Você está na página 1de 6

Guilherme Henrique Dadalto

Maria Eduarda da Silva Valverde


Mariana Santos Araújo
Victoria Carolina dos Santos Pereira

OS PREJUÍZOS DA TECNOLOGIA NA INFANCIA

Centro Universitário Toledo


Araçatuba
2020
Guilherme Henrique Dadalto
Maria Eduarda da Silva Valverde
Mariana Santos Araújo
Victoria Carolina dos Santos Pereira

OS PREJUÍZOS DA TECNOLOGIA NA INFANCIA

Projeto de Apresentação ao curso de Psicologia na


disciplina: ESTÁGIO BÁSICO II
Sob Orientação do Professor: Fabricio Otoboni
Dos Santos.

Centro Universitário Toledo


Araçatuba
2020
INTRODUÇÃO

Este artigo de projeto de intervenção tem objetivo de ressaltar os malefícios da


tecnologia na infância compartilhada para os pais, professores e alunos.
O que motivou a realizar esse projeto foi a necessidade de trazer conhecimento e
informação de como pode ser prejudicial a tecnologia na infância. A tecnologia está presente
no dia a dia nas crianças do século XXI, que já nasceram inseridas. Ou seja, modificando
comportamentos e cada vez a vida social.
O avanço das tecnologias transforma cada vez mais o dia-a-dia das crianças e
adolescentes, sendo que estes desenvolvem importante capacidade de relacionar-se
intimamente com mídias digitais e com o ritmo veloz da era da informação. Este rápido
processo é refletido na forma como o público infanto-juvenil aprende a comunicar-se, e a
praticar uma atividade imprescindível na infância e na adolescência: o jogar. Bolas, bonecas
hoje disputam lado a lado com os jogos eletrônicos. (ROSADO, 2006)
As crianças não está prepara para os perigos que pode encontrar na tecnologia, sendo
ela usada para o bem e para o mal. O uso exagerado, impróprio ou sem acompanhamento da
tecnologia na infância e adolescência podem existir consequências graves e talvez
irreversíveis.
Alguns dos perigos: Risco de atropelamento e/ou acidentes ao andar com celular na
rua e/ou ser roubado. Problemas de visão, postura e maior risco a ter depressão por causa da
dependência. Problemas cognitivos. Além dos riscos de acesso a conteúdo improprio pela
idade (Drogas, sexo, violência).
Segundo os autores Small e Pagini, já foi comprovado que o estímulo a um cérebro em
desenvolvimento causado por superexposição a tecnologias (celulares, internet, iPad, TV) é
associado ao déficit de funcionamento executivo e atenção, atrasos cognitivos, prejuízo da
aprendizagem, aumento da impulsividade e diminuição da capacidade de se autorregular, por
exemplo, acessos de raiva. (ROWAN, 2017).
Acompanhamento e controle do uso nos dispositivos das crianças e dos adolescentes.
Conversar sobre os riscos com os adolescentes. Respeitar as classificações indicativas dos
conteúdos. Restrição dos conteúdos, estabelecer limites diários, semanais e de ambiente para
o uso. Avaliar se realmente aquele dispositivo ou rede social é necessário. Em casos em que
houver excesso e a criança não respeitar estes controles, sugerimos a suspensão temporária do
uso dos dispositivos. Esteja alerta as novidades da internet. Pesquise na internet, converse
com seu filho e descubra qual aplicativo ele está usando e peça para ele mostrar como ele usa.
Diante de um mundo tecnológico, o uso indiscriminado de equipamentos pode ser tão
prejudicial quanto sua total exclusão. O brincar proporciona uma atitude de receptividade
frente à realidade, que a criança busca compreender através de perguntas e respostas. Nesse
lugar aparece a interação humana para ajudar a compreender e dar significado, mediando os
saberes e conhecimentos produzidos socialmente. Para pensar e sentir é preciso aprender, o
que implica o trabalho educativo, algo que por si só a tecnologia sozinha não consegue fazer.
A tela que mostra um mundo não pode ser a mesma que apaga o que está em volta. A escola
deve estar preparada para não seguir por um único caminho, utilizando a tecnologia sim, mas
reconhecendo também a importância de brincar e de explorar aquilo que a virtualidade não
consegue proporcionar. (BALDUINO; DOIA, 2019)

OBJETIVO GERAL

OBJETIVO ESPECÍFICO

JUSTIFICATIVA

METODOLOGIA

Trata-se de um projeto de intervenção que será realizado com que tem que gostariam
de saber mais sobre os prejuízos da tecnologia e seus impactos na vida escolar.

CASUÍSTICA

..
CRITÉRIOS DE INCLUSÃO

CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO

MATERIAIS

PROCEDIMENTO

ASPECTOS ÉTICOS

CRONOGRAMA
REFERÊNCIA
BALDUINO, Jordana; DOIA, Alexandre. Qual o lugar do brincar frente ao fascínio da
tecnologia? Nova Escola, 13 de junho de 2019. Disponível em <encurtador.com.br/lyADK>.
Acessado em: 5 de novembro de 2020.

ROSADO, Janaína dos Reis. História do jogo e o game na aprendizagem. Comunidades


Virtuais, 2006. Disponível em: <encurtador.com.br/uC269>. Acessado em: 5 de novembro de
2020.

ROWAN, Cris. 10 razões pelas quais os aparelhos móveis devem ser proibidos para crianças
menores de 12 anos. Huffpost Brasil, 2017. Disponível em: <encurtador.com.br/csxA7>.
Acessado em: 28 de outubro de 2020.

Seus pequenos preparados para o mundo. Blog Clube Auge. 22 de janeiro de 2020.
Disponível em: <encurtador.com.br/moAW3>. Acessado em: 2 de novembro de 2020.