Você está na página 1de 39

Resumos Matematik

Equações Trigonométricas

Não é um manual escolar.


Não dispensa a consulta de um manual escolar.
Recomendamos a presença nas aulas e o
aconselhamento com um professor.

Outubro 2017

Todos os direitos reservados


Equações Trigonométricas

Resumos Matematik
Equações Trigonométricas

Pág.
Equações…………………............................................................................................................. 3

Equações trigonométricas……………….……..…………………............……………...……. 3

Resolução de equações trigonométricas……………………............…………..…...…… 5


A circunferência trigonométrica………………………………..…………………….......... 5
Ângulos de destaque no primeiro quadrante………………..…..…………………….. 6
Equações com senos………………………..…………………………………………………….. 7
Equações com co-senos……………………..…………………………………………………... 14
Equações com tangentes………………..………………………………………………………. 22
Equações com co-tangentes……………..…………………………………………………….. 29
Equações trigonométricas de segundo grau…………………………………………….. 36
Equações trigonométricas com módulos………………..……………………………….. 38

Apêndice………………………………………………………………...……………………………… 39

www.matematik.pt Pág 2 de 39
Equações Trigonométricas

Equações
O que é uma equação?

Uma equação é uma igualdade, na qual temos uma ou mais incógnitas. A palavra equação
deriva da palavra latina aequatio, cuja etimologia se funda na palavra aequo – tornar igual,
nivelar, comparar, equilibrar.

Isto não é uma equação!

É uma igualdade, é certo, mas não temos


qualquer incógnita presente.
10 + 5 = 15
Isto é uma proposição (expressão acerca
da qual podemos dizer se é verdadeira ou
falsa).

Neste caso, é uma proposição verdadeira.

Isto é uma equação!

É uma igualdade e temos uma incógnita


presente (𝑥).
10 + 5 = 𝑥
A incógnita (𝑥) pode estar em qualquer
membro da equação (neste caso está no
segundo membro).

10 + 5 = 𝑥

Igualdade + incógnita = Equação

Uma equação é uma igualdade na qual estão presentes uma ou mais incógnitas.

Equações trigonométricas
O que é uma equação trigonométrica?

Uma equação trigonométrica é uma igualdade, cuja incógnita é um ângulo para o qual está
a ser calculada uma razão trigonométrica.

www.matematik.pt Pág 3 de 39
Equações Trigonométricas

Isto não é uma equação trigonométrica!

É uma igualdade, é certo, mas não temos


qualquer incógnita presente.
cos 0° + 5 = 6
Isto é uma proposição (expressão acerca
da qual podemos dizer se é verdadeira ou
falsa).

Neste caso, é uma proposição verdadeira.

Isto não é uma equação trigonométrica!

É uma equação do primeiro grau.


cos 0° + 5 = 𝑥
É uma igualdade e temos uma incógnita
presente (𝑥), mas a incógnita não é um
ângulo.

Isto não é uma equação trigonométrica!

𝜋 É uma equação do segundo grau.


5 − 𝑥 2 + 𝑡𝑔 =2
4
É uma igualdade e temos uma incógnita
presente (𝑥), mas a incógnita não é um
ângulo.

Isto é uma equação trigonométrica!


√3
cos(2𝑥) − =0 É uma igualdade, e a incógnita é um ângulo
2 para o qual está a ser calculada uma razão
trigonométrica (neste caso, um co-seno).

Isto é uma equação trigonométrica!


1
− sen 𝑥 = 1 É uma igualdade, e a incógnita é um ângulo
2 para o qual está a ser calculada uma razão
trigonométrica (neste caso, um seno).

Isto é uma equação trigonométrica!

É uma igualdade, e a incógnita é um ângulo


1 − 𝑡𝑔2 (3𝑥) = 2
para o qual está a ser calculada uma razão
trigonométrica (neste caso, uma
tangente).

www.matematik.pt Pág 4 de 39
Equações Trigonométricas

Resolução de equações trigonométricas


A Circunferência trigonométrica
Na resolução de equações trigonométricas vamos recorrer à Circunferência
Trigonométrica.

Aconselhamos a leitura atenta do Resumo Matematik “A Circunferência Trigonométrica”, o


qual está disponível em www.matematik.pt.

Aqui vamos apenas recordar os eixos onde temos a escala dos senos, co-senos, tangentes e
co-tangentes (nota: a co-tangente não faz parte do programa em vigor).

A Circunferência Trigonométrica tem raio igual a 1 e o seu centro coincide com a origem de
um referencial ortonormado.

A escala no eixo das ordenadas indica-nos os valores dos senos.

A escala no eixo das abcissas indica-nos os valores dos co-senos.

Tangente à circunferência trigonométrica e paralela ao eixo das ordenadas, do seu lado


direito, temos uma recta numérica onde se indicam os valores das tangentes. A escala é igual
à dos eixos coordenados.

Tangente à circunferência trigonométrica e paralela ao eixo das abcissas, no topo da


circunferência, temos uma recta numérica onde se indicam os valores das co-tangentes. A
escala é igual à dos eixos coordenados.

www.matematik.pt Pág 5 de 39
Equações Trigonométricas

Na Circunferência Trigonométrica os
ângulos têm origem no semi-eixo positivo
das abcissas.

Os vértices dos ângulos coincidem com o


ponto de coordenadas (0, 0).

Consideramos ângulos positivos os que se


desenvolvem no sentido contrário ao dos
ponteiros do relógio.

Consideramos ângulos negativos os que se


desenvolvem no mesmo sentido dos
ponteiros do relógio.

Ângulos de destaque no primeiro quadrante


Para que os alunos possam praticar os conceitos teóricos da matéria de trigonometria e na
resolução de equações e inequações trigonométricas, foram definidos cinco ângulos de
destaque no primeiro quadrante.

São eles:

Sistema sexagesimal 0˚ 30˚ 45˚ 60˚ 90˚


unidade: grau

Sistema circular 0 rad


𝝅 𝝅 𝝅 𝝅
rad rad rad rad
unidade: radiano 𝟔 𝟒 𝟑 𝟐

Na Circunferência Trigonométrica:

www.matematik.pt Pág 6 de 39
Equações Trigonométricas

Os resultados das equações trigonométricas presentes no programa escolar serão, na


maioria, um destes ângulos, ou seus múltiplos (considerando ângulos positivos ou
negativos).

Equações com senos


Os valores dos senos dos cinco ângulos de destaque são:

Sistema sexagesimal 0˚ 30˚ 45˚ 60˚ 90˚


unidade: grau

Sistema circular 𝝅 𝝅 𝝅 𝝅
0 rad rad rad rad rad
unidade: radiano 𝟔 𝟒 𝟑 𝟐

𝟏 √𝟐 √𝟑
seno 0 1
𝟐 𝟐 𝟐

Os valores referidos estão marcados na Circunferência Trigonométrica sobre o eixo das


ordenadas (eixo dos senos).

www.matematik.pt Pág 7 de 39
Equações Trigonométricas

Táctica para resolver equações trigonométricas com senos:

1. Trabalhar a equação até isolar a razão trigonométrica - neste caso, até isolar o
sen(α) .

2. Após isolada a razão trigonométrica, procurar o valor correspondente na escala.

3. Mediante o valor da escala, identificar o ângulo (ou ângulos) cujo seno é igual ao
valor da escala. Não esquecer os múltiplos sucessivos desses ângulos.

4. Continuar a resolução da equação, em ordem a 𝑥.

Exemplos:

Equação A Resolução:

𝟐 𝐬𝐞𝐧 𝒙 − 𝟏 = 𝟎 ⇔ 1. Isolar a razão trigonométrica.

⟺ 𝟐 𝐬𝐞𝐧 𝒙 = 𝟏 ⟺

𝟏 2. Procurar o valor
1
na escala.
⟺ 𝐬𝐞𝐧 𝒙 = ⟺ 2
𝟐

www.matematik.pt Pág 8 de 39
Equações Trigonométricas

Equação A Resolução:
(continuação) (continuação)

𝟏 3. Identificar o ângulo (ou ângulos) cujo seno é igual ao valor


⟺ 𝐬𝐞𝐧 𝒙 = ⟺
𝟐 da escala.

1
Temos dois ângulos cujo seno é igual a .
2

No primeiro quadrante temos o ângulo α.

No segundo quadrante temos o ângulo β.


𝜋
Sabemos que 𝛼 = , pois este é um dos ângulos de referência
6
do primeiro quadrante.

E β? Qual é o ângulo β? Seguem duas maneiras para o


identificar.
𝜋
Alternativa a) Sabemos que é uma sexta parte de 𝜋.
6
Vamos, então, dividir meio círculo em seis partes
iguais:

𝜋
Contamos 5 porções de .
6

𝟓𝝅
Conclusão: 𝜷 =
𝟔

www.matematik.pt Pág 9 de 39
Equações Trigonométricas

Equação A Resolução:
(continuação) (continuação)

Alternativa b) Sabemos que no primeiro quadrante


𝜋 𝜋
temos . Então no segundo quadrante teremos 𝜋 − .
6 6

𝝅
⟺𝒙= + 𝟐𝝅𝒌
𝟔

𝝅
𝒙=𝝅− + 𝟐𝝅𝒌 ⟺
𝟔

𝟓𝝅
Conclusão: 𝜷 =
𝟔

A cada um destes ângulos podemos adicionar sucessivas voltas


completas (2𝜋𝑘, com 𝑘 ∈ ℤ) que obtemos novos ângulos com
1
seno igual a . Todos são soluções da equação!
2

Escolhe o método que consideres mais fácil! Nota, porém, que


a Alternativa a) funciona bem com ângulos que sejam
𝜋 𝜋 𝜋
divisores de π rad (é o caso dos ângulos , e ). A
6 4 3
Alternativa b) funciona bem com todos os ângulos (é remédio
santo!).

𝝅 4. Continuar a resolução da equação, em ordem a 𝑥. (neste caso,


⟺𝒙= + 𝟐𝝅𝒌 não se aplica. Veja o exemplo seguinte)
𝟔

𝟓𝝅 Resultado final:
𝒙= + 𝟐𝝅𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
𝟔
𝝅 𝟓𝝅
𝒙= + 𝟐𝝅𝒌 ⋁ 𝒙 = + 𝟐𝝅𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
𝟔 𝟔

𝜋 5𝜋
A cada ângulo, e , adicionamos 2𝜋𝑘, com 𝑘 pertencente ao
6 6
conjunto dos números inteiros (ℤ). Com isto estamos a dizer
que, a cada ângulo, adicionamos sucessivas voltas completas
(2𝜋). A cada adição obtemos um novo ângulo, com seno igual a
1
.
2

www.matematik.pt Pág 10 de 39
Equações Trigonométricas

Equação B Resolução:

𝟑√𝟑 + 𝟔 𝐬𝐞𝐧(𝟐𝒙) = 𝟎 ⇔ 1. Isolar a razão trigonométrica.

⟺ 𝟔 𝐬𝐞𝐧(𝟐𝒙) = −𝟑√𝟑 ⟺

−𝟑√𝟑
⟺ 𝐬𝐞𝐧(𝟐𝒙) = ⟺
𝟔

√𝟑
⟺ 𝐬𝐞𝐧(𝟐𝒙) = − ⟺ 2. Procurar o valor −
√3
na escala.
𝟐 2

3. Identificar o ângulo (ou ângulos) cujo seno é igual ao valor


da escala.

√3
Temos dois ângulos cujo seno é igual a − .
2

www.matematik.pt Pág 11 de 39
Equações Trigonométricas

Equação B Resolução:
(continuação) (continuação)

√𝟑 No quarto quadrante temos o ângulo α.


⟺ 𝐬𝐞𝐧(𝟐𝒙) = − ⟺
𝟐
No terceiro quadrante temos o ângulo β.
𝜋
Sabemos que 𝛼 = − , pois tem uma amplitude igual a um dos
3
ângulos de referência do primeiro quadrante (a única
diferença é, neste caso, ser um ângulo negativo).

E β? Qual é o ângulo β? Seguem duas maneiras para o


identificar.
𝜋
Alternativa a) Sabemos que é uma terça parte de 𝜋.
3
Vamos, então, dividir meio círculo em três partes
iguais:

𝜋
Contamos 2 porções de , mas no sentido negativo.
3

𝟐𝝅
Conclusão: 𝜷 = −
𝟑

Alternativa b) Sabemos que no quarto quadrante


𝜋
temos − . Então no terceiro quadrante teremos
3
𝜋
– 𝜋 + (atenção ao sentido de rotação associado aos
3
ângulos positivos e negativos).

𝝅
⟺ 𝟐𝒙 = − + 𝟐𝝅𝒌
𝟑

𝝅
𝟐𝒙 = −𝝅 + + 𝟐𝝅𝒌 ⟺
𝟑

www.matematik.pt Pág 12 de 39
Equações Trigonométricas

Equação B Resolução:
(continuação) (continuação)

𝟐𝝅
Conclusão: 𝜷 = −
𝟑

A cada um destes ângulos podemos adicionar sucessivas


voltas completas (2𝜋𝑘, com 𝑘 ∈ ℤ) que obtemos novos
√3
ângulos com seno igual a − . Todos são soluções da
2
equação!

Escolhe o método que consideres mais fácil! Nota, porém, que


a Alternativa a) funciona bem com ângulos que sejam divisores
𝜋 𝜋 𝜋
de π rad (é o caso dos ângulos , e ). A Alternativa b)
6 4 3
funciona bem com todos os ângulos.

𝝅 𝟐𝝅𝒌
⟺𝒙=− + 4. Continuar a resolução da equação, em ordem a 𝑥.
𝟔 𝟐

𝟐𝝅
𝟐𝒙 = − + 𝟐𝝅𝒌 ⟺
𝟑

𝝅
⟺𝒙=− + 𝝅𝒌
𝟔

𝝅
𝒙=− + 𝝅𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
𝟑 Resultado final:

𝝅 𝝅
𝒙=− + 𝝅𝒌 ⋁ 𝒙 = − + 𝝅𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
𝟔 𝟑

𝜋 𝜋
A cada ângulo, − e − , adicionamos 𝜋𝑘, com 𝑘 pertencente
6 3
ao conjunto dos números inteiros (ℤ). Com isto estamos a
dizer que, a cada ângulo, adicionamos sucessivas meias voltas
(𝜋). A cada adição obtemos um novo ângulo que, quando
√3
duplicado, tem seno igual a − .
2

www.matematik.pt Pág 13 de 39
Equações Trigonométricas

Equações com co-senos


Os valores dos co-senos dos cinco ângulos de destaque são:

Sistema sexagesimal 0˚ 30˚ 45˚ 60˚ 90˚


unidade: grau

Sistema circular 0 rad


𝝅 𝝅 𝝅 𝝅
rad rad rad rad
unidade: radiano 𝟔 𝟒 𝟑 𝟐

√𝟑 √𝟐 𝟏
co-seno 1 0
𝟐 𝟐 𝟐

Os valores referidos estão marcados na Circunferência Trigonométrica sobre o eixo das


abcissas (eixo dos co-senos).

www.matematik.pt Pág 14 de 39
Equações Trigonométricas

Táctica para resolver equações trigonométricas com co-senos:

1. Trabalhar a equação até isolar a razão trigonométrica - neste caso, até isolar o
cos(α) .

2. Após isolada a razão trigonométrica, procurar o valor correspondente na escala.

3. Mediante o valor da escala, identificar o ângulo (ou ângulos) cujo co-seno é igual ao
valor da escala. Não esquecer os múltiplos sucessivos desses ângulos.

4. Continuar a resolução da equação, em ordem a 𝑥.

Exemplos:

Equação A Resolução:

𝒙 1. Isolar a razão trigonométrica.


√𝟐 𝐜𝐨𝐬 ( ) − 𝟒 = −𝟑 ⇔
𝟐
𝒙
⟺ √𝟐 𝐜𝐨𝐬 ( ) = 𝟏 ⟺
𝟐
𝒙 𝟏
⟺ 𝐜𝐨𝐬 ( ) = ⟺
𝟐 √𝟐

𝒙 √𝟐 √2
⟺ 𝐜𝐨𝐬 ( ) = ⟺ 2. Procurar o valor na escala.
𝟐 𝟐 2

www.matematik.pt Pág 15 de 39
Equações Trigonométricas

Equação A Resolução:
(continuação) (continuação)

𝒙 √𝟐 3. Identificar o ângulo (ou ângulos) cujo co-seno é igual ao


⟺ 𝐜𝐨𝐬 ( ) = ⟺ valor da escala.
𝟐 𝟐

√2
Temos dois ângulos cujo co-seno é igual a .
2

No primeiro quadrante temos o ângulo α.

No quarto quadrante temos o ângulo -α.


𝜋
Sabemos que 𝛼 = , pois este é um dos ângulos de referência
4
do primeiro quadrante.

𝒙 𝝅
⟺ = + 𝟐𝝅𝒌
𝟐 𝟒

𝒙 𝝅
= − + 𝟐𝝅𝒌 ⟺
𝟐 𝟒

A cada um destes ângulos podemos adicionar sucessivas voltas


completas (2𝜋𝑘, com 𝑘 ∈ ℤ) que obtemos novos ângulos com
√2
co-seno igual a . Todos são soluções da equação!
2

www.matematik.pt Pág 16 de 39
Equações Trigonométricas

Equação A Resolução:
(continuação) (continuação)

𝝅 4. Continuar a resolução da equação, em ordem a 𝑥.


⟺ 𝒙 = 𝟐 ( + 𝟐𝝅𝒌)
𝟒

𝝅
𝒙 = 𝟐 (− + 𝟐𝝅𝒌) ⟺
𝟒

𝝅 Resultado final:
⟺𝒙= + 𝟒𝝅𝒌
𝟐
𝝅 𝝅
𝒙= + 𝟒𝝅𝒌 ⋁ 𝒙 = − + 𝟒𝝅𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
⋁ 𝟐 𝟐

𝝅
𝒙=− + 𝟒𝝅𝒌, 𝒌 ∈ ℤ 𝜋 𝜋
𝟐 A cada ângulo, e − , adicionamos 4𝜋𝑘, com 𝑘 pertencente
2 2
ao conjunto dos números inteiros (ℤ). Com isto estamos a
dizer que, a cada ângulo, adicionamos sucessivas duplas
voltas completas (4𝜋). A cada adição obtemos um novo
√2
ângulo que, quando dividido por dois, tem co-seno igual a .
2

www.matematik.pt Pág 17 de 39
Equações Trigonométricas

Equação B Resolução:

𝟐𝒙 1. Isolar a razão trigonométrica.


𝟕 + 𝟒 𝐜𝐨𝐬 ( ) = 𝟓 ⇔
𝟑

𝟐𝒙
⟺ 𝟒 𝐜𝐨𝐬 ( ) = −𝟐 ⟺
𝟑

𝟐𝒙 𝟐
⟺ 𝐜𝐨𝐬 ( ) = − ⟺
𝟑 𝟒

𝟐𝒙 𝟏 1
⟺ 𝐜𝐨𝐬 ( ) = − ⟺ 2. Procurar o valor − na escala.
2
𝟑 𝟐

www.matematik.pt Pág 18 de 39
Equações Trigonométricas

Equação B Resolução:
(continuação) (continuação)

𝟐𝒙 𝟏 3. Identificar o ângulo (ou ângulos) cujo co-seno é igual ao


⟺ 𝐜𝐨𝐬 ( ) = − ⟺
𝟑 𝟐 valor da escala.

1
Temos dois ângulos cujo co-seno é igual a − .
2

No segundo quadrante temos o ângulo α.

No terceiro quadrante temos o ângulo -α.

Qual é o ângulo α? Seguem duas maneiras para o identificar.

Alternativa a) Em relação ao eixo das ordenadas, α é


𝜋
simétrico de , ângulo do primeiro quadrante. Sabemos
3
𝜋
que é uma terça parte de 𝜋. Vamos, então, dividir
3
meio círculo em três partes iguais:

𝜋
Contamos 2 porções de .
3

𝟐𝝅
Conclusão: 𝜶 =
𝟑

𝟐𝝅 𝟐𝝅
Se 𝜶 = , então −𝜶 = − .
𝟑 𝟑

www.matematik.pt Pág 19 de 39
Equações Trigonométricas

Equação B Resolução:
(continuação) (continuação)

Alternativa b) Em relação ao eixo das ordenadas, α é


𝜋
simétrico de , ângulo do primeiro quadrante. Então
3
𝜋
no segundo quadrante teremos 𝜋 − .
3

𝝅 𝟐𝝅
Conclusão: 𝜶 = 𝝅 − ⟺ 𝜶 =
𝟑 𝟑

𝟐𝒙 𝟐𝝅
⟺ = + 𝟐𝝅𝒌
𝟑 𝟑

𝟐𝒙 𝟐𝝅 𝟐𝝅 𝟐𝝅
=− + 𝟐𝝅𝒌 ⟺ Se 𝜶 = , então −𝜶 = − .
𝟑 𝟑 𝟑 𝟑

A cada um destes ângulos podemos adicionar sucessivas


voltas completas (2𝜋𝑘, com 𝑘 ∈ ℤ) que obtemos novos
1
ângulos com co-seno igual a − . Todos são soluções da
2
equação!

Escolhe o método que consideres mais fácil! Nota, porém, que


a Alternativa a) funciona bem com ângulos que sejam
𝜋 𝜋 𝜋
divisores de π rad (é o caso dos ângulos , e ). A
6 4 3
Alternativa b) funciona bem com todos os ângulos.

www.matematik.pt Pág 20 de 39
Equações Trigonométricas

Equação B Resolução:
(continuação) (continuação)

𝟐𝝅 4. Continuar a resolução da equação, em ordem a 𝑥.


⟺ 𝟐𝒙 = 𝟑 ( + 𝟐𝝅𝒌)
𝟑

𝟐𝝅
𝟐𝒙 = 𝟑 (− + 𝟐𝝅𝒌) ⟺
𝟑

⟺ 𝒙 = 𝝅 + 𝟑𝝅𝒌

𝒙 = −𝝅 + 𝟑𝝅𝒌 ⟺

Resultado final:
⟺ 𝒙 = 𝝅𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
𝒙 = 𝝅𝒌, 𝒌 ∈ ℤ

Ao ângulo 𝜋 adicionamos sucessivas voltas e meia (3𝜋𝑘).

Obtemos, alternadamente, ângulos com os lados extremidade


na mesma posição de 0 e 𝜋, pelo que o resultado pode
apresentar-se como 𝒙 = 𝝅𝒌, 𝒌 ∈ ℤ.

Se partirmos de – 𝜋 o resultado é igual.

www.matematik.pt Pág 21 de 39
Equações Trigonométricas

Equações com tangentes


Os valores das tangentes dos cinco ângulos de destaque são:

Sistema sexagesimal 0˚ 30˚ 45˚ 60˚ 90˚


unidade: grau

Sistema circular 0 rad


𝝅 𝝅 𝝅 𝝅
rad rad rad rad
unidade: radiano 𝟔 𝟒 𝟑 𝟐

√𝟑
tangente 0 1 √𝟑 --
𝟑

Os valores referidos estão marcados na Circunferência Trigonométrica sobre o eixo das


tangentes.

www.matematik.pt Pág 22 de 39
Equações Trigonométricas

Táctica para resolver equações trigonométricas com tangentes

1. Trabalhar a equação até isolar a razão trigonométrica - neste caso, até isolar a tg(α).

2. Após isolada a razão trigonométrica, procurar o valor correspondente na escala.

3. Mediante o valor da escala, identificar o ângulo (ou ângulos) cuja tangente é igual
ao valor da escala. Não esquecer os múltiplos sucessivos desses ângulos.

4. Continuar a resolução da equação, em ordem a 𝑥.

Exemplos:

Equação A Resolução:

𝐭𝐠(𝟐𝒙) √𝟑 1. Isolar a razão trigonométrica.


= ⟺
𝟑 𝟑

⟺ 𝐭𝐠(𝟐𝒙) = √𝟑 ⟺
2. Procurar o valor √3 na escala.

www.matematik.pt Pág 23 de 39
Equações Trigonométricas

Equação A Resolução:
(continuação) (continuação)

⟺ 𝐭𝐠(𝟐𝒙) = √𝟑 ⟺ 3. Identificar o ângulo (ou ângulos) cuja tangente é igual ao


valor da escala.

Temos dois ângulos cuja tangente é igual a √3.

No primeiro quadrante temos o ângulo α.

No terceiro quadrante temos o ângulo β.


𝜋
Sabemos que 𝛼 = , pois este é um dos ângulos de referência
3
do primeiro quadrante.
𝜋
O ângulo β encontra-se facilmente, bastando adicionar a
3
meia volta, isto é, 𝜋.
𝜋
Na prática, basta-nos identificar o ângulo e todos os que se
3
obtêm adicionando sucessivas meias voltas, partindo deste.

www.matematik.pt Pág 24 de 39
Equações Trigonométricas

Equação A Resolução:
(continuação) (continuação)

𝝅
⟺ 𝟐𝒙 = + 𝝅𝒌 ⟺
𝟑

𝝅 𝝅 4. Continuar a resolução da equação, em ordem a 𝑥.


⟺𝒙= + 𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
𝟔 𝟐

Resultado final:

𝝅 𝝅
𝒙= + 𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
𝟔 𝟐
𝜋 𝜋
Ao ângulo adicionamos 𝑘, com 𝑘 pertencente ao conjunto
6 2
dos números inteiros (ℤ). Com isto estamos a dizer que, ao
𝜋 𝜋
ângulo , adicionamos sucessivos quartos de volta ( ). A cada
6 2
adição obtemos um novo ângulo que, quando duplicado, tem
tangente igual a √3.

www.matematik.pt Pág 25 de 39
Equações Trigonométricas

Equação B Resolução:

𝟒 − 𝐭𝐠 𝒙 1. Isolar a razão trigonométrica.


−𝟏=𝟎⟺
𝟓
𝟒 − 𝐭𝐠 𝒙
⟺ =𝟏⟺
𝟓

⟺ 𝟒 − 𝐭𝐠 𝒙 = 𝟓 ⟺

⟺ − 𝐭𝐠 𝒙 = 𝟓 − 𝟒 ⟺

⟺ − 𝐭𝐠 𝒙 = 𝟏 ⟺

⟺ 𝐭𝐠 𝒙 = −𝟏 ⟺ 2. Procurar o valor −1 na escala.

www.matematik.pt Pág 26 de 39
Equações Trigonométricas

Equação B Resolução:
(continuação) (continuação)

⟺ 𝐭𝐠 𝒙 = −𝟏 ⟺ 3. Identificar o ângulo (ou ângulos) cuja tangente é igual ao


valor da escala.

Temos dois ângulos cuja tangente é igual a -1.

No quarto quadrante temos o ângulo α.

No segundo quadrante temos o ângulo β.


𝜋
Sabemos que 𝛼 = − , pois este tem a mesma amplitude de um
4
dos ângulos de referência do primeiro quadrante.
𝜋
O ângulo β encontra-se facilmente, bastando adicionar a −
4
meia volta, isto é, 𝜋.
𝜋
Na prática, basta-nos identificar o ângulo − e todos os que se
4
obtêm adicionando sucessivas meias voltas, partindo deste.

www.matematik.pt Pág 27 de 39
Equações Trigonométricas

Equação B Resolução:
(continuação) (continuação)

𝝅
⟺𝒙=− + 𝝅𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
𝟒

4. Continuar a resolução da equação, em ordem a 𝑥 (neste


caso, não se aplica).

Resultado final:

𝝅
𝒙=− + 𝝅𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
𝟒

𝜋
Ao ângulo − adicionamos 𝜋𝑘, com 𝑘 pertencente ao
4
conjunto dos números inteiros (ℤ). Com isto estamos a dizer
𝜋
que, ao ângulo − , adicionamos sucessivas meias voltas (𝜋).
4
A cada adição obtemos um novo ângulo que tem tangente
igual a -1.

www.matematik.pt Pág 28 de 39
Equações Trigonométricas

Equações com co-tangentes


Nota: a co-tangente não faz parte do programa em vigor nas escolas portuguesas. Esta
secção fica para quem quiser ir um pouco mais além.

Os valores das co-tangentes dos cinco ângulos de destaque são:

Sistema sexagesimal 0˚ 30˚ 45˚ 60˚ 90˚


unidade: grau

Sistema circular 𝝅 𝝅 𝝅 𝝅
0 rad rad rad rad rad
unidade: radiano 𝟔 𝟒 𝟑 𝟐

√𝟑
co-tangente -- √𝟑 1 0
𝟑

Os valores referidos estão marcados na Circunferência Trigonométrica sobre o eixo das co-
tangentes.

www.matematik.pt Pág 29 de 39
Equações Trigonométricas

Táctica para resolver equações trigonométricas com co-tangentes:

1. Trabalhar a equação até isolar a razão trigonométrica - neste caso, até isolar a
cotg(α) .

2. Após isolada a razão trigonométrica, procurar o valor correspondente na escala.

3. Mediante o valor da escala, identificar o ângulo (ou ângulos) cuja co-tangente é igual
ao valor da escala. Não esquecer os múltiplos sucessivos desses ângulos.

4. Continuar a resolução da equação, em ordem a 𝑥.

Exemplos:

Equação A Resolução:

𝟐 √𝟑 + 𝟐 1. Isolar a razão trigonométrica.


+ 𝐜𝐨𝐭𝐠(𝟑𝒙) = ⇔
𝟑 𝟑

√𝟑 + 𝟐 𝟐
⟺ 𝐜𝐨𝐭𝐠(𝟑𝒙) = − ⟺
𝟑 𝟑

√𝟑
⟺ 𝐜𝐨𝐭𝐠(𝟑𝒙) = ⟺
𝟑 2. Procurar o valor
√3
na escala.
3

www.matematik.pt Pág 30 de 39
Equações Trigonométricas

Equação A Resolução:
(continuação) (continuação)

√𝟑 3. Identificar o ângulo (ou ângulos) cuja co-tangente é igual ao


⟺ 𝐜𝐨𝐭𝐠(𝟑𝒙) = ⟺ valor da escala.
𝟑

√3
Temos dois ângulos cuja co-tangente é igual a .
3

No primeiro quadrante temos o ângulo α.

No terceiro quadrante temos o ângulo β.


𝜋
Sabemos que 𝛼 = , pois este tem a mesma amplitude de um
3
dos ângulos de referência do primeiro quadrante.
𝜋
O ângulo β encontra-se facilmente, bastando adicionar a
3
meia volta, isto é, 𝜋.
𝜋
Na prática, basta-nos identificar o ângulo e todos os que se
3
obtêm adicionando sucessivas meias voltas, partindo deste.

𝝅
⟺ 𝟑𝒙 = + 𝝅𝒌 ⟺
𝟑

www.matematik.pt Pág 31 de 39
Equações Trigonométricas

Equação A Resolução:
(continuação) (continuação)

𝝅 4. Continuar a resolução da equação, em ordem a 𝑥.


⟺ 𝟑𝒙 = + 𝝅𝒌 ⟺
𝟑

𝝅 𝝅 Resultado final:
⟺𝒙= + 𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
𝟗 𝟑 𝝅 𝝅
𝒙= + 𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
𝟗 𝟑

𝜋 𝜋
Ao ângulo adicionamos 𝑘, com 𝑘 pertencente ao conjunto
9 3
dos números inteiros (ℤ). Com isto estamos a dizer que, ao
𝜋 𝜋
ângulo , adicionamos sucessivos terços de voltas ( ). A cada
9 3
adição obtemos um novo ângulo que, quando triplicado, tem
3
co-tangente igual a √3 .

www.matematik.pt Pág 32 de 39
Equações Trigonométricas

Equação B Resolução:

𝒙 1. Isolar a razão trigonométrica.


𝟓 𝐜𝐨𝐭𝐠 ( ) + 𝟐 = −𝟑 ⇔
𝟑
𝒙
⟺ 𝟓 𝐜𝐨𝐭𝐠 ( ) = −𝟓 ⟺
𝟑
𝒙
⟺ 𝐜𝐨𝐭𝐠 ( ) = −𝟏 ⟺ 2. Procurar o valor -1 na escala.
𝟑

www.matematik.pt Pág 33 de 39
Equações Trigonométricas

Equação B Resolução:
(continuação) (continuação)

𝒙 3. Identificar o ângulo (ou ângulos) cuja co-tangente é igual ao


⟺ 𝐜𝐨𝐭𝐠 ( ) = −𝟏 ⟺
𝟑 valor da escala.

Temos dois ângulos cuja co-tangente é igual a -1

No quarto quadrante temos o ângulo α.

No segundo quadrante temos o ângulo β.


𝜋
Sabemos que 𝛼 = − , pois este tem a mesma amplitude de um
4
dos ângulos de referência do primeiro quadrante.
𝜋
O ângulo β encontra-se facilmente, bastando adicionar a −
4
meia volta, isto é, 𝜋.
𝜋
Na prática, basta-nos identificar o ângulo − e todos os que se
4
obtêm adicionando sucessivas meias voltas, partindo deste.
𝒙 𝝅
⟺ = − + 𝝅𝒌 ⟺
𝟑 𝟒

www.matematik.pt Pág 34 de 39
Equações Trigonométricas

Equação B Resolução:
(continuação) (continuação)

𝒙 𝝅 4. Continuar a resolução da equação, em ordem a 𝑥.


⟺ = − + 𝝅𝒌 ⟺
𝟑 𝟒
𝝅
⟺ 𝒙 = 𝟑 (− + 𝝅𝒌) ⟺
𝟒

𝟑𝝅 Resultado final:
⟺𝒙=− + 𝟑𝝅𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
𝟒
𝟑𝝅
𝒙=− + 𝟑𝝅𝒌, 𝒌 ∈ ℤ
𝟒

3𝜋
Ao ângulo − adicionamos 3𝜋𝑘, com 𝑘 pertencente ao
4
conjunto dos números inteiros (ℤ). Com isto estamos a
3𝜋
dizer que, ao ângulo − , adicionamos sucessivas voltas e
4
meia (3𝜋). A cada adição obtemos um novo ângulo que,
quando dividido por três, tem co-tangente igual a -1.

www.matematik.pt Pág 35 de 39
Equações Trigonométricas

Equações trigonométricas de segundo grau


Tal como nas equações correntes, também nas equações trigonométricas podem aparecer
equações de grau superior ao primeiro.

Todas as regras utilizadas para resolver as equações correntes podem (e devem) ser
aplicadas na resolução de equações trigonométricas de grau superior ao primeiro.

Vejamos alguns exemplos:

Equação A Resolução:

𝟏 1. Isolar a razão trigonométrica.


𝒔𝒆𝒏𝟐 𝒙 − =𝟎⟺
𝟒
Sendo uma equação de segundo grau,
𝟏 𝟏 podemos não ter qualquer solução, ter
⇔ 𝒔𝒆𝒏𝟐 𝒙 = ⟺ 𝒔𝒆𝒏 𝒙 = ±√ ⟺ apenas uma solução ou ter duas soluções
𝟒 𝟒 para a razão trigonométrica.

𝟏 𝟏 Neste caso temos duas soluções para o


⟺ 𝒔𝒆𝒏 𝒙 = ∨ 𝒔𝒆𝒏 𝒙 = − ⟺
𝟐 𝟐 seno.

(…) Daqui para a frente, seguem-se os mesmos


passos dados nos exemplos anteriores.

2. Procurar os valores da razão


trigonométrica na escala.

3. Identificar o ângulo (ou ângulos) cuja


razão trigonométrica é igual aos valores da
escala.

4. Continuar a resolução das equações, em


ordem a 𝑥.

Equação B Resolução:

𝒄𝒐𝒔 𝒙
𝒄𝒐𝒔𝟐 𝒙 − =𝟎⟺
𝟐 idem
𝟏
⟺ 𝒄𝒐𝒔 𝒙 (𝒄𝒐𝒔 𝒙 − ) = 𝟎 ⟺
𝟐

𝟏
⟺ 𝒄𝒐𝒔 𝒙 = 𝟎 ∨ 𝒄𝒐𝒔 𝒙 − =𝟎⟺
𝟐
𝟏
⟺ 𝒄𝒐𝒔 𝒙 = 𝟎 ∨ 𝒄𝒐𝒔 𝒙 = ⇔
𝟐
(…)

www.matematik.pt Pág 36 de 39
Equações Trigonométricas

Equação C Resolução:

𝒕𝒈𝟐 𝒙 + √𝟑𝒕𝒈 𝒙 − 𝒕𝒈 𝒙 − √𝟑 = 𝟎 ⇔ 1. Isolar a razão trigonométrica.

⟺ 𝒕𝒈𝟐 𝒙 + (√𝟑 − 𝟏)𝒕𝒈 𝒙 − √𝟑 = 𝟎 ⇔ Neste caso temos uma equação do segundo


grau completa, cujos zeros podem ser
calculados com a fórmula resolvente.

𝑎𝑥 2 + 𝑏𝑥 + 𝑐 = 0 ⇔

𝟐
−(√𝟑 − 𝟏) ± √(√𝟑 − 𝟏) − 𝟒(𝟏)(−√𝟑) −𝑏 ± √𝑏 2 − 4𝑎𝑐
⇔ 𝒕𝒈 𝒙 = ⟺ ⇔𝑥=
𝟐(𝟏) 2𝑎

Temos duas soluções para a tangente.


⇔ 𝒕𝒈 𝒙 = −√𝟑 ∨ 𝒕𝒈 𝒙 = 𝟏 ⟺
Daqui para a frente, seguem-se os mesmos
(…) passos dados nos exemplos anteriores.

2. Procurar os valores das razões


trigonométricas na escala.

3. Identificar o ângulo (ou ângulos) cuja


razão trigonométrica é igual aos valores
da escala.

4. Continuar a resolução das equações, em


ordem a 𝑥.

www.matematik.pt Pág 37 de 39
Equações Trigonométricas

Equações trigonométricas com módulos


O facto de termos uma razão trigonométrica em módulo não altera os procedimentos
descritos. Nestes casos, o primeiro passo é isolar o módulo.

Exemplo:

𝑥 1. Isolar o módulo
|tg ( )| − 5 = −4 ⟺
2
𝑥
⟺ |tg ( )| = 1 ⟺ 2. Resolver a equação com módulo
2
𝑥 𝑥
⟺ tg ( ) = 1 ∨ tg ( ) = −1 ⟺ 3. Continuar a resolução das equações
2 2
trigonométricas resultantes, tal como
(…) descrito nos exemplos anteriores.

www.matematik.pt Pág 38 de 39
Equações Trigonométricas

Apêndice
Formulário

Expressão geral das soluções da equação

𝒔𝒆𝒏 𝒙 = 𝒔𝒆𝒏 𝜶

Em radianos
𝒙 = 𝜶 + 𝟐𝒌𝝅 ∨ 𝒙 = 𝝅 − 𝜶 + 𝟐𝒌𝝅 , 𝒌 ∈ ℤ
Em graus
𝒙 = 𝜶° + 𝒌𝟑𝟔𝟎° ∨ 𝒙 = 𝟏𝟖𝟎° − 𝜶° + 𝒌𝟑𝟔𝟎° , 𝒌 ∈ ℤ

Expressão geral das soluções da equação

𝒄𝒐𝒔 𝒙 = 𝒄𝒐𝒔 𝜶

Em radianos
𝒙 = 𝜶 + 𝟐𝒌𝝅 ∨ 𝒙 = −𝜶 + 𝟐𝒌𝝅 , 𝒌 ∈ ℤ
Em graus
𝒙 = 𝜶° + 𝒌𝟑𝟔𝟎° ∨ 𝒙 = 𝟏𝟖𝟎° − 𝜶° + 𝒌𝟑𝟔𝟎° , 𝒌 ∈ ℤ

Expressão geral das soluções da equação

𝒕𝒈 𝒙 = 𝒕𝒈 𝜶

Em radianos
𝒙 = 𝜶 + 𝒌𝝅 , 𝒌 ∈ ℤ
Em graus
𝒙 = 𝜶° + 𝒌𝟏𝟖𝟎° , 𝒌 ∈ ℤ

Fim

www.matematik.pt Pág 39 de 39

Você também pode gostar