Você está na página 1de 2

Modelo de texto de proposta de produção

Título do projeto: Como Nos Olham

Proposta de Produção
(Plano de produção, Viabilidade de execução orçamentária, Orçamento resumido com a indicação da
contrapartida; Detalhamento técnico; e Estratégia de produção, contendo descrição da equipe técnica e
descrição dos personagens do documentário, dentre outras informações consideradas relevantes para o
filme).

A produção do curta-metragem Como Nos Olham (ficção, cor, DCP, aprox. 15 min) será
dividida em cinco etapas: preparação (2 semanas), pré-produção (4 semanas),
produção/filmagem (5 diárias), pós-produção (2 meses) e divulgação/distribuição (6
meses), que irão acontecer ao longo do período total de dez meses. O orçamento do filme
será de R$ 80.000,00, sendo que todos os técnicos e artistas envolvidos na produção irão
receber cachês compatíveis com os pisos salariais estabelecidos por seus sindicatos
regionais e todos os valores inclusos no orçamento são atuais de mercado e suficientes
para garantir a execução total do projeto com qualidade.

As filmagens acontecerão na cidade de Curitiba, sendo que parte em locações reais (ruas
do centro da cidade, fachada do hospital, bairro periférico) e parte em estúdio 1 (interior do
hospital). O filme será captado e finalizado em vídeo de alta definição (4k) e sistema de
som 5.1. A equipe técnica principal será composta por aproximadamente doze artistas e
técnicos com notório saber e experiência no mercado audiovisual.

A inspiração para este projeto surgiu após a repercussão, inclusive internacional, do brutal
assassinato da travesti Dandara dos Santos, em Fortaleza, registrado em vídeo que se
espalhou pelas redes sociais. Outros diversos casos reais serviram como inspiração para
esse projeto, uma vez que o diretor e roteirista, William de Oliveira, se dedicou a pesquisar
o tema ao longo dos últimos meses, especialmente por meio de entrevistas realizadas com
o apoio do Grupo Dignidade e do Transgrupo Marcela Prado, ONGs sediadas em Curitiba
que desenvolvem ações que promovem a cidadania e a defesa dos direitos de gays,
lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais.

É importante destacar que em 2016 o Decreto nº 8.727 passou a permitir o uso do nome
social de transexuais e travestis em todos os documentos oficiais. No entanto, durante o
processo de pesquisa para esse projeto foi constatado que casos de discriminação em
locais públicos, como hospitais, ainda são recorrentes. Além disso, segundo dados da
organização não governamental Transgender Europe, o Brasil é o país que mais mata
travestis e transexuais no mundo. Os números são assustadores. Em 2016, foram 127
assassinatos, um a cada 3 dias. Esses são alguns dos motivos pelos quais esse projeto se
faz não apenas relevante, mas também necessário.

Por fim, em razão da temática e proposta do filme, não poderia ficar de fora a questão da
visibilidade, por isso é válido ressaltar que o elenco do curta-metragem será composto por
cinco atrizes travestis e transexuais de destaque da cena teatral curitibana, que irão se
revezar na interpretação das duas personagens centrais: Rafaela e Silvia, como uma forma
de indicar a dimensão de diferentes vozes e rostos que sofre o mesmo tipo de
discriminação e pertencem ao mesmo grupo socialmente excluído, um grupo que merece

1
A produção do curta já firmou parceria com um estúdio sediado em Curitiba, garantindo a viabilidade da execução
das filmagens.
o respeito da sociedade não apenas por ser diferente, mas justamente por ter a coragem
de ser.