Você está na página 1de 4

A porta entre a vida e o além

Lucas 9:23-25
João 10:9
Rev. Alcenir nOliveira
5 de dezembro de 2010

O ministério de Cristo tem um marco de divisão. É o momento em


que os dissípulos reconhecem que ele não é o messias, o libertador, o rei
secular que assumiria o trono para fazer face ao domínio romano, mas que
ele é o Messias Filho do Deus Vivo. É isso que acontece também hoje
quando o pecador nota que o Cristo tão popular do dia de hoje não é apenas
um revolucionário, caridoso e profeta, mas o Filho de Deus que tira o pecado
do mundo e oferece vida para além dos limites deste mundo. A vida dele se
divide no antes e no depois, sendo agora alguém que confessa Jesus como o
Filho do Deus Vivo.
Esta é a prova final do curso de preparação do dissipulado de Cristo.
Os dissípulos, representados por Pedro, são aprovados ao confessarem a
verdadeira natureza de Cristo. Agora Jesus inicia junto com eles uma nova
fase, ou seja, o início de sua caminhada para Jerusalém. Eu diria que eles
fizerem o curso teórico ou teológico, e estão agora começando o estágio para
a monografia de final de curso.
É isso que se passa com o pecador arrependido. Na primeira fase ele
conhece a Cristo Filho de Deus, salvador, se reconhece pecador e
necessitado de salvação, crê e é salvo. Aí então começa sua vida cristã
prática. Como na vida dos apóstolos, eles vão encontrar momentos de
dúvidas e incertezas em que o Espírito Santo batalhará para redirecioná-los
para a trajetória de Cristo, e assim tomar a sua cruz, a cruz da vida cristã.
Olhando para a agenda de Lucas, vemos que ele omite um episódio
importante em sua narrativa que é o diálogo duro de Jesus Cristo com Pedro.
Pedro já havia reconhecido nele o Filho de Deus, mas sua cabeça ainda
estava fincada nas coisas deste mundo. Ele não tinha conseguido formar uma
imagem da glória de Cristo contida no Reino de Deus, bem como não tinha
entendido a trajetória que o Mestre deveria percorrer até a descida do
Espírito Santo.
A cabeça de Pedro vai começar a ser iluminada quando Jesus o separa
juntamente com Tiago e João e os leva para o monte onde visualizam uma
parte do Reino, onde podem notar a presença de Moisés e Elias que têm uma
conversa com Cristo.
A ousadia de Pedro, entretanto, aflora e logo faz uma nova proposta
outra vez contrária à trajetória que Cristo havia começado a percorrer, fazer
ali uma tenda. Pedro queria antecipar a glorificação e assumir o céu de
imediato.
Às vezes ficamos extasiados com as maravilhas da glória de Deus e
desejamos antecipar a glorificação, no nosso tempo, ao invés do tempo de
Deus como diz as escrituras. É isso que aconteceu com Pedro.
Mas Jesus tem que prosseguir. Afasta de mim ... afasta de mim essa
idéia maluca, essa idéia enganadora, como Filho de Deus eu tenho coisas
maiores do que um simples reino terreno para a humanidade. Eu tenho um
Reino que compreende a verdadeira glória de Deus.
Há muitos crentes que se sentem meio que decepcionados quando
precisam entender que o que temos em Cristo é muito mais precioso do que
o que podemos alcançar de conforto material aqui. Isso porque são crentes
que assimilaram só os milagres de Cristo, mas não assimilaram a sua
palavra.
A palavra de Cristo é da cruz, e não dos milagres. Os milagres
mostram o que e quem ele é. A Cruz mostra o que ele fez e o que também
nós devemos fazer: trazer todas as coisas que nos prendem e pendurar ali na
cruz e carregá-la até à porta da glória.
Jesus deixa então os dissípulos e dirige-se à multidão e começa a
ensinar: se alguém quiser vir comigo, na caminhada da vida cristã, a vida
de crente, tem que tomar a sua cruz e seguir-me ...
Dali Jesus segue para Jerusalém levando a sua cruz. Em Jerusalém ela
se materializa em uma madeira onde ele é pregado.
A caminhada da cruz de Cristo terminou ali na Grande Porta, a
grande porta que separa esta vida do além. E com isso ele abriu caminho
para nós trazermos nossa cruz até à porta.
É sobre essa porta que quero meditar um pouco.
Nós somos seres inteligentes e uma das coisas mais desafiadoras para
a humanidade é o seu tempo de vida. Uma das perguntas mais comuns no
inconsciente humano é "por quê vivemos tão pouco?". Diz-se que a morte é
a coisa mais certa na vida! Isso é dramático, mas é realidade, ninguém vive
para sempre; aliás, poucos vivem mais de cem anos.
Querendo ou não, temendo ou não, vai chegar o momento de
nos apresentar diante da grande porta que separa este mundo do outro. Para
nós que cremos na existência da vida eterna e somos resgatados em Cristo
para viver com ele no céu, chegar diante da porta é um momento de vitória,
como disse Paulo "para mim o morrer é lucro e o viver é Cristo. Fil 1:21".
Para aqueles que não crêem em nada, não crêem na vida eterna, não
crêem em Cristo e no plano de salvação que Deus tem para a humanidade é
um grande desespero ver conscientemente que estão caminhando para uma
coisa desconhecida, sem sentido e muito temerosa porque não têem a menor
idéia do que vão encontrar do outro lado da porta. A grande certeza que eles
têem, e disto não há como duvidar, é que a porta existe e eles não têem como
fugir dela. A outra grande certeza é de que, a cada dia que passa, a chegada
diante dessa porta se aproxima mais.
Há pessoas que ouvem a Palavra de Deus e o convite do salvador para
mudar de vida. Entretanto, os prazeres do mundo, os desejos da carne, a
ambição, o egoísmo, o desejo de ter e desfrutar de tudo que é possível vem
em primeiro lugar sempre em sua vida e apaga a necessidade de crer. De vez
em quando eles se pegam pensando na injustiça de viver por tão pouco
tempo.
Por exemplo, é muito injusto trabalhar e criar uma fortuna, um
patrimônio milionário, que geralmente acontece na vida de alguém por volta
dos 60 anos de idade, e saber que tem apenas uns 20 a 30 anos para
desfrutar. Isso, porém, se um cancer, ou uma aids, ou um acidente aéreo ou
um acidente de carro não o colocar diante da GRANDE PORTA sem que ele
espere.
Mesmo assim, suas preocupações são tão grandes com a
adminsitração de sua vida, os prazeres, as festas, os relacionamentos
maravilhosos, as prioridades de sua vida não os permite crer na existência de
um plano divino para a humanidade. Para eles não há razão para essas
cosias, já que o mundo é tão racional.
A esses resta esperar para ver ... Eu porém pergunto: "E você?Você
vai esperar para ver, ou quer experimentar o chamado de Cristo e não ser
pego de surpresa diante da GRANDE PORTA?". Medite sobre João 10:9.