Você está na página 1de 100

Superestrutura

Curso: Engenharia Civil

Disciplina: Eletiva I

Professor: Luiz Humberto Camilo


Conteúdo: Introdução aos elementos estruturais básicos: lajes, vigas e pilares

VI G
A

LAJE

P
I
L
A
R
1 OBJETIVOS DO CURSO:
- Interpretação de projetos estruturais de edifícios usuais em concreto armado

- Identificar os elementos nos desenhos executivos  fôrmas estruturais


- Identificar os elementos nos desenhos executivos  fôrmas estruturais
- preparar o profissional para acompanhar execuções de estruturas em
concreto armado
- Aproximar parte teórica, dada em sala de aula, com a parte prática de
um canteiro de obras
2 INTRODUÇÃO
Fôrmas  desenhos técnicos

 software plataforma CAD (Computer Aided Design)

 informações para execução da estrutura


3 Desenhos de fôrmas de estruturas de concreto armado

- fôrma: desenho que contem a identificação e as informações dos elementos


estruturais de um determinado pavimento

- NBR 7191:1982: EXECUÇÃO DE DESENHOS PARA OBRAS DE CONCRETO


SIMPLES OU ARMADO – PROCEDIMENTO

- norma: fixa as condições especiais que devem ser observadas na execução


de desenhos técnicos para obras de concreto simples ou armado
- devem conter:

 plantas (fôrmas)

 cortes

 elevações de todas as peças estruturais

 forma e dimensões

 preferencialmente na escala 1:50

 projeção do teto em um plano que lhe é paralelo, situado na parte


inferior

 arestas visíveis serão as que ficarem voltadas para o plano de


projeção
EXEMPLO DE UMA FÔRMA:
Fôrma: os elementos estruturais são identificados por letras seguidas por
números

L : Laje PT : Pilar de Transição

PAR : Parede Estrutural V : Viga

S : Sapata C : Cinta P : Pilar

B : Bloco de Coroamento E : Estaca

VB: Viga Baldrame VT: Viga de Transição

VA: Viga Alavanca VE: Viga de Equilíbrio

LT: Laje Treliçada LM: Laje Maciça


Indicação das lajes
- numeração das lajes: começar do canto esquerdo superior do desenho,
prosseguindo para a direita, sempre em linhas sucessivas
Indicação das vigas

- numeração: vigas dispostas horizontalmente no desenho, partindo-se do canto superior


e prosseguindo-se por alinhamentos sucessivos, até atingir o canto inferior direito

- vigas dispostas verticalmente partindo-se do canto inferior esquerdo, para cima, por
fileiras sucessivas, até atingir o canto superior direito

- designação de cada viga  indicar as dimensões bxh (b:base;h:altura)


Indicação dos pilares

- numeração: partindo do canto superior esquerdo do desenho para a direita,


em linhas sucessivas
4 Concepção estrutural

4.1 Introdução às estruturas em concreto armado

- concreto armado é o material


mais empregado nas construções

- adapta-se às mais diversas


formas

- conhecer propriedades
para auxiliar na escolha

Comportamento de uma peça em concreto armado


COMPORTAMENTO DE UMA VIGA BIAPOIADA: ENSAIO LABORATÓRIO

FISSURAS DE
CARGA
CISALHAMENTO

ROMPIMENTO
VÃO CENTRAL
COMPORTAMENTO DE UMA VIGA

BIAPOIADA: ENSAIO LABORATÓRIO

Grande abertura de
fissuras na parte inferior
Projeto arquitetônico  inúmeros lançamentos dos elementos estruturais

 várias opções de concepção estrutural, buscar uma


que melhor se adapta ao projeto arquitetônico

 Engenheiro Civil  conhecimento e experiência


 equilíbrio partes técnica e econômica
4.2 Identificação dos elementos estruturais

Edifícios usuais em concreto armado

 elementos básicos:

lajes, vigas e pilares

LAJES

VIGAS

PILARES
Esquema de trabalho de um estrutura:
Z q
N
S P
Y

A R1 R5
B
M
V R3
X R2
R4
ESTRUTURA EM EQUILÍBIRO
. P e q: ações externas (CARGAS)

. A e B: apoios

. R1, ..., R5: reações de apoio

. M, N, V: esforços internos  M: momento fletor; N: esforço normal


V: esforço cortante
Cada elemento estrutural:

- desempenha uma função importante

- precisa ser dimensionado e detalhado

- suportar com segurança e economia


aos esforços impostos

- distribuição semelhante a um jogo de


quebra-cabeça

- Objetivo final: conseguir distribuição


que atenda:

. propósitos do projeto arquitetônico

. exigências e limitações do material


- vigas  barras que estão submetidas predominantemente à flexão
 tensões tangenciais – cortante
COMPORTAMENTO DE UMA VIGA DE CONCRETO ARMADO
SIMPLESMENTE APOIADA:

EX.:
VIGA BIAPOIADA

PILAR PILAR
EXEMPLO PRÁTICO DE UMA
VIGA BIAPOIADA
ALVENARIA EM TIJOLO
PESO PRÓPRIO DA VIGA:
CERÂMICO FURADO DE
0,20 X 0,50 X 25 = 2,50 KN/m
1 VEZ PESA 3,00 KN/m²

REAÇÃO DA LAJE = 8,50 KN/m

H=3,0 m
PAREDE: 3 X 3,00 = 9,00 KN/m

CARGA TOTAL SOBRE A VIGA:


Q = 2,50 + 8,50 + 9,00 = 20 KN/m 20 KN/m

VIGA 20X50 L=5


,0 m
R = 20 x 5 = 100 KN
2,5 m
q = 20 KN/m

S
x
L = 5,0 m

50 KN 50 KN

EQUAÇÃO DO MOMENTO FLETOR PARA SEÇÃO “S”:


M = 50x - 10x2

EQUAÇÃO DO ESFORÇO CORTANTE:


V = 50 - 20x
q = 20 KN/m

L = 5,0 m

2,5 m Mmax = 50.2,5 – 10.2,5² =


62,50 KN.m
MOMENTO
FLETOR

ESFORÇO
CORTANTE V = 50 KN

V = 50 – 20 . 0 = 50 KN
Pilares  flexão composta
 esforço normal de compressão junto com momento fletor.

Esforço normal
compressão

Momento fletor

Ilustração de elemento de barra: pilar e suas solicitações


Esquema da transferência de cargas entre os elementos estruturais:

LAJES: cargas permanentes e sobrecargas + eventuais


cargas de paredes

VIGAS: somar às cargas provenientes das lajes o peso


próprio das vigas e cargas de paredes

PILARES: somar as reações provenientes das vigas ( em


alguns casos também das lajes) dos diversos andares

SOLO: recebe as cargas provenientes dos pilares da


estrutura através dos elementos de fundação: sapata,
estaca, tubulão, etc.
P1 P2
0.3tf 0.2tf
V1
0.22/m 0.25/m

0.36/m
V52
P5
0.1tf
V3

0.24/m

0.30/m
L1
0.35/m2

0.30/m
0.23/m L3
0.35/m2

0.13/m
V47

P7

V57
0.3tf
V5 0.22/m

0.30/m
0.33/m

0.23/m
P7 P9 P12
0.3tf 0.2tf
L7 V7 0.25/m

0.35/m2 0.38/m 0.38/m 0.38/m 0.38/m


0.23/m

0.23/m

0.26/m

0.26/m
V44

P15 L9
0.2tf 0.35/m2
V90.33/m 0.33/m

0.26/m P20
0.38/m 0.7tf 0.38/m

Exemplo de distribuição das reações de apoio das lajes sobre vigas e pilares
P2
0.2tf

0.25/m
Carga atuante
tf/m2
Reação de
apoio (tf/m)
0.30/m

0.30/m
L3
0.35/m2
Viga contorno
para a laje

V57
0.30/m

P9
0.3tf
V7 0.25/m

0.38/m 0.38/m 0.38/m


Distribuição do carregamento em forma de telhado: triângulos e trapézios
LAJE
LAJE

VIGA
VIGA

CARREGAMENTO:
CARREGAMENTO:
CARGA
CARGA DE
DE ALVENARIA
ALVENARIA

REAÇÃO
REAÇÃO DA
DA LAJE
LAJE

CARGAS
CARGAS NOS
NOS PILARES:
PILARES:
REAÇÕES
REAÇÕES DAS
DAS VIGAS
VIGAS

PILAR
PILAR

FUNDAÇÃO
FUNDAÇÃO

REAÇÕES
REAÇÕES DAS
DAS
VIGAS
VIGAS Esquema real de transferência de cargas através
dos elementos estruturais de um edifício.
Laje

Lajes:

. posição horizontal – usualmente

. recebe ações verticais  vigas

. consumo 50% do concreto obra

. escolha correta  economia


Carga uniforme
Viga
distribuída por
Reação de
metro quadrado
. vários tipos  materiais apoio
a) Laje maciça Fôrma – compensado plastificado

- moldada no local

- construção de uma
estrutura auxiliar:

. fôrma de madeira

. cimbramento

cimbramento
Espessura de uma laje maciça:

Exemplo: laje maciça para piso de 10 cm:

Revestimento superior: granito ou Contra-piso + regularização:


mármore argamassa de cimento + areia

1
5

10 H = 18

Revestimento inferior: argamassa


de cimento + areia + cal
Armadura positiva ou inferior da laje maciça:

Seção típica

DMF
Exemplo de projeto de laje maciça - armadura positiva:
Exemplo de projeto de laje maciça

- armadura positiva:
Armadura positiva ou inferior da laje maciça: exemplo prático
Armadura negativa ou superior da laje maciça: Seção típica

DMF
Exemplo de projeto de laje maciça - armadura negativa:
Exemplo de projeto de laje maciça - armadura negativa:

40 N2 Ø 12.5 c/14 C = 354

9 336 9
Armadura negativa ou superior da laje maciça: exemplo prático

Armadura
negativa
Processo executivo da laje maciça:
a) escoramento: metálico
Processo executivo da laje maciça:

a) escoramento: madeira

Escoramento de madeira:
peças de eucalipto
Processo executivo da laje maciça:
Laterais das
a) escoramento: madeira vigas

Fundo das
vigas
Processo executivo da laje maciça:
b) Estrutura de madeira  suporte das placas de compensado

Vigotas de
madeira
Processo executivo da laje maciça:

c) Placas de compensado

Compensado
plastificado
Processo executivo da laje maciça:
d) Preparação da armadura:
Processo executivo da laje maciça:
e) Colocação da tubulação de elétrica e hidráulica:
Processo executivo da laje maciça:
f) Concretagem: exemplo concreto bombeado
Processo executivo da laje maciça:
f) Concretagem:
Processo executivo da laje maciça:
f) Concretagem:
Processo executivo da laje maciça:
f) Concretagem:
Processo executivo da laje maciça:

f) Concretagem:

“Caranguejo”: dispositivo
assegura posicionamento da
armadura negativa
Processo executivo da laje maciça:

f) Concretagem:
Espessura da laje maciça > 14 cm:

. Edifícios residenciais e comerciais usuais

. geralmente ela se torna inviável

. elevado peso próprio

. Exemplo, uma laje maciça de espessura 16 cm

Reflexo em toda estrutura


Laje  volume 50%

16 cm

100 cm
PP = 25 x 0,16 x 1 = 4 KN/m2 = 400 Kgf/m2
Exemplo de apresentação de projeto:
Exemplo de apresentação de projeto:
b) Laje nervurada

. Moldada no local
. Exige fôrma e cimbramento semelhante à laje maciça
Opção para reduzir custos com a fôrma de madeira e peso próprio:

. utilização de fôrma de polipropileno

. Fôrmas autoportantes  dispensa utilização forro de madeira


 reutilizáveis

. Exemplos utilização: supermercados, hipermercados e


centros de distribuição

Fôrma em polipropileno “cubeta”

http://www.atex.com.br/produtos/10: acesso 13/07/11


. Outros materiais empregados:

- materiais diminuem peso próprio da laje

- blocos cerâmicos

- blocos concreto leve

- blocos EPS

- blocos plásticos

- cilindros de papelão envolvidos em filme plástico


Denominação técnica:

Armadura de distribuição
da capa
Capa de concreto -
mesa

Nervura
Elemento de
enchimento  leve Armação da
nervura
EXEMPLO DE LAJE NERVURADA: MONTAGEM  cimbramento

Cimbramento de
madeira
EXEMPLO DE LAJE NERVURADA: MONTAGEM  cimbramento
EXEMPLO DE LAJE NERVURADA: MONTAGEM  forro de compensado

Fôrma de
compensado
EXEMPLO DE LAJE NERVURADA: posicionamento da armação

Posicionamento da
armadura nas nervuras
EXEMPLO DE LAJE NERVURADA: concretagem
Apresentação do projeto:
Exemplo de laje nervurada:

Fôrma de polipropileno
Exemplo de laje nervurada:

Centro
administrativo
Fôrma de Governo de Minas
polipropileno Gerais
c) Laje nervurada pré-fabricada  laje treliçada

. Parte inferior da nervura pré-fabricada  armada e concretada fora do local


 vigota

. Treliça espacial  enrijecer o elemento durante o transporte e posicionamento


Detalhe da vigota:
Enchimento: - blocos cerâmicos (figura A) ou de EPS (figura B)
- trabalham como fôrmas
- diminuem o seu peso próprio.
Comparativo de peso de enchimento:

- Laje maciça de espessura 16 cm: PP = 400 Kg / m2

- Enchimento com EPS de 16 cm de espessura:

PP = 0,16 x 13 Kg / m3 = 2,08 Kg / m2
Esquema da laje nervurada pré-fabricada

Espessura
da capa

Altura da Beta
lajota h

Especificação: exemplo laje beta 16:

- h12: altura da lajota 12 cm

- Beta 16: lajota altura 12 cm + 4 cm de capa


Exemplos de diferentes alturas:
- não há necessidade de forrar o fundo da laje com placas de compensado
- diminuição número de peças de cimbramentos
ELEMENTOS CONSTITUINTES:

TRELIÇA

ARMADURA DE
DISTRIBUIÇÃO

LAJOTA
CERÂMICA
ELEMENTOS CONSTITUINTES: nervura transversal travamento
ELEMENTOS CONSTITUINTES: nervura transversal travamento
ELEMENTOS CONSTITUINTES: nervura transversal travamento
- suporta peso de paredes

- vencer vãos maiores  altura da lajota cerâmica ou EPS


Exemplo de apresentação de projeto:
Parede
sobre
laje
Observação importante:

- Laje trabalha em uma única direção

- A laje LTS4 descarrega suas


reações nas vigas VS19 e VS20
Desvantagens:

- emprego edifícios de mais 3 pavimentos

- trabalho transportar as peças pré-moldadas e o material de enchimento

- riscos de acidentes e de custos com o transporte

- dependendo do local da obra  dificuldades de fornecedores


Espessura de uma laje treliçada:

Exemplo: laje treliçada para piso Beta 12 – lajota de H8 ( 8 cm )


e capa de 4 cm:

Revestimento superior: granito ou Contra-piso + regularização:


mármore argamassa de cimento + areia

1
5
4
H = 20
8

Revestimento inferior: argamassa


de cimento + areia + cal
OBS: LAJE PRÉ-MOLDADA CONVENCIONAL:
LAJOTA
ELEMENTOS CONSTITUINTES: CERÂMICA
VIGOTA DE CONCRETO
PRÉ-MOLDADA
Exemplo de montagem
Exemplo de montagem
DESVANTAGENS:

- VENCE VÃOS NO MÁXIMO DE 4 A 4,5 m

- NÃO SUPORTA PESO DE PAREDES

- QUANTIDADE DE ARMAÇÃO LIMITADA

- MAIS VULNERÁVEIS AO SURGIMENTO DE FISSURAS

- POUCA ALTURA  INÉRCIA REDUZIDA  MAIORES DEFORMAÇÕES

NOTA: UTILIZADA EM OBRAS PEQUENO PORTE, PRINCIPALMENTE EM


CONJUNTOS HABITACIONAIS  “PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA”
d) Laje pré-fabricada protendida

- emprego concreto protendido

- trabalhar com armadura pré-tensionada  armadura ativa

- enchimento  geralmente blocos de EPS

- vantagem  auto-portante  dispensa cimbramento


Exemplo de aplicação:
Exemplo de aplicação: