Você está na página 1de 4

O Que é Poligamia?

Deus
Permitiu a Poligamia na Bíblia?

Equipe Estilo Adoração

A poligamia na Bíblia é um assunto que desperta muita curiosidade e dúvida


nas pessoas. A poligamia é a prática de se ter mais de uma esposa ou marido
dentro de um casamento.
Sabemos que muitos personagens bíblicos tiveram mais de uma mulher, e diante
disto, geralmente surgem algumas perguntas: O que é a poligamia? Como
entender a poligamia na Bíblia? Por que Deus permitiu a poligamia? Por que
homens piedosos tiveram mais de uma mulher na Bíblia?

A poligamia no Antigo Testamento


A poligamia era praticada nos tempos do Antigo Testamento, inclusive por
homens tementes a Deus. No entanto, o primeiro caso de poligamia registrado na
Bíblia foi com a pessoa do impiedoso Lameque, descendente de Caim (Gênesis
4:19).
O importante patriarca Abraão também praticou a poligamia (Gênesis 16:1-3; 25:1-
6), assim como seus netos, Esaú e Jacó (Gênesis 26:34,35; 28:9; Gênesis 29:21-35).
Nos tempos dos juízes de Israel, o notável Gideão foi poligâmico (Juízes 8:30),
enquanto que o pai do profeta Samuel também possuía duas esposa: Ana e Penina
(1 Samuel 1:1,2).
No período da monarquia, a poligamia também caracterizou o casamento de
muitos reis. Durante esse período, obviamente os casos que mais chamam a
atenção são: o rei Davi, com várias esposas e concubinas (1 Samuel 25:40-43; 2
Samuel 3:2-5; 5:13; 2 Crônicas 14:3); e o rei Salomão, que teve setecentas esposas e
trezentas concubinas (1 Reis 3:1; 11:1-3).
Também é verdade que a Lei Mosaica não proibia a poligamia, mas a
regulamentava (Êxodo 21:10). Tal regulamentação tinha por objetivo proteger os
direitos e a dignidade das esposas e dos filhos gerados por elas, e desencorajar os
homens a terem haréns (Deuteronômio 17:17; 21:15-17; 1 Reis 11:3).
Além disso, dentro da Lei, a poligamia também não era interpretada como uma
violação do mandamento que proíbe o adultério (Êxodo 20:14; cf. Gênesis 39:9).
Sob este aspecto, o adultério consistia no ato de tomar a mulher de outro homem,
mas não de possuir para si mais de uma mulher legitima.

Por que a poligamia era praticada?


Em linhas gerais, a poligamia era praticada com base em diferentes
motivações. Os reis geralmente praticavam poligamia para estabelecer alianças
políticas, como aconteceu com o rei Salomão ao se casar com a filha de Faraó, e rei
Acabe ao se casar com a princesa Jezabel (1 Reis 3:1; 16:31).
Outras vezes a poligamia era praticada para aumentar a descendência de um
homem. Naquela época quanto mais filhos um homem tivesse melhor seria,
especialmente por causa das constantes guerras que aumentam em muito as taxas
de mortalidade (cf. Juízes 8:30; 1 Crônicas 7:4).

Ainda com base nesta questão da descendência, muitas vezes um homem também
recorria a uma segunda esposa por causa da esterilidade de sua primeira mulher.
Finalmente, havia também aqueles que se casavam com outras mulheres por
sentimento ou por algum tipo de paixão.

Por que Deus permitiu a Poligamia?


Primeiramente é importante entender que a poligamia nunca foi a intenção
original de Deus para o relacionamento conjugal. Quando Deus uniu Adão e
Eva, Ele foi muito claro ao dizer: “Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e
apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne” (Gênesis 2:24).
Observe o uso do singular nesta frase, ou seja, o homem deve se apegar “à sua
mulher” para com ela formar uma só carne, e não “às suas mulheres”, ou seja, Deus
deu a Adão uma única esposa, não várias esposas.
Além disso, como foi dito, o primeiro exemplo de poligamia na Bíblia ocorreu com
Lameque, um homem ímpio e depravado, após a Queda do Homem. Isto significa
que antes da origem do pecado na humanidade, não havia a poligamia, e, portanto,
tal prática teve origem na corrupção da natureza humana.
Também não há nenhuma passagem bíblica que coloque a poligamia como
regra para um relacionamento conjugal ao lado da monogamia, ao contrário,
a poligamia sempre é retratada como uma exceção. Portanto, sempre é o
casamento monogâmico que aparece como o padrão a ser adotado (Provérbios
5:15-20; 12:4; 19:14). Sob este aspecto, a monogamia no casamento também foi
utilizada pelos profetas como figura do relacionamento entre Deus e seu povo
escolhido (Isaías 54:1-8; Jeremias 2:1,2; 3:20).
Diante de tudo isto, a melhor maneira de tratar este assunto é entender que
Deus jamais aprovou a poligamia, mas apenas tolerou e permitiu tal prática
como uma medida temporária por causa da dureza do coração pecaminoso do
homem.
Então muitas especulações têm sido levantadas para tentar explicar o porquê de
Deus ter tolerado a poligamia. As principais delas apontam para o fato de que
naquela época uma mulher que não tivesse um marido estava completamente
desamparada. Inclusive, muitas delas, acabavam recorrendo à prostituição como
meio de sobrevivência.

Combinado a isto, também é verdade que a população de homens era muito


menor que a população de mulheres. Os homens estavam constantemente
envolvidos em guerras, e rotineiramente muitas mulheres acabam tornando-se
viúvas.

Portanto, devido a uma sociedade corrompida pelo pecado e envolvida em diversas


limitações, Deus parece ter tolerado a poligamia e permitido uma regulamentação
na Lei nesse sentido, especialmente em misericórdia às mulheres e seus filhos, a fim
de protegê-las de uma situação ainda pior resultante da depravação total da
humanidade.
A poligamia ainda é aceitável? O que o
Novo Testamento diz?
Não, a poligamia não é aceitável! Mesmo no período da Antiga Dispensação
quando os casamentos poligâmicos eram tolerados por Deus, as Escrituras retratam
de forma bastante clara suas terríveis consequências, que destroem a unidade e
harmonia familiar e podem até levar seus envolvidos à ruína (Gênesis 16:4; 29:30;
30:1-26; 1 Samuel 1:5-8; 2 Crônicas 11:21).
Já na época do Novo Testamento, o próprio Jesus apontou para o casamento
monogâmico como sendo o padrão original de Deus para o matrimônio, e que
qualquer comportamento contrário a isto, é resultado da dureza do coração
do homem (Mateus 19:1-9).
No período apostólico, a Igreja Primitiva já havia entendido que a monogamia, e
não a poligamia, era o tipo de relacionamento conjugal que Deus desejava para seu
povo (1 Coríntios 7:1-2). Aos líderes das comunidades cristãs, foi dada a
recomendação explicita de que deviam ser “marido de uma só mulher” (1 Timóteo
3:2-12; Tito 1:3-5).
Outra passagem que claramente aponta para a importância da monogamia no
casamento é a comparação que o apóstolo Paulo faz entre o casamento
monogâmico e o relacionamento de Cristo e sua Igreja (Efésios 5:22,23). Cristo tem
uma só esposa, a Igreja, e a Igreja um só esposo, Cristo.
Também não se deve esquecer que a poligamia, quando tolerada pelo Senhor,
estava inclusa no contexto da Antiga Dispensação, onde, de acordo com a
revelação progressiva de Deus, muita coisa foi permitida, mas quando Cristo se
manifestou trazendo a Nova Dispensação, tais coisas foram abolidas, e o que era
temporário e imperfeito deu lugar ao que é permanente e perfeito, de modo que o
próprio Cristo revela o propósito pleno de Deus para seu povo.

Portanto, mesmo não encontrando uma proibição explicita de Deus contra a


poligamia na Bíblia, nitidamente é possível perceber que o relacionamento
poligâmico é uma distorção do propósito original de Deus para o casamento, e é
resultante da natureza pecaminosa do homem, causando-lhe terríveis
consequências e grandes sofrimentos.