Você está na página 1de 21

02/10/2018 Estácio

Disciplina: Anatomia Sistêmica

Aula 6: Sistema Respiratório

Apresentação
Nesta aula você irá identificar cada componente do Sistema Respiratório, entendendo a
função dos órgãos pertencentes ao sistema e como eles atuam durante o processo
respiratório.

Também irá identificar o caminho percorrido pelo ar e algumas alterações sofridas nas
duas porções pertencentes ao Sistema Respiratório.

Ainda nesta aula irá comparar as diferenças anatômicas e funcionais entre os pulmões e
a função deles durante a respiração.

Objetivos
Identificar os componentes do Sistema Respiratório;
Descrever o caminho percorrido pelo ar no Sistema Respiratório;
Comparar as características anatômicas dos pulmões.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 1/21
02/10/2018 Estácio

A respiração
Você normalmente não se preocupa com sua respiração a menos que comece a
sentir falta de ar, seja durante um mergulho ou mesmo nos momentos em que
esteja sentindo (ou próximo de alguém) um déficit respiratório, lembrando de que
esse déficit pode ser uma patologia ou simplesmente durante uma atividade física
quando pode não ocorrer o equilíbrio entre a oferta e o consumo de oxigênio. Isso
se dá por que nossa respiração acontece de forma automática.

Vamos começar a entender melhor esse processo que consiste nas trocas gasosas
entre o ar atmosférico e as células corporais, trazendo o oxigênio para o corpo e
levando o dióxido de carbono (gás carbônico) para a atmosfera.

Alguns citam a respiração como a absorção de oxigênio pelo

organismo e com isso a liberação de energia para o trabalho

e calor e, como consequência, a liberação de gás carbônico e

água.

Vamos entender cada elemento da função respiratória.

Ventilação — é o ato da:

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 2/21
02/10/2018 Estácio

 Fonte:
http://www.anatomiaresumida.com/gif
<http://www.anatomiaresumida.com/wp-
content/uploads/2017/02/sistema-respiratorio-
o.gif>

Inspiração

A entrada de ar nos pulmões por meio de um conjunto de movimentos que


produzem a redução da pressão intrapulmonar, fazendo que o ar que entrou
pelas vias respiratórias consiga atingir os alvéolos visando às trocas gasosas.

Expiração

A retirada do ar do interior das vias aéreas, por meio de um conjunto de


movimentos que resultam na retração dos pulmões e consequente aumento
da pressão intrapulmonar, forçando com que o ar seja lançado para fora do
corpo.

Difusão de oxigênio — nos pulmões ocorre a troca gasosa do gás carbônico


pelo oxigênio, no âmbito dos alvéolos pulmonares. Essa troca ocorre através da
difusão que é um fenômeno essencialmente físico, através das diferenças de
pressão entre os gases presentes no sangue e no ar alveolar.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 3/21
02/10/2018 Estácio

 Fonte:
https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/biologia/hematose.htm
<https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/biologia/hematose.htm>
.

Transporte de oxigênio — na respiração ocorre o transporte de oxigênio para


as células do corpo e do gás carbônico das células para fora do corpo, esse
transporte se dá através do sangue.

 Fonte: Fonte:
https://www.todamateria.com.br/hemoglobina/
<https://www.todamateria.com.br/hemoglobina/>
.

Até agora falamos de respiração, mas e o Sistema


Respiratório?

O Sistema Respiratório é formado por órgãos responsáveis em transportar esse ar


para dentro e fora dos pulmões.

Divide-se em duas partes funcionais:

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 4/21
02/10/2018 Estácio

Condutora

É a parte responsável por conduzir esse ar até os pulmões em condições para que
ocorra a hematose e responsável pela liberação desse ar na atmosfera após
hematose. A porção condutora é constituída pelos seguintes órgãos: nariz,
faringe, laringe, traqueia, brônquios principais e brônquios lobares.

Respiratória

São os pulmões, especificamente os alvéolos pulmonares. Mas começamos a


considerar pertencente a essa parte após os brônquios segmentares, bronquíolos,
ductos alveolares e alvéolos.

Nariz
file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 5/21
02/10/2018 Estácio

Segundo a terminologia anatômica, é a parte externa do sistema respiratório, abrange o


nariz externo (chamado usualmente de nariz), a cavidade nasal e os seios paranasais.

O nariz externo é formado por cartilagens, sendo a septal responsável pela divisão
dele em duas metades. A expansão da cartilagem septal forma as cartilagens laterais e
abaixo delas estão as cartilagens alares em forma de “u”.

O nariz externo possui duas aberturas que se comunicam com a cavidade nasal, as
narinas.

A extremidade inferior do nariz externo é denominada base;


a sua extremidade superior é a raiz e o dorso compreende a região entre a raiz e o
ápice;
a parte mais anterior da base recebe o nome de ápice.

 Fonte: Adaptado. Netter, 2008


Legenda:

1. Osso frontal
2. Ossos nasais
3. Processo frontal do maxilar
4. Cartilagens laterais do nariz
5. Cartilagem septal
6. Cartilagem alar menor
7. Cartilagem alar acessória (sesamoide)
8. Ramo lateral da cartilagem alar maior
9. Ramo medial da cartilagem alar maior
10. Cartilagem septal
11. Espinha nasal anterior do maxilar
12. Tecido alar fibroadiposo
13. Forame intraorbitário
14. Tecido alar fibroadiposo
15. Espinha nasal anterior do maxilar

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 6/21
02/10/2018 Estácio

16. Sutura intermaxilar


17. Cartilagem septal
18. Ramo medial da cartilagem alar maior
19. Ramo lateral da cartilagem alar maior

A cavidade nasal é composta por duas outras separadas pelo septo nasal, que é formado
pela lâmina perpendicular do osso etmoide, pelo vômer e pela cartilagem septal, essas
duas cavidades têm a forma de cunha.

Ela possui a parte superior formada pelos ossos nasais, frontal, etmoide e esfenoide. Sua
parte inferior é formada pelo processo palatino do osso maxila e pelo osso palatino. Sua
parte lateral é composta pelos ossos maxila, lacrimal, etmoide, esfenoide, palatino e
concha nasal inferior.

 Fonte: Adaptado. Netter, 2008


Cada cavidade nasal possui três projeções ósseas laterais que são as conchas nasais
superior, média e inferior. Em alguns casos pode existir mais uma concha nasal acima da
superior que é denominada de concha nasal suprema. As conchas nasais são recobertas
por uma membrana mucosa que tem a função de regular a temperatura1 e umedecer
o ar ao passar pelos meatos localizados inferiormente a cada concha nasal e que
recebem o nome da respectiva concha nasal.

A cavidade nasal é dividida em três partes:

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 7/21
02/10/2018 Estácio

Na sua porção anterior encontramos o vestíbulo nasal, com os pelos responsáveis por
filtrar o ar que entra. Tais pelos são chamados de vibrissas, que também apresentam
glândulas sebáceas e sudoríparas, essa é chamada de parte vestibular.

É a parte respiratória forrada de epitélio pseudoestratificado ciliado, com células em


formas de cálice (caliciformes), também possui glândulas serosas e mucosas que
auxiliam na filtragem do ar, por meio de suas secreções, protegendo as vias respiratórias
de receberem pó.

É a olfatória, localizada na porção superior da cavidade nasal, coberta com tecido


neuroepitelial com células olfatórias.

 Fonte: Adaptado. Netter, 2008


Os seios paranasais são cavidades pneumáticas intraósseas, ou seja, espaços localizados
em alguns ossos do crânio que contêm ar no seu interior. Esses seios têm a função de
manter os ossos mais leves, porém sua parede óssea é forrada por um mucoendósteo
contínuo com a mucosa respiratória, drenados para cavidade nasal por ação do epitélio
ciliar que possuem.

Outa função é de atuarem como câmara de ressonância. Os seios se abrem nos meatos
sendo que:

os seios frontal e maxilares desembocam no méato médio;

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 8/21
02/10/2018 Estácio

os seios esfenoidais desembocam no meato superior e;


os seios etimoidais nos meatos médio e superior.

 Fonte: Drake et al, 2005


Você pode estar se perguntando para que serve o meato nasal
inferior?

No meato nasal inferior desemboca o ducto nasolacrimal fazendo a ligação entre a


cavidade nasal e a cavidade orbital, ele é responsável por drenar as lágrimas para dentro
da cavidade nasal, sendo um dos principais mecanismos de umidificação do ar que entra.

Isso fica bem evidente quando forçamos para não chorar e aumentamos o volume de
secreção dentro da cavidade, chegando a ficar visível, pois aparece externamente.

O nariz se comunica posteriormente com a faringe por meio de duas aberturas, uma
pertencente a cada cavidade, as coanas.

Faringe
É um órgão comum aos sistemas respiratório e digestório, um tubo muscular
membranoso que possui a função de passagem para os sistemas comuns a ela, além de
exercer papel na fonação dos sons orais. A faringe é dividida em três partes:

Nasofaringe — também conhecida como rinofaringe, é a parte nasal da faringe e está


situada posteriormente ao nariz possui quatro aberturas:

duas em comunicação com a cavidade nasal (as coanas) e;


duas em comunicação com a tuba auditiva, essas recebem o nome de óstio
faríngeo da tuba auditiva, que possui uma limitação superior em forma de meia
lua, o toro tubário. Nesta região da faringe ainda possuímos uma estrutura
pertencente ao sistema linfático a tonsila faríngea 2.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 9/21
02/10/2018 Estácio

Orofaringe — é a parte oral da faringe situada abaixo da nasofaringe e posterior à


cavidade oral, da qual é separada pelo istmo 3 das fauces. Nessa região da faringe, mais
precisamente na fossa tonsilar, estão presentes as tonsilas palatinas 4.

Laringofaringe — é a parte laríngea da faringe, tem comunicação com laringe através


do ádito da laringe, que fica ao lado dos recessos piriformes, porém essa região também
se comunica com o esôfago.

 Fonte:Adaptado. Netter, 2008.


Laringe
É um órgão que tem a forma triangular, no qual a sua borda superior é mais larga e vai
se estreitando na região inferior com o formato arredondado. Ela se comunica
superiormente com a faringe através do ádito da laringe e inferiormente com a traqueia.

Sua principal atividade é a de fonação por meio da musculatura intrínseca que gera
tensão e regula as pregas vocais durante a produção do som. Essa musculatura também
auxilia no fechamento da laringe durante a deglutição. Também existem músculos para a
movimentação da laringe e são originários de estruturas ao redor da mesma, esses
músculos são extrínsecos.

A laringe é formada por três cartilagens pares e três cartilagens impares unidas por
ligamentos e músculos intrínsecos e extrínsecos.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 10/21
02/10/2018 Estácio

 Fonte:Adaptado. Netter, 2008.


Cartilagens ímpares
Tireoide — seu nome tem origem no grego tireos que se refere a escudo e a cartilagem
possui uma forma semelhante a um escudo. Das cartilagens da laringe é a maior e
responsável por dar a forma triangular da laringe. Devido a ser mais proeminente em
indivíduos do gênero masculino, por conta de ter um tom de voz mais grave e alto, ela é
conhecida como “pomo de Adão”.

 Fonte:Adaptado. Sobotta, 2012.


Cricoide — é uma cartilagem mediana que possui uma lâmina na região posterior e um
arco na região anterior, sustenta outras cartilagens direta ou indiretamente. Fica mais
inferior e tem a forma de um anel de sinete.

 Fonte:Adaptado. Sobotta, 2012.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 11/21
02/10/2018 Estácio

Cartilagens pares
Aritenoide — possui a forma piramidal, e essas pequenas cartilagens estão localizadas
na região superior da lâmina da cartilagem cricoide.

Corniculadas — localizadas no ápice das cartilagens aritenoides formam um pequeno


cone de tecido elástico.

Cuneiforme — situada à frente das cartilagens corniculadas, essas pequenas cartilagens


elásticas ao se movimentarem para trás geram tensão nas pregas vocais.

 Fonte:Adaptado. Drake et al, 2005.


Traqueia
É um órgão cuja função é simplesmente de passagem de ar. Ela é um tubo cilíndrico de
aproximadamente 13cm que se estende da 6ª vertebra cervical até a 5ª vértebra
torácica, logo é um órgão cervicotorácico. Fica situada entre a laringe e os brônquios e
é composta por uma parede fibrocartilagínea e musculomembranácea.

Ela é composta por 20 anéis incompletos de cartilagem hialina em forma de ferradura,


esses anéis são fechados na parte posterior por musculatura lisa e o espaço entre esses
anéis é composto por tecido conjuntivo fibroso.

A sua camada mais interna, a mucosa, é composta por epitélio cilíndrico


pseudoestratificado e ciliado, com células que secretam o muco. A função dos cílios é
de “varrer” as partículas inaladas para a faringe para serem deglutidas.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 12/21
02/10/2018 Estácio

 Fonte:Adaptado. Sobotta, 2012.


Entre os 2º e 4º anéis traqueais temos a glândula tireoide, que recebe esse nome por ter
a forma de escudo e não por estar sobre a cartilagem tireoide.


Saiba mais

Nomenclatura otorrinolaringológica "traqueotomia ou traqueostomia”


<http://oldfiles.bjorl.org/conteudo/acervo/acervo.asp?id=211> . Acesso
em: 18 set. 2018.

Brônquios
Originam-se em uma bifurcação da traqueia que recebe o nome de carina, mas essa
carina não é um epônimo e sim derivado do grego karína que significa quilha em uma
referência à quilha dos barcos.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 13/21
02/10/2018 Estácio

 Fonte: http://www.nauticurso.com.br/
<http://www.nauticurso.com.br/interpretando-
linhas-projeto.html>

 Fonte: Adaptado. Drake et al, 2005.


Os brônquios são tubos que se estendem da traqueia em direção aos pulmões para
formarem a árvore brônquica. Eles são compostos basicamente da mesma estrutura da
traqueia, porém, à medida que vão se estreitando aumenta a quantidade de musculatura
lisa e diminui a de fibrocartilagem.

Na 5ª vertebra torácica ocorre a divisão da traqueia em brônquios direito e esquerdo,


sendo o esquerdo mais verticalizado e largo, deixando esse brônquio mais exposto em
caso de broncoaspiração, sendo o primeiro a ser investigado.

Divisões:

Brônquios Principais - subdividem-se em:

Brônquios Lombares - 3 direitos e 2 esquerdos.


Brônquios Segmentares para cada brônquio lobar.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 14/21
02/10/2018 Estácio

Bronquíolos Terminais para cada Segmentar.


Ductos Alveolares para cada Bronquíolo.
Alvéolos.

 Fonte: Adaptado. Netter, 2008.


Pulmões
São órgãos que possuem uma forma cônica e estão localizados nos espaços pleurais do
mediastino, os quais preenchem completamente. Possuem uma forma côncava com o
mediastino. Eles se estendem um pouco acima da clavícula até um pouco acima do
diafragma.

Cada pulmão possui três faces:

1. A mais lateral: face costal;


2. A mais inferior: face diafragmática;
3. A voltada para o plano mediano: a face mediastínica na qual encontramos o hilo
pulmonar.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 15/21
02/10/2018 Estácio

 Fonte: Por Andrii_M / Shutterstock


O pulmão se caracteriza por ser uma massa esponjosa, que no adulto apresenta uma
coloração cinza-azulada e na criança uma cor mais rósea. Ele é responsável pela
hematose e os elementos, a seguir, formam o pedículo ou raiz do pulmão:

 Brônquio principal
 Artéria pulmonar
 Veias pulmonares

 Pulmão direito. |Fonte: Sobotta, 2012

 Pulmão Esquerdo. |Fonte: Sobotta, 2012


Os pulmões são recobertos por uma membrana serosa, a pleura. A pleura se reflete no
nível da raiz para forrar inferiormente a cavidade torácica, sendo cada conjunto
pleuropulmonar independente.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 16/21
02/10/2018 Estácio

A pleura possui duas lâminas uma sendo bem íntima ao pulmão (a pleura visceral) e a
outra em contato com região relacionada às faces do pulmão (a pleura parietal), que é
dividida em:

 Parte costal
 Parte diafragmática
 Parte mediastinal

 Fonte: Adaptado. Drake et al, 2005.


Podemos dividir os pulmões anatomicamente ou em uma divisão mais funcional em
segmentos:

Divisão Anatômica:

Pulmão direito Pulmão esquerdo

• Fissuras oblíqua e horizontal; • Fissura oblíqua;


• Lobos superior, médio e inferior. • Lobos superior e inferior.

Divisão em segmentos:

Pulmão direito Pulmão esquerdo

• Lobo superior – apical, anterior e Lobo superior – apicoposterior, anterior,


posterior; lingular superior e lingular inferior;
• Lobo médio – medial e lateral; • Lobo inferior – superior, basilar medial,
• Lobo inferior – superior, basilar medial, basilar inferior, basilar lateral e basilar
basilar anterior, basilar lateral e basilar posterior.
posterior.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 17/21
02/10/2018 Estácio

 Fonte: Adaptado. Netter, 2008.

 Fonte: Adaptado. Netter, 2008.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 18/21
02/10/2018 Estácio

Atividade
1. O Sistema Respiratório é composto por duas partes, sendo que uma delas é
responsável por conduzir o ar até os pulmões. Nessa parte existe um órgão comum
ao sistema respiratório e ao sistema digestório. Das alternativas abaixo qual órgão
pertence aos dois sistemas?

a) Laringe
b) Faringe
c) Esôfago
d) Boca
e) Nariz

2. Das cartilagens da laringe uma delas é ímpar e responsável por dar a forma
triangular da laringe, seu nome se dá pela semelhança com um escudo. Marque a
alternativa referente à cartilagem que possui essas características:

a) Corniculada
b) Epiglote
c) Cricoide
d) Tireoide
e) Aritenoide

3. Correlacione a porção com o órgão correspondente.

a) Traqueia; Faringe; Laringe.

b) Bronquíolos; Ductos alveolares

4. Diferencie anatomicamente o pulmão direito do pulmão esquerdo.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 19/21
02/10/2018 Estácio

Notas
1
Regular a temperatura

Apesar de alguns livros tratarem como aquecer, considerando que a temperatura média
do ar em nível alveolar é de 37º C e em alguns momentos a temperatura ambiente é
superior a essa, logo nesses momentos a cavidade nasal resfria o ar que entra. Por isso o
termo mais correto é regular a temperatura.

Tonsila faríngea 2

Conhecida como adenoide.

3
Istmo

É a abertura presente na região da faringe.

4
Tonsilas palatinas

Conhecidas como amígdalas.

Referências

DÂNGELO, J. G.; FATTINI, C. A. Anatomia sistêmica e segmentar. 2 ed. São Paulo:


Atheneu, 2000.

DI DIO, Liberato J. A. Tratado de anatomia sistêmica aplicada. 2 ed. São Paulo,


Atheneu, 2002.

DRAKE, Richard L.; VOGL, A. Wayne; MITCHELL, Adam W. M. Gray’s anatomia para
estudantes. Rio de Janeiro, Elsevier, 2005.

DRAKE, Richard L.; VOGL, A. Wayne; MITCHELL, Adam W. M.; TIBBITTS, Richard M.;
RICHARDSON, Paul E. Gray’s atlas de anatomia. Rio de Janeiro, Elsevier, 2009.

GILROY, Anne M.; Mac PHERSON, Brian R.; ROSS, Lawrence M. Atlas de anatomia. Rio
de Janeiro, Guanabara Koogan, 2008.

HANSEN, John T. Netter anatomia para colorir. 1. ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2010.

MOORE, Keith L.; DALLEY, Arthur F. Anatomia orientada para a clínica. 5. ed. Rio de
Janeiro, Guanabara Koogan, 2007.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 20/21
02/10/2018 Estácio

MOORE, Keith L.; AGUR, Anne M. R. Fundamentos da anatomia clínica. 2. ed. Rio de
Janeiro, Guanabara Koogan, 2004.

NETTER, Frank Henry. Atlas de anatomia humana. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier,
2008.

SNELL, Richard S. Anatomia clínica para estudantes de medicina. 5. ed. Rio de


Janeiro, Guanabara Koogan, 1999.

SOBOTTA, Johannes et al. Sobotta atlas de anatomia humana. 23. ed. Rio de Janeiro,
Guanabara Koogan, 2012.

VAN DE GRAAFF. Anatomia humana. 6. ed. Barueri: Manole, 2003.

Próximos Passos

O caminho do alimento no tubo alimentar;


As glândulas anexas ao tubo alimentar;
A função e divisão do intestino delgado.

Explore mais

Pesquise na internet sites, vídeos e artigos relacionados ao conteúdo visto. Em caso de


dúvidas, converse com seu professor online por meio dos recursos disponíveis no
ambiente de aprendizagem.

O estetoscópio e os sons pulmonares: uma revisão da literatura


<https://www.revistas.usp.br/revistadc/article/download/59201/62218>
. Acesso em: 07 set 2018.
O que é sinusite e como tratar <https://www.tuasaude.com/sinusite> .
Acesso em: 07 set. 2018.
Rinite: o que é, sintomas e tratamentos
<https://www.minhavida.com.br/saude/temas/rinite> . Acesso em: 07 set.
2018.
Asma e bronquite não são a mesma coisa
<https://saude.abril.com.br/blog/experts-na-infancia/asma-e-bronquite-
nao-sao-a-mesma-coisa/> . Acesso em: 07 set. 2018.

file:///W:/2018.2/anatomia_sistemica__DIS027__GON809__REF020/aula6.html 21/21