Você está na página 1de 27

Sociologia

Fontes de Informação Sociológica

Índice

Introdução ____________________________________________________ 1

Desenvolvimento _______________________________________________ 3

Onde localizar as fontes _________________________________ 3

Etapas da pesquisa ____________________________________ 11

Ficha de Leitura ______________________________________________ 14

Avaliação de uma página Web sobre a “clonagem”__________________ 19

Conclusão____________________________________________________ 21

Referências bibliográficas ______________________________________ 22

Anexos

1
Sociologia
Fontes de Informação Sociológica

Introdução

Quem nunca ouviu falar de clonagem? Todos nós já ouvimos falar sobre
este tema embora uma grande parte ainda não saiba bem o que é a clonagem,
como esta se processa; que implicações sociais poderão derivar desta; quais os
benefícios que esta poderá trazer para a nossa sociedade; quais as questões
ligadas a esta, como por exemplo as questões éticas ou de identidade; qual a
importância crescente da engenharia genética em factores que nos habituámos
a pensar como “naturais”.
Este trabalho irá falar precisamente sobre este, ainda tão, “nebuloso” tema
e procurará indicar algumas fontes de informação que poderão ser consultadas
por quem estiver interessado em conhecer mais sobre o assunto.
Sabemos bem que o objecto deste trabalho (a clonagem) ainda está pouco
claro aos olhos da sociedade, isto é, ainda permanece um tabu. É um tema que
tem despertado o interesse da maioria dos indivíduos e dos mass media, daí já
terem surgido vários debates e bastantes polémicas. Mas por enquanto tudo, ou
quase tudo, do que se diz parece ter um carácter especulativo devido à
opacidade do tema.
As questões cruciais deste trabalho são:
O que é de facto a clonagem?
Qual a sua história e como tem vindo a ser desenvolvida?
Que implicações sociais poderão resultar da clonagem?
São estas as dúvidas fundamentais que pretendo abordar, através da
indicação de alguns caminhos para obter fontes de informação sobre o tema.
Sem deixarmos de responder a estas questões, e sem explorarmos algumas de
natureza sociológica sobre a clonagem, não poderíamos nunca avaliar e debater

1
os presumíveis efeitos negativos e positivos da clonagem, assim como os
desafios e mudanças que consigo transporta.
As fontes de informação nas quais este trabalho se baseia têm origem,
essencialmente, em sites da Web, em páginas publicadas com formato pdf na
Internet bem como em livros.
Na pesquisa das fontes, não me poderia limitar apenas a Portugal visto
que, ao que se sabe, o nosso país ainda não possui qualquer tipo de experiência
científica nesta área. No entanto, nas pesquisas que realizei na Internet, tentei
sempre procurar sites em português para facilitar a minha pesquisa.
A página da Web que será avaliada por mim, considero-a uma página
generalista, pois é uma página que aborda vários pontos sobre a clonagem de
uma maneira clara, acessível e visualmente atraente (embora possua alguns
defeitos). Este site não se restringe apenas a um determinado tipo de público
mas abrange todos os indivíduos que pretendam saber um pouco mais sobre
clonagem.

2
Sociologia
Fontes de Informação Sociológica

Desenvolvimento

ONDE LOCALIZAR AS FONTES

O que é de facto a clonagem?

A resposta a este tipo de questão poderá ser encontrada em qualquer


dicionário mas de uma forma bastante simplificada, sem entrar em pormenores.
No dicionário de Língua Portuguesa da Porto Editora poderá ser encontrada
uma definição bastante sucinta:
“s. f. BIOLOGIA processo de obtenção de indivíduos ou
populações por reprodução vegetativa ou assexual de um único
indivíduo; introdução de informação genética numa célula de
modo a repetir essa informação (Do gr. klón, «rebento», pelo fr.
clonage, «clonagem»).” (Costa e Melo, 1999: 371).
Quem ambicionar uma explicação bem mais complexa a nível científico
sobre o que de facto é a clonagem, como se processa, etc. poderá encontrá-la,
por exemplo, no livro “Clonagem Humana” escrito por Henri Atlan et al
(2001). Também Fernanda Sais (s. d.), nos fornece informações bastante claras
sobre o que é a clonagem falando não só sobre a clonagem humana, como
também sobre a clonagem animal e a clonagem de plantas. O site onde a autora
se exprime possibilita que o indivíduo adquira alguns conceitos básicos ao
conhecimento desta técnica científica.
Ainda sobre a definição de clonagem, Clara Pinto Correia escreveu alguns
textos sobre este tema, utilizei como fontes bibliográficas na elaboração deste
trabalho os livros “Clonai e multiplicai-vos”, escrito em 1997, onde a autora
explica o processo de fertilização e clonagem nos animais.

3
Também no livro “Clonagem em Questão” (Kahn e Papillon, 2000:39-
88), os autores falam-nos sobre os diversos tipos de clonagem: a clonagem não
reprodutiva (a clonagem terapêutica), a clonagem reprodutiva em relação aos
vegetais e também aos animais, no entanto quando se referem à clonagem
humana os autores não falam desta de uma maneira científica mas sim de uma
forma ideológica. Na medida em que consideram a clonagem humana como
uma ameaça, referem-se à clonagem como um mito da imortalidade, e
expressam claramente a sua vontade de proibir a clonagem humana.
No site do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (2001)
poderemos encontrar informações sobre como se processa a clonagem.
A autora Lygia V. Pereira (2002), na revista publicada em formato pdf
“Parcerias Estratégicas”, fala-nos também sobre o que é a clonagem e como
esta se processa, não se referindo apenas à clonagem reprodutiva humana como
também à clonagem terapêutica.
Existem ainda mais outros dois sites que importa referenciar que nos
explicam o que é a clonagem e como esta se realiza. O site da ACI (2003) e o
site da Drauzio Varella (s. d.).

Qual a história da clonagem e como tem vindo a ser


desenvolvida?

A e:

A
A ssua
ua His tó r ia
História

Nem sempre a clonagem possuiu o sentido que possui hoje. No livro


“Maravilhas da Ciência”, no capítulo com o mesmo nome, das Selecções do
Reader’s Digest (1991) a clonagem é referida apenas no campo da agricultura,

4
Sociologia
Fontes de Informação Sociológica
o que mostra que há 10 anos atrás a clonagem humana não era objecto de
tratamento científico por parte das Ciências Sociais.
Podemos encontrar em sites como o de Fernanda Sais (s. d.), o site da
“Com ciência” (2001),o do Instituto superior da Educação do Rio de Janeiro
(2001), o site da ACI (2003) e de Drauzio Varella (s. d.), entre muitos outros, a
informação que esta técnica começou inicialmente por ser utilizada na
agricultura.
De igual forma a revista “Parcerias Estratégicas”, número 16, de 20021,
oferece-nos um conjunto de opiniões de diversos autores (desde cientistas a
filósofos) sobre como se processa a clonagem, para que serve, o que é de facto,
que tipo de clonagens existem e quais as suas diferenças, quais as suas
implicações éticas, etc.
Segundo Henri Atlan et al,
“A “clonagem” designava apenas uma maneira antiga e
extremamente simples de multiplicar os vegetais... Estes
significados são já longínquos. Quase imperceptíveis. A questão
da clonagem transformou-se numa outra coisa. De maneira
relativamente recente mas já demasiado difundida o termo
deixou de evocar a horticultura para significar a manipulação da
vida animal.” (2001: 8-9)
Também no livro de Clara Pinto Correia (1997) se discute a génese do
termo clonagem.
O jornal “O Mirante” publicou um artigo de António Horta (1997) onde
se salienta que “Desde o início da domesticação das espécies animais que o
homem tem interferido (...) de forma substancial [n]o modo de criação de
animais ao nível da alimentação, reprodução, saúde e genética.”. Esse processo

1
Esta revista electrónica cujos artigos são publicados em formato pdf está disponível no site
http://www.ctnbio.gov.br/ctnbio/bio/publi/pe_bioetica.htm.

5
foi evoluindo com a ciência e “Em finais dos anos 80 e início dos anos 90,
conseguiu-se finalmente ultrapassar o bloqueio à produção de embriões
bovinos por procedimentos totalmente in vitro...”. Actualmente é possível “... a
partir de uma célula somática diferenciada de um organismo adulto (no caso
uma célula da mama), produzir um novo ser geneticamente idêntico ao dador.”
(Horta, 1997: 8-9)
Desde algum tempo a clonagem passou a ter outro sinónimo e uma
conotação bem mais negativa. Essa conotação negativa é facilmente
transmitida pelos mass media e exemplo disso são os sites mantidos pelos
grupos “Juntos pela vida” (s. d.) e “Movimento em defesa da vida” (2001), que
nos transmitem notícias sobre a clonagem mas manifestando o seu horror e
medo em relação à clonagem mostrando apenas o lado negativo deste tema.

Actualmente, a clonagem, apesar da sua história remeter para o domínio


agrícola, tem vindo a ser desenvolvida segundo tópicos mais complexos que
parecem ser inseparáveis desta. A clonagem tem vindo a ser interrogada pela
ética, pela religião e pelo direito, constituindo-se como um objecto
multidimensional.

A
A éética
tica

Não será estranho que possamos constatar que todas ou quase todas as
fontes de informação encontradas, em relação a este tema, falavam sobre o
problema da ética.
Este problema é desenvolvido nos sites de Roberto Junior (s. d.), do
Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (2001), de Fernanda Sais (s.
d.) e de Paula Fernandes (1998).

6
Sociologia
Fontes de Informação Sociológica
Também o número da revista “Ciência Hoje” publicado em Outubro de
2001, nos fala sobre as questões éticas e o escândalo moral que a clonagem
provocou.
“ Nesse contexto, surgem as acusações contra Antinori e Zavos:
tais médicos seriam pseudocientistas, que planejariam criar
monstros, como o doutor Frankenstein do livro de Mary
Shelley. Isso porque a prática da clonagem humana sugere
pesadelos totalitários, como a reencenação do nazismo e das
experiências de Josef Mengele (representadas no filme Os
meninos do Brasil pela criação de um exército de cópias de
Adolf Hitler) (...)” (Luna, 2001: 46)
Aliás, em qualquer publicação sobre clonagem, ainda que seja livro ou
página da Web, ou até mesmo áudio e vídeo, de uma forma ou de outra, os
problemas éticos são sempre citados como sendo uma discussão imprescindível
neste tema.
No dia 8 de Janeiro de 2003, na RTP1, foi apresentado um debate
(orientado por Gabriel Alves) onde advogados, padres e cientistas se reuniram
precisamente para discutir a ética, entre outras questões relativas à clonagem.

A
A rreligião
eligião

Sabemos bem que a religião possui uma opinião bastante forte sobre este
tipo de assunto tão polémico, mostrando-se algumas religiões contra esta
técnica de reprodução outras a favor. Existem vários sites de natureza religiosa
em que podemos encontrar a posição de cada religião (não só a católica como
também a islâmica, entre outras) em relação à clonagem2.

2
Posso, a titulo de exemplo, destacar os sites da “Com ciência” (2001) de Ana Maria Bragança et al (s. d), de
ACI (2003) e Joel Pereira (1997).

7
Ainda no artigo publicado em formato pdf da revista “Ciência Hoje”, a
autora alega

“A técnica da clonagem também traz a ideia da continuidade de


um indivíduo, por meio de uma «cópia» geneticamente idêntica.
(...) Como a imortalidade e a onipotência [omnipotência] são
tidos como atributos divinos, essas ideias levaram à acusação
recorrente de «brincar de Deus»: o domínio do ser humano
sobre a natureza teria chegado ao ponto de criar a vida. (...) O
cientista substituiria Deus na criação, confirmando a
progressiva hegemonia da ciência sobre a religião no tocante à
produção de verdades e da cosmovisão ocidental.” (Luna, 2001:
47)

O
OD ireito
Direito

Existe um documento publicado na Internet, em formato pdf,(escrito em


português) feito pela STOA (Scientific and Technological Options
Assessment) baseado num estudo que identifica eventuais opções políticas que
o Parlamento Europeu deverá assumir em relação às práticas de investigação
em embriões humanos. A oposição do STOA a essa técnica é, desde logo,
evidente (1999). Este documento defende a proibição da investigação no
domínio dos embriões humanos, a proibição da utilização de medicamentos ou
produtos derivados, entre outras investigações deste género. Este documento
também nos mostra a posição adoptada por diversos países em relação à
clonagem, nomeadamente o Canadá, os E.U.A. e a U.E..
Quem pretender ir mais além e quiser conhecer um pouco mais sobre a
clonagem e o direito à identidade genética, poderá encontrar, na Biblioteca da
Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, uma monografia intitulada
“O direito à identidade genética do ser humano” da autoria de João Loureiro

8
Sociologia
Fontes de Informação Sociológica
(1999). Também nesta mesma biblioteca é possível encontrar outra monografia
que possui como temas: clonagem, bioética, biotecnologia e o direito
constitucional, e que foi escrita por Adriana Diaféria (1999).
No livro “Clonagem humana”, no capítulo “Certezas e incertezas do
direito”, escrito por Delmas-Marty (Atlan et al, 2001) fala-nos sobre essa
instabilidade e através de um texto bastante complexo onde enumera uma série
de leis, mostra que ainda existem muitas ambiguidades em relação a este tão
confuso assunto.

Que implicações sociais poderão resultar da clonagem?

Neste ponto irei falar sobre fontes que, de certa forma, procuraram saber
quais as consequências que a clonagem poderá originar para a sociedade.
Na Internet o site do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro
(2001) é um dos que apresenta as possíveis consequências desta técnica
científica.
Também no livro “A clonagem em questão” (Kahan e Papillon,2000: 103-
206) são referidas as perspectivas consideráveis da clonagem animal, as
consequências dos primeiros clones humanos, os seus limites e ameaças e, por
fim, a clonagem e a dignidade humana.
Para Naara Luna
“A dificuldade de imaginar a inserção do clone na vida social
decorre da substituição da «reprodução» pela «replicação»,
negando os princípios de parentesco ditos naturais que
representam a comunhão entre o par de geradores, presente nas
relações amorosas de família. O clone é um paradoxo: além de
símbolo da geração de uma pessoa sem laços de parentesco nem
família, radicalmente autônoma [autónoma] seria também uma

9
pessoa não-individualizada, uma cópia – portanto, inautêntica.”
(2001: 47).
De igual forma, segundo Droit,
“Há um receio algo confuso de perder o controlo da
humanidade sobre a sua própria identidade. A clonagem traria à
existência humana uma espécie de indignidade maior, uma
confusão insuportável em relação àquilo que define o indivíduo
ou a pessoa.” Existia por isso uma certa dúvida sobre a
verdadeira identidade do clone, seria ele apenas uma cópia, ou
também um indivíduo? (Atlan et al, 2001: 99)
Ainda no mesmo livro é discutido por Augé o clone como um indivíduo
sem filiação

“Para o pensamento simbólico, no sentido profundo do termo,


um não pode ser considerado sem o outro: o masculino não
pode ser pensado sem o feminino, nem o individual sem o
social, (...) Não é, por isso, surpreendente que o tema da
clonagem inquiete ou revolte por razões que não se relacionam
apenas com o fantasma da reduplicação, mas também com a
consciência mais ou menos clara da transgressão simbólica que
ela implica. (...) Na hipótese fantasmagórica da humanidade
decidir em conjunto reproduzir-se apenas por clonagem
(modernizando, de alguma maneira, os mitos fundadores da
perna de Júpiter ou da costela de Adão), estaríamos perante uma
necessidade, aliás realizável, de inventar novos modos de
filiação, novas referências simbólicas. Mas a coexistência de
dois modos de reprodução (...) não poderia deixar de suscitar,
para além dos fenómenos de depredação do simbólico e de

10
Sociologia
Fontes de Informação Sociológica
confusão geracional, comportamentos de estigmatização e de
exclusão.” (Atlan et al, 2001: 126-130)

Na conclusão do mesmo livro, são referidos alguns riscos múltiplos a que


a clonagem nos submeteria.

ETAPAS DA PESQUISA

Em primeiro lugar, comecei por consultar em bases de dados das


bibliotecas das Universidades de Coimbra para ver se encontrava livros
científicos (ou não) que falassem sobre a clonagem. A partir daí verifiquei que
não havia uma grande diversidade de livros que falassem sobre o tema. Mesmo
assim encontrei alguns livros e duas teses de doutoramento na Biblioteca Geral
da Universidade de Coimbra.
A biblioteca da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra
também foi alvo da minha investigação. No entanto, esta possuía pouquíssima
informação sobre o tema clonagem. Contudo, a Faculdade de Direito da
Universidade de Coimbra dispunha de inúmeras monografias sobre o mesmo
tema mas uma grande parte destas eram em inglês, castelhano e até em alemão,
e apenas duas delas em português (que eram as que de facto me interessavam).
Em seguida dirigi-me à Biblioteca Municipal de Coimbra onde pude
encontrar mais alguns livros sobre a clonagem.
Na Biblioteca Municipal de Aveiro também me foi possível encontrar
quatro novos livros sobre o mesmo assunto.
Dirigi-me ao INE (Instituto Nacional de Estatística) no entanto não me
possível recolher nenhuma fonte de carácter estatístico, na medida em que a
clonagem não é legal e por isso não existem dados estatísticos sobre esta.
Entretanto, também fiz pesquisas na Web, utilizando o motor de busca
Google , pois este motor pareceu-me o mais fácil de utilizar, na medida em que
percorre toda a Internet (directórios). No entanto, o tema clonagem é um dos

11
assuntos mais complexos de serem pesquisados na Internet, visto que existe
bastante informação disponível (por vezes demasiada informação).
Numa primeira pesquisa usei como palavra-chave a palavra clonagem,
sem especificar o tipo de ficheiro, apenas referindo que queria fazer pesquisa
em português e da seguinte pesquisa resultaram 35.000 resultados. Obviamente
que o resultado obtido era bastante extenso e por isso tive necessidade de
especificar mais para obter menos ruído. Para obter menos ruído decidi fazer
uma pesquisa em que o objectivo seria encontrar todos os ficheiros de formato
pdf em português utilizando a expressão exacta: "O que é a clonagem" e o
resultado devolvido foi apenas 1 registo.
Pesquisei também usando as palavras clonagem direito especificando na
pesquisa avançada que queria fazê-lo em português, mesmo assim obtive 6.290
resultados o que continuava a ser um resultado bastante vasto e moroso de
consultar. No âmbito ainda da clonagem e da lei/direito decidi fazer a pesquisa
utilizando outras palavras Clonagem and lei determinando que a pesquisa
seria no idioma português e referindo ainda que pretendia ficheiros do tipo pdf.
Os resultados adquiridos obviamente foram mais reduzidos, 390 resultados.
Ainda em relação aos direitos e às leis pesquisei sobre "Declaração
Universal do Genoma humano e dos direitos humanos" procurando
ficheiros do tipo pdf. Esta modalidade de pesquisa devolveu 9 registos.
Outro dos tópicos que eu quis pesquisar foi a relação entre a clonagem e a
religião, pois sabemos que a religião está sempre envolvida e manifesta sempre
a sua opinião em relação a estas questões polémicas que surgem na nossa
sociedade. Na busca utilizei as palavras clonagem religião (em português) e os
resultados listados foram cerca de 2.170. Tentei particularizar mais a pesquisa
usando as palavras Clonagem and religião e em pesquisa avançada defini que
a busca seria em formato pdf. Os resultados obtidos tiveram uma mudança
significativa: 1122 registos.

12
Sociologia
Fontes de Informação Sociológica
Como já o referi a clonagem é um assunto actualmente muito polémico, e
é claro que os problemas éticos estão sempre associados a esta, por isso fiz
outra pesquisa utilizando as palavras clonagem ética, que me devolveu 4,610
resultados. Para reduzir o número de resultados devolvidos, utilizei as palavras
Clonagem and ética em formato pdf e obtive 303 resultados.
No entanto quando pretendi saber as consequências da clonagem, tentei
ser mais específica e por isso utilizei em pesquisa avançada a expressão:
"Consequências da Clonagem" procurando ficheiros do tipo pdf, obtendo
apenas 1 resultado.
Quando pesquisei sobre a história da clonagem o resultado foi igualmente
ruidoso (11,300 registos) utilizando as palavras clonagem história. Sabendo
então que as páginas publicadas em formato pdf são bastante mais fiáveis e
que possuem informação muito mais precisa e importante, pesquisei utilizando
em pesquisa avançada a expressão "História da Clonagem" e notoriamente
obtive 1 resultado.
Também pesquisei na Web: clonagem + parlamento europeu. E da
seguinte pesquisa foram-me devolvidos 491 resultados.
Deixando as pesquisas na Web, tentei procurar outro tipo de fontes de
informação, nomeadamente em vídeo mas foi-me impossível encontrar este
tipo de fontes. Entretanto, no dia 08-01-2003, decorreu no canal 1 da RTP um
documentário seguido por um debate entre cientistas, advogados e padres
portugueses que discutiram vários tópicos relacionados com a clonagem e as
questões éticas.

13
Ficha de Leitura

Mayana Zatz, 51 anos. Formou-se em Biologia pela Universidade de são


Paulo em 1968 e concluiu o pós-doutoramento em Genética Médica na
Universidade da Califórnia em 1977. É professora titular de genética no
departamento de biologia do Instituto de Biociências da Universidade de São
Paulo. É ainda coordenadora (desde 1969), do Centro de Estudos do Genoma
Humano. Pioneira no estudo das patologias de origem genética e hereditária.
Actualmente está a estudar outras doenças genéticas como a fibrose cística.
Estas e outras informações sobre a autora estão disponíveis no site do Prémio
Cláudia (s. d.).
O texto que a autora nos apresenta (Zatz, 2002) define inicialmente o que
é um clone e como a ovelha Dolly abriu caminho para possíveis experiências
com seres humanos. Com o nascimento deste clone mostrou-se que seria
possível clonar mamíferos.
Zatz explica-nos o processo científico desta experiência através de
conceitos da embriologia. Remetendo logo em seguida para a distinção entre
clonagem para fins reprodutivos e clonagem para fins terapêuticos.
Segundo Zatz, na clonagem reprodutiva o ovulo, cujo núcleo é uma célula
somática, que posteriormente é inserido no útero da fêmea que funcionará
como uma barriga de aluguer. Se este ovulo se desenvolver, nascerá um novo
ser, idêntico ao ser a quem foi retirada a célula somática.
No entanto este processo não é assim tão linear. As várias tentativas de
clonagem têm fracassado, ou por má formação do feto, ou por abortos naturais,
muitos dos óvulos implantados em fêmeas nem sequer se chegam a
desenvolver. Além disso, a ideia de clonar um ser humano tem causado
discussões de carácter ético.

14
Sociologia
Fontes de Informação Sociológica
Segundo a autora, existem dificuldades técnicas e grandes riscos na
utilização da clonagem, tais como: qual vai ser a idade do clone quando este
nascer? Terá a mesma idade que um recém-nascido ou sofrerá alguma espécie
de envelhecimento precoce? O facto de uma criança apenas receber o ADN de
apenas um ser, não poderá estar vir a ter problemas genéticos? Possibilitará o
diagnóstico pré-natal a identificação de fetos malformados ou portadores de
mutações deletérias?
A única vantagem que Zatz encontra na clonagem reprodutiva é o facto
desta ter ensinado muito acerca do funcionamento das células e isto poder criar
novas perspectivas terapêuticas.
A autora passa então a explicar o que é a clonagem terapêutica. Para esta,
a clonagem terapêutica seria fantástica para o tratamento de doenças. Na
clonagem para fins terapêuticos serão gerados só tecidos, em laboratório, sem
implantação do útero e não clonar um feto até alguns meses dentro do útero e
depois retirar-lhe os órgãos.
Numa última fase a autora fala-nos dos aspectos éticos envolvidos nesta
questão. Ela defende que, mesmo que todos os problemas científicos
apresentados em relação à clonagem fossem seleccionados, tais como o perigo
de deficiências dos embriões ou patologias posteriores ao nascimento, os
problemas de origem ética acabariam sempre por persistir. Problemas como:
“E se ocorrerem problemas mais tarde (na segunda ou terceira década) quem se
responsabiliza?”, entre outros.
Em relação à clonagem terapêutica, a autora pergunta se não existiria o
risco desta abrir caminho para a clonagem humana? Apesar deste e de outros
problemas apresentados, a clonagem terapêutica é aceite pela maioria dos
cientistas e pelas pessoas que poderão ter interesses nesta.
Mas estes dois tipos de clonagem não deverão ser confundidos pois
enquanto que a clonagem humana pressupõe a implantação de um óvulo

15
fecundado num útero, a clonagem terapêutica apenas trataria o óvulo como
qualquer outra célula e que nunca seriam inseridos num útero.
É importante a distinção entre a clonagem humana e a clonagem
terapêutica antes de nos colocarmos contra ambas. É também importante que a
legislação apoie estas pesquisas pois poderão salvar milhões de vidas.
Pessoalmente, não concordo com o texto na integra, pois acho que possui
algumas lacunas.
Em primeiro lugar o texto não podia deixar de referir os problemas éticos
relativos à clonagem pois actualmente é rara a discussão de temas "frágeis" que
não meta a palavra "ética" ao barulho. Seja a ética "humanista", seja a ética
cristã, há uma série de "éticas" e juízos de carácter ético-moral, que não se sabe
muito bem quem as “inventou”, mas que se interpõem nos debates como
verdades quase incontestáveis e como argumentos fortíssimos.
Embora já todos nós tenhamos ouvido falar sobre este tão polémico
assunto, muito poucos sabem o que é que o termo clonagem quer de facto
dizer. Mesmo assim, sem possuirmos qualquer tipo de conhecimento científico
sobre o mesmo, insistimos e achamo-nos no direito de dar a nossa sentença.
A verdade é que desde que a ciência nasceu e tem tentado evoluir, esta
tem travado uma batalha renhida com a ética e a moral.
Se não fosse a ciência e a anatomia (que na altura parecia, aos olhos do
homem, um atentado à humanidade) nunca se teria resolvido e conhecidas as
causas e as prevenções para determinadas patologias. Os bebés proveta (outra
grande polémica mundial) que também eram condenados pela ética, hoje em
dia deixaram de ser um problema para passar a ser uma solução. Não fora
também Copérnico condenado por afirmar que a terra era redonda e agora
sabe-se que a terra é de facto redonda!
Não serão então, a ética e a moral um entrave ao conhecimento? Será que
a humanidade receia o novo de tal forma que prefere permanecer na

16
Sociologia
Fontes de Informação Sociológica
ignorância? Não será a clonagem mais um avanço científico que nos trará
vantagens?
A autora começa por falar sobre a clonagem humana apresentando-nos
apenas os contras e as questões éticas envolvidas, apontando-as como
problemas, mas não as desenvolvendo posteriormente. Em seguida apresenta as
problemáticas da clonagem terapêutica mas logo depois mostra-nos o lado
benéfico desta, pondo de parte a clonagem humana e, com isto, mostrando
claramente a sua parcialidade.
Poderemos supor que a autora possui interesses com a clonagem
terapêutica, na medida em que esta técnica iria beneficiar a sua vida
profissional como cientista que tenta resolver os problemas de origem genética.
Esta também poderia, possivelmente, ter interesses com a clonagem
reprodutiva, no entanto Zatz deixa bem ciente que a única vantagem que vê
neste tipo de clonagem foi o facto desta abrir as portas para um conhecimento
que pode ser usado para fins unicamente terapêuticos. Por isso acha importante
a aprovação da legislação em relação à clonagem terapêutica.
Mayana Zataz, ao longo do seu artigo, insiste em fazer uma distinção
entre clonagem reprodutiva e clonagem terapêutica. Para tal utiliza os seguintes
argumentos: ambos os tipos de clonagem não podem ser confundidos, pois
enquanto que a clonagem reprodutiva faz experiências com embriões (o ovulo
é fecundado) e inserido num útero, na clonagem terapêutica o ovulo será
tratado em laboratório como qualquer outra célula. Contudo, a autora entra em
contradição quando, logo em seguida, afirma que é necessário que a legislação
aprove as experiências com embriões. Isto é, apesar de condenar a clonagem
reprodutiva por trabalhar com embriões também defende que a lei deve
permitir experiências com estes.
Para além disso, a autora afirma que a clonagem terapêutica não irá abrir
as portas para a clonagem humana e que é fundamental a aprovação destas

17
pesquisas com embriões. Porém, quem é que lhe assegura que ao utilizar-se
embriões para a clonagem terapêutica estes não serão implantados num útero?
Não podemos pôr de lado a possibilidade de uma fraude científica! No entanto
não será o embrião o início de uma vida? É esse, de resto, o argumento
sustentado por Naara Luna (2001) no artigo citado.
“Segundo a versão religiosa mais antiga dessa ontologia, a
condição de pessoa consiste em ter alma desde a concepção.
Conforme a versão laica moderna, o embrião já na fase inicial
detém «direitos naturais», em vista de sua qualidade de esboço
genético de um «futuro indivíduo». A Igreja católica e os
grupos antiaborto seriam os representantes mais ferrenhos dessa
postura de proteger a dignidade da pessoa humana desde a
concepção.” (2001: 46)
Por isso, não seria um crime muito maior do que a clonagem humana (que
consiste em criar uma vida) o facto de criar embriões, extrair deles apenas o
que para nós é necessário e depois deixá-lo morrer?

18
Sociologia
Fontes de Informação Sociológica

Avaliação de uma página Web sobre a


“clonagem”

Esta foi a página Web escolhida por mim para ser analisada e criticada.
http://col1107.vilabol.uol.com.br/
Esta é uma das páginas que aborda todos ou quase todos os pontos
referentes à clonagem, nomeadamente as questões éticas da clonagem, o DNA,
os animais que já foram clonados, as consequências futuras que a clonagem
poderá acarretar mas também os benefícios desta, os diversos interesses, as
diferentes opiniões, algumas informações históricas, os direitos do Homem, a
liberdade de investigação, etc. Todos estes pontos poderão ser encontrados
neste site e por isso considero-o generalista.
Quanto ao seu autor, direi antes autores, são os alunos do ISERJ (Instituto
Superior de Educação do Rio de Janeiro), mais precisamente a turma 1107 do
ano de 2001, com os quais podemos contactar, visto que na página existe uma
hiperligação ao seu e-mail (col1107@bol.com.br). O facto dos autores serem
um conjunto de estudantes orientados por um professor instrutor (Elvio
Nascimento) dá-nos uma certa credibilidade da informação existente neste site.
No entanto este site parece ser apenas um projecto de curso e o facto de ter sido
elaborado por alunos não o torna aprofundado.
O site escolhido é de origem brasileira e que, obviamente, usa o idioma
português. Apesar disso a informação que o site possui não se restringe apenas
à sua área geográfica (Brasil), aborda também os EUA, o Reino Unido, entre
outros países, pois não nos podemos esquecer que a clonagem é um tema
polémico à escala mundial.
Este site é relativamente recente, visto que a data deste é de 2001. Mesmo
assim o site necessita de actualizações, na medida em que, sendo a clonagem

19
um assunto igualmente actual e ainda não resolvido, este encontra-se em
constante mudança e entretanto (desde 2001 até 2003) novos acontecimentos
relacionados com a clonagem surgiram, como por exemplo o anúncio do
nascimento do primeiro bebé clonado.
O objectivo deste site, quanto a mim, é o de informar de uma maneira
geral todos aqueles que estiverem interessados em conhecer algo mais sobre a
clonagem.
Quanto à sua apresentação, não considero que as cores sejam agradáveis,
visto que foram utilizadas cores muito escuras e imagens um pouco “berrantes”
e satíricas. No entanto acho que este tipo de apresentação foi usada
propositadamente. Digo isto porque a clonagem ainda é um tema muito incerto
e talvez as cores queiram transmitir essa obscuridade. Quanto às imagens,
como aquela que é apresentada na página “As Prováveis Consequências
Futuras”, o autor utiliza-a igualmente para satirizar o receio que existe quando
se imagina qual será o resultado destas experiências, isto é: será que o clone vai
ser uma aberração?
As fontes usadas pelos autores não são referidas no site. Tal característica
apresento-a como um defeito do site.
No que diz respeito à redacção da informação esta é bastante clara.
Considero também que o documento é de fácil navegação. A informação é
gratuita. As páginas carregam rapidamente (dependendo também do
computador e da ligação à Internet). Quanto aos links que este nos proporciona
não são os mais aconselháveis para quem pretender informação sobre a
clonagem que seja credível, visto que os links existentes remetem-nos para
sites humorísticos pouco fiáveis e fúteis. Para além disso, em toda a Web não
existem sites que possuam links para este site e isto torna-o ainda menos
credível.

20
Sociologia
Fontes de Informação Sociológica

Conclusão

Como já tinha referido, o tema clonagem, por si só, é um assunto


complexo e ainda muito desconhecido.
Devo admitir que não foi propriamente fácil procurar boas fontes de
informação. Todas as pesquisas que realizei na Internet apresentavam muito
“ruído” ou muito “silêncio” e por isso tive que especificar cada vez mais a
pesquisa para encontrar o que realmente pretendia.
Outra das dificuldades com que me deparei foi o facto de ainda existirem
poucos livros sobre o objecto de estudo, visto que este ainda não foi
desenvolvido, já que é relativamente recente.
Para além destas duas dificuldades, e devido à ilegalidade do tema, não
me foi possível encontrar fontes de informação de carácter estatístico.
Estes foram os principais obstáculos com eu me deparei na minha
investigação.
Quanto à estruturação do trabalho não tive muitas dúvidas, à excepção da
elaboração dos conteúdos, pois não sabia exactamente como estruturar o estado
das artes.
Por outro lado, a elaboração deste trabalho ofereceu-me uma série de
fontes de informação que, possivelmente, serão úteis para futuros trabalhos
durante a minha licenciatura de Sociologia e, obviamente, para a minha
formação pessoal.

21
Referências bibliográficas

ACI – Imprense (2003), “Clonagem: a dignidade do Homem em jogo”. Página consultada


em 21 de novembro de 2002,
<http://www.acidigital.com/clonagem>

Atlan, Henri; Augé, Marc; Delmas-Marty Mireille; Droit, Roger-Pol e Fresco, Nadine
(2001), (orgs.) Clonagem humana. Coimbra: Quarteto Editora.

Bragança, Ana Maria de M.; Cardoso, Juliane; Ferrão, Valdemir e Oliveira, Maria Alice (s.
d.), “Perspectivas das ciências biológicas e das ciências da religião”. Página consultada em
11 de dezembro de 2002,
<www.geocities.com/coloquio_bioetica/clonrel.htm>

Com Ciência (2001), “Clonagem: a dessacralização da vida”. Página consultada em 25 de


novembro de 2002,
<www.comciencia.br/reportagens/clonagem/clone15.htm>

Correia, Clara Pinto (1997), (org.), Clonai e multiplicai-vos. Lisboa: Texto Editora.

CTN Bio (2002), “Ética das manipulações genéticas: proposta para um código de conduta”.
Parcerias Estratégicas, 16. Página consultada em 20 de novembro de 2002,
<http://www.ctnbio.gov.br/ctnbio/bio/publi/pe_bioetica.htm>

Diaféria, Adriana (1999), Clonagem: aspectos jurídicos e bioéticos. São Paulo: EDIPRO –
Edições Profissionais.

Fernandes, Paula Alexandra Costa (1998), “Biologia molecular e humanidade”. Página


consultada em 30 de novembro de 2002,
<http://www.prof2000.pt/users/pcosta/index.htm>

Horta, António Eduardo Monteiro (1997), “Biotecnologia e clonagem: utilização e ética.”. O


Mirante, 12, 8-9. Página consultada em 20 de dezembro de 2002,
<http://www.terravista.pt/ancora/1043/mirante.pdf>

Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro – turma 1107 (2001), “Projecto: Site
Clonagem”. Página consultada em 27 de novembro de 2002,
<http://col1107.vilabol.uol.com.br/>

Junior, Roberto C. P. (s. d.), “A clonagem ética”. Página consultada em 10 de dezembro de


2002,
<http://www.portugal-linha.pt/opiniao/RJunior/rj42.html>

Juntos pela vida (s. d.), “Clonagem e experimentação no embrião humano”. Página
consultada em 21 de novembro de 2002

22
Sociologia
Fontes de Informação Sociológica
<www.terravista.pt/enseada/1881/clonagem.html>

Kahan, Axel e Papillon, Fabrice (2000), A Clonagem em questão. Lisboa: Instituto Piaget.

Loureiro, João Carlos Gonçalves (1999), O direito à identidade genética do ser humano.
Coimbra: Coimbra Editora.

Luna, Naara (2001), “A clonagem como problema e seus lugares comuns”. Ciência hoje,
176, 45-47. Página consultada em 15 de dezembro de 2002,
<www.uol.com.br/cienciahoje/chmais/pass/ch176/clones5.pdf>

Movimento em defesa da vida (2001), “Notícias da defesa da vida – clonagem”. Página


consultada em 27 de novembro de 2002,
<www.defesadavida.com.br/noticias_071201.htm>

Pereira, Joel (1997), “Clonagem: o Homem substitui Deus”. Página consultada em 3 de


dezembro de 2002,
<http://www.terravista.pt/ancora/1305/clonagem.html>

Pereira, Lygia V. (2002), “Parecer sobre clonagem humana reprodutiva e terapêutica”.


Parcerias Estratégicas, 16, 125-132. Página consultada em 20 de novembro de 2002,
<http://www.ctnbio.gov.br/ctnbio/bio/publi/12LygiaPereira.pdf>

Porto Editora (1999), Dicionários de língua portuguesa. Porto: Porto Editora.

Prémio Cláudia (s. d.), “Mayana Zatz”. Página consultada em 24 de dezembro de 2002,
<http://www.uol.com.br/premioclaudia/ingles/1999/zatz.html>

RTP1 (2003), “Medo ou esperança”. Emissão na RTP1 de 8 de Janeiro de 2003, moderado


por Gabriel Alves.

Sais, Fernanda A. (s. d.), “Clonagem”. Página consultada em 15 de dezembro de 2002,


<http://www.clonagem.fernandasais.cjb.net/>

Selecções do Reader’s Digest (1991),”Maravilhas da ciência”, in idem (org.), Maravilhas da


Ciência. Lisboa: Selecções do Reader’s Diegest, 188, 191-193.

STOA (1999), “As implicações éticas da investigação no domínio do embrião humano”.


Página consultada em 20 de dezembro de 2002,
<www.europarl.eu.int/comparl/tempcom/genetics/links/ethical_implications_pt.pdf>

Varella, Drauzio (s. d.), “A consciência e o clone”. Página consultada em 7 de dezembro de


2002,
<www.drauziovarella.com.br/artigos/clonagem.asp>

Zatz, Mayana (2002), “Clonagem humana: contras e prós”. Parcerias Estratégicas, 16, 133-
143. Página consultada em 20 de novembro de 2002,
<http://www.ctnbio.gov.br/ctnbio/bio/publi/13MayanaZatz.pdf>

23