Você está na página 1de 1

Estado,

 Direito  e  Justiça  
 Filosofia  –  10º  Ano  
                                                         Como  devemos  viver  em  sociedade?  

         “A   Filosofia   política   distingue-­‐se   de   outras   disciplinas,   como   a   ciência   política   e   a   sociologia.   Estas  
disciplinas  estudam  o  modo  de  organização  social  e  política  das  sociedades  concretas.  O  objectivo  do  
filósofo   político   é   saber   como   deve   qualquer   sociedade   organizar-­‐se.   Por   exemplo,   enquanto   o  
sociólogo  quer  saber  que  direitos  as  pessoas  efectivamente  possuem  numa  dada  sociedade,  o  filósofo  
Direitos  e  
Deveres  
quer   antes   saber   que   direitos   as   pessoas   devem   ter,   seja   qual   for   a   sociedade.   Isto   significa   (...)  
também  que  a  filosofia,  ao  contrário  de  disciplinas  empíricas  como  a  sociologia,  trata  de  problemas  
relativos   à   organização   da   sociedade   em   geral   e   não   a   este   ou   àquele   país,   a   este   ou   àquele  
contexto   histórico.   Contudo,   isso   não   implica   que   a   informação   empírica   facultada   por   essas  
disciplinas   não   seja   importante   para   os   filósofos   políticos,   pois   saber   como   as   coisas   são   também  
ajuda  a  perceber  o  que  é  ou  não  possível  e  o  que  é  ou  não  é  desejável.    
         A   filosofia   política   também   não   se   pode   confundir   com   a   política.   O   político   é   um   executor,   cuja  
função   é   aplicar   medidas   concretas   que   visam   apenas   a   sociedade   a   que   pertence.   Contudo,   os  
políticos  adoptam  muitas  vezes  princípios  gerais  inspirados  nas  ideias  dos  filósofos  políticos.”  

ALMEIDA,  A.,  MURCHO,  D.,  (2006),  Textos  e  Problemas  de  Filosofia.  Lisboa:  Plátano  Editora,  p.82.  
(Adaptado  por  Joana  Inês  Pontes)  
______________________________________________________________________________________

O  Problema  da  Justificação  do  Estado  

 “Pensa   por   momentos   na   tua   própria   sujeição   política.   Estás   continuamente   a   ser   sujeito  

Regras;   a   regras   de   que   não   és   o   autor   –   designadas   por   leis   –   que   te   governam   não   apenas   a   ti,   mas   aos  
Leis  
outros,   que   impõem,   por   exemplo,   a   velocidade   a   que   deves   andar   na   auto-­‐estrada,   o  
comportamento   que   dever   ter   em   público,   que   tipo   de   acções   para   com   os   outros   são  
permissíveis,  que  objectos  contam  como  “teus”  ou  “deles”,  e  assim  sucessivamente.  Estas  regras  
são   impostas   por   determinadas   pessoas   que   seguem   as   directivas   daqueles   que   as   criaram  
definindo   também   punições   para   o   caso   de   não   serem   cumpridas.   Sabes   ainda   que,   se   não  
obedeceres   a   estas   regras,   é   bastante   provável   que   sofras   consequências   indesejáveis,   que  
podem  ir  de  pequenas  multas  à  prisão  e  até  (em  certas  sociedades)  à  morte.    
A  sensação  que  tens  quando  és  governado  é  a  de  que  não  és  subjugado  nem  coagido.  Se  
não   aprovarmos   que   um   homem   aponte   uma   arma   à   tua   cabeça   e   que   exija   que   lhe   dês   o   teu  
Poder   dinheiro,   então   por   que   havemos   de   aprovar   que   qualquer   grupo   ameace   recorrer   a   multas   ou   à  
do  
estado   prisão  ou  à  pena  de  morte  para  que  te  comportes  de  uma  certa  forma,  ou  para  que  lhes  dês  o  teu  
dinheiro   (a   que   chamam   impostos)   ou   para   que   lutes   em   guerras   que   eles   provocaram?   Será  
esta   sujeição   realmente   permissível?   De   um   ponto   de   vista   moral,   especialmente   porque   os  
seres  humanos  precisam  de  liberdade  para  se  aperfeiçoarem?  
HAMPTON,  Jean  (1996),  Political  Philosophy.  Oxford:  Westview,  p.3-­‐6.  
 
Professora      Joana  Inês  Pontes