Você está na página 1de 9

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO TOM JOBIM

Avenida Jacuí, s/nº - Vila Cruzeiro do Sul – Porto Alegre, RS - Fone 3266.5172
Turma: Componente Curricular:
Nome do Professor: Atividade referente a carga horária do dia:
A literatura é uma forma artística de representação da realidade. Literatura é ficção; é a recriação
de uma realidade, através de palavras são combinadas de maneira pessoal, criativa, subjetiva. A
combinação revela a maneira individual de cada escritor interpretar a realidade.
EXEMPLO 1

Mulher assassinada
         “Policiais que faziam a ronda no centro no centro da cidade, encontraram, na madrugada de ontem,
perto a Praça da Sé, o corpo de uma mulher aparentando 30 anos de idade. Segundo depoimentos de
pessoas que trabalham nos bares próximos, trata-se de uma prostituta conhecida por Nenê. Ela foi
assassinada a golpes de faca. A polícia descarta a hipótese de assalto, pois sua bolsa, com a carteira de
dinheiro, foi encontrada junto ao corpo. O caso está sendo investigado pelo delegado do 2º Distrito
Policial.”
(JORNAL DA PARAÍBA, 2007)
           EXEMPLO 2:                                                                    EXEMPLO 3:
CONSOADA EPITÁFIO PARA UM BANQUEIRO

“Quando a Indesejada das gentes chegar NEGÓCIO


(Não sei se dura ou coroável), OCIO
Talvez  sorria, ou dia: EGO
Alô,  iniludível! CIO
O meu dia  foi bom, pode a noite descer. O
(À noite com seus sortilégios).
Encontrará lavrado o campo, a casa limpa, (PAULO PAES)
A mesa posta,
Com cada coisa em seu lugar.”

(MANUEL BANDEIRA)

 RESUMINDO...

TEXTO LITERÁRIO TEXTO NÃO-LITERÁRIO


SUBJETIVO (DIFERENTE PARA CADA UM) OBJETIVO (IGUAL PARA TODOS)
SENTIDO FIGURADO (CONOTATIVO) SENTIDO REAL (DENOTATIVO)
CRIATIVO RACIONAL
FICCIONAL NÃO-FICÇÃO
VÁRIAS INTERPRETAÇÕES ÚNICA INTERPRETAÇÃO
LINGUAGEM  MAIS TRABALHADA LINGUAGEM  SIMPLES

1.   Leia o texto abaixo para responder as questões que se segue:

AS FRÔ DE PUXINANÃ

Três muié ou três irmã, Os ói dela paricia


três cachôrra da mulesta, duas istrêla tremeno,
eu vi num dia de festa, se apagano e se acendeno Eu inté me atrapaiava,
no lugar Puxinanã. em noite de ventania. sem sabê das três irmã
qui ei vi im Puxinanã,
A mais véia, a mais ribusta A tercêra era Maroca. qual era a qui mi agradava.
era mermo uma tentação! De cóipo muito mal feito,
mimosa frô do sertão Mas porém tinha nos peito Inscuiendo a minha cruz
que o povo chamava Ogusta. dois cuscuz de mandioca. prá sair desse imbaraço,
desejei morrê nos braços
A segunda, a Guléimina, Dois cuscuz, que, por da dona dos dois cuscuz
tinha uns ói qui ô! mardição! capricho,
Matava quarqué cristão quando ela passou por eu, (Zé da Luz)
os oiá déssa minina. minhas venta se acendeu
cum o chêro vindo dos bicho.
a) Poderíamos dizer que este texto é literário, ou não? Por quê?

b) O que prova que este texto é um poema?

c) Se trocássemos a linguagem popular em que o texto foi escrito pela linguagem mais correta, mudaria
a beleza poética do texto?

d) O eu-lírico (aquele que ‘canta’ o poema) do texto nos conta sua paixão por três irmãs. Como ele
descreve cada uma das moças?

e) No final do texto, com qual das irmãs o eu-lírico resolveu ficar? E por que ele escolheu esta?

2.   Observe a imagem abaixo para responder as seguintes questões:

a) Que gênero textual é este?

b) Ele é literário? Por quê?

c) Qual sua finalidade?

d) Onde podemos encontrar este gênero textual?

e) Se não tivesse a imagem, será que entenderíamos sobre o que trata esse texto? Por quê?

f) De que trata este texto?

g) Será que o problema que está sendo mostrado neste texto existe no nosso cotidiano?
ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO TOM JOBIM
Avenida Jacuí, s/nº - Vila Cruzeiro do Sul – Porto Alegre, RS - Fone 3266.5172
Turma: Componente Curricular:
Nome do Professor: Atividade referente a carga horária do dia:

1. Indique quando o texto é LITERÁRIO quando e NÃO É LITERÁRIO:

a) Trem de Ferro ______________________


Café com pão Que eu preciso Nasci no sertão
Café com pão Muita força Sou de Ouricuri
Café com pão Muita força Oô...
Virge Maria que foi isso Muita força Vou depressa
maquinista? Oô... Vou correndo
Agora sim Menina bonita Vou na toda
Café com pão Do vestido verde Que só levo
Agora sim Me dá tua boca Pouca gente
Voa, fumaça Pra matá minha sede Pouca gente
Corre, cerca Oô... Pouca gente...
Ai seu foguista Vou mimbora (Manuel Bandeira BANDEIRA, M.
Estrela da Manhã, 1936.)
Bota fogo Vou mimbora
Na fornalha Não gosto daqui

b) Selfie mortal: busca pela foto perfeita já matou 259 pessoas no mundo __________________
  “A busca por selfies perigosas já matou 259 pessoas entre 2011 e 2017, revelou um novo estudo, mas os
autores da pesquisa acreditam que esse número pode ser ainda maior. O estudo compilou notícias sobre
mortes de pessoas enquanto tentavam tirar fotos de si mesmas em situações arriscadas. São casos como
o do jovem Gavin Zimmerman, de 19 anos, que, em julho deste ano, caiu de um penhasco na Austrália
enquanto fazia uma foto.” (BBC News 04/08/2018)

c)   A Rosa e o Mar _____________________


“Linda doçura de gosto refinado
embelezas minha estrada, o meu caminho
com teus leves "insites" amalgamados
de amor, de ternura e de carinho.

Tuas palavras acariciam o meu ego,


teus versos me revelam o lado lindo,
tua sutileza me envolve e me desprego
das amarras da vida e do destino”.

d)   Brigadeiro de Leite Moça _________________________


INGREDIENTES:
1 lata de Leite MOÇA; 3 colheres (sopa) de Chocolate em Pó; 1 colher (sopa) de manteiga; 1
xícara (chá) de chocolate granulado; manteiga para untar.
MODO DE PREPARO:
Em uma panela, coloque o Leite MOÇA® com o Chocolate em Pó e a manteiga. Misture bem e leve
ao fogo baixo, mexendo sempre até desprender do fundo da panela (que corresponde a cerca de 10
minutos). Retire do fogo, passe para um prato untado e deixe esfriar. Com as mãos untadas, enrole em
bolinhas e passe-as no granulado. Sirva em forminhas de papel.
Rendimento: 40 docinhos.

e)   O coelho das orelhas compridas __________________________


Amanhecia no bosque quando o coelhinho das orelhas grandes saiu de casa com o seu macacão azul e
uma cesta, para comprar legumes e frutas.
Saltando entre pinheiros e amoras, de onde começaram a sair tordos, cães e ratinhos para o ajudar
nas compras, logo chegou à feira.
Escolheu cenouras, alfaces e rabanetes, para fortalecer os olhos e os dentes.
Também maçãs com vitaminas para adoçar a merenda e todas as outras que vocês quiserem
recomendar-lhe que leve.
No seu regresso, a mesa estava posta e os seus 15 irmãozinhos, com as patinhas lavadas, esperavam
sentados para almoçar. Depois de lavar as dentolas e dormir a sesta, saíram, como recompensa, para
brincar com os seus amigos, os bichinhos, as aves e os insetos do bosque.
2.   Leia o fragmento de texto abaixo e responda as perguntas:
(AUTO DA COMPADECIDA PRIMEIRO ATO)
PADRE: (aparecendo na igreja) Que gritaria é essa?
CHICÓ: Mandaram avisar que uma pessoa vai trazer um
cachorro para o senhor benzê.
PADRE: para eu benzer?
CHICÓ: Sim.
PADRE: (com desprezo) Que maluquice! Que besteira!
JOÃO GRILO: Mas padre, no dia em que chegou o motor
novo do major Antônio Morais o senhor não benzeu?
PADRE: Motor é diferente, é uma coisa que todo mundo
benze, mas benzer cachorro?
JOÃO GRILO: É Chicó, o padre tem razão, benzer o cachorro
do Major Antônio Morais não pode.
PADRE: Como? E o dono do cachorro é Antônio Morais?
JOÃO GRILO: É. Eu não queria vir, com medo de que o
senhor se zangasse.
PADRE: (sorrindo) Zangar nada, João!
JOÃO GRILO: (cortante) Quer dizer que benze, não é?
PADRE: Não vejo mal nenhum em se abençoar as criaturas
de Deus. Diga ao Major que venha. Eu estou esperando.
(entra na igreja)
a)   O texto acima é considerado literário ou não literário?
b)   Quais características esse texto possui para ser considerado o que você disse na questão “a”?
c)   A qual gênero pertence esse tipo de texto (Lírico, Narrativo ou Dramático)?
d)   Quais características esse texto possui para ser considerado o que você disse na questão “c”?
e)   Por que o padre resolveu benzer o cachorro no fragmento de texto acima?

3.   Leia os dois textos ao lado e responda as questões com suas palavras:


TEXTO 1:
Descuidar do lixo é sujeira
Diariamente, duas horas antes da chegada do
caminhão da prefeitura, a gerência de uma das
filiais do McDonald’s deposita na calçada dezenas
de sacos plásticos recheados de papelão, isopor,
restos de sanduíches. Isso acaba propiciando um
lamentável banquete de mendigos. Dezenas deles
vão ali revirar o material e acabam deixando os
restos espalhados pelo calçadão.
(Veja São Paulo, 23-29/12/92)

TEXTO 2:        O bicho 


Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos. 
Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.
O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.
O bicho, meu Deus, era um homem. 

(Manuel Bandeira. Em Seleta em prosa e


verso. Rio de Janeiro: J. Olympio/MEC, 1971,
p.145)
a)   Qual o assunto em comum tratado nos dois textos?
b)   Qual deles é considerado um texto literário?
c)   Qual deles é considerado um texto não literário?
d)   No texto 2, há uma palavra usada no sentido conotativo (SENTIDO FIGURADO). Que palavra é esta?
e)   Por que o texto 2 é considerado um poema?
ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO TOM JOBIM
Avenida Jacuí, s/nº - Vila Cruzeiro do Sul – Porto Alegre, RS - Fone 3266.5172
Turma: Componente Curricular:
Nome do Professor: Atividade referente a carga horária do dia:
OS DESAFIOS DA QUARTA GERAÇÃO

Copa do Mundo de 2014 é o primeiro evento de porte mundial em que o 4G será largamente usado

Desde abril, usuários de telefone móvel de algumas das principais cidades brasileiras têm à sua
disposição a tecnologia de quarta geração (4G), que oferece maior capacidade de transmissão de dados,
imagens e vídeos. A inovação, que chegou ao Brasil quase um ano depois da estreia mundial dessas
redes mais avançadas, terá um marco no próximo ano, quando a cobertura do serviço deverá ser
ampliada no País: a Copa do Mundo de Futebol será o primeiro grande evento de porte no planeta em
que celulares poderão acessar a rede 4G, compartilhando fotos e imagens com mais rapidez. A chegada
da novidade coincide com um momento desafiador para as empresas de telecomunicações: a demanda
setorial no País, que já tem mais de um celular por habitante, deverá continuar crescendo diante da
ascensão social, o que exigirá a manutenção de altos investimentos. Melhorar a qualidade dos serviços e
ampliar a cobertura da rede serão palavras de ordem dos executivos, que terão de aperfeiçoar a
imagem do segmento, que tem sido afetado por crescentes críticas de consumidores.
6.   Com relação ainda ao texto acima assinale a única alternativa FALSA:

a)   O texto acima não é literário porque se apresenta em sentido denotativo (SENTIDO REAL).
b)   Esse texto não apresenta mais de uma interpretação.
c)   O texto acima é uma notícia e tem a função de informar ao leitor, é objetivo, uma vez que é literário.
d)   O texto acima foi escrito em parágrafos.
e)   A demanda social de celular por habitante tenderá a crescer, segundo texto.

7.   Observe a imagem abaixo e assinale a única alternativa FALSA:


a)   A função desse texto é transmitir uma reflexão ao leitor.

b) A palavra “só” do texto pode ser substituída, sem alterar o sentido do
mesmo, por “apenas”.

c)  A mensagem do texto é a de que o desmatamento também afeta


direto e negativamente a vida dos animais.

d) Esse texto não é literário visto que apresenta apenas uma


interpretação, é objetivo, trata de uma realidade e suas palavras estão
no sentido denotativo (SENTIDO REAL).

e) A imagem e o pequeno texto (NÃO ERA SÓ UMA ÁRVORE) juntos


são desnecessários, visto que sem um ou outro o sentido geral da
mensagem não seria prejudicada.

8.   Leia o texto abaixo e marque a ÚNICA alternativa CORRETA:

No país do Futebol
“A Copa do Mundo será uma excelente a)   Este texto é literário porque nos diverte falando
oportunidade para o Brasil mostrar as marcas da Copa do Mundo.
de suas empresas. A Espanha começou a
modernizar a imagem a partir dos Jogos b)  Este texto é épico, porque nos conta uma história
Olímpicos. O Brasil deve fazer o mesmo em que o herói é um povo de um país, ou seja, o
porque o País está entre os melhores em campeão da Copa.
muitas áreas e poucos sabem disso”. A
afirmação é da professora do Insead, Lourdes c)   Este texto é um poema, porque está estruturado
Casanova, especialista em multinacionais em versos e estrofes.
latino-americanas, convidada com outro
palestrante internacional, Soumitra Dutta, d) Este texto não é de literatura, e sua função é
para um café da manhã oferecido pelo IEL a transmitir uma informação de forma clara e
empresários e acadêmicos, que reuniu mais direta sobre a Copa do Mundo.
de cem pessoas. [...]
(Revista IEL Interação, Ano 18, nº 207,
setembro/outubro/novembro 2009, p. 20.)
e) Este texto é dramático, pois fala no drama dos
jogadores de futebol que jogam uma Copa.

9.   Leia os dois textos abaixo:

TEXTO I
O AÇÚCAR

O branco açúcar que adoçará meu café


nesta manhã de Ipanema
não foi produzido por mim
nem surgiu dentro do açucareiro por
milagre.

Vejo-o puro
e afável ao paladar
como beijo de moça, água
na pele, flor
que se dissolve na boca. Mas este açúcar
não foi feito por mim.

Este açúcar veio


da mercearia da esquina e tampouco o fez o
Oliveira, dono da mercearia.
Este açúcar veio
de uma usina de açúcar em Pernambuco
ou no Estado do Rio
e tampouco o fez o dono da usina.

Este açúcar era cana


e veio dos canaviais extensos
que não nascem por acaso
no regaço do vale.

Em lugares distantes, onde não há hospital


nem escola,
homens que não sabem ler e morrem de
fome
aos 27 anos
plantaram e colheram a cana
que viraria açúcar.

Em usinas escuras,
homens de vida amarga
e dura
produziram este açúcar
branco e puro
com que adoço meu café esta manhã em
Ipanema.
 (Ferreira Gullar.)
TEXTO II

A cana-de-açúcar

Originária da Ásia, a cana-de-açúcar foi


introduzida no Brasil pelos colonizadores
portugueses no século XVI. A região que
durante séculos foi a grande produtora de
cana-de-açúcar no Brasil é a Zona da Mata
nordestina, onde os férteis solos de
massapé, além da menor distância em
relação ao mercado europeu, propiciaram
condições favoráveis a esse cultivo.
Atualmente, o maior produtor nacional de
cana-de-açúcar é São Paulo, seguido de
Pernambuco, Alagoas, Rio de Janeiro e Minas
Gerais. Além de produzir o açúcar, que em
parte é exportado e em parte abastece o
mercado interno, a cana serve também para
a produção de álcool, importante nos dias
atuais como fonte de energia e de bebidas. A
imensa expansão dos canaviais no Brasil,
especialmente em São Paulo, está ligada ao
uso do álcool como combustível.

(Comentários sobre os textos: “O


açúcar” e “A cana-de-açúcar” )
Com relação aos textos I e II, assinale a opção INCORRETA:
Texto 1: História – Seca, fenômeno secular na vida dos nordestinos

A história das secas na região Nordeste é uma prova de fogo para quem lê ou escuta os relatos
que vêm desde o século 16. As duras consequências da falta de água acentuaram um quadro que em
diversos momentos da biografia do semiárido chega a ser assustador: migração desenfreada, epidemias,
fome, sede, miséria. Os relatos de pesquisadores e historiadores datam da época da colonização
portuguesa na região. Até a primeira metade do século 17, quem ocupava as áreas mais interioranas do
semiárido brasileiro era a população indígena. Uma das primeiras secas que se tem notícia aconteceu
entre 1580 e 1583.
(Revista Ipea, Ano 6. Edição 48 – 10/03/2009, por Pedro Henrique Barreto). 

Texto 2: Asa Branca (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira – 1947)

Quando olhei a terra ardendo Morreu de sede Cair de novo


Qual fogueira de São João Meu alazão Pra mim voltar
Eu perguntei, ai Até mesmo a asa branca Pro meu sertão
Meu Deus do céu, ai Bateu asas do sertão Quando o verde dos teus
Por que tamanha Então eu disse: olhos
Judiação Adeus, Rosinha Se espalhar na plantação
Que braseiro, Guarda contigo Eu te asseguro
Que fornalha, Meu coração Não chores não, viu
Nenhum pé de plantação E hoje longe muitas léguas Que eu voltarei, viu
Por falta d’água Numa triste solidão Meu coração
Perdi meu gado Espero a chuva

01 – Qual é o tema abordado nessa canção, que foi consagrada na voz de Luiz Gonzaga e ainda é popular
em todo o Brasil?

02 – Encontre, na letra da canção, o termo que é uma medida de comprimento utilizado para descrever a
que distância o indivíduo está de sua casa. Essa medida de comprimento equivale a quantos quilômetros?

03 – Leia com atenção a segunda estrofe. Que sentimento a estrofe expressa?

04 – A letra dessa canção, que foi escrita há muito tempo, retrata a situação nas regiões Norte e Nordeste
nos dias de hoje. Na sua opinião, por que será que isso ainda acontece?

05 – Na canção, a única esperança de retorno do indivíduo para sua terra natal se dá com a vinda regular
das chuvas. Você conhece outras formas de captação de água?

06 – Como você pode observar, a água é um recurso importante na vida dos seres vivos; por isso é
importante saber utilizá-la. Em quais situações você poderia reutilizar a água em sua casa?

07 – Quais são os sentimentos expressos na música?

08 – O contexto da música asa branca é o que ocorre durante a seca no Nordeste. Segundo o texto, qual
é a opção feita por algumas pessoas durante esse período?

09 – O texto mostra a realidade de alguns locais do sertão. De acordo com a música as pessoas gostam
de morar no nordeste? Justifique sua resposta.

10 – Sobre a linguagem não literária é correto afirmar, exceto:


a) É utilizada, sobretudo, em textos cujo caráter seja essencialmente informativo.
b) Sua principal característica é a objetividade.
c) Utiliza recursos como a conotação para conferir às palavras sentidos mais amplos do que elas
realmente possuem.
d) Utiliza a linguagem denotativa para expressar o real significado das palavras, sem metáforas ou
preocupações artísticas.

Exercícios: Gêneros Literários


Texto 1 – Maria Chiquinha – Sandy e Junior
O que que você foi fazer no mato, Maria Chiquinha?
Eu precisava cortar lenha, Genaro, meu bem
Quem é que tava lá com você, Maria Chiquinha?
Era filha de Sádona, Genaro, meu bem
Eu nunca vi mulher de bigode, Maria Chiquinha
Ela tava comendo jamelão, Genaro, meu bem (…)
Texto 2 – Velha Infância – Tribalista
Você é assim
Um sonho pra mim
E quando eu não te vejo
Eu penso em você
Desde o amanhecer
Até quando eu me deito…
Eu gosto de você
E gosto de ficar com você
Meu riso é tão feliz contigo
O meu melhor amigo
É o meu amor… (…)
Texto 3 – Dezesseis – Legião Urbana
João Roberto era o maioral, o nosso Johny era um cara legal. /Ele tinha um opala metálico azul, era o rei
dos pegas na asa sul , e de todo lugar. /Quando ele pegava no violão, conquistava as meninas e quem
mais quisesse ver, /Sabia tudo da Janis, do Led Zeppelin, dos Beatles e dos Rolling Stones,/Mas de uns
tempos pra cá, meio sem querer, alguma coisa aconteceu/ Johny andava meio quieto demais, só que
quase ninguém percebeu, oh,oh,oh/ Johny estava com um sorriso estranho, quando marcou um super
pega no fim-de-semana,/ Não vai ser no casebre, nem no lago norte, nem na UNB/ As máquinas prontas,
um ronco de motor / a cidade inteira se movimentou, /e Johny disse:-eu vou pra curva do diabo,
sobradinho e vocês?/ E os motores saíram ligados ali, / Pra estrada da morte o maior pega que existiu,/
Só deu pra ouvir, foi aquela explosão, e os pedaços do opala azul de Johny pelo chão/ No dia seguinte,
falou o diretor:-O aluno João Roberto, não está mais entre nós./ Ele só tinha 16, que isto sirva de aviso
pra vocês./ E na saida da aula, foi estranho e bonito/ Todo mundo cantando baixinho/ Strawberry fields
forever/ e até hoje quem se lembra,/ diz que não foi o caminhão/ nem a curva fatal, e nem a explosão/
Johny era fera demais pra vacilar assim/ E quem diga que foi tudo por causa de um coração partido/ Um
coração../ Bye Bye Johny./ Johny bye bye

1. A que gênero literário (narrativo, lírico e dramático) pertencem as músicas:

a) Maria Chiquinha

b) Velha Infância

c) Dezesseis

2. As características de um texto narrativo são personagens, tempo/lugar e ações. Analise a música


“Dezesseis”:

a) Sobre o personagem principal, identifique-o e fale sobre a personalidade dele descrita no início da
música.

b) É possível identificar quando e onde ocorreu a história?

c) Sobre “ações”, como podemos resumir a história apresentando o início, o meio e o fim dela?

3. A imagem que João Roberto aparentava correspondia com o que ele era na realidade? Explique.

4. João Roberto era jovem e tinha a vida toda pela frente. Você concorda com a postura e a concepção de
amor dele?

5. Releia o texto:

a) Por que a música se chama “Dezesseis”?

b) Que mensagem o autor quis transmitir ao intitulá-la de “Dezesseis”?