Você está na página 1de 44

CURSO DE BACHARELADO EM BIOMEDICINA

Angiografia Coronariana

Carlos Cardoso
Biomédico
ANGIOGRAFIA CORONARIANA
• CATETERISMO CARDIACO - Cinecoronariografia ou Estudo
Hemodinâmico - exame invasivo que pode ser realizado de forma eletiva,
para confirmar a presença de obstruções das artérias coronárias ou
avaliar o funcionamento das valvas e do músculo cardíaco.

• Intervenção (angioplastia ou em situações de emergência, para


determinar a exata localização da obstrução que está causando o infarto
agudo do miocárdio e planejar a melhor estratégia de intervenção.

Equipe:
•1 a 2 médicos Hemodinamicistas, técnico ou tecnólogo de Rx e enfermagem
especializada, treinados em procedimentos intervencionistas.
Por que fazer este exame?

• Porque é possível detectar obstruções provocadas por placas


ateroscleróticas (gordura) nas paredes das artérias, que podem
causar angina (dor no peito) e o infarto.

• Auxiliar no diagnóstico de malformações arteriais e aneurismas.

• Se houver obstrução completa de alguma artéria, o contraste não


passa por ali. É o que acontece por exemplo, no caso do infarto.
Por que fazer este exame?
Quem precisa fazer angiografia
coronária?
O médico pode recomendar Angiografia coronária para quem tem sinais
ou sintomas de doença das artérias coronárias, como:

* Angina: dor sem explicação ou pressão no peito. A pessoa também pode


sentir isso nos ombros, braços, pescoço, mandíbula ou costas.

* Parada cardíaca: condição na qual o coração subitamente pára de bater.


Quem precisa fazer
angiografia coronária?

Resultado de outros testes como


eletrocardiograma (ECG), teste
de esforço, etc. sugestivo que a
pessoa tenha doença cardíaca.

 A pessoa também pode precisar de angiografia de emergência caso


esteja tendo um ataque cardíaco. A angiografia, combinada com
angioplastia, pode desobstruir artéria.
Preparo do paciente

• fazer jejum de 4 horas antes do exame;

• só suspender o uso de medicamentos sob orientação


médica e se necessário.

• procurar repousar no período que antecede ao exame


e evitar o consumo de bebidas e estimulantes
Procedimento
(duração de 20 a 50 minutos)

Antes do procedimento:

•Linha intraarterial
•Monitor cardíaco
•Sedativo oral ou intravenoso
Fluoroscópio – Arco C

Imagem contínua de raio X

Fonte:http://www.medicalexpo.com/

Angiogramas

Fonte: http://www.firstcallparts.com/system-and-part-purchasing/
Fluoroscópio –
Arco C

Sistemas
Eletromecânicos
Imagens registradas
Angiogramas
Após o procedimento
•Aplicar ligadura de pressão (curativo compressivo);
•Examinar se há sangramento ou dores no peito;
•Ingerir líquidos em maior quantidade;
•Liberado no mesmo dia ou passar uma noite de internação
Riscos e complicações
• Dor

• Infecção

• Arritmia

• Hematoma

• Sensação de rubor

• Exposição a raios-X

http://cardiointervencion.com/complicaciones-del-cateterismo/
Riscos e complicações
• AVC

• Ataque cardíaco

• Coágulo de sangue

• Dano a vasos sanguíneos

• Reações alérgicas ao contraste ou medicamentos

• Dano aos rins decorrente do contraste usado

• Acúmulo de sangue ou fluido no pericárdio


Anatomia do Coração e Grandes Vasos
Artérias do Coração.
Artérias do Coração.
Anatomia Coronária
Considerações Gerais

• A artéria descendente anterior e o ramo ventricular


posterior correm, respectivamente, na porção
superior e inferior do septo interventricular;

• As artérias circunflexa e coronária direita correm no


sulco atrioventricular.
Ramos da Coronária Direita
 Ramo do cone – origina-se da coronária direita em ou
diretamente da aorta. Percorre a parede anterior e
superior do ventrículo direito.
 Artéria do nó sinusal;
 Ramos agudos marginais – suprem a parede do VD;
 Ramo descendente posterior – irriga a porção
inferior do septo interventricular e ventrículo esquerdo;
 Ramos ventriculares posteriores – irrigam a parede
póstero-lateral do ventrículo esquerdo.
Ramos da Coronária Esquerda
 Tronco da coronária esquerda – origina-se do seio aórtico
esquerdo. Cursa por detrás da via de saída do ventrículo direito e
dá origem às artérias descendente anterior e circunflexa.
 Artéria descendente anterior – percorre a porção anterior do
septo interventricular em direção ao ápex, dando origem a ramos
diagonais e ramos septais.
 Artéria circunflexa – percorre o sulco atrioventricular
posterior, dando origem aos ramos obtusos marginais e ao ramo
atrioventricular.
Angiografia e Suas Projeções
Angiografia e Suas Projeções
Artéria Coronária Direita
Artéria Coronária Esquerda
Projeções.
Projeções.
Projeções
Projeções.
Projeções.
Projeções.
Padrões de Circulação Coronária
 Dominância direita (70-85%) – coronária direita dá
origem aos ramos descendente posterior e ventricular
posterior.
 Dominância esquerda (8-15%) - os ramos descendente
posterior e ventricular posterior originam-se da porção
distal da artéria circunflexa.
 Co-dominância ou padrão balanceado (~7%) –
coronária direita dá origem ao ramo descendente
posterior e a circunflexa aos ramos ventriculares
posteriores.
Dominância Direita
VENTRICULOGRAFIA.
VENTRICULOGRAFIA.
Angiografia rotacional 3D (3D-RA)
• portadores de cardiopatias congênitas

KAPINS et al. 2010


Angiografia Apresentando Lesões e
Deformidades Coronárias.
Angiografia Apresentando Lesões e
Deformidades Coronárias.
Anomalias na Origem das Coronárias
Ocorre em 1 a 2% dos casos. Em ordem de freqüência:

• Óstios separados das artérias DA e CX;


• ACX originando-se do seio de Valsalva direito ou da coronária
direita;
• Origem alta e anterior da coronária direita;
• Coronária esquerda originando-se do seio de Valsalva direito
(tanto em óstio separado ou como coronária única)*;
• Coronária única#;
• Coronária esquerda originando-se da artéria pulmonar: provoca
ICC e isquemia miocárdica nos primeiros 4 meses de vida.
Apenas 25% dos pacientes chega à vida adulta;
• Coronária direita originado-se da artéria pulmonar.
* e # = risco de morte súbita se um ramo principal cruzar entre a artéria pulmonar e a aorta
Outra Anomalias Coronárias

 Fístulas coronárias - 50% dos pacientes são


assintomáticos. Pode causar ICC, endocardite bacteriana,
isquemia miocárdica ou ruptura de um aneurisma. Local
de drenagem: ventrículo direito (41%), átrio direito
(26%), artéria pulmonar (17%), ventrículo esquerdo
(3%), veia cava superior (1%);
 Ponte miocárdica - trajetos intramiocárdios de, onde
a luz é comprimida durante a sístole. Pode ser causa de
isquemia de etiologia não aterosclerótica;
 Aneurismas – etiologia: arterite ou aterosclerose.
Projeções Angiográficas
 Tronco da coronária esquerda: melhor visualizado na
projeção AP ou com leve angulação caudal (10-20o);
 Artéria descendente anterior:
▫ 1/3 proximal: OAD caudal e OAE cranial (coração verticalizado)
ou caudal (coração horizontalizado);
▫ 1/3 médio e distal: OAD ou AP cranial, OAE cranial, lateral
esquerda.

 Artéria circunflexa:
▫ 1/3 proximal: OAD caudal, OAE caudal e perfil E;
▫ 1/3 médio e distal: OD caudal e perfil E;
▫ Origem dos ramos marginais: AP ou OAD caudal;
▫ Ramo DP (dominância E): OAD cranial e OAE cranial.
REFERÊNCIAS
• NÓBREGA, A.I. Tecnologia Radiológica e
Diagnóstico por Imagem. História da
Radiologia. 3ª ed. São Paulo: Difusão, 2009.

• SUTTON D. Radiologia E Imaginologia. 7ª ed.


São Paulo: Manole, 2003.

• CARNEVALE, F.C. Radiologia Intervencionista


e Cirurgia Endovascular - 1ª ed. São Paulo:
Revinter, 2006