Você está na página 1de 3

LÍNGUA ESCRITA E LÍNGUA FALADA

Observe a frase abaixo:


Mim gosta ganhá dinheiro

Certamente você entendeu o significado dela e entendeu porque ela está baseada num código
que você conhece: a língua portuguesa. Mas é certo também que essa frase foge dos padrões da
escrita e da fala convencionais, ou seja, não obedece aos princípios fundamentais da gramática da
nossa língua.
A gramática é o conjunto de regras e princípios que orientam o funcionamento da língua.
Modernamente, podemos distinguir pelo menos dois tipos diversos de gramática: a normativa, que
estabelece as regras a serem seguidas por todos aqueles que querem "falar e escrever corretamente",
e a descritiva, que tem como objetivo descrever e analisar a língua utilizada por um determinado
grupo de pessoas num dado momento histórico.

ERRO GRAMATICAL E ERRO LINGÜÍSTICO


Nossa vida em sociedade está sujeita a algumas regras que devemos obedecer.
O mesmo acontece com a língua e a linguagem: elas têm normas, princípios que precisam ser
obedecidos. Geralmente, achamos que essas regras dizem respeito apenas à gramática normativa.
Tanto isso é verdade que, para a grande maioria das pessoas, expressar-se corretamente em língua
portuguesa significa não cometer "erros" de ortografia, concordância verbal, acentuação, etc.
Há, no entanto, outro erro, mais comprometedor do que o gramatical: é o erro de inadequação
do nível da linguagem verbal ao contexto.
Em casa ou com os amigos, nós empregamos uma linguagem mais informal do que nas provas
da escola, por exemplo. Ao conversar com nossos avós, não convém utilizar algumas gírias, pois
eles poderiam ter dificuldade em nos compreender. Numa dissertação solicitada num vestibular ou
num concurso público já precisamos empregar um vocabulário mais formal.
Esses fatos nos levam a concluir que existem níveis de linguagem. Vamos destacar dois
desses níveis: o coloquial e o culto.

Nível coloquial da linguagem verbal


É aquele nível de linguagem empregado no cotidiano. Geralmente é informal, incorpora gírias
e expressões populares e não obedece, necessariamente, às regras da gramática normativa.

Nível culto da linguagem verbal


Trata-se de uma linguagem mais formal, que segue os princípios da gramática normativa. Esse
nível de linguagem é empregado na escola, no trabalho, nos jornais, nos livros e em situações mais
convencionais.

Dominar uma língua, portanto, não significa apenas conhecer normas gramaticais, mas,
sobretudo, empregar adequadamente essa língua em várias situações do dia-a-dia: na escola, com os
amigos, num exame de seleção, no trabalho.

COMUNICAÇÃO ORAL / COMUNICAÇÃO ESCRITA


A redação é um ato de comunicação que utiliza a língua escrita. Entre a língua falada e a
escrita existem diferenças marcantes. Escrever um texto é diferente de falar uma mensagem, pois
cada uma dessas formas de expressão tem características próprias, que você deve levar em conta ao
produzir uma redação. As diferenças fundamentais entre a língua falada e a escrita são as seguintes:

1) A língua escrita não apresenta recursos como a entonação e o ritmo, que enriquecem a
língua falada.

2) Quando falamos, podemos utilizar recursos da linguagem não-verbal, como gestos e


expressões fisionômicas, o que não ocorre na comunicação escrita.

3) O emissor da mensagem falada pode perceber imediatamente a reação do receptor


(interlocutor), fato impossível no caso da mensagem escrita.

4) Na língua falada geralmente há repetição de palavras e emprego de gírias e expressões


populares em maior quantidade do que na escrita.

5) Muitas vezes, as frases na língua falada são interrompidas antes de nosso pensamento se
completar. Basta percebermos que fomos compreendidos pelo interlocutor para cortarmos a frase.
6) A língua falada utiliza a palavra sonora, espontânea e imediata. Além disso, ela é repetitiva
e redundante.
7) A fala requer a presença física de interlocutores e o contexto extralingüístico é muito
importante.
8) A língua escrita utiliza a palavra gráfica, que tende a ser mais objetiva, e possui maior
elaboração das frases para evitar improvisações.
Enquanto a língua falada é espontânea e natural, a língua escrita precisa seguir algumas regras.
Embora sejam expressões de um mesmo idioma, cada uma tem a sua especificidade. A língua
falada é a mais natural, aprendemos a falar imitando o que ouvimos. A língua escrita, por seu lado,
só é aprendida depois que dominamos a língua falada. E ela não é uma simples transcrição do que
falamos, pois está mais subordinada às normas gramaticais. Portanto, requer mais atenção e
conhecimento de quem fala.
Além disso, a língua escrita é um registro, permanece ao longo do tempo, não tem o caráter
efêmero da língua falada.

Bibliografia:
- Língua e Literatura. Faraco & Moura. São Paulo, Ática, 1998, pp.20-21, volume único.