Você está na página 1de 5

OBSERVAÇÃO DA SOMBRA DE UM GNÔMON VERTICAL NO EQUINÓCIO

NOME: ADRIANO PIERES

1. Faça o diagrama representando o gnômon e sua sombra no(s) instante(s) em que


você fez sua(s) medida(s). Indique no desenho o ângulo que representa a altura do
Sol.
R.:

l = sombra horizontal do gnômon


1

l = projeção da sombra horizontal


2

no sentido leste-oeste
Gnômon
as
a = ângulo de altura do Sol E
N
s

l
1

l
2

W S

2. Usando os dados obtidos, calcule a altura do Sol correspondente ao(s) instante(s) de


sua medida.
R.: Segue uma tabela com os dados obtidos para todas as medidas:
Comp. Sombra
Tempo Tempo (h) (m)
h min l1 l2 hipo x y altura(graus)
10 50 10,83 0,83 0,61 1,299577 1,150163 -0,61 50,30225227
11 20 11,33 0,71 0,42 1,226418 1,152259 -0,42 54,61973802
11 50 11,83 0,64 0,25 1,187266 1,160646 -0,25 57,37496884
12 20 12,33 0,60 0,10 1,16619 1,161895 -0,10 59,03028839
12 33 12,55 0,59 0,03 1,161077 1,160689 0,03 59,45339739
13 37 13,62 0,68 0,30 1,210987 1,173239 0,30 55,66130872
13 47 13,78 0,70 0,40 1,217795 1,151955 0,40 55,19513131
14 6 14,10 0,78 0,48 1,268227 1,175915 0,48 52,04051919
14 16 14,27 0,82 0,55 1,293847 1,171128 0,55 50,60889904
14 32 14,53 0,89 0,65 1,339358 1,17106 0,65 48,29408996
14 46 14,77 0,95 0,73 1,375872 1,166244 0,73 46,61505489
15 1 15,02 1,07 0,88 1,464548 1,174425 0,88 43,05885576
15 18 15,30 1,19 1,01 1,554381 1,181524 1,01 40,03751003
15 32 15,53 1,20 1,14 1,56205 1,067895 1,14 39,80155584
15 50 15,83 1,48 1,34 1,786169 1,181017 1,34 34,04250309
16 9 16,15 1,72 1,59 1,989573 1,195952 1,59 30,17047638
Média 1,168541
Dp 0,01268
Neste gráfico, x é a componente da sombra na direção Norte-Sul e y é a componente na
direção Leste-Oeste.

Para calcularmos a altura do Sol, podemos fazer tg (alfa) = (l1)^(-1) ou ainda podemos
fazer 1/hipotenusa = seno (altura). Este dado aparece na última coluna.

3. Que relação existe entre a altura do Sol e o tamanho da sombra do gnômon?


R.: Ver resposta anterior.

4. Dentre as sombras que ficaram marcadas no solo, há uma que é a mais curta de
todas. Que implicação tem isso com relação à altura do Sol sobre o horizonte?
Como se chama esse instante do dia?
R.: Este instante do dia é o ponto de culminação do Sol e corresponde, ao horário do
meio-dia. È o instante do dia em que o Sol apresenta maior altura.

5. Em qual sentido se moveram as sombras do gnômon ao longo do dia? Qual será a


relação deste movimento com o que têm as agulhas de um relógio tradicional (se
movem no mesmo sentido ou no sentido contrário)? E no hemisfério norte, em que
sentido se movem as sombras de um gnômon?
R.: As sombras na nossa observação se moveram de Oeste para Leste, no lado Sul, ou
seja, no sentido contrário ao dos ponteiros de um relógio. Já no Hemisfério Norte, as
sombras se movem de Oeste para Leste mas no lado Norte de um gnômon. Ou seja, no
sentido horário.

6. Há algum dia do ano em que o gnômon, em algum momento, deixe de dar sombras
aqui em Porto Alegre? Tem alguma região do Brasil em que isso acontece?
Justifique sua resposta.
R.: Em Porto Alegre, com latitude de 30 graus, o Sol não chega a atingir o zênite em
seu ponto máximo de movimento em direção ao Pólo Sul celeste. Na Terra, nas regiões
entre o Trópico de Capricórnio e o Trópico de Câncer (latitudes em módulo menor ou
igual à inclinação do eixo terrestre) o Sol, em pelo menos um dia do ano, atinge o
zênite. No Brasil, esta latitude corresponde à da cidade de São Paulo e todo o restante
mais ao Norte do país.

7. Ao finalizar a observação, unimos todos os pregos com uma linha grossa. Qual a
forma da linha assim construída? Qual o ângulo que ela forma com respeito à linha
Norte-Sul?
R.: A linha construída possui uma forma retilínea que corresponde ao sentido Oeste-
Leste, com uma pequena variação graças ao movimento do Sol em declinação durante o
dia. Esta linha forma um ângulo de 90 graus com a linha Norte-Sul.

8. Em que ponto do horizonte o Sol nasceu no dia do equinócio? E que ponto se pôs?
R.: O Sol neste dia nasceu no ponto Leste e se pôs no Oeste.

9. Dado que as extremidades das sombras ficam alinhadas em uma reta no dia do
equinócio, quantas horas de luz (dia) e quantas horas sem luz (noite)haverá em 20
de março? Em em 22 de setembro?
R.: Haverá 12 horas com o Sol acima do horizonte (tomando o centro do Sol como
referência) e 12 horas com o Sol abaixo do horizonte, bem como no equinócio da
primavera, no dia 22 de setembro.

10. Se você estivesse numa cidade dos Estados Unidos fazendo essa mesma medida,
que forma teria a linha unindo as extremidades de todas as sombras? E se estivesse
na Europa? E na Ásia? Na África? Quantas horas de luz e quantas horas de sombra
tem em qualquer desses lugares no dia do equinócio?
R.: Em qualquer lugar do mundo, exceto nos pontos muito próximos dos pólos, há 12h
de iluminação e 12h de sombra. E as extremidades das sombras formam igualmente
uma linha reta. Nos pólos, sendo que o Sol está na linha do horizonte, os objetos não
chegam a formar sombra no solo.

11. Quantas horas de luz e quantas horas sem luz haverá em outros dias do ano distintos
de 20 de março e de 22 de setembro, em comparação com estes dias? Qual a relação
disso com as estações do ano?
R.: Nos dias posteriores a 20 de março, no Hemisfério Sul, haverá a diminuição
progressiva do período de iluminação solar (dia), ate chegarmos no máximo da
declinação solar, caracterizando civilmente o período do inverno em nosso hemisfério.
Após isso, haverá o aumento progressivo dos dias até um máximo que será o solstício
de verão em nosso hemisfério, próximo a 22 de dezembro, passando pelo equinócio da
primavera, no dia 22 de setembro, quando haverá dia e noite com a mesma duração
(12h). Com a diminuição do período de insolação e o aumento do período de
resfriamento do planeta (noite), há uma menor temperatura média hemisférica,
caracterizando o inverno. Contrariamente, com o aumento do periodo de insolação, há o
aumento de temperatura, caracterizando o verão.

12. Se repetirmos a observação daqui a 2 meses, como você espera responder à questão
8?
R.: O Sol nascerá, daqui a dois meses, mais próximo do ponto Norte que agora.

13. E a questão 9?
R.: E haverá dias mais curtos, com um menor período de insolação e um maior período
de resfriamento da Terra (noite).

14. É possível que em muitos livros seja encontrada a seguinte explicação: “para saber
quais são os pontos cardeais, coloque-se em pé de braços abertos, de maneira que
seu braço direito aponte para o nascer do Sol; seu peito indicará o Norte, o braço
esquerdo o Oeste e suas costas o Sul”. Você acha que esta explicação está correta?
Se sua resposta for não, explique de que maneira ela deveria ser modificada para
que se pudesse utilizá-la corretamente.
R.: Na verdade, há uma aproximação dos fatos, visto que apenas nos dias do solstício o
Sol nasce no ponto Leste e se põe no ponto Oeste. Nos outros dias o Sol está mais para
o Sul ou mais para o Norte, sendo que este desvio é maior quanto maior for a latitude
do lugar, chegando a um máximo nos pólos, onde o Sol aparentemente apenas gira
tendo como eixo o zênite. Esta explicação poderia ser divulgada corretamente citando
que apenas nos dias 20 de março e 22 de setembro o Sol está precisamente (mesmo não
sendo com total precisão) nascendo no ponto Leste e se pondo no ponto Oeste ou então
acrescentando a palavra “aproximadamente” ao ponto onde o Sol nasce e se põe, para
as latitudes próximas de zero.

Obs.: Acrescentei os gráficos que tinha enviado anteriormente. Note que, mesmo com
uma medida passível de sofrer muitos erros devido à precariedade dos métodos,
conseguimos comprovar o movimento do Sol no sentido Sul-Norte. No entanto, temos
que tomar cuidado para que este resultado não seja produto de um mau posicionamento
do eixo Norte-Sul.
O último gráfico mostra o resultado da distância (x em metros) em função do tempo
(em horas). Apenas um resultado da tabela foi suprimido, para evitar um valor de R^2
muito grande (quanto mais próximo de 1, mais fiel é a reta).
Fiz meus cálculos em grandes linhas, calculei a velocidade de variação do Sol como em
torno de 5,2 x 10^-4 graus por hora, o que nos dá um valor bem maior do que a
derivada da reta calculada no gráfico acima.