Você está na página 1de 10

Marcos Santos/USP imagens

A futura atividade político-partidária


e a responsabilidade ética do magistrado

Joaquim Falcão
Laura Osório
resumo abstract

A Constituição Federal e o Código de The Brazilian Federal Constitution and


Ética da Magistratura determinam que the Code of Judicial Ethics establish that
é vedado ao magistrado participar judges are forbidden to take part in party
de atividade político-partidária com political activities in order to preserve
objetivo de preservar sua independência their judicial integrity. That is an ethical
judicial. É dever ético específico de responsibility their profession entails. 
sua profissão. Mas o que significa But what does party political activity
atividade político-partidária? Quais são really mean? Which activities are actually
as atividades efetivamente proibidas? barred? Through real and illustrative
Por meio de casos reais, ilustrativos, cases taken from the practice and agenda
presentes na prática e na agenda of Brazilian constitutionalism, we aim to
do constitucionalismo brasileiro, demonstrate that party affiliation is not
buscaremos demonstrar que a filiação the only form of party political activity
partidária não é a única forma de prohibited to magistrates.
atividade político-partidária vedada aos
magistrados. Keywords: judicial ethics; party political
activities; party affiliation; candidacy;
Palavras-chave: ética da magistratura; judicial activities.
atividade político-partidária; filiação
partidária; candidatura; atividade
judicial.
Reprodução
“Eu sou o que serei”
(Octavio Paz)

F
oi com a República, em 1934, que de Processo Civil  impõem ao magistrado3 valo-
surgiu a proibição constitucional de res éticos – como transparência, independência,
juízes participarem de atividades imparcialidade, prudência, cortesia, diligência,
político-partidárias. A Constituição dignidade, honra, decoro, dentre outros.
de 1988 a manteve1. A regulação infraconstitucional converge
O Código de Ética da Magis- para o princípio da moralidade da administração
tratura, de iniciativa do Conselho pública (art. 37, CF), de que o Poder Judiciário
Nacional de Justiça, de 2008, tam- é parte. Donde o comportamento antiético do
bém vedou o exercício de atividade magistrado, mais do que apenas contrário à lei,
político-partidária. Depois de asso- é contrário à Constituição.
ciar a independência do julgar ao Mas o que significa “atividade político-par-
comportamento ético do juiz2, diz tidária”?
em seu artigo 7º: “A independência Para responder, há que se precisar cuidado-
judicial implica que ao magistrado é vedado par- samente o que se entende por “atividade”. E por
ticipar de atividade político-partidária”. “político-partidária”. É o que vamos aqui tentar.
Além do comportamento ético comum a Sempre que possível, partiremos de casos reais,
qualquer outro cidadão, o magistrado deve com- ilustrativos, presentes na prática e na agenda do
portamento ético específico de sua profissão. constitucionalismo brasileiro. Palpáveis quase que
A ética da responsabilidade, diria Max Weber com as mãos, como diria Gilberto Freyre.
(1985, pp. 113-4). A Constituição não proíbe a atividade político-
Além da Constituição e do Código de Ética, a -partidária como decisão nos autos4. Está protegida
Lei Orgânica da Magistratura e o próprio Código

3 “Art. 37, CF: A administração pública direta e indireta de


qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito
Agradecimentos a Diego Werneck Arguelhes e Julia Cani, pela Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de
interlocução. legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade
e eficiência [...].”
1 “Art. 95, CF: [...] Parágrafo único. Aos juízes é vedado: 4 Sobre o tema, ver: Falcão (2012) e Arguelhes (2016).
[...] III - dedicar-se à atividade político-partidária.”
2 “Art. 4º, Código de Ética da Magistratura: Exige-se do
magistrado que seja eticamente independente e que
não interfira, de qualquer modo, na atuação jurisdicional
de outro colega [...]. Art. 5º: Impõe-se ao magistrado JOAQUIM FALCÃO é professor titular de Direito
pautar-se no desempenho de suas atividades sem Constitucional e diretor da FGV Direito Rio.
receber indevidas influências externas e estranhas à
justa convicção que deve formar para a solução dos LAURA OSÓRIO é advogada e pesquisadora
casos que lhe sejam submetidos.” da FGV Direito Rio.

Revista USP • São Paulo • n. 110 • p. 55-64 • julho/agosto/setembro 2016 57


dossiê ética e sociedade

pelo livre convencimento do juiz. Mas proíbe, sim, Mas não é desse tipo de comportamento que
atividade como comportamento fora dos autos. queremos tratar, e sim de outro. E é o seguinte.
Aqui começa o problema. Existe um consenso de que a atividade político-
Filiar-se a um partido é atividade óbvia e for- -partidária proibida é aquela que ocorre e se esgota
malmente proibida. Mas é possível exercer ativi- enquanto o magistrado está na sua atividade juris-
dade político-partidária sem estar filiado? Exis- dicional. Como no caso da juíza Ginsburg.
tem outras atividades, além da filiação, de cunho Não falaremos aqui do consenso, mas sim do
e consequência político-partidária? Acreditamos controverso, do comportamento durante o exer-
que sim. Mas são todas proibidas? cício da magistratura, mas que indica futura ati-
Qual é a linha divisória da ética e da legalida- vidade político-partidária do magistrado, que se
de, entre filiação partidária e outras atividades po- concretiza apenas depois de deixar a magistratura.
líticas, como opiniões, assessorias, declarações de Nesses casos, seu futuro político-partidário de
voto, apoios, entrevistas, programas de televisão, sucesso poderá depender de seu presente como
encontros oficiais ou não oficiais com autoridades magistrado. Como defende Dalmo Dallari (2014):
ou candidatos partidários?
Para os países que adotam o modelo da separa- “O juiz que ainda no exercício das funções juris-
ção dos poderes, a proibição de atividades político- dicionais já entrou em contato com um partido
-partidárias é quase um patrimônio cultural. Não para filiar-se logo que deixar o cargo será inevi-
se limita a proibir filiação. É conceito amplo e tão tavelmente influenciado por esses entendimentos.
necessariamente vedado que, mais do que repri- Os casos que lhe forem submetidos e nos quais
mido, se violado, exige reparação ética e pública. o partido ou os dirigentes partidários tenham
Foi o que aconteceu recentemente com a juí- interesse serão conduzidos e decididos sob essa
za Ruth Ginsburg, nos EUA. Do alto dos seus 83 influência, comprometendo seriamente a indepen-
anos, diante da possibilidade de Donald Trump dência e imparcialidade do juiz”.
ganhar as eleições do país, Ginsburg declarou:
“Trump é uma fraude e não tem coerência. Diz Permitam-nos, então, narrar alguns exemplos.
o que vem à sua cabeça”5. Por sua liderança profissional e visão de Bra-
Foi crítica política de consequências parti- sil, o ministro Sepúlveda Pertence sempre foi visto
dárias, fora dos autos, pública e em meio a um como excelente candidato a cargo eletivo majoritá-
processo eleitoral. Suficiente para que a mídia, rio, sobretudo depois que se tornou presidente do
os partidos Republicano e Democrata e a comu- Supremo Tribunal Federal, em 1995.
nidade acadêmica e jurídica condenassem como Em 1997, em reunião de associação de magis-
antiéticas suas declarações. trados em Pernambuco, Pertence pronunciou dis-
Diante da reação, a juíza Ginsburg manifestou curso que em muito se aproximava do programa
publicamente claro pedido de desculpas: do candidato Luiz Inácio Lula da Silva.
Não era filiado ao Partido dos Trabalhadores,
“Refletindo meus recentes comentários, em res- mas seu discurso podia ser considerado, por muitos
posta a perguntas da imprensa, foram infelizes e de boa-fé, como atividade programática de conte-
lamento por tê-los feito. [...] Os juízes devem evitar údo político-partidário. Por quê?
comentários sobre candidatos a cargos públicos. Estávamos, naquela época: (a) em período
No futuro, serei mais circunspecta”6. eleitoral, (b) em meio à discussão pública sobre a
escolha do candidato a vice-presidente, (c) o cur-
rículo do ministro Pertence demonstrava dispo-
5 Disponível em: http://oglobo.globo.com/mundo/
sição de competição (fora ser candidato à Ordem
juiza-da-suprema-corte-dos-eua-se-desculpa-por-
-criticas-trump-19712500. Acesso em: 20/7/2016.
6 Ver “Juíza da Suprema Corte dos EUA se Desculpa por
Críticas a Trump”. Disponível em: http://oglobo.globo. Regrets ‘Ill-Advised’ Remarks About Donald Trump”. Dis-
com/mundo/juiza-da-suprema-corte-dos-eua-se- ponível em: https://www.theguardian.com/law/2016/
-desculpa-por-criticas-trump-19712500. Acesso em: jul/14/ruth-bader-ginsburg-regrets-donald-trump-
20/7/2016. No mesmo sentido, “Ruth Bader Ginsburg -remarks-faker. Acesso em: 9/8/2016.

58 Revista USP • São Paulo • n. 110 • p. 55-64 • julho/agosto/setembro 2016


dos Advogados do Brasil), e (d) o conteúdo de seu Somente captando a sequência entre a ativida-
discurso era ideologicamente compatível com as de judicial corrente e a futura atividade político-
propostas da esquerda de então. -partidária do magistrado, podemos apreender seu
Tudo o dizia candidatável à vice-presidência significado ético e constitucional.
da República, na chapa de Luiz Inácio Lula da É legítimo aposentar-se voluntariamente para,
Silva. Intencionalmente ou não, o discurso de em seguida, ser ministro da Justiça de um governo
Pertence estimulou a crença numa futura ativi- político-partidário? Ou, logo em seguida à aposen-
dade político-partidária. tadoria, concorrer por um partido a vice-prefeito, vi-
Ele não se candidatou, mas a dúvida teórica ce-presidente, senador ou presidente da República?
ficou. Perdura até hoje. A potencialidade político-partidária do magis-
Pode um magistrado agir de modo a estimu- trado é mais e mais visível no midiático ambiente
lar a crença de que pretende, depois de encerrar político eleitoral de nosso atual Estado democrá-
suas atividades como magistrado, exercer uma tico de direito (Arguelhes & Ribeiro, 2015), pelo
atividade político-partidária? crescente protagonismo do Judiciário (Falcão &
Na mesma época, a juíza carioca Denise Fros- Oliveira, 2012), pela plena liberdade de expressão,
sard, que julgara com destemor e independência pela TV Justiça (Fonte, 2016; Arguelhes & Hart-
os bicheiros no Rio de Janeiro, condenando-os à mann, 2012; Falcão, 2011), pelas mídias sociais
prisão, deixou a magistratura e foi eleita deputa- (Hartmann, 2012; Hartmann & Cerdeira, 2012),
da federal em 2002. Captou futuros eleitores com pelo descrédito dos políticos representativos e por
base em sua atividade judicial anterior. uma Constituição com importante agenda de di-
Não exerceu atividade político-partidária reitos fundamentais e sociais dos quais, em geral,
enquanto magistrada, mas sua atividade juris- os juízes são os mais claros defensores.
dicional beneficiou sua futura atividade político- Um comportamento mais circunspecto, menos
-partidária posterior. exposto à mídia, mais prudente na convivência so-
Essa vinculação é que é o problema. cial, que não busque o reconhecimento social ou a
A atividade político-partidária raramente é ato autopromoção, como quer o artigo 13 do Código
isolado. Pode ser começo, meio ou final de uma de Ética da Magistratura7, torna a atividade do ma-
sequência de atividades de natureza diversa. gistrado menos eleitoralmente capturável.
Essa sequência é nosso foco. A propósito, a apropriação político-partidária
Às vezes, a atividade começa antes da filia- futura não depende necessariamente da intenção
ção ao partido. Às vezes, a dispensa. Inicia-se do magistrado. É um ativo que os partidos buscam.
como sintonia, convergência de ideias, con- Os exemplos são diários.
versas, parcerias, contatos, exposição pública, Até hoje as pesquisas eleitorais demonstram
busca do reconhecimento social. São múltiplas que o ministro Joaquim Barbosa, devido à sua
atividades que só depois se consolidam como atuação no caso do Mensalão, seria um forte can-
atividade político-partidária. A filiação pode didato à presidência da República. 
ser o final e não o começo. Recentemente, o presidente do Tribunal de Jus-
Há uma potencial sequência – ética ou antiética tiça de São Paulo, José Renato Nalini, se aposentou
– entre a atividade jurisdicional de hoje e as múl- para aceitar o cargo de secretário de Educação do
tiplas atividades político-partidárias de amanhã, o governo de São Paulo.
que pode gerar danos à democracia. Depois de conduzir com êxito o processo
Nosso problema, acreditamos que agora esteja do Mensalão, o ministro Ayres Britto foi asse-
claro. A captura da atividade jurisdicional de hoje, diado para se candidatar ao Senado por vários
em favor de uma futura atividade político-partidá- estados. Recusou.
ria, é ética e legal? É constitucional?
Lembremos Octavio Paz: “Eu sou o que serei”.
Lembremos o tempo tríduo tão a gosto de Eduardo 7 “Art. 13. O magistrado deve evitar comportamentos
que impliquem a busca injustificada e desmesurada
Portella. O passado, o presente e o futuro são um, por reconhecimento social, mormente a autopromoção
somente. Todos somos feitos de sequências. em publicação de qualquer natureza.”

Revista USP • São Paulo • n. 110 • p. 55-64 • julho/agosto/setembro 2016 59


dossiê ética e sociedade

Não são poucos, inclusive, os que já defen- públicos não apropriados para um caso ainda
dem que o juiz Sérgio Moro ou o procurador em julgamento9.
federal Deltan Dallagnol se candidatem a cargos Os fatos mostraram que o juiz concedera en-
eletivos ou sejam aproveitados politicamente em trevistas públicas a jornais como The Wall Street
futuros governos. Journal, Financial Times e The New York Times
Diante desse cenário, o que fazer? e participara de conferências em universidades
A imensa maioria das pesquisas sobre per- e de seminários, fazendo comentários jurídicos
cepção de confiança no Judiciário evidencia ou não sobre o caso ainda não julgado. Mais
insuficiente confiança dos cidadãos na Justiça ainda, tivera vários contatos secretos, em off,
como instituição. O último Índice de Confiança com vários repórteres. Mesmo tendo o próprio
na Justiça brasileira (ICJ Brasil), coordenado por juiz proibido a publicação de algumas de suas
Luciana Gross Cunha e divulgado pela Esco- declarações até o final do julgamento, os fatos
la de Direito da FGV de São Paulo no segundo ocorreram, não havia dúvidas.
semestre de 2015, indica que apenas 32% dos Nos próprios autos, a Suprema Corte ameri-
brasileiros confiam no Poder Judiciário 8. Essa cana não encontrou desvios registrados que de-
desconfiança persiste há anos. monstrassem favorecimentos comprometedores
As causas são múltiplas e inexistem dados da imparcialidade do juiz. No âmbito interno ao
rigorosos que nos permitam identificá-las. Uma processo, seu comportamento fora “correto”. O
delas, acreditamos, pode ser a percepção da po- problema era fora dele. Causara dano à confiança
litização do Judiciário. dos cidadãos na imparcialidade do Judiciário. O
Aliás, o Código de Ética da Magistratura é juiz foi afastado do caso compulsoriamente.
expresso no artigo 15 ao vincular o comporta- A legitimidade do Poder Judiciário depende
mento do magistrado a maior ou menor confian- não somente do exercício da imparcialidade e
ça do cidadão no Judiciário: “A integridade de independência, mas também, e principalmente,
conduta do magistrado fora do âmbito estrito da da sua percepção social, bem público tutelável
atividade jurisdicional contribui para uma fun- constitucionalmente.
dada confiança dos cidadãos na judicatura”. O
bem público a proteger é, portanto, a percepção
ética da atividade do juiz, seja como comporta-
POR UMA NOVA REGULAÇÃO
mento ou como decisão.
O caso americano Microsoft vs US Govern- Para aperfeiçoar, propor novas soluções que
ment bem ilustra essa tese. Em 1999, o governo aumentem a confiança no Judiciário e que dificul-
americano acusou a Microsoft de violar dispo- tem a potencial politização partidária do compor-
sitivos da lei antitruste e de deter verdadeiro tamento do juiz, pelo menos quatro conjuntos de
monopólio tecnológico. O juiz Thomas Penfield variáveis devem ser considerados.
Jackson foi afastado do caso por não ter tido um Primeiro, se a futura atividade político-parti-
comportamento ético, acusado de ter contato não dária se beneficia das decisões nos autos ou do
permitido com as partes e de fazer comentários comportamento fora dos autos.
Segundo, se o magistrado deixou a magistra-
tura por vontade própria ou por aposentadoria
8 A instituição ficou atrás das Forças Armadas (67%),
da Igreja Católica (57%), da imprensa escrita (43%), compulsória.
das redes sociais (42%), das grandes empresas (39%), Terceiro, se vai exercer a atividade político-
do Ministério Público (39%) e da Polícia (35%). Em-
-partidária no Poder Executivo, no Poder Legisla-
patou com as emissoras de TV (32%) e está à frente
apenas dos sindicados (25%), do Congresso (12%), do tivo ou em partido político.
governo federal (11%) e dos partidos políticos (6%)
(Relatório ICJ Brasil – 2º Semestre/2015. Disponível
em: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstre-
am / handle /10 438/16539/ R e lato% CC% 81r io%20 9 Sobre o tema, ver Valenti (2016): “‘For judges, the appea-
I C J B r a s i l % 2 0 - % 2 02 % C 2 % B A% 2 0 s e m % 2 02 015 . rance of impropriety we just can’t have,’ says Eileen Libby,
pdf?sequence=1&isAllowed=y. Gráfico 07, p. 18. Acesso associate ethics council for the American Bar Association.
em: 7/6/2016). The only remedy is having him step down”.

60 Revista USP • São Paulo • n. 110 • p. 55-64 • julho/agosto/setembro 2016


Quarto, se vai exercer a atividade político- ta. Mas não use a toga para fazer política porque
-partidária logo após a saída da magistratura ou isso destrói o Poder Judiciário”12.
tempos depois.
Uma política judicial mais rigorosa, que despo- A Constituição não regula a futura atividade
litize o presente e o futuro do magistrado, vai de- político-partidária do juiz. Prevê expressamente
pender da combinação desejada desses conjuntos, período de quarentena para o exercício da advo-
para enfrentar situações muito díspares. cacia pelos magistrados. Não podem exercer a
A seguir, dois exemplos para percebermos a advocacia no juízo ou tribunal do qual se afastou
complexidade envolvida. antes de decorridos três anos do afastamento do
Escolhido pelo presidente Figueiredo como cargo por aposentadoria ou exoneração13. Mas não
ministro do Supremo em 1983, Francisco Re- prevê a quarentena para o exercício de atividade
zek10 pediu exoneração sete anos depois para político-partidária.
atender a um convite do presidente eleito, Fer- Inexiste precedente de punição de ministro do
nando Collor, para servir, nos cargos de confian- Supremo por exercer atividade político-partidária,
ça política, como ministro das Relações Exterio- seja durante ou depois da atividade judicial.
res. Como ministro, participa do esforço para Apesar de a Constituição estabelecer que o
que o governo tenha sucesso. Conselho Nacional de Justiça tem competência
Em seguida, logo em 1992, saiu do governo. E disciplinar sobre qualquer magistrado, uma das
foi renomeado ao Supremo por Collor. Aposentou- primeiras decisões do Supremo foi a de que os
-se em 1997 e foi eleito com mandato de nove anos ministros não se submeteriam ao CNJ, sob o ar-
para a Corte Internacional de Justiça. gumento de que o Supremo é o órgão máximo do
Este é um exemplo clássico de revolving do- Poder Judiciário (Arguelhes, 2016) e o CNJ lhe
ors , que a legislação e jurisprudência internacio-
11
é inferior (Falcão, Arguelhes & Cerdeira, 2012).
nal hoje em dia tanto procura evitar. Esse argumento, data venia, não procede.
Situação distinta foi a do juiz federal Flavio A Constituição não excepcionou o ministro do
Dino. Nomeado por concurso, depois de exercer Supremo da competência administrativa do CNJ.
a magistratura por mais de dez anos, reconheceu Ademais, da decisão do Conselho Nacional de
em si uma vocação política e voluntariamente Justiça caberia recurso ao próprio Supremo, as-
deixou a magistratura, perdendo inclusive qual- segurando-lhe assim a competência final sobre
quer direito a pensão ou proventos. Não havia um seus próprios ministros.
cargo específico ou atividade político-partidária O resultado tem sido uma inusitada presença
imediata a exercer que intencionasse se beneficiar dos ministros na mídia, nos contatos político-
de sua atividade judicial. Mais tarde concorreu -partidários (Arguelhes, 2009; 2016), na busca
a deputado federal e hoje é governador do Ma- injustificada e desmesurada por reconhecimento
ranhão. Como governador do Maranhão e ex- social, mormente a autopromoção em publicação
-magistrado, recentemente defendeu: de qualquer natureza.
Existem mais alguns casos em instâncias
“Judiciário não pode mandar carta para passe- inferiores.
ata. E se o juiz, o procurador quiser fazer pas- O juiz federal Itagiba Catta Preta Neto, que,
seata: há um caminho. Basta pedir demissão do por liminar, suspendeu a nomeação do ex-presiden-
cargo. Aliás, quero dizer que adoro fazer passea- te Lula como ministro da Casa Civil, envolveu-se

10 Ver depoimento do ministro Francisco Rezek ao Projeto 12 D i s p o n í v e l e m : h t t p : / / w w w . o c a f e z i n h o .


História Oral do Supremo: “Quando saí para o ministé- com/2016/03/22/flavio-dino-se-juiz-quiser-fazer-
rio, eu renunciei, simplesmente. Pedi exoneração e saí, -passeata-basta-pedir-demissao-mas-nao-use-a-
pondo-me na zona cinzenta da insegurança. Mas depois, -toga-para-fazer-politica. Acesso em: 9/8/2016.
quando já eleito pelas Nações Unidas para a Corte de
13 “Art. 95, parágrafo único. Aos juízes é vedado: [...] V
Haia, saí aposentado” (Rezek, Fontainha & Queiroz, 2016,
- exercer a advocacia no juízo ou tribunal do qual se
p. 117).
afastou, antes de decorridos três anos do afastamento
11 Sobre o conceito de revolving doors, ver Ortiz (2016). do cargo por aposentadoria ou exoneração.”

Revista USP • São Paulo • n. 110 • p. 55-64 • julho/agosto/setembro 2016 61


dossiê ética e sociedade

em polêmica por ter participado, antes de proferir É inevitável que dentro da margem de discri-
a decisão, de passeata política a favor do impea- cionariedade inerente à atividade jurisdicional,
chment da presidente Dilma Rousseff. Não só par- influências de futura atividade político-partidária
ticipou, como conferiu notória publicidade à sua possam se infiltrar em determinados casos. É ine-
participação através de suas redes sociais. vitável, também, que essa futura atividade não es-
Fotos e mensagens postadas por ele divulgaram teja livre de pressões externas ao magistrado.
seu posicionamento político. Aparecia em uma das Resta, porém, desestimular esses fatores. Seja
manifestações contra a presidente Dilma Rousseff. como prevenção diante da excessiva exposição mi-
Convocava pessoas para protestos. diática de magistrados fora dos autos, como aper-
Em outro caso, em 2013, por 9 votos a 5, o Con- feiçoamento da separação dos poderes no Estado
selho Nacional de Justiça confirmou a pena máxi- democrático de direito, ou, então, para aumentar
ma de aposentadoria compulsória ao juiz Luís Jorge a confiança popular na imparcialidade da justiça.
Silva Moreno, do Tribunal de Justiça do Maranhão. Essas medidas, que a seguir sugerimos, po-
Testemunhas afirmaram que o magistrado par- deriam ser tomadas isolada ou combinadamente,
ticipava de comícios, passeatas e outros eventos conforme os legisladores assim considerassem.
políticos locais. Em dada ocasião, chamara publi- A primeira, e mais radical, é a da inelegibili-
camente de “ladrão” o grupo político que condu- dade eleitoral e a proibição de ocupar cargos de
zia a prefeitura do município onde atuava14. Para confiança no Poder Executivo. Na verdade, quando
aposentar compulsoriamente o magistrado, o con- o cidadão opta livremente por ser magistrado, abre
selheiro Bruno Dantas argumentou que a “Cons- mão de uma série de direitos, em troca de outros.
tituição afastou o magistrado da atividade política Para a vida. Daí o direito à vitaliciedade. Mas abre
para garantir a isenção necessária”. mão, inclusive, de alguns de seus direitos políticos:
Em 2014, em caso semelhante, o Conselho apli- o de ser votado, por exemplo.
cou penalidade menos severa – de advertência – ao O ministro Eros Grau já disse ao Projeto Histó-
juiz Milton Biagioni Furquim, de Minas Gerais, ria Oral do Supremo, da FGV Direito Rio16, talvez
que também participava rotineiramente da vida po- reforçando a tese da vitaliciedade, que não existe
lítica da cidade de Itapeva e, inclusive, discursou na ex-ministro do Supremo.  Existe, sim, “ministro
posse do irmão como vice-prefeito do município. aposentado do Supremo” (Grau, 2015).
O conselheiro Emmanoel Campelo, relator do Ou seja, mesmo depois de ministro, continua-
processo, afirmou que, ao discursar na posse do -se ministro. É, inclusive, o que sugere o regimento
irmão, o juiz “imiscuiu-se na política de cidade do Supremo quando prevê que os ministros rece-
diversa da comarca de sua jurisdição, exorbitando, berão o tratamento de excelência, conservados o
pois, o legítimo papel de representação institucio- título e as honras correspondentes, mesmo após a
nal do Poder Judiciário”15. aposentadoria17. Mas esta seria medida extrema.
Outra seria estabelecer quarentena, como já
ocorre para o exercício da advocacia e com vá-
AS MEDIDAS DISPONÍVEIS E POSSÍVEIS rios cargos do Poder Executivo. Estão sujeitos à
quarentena membros do Conselho de Governo,
Devemos aqui partir do pressuposto de que a do Conselho Monetário Nacional, da Câmara de
sentença é mais do que a mera aplicação da lei. É Política Econômica e da Câmara de Comércio
também escolha, ato de vontade do juiz, sujeita
a inúmeras influências imprevisíveis.
16 Sobre o Projeto História Oral do Supremo, ver: http://
historiaoraldosupremo.fgv.br/sobre-o-projeto.
14 Disponível em: http://oglobo.globo.com/brasil/cnj-
17 “Art. 16. Os Ministros têm as prerrogativas, garantias,
-confirma-punicao-juiz-do-maranhao-por-ativida-
direitos e incompatibilidades inerentes ao exercício da
des-politicas-7747428. Acesso em: 9/8/2016.
magistratura. Parágrafo único. Receberão o tratamento
15 Disp onível em: ht tp: //w w w.cnj . jus . b r/n oticias / de Excelência, conservando o título e as honras cor-
cnj/61562-juiz-de-mg-recebe-pena-de-advertencia- respondentes, mesmo após a aposentadoria, e usarão
-por-manifestacao-em-eventos-politicos. Acesso em: vestes talares, nas sessões solenes, e capas, nas sessões
9/8/2016. ordinárias ou extraordinárias.”

62 Revista USP • São Paulo • n. 110 • p. 55-64 • julho/agosto/setembro 2016


Exterior do Conselho de Governo, do Banco mente o cenário político seria semelhante àque-
Central do Brasil e os diretores de agências re- le do exercício da magistratura. Dois anos seria
guladoras, dentre outros. tempo curto e ao mesmo tempo suficiente para
Essa é medida já defendida por alguns autores. construção político-partidária da candidatura. E
Um deles é Dallari, segundo o qual é necessário o magistrado continuaria atraído pela atividade
fixar um prazo de desincompatibilização, de qua- político-partidária futura.
rentena, para que as decisões de um magistrado Assim, se um magistrado cumprisse qua-
não sofram pressões diretas de partidos e de seus rentena de duas eleições pertinentes à ativida-
dirigentes, para preservação de sua imparcialidade de político-partidária que pretendesse exercer,
e independência (Dallari, 2014). O objetivo é riscar seja no Poder Executivo ou no Poder Legislativo,
tentações antiéticas no exercício da magistratura. ocorrendo as eleições necessariamente de quatro
Em julho de 2015, essa medida esteve na pau- em quatro anos, seriam as chances de mudança
ta do Senado, com o PLS 476/2015. O projeto do contexto político muito maiores. Estaria me-
pretendia estabelecer o prazo de dois anos, após nos exposto às influências, pressões e ambições
a exoneração, para que magistrados e membros político-partidárias presentes e não haveria o
do Ministério Público pudessem concorrer a contágio de ambições.
cargos eletivos. Essas medidas poderiam ainda ser combina-
O intuito era justamente o de evitar o “des- das, ou não, com a perda ou diminuição de bene-
virtuamento” das atribuições legais dos mem- fícios previdenciários ou econômicos de qualquer
bros do Judiciário – “já que alguns buscam outra natureza. Perder benefícios conquistados ar-
popularidade para posterior candidatura a car- duamente por concurso público seria forte medida
gos eletivos” –, impedindo a atuação midiática de desestímulo ao abandono da carreira.
e autopromocional dos magistrados durante o Evidente, porém, que dependem de conjuntu-
exercício de suas funções18. ras políticas favoráveis. Mais especificamente, de
A nosso ver, a eficácia da quarentena seria um preciso diagnóstico sobre as consequências da
maior se, em vez de ser calculada com base em politização do presente judicial por uma atividade
período temporal fixo, fosse por eleições. político-partidária do futuro para nossa democracia.
A quarentena por um curto período, como os Esse diagnóstico começa por uma percepção
dois anos propostos no PLS 476/2015, não neces- da ética da responsabilidade judicial. E o come-
sariamente evitaria tentação e captura. Provavel- ço é a metade de tudo.

18 O projeto foi aprovado no Senado, mesmo enfrentando no exercício da magistratura presente. Mas parou na
controversos interesses e discussões com relação ao Câmara, onde há mais de um ano aguarda designação
prazo necessário para se diluir no tempo as possíveis de relator na Comissão de Constituição de Justiça e
consequências da atividade político-partidária futura Cidadania.

Revista USP • São Paulo • n. 110 • p. 55-64 • julho/agosto/setembro 2016 63


dossiê ética e sociedade

Bibliografia

ARGUELHES, Diego Werneck. “Afinal, Ministro do Supremo É Magistrado?”. Disponível em:


http://jota.uol.com.br/afinal-ministro-do-supremo-e-magistrado. Acesso em: 9/8/2016.
. “Editorial: O Supremo na Política. A Construção da Supremacia Judicial no
Brasil”, in Revista de Direito Administrativo, v. 250, 2009, pp. 5-12.
. “Ligações Perigosas.” Disponível em: http://jota.uol.com.br/ligacoes-perigosas.
Acesso em: 9/8/2016.
ARGUELHES, Diego Werneck; HARTMANN, Ivar A. “Transparência Interrompida”, in O Globo,
14/9/2012.
. “A Audiência do Supremo Tribunal Federal no Mensalão”, in O Globo, 5/9/2012.
ARGUELHES, Diego Werneck; RIBEIRO, Leandro Molhano. “O Supremo Individual:
Mecanismos de Influência Direta dos Ministros sobre o Processo Político”, in Direito,
Estado e Sociedade, v. 46, 2015, pp. 121-55.
DALLARI, Dalmo. “Juízes no Palanque – Quarentena Necessária”, in Jornal do Brasil,
27/2/2014. Disponível em: http://www.jb.com.br/dalmo-dallari/noticias/2014/02/27/
juizes-no-palanque-quarentena-necessaria.
. O Poder dos Juízes.  São Paulo, Saraiva, 2014.
FALCÃO, Joaquim. “A justiça Vai à Televisão”, in Blog Noblat, 22/2/ 2011.
. “Ao Opinar Fora dos Autos, Ministros Desrespeitam Direito do Cidadão”,
in Folha de S. Paulo, 16/8/2012. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/
poder/61074-ao-opinar-fora-dos-autos-ministros-desrespeitam-direito-do-cidadao.
shtml. Acesso em: 8/8/2016.
FALCÃO, Joaquim; OLIVEIRA, Fabiana Luci de. “O STF e a Agenda Pública Nacional: de
Outro Desconhecido a Supremo Protagonista?”, in Lua Nova, v. 88, 2012, pp. 429-69.
FALCÃO, Joaquim; ARGUELHES, Diego Werneck; CERDEIRA, Pablo. “O Diálogo entre o CNJ
e o Supremo”, in Interesse Nacional, v. 16, 2012, pp. 50-61.
FONTE, Felipe de Melo. “O Supremo Tribunal Federal Antes e Depois da TV Justiça: Rumo à
Sociedade Aberta de Telespectadores?”, in Revista Brasileira de Direito Público, v. 14, 2016,
pp. 131-41.
GRAU, Eros. História Oral do Supremo (1988-2013), v. 10. Organização de Fernando de Castro
Fontainha, Rafael Mafei Rabelo Queiroz e Thiago dos Santos Acca. Rio de Janeiro, Escola
de Direito do Rio de Janeiro da Fundação Getúlio Vargas, 2015.
HARTMANN, Ivar A. “Marco Aurélio É o Rei dos Holofotes no Twitter”, in Blog do Ancelmo,
23/10/2012.
HARTMANN, Ivar. A.; CERDEIRA, Pablo. “Mensalão Ultrapassa ‘Avenida Brasil’ no Google e
no Twitter”, in Folha de S. Paulo, 6/8/2012.
ORTIZ, Gaspar Ariño. “Sucessos e Fracassos da Regulação”. Disponível em: http://www.
direitodoestado.com/revista/REDAE-3-AGOSTO-2005-GASPAR%20ARINO%20ORTIZ.pdf.
Acesso em: 9/8/2016.
REZEK, Francisco. História Oral do Supremo (1988-2013), v. 15. Organização de Fernando de
Castro Fontainha e Rafael Mafei Rabelo Queiroz. Rio de Janeiro, Escola de Direito do Rio
de Janeiro da Fundação Getúlio Vargas, 2016.
VALENTI, Catherine. “Microsoft Judge’s Fate Not Surprising”. Disponível em: http://
abcnews.go.com/Business/story?id=88023&page=1. Acesso em: 9/8/2016.
WEBER, Max. Ciência e Política: Duas Vocações. São Paulo, Cultrix, 1985.

64 Revista USP • São Paulo • n. 110 • p. 55-64 • julho/agosto/setembro 2016