Você está na página 1de 13

GRUPO EDUCACIONAL UNIP / UNIPLAN

CAMILA BRITO DE MENEZES - UP 18226247

ESTÁGIO SUPERVISIONADO
CURSO SUPERIOR LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

PETROLINA-PE
2021
CAMILA BRITO DE MENEZES - UP 18226247

ESTÁGIO SUPERVISIONADO
CURSO SUPERIOR LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

Relatório de Estágio desenvolvido na disciplina de


Estágio Supervisionado, apresentado ao Curso de
Pedagogia, da Universidade Paulista-UNIP, como
requisito parcial para conclusão do curso,
ministrado pela professora e orientadora: Vanessa
Cavalcante de Miranda Custódio.

PETROLINA-PE
2021
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO..........................................................................................................4
2 DESENVOLVIMENTO..............................................................................................5
2.1 O PAPEL DO PEDAGOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL...............................5
2.2 O PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO INFANTIL...................................7
2.3 O ENSINO REMOTO NA EDUCAÇÃO...............................................................9
2.4 ASPECTOS MAIS IMPORTANTES EM RELAÇÃO À LIVE............................10
3 CONCLUSÃO.........................................................................................................12
REFERÊNCIAS...........................................................................................................13
4

1 INTRODUÇÃO

Esse trabalho tem por finalidade refletir sobre o papel do pedagogo no


Ensino Fundamental e na Educação Infantil, além de abordar sobre o ensino remoto,
nos seus aspectos positivos e negativos, complementado pela análise da live sobre
a nova cara do ensino no Brasil e as dez competências da Base Nacional Comum
Curricular - BNCC.

É certo que estamos diante de um cenário de mudanças que impactaram a


educação. Diante desse cenário, é preciso aprender a conviver, pois muitos são os
desafios para que possam repensar a prática docente. Nessa concepção, é
necessário está consciente da necessidade de aprender com as problemáticas da
vida, e fazer da crise instaurada pela pandemia do Covid-19, uma experiência de
aprendermos juntos a superar as lacunas da educação oferecida aos estudantes,
compreendendo as fragilidades, angústias, e que agora tem se mostrado mais
evidentes no cenário educacional.

O pedagogo cumpre um papel fundamental, e por esse motivo deve planejar


suas atividades, utilizar metodologias que potencialize o aprendizado dos alunos,
promovendo aulas com intencionalidade e objetivos definidos. Nesse aspecto, o
pedagogo deve utilizar metodologias que permita planejar, inovar e diversificar suas
práticas pedagógicas, elaborando propostas de trabalho que incorpore atividades de
acordo com a faixa etária dos alunos.

Portanto, as transformações ocorridas nas famílias ao longo dos tempos, por


diversos fatores, fazem com que a escola junto com os educadores, tenha que
ampliar o seu papel para suprir as necessidades educativas, que ás mesmas têm
deixado insuficientes. Nesse sentido, a escola deve buscar trazer a família para mais
perto do cotidiano escolar dos seus filhos, com o intuito de engajá-la no modelo de
ensino e aprendizagem, fazendo com que os pais percebam e saibam qual o seu
papel diante da escola e da educação do seu filho.
5

2 DESENVOLVIMENTO

2.1 O PAPEL DO PEDAGOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL

O papel do professor no ensino fundamental, vai além de possibilitar a


construção dos conhecimentos sobre os objetos, as habilidades e as informações,
ele fará o processo de interação e mediação entre o educando e o meio. Além disso,
atenderá o papel muito importante na conscientização da ética, na identidade
pessoal do aluno, cabendo também a missão de resolver as questões problemáticas
do dia-a-dia.

O ensino fundamental, é uma área na qual está presente na criança a


necessidade de manipulação de objeto, e é nessa etapa que inicia o preparo do
aluno para a vida escolar e para o mundo em sua vida adulta em sociedade. Dessa
forma, é percebido o interesse da criança para o conhecimento e a conquista do
mundo exterior, implica um olhar diferenciado com a finalidade de mediar a
aprendizagem para que desenvolva os aspectos da concentração e atenção. Nesse
sentido, é de suma importância o entendimento de que o ambiente escolar não é
depósito de alunos, e sim como um lugar de alegria e ação, onde o educando
começa a se desenvolver e a usar como exemplo os adultos a qual o cercam.

A Constituição Federal, de 05 de outubro de 1988, capítulo III, artigo 205,


estabelece que a Educação, “direito de todos e dever do Estado e da família, será
promovida e incentivada com a colaboração da sociedade e visa ao pleno
desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e
qualificação para o trabalho”. Nesse sentido, o apoio da família é extremamente
relevante na participação efetiva da escola, além de e auxiliar nas atividades levadas
para casa, esse apoio precisa ser intenso no desenvolvimento da criança, sendo um
dos elementos que determinam um bom rendimento escolar, é a relação família-
filho, porque é nesse vínculo que se transmite os exemplos a serem seguidos, e o
filho recebe educação para a vida: com atenção, limites e bons exemplos.

Portanto, durante o processo de mediação, o professor irá utiliza-se de


diversos recursos disponíveis no ambiente escolar, diferentes estratégias serão
6

assumidas, para que os educandos tenham segurança ao explorar o ambiente que


as circunda. Dessa maneira, a participação efetiva dos alunos devem ser estimulada
pela intervenção do professor.
7

2.2 O PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A educação sempre foi e será o bem mais precioso de um indivíduo, é


facilmente percebida no aprendizado de conceitos básicos, que são aplicados aos
pequenos desde muito cedo, através dos estímulos, dos desafios e das experiências
adequadas aos diversos aspectos do desenvolvimento, especialmente nos aspectos
físico-motor, pessoal, social, emocional, da linguagem e do desenvolvimento
cognitivo em suas várias dimensões.

O processo de aprendizagem, beneficia o desenvolvimento gradual da fala,


a inteligência e suas aptidões, pois são aspectos sociais, culturais e educacionais,
que formam os valores de um cidadão. Por essas e outros razões, a educação
infantil, faz-se tão importante para o desenvolvimento das crianças, pois eles
aprendem a lidar com suas emoções. E vale ressaltar, tanto os aspectos positivos
quanto aqueles que geram frustração, ansiedade, estresse e desconforto, fazem
parte das emoções da criança, criando uma história de vida que desenvolve a sua
personalidade,

Dessa forma, o pedagogo deve proporcionar situações de aprendizagem, de


acordo com o nível de desenvolvimento cognitivo do criança, em atividades que
possam desafiá-lo, despertando o interesse pelas atividades desenvolvida na sala
de aula e por aquilo que está sendo ensinado. Por isso o educador tem um papel
extremamente importante na garantia de qualidade do trabalho realizado nas salas
de aula de Educação Infantil. De acordo com o Referencial Curricular Nacional para
Educação Infantil, defende que o mesmo deve agir como:

[...] mediador entre as crianças e os objetos de conhecimento, organizando


e propiciando espaços e situações de aprendizagens que articulem os
recursos e capacidades afetivas, emocionais, sociais e cognitivas de cada
criança aos seus conhecimentos prévios e aos conteúdos referentes aos
diferentes campos de conhecimento humano. (BRASIL, 1998).

De acordo com o Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil, o


pedagogo tem como base compreender o desenvolvimento humano, e ajuda-lo na
8

garantia desse processo. Nesse aspecto, sabe-se que a oferta dos serviços
educacionais com qualidade, exige que o pedagogo conheça as necessidades das
crianças, através dos estudos das diferentes áreas do conhecimento, que incidem
sob essa faixa etária de 0 a 5 anos. Neste sentido, o profissional deve ter
competências e habilidades para atender esse público, pois, os mesmos necessitam
de cuidados essenciais para a sua formação integral. Portanto, valorizar a primeira
infância e todos que fazem parte dela é o primeiro passo a ser tomado.

É importante ressaltar que a Lei de Diretrizes Básicas garante o acesso de


crianças, cada vez mais cedo, no ambiente escolar formal, representando um
avanço na garantia de direitos. De acordo com a nova LDB, Lei nº 9394/96, em seu
art.12, inciso I, “os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as
do seu sistema de ensino, terão a incumbência de elaborar e executar sua proposta
pedagógica”. No entanto, é preciso que se reveja as práticas educativas, que na
maioria das vezes, limita a criatividade, autoestima, autonomia e participação infantil,
fundamentais para o desenvolvimento da criança.

Portanto, toda criança tem o direito de ter uma educação de qualidade,


tendo a escola como um espaço interacional, rico em situações que provoquem a
descoberta, e que desenvolva o raciocínio, a criatividade, a imaginação, a
concentração, a consciência e a coordenação motora, por isso a ludicidade na
Educação Infantil é um instrumento pedagógico que contribui para o processo do
desenvolvimento do educando, além de criar novos desafios do cotidiano, levando a
assimilação da criança à realidade ou, ainda, como forma de obter o conhecimento a
sua maneira, podendo criar significados e sentidos novos na aprendizagem.
9

2.3 O ENSINO REMOTO NA EDUCAÇÃO

O chamado ensino remoto tem sido apresentado como uma solução


emergencial para superar o ócio no período de pandemia, esse novo momento de
isolamento social, onde as escolas estão desenvolvendo as aulas remotas, através
de participações nas aulas realizadas por videoconferência, experiência com o
Google Meet e Zoom. Essa realidade me faz ver os pontos positivo e negativo das
aulas remotas. Por isso, é positivo a conscientização de que as aulas remotas não
substituem as aulas presenciais. E o ensino remoto é útil para os alunos não ficarem
ociosos durante a quarentena ou confinamento doméstico.

Dessa forma, há fatores que podem ser encarados como positivos e


negativos, ao mesmo tempo, o que demonstra os diferentes níveis de preparo do
docente para atuar com o ensino remoto e usar as tecnologias digitais. De um lado,
o docente está satisfeito com o aprendizado, do outro, preocupado em utilizar
metodologias e tecnologias que desconhece. Nesse contexto os pontos positivos é o
apoio dos colegas, a troca de experiências entre os docentes; o aprendizado no uso
de ferramentas tecnológicas, e o uso de novas metodologias de ensino e dos novos
desafios. Os pontos negativos esta relacionados a pouca participação e interação
dos estudantes; a falta de equipamentos, softwares e internet de boa qualidade; a
adaptação em um curto espaço de tempo ao ensino remoto, sem possibilidade de
planejamento; e ter que mudar em pouco tempo as metodologias e didática das
aulas, e as formas de avaliação com pouca eficácia e capacidade de diagnóstico.

Portanto, é fundamental que os professores planejem suas atividades,


promovendo aulas com intencionalidade e objetivos definidos, com o propósito de
promover o desenvolvimento do aspecto pessoal, social e cultural, facilitando os
processos de socialização, comunicação, expressão e construção do conhecimento.
Diante do exposto, espero que esse estudo contribua para a prática pedagógica dos
professores da Educação Infantil, e para que esses profissionais ampliem sua
consciência da importância do desenvolvimento e da aprendizagem da criança.
10

IES: Universidade Paulista Universidade-UNIP


ALUNA: Camila Brito de Menezes MATRICULA: UP 18226247
CURSO: Pedagogia SEMESTRE: 6º  período

2.4 ASPECTOS MAIS IMPORTANTES EM RELAÇÃO À LIVE

A live foi realizada no dia vinte e cinco de agosto de dois mil e vinte, dirigida
por Marcia Rasia, e teve como temática, “A Nova Cara do Ensino no Brasil e as Dez
Competências da BNCC”, no qual foi feito uma abordagem muito interessante, com
diálogos e ideias inovadoras, direcionadas a profissionais da educação, buscando
abordar a nova visão do ensino e as dez competências do BNCC, enfatizando o fato
de que o sistema de ensino deve cumprir as leis que regem a Educação. Dessa
forma, o objetivo é que as escolas deixem de ser apenas transmissoras de
conteúdo, mas auxiliem o estudante a lidar com questões do âmbito emocional,
cultural, tecnológica, socioambiental, responsabilidade, criatividade.

No que se refere as dez competências gerais da Base Nacional Comum


Curricular (BNCC), vale dizer que são um conjunto de conhecimentos, habilidades,
valores e atitudes que visam promover o desenvolvimento dos alunos em todas as
suas dimensões: intelectual, física, social, emocional e cultural. No entanto, para os
alunos exercitarem totalmente tudo isso, a prática em sala de aula não é suficiente.
Eles exigem que a mudança seja incorporada em todas as áreas da escola.

Todas as competências contidas na Base Nacional Comum Curricular,


ressalta que as habilidades gerais são as mesmas da Educação Infantil ao Ensino
Médio, mas se alinham a cada uma das etapas de formação, para se adequarem às
particularidades de cada fase do desenvolvimento do aluno. Por isso, os objetivos
são determinados pelos verbos do infinitivo descritos no início de cada orientação,
assim como especificam a finalidade do desenvolvimento de cada competência,
esclarecendo assim sua importância para a formação integral do aluno da Educação
Básica.
11

A escola ainda hoje é tradicional e punitiva, porém a ideia da Base Nacional


Comum Curricular-BNCC, é justamente quebrar o que é mecânico e tradicional.
Dessa forma, a Base Nacional Comum Curricular, é uma visão dos diversos temas
relacionado ao contexto da nova geração educacional. Além disso, ainda esbarra em
um país como o Brasil em dimensões continentais, com escolas que são as vezes
em cima de rios, ou nos sertões do nordeste, onde em muitas escolas falta tudo,
merenda, banheiro, onde o professor nem tem quadro para escrever, nem materiais
didáticos. E em outros cantos do país como no sul e sudeste, já se tem mais acesso
a tudo.

A Base Nacional Comum Curricular-BNCC, é um documento que determina


os direitos de aprendizagem do aluno que cursa a Educação Básica no Brasil. Dessa
forma, a BNCC possui dez competências gerais que operam como um “fio condutor”.
Essas competências foram referenciadas na live e diz que, devem ser desenvolvidas
pelos estudantes ao longo de todos os anos da Educação Básica e, por isso,
permeiam cada um dos componentes curriculares, das habilidades e das
aprendizagens essenciais especificados no documento da BNCC, além daqueles
que serão inseridos nos currículos locais.

Os alunos devem ser motivados a interagir e assumir papéis mais


participativos na sociedade, para que possam construir e apresentar argumentos e
expressar seus princípios e valores. Dessa maneira, as competências gerais, não
devem ser interpretadas como um componente curricular, mas tratadas de forma
transdisciplinar, presentes em todas as áreas de conhecimento e das etapas da
educação, por meio da orientação das competências.

Portanto, a educação vem constantemente transformando o método escolar


através da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) de modo transversal. Essa
integração está cada vez mais presente na sociedade. Conhecer essas atividades
traz para o ambiente do ensino fundamental e médio, uma visão ampla para
diversos temas relacionado ao contexto da nova geração educacional.
12

3 CONCLUSÃO

A escola é uma importante ferramenta usada para fazer a mediação entre o


sujeito e a sociedade, lhe proporcionando o desenvolvimento de conhecimentos,
habilidades e a formação de valores éticos e morais essenciais para a sua vida
social. Além disso, o pedagogo cumpre um papel fundamental, e por esse motivo
devem planejar suas atividades, utilizar metodologias que potencialize o
aprendizado dos alunos, promovendo aulas com intencionalidade e objetivos
definidos. Nesse aspecto, o pedagogo deve utilizar metodologias que permita
planejar, inovar e diversificar suas práticas pedagógicas, elaborando propostas de
trabalho que incorpore atividades de acordo com a faixa etária dos alunos.

Dessa forma, é fundamental que os professores planejem suas atividades,


promovendo aulas com intencionalidade e objetivos definidos, com o propósito de
promover o desenvolvimento do aspecto pessoal, social e cultural, facilitando os
processos de socialização, comunicação, expressão e construção do conhecimento.
Diante do exposto, espero que esse estudo contribua para a prática pedagógica dos
professores, e para que esses profissionais ampliem sua consciência da importância
do desenvolvimento e da aprendizagem da criança.

O pedagogo deve saber que a fase mais importante para o desenvolvimento


do ser humano é o brincar, pois é através da ludicidade que as crianças
desenvolvem o seu cognitivo, podendo ser trabalhados como um desafio, a qual a
criança desenvolve a oralidade, sentimentos e expressões, aprende a respeitar
regras, direitos e deveres, e o valor dos resgates culturais, pensamentos,
linguagens, conhecimentos, capacidades de pensar, sonhar e imaginar, o aumento
do vocabulário, que poderão ser usados como suporte nas ações pedagógicas..

Portanto, para que esse profissional dê conta de todas essas


responsabilidades com mais eficiência e praticidade, deve contar com os recursos
tecnológicos, e com a sua capacidade de agir e propor mudanças nas estruturas
educacionais, de modo que os alunos possam se envolver mais com os assuntos
escolares e assim se tornarem mais participativos.
13

REFERÊNCIAS

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil: Texto Constitucional


promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas
Constitucionais nº 1/92 a 53/2006 e pelas Emendas Constitucionais de Revisão nº 1
a 6/94. Brasília: Senado Federal, 2007. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf_legislacao/superior/legisla_superior_const
.pdf. Acesso em: 4 mar. 2021.

BRASIL. Lei de diretrizes e Bases nº 9.394, de 20 de Dezembro de 1996.


Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/109224/lei-de-
diretrizes-e-bases -lei-9394-96. Acesso em: 18 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação


Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEF, 2017. Disponível
em: http://base nacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-
site.pdf. Acesso em: 13 mar. 2021.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília:


MEC/SEF, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.
pdf. Acesso em: 25 mar. 2021.