Você está na página 1de 21

01

Q555644
Aplicada em: 2015
Banca: FCC
Órgão: TRT - 15ª Região (SP)
Prova: Técnico Judiciário - Tecnologia da Informação
De acordo com o Regimento Interno do Tribunal Regional do
Trabalho da 15a Região, o Tribunal Pleno é constituído pela totalidade
dos Desembargadores do Tribunal. Suas sessões serão dirigidas pelo
Presidente e, nos casos de impedimento, sucessivamente, pelo 
a
Vice-Presidente Judicial, pelo Vice-Presidente Administrativo, pelo
Corregedor Regional, pelo Vice-Corregedor Regional ou pelo
Desembargador mais antigo e elegível, em exercício. 
b
Vice-Presidente Administrativo, pelo Vice-Presidente Judicial, pelo
Corregedor Regional, pelo Vice-Corregedor Regional ou pelo
Desembargador mais antigo e elegível, em exercício. 
c
Vice-Presidente Judicial, pelo Corregedor Regional, pelo Vice-
Corregedor Regional ou pelo Desembargador mais antigo e elegível em
exercício e pelo Vice-Presidente Administrativo. 
d
Corregedor Regional, pelo Vice-Presidente Judicial, pelo Vice-
Presidente Administrativo, pelo Vice-Corregedor Regional ou pelo
Desembargador mais antigo e elegível.  
e
Vice-Presidente Administrativo, pelo Corregedor Regional, pelo
Vice-Presidente Judicial, pelo Vice-Corregedor Regional ou pelo
Desembargador mais antigo e elegível, em exercício. 
ETRA B
Art. 17. O Tribunal Pleno é constituído pela totalidade dos
Desembargadores do
Tribunal. Suas sessões serão dirigidas pelo Presidente e, nos casos de
impedimento, sucessivamente,
pelo Vice-Presidente Administrativo, pelo Vice-Presidente Judicial, pelo
Corregedor
Regional, pelo Vice-Corregedor Regional ou pelo Desembargador mais
antigo e elegível, em exercício.
(Alterado pelo Assento Regimental n. 1, de 24 de fevereiro de 2014)
epois do Presidente:

1º Vice-Presidente Administrativo
 
2º Vice-Presidente Judicial

3º Corregedor Regional
 
4º Vice-Corregedor Regional
 
5ºDesembargador mais antigo e elegível, em exercício.
2
Q502273
Aplicada em: 2015
Banca: FCC
Órgão: TRT - 15ª Região (SP)
Prova: Analista Judiciário – Tecnologia da Informação
No tocante a eleição para os cargos de direção do Tribunal
Regional do Trabalho da 15ª Região, considere: 

I. A eleição far-se-á mediante escrutínio secreto, em sessão ordinária


do Tribunal Pleno, a ser realizada na primeira quinta- feira do mês de
outubro dos anos pares. 
II. Poderão concorrer a cada cargo os cinco Desembargadores mais
antigos e elegíveis. 
III. As eleições obedecerão à seguinte ordem quando realizadas na
mesma data: Corregedor Regional e Vice-Corregedor Regional;
Presidente; Vice-Presidente Judicial; Vice-Presidente Administrativo. 

IV. Na hipótese da vacância do cargo de Presidente do Tribunal, a


eleição para o preenchimento da vaga correspondente far- se-á em
sessão plenária a ser realizada no prazo de sessenta dias, com posse
imediata, concluindo o eleito o tempo de mandato do antecessor. 

De acordo com o Regimento Interno do Tribunal Regional do Trabalho


da 15ª Região, está correto o que consta APENAS em
a
III e IV
b
I, II e III.
c
II, III e IV.
d
I, II e IV.
e
I e II.
 A eleição far-se-á mediante escrutínio secreto, em sessão
ordinária do Tribunal Pleno, a ser realizada na primeira quinta- feira do
mês de outubro dos anos pares. (Correto. Art. 14, caput RI TRT15)
II. Poderão concorrer a cada cargo os cinco Desembargadores
mais antigos e elegíveis. (Correto. Art. 14, §1º RI TRT15)
III. As eleições obedecerão à seguinte ordem quando realizadas na
mesma data: Corregedor Regional e Vice-Corregedor Regional;
Presidente; Vice-Presidente Judicial; Vice-Presidente
Administrativo. (Errado. Art. 14, § 2º As eleições obedecerão à seguinte
ordem quando realizadas na mesma data: Presidente; Vice-Presidente
Administrativo; Vice-Presidente Judicial; Corregedor Regional e Vice-
Corregedor Regional.)
IV. Na hipótese da vacância do cargo de Presidente do Tribunal, a
eleição para o preenchimento da vaga correspondente far- se-á em
sessão plenária a ser realizada no prazo de sessenta dias, com posse
imediata, concluindo o eleito o tempo de mandato do
antecessor. (Errado. Art. 14, § 6º Na hipótese da vacância dos cargos
de Presidente do Tribunal, Vice-Presidente Administrativo, Vice-
Presidente Judicial, Corregedor Regional ou Vice-Corregedor Regional,
a eleição para o preenchimento da Vaga correspondente far-se-á em
sessão plenária a ser realizada no prazo de DEZ DIAS, com posse
imediata, concluindo o eleito o tempo de mandato do antecessor.)

 - Art. 14. A eleição para os cargos de direção do Tribunal far-se-


á mediante escrutínio secreto, em sessão ordinária do Tribunal
Pleno, a ser realizada na primeira quinta-feira do mês de outubro
dos anos pares, tomando posse os eleitos e prestando compromisso
perante os demais Desembargadores integrantes da Corte, em sessão
plenária reunida, extraordinariamente, no dia 9 de dezembro dos anos
pares ou no primeiro dia útil seguinte, se for o caso.
 
 
II - art 14, § 1º Poderão concorrer a cada cargo os cinco
Desembargadores mais antigos e elegíveis.
 
 
III - art 14, § 2º 
-Presidente;
-Vice-Presidente Administrativo;
-Vice-Presidente Judicial;
-Corregedor Regional e
-Vice-Corregedor Regional.
 
 
IV- art 14, § 6º - prazo de 10 dias com posse imediata
03
Q502274
Aplicada em: 2015
Banca: FCC
Órgão: TRT - 15ª Região (SP)
Prova: Analista Judiciário – Tecnologia da Informação
De acordo com o Regimento Interno do Tribunal Regional do
Trabalho da 15a Região, compete ao Órgão Especial, em matéria
judiciária, processar e julgar originariamente
a
as arguições de inconstitucionalidade de lei ou de ato do poder
público, quando acolhidas pelas Câmaras.
b
as arguições de inconstitucionalidade de lei ou de ato do poder
público, quando acolhidas pelas Seções Especializadas.
c
as ações rescisórias contra acórdãos do Tribunal Pleno.
d
os incidentes de uniformização da jurisprudência em dissídios
individuais.
e
o mandado de segurança impetrado contra atos praticados pelos
membros de Comissão de Concurso.
(a) as arguições de inconstitucionalidade de lei ou de ato do poder
público, quando acolhidas pelas Câmaras.
É competência do Tribunal Pleno.
(b) as arguições de inconstitucionalidade de lei ou de ato do poder
público, quando acolhidas pelas Seções Especializadas.
É competência do Tribunal Pleno.
(c) as ações rescisórias contra acórdãos do Tribunal Pleno.
É competência do Tribunal Pleno.
(d) os incidentes de uniformização da jurisprudência em dissídios
individuais.
É competência do Tribunal Pleno.
(e) o mandado de segurança impetrado contra atos praticados
pelos membros de Comissão de Concurso. Correto
 
Art. 20. Compete ao TRIBUNAL PLENO:
I - Em matéria judiciária:
a) processar e julgar originariamente:
1. as arguições de inconstitucionalidade de lei ou de ato do poder
público, quando acolhidas pelo Órgão Especial, pelas Seções
Especializadas, pelas Câmaras, ou quando opostas em processos de
sua competência originária;
2. as ações rescisórias de seus próprios acórdãos;
3. os habeas corpus e os mandados de segurança contra seus
próprios atos, contra os atos do seu Presidente, nesta qualidade;
4. os incidentes de uniformização da jurisprudência (IUJ) e de
assunção de competência (IAC);

Interessante é que a competência para incidente de uniformização


da jurisprudência (letra D da questão) é do Pleno, mas o órgão especial
é competente para julgar incidente de resolução de demandas
repetitivas
 
Art. 21-F. Compete ao Órgão Especial:

I - em matéria judiciária:
 
9. os incidentes de resolução de demandas repetitivas em
matéria de sua competência;
(Incluído pelo Assento Regimental n. 3, de 9 de outubro de 2017)

gabarito: D
 
RI TRT15, Art. 22. Compete ao Presidente do Tribunal:
V - convocar e presidir as sessões ordinárias e extraordinárias da
Seção de Dissídios Coletivos;
 
ATENÇÃO!!!!!!!!!!
 
 
Seção III
Do Vice-Presidente Judicial
 
VI -  convocar e presidir audiências de conciliação e de
instrução de dissídios coletivos, por delegação do Presidente do
Tribunal, e audiências de conciliação em recursos ordinários, mediante
delegação dos respectivos relatores, bem como em recursos de revista.
(Alterado pelo Assento Regimental n. 1, de 15 de janeiro de 2016)
 
 
VII  presidir as sessões de julgamento da Seção de Dissídios
Coletivos na ausência do Presidente do Tribunal. (Redação dada pelo
Assento Regimental n. 2, de 2 de outubro de 2017)
05
Q351010
Aplicada em: 2013
Banca: FCC
Órgão: TRT - 15ª Região (SP)
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Nos termos do Regimento Interno do TRT da 15ª Região, é regra
atinente à eleição aos cargos de direção do Tri- bunal
a
a possibilidade dos 10 Desembargadores mais antigos e elegíveis
concorrerem a cada cargo.
b
a ocorrência das eleições na seguinte ordem, se realizadas na
mesma data: Presidente, Vice-Presidente Judicial, Vice-Presidente
Administrativo, Corregedor Regional e Vice-Corregedor Regional.
c
mandatos de 2 anos.
d
possibilidade de uma reeleição.
e
escrutínio aberto.
a) poderão concorrer a cada cargo os cinco desembargadores
mais antigos e elegíveis.
b) as eleições obedecerão à seguinte ordem quando
realizadas na mesma data: Presidente, Vice Administrativo, Vice
Judicial, Corregedor Regional e Vice Corregedor Regional.
c) os mandatos serão de 2 anos.
d) impossibilidade de reeleição.
e) a eleição far-se-á em escrutínio secreto, em sessão ordinária
do Tribunal Pleno.
GABARITO: C
 
 a) a possibilidade dos 10 Desembargadores mais antigos e
elegíveis concorrerem a cada cargo.
 
Art. 14, § 1º Poderão concorrer a cada cargo os cinco
Desembargadores mais antigos e  elegíveis. (Alterado pelo Assento
Regimental n. 5, de 23 de novembro de 2009)
 
 b) a ocorrência das eleições na seguinte ordem, se realizadas na
mesma data: Presidente, Vice-Presidente Judicial, Vice-Presidente
Administrativo, Corregedor Regional e Vice-Corregedor Regional.
 
Art. 14, § 2º As eleições obedecerão à seguinte ordem quando
realizadas na mesma data: Presidente; Vice-Presidente
Administrativo; Vice-Presidente Judicial; Corregedor Regional e Vice-
Corregedor Regional. (Alterado pelo Assento Regimental n. 5, de 23 de
novembro de 2009)
 
 c) mandatos de 2 anos.
 
§ 5º Os mandatos dos cargos previstos no presente artigo serão
de dois anos, vedada a  reeleição do Presidente do Tribunal, do Vice-
Presidente Administrativo, do Vice-Presidente Judicial, do Corregedor
Regional e do Vice-Corregedor Regional, com observação da hipótese a
que se refere o art. 13. O Desembargador que tiver exercido quaisquer
cargos de direção do Tribunal por quatro anos, ou o de Presidente, não
figurará entre os elegíveis, até que se esgotem todos os nomes, na
ordem de antiguidade. É obrigatória a aceitação do cargo, salvo
recusa manifestada e aceita antes da eleição. (Alterado pelo Assento
Regimental n. 5, de 23 de novembro de 2009)

 
 d) possibilidade de uma reeleição.
 
 e) escrutínio aberto.
 
Art. 14. A eleição para os cargos de direção do Tribunal far-se-á
mediante escrutínio  secreto, em sessão ordinária do Tribunal Pleno, a
ser realizada na primeira quinta-feira do mês de outubro dos anos pares,
tomando posse os eleitos e prestando compromisso perante os
demais Desembargadores integrantes da Corte, em sessão plenária
reunida, extraordinariamente, no dia 9 de dezembro dos anos pares ou
no primeiro dia útil seguinte, se for o caso. (Alterado pelo Assento
Regimental n. 5, de 26 de março de 2010)
 
06
Q384343
Aplicada em: 2013
Banca: FCC
Órgão: TRT - 15ª Região (SP)
Prova: Analista Judiciário - Área Administrativa
Nos termos do Regimento Interno do TRT da 15a Região, é regra
atinente à eleição aos cargos de direção do Tribunal.
a
possibilidade de uma reeleição. 
b
escrutínio aberto.
c
a possibilidade dos 10 Desembargadores mais antigos e elegíveis
concorrerem a cada cargo. 
d
a ocorrência das eleições na seguinte ordem, se realzadas na
mesma data: Presidente, Vice-Presidente Judicial, Vice-Presidente
Administrativo, Corregedor Regional e Vice-Corregedor Regional. 
e
mandatos de 2 anos.
a) possibilidade de uma reeleição. ERRADO.
Art. 14 § 5º: Os mandatos dos cargos previstos no presente artigo
serão de dois anos, VEDADA A REELEIÇÃO do Presidente do
Tribunal, do Vice-Presidente Administrativo, do Vice-Presidente Judicial,
do Corregedor Regional e do Vice-Corregedor Regional (...)
 
 b) escrutínio aberto. ERRADO.
Art. 14, caput: A eleição para os cargos de direção do Tribunal far-
se-á mediante ESCRUTÍNIO SECRETO (...)
 
 c) a possibilidade dos 10 Desembargadores mais antigos e
elegíveis concorrerem a cada cargo. ERRADO.
Art. 14, § 1º: Poderão concorrer a cada cargo os CINCO
(5) Desembargadores mais antigos e elegíveis.
 
 d) a ocorrência das eleições na seguinte ordem, se realzadas na
mesma data: Presidente(1º), Vice-Presidente Judicial(3º), Vice-
Presidente Administrativo(2º), Corregedor Regional(4º) e Vice-
Corregedor Regional(5º). ERRADO.
Art. 14, § 2º:  As eleições obedecerão à seguinte ordem quando
realizadas na mesma data: Presidente; Vice-Presidente Administrativo;
Vice-Presidente Judicial; Corregedor Regional e Vice-Corregedor
Regional.
 
 e) mandatos de 2 anos. CERTO.
Art. 14 § 5º: Os mandatos dos cargos previstos no presente artigo
serão de DOIS ANOS, vedada a reeleição do Presidente do Tribunal, do
Vice-Presidente Administrativo, do Vice-Presidente Judicial, do
Corregedor Regional e do Vice-Corregedor Regional (...)
 
07
Q353781
Aplicada em: 2013
Banca: FCC
Órgão: TRT - 15ª Região (SP)
Prova: Técnico Judiciário - Área Administrativa
O Órgão Especial é um dos órgãos do TRT da 15a Região, nos
termos do seu Regimento Interno, e é composto pelo Presidente do
Tribunal, pelos 12 Desembargadores mais antigos e por mais 12
Desembargadores eleitos. O quorum exigido para sua deliberação,
deduzidos os afastamentos legais e regimentais, é:
a
16 Desembargadores. 
b
12 Desembargadores. 
c
13 Desembargadores
d
14 Desembargadores.
e
15 Desembargadores.
GABARITO: D
 
Art. 21-D. Para as deliberações do Órgão Especial, exigir-se-
á quorum de 14 (quatorze) Desembargadores, deduzidos os
afastamentos legais e regimentais. (Inserido pelo Assento Regimental n.
5, de 23 de novembro de 2009).
 
Art. 18. Para as deliberações do Tribunal Pleno, exigir-se-
á quorum de metade mais um de seus membros, deduzidos os
afastamentos legais e regimentais. (Alterado pelo Assento Regimental n.
5, de 23 de novembro de 2009)
 
QUÓRUM PARA DELIBERAÇÕES DO ÓRGÃO ESPECIAL -> 14
Desembargadores ( Art. 21-D)
QUÓRUM PARA DELIBERAÇÕES DO TRIBUNAL PLENO -
> metade mais um de seus membros (art 18 - os membros do tribunal
pleno é composto pelo total dos desembargadores do tribunal)
qUÓRUM PARA DELIBERAÇÕES DO ÓRGÃO ESPECIAL -> 14
Desembargadores
QUÓRUM PARA DELIBERAÇÕES DO TRIBUNAL PLENO -
> metade mais um de seus membros (art 17 - os membros do tribunal
pleno é composto pelo total dos desembargadores do tribunal)

08
Q353782
Aplicada em: 2013
Banca: FCC
Órgão: TRT - 15ª Região (SP)
Prova: Técnico Judiciário - Área Administrativa
O Regimento Interno do TRT da 15a Região fixa a competência
do Órgão Especial. Pode ser delegada ao Presidente ou a qualquer
órgão do Tribunal, mediante resolução aprovada pela maioria de seus
Desembargadores efetivos,
a
determinar às Varas de Trabalho a realização das diligências
necessárias ao esclarecimento dos feitos sob sua apreciação. 
b
processar e julgar Mandado de Segurança impetrado contra atos
praticados pelos membros de Comissão de Concurso.
c
deliberar, referendar e determinar o processamento de exoneração
e aposentadoria de Desembargador. 
d
conceder licenças para frequência em cursos ou seminários de
aperfeiçoamento e estudos. 
e
dar ciência à Corregedoria de atos considerados atentatórios à boa
ordem processual.
Fonte (Comentário Abaixo): Regimento Interno 15ª Região
(http://portal.trt15.jus.br/documents/835066/1049064/RI_10_10_2017_co
mpleto2.pdf/6fecd5c7-0d57-4f0c-91f5-c731fad5c8df)
 
                                                
Funções Delegáveis
 
Art. 21. Mediante resolução aprovada pela maioria de seus
Desembargadores efetivos, poderá o Órgão Especial delegar, integral
ou parcialmente, ao Presidente do Tribunal ou a qualquer órgão do
Tribunal, as atribuições previstas no art. 21-F, VII e X. (Alterado pelo
Assento Regimental n. 5, de 23 de novembro de 2009)
 
{Regimento Interno 15ª Região
 
Art. 21-F. Compete ao Órgão Especial: (Inserido pelo Assento
Regimental n. 5, de 23 de novembro de 2009)
 
X - determinar às Varas do Trabalho a realização dos atos
processuais e das diligências necessárias ao esclarecimento dos feitos
sob sua apreciação; (Inserido pelo Assento Regimental n. 5, de 23 de
novembro de 2009) }
 
                                                
Funções Não Delegáveis
 
Art. 21-F. Compete ao Órgão Especial: (Inserido pelo Assento
Regimental n. 5, de 23 de novembro de 2009)
 
I - em matéria judiciária: (Inserido pelo Assento Regimental n. 5, de
23 de novembro de 2009)
 
a) Processar e julgar originariamente: (Inserido pelo Assento
Regimental n. 5, de 23 de novembro de 2009)
 
5. o mandado de segurança impetrado contra atos praticados pelos
membros de Comissão de Concurso; (Inserido pelo Assento Regimental
n. 5, de 23 de novembro de 2009) [Alternativa B – ERRADA]
 
II - Em matéria administrativa: (Inserido pelo Assento Regimental n.
5, de 23 de novembro de 2009)
 
b) deliberar, referendar e determinar o processamento de: (Inserido
pelo Assento Regimental n. 5, de 23 de novembro de 2009) [Alternativa
C – ERRADA]
 
m) conceder licenças para frequências em cursos ou seminários de
aperfeiçoamento e estudos; (Inserido pelo Assento Regimental n. 5, de
23 de novembro de 2009) [Alternativa D – ERRADA]
 
IX - dar ciência à Corregedoria de atos considerados atentatórios à
boa ordem processual; (Inserido pelo Assento Regimental n. 5, de 23 de
novembro de 2009 [Alternativa E - ERRADA]
 
ABARITO: A
 
Art. 21. Mediante resolução aprovada pela maioria de seus
Desembargadores efetivos, poderá o Órgão Especial delegar, integral
ou parcialmente, ao Presidente do Tribunal ou a qualquer órgão do
Tribunal, as atribuições previstas no art. 21-F, VII e X. (Alterado
pelo Assento Regimental n. 5, de 23 de novembro de 2009)
Art. 21-F. Compete ao Órgão Especial: (Inserido pelo Assento
Regimental n. 5, de 23 de novembro de 2009)
VII - praticar quaisquer outros atos necessários ao bom
funcionamento da Justiça do Trabalho da 15ª Região, assim como
deliberar o que for cabível, nos casos não previstos neste Regimento;
(Inserido pelo Assento Regimental n. 5, de 23 de novembro de 2009)
X - determinar às Varas do Trabalho a realização dos atos
processuais e das diligências necessárias ao esclarecimento dos
feitos sob sua apreciação; (Inserido pelo Assento Regimental n. 5, de
23 de novembro de 2009)

09
Q353827
Aplicada em: 2013
Banca: FCC
Órgão: TRT - 15ª Região (SP)
Prova: Técnico Judiciário - Área Administrativa
Marcia ajuizou reclamação trabalhista em face da empresa “BFT
Ltda.”. Após regular instrução processual, o processo encontra- se
concluso para prolação de sentença há mais de nove meses, tendo o
Magistrado modificado três vezes a data da audiência de julgamento
do referido processo. Neste caso, Márcia.
a
deverá impetrar mandado de segurança em razão da violação do
direito líquido e certo resultante do desrespeito ao devido processo
legal. 
b
deverá interpor agravo de instrumento no prazo de dez dias da
ciência da última modificação da data da audiência de julgamento. 
c
poderá ajuizar reclamação correcional no prazo de oito dias da
ciência da última modificação da data da audiência de julgamento. 
d
poderá ajuizar reclamação correcional no prazo de cinco dias da
ciência da última modificação da data da audiência de julgamento. 
e
não possui medida legal cabível tendo em vista que o magistrado
possui o dever de impulsionar o processo, diligenciando da melhor
maneira que entender.
REGIMENTO INTERNO DA CORREGEDORIA-GERAL DA
JUSTIÇA DO TRABALHO DA CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA
DO TRABALHO 
Art. 15 - O prazo para a apresentação da reclamação correicional é
de cinco dias, contados da publicação do ato ou despacho no órgão
oficial, ou da ciência inequívoca pela parte dos fatos relativos à
impugnação.
Parágrafo único - O prazo estabelecido no caput deste artigo será
em dobro para a Fazenda Pública e o Ministério Público do Trabalho.

Complementando..
A reclamação correicional, também chamada de correição parcial,
é um procedimento administrativo regulamentado pelos Regimentos
Internos dos Tribunais do Trabalho. Esta visa sustar procedimentos
do juiz que atentem contra a boa ordem processual vigente.

  A reclamação correicional deve preencher alguns requisitos, a


saber:
    •   o ato deve ser atentatório à boa ordem processual;
    •   não deve haver recurso cabível contra este ato;
    •   deve ser demonstrado o prejuízo processual à
parte recorrente do referido ato.
A) Art. 246. O mandado de segurança da competência originária do
Tribunal Pleno, do Órgão Especial, da 1ª SDI ou da 2ª SDI, na forma
prevista neste Regimento, é cabível na hipótese do art. 5º, LXIX e LXX
da CF
LXIX - conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito
líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou habeas data,
quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for autoridade
pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do
Poder Público;
LXX - o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por:
a) partido político com representação no Congresso Nacional;
b) organização sindical, entidade de classe ou associação
legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos um ano, em
defesa dos interesses de seus membros ou associados;
 
B) Art. 267. Cabe agravo de instrumento dos despachos
que negarem seguimento a recurso.
 
C) poderá ajuizar reclamação correcional no prazo de oito dias da
ciência da última modificação da data da audiência de julgamento.
-> 5 DIAS ART 35, Parágrafo único. Não se tratando de recurso, o
prazo para a correição parcial é de
cinco dias, a contar da ciência do ato ou da omissão impugnados,
 
D) CORRETO (vide explicação da C)
 
E) Não diz nada disso no regimento
0
Q355283
Aplicada em: 2013
Banca: FCC
Órgão: TRT - 15ª Região (SP)
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Nos termos do Regimento Interno do TRT da 15ª Região, é regra
atinente à eleição aos cargos de direção do Tribunal
a
a possibilidade dos 10 Desembargadores mais antigos e elegíveis
concorrerem a cada cargo.
b
a ocorrência das eleições na seguinte ordem, se realizadas na
mesma data: Presidente, Vice-Presidente Judicial, Vice-Presidente
Administrativo, Corregedor Regional e Vice-Corregedor Regional.
c
mandatos de 2 anos.
d
possibilidade de uma reeleição.
e
escrutínio aberto.
) a possibilidade dos 10 Desembargadores mais antigos e elegíveis
concorrerem a cada cargo. ERRADA
(Apenas 5)
b) a ocorrência das eleições na seguinte ordem, se realizadas na
mesma data: Presidente, Vice-Presidente Judicial, Vice-Presidente
Administrativo, Corregedor Regional e Vice-Corregedor
Regional. ERRADA
ordem correta: Presidente, Vice-Presidente Administrativo,
Vice-Presidente Judicial, Corregedor Regional e Vice Corregedor
Regional
c) mandatos de 2 anos. CORRETA
d) possibilidade de uma reeleição. ERRADA
(é vedada a reeleição. Lembrando que pode concorrer para
outro cargo, e completando-se 4 anos em cargo de direção, o
desembargador se torna inelegível até que se esgote todos os
nomes na ordem de antiguidade). Vide parágrafo 5º do art 14 do RI.
e) escrutínio aberto. ERRADA
(o escrutínio deve ser secreto)
 
CAPÍTULO II
DA ORGANIZAÇÃO DO TRIBUNAL
Art. 21. Mediante resolução aprovada pela maioria de seus
Desembargadores
efetivos, poderá o Órgão Especial delegar, integral ou parcialmente,
ao Presidente do
Tribunal ou a qualquer órgão do Tribunal, as atribuições previstas
no art. 21-F, VII e X.
(Alterado pelo Assento Regimental n. 5, de 23 de novembro de 2009)
CAPÍTULO III-A
DO ÓRGÃO ESPECIAL
Art. 21-F. Compete ao Órgão Especial: (Inserido pelo Assento
Regimental n. 5, de 23 de novembro de 2009)
VII - praticar quaisquer outros atos necessários ao bom
funcionamento da Justiça
do Trabalho da 15ª Região, assim como deliberar o que for cabível, nos
casos não previstos
neste Regimento; (Inserido pelo Assento Regimental n. 5, de 23 de
novembro de 2009)
X - determinar às Varas do Trabalho a realização dos atos
processuais e das diligências necessárias ao esclarecimento dos feitos
sob sua apreciação; (Inserido pelo Assento Regimental n. 5, de 23 de
novembro de 2009)
GABARITO E
 
Complementando: o TRT é quem define o horário de
funcionamento das Varas do Trabalho. As diversas Varas do
Trabalho têm sede e jurisdição fixadas em lei. São parte
da desconcentração administrativa e estão vinculadas
administrativamente ao TRT.
12
Q771067
Aplicada em: 2013
Banca: FCC
Órgão: TRT - 15ª Região (SP)
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
As Seções Especializadas do TRT da 15ª Região serão
compostas pelos Desembargadores do Trabalho. A SDC − Seção de
Dissídios Coletivos é constituída pelo Presidente do Tribunal e pelo
Vice-Presidente Judicial, a 1ª SDI − Seção de Dissídios Coletivos pelo
Corregedor-Geral, a 2ª SDI − Seção de Dissídios Coletivos pelo Vice-
Corregedor Regional, a 3ª SDI − Seção de Dissídios Coletivos pelo
Vice-Presidente Administrativo, além de, respectivamente, 
a
13, 12, 12 e 13 Desembargadores. 
b
 13, 12, 12 e 12 Desembargadores. 
c
12, 12, 12 e 12 Desembargadores. 
d
13, 13, 13 e 13 Desembargadores.
e
12, 13, 13 e 13 Desembargadores.
DC = 15 desembargadores, sendo o Presid do Tribunal + Vice-
Presid Jud. + 13 desembargadores
SDI-1 = 13 desembargadores
SDI-2 = 13 desembargadores
SDI-3 = 14 desembargadores
Art. 46. A Seção de Dissídios Coletivos (SDC) é constituída de 15
(quinze) Desembargadores e será dirigida pelo Presidente do Tribunal, a
quem incumbirá conciliar e instruir os dissídios originários e de revisão,
ou, na sua ausência, pelo Vice-Presidente Judicial, substituí- dos pelo
Desembargador mais antigo da Seção quando ambos estiverem
ausentes.
(Redação dada pelo Assento Regimental n. 2, de 2 de outubro de 2017)
Art. 48. A 1ª Seção de Dissídios Individuais (1ª SDI) será
constituída de 13 (treze)
Desembargadores, dentre eles, o seu Presidente. (Redação dada pelo
Assento Regimental n. 2, de
2 de outubro de 2017)
Art. 49-A. A 2ª Seção de Dissídios Individuais (2ª SDI) será
constituída de 13 (treze)
Desembargadores, dentre eles, o seu Presidente. (Redação dada pelo
Assento Regimental n. 2, de
2 de outubro de 2017)
Art. 50. A 3ª Seção de Dissídios Individuais (3ª SDI) será
constituída de 14 (catorze)
Desembargadores, dentre eles, o seu Presidente. (Redação dada pelo
Assento Regimental n. 2, de
2 de outubro de 2017)

3
Q771068
Aplicada em: 2013
Banca: FCC
Órgão: TRT - 15ª Região (SP)
Prova: Analista Judiciário - Contabilidade
Os servidores do TRT da 15a Região têm a sua disposição a
Escola Judicial. É elegível para os cargos de Diretor e Vice-Diretor o 
a
 Presidente de Câmara. 
b
Vice-Presidente Administrativo. 
c
Vice-Presidente Judicial. 
d
Corregedor Regional. 
e
Vice-Corregedor Regional. 
Elegíveis para cargo de direção e vice direção da Escola Judicial:
TODOS OS DESEMBARGADORES, exceto
- os que se achem no exercício dos cargos de direção (Presidente,
VPA, VPJ, Corregedor Regional e Vice CR);
- aqueles que tenham exercido cargos de direção há menos de 3
anos do término do mandato (exerceu o cargo e este mandato terminou
há menos de 3 anos da eleição a cargo de direção ou vice direção da
Escola Judicial --> correto?)
 
 a)  Presidente de Câmara. Gabarito! O único que não é cargo de
direção.