Você está na página 1de 14

Malfeitores Jesuítas: Escondendo a Terra

Plana & o Sábado Lunar!


A Ordem dos Jesuítas foi o cérebro por trás de algumas das maiores decepções da história. Coincidências de
datas, objetivos e agendas relacionam-os ao engano em todo o mundo. Pesquisando cuidadosamente as
Escrituras, arqueologia e história, podemos ligá-los a uma mentira que engana fiéis a quase 1.700 anos: a
crença de que o sábado (gregoriano) é o sábado do sétimo dia bíblico.

Outras mentiras se ramificam a partir destes dois enganos diabólicos:

1. Um globo, girando por reinos ilimitados de espaço, separa a alma do Criador, diminuindo a proximidade do
Criador.

2. O calendário gregoriano perpetua a mentira de que ocorre um ciclo semanal contínuo ininterrupto desde a
Criação. Esse engano é fundamental para a suposição de que o sábado (gregoriano) é o sábado bíblico e o
domingo é o primeiro dia da semana e o dia da ressurreição do Salvador. Esta mentira impacta diretamente o dia
em que se adora e, portanto, é um fator importante que contribui para a imposição da marca da Besta.

Conhecimento oculto.

Sabedoria esotérica.

São palavras que fazem os cristãos estremecerem. Elas sugerem as artes das trevas. Elas sussurram conhecimento
proibido. Conhecimento adquirido a partir da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal.

Uma frase comum nas artes esotéricas / ocultas é "Assim como é em cima, é embaixo". Essa frase revela um segredo
escondido, um esconderijo secreto à vista que todos deveriam saber.
A frase e a imagem revelam o modus operandi do mal. Eles dizem que a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal está
viva e florescente e enganam bilhões. Onde quer que estejam as raízes da mentira da serpente, lá também estão as
raízes da Árvore do Conhecimento.

O objetivo de Satanás sempre foi destronar o Pai Yahuwah. Por milênios, ele vem planejando formas de obter isto. A
Escritura registra suas presunçosas aspirações:

Como caíste desde o céu, ó Lúcifer, filho da alva! Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações!
E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Yahuwah exaltarei o meu trono, e no monte da
congregação me assentarei, aos lados do norte.
Subirei sobre as alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. (Isaías 14:12-14)

Uma árvore não cresce e prospera sem raízes, e as raízes da Árvore do Conhecimento estão no Éden. Elas são fortes e
profundamente estabelecidas. Fora delas têm crescido a imensa e complicada maquinaria do mal, que é responsável
por enganar toda a terra na tentativa de Satanás de trazer a perdição a todos.
Satanás não é uma criança tentando roubar um biscoito antes do jantar. Ele é esperto demais para deixar uma trilha
aberta de migalhas, levando à verdade. Suas mentiras são entrelaçadas em mais mentiras: todo um sistema de
fabricação de engano. A falsidade apoia outra falsidade.

Para encontrar a verdade, é necessário diferenciar o que é


visto do que não é visto. A Árvore do Conhecimento é coberta
de folhas verdes, que na verdade são mentiras. É necessário
remover esta camuflagem e traçar os galhos de volta para os
ramos, até os grandes membros, cortando as colossais
decepções que escondem o verdadeiro conhecimento.

Os jesuítas, os cérebros por trás dos 500 anos de conspiração


na Terra, são peritos em esconder a verdade sob várias
camadas de mentiras. Desde sua própria criação, os jesuítas
institucionalizaram o engano. Eles são a fonte de um número
esmagador de variadas conspirações.

Como o conhecimento foi aumentado, uma nuvem de expansão


de testemunhas elevou sua voz em defesa da verdade. Alguns
têm revelado a mentira em todo o globo. Outros alertam para
os perigos da Big Pharma e as nano-partículas embutidas em
A o st ent ação da veget ação at rai o o lhar e
drogas modernas e alimentos. Outros, ainda, puxam para trás o
dist rai a ment e do co mplicado sist ema de
véu que esconde as obras das trevas realizada pelos poderes
engano esco ndido at rás.
da elite que governam o mundo.

Alguém que está em um lado da Árvore do Conhecimento,


sendo dotado de discernimento divino para perceber o conjunto de frondosas mentiras escondendo um engano, muitas
vezes não compreendem que as mentiras descobertas por outra pessoa são todas parte da mesma árvore,
perpetradas pelo mesmo grupo.

Por quase 500 anos, os jesuítas têm cooperado com os seres sobrenaturais em uma vasta conspiração. Eles estão
diretamente envolvidos na perpetração da mentira gobal. No entanto, a verdade sobre a Terra Plana, fechada, é o mais
recente avanço da verdade, não há outra mentira jesuíta que também tenha uma relação direta com a geração final.
Não é o tipo de verdade adquirida com tanta frequência, ninguém sequer pensaria em questioná-la. No entanto, o
destino eterno de multidões está enterrado sob esta enorme fraude: o calendário gregoriano.
O sacerdotes-astrônomos jesuítas treinados têm desempenhado um grande papel em perpetuar uma falsa concepção
da Terra (e, consequentemente, do universo), e isso têm sido fundamental para o perpetrar o engano que esconde o
verdadeiro sábado do Criador e desvia o culto do Pai Yahuwah. A Ordem dos Jesuítas é diretamente responsável por
mudar o sábado do Criador para o sábado do sétimo dia de hoje, seguido por uma ressurreição fraudulenta no domingo.

O mundo de hoje está unido em usar o calendário gregoriano para o cálculo civil do tempo. No entanto, a vida das
pessoas é regulada por seu trabalho e calendários escolares, e seus dias de culto, por padrão, também são regidos
pelo calendário gregoriano.

A noção de que o calendário foi concebido para os


agricultores para que eles pudessem saber quando
" A verdadeira batalha em Israel é a batalha do semear e quando colher foi dado como certo por muito
calendário, porque quem controla a agenda, controla as tempo; ele falhou tanto no teste de lógica e de fato. Os
estações espirituais de todas as almas vivas". agricultores não precisam de um calendário formal para
conhecer as estações, e as sociedades primitivas
(https://www.templeinstitute.org/archive/month_adar.htm) conseguiram se alimentar sem um calendário.

O fato histórico é que o calendário foi elaborado a fim de


pré determinar o tempo exato de festas em honra dos
deuses. O calendário, em outras palavras, era um dispositivo religioso.¹

E ainda é. Um antigo provérbio diz: "Aquele que controla o calendário, controla o mundo." A Ordem dos Jesuítas, como o
arquiteto do calendário gregoriano, de uma forma muito real, controla os dias de culto do mundo. Eles controlam e
regulam os tempos de adoração de todos os que calculam seus dias de culto por este calendário. Ironicamente, engloba
todas as três religiões abraâmicas:

1. Judeus adoram no sábado, o sétimo dia da semana moderna;

2. Católicos, ortodoxos e protestantes em sua maioria adoram no domingo em homenagem ao dia da ressurreição de
Yahushua, enquanto que alguns protestantes adoram no sábado como o sábado do sétimo dia;

3. Muçulmanos participam oram na mesquita sexta-feira, que originalmente era o sétimo dia da semana. (Mais sobre
isso mais tarde.)

Adoração é definida como: "o ato de pagar honras divinas para o Ser Supremo; ou a reverência e homenagem a ele em
exercícios religiosos."² Portanto, quem controla o calendário, controla (ou exerce uma influência autoritária ou domina³) a
adoração.

Os católicos romanos afirmam que este controle universal dos tempos de adoração é o seu sinal ou marca de
autoridade:

"O domingo ... é uma criação da Igreja Católica." American Catholic Quarterly Review, de janeiro de 1883.
"Domingo ... é uma lei apenas da Igreja Católica ..." American Sentinela (Católica), junho 1893.

"O domingo é uma instituição católica e sua pretensão de observância pode ser defendida apenas em princípios
católicos ... Do começo ao fim das Escrituras não há uma única passagem que justifique a transferência do culto
público semanal do último dia da semana para o primeiro. " Catholic Press, Sydney, Austrália, agosto 1900.

Este é um engano que está escondendo a verdade pois ele assume que o sábado é o sétimo dia da Escritura e o
domingo é o dia da ressurreição de Yahushua.

"É claro que a Igreja Católica afirma que a mudança (de sábado para o domingo) foi seu ato ... E o ato é uma marca
de sua autoridade eclesiástica em coisas religiosas." (H. F. Thomas, chanceler do Cardeal Gibbons.)

"Domingo é fundado, não na escritura, mas na tradição, e é claramente uma instituição católica. Como não há
nenhuma prova da transferência do dia de descanso do último para o primeiro dia da semana, os protestantes
devem manter seu sábado no sábado e, assim, deixar os católicos em plena posse de domingo. "(Catholic Record,
17 de setembro de 1893.)

Este é um esconderijo da verdade.

Uma mentira escondendo uma verdade geralmente é eficaz. Não é questionada ou criticamente analisada. Sua
existência é simplesmente um dado adquirido. O calendário moderno é uma fraude fazendo exatamente isso.

A suposição é: se o tempo é contínuo, o ciclo semanal também tem sido sempre contínuo. Por extensão, é assumido que
a semana moderna começando no domingo e terminando no sábado existe desde sempre.

É preciso muito pouco de escavação para descobrir que os fatos contradizem esta hipótese. O último país a adotar o
calendário gregoriano foi a Turquia, em 1927, depois da Grécia, que tinha adotado em 1923. Mas não foi até o
comunismo assumir China após a Segunda Guerra Mundial que o seu uso se tornou universal.4

Nicolaus Copernicus, um estudioso católico cujas teorias sobre um globo foram usadas pelos jesuítas para promover sua
agenda do fim dos tempos, foi abordado por uma comissão papal, logo no início do século XVI. Eles queriam seu ponto
de vista sobre a reforma do calendário. Inicialmente, ele hesitou em responder.

Copérnico tinha sido solicitado pela comissão papal em 1514 para expor os seus pontos de vista, e sua decisão foi
que os movimentos do sol e da lua ainda não estavam suficientemente estudados para tentar uma reforma do
calendário. A comissão tinha por objetivo fazer proposições definidas na décima sessão do conselho. Embora esta
tenha sido adiada de 1514 para 1515, nenhuma conclusão foi alcançada. Após o Concílio de Latrão um progresso
considerável foi feito. Copérnico havia prometido continuar as observações do sol e da lua e o fez por mais de dez
anos. Os resultados estabelecidos em sua obra imortal "De Revolutionibus Orbium Coelestium" (1543) permitiu a
Erasmus Reinhold computar as Tabelas Prutenicas (Wittenberg, 1554), que foram feitas depois a base da reforma
gregoriana.5
De acordo com a Enciclopédia Católica, Luigi Giglio foi o "arquiteto-chefe" do calendário gregoriano. Lilius era um médico
católico e professor de medicina. O manuscrito sobre a reforma do calendário foi apresentado à Cúria Romana em 1576,
por seu irmão, Antonius. Suas idéias foram usadas pelo astrônomo-sacerdote jesuíta, Christopher Clavius, para o novo
calendário. O calendário em si tem o nome de Papa Gregório XIII, portanto é um dispositivo papal.

Embora o mundo hoje esteja unido em seu uso do calendário gregoriano, quando foi introduzido pela primeira vez, foi
amplamente rejeitado pelos países protestantes como uma instituição católica. A bula papal, Inter Gravissimas, emitida
em 24 de fevereiro de 1582, ordenou o clero católico a aceitá-lo e exortou reis católicos a fazer o mesmo. Na época, os
únicos países que aceitaram foram os países católicos da Itália, Espanha, Portugal, Polônia e a maioria das áreas da
França. Demorou cerca de 350 anos até todos os países adotarem o calendário do papa.

O calendário do papa em uso em t odo o mundo hoje é um legado para o cont role religioso.

Os católicos admitem: "A reforma do calendário foi desde o início ligada com os conselhos gerais, viz. os de Niceia (325),
de Constança (1414-1418), de Basileia (1431), a Quinta de Latrão (1512-1517), e de Trento (1545-1563)."6

As pessoas não costumam ligar a observância religiosa a astronomia, mas a conexão entre elas é estreita. Desde o
início, os jesuítas dominaram o campo da astronomia e outros campos científicos intimamente relacionados. Mesmo a
teoria do Big Bang foi inventada por um padre jesuíta treinado, padre Georges Lemaître. O conhecimento de astronomia
foi crítico para os jesuítas, pois sem ela o calendário não poderia ter sido reformado porque o tempo de medição é
sempre dependente do movimento dos corpos celestes.

O calendário gregoriano, como qualquer outro ramo da Árvore do Conhecimento, foi concebido com um motivo principal:
para esconder a verdade e perpetuar a falsidade. Ele forneceu mais dissimulação, camuflando "folhas" de modo que os
buscadores da verdade seriam desviados em suas tentativas de descobrir a verdade.

A transição do calendário juliano para o gregoriano é frequentemente oferecido como prova incontestável de que o
sábado semanal deve ser o sábado da Bíblia. A razão é enganosamente simples. Quando o calendário juliano migrou
para o calendário gregoriano, dias da semana foram perdidos. De uma quinta-feira, dia 4 de outubro que pulou até uma
sexta-feira, dia 15 de outubro. A numeração foi alterada. 10 datas foram retiradas do calendário.

Isso é um fato. E a partir deste fato, uma suposição incorreta é feita: uma vez que não houve interrupção nos dias da
semana em que o calendário gregoriano foi introduzido, o ciclo semanal moderno se manteve inalterado desde a
Criação. Isso não correto, mas cria uma mentira que esconde a verdade: o sábado, como observado pelos patriarcas,
apóstolos, e Yahushua, foi calculado por um calendário diferente, com um ciclo semanal diferente, que não se alinha com
o sábado como o sétimo dia da semana.

Esta mudança de calendário aconteceu a mais de 430 anos atrás. Isto parece provar a suposição de que existe um ciclo
semanal contínuo ininterrupto desde a Criação. Os buscadores da verdade devem investigar a transição do calendário
Juliano para o Gregoriano a fim de desnudar a verdade.
No entanto, o calendário gregoriano foi apenas mais uma camada de engano. Afastando esta camada descobrimos o
calendário pós-Nicéia Juliano: um calendário com um ciclo semanal contínuo. Os pesquisadores estão convencidos de
que descobriram a verdade!

Para encontrar a verdade sobre o dia de culto ao Criador, é necessário ir além da camuflagem das folhas bonitas,
passando pelos galhos de erro a que estão ligadas, e cavar ainda mais. O calendário gregoriano papal foi baseado no
pagão calendário Juliano. O astrônomo jesuíta Cristóvão Clavius admitiu isso.

Clavius ... confirmou que o calendário Juliano está enraizado no paganismo puro e não tem nenhum vínculo algum
com o calendário bíblico ... Em seu livro, Romani Calendarii A Gregorio XIII P.M. Restituti Explicato , Clavius revela que,
quando o calendário juliano foi feito o calendário eclesiástico da Igreja no Concílio de Nicéia, a Igreja
deliberadamente rejeitou o calendário bíblico e adotou o calendário pagão.7

Além disso, a semana moderna, de domingo a sábado, pode ser rastreada, após a transição do calendário em 1582, ao
Conselho de Nicea. A semana, como é conhecida hoje, foi padronizada na época.

Os nomes pagãos da semana planetária foram perpetuados no calendário em uso entre as chamadas nações
cristãs. Cada vez que olhamos para o calendário que temos diante de nós temos um lembrete constante da fusão
do paganismo e do cristianismo, que teve lugar como resultado da grande apostasia religiosa...8

Antes do Concílio de Nicéia, houveram diferenças regionais na forma como o calendário juliano era utilizado em todo o
Império Romano. A semana planetária não, como os cristãos assumiram, não vinha dos judeus e da semana da Criação.
Pelo contrário, ela veio das religiões de mistério persas.

Não é de se duvidar que a difusão dos mistério [persas] iranianos teve um papel considerável na adoção geral,
pelos pagãos, da semana com o domingo como um dia santo. Os nomes que empregamos, de surpresa, para os
outros seis dias, entraram em uso, ao mesmo tempo que o mitraísmo ganhou seus seguidores nas províncias do
Ocidente. Não é precipitado estabelecer uma relação de coincidência entre seu triunfo e este fenômeno.9

Note que, mesmo a semana moderna pode ser atribuída a uma religião pagã.

Parece que algum gênio espiritual tinha controle sobre o mundo pagão, então pedimos coisas que provassem que a
semana planetária foi introduzida nas nações apenas no momento certo, para fazer com que todas as pessoas
exaltassem o dia do Sol como um dia acima e muito mais sagrado que todo o resto. Certamente isso não foi
acidental.10

O calendário Juliano começou no sábado (Saturnior "dia de Saturno") e terminou na sexta-feira (dies Veneris ou "dia de
Vênus")! Isso foi mais tarde mudado a medida que o mitraísmo ganhava mais seguidores e influenciava o cristianismo
primitivo. "A preeminência atribuída ao dies Solis [dia do Sol] também certamente contribuiu para o reconhecimento
geral do domingo como um feriado. Isso está ligado com um fato mais importante, ou seja, a adoção desta semana por
todos os países europeus. "11 Não é que os primeiros europeus não tinham uma semana, mas a semana que estavam
usando era diferente.

O mistraísmo queria começar a semana no domingo, em homenagem ao seu deus sol, Mitras. Muitos dos primeiros
cristãos, abandonando o sábado lunar do sétimo dia calculado pelo calendário bíblico, começaram a adorar no domingo
também. Isso foi feito ostensivamente em honra da ressurreição de Yahushua no primeiro dia da semana. Tertuliano, um
apologista cristão do século II, tentou explicar essa aceitação de um dia de adoração pagã, afirmando:

Outros, certamente mais cultos, acham que o Sol é o deus dos


cristãos, porque é sabido que oramos para o oriente e fazemos
uma festa no dia do Sol. A maioria de vocês, ao adorar os corpos
celestes, às vezes movem seus lábios em direção ao sol
nascente. Você certamente recebeu o Sol no registo dos sete
dias, e de entre os dias preferidos...12

Quando os galhos da Árvore do Conhecimento são rastreados para


trás, uma evidência arqueológica revela, sem dúvida, que a semana
moderna vem das religiões pagãs de mistério. O calendário Juliano não
foi obtido a partir da semana bíblica. O calendário inicial Juliano tinha
uma semana de oito dias, não sete. É razoável que a semana original
no calendário Juliano teria uma semana de oito dias. A semana no
calendário da República Romana também tinha tido uma semana de Est es f ragment o s de pedra mo st ram o s
oito dias, e foi isso que os romanos estavam acostumados a usar. rest o s de um calendário Juliano . A
semana inicial de o it o dias po de ser vist a
clarament e co mo indicado pelo s dias da
semana, sendo designado s pelas let ras
de A a H.

Os judeus dos dias de Yahushua não utilizaram o calendário Juliano. Eles usaram o calendário de Moisés, o mesmo
calendário luni-solar que tinha sido transmitido na Criação. Os apóstolos e os primeiros cristãos todos adoraram o
sábado do sétimo dia do calendáriobíblico, embora até o século II, alguns cristãos haviam sido influenciados pelo
mitraísmo a adorar no sábado ou domingo da semana planetária pagã.

Esta diversidade de dias de culto, no sábado do sétimo dia lunar do calendário bíblico, outros no sábado da semana
planetária, outros ainda no domingo, continuou até o Concílio de Nicéia. Naquela época, o calendário antigo foi posto de
lado para fins religiosos. O Conselho decretou que o calendário juliano pagão era para ser usado para todas as
observâncias religiosas. Esta declaração unilateral poderia ser aplicada pois o Conselho foi apoiado pelo poder imperial
de Constantino, o Grande.

Estudiosos judeus reconhecem o impacto que Nicéia teve sobre o calendário bíblico. A Sociedade de Publicação Judaica
da América publicou uma monumental obra de Heinrich Graetz, História dos Judeus. Em sua conta do Concílio de Nicéia,
Graetz declarou:

No Conselho de Nicéia, o último segmento que ligava o cristianismo ao


" A Lua Nova e o sábado original são judaísmo foi cortado. O festival da Páscoa tinha até agora sido celebrado em
dependentes do ciclo lunar. . . sua maior parte, ao mesmo tempo que a Páscoa judaica, e de fato sobre os
Originalmente, a Lua Nova era dias calculados e fixados pelo Sinédrio na Judéia para a sua celebração; mas,
comemorada da mesma forma que o no futuro, a sua observânciadeveria ser feita independente do calendario
sábado; gradualmente tornou-se judaico.13
menos importante, enquanto o
sábado tornou-se mais e mais um dia Isto é muito mais significativo do que a maioria das pessoas hoje, incluindo
de religião, da meditação e instrução judeus, imaginam. O calendário estabelecido pelo Pai Yahuwah na Criação, de
religiosa, da paz e da alegria da alma. fato, tem uma semana de sete dias. No entanto, a forma como as semanas
" completavam um ciclo era completamente diferente.

(Universal Jewish Encyclopedia, p. 410) O calendário bíblico, como todos os calendários antigos que foram
transmitidos antes do dilúvio, era o luni-solar. Isto significava que os meses
começavam com a observância da lua nova. Na verdade, a própria palavra
"mês" foi originalmente traduzida por "moonth". O primeiro dia de cada mês era um dia de adoração. A semana de
trabalho começava na segunda de cada mês. A maior diferença entre o calendário da criação e o calendário
Juliano/Gregoriano é que o segundo tem um ciclo semanal contínuo. No calendário bíblico, o ciclo semanal reinicia a cada
mês.
A principal raiz desta imensa complexidade do mal, é claro, é "o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás."
(Apocalipse 20: 2) Assim como uma árvore tem muitos ramos, divergindo fora do tronco, assim também, é a raiz de uma
árvore. Na verdade, o sistema radicular pode ser muito grande, muito profundo e muito amplo, porque suporta toda a
árvore acima do solo.

Ramificando-se a partir da raiz principal, o diabo e todo os poderes demoníacos não-humanos trabalham com ele.
Ramificando-se destes, uma certa classe de homens inspirado por demônios, trabalham para avançar os objetivos da
serpente. A Bíblia se refere a eles como "homens de renome." Gênesis 6:4 diz: “Havia naqueles dias gigantes na terra; e
também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes
que houve na antiguidade, os homens de fama.”

Estes "homens de renome" não eram humildes servos do


Altíssimo. O versículo seguinte prossegue afirmando: "E viu
Yahuwah que a maldade do homem se multiplicara sobre a
terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu
coração era só má continuamente.”

Estes "homens de renome" não são agora, nem têm sido


sempre, homens piedosos. Em toda a história da Terra, os
homens não setornam homens de renome, a menos que
cooperem com os poderes do mal. Homens de renome são
promovidos por Satanás para que possam continuar a sua
agenda.

Ao longo da história, eles têm sido os homens nos bastidores.


Eles foram chamados de várias coisas. Eles têm sido sido "a
elite". Um dos mais poderosos e influentes desses grupos de
homens de renome tem sido a Companhia de Jesus, conhecidos
como os jesuítas.

Por quase 500 anos, os jesuítas têm trabalhado para fazer


avançar a agenda da Serpente. Eles têm estado sob a
instrução direta de inteligências demoníacas através dos
"Exercícios Espirituais" de seu fundador, Inácio de Loyola.

A. Eles criaram e perpetuaram a mentira de um globo em um


vasto universo para definir o cenário mundial para uma ilusão
do fim dos tempos;

B. Eles criaram o calendário gregoriano para adicionar mais


uma camada de engano, a fim de esconder a verdade do
calendário bíblico e do sábado lunar original da criação. Sua
intenção era enterrá-la tão profundamente que esta verdade
nunca seria descoberta e restaurada, definindo tudo até
receber a marca da Besta.

Os homens de renome sabiam através de fontes ocultas


quando o conhecimento deveria ser aumentado. Eles queriam o
conhecimento reservado para si. A fim de mantê-lo longe das
massas, eles começaram uma campanha para "emburrecer" o
intelecto da população em geral. Esta campanha começou com
a formação da ordem jesuíta, ao mesmo tempo em que
verdades divinas estavam sendo restauradas através da
Reforma Protestante. Jesuítas são conhecidos em todo o
mundo por três coisas: 1) o seu zelo missionário implacável; 2)
a sua presença no campo da astronomia; 3) seu sistema
educacional.

A agenda dos jesuítas pode ser discernida por qualquer


pessoa disposta a estudar a evidência:

Globo Terrest re: A crença em um globo lançou as bases


A árvo re visível é sempre apo iada po r um
para o delírio final: uma falsa Segunda Vinda com a intenção de
sist ema de raiz invisível.
enganar toda a Terra pouco antes da verdadeira Segunda
Vinda de Yahushua.

Calendário Gregoriano: A criação do calendário gregoriano dentro do mesmo século que a Igreja Católica
estabeleceu a ordem jesuíta e promulgou a teoria de um globo, formou mais uma camada de engano. Ele solidificou
a suposição de que o ciclo semanal moderno contínuo sempre existiu. Assim, qualquer prova que demonstrasse que
o sábado não é o sábado da Bíblia seria imediatamente rejeitada como impossível.

Ambos os erros são aceitos sem questionamento como fatos evidentes. Para questionar tanto o formato da Terra ou o
pressuposto de que o sábado gregoriano é o sábado bíblico o autor da pergunta deve estar preparado para ser
escarnecido, ridicularizado e rejeitado. Este escárnio traz a pressão dos colegas para ridicularizar qualquer um que se
atreva a pensar de forma independente. Ele tem o efeito de impedir as massas de se beneficiar do aumento do
conhecimento que o Céu está disponibilizando.

Os jesuítas, por meio de seus missionários, sua presença influente no mundo científico e suas escolas e universidades,
têm tido um papel ativo na formação do pensamento das gerações. Quando se compara a leitura, escrita e matemática
do graduado médio da 8ª série na América no início do século 20, com a da população em geral nos Estados Unidos
hoje, é claro que a agenda da elite para emburrecer a população tem sido muito bem sucedida. A atenção das pessoas,
sua capacidade de se concentrar e a raciocinar da causa para o efeito para aplicar os conceitos aprendidos em suas
vidas, é tão reduzida que eles podem ser facilmente controlados pela elite.

A pessoas comuns não tem mais a capacidade de sentar e se concentrar em um assunto por tempo suficiente para
pesquisar completamente. O tema será deixado de lado antes mesmo de ser resolvido. Poucos têm a capacidade de
fazer uma conclusão com base no peso acumulado de provas. Menos ainda conseguem aplicar as novas descobertas no
dia-a-dia. O pensamento crítico foi perdido e isso também é parte do plano mestre dos jesuítas.

Sem habilidades de pensamento crítico, as pessoas olham para as autoridades externas. Em vez de confiar em sua
própria capacidade de chegar a uma conclusão lógica, elas se voltam para os estudiosos respeitados, seus pastores ou
padres, até mesmo a mídia controlada pelo Estado, para dizer-lhes que o que é verdade e o que acreditar. Assim, a elite
pode controlar o comportamento do público porque eles controlam o seu pensamento através do fluxo de informações
que atinge as massas.

É passado o tempo de separar a verdade do erro. Já passou da hora de saber o que você acredita e, mais, por que. É
da maior importância estudar qualquer novo tópico para que você mantenha uma mente aberta. Não cedam ao viés da
informação! Clérigo Inglês e filósofo cristão, William Paley observou corretamente: "Há um princípio que é um combate
contra toda a informação, prova contra todos os argumentos e que não podem deixar de manter um homem na
ignorância eterna. Esse princípio é desprezo antes da investigação ".

Manter uma mente aberta significa que você está disposto a


aceitar qualquer conclusão que o Espírito Santo revela ser a
verdade, independentemente do que ele é. É impossível chegar
à verdade se você começar o seu estudo no sentido de
demonstrar a nova ideia errada. Não prejudiquem suas mentes
a distorcer a investigação, tentando provar que é errado antes
de saber o que toda a evidência revela.

Não tenha medo de questionar. Yahuwah criou o cérebro


humano para ser lógico. Ele convida: "Vinde então, e argüi-me."
(Isaías 1:18) Pode ser assustador abrir a mente para aceitar a
possibilidade de que o que você acredita ser verdade é, de
fato, um erro. No entanto, Yahuwah se comprometeu a manter
seguro o que foi confiado aos seus cuidados. As palavras do
apóstolo Paulo podem ser o testemunho de todos os que
confiam e guardam sua alma ao Pai: "Porque eu sei em quem
tenho crido, e estou certo de que é poderoso para guardar o
meu depósito até àquele dia."(2 Timóteo 1:12, KJV)

O teste final é sobre adoração, é vital saber o dia correto de


adoração. A fim de calcular o dia de adoração certo, é
necessário usar o verdadeiro calendário. Se você acabou de
mudar de autoridade, (por exemplo, de um padre católico
romano a um pastor protestante) pode ser desviado
novamente. Os líderes espirituais, cujos salários são
provenientes de uma organização religiosa que ensina o culto
no sábado ou domingo do calendário gregoriano, têm interesse
em preservar a teologia tradicional.

Apenas mudar autoridades não é suficiente. Você deve ir para


a fonte de toda a sabedoria, o Criador. Confie nEle para
ensinar-lhe o que é verdade.

Os jesuítas são modernos homens de renome. Com inteligência William Paley, (1743-180 5), declaro u: "A
sobrenatural, eles têm criado dois dos maiores enganos que inf idelidade do mundo gent io ... é reso lvida em
mais enganaram a humanidade: a crença em um globo; e no um princípio que, na minha o pinião , vai explicar a
pressuposto de que o sábado é o sábado bíblico e domingo é ef icácia de um argument o , o u qualquer pro va,
o dia da ressurreição de Yahushua. Ambos são erros perigosos viz desprezo ant es do exame. . "
pois ambos manipulam o mundo a aceitar ilusões do tempo do (A Visão das evidências do crist ianismo : em t rês
fim de Satanás e receber a marca da Besta. part es)
Entre as últimas palavras ditas ao profeta Daniel, uma promessa: "E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro,
até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará". (Daniel 12: 4) Os
cristãos interpretam este texto como uma referência para tecnologia avançada. E, certamente, a tecnologia avançou
exponencialmente nos últimos 120 anos.

No entanto, o aumento do conhecimento dado à geração final é de importância muito maior do que a mera tecnologia.
Este aumento do conhecimento refere-se à exposição de todas as mentiras que foram ensinadas como verdade.

O terceiro capítulo de Joel refere-se este aumento do conhecimento: cada alma na terra tem que tomar uma decisão
antes do julgamento final.

Ajuntai-vos, e vinde, todos os gentios em redor, e congregai-vos. Ó Senhor, faze descer ali os teus fortes.

Suscitem-se os gentios, e subam ao vale de Jeosafá; pois ali me assentarei para julgar todos os gentios em redor.

Lançai a foice, porque já está madura a seara; vinde, descei, porque o lagar está cheio, e os vasos dos lagares
transbordam, porque a sua malícia é grande.

Multidões, multidões no vale da decisão; porque o dia do Senhor está perto, no vale da decisão. (Joel 3:11-14, KJV)

Multidões hoje estão no vale da decisão. Ciência e religião organizada foram ambos construídos sobre várias camadas
de mentiras. O grande dia do Senhor está próximo à mão e cada alma viva hoje se depara com uma decisão: "Eu sigo
verdade inconveniente? Ou agarrar-se a uma mentira conveniente "Lembre-se:? Verdade não sabendo não muda a
realidade do que é a verdade.

Para seguir a verdade, independentemente do custo é preciso sacrifício. É preciso empenho. Aceitar a verdade abre
uma brecha para a ridicularização dos que se agarram à mentira. Ela também pode afetar o emprego e até mesmo a
própria união. É uma decisão para cada indivíduo na Terra: A verdade? Ou a mentira?

A mentira parece confortável. Plausível. Conveniente. É o entendimento fundamental sobre o qual foram construídas
outras crenças. Mas agora, com a verdade que está sendo restaurada, com o conhecimento que está sendo aumentado,
é de vital importância para o seu destino eterno descobrir mentiras e aceitar a verdade, não importa o quão ridículo ela
é, ou quão inconveniente será seu impacto sobre sua vida.

Aceitar a verdade, independentemente do custo. Uma eternidade de felicidade aguardam todos os que entregam suas
ideias pré-concebidas e permitem Pque o Pai Yahuwah leve-os à Sua verdade.
1 Zecharia Sitchin, When Time Began, (Santa Fe, New Mexico:. Bear & Co., Publ, 1994), p. 198, grifo nosso.

2
Noah Webster, Dicionário Americano do Idioma Inglês, 1828 ed., Ênfase acrescentada.

3
Veja The American Heritage Dictionary do Idioma Inglês, 4th Edition.

4
China adotou o calendário gregoriano em 1 de Janeiro de 1912. Pouco tempo depois, no entanto, desceu ao tumulto
político com várias partes da China usando calendários diferentes. Até a República Popular da China ser fundada em
1949, não havia sido unificado o uso do sistema gregoriano.

5 http://www.newadvent.org/cathen/09247c.htm

6 Ibid.

7 Elaine Vornholt & Laura Lee Vornholt-Jones ","Continuous Weekly Cycle Theory’ Proven False By Julian Calendar.”

8 R. L. Odom, Sunday in Roman Paganism, p. 202.

9 Franz Cumont, Textes et Monumnets Figures Relatifs aux Mysteres de Mithra, (Brussels: H. Lamertin, 1899), Vol. I, p. 112.

10 Odom, p. 157.

11 Franz Cumont, Astrology and Religion among the Greeks and Romans, p. 163.

12
Tertullian, Ad Nationes, Book 1, Chapter 13 in J. P. Migne, Patrologiæ Latinæ Cursus Completus, (Paris, 1844-1855),
Volume 1, columns 369-372.

13 Ver Heinrich Graetz, Heinrich Graetz, History of the Jews, Vol. II, pp. 563-564, grifo nosso.