar a Deus
5 - Mt 9.2 - Uma fé que, de tão
Nº 923 – O TERRENO DO evidente, pode até ser vista
SEMEADOR 6 - 1Pe 1.9 - O alvo supremo da
(Mt 13.23). fé não consiste em receber
1 - Mc 4.3,14 - Os semeadores “bênçãos”
devem semear
2 - Mt 4.4 - 8,15 - 20 - Quatro ti- Nº 925 – O DEVER DO
pos de terrenos PASTOR
3 - Mc 4.4,15 - As aves do céu e (Jo 10.4).
sua representação 1 - At 20.28 - Os pastores devem
4 - Mc 4.5,6,16,17 - Os pedregais cuidar de si mesmos e igual-
e o seu signiicado mente do rebanho
5 - Mc 4.7,18,19 - Os espinhos e 2 - Pv 27.23 - É dever dos pasto-
sua representação

285
. Es oços – Mensagens diversii adas

res conhecer o estado de suas cordioso e nos perdoará


ovelhas 6 - Is 55.7 - O maior prazer de
3 - Jr 23.1 - 4 - Uma advertência Deus é que o pecador se arre-
seríssima aos que exercem o penda e converta - se
pastorado
4 - Jo 10.11,12 - A principal dife- Nº 927 – O ORGULHO
rença entre o bom pastor e o ATRAPALHA
mercenário (Lc 18.9).
5 - 1Pe 5.2 - 4 - Zelar e defender 1 - Tg 4.10 - O caminho para
o rebanho de Deus é dever do cima é a auto humilhação
pastor 2 - Tg 4.6 - Deus não reconhece
6 - Mt 2.6 - O Líder Supremo igurões
que, como pastor, conduzirá 3 - Ap 3.17 - O orgulho é repro-
o povo de Israel vado por Deus
4 - 2Co 13.5 - O autoexame é
Nº 926 – A LIÇÃO DO uma pratica louvável
PERDÃO 5 - Is 57.15 - Deus habita no cora-
(Mt 18.35). ção dos humildes
1 - Mt 18.21,22 - A quantidade 6 - Lc 14.11 Aquele que se exalta
de vezes que se deve perdoar será humilhado
uma pessoa
2 - Mc 11.25 - Ao orar, lembran- Nº 928 – A VERDADE SOBRE
do que temos algo contra al- O DESTINO ETERNO
guém, devemos perdoar (Lucas 16.26 - 31).
3 - Mc 11.26 - Devemos perdoar, 1 - Hb 9.27 - Não há reencarna-
pois se não o izermos, tam- ções e mortes sucessivas
bém não o seremos 2 - Ap 14.13 - A morte do cristão
4 - Cl 3.13 - Devemos suportar é uma bem - aventurança
uns aos outros e perdoarmo - 3 - Rm 14.12 - O juízo será pes-
nos mutuamente soal e individualizado
5 - 1Jo 1.9 - Se confessarmos os 4 - Sl 90.10 - Nossa vida aqui é
nossos pecados, Ele é miseri-

286
Pr. Josahat Baista
breve PARA TODOS
5 - A eternidade é decidida ago- (Lc 15.31).
ra - (Lc 16.24) 1 - At 10.34 - Deus não faz acep-
6 - O rico necessitava de Lázaro ção de pessoas
- (Lc 16.21) 2 - Rm 3.9 - Judeus e gentios es-
7 - Vivos e mortos não se falam tão perdidos
- (Lc 16.240 3 - 1Co 3.21 - 23 - Em Cristo tudo
8 - A morte vem para todos - (Lc é nosso
16.22) 4 - Gl 5.1 - Cristo nos libertou
9 - Moisés e os profetas - (Lc para a liberdade
16.29) 5 - Lc 15.9,10 - A restauração do
10 - O Inferno é real - (Lc 16.230 perdido deve trazer alegria
6 - Rm 12.15 - O crente se alegra
Nº 929 – A REALIDADE
com as alegrias do outro
SOBRE O INFERNO
(Lucas 16.26 - 31). Nº 931 – O IRMÃO DO
1 - O Inferno é um lugar de tor- FILHO PRÓDIGO
mento (v. 23). 1 - O Pai - (Lc 15.20)
2 - O Inferno é um lugar onde 2 - O ilho mais velho - (Lc 15.25)
não há consolo (v. 24,25). 3 - Um coração amargurado -
3 - O Inferno é um lugar de onde (Lc 15.29)
não se pode sair [v. 26). 4 - Não se alegra com o irmão -
4 - O Inferno é um lugar onde o 9Lc 15.30)
pedido de socorro não é aten- 5 - Não conhecia o que possuía -
dido (v. 2 7). (Lc 15.31)
5 - O Inferno é um lugar de lem-
branças amargas (v. 27,28). Nº 932 – O SENTIDO DA
6 - O Inferno é um lugar de onde VIDA PERTO DO PAI
não se pode mais ajudar a fa- (Lucas 15.13 - 19).
mília (v. 28 - 30). 1 - Mt 18.35 - Nós temos um Pai
celestial
Nº 930 – A LIBERDADE É

287
. Es oços – Mensagens diversii adas

2 - Ef 1.3 - Deus é o Pai das mi- 4 - Sl 92.14 - Não há limite de


sericórdias idade para frutiicar
3 - Mc 11.25 - O Pai perdoa 5 - Mt 3.10 - O tempo está se es-
4 - Hb 12.7 - O Pai disciplina e gotando
corrige 6 - SI 80.8 - 9 - Fomos plantados
5 - Mt 6.6 - O Pai ouve orações por Deus
6 - Lc 15.20 - O Pai nos espera
em casa Nº 935 – A ÁRVORE SEM
FRUTOS
Nº 933 – ACOLHIDO PELO O (Lucas 13.6 - 9).
PAI 1 - A localização da igueira - (Lc
1 - Longe de Deus é difícil - (Lc 3.6)
15.13) 2 - Pano de fundo - (Lc 13.2,5)
2 - A desobediência aliena - (Lc 3 - Privilégio e responsabilidade
15.17) - (Lc 13.7)
3 - Não dá pra ser feliz sozinho 4 - Tempo de frutos - (Lc 13.8)
- (Lc 15.16) 5 - Última chance - (Lc 13.9)
4 - A fatura sempre chega - (Lc 6 - Juízo e Misericórdia - (Lc
15.14) 13.2)
5 - É possível voltar - (Lc 15.18) 7 - Não basta a aparência - (Lc
6 - O Pai acolhe os que voltam - 13.7)
(Lc 15.22 - 24) 8 - Convite ao arrependimento -
(Lc 13.3)
Nº 934 – NOMEADOS PARA
FRUTIFICAR Nº 936 – BENS E POSSES -
(Lc 13.7). NÃO SÃO FUNDAMENTOS
1 - Jo 15.8 - O discípulo é aquele PARA A VIDA
que dá frutos (Lc 12.15).
2 - Jo 15.5 - Quem permanece 1 - 1Tm 6.7 - Não há caminhão
Nele frutiica de mudança em velório
3 - Os 10.1 - Dá frutos apenas 2 - Ec 5.12 - A avareza rouba o
para si é uma anomalia

288
Pr. Josahat Baista
sono e a paz 2 - Mt22. 37 - 40 - O alicerce do
3 - Pv 15.16 - Buscar segurança ministério de Jesus
nos bens é insensatez 3 - Jo 13.34 - Um novo manda-
4 - Lc 16.13 - Amar o dinheiro mento
implica aborrecer a Deus 4 - Lv 19.18 - O mandamento de
5 - Ef 5.5 - A avareza é idolatria amar é antigo
6 - Ec 5.10 - Quem ama o dinhei- 5 - 1jo 3.16 - O amor não impõe
ro nunca se feita dele limites
6 - 1jo 3.14 - O amor autentica a
Nº 937 – O LOUCO conversão
INSENSATO
(Lucas 12.15 - 21). Nº 939 – O BOM
1 - O contexto - Lc 12.13.14 SAMARITANO
2 - O tema do dinheiro - Lc 72.16 (Lucas 10.30 - 36).
3 - Resultados da avareza - Lc 1 - O contexto - (Lc 10.25 - 20)
12.15 2 - Os samaritanos - (Lc 10.32)
4 - Loucura do egocentrismo - 3 - O conceito de “próximo” -
Lc 12:16 - 18 (Lc 10.29)
5 - Loucura de coniar nos bens 4 - As três ilosoias de vida - (Lc
- Lc 12.19 10.31 - 33)
6 - Loucura da vida longa - Lc 5 - A religiosidade que aliena -
12.20 (Lc 10.31)
7 - Não havia gratidão - Lc 12.18 6 - Ortodoxia sem misericórdia
8 - Não havia serviço - Lc 12.21 nada vale - (Lc 10.32)
9 - Esqueceu do tempo e da mor- 7 - Omissão é pecado - (Lc 10.36)
te - Lc 12.20 8 - O herói foi o samaritano - (Lc
10.34)
Nº 938 – A LIÇÃO DO AMOR 9 - “Vai e faze o mesmo” - (Lc
(Lucas 10.30 - 36). 10.37)
1 - 1jo 4.19 - Jesus nos amou pri-
meiro Nº 940 – A FIDELIDADE
COMO SEGREDO DA

289
. Es oços – Mensagens diversii adas

BÊNÇÃO Nº 942 – AGINDO


(Mateus 25.14 - 19). MOTIVADO PELO O AMOR
1 - Dn 6.4 - Fiel em cargo eleva- (Rm 14.13).
do 1 - Rm 14.1 - Acolhei o fraco na
2 - 1Co 4.1,2 - Despenseiros iéis fé
3 - Mt 24.46 - O servo iel é bem 2 - Rm 14.5 - Unidade em amor
- aventurado 3 - Rm 14.7 - Vivemos para o Se-
4 - Lc 12.37 - O servo iel será nhor
honrado 4 - Rm 14.8 - Pertencemos todos
5 - Lc 16.10 - Fiel no mínimo e ao Senhor
no muito 5 - Rm 14.17 - O Reino de Deus
6 - 1Tm 1.12 - Fiel no ministério é alegria
6 - Rm 14.22 - Feliz aquele que
Nº 941 – A DISTRIBUIÇÃO tem fé autêntica
DOS TALENTOS
(Mateus 25.14 - 19). Nº 943 – O CULTO
1 - Os talentos - Mt25.14 INTELIGENTE (I)
2 - A distribuição - Mt 25.15 (Rm 12.2).
3 - O trabalho - Mt 25.16 1 - Rm 12.1,2 - Culto com inteli-
4 - Segundo a capacidade - Mt gência
25.15 2 - Rm 12.3 - Opinião modesta
5 - Nem soberba nem inveja - Mt sobre si mesmo
25.21 3 - Rm 12.4,5 - Diversidade no
6 - A responsabilidade - Mt 25.22 corpo de Cristo
7 - A prestação de contas - Mt 4 - Rm 12.9 - Sinceridade no
25.19 amor cristão
8 - A idelidade é o que conta - 5 - Rm 12.21 - O mal é vencido
Mt 25.23 com o bem
9 - Haverá recompensas - Mt 6 - Rm 13.1 - Devemos nos sujei-
25.29 tar às autoridades

290
Pr. Josahat Baista
Nº 944 – O CULTO 9.23 - 29
INTELIGENTE (II)
(Rm 12.1 - 11). Nº 946 – A LUTA DO
CRENTE CONTRA A CARNE
1 - O sacrifício vivo - Rm 12.1
(Rm 7.18).
2 - Inconformados como mundo
- Rm 12.2 1 - Rm 7.4 - Mortos para a lei
3 - Fé sob medida - Rm 12.3 2 - Rm 7.6 - Servir a Deus em no-
4 - Um só corpo em Cristo - Rm vidade de vida
12.4,5 3 - Rm 7.7 - A lei revela o pecado
5 - A lei do amor expressa - Rm 4 - Rm 7.14 - O espírito contra a
12.6 - 8 carne
6 - Outras máximas da ética - 5 - Rm 7.19 - Perda de controle
Rm 12.9 - 12 6 - Rm 7.25 - A mente contra o
pecado
Nº 945 – ISRAEL E O
EVANGELHO Nº 947 – A VALIDADE DA
(Romanos 9.6 - 10). LEI E O PECADO
(Romanos 7.14 - 20).
1 - A pedra de tropeço - Rm 9.30
- 33 1 - Exemplo do casamento - Rm
2 - Oração de Paulo por Israel - 7.1 - 3
Rm 10.l 2 - Mortos para a lei - Rm 7.4 - 6
3 - Judeus rejeitam a graça - Rm 3 - A lei mostra o pecado im -
10.2 Rm 7.7
4 - A tristeza pelos judeus - Rm 4 - Sem lei, sem pecado im - Rm
9.1,2 7.8,9
5 - Deus é iel - Rm 9.3 - 7 5 - A experiência de Paulo im -
6 - Deus age com justiça - Rm 9.8 Rm 7.10,11
- 16 6 - O resultado da lei im - Rm
7 - A paciência de Deus - Rm 7.12,13
9.22 7 - O espiritual e o carnal - Rm
8 - Misericórdia por Israel - Rm 7.14

291
. Es oços – Mensagens diversii adas

8 - Não faço o bem que quero - 4 - Rm 6.6 - Livres da escravidão


Rm 7.15 5 - Rm 6.10 - Viver para Deus
9 - Desventurado sou! im - Rm 6 - Rm 6.18 - Servos da justiça
7.24,25
Nº 950 – EM QUE CONSISTE
Nº 948 – 0 VIVER PELO A NOVA VIDA EM CRISTO
ESPÍRITO (Romanos 6.19 - 23).
(Rm 8.1 - 15). 1 - União com Cristo - Rm 6.5 - n
1 - Rm 8.6 - O pendor do Espí- 2 - Esforço moral - Rm6.l2
rito 3 - Livres do julgo da lei - Rm
2 - Crentes carnais não agradam 6.14
a Deus - Rm 8.1 - 15 4 - Sob o regime da graça - Rm
3 - Rm 8.11 - Viviicação espiri- 6.15
tual prometida 5 - Livres em Cristo - Rm 6.16 -
4 - Rm 8.14 - A marca dos ilhos 18
de Deus 6 - Oferta de justiça - Rm6.i9
5 - Rm 8.16 - Testiicada iliação 7 - Libertos, mas servos - Rm
espiritual 6.20 - 2
6 - Rm 8.28 - Tudo coopera para
o nosso bem Nº 951 – A NECESSIDADE
UNIVERSAL DA SALVAÇÃO
Nº 949 – NASCEMOS PARA (Rm 3.20).
CRISTO, SOMOS NOVA 1 - Rm 3.9 - Judeus e gentios es-
CRIATURA tão na mesma condição dian-
(Romanos 6.19 - 23). te Deus
1 - Rm 6.2 - Morremos para o pe- 2 - Rm 3.10 - Sem a graça de
cado Deus, não há nenhum justo
2 - Rm 6.3 - Batizados na morte 3 - Rm 3.11 - 17 - O pecador que
de Cristo não ouve o Espírito Santo
3 - Rm 6.4 - Nova vida na ressur- 4 - Rm 3.19 - A Lei não justiica
reição de Cristo 5 - Rm 3.24 - 25 - A lei serve ape-

292
Pr. Josahat Baista
nas para apontar a solução ção de pessoas
6 - Rm 3.20 - O ser humano não 3 - Jr 31.33 - Deus tem aliança
tem como se justiicar por com quem tem a Lei escrita
meio de suas obras no coração
4 - Rm 2.28 - O ritualismo não
Nº 952 – ABRAÃO E A justiica ninguém
JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ 5 - Gn 12.1 - 3 - A promessa da
(Rm 3.22). bênção a Abraão
1 - Rm 3.21 - Somos justiicados 6 - Rm 2.21 - 24 - Quem ensina a
pela fé Palavra e não prática desonra
2 - Gl 1.6,9 - Alguns dos gálatas o nome de Deus
depois de justiicados, foram
tentados a retroceder Nº 954 – A JUSTIFICAÇÃO
3 - Rm 4.1 - 8 - A justiicação de CERTIFICA NOSSA BÊNÇÃO
Abraão foi um presente de (Rm 5.10).
Deus 1 - Rm 5.1 - A justiicação e a paz
4 - Rm 4.9 - 16 - Abraão foi justi- com Deus
icado antes da circuncisão e 2 - Rm 5.2 - Firmes pela graça de
da lei Deus
5 - Hb 11.18 - Abraão acreditava 3 - Rm 5.3,4 - A justiicação pro-
que Deus poderia ressuscitar porciona gozo na alma
Isaque 4 - Rm 5.5 - A justiicação nos
6 - Gn 12.1 - 9 - A justiicação de garante esperança
Abraão foi um protótipo da 5 - Rm 5.8 - A justiicação asse-
fé cristã gura a certeza do amor de
Deus por nós
Nº 953 – O JUDEU - CRISTÃO 6 - Rm 5.11 - A justiicação certi-
(Rm 2.29). ica a nossa reconciliação com
1 - Rm 2.1 - Quem julga e faz o Deus
mesmo condena a si mesmo
2 - Rm 2.11 - Deus não faz acep- Nº 955 – CRISTO, ADÃO E O
PECADO

293
. Es oços – Mensagens diversii adas

(Rm 5.12). a ofensa do pecado abundas-


1 - Rm 5.12 - O pecado de uma se
pessoa inluenciou negati- 6 - Rm 10.4 - Jesus é o im da lei
vamente o destino de toda a
Nº 957 – O CRENTE PÓS -
raça humana
JUSTIFICAÇÃO
2 - Rm 3.23 - Todos os seres hu-
(Romanos 6.4).
manos são pecadores
3 - Rm 5.12 - O pecado gera a 1 - Rm 6.1,2 - O crente não pode
morte abusar da graça de Deus
4 - Rm 5.14 - Adão é o primeiro e 2 - Rm 6.7 - O crente morre para
único tipo de Cristo o pecado na justiicação
5 - Rm 5.20 - A lei veio para ma- 3 - Cl 2.12 - O crente é sepultado
jorar o pecado no batismo nas águas
6 - Rm 5.21 - A graça de Cristo 4 - Fl 3.27 - O crente é batizado
reina pela justiça em Cristo
5 - 1Co 15.54; 1Ts 4.16 - 18 - A
Nº 956 – A GRAÇA DE gloriicação de Cristo com
CRISTO sua ressurreição é a garantia
(Rm 5.18). que o crente salvo terá um
1 - Rm 5.15 - Pela desobediência corpo gloriicado
de Adão a morte passou a rei- 6 - Cl 3.1 - 3; Ef 2.6 - O crente é
nar ressuscitado com Cristo
2 - Rm 14.17 - Pela obediência de
Nº 958 – O CULTO QUE
Cristo veio um novo reino de
AGRADA A DEUS
justiça
(Rm 12.1).
3 - Rm 5.16 - O dom gratuito da
salvação 1 - Rm 12.1 - O culto a Deus não
4 - At 9.4 - O apóstolo antes de pode ser uma simples rotina
conhecer a graça de Cristo 2 - Hb 10.3 - O sacrifício do An-
perseguia a igreja tigo Testamento era limitado
5 - Rm 5.20 - A lei veio para que 3 - 1Jo 5.19 - O mundo jaz no

294
Pr. Josahat Baista
maligno 2 - Enquanto que aos estrangei-
4 - Pv 23.7 - A maneira como ve- ros era permitida a cobrança
mos o mundo de juros (Dt 15.1 - 8; 23.20)
5 - Rm 12.1,2 - Uma mente reno- 3 - Para tomada de empréstimos
vada eram exigidas garantias como
penhor pela dívida, que po-
Nº 959 – O PRÓXIMO deria ser um objeto pessoal
(Rm 13.8). (Dt 24.10; Jó 24.3), hipoteca
1 - Rm 13.8ª - O cristão e as dí- de uma propriedade (Ne 5),
vidas iança de um inanciador (Pv
2 - Rm 13.8b - A única dívida re- 6.1 - 5).
comendada é o amor 4 - Em não havendo garantia,
3 - Êx 22.25; Dt 23.19 - O judeu e não sendo pago a dívida, o
seu próximo devedor era vendido como
4 - Dt 15.1 - 8; 23.20 - O judeu escravo (Êx 22.3; 2 Rs 4.1; Am
não considerava o estrangei- 2.6; 8.6), uma das condições
ro como seu próximo mais humilhantes e desuma-
5 - Lc 10.27 - 37 - O ensino de Je- nas do mundo Antigo.
sus a respeito do próximo
6 - Rm 13.9 - 10 - Toda a lei se Nº 961 – CARACTERÍSTICAS
resume em amar ao próximo DA MAJESTADE DIVINA
1 - Deus é grande em bondade -
Nº 960 – NÃO DEVA NADA (Sl 31.19)2
A NINGUÉM 2 - Justiça - (Sl 36.6)
(Rm 13.8) 3 - Misericórdia - (Sl 25.6)
4 - Notoriedade - (Sl 76.1)
1 - A lei protegia os judeus que
5 - Obras - (Sl 92.5)
estivessem nessas condições,
6 - Glória - (Sl 138.5)
visando coibir a exploração
7 - Poder - (Sl 145.5)
da desgraça de um compa-
triota (Êx 22.25; Dt 23.19; Lv Nº 962 – O TESTEMUNHO
25.35) DA RESSURREIÇÃO DE

295
. Es oços – Mensagens diversii adas

CRISTO Nº 964 – O SENHOR QUE


1 - O testemunho da Palavra - JULGA
(Sl 16.10; Jo 11.25; 1 Co 6.14) (Salmo 50.6), (At
2 - O testemunho da Natureza - 17.30,31)
(Mt 28.2) (Ap 20.11 - 15).
3 - O testemunho do túmulo va- 1 - Sm 24.8 - 12 - Julgue o Senhor
zio - (Mc 16.8) 2 - Ec 3.16,17 - Deus julgará o
4 - O testemunho dos anjos - (Lc justo e o ímpio
24.4 - 7) 3 - Dn 5.17 - 28 - Pesado foste na
5 - O Ptestemunho das mulheres balança
- (Lc 24.1) 4 - Jo 5.16 - 24 - Não entrará em
6 - O testemunho dos discípu- condenação
los - (Mt 28.9; Mc 16.9; Lc 5 - Rm 2.1 - 16 - Julgar os segre-
24.15,36; Jo 20.19; 21.1,14) dos dos homens
6 - Hb 12.12 - 23 - Deus, o Juiz
Nº 963 – A BIBLIOTECA DE
de todos
DEUS
1 - O livro da redenção - (Ap 5.1) Nº 965 – JULGAMENTOS NA
2 - O livro das lágrimas - (Sl 56.8) BÍBLIA
3 - O livro das palavras - (Mt (Gn 3.14 - 24).
12.36,37)
4 - O livro da consciência - (Rm 1 - Juízo do pecado deste mun-
2.15,16) do, que viria por meio da
5 - O livro da natureza - (Rm morte de Cristo (Jo 12.31,32)
1.25 - 27) 2 - O autojulgamento dos cris-
6 - O livro das escolhas - (Js tãos por toda a vida, para não
24.15) sermos condenados com o
7 - O livro do Senhor - (Is 34.16) mundo (1 Co 11.31,32)
8 - O livro do concerto - (2 Rs 3 - Julgamento de Israel por seus
23.2) muitos séculos de rebelião
9 - O livro de Deus - (Sl 139.16) (Ez 20.33 - 44)
10 - O livro da vida - (Sl 69.28) 4 - Julgamento dos anjos, devido

296
Pr. Josahat Baista
à rebelião contra Deus (2 Pe milhões de indivíduos (Ap
2.4; Jd 6,7) 13.16,17), durante o governo
5 - Julgamento das obras dos do homem do pecado, o ilho
cristãos (Rm 14.10; 2 Co da perdição (2 Ts 2.3)
5.10,11) 5 - Assessorado diretamente
6 - Julgamento das nações que pela segunda besta (o Falso
estiverem vivas no segundo Profeta), o Anticristo terá a
advento (Mt 25.31 - 46) sua marca o seu logotipo, a
7 - Julgamento dos ímpios mor- sua senha, a sua legenda pos-
tos (Ap 20.11 - 15; At 17.31; tada na mão direita (ou na
Rm 2.16) testa) de todos aqueles que o
servirão (Ap 13.16 - 18)
Nº 966 – A MANIFESTAÇÃO 6 - No inal dos sete anos, ele
DO ANTICRISTO será vencido e condenado,
Quando a apostasia al- por ocasião da Revelação do
cançar proporções gigantescas, Senhor Jesus na batalha do
abrangendo o mundo inteiro, o Armagedom, na segunda
Espírito Santo e a Igreja serão fase do retorno de Cristo (2Ts
retirados da terra. 2.8). Glória a Deus para sem-
1 - Só então, haverá a manifesta- pre e eternamente!
ção do Anticristo (2Ts 2.3 - 6)
2 - O Anticristo será revestido de Nº 967 – O PERFIL DO
poder satânico; referenciado ANTICRISTO
por sua inteligência, carisma 1 - Daniel 9.24 - 27 - O príncipe
e liderança; e admirado pelas que há de vir
massas populares (Ap 13.3,4) 2 - Feira - Isaías 51.12 - 15 - O fu-
3 - O espírito demoníaco da bes- ror do angustiador
ta - mencionado na Escritura 3 - Feira - Daniel 11.37 - 39 - Ao
como o espírito do Anticristo deus das fortalezas honrará
(1Jo 4.3; 2.18) 4 - Feira - Apocalipse 13.1 - 3 - A
4 - Essa força Satânica controla- besta que sobe do mar
rá a vida pública e privada de 5 - Feira - 1 João 2.18 - 29 - O

297
. Es oços – Mensagens diversii adas

mentiroso e enganador 5 - Na oratória - O mundo será


6 - Apocalipse 19.11 - 21 - O des- persuadido pelo encanto má-
tino inal do Anticristo gico das expressões e pala-
vras inteligentes, brilhantes,
Nº 968 – O SISTEMA DO emocionantes e convincentes
ANTICRISTO do mais poderoso líder de to-
1 - Na economia - Nos últimos dos os tempos (Dn 11.36; Ap
três anos e meio de sua ad- 13.2,6). O Anticristo será um
ministração (Grande Tri- orador acima da média.
bulação), ninguém poderá 6 - Na política - Suas propostas
comprar ou vender sem sua serão seguidas de grandes
permissão pessoal (Dn 11.43; sinais, que serão realizados
Ap 13.16,17). publicamente por ele e pelo
2 - No âmbito militar - Em seu Falso Profeta - sobre o qual
intento de derrotar o Senhor falaremos na próxima lição
Jesus e as hostes celestiais, ele (tópico 2.3), diante de todos
formará um poderoso exérci- (Ap 13.5).
to, com 200 milhões de solda- 7 - Na intelectualidade - Seus
dos supertreinados (Ap 9.16). poderes de percepção, enten-
3 - Na religião - João contempla dimento e aproveitamento
a parceria entre os poderes das informações ultrapas-
político e religioso nos dias sarão qualquer capacidade
inais (Ap 17.1 - 3). cognitiva humana. Ele será
4 - O império do engano - Se inigualável (Dn 8.23).
possível fora, enganariam até
os escolhidos (Mt 24.24). Pau- Nº 969 – EVENTOS DO FIM
lo acrescentou que, nos últi- (I)
mos dias, espíritos imundos 1 - Seu aparecimento se dará no
invadirão a terra, promove- im da história de Israel - (Dn
rão e implantarão o engano, 8.17).
levando as pessoas à mentira 2 - Manifestar - se - á no começo
(1Tm 4.1 - 3; 2Tm 3.1 - 5,13). do Dia do Senhor - (2 Ts 2.1

298
Pr. Josahat Baista
- 3). povo judeu - (Dn 7.21,25; Ap
3 - Ascenderá ao poder, ofere- 12.6).
cendo paz e prosperidade a
todos - (Ap 6.2). Nº 971 – EVENTOS DO FIM
4 - Firmará e selará publicamen- (III)
te um pacto de paz com Israel 1 - Invadirá Israel e profanará
- (Dn 9.27). o templo reconstruído (Dn
5 - Na metade do seu governo, 9.27; 11.41; 12.11; Mt 24.15;
haverá uma morte violenta - Ap 11.2).
(Dn 11.45; Ap 13.3). 2 - Assentar - se - á no templo
6 - Descerá ao abismo e dele para ser adorado como Deus
emergirá, mais tarde - (Ap (2 Ts 2.4; Ap 13.4 - 8).
17.8). 3 - Será proclamado como divi-
7 - Receberá vida após ser cura- no com grandes sinais e pro-
do - (Ap 13.11 - 14). dígios (2Ts 2.9 - 12).
4 - Lutará contra Cristo na se-
Nº 970 – EVENTOS DO FIM gunda fase da Sua vinda, na
(II) campanha militar do Arma-
1 - O mundo inteiro, maravilha- gedom. Será derrotado to-
do, o seguirá - (Ap 13.3). talmente com todos os seus
2 - Governará o mundo nos as- exércitos e forças malignas
pectos político, religioso e (Ap 19.19).
econômico - (Ap 13.4 - 8,16 - 5 - Será lançado vivo no lago
18). de fogo ardente (Dn 7.11; Ap
3 - Pronunciará grandes blasfé- 19.20).
mias contra Deus - (Dn 7.8; 6 - Convocará todas as nações
Ap 13.6). para conquistar Jerusalém
4 - Será controlado totalmente (Zc 12.1,2; 14.1 - 3. Ap 16.16;
pelo diabo - (Ap 13.2 - 5). 19.19).
5 - Matará publicamente as duas
testemunhas - (Ap 11.7). Nº 972 – A REALIDADE DA
6 - Perseguira furiosamente o ESCATOLOGIA BÍBLICA

299
. Es oços – Mensagens diversii adas

(Hc 2.3). história do homem natural


1 - Gn 3.15; Ap 12.9; 20.2 - A pri- 6 - 2Sm 14.14; 2Pe 1.14 - 16 - An-
meira profecia escatológica tes que venha a morte
2 - Gn 3.15; 22.18; 26.4; 28.14;
Nº 974 – MORTE, SENTIDO
49.10; 2Sm 7.12,13 - A pro-
METAFÓRICO E LITERAL
messa do Redentor vindouro
(Rm 5.12).
3 - Is 7.14; 9.6; 42.1 - 4; 49.5 - 7;
52.13 - 15 - A predição do fu- 1 - Separação - (Mt 10.28; Lc 12.4;
turo Rei e Redentor Ec 12.7; Gn 2.7)
4 - Is 53 - A predição dos sofri- 2 - Saída ou partida - (Lc 9.31;
mentos de Jesus 2Pe 1.14 - 16)
5 - Dn 2.44,45; 7.13,14 - A pre- 3 - Distinção - (Mt 10.28)
dição do Reino vindouro do 4 - Cessação - (Mt 2.20)
Senhor
6 - Jr 23.3; Is 11.11; Ez 37.1 - 11; Nº 975 – MORTE, SENTIDO
Jl 2.28,29 - A restauração de BÍBLICO E DOUTRINÁRIO
Israel (Rm 5.12).
1 - A morte como o salário do
Nº 973 – MORTE, pecado (Rm 6.23)
MALDIÇÃO DIVINA 2 - Amorte física é o primeiro
CONTRA O PECADO efeito externo e visível da
(Rm 5.12). ação do pecado (Gn 2.17; 1Co
1 - Rm 5.12 - 15 - A morte proce- 15.21; Tg 1.15)
de do pecado 3 - A morte é sinal e fruto do
2 - Gn 2.17; Hb 9.27; Gn 3.19 - O pecado - Tiago mostra - nos
aviso divino sobre a morte uma relação entre o pecado e
3 - Sl 23.1 - 4 - Em perigo de a morte - Tg 1.14,15)
morte 4 - A morte foi vencida por Cris-
4 - 1Co 15.54 - 57 - Jesus venceu to no Calvário - (Hb 1.1)
a morte 5 - Cristo é a última palavra e a
5 - Gn 5.5,8,11,14,20,27,31 - A única solução para o proble-

300
Pr. Josahat Baista
ma do pecado e a crueldade temporal de quem está se-
da morte (Rm 5.17) parado da vida de Deus (Ef
4.18). No futuro, refere - se ao
Nº 976 – TIPOS DISTINTOS estado de eterna separação
DE MORTE de Deus, o que acontecerá
(Rm 5.12). no Juízo Final (Mt 25.46). No
1 - Morte física - O texto que me- sentido positivo é a morte es-
lhor elucida esta morte é 2Sm piritual experimentada pelo
14.14, que diz: “Porque cer- crente em relação ao mundo.
tamente morreremos e sere- Isto é: a sua pena do pecado
mos como águas derramadas foi cancelada e, agora vive
na terra, que não se ajuntam livre do domínio do pecado
mais”. O que acontece com o (Rm 6.14). Quanto ao futuro,
corpo morto quando é sepul- o cristão autêntico terá a vida
tado? Depois de alguns dias, eterna. Ou seja: a redenção do
terá se desfeito e esvaído corpo do pecado (Ap 21.27;
como águas derramadas na 22.15).
terra. E isso que a morte física 3 - Morte eterna - É chamada a
acarreta literalmente. segunda morte, porque a pri-
2 - Morte espiritual - Este tipo meira é física (Ap 2.11). Iden-
tem dois sentidos na perspec- tiicada como punição do
tiva bíblica: negativo e posi- pecado (Rm 6.23). Também
tivo. No sentido negativo, a denominada castigo eterno.
morte pode ser identiicada E a eterna separação da pre-
pela expressão bíblica “morte sença de Deus - a impossibi-
no pecado”. E um estado de lidade de arrependimento e
separação da comunhão com perdão (Mt 25.46). Os ímpios,
Deus. Signiica estar debaixo depois de julgados, receberão
do pecado, sob o seu domínio a punição da rejeição que i-
(Ef 2.1,5). O seu efeito é pre- zeram à graça de Deus e, se-
sente e futuro. No presente, rão lançados no Geena (Lago
refere - se a uma condição de Fogo) (Ap 20.14,15; Mt

301
. Es oços – Mensagens diversii adas

5.22,29,30; 23.14,15,33). Res- racionais. E o homem criado


tringe - se apenas aos ímpios por Deus com a capacidade
(At 24.15). Esse tipo de morte de pensar, sentir e realizar
tem sido alvo de falsas teorias (Gn 1.26,27; 2.7). Na antropo-
que rejeitam o ensino real da logia bíblica o corpo humano
Bíblia. é visto como uma dádiva de
Deus ao homem e, por isso,
Nº 977 – RAZÕES BÍBLICAS o corpo tem a sua própria
PARA A MORTE dignidade. Do ponto de vis-
(Rm 5.12). ta bíblico é digniicado pela
1 - Necrológica - A palavra sua razão de ser, como ins-
nekros (no grego) quer dizer trumento de serviço e glorii-
“morto” e refere - se àquilo cação do Criador. Por isso, é
que não tem vida, seja um ca- o templo do Espírito de Deus
dáver ou matéria inanimada. (1Co 3.16; 6.19).
Essa palavra tem na sua raiz 3 - Pneumatológica - Essa é a
nek o sentido de “calamida- parte espiritual do homem. A
de”, “infortúnio”, e passou palavra pneuma refere - se ao
a fazer parte do vocabulário espírito. Em primeiro lugar,
médico para indicar o estado valorizamos o corpo físico e
de morte de uma pessoa, ou a sua dignidade na existência
então, para signiicar o pro- humana; em segundo, tra-
cesso de morte dalguma par- tamos do homem como ser
te do corpo, devido a alguma racional; em terceiro lugar,
doença. Do ponto de vista da preocupamo - nos em revelar
Bíblia, necrológico indica a o milagre da transformação
parte física do homem, seu do corpo físico do crente em
corpo (soma). (Hb 9.27). corpo espiritual. Nossos cor-
2 - Antropológica - Vem de an- pos materiais e mortais se-
tropos (no grego) que quer rão ressuscitados em “soma
dizer “homem”, para fazer pneumatikon”, isto é, “corpo
diferença com os animais ir- espiritual” (1Co 15.54), (Cl

302
Pr. Josahat Baista
1.18; Ap 1.5), (At 2.24). rupção, estava, de fato, des-
4 - Escatológica - Nesse ponto fazendo a morte espiritual
reside a preocupação com a e concedendo vida eterna, a
esperança. Qual é a esperan- imortalidade (2Tm 1.10). A
ça cristã? E a ressurreição de vida humana tem uma inali-
nossos corpos na vinda do dade superior, uma razão de
Senhor, a transformação dos ser, um desígnio.
mesmos se estivermos vivos 3 - Argumento moral. Há um
no arrebatamento da Igreja. governador moral dentro de
(1Co 15.54). cada ser humano chamado
consciência que rege as suas
Nº 978 – A VIDA DEPOIS DA ações. Sua existência dentro
MORTE do espírito humano indica
(Rm 5.12). sua função interna, como um
1 - Argumento histórico. Se a sensor moral, aliado à sobera-
questão da vida além - morte nia divina.
estivesse fundamentada ape- 4 - Argumento metafísico. Os
nas em teorias e conjecturas elementos imateriais do ser
ilosóicas, ela já teria desa- humano denunciam o sentido
parecido. Mas as provas da metafísico que compõe a sua
crença na imortalidade estão alma e espírito. Esses elemen-
impressas na experiência da tos são indissolúveis; portan-
humanidade. to, como evitar a realidade da
2 - Argumento teleológico. Pro- vida além - morte? É impos-
cura provar que a vida do ser sível! A palavra imortalidade
humano tem uma inalidade no grego é athanasia e signi-
além da própria vida físi- ica literalmente ausência de
ca. Há algo que vai além da morte. No sentido pleno, so-
matéria de nossos corpos, é mente Deus possui vida total,
a parte espiritual. Quando imperecível e imortal (1Tm
Jesus Cristo aboliu a morte e 1.17). Ele é a Fonte de vida
trouxe à luz a vida e a incor- eterna e ninguém mais pode

303
. Es oços – Mensagens diversii adas

dá - la. No sentido relativo, 2 - 1Co 15.23; Fp 3.20,21; 1Ts


o crente possui imortalidade 4.16 - A ressurreição dos que
conquistada pelos méritos de são de Cristo
Jesus no Calvário (2Tm 1.8 - 3 - Jo 6.39,40,44,54 - Só participa-
12). rão da primeira ressurreição
os que são de Cristo
Nº 979 – A REALIDADE 4 - 1Co 15.16 - 22 - O fato da res-
BÍBLICA DO ESTADO surreição de Cristo é a base
INTERMEDIÁRIO da esperança cristã
(Lc 16.23). 5 - Jo 5.28,29; At 24.15; Ap 20.13
1 - 2Co 12.2 - 4 - O Paraíso, um - 15 - Ninguém poderá fugir
lugar especial da ressurreição, para a vida
2 - 1Co 15.6; 1Ts 4.13 - 16 - O es- ou para a morte eterna
tado dos que dormem no Se- 6 - Ap 1.5; Cl 1.18 - Cristo foi o
nhor primogênito entre os mortos
3 - Ap 20.13,14 - No Juízo Final
todos os mortos comparece- Nº 981 – PERSONAGENS
rão perante o Juiz BÍBLICOS QUE CRIAM NA
4 - Ef 4.8 - 10; Ap 1.17,18 - Cris- RESSURREIÇÃO
to, o vencedor da morte e do (1º Coríntios
inferno 15.3,4,12 - 20).
5 - 2Co 5.8; Fp 1.23 - A nossa es- 1 - Abraão cria na ressurreição
perança da ressurreição - (Gn 22.5, Hb 11.17 - 19); (Jó
6 - Hb 12.23; Ap 6.9; 20.4 - Fiéis 19.25 - 27)
até a morte 2 - Um dos ilhos de Coré, can-
tor, salmodiava sobre a res-
Nº 980 – A REVIVIFICAÇÃO surreição - (Sl 49.15)
DOS CORPOS FÍSICOS 3 - O profeta Isaías cria e profeti-
(Dn 12.2). zava sobre a ressurreição - (Is
1 - Lc 24.6; Mt 27.52,53 - Jesus, o 26.19)
modelo da ressurreição 4 - Daniel, profeta e estadista,
declarou sua crença na res-

304
Pr. Josahat Baista
surreição - (Dn 12.2,3) Nº 983 – TIPOS DE
5 - Oséias, um profeta destacado RESSURREIÇÃO
em Israel, fez o mesmo - (Os (1º Coríntios
13.14) 15.3,4,12 - 20).
1 - Nacional - É, em linguagem
Nº 982 – O SENTIDO
metafórica, a restauração e
DOUTRINÁRIO DA
renovação do povo de Israel
RESSURREIÇÃO
em termos políticos, mate-
(1º Coríntios
riais e espirituais (Dt 4.23 -
15.3,4,12 - 20).
30; 28.62 - 64; Lv 26.14 - 25; Ez
1 - A doutrina da ressurreição foi 11.17; 36.24; 37.21; Jr 24.6; Ez
declarada e ensinada por Je- 36.24,28). O cumprimento ca-
sus em seu ministério terres- bal da profecia relativa à res-
tre (Jo 5.28,29; 6.39,40,44,54; surreição nacional acontecerá
Lc 14.13,14; 20.35,36) na vinda pessoal do Messias,
2 - Ensinada e reairmada pelos o Senhor Jesus Cristo (Zc 14.1
apóstolos e os pais da Igreja - 5).
primitiva (At 4.2) 2 - Espiritual - Refere - se tam-
3 - Em Atenas, na Grécia, Paulo bém metaforicamente a um
pregou a Jesus Cristo e Sua renascimento espiritual dos
ressurreição (At 17.18). que, tendo estado mortos
4 - Repetiu isso, também, para em delitos e pecados (Ef 2.1)
os ilipenses (Fp 3.11), aos co- foram viviicados espiritual-
ríntios (1Co 15.20), aos tessa- mente (Rm 6.4). Há, no entan-
lonicenses (1Ts 4.14 - 16), pe- to, um sentido literal dessa
rante o governador Felix (At ressurreição, no que tange à
24.15). ressurreição corporal. Porém,
5 - O apóstolo João, não só rela- o aspecto físico da ressurrei-
tou o ensino de Cristo sobre a ção diz respeito aos corpos
ressurreição, mas ele mesmo levantados das sepulturas, os
ensinou sobre o assunto (Ap quais sofrerão uma metamor-
20.4 - 6).

305
. Es oços – Mensagens diversii adas

fose. Isto é: uma transforma- leciona raça, nação, tribo ou


ção do físico para o espiritual classe social para a salvação.
(1Co 15.52; 1Ts 4.13 - 17). Porém, a ressurreição será
3 - Física - Precisamos distin- seletiva em relação aos que
guir esse tipo de ressurreição fazem parte da primeira e
sob dois ângulos: o temporal os da segunda. Ela é seletiva
e o escatológico. No sentido quanto ao modo como se pro-
temporal, temos o exemplo cessará.
de pessoas que morreram, fo- 2 - A ressurreição será universal
ram sepultadas, e pelo poder - O caráter geral da ressurrei-
de Deus ressuscitaram; poste- ção é universal, porque justos
riormente, voltaram a morrer e injustos hão de ressuscitar
(2 Rs 4.32 - 37; Mt 9.24,25). No (Jo 5.28,29; At 24.14,15). Nes-
sentido escatológico, tanto os se sentido a Bíblia descreve
justos quanto os ímpios vão esse fato como a “ressurrei-
ressuscitar isicamente. Os ção dos mortos”, que tem um
justos levantar - se - ão dos caráter geral.
seus sepulcros na vinda do 3 - A ressurreição será dupla -
Senhor (1Co 15.44,52; Jo 5.29). Porque se trata da distinção
Os ímpios se levantarão, não dos justos e a dos ímpios (Jo
com os santos, mas no im de 5.29; Dn 12.2; Ap 20.4,5). Os
todas as coisas, no Juízo Final justos participarão da primei-
(Ap 20.11 - 15). ra ressurreição. Os ímpios
participarão da segunda res-
Nº 984 – A NATUREZA DA surreição (Ap 20.13 - 15).
RESSURREIÇÃO 4 - A ressurreição será literal e
(1º Coríntios corporal - Jesus conirmou a
15.3,4,12 - 20). doutrina da ressurreição lite-
1 - A ressurreição será seletiva, ral e corporal (Jo 5.25,28,29).
mas não discriminativa - A Jesus ressuscitou corporal-
salvação é oferecida a todos mente, por isso, o seu corpo
de igual modo. Deus não se- ressurreto, mesmo estando

306
Pr. Josahat Baista
revestido de espiritualidade, Sinais em cima no céu
podia ser tocado e visto (Lc 2 - Mt 27.51; At 2.19; Lc 21.11,12
24.39; At 1.9 - 11). Quando a - Sinais em baixo na terra
Bíblia fala de “corpo espiri- 3 - Lc 21.12; Mt 24.5,9,10; Ap 6.9
tual” não anula a realidade - 11 - Sinais na vida religiosa
da ressurreição de um corpo 4 - Lc 17.26 - 28; Mt 24.37,38; Tg
material, porque o mesmo 5.1 - 6 - Sinais na vida social
será revestido de um corpo 5 - Lc 17.28 - 30; 2Tm 3.1 - 4 - Si-
espiritual (1Co 15.42). nais na vida moral
5 - A ressurreição é obra da 6 - Mt 25.1 - 10 - Sinais entre o
Trindade divina - Há uma povo de Deus
relação triuna na obra da res-
surreição. Há textos bíblicos Nº 986 – PREDIÇÕES DE
que atribuem a ressurrei- SINAIS ATUAIS
ção a Deus, sem especiicar (Mt 24.8 - 13).
qual pessoa da Trindade (Mt 1 - O princípio de dores (v.8)
22.29; 2Co 1.9). Algumas ve- - O texto refere - se metafo-
zes, a obra da ressurreição é ricamente às dores de parto
atribuída ao Filho Jesus (Jo de uma mulher que está para
5.21,25,28,29; 6.38 - 40,44,54; dar à luz uma criança.
1Ts 4.16). Outras vezes, te- 2 - A angústia na terra (v.8; Lc
mos a mesma obra atribuída 21.25) - Essa angústia está
ao Espírito Santo (Rm 8.11). embutida no “princípio de
Não há divisão, nem compe- dores” sentida pela humani-
tição entre as três pessoas da dade e, especialmente, pela
Trindade. Igreja de Cristo. E, de fato,
a perplexidade das criatu-
Nº 985 – OS SINAIS ras diante dos sinais que
ANUNCIAM A VINDA DE se evidenciam na Terra (Lc
CRISTO 21.25,26); uma neurose cole-
(1 Pe 4.7). tiva mundial que provoca o
1 - At 2.19; Lc 21.11; Jl 2.30,31 - desespero (Rm 8.20,22)

307
. Es oços – Mensagens diversii adas

3 - A ameaça de uma Igreja espiritual de Israe.l


mista (vv.10 - 13) - Nestes 6 - Ez 37.21 - 28; Jr 30.9; Ez 34.23;
versículos Jesus previu cer- Os 3.5 - A restauração de Is-
tos problemas que afetariam rael no “dia da angústia de
sua Igreja. Essa Igreja mista Jacó”.
aparece na malfadada tese do
Ecumenismo. Nº 988 – ACONTECIMENTOS
4 - A multiplicação da iniqüida- ESCATOLÓGICOS NA
de (v.12) - A palavra iniqüi- ORDEM CORRETA
dade na língua original tem 1 - Dispersão e regresso de Is-
a idéia de coisas ilegais ou de rael - Lv 26.33,36,37 - Jr 24.6;
liberdade sem lei que a con- Ez 36.24,28.
trole. Quando Jesus declarou 2 - Arrebatamento da Igreja - 1Ts
que a iniqüidade se multipli- 4.13 - 18 - Jo 14.3, 1Co 15.54;
caria estava antevendo a rea- 1Ts 4.17.
lidade de nossos dias. 3 - Grande Tribulação - (Mt
24.21; Is 2.12; 13.6,9; At 2.20;
Nº 987 – ISRAEL, O RELÓGIO 1Ts 5.2; 2Ts 2.2.
DIVINO NA TERRA 4 - Tribunal de Cristo - 2Co
(Jr 24.6). 5.10 - Ap 22.12; Is 40.10; Mt
1 - Lv 26.33,36,37 - Predição so- 10.41,42.
bre a dispersão de Israel. 5 - Bodas do Cordeiro - 2Co
2 - Gn 12.1,2,7; 17.8 - As promes- 11.2,3; Mt 6.24; Ap 2.10; Mt
sas de Deus ao pai da nação 24.13; Lc 12.35,37; 22.30;
israelita, Abraão. 13.28,29; Mt 26.29; Mc 14.25;
3 - Dt 7.9; 32.9 - 11; Sl 89.1 - Deus Ap 19.7.
é iel às suas promessas. 6 - Batalha do Armagedom - O
4 - Jr 24.6; Ez 36.24,28 - Predição Armagedão (português euro-
da volta de Israel à sua terra. peu) ou Armagedom (portu-
5 - Am 9.14,15; Jl 2.28 - 32; Ez guês brasileiro) ( em hebraico:
34.27,28; Jr 31.28 - A promes- ฀฀ ฀฀฀฀฀; transl.: har m฀-
sa de restauração material e giddô; “Monte Megido”; em

308
Pr. Josahat Baista
grego clássico: ฀ρ α ώ ; - 46; Zc 14.1 - 7 - A vinda in-
transl.: Harmagedōn;[1][2] terventora do Messias
em árabe: ฀฀฀฀฀฀฀; em 3 - 2Ts 2.8; 1Tm 6.14; 2Tm 4.1,8
latim: Armagedōn[3]) é iden- - A manifestação visível de
tiicado na Bíblia como a ba- Cristo em sua vinda
talha inal de Deus contra a 4 - Nm 10.1 - 3; Mt 25.6; 1Ts 4.16 -
sociedade humana iníqua, O toque da trombeta de Deus
em que numerosos exércitos 5 - 1Co 15.38,42 - 44,47 - 49,51,52;
de todas as nações da Terra - A ressurreição dos mortos
encontrar - se - ão numa con- 6 - 1Co 15.54; 1Ts 4.17 - A trans-
dição ou situação, em oposi- formação dos vivos em Cristo
ção a Deus e seu Reino por na sua vinda
Jesus Cristo. Ap 16 14:16; Sl
92:7; Ap 19.11 - 21 e 20.7 - 15. Nº 990 – PARTICIPANTES
7 - Implantação do Reino Mile- DO ARREBATAMENTO DA
nial - Is 32.16,17; Zc 14.9; Mq IGREJA
4.3,4; Ap 20.4 - 6. (Jo 14.3).
8 - Juízo das Nações - Zacarias 1 - O próprio Senhor Jesus Cris-
14.3,4; Jl 3.2,12; Ap 19.15 - 21; to. Diz a Escritura: “Porque o
Mt 25:31 - 32; At 17:31. mesmo Senhor... descerá do
9 - O Grande Trono Branco - Ap céu” (1Ts 4.16). O apóstolo
20.11; At 17.31; Jo 5.22,27; Ap Paulo dá ênfase ao senhorio
19.20; 20.10,14,15; 21.8. de Jesus conquistado no Cal-
vário quando diz : “o mesmo
Nº 989 – A CERTEZA DO Senhor”.
ARREBATAMENTO DA 2 - O arcanjo. A tradução do
IGREJA texto diverge na forma, mas
(Jo 14.3). não anula o fato, conforme
1 - 1Ts 4.13 - 18 - A vinda de Je- está escrito: “à voz do arcan-
sus sobre as nuvens para os jo” ou “com voz de arcanjo”
seus (1Ts 4.16). O texto de Daniel
2 - Hb 9.28; Jd vv.14,15; Dn 2.44 indica que o arcanjo Miguel

309
. Es oços – Mensagens diversii adas

participará do evento da se- lonicenses, Paulo declarou:


gunda vinda de Cristo (Dn “depois nós, os que icarmos
12.1), mui especialmente da vivos, seremos arrebatados”
epiphanéia, quando Cristo, (1Ts 4.17); e aos coríntios,
rodeado de exércitos celes- também, disse: “nem todos
tiais, descerá sobre a Terra, dormiremos, mas todos se-
no monte das Oliveiras (Zc remos transformados” (1Co
14.3,4; Ap 1.6,7). 15.51).
3 - Os mortos em Cristo. Naque-
le dia, os mortos e os vivos Nº 991 – ELEMENTOS
em Cristo ouvirão a voz de ESPECIAIS DO
chamamento da trombeta do ARREBATAMENTO
Senhor pelo arcanjo, e “num 1 - Surpresa - (Tt 2.13; Mt
abrir e fechar de olhos” (1Co 24.35,36,42 - 44; 25.13).
15.51,52), estarão na presen- 2 - Invisibilidade - (1Ts 4.17; 1Co
ça do Senhor nos ares, com 15.43,44,49,51,53).
corpos gloriicados. A pala- 3 - Imaterialidade - (1Co 15.42,
vra “mortos” diz respeito aos 52,53).
santos que ressuscitarão com 4 - Velocidade - (1Co 15.52).
corpos transformados em
corpo espiritual (soma pneu- Nº 992 – O TRIBUNAL DE
matikon), enquanto que, os CRISTO
corpos dos ímpios perma- (2Co 5.10).
necerão em suas sepulturas - Duas palavras distintas na
até o dia do Juízo Final (Ap língua original do Novo Tes-
20.12). tamento esclarecem bem o
4 - Os vivos preparados. O mes- sentido da palavra tribunal:
mo poder transformador criterion, conforme está em
operado nos corpos dos que Tg 2.6 e 1Co 6.2,4; e bimá, en-
morreram no Senhor atuará contrada em 2Co 5.10, (tam-
nos corpos dos crentes vi- bém em Ne 8.4). O termo cri-
vos naquele dia. Aos tessa- terion signiica “instrumento

310
Pr. Josahat Baista
ou meio para provar ou jul- Nº 993 – O TRIBUNAL
gar qualquer coisa”. Ou seja: DE CRISTO E OS SEUS
“a regra pela qual alguém ASPECTOS GERAIS
julga”, ou “o lugar onde se (2Co 5.10).
faz um juízo”, o tribunal de 1 - O tempo. É lógico que o tri-
um juiz ou de juízes. O termo bunal não pode acontecer
bimá comumente signiica logo após a morte de qual-
uma “plataforma ou um ban- quer cristão. Ele se dará por
co de assento onde o juiz jul- ocasião de um tempo especial
ga”. Havia naqueles tempos e determinado depois do ar-
tribunais militares e, também, rebatamento da Igreja.
o tribunal (bimá ou assento) 2 - O lugar. Não há texto especí-
da recompensa, especialmen- ico que declare o local, mas
te utilizado nos jogos gregos o contexto bíblico indica que,
de Atenas. Os atletas vence- uma vez a Igreja arrebatada
dores eram julgados perante até as nuvens, nos céus, a ins-
o juiz da arena e galardoados talação do tribunal de Cristo,
por suas vitórias. inevitavelmente, terá de ser
1 - 1Co 3.10 - 15 - As obras de no céu, nas regiões celestiais.
cada crente serão manifestas 3 - Os julgados. Quem será jul-
2 - 1Co 9.24 - 27 - A carreira cris- gado no tribunal? Quais são
tã e a recompensa inal os sujeitos desse tribunal? In-
3 - Ap 22.12; Is 40.10 - O galar- dubitavelmente, as pessoas
dão está com Jesus julgadas nesse tribunal são os
4 - Mt 10.41,42 - O justo receberá santos remidos por Cristo. O
o seu galardão texto de 2Co 5.1 - 10 fala da-
5 - Ef 2.20,21; 2 Jo vv.8,9 - O fun- queles que lutam nesta vida
damento de nossa recompen- para alcançarem o privilégio
sa é Cristo de serem revestidos de uma
6 - Ap 19.9; Mt 25.10 - As bodas habitação espiritual no céu.
do Cordeiro Não haverá discriminação

311
. Es oços – Mensagens diversii adas

nesse lugar. Só entrarão os são boas ou más. A palavra


salvos, os remidos. Não have- “mal” na língua grega apare-
rá lugar nesse tribunal para ce como kakos ou poneros, e
julgamento condenatório. ambas signiicam aquilo que
4 - O juiz. O apóstolo Paulo de- é eticamente mal. Porém, a
clara que o exame das obras palavra poneros, além de de-
dos crentes será realizado notar maldade, tem o sentido
perante o Filho de Deus (2Co de se estar praticando algu-
5.10). O próprio Jesus falou ma coisa de total inutilidade.
que todo o juízo é colocado
nas mãos do Filho de Deus. Nº 995 – TIPOS DE
Faz parte da exaltação de RECOMPENSA NO
Cristo depois de Sua con- TRIBUNAL DE CRISTO
quista no Calvário receber do (2Co 5.10).
Pai toda a autoridade e poder - O Novo Testamento usa uma
para julgar. linguagem especial dos tem-
pos do primeiro século da era
Nº 994 – COMO PROCEDERÁ cristã relativa ao tipo de ga-
O TRIBUNAL DE CRISTO lardão que os vencedores das
(2Co 5.10). olimpíadas gregas e romanas
1 - A forma do exame - (Rm 8.1; recebiam como prêmio. Ha-
Jo 5.24; 1 Jo 4.17). via coroas de vários materiais
2 - Os materiais da obra de cada representando o tipo de vitó-
crente - (1Co 3.12). ria conquistada por aqueles
3 - A obra de cada um será pro- vencedores (1Co 9.24,25).
vada - (1Co 3.13 - 15). 1 - A coroa da vitória (1Co 9.25)
4 - O juízo que determinará a - A vida cristã se constitui
qualidade das obras feitas. numa batalha espiritual con-
2Co 5.10. As obras praticadas tra três inimigos terríveis: a
pelo crente serão submeti- carne, o mundo e o Diabo.
das ao julgamento naquele Esta coroa é denominada,
dia para se determinar se também, como coroa incor-

312
Pr. Josahat Baista
ruptível, porque se refere jos. É a modalidade de vida
à conquista do domínio do conquistada mediante a obra
crente sobre o velho homem. expiatória de Cristo Jesus - a
2 - A coroa de gozo (1Ts 2.19; vida eterna. E o galardão da
Fp 4.1) - A palavra gozo sig- idelidade do crente.
niica prazer, alegria, satis- 5 - A coroa de glória (1 Pe 5.2 -
fação. Uma das atividades 4) - Certos eruditos na Bíblia
cristãs que mais satisfazem o entendem que esta coroa é o
coração do crente é o ganhar galardão dos ministros iéis
almas. Isto é, praticar o evan- que promoveram o reino de
gelismo pessoal e ganhar Deus na Terra, sem esperar
pessoas para o reino de Deus. recompensa material.
Na busca do gozo nesta vida,
nada é comparável ao de sal- Nº 996 – O CLIMAX DAS
var almas para Cristo, livran- BODAS DO CORDEIRO
do - as da perdição eterna. (Ap 19.7).
Por isso, quem ganha almas, 1 - (Jo 14.1 - 3) - O lar preparado
sábio é (Pv 11.30; Dn 12.3). pelo Esposo
3 - A coroa da justiça (2Tm 2 - (Hb 11.10; 12.22) - Esse lar é a
4.7,8) - É o prêmio dos iéis, gloriosa Jerusalém
dos batalhadores da fé, dos 3 - (Mt 10.32; Lc 12.8; Ap 3.5; Cl
combatentes do Senhor, os 1.22; 1Ts 3.13; Ef 5.27; Jd v.24)
quais vencendo tudo, espe- - O Cordeiro apresentará ao
ram a Sua vinda. Pai a sua esposa
4 - A coroa da vida (Ap 2.10; Tg 4 - (Gn 24.51,58; 1Co 11.2) - A
1.12) - Não se trata da simples tipologia do encontro entre
vida que temos aqui. Essa co- Cristo e a Igreja
roa é um prêmio especial por- 5 - (2Co 11.2,3; Mt 6.24; Ap 2.10;
que implica conquista de um Mt 24.13) - As características
tipo de vida superior à vida da noiva de Cristo hoje
terrena, ou à simples vida 6 - (Lc 12.35,37; 22.30; 13.28,29;
espiritual, como a tem os an- Mt 26.29; Mc 14.25) - A gran-

313
. Es oços – Mensagens diversii adas

de ceia nos céus 3 - (Ap 9.1 - 12) - Seres infernais


atormentadores.
Nº 997 – A REALIDADE DA 4 - (Ap 13.1 - 10) - O Anticristo e
GRANDE TRIBULAÇÃO a Grande Tribulação.
(Mt 24.21). 5 - (Ap 16.1 - 21) - Os piores so-
1 - (Fp 4.5; Hb 10.37; Tg 5.8) - frimentos sob as taças de juí-
A proximidade da vinda de zo divino.
Cristo 6 - (Ap 19.11 - 21) - Cristo volta
2 - (Is 2.12; 13.6,9; At 2.20; 1Ts em glória, majestade e poder
5.2; 2Ts 2.2) - A Grande Tri- vencedor.
bulação faz parte do Dia do
Senhor Nº 999 – O TEMPO
3 - (Dn 9.24 - 27) - O tempo da DOS GENTIOS SE
Grande Tribulação COMPLETARÃO NA
4 - (2Ts 2.1 - 8) - Quem impede GRANDE TRIBULAÇÃO
a manifestação do Anticristo (Lc 21.24).
agora 1 - (Dn 2.33,34,44; 7.7,8,24,25; Ap
5 - (1 Jo 4.3) - O espírito do An- 13.3,7; 17.12,13) - A formação
ticristo de uma confederação de na-
6 - (Ap 13.1 - 8) - A manifestação ções gentílicas.
do Anticristo 2 - (Ap 13.1 - 8; 17.8,13; 2Ts 2.3
- 9; 1 Jo 2.18; Dn 7.24,25) - O
Nº 998 – O RETRATO DA surgimento do Anticristo, a
GRANDE TRIBULAÇÃO Besta.
(Ap 12.11). 3 - (Ap 13.11 - 18) - O surgimen-
1 - (Ap 6.7 - 17) - O sofrimento to do Falso Profeta.
na terra sob os selos de juízo 4 - (Sl 2.1 - 10; Is 63.1 - 6; Jl 3.2 -
divino. 16; Sf 3.8; Zc 14.1 - 3) - O juízo
2 - (Ap 8.7 - 13) - Mais sofrimen- das nações gentílicas.
to na terra sob as trombetas 5 - (Mt 25.41) - As nações gentíli-
de juízo divino. cas opostas não escaparão ao
Lago de Fogo.

314
Pr. Josahat Baista
6 - (Dn 2.34,35,44; Ap 19.11,21) original de Deus na criação do
- A destruição do poder mun- mundo o estabelecimento de
dial dos gentios pela pedra. um princípio de obediência
cortada do monte completa e voluntária a Deus.
A árvore da vida foi colocada
Nº 1000 – O REINO MILENAL no Éden como uma prova de
E ETERNO DE CRISTO obediência (Gn 2.16,17). Diz
(Zc 14.9). a Bíblia que Deus sujeitou to-
(PARTE I) das as coisas Àquele que é o
Senhor (Ef 1.22).
1 - (Mt 6.10) - O Milênio é ansio-
3 - Conhecimento universal de
samente esperado pelo povo
Deus - (Is 11.9; Jr 3134). O co-
de Deus.
nhecimento estará dissemi-
2 - (Ap 20.4 - 6) - Os salvos rei-
nado e determinado em toda
narão com Cristo no Milênio.
a Terra. Na verdade, todas as
3 - (Mq 4.3,4) - Haverá paz entre
pessoas terão conceitos corre-
povos e nações.
tos sobre Deus, porque o mal
4 - (Is 32.16,17) - Haverá paz e
estará detido naquele tempo.
justiça em plenitude.
4 - Paz e prosperidade - (Is 2.4;
5 - (Is 11.6 - 9) - Haverá paz até
35.1,2). A maldição do peca-
na criação em geral.
do estará detida, sem poder
6 - (Cl 3.4) - Os salvos estarão em
de alastramento. A paz será
glória com o seu Salvador.
universal porque a sua base
(PARTE II)
será a justiça do Messias.
CARACTERÍSTICAS DO REI-
5 - Longevidade - (Is 65.20,21,22;
NO:
33.24). Uma vez que o mal es-
1 - Justiça - Somente os justos
tará detido, a vida física dos
serão admitidos no reino (Mt
habitantes da Terra naqueles
25.37; Is 60.21; 26.2). A justiça
dias não sofrerá tanto como
será sinônimo do Messias (Ml
hoje. E verdade que as pes-
4.2; Is 46.13; 51.5).
soas não estarão isentas da
2 - Obediência - Foi o propósito
morte. Mas viverão muito
mais.
315
. Es oços – Mensagens diversii adas

316
Pr. Josahat Baista
VÁRIOS NOMES DE DEUS NAS
ESCRITURAS

1 - DEUS (el, elah,elohim, eloah)


2 - Jeová (Yahweh)
3 - DEUS (tsur - ‘rocha’) (Is 44.8)
4 - DEUS (theos) (NT)
5 - Senhor (kurios) (NT) (acionai) (AT) Divindade (theotes) (Cl 2.9)
6 - (theios) (At 17.29)
7 - (theiotes) (Rm 1.20)
8 - Altíssimo (elion) (SI 18.13, etc.)
9 - (Impsistos) (Mt 21.9, etc.)
10 - SANTO (de Israel) (qadosh) (SI 71.22, etc.) Poderoso {el) (SI
50.1)
11 - (gibbor) (Dt 10.17, etc.)
12 - DEUS dos deuses (Dt 10.17)
13 - Senhor dos senhores (Dt 10.17)
14 - Doador de luz (Maor) (Gn 1.16)
15 - Pai (ab) (AT: SI 89.26, etc.)
16 - (pater) (NT: Jo 5.17, etc.)
17 - Juiz (shafat) (Gn 18.25, etc.)
18 - Redentor (gaal) (Jó 19.25)
19 - Salvador (yasha) (AT: Is 43.3)
20 - (soler) (NT: Lc 1.47)
21 - Libertador (palat) (SI 18.2, etc.)
22 - Escudo (magen) (SI 3.3, etc.)
23 - (também Broquel, SI 18.30)
24 - Força (eyaluth) (SI 22.19)
25 - Todo - poderoso (shaddai) (Gn 17.1, etc.) DEUS que vê (el roi)
(Gn 16.13)
26 - Justo (tsaddiq) (SI 7.9, etc.)

317
. Es oços – Mensagens diversii adas

27 - Senhor dos exércitos


28 - (elohim tsebhaoth) (Jr 11.20)
- Deus se revela através de sete nomes redentores, demonstrando
assim Sua natureza Sétupla (sete é o número perfeito e completo
nas Sagradas Escrituras) que transmite à nossa vida Suas bên-
çãos sétuplas quando nós O recebemos.

318
Pr. Josahat Baista
OS SETE NOMES REDENTORES DE JEOVÁ
SÃO:

Deus se revela através de sete nomes redentores, demonstran-


do assim Sua natureza Sétupla (sete é o número perfeito e completo
nas Sagradas Escrituras) que transmite à nossa vida Suas bênçãos
sétuplas quando nós O recebemos.
1. JEOVÁ - TSIDKENU - “O Senhor é a nossa Justiça” (Jr. 23:6) - este
nome Jeová aparece em uma profecia referente a futura restau-
ração e conversão de Israel, então Israel O clamará como Jeová
- TsidKenu o Senhor Nossa Justiça.
2. JEOVÁ - SHALOM - “O Senhor nossa paz” ou “O Senhor envia
paz” (Jz 6:23 e 24). Quase todo o Ministério de Jeová encontra ex-
pressão e ilustração neste capítulo. Jeová odeia e julga o pecado.
3. JEOVÁ - RAAH - “Deus é nosso Guia” ou Pastor (Sl. 23:1) - O
Senhor é meu pastor e nada me faltará.
4. JEOVÁ - RAFÁ - “Deus é nosso médico ou aquele que cura” (Êxo-
do 15:26). O Contexto mostra que se refere à cura física, mas está
implícita a cura mais profunda da enfermidade da alma.
5. JEOVÁ - JIRÉ - “Deus é nosso provedor” ou fonte (Gn. 22:14) - O
Senhor proverá, isto é, proverá para si o holocausto ou o sacrifí-
cio, Abraão viu o dia do Senhor.
6. JEOVÁ - SHAMÁ - “Deus está sempre presente” (Ez. 48:35) - O
Senhor está sempre presente, este nome signiica a presença per-
manente do Senhor Jeová no meio do Seu povo.
7. JEOVÁ - NISSI - “Deus é nossa vitória” (Êx. 17:15) - O Senhor é a
nossa bandeira; o nome é interpretado pelo contexto. De maneira
um pouco familiar, depois da derrota dos amalequitas, Moisés
erqueu um altar e o denominou de Yhweh Nissi o senhor é a
minha bandeira. Esses, entretanto não são nomes de Deus; mas,
apenas, comemoram certos acontecimentos .

319
. Es oços – Mensagens diversii adas

OS NOMES DE DEUS
1 - ‘El Shaddai: “Deus todo poderoso”
2 - ‘El Elyon: “Deus Altíssimo”
3 - ‘El Ròi: “O Deus que vê”
4 - ‘El Olam: “O Deus eterno”
5 - ‘El Elohe Yisráel: “Deus, o Deus de Israel”
5 - Yawehw - Ropheka: “O Senhor teu médico”
6 - Yaweh - Nissi: “O Senhor minha bandeira”
7 - Yaweh - Shalon: “O Senhor é minha paz”
8 - Yaweh Rafá: “O senhor que Sara (ou cura)”
9 - Yaweh - Ròi: “O Senhor é o meu pastor”
10 - Yaweh - Tsidkenu: “O Senhor justiça nossa”
11 - Yaweh - Shammah: “O Senhor está ali”
12 - Yaweh - Sabaoth: “O Senhor dos exércitos”
13 - Qedosh Yiráel: “O santo de Israel”
14 - Tsur: “Rocha”
15 - Abba: “Pai” ou “O Pai”
16 - Melek: “Rei”
17 - Gòel: “Redentor”
18 - Rishoh Wa - Acharon: “O 1º e o último”
19 - Elohe ‘Emeth: “O Verdadeiro”
20 - EL = DEUS

320
Pr. Josahat Baista
SOBRE O AUTOR

Pastor Josaphat Batista – Pr. Presidente da Assembleia de


Deus em Ibotirama-Bahia. Pós-graduado em Docência do Ensino
Superior - Bacharel em Teologia convalidado pelo MEC, Estudan-
do Psicanálise: Fac... FACIBA - Membro do CEECRE (Conselho Es-
tadual de Educação e Cultura Religiosa da CEADEB), Diretor da
ESTEADI (Escola Teológica da Assembleia de Deus em Ibotirama)
Pres