Você está na página 1de 526

CÁLCULO

FUNÇÕES DE
UMA E MAIS
VARIÁVEIS






 























































































 


 

Cleverson Gonçalves dos Santos

Universidade Tecnológica Federal do Paraná


UTFPR
ii
Cálculo - Funções de uma e mais
variáveis
Projeto Piloto
Agosto 2010

Cleverson Gonçalves dos Santos


Professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Medianeira - PR - Brasil

iii
Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998.
O autor e titular dos direitos autorais desta obra, permite a reprodução e distribuição
da mesma, total ou parcial, exclusivamente para fins não comerciais desde que a autoria
seja citada.

dos Santos, Cleverson Gonçalves.


Cálculo - Funções de uma e mais variáveis / Cleverson
Gonçalves dos Santos - 1a Ed. versão Piloto - Medianeira

Inclui Bibliografia

ISBN:

Cálculo - Funções de uma e mais variáveis / dos


Santos, Cleverson Gonçalves - 1978

I. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

iv
Sumário

1 Introdução ao Cálculo 1

1.1 Motivação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1

2 Números Reais e Funções Reais 8

2.1 Números Reais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

2.2 Coordenadas e Retas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

2.3 Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

2.3.1 Funções Reais Algébricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

2.3.2 Operações com Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

2.3.3 Funções Transcendentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

2.3.4 Modelos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

Exercı́cios 64

3 Limites e Continuidade de Funções Reais 68

3.1 Limites de Funções Reais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

3.2 Continuidade de Funções Reais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

3.3 Cálculo do Limite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79

3.4 Limites Laterais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84

3.5 Limites Infinitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

v
3.6 Limites no Infinito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92

3.7 Assı́ntotas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

3.8 Sequências de Números Reais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99

3.9 Limite de Sequências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

3.10 Subsequência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

3.11 Sequência Monótonas e Limitadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107

Exercı́cios 114

4 Derivada de Funções Reais 120

4.1 A Reta Tangente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120

4.2 Derivada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123

4.3 Cálculo da Derivada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125

4.4 Derivada de Funções Composta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131

4.5 Derivação Implı́cita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139

4.6 Funções Trigonométricas Inversas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141

4.7 Máximos e Mı́nimos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145

4.8 Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152

4.9 Taxas e o Conceito de Diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164

4.9.1 Taxas de Variação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164

4.9.2 Taxas Relacionadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169

4.9.3 A Diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171

Exercı́cios 176

5 Integral de Funções Reais 184

vi
5.1 Antidiferenciação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184

5.2 Algumas Técnicas de Antidiferenciação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187

5.3 A Integral Definida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189

5.4 Os Teoremas Fundamentais do Cálculo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194

5.5 A Função Logarı́tmica e a Função Exponencial . . . . . . . . . . . . . . . 198

5.6 Técnicas de Integração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204

5.6.1 Integração por Partes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205

5.6.2 Integração de Potências de Funções Trigonométricas . . . . . . . . 208

5.6.3 Substituição Trigonométrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220

5.6.4 Integração em Frações Parciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224

5.7 Área de Regiões Plana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231

5.8 Comprimento de Gráfico de Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234

5.9 Integral Imprópria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235

5.10 Formas Indeterminadas de Limite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239

Exercı́cios 245

6 Séries de Números Reais 250

6.1 Séries de Números Reais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250

6.2 Testes de Convergência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255

6.2.1 Séries de Termos Positivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255

6.2.2 Séries de Termos Alternados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261

6.2.3 Convergência Absoluta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263

Exercı́cios 266

vii
7 Sequências e Séries de Funções Reais 269

7.1 Séries de Potências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278

7.1.1 Derivação e Integração Termo a Termo . . . . . . . . . . . . . . . 284

7.2 Séries de Taylor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 292

7.3 Séries de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 296

7.3.1 Solução de E.D.O Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 304

Exercı́cios 307

8 Equações Paramétricas e Coordenadas Polares 311

8.1 Equações Paramétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 311

8.1.1 Reta Tangente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 317

8.1.2 Comprimento de Arco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 319

8.1.3 Área Plana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 320

8.2 Coordenadas Polares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 323

8.2.1 Mudança de Coordenadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 324

8.2.2 Gráficos em Coordenadas Polares . . . . . . . . . . . . . . . . . . 325

8.2.3 Tangentes em Curvas Polares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 327

8.2.4 Área de Regiões em Coordenadas Polares . . . . . . . . . . . . . . 332

8.2.5 Comprimento de Arco em Coordenadas Polares . . . . . . . . . . 336

Exercı́cios 340

9 O Espaço n-dimensional 346

9.1 Conceitos Topológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 346

viii
10 Funções de n Variáveis Reais 351

10.1 Funções Reais com duas Variáveis Reais . . . . . . . . . . . . . . . . . . 351

10.2 Curvas de Nı́vel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 354

10.3 Funções de Várias Variáveis Reais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 356

10.4 Funções Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 357

10.4.1 Curvas no Rn . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 359

Exercı́cios 361

11 Limite e Continuidade de Funções de n Variáveis Reais 363

11.1 Limites . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 363

11.2 Funções Contı́nuas de Várias Variáveis Reais . . . . . . . . . . . . . . . . 369

Exercı́cios 371

12 Derivada de Funções de n variáveis Reais 373

12.1 Funções de Duas Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 373

12.2 Derivadas Parciais de Ordem Superior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 376

12.3 Função de Varias Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 377

12.4 Derivadas Direcionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 379

12.5 O Conceito de Diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 383

12.6 Plano Tangente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 394

12.7 Derivação Implı́cita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 397

12.8 O Gradiente de Uma Função Real Diferenciável . . . . . . . . . . . . . . 401

12.9 Máximos e Mı́nimos, Funções de duas Variáveis . . . . . . . . . . . . . . 409

ix
12.9.1 Máximos e Mı́nimos, Funções com mais de duas Variáveis . . . . 419

12.10 Multiplicadores de Lagrange . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 425

12.11 Problemas de Otimização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 432

Exercı́cios 439

13 Integral de Funções de n variáveis Reais 445

13.1 Integral Dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 445

13.1.1 Cálculo da Integral Dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 448

13.1.2 Mudança de Variável na Integral Dupla . . . . . . . . . . . . . . . 453

13.1.3 Integral Dupla em Coordenadas Polares . . . . . . . . . . . . . . 457

13.2 Integral Tripla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 464

13.2.1 Mudança de Variável na Integral Tripla . . . . . . . . . . . . . . . 467

13.2.2 Integral Tripla em Coordenadas Cilı́ndricas . . . . . . . . . . . . . 470

13.2.3 Integral Tripla em Coordenadas Esféricas . . . . . . . . . . . . . . 476

13.2.4 Um pouco mais de Integrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 479

Exercı́cios 479

14 Demonstrações 483

14.1 Demonstrações Cap. 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 483

14.2 Demonstrações Cap. 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 491

14.3 Demonstrações Cap. 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 501

14.4 Demonstrações Cap. 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 512

Bibliografia 515

x
Capı́tulo 1

Introdução ao Cálculo

1.1 Motivação

Uma circunferência é o lugar onde se encontra to-


dos os pontos que estão a uma mesma distância de um ponto
fixo denominado centro, como mostra a figura 1.1. Note que o
ponto C é o centro e B é um ponto distante do ponto C cuja
distância é r, todos os demais pontos que estão sobre a linha
possuem a mesma distância em relação ao ponto C. Considere
dois problemas bem simples. Suponha que se queira calcular
Figura 1.1: Comprimento da
Circunferência
o comprimento (comprimento é uma distância de grandeza es-
calar de uma extremidade à outra) de uma circunferência de
raio r (raio da circunferência é uma medida fixa de um ponto
fixo a outro ponto qualquer) e a área (área é uma medida de
grandeza escalar de uma região delimitada em uma superfı́cie)
interna de uma circunferência de raio r.
Figura 1.2: Circunferência no
Sistema Cartesiano
Agora imagine uma reta passando por C e B de
modo que tal reta seja como a linha do horizonte dos olhos quando se esta em pé olhando
para frente, tal reta é denominada de eixo horizontal e, nomeada de eixo x. Suponha
que ao se deitar olhando para cima na linha do horizonte, é possı́vel imaginar uma
reta, essa reta é denominada reta perpendicular à reta quando se está em pé, suponha
que esta reta esteja passando pelo ponto C, conforme mostra a figura 1.2, tal reta é

1
denominada reta de eixo vertical e, nomeada de eixo y. Com um pouquinho de filosofia
matemática construı́mos dois elementos matemáticos. Um sistema com dois eixos e uma
circunferência.

A circunferência ficou dividida em quatro partes, como os dois eixos são


perpendicular, cada uma dessas partes é denominado arco de noventa graus (90◦ ), isto é,
noventa divisões iguais, logo toda a circunferência será um arco com trezentos e sessenta
graus (360◦ ), ou seja, trezentas e sessenta divisões iguais, cada uma dessas divisões (arcos)
é um grau (1◦ ) ou chamado arco com ângulo de um grau.

Se for adotado que 360◦ é equivalente a um número


real chamado de dois pi, simbolicamente representado por 2π.
Observe a figura 1.3 na qual dividimos a circunferência em 12
partes iguais, ou seja, cada arco da circunferência agora é 2π di-
vidido por doze partes iguais. Note ainda que, com essa divisão
em partes iguais, podemos formar polı́gonos regulares inscri-
tos na circunferência (é chamado de polı́gono regular todos os
Figura 1.3: Polı́gono Regular
Dodecágono
polı́gonos cujos lados possuem as mesmas medidas e, inscrito
na circunferência significa dizer que o polı́gono esta na parte in-
terna da circunferência), nesta divisão se tem um polı́gono com
12 lados, este polı́gono é chamado de dodecágono, conforme
mostra a figura 1.3.

Observe a figura 1.4, ao ligar os pontos dos lados


Figura 1.4: Triângulos Ob-
tusângulos
do dodecágono ao ponto central C da circunferência se formam
triângulos (triângulos são figuras geométricas que possuem três lados, não necessaria-
mente iguais, quando todos os lados possuem medidas distintas denomina-se triângulo
escaleno, quando todos os lados possuem medidas iguais é um polı́gono regular chamado
de triângulo equilátero). Note na figura 1.4 que todos os triângulo são equivalentes,
possuindo dois lados com medida iguais ao raio da circunferência e um de seus lados
correspondendo ao lado do dodecágono (neste caso o triângulo é isósceles (dois lados

2
com medidas iguais)), é possı́vel observar isso por exemplo no triângulo dados pelos
vértices (vértices são os pontos de encontro entre os lados de um polı́gono) A, B e C.
Este triângulo é chamado triângulo obtusângulo (um triângulo é obtusângulo quando
o arco interno formado por um de seus vértices e dois de seus lados for maior que um
ângulo de 90◦ , isto é observado com o vértice B e com os lados correspondente ao raio
da circunferência e o lado do dodecágono.

Passando uma reta pelo vértice B perpendicular ao


eixo horizontal obtem-se um vértice do encontro dessas duas
reta, denotado pela letra O conforme mostra a figura 1.5. Ob-
serve que se formou dois outros triângulos, cujos vértices são
CBO e BAO, esses dois triângulo são triângulos retângulos
(um triângulo é chamado de triângulo retângulo quando o arco
interno formado por um de seus vértices e dois de seus lados
Figura 1.5: Triângulos
Retângulos
for igual a um arco com um ângulo de 90◦ , note o vértice O).
Quando todos os ângulos internos de um triângulo for menor
que 90◦ , o triângulo é denominado acutângulo.

O triângulo obtusângulo △ABC e os triângulos


retângulo △CBO e △BAO são elementos matemáticos base
para resolver o problema inicial. Para isso é necessário algu-
Figura 1.6: Medidas dos lados

mas denominações. No triângulo obtusângulo △ABC o lado


CB tem comprimento igual a medida de valor a, o lado CA tem comprimento igual a
medida de valor b, o lado BA tem comprimento igual a medida de valor c. No triângulo
retângulo △CBO o lado CB tem comprimento igual a medida de valor a, o lado CO
tem comprimento igual a medida de valor n, o lado BO tem comprimento igual a medida
h. No triângulo retângulo △BOA o lado BO tem comprimento igual a medida de valor
h, o lado OA tem comprimento igual a medida de valor m, o lado BA tem comprimento
igual a medida de valor c, conforme mostra a figura 1.6, observe ainda que o ângulo do
arco formado pelos lados CB e CA do vértice C é 2π dividido por doze partes iguais,

3

essa divisão é representada simbolicamente por 12
. Se a divisão das partes iguais forem
maiores, pensando uma divisão qualquer, se pode representar por θ essa divisão conforme
mostra a figura 1.6.

O próximo passo é saber se é possı́vel existir alguma relação entre os lados de


um triângulo retângulo. Considere um quadrado (quadrado é um polı́gono regular com
quatro lados iguais, cujos ângulos internos entre dois de seus lados forma um arco com
um ângulo de noventa graus).

Observe a figura 1.7 cujos vértices do qua-


drado são A, B, C e D. Passe uma reta pelo vértice A que
seja perpendicular com a reta que passa pelo vértice B,
perpendicular com a reta que passa pelo vértice D e para-
lela com a reta que passa pelo vértice C, conforme mostra
a figura 1.7 se forma um quadrado interno ao ABCD
com vértices E, F , G e H, isto é, o quadrado EF GH.
Também é formado quatro triângulos retângulos, são eles
Figura 1.7: Triângulos Retângulos -
Pitágoras
△ABG, △BCH, △CDE e △AF D. Note na figura 1.7
que a medida χ é a medida c retirando (subtraindo) a
medida b, simbolicamente representada por χ = c − b.

O comprimento da medida do lado do


triângulo retângulo é dado por, lado maior tem com-
primento da medida o valor a, este lado do triângulo
retângulo será denominado hipotenusa, o comprimento da

Figura 1.8: Medidas dos lados medida de um dos lados é a medida b adicionada (soma)
a medida χ que é representado simbolicamente por b + χ = c e o lado menor tem com-
primento da medida o valor b. Estes dois lados menores no triângulo retângulo são
denominados catetos, vejas as figuras 1.7 e 1.8.

A medida da área do quadrado maior ABCD é o produto da medida de


dois de seus lados, simbolicamente representado por AQM = a.a = a2 , logo a medida da

4
área do quadrado menor EF GH é simbolicamente representado por AQm = χ.χ = χ2 .

Observe a figura 1.8, na qual é possı́vel observar um paralelogramo (um pa-


ralelogramo é um polı́gono com quatro lados, cujos lados que são paralelos têm os com-
primentos de suas medidas iguais, o ângulo entre dois de seus lados com vértice comum
formam um arco de ângulo de 90◦ , a área do paralelogramo é produto de dois de seus
lados distintos AP = bc), ao dividir a área do paralelogramo em duas partes iguais se
b.c
tem a área do triângulo retângulo simbolicamente representado por AT = 2
.

Com um pouco de filosofia matemática, construı́mos vários outros elementos


matemáticos, construı́mos também algumas operações (divisão, produto, subtração e
soma).

Voltando a figura 1.7 observamos que a área do quadrado maior é igual a área
dos quatro triângulos retângulos adicionado a área do quadrado menor, simbolicamente
representado por AQM = 4AT + AQm . Ou seja,

bc bc
a2 = AQM = 4AT + AQm = 4 + χ2 = 4 + (c − b)2 = b2 + c2 ⋆⋆
2 2

Logo a relação entre os lados de um triângulo retângulo é dada por:

a2 = b2 + c2 . (1.1)

Considere um triângulo retângulo como mos-


tra a figura 1.9, é possı́vel observar que existe uma pro-
porcionalidade entre os lados do triângulo retângulo, ou
seja, considerando o triângulo △ABC cujas medidas de
seus lados são a para hipotenuza, b e c as medidas de seus
catetos, ainda considerando o ângulo formado pelo arco
de vértice C com os lado a e b denominado por θ, desta
forma denomina-se cateto adjacente o lado cujo arco se
Figura 1.9: Trigonometria no Triângulo
Retângulo
forma com a hipotenuza, conforme mostra a figura, é o
lado b e c é o cateto oposto ao arco. O triângulo △A′ B ′ C é proporcional ao triângulo

5
△ABC, portanto o resultado do quociente entre seus lados serão sempre iguais, desde
que o ângulo entre seus lados seja sempre o mesmo. Denota-se esse quociente por:
b c c
cos(θ) = ; sen(θ) = e tan(θ) =
a a b

Considere o triângulo obtusângulo como mos-


tra a figura 1.10, seja os vértiece dados por A, B e C.
Observe que para cada vértice e com o par de lados dos
triângulos formamos um ângulo dado pelos arcos β, γ e
θ nos respectivos vértices. Note que o vértice Q divide
o triângulo obtusângulo em dois triângulos retângulos.
Logo temos as seguintes relações.

Figura 1.10: Lei dos Cossenos no c2 = h2 + m2 (1.2)


triângulo obtusângulo

a 2 = h2 + n 2 (1.3)

b−n=m (1.4)

(b − n)2 = b2 − 2bn + n2 (1.5)


n
cos(θ) = ⇐⇒ n = a cos(θ) (1.6)
a

Portanto,
Figura 1.11: Resolvendo o Problema
c2 = h2 + m2 = h2 + (b − n)2
= h2 + b2 − 2bn + n2 (1.7)
= a2 + b2 − 2bn = a2 + b2 − 2ba cos(θ)

Na figura 1.11 pode se observar um triângulo obtusângulo formado pelos


vértices A, B e C. Note ainda que a medida do lado AB de comprimento c é aproxi-
madamente o comprimento do arco de extremidade A e B. Ainda as medidas b e a são
iguais, pois correspondem ao raio da circunferência. Lembre-se ainda que particionamos

a circunferência em p partes iguais, onde θ = p
. Logo:
‚ ‚ ŒŒ ‚ Œ
2π π
c = b + a − 2ba cos(θ) = r + r − 2rr cos(θ) = 2r
2 2 2 2 2 2
1 − cos 2
= 4r sen2
.
p p

6
O comprimento da circunferência é aproximadamente calculado em função do
número de partições p da circunferência, isto é,
‚ Œ
π
C(p) = 2prsen (1.8)
p

A área da circunferência é aproximadamente calculada em função do número


de partições p da circunferência. Lembre-se que a área de um triângulo é a metade
produto do comprimento da base pela sua altura. (Note que a base b = a = r)
( ) ( ) ( )
2π 2π 2π
pbh pbasen p
pa2 sen p
pr2 sen p
A(p) = = = = (1.9)
2 2 2 2

Estes são um dos mais simples problemas que o Cálculo Diferencial e Inte-
gral busca resolver. Não obstante, percebemos que muitos conceitos matemáticos são
necessários para que possamos compreender melhor esta ciência. Quando afirmamos
que o comprimento da circunferência e a área estão em função do número de partições,
queremos dizer que quanto maior o número de partições mais próximo do valor exato
estaremos.

Durante nosso curso iremos aprender como resolver as esquações 1.8 e 1.9.

7
Capı́tulo 2

Números Reais e Funções Reais

2.1 Números Reais

O sistema numérico real é um conjunto de elementos chamado números reais,


denotamos tal conjunto pela letra R.

As operações em R são adição (+) e o produto (e/ou multiplicação) (.), ou


seja, dados x e y dois números reais, então

S(x, y) = x + y e M (x, y) = x.y

determinam um único número real.

Tais operações satisfazem as seguintes propriedades:


(S1) (x + y) + z = x + (y + z) (M 1) (xy)z = x(yz) (Associativa)

(S2) x + y = y + x (M 2) xy = yx (Comutativa)

(S3) x + 0 = x (M 3) x.1 = x; 1 ̸= 0 (Existência do neutro)

(S4) Para todo x real existe um único número real y tal que x+y = 0. Tal y denomina-se
oposto de x e indica-se por −x. Assim, x + (−x) = 0. (Existência do oposto)
(M 4) Para todo x ̸= 0 real existe um único número real y tal que xy = 1. Tal y
denomina-se inverso de x e indica-se por x−1 ou x1 . Assim, xx−1 = 1. (Existência do
inverso)

E ainda a distributiva da multiplicação em relação à adição, ou seja,

x(y + z) = xy + xz.

8
Os subconjuntos dos números reais (R) são:

O conjunto dos números naturais, denotado pela letra N tal que

N := {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, · · · }.

O conjunto dos números inteiros, denotado pela letra Z tal que

Z := {· · · , −6, −5, −4 − 3, −2, −1, 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, · · · }.

O conjunto dos números racionais, denotado pela letra Q tal que


¨ «
p
Q := , tal que p, q ∈ Z e q ̸= 0 .
q

Os números racionais podem ser escritos sob a forma decimal, bastando para
isso dividirmos p por q, podendo então ocorrer dois casos. A representação decimal é
3
finita, por exemplo, 4
= 0, 75 = 86 , note que a fração 3
4
é irredutı́vel e equivalente a fração
6
8
redutı́vel a primeira. A representação decimal infinita e periódica (dı́zima periódica),
1 4 1
por exemplo 7
= 0, 142857142857... = 28
. Note também que 7
é uma fração irretutı́vel
4
equivalente a fração 28
. Todo número escrito na forma decimal infinita periódica pode
ser reescrito na forma de fração.

O conjunto dos números irracionais, denotado pela letra I tal que

I := {r ∈ R; r não pode ser escrito como quociente de números inteiros}.


O número 2 é um número irracional e para
localizarmos tal número na reta basta considerarmos
um triângulo retângulo com catetos iguais a 1. Pelo

teorema de Pitágoras temos que sua hipotenusa é 2.
A medida da hipotenusa localizada na reta indica a

posição de abscissa 2 conforme mostra a figura 2.1.
Figura 2.1: √
2 é Irracional

Para mostrarmos que 2 é um número ir-

racional, supomos que tal número seja racional, ou seja, que 2 = ab , onde a, b ∈ Z+

9
a
primos entre si, em outras palavras, a fração b
é irredutı́vel. Então 2b2 = a2 , isto é, a2
é um número par, então a é um número par (Mostre isso), portanto, existe um número
inteiro p positivo tal que a = 2p. Sendo assim, temos

a = 2p e 2b2 = a2 .

Isso implica que 4p2 = 2b2 , ou ainda, 2p2 = b2 , indicando que b é também um
a
número par, logo a fração b
seria redutı́vel, o que contrária nossa suposição.

No conjunto dos números reais está estabelecida uma ordem que denotamos
pelos sı́mbolos (> maior) e/ou (< menor), de sorte que dados dois números a e b ∈ R
somente uma das três possibilidades podem ocorrer

a > b, a<b ou a = b.

Consideramos tal ordem e sejam a, b, c e d ∈ R, se


a < b então a − b < 0, ou seja, é negativo. 3 < 5 então −2 = 3 − 5 < 0
a > b então a − b > 0, ou seja, é positivo. 5 > 3 então 2 = 5 − 3 > 0
a > 0 e b > 0 então a + b > 0, é positivo. 5 > 0 e 3 > 0 então 8 = 5 + 3 > 0
a > 0 e b > 0 então a.b > 0, é positivo. 5 > 0 e 3 > 0 então 15 = 5.3 > 0
a > b e b > c então a > c. 5 > 3 e 3 > 2 então 5 > 2 (Transitividade de ordem)
a < b então a + c < b + c para todo c ∈ R. 3 < 5 então 9 = 3 + 6 < 5 + 6 = 11
a < b e c > 0 então ac < bc. 3 < 5 e 2 > 0 então 6 = 3.2 < 5.2 = 10
a < b e c < 0 então ac > bc. 3 < 5 e −2 < 0 então −6 = 3.(−2) > 5.(−2)2 = −10
a < b e c < d então a + c < b + d. 3 < 5 e −2 < 4 então 1 = 3 + (−2) < 5 + 4 = 9.

Poderemos usar a ordem (≥ maior ou igual) ou (≤ menor ou igual).

Como já vimos, o conjunto dos números reais pode ser identificado com pontos
sobre uma reta, com esta identificação dizemos que tal reta é a reta real ou reta dos
números reais, onde é escolhido um ponto de origem denominado zero, à direita da
origem estão localizado os números positivos e à esquerda os números negativos de modo
que satisfaçam a ordem estabelecida e uma medida como unidade. Se um ponto P da
reta for representado pelo número real x, dizemos que x é a abscissa de P .

10
No conjunto dos números reais, destacaremos ainda alguns subconjuntos im-
portantes, que chamaremos de intervalo, conforme mostra a figura 2.2. Sejam a, b ∈ R
tais que a < b.

O Conjunto de todos os x que satisfazem a


desigualdade:

a < x < b denotado por (a, b) ou ]a, b[

é chamado intervalo aberto.

a ≤ x ≤ b denotado por [a, b]

é chamado intervalo fechado.

a ≤ x < b denotado por [a, b) ou [a, b[

é chamado intervalo semi-aberto à direita.

a < x ≤ b denotado por (a, b]


Figura 2.2: Representação de intervalos
na reta real.

é chamado intervalo semi-aberto à esquerda.

Existem ainda intervalos ilimitados, e para representarmos esses intervalos


usaremos os sı́mbolos +∞ (mais infinito) e −∞ (menos infinito). Assim o conjunto dos
x que satisfazem a desigualdade:

a < x denotado por (a, +∞) é um intervalo ilimitado à direita e aberto à


esquerda.

a ≤ x denotado por [a, +∞) é um intervalo ilimitado à direita e fechado à


esquerda.

x < b denotado por (−∞, b) é um intervalo ilimitado à esquerda e aberto à


direita.

11
x ≤ b denotado por (−∞, b] é um intervalo ilimitado à esquerda e fechado à
direita.

A notação (−∞, +∞) representa toda a reta, ou seja, (−∞, +∞) = R.

Com esta noção de intervalo, podemos representar o conjunto solução entre


desigualdades. Usamos ainda as notações (R∗ , R+ , R− ) para representar o conjunto dos
números reais exceto o zero, conjunto dos números reais não negativos e o conjunto dos
números reais não positivos, respectivamente.

Exemplo 1. Determine o conjunto solução das desigualdades, ou seja, os valores de x


para os quais as desigualdades são verificadas.
a) 3 + 2x < 4x + 8 b) 6 < 2x − 1 ≤ 9 c) 5
x
<3 d) 9
x
− 2 > 4.

Resolução: a) 3 + 2x < 4x + 8 então 3 − 8 + 2x − 2x <


4x − 2x + 8 − 8 segue que −5 < 2x e, portanto, − 25 < x,
€ Š
que podemos representar por − 52 , +∞ .
b) 6 < 2x−1 ≤ 9, segue 7 = 6+1 < 2x−1+1 ≤ 9+1 = 10,
€ —
portanto, 7
2
< x ≤ 5, que podemos representar por 7
2
, 5.
5 5
c) Se x < 0 e x
< 3, então 3
> x. Logo a desigualdade é

Figura 2.3: Representação geométrica


verificada para x < 0.
dos intervalos
5 5
Se x > 0 e x
< 3, então 3
< x. Logo a desigualdade é
5
verificada para 3
< x.
5
Das duas informações, temos que x < 0 ou 3
< x, que podemos representar
€ Š
como união dos dois intervalos, ou seja, (−∞, 0) ∪ 5
3
, +∞ .
d) 9
x
− 2 > 4, segue que 9
x
− 2 + 2 > 4 + 2, donde 9
x
> 6.
9 9 9
Se x < 0 e x
> 6, contudo, se x < 0 devemos ter x
< 0. Logo, x < 0 e x
> 6
9 9
simultaneamente não pode ocorrer. Se x > 0 e x
> 6, então 6
> x, portanto 0 < x < 96 ,
€ Š
9
que podemos representar por 0, 6
.

Observe a representação geométrica dos intervalos apresentados na figura 2.3.

Definição 2.1. Seja A um conjunto de números reais. O maior elemento de A , quando

12
existe, denomina-se máximo de A e denota-se por max(A). O menor elemento de A,
quando existe denomina-se mı́nimo de A e indica-se por min(A).

Dizemos que um número p é uma cota superior de A se p for máximo de A


ou se p for estritamente maior que todo número de A. Dizemos que um número p é uma
cota inferior de A se p for mı́nimo de A ou se p for estritamente menor que todo número
de A.

Exemplo 2. Seja A = {x ∈ R; 1 ≤ x < 2}. Determine se A possui máximo e mı́nimo.


Resolução: O elemento 1 ∈ A e 1 = min(A).
t+2 t+2
Seja t ∈ A então pertence ao conjunto A para todo t e t < .
2 2
Assim, A não admite máximo.

Note ainda que para todo p ≤ 1, p é uma cota inferior e para todo 2 ≤ q, q é
uma cota superior.

Definição 2.2. A menor cota superior de um conjunto A, quando existe, denomina-se


supremo de A e denota-se por sup(A).

A maior cota inferior de um conjunto A, quando existe, denomina-se ı́nfimo


de A e indica-se por inf(A).

Exemplo 3. Determine caso existam, o máximo, mı́nimo, supremo e ı́nfimo do conjunto


A = {x ∈ R; −3 < x < 4}
t−3 t−3
Resolução: Seja t ∈ A então pertence ao conjunto A e < t. Por outro lado
2 2
t+4 t+4
também pertence à A e t < . Logo, A não admite elemento mı́nimo e nem
2 2
elemento máximo. Ainda, temos que −3 = inf(A) e 4 = sup(A).

Vamos admitir a seguinte propriedade importante do conjunto dos números


reais.

Propriedade do Supremo: Todo conjunto de números reais, não vazio e


limitado superiormente, admite um supremo.

13
Uma propriedade fundamental da análise matemática. Pode-se provar com
tal propriedade que entre dois números reais quaisquer x < y existe pelo menos um
número racional e um número irracional. Ou seja, dado um intervalo (x, y) então existe
r ∈ (x, y) e j ∈ (x, y), tais que r é racional e j é irracional.

Exemplo 4. Determine caso existam, o máximo, mı́nimo, supremo e ı́nfimo do conjunto

A = {x ∈ R; x ≥ 0 e xn < a}

para algum n ∈ N e a > 0 real fixo.


Resolução: O conjunto A é não-vazio e é limitado superiormente por a caso a > 1 e
se a < 1 então é limitado superiormente por 1.

Dado x ∈ A e ϵ > 0 tão pequeno quanto necessário, vamos mostrar que

(x + ϵ)n < a.

De fato, dado 0 < ϵ < 1 e x > 0 temos (x + ϵ)n < xn + An xϵ para algum
número real An , que dependerá de x.
1
Se n = 1, tome A1 de modo que < A1 .
x
Suponha que a desigualdade se verifica para n = k. Logo,

(x + ϵ)k+1 = (x + ϵ)k (x + ϵ) < (xn + An xϵ)(x + ϵ) = xn+1 + xn ϵ + An x2 ϵ + An x(ϵ)2

= xn+1 + x(xn−1 + An x + An ϵ)ϵ < xn+1 + x(xn−1 + An x + An )ϵ

= xn+1 + An+1 xϵ.

Seja x ∈ A, com x > 0 e xn < a e tomando ϵ tal que

a − xn
0<ϵ<1 e 0 < xϵ < .
An

Teremos que (x + ϵ)n < a. Se x = 0 e ϵ ∈ A então (x + ϵ)n = ϵn < a.

Assim, A não possui elemento máximo. Portanto, A possui supremo que


denotamos por d = sup(A).

14
O elemento 0 ∈ A e 0n = 0 < a. Assim 0 = min(A)

O supremo de A satisfaz a condição dn = a. Pois não se pode ter dn < a, o


que contrariaria o fato de A não possuir elemento máximo. Se dn > a consideramos o
conjunto
B = {b ∈ R; b > 0 e bn > a}.

Tal conjunto não possui elemento mı́nimo.

De fato, dado 0 < ϵ < b. A seguinte desigualdade é verificada para todo


n ∈ N.

ϵ ‹n 
ϵ‹
(b − ϵ) = b
n n
1− > b 1 − n = bn − nϵbn−1 .
n
b b
bn − a
Desta forma tomando 0 < ϵ < b de modo que 0 < ϵ < temos que
nbn−1
(b − ϵ)n < a.

Agora se x ∈ A e y ∈ B, então x < y. Com efeito, xn < a < y n e, como x e


y são positivos, vem x < y.

Se d ∈ B, como B não possui elemento mı́nimo, existe c ∈ B tal que c < d.


Seja x ∈ A então x < c < d para todo x ∈ A. Isso mostra que c seria uma cota superior
de A menor que d, contrariando o fato de d = sup(A). Logo, dn = a.

Tal número d é denotado por d = n
a e lemos, d é igual a raiz n-ézima de a.

Não é nosso interesse construir toda a estrutura dos números reais, portanto,
as propriedades de potenciação e radiciação serão consideradas familiares. Sejam a e b
números reais e n e m números inteiros, então
i) an .am = an+m ii) (an )m = an.m iii) (ab)n = an .bn (Produto)
n ‚ Œn n
a b b
iv) m = an−m ; a ̸= 0 v) = n ; a ̸= 0 (Quociente)
a a a
vi) Se a > 1 e n < m então an < am vii) Se 0 < a < 1 e n < m então an > am .

Sejam a > 0 e b > 0 números reais, n ≥ 1 e m ≥ 1 números naturais e p um


inteiro, então

15

√ √ √ √ √ È√ √ √ n
b
a) n a. n b = n a.b b) n ap = m.n
ap.m c) n m
a = n.m a d) n b
a

= n ; a ̸= 0
√ √ a
e) Se a < b n a < n b.
m m √
Note que se r = , n > 0, m ∈ Z e a > 0 um real, então ar = a n = n am .
n

Definição 2.3. O valor absoluto (e/ou módulo) de x, denotando por |x|, é definido por
¨
x se x ≥ 0
|x| =
−x se x < 0.

Exemplo 5. Determine o valor absoluto de −12, −5, 3, 8..


Resolução: | − 12| = −(−12) = 12, | − 5| = −(−5) = 5, |3| = 3, |8| = 8.

Exemplo 6. Seja a > 0 um número real, então |x| < a se, e somente se −a < x < a.
Resolução: Se 0 ≤ x, então x = |x| < a, portanto, 0 ≤ x < a.

Se x < 0, então −x = |x| < a, ou seja, x > −a, portanto, −a < x < 0.

Logo, o conjunto solução da desigualdade modular é a união dos dois inter-


valos, ou seja,

{x ∈ R ; −a < x < 0} ∪ {x ∈ R ; 0 ≤ x < a} ⇔ {x ∈ R ; −a < x < a}.

Exemplo 7. Seja a ∈ R tal que a > 0, então |x| > a se, e somente se x > a ou x < −a.
Resolução: Se 0 ≤ x, então x = |x| > a, portanto, x > a.

Se x < 0, então −x = |x| > a, ou seja, −x > a, portanto, x < −a.

Logo, o conjunto solução da desigualdade modular é a união dos dois inter-


valos, ou seja,

{x ∈ R ; x < −a} ∪ {x ∈ R ; x > a} ⇔ {x ∈ R ; x ∈ (−∞, −a) ∪ (a, +∞)}.

Nos exemplos anteriores poderı́amos usar a ordem ≤ e ≥ respectivamente.

Lembramos que, a raiz quadrada de um número existe somente se tal número



é não negativo, ainda se x < 0 então x2 > 0 podemos então falar em x2 , contudo

x2 ̸= x < 0, do fato que a raiz quadrada de um número é também positivo, a raiz

16

quadrada negativa é definida como − y e y ≥ 0. Se tal número x é negativo como posto

acima, x2 = −x > 0, então
√ ¨
x se x ≥ 0
x = |x| =
2
−x se x < 0.


a
=
|a|
Concluı́mos que, |a.b| = |a|.|b| e .
b |b|
Exemplo 8. (Desigualdade triangular). Sejam a, b ∈ R, então |a + b| ≤ |a| + |b|.
Resolução: De fato, note que −|a| ≤ a ≤ |a| e −|b| ≤ b ≤ |b|, somando membro a
membro essas duas desigualdades temos,

−(|a| + |b|) = −|a| − |b| ≤ a + b ≤ |a| + |b| = (|a| + |b|), ou seja, |a + b| ≤ |a| + |b|.

Note os exemplos,
|8 + (−2)| = |6| = 6 < 10 = |10| = |8| + | − 2|, |8 + 2| = |10| = 10 ≤ 10 = |10| = |8| + |2|.

Exemplo 9. Sejam a, b ∈ R, então |a| − |b| ≤ |a − b|.


Resolução: De fato, note que |a| = |a − b + b| ≤ |a − b| + |b|, subtraı́mos |b| membro a
membro na desigualdade, então |a| − |b| ≤ |a − b| + |b| − |b| = |a − b|. Por exemplo,
|8| − | − 2| = 8 − 2 = 6 < 10 = |10| = |8 − (−2)|, |8| − |2| = 6 ≤ 6 = |6| = |8 − 2|.

Exemplo 10. Determine o conjunto solução das desigualdades.


x+1 x
a) | − 3x − 2| ≤ 4 b) | − 2x + 6| ≥ 4 c) − >− d) |3x + 2| ≤ |2x − 6|
x+2 x+3
Resolução : a) | − 3x − 2| ≤ 4 então −4 ≤ −3x − 2 ≤ 4 somando 2 na desigualdade,
” —
−2 ≤ −3x ≤ 6, portanto,−2 ≤ x ≤ 32 , ou seja, −2, 2
3
.
b) | − 2x + 6| ≥ 4 então −2x + 6 ≥ 4 ou −2x + 6 ≤ −4, subtraindo 6 nas desigualdades,
vem −2x ≥ −2 ou −2x ≤ −10 e, portanto, x ≤ 1 ou 5 ≤ x, ou seja, (−∞, 1] ∪ [5, +∞).
x+1 x x+1 x
c) − >− então − + > 0, assim
x+2 x+3 x+2 x+3
x+1 x (x + 3)(−x − 1) + x(x + 2) −2x − 3
0<− + = =
x+2 x+3 (x + 2)(x + 3) (x + 2)(x + 3)

Notemos que, se −2x − 3 ≤ 0 então − 23 ≤ x, se x + 2 < 0 então x < −2 e,


se x + 3 < 0 devemos ter x < −3. Temos assim,

17
Fatores
−2x−3
intervalo −2x − 3 x + 2 x+3 (x+2)(x+3)
x < −3 + - - +
−3 < x < −2 + - + -
−2 < x ≤ − 23 + + + +
− 23 ≤ x - + + -
€ —
Portanto, o conjunto solução é dado por (−∞, −3) ∪ −2, − 32 .
d) Para este item, iremos faze-lo de duas formas distintas.
È È
1a ) |3x + 2| ≤ |2x − 6| então (3x + 2)2 ≤ (2x − 6)2 , logo (3x + 2)2 ≤ (2x − 6)2 .

Assim,

0 ≤ (2x − 6)2 − (3x + 2)2 = 4x2 − 24x + 36 − 9x2 − 12x − 4 = −5x2 − 36x + 32,

ou seja, 0 ≤ (−5x + 4)(x + 8). Se 0 ≤ −5x + 4 então x ≤ 4


5
e, se 0 ≤ x + 8 então
−8 ≤ x.

Temos assim,

Fatores
intervalo −5x + 4 x + 8 (−5x + 4)(x + 8)
x < −8 + - -
−8 ≤ x ≤ 54 + + +
4
5
<x - + -
” —
Portanto, o conjunto solução é −8 ≤ x ≤ 45 , ou seja, −8, 4
5
.
2a ) Note que,


 3x + 2 se 3x + 2 ≥ 0; x ≥ − 32
|3x + 2| = 

−3x − 2 se 3x + 2 < 0; x < − 23 e

 2x − 6
 se 2x − 6 ≥ 0; x≥3
|2x − 6| = 

−2x + 6 se 2x − 6 < 0; x < 3.

Logo,

intervalo. Módulos
Se |3x + 2| |2x − 6| |3x + 2| ≤ |2x − 6|
x < − 23 −3x − 2 −2x + 6 −3x − 2 ≤ −2x + 6
− 23 ≤ x < 3 3x + 2 −2x + 6 3x + 2 ≤ −2x + 6
3≤x 3x + 2 2x − 6 3x + 2 ≤ 2x − 6

18
Temos três condições a serem analisadas.

Para x < − 23 e −3x − 2 ≤ −2x + 6, da última desigualdade temos

−8 = −6 − 2 ≤ −2x + 3x = x.

Portanto,
2
−8 ≤ x < − .
3

Para − 23 ≤ x < 3 e 3x + 2 ≤ −2x + 6, da última desigualdade temos

5x = 2x + 3x ≤ 6 − 2 = 4,

ou seja, x ≤ 54 . Portanto,
2 4
− ≤ x ≤ < 3.
3 5

Finalmente, para 3 ≤ x e 3x + 2 ≤ 2x − 6, da última desigualdade temos

x = 3x − 2x ≤ −6 − 2 = −8,

temos que 3 ≤ x e x ≤ −8, portanto, não existe x que satisfaz as duas condições
simultaneamente.

Da primeira e da segunda temos, −8 ≤ x < − 32 ou − 23 ≤ x ≤ 4


5
, logo o
conjunto solução é
– ™
4 4
−8 ≤ x ≤ ou −8, .
5 5

2.2 Coordenadas e Retas

O conjunto de todos os pares ordenados de números reais (x, y) é chamado


plano numérico e denotado por R2 , cada par ordenado (x, y) será um ponto no plano.

Da mesma forma que identificamos os R (números reais) com pontos de uma


reta, identificamos R2 com pontos de um plano geométrico. Escolhemos uma reta ho-
rizontal no plano geométrico e o chamamos de eixo x, escolhemos também uma reta

19
vertical a qual chamamos de eixo y. O ponto de intersecção entre os eixos x e y é
chamado origem, denotado por O e o par ordenado dado por (0, 0). A direita da ori-
gem no eixo x e acima da origem no eixo y ficam identificados os números positivos,
respectivamente para o outro lado os números negativos.

O par ordenado (x0 , y0 ) é identificado no plano


pela intersecção da reta passando por x0 paralela ao eixo
y com a reta passando por y0 paralela com o eixo x, con-
forme mostra a figura 2.4. O primeiro número x0 do par
ordenado é chamado abscissa, e o segundo y0 é chamado
ordenada. É estabelecida uma unidade de medida para os
eixos, normalmente a mesma, ver figura 2.4.
Figura 2.4: Eixos coordenados.
A abscissa e a ordenada de um ponto são de-
nominadas coordenadas cartesianas retangulares do ponto, os eixos x e y são chamados
de eixos coordenados, eles dividem o plano em quatro partes, denominados quadrantes.
O primeiro é aquele no qual a abscissa e a ordenada são ambas positivas, e os próximos
são enumerados no sentido anti-horário.

Sejam P1 (x1 , y1 ) e P2 (x2 , y2 ) dois pontos dis-


tintos em R2 , portanto, existe uma reta que passa por
P1 (x1 , y1 ) e P2 (x2 , y2 ). Tome Q(x2 , y1 ) um terceiro ponto
de modo que P1 (x1 , y1 ), P2 (x2 , y2 ) e Q(x2 , y1 ) formem os
vértices de um triângulo-retângulo, conforme mostra a fi-
gura 2.5, denotamos por ∆x1 = x2 − x1 e ∆y1 = y2 − y1 a
variação na abscissa de P1 à P2 e na ordenada de P1 à P2 ,
respectivamente.

Se tal reta que passa por P1 e P2 não for ver-


Figura 2.5: Coeficiente da Reta tical, então x1 ̸= x2 , consequentemente, ∆x ̸= 0. Logo,
podemos calcular
y2 − y1 ∆y1
m= = .
x2 − x1 ∆x1

20
O valor m calculado acima é independente da escolha dos dois pontos P1
e P2 na reta. Essa independência decorre da semelhança de triângulos, onde os lados
correspondentes são proporcionais.

De fato, sejam P1 (x1 , y1 ) e P2 (x2 , y2 ) e P3 (x3 , y3 ) três pontos na reta. Vamos


mostrar que
∆y1 ∆y2
=m= .
∆x1 ∆x2

Por Pitágoras temos (∆x1 )2 + (∆y1 )2 = (d1 )2 e (∆x2 )2 + (∆y2 )2 = (d2 )2 ,


conforme mostra a figura 2.5. Assim,

(∆x1 )2 + 2∆x1 ∆x2 + (∆x2 )2 + (∆y1 )2 + 2∆y1 ∆y2 + (∆y2 )2

= (∆x1 + ∆x2 )2 + (∆y1 + ∆y2 )2 = (d1 + d2 )2

= (d1 )2 + 2d1 d2 + (d2 )2 = (∆x1 )2 + (∆y1 )2 + 2d1 d2 + (∆x2 )2 + (∆y2 )2

Portanto, ∆x1 ∆x2 + ∆y1 ∆y2 = d1 d2 . Logo,

[(∆x1 )2 + (∆y1 )2 ] . [(∆x2 )2 + (∆y2 )2 ] = (d1 )2 (d2 )2 = (d1 d2 )2 = (∆x1 ∆x2 + ∆y1 ∆y2 )2

= (∆x1 ∆x2 )2 + 2∆x1 ∆x2 ∆y1 ∆y2 + (∆y1 ∆y2 )2

Dessa última equação, concluı́mos que

(∆x1 )2 (∆y2 )2 + (∆y1 )2 (∆x2 )2 = 2∆x1 ∆x2 ∆y1 ∆y2 , ou ainda,

0 = (∆x1 )2 (∆y2 )2 − 2∆x1 ∆x2 ∆y1 ∆y2 + (∆y1 )2 (∆x2 )2 = (∆x1 ∆y2 − ∆y1 ∆x2 )2

Ou seja, ∆x1 ∆y2 = ∆y1 ∆x2 o que mostra o desejado.

Definição 2.4. Se P1 (x1 , y1 ) e P2 (x2 , y2 ) forem dois pontos distintos sobre uma reta r,
não paralela ao eixo y, então a inclinação de r, denotada por m, será dada por

y2 − y1
m= .
x2 − x1

Em relação ao eixo x positivo.

21
Exemplo 11. Encontre a equação da reta por dois pontos P1 (6, 2) e P2 (4, 6).
Resolução: O coeficiente angular da reta é dado por:

y2 − y1 6−2 4
m= = = = −2.
x2 − x1 4−6 −2

Seja P (x, y) um ponto genérico (um ponto qualquer) na reta, como o coefi-
y−6
ciente independe dos pontos, temos −2 = .
x−4
Logo, −2(x − 4) = y − 6 e, ainda y = −2x + 14.

Como vimos, podemos definir uma equação de reta sabendo a inclinação m e


um ponto (x, y) sobre a reta. Suponhamos que m seja a inclinação de uma reta e (0, b)
um ponto sobre a reta, logo, uma equação dessa reta é dada por:

y−b
m= , assim y = mx + b.
x−0

O número b é a ordenada do ponto onde a reta intercepta o eixo y.

seja m a inclinação de uma reta e (x, y), (x0 , y0 ) pontos sobre a reta. Logo,
uma equação dessa reta é dada por:

y − y0
m= , assim y − y0 = m(x − x0 ) = mx − mx0 .
x − x0

Proposição 2.5. Se l1 e l2 forem duas retas distintas não verticais, tendo inclinação
m1 e m2 respectivamente. Então
i) l1 e l2 serão paralelas se, e somente se m1 = m2
ii) l1 e l2 serão perpendiculares se, e somente se m1 .m2 = −1.

Demonstração: Vamos mostrar a afirmação ii).

Considere m1 e m2 os coeficientes angulares das retas l1 e l2 respectivamente.


Ainda as equações das retas são dadas por

l1 := y = m1 x + b e l2 := y = m2 x + c.

22
Como l1 e l2 são perpendiculares, logo existe um ponto P0 (x0 , y0 ) pertencente
a l1 e l2 simultaneamente, ou seja, m1 x0 + b = y0 = m2 x0 + c.

Considere a reta vertical x = x0 +1, tal reta determina um ponto P1 (x0 +1, y1 )
em l1 e um ponto P2 (x0 + 1, y2 ) em l2 , onde

y1 = m1 (x0 + 1) + b = m1 x0 + m1 + b = y0 + m1 e
y2 = m2 (x0 + 1) + b = m2 x0 + m2 + c = y0 + m2 .

Assim, os pontos P0 (x0 , y0 ), P1 (x0 + 1, y0 + m1 ) e P2 (x0 + 1, y0 + m2 ) formam


vértices de um triângulo retângulo.

Do teorema de Pitágoras, vale a2 = b2 + c2 e reciprocamente.

Calculando a distância de P0 à P1 , P0 à P2 e P1 à P2 , temos

|P0 P1 |2 = 1 + m21 , |P0 P2 |2 = 1 + m22 e, ainda |P1 P2 |2 = (m2 − m1 )2

Do teorema de Pitágoras, temos |P0 P1 |2 + |P0 P2 |2 = |P1 P2 |2 .

Logo, 1 + m21 + 1 + m22 = (m2 − m1 )2 , ou seja, −1 = m1 .m2 . 2

Uma consequência está no exemplo a seguir.

Exemplo 12. Determine a equação da reta que


passa pelo ponto P1 (2, 3) com coeficiente angular 3.
Determine a equação da reta normal a equação an-
terior passando pelo ponto P2 (−5, 9). Determine
uma equação de reta passando pelos pontos P2 e
P3 (−7, 3).

Resolução: Na figura 2.6 é apresentado as retas.


Figura 2.6: Retas
A equação passando por P1 (2, 3) com coeficiente
angular 3 é dada por:

y − y1 = m(x − x1 ) ⇒ y − 3 = 3(x − 2) ⇒ y = 3x − 6 + 3 = 3x − 3.

23
A equação da reta normal a reta anterior é

1 1 5 1 22
y − y2 = n(x − x2 ) ⇒ y − 9 = − (x + 5) ⇒ y = − x − + 9 = − x + .
3 3 3 3 3

y2 −y3 9−3 6
Por fim, m = x2 −x3
= −5+7
= 2
=3

y − y2 = m(x − x2 ) ⇒ y − 9 = 3(x + 5) ⇒ y = 3x + 15 + 9 = 3x + 24.

Exemplo 13. Encontre o ponto de intersecção entre as retas encontradas no exemplo


12.
Resolução: No exemplo 12 verificamos que duas retas tem coeficientes angulares iguais,
ou seja, m = 3, logo as retas são paralelas e, portanto, não possuem ponto de intersecção.

As retas y = 3x − 3 e y = − 13 x + 22
3
, assim como as retas y = − 13 x + 22
3

e y = 3x + 24 são ortogonais. Para determinarmos o ponto x em comum de ambas as


retas basta igualar suas equações, isto é.

1 22 1 22 10 31 31
3x − 3 = − x + ⇒ 3x + x = +3⇒ x= ⇒x= .
3 3 3 3 3 3 10

1 22 1 22 10 50 50
3x + 24 = − x + ⇒ 3x + x = − 24 ⇒ x = − ⇒ x = − = −5.
3 3 3 3 3 3 10

Ainda,
31 93 − 30 63
y = 3x − 3 = 3. −3= =
10 10 10
e
y = 3x + 24 = 3.(−5) + 24 = −15 + 24 = 9

€ Š
Portanto, o ponto 31 63
,
10 10
é o ponto de intersecção entre as retas y = 3x − 3
e y = − 13 x + 22
3
.

O ponto de intersecção entre as retas y = 3x + 24 e y = − 13 x + 22


3
é (−5, 9).

24
2.3 Funções

Na matemática, como em todas as ciências muitas vezes estabelecemos uma


relação ou correspondência entre dois conjuntos, ou seja, dados os conjuntos A e B
estabelecemos uma correspondência entre os elementos de A com os elementos de B.

Suponhamos por exemplo que o conjunto A seja os alunos que compõem uma
classe de 30 alunos, e denotamos tal conjunto como

A := {a1 , a2 , a3 , · · · , a30 },

consideramos ainda o conjunto B formado pelas notas obtidas por esses alunos na disci-
plina de cálculo, duas a duas distintas, e representamos esse conjunto por

B := {N1 , N2 , N3 , · · · , N30 }.

Uma relação de A em B pode ser aquela em que o aluno denotado por ai


associa a nota Ni com i = 1, 2, 3, · · · , 30. Representamos essa relação utilizando a
notação de par ordenado, e o conjunto formado por essa relação é dado por

R := {(a1 , N1 ), (a2 , N2 ), (a3 , N3 ), · · · , (a30 , N30 )},

onde o primeiro elemento do par ordenado pertence ao conjunto A e o segundo pertence


ao conjunto B.

É claro que essa não é a única relação possı́vel entre os conjuntos A e B. Para
clarear as ideias consideramos os conjuntos

A := { Ari , João , Maria , Paulo , Tais } e B := {50, 70, 80, 90}

E, estabelecemos a seguinte relação,

R := {( Ari , 80), ( João , 90), ( Maria , 70), ( Paulo , 50), ( Tais , 50)}.

Vamos considerar agora a formação de casais dançando durante um baile,


onde temos os seguintes conjuntos

A := { Augusto, João, Paulo } e B := { Ângela, Carol, Maria }.

25
Tal formação é dada pela relação

R := {( Augusto, Carol ), ( João, Carol ), ( Paulo, Ângela ), ( Paulo, Maria )}.

Em uma relação de A em B, dizemos que o conjunto A é o conjunto de entrada


ou domı́nio da relação denotado por DR e B é o conjunto de saı́da ou contra-domı́nio, os
elementos de B para os quais existem elementos em A definindo uma relação é a imagem
da relação e denotada por ImR .

A frase “relação R de A em B”significa que nos pares (x, y) de R o primeiro


termo está em A (x ∈ A) e o segundo está em B (y ∈ B).

Definição 2.6. Dado dois conjuntos A e B e uma relação f de A em B, dizemos que


f é uma função ou aplicação se, e somente se, para cada elemento x de A existe em
correspondência um único elemento y de B tal que (x, y) ∈ f .

O conjunto A é chamado domı́nio de f , denotado por Df , B é chamado


contra-domı́nio de f .

Assim, para que uma função fique bem definida é necessário conhecermos os
conjuntos A e B e um processo e/ou regra que permite associar de modo bem determinado
cada elemento x ∈ A um único elemento y ∈ B.

A relação dos casais no baile não é uma função, pois naquela relação Paulo
está associado a duas moças, Maria e Ângela, ou seja, para Paulo existe ambiguidade.

Usamos a seguinte notação para representarmos função

f : A −→ B
x 7−→ f (x) = y

A natureza da regra que ensina como obter a saı́da f (x) ∈ B quando é dado
x ∈ A é inteiramente arbitrária.

Em nosso estudo estaremos interessados em funções reais de números reais, ou


seja, funções onde o conjunto Df é um subconjunto dos reais e o conjunto contra-domı́nio
é também um subconjunto dos reais.

26
A imagem de f denotada por Imf é um subconjunto do contra-domı́nio, ou
seja, é também um subconjunto dos reais. Para cada x ∈ Df então f (x) ∈ Imf .

Sejam A e B subconjuntos de R, e considera-


mos f : A −→ B uma função. O conjunto

Gf := {(x, f (x)); x ∈ A}

denomina-se gráfico de f , assim o gráfico de f é um sub-


conjunto de todos os pares ordenados (x, y) de números
reais. O gráfico de f pode ser pensado como o lugar
geométrico descrito pelo ponto (x, f (x)) quando x per-
Figura 2.7: Gráfico de uma função

corre o domı́nio de f .

Para que um gráfico seja gráfico de uma função


é necessário e suficiente que qualquer reta perpendicular
ao eixo x toque somente em um ponto do gráfico. Observe
os gráficos mostrado nas figuras 2.7 e 2.8.

Quando não explicitarmos o domı́nio e o


contra-domı́nio de uma função, ficará implı́cito que o
contra-domı́nio é R e o domı́nio é o “maior” subconjunto

Figura 2.8: Não é gráfico de uma função de R para o qual faz sentido o regra em questão.

2.3.1 Funções Reais Algébricas

Funções algébricas são funções que podem ser escritas como uma combinação
de operações básica de adição, subtração, multiplicação e divisão de polinômios. Além
das operações de radiciação e potenciação. Vamos iniciar nossos estudos com funções
algébricas, antes porém, definamos o que segue.

Definição 2.7. Uma função f definida num intervalo será dita crescente neste intervalo
se, e somente se
f (x1 ) < f (x2 ) sempre que x1 < x2 .

27
E será dita decrescente se, e somente se

f (x1 ) > f (x2 ) sempre que x1 < x2 .

Onde x1 e x2 são quaisquer números no intervalo.

Definição 2.8. Uma função f definida num intervalo I, será dita de sinal positivo neste
intervalo se, e somente se

f (x) > 0 para todo x ∈ I.

E será dita de sinal negativo se, e somente se

f (x) < 0 para todo x ∈ I.

Exemplo 14. Determine o domı́nio, a imagem, o intervalo onde é crescente, decres-


cente, positiva, negativa e esboce o gráfico da função f dada por:

f (x) = ax, onde a ∈ R∗ fixo. Tal função é chamada função linear.

Em especial quando a = 1, tal função é denominada função identidade.

Resolução: Note que, para cada número real x, o pro-


duto ax determina um único número real y. Assim o
domı́nio de f são todos os números reais, a imagem de f
é também todos os números reais. Observe a figura 2.9 e
note que o gráfico é uma reta passando pela origem.

f : R −→ R
x 7−→ f (x) = ax.

Se a > 0 e x1 < x2 então f (x1 ) = ax1 < ax2 =

Figura 2.9: Função Linear


f (x2 ), portanto, f é crescente em seu domı́nio.

Se a < 0 e x1 < x2 então f (x1 ) = ax1 > ax2 = f (x2 ), portanto, f é


decrescente em seu domı́nio.

28
Se a > 0 e x > 0, então f (x) = ax > 0, portanto, f é positiva para todo
x ∈ (0, ∞) e negativa para todo x ∈ (−∞, 0).

Se a < 0 e x > 0, então f (x) = ax < 0, portanto, f é negativa para todo


x ∈ (0, ∞) e positiva para todo x ∈ (−∞, 0). O gráfico de f é uma reta passando pelos
pontos (0, 0) e (1, a).

Exemplo 15. Determine o domı́nio, a imagem, o intervalo onde é crescente, decres-


cente, positiva, negativa e esboce o gráfico da função f dada por:

f (x) = ax + b, onde a, b ∈ R∗ fixos. Tal função é chamada função afim

Resolução: Note que, para cada número real x, o pro-


duto por a seguido da soma por b de números reais deter-
mina um único número real y. Assim o domı́nio de f são
todos os números reais, a imagem de f é também todos
os números reais.
f : R −→ R
x 7−→ f (x) = ax + b.

O gráfico de f é uma reta passando pelo ponto


(0, b) paralela a reta y = ax
Figura 2.10: Função Afim
Se a > 0 e x1 < x2 então f (x1 ) = ax1 + b < ax2 + b = f (x2 ), portanto, f é
crescente em seu domı́nio.

Se a < 0 e x1 < x2 então f (x1 ) = ax1 + b > ax2 + b = f (x2 ), portanto, f é


decrescente em seu domı́nio.

Se a > 0 e x > − ab , então f (x) = ax + b > 0, portanto, f é positiva para todo


€ Š € Š
x ∈ − ab , ∞ e negativa para todo x ∈ −∞, − ab .

Se a < 0 e x > − ab , então f (x) = ax + b < 0, portanto, f é negativa para


€ Š € Š
todo x ∈ − ab , ∞ e positiva para todo x ∈ −∞, − ab .

Exemplo 16. Determine o domı́nio, a imagem, o intervalo onde é crescente, decres-


cente, positiva, negativa e esboce o gráfico da função f dada por:

29
f (x) = ax2 + bx + c, onde a, ∈ R∗ e b, c ∈ R fixos.

Tal função é chamada função quadrática.

Resolução: A relação f está definida de modo único para cada x real. Logo, f é função
para todo número real x.

f : R −→ B ⊂ R
x 7−→ f (x) = ax2 + bx + c.

O gráfico de f é uma curva chamada parábola. A concavidade é voltada para


cima se a > 0, e voltada para baixo se a < 0. O vértice da parábola, indicada por xv e
yv são dados por

−b −b2 + 4ac
xv = e yv = .
2a 4a

Assim, a imagem de f é dada por


¦ ©
−b2 +4ac
Se a > 0 então Imf := B = y ∈ R; y ≥ yv = 4a
.
¦ ©
−b2 +4ac
Se a < 0 então Imf := B = y ∈ R; y ≤ yv = 4a
.

De fato,
‚ Œ ‚ Œ2
b b2 b2 b b2
2
y = ax + bx + c = a x + x +2
− +c=a x+ − + c.
a 4a 4a 2a 4a

Como o termo entre parênteses é um quadrado, será sempre não negativo.

Se a > 0 o ponto x para o qual y assume o menor valor é aquele no qual o


termo entre parênteses é zero, ou seja, xv , para todos os outros tem-se que y é maior que
yv , e a concavidade é voltada para cima.

Se a < 0 o ponto x para o qual y assume o maior valor é aquele no qual o


termo entre parênteses é zero, ou seja, xv , para todos os outros tem-se que y é menor
que yv , e a concavidade é voltada para baixo.

Se a > 0 e b2 − 4ac < 0 então f (x) > 0 em seu domı́nio.

Se a < 0 e b2 − 4ac < 0 então f (x) < 0 em seu domı́nio.

30
a) b)

c) d)

Figura 2.11: Funções Quadráticas

Se a > 0 e b2 − 4ac > 0 então existem x1 e x2 tais que f (x1 ) = 0 = f (x2 ).


Como a concavidade de f é para cima, temos para todo x ∈ (−∞, x1 ) ∪ (x2 , +∞) que
f (x) > 0 e para todo x ∈ (x1 , x2 ) que f (x) < 0.

Se a < 0 e b2 − 4ac > 0 então existem x1 e x2 tais que f (x1 ) = 0 = f (x2 ).


Como a concavidade de f é para baixo, temos para todo x ∈ (−∞, x1 ) ∪ (x2 , +∞) que
f (x) < 0 e para todo x ∈ (x1 , x2 ) que f (x) > 0.

Se a > 0, então para todo x ∈ (−∞, xv ), f é decrescente e para todo x ∈


(xv , +∞), f é crescente.

Se a < 0, então para todo x ∈ (−∞, xv ), f é crescente e para todo x ∈

31
(xv , +∞), f é decrescente.

Observe as figuras 2.11 de a-d quanto a sua concavidade, suas raı́zes e o ponto
do vértice.

Exemplo 17. Determine o domı́nio, a imagem, o intervalo onde é crescente, decres-


cente, positiva, negativa e esboce o gráfico da função f dada por:

f (x) = |x|. Tal função é chamada função modular

Resolução: O módulo de um número real é um número


não negativo. Assim,

f : R −→ R+ ¨
x se x ≥ 0
x 7−→ f (x) = |x| =
−x se x < 0

O gráfico é composto por duas semi-retas.


Figura 2.12: Função Módular Uma passando pelos pontos (0, 0) e (−1, 1), e a outra
passando pelos pontos (0, 0) e (1, 1), conforme mostra a figura 2.12.

A função modular é sempre positiva em seu domı́nio. Ainda f é uma função


decrescente em (−∞, 0) e crescente em (0, +∞).

Exemplo 18. Determine o domı́nio, a imagem, o intervalo onde é crescente, decres-


cente, positiva, negativa e esboce o gráfico da função f dada por:


f (x) = x. Tal função é chamada função raiz quadrada

Resolução: A raiz quadrada existe para todos números


não negativos, isto é, um número que ao elevar ao qua-
drado corresponde ao radicando. O que implica que x
não pode ser negativo. Assim

f : R+ −→ R+ √
x 7−→ f (x) = x.
Figura 2.13: Função raı́z quadrada

32
O gráfico é uma curva crescente partindo da origem (0, 0) e passando pelo ponto (1, 1).
De fato, sejam x1 < x2 positivos, então y12 = x1 < x2 = y22 . Logo, 0 = y12 − y22 =
(y1 − y2 )(y1 + y2 ), segue daı́ que y1 < y2 . Portanto, f é uma função crescente e positiva
em seu domı́nio, conforme mostra a figura 2.13.

Exemplo 19. Determine o domı́nio, a imagem, o intervalo onde é crescente, decres-


cente, positiva, negativa e esboce o gráfico da função f dada por:

k
f (x) = , onde k ∈ R∗ . Tal função é chamada função recı́proca de ordem k.
x

Resolução: A divisão por zero não está definida, logo f


fica bem determinada para todo x ̸= 0.
f : R∗ −→ R∗
k
x 7−→ f (x) = .
x
Tem como gráfico uma hipérbole equilátera.
k
Se k > 0 e x > 0, então f (x) = x
> 0, por-
tanto f é positiva em (0, +∞) e negativa em (−∞, 0).
k
Se k < 0 e x > 0, então f (x) = x
< 0, por-
Figura 2.14: Função Recı́proca de or-
dem k ou Hipérbole Equilátera
tanto f é negativa em (0, +∞) e positiva em (−∞, 0).

Se k > 0 e x1 < x2 < 0 então kx1 < kx2 < 0, logo


k k
f (x1 ) = > = f (x2 )
x1 x2
e, portanto, f é decrescente em (−∞, 0) e decrescente em (0, +∞).
k k
Se k < 0 e x1 < x2 < 0 então kx1 > kx2 > 0, logo f (x1 ) = x1
< x2
= f (x2 )
e, portanto, f é crescente em (−∞, 0) e crescente em (0, +∞).

Exemplo 20. Uma função polinomial é dada por polinômio de grau n, ou seja,

p(x) = an xn + an−1 xn−1 + an−2 xn−2 + · · · + a2 x2 + a1 x + a0 .

Onde ai com i = 0, 1, 2, · · · , n são constantes reais e an ̸= 0, ainda, Df = R.

p(x) = 3x5 + 2x3 − 2x − 15 e q(x) = −25x98 + 5x8 + 2x2 − 2x + 5.

33
Dado um polinômio

p(x) = an xn + an−1 xn−1 + an−2 xn−2 + · · · + a2 x2 + a1 x + a0 .

Suponha que cada ai com i = 0, 1, 2, · · · , n sejam


s
números inteiros. Se existirem raı́zes racionais q
de p(x) então
s divide a0 e q divide an .

Exemplo 21. Determine as possı́veis raı́zes para

p(x) = 72x3 − 45x2 − 11x + 6

p(x) = 72x3 − 45x2 − 11x + 6 1 61


e f (x) = x3 − x2 − x + 5.
3 12

Resolução: Os coeficientes de p(x) são inteiros.


s
Se existirem raı́zes racionais q
para p(x), deve
ocorrer de s dividir 6 e q dividir 72. Os números
±6, ±3, ±2, ±1 são os divisores de 6 e os números
±72, ±36, ±24, ±18, ±12, ±9, ±8, ±6, ±4, ±3, ±2, ±1 são
os divisores de 72.

Os números s
q
= 23 , s
q
= − 38 e s
q
= 1
3
são frações
compostas pelos números acima e são raı́zes para p(x).

f (x) = x3 − 31 x2 − O polinômio f (x) = x3 − 31 x2 − 12


61 61
12
x +5 x + 5 não tem
coeficientes inteiros, contudo as raı́zes de f (x) podem ser
encontradas observando que
1  ‹
f (x) = 36x3 − 12x2 − 183x + 180
36

Note que as frações 3


2
, 43 e − 52 são as raı́zes
racionais para f (x). (Verifique)

p(x) = x5 + 13
3
x4 + 8
3
x3 − 7x2 − 7x + 6 Exemplo 22. Verifique se existem raı́zes racionais para
os polinômios
13 4 8 3
p(x) = x5 + x + x − 7x2 − 7x + 6 e
3 3

34
f (x) = x4 + 5x3 + 6x2 − 3x − 9.

Resolução: O polinômio p(x) não tem coeficientes inteiros, mas

1 5 ‹
p(x) = 3x + 13x + 8x − 21x − 21x + 18
4 3 2
3

ou
p(x) = x5 + 13 4
3
x + 83 x3 − 7x2 − 7x + 6
€ Š
= (x2 + 3x + 3) (x2 + 2x − 3) x − 2
3
€ Š
= (x4 + 5x3 + 6x2 − 3x − 9) x − 2
3
.

Pois, os divisores de 3 são ±1 e ±3 e os divi-


sores de 18 são ±1, ±2, ±3, ±6, ±9, ±18. E os números
−3, 2
3
e 1 são as raı́zes de p(x).
f (x) = x4 + 5x3 + 6x2 − 3x − 9

É fácil ver que q(x) = x2 + 3x + 3 não possui


raı́zes reais, do que vimos acima, f (x) = x4 + 5x3 + 6x2 − 3x − 9 tem como raı́zes os
números −3 e 1. (Verifique).

Uma função racional é uma função dada por:

p(x)
g(x) = onde p(x) e q(x) são duas funções polinomiais.
q(x)

Note ainda que Dg = {x ∈ R; q(x) ̸= 0}.

2x4 + 2x2 + 12x − 1 2x2 + 12x − 1


g(x) = e h(x) =
−2x9 + 5x8 + 2x2 − 2x + 5 5x5 + 6x2 + 2x − 4

2.3.2 Operações com Funções

Estaremos interessados agora em definir operações entre funções, ou seja,


soma, diferença, produto, quociente, produto por escalar, posto que estas operações são
possı́veis no conjunto dos números reais.

35
Definição 2.9. Sejam f e g duas funções tais que Df ∩ Dg seja não vazio. Definimos
a) A função f ± g dada por

(f ± g)(x) = f (x) ± g(x)

denomina-se soma (e/ou diferença) de f e g. O domı́nio é Df ∩ Dg .


b) A função f.g dada por
(f.g)(x) = f (x).g(x)

denomina-se produto de f e g. O domı́nio é Df ∩ Dg .


c) A função f /g dada por
f (x)
(f /g)(x) =
g(x)
denomina-se quociente de f e g. O domı́nio é dado por

Df /g = {x ∈ Df ∩ Dg ; g(x) ̸= 0}.

d) A função k.f , com k constante real é dada por

(kf )(x) = kf (x)

denomina-se produto de f pela constante k. O domı́nio é Df .

Exemplo 23. Determine o domı́nio das funções. Tais funções são denominadas funções
algébricas. √ √
√ √ −x2 − 2x + 3 x3 + 8 − x2 + 3
a) h(x) = x2 − 4+ 3 x + 2 b) h(x) = c) h(x) = 3
x2 − 9 x + x2 + x + 1

Resolução: a) Temos uma soma de funções, onde f (x) =


√ √
x2 − 4 e g(x) = 3 x + 2. Assim

Df = {x ∈ R; x2 − 4 ≥ 0} = {x ∈ R; x ∈ (−∞, −2] ∪ [2, ∞)}


e Dg = R

Note ainda que todo x ∈ Df pertence ao Dg , por-


√ √ tanto, Dh = Df ∩ Dg = Df .
x2 − 4 + 3 x + 2
h(x) =

b) Quociente de funções, onde f (x) = −x2 − 2x + 3 e g(x) = x2 − 9. Assim,

Df = {x ∈ R; −x2 − 2x + 3 ≥ 0} = {x ∈ R; x ∈ [−3, 1]} e Dg = R

36
Note ainda que g(x) = 0 para x = −3 e x = 3,
portanto,

Dh = {x ∈ Df ∩ Dg ; g(x) ̸= 0}

= {x ∈ [−3, 1] ∩ R e x ̸∈ {−3, 3}}

= {x ∈ R; x ∈ (−3, 1]} = (−3, 1]



−x2 − 2x + 3 √
g(x) = x2 − 3
h(x) =
x2 − 9 c) Pondo, f (x) = x3 + 8, e q(x) =
x3 + x2 + x + 1 temos,

Df = {x ∈ R; x3 + 8 ≥ 0} =
{x ∈ R; (x + 2)(x2 − 2x + 4) ≥ 0} = {x ∈ R; x ∈ [−2, ∞)}

√ Ainda Dg = R, Dq = R e q(x) = 0 se, e somente


x3 + 8 − x2 + 3
h(x) =
x3 + x2 + x + 1
se x = −1. Logo,

Dh = {x ∈ Df ∩ Dg ∩ Dq ; q(x) ̸= 0} = {x ∈ R; x ∈ [−2, −1) ∪ (−1, ∞)}.

Uma outra operação entre funções é a composição, que passaremos a definir.

Definição 2.10. Sejam f e g duas funções tais que Imf ⊂ Dg . A função dada por

(g ◦ f )(x) = g(f (x)); x ∈ Df

denomina-se função composta de g e f .

Exemplo 24. Considere as funções f e g. Determine o maior conjunto para o qual faz
sentido a composição (f ◦ g) e (g ◦ f ).
√ √
a) f (x) = x, g(x) = x2 − 4 b) f (x) = x, g(x) = −x2 − 2x + 3
1
c) f (x) = , g(x) = x3 + x2 + x + 1 d) f (x) = x2 , g(x) = x3 + x2 .
x
Resolução:

a) (f ◦ g)(x) = f (g(x)) = f (x2 − 4) = x2 − 4. Assim, se

Dg = {x ∈ R; x2 − 4 ≥ 0} = {x ∈ R; x ∈ (−∞, −2] ∪ [2, ∞)}.

37
A composição faz sentido, pois Img ⊂ Df = {x ∈ R; x ≥ 0}, e

(f ◦ g)(x) = f (g(x)) = x2 − 4; x ∈ Dg .

√ √
(g ◦ f )(x) = g(f (x)) = g( x) = ( x)2 − 4. Como

Df = {x ∈ R; x ≥ 0}.

A composição faz sentido, pois Imf ⊂ Dg = R, e



(g ◦ f )(x) = g(f (x)) = ( x)2 − 4 = x − 4; x ∈ Df .

b) (f ◦ g)(x) = f (g(x)) = f (−x2 − 2x + 3) = −x2 − 2x + 3. Assim, se

Dg = {x ∈ R; −x2 − 2x + 3 ≥ 0} = {x ∈ R; x ∈ [−3, 1]}.

A composição faz sentido, pois Img ⊂ Df = {x ∈ R; x ≥ 0}, e



(f ◦ g)(x) = f (g(x)) = −x2 − 2x + 3; x ∈ Dg .

√ √ √ √
(g ◦ f )(x) = g(f (x)) = g( x) = −( x)2 − 2 x + 3 = −x − 2 x + 3. Como

Df = {x ∈ R; x ≥ 0}.

A composição faz sentido, pois Imf ⊂ Dg = R, e


√ √ √
(g ◦ f )(x) = g(f (x)) = −( x)2 − 2 x + 3 = −x − 2 x + 3; x ∈ Df .

1
c) (f ◦ g)(x) = f (g(x)) = f (x3 + x2 + x + 1) = . Assim, se
x3 + x2+x+1

Dg = {x ∈ R; x3 + x2 + x + 1 ̸= 0} = {x ∈ R; x ̸= −1}.

A composição faz sentido, pois Img ⊂ Df = {x ∈ R; x ̸= 0}, e

1
(f ◦ g)(x) = f (g(x)) = f (x3 + x2 + x + 1) = ; x ∈ Dg .
x3 + x2 + x + 1
€ Š3 € Š2 € Š
(g ◦ f )(x) = g(f (x)) = g( x1 ) = 1
x
+ 1
x
+ 1
x
+ 1. Como

Df = {x ∈ R; x ̸= 0}.

38
A composição faz sentido, pois Imf ⊂ Dg = R, e
‚ Œ3 ‚ Œ2 ‚ Œ
1 1 1 x3 + x2 + x + 1
(g ◦ f )(x) = g(f (x)) = + + +1= ; x ∈ Df .
x x x x3

d) As composições (f ◦ g) e (g ◦ f ) são sempre possı́veis. por que?

Definição 2.11. Dadas duas funções f : A → B e g : B → A diremos que g é uma


inversa à esquerda de f quando

g ◦ f = IdA : A → A,

ou seja, quando (g ◦ f )(x) = g(f (x)) = x para todo x ∈ A.

Exemplo 25. Determine uma função g que seja uma inversa à esquerda de f : R+ → R,
dada por f (x) = x2 .
Resolução: Se g é uma inversa à esquerda de f então o domı́nio de g deve ser R e o
contra-domı́nio R+ , ou seja, g : R → R+ . Seja k ∈ R+ fixo, definamos
¨ √
y se y ≥ 0
g(y) =
k se y < 0


Logo, (g ◦ f )(x) = g(f (x)) = g(x2 ) = x2 = x para todo x ∈ R+ .

Note que, para cada número k0 ∈ R+ , temos uma inversa à esquerda, portanto
existem uma infinidade de funções satisfazendo a definição de inversa à esquerda.

Exemplo 26. Determine uma função g que seja uma inversa à esquerda de f : (−∞, 0] →
R, dada por f (x) = x2 − 4.
Resolução: Se g é uma inversa à esquerda de f então o domı́nio de g deve ser R e o
contra-domı́nio (−∞, 0], ou seja, g : R → (−∞, 0]. Seja k ∈ (−∞, 0] fixo, definamos
¨ √
− y+4 se y ≥ −4
g(y) =
k se y < −4

√ √
Logo, (g ◦ f )(x) = g(f (x)) = g(x2 − 4) = − x2 − 4 + 4 = − x2 = −|x| = x
para todo x ∈ (−∞, 0].

39
Definição 2.12. Dadas duas funções f : A → B e g : B → A diremos que g é uma
inversa à direita de f quando

f ◦ g = IdB : B → B,

ou seja, quando (f ◦ g)(x) = f (g(x)) = x para todo x ∈ B.

Exemplo 27. Determine uma função g que seja uma inversa à direta de f : R → R+ ,
dada por f (x) = x2 .
Resolução: Se g é uma inversa à direita de f então o domı́nio de g deve ser R+ e o
contra-domı́nio R, ou seja, g : R+ → R. Definamos
√ √
g(y) = y ou g(y) = − y

√ √ √
Logo, (f ◦ g)(y) = f (g(y)) = f (± y) = (± y)2 = ( y)2 = y ∀ y ∈ R+ .

Definição 2.13. Seja f : A → B uma função, dizemos que


a) f é injetora se para cada y ∈ Imf existe um único x ∈ A tal que f (x) = y, ou ainda
se x1 e x2 são elementos de A e f (x1 ) = f (x2 ) implica que x1 = x2 .
b) f é sobrejetora se o contra-domı́nio é igual ao conjunto imagem. Em outras palavras,
se para todo y ∈ B existe pelo menos um x ∈ A tal que f (x) = y.
c) f é bijetiva se, e somente se f é injetora e sobrejetora.

Dado um gráfico de uma função pode-


mos verificar se tal função é injetora, sobrejetora
ou bijetora procedendo da seguinte forma:

Para toda reta perpendicular ao eixo y,


ou seja, no eixo no qual o contra-domı́nio da função
esteja contido tocar em um único ponto do gráfico,
então a função é injetora, se tocar em mais de um
então a função não é injetora.
Figura 2.15: Gráfico de uma função
Se alguma reta perpendicular ao contra-domı́nio não tocar o gráfico a função
não é sobrejetora, e se tocar em pelo menos um ponto, então a função é sobrejetora.

40
Se toda reta perpendicular ao contra-domı́nio tocar em um único ponto do
gráfico, então a função é bijetora.

Observe a figura 2.15, temos um gráfico de uma função, suponhamos que


o domı́nio desta função seja o intervalo [x1 , x2 ] e o contra-domı́nio o intervalo no eixo
y dado por [y 1 , y 2 ]. Para toda reta perpendicular ao eixo y passando pelos pontos do
intervalo [y 1 , y 2 ], vemos que essas retas tocam em pelo menos um ponto do gráfico, sendo
assim esta função é sobrejetora, ainda a reta R como podemos ver toca em três pontos
do gráfico P 1 , P 2 e P 3 , desta forma a função não é injetora, logo não pode ser bijeção.

Se considerarmos agora como contra-domı́nio o intervalo [y 1 , 3], vemos que a


reta S não toca em nenhum ponto do gráfico, nesta situação a função não é sobrejetora.
Uma pequena mudança no contra-domı́nio da função exclui dela a sobrejetividade.

Exemplo 28. Determine se as funções são, injetora, sobrejetora ou bijetiva.


√ √
a) f : R → R+ , f (x) = x2 b) f : R+ → R, f (x) = x c) f : R+ → R+ , f (x) = x.
Resolução:
a) f não é injetora, pois f (−3) = 9 = f (3) e −3 ̸= 3. f é sobrejetora, pois dado y ∈ R+
√ √
existe x = y ou x = − y de modo que f (x) = y. Logo, f não é bijeção.
√ √
b) f é injetora, pois se x1 = f (x1 ) = f (x2 ) = x2 elevando ambos os membros ao
quadrado segue que x1 = x2 . f não é sobrejetora, pois −4 ∈ R, contudo não existe
x ∈ R+ de modo que f (x) = −4. Portanto, f não é bijeção.
c) f é uma bijeção. Por que?

Teorema 2.14. Seja f : A → B uma função, então


a) f possui inversa a esquerda se, e somente se f é injetora.
b) f possui inversa a direita se, e somente se f é sobrejetora.
c) f possui inversa ( inversa à esquerda e à direita) se, e somente se f é bijetiva.
d) Se f possui inversa então a inversa é única.

Indicamos por f −1 : B → A a inversa da bijeção f : A → B.

Exemplo 29. Mostre que a função f é uma bijeção e determine f −1 .

41
k
a) f : R∗ → R∗ , f (x) = e k ∈ R∗ b) f : R+ → [−4, +∞), f (x) = x2 − 4
x √
c) f : [1, +∞) → R+ , f (x) = x2 + x − 2 d) f : R → R, f (x) = x3 + 1.
Resolução:
k k
a) Injetividade, se = f (x1 ) = f (x2 ) = então x1 = x2 .
x1 x2
Sobrejetividade, tome y ∈ R∗ , devemos mostrar que existe x ∈ R∗ tal que f (x) = y, ou
k ( ) k
seja, = y. Basta tomar x = ky , consequentemente, f (x) = f ky = k = y.
x y
∗ ∗ −1 ∗ ∗ −1
Como f : R → R devemos ter f : R → R , com f (x) = x . De fato, k

‚ Œ
−1 −1 k k
(f ◦ f )(x) = f (f (x)) = f = k = x ou
x x
‚ Œ
−1 −1 −1 k k
(f ◦ f )(x) = f (f (x)) = f = k = x.
x x
b) Injetividade, se x21 − 4 = f (x1 ) = f (x2 ) = x22 − 4, então x21 = x22 , donde 0 = x22 − x21 =
(x2 + x1 )(x2 − x1 ), mas, x1 + x2 > 0 pois x1 e x2 são ambos positivos segue que x2 = x1 .
Sobrejetividade, tome y ∈ [−4, +∞), devemos mostrar que existe x ∈ R+ tal que f (x) =
√ √
y, ou seja, x2 −4 = y. Basta tomar x = y + 4, consequentemente, f (x) = f ( y + 4) =

( y + 4)2 − 4 = y.
Como f : R+ → [−4, +∞) devemos ter f −1 : [−4, +∞) → R+ .

Note que x2 −4 = y, trocando x por y e y por x na igualdade temos, y 2 −4 = x,


√ √
resolvendo a equação em função de x, temos y = x + 4 ou y = − x + 4, observando

que o contra-domı́nio de f −1 são os reais não negativos, implica que f −1 (x) = x + 4.
È È
c) Injetividade, se x21 + x1 − 2 = f (x1 ) = f (x2 ) = x22 + x2 − 2, como para todo
x ∈ [1, +∞) temos que x2 + x − 2 ≥ 0, segue que

x21 + x1 − 2 = x22 + x2 − 2,

donde
0 = x22 + x2 − x21 − x1 = x2 (x2 + x1 ) − x1 (x2 + x1 ) + x2 − x1
= (x2 + x1 )(x2 − x1 ) + (x2 − x1 ) = (x2 − x1 )(x2 + x1 + 1),
como x1 e x2 são ambos positivos segue que x2 + x1 + 1 > 0, portanto x1 = x2 .
Sobrejetividade, tome y ∈ R+ , devemos mostrar que existe x ∈ [1, +∞) tal que f (x) = y,

ou seja, x2 + x − 2 = y.

42

Note que x2 + x − 2 = y então x2 + x − 2 = y 2 . Usando Bhaskara em
x2 + x − (2 + y 2 ) = 0, temos
È √
−1 ± 1 − 4.1(−(2 + y 2 )) −1 ± 9 + 4y 2
x= = .
2.1 2

−1 +
9 + 4y 2
Basta tomar x = , consequentemente, f (x) = y.
2
Como f : [1, +∞) → R+ devemos ter f −1 : R+ → [1, +∞).

Note que x2 + x − 2 = y, trocando x por y e y por x na igualdade temos,
√ 2
y + y − 2 = x, resolvendo a equação em função de x, temos
√ √
−1 + 9 + 4x2 −1 − 9 + 4x2
y= ou y = ,
2 2

observando que o contra-domı́nio de f −1 é o intervalo [1, +∞), implica que



−1 −1 + 9 + 4x2
f (x) = .
2

d) Exercı́cio.

3 + 2x − x2
Exemplo 30. Determine o domı́nio e a imagem da função f (x) = .
x−2

Resolução: Primeiramente vamos determinar o domı́nio de f .



Ponhamos g(x) = 3 + 2x − x2 e h(x) = x − 2. Então

Dg = {x ∈ R | 3 + 2x − x2 ≥ 0} = {x ∈ R | x ∈ [−1, 3]} = [−1, 3] e Dh = R,

note ainda que 0 = h(x) = x − 2 se, e somente se x = 2.

Portanto, Df = {x ∈ R |x ∈ Dg ∩ Dh e h(x) ̸= 0} = [−1, 2) ∪ (2, 3].



3 + 2x − x2
Para determinarmos a imagem fazemos y = , assim
x−2
3 + 2x − x2 3 + 2x − x2
y2 = =
(x − 2)2 x2 − 4x + 4

y 2 (x2 − 4x + 4) = 3 + 2x − x2 ⇒ y 2 x2 − 4xy 2 + 4y 2 = 3 + 2x − x2

Temos então a equação (y 2 +1)x2 −(4y 2 +2)x+(4y 2 −3) = 0 e por Bhaskara.

43
È
2 + 4y 2 ± (2 + 4y 2 )2 − 4(y 2 + 1)(4y 2 − 3)
x =
2(y 2 + 1)
√ √
2 + 4y 2 ± 12y 2 + 16 2 + 4y 2 ± 2 3y 2 + 4
= =
2(y 2 + 1) 2(y 2 + 1)

1 + 2y 2 ± 3y 2 + 4
=
y2 + 1
Figura

2.16: f (x) = Note que para qualquer valor de y ≥ 0 podemos
3+2x−x2

determinar um x ∈ (2, 3] e para qualquer valor de y ≤ 0


x−2

podemos determinar um x ∈ [−1, 2). Assim a imagem de f (x) são todos os números
reais. Um esboço do gráfico está na figura 2.16. Logo,
 √ 2

 1 + 2y 2
+ 3y + 4

 se y ≥ 0


 y2 + 1
x= √



 1 + 2y 2 − 3y 2 + 4

 se y ≤ 0
y2 + 1

A função f (x) é, portanto sobrejetora. Note ainda que f (x) não é injetora,
pois para x = −1 e x = 3 temos que f (−1) = 0 = f (3). Se restringirmos o domı́nio,
isto é, tirar o extremo x = −1 ou x = 3, passamos para uma função bijetora. Nestas
condições qual função é a inversa de f (x)?

2.3.3 Funções Transcendentais

As funções transcendentais são as funções não algébricas, ou seja, as funções


que não podem ser escritas como combinação das operações básicas como adição, sub-
tração, multiplicação e divisão de polinômios, além das operação de radiciação e poten-
ciação. O conjunto das funções transcendentais inclui as funções trigonométricas e suas
inversas, as funções exponenciais e logarı́tmicas, e outras tantas que não possuem nomes
especı́ficos.

Vamos iniciar nossos estudos com as funções trigonométricas, para isso vamos
reportar alguns conceitos da trigonometria.

44
Funções Trigonométricas

Visando o melhor entendimento geométrico


das relações trigonométricas. Consideramos uma circun-
ferência de equação

x2 + y 2 = 1.

Seja a reta r passando pela origem e formando


Figura 2.17: Ciclo Trigonométrico um ângulo θ com o eixo x positivo no sentido anti-horário.
A reta r intercepta a circunferência no ponto D. A projeção do segmento OD no eixo x
determina o ponto A e no eixo y o ponto C.

Tracemos uma reta t paralela ao eixo y passando pelo ponto B = (1, 0), a
intersecção das retas r e t determina um ponto E. Tracemos uma reta s paralela ao eixo
x passando pelo ponto F = (0, 1), a intersecção das retas r e s determina um ponto G.

No triângulo retângulo ∆OAD, temos

Cat. Adjc Cat. Adjc


cos(θ) = = = Cat. Adjc = OA e
Hipo 1
Cat. Opos Cat. Opos
sen(θ) = = = Cat. Opos = OC.
Hipo 1
No triângulo retângulo ∆OBE, temos

sen(θ) Cat. Opos Cat. Opos


tan(θ) = = = = BE.
cos(θ) Cat. Adjc 1

No triângulo retângulo ∆OF G, temos

cos(θ) Cat. Adjc Cat. Adjc


cot(θ) = = = = F G.
sen(θ) Cat. Opos 1

A notação XY denota a medida do segmento XY .


Figura 2.18: Ciclo Trigo-
nométrico
Vejamos agora o sentido geométrico das relações
trigonométricas secante e cossecante.

45
Seja uma reta r passando pela origem e formando um ângulo θ com o eixo
x positivo no sentido anti-horário. A reta r intercepta a circunferência no ponto B.
Tracemos uma reta n ortogonal a reta r passando pelo ponto B, a intersecção da reta n
com os eixos coordenados determinam os pontos D e E nos eixos x e y, respectivamente.

No triângulo retângulo ∆OBD, temos

1 Hipo Hipo
sec(θ) = = = = Hipo = OD.
cos(θ) Cat. Adjc 1

No triângulo retângulo ∆OBE, temos

1 Hipo Hipo
csc(θ) = = = = Hipo = OE.
sen(θ) Cat. Opos 1

Definição 2.15. Dados dois pontos A e B sobre uma circunferência, então cada uma
das partes em que a circunferência fica dividida por esses dois pontos é denominado arco.
x
Usamos a notação AB, para denotar o arco com ponto inicial A e ponto final
B no sentido anti-horário.

1
Definição 2.16. Grau é um arco unitário igual a 360
da circunferência que contém o
arco a ser medido.

Radiano é um arco unitário cujo comprimento é igual ao raio da circun-


ferência que contém o arco a ser medido. E escrevemos rad.

Uma circunferência unitária completa tem 360 graus e mede 2π. Veremos
mais adiante como determinar o valor de π = 3, 14159265... (com oito casas decimais
exata). Para cada argumento θ podemos usar regra de três simples e achar o comprimento
do arco relativo a θ. Vamos definir aqui as funções trigonométricas como segue.

Definição 2.17. Para cada número real t definimos por

cos : R −→ R e sen : R −→ R

duas funções satisfazendo:


i) cos(0) = 1 e sen(0) = 0

46
π
ii) Denotamos por 2
o menor dos números reais positivo tal que
 ‹
π π‹
= 0 = cos −
cos ,
2 2
 ‹ 
π π‹
sen = 1 e sen − = −1
2 2
iii) Dados t0 , t1 ∈ R então cos(t0 − t1 ) = cos(t0 ) cos(t1 ) + sen(t0 )sen(t1 )
€ Š
iv) Para todo t ∈ 0, π
2
temos
sen(t)
0 < sen(t) < t < = tan(t).
cos(t)
Exemplo 31. Para cada t ∈ R mostre que as seguintes identidades são verificadas.
a) cos2 (t) + sen2 (t) = 1 b) cos(t) = cos(−t)
€ Š € Š
c) sen t + π
2
= cos(t) d) cos t − π
2
= sen(t) e) sen(−t) = −sen(t).

Resolução: a) Pelo item iii) da definição acima, temos

1 = cos(0) = cos(t − t) = cos(t) cos(t) + sen(t)sen(t) = cos2 (t) + sen2 (t)

b) Tome t0 = 0 e t1 = t, e aplique no item iii)

cos(−t) = cos(0 − t) = cos(0) cos(t) + sen(0)sen(t) = cos(t)


€ Š € Š € Š € Š € Š € Š
c) cos(t) = cos t + π
2
− π
2
= cos t + π
2
cos π
2
+ sen t + π
2
sen π
2
= sen t + π
2
.
d) Basta tomar t = t1 − π
2
na igualdade acima em c).
e) Tome t0 = t e t1 = − π2 e use o item iii)

π‹  
π ‹‹ 
π‹ 
π‹
cos t + = cos t − − = cos(t) cos − + sen(t)sen − = −sen(t)
2 2 2 2

Tome agora t0 = π
2
e t1 = −t e use o item iii)
€ Š € Š
cos π
2
+t = cos π
2
− (−t)
€ Š € Š
π π
= cos 2
cos(−t) + sen 2
sen(−t) = sen(−t).
€ Š € Š
Logo, sen(−t) = cos π
2
+ t = cos t + π
2
= −sen(t).

Definição 2.18. Seja f : A → B uma função, dizemos que


a) f é uma função par se f (−x) = f (x) para todo x ∈ A.
b) f é uma função ı́mpar se f (−x) = −f (x) para todo x ∈ A.

47
Observação, em uma função ı́mpar os pontos
(x, f (x)) e (−x, f (−x)) são simétricos em relação a origem e
em uma função par a simetria está em relação ao eixo y.

Exemplo 32. Mostre que para todo t0 , t1 ∈ R vale as igual-


dades.
a) sen(t0 + t1 ) = sen(t0 ) cos(t1 ) + sen(t1 ) cos(t0 )
grafico de função ı́mpar
b) sen(t0 − t1 ) = sen(t0 ) cos(t1 ) − sen(t1 ) cos(t0 )
c) cos(t0 + t1 ) = cos(t0 ) cos(t1 ) − sen(t0 )sen(t1 )
Resolução:
€ Š € Š
sen(t0 + t1 ) = cos π
2
− (t0 + t1 ) = cos π
2
− t0 − t1
€ Š € Š
= cos π
2
− t0 cos(t1 ) + sen π
2
− t0 sen(t1 )

grafico de função par = sen(t0 ) cos(t1 ) + sen(t1 ) cos(t0 ).


(⋆)

Tome t1 = −t2 em (⋆) e use o fato que sen(−t2 ) = −sen(t2 ).

sen(t0 − t2 ) = sen(t0 ) cos(t2 ) + sen(−t2 ) cos(t0 ) = sen(t0 ) cos(t2 ) − sen(t2 ) cos(t0 ).

c) exercı́cio.

Exemplo 33. Verifique as igualdades


a) cos(π) = −1 b) sen(π) = 0 c) cos(2π) = 1 d) sen(2π) = 0.
Resolução: Basta usar as fórmulas de adição de arco.
€ Š € Š
a) cos(π) = cos π
2
+ π
2
= −1 b) sen(π) = sen π
2
+ π
2
=0
c) cos(2π) = cos (π + π) = 1 d) sen(2π) = sen (π + π) = 0.

Exemplo 34. Verifique as igualdades


a) cos(x + 2π) = cos(x) b) sen(x + 2π) = sen(x).
Resolução: Basta usar as fórmulas de adição de arco.
a) cos(x + 2π) = cos(x) cos(2π) − sen(2π)sen(x) = cos(x)
b) sen(x + 2π) = sen(x) cos(2π) + sen(2π) cos(x) = sen(x).

48
Definição 2.19. Seja f : A → B uma função, dizemos que f é periódica se existe um
número p tal que

f (x + p) = f (x) para todo x ∈ A (⋆)

O menor valor p > 0 que verifica (⋆) é denominado perı́odo de f .

Exemplo 35. Mostre que as funções cos e sen são periódicas e seu perı́odo é p = 2π.
Resolução: A periodicidade já foi mostrada.

O perı́odo de cos é p = 2π.


€ Š
De fato, para todo γ ∈ 0, π
2
temos que cos(γ) ̸= 1.
€ Š
Suponha que exista γ0 ∈ 0, π
2
tal que cos(γ0 ) = 1, pelo item iv) da definição
das funções cos e sen, devemos ter para este γ0 que

sen(γ0 )
0 < sen(γ0 ) < γ0 < = sen(γ0 ).
cos(γ0 )
€ Š
O que contrária a definição, portanto cos(γ) ̸= 1 para todo γ ∈ 0, π
2
.

Logo γ não pode ser perı́odo de cos. Caso contrário devemos ter para todo
t∈R
cos(t) = cos(t + γ) = cos(t) cos(γ) − sen(γ)sen(t).

Assim,

1 = cos(0) = cos(0 + γ) = cos(0) cos(γ) − sen(γ)sen(0) = cos(γ).

Segue dai que


‚ Œ  ‚ Œ
3π π π ‹ 3π
α0 = 2π − γ ∈ , 2π , α1 = + γ ∈ ,π e α2 = π + γ ∈ π,
2 2 2 2

não são perı́odo de cos. Se fosse, terı́amos para cada um dos casos o que segue

cos(t) = cos(t + α0 ) = cos (t + 2π − γ) = cos(t + 2π) cos(γ) + sen(t + 2π)sen(γ)

= cos(t) cos(γ) + sen(t)sen(γ) e

49
1 = cos(0) = cos(0 + α0 ) = cos(0) cos(γ) + sen(γ)sen(0) = cos(γ).
€ Š € Š € Š
cos(t) = cos(t + α1 ) = cos t + π
2
+ γ = cos t + π
2
cos(γ) − sen t + π
2
sen(γ)

= −sen(t) cos(γ) − cos(t)sen(γ) e


 ‹ ‹ 
π π π‹ 
π‹
0 = cos − = cos − + α1 = −sen − cos(γ) − cos − sen(γ) = cos(γ).
2 2 2 2

E, por fim,

cos(t) = cos(t + α2 ) = cos (t + π + γ) = cos (t + π) cos(γ) − sen (t + π) sen(γ)

= − cos(t) cos(γ) + sen(t)sen(γ) e

−1 = cos (π) = cos (π + α2 ) = − cos(π) cos(γ) + sen(π)sen(γ) = cos(γ).


Falta ainda verificar que π e 2
não são perı́odo, mas isso é tarefa fácil.

De modo análogo, pode-se mostrar que p = 2π é perı́odo de sen.

Exemplo 36. Mostre as seguintes igualdades.


1 − cos(2t) 1 + cos(2t)
a) sen2 (t) = b) cos2 (t) =
2 2
Resolução: Usar soma de arco e cos2 (t) + sen2 (t) = 1.
a) cos(2t) = cos(t) cos(t) − sen(t)sen(t)

= cos2 (t) − sen2 (t) = 1 − sen2 (t) − sen2 (t) = 1 − 2sen2 (t),
1 − cos(2t)
ou seja, sen2 (t) =
2
b) cos(2t) = cos(t) cos(t) − sen(t)sen(t)

= cos2 (t) − sen2 (t) = cos2 (t) + cos2 (t) − 1 = 2 cos2 (t) − 1,
1 + cos(2t)
ou seja, cos2 (t) =
2
Exemplo 37. Determine a imagem das funções cos e sen.
Resolução: Notemos que cos2 (t) + sen2 (t) = 1, segue daı́ que

−1 ≤ sen(t) ≤ 1 e − 1 ≤ cos(t) ≤ 1 ∀t∈R

De fato, suponha que |sen(t)| > 1 para algum t ∈ R, então sen2 (t) > 1, assim

0 < cos2 (t) = 1 − sen2 (t) < 0

50
o que é absurdo. De modo análogo mostra-se para cos

Portanto, cos : R → [−1, 1] e sen : R → [−1, 1].

Exemplo 38. Calcule sen(t) e cos(t) para t = π4 , t = π


3
e t = π6 .

π π π π
Resolução: Como 0 < e 0 < π6 < π2 , pelo item iv) da
4
< 2
, 0< 3
< 2
sen(t)
definição das funções trigonométricas 0 < sen(t) < t < . Segue daı́ que
cos(t)
 ‹ € Š € Š
2 π 1 + cos 2 π4 1 + cos π
2 1
cos = = =
4 2 2 2
€ Š √
π √1 2
se, e somente se cos 4
= 2
= 2
.

Para a função seno,


 ‹ € Š € Š
2 π 1 − cos 2 π4 1 − cos π
2 1
sen = = =
4 2 2 2
€ Š √
π √1 2
se, e somente se sen 4
= 2
= 2
.

Para o cálculo de π3 , notemos que;


€ Š € Š € Š € Š € Š € Š
0 = sen(π) = sen π − π
3
+ π
3
= sen 2π
3
+ π
3
= sen 2π
3
cos π
3
+ sen π
3
cos 2π
3

€ Š € Š € Š € Š• € Š € Š˜
= 2sen π
3
cos π
3
cos π
3
+ sen π
3
cos2 π
3
− sen2 π
3

€ Š• € Š • € Š € Š˜˜ € Š” € Š —
= sen π
3
2 cos 2 π
3
+ cos 2 π
3
− 1 + cos 2 π
3
= sen π
3
4 cos2 π
3
−1
€ Š” € Š —
= sen π
3
−4sen2 π
3
+3

Logo,
 ‹  ‹
π π
4 cos2 −1=0 ou − 4sen2 + 3 = 0,
3 3
podemos, assim concluir que
 ‹ √ √ ‹
π 1 1 π 3 3
cos =√ = ou sen =√ =
3 4 2 3 4 2

Para π6 , temos
 ‹ € Š € Š
π 1 + cos 2 π6 1 + cos π
1+ 1
3
cos2 = = 3
= 2
=
6 2 2 2 4

51
€ Š √ √
π √3 3
se, e somente se cos 6
= 4
= 2
.

Para a função seno,


 ‹ € Š € Š
2 π 1 − cos 2 π6 1 − cos π
3 1− 1
2 1
sen = = = =
6 2 2 2 4
€ Š
π √1
se, e somente se sen 6
= 4
= 12 .

π
Exemplo 39. Calcule sen(t) e cos(t) para t = 5

€ Š € Š
π π π π
Resolução: Como 0 < 5
< 2
tanto cos 5
como sen 5
são positivos pelo
1+cos(2t)
item iv) da definição. Lembre-se que cos2 (t) = 2
ou equivalentemente

2 cos2 (t) − 1 = cos(2t) ⋆

Notemos que,
€ Š € Š € Š € Š
sen π
5
= sen π − 4π
5
= sen(π) cos 4π
5
− cos(π)sen 4π
5
€ Š € Š € Š € Š € Š € Š
4π 2π 2π π π 2π
= sen 5
= 2sen 5
cos 5
= 4sen 5
cos 5
cos 5
€ Š € Š” € Š —
= 4sen π
5
cos π
5
2 cos2 π
5
−1

Isto é,
€ Š” € Š” € Š ——
0 = sen π
5
−1 + 4 cos π
5
2 cos2 π
5
−1
€ Š” € Š € Š—
= sen π
5
−1 + 8 cos3 π
5
− 4 cos π
5
€ Š” € Š —” € Š € Š —
= sen π
5
cos π
5
+ 1
2
8 cos2 π
5
− 4 cos π
5
−2
€ Š” € Š —[ € Š ( √ )] [ € Š ( √ )]
= sen π
5
cos π
5
+ 1
2
cos π
5
− 1+ 5
4
cos π5 − 1− 5
4

€ Š √
π 1+ 5
Portanto, cos 5
= 4
, verificando a equação acima e a definição. Para o
sen(t) temos Ì
 ‹ √ )2 È
( √
π 1+ 5 10 − 2 5
sen = 1− =
5 4 4
Definição 2.20. Definimos por
sen(t) cos(t) 1 1
a) tan(t) = b) cot(t) = c) sec(t) = d) csc(t) = .
cos(t) sen(t) cos(t) sen(t)

52
As funções cos e sen tem todas as propriedades das funções trigonométricas
que você aprendeu no ensino de formação básica. O resultado que enunciaremos agora,
cuja justificativa pode ser verificada a partir do estudo de derivadas, afirma que são de
fato as mesmas.

Teorema 2.21. Se existirem cos⋆ e sen⋆ funções que satisfazem as cinco propriedades
das funções cos e sen. Então

cos⋆ = cos e sen⋆ = sen.

Ou seja, cos⋆ (x) = cos(x) para todo x ∈ Dcos = Dcos⋆ .

Análogo para sen e sen⋆ .

Para alguns valores especı́ficos de t, por exemplo π2 , π4 , π


16
, entre outros, são
possı́veis calcular os valores funcionais de cos e sen, usando apenas a definição des-
sas funções e algumas propriedades dela decorrente, as chamadas identidades trigo-
nométricas. Vamos representar graficamente alguns desses pontos para cos e sen. Com
uma boa quantidade de pontos podemos ligar um ponto ao outro para se ter uma noção
do gráfico de cos.
coseno para pontos especı́ficos. gráfico da função coseno.
y..... y.......
............................. •(0, 1)
........................... ...........................
..... ..... ..... ..... .....
• •• •• •• ....
..... ..... .....
• • .... ... .... ....
.... ...
( ) (π ) .... ....
• • .....
....
.. −π ......
. ..
. π ..
..... ......
. .... •.. •
.... .. .......
.... .
. .
.
−π
4
, cos( π
4
)• •√
2

4
, cos( π
4
)
....
....
....
..... .
...
.
.
.
...
.
.
.
.. − π
2
π .....
2
.
....
..
..... ....
..
.
.
..
.
..
..
x
2 ....... ..
..
. ..
. .
.......................
..
• • ............
......• • •
(−π, −1) (π, −1)

• • .....
−π
2
−π
4
π
4
π
2
x

É um bom exercı́cio para você, cons-


truir os gráficos para as funções trigonométricas.
Note que é possı́vel encontrar os valores funcionais
de uma boa quantidade de pontos. Certamente

Figura 2.23: gráfico da função seno esses pontos e valores funcionais não são, neces-
sariamente racionais. Procure descreve-los sobre o plano de maneira aproximada. Use

53
Figura 2.19: função tan(x) Figura 2.20: função cot(x)

Figura 2.21: função sec(x) Figura 2.22: função csc(x)

posteriormente um software de plotar gráfico e compare seu gráfico com o gráfico feito
pelo computador.

Curiosidade: Cálculo do π

Construiremos um algoritmo para o cálculo do número π. Tal procedimento consiste em


construir polı́gonos regulares inscrito em uma circunferência de raio R. A Lei dos cossenos para triângulo
acutângulo afirma que
b2 = a2 + c2 − 2ac cos(B̂)
onde B̂ é o ângulo oposto ao lado b.
Nossa intenção é calcular os lados de um polı́gono inscrito. O lado desse polı́gono com
o centro da circunferência forma um triângulo acutângulo. O ângulo oposto ao lado do polı́gono é
facilmente determinado, para isso basta dividir 360 pelo número de lados do polı́gono. Assim, para cada
n ≥ 3 número de lados do polı́gono. Pela Lei dos cossenos, temos:
 ‹  ‹
360 360
ln2 = 2R2 − 2R2 cos e 2
l2n = 2R2 − 2R2 cos .
n 2n

(α) È
1+cos(α)
Mostre que cos 2 = 2 .
Disso, com algumas operações algébricas, obtemos

Ê ( ) É
1 cos 360 4R2 − ln2 √
2
l2n = 2R − 2R
2 2
+ n
= 2R − 2R
2 2
2
= 2R2 − R 4R2 − ln2 ,
2 2 4R

54

ou seja, 2
l2n = 2R2 − R 4R2 − ln2 . “A fórmula pode ser feita sem o uso da trigonometria, fazendo
uso do teorema de Pitágoras para triângulo retângulo”.
Num hexágono temos que cada lado do polı́gono quando inscrito em uma circunferência
tem medida R, portanto l62 = R2 . Com um polı́gono de 1536 lados teremos uma boa aproximação de π.

l62 = R2
È √ √
2
l12 = 2R2 − R 4R2 − l62 = 2R2 − R 4R2 − R2 = 2R2 − R2 3
È È √ È √
2
l24 = 2R2 − R 4R2 − l12
2 = 2R2 − R 4R2 − 2R2 + R2 3 = 2R2 − R2 2 + 3
√ È √ √
2
l48 = 2R2 − R 4R2 − l24
2 = 2R2 − R 4R2 − 2R2 + R2 2 + 3
È √ √
= 2R2 − R2 2 + 2 + 3
√ È √
√ √
2
l96 = 2R2 − R 4R2 − l48
2 = 2R2 − R 4R2 − 2R2 + R2 2 + 2 + 3
√ È √ √
= 2R2 − R2 2 + 2 + 2 + 3.

Seguindo o raciocı́nio, obtemos


Í Ì √ Ê É √
È È √
2
l1536 = 2R − R
2
4R2 − l768
2 = 2R − R
2 2
2+ 2+ 2+ 2+ 2+ 2+ 2+ 3.

Portanto, somando a medida de todos esses lados, ou seja,


Î Í Ì √ Ê É √ È √
2πR ≈ 1536.l1536 = 1536R 2− 2+ 2+ 2+ 2+ 2+ 2+ 2+ 3.

Para 1536 nossa aproximação para π é π ≈ 3, 14159046... com 5 casas decimais exatas.

Você pode agora calcular o valor de π com aproximações cada vez melhor.

Funções Exponenciais

Nosso interesse é mostrar que existe uma função f : R −→ R dada por

f (x) = b.ax para todo b ∈ R, a > 0 tal que a ̸= 1.

Lema 2.22. Seja a > 1 um números real dado. Então, para todo δ > 0, existe um
número natural n tal que
1
a n − 1 < δ.

55
a−1
Demonstração: Escolhemos o primeiro número natural n tal que n > .
δ
Da fórmula do binômio de Newton, ou seja,
( )
n

n
n
(c + b) = cn−i bi
i=0 i

pondo c = 1 e b = δ, temos
(1 + δ)n ≥ 1 + nδ.

Portanto, (1 + δ)n ≥ 1 + nδ > 1 + a − 1 = a.


1
Donde, an − 1 < δ 2

Lema 2.23. Sejam a > 1 e x dois números reais dados. Então, para todo ϵ > 0 existem
números racionais r e s com r < x < s tais que

as − ar < ϵ.

Demonstração: Seja t > x um número racional, pelo lema 2.22 existe n tal que
( )
a n − 1 < δ = a−t ϵ,
1 1
ou seja, at a n − 1 < ϵ.

Escolha dois racionais r e s tais que r < x < s e s − r < 1


n
. Como a > 1
então
1
ar < a t e as−r < a n .

Assim,
€ Š € Š ( 1
)
as − ar = ar as−r − 1 < at as−r − 1 < at a n − 1 < ϵ.

Lema 2.24. Seja a > 1 um real dado. Então, para todo x real dado, existe um único
real λ tal que
ar < λ < as

quaisquer que sejam os racionais r e s, com r < x < s.

56
Demonstração: Seja A := {ar ; r racional, r < x}.

O conjunto A é não vazio e limitado superiormente por as , pois s > x um


racional. Tal conjunto admite um supremo que chamaremos de λ. Segue que

ar ≤ λ ≤ as .

Se ar = λ ou as = λ não poderia existir racionais q e t tais que r < q < x <


t < s. Assim,
ar < λ < as .

Se λ1 for tal que ar < λ1 < as , quaisquer que sejam os racionais r e s, com
r < x < s, teremos para todo ϵ > 0 pelo lema 2.23 que

|λ − λ1 | < as − ar < ϵ
|λ − λ1 |
assim λ = λ1 , pois caso contrário, tomando 0 < = ϵ terı́amos uma contradição
2
com a desigualdade anterior. 2

Se x for racional, então λ = ax . Desta forma o único λ será indicado por


f (x) = ax para todo x racional. Fica definida uma função em R tal que f (r) = ar para
r racional.

A função exponencial é estritamente crescente.

De fato, seja x1 < x2 , então existem racionais r, s tais que r < x1 < s < x2 ,
portanto,
ar < ax1 = f (x1 ) < as < ax2 = f (x2 ),

ou seja, f é crescente e f (x1 ) ̸= f (x2 ), mostrando também a injetividade.

Seja p um real qualquer. Pelo lema 2.23, dado ϵ > 0, existem r e s racionais,
com r < p < s tais que
as − ar < ϵ.

Para todo x ∈ (r, s), teremos

|f (x) − f (p)| < as − ar < ϵ. (⋆)

57
€ Š−x
1 1
Se 0 < a < 1, então 0 < 1 < a
e podemos definir f (x) = a
e coincide
com ar nos racionais.

Seja 0 < a tal que a ̸= 1 e g : R −→ R definida por g(x) = ax . Então


g(r) = f (r) para todo r racional e suponha que g satisfaz a propriedade (⋆). Vamos
mostrar que g(x) = f (x) para todo x real.

Definamos h(x) = f (x) − g(x) então h(r) = f (r) − g(r) = 0 para todo r
racional.

Seja p um número real qualquer, e suponhamos que h(p) > 0. Ainda existem
r e s racionais, com r < p < s tais que para todo x ∈ (r, s) e para todo ϵ > 0

ϵ ϵ
|f (x) − f (p)| < as − ar < e |g(x) − g(p)| < as − ar < .
2 2

Logo, para h(p) = ϵ > 0, temos

h(p) h(p)
|h(x)−h(p)| = |f (x)−g(x)−f (p)+g(p)| ≤ |f (x)−f (p)|+|g(x)−g(p)| < + = h(p)
2 2

ou seja, 0 < h(x) < 2h(p) para todo x ∈ (r, s). Por outro lado existe q ∈ (r, s), racional
tal que h(q) = 0.

Portanto, não pode existir um número real p tal que h(p) > 0. Assim

0 = h(x) = f (x) − g(x) ou ainda f (x) = g(x)

para todo x real.

Definição 2.25. Sejam a > 0, a ̸= 1. Definimos por exponencial de base a e expoente


real x a função f : R −→ R, dada por

f (x) = ax .

Denominada função exponencial de base a.

As propriedades listadas abaixo são validas para todo expoente racional, con-
tudo pode-se mostrar que permanecem válidas para expoentes reais.

58
Proposição 2.26. Sejam a > 0 e b > 0, x e y reais quaisquer, então são válidas as
seguintes igualdades.
a) ax ay = ax+y b) (ax )y = axy c) (ab)x = ax bx
d) Se a > 1 e x < y, então ax < ay e) Se 0 < a < 1 e x < y, então ax > ay .

Observe os gráficos das funções exponenciais.


funções exponencial com a > 1 e b > 0 funções exponencial com a < 1 e b > 0
{1 } 1
{1 }
Para essa situação a = 2 e b = 2
, 1, 3 Para essa situação a = 2
e b = 2
, 1, 3

Note que se b < 0 então o gráfico da função exponencial será o simétrico em


relação ao eixo x do gráfico quando b > 0. Observe os gráficos quando b < 0 e note a
simetria.
funções exponencial com a > 1 e b < 0 funções exponencial com a < 1 e b < 0
{1,
} 1
{ }
Para essa situação a = 2 e b = −2 −1, −3 Para essa situação a = 2
e b = −1
2
, −1, −3

√ √
Exemplo 40. Avalie o valor funcional de f (x) = 3x para x ∈ { 2, 12}.

Resolução: Sabemos que existem racionais r e s tais que r < 2 < s. Ainda que

59
14142
√ 141422
10000
= 1, 4142 < 2 < 1, 41422 = 100000
. Logo,

14142 √ √ 141422
4, 72873 ≈ 3 10000 = 31,4142 < f ( 2) = 3 2 < 31,41422 = 3 100000 ≈ 4, 72883.

√ √ √
Agora para 12 = 2 3 temos 2.(1, 73205) < 2 3 < 2.(1, 732051). Logo,

173205 √ √ 1732051
44, 95683 ≈ 32 100000 = 91,73205 < f ( 12) = 3 12 < 91,732051 = 3 100000 ≈ 44, 95693.
√ √
Exemplo 41. Avalie o valor funcional de f (x) = 2.3x para x ∈ { 2, 12}.
Resolução: Basta fazer o múltiplo por 2 nos valores do exemplo anterior.

A função exponencial de base a que acabamos de definir tem sinal positivo,


ou seja f (x) > 0 para todo x ∈ R. Vamos justificar o caso em que a > 1. Para
x = 0 temos que f (0) = a0 = 1, como f é crescente, para todo x > 0 devemos ter
1 = f (0) < f (x) = ax . Se x < 0 então −x > 0 e a−x > 1. Logo,

1 1
0< −x
= ax = f (x) = ax = −x < 1.
a a

Exemplo 42. Determine os valores de x para o qual a equação seja verificada.


i) 4x = 8 ii) 2x−3 + 2x−1 + 2x = 52 iii) 32x − 10.3x + 10 = 1.
Resolução:
i) 22x = (22 )x = 4x = 8 = 23 então 2x = 3 se, e somente se x = 23 .
€ Š
ii) 2x−3 + 2x−1 + 2x = 52 então 2x .2−3 + 2x .2−1 + 2x = 52 isto é, 2x 1
8
+ 12 + 1 = 52⇒
€ Š
13
2x 8
= 52⇒ 2x = 32 = 25 , portanto, x = 5.

iii) 32x −10.3x +10 = 1 então 32x −10.3x +9 = 0. Pondo


y = 3x temos y 2 − 10y + 9 = 0, uma equação do segundo grau em
y, ∆ = 100 − 4.1.9 = 100 − 36 = 64, logo y = 9 ou y = 1. Assim

32 = 9 = 3x ou 30 = 1 = 3x ,

portanto, x = 2 ou x = 0.

São os gráficos das funções que representam as equações


do item i) e iii) do exemplo anterior.

60
2.3.4 Modelos

Um modelo matemático é a descrição matemática de um fenômeno do mundo


real, por exemplo o custo de produção de um produto, a velocidade de uma particula em
movimento, a concentração de um produto em uma reação quı́mica, etc. Os modelos ser-
vem para entendermos o fenômeno e até mesmo fazer previsões sobre seu comportamento
futuro.

Em geral um modelo matemático nunca é uma representação completamente


precisa de uma situação fı́sica, é uma idealização. Um bom modelo simplifica a realidade
o bastante para fazermos cálculos matemáticos com precisão suficientemente significati-
vas.

Todas as funções podem ser usadas para modelar relações observadas no


mundo real, veremos a seguir situações em que o modelo descreve extamente o fenômemo
observado.

Algumas situações relacionadas a economia são o custo, a receita e o lucro.

O custo C(x), fornece o custo da produção de uma quantidade x de produto.


Vamos considerar o custo linear, tal custo é dividido em duas partes, o custo fixo que
incorre mesmo que nada seja produzido, e o custo variável que depende da quantidade
produzida.

Assim,
¨
CV custo variável
C(x) = CV + CF
CF custo fixo .
Exemplo 43. Uma padaria produz pães com um custo fixo de R$ 1000, 00 e cada pão é
fabricado com um custo de R$ 0, 02. Determine a função custo de produção.
Resolução: C(x) = 0, 02x + 1000

A função recita, R(x) fornece a renda obtida por uma empresa ao vender uma
determinada quantidade de produto. Assim,
¨
p é o preço por quantidade vendida
R(x) = px
x quantidade vendida .

61
Exemplo 44. Se a padaria do exemplo 43 vende cada pão a R$ 0, 10 qual é a função
receita. Determine ainda quantos pães serão necessário ser vendido para cubrir o custo.
Resolução: A recita é R(x) = px = 0, 10x

Para determinarmos a quantidade vendida para cubrir o custo igualamos as


funções custo e receita.

R(x) = C(x) ⇔ 0, 10x = 0, 02x + 1000 ⇔ 0, 08x = 1000 ⇔ x = 12500.

Portanto, se a padaria vender 12500 pães o custo será nulo. Se a venda for
maior que 12500 pães a padaria obtem lucro, caso contrário prejuizo.

A função lucro é a diferença entre a receita e o custo, L(x) = R(x) − C(x).

Exemplo 45. Determine a função lucro da padaria em relação aos exemplos 43 e 44.
Resolução Como C(x) = 0, 02x + 1000 e R(x) = 0, 10x vem,

L(x) = R(x) − C(x) = 0, 10x − 0, 02x − 1000 = 0, 08x − 1000

Função receita quadrática é quando o preço é alterado conforme a quantidade


de um produto ser adquirido por um grupo de consumidores num perı́odo de tempo, tal
função em economia é chamada demanda, a função demanda uma função decrescente
pois quanto maior o preço, menor é a quantidade a ser demandada.

Exemplo 46. Suponha que o preço dos pães na padaria esteja agora relacionado pela
equação p = 0, 12 − 0, 002x. Determine a função receita.
Resolução: R(x) = px = (0, 12 − 0, 002x)x = 0, 12x − 0, 002x2

A função lucro quadrático é a diferenção entre a receita quadrática e o custo


linear.

Exemplo 47. Considerando o custo dos pães dado pelo exemplo 43 e a receita dada pelo
exemplo 46. Determine a função lucro quadrático.
Resolução: L(x) = (0, 12x − 0, 002x2 ) − (0, 02x + 1000) = 0, 10x − 0, 002x2 − 1000.

62
Exemplo 48. Uma embalagem para presentes tem um volume de 20 cm3 . O compri-
mento da base tem 3 cm a menos que o dobro da largura. O material da base custa
R$ 5, 00 o centı́metro quadrado, ao passo que o material das laterais custa R$ 2, 00 o
centı́metro quadrado. A tampa tem um custo fixo de R$ 2, 00. Determine o custo total
para confecção desta caixa em função do comprimento.
Resolução: Pondo c = 2t + 3 o comprimento da caixa segue que a largura L = t + 3,
definamos por h a altura da caixa, medidas em centı́metros, portanto, a área da base é

Ab = c.L = (2t + 3)(t + 3).

Das quatro faces laterais duas tem a mesma área com arestas h e L e a outra
h e c, assim a área das faces laterais é

Af = 2hL + 2hc = 2h(t + 3) + 2h(2t + 3) = 2h(t + 3 + 2t + 3) = 2h(3t + 6) = 6h(t + 2).

Para eliminarmos a altura h da equação da área das faces usamos o volume


da caixa,

20 20
20 = V = hLc ⇐⇒ h = = .
Lc (t + 3)(2t + 3)

O custo taltal da embalagem é dado por C(t) = 5.Ab + 2.Af + 2, ou seja,

240(t + 2) 3
C(t) = 5(2t + 3)(t + 3) + + 2, ∀t > − ,
(t + 3)(2t + 3) 2

note que para t > − 32 o comprimento c é sempre positivo.

As funções podem ser divididas por partes, nosso próximo exemplo evidência
tal situação.

Exemplo 49. Uma pı́scina deve ser construida da seguinte forma, uma parte redonda
com um arco de 180 graus e a outra retangular. De uma ponta a outra terá 30 metros
de comprimento por 10 metros de largura, a parte redonda da pı́scina terá uma profun-
didade 50 centı́metros, que será a parte mais rasa da pı́scina. A outra ponta terá uma

63
profundidade de 1 metro por 7 metros de comprimento. A profundidade vai aumentando
até atingir 2 metros, esta parte mais funda está no centro da pı́scina, com 8 metros de
comprimento. Determine uma função que representa o volume da pı́scina em relação a
altura de água

Resolução: Vamos estabelecer o eixo x na base


funda da pı́scina e o eixo y passando pelo centro da pı́scina
numa das faces externa lateral da pı́scina. Como a base tem
8 metros de comprimento e o eixo imaginário y intercepta
o eixo x na origem (0, 0), segue que a inclinação do piso da
€ Š
3
pı́scina começa nos pontos (4, 0) e (−4, 0) até o ponto 10, 2

e (−8, 1), respectivamente. Localizado os pontos coordena-


dos principais podemos calcular o volume total da pı́scina que é dado por 365 + 6, 25π m3
e o volume conforme a variação da altura da água é dada pela função,


 120h se h ∈ [0; 1)
V (h) =  240 − 240(1, 5 − h) se h ∈ [1; 1, 5)

365 + 6, 25π − (250 + 12, 5π)(2 − h) se h ∈ [1, 5; 2]

Exemplo 50. Uma caixa sem tampa deve ser construı́da de um pedaço retangular de
papelão com dimensões 14 cm por 22 cm. Para isso, devem-se cortar quadrados de lados
x de cada canto e depois dobrar. Expresse o volume V da caixa como função de x.
Resolução: Como será cortados quadrados de lados x de cada canto, então as arestas
da base serão dadas por 14 − 2x e 22 − 2x e a altura x, portanto o volume em função de
x é
V (x) = x(14 − 2x)(22 − 2x) = 2x(7 − x)(11 − x).

64
Exercı́cios


Exercı́cio 1. Resolva as inequações: b) B := {x ∈ R; −6 ≤ x < 2}
a) 5x + 6 < 2x + 9 b) 2x − 8 > 4x + 2 c) C := {x ∈ R; x > 0 e x2 < 2}
d) D := {x ∈ Q; x > 0 e x2 ≤ 2}
c) 2x + 2 ≥ 6x + 3 d) 1 − 6x ≥ 3 − 8x
Exercı́cio 6. Qual é o coeficiente angular da retas
e) x + 7 ≤ 9x − 1 f ) 7x + 6 ≤ 9x − 2 a) 3y + 6x − 3 = 0 b) 7y − 14x = 28
2x + 3 3 − 2x c) y = 6x − 3 d) −9y + 3x = 6
g) >2 h) > 2x
x+1 x+3
3x + 6 6x + 2 (x − 2)(x + 2) Exercı́cio 7. Determine uma equação de reta nor-
i) < j) <1
2x − 1 3x + 1 x mal as retas do exercı́cio 6 num ponto (x0 , y0 ) qual-
quer.
Exercı́cio 2. Encontre todos os valores para x,
para
√ os quais os números,
√ sejam reais.
√ Exercı́cio 8. Ache o valor de k tal que as retas
a) 8x − 16 b) x2 − 25 c) x2 + 5x − 3 de equação

Exercı́cio 3. Justifique se as afirmações são ver- 2kx + 6y = 4 e 3y − 2kx = −2


dadeiras ou falsas.
6x + 2 sejam perpendiculares.
a) 2 ≥ 6 se, e só se 6x + 2 ≥ 6(x2 + 3)
x +3
b) Para todo x ̸= 4 Exercı́cio 9. Ache uma equação de reta que sa-
x2 − x + 1 tisfaz
< 3 se, e só se x2 − x + 1 < 3(x2 − 16)
x2 − 16 a) A inclinação é 2 e passa pelo ponto (2, −3)
b) A inclinação é 3 e passa pelo ponto (4, 6)
Exercı́cio 4. Encontre o conjunto solução das c) Passa pelos pontos (4, 3) e (6, 5)
desigualdades. d) Passa pelo ponto (1, 4) e é paralela a reta de
a) |x + 2| ≥ 3 b) |x − 6| ≥ 8 c) |3x − 8| ≤ 6 equação 3x − 2y + 3 = 0
e) Passa pelo ponto (7, 2) e é perpendicular a reta
d) |8x + 6| > 5 e) |x − 10| < 1 f ) |7x − 3| > 2 de equação 2x − y + 6 = 0.
|6 − 4x| |6x − 10| |x2 + 2|
g) ≤ 1 h) > 3 i) >6 Exercı́cio 10. Determine uma equação de reta
|3x + 2| |3x + 8| |x − 1| normal as retas dos ı́tens ( a - e) do exercı́cio 9
j) |3x + 6| ≥ |2x − 1| l) |7x2 + 2| ≤ |6x2 + 16| nos pontos pelos quais as retas passam.

m) |x2 − 2| ≥ |6x − 3| n) |x2 + x + 1| < |8x + 1| Exercı́cio 11. Um retângulo tem um perı́metro de
30 metros. Expresse a área do retângulo como uma
o) |x − 3| + |x + 2| > 2 p) |x + 6| − |3x + 4| < 4 função do comprimento de um de seus lados.

Exercı́cio 12. Um retângulo tem uma área de 25


q) |2x − 3| + |x2 + 2| > x r) |x2 + 2| − |x − 1| > 4
(cm)2 . Expresse o perı́metro do retângulo como
Exercı́cio 5. Determine se os conjuntos possuem uma função do comprimento de um de seus lados.
mı́nimo, ı́nfimo, máximo e /ou supremo.
Exercı́cio 13. Um balão esférico com raio r cen-
a) A := {x ∈ R; 2 < x < 16}

65
tı́metros tem um volume V (r) = 34 πr3 . Encontre Exercı́cio 20. Determine o domı́nio e a imagem
uma função que represente a quantidade de ar ne- das funções. Verifique se f é injetora, sobrejetora
cessária para inflar o balão de um raio r até um sobre R e/ou uma bijeção. Em cada caso quando
raio de r + 3 centı́metros. possı́vel determine uma inversa para f : Df → R.
Faça um esboço do gráfico.
Exercı́cio 14. Uma caixa sem tampa deve ser 1 x+3
a) f (x) = b) f (x) = c) f (x) = x3
construı́da de um pedaço retangular de papelão com x x−2
dimensões de 18 cm por 26 cm. Para isso devem-se 2x
cortar quadrados de lados x de cada canto e depois d) f (x) = x2 − 2x e) f (x) = 6 +
x+8
dobrar. Expresse o volume V da caixa como uma x
função de x. f ) f (x) = 2 g) f (x) = 2x2 + 2x − 4
x −4
√ √
Exercı́cio 15. Um arame de 20 cm de compri- h) f (x) = x2 − 4 i) f (x) = x − 12
mento deve ser cortado em 2 pedaços, um dos quais √
será torcido de modo a formar um quadrado e ou- j) f (x) = |x2 + x − 2| l) f (x) = |x2 + x − 12|
tro a formar uma circunferência. De que modo
deverá ser cortado para que a soma das áreas m) f (x) = |x − 2| n) f (x) = −6x + 3
das regiões limitadas pelas figuras obtidas sejam
mı́nima. Exercı́cio 21. Verifique as seguintes identidades
trigonométricas.
Exercı́cio 16. Um cilindro circular reta está ins- a) tan2 (t) + 1 = sec2 (t) b) 1 + cot2 (t) = csc2 (t)
crito numa esfera de raio r dado. Expresse o vo-
tan(t1 ) + tan(t2 )
lume V do cilindro em função da altura h do ci- c) tan(t1 + t2 ) =
lindro. 1 − tan(t1 ). tan(t2 )
tan(t1 ) − tan(t2 )
d) tan(t1 − t2 ) =
Exercı́cio √17. Determine
√ o domı́nio das funções. 1 + tan(t1 ). tan(t2 )
x2 − 16 − x + 8 2 tan(t) ( ) sen(t)
a) f (x) = √ e) tan(2t) = f ) tan 2t =
2 x3 − 1 1 − tan (t)
2 1 + cos(t)
x2 + 3x − 2 ( ) 1 + cos(t) ( ) 1 − cos(t)
b) f (x) = g) cos2 2t = h) sen2 2t =
x2 − 4 2 2
√ √
c) f (x) = x2 − 9 + 3 3x − 8 1 − cos(2t) ( ) 1 − cos(t)
i) tan2 (t) = j) tan 2t =
1 + cos(2t) sen(t)
3x2 + 6 ( t+s ) ( t−s )
d) f (x) = − 2x + 1 l) sen(t) − sen(s) = 2 cos 2 sen 2
x2 − x − 2
√ ( t+s ) ( t−s )
x x 1
e) f (x) = f ) f (x) = √ + 2 m) cos(t) − cos(s) = −2sen 2 sen 2
x−2 3
3x − 27 x
2

Exercı́cio 22. Calcule os seguintes valores funci-


Exercı́cio 18. Com relação à função f dada. De-
onais para sen e cos nos pontos:
termine as raizes (caso existam), o valor máximo 3π 5π 5π π π 7π 3π 8π 2π 3π
ou o valor mı́nimo e estude o sinal. , , , , , , , , , .
8 12 6 16 24 12 4 15 5 10
a) f (x) = 2x2 + 4x − 3 b) f (x) = x2 − 9 E para os valores negativos desses pontos.
c) f (x) = −x + 3x − 2 d) f (x) = −2x2 − 4x − 4
2

e) f (x) = x2 + 6x + 9 f ) f (x) = −2x2 − 6x + 3, 5 Exercı́cio 23. Estude o sinal das funções sen e
cos no intervalo (−2π, 2π).
Exercı́cio 19. Determine o “maior” conjunto
A tal que Imf ⊂ Dg em seguida, construa a Exercı́cio 24. Faça uma estimativa com 3 casas
composta h(x) = g(f (x)). de aproximação para as funções. Esboce o gráfico
3 em cada caso. √
a) g(x) = e f : A → R, f (x) = x + 4
x+3 a) f (x) = 3x para x ∈ {−2, −1, 0, 1, 3, 2, π}

b) g(x) = x2 − 4 e f : A → R, f (x) = x2 √
b) f (x) = 2.3x para x ∈ {−2, −1, 0, 1, 3, 2, π}
6x 2x2 + 3 √
c) g(x) = e f : A → R, f (x) = c) f (x) = 2.3x + 2; x ∈ {−2, −1, 0, 1, 3, 2, π}
−9
x2 x−3
√ √
d) g(x) = x − x − 12 e f : A → R,
2
d) f (x) = −2.3x ; x ∈ {−2, −1, 0, 1, 3, 2, π}
f (x) = x2 − x − 6
66
Exercı́cio 25. Determine todas as possı́veis Exercı́cio 27. Determine as possı́veis raı́zes para
raı́zes para cada um dos polinômios. as funções.

i) p(x) = x5 + 17 4
4 x − 23 3
4 x − 74 2
4 x + 31x − 12 i) f (x) = 2 cos2 (x) + 3sen(x) − 3

ii) p(x) = 2x4 − 31 3


6 x + 23 2
12 x + 29
12 x − 7
6 ii) g(x) = cos(2x) + 4 cos(x) + 3

iii) p(x) = 9x4 − 30x3 + x2 + 34x + 10 iii) h(x) = tan(x) + cot(x) − 2

iv) p(x) = x3 + 3x2 − 3x − 5 iv) f (x) = sen2 (x) + cos(x) − 1

v) p(x) = 2x3 − 32 x2 − 83
4 x + 63
2 v) g(x) = cos(2x) + 2 cos(x) + 1
√ √
Exercı́cio 26. Dada as funções vi) h(x) = 3sen(x) + cos(x) − 3
 ‹
1 2 1
f (x) = n − x2 + (n2 − 1)x + (n + 5) vii) f (x) = sen(x) + cos(x) − 1
4 4
e viii) g(x) = sen(x) − cos(x) − 1
 ‹
1 2 1 Exercı́cio 28. Determine as possı́veis raı́zes para
g(x) = (n + 5)x2 + (−n2 + 1)x + n −
4 4 cada uma das funções abaixo.
i) Determine quais os valores de n para que a i) f (x) = 22x + 2.2x − 3
função f (x) tenha concavidade voltada para cima.
E quais os valores de n para que f (x) tenha ii) g(x) = 4.32x − 44.3x + 112
concavidade voltada para baixo.
iii) h(x) = 2.53x + 6.52x − 6.5x − 10
ii)Determine quais os valores de n para que
a função g(x) tenha concavidade voltada para
cima. E quais os valores de n para que g(x) tenha
concavidade voltada para baixo.

iii) Para quais valores de n a função f (x)


possui uma única raı́z real. Para quais valores de
n a função g(x) possui uma única raı́z real.

iv) Para quais valores de n a função f (x)


possui raı́zes reais distintas. Para quais valo-
res de n a função g(x) possui raı́zes reais distintas.

v) Para quais valores de n a função f (x)


não possui raı́zes reais. Para quais valores de n a
função g(x) não possui raı́zes reais.

vi) Determine o xv e yv para cada uma das


funções f (x) e g(x), dependendo do n. Determine
as condições sobre n para que xv seja um ponto
de máximo e/ou mı́nimo.

67
Capı́tulo 3

Limites e Continuidade de Funções Reais

3.1 Limites de Funções Reais

Inicialmente consideramos a seguinte função, e analisamos o seu gráfico.



 −x2 − 4x − 4 se x ∈ [−2, −1)
f (x) =  x 2
− + se x ∈ (−1, 2].
3 3

Podemos observar na figura 3.1 que, quanto


mais próximo de −1 tomamos x ∈ [−2, −1), ou seja,
quanto mais próximo de −1 à esquerda de −1 tomamos
um ponto x, mais próximo de −1 está o valor f (x). Por
outro lado, se x está sendo tomado próximo de −1, mas
Figura 3.1: Limite de Função a direita de −1, ou seja, x ∈ (−1, 2] então o valor f (x)
está mais próximo de 1.

Notamos então que o valor f (x) está se aproximando de valores distintos


mesmo quando x está se aproximando de −1, pela esquerda ou pela direita de −1. Se

 2
 x + 4x + 4 se x ∈ [−2, −1)
f (x) =  x 2
− + se x ∈ (−1, 2].
3 3
Nesta situação a função f (x) está se aproximando de 1
Figura 3.2: Limite de Função
quando x se aproxima de −1 por ambos os lados do ponto
−1. Note que −1 em ambos os casos, não está sendo considerado ponto de domı́nio de
f , mas se pode aproximar f (x) de um valor quando x se aproxima de −1.

68
É de se esperar que o limite quando existir seja um único valor L quando
aproximamos x a um ponto x0 , por qualquer que seja a direção, ou seja, a esquerda ou
a direita de x0 .

Quando isso ocorre escrevemos:

lim f (x) = L.
x→x0

Assim, no gráfico apresentado na figura 3.2 a função f (x) tem limite, pois
f (x) está próximo de 1 com x próximo de −1 por ambos os lados, por outro lado no
gráfico da figura 3.1, f (x) não tem limite.

Vamos formalizar a noção de limite matematicamente.

Definição 3.1. Seja f (x) definida em um intervalo aberto em torno de x0 , exceto talvez
em x0 . Dizemos que f (x) tem limite L quando x tende à x0 e escrevemos

lim f (x) = L
x→x0

se para cada ϵ > 0 existe um número δ > 0 tal que, para todos os valores de x satisfazendo

0 < |x − x0 | < δ implica |f (x) − L| < ϵ.

Teorema 3.2. Se lim f (x) = L1 e lim f (x) = L2 . Então L1 = L2


x→x0 x→x0

Vamos usar a definição para mostrar que o valor L das funções, nos exemplos
a seguir é o limite de f (x).

Exemplo 51. Mostre que o número L é o limite das funções f (x) dadas abaixo.
x2 − 4
a) lim (5x − 8) = −3, b) lim = 4, c) lim (x3 − x − 3) = 3.
x→1 x→2 x − 2 x→2

Resolução:
a) Devemos mostrar que dado ϵ > 0 existe δ > 0 tal que para todo x satisfazendo

0 < |x − 1| < δ implica |(5x − 8) − (−3)| < ϵ.

Inicialmente notemos que:

69
|(5x − 8) + 3| = |5x − 5| = |5(x − 1)|

= |5||x − 1| = 5|x − 1| < 5δ ≤ ϵ.

ϵ
Isso sugere que podemos tomar δ ≤ . Tomando
5
ϵ
δ = , segue para x ̸= 1 que
5
ϵ ϵ
0 < |x − 1| < δ = implica |(5x − 8) − (−3)| = 5|x − 1| < 5. = ϵ.
5 5
b) Devemos mostrar que dado ϵ > 0 existe δ > 0 tal que para todo x satisfazendo

x2 − 4

0 < |x − 2| < δ implica
x−2
− 4 < ϵ.

Inicialmente notemos que


x2 − 4 (x − 2)(x + 2)


x−2
− 4 =



− 4

x−2

= |x + 2 − 4| = |x − 2| < δ ≤ ϵ.

Isso sugere que podemos tomar δ ≤ ϵ. Tomando


δ = ϵ, segue para x ̸= 2 que

x2 − 4

0 < |x − 2| < δ = ϵ implica
x−2
− 4 = |x − 2| < δ = ϵ.

c) Devemos mostrar que dado ϵ > 0 existe δ > 0 tal que para todo x satisfazendo

0 < |x − 2| < δ implica |(x3 − x − 3) − 3| < ϵ.

Inicialmente, notemos que

|(x3 − x − 3) − 3| = |x3 − x − 6| = |(x2 + 2x + 3)(x − 2)| = |x2 + 2x + 3||x − 2|.

Neste instante, suponhamos por um momento que δ = 1, então |x − 2| < 1,


tem-se 1 < x < 3, logo podemos concluir que para x nesse intervalo, que

|x2 + 2x + 3| ≤ |9 + 6 + 3| = 18.

70
Logo,

|(x3 − x − 3) − 3| = |x2 + 2x + 3||x − 2| ≤ 18|x − 2| < 18δ ≤ ϵ.

ϵ
Isso sugere que podemos tomar δ ≤ . Notemos
18
ϵ
ainda que de δ = 1 e δ ≤ , segue que δ deve ser dado por
18
§
Majorar função quadrática ϵ ª
δ = min ,1 .
18

Em verdade qualquer valor δ no intervalo dado


abaixo satisfaz a definição
 §
ϵ ª˜
δ ∈ 0, min ,1 .
18
Figura 3.3: Gráfico limite
Observe no gráfico 3.3 que fizemos um pequeno intervalo em torno do ponto
x = 2, e esse intervalo gerou um intervalo em torno de y = 3, contudo a variação
em torno de y = 3 não é suficientemente pequena de modo que se possa afirmar que
y = 3 seja o limite de f (x). Neste sentido fica claro a definição que devemos tomar uma
pequena variação em torno do ponto limite, para então determinarmos a variação no
ponto aderente.

1
Exemplo 52. Mostre que o número dado é o limite da função. lim3 = −4
x→ 2 (x − 1)(x − 2)

Resolução: Devemos mostrar que dado ϵ > 0 existe δ > 0 tal que

3 1


0 < x − < δ implica − (−4) < ϵ
2 (x − 1)(x − 2)

Inicialmente notemos que



1 1 + 4(x − 1)(x − 2) 4x2 − 12x + 9 (2x − 3)2

+ 4 = = =
(x − 1)(x − 2) (x − 1)(x − 2) (x − 1)(x − 2) (x − 1)(x − 2)

€ Š
2(2x − 3) € Š
2(2x − 3) x − 32 3
= = x − ⋆
(x − 1)(x − 2)
(x − 1)(x − 2) 2

71

2(2x − 3)

Devemos majorar a função f (x) = ,
(x − 1)(x − 2)
num intervalo contendo o ponto x0 = 32 , note ainda que f (x0 ) =
0. Para isso escolhemos o intervalo aberto I = (1, 2) tal que
x0 ∈ I e determinemos os valores de x ∈ I para os quais

2(2x − 3)

f (x) = <3
(x − 1)(x − 2)
Majorar função f (x)
2(2x − 3)
ou seja, −3 < < 3, temos então que resolver as
(x − 1)(x − 2)
seguintes desigualdades
2(2x − 3) 2(2x − 3)
−3 < e <3
(x − 1)(x − 2) (x − 1)(x − 2)
2(2x − 3) 3x2 − 5x x(3x − 5)
0< +3= =
(x − 1)(x − 2) (x − 1)(x − 2) (x − 1)(x − 2)
e
Figura 3.4: Gráfico limite
2(2x − 3) −3x2 + 13x − 9 (x − 3)(4 − 3x)
0> −3= =
(x − 1)(x − 2) (x − 1)(x − 2) (x − 1)(x − 2)
€ Š
A solução para primeira desigualdade é x ∈ (−∞, 0) ∪ 1, 5
3
∪ (2, ∞), a
€ Š
segunda tem solução x ∈ (−∞, 1) ∪ 4
3
, 2 ∪ (3, ∞), ainda da condição de x ∈ I = (1, 2),
€ Š
4 5
concluı́mos que o intervalo procurado é dado por ,
3 3
.

Consideramos inicialmente δ = 16 , como x − 32 < δ = 16 , isto é, 4
3
< x < 53 ,
e como vimos a função f (x) é menor que y = 3 para todo x neste intervalo. Voltemos
agora em ⋆.
Œ ‚ Œ
1 2(2x − 3) ‚ 3 3

+ 4 = x − < 3 x − < 3δ ≤ ϵ
(x − 1)(x − 2) (x − 1)(x − 2) 2 2
¦ © € ¦ ©—
Portanto, δ = min 1 ϵ
,
6 3
, contudo qualquer δ ∈ 0, min 1 ϵ
,
6 3
comprova a
veracidade do limite.

3.2 Continuidade de Funções Reais

No inı́cio do estudo de limites analisamos dois gráficos. Voltando aqueles


gráficos e definindo f no ponto −1 em um dos dois intervalos, veremos que no gráfico

72
3.1 existe uma ruptura no ponto −1, ou seja, uma quebra no desenho do gráfico de f (x).
Temos neste caso que a função não segue de maneira contı́nua, ou seja, ela dá um salto.
No gráfico 3.2, isso não ocorre, pois como vemos f (−1) = 1 e, portanto, a função segue
sem dar salto, ou seja, de maneira contı́nua. Caso no gráfico 3.2 definı́ssemos f (−1) = 2,
novamente terı́amos um salto, contudo, neste caso o salto pode ser removido definindo
f (−1) = 1.

Definição 3.3. Uma função f : I → R, I ⊂ R é dita ser contı́nua no ponto x0 ∈ I, se


para todo ϵ > 0 existe δ > 0 tal que

|x − x0 | < δ implica |f (x) − f (x0 )| < ϵ.

em sı́mbolos, a definição acima é escrita como:

∀ ϵ>0 ∃ δ > 0; x ∈ I, |x − x0 | < δ ⇒ |f (x) − f (x0 )| < ϵ.

Exemplo 53. As funções trigonométricas cos e sen são contı́nuas em R.


€ Š
Resolução: Por definição para todo x ∈ 0, π
2
, temos 0 < sen(x) < x.

Para mostrarmos a continuidade de sen num ponto x0 , devemos mostrar que


dado ϵ > 0 existe δ > 0, tal que para todo x satisfazendo

|x − x0 | < δ então |sen(x) − sen(x0 )| < ϵ.


Note que, x−x
2
0
< |x − x0 | < δ = π2 , temos
€ Š € Š € Š € Š
|sen(x) − sen(x0 )| = 2sen x−x
2
0
cos x+x0
2
= 2
sen x−x0
2
cos x+x0
2

€ Š
≤ 2 sen x−x0
2

< 2 x−x
2
0
= |x − x0 | < δ ≤ ϵ.

¦ ©
π
Portanto, tomando δ = min ϵ, 2
, a continuidade está provada.

A continuidade de cos, temos


€ Š € Š € Š € Š
| cos(x) − cos(x0 )| = |sen x + π
2
− sen x0 + π
2
| = 2sen x−x0
2
cos x+x0 +π
2

€ Š € Š € Š
= 2 sen x−x0
2
cos x+x0 +π
2

≤ 2 sen x−x
2
0
< 2 x−x0
2

= |x − x0 | < δ ≤ ϵ.

73
¦ ©
π
Portanto, tomando δ = min ϵ, 2
, a continuidade está provada.

Exemplo 54. A função exponencial é contı́nua, ou seja, f (x) = ax para a > 0 e a ̸= 1.


Resolução: Lembre-se que dado p um número real existem r e s racionais tal que
r < p < s.

Portanto, para todo ϵ > 0 e para todo x ∈ (r, s), temos

|f (x) − f (p)| < ar − as < ϵ.

Exemplo 55. Mostre que a função f (x) = xn é contı́nua.


Resolução: Note que

(xn − an ) = (x − a)(xn−1 + xn−2 a + xn−3 a2 + · · · + x2 an−3 + xan−2 + an−1 ).

Portanto, para todo ϵ > 0 devemos mostrar que existe δ > 0 tal que para todo
x satisfazendo

|x − a| < δ implica |xn − an | < ϵ.

De fato, Tome δ ≤ a se a > 0 ou δ ≤ −a se a < 0, assim 0 < x < 2a ou


−2a < x < 0. No primeiro caso, temos

|xn − an | = (x − a)(xn−1 + xn−2 a + xn−3 a2 + · · · + x2 an−3 + xan−2 + an−1 )

= |(x − a)| xn−1 + xn−2 a + xn−3 a2 + · · · + x2 an−3 + xan−2 + an−1
• ˜
≤ |(x − a)| |xn−1 | + |xn−2 a| + |xn−3 a2 | + · · · + |x2 an−3 | + |xan−2 | + |an−1 |

• ˜
< |(x − a)| 2n−1 an−1 + 2n−2 an−1 + 2n−3 an−1 + · · · + 22 an−1 + 2an−1 + an−1

= |(x − a)|(2n − 1)an−1 < (2n − 1)an−1 δ ≤ ϵ.

Basta tomar
¨ «
ϵ
δ = min a, n
(2 − 1)an−1
para o caso em que a > 0 ou
¨ «
ϵ
δ = min −a, n
(2 − 1)|a|n−1
para o caso em que a < 0. O que mostra o desejado.

74

Exemplo 56. Mostre que a função f (x) = n
x é contı́nua para todo x ≥ 0
Resolução: Note que
( )( )
 ‹ 1
xn − an
1 n−1 n−2 1 n−3 2
an + · · · + xn a
2 n−3 1 n−2 n−1
√ √ x n +x n an + x n n + xn a n +a n
n
x− na = ( n−1 n−2 1 n−3 2 2 n−3 1 n−2 n−1
)
x n +x n an + x n an + · · · + xn a n + xn a n +a n

x−a
= ( n−1 n−2 1 n−3 2 2 n−3 1 n−2 n−1
)
x n +x n a +x n n a + · · · + xn a
n n + xn a n +a n .

Portanto, para todo ϵ > 0 devemos mostrar que existe δ > 0 tal que para todo
x satisfazendo

√ √
|x − a| < δ implica | n x − n a| < ϵ.

De fato, Tome δ ≤ a, assim 0 < x < 2a e, consideramos a seguinte função,


n−1 n−2 1 n−3 2 2 n−3 1 n−2 n−1
ψ(x) = x n +x n an + x n an + · · · + xn a n + xn a n +a n .

Portanto,


√ √ x−a
( )
| n x − n a| = n−1 n−1
x n + x n−2 1 n−3 2 2
a + ··· + x a
n−3 1 n−2

n a +x
n n n n n +x a
n n +a n



( 1
)
= |x − a| n−1 n−1
x n + x n an + x n an + · · · + xn a n + xn a n + a n
n−2 1 n−3 2 2 n−3 1 n−2


1
1 1
= |x − a| < |x − a| n−1 < δ n−1 ≤ ϵ.
ψ(x) a n a n

Note que, para todo 0 < x < 2a


n−1 n−1
< |ψ(x)| < 2 n a n + 2 n a n + 2 n a n + · · · + 2 n a n + 2 n a n + a n
n−1 n−2 n−1 n−3 n−1 2 n−1 1 n−1 n−1
a n

n−1 2 n1 − 1 n−1 1
n
+ 2 n + 2 n + · · · + 2 n + 2 n + 1 1
n−2 n−3 2 1 n−1
= 2 a n = 1 a n .
2n − 1 2 −1n

{ n−1
}
Basta tomar δ = min a, a n ϵ e a continuidade está provada.

Exercı́cio 29. Mostre que a função f (x) = n
x é contı́nua para todo x ∈ R se n é um
número natural ı́mpar.

75
Teorema 3.4. Se f e g forem funções contı́nuas em um número x0 , então
i) f + g será contı́nua em x0 ii) f − g será contı́nua em x0
iii) f.g será contı́nua em x0 iv) f /g = f
g
será contı́nua em x0 , desde que g(x0 ) ̸= 0.

Segue do resultado acima que as funções polinomiais são contı́nuas, as funções


racionais são contı́nuas, as funções trigonométricas tan, sec e csc são contı́nuas.

O próximo resultado nos ensina uma maneira muito fácil para o cálculo do
limite.

Teorema 3.5. Uma função é contı́nua no ponto x0 se, e somente se as seguintes


condições forem satisfeitas:
i) f (x0 ) existe ii) lim f (x) existe iii) lim f (x) = f (x0 ).
x→x0 x→x0

Logo, se uma ou mais de uma das três condições não forem verificadas a
função é não contı́nua e, então dizemos que f é descontı́nua no ponto x0 .

Ainda segue do teorema acima, se uma função f for contı́nua no ponto x0 e


se queira calcular o limite de f (x) quando x tende à x0 , basta substituir x por x0 em f
e calcular seu valor f (x0 ).

Nosso próximo resultado garante o cálculo do limite entre composição de duas


funções.

Teorema 3.6. Se lim g(x) = b e se a função f for contı́nua em b, então


x→x0

lim (f ◦ g)(x) = f (b)


x→x0

ou, equivalentemente,
 ‹
lim f (g(x)) = lim f (u) = f lim g(x) .
x→x0 u→b x→x0

Nosso próximo exemplo, usará o resultado precedente.

Exemplo 57. Calcule o limite abaixo


lim sen(x3 − 4x)
x→3

76
Resolução: Pondo g(x) = x3 − 4x e f (x) = sen(x), temos

lim g(x) = lim (x3 − 4x) = 33 − 4.3 = 15.


x→3 x→3

A função f (x) = sen(x) é contı́nua em x = 15, segue do teorema acima que


 ‹  ‹
lim sen(x − 4x) = lim f (g(x)) = f lim g(x) = sen lim (x − 4x) = sen(15).
3 3
x→3 x→3 x→3 x→3

Dizemos que uma função f é contı́nua em um intervalo I, quando ela é


contı́nua em cada ponto do intervalo.

Exemplo 58. Sejam f e g definidas em R, dadas por




 x+2 se x ̸= 2
f (x) = 2 e g(x) = 

5 se x = 2.

Mostre que lim g(f (x)) ̸= lim g(u).


x→x0 u→2
Resolução: Seja h(x) = g(f (x)) = g(2) = 5 para todo x em R. Ainda,

lim f (x) = 2 e lim g(u) = 4.


x→x0 u→2

Portanto,

lim g(f (x)) = lim h(x) = 5 ̸= 4 = lim g(u).


x→x0 x→x0 u→2

Exemplo 59. Sejam f e g definidas em R, dadas por




 x+2 se x ̸= 2
f (x) = 3x − 1 e g(x) = 

5 se x = 2.

Mostre que lim g(f (x)) = lim g(u).


x→1 u→2
Resolução: Seja


 3x + 1 se x ̸= 1
h(x) = g(f (x)) = g(3x − 1) = 

5 se x = 1.
para todo x em R. Ainda,

lim f (x) = 2 e lim g(u) = 4.


x→1 u→2

77
Portanto,

lim g(f (x)) = lim h(x) = 4 = lim g(u).


x→1 x→1 u→2

Teorema 3.7. (Teorema do Valor Intermediário) Se a função f é contı́nua no intervalo


fechado [x0 , x2 ], e se f (x0 ) ̸= f (x2 ), então para todo número k entre f (x0 ) e f (x2 )
existirá um número x1 entre x0 e x2 tal que f (x1 ) = k.

O teorema acima tem uma infinidade de aplicações, uma delas será vista no
exemplo a seguir.

Exemplo 60. Consideramos o polinômio

p(x) = x3 + x − 9,

então existe um número x1 ∈ R tal que p(x1 ) = 0.


Resolução: O polinômio p(x) é contı́nuo em toda a reta, notemos ainda que

p(1) = 13 + 1 − 9 = 1 + 1 − 9 = −7 e p(2) = 23 + 2 − 9 = 8 + 2 − 9 = 1.

Pelo Teorema do valor intermediário para todo número k onde k ∈ (p(1), p(2)) =
(−7, 1) existe x1 ∈ (1, 2), de modo que p(x1 ) = k. Note ainda que 0 = k ∈ (−7, 1), logo
p(x1 ) = 0.

Exemplo 61. Consideramos o polinômio

p(x) = −2x3 − 3x + 18,

então existe um número x1 ∈ R tal que p(x1 ) = 0.


Resolução: O polinômio p(x) é contı́nuo em toda a reta, notemos ainda que

p(1) = −2.13 −3.1+18 = −2−3+18 = 13 e p(2) = −2.23 −3.2+18 = −16−6+18 = −4.

Pelo Teorema do valor intermediário para todo número k onde k ∈ (p(2), p(1)) =
(−4, 13) existe x1 ∈ (1, 2), de modo que p(x1 ) = k. Note ainda que 0 = k ∈ (−4, 13),
logo p(x1 ) = 0.

78
3.3 Cálculo do Limite

Vamos enunciar um teorema, o qual nos será útil para obtenção do limite de
funções.

Teorema 3.8. (Regras de Limites) Se L, M , c e k são números reais e

lim f (x) = L e lim g(x) = M,


x→c x→c

então
a) lim[f (x) ± g(x)] = L ± M = lim f (x) ± lim g(x)
x→c x→c x→c

b) lim[f (x).g(x)] = L.M = lim f (x). lim g(x)


x→c x→c x→c

c) lim[kf (x)] = kL = k lim f (x)


x→c x→c
™
– lim f (x)
f (x) L
̸ 0 então lim
d) Se M = = = x→c
x→c g(x) M lim g(x)
x→c
r r
[ ]r
e) Se r, s são inteiros e s ̸= 0, então lim[f (x)] s = L s = lim f (x) s .
x→c x→c

Exemplo 62. Sejam k e x0 um número real qualquer. Mostre que


a) lim k = k b) lim x = x0
x→x0 x→x0

Resolução:
a) Devemos mostrar que dado ϵ > 0 existe δ > 0 tal que para todo x satisfazendo

0 < |x − x0 | < δ então 0 = |k − k| = |f (x) − k| < ϵ.

Observe que, qualquer δ satisfaz a condição.


b) Devemos mostrar que dado ϵ > 0 existe δ > 0 tal que para todo x satisfazendo

0 < |x − x0 | < δ então |x − x0 | = |f (x) − x0 | < ϵ.

Observe que, δ = ϵ satisfaz a condição.

O que era de se esperar uma vez que essas funções são contı́nuas.

Já sabemos que os polinômios são contı́nuos, então

lim (a0 + a1 x + a2 x2 + · · · + an xn ) = a0 + a1 x0 + a2 x20 + · · · + an xn0 .


x→x0

79
Exemplo 63. Calcule os limites abaixo √
x5 − 3x + 8 √ x+2
a)lim (x3 − x + 3) b) lim c) lim x3 + 6x − 4 d) lim 2
x→2 x→3 x2 − 6 x→1 x→0 x − 1
Resolução Segue pelas regras de cálculo de limites que,
a) lim (x3 − x + 3) = 23 − 2 + 3 = 9.
x→2
b) Note que,

lim (x5 − 3x + 8) = 35 − 3.3 + 8 = 242 e lim (x2 − 6) = 32 − 6 = 3,


x→3 x→3

x5 − 3x + 8 242
e pela regra do quociente lim =
x→3 x −6
2 3 √ √
c) lim (x3 + 6x − 4) = 13 + 6.1 − 4 = 3, da regra do expoente lim x3 + 6x − 4 = 3
x→1 x→1
d) lim (x + 2) = 2, lim (x − 1) = −1, da regra do expoente seguida do quociente temos
2

x→0 x→0
x+2 √
lim = − 2.
x→0 x2 − 1

Exemplo 64. Calcule os limites


√ abaixo:

x +x−2
2
2+x− 2
a)lim b) lim .
x→1 x2 − x x→0 x
Resolução: Para que posemos aplicar a regra do quociente o lim (x2 −x) ̸= 0 e lim x ̸= 0,
x→1 x→0
o que não é verdade, contudo o limite do numerador também é zero, então existe um
fator em comum que permite fatorar a expressão, vejamos:

x2 + x − 2 (x − 1)(x + 2) x+2
a) lim = lim = lim = 3.
x→1 x −x
2 x→1 x(x − 1) x→1 x
b) √ €√ √ Š €√ √ Š

2+x− 2 2+x− 2 2+x+ 2 x
lim = lim €√ √ Š = lim €√ √ Š
x→0 x x→0 x 2+x+ 2 x→0 x 2+x+ 2

1 1
= lim √ √ = √
x→0 2+x+ 2 2 2

Muitas vezes não é possı́vel calcular o limite diretamente de uma determinada


função f , contudo, sabendo que esta função é minorado por uma função g e majorada
por uma função h, podemos sob certas condições calcular o limite num ponto x0 para f .
O teorema a seguir garante quando isso é possı́vel.

Teorema 3.9. Suponhamos que g(x) ≤ f (x) ≤ h(x) para qualquer x em um intervalo

80
aberto contendo x0 , exceto possivelmente em x = x0 . Suponha também que

lim g(x) = L = lim h(x),


x→x0 x→x0

então
lim f (x) = L.
x→x0

A função logarı́tmica f (x) = ln(x) será apresentada


mais adiante, contudo faremos uso dela no exemplo a seguir.

Neste exemplo ilustraremos como o teorema do con-


fronto pode ser utilizado.

Exemplo 65. Calcule o seguinte limite lim x2 ln(x2 ).


x→0

Resolução: Notemos que −|x| < x2 ln(x2 ) < x4


Figura 3.5: T. Confronto para todo x ∈ (−1, 0) ∪ (0, 1).

De fato, note que x4 é positivo para todo x ∈ (−1, 0) ∪ (0, 1), ainda x2 ln(x2 )
é negativo para todo x ∈ (−1, 0) ∪ (0, 1). Segue daı́ que x2 ln(x2 ) < 0 ≤ x4 para todo
x ∈ (−1, 0) ∪ (0, 1).

Vamos mostrar agora que −|x| < x2 ln(x2 ) so-


mente para x ∈ (0, 1). Queremos mostrar que


 x < x2 ln(x2 ) ∀ x ∈ (−1, 0)
−|x| < x ln(x ) ⇒ 
2 2

−x < x2 ln(x2 ) ∀ x ∈ (0, 1).

Vamos mostrar que −x < x2 ln(x2 ) para todo


x ∈ (0, 1), ou seja,
Figura 3.6: T. Confronto

1
− < ln(x2 ) ∀ x ∈ (0, 1).
x
€ Š
De fato, dado x0 ∈ 0, 1
2
então 2x0 − 1 < 0 e, consideremos as retas

2x x 2
r1 (x) = − 2 + ln(x20 ) e r2 (x) = − .
x0 x20 x0

81
A reta r1 (x) intercepta (na verdade tangencia) a curva ln(x2 ) e a reta r2 (x)
intercepta ( na verdade tangencia) a curva − x1 no ponto x0 (Verifique!).

As retas r1 (x) e r2 (x) interceptam num ponto x1 maior que x0 se, e somente
se − x10 < ln(x20 ).

Com efeito, r1 (x) = r2 (x), isto é, 2x


x0
− 2 + ln(x20 ) = x
x20
− 2
x0
se, e somente se
2x20 −2x0 −x20 ln(x20 )
x= 2x0 −1
= x1 o ponto de intersecção.
2x20 −2x0 −x20 ln(x20 )
Se x1 > x0 então x0 < 2x0 −1
, ou seja,
2x20 − 2x0 − x20 ln(x20 ) −2x20 + x0 + 2x20 − 2x0 − x20 ln(x20 )
0 < −x0 + =
2x0 − 1 2x0 − 1

−x0 − x20 ln(x20 ) x0 (−1 − x0 ln(x20 ))


= = .
2x0 − 1 2x0 − 1

Como 2x0 − 1 < 0 e x0 > 0 implica que −1 − x0 ln(x20 ) < 0 se, e somente se
1
− < ln(x20 ).
x0

Ainda, r2 (x) < r1 (x) para todo x ∈ (−∞, x1 )


€ Š
Dado x0 ∈ 1
2
, 1 e considerando as retas r1 (x) e r2 (x). Tais retas se inter-
ceptam num ponto x1 menor que x0 (x1 < x0 ) se, e somente se − x10 < ln(x20 ). Ainda
r2 (x) < r1 (x) para todo x ∈ (x1 , +∞). Os argumentos são análogos.

O outro lado da desigualdade fica a cargo do leitor, observe a paridade das


funções.

Pelo Teorema 3.9, temos

lim x2 ln(x2 ) = 0.
x→0

Vamos agora calcular um limite trigonométrico, a esse limite da-se o nome de


limite trigonométrico fundamental.

Exemplo 66. Calcular o seguinte limite


sen(θ)
lim .
θ→0 θ

82
Resolução: Vamos usar uma intuição geométrica, embora não seja ne-
cessário.
1
Seja o triângulo ∆OAP tem área AT1 = sen(θ)
2
π
com 0 < θ < .
2

Observe que a região circular de arco AP tem
θ π
área AC = com 0 < θ < .
2 2
Temos ainda que o triângulo ∆OAT tem área
1 π
AT2 = tg(θ) com 0 < θ < .
2 2
sen(θ) θ tg(θ)
Segue disso que < < , ou seja,
2 2 2
Figura 3.7: Limite Fundamental

Trigonométrico

θ 1 sen(θ)
1< < implicando em cos(θ) < < 1.
sen(θ) cos(θ) θ

Usando o Teorema do Confronto uma vez que lim cos(θ) = 1 segue que
θ→0

sen(θ)
= 1. lim+
θ→0 θ
π π
Se − < θ < 0 então 0 < −θ < , e do fato que sen(−θ) = −sen(θ) e
2 2
cos(−θ) = cos(θ), segue que
sen(−θ) sen(θ)
cos(−θ) < < 1 então cos(θ) < < 1.
−θ θ
sen(θ)
E do que já foi visto temos lim− = 1.
x→0 θ
Portanto, como os limites laterais existem e são iguais segue que
sen(θ)
= 1. lim
θ→0 θ
1 − cos(x)
Exemplo 67. Calcule o limite lim
x→0 x2
Resolução: Usaremos neste exemplo o limite trigonométrico fundamental.
–‚ Œ ‚ Œ™
1 − cos(x) 1 − cos(x) 1 + cos(x) 1 − cos2 (x)
lim = lim . = lim
x→0 x2 x→0 x2 1 + cos(x) x→0 x2 (1 + cos(x))

sen2 (x) sen(x) sen(x) 1 1


= lim 2
= lim . . =
x→0 x (1 + cos(x)) x→0 x x (1 + cos(x)) 2

83
Teorema 3.10. Seja f uma função tal que

lim f (x) = L se, e somente se lim f (t + x0 ) = L


x→x0 t→0

sen(2x)
Exemplo 68. Calcule o limite limπ
x→ 2 x −
π
2
Resolução: Iremos usar o limite trigonométrico fundamental, contudo x deve tender a
zero, usando o teorema acima, temos
€ € ŠŠ € € ŠŠ
sen(2x) sen 2 t + π2 sen 2 t + π
−sen(2t)
limπ = lim € Š = lim 2
= lim
x→ 2 x − t + π2 − π2
π
2
t→0 t→0 t t→0 t

−2sen(t) cos(t) sen(t) cos(t)


= lim = −2 lim = −2
t→0 t t→0 t
Exercı́cio 30. Calcule os seguintes limites onde k e c são constantes não nulas.

x − sen(x) sen(kx) sen(x) − x tan(kx)


a) lim b) lim c) lim d) lim
x→0 x + sen(x) x→0 sen(cx) x→0 x x→0 tan(cx)

Exemplo 69. Calcule os seguintes limites.


i) lim (x2 − 9) ln(| − x2 + 9|) ii) lim (x − 2) ln(|x − 2|).
x→3 x→2
Resolução: Para o item i)

lim (x2 − 9) ln(| − x2 + 9|) = lim(9 − t2 − 9) ln(|t2 |) = − lim t2 . ln(t2 ) = 0


x→3 t→0 t→0

Para o item ii)

lim (x − 2) ln(|x − 2|) = lim(t2 + 2 − 2) ln(|t2 + 2 − 2|) = lim t2 ln(t2 ) = 0


x→2 t→0 t→0

3.4 Limites Laterais

A definição de limite consiste em aproximar x de x0 por ambos os lados de


x0 e os valores de f (x) devem aproximar de L. Por isso esse valor comum de L é dito
limite bilateral. Como já vimos no gráfico 3.1, podem existir limites distintos, quando x
se aproxima de −1 por um lado e pelo outro, quando isso ocorre definamos.

84
Definição 3.11. Seja f (x) definida em todos os números de algum intervalo aberto
(x1 , x2 ). Então, o limite de f (x) quando x tende a x1 pela direita é L e, escrevemos

lim f (x) = L
x→x+
1

se, para todo ϵ > 0, existir um δ > 0 tal que se

0 < x − x1 < δ então |f (x) − L| < ϵ.

De maneira análoga definamos.

Definição 3.12. Seja f (x) definida em todos os números de algum intervalo aberto
(x0 , x1 ). Então, o limite de f (x) quando x tende a x1 pela esquerda é L e, escrevemos

lim f (x) = L
x→x−
1

se, para todo ϵ > 0, existir um δ > 0 tal que se

0 < x1 − x < δ então |f (x) − L| < ϵ.

Exemplo 70. Seja F uma função definida por


¨
|x − 3| se x ̸= 3
F (x) =
2 se x = 3
Verifique se F (x) é contı́nua em x = 3.
Resolução:

Inicialmente, notemos que F (3) = 2, logo F (3) existe.

Vamos agora calcular o limite de F (x) quando x tende a 3, para isso calcu-
lamos os limites laterais de F (x).

lim F (x) = lim− (−x + 3) = 0 e lim+ F (x) = lim+ (x − 3) = 0,


x→3− x→3 x→3 x→3

portanto, lim F (x) = 0. Contudo a última condição do teorema não é verificada, posto
x→3
que
lim F (x) = 0 ̸= 2 = F (3).
x→3

Notemos ainda que, a descontinuidade é removı́vel, bastando para isso definir


F (3) = 0.

85
Exemplo 71. Calcule os limites abaixo.
x x
a) lim+ e b) lim− .
x→0 |x| x→0 |x|
Resolução:
x
Se x → 0+ temos que x > 0 então |x| = x, consequentemente, = 1 e, portanto
|x|
x
lim+ = lim 1 = 1.
x→0 |x| x→0+
x
Se x → 0− temos que x < 0 então |x| = −x, consequentemente, = −1 e, portanto
|x|
x
lim− = lim −1 = −1.
x→0 |x| x→0+

Teorema 3.13. Se lim f (x) existe e é igual a L se, e somente se lim− f (x) e lim+ f (x)
x→x0 x→x0 x→x0
existirem e forem iguais a L

x
Segue do Teorema acima que lim não existe, posto que, os limites laterais
x→0 |x|
existem e são distintos.

Exemplo 72. Seja f uma função definida por


 2

 x −9

 se x ∈ [−1, 3)
f (x) =  x−3



2x − 3 se x ∈ [3, 4].

Diga se o limite de f quando x → 3 existe. Justifique sua resposta.

Resolução: Se x → 3+ temos que x > 3 e, por-


tanto, lim+ f (x) = lim+ 2x − 3 = 2.3 − 3 = 3.
x→3 x→3

Se x → 3− temos que x < 3 consequentemente,


x2 − 9 (x + 3)(x − 3)
lim− f (x) = lim− = lim−
x→3 x→3 x−3 x→3 x−3

= lim x + 3 = 3 + 3 = 6.
x→3−

Logo, lim f (x) não existe, os limites laterais exis-


x→3
tem e são distintos. Segue que f não é contı́nua, tal desconti-
Figura 3.8: Gráfico de f (x)
nuidade não é removı́vel, note o gráfico na figura 3.8.

86
Exemplo 73. Determine um intervalo [a, b] para o qual exista um ponto c ∈ (a, b), tais
que as funções f (x) e g(x) sejam iguais neste ponto.

Sejam f (x) = tg(4x) e g(x) = 4x. Condição, c não nulo, ou seja, c ̸= 0.


Resolução: Seja f (x) = tg(4x), g(x) = 4x e, observe que

sen(4x) sen(4x)
lim − tg(4x) = lim − = +∞ e lim tg(4x) = lim = −∞.
x→ 3π
8
x→ 3π
8
cos(4x) π+
x→ 8 π+
x→ 8 cos(4x)

Donde

lim − [tg(4x) − 4x] = +∞ e lim


π+
[tg(4x) − 4x] = −∞.
x→ 3π
8
x→ 8

– ™
π 3π
Como h(x) = tg(4x) − 4x é contı́nua no intervalo + ϵ, − ϵ , para ϵ > 0
8 8
suficientemente pequeno, então pelo Teorema do valor intermediário existe um número
‚ Œ
π 3π
c∈ + ϵ, − ϵ tal que h(c) = 0. Por outro lado para x = 5π
16
, temos que
8 8
‚ Œ ‚ Œ ‚ Œ
5π 5π 5π 5π
tg 4 = tg = 1, ou seja, h =1− < 0.
16 4 16 4
– ™
5π 3π
Portanto, para ϵ > 0 suficientemente pequeno, escolhemos o intervalo I = , −ϵ .
16 8
‚ Œ
5π 3π
Donde existe c ∈ , − ϵ , tal que h(c) = 0, ou seja, tg(4c) = 4c.
16 8
– ™
6π 13π
Para maior precisão pode-se determinar um intervalo I = , , é fácil
20 36
€ Š € Š 6π € Š € Š 13π
ver que h 6π
26
= tg 4 6π
20
− ≈ −3 < 0 e que h 13π
36
= tg 4 13π
36
− ≈ 1, 13 > 0.
5 9

Observe a figura 3.9 para concluir o exem-


plo a seguir.

Exemplo 74. Seja a função f definida por


 4

 x + 2x3 + 8
se x ∈ [−2, −1)

 3





 x = −1

 3 se
f (x) =  € Š

 x5 −4

 x2 −4
se x ∈ −1, 3


2



 € —

2x − 283
56
se x∈ 3
2
, 3 .
Figura 3.9: Gráfico de f (x)

87
i) Existe limite para f se x aproxima-se de −1?
ii) A função f é contı́nua em x = −1? Em caso negativo a descontinuidade é removı́vel?
iii) Existe limite quando x se aproxima de 23 ? A função é contı́nua neste ponto?

5
Resolução: Para o item i) o limite existe, lim f (x) = . Para o item ii) A
x→−1 3
função não é contı́nua em x = −1, por outro lado tal descontinuidade é removı́vel, basta
para isso definir f (−1) = 35 . Para o item iii) existe limite quando x se aproxima de 32 ,
115
lim3 f (x) = − . A continuidade de f em x = 32 não pode ser analisada pois tal ponto
x→ 2 56
não pertence ao domı́nio de f .

3.5 Limites Infinitos

Quando uma função aumenta ou diminui indefinidamente quando x se apro-


xima de x0 tem a seguinte definição.

Definição 3.14. Seja f (x) definida em todos os números de algum intervalo I contendo
x0 , exceto possivelmente no próprio x0 . Quando x tende a x0 , f (x) cresce indefinida-
mente, escrevemos
lim f (x) = +∞
x→x0

se, para todo N > 0, existir um δ > 0 tal que se

0 < |x − x0 | < δ então f (x) > N.

Se f (x) decresce indefinidamente, escrevemos

lim f (x) = −∞
x→x0

se, para todo N > 0, existir um δ > 0 tal que se

0 < |x − x0 | < δ então f (x) < −N.

Os limites laterais infinitos são definidos de modo análogo ao caso anterior,


fica a cargo do leitor, reescrever a definição.

88
Exemplo 75. Calcular os limites abaixo.
1 1 1
a) lim+ b) lim− c) lim
x→0 x x→0 x x→0 x
Resolução
1 1
a) Este limite é infinito positivo, pois para todo N > 0 existe δ = , tal que 0 < x <
N N
então segue que
1
N< portanto f (x) > N.
x
1
b) Este limite é infinito negativo, pois para todo N > 0 existe δ = , tal que 0 < −x <
N
1
(note que x < 0) então segue que
N
1
−N > portanto f (x) < −N.
x

c) Este limite não existe, posto que os limites laterais são distintos.

Nosso próximo exemplo mostra que os limites laterais nem sempre existem.

Exemplo 76. Seja a função y = sen( x1 ). Então os limites laterais não existem quando
x se aproxima de zero.

1
Como vimos lim+ = +∞, mas sen(z) é
...y
. x→0 x

.... ..1
.... .. ... .. ....
.... . .. ................................
..... .........
uma função periódica, a qual fica oscilando entre −1
.. ... .. .......... .... ..... ... .........
... .. .............. .... ..
... .... ...................................... ........ .
.
..
.... .... .................................... ........ ...
.. ... ................................ ..... ... e 1, ou seja sen(z) repetem-se ciclicamente, segue daı́
.
.. .. .......................
.. .. .................................
.. ... ..............................
........... .. ..
..
...
‚ Œ
.. .. ...................... ..
... .... ................................................ ....
..
... 1
.. . .......................... ..
.. ... ..................................... ...
... ... ............................ ..
..
..
..
que lim+ sen não existe. Argumentos análogo para
‚ Œ x
.. .. ................................ .. .. x→0
... .... ............................................................. .... ...
.
.. . ............................. .. .. ...
x
.. .... ............................................................ .... ...
−1 ...
..
... ............................... .. ..
... ............................................. ... ..
1 1
...
.
..
. ... .
.. . .
... ............................... ... ... . . .
... .......................................... ... ...
. lim− sen .
..
..
....
... ...................................... ... ..
.......................................... ... ...
......................................... ... ...
x→0 x
... ........................................ ... ..
... ..... ................................. ... ...
...... ................................. ... ...

......... .
.
.
...
. ..... .......................... ... ...
.... .................. .. ..
..... ................. .. ..
O resultado abaixo generaliza o primeiro exem-
......... ...
. ...... .... ........ ... ......
........... .
..
.. ... ... ...... ... ....
.
....................
−1 . ..
plo desta seção, ou seja, quando no quociente o numerador
tende a um número c ̸= 0 e o denominador tende a 0 zero.

Teorema 3.15. Se x0 for um número real qualquer e se

lim f (x) = 0 e lim g(x) = c,


x→x0 x→x0

89
onde c é uma constante não nula, então
i) Se c > 0 e se f (x) → 0 por valores positivos, então
g(x)
lim = +∞.
x→x0 f (x)
ii) Se c > 0 e se f (x) → 0 por valores negativos, então
g(x)
lim = −∞.
x→x0 f (x)
iii) Se c < 0 e se f (x) → 0 por valores positivos, então
g(x)
lim = −∞.
x→x0 f (x)
iv) Se c < 0 e se f (x) → 0 por valores negativos, então
g(x)
lim = +∞.
x→x0 f (x)

Os exemplos a seguir engloba alguns desses casos.

Exemplo 77. Calcule os limites abaixo:


2x 2x 2x
a) lim− b) lim+ c) lim
x→1 x − 1 x→1 x − 1 x→1 x − 1
Resolução:

Pondo, g(x) = 2x e f (x) = x − 1, segue que lim− 2x = 2 e lim+ 2x = 2, e


x→1 x→1
também que lim− x − 1 = 0 e lim+ x − 1 = 0.
x→1 x→1

Se x → 1− , temos que x < 1, assim x − 1 < 0 donde f (x) → 0 por valores


negativos, portanto pelo teorema acima, item ii) vem
2x
lim− = −∞.
x→1 x−1

Se x → 1+ , temos que x > 1, assim x − 1 > 0 donde f (x) → 0 por valores


positivos, portanto pelo teorema acima, item i) vem
2x
lim+ = +∞.
x→1 x−1
2x
Se x → 1, segue que lim não existe, posto que os limites laterais existem
x→1 x − 1
e são distintos.

90
Exemplo 78. Calcule os limites abaixo:
x2 + x + 2 x2 + x + 2 x2 + x + 2
a) lim+ 2 b) lim− 2 c) lim
x→3 x − 2x − 3 x→3 x − 2x − 3 x→3 x2 − 2x − 3
Resolução:

Pondo, g(x) = x2 + x + 2 e f (x) = x2 − 2x − 3, segue que lim g(x) = 14 e


x→3
lim f (x) = 0. Estamos nas condições do teorema acima.
x→3

Se x → 3+ , temos que x > 3, assim x − 3 > 0 e x + 1 > 0 para x próximo de


3, donde f (x) → 0 por valores positivos, portanto pelo teorema acima, item i) vem
x2 + x + 2
lim+ = +∞.
x→3 x2 − 2x − 3

Se x → 3− , temos que x < 3, assim x − 3 < 0 e x + 1 > 0 para x próximo de


3, donde f (x) → 0 por valores negativos, portanto pelo teorema acima, item ii) vem
x2 + x + 2
lim+ = −∞.
x→3 x2 − 2x − 3

x2 + x + 2
Se x → 3, segue que lim não existe, posto que os limites laterais
x→3 x2 − 2x − 3
existem e são distintos.

Teorema 3.16. Sejam x0 e c constantes reais


i) Se lim f (x) = +∞ e lim g(x) = c, então
x→x0 x→x0

lim [f (x) + g(x)] = +∞.


x→x0

ii) Se lim f (x) = −∞ e lim g(x) = c, então


x→x0 x→x0

lim [f (x) + g(x)] = −∞.


x→x0

iii) Se lim f (x) = +∞ e lim g(x) = c, com c ̸= 0


x→x0 x→x0

a) Se c > 0 então x→x


lim f (x)g(x) = +∞.
0

b) Se c < 0 então lim f (x)g(x) = −∞.


x→x0

iv) Se lim f (x) = −∞ e lim g(x) = c, com c ̸= 0


x→x0 x→x0

lim f (x)g(x) = −∞.


a) Se c > 0 então x→x
0

b) Se c < 0 então lim f (x)g(x) = +∞.


x→x0

91
O teorema acima ainda permanece válido quando trocamos x0 por +∞ ou
−∞, o qual ainda iremos definir.

Exemplo 79. Calcular os limites abaixo, se existirem.


–‚ Œ‚ Œ™
x2 + 8 x+2 x+1
a) lim + 3x b) lim
x→2 x − 2 x→2 (x − 2)2 x−1
Resolução
a) Este limite não existe, pois

x2 + 8 x2 + 8
lim− = −∞ e lim− 3x = 6, do teorema anterior lim− + 3x = −∞ e
x→2 x−2 x→2 x→2 x−2

x2 + 8 x2 + 8
lim+ = +∞ e lim+ 3x = 6, do teorema anterior lim+ + 3x = +∞.
x→2 x−2 x→2 x→2 x−2

b) Este limite é mais infinito, Verifique!. Use o teorema anterior item iii) a).

3.6 Limites no Infinito

Até o momento vı́nhamos calculando limites quando x se aproximava de um


ponto x0 fixo. Estaremos agora interessados em limites quando x cresce indefinidamente
ou decresce indefinidamente, denotaremos esse comportamento por

x → +∞ ou x → −∞

respectivamente.

Definição 3.17. Seja f uma função definida em um intervalo (a, +∞) o limite de f (x)
quando x cresce indefinidamente é L e escrito como

lim f (x) = L
x→+∞

se para todo ϵ > 0, existir um número N > 0 tal que se x > N então |f (x) − L| < ϵ.

De modo análogo definamos.

92
Definição 3.18. Seja f uma função definida em um intervalo (−∞, a) o limite de f (x)
quando x decresce indefinidamente é L e escrito como

lim f (x) = L
x→−∞

se para todo ϵ > 0, existir um número N > 0 tal que se x < −N então |f (x) − L| < ϵ.

Exemplo 80. Seja n ∈ N⋆ qualquer, então


1 1
a) lim n = 0 b) lim n = 0.
x→+∞ x x→−∞ x

Resolução:

1
a) Devemos mostrar que dado ϵ > 0 existe N > 0 tal que se x > N então n − 0 < ϵ.

x
‚ Œ1
1 n 1 1
De fato, tomando N = , assim se x > N então > , donde
ϵ N x
1 1 1
n
< n = 1 = ϵ.
x N ϵ
‚ Œ1
1 n 1
b) De modo análogo ao anterior, tomando N = , assim se x < −N então >
ϵ N
1
− , donde para n ı́mpar
x
1 1 1 1
=− < n = 1 = ϵ.
n n
x x N ϵ

para n par vale o mesmo.

Exemplo 81. Calcule o seguinte limite lim 2−x sen(x)


x→+∞

Resolução: Lembre-se que −1 ≤ sen(x) ≤ 1


para qualquer x. E

lim −2−x = 0 = lim 2−x , ( mostre isso)


x→+∞ x→+∞

uma vez que −2−x ≤ 2−x sen(x) ≤ 2−x , obtemos, pelo


Teorema 3.9, lim 2−x sen(x) = 0.
x→+∞

O teorema 3.8 sobre regras de limites é


também válido no caso em que substituı́mos x → c por
x → ±∞.

93
Temos ainda o conceito de limite infinito no infinito, ou seja, f (x) cresce ou
decresce indefinidamente quando x cresce ou decresce indefinidamente. Por exemplo
lim f (x) = +∞ se a função f estiver definida no intervalo (a, +∞) e se para todo
x→+∞

N > 0 existir M > 0 tal que se x > M então f (x) > N .

As demais definições são deixadas como exercı́cios.

São formas indeterminadas de limites, as seguintes expressões:

“∞” “0”
“0.∞”, “∞ − ∞” “1∞ ”, , “∞0 ”, “00 ”.
∞ 0

Nos exemplos a seguir, mostraremos como eliminar expressões indeterminadas


“∞”
quando x → ∞ e a expressão é do tipo . Lembre-se que já vimos expressões do tipo

“0”
.
0
Exemplo 82. Calcule os limites abaixo.
x2 + 3x − 1 3x + 4
a) lim b) lim √ 2 .
x→+∞ 6x − 2 x→+∞ 2x − 5
Resolução:

Pondo f (x) = x2 + 3x − 1 e g(x) = 6x − 2, segue que lim f (x) = +∞ e


x→+∞

lim g(x) = +∞, donde o limite no quociente f (x) por g(x) é uma expressão indeter-
x→+∞

minada. Como x → +∞, obviamente x ̸= 0, então podemos dividir o numerador e o


denominador por x, observe que 1 é a maior potência que aparece para x no denominador,
assim
x2 + 3x − 1 1
x2 + 3x − 1 x+3−
lim = lim x = lim x = +∞.
x→+∞ 6x − 2 x→+∞ 6x − 2 x→+∞ 2
6−
x x
Note que usamos o teorema 3.16 no numerador, entre outros resultados já
apresentados. Observe que o limite no quociente não é necessariamente 1.

Para o item b) temos novamente que o limite no numerador e denominador é


mais infinito, novamente uma expressão indeterminada. Como x → ∞, podemos dividir
o numerador e o denominador por uma função apropriada.

Notemos que x2 = |x|, assim dividindo o numerador e o denominador por

94
|x|, temos:
3x+4 3x 4 3x 4 3x 4
3x + 4 |x| |x|
+ |x| |x|
+ |x| |x|
+|x|
lim √ 2 = lim √ = lim √ = lim √ = lim È .
x→+∞ 2x − 5 x→+∞ 2x2 −5
|x|
x→+∞ √ −5
2x 2 x→+∞ 2x2
− 5 x→+∞ 2 − x52
x2 x2 x2

Como x → +∞ então x > 0 e assim |x| = x, disso temos


3x 4
3x + 4 |x|
+ |x| 3x
+ 4
3 + x4 3
lim √ 2 = lim È = lim Èx x
= lim È = √ .
x→+∞ 2x − 5 x→+∞ 2 − x52 x→+∞ 2− 5
x2
x→+∞ 2 − x52 2

3.7 Assı́ntotas

O estudo das assı́ntotas, é uma ferramenta importante na construção de


gráficos de uma função, para isso definamos.

Definição 3.19. Dada uma reta r e uma função f , dizemos que a reta r e uma assı́ntota
do gráfico de f se, e somente se, a distância δ entre um ponto M do gráfico de f e a
reta r tende a zero a medida que o ponto M se afasta indefinidamente da origem.

Observemos a figura 3.11, para que M se afaste da origem devemos ter x →


1

3
2
e/ou x → +∞. No primeiro caso, a distância δ entre o ponto M do gráfico de f e a
√1
reta x = 3
2
tende a zero a medida que o ponto M se afasta indefinidamente da origem.
No segundo caso, a distância δ entre o ponto M do gráfico de f e a reta r : y = 1
tende a zero a medida que o ponto M se afasta indefinidamente da origem. As mesmas
observações podem ser feitas aos outros dois gráficos.

Figura 3.11: Assı́ntota Horizontal e Figura 3.12: Assı́ntota Vertical e

Figura 3.10: Assı́ntota Horizontal Vertical Oblı́qua

95
cos(K 3 x)
Exemplo 83. Seja a curva y = ax + b + , onde K ≥ 2 e considere a reta
x
r : ax + b.
‚‚ Œ Œ
cos(K 3 x)
a) Calcule lim ax + b + − (ax + b) .
x→+∞ x
b) Mostre que a distância de um ponto M da curva y e a reta r é zero a medida que M
se afasta da origem.
cos(K 3 x)
c) A reta r : ax + b é uma assı́ntota da curva y = ax + b + .
x

Resolução: Para o item a) temos que


‚‚ Œ Œ
cos(K 3 x)
lim ax + b + − (ax + b) = 0,
x→+∞ x

basta usar o teorema do confronto.

b) Da afirmação do item a), temos que para todo ϵ > 0 existe um R ∈ R tal
que para todo x > R implica

‚ Œ
cos(K 3 x)

ax + b +

− (ax + b) <ϵ

x

Seja N > 0 um número natural tal que


(2N − 1)π (2N − 1)π
3
> R, então para todo x ≥ a
2K 2K 3
condição do limite acima é satisfeita.

Lembremos que a distância entre ponto e reta é dada por:

|ax0 + b + cy0 |
dpr = √ onde r : ax + b + cy = 0 e p = (x0 , y0 ),
a2 + c2

(2N − 1)π
por outro lado note que, para x0 = temos
2K 3
„ ( )Ž
K 3 (2N −1)π
(2N − 1)π cos 2K 3 (2N − 1)π
y0 = a +b+ (2N −1)π
=a + b,
2K 3 2K 3
2K 3
‚ Œ ‚ Œ
K 3 (2N − 1)π (2N − 1)π
pois, cos = cos = 0.
2K 3 2

96
Logo, a distância de um ponto M = (x0 , y0 ) da curva y e a reta r é zero a
medida que M se afasta da origem.
c) Não, pois não temos que a distância dM r = δ > 0 com δ → 0 a medida que M
se afasta da origem. Neste caso, existe δ = 0 quando M se afasta indefinidamente da
origem.

Do exemplo acima e dos gráficos apresentados podemos observar que as


assı́ntotas podem ser caracterizadas de duas formas distintas, assı́ntotas verticais e
assı́ntotas oblı́quas, para as assı́ntotas oblı́quas, temos um caso particular no qual cha-
mamos de assı́ntotas horizontais. Para distinguir esses dois conceitos definamos.

Definição 3.20. A reta x = a é uma assı́ntota vertical do gráfico de y = f (x) se, e


somente se, pelo menos uma das alternativas for verdadeira
a) lim+ f (x) = +∞ b) lim+ f (x) = −∞ c) lim− f (x) = +∞ d) lim− f (x) = −∞
x→a x→a x→a x→a

Definição 3.21. A reta y = kx + b é uma assı́ntota oblı́qua do gráfico de y = f (x) se,


e somente se,

lim [f (x) − (kx + b)] = 0 e para um número N , se x > N , então f (x) ̸= kx + b ou


x→+∞

lim [f (x) − (kx + b)] = 0 e para um número N , se x < −N , então f (x) ̸= kx + b.


x→−∞

Particularmente, a reta y = b e uma assı́ntota horizontal do gráfico de y =


f (x) se, e somente se,

lim f (x) = b e para um número N , se x > N , então f (x) ̸= b ou


x→+∞

lim f (x) = b e para um número N , se x < −N , então f (x) ̸= b.


x→−∞

Passos de como determinar uma assı́ntota oblı́qua.

Seja y = kx + b uma assı́ntota oblı́qua do gráfico de y = f (x), por definição,


devemos ter
– ™
f (x) b
(⋆) lim [f (x) − (kx + b)] = 0 ⇐⇒ lim x −k− = 0.
x→+∞ x→+∞ x x

97
– ™ – ™
f (x) b f (x) b
Segue que lim −k− = 0, caso contrário, lim x −k−
x→+∞ x x x→+∞ x x
seria mais infinito ou menos infinito.

Assim,
– ™ – ™
f (x) b f (x)
lim −k− = 0 ⇐⇒ lim = k.
x→+∞ x x x→+∞ x

Sabendo o valor de k, voltamos em (⋆) e encontramos b, ou seja, calculamos

lim [f (x) − (kx + b)] = 0 ⇐⇒ lim [f (x) − kx] = b.


x→+∞ x→+∞

Se f (x) não oscilar infinitamente em torno da reta, então a reta encontrada


é a assı́ntota oblı́qua de f (x). Raciocı́nio análogo para x → −∞.

Exemplo 84. Determine as assı́ntotas, das funções y = f (x) apresentada nas figuras
3.10-3.12, através de limites.
5x2 + 8x − 3 11x + 2 2x2 − 3
a) y = b) y = + 1 c) y = .
3x2 + 2 2x3 − 1 8x + 4
Resolução: Os ı́tens a) e b) serão deixados como exercı́cios.
c) Primeiramente, notemos que 8x+4 = 0 se, e somente se x = − 21 e 2x2 −3 em x = − 12
é não nulo e negativo, verifique!. Assim
2x2 − 3 2x2 − 3
lim − = +∞ e lim + = −∞,
x→− 12 8x + 4 x→− 12 8x + 4
2x2 − 3
portanto, a reta x = − 12 é uma assı́ntota vertical de y = f (x) = .
8x + 4
Para assı́ntotas oblı́quas vamos usar os passos acima a fim de determinarmos
k e b componentes da reta r : kx + b, caso existam.
– ™   – ™
2x −3 2
f (x) 2x2 − 3 2 1
k = lim = lim  8x+4  = lim 2
= =
x→+∞ x x→+∞ x x→+∞ 8x + 4x 8 4
e
– ™ – ™
2x2 − 3 x −4x − 12 1
b = lim [f (x) − kx] = lim − = lim =− .
x→+∞ x→+∞ 8x + 4 4 x→+∞ 4(8x + 4) 8
2x2 − 3 x 1
Note ainda que a curva y = e a reta r : − , não possuem pontos
8x + 4 4 8
de intersecção, logo a reta r é uma assı́ntota oblı́qua da curva.

Para x → −∞ o resultado é o mesmo. Verifique!

98
3x x
Exemplo 85. Determine as assı́ntotas da curva y = √ 2 + − 1.
x +1 5
Resolução: Note que a curva y está definida para todos os números reais, logo não
possui assı́ntota vertical. Para assı́ntota oblı́qua calculamos,
– ™   – ™
f (x) √ 3x + x
−1 3 1 1 1
k = lim = lim  x2 +1 5  = lim √ + − =
x→+∞ x x→+∞ x x→+∞ x +1 5 x
2 5
e
– ™ – ™
3x x x 3x
b = lim [f (x) − kx] = lim √ + −1− = lim √ 2 − 1 = 2.
x→+∞ x→+∞ x +1 5
2 5 x→+∞ x +1
x
Logo, a reta r1 : + 2 é uma assı́ntota oblı́qua da curva y. Quando x → −∞,
5
x
temos que a reta r2 : − 4 é também uma assı́ntota oblı́qua de y, verifique! Note que as
5
retas e a curva não possuem pontos de intersecção.

3.8 Sequências de Números Reais

Nosso estudo estará voltado para sequências infinitas, assim sempre que
usarmos a palavra sequência, fica entendido que se trata de uma sequência infinita.

Definição 3.22. Uma sequência de números reais é uma função x : N → R, que associa
a cada número natural n um número real xn , chamado de n-ésimo termo da sequência.

Denotamos por (x1 , x2 , · · · , xn , · · · ) ou (xn ) para indicar a sequência cujo n-


ésimo termo é xn . Ou seja, consideramos as sequências,
€ Š
1, 21 , 13 , · · · , n1 , · · · cuja função é dada por
x:N → R
n → xn = n1 .
(0, 1, 0, 1, · · · ), cuja função é dada por
a:N → R ¨
0 se n é ı́mpar
n → an =
1 se n é par .
(1, 0, 1, 0, · · · ), cuja função é dada por
b:N → R ¨
0 se n é par
n → bn =
1 se n é ı́mpar .

99
Duas sequências (an ) e (bn ) são iguais se e somente se ai = bi para todo i. Os
dois últimos exemplos, mostram que o conjunto dos elementos das sequências é {0, 1},
contudo, elas são distintas, pois an ̸= bn para todo n. Isso implica que não devemos
confundir o conjunto dos elementos da sequência {x1 , x2 , · · · , xn , · · · } com a sequência
(x1 , x2 , · · · , xn , · · · ). Podemos ver que o conjunto para as sequências an e bn é o mesmo,
no entanto, as sequências são distintas.

Se o n-ésimo termo da sequência é dada


por xn , então a representação gráfica de (xn ) será
o conjunto dos pares ordenados (n, xn ), onde n
é inteiro positivo. Como ilustração, consideremos
(3; 2, 5; 2; 1, 5; 1; 0, 5; 1, 5; 3; · · · )

3.9 Limite de Sequências

Nosso interesse é saber o comportamento de uma dada sequência quando n


é suficientemente grande, para isso introduziremos o conceito de limite de sequência.

Definição 3.23. Uma sequência (xn ) tem um limite L se para qualquer ϵ > 0 existir um
número N > 0, tal que se n for um inteiro positivo e para todo n > N implica em

|xn − L| < ϵ

e escrevemos
lim xn = L.
n→+∞

1
Exemplo 86. A sequência xn = n
tem limite zero.
Resolução: Devemos mostrar que dado ϵ > 0 existe N > 0 tal que para todo n > N

implica n1 − 0 < ϵ.

Primeiramente, note que



1 1 1
ϵ > − 0 =
se, e somente se n> .
n n ϵ

Tomando então N = 1ϵ , a definição de limite de sequência é satisfeita.

100
Definição 3.24. Se a sequência (xn ) tiver um limite, dizemos que ela é convergente e,
converge para o limite. Caso contrário ela será dita divergente.

Teorema 3.25. Se lim f (x) = L e f estiver definida para todo inteiro positivo, então
x→+∞

lim f (n) = L quando n for um inteiro positivo qualquer.


n→+∞

( ) 1
A recı́proca do teorema não é verdadeira, pois an = cos (2n−1)π
2
+ , tem
( )
n
1
limite zero para n → +∞, contudo, f (x) = cos (2x−1)π
2
+ não tem limite quando
x
x → +∞. (O que dizer se n > x > N ).
¦ € Š©
π
Exemplo 87. Determine se a sequência nsen n
é convergente ou divergente
Resolução : Primeiramente, note que a função sequência é definida para todo número
real positivo, assim
 ‹ € Š € Š € Š
π π π
π sen x π sen x
sen x
lim xsen = lim 1 = lim 1 = π lim π =π
x→+∞ x x→+∞
x
x→+∞ π
x
x→+∞
x

Portanto, pelo teorema anterior, temos


 ‹
π
lim nsen = π.
n→+∞ n
donde, a sequência dada é convergente e, converge para π.

Exemplo 88. Mostre que a função exponencial é uma bijeção dos R (reais) com os R∗+
((0, +∞)).
Resolução: Já sabemos que a função exponencial é injetora e que sua imagem é positiva,
ou seja, f (x) > 0 para todo x real. Notemos ainda que, para a > 1, temos

lim ax = +∞ e lim ax = 0.
x→+∞ x→−∞

De fato, a = 1 + m, para todo m > 0 fixo. Pelo Binômio de Newton


( )
n

n
n
(c + b) = cn−i bi ,
i=0 i
temos para todo n ≥ 1 que
( ) ( ) ( ) ( )
n n n n
n n
a = (1 + m) = 1 + m+ m2 + m3 + · · · + mn ≥ 1 + nm.
1 2 3 n

101
Note que, lim (1 + nm) = +∞, ou seja, dado ϵ > 0 existe n0 tal que para
n→+∞

todo n > n0 , temos (1 + nm) > ϵ.

Seja x > n > n0 , como a > 1 e a função exponencial é crescente, então


ax > an > (1 + nm) > ϵ.

Pense no caso quando x −→ −∞.

Dado γ ∈ R∗+ , existem x0 < x2 reais tais que

ax0 < γ < ax2 .

Como a função exponencial é contı́nua, pelo teorema do valor intermediário,


existe x1 ∈ (x0 , x2 ), tal que f (x1 ) = ax1 = γ.

O caso em que 0 < a < 1, temos

lim ax = 0 e lim ax = +∞.


x→+∞ x→−∞

1
Para isso, basta notar que se 0 < a < 1 então 1 + m = a
> 1. Então,
1
lim an = lim € Šn .
n−→+∞ n−→+∞ 1
a

Observe que,
1 1 1 1
0 < a n = € 1 Šn = = ( n) (n) ( n) (n) ≤ .
(1 + m)n 1 + 1 m + 2 m + 3 m + ··· + n m
2 3 n 1 + nm
a

1
ainda, lim = 0, pelo teorema do confronto, segue o desejado.
n→+∞ 1 + nm
Pense no caso em que x −→ −∞.

Em ambos os casos temos a bijeção da função exponencial.

Como a função exponencial de base 0 < a < 1, a ̸= 1 é uma bijeção entre R


e R∗+ , então existe uma inversa, que definamos agora.

Definição 3.26. Denomina-se função logarı́tmica de y na base a e indica-se por

x = loga (y) se, e somente se ax = y,

onde y > 0 e 0 < a < 1; a ̸= 1.

102
Segue da definição acima que aloga (y) = y e loga (ax ) = x.

Proposição 3.27. Sejam a > 0, a ̸= 1, b > 0, b ̸= 1, y > 0 e z > 0 reais quaisquer.


São válidas as seguintes propriedades:
 ‹
y
z
a) loga (y.z) = loga (y) + loga (z) b) loga (y ) = z loga (y) c) loga = loga (y) − loga (z)
z
d) Se a > 1 e y < z, então loga (y) < loga (z)
e) Se 0 < a < 1 e y < z, então loga (y) > loga (z)
f ) (Mudança de base)
logb (y)
loga (y) = .
logb (a)

Demonstração: Vamos mostrar o ı́tens b) e f) os demais ficam de exercı́cios.


b) Façamos loga (y z ) = λ e loga (y) = γ se, e só se aλ = y z e aγ = y.

Assim, aλ = y z = (aγ )z = a(z.γ) , pela injetividade da função exponencial,


temos λ = z.γ, ou seja,
loga (y z ) = λ = z.γ = z. loga (y).

f) Chame loga (y) = λ, logb (y) = γ e logb (a) = β se, e só se, aλ = y, bγ = y e bβ = a.
€ Šλ
Assim, bγ = y = aλ = bβ = bβ.λ e, pela injetividade, temos γ = β.λ
logb (y)
portanto, logb (y) = γ = β.λ = logb (a). loga (y) ou ainda, loga (y) = . 2
logb (a)

As propriedades logarı́timicas serão úteis


em nosso estudo, principalmente no estudo de deri-
vadas e integrais.

Exemplo 89. Determine o valor de y para o qual a


sentença é verdadeira.
i) log2 (8) = y, ii) log4 (64) = y 2 − 4,
iii) log3 (27) = y 2 − y + 1,

gráfico de funções logarı́tmicas iv) log2 (y 2 + 2y) = 3.


Resolução: Vamos usar as propriedades de potências, ou seja,

log2 (8) = y ⇔ 2y = 8 = 23 ⇔ y = 3.

103
2 −4 √
log4 (64) = y 2 − 4 ⇔ 4y = 64 = 43 ⇔ y 2 − 4 = 3 ⇔ y = ± 7
2 −y+1
log3 (27) = y 2 − y + 1 ⇔ 3y = 27 = 33 ⇔ y 2 − y + 1 = 3.

Logo, y 2 − y − 2 = 0, cujas raı́zes são y = 2 e y = −1.

log2 (y 2 + 2y) = 3 ⇔ 23 = y 2 + 2y ⇔ y 2 + 2y − 8 = 0 ⇔ y = −4, y = 2.

As regras para o cálculo de limite de sequência são análogos aos de funções,


ou seja,

Teorema 3.28. (Regras de Limites de Sequências) Se k é um número real e (an ) e (bn )


são sequências convergentes, então
a) lim k = k
n→+∞

b) lim [an ± bn ] = lim an ± lim bn


n→+∞ n→+∞ n→+∞

c) lim [an .bn ] = lim an . lim bn


n→+∞ n→+∞ n→+∞

d) lim [kan ] = k lim an


n→+∞ n→+∞
– ™ lim an
an n→+∞
e) lim = se lim bn ̸= 0 e todo bn ̸= 0.
n→+∞ bn lim bn n→+∞
n→+∞
¨ «
5n + 3
Exemplo 90. Seja a sequência , determine se a sequência converge ou diverge.
8n + 2
5
Resolução: Note que < 1, assim
8
‚ Œn
5
lim = 0.
n→+∞ 8

Logo,
‚ Œn 3
5n + 3 5 1+ 5n
lim n = lim . 2 = 0.1 = 0,
n→+∞ 8 + 2 n→+∞ 8 1+ 8n

portanto, a sequência é convergente.

Exemplo 91. Seja a sequência {(−1)n + 1}, determine se a sequência converge ou di-
verge.
Resolução : Pondo xn = (−1)n + 1, temos

(xn ) = (0, 2, 0, 2, 0, 2, 0, 2, · · · , (−1)n + 1, · · · )

104
donde
¨
0 se n é ı́mpar
xn =
2 se n é par

Parece que a sequência é divergente. Vamos supor que ela seja convergente,
então para todo ϵ > 0 existe N > 0 tal que para todo n > N temos |xn − L| < ϵ.

Tomemos ϵ = 21 , então existe N > 0 tal que para todo n > N temos

1
|xn − L| < .
2

Se n é ı́mpar, então xn = 0 e − 21 < −L < 21 .

Se n é par, então xn = 2 e − 12 < 2 − L < 12 .

Mas, se − 21 < −L então 3


2
= 2− 1
2
< 2 − L. E assim a desigualdade acima
quando n é par não pode ocorrer. Portanto, supor que ela seja convergente, gera uma
contradição, assim a sequência é divergente.

O exemplo acima ilustra o que veremos na próxima seção.

3.10 Subsequência

O conceito de subsequência é importante, para podermos além de outras


coisas, determinar se uma sequência é divergente, como veremos se uma dada sequência
(xn ) converge para um número L, então toda subsequência de (xn ) deverá convergir
para o mesmo número L. Assim se conseguirmos encontrar duas subsequências de (xn )
convergindo para limites distintos, a sequência (xn ) diverge.

Definição 3.29. Dada uma sequência x = (xn ) uma subsequência é a restrição da


função x a um subconjunto infinito

N′ = {n1 < n2 < n3 < · · · < nk < · · · } de N.

Escrevemos (xnk ) = (xn1 , xn2 , xn3 , · · · , xnk , · · · )

105
Ilustração: Consideremos a seguinte sequência xn = n1 , então
‚ Œ
1 1 1 1
(xn ) = (x1 , x2 , x3 , x4 , · · · , xn , · · · ) = 1, , , , · · · , , · · · .
2 3 4 n

Vamos escolher um subconjunto dos naturais N como sendo o conjunto dos


números ı́mpares, ou seja,

N′ = {n1 < n2 < n3 < · · · < nk < · · · } = {1 < 3 < 5 < · · · < 2n − 1 < · · · }

assim a subsequência (xnk ) é dada por


‚ Œ
1 1 1
(xnk ) = (x2n−1 ) = (x1 , x3 , x5 , · · · , x2n−1 , · · · ) = 1, , , · · · , , ··· .
3 5 2n − 1
Teorema 3.30. Seja (xn ) uma sequência convergente para o limite L, então toda sub-
sequência de xn converge para o limite L.

Podemos usar o teorema acima para mostrar que a sequência do exemplo 91


é divergente. Para isso basta determinarmos duas subsequência de {(−1)n + 1} com
limites distintos.

Consideremos N′ o subconjunto dos naturais dado pelos números ı́mpares e


N′′ o subconjunto dos números naturais dado pelos números pares, assim

(x2n−1 ) = (0, 0, 0, 0, 0, 0, · · · , 0, · · · ) e

(x2n ) = (2, 2, 2, 2, 2, 2, · · · , 2, · · · )

Duas subsequências distintas, constante nula e constante 2, com limites dis-


tintos, logo a sequência {(−1)n + 1} diverge.

Exemplo 92. Determine se a sequência {cos(nπ)} é convergente ou divergente.


Resolução: Notemos que

(xn ) = (cos(nπ) ) = (−1, 1, −1, 1, −1, 1, · · · , (−1)n , · · · ).

Donde

(x2n−1 ) = (−1, −1, −1, · · · , −1, · · · ) e (x2n ) = (1, 1, 1, · · · , 1, · · · ),

são duas subsequências distintas com limites distintos, logo a sequência diverge.

106
3.11 Sequência Monótonas e Limitadas

Dada uma sequência (xn ) e supondo que o termo posterior seja sempre maior
(ou menor) que o anterior para todo n, e ainda que esta sequência não ultrapasse um
valor K real para todo n suficientemente grande, então é de esperar que essa sequência
possua um limite, esse é o tema nesta seção.

Definição 3.31. Dizemos que uma sequência (xn ) é:


i) Crescente, se xn ≤ xn+1 para todo n;
ii) Decrescente, se xn ≥ xn+1 para todo n.

Chamamos de monótona uma sequência que seja crescente ou decrescente.

As desigualdades na definição podem ser estrita (< ou >) e dizemos estrita-


mente crescente ou estritamente decrescente respectivamente.
1
As sequências xn = n
e yn = n são estritamente decrescente e estritamente
crescente respectivamente.

Definição 3.32. Uma sequência (xn ) é dita limitada se existe uma constante C > 0 tal
que
|xn | ≤ C para todo n.

A limitação de uma sequência pode ocorrer:


a) Somente superiormente, ou seja, existe um número D tal que

xn ≤ D para todo n.

b) Somente inferiormente, ou seja, existe um número K tal que

xn ≥ K para todo n.

1
As sequências, xn = n
é limitada e yn = n é limitada inferiormente. Note que

1
|xn | = ≤ 1 para todo n e yn = n ≥ 1 para todo n.
n

107
Teorema 3.33. Toda sequência monótona limitada é convergente.
¨ «
2n
Exemplo 93. Determine se a sequência é ou não convergente.
n!
Resolução: Notemos que lim 2n = +∞ e lim n! = +∞. Uma forma indetermi-
n→+∞ n→+∞

nada. Vamos mostrar que tal sequência converge, usando o teorema anterior. Primeira-
mente, note que

2n−1 ≤ n! ao passo de indução, 2n = 2.2n−1 ≤ 2.n! ≤ (n + 1).n! = (n + 1)!.



2n
Isso justifica o fato que ≤ 2 para todo n e ainda,
n!
2n 2n+1
≥ se, e somente se n + 1 ≥ 2.
n! (n + 1)!

Portanto, a sequência é monótona limitada, e pelo teorema acima é conver-


gente.
¨‚ Œ «
1 n
Exemplo 94. Mostre que a sequência an = 1+ é convergente.
n
Resolução: Vamos mostrar que a sequência é limitada e monótona.
‚ Œn
1 € nŠ 1 € nŠ 1 €nŠ 1 € Š 1 €nŠ 1
1+ = 1+ 1
+ 2
+ 3
+ ··· + n
n−1
+ n
n n n2 n3 nn−1 nn
n(n − 1) 1 n(n − 1)(n − 2) 1 n! 1
= 1+1+ 2
+ 3
+ ··· + n
n 2! n 3! n n!
 ‹  ‹ ‹  ‹  ‹
1 1 1 2 1 1 n−1 1
= 1+1+ 1− + 1− 1− + ··· + 1 − .··· . 1 −
n 2! n n 3! n n n!
1 1 1 1 1
≤ 1+1+ + + + ··· + +
2! 3! 4! (n − 1)! n!

1 1 1 1 1
≤ 1+1+ + 2 + 3 + · · · + n−2 + n−1 = 3.
2 2 2 2 2
‚ Œn−1
1 1
Lembre-se que 2 n−1
≤ n! e que an = é uma P.G de razão .
2 2
A terceira linha na igualdade acima, mostra que a sequência é formada por
parcelas positivas, assim an < an+1 para todo n. Note que
‚ Œ ‚ Œ ‚ Œ‚ Œ
1 1 1 1 1 2 1
a1 = 2 < a 2 = 1 + 1 + 1 − <1+1+ 1− + 1− 1− = a3 .
n 2! n 2! n n 3!

Assim, a sequência é monótona e limitada, logo é convergente.

108
No exemplo acima, temos que 2 < an < 3. Como tal sequência é convergente,
denotamos por e seu limite, ou seja,
‚ Œn
1
lim 1+ = e.
n→+∞ n
Exercı́cio 31. Seja x > 0 e f uma função dada por
‚ Œx ‚ Œx
1 1
f (x) = 1 + , mostre que lim 1+ = e.
x x→+∞ x
Exemplo 95. Seja x < −1 e f uma função dada por
‚ Œx ‚ Œx
1 1
f (x) = 1 + , mostre que lim 1+ = e.
x x→−∞ x
Resolução: Pondo x = −t − 1, com t > 0, vem
‚ Œx ‚ Œ−t−1 ‚ Œ−t ‚ Œ−1 ‚ Œt
1 1 1 1 1 t+1
1+ = 1− = 1− 1− = 1+ .
x t+1 t+1 t+1 t t

Para x → −∞ vem que t → +∞, assim


‚ Œx ‚ Œt
1 1 t+1
lim 1+ = lim 1+ = e.
x→−∞ x t→+∞ t t
Definição 3.34. Definimos a função exponencial natural e logarı́tmica natural, as funções
cuja base é e. Denotamos por

ln(y) = x se, e somente se ex = y

para todo y > 0 e x um número real qualquer.

Exemplo 96. Calcule os seguintes limites


1 eh − 1
a) lim (1 + h) h b) lim
h→0 h→0 h
Resolução: Pondo h = x1 , então h → 0+ quando x → +∞ e h → 0− quando x → −∞,
vem
‚ Œx ‚ Œx
1 1 1 1
lim+ (1 + h) = lim
h 1+ = e = lim 1+ = lim− (1 + h) h
h→0 x→+∞ x x→−∞ x h→0

b) Fazendo t = eh − 1 ou h = ln(1 + t), então t → 0 quando h → 0, assim


eh − 1 t 1 1 1 1
lim = lim = lim 1 = lim 1 = = 1.
h→0 h t→0 ln(1 + t) t→0
t
ln(1 + t) t→0 ln(1 + t) t ln(e)

109
Exemplo 97. Calcule os limites.
ln(x) x2
i) lim ii) lim x
x→+∞ x x→+∞ 2

Resolução: Do exemplo 65 temos que lim x2 ln(x2 ) = 0.


x→0

Para o item i) colaque y 2 = 1


x
quando x → +∞ implica y → 0 então
‚ Œ
ln(x) 1 € Š € Š
lim = lim y 2 ln 2 = lim y 2 ln(1) − ln(y 2 ) = lim −y 2 ln(y 2 )
x→+∞ x y→0 y y→0 y→0

= − lim y 2 ln(y 2 ) = 0
y→0

Para o item ii)


€ Š
x2 x2
= lim e(ln(x ) = lim e(2 ln(x)−x ln(2))
ln 2x
2 )−ln(2x )
lim x = lim e
x→+∞ 2 x→+∞ x→+∞ x→+∞

2 ln(x)
−ln(2)
= lim ex( x ) = e−∞ = 0
x→+∞

x−3 ‚ Œ
3
Exemplo 98. Calcule o limite lim+ 2 + .
x→3 x−3
Resolução: Vamos usar a função exponencial e logarı́tmica.
‚ Œx−3 € x−3
Š
3 3
(2+ x−3 ) 3
= lim+ e(x−3) ln(2+ x−3 )
ln
lim+ 2+ = lim+ e
x→3 x−3 x→3 x→3

2x−3
= lim+ e(x−3) ln( x−3 ) = lim+ e(x−3) ln(2x−3)−(x−3) ln(x−3) = e0 = 1
x→3 x→3

Note que lim+ (x − 3) ln(x − 3) = lim+ t2 ln t2 = 0


x→3 t→0

ln(x)
Exemplo 99. Calcule lim .
x→1 x − 1

Resolução: É uma expressão indeterminada, usaremos o teorema do con-


fronto uma vez que
ln(x) 1 1
−|x − 1| + 1 < < +
x−1 2x 2
isto é, 

 −x + 2 ∀ x ∈ (1, +∞)
ln(x) 1 1
 < x−1
< 2x
+ 2



 x < ln(x)
< 1
+ 1
∀ x ∈ (0, 1).
x−1 2x 2

Primeiramente, mostraremos que −x + 2 < ln(x)


x−1
para todo x ∈ (1, +∞), ou
ainda −x2 + 3x − 2 = (−x + 2)(x − 1) < ln(x).

110
Seja x0 ∈ (1, +∞) e consideramos as retas

r1 (x) = (−2x0 + 3)x + x20 − 2 e

x
r2 (x) = + ln(x0 ) − 1.
x0

Determinaremos os valores de x para os quais


r2 (x) > r1 (x), ou seja,
Figura 3.13: Teorema do
Confronto x
(−2x0 + 3)x + x20 − 2 < + ln(x0 ) − 1 ⇔
x0

(ln(x0 ) + 1 − x20 )x0 > (−2x20 + 3x0 − 1)x = −(x0 − 1)(2x0 − 1)x.

Como −(x0 − 1)(2x0 − 1) < 0 para todo x0 > 1 temos que

(ln(x0 ) + 1 − x20 )x0


x1 = < x.
−(x0 − 1)(2x0 − 1)

Tome x0 > x1 e x = x0 em r1 (x) e r2 (x) temos que ln(x0 ) = r2 (x0 ) > r1 (x0 ) =
−x20 + 3x0 − 2 = (x0 + 1)(−x0 + 2) se, se e somente se, −x0 + 2 < ln(x0 )
x0 −1
.

As retas r1 (x) e r2 (x) interceptam no ponto x1 menor que x0 se, e somente


se ln(x0 ) > −x20 + 3x0 − 2.

De fato,

(ln(x0 ) + 1 − x20 )x0 (ln(x0 ) + x20 − 3x0 + 2)x0


x1 = < x0 ⇔ <0
−(x0 − 1)(2x0 − 1) −(x0 − 1)(2x0 − 1)

Como, −(x0 − 1)(2x0 − 1) < 0 para todo x0 ∈ (1, +∞) devemos ter

ln(x0 ) + x20 − 3x0 + 2 > 0 se, e somente se ln(x0 ) > −x20 + 3x0 − 2.

Ainda, x < ln(x)


x−1
para todo x ∈ (0, 1), isto é, x2 − x = x(x − 1) > ln(x) para
todo x ∈ (0, 1)

Seja x0 ∈ (0, 1) e consideremos as retas

x
r3 (x) = (2x0 − 1)x − x20 e r2 (x) = + ln(x0 ) − 1.
x0

111
Determinamos os valores de x para os quais r3 (x) > r2 (x), ou seja,

x
(2x0 −1)x−x20 > +ln(x0 )−1 ⇔ (x0 −1)(2x0 +1)x = (2x20 −x0 −1)x > x0 (ln(x0 )+x20 −1)
x0

Como (x0 − 1)(2x0 + 1) < 0 para todo 0 < x0 < 1 temos que

x0 (ln(x0 ) + x20 − 1)
x< = x2 .
(x0 − 1)(2x0 + 1)

É fácil ver que as retas r3 (x) e r2 (x) interceptam no ponto x2 maior que x0
se e somente se x0 (x0 − 1) > ln(x0 ).( Verifique!)
ln(x) 1
Resta-nos mostrar que x−1
< 2x
+ 12 .
x2 −1
Se x > 1 temos que x − 1 > 0, então tem-se ln(x) < 2x
.
x2 −1
Se x < 1 temos que x − 1 < 0, então tem-se ln(x) > 2x
.

De fato, seja x0 ∈ (0, 1) ∪ (1, +∞) e consideramos as retas


‚ Œ
x20 + 1 1 x
r4 (x) = 2
x− e r2 (x) = + ln(x0 ) − 1.
2x0 x0 x0

x2 −1
Claramente, r4 (x0 ) = 2x 0
0
e r2 (x0 ) = ln(x0 ), determinaremos os valores de x
para os quais r2 (x) < r4 (x), isto é,
‚ 2 Œ
x x0 + 1 1
+ ln(x0 ) − 1 < 2 x− ⇔
x0 2x0 x0
‚ 2 Œ ‚ 2 Œ ‚ Œ
x0 ln(x0 ) + 1 − x0 1 x0 + 1 1 x0 − 2x0 + 1 (x0 − 1)2
= ln(x0 )+ −1 < − x= x= x,
x0 x0 2x20 x0 2x20 2x20
isto é,
2x20 ln(x0 ) + 2x0 − 2x20
< x.
(x0 − 1)2

Afirmamos:

As retas r4 (x) e r2 (x) interceptam no ponto x3 menor que x0 ∈ (1, +∞)


(x3 < x0 ) se, e somente se
ln(x0 ) x0 + 1
< .
x0 − 1 2x0

112
As retas r4 (x) e r2 (x) interceptam no ponto x4 maior que x0 ∈ (0, 1) (x4 > x0 )
se, e somente se
ln(x0 ) x0 + 1
< .
x0 − 1 2x0

A verificação das afirmações acima são análogas a casos anteriores.

Agora de −|x − 1| + 1 < ln(x)


x−1
< 1
2x
+ 1
2
e, pelo teorema do confronto temos
ln(x)
lim = 1.
x→1 x − 1

Exemplo 100. Calcule os limites


‚ Œ
ln([x2 + x + 1][x2 + 1]) x+7 x 2x + π
i) lim ii) lim iii) lim € Š
x→0 x x→+∞ x + 4 x→π x + cos2 x2 − π

Resolução: Usaremos limites fundamentais.


ln([x2 + x + 1][x2 + 1]) ln[x2 + x + 1] + ln[x2 + 1]
lim = lim
x→0 x x→0 x

ln[x2 + x + 1] ln[x2 + 1]
= lim + lim
{z x {z x
x→0 x→0
| } | }
limite1 limite2

Calcular o limites da soma é uma tarefa árdua, no entanto, caso os limites 1


e 2 existam, a soma dos limites é então uma tarefa fácil.
ln[x2 + x + 1] ln(t) 2 ln(t)
lim = lim √ = lim √
x→0 x t→1 −1+ 4t−3
2
t→1 −1 + 4t − 3

(−1 − 4t − 3) ln(t)
= 2 lim √ √
t→1 (−1 + 4t − 3)(−1 − 4t − 3)
√ √
(−1 − 4t − 3) ln(t) 1 (−1 − 4t − 3) ln(t)
= 2 lim = lim
t→1 4 − 4t 2 t→1 1−t

1 √ ln(t) 1
= lim(1 + 4t − 3) = .(1 + 1).1 = 1
2 t→1 t−1 2

Agora o limite 2

ln[x2 + 1] ln(u) u − 1 ln(u)
lim = lim+ √ = lim+ √ √
x→0 x u→1 ± u − 1 u→1 ± u − 1 u − 1


u − 1 ln(u) √ ln(u)
= lim+ = ± lim+ u − 1 = ±.0.1 = 0
u→1 ±(u − 1) u→1 (u − 1)

113
portanto,

ln([x2 + x + 1][x2 + 1]) ln[x2 + x + 1] ln[x2 + 1]


lim = lim + lim =1+0=1
x→0 x x→0 x x→0 x

Observação no limite 1 fizemos a mudança de variável t = x2 + x + 1, t tende



−1+ 4t−3
a 1 quando x tende a 0, colocando x en função de t temos que x = 2
.

No limite 2 fizemos a mudança u = x2 + 1, u tende a 1 quando x tende a 0,



colocando x em relação a u, obtemos x = ± u − 1, que só faz sentido para u > 1.

Vamos calcular o quociente dos limites.


‚ Œ
„ € Š Žx € 7 x
Šx
‚ Œx 7 7 lim 1 +
x+7 x 1+ 1+ x x→+∞ xŒ
lim = lim € xŠ
= lim € Šx = ‚
x→+∞ x+4 x→+∞ x 1+ 4 x→+∞ 1 + 4 4 x
x x lim 1 +
x→+∞ x

Assim, temos
‚ Œx ( )7
7 7 1
lim 1+ = lim(1 + t) t = lim (1 + t) t = e7
x→+∞ x t→0 t→0

e
‚ Œx ( )4
4 4 1
di lim 1+ = lim(1 + t) t = lim (1 + t) t = e4
x→+∞ x t→0 t→0

‚ Œx
x+7 e7
Portanto, lim = = e3 .
x→+∞ x+4 e4
Para o último item,
2x + π 2(t + π) + π 2t + 3π
lim € Š = lim ( ) = lim € Š
x→π x + cos 2 − π
2 x t→0 (t + π) + cos2 (t+π)
2
− π t→0 t + cos2 t+π
2

2t + 3π 2t + 3π
= lim 1+cos(t+π)
= lim 1+cos(t) cos(π)−sen(t)sen(π)
t→0 t+ t→0 t+
2 2

2t + 3π 2t + 3π 3π
= lim 1−cos(t)
= lim ( ) =
±
t→0 t+ t→0 t 1 + 1 . 1−cos(t) 0 (1 + 0)
2 2 t

¨
+∞ quando t → 0+
=
−∞ quando t → 0−

Portanto, o limite não existe.

114
Exercı́cios

Determine δ > 0 para cada um dos ı́tens do


Exercı́cio 32. Para cada função f (x) são dados exercı́cio supondo sempre que ϵ = 10−3 = 0, 001.
lim f (x) = L. Exercı́cio 36. Explique o que significa dizer
x→x0

Determine um δ > 0 para ϵ > 0, tal que lim f (x) = 3 e lim+ f (x) = 7.
x→1− x→1

se 0 < |x − x0 | < δ então |f (x) − L| < ϵ.


Nesta situação, é possı́vel que lim f (x) exista? Ex-
x→1
a) lim (x − 2) = 2 b) lim (2x + 4) = 10 plique.
x→4 x→3

x2 − 4 Exercı́cio 37. Calcule os limites abaixo.


c) lim (x2 − 3) = 1 d) lim = −4 4x − 5
x→2 x→−2 x + 2 a) lim (3x − 2) b) lim
x→3 x→3 5x − 1
e) lim (2x3 − 3x2 + x − 3) = −3 É
x→1 5 + 2x x3 + 8
c) lim d) lim
f ) lim (x − x − 6) = −4
2
x→2 5x x→−2 x − 2
x→2 √ √ √
4x2 − 4x − 3 x+1 x+2− 2 3
x+1−1
g) lim =5 h) lim =2 e) lim f ) lim
2x + 1 x
x→0 x x→0 x
x→4 x→1 √
1 1
3
x−1 x − x − x + 10
3 2
i) lim 3 =1 j) lim 2 4 = 3. g) lim h) lim
x→0 x + 1 x→0 x + x + 1 x→1 x − 1 x→−2 x2 + 3x + 2
3 3
x3 − 1 x3 + x − 2
Exercı́cio 33. O que significa a equação abaixo i) lim j) lim .
x→1 x − 1 x→1 x−1
lim f (x) = 3. Exercı́cio 38. O que está errado na equação a
x→8
seguir?
É possı́vel que a equação anterior seja verdadeira, x2 + x − 6
= x + 3.
mas que f (8) = 5? Explique. x−2
E por que a equação abaixo é correta?
Exercı́cio 34. Esboce o gráfico de um exemplo
de função f que satisfaz todas as condições dadas. x2 + x − 6
lim = lim (x + 3).
x→2 x−2 x→2
a) lim− f (x) = 2 b) lim+ f (x) = −2 c) f (1) = 2
x→1 x→1 Exercı́cio 39. Calcule os limites abaixo se
d) lim− f (x) = 1 e) lim+ f (x) = −1 existirem. Caso contrário justifique sua resposta.
x→0 x→0  ‹ √ (π )
f ) f (0) não existe e/ou não esteja definida 2 1
a) lim x sen b) lim x3 + x2 sen
g) lim f (x) = 1 h) lim f (x) = 0 x→0 x x→0 x
x→2− x→2+
2 − |x|
i) f (2) = 1 j) lim+ f (x) = 3 l) lim− f (x) = 2 c) lim (2x + |x − 3|) d) lim
x→3 x→3 x→3 x→−2 x + 2
m) f (3) = 3 n) lim + f (x) = 2 o) f (−2) = 1. 2x − 1 2x + 12
x→−2
e) lim − f ) lim
x→0,5 |2x3 − x2 | x→−6 |x + 6|
Exercı́cio 35. No exercı́cio 32 a escolha de ϵ > 0
é arbitrária.

115
( ) √ È √ √
1
cos 12 x4 + 1 x+ x+ x
g) lim 2x
h) lim l) lim m) lim √
x→0 1 x→−2 |x − 2| x→−∞ 2x2 − 3 x→∞ x+1
 x2
x−2 ‹  ‹x €√ √ Š
x3 + x − x3 + 1
3 3
1 x+2 n) lim
i) lim 1 + j) lim 1 + x→−∞
x→2 x−2 x→0 x2
Dica: Nos ı́tens i) e j) usar exponencial. o) lim x4 p) lim (x4 + x3 ).
x→−∞ x→−∞

Exercı́cio 40. Ache o limite indicado, se existir,


Exercı́cio 43. Calcule os limites se existirem.
caso contrário justifique sua resposta.
Caso contrário justifique sua resposta. Conside-
 ramos a e b constantes reais não nulas.
 2 se x < 1
a) f (x) = −1 se x = 1 Calcule
 x + sen(x) sen(x) + x
−3 se x > 1. a) lim b) lim
x − sen(x)
x→0 x→0 x
lim+ f (x), lim− f (x) e lim f (x).
x→1 x→1 x→1 sen(ax) cot (ax)
c) lim d) lim .
 2 x→0 x x→0 cot (bx)
 x − 4 se x<2
b) f (x) = 4 se x = 2 Calcule Exercı́cio 44. Calcule os limites.

4 − x2 se x > 2.
x2 + 3x tan(x)
lim+ f (x), lim− f (x) e lim f (x). a) lim b) lim+
x→2 x→2 x→2 x→0 sen(x) x→π x−π
1 − cos (2x) π
−x
 c) lim d) limπ 2
 √
2 se x < −2 x→0 sen(3x) x→ 2 cos (x)
c) f (x) = 4 − x2 se − 2 ≤ x ≤ 2 1 − cos (x) 1 − sen(x)
 e) lim f ) limπ .
−2 se x > 2.
2 −x
π
x→0 x x→ 2
Calcule
lim+ f (x), lim− f (x), lim f (x), Exercı́cio 45. Em caso afirmativo, determine
x→2 x→2 x→2
lim f (x), lim f (x) e lim f (x). os pontos onde f é descontı́nua. Justificando sua
x→−2+ x→−2− x→−2 resposta.
Exercı́cio 41. Calcule os limites se existirem.  1

 se x ̸= 2
Caso contrário justifique sua resposta. x − 2
a) f (x) =
√ 

3 + x2 5x 3 se x = 2
a) lim− b) lim 
x x→1 (x − 1)2 x −x
x→0
 ‹ 

2

x+2 1  2 se x ̸= 1
c) lim+ 2 d) lim 2x + 2 b) f (x) = x −1
x→2 x − 4 x→0 x 

 1 se x = 1
x−1 3 2
x + 9x + 20x  2
e) lim √ f ) lim  cos(x) se x < 0
x→1 2x − x2 − 1 x→3 x2 + x − 12
 ‹ c) f (x) = 0 se x = 0
x2 − 3 1 3 
g) lim 3 h) lim − . 1 − x2 se x > 0
x→0 x + x2 x→2 x − 2 x2 − 4 

 2x2 − 5x − 3
 se x ̸= 3
Exercı́cio 42. Calcule os limites se existirem.
d) f (x) = x−3
Caso contrário justifique sua resposta. 

 7 se x = 3
1
a) lim b) lim (2x4 − 3x3 + x + 6)
x→∞ x2 x→∞ Exercı́cio 46. Considere os polinômios
2x + 1 5x − 3x + 1 4 2
c) lim d) lim p(x) = x3 − 4x + x + 3 se x ∈ [−3, −2] e
x→−∞ x − 4 5x2 + 2x − 1
x→∞
x−1 1 − 2x q(x) = x3 + x + 3 se x ∈ [−2, −1].
e) lim 2 f ) lim
x→∞ x + 3 x→−∞ 3 − 4x
√ Mostre que existe pelo menos uma raiz para cada
x2 − 3x + 1 x2 + 4 um dos polinômios no intervalo dado.
g) lim h) lim
x→−∞ x − x + x − 1
3 2 x→−∞ x + 4
€√ Š €√ Š
i) lim
3
x +1−x
3 j) lim x2 + x − x Exercı́cio 47. Suponha que f seja uma função
x→∞ x→∞ para a qual 0 ≤ f (x) ≤ 1 se 0 ≤ x ≤ 1.

116
Mostre que se f for contı́nua em [0, 1], existirá pelo Exercı́cio 54. Seja
menos um número c ∈ (0, 1) tal que f (c) = c  2

 x se x<1

Exercı́cio 48. No exercı́cio 45. Diga quando 3 se x=1
g(x) =
possı́vel se a descontinuidade é removı́vel, e 
 2 − x3 se 1<x≤2

em caso afirmativo defina f de modo que seja x+4 se x>2
contı́nua. Em caso de f ser contı́nua diga se é
possı́vel definir f de modo que f seja descontı́nua. Calcule, se existirem os limites.
a) i) lim− g(x) ii) lim+ g(x) iii) lim g(x) iv) g(1)
x→1 x→1 x→1
Exercı́cio 49. Sejam f e g funções. Tais que
b) i) lim− g(x) ii) lim+ g(x) iii) lim g(x) iv) g(2)
x→2
lim f (x) = L e lim [f (x) − g(x)] = K. x→2 x→2
x→a x→a
Exercı́cio 55.  ‹ ‹ os limites.
Calcule
Mostre que lim g(x) existe 3 5 x 3n + 6
x→a a) lim + b) lim
x→+∞ x 6 n→+∞ n + 1
 ‹
Exercı́cio 50. Sejam f e g funções. Tais que (−1)n ax − 1
c) lim +6 d) lim
n→+∞ n x→0 x
lim f (x) = L e lim g(x) não existe.  ‹x+2
x→a x→a e3x − 1 5
e) lim f ) lim 1+
Mostre que lim [f (x) − g(x)] não existe.
x→0 2x x→+∞ x
x→a  ‹6x  ‹x
1 x+6
g) lim 1+ h) lim
Exercı́cio 51. Calcule os limites √ x→+∞ 3x x→+∞ 2x + 1
x+2 16 + x2 2
a) lim+ b) lim 3x − 21 2n
x→1 1 − x x→0 x2 i) lim j) lim
x→0 x2 n→+∞ 5n
2
x +3 2x + 1
n2 (π) ln(n)
c) lim d) lim
x→1 (x − 1)2 x→−∞ x − 3 l) lim sen m) lim
 ‹ n→+∞ 2n + 1 n n→+∞ n + 1
6 x3 − x5 6n 3n
e) lim − 3t f ) lim 1 n) lim 2n o) lim n
x→+∞ t2 x→+∞
x n→+∞ 6 +1 n→+∞ 3 + 1
 ‹
Exercı́cio 52. Encontre todas as assı́ntotas caso ln(x − 2) 1
p) lim q) lim x ln
existam para as funções. x→3 (x − 3)2 x→0 x
x2 − 1
a) f (x) = tan(x) b) f (x) = 3 Exercı́cio 56. Mostre que as equações possui pelo
x +2
menos uma raiz real.
2x + 1 x +x−1
3
a) 10e− 10 = 0, 1x2
x
b) tan(x) = x2 − 4
c) f (x) = d) f (x) = 4
x−3 x +x−2 c) cos(x) = x d) ln(x) = e−x .
x 2x
e) f (x) = √ f ) f (x) = √ Exercı́cio 57. Calcule os limietes, se existirem.
2
x + 2x + 5 x2 − 4
√ Justifique sua resposta caso não exista.
2
3x x2 + 1 3
x + 3x √ (π )  ‹
g) f (x) = h) f (x) = 2 3π
x −4
2 x −9 a) lim x3 + x2 sen b) lim x4 cos
x→+∞ x x→0 x
x3 + 6x −1 √ sen( π ) x2
i) f (x) = 4 j) f (x) = √ c) lim+ xe d) lim x
x − 16 x2 + 5x + 6 x→0
x
x→+∞ 2
 ‹x
Exercı́cio 53. Dado 2 x + x3 + x5
e) lim 1 + f ) lim
lim f (x) = 5, lim g(x) = −3 e lim h(x) = 0 x→+∞ x x→+∞ 1 − x2 + x4
x→3 x→3 x→3 ( −2x )
Determine, se exitir o limite. Caso não exista, g) lim e cos(2x) h) lim + etan(2x)
x→+∞ x→( π
justifique sua resposta. 4)
√ √
a) lim [f (x) + 2g(x)] b) lim [f (x)]2 3
x+2− 2 3
x + 5x2 − 3
3
x→3 x→3 i) lim j) lim
È g(x)h(x)
x→0 x x→+∞ x2 + 6
c) lim f (x) + (g(x))2 d) lim
x→3 x→3 f (x) l) lim [5x + 5−x ] m) lim [5x + 5−x ]
x→+∞ x→−∞
f (x) + g(x) 3f (x)
e) lim f ) lim x −4
2
9
x→3 h(x) x→3 g(x) n) lim+ o) lim−
x→2 x2 − 4x − 4 x→0 x3 − x2
3f (x) + 5g(x)
e) lim
x→3 (h(x))2
117
Exercı́cio 58. Considere as funções f (x) e g(x) Exercı́cio 60. Uma nova forma de gripe foi des-
dadas abaixo. Calcule os seguintes limites. coberta, exigindo controle absoluto das autorida-
 2 des. Verificou-se que o perı́odo de maior in-
 x − 2x − 2 se x ∈ [−2, −1)

 cidência ocorre em épocas mais frias do ano, num



 2x + 6 se x ∈ [−1, 0] tempo estimado de 16 semanas. No perı́odo an-



 ( ) terior as autoridades fizeram forte campanha de

 π
4sen − 3x + 3 se x ∈ (0, 1) vacinação e, após x semanas o número N de no-
f (x) = x+1

 € x.π Š vas casos de pessoas contaminadas (em milhares



 2 cos + 2x se x ∈ [1, 2] de pessoas) é aproximadamente dada pela função:

 2



 360x2 + x
 x2 x
− +2 se x ∈ (2, 3] N (x) = + sen(x).
2 2 25 + 12, 5x2 − 25e−x
e As autoridades ficaram entusiasmadas, pois ao fi-
 € π.x Š nal do ciclo o número de novos casos estavam

 2sen se x ∈ [−2, −1]

 2 caindo significativamente. Tal entusiasmo, levou



 −xex+1 + 2x + 2 se x ∈ (−1, 0] as autoridades um leve descuido e, a campanha


 de vacinação começou somente na quarta semana
g(x) = x3 + x + 1 se x ∈ (0, 1] após o ı́nı́cio do ciclo, gerando uma epidemia da



 € x.π Š doença.

 + x2 − 9x + 14 se x ∈ (1, 2]


cos
i) De acordo com esta estimativa é possı́vel deter-


2
 minar o número de novos casos da gripe passados 4
2x − 6 se x ∈ [2, 3]
semanas do ı́nicio do ciclo. Determine tal número.
i) lim [f (x) + g(x)] ii) lim [f (x) − g(x)] ii) Determine o número de casos no ı́nicio do novo
x→2 x→−1 ciclo.
f (x) iii) Faça uma análise de como estará o controle da
iii) lim iv) lim [f (x).g(x)]
x→0 g(x) x→1 doença caso as autoridades mantenham sempre a
campanha de vacinação no ı́nicio e/ou até antes
v) lim [f (x) − g(x)] vi) lim [f (x) + g(x)]
x→2 x→−1 do inı́cio do ciclo.
f (x)
vii) lim [f (x).g(x)] viii) lim
x→0 x→1 g(x)
ix) lim [f (x) − g(x)] x) lim [f (x).g(x)]
x→0 x→2

f (x)
xi) lim [f (x) − g(x)] xii ) lim
x→1 x→−1 g(x)
xiii) lim5 [f (x) − g(x)] xiv) lim3 [f (x) + g(x)]
x→ 2 x→ 2
f (x)
xv) lim1 [f (x).g(x)] xvi) lim 1
x→ 2 x→− 2 g(x)
f (x) 1
xvii) lim5 xviii) lim3 [f (x).g(x)]
x→ 2 g(x) + 1 x→ 2 f (x)
f (x) − g(x) f (x)
xix) lim1 xx) lim 1
x→ 2 g(x) x→− 2 g(x) + f (x)

Exercı́cio 59. Calcule os limites. Exercı́cio 61. Calcule os limites.


ln(x − 2x − 7)
2 2
ln(x + 2x + 3)
i) lim ii) lim i) lim+ ln(x2 − 2x + 3) − logx3 −8 (x2 + 1)
x→4 x−4 x→+∞ ln(x − 2) x→2

iii) lim logx2 +3x+2 (x + 3x + 3) 2


ii) lim+ logx (x2 + 2)
x→−2 x→0

ln(x + 2x − 3)2
ln(x + 3) x2 ex
iv) lim v) lim iii) lim
x→+∞ x−2 x→−2 x−2 x→0 ex − 1

118
Exercı́cio 62. Considere as funções dadas pelos Exercı́cio 63. Determine o domı́nio para as
gráficos de f (x) e g(x) abaixo. funções:

i) f (x) = logx (x2 + 2) ii) f (x) = log2 (x2 − 1)

iii) f (x) = log5 (x2 − 2x)

iv) f (x) = logx2 −x−6 (x2 − 3x − 4)

v) f (x) = ln(|x2 − 2x + 1|)

vi) f (x) = ln(x2 − 2x + 3) − logx3 −8 (x2 + 1).

Exercı́cio 64. Determine o domı́nio e as


possı́veis raı́zes para as funções.
Gráfico de f(x)
i) f (x) = log3 (4x2 − 44x + 113)

ii) g(x) = log2 (x3 + 3x2 − 3x − 5)

iii) f (x) = log6 (22x + 2.2x − 2)

iv) g(x) = log4 (4.32x − 44.x + 113)


€ Š (4)
v) f (x) = log5 x
x+1 − log5 3
( )
vi) f (x) = log2 x2 − x − log2 (3)

vii) f (x) = 2log2 (x)−x


Gráfico de g(x) 2
vii) f (x) = 3log3 (3x +2x−1)
−x+1
Calcule os seguintes limites. ix) f (x) = 10log100 (x
3
+6x2 −32)
−x−4
i) lim [f (x) + g(x)] ii) lim [f (x) + g(x)]
x→2 x→0
x) f (x) = log2 (x − 3) + log2 (x − 2) − 1
iii) lim [f (x) + g(x)] iv) lim [f (x) + g(x)]
x→1 x→−1
√ √
xi) f (x) = log4 (x2 − 2) − log4 (x + 2) + log4 (x2 + 1) − 5(2 + 2)
v) lim [f (x) − g(x)] vi) lim [f (x) − g(x)]
x→2 x→0

vii) lim [f (x) − g(x)] viii) lim [f (x) − g(x)]


x→1 x→−1

ix) lim [f (x).g(x)] x) lim [f (x).g(x)]


x→1 x→2

xi) lim [f (x).g(x)] xii) lim [f (x).g(x)]


x→0 x→−1

f (x) f (x)
xiii) lim xiv) lim
x→0 g(x) x→1 g(x)
f (x) f (x)
xv) lim xvi) lim
x→−1 g(x) x→2 g(x)

f (x) f (x) + g(x)


xvii) lim xviii) lim
x→0 g(x) − f (x) x→2 f (x)
f (x) − g(x) f (x)
xix) lim xx) lim
x→2 g(x) x→−1 g(x) + f (x)

119
Capı́tulo 4

Derivada de Funções Reais

4.1 A Reta Tangente

Consideramos uma função f contı́nua


em x1 . Queremos definir a inclinação da reta tan-
gente ao gráfico de f em P (x1 , f (x1 )). Para isso,
seja I um intervalo aberto que contém x1 no qual
f esteja definida. Tomemos Q(x2 , f (x2 )) outro
ponto do gráfico de f , tal que x2 ∈ I. Tracemos

Figura 4.1: Reta tangente


uma reta passando por P e Q, ou seja, uma reta
secante.

Tomando a diferença das abscissas de Q e P e denotando por ∆x esta dife-


rença, temos
∆x = x2 − x1 .

A variação ∆x é chamada incremento de x.

A inclinação da reta secante S passando por P Q é dada por

f (x2 ) − f (x1 )
mP Q = ,
∆x

desde que a reta S não seja vertical. Como x2 = x1 + ∆x, a inclinação de S pode ser
escrita como
f (x1 + ∆x) − f (x1 )
mP Q = .
∆x

120
Vamos manter o ponto P fixo, e o ponto Q móvel. Então fazendo Q tender a
P ao longo da curva f (x) é equivalente dizer que ∆x tende a zero.

Se a reta secante S tiver uma posição limite, diremos que essa posição limite
é a reta tangente ao gráfico de f em P . Assim a inclinação da reta tangente ao gráfico
de f em P é o limite de mP Q quando ∆x → 0 se esse limite existir.

Se lim mP Q for +∞ ou −∞, então a medida que ∆x → 0, a reta secante S


∆x→0
aproxima-se da reta por P que é paralela ao eixo y.

Vamos agora definir o conceito de reta tangente em um ponto de uma curva


qualquer.

Definição 4.1. Suponhamos que a função f seja contı́nua em x1 . A reta tangente ao


gráfico de f no ponto P (x1 , f (x1 )) é
i) A reta por P tendo inclinação m(x1 ), dada por

f (x1 + ∆x) − f (x1 )


m(x1 ) = lim
∆x→0 ∆x

se o limite existir
ii) A reta x = x1 se

f (x1 + ∆x) − f (x1 )


lim + for + ∞ ou − ∞
∆x→0 ∆x

e
f (x1 + ∆x) − f (x1 )
lim − for + ∞ ou − ∞
∆x→0 ∆x

Exemplo 101. Ache a inclinação da reta tangente ao gráfico da função definida por:

y = f (x) = x2 + 2x − 3 no ponto (x1 , y1 )

Resolução: Temos que y1 = f (x1 ) = x21 + 2x1 − 3 e

f (x1 + ∆x) = (x1 + ∆x)2 + 2(x1 + ∆x) − 3 = x21 + 2x1 ∆x + ∆2 x + 2x1 + 2∆x − 3.

121
Pela definição acima, temos
f (x1 + ∆x) − f (x1 )
m(x1 ) = lim
∆x→0 ∆x

x21 + 2x1 ∆x + ∆2 x + 2x1 + 2∆x − 3 − x21 − 2x1 + 3


= lim
∆x→0 ∆x

2x1 ∆x + ∆2 x + 2∆x
= lim = lim 2x1 + ∆x + 2 = 2x1 + 2
∆x→0 ∆x ∆x→0

Como vimos, podemos determinar uma


reta tangente ao gráfico de uma função num ponto
dado, e isso posto pode-se determinar uma reta
normal a reta tangente.

Definição 4.2. A reta normal a um gráfico em


um dado ponto é a reta perpendicular a reta tan-
gente naquele ponto.
Figura 4.2: Reta Normal
Proposição 4.3. Duas retas r e s, não verticais são perpendiculares se, e somente se,
o produto de seus coeficientes angulares é −1.

Da proposição acima, temos

1
m(x1 ).n(x1 ) = −1 ou, equivalentemente, n(x1 ) = − ,
m(x1 )

onde m(x1 ) denota o coeficiente angular da reta tangente e n(x1 ) denota o coeficiente
angular da reta normal.

Exemplo 102. Encontre a equação da reta tangente e da reta normal ao gráfico da


função definida por:

y = f (x) = x3 − 3x + 4 no ponto (2, 6).

Resolução:
Pela definição temos x1 = 2 e que

f (x1 + ∆x) − f (x1 ) f (2 + ∆x) − f (2)


m(2) = m(x1 ) = lim = lim .
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x

122
Assim,

f (2 + ∆x) − f (2)
m(2) = lim
∆x→0 ∆x

(2 + ∆x)3 − 3(2 + ∆x) + 4 − 23 + 3.2 − 4


= lim
∆x→0 ∆x

23 + 3.22 ∆x + 3.2.∆2 x + ∆3 x − 3.2 − 3∆x − 23 + 3.2


= lim
∆x→0 ∆x

12∆x + 6∆2 x + ∆3 x − 3∆x


= lim = lim 9 + 6∆x + ∆2 x = 9
∆x→0 ∆x ∆x→0

Portanto, m(2) = 9 logo, n(2) = − 19 . Lembremos que uma equação de reta é


dada por
y − y1 = α(x − x1 ),

onde α é o coeficiente angular da reta. Então

1
y = 9x − 12 e y = − (x − 56)
9

são as equações da reta tangente e normal respectivamente.

4.2 Derivada

O limite para o cálculo da reta tangente é um dos limites mais importantes


do cálculo, como veremos esse limite traz inúmeras aplicações.

Definição 4.4. A derivada de uma função f é a função denotada por f ′ , tal que seu
valor em qualquer número x do domı́nio de f seja dado por:

f (x + ∆x) − f (x)
f ′ (x) = lim
∆x→0 ∆x

se esse limite existir.

Note que se x1 é qualquer ponto do domı́nio de f então f ′ (x1 ) é a inclinação


da reta tangente ao gráfico de f , no ponto P (x1 , f (x1 )).

123
Exemplo 103. Consideremos f (x) = C, onde C é uma constante real arbitrária. De-
termine f ′ .
Resolução: f é uma função constante, logo está definida para todo x ∈ R, pela definição
acima temos:
f (x + ∆x) − f (x)
f ′ (x) = lim
∆x→0 ∆x
c−c 0
= lim = lim = lim 0 = 0.
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x ∆x→0

Portanto, a derivada da função constante é nula.

Com a função f definida pela equação

y = f (x),

podemos expressar
∆y = f (x + ∆x) − f (x)

e chamaremos ∆y de incremento de y, o qual denota a variação no valor da função


dy
quando x varia de ∆x. Escrevendo em lugar de f ′ (x), temos
dx
f (x + ∆x) − f (x) dy ∆y
f ′ (x) = lim se torna = lim .
∆x→0 ∆x dx ∆x→0 ∆x
dy
O sı́mbolo indica que estamos derivando y com respeito a variável x. Vale
dx
dy
ressaltar ainda que, neste momento é apenas um sı́mbolo e não um quociente.
dx
Nossa primeira questão é saber se uma função f contı́nua é derivável em todos
os pontos do seu domı́nio. A resposta para esta pergunta é negativa, como veremos em
nosso próximo exemplo.

Exemplo 104. Seja f a função valor absoluto, ou seja,


¨
x se x ≥ 0
f (x) = |x| =
−x se x < 0.

Contı́nua em todo ponto x ∈ R. Mostre que f ′ (0) não existe.


Resolução: Para que
f (0 + ∆x) − f (0)
f ′ (0) = lim
∆x→0 ∆x

124
exista, devemos ter

f (0 + ∆x) − f (0) f (0 + ∆x) − f (0)


lim + = lim − .
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x

Contudo,

f (0 + ∆x) − f (0) |∆x|


lim + = lim + = lim + 1 = 1
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x ∆x→0

e
f (0 + ∆x) − f (0) |∆x|
lim − = lim − = lim − −1 = −1.
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x ∆x→0

Portanto, a igualdade dos limites laterais não acorre, donde

f (0 + ∆x) − f (0)
lim
∆x→0 ∆x

não existe, consequentemente f ′ (0) não existe.

Do exemplo acima, podemos concluir que a continuidade de uma função não


implica diferenciabilidade, por outro lado, se f for derivável em um ponto x1 então f é
contı́nua nesse ponto. Vamos enunciar isso como teorema.

Teorema 4.5. Se uma função f for derivável em x1 , então f será contı́nua em x1 .

Podemos definir derivadas à esquerda e à direita como

f (x + ∆x) − f (x) f (x + ∆x) − f (x)


f−′ (x) = lim − e f+′ (x) = lim +
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x

respectivamente, se os limites existirem. Segue daı́ que f é derivável num ponto x fixo
se, e somente se as derivadas à esquerda e à direita existirem e forem iguais.

4.3 Cálculo da Derivada

Já vimos que a derivada de uma função constante é nula, prosseguimos nossos
estudos, primeiramente vendo os seguintes exemplos.

125
Exemplo 105. Seja f (x) = x. Determine a derivada de f num ponto qualquer do
domı́nio de f .
Resolução: Pela definição de derivada temos:
f (x + ∆x) − f (x) x + ∆x − x
f ′ (x) = lim = lim
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x
∆x
= lim = lim 1 = 1.
∆x→0 ∆x ∆x→0

Portanto, se f (x) = x então f ′ (x) = 1.

Exemplo 106. Seja f (x) = cx + m. Determine a derivada de f num ponto qualquer do


domı́nio de f , onde c ̸= 0 e c, m ∈ R .
Resolução: Pela definição de derivada temos:
f (x + ∆x) − f (x) cx + c∆x + m − cx − m
f ′ (x) = lim = lim
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x
c∆x
= lim = lim c = c.
∆x→0 ∆x ∆x→0

Portanto, se f (x) = cx + m então f ′ (x) = c.

Teorema 4.6. Se f e g forem funções e h for a função definida por

h(x) = f (x).g(x)

então, se existirem f ′ (x) e g ′ (x) tem-se

h′ (x) = f ′ (x).g(x) + f (x).g ′ (x)

Exemplo 107. Seja h(x) = xn tal que n ∈ N e n ≥ 2. Então h′ (x) = nxn−1 .


Resolução: Seja n ∈ N fixo, então n é finito. Vamos usar o teorema acima para mostrar
nossa afirmação. Se n = 2, temos h(x) = x2 = x.x, onde f (x) = x e g(x) = x. Vimos
que tanto f quanto g são diferenciáveis e f ′ (x) = 1 = g ′ (x), pelo teorema acima temos:

h′ (x) = f ′ (x).g(x) + f (x).g ′ (x) = 1.x + x.1 = 2x = 2x2−1

e a afirmação é verdadeira.

126
Suponhamos que n = k > 2 e que tenhamos feito o processo indutivo até
k − 1, ou seja, se f (x) = xk−1 então f ′ (x) = (k − 1)xk−2 , isso é possı́vel posto que, n
embora grande é finito. Logo se

h(x) = xk = xk−1 .x

temos,

h′ (x) = f ′ (x).g(x) + f (x).g ′ (x) = (k − 1)xk−2 x + xk−1 = [(k − 1) + 1]xk−1 = kxk−1 .

Portanto, se h(x) = xn então h′ (x) = nxn−1 .

Uma prova mais rigorosa do exemplo acima, é feita usando a expansão bino-
mial de Newton, onde
( )

n
n
h(x + ∆x) = (x + ∆x) n
= (∆x)i xn−i
i=0 i
€nŠ €nŠ € nŠ €nŠ
= 0
xn + 1
∆xxn−1 + 2
(∆x)2 xn−2 + · · · + n
(∆x)n .

Donde,
€ nŠ € nŠ € nŠ
(x + ∆x)n − xn 1
∆xxn−1 + 2
(∆x)2 xn−2 + · · · + n
(∆x)n
lim = lim
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x
[( ) ( ) ( ) ]
n n−1 n n
= lim x + (∆x)xn−2 + · · · + (∆x)n−1
∆x→0 1 2 n

€ nŠ n!
= xn−1 = xn−1 = nxn−1 .
1
1!(n − 1)!
Teorema 4.7. Se f e g são funções tais que f ′ (x) e g ′ (x) existam, se
i) h(x) = cf (x) então h′ (x) = cf ′ (x).
ii) h(x) = f (x) + g(x) então h′ (x) = f ′ (x) + g ′ (x).
iii) h(x) = f (x) − g(x) então h′ (x) = f ′ (x) − g ′ (x).
f (x) f ′ (x).g(x) − f (x).g ′ (x)
iv) h(x) = tal que g(x) ̸= 0 então h′ (x) =
g(x) [g(x)]2
Exemplo 108. Seja h(x) = x−n onde −n é um número inteiro negativo e x ̸= 0, então

h′ (x) = −nx−n−1 .

127
Resolução: Como −n é negativo, segue que n é positivo, assim

1
h(x) =
xn

Usando a regra do quociente, item iv do teorema acima, com f (x) = 1 e


g(x) = xn e sabendo que f e g são diferenciáveis cujas derivadas são dadas por f ′ (x) = 0
e g ′ (x) = nxn−1 , temos

0.xn − 1.nxn−1 −nxn−1


h′ (x) = = = −nx−n−1
[xn ]2 x2n

Exemplo 109. Seja f (x) = an xn + an−1 xn−1 + · · · + a1 x + a0 . Determine a derivada de


f.
Resolução: Usando o item ii seguido do item i do teorema acima, posto que cada uma
das parcelas de f são diferenciáveis, vem

f ′ (x) = na1 xn−1 + (n − 1)an−1 xn−2 + · · · + 2a2 x + a1

Exercı́cio 65. Seja f (x) = 5x5 + 3x3 − 150x + 3. Determine a derivada de f .

Exemplo 110. Seja f uma função diferenciável e n ≥ 2 inteiro, se

h(x) = [f (x)]n então h′ (x) = n[f (x)]n−1 f ′ (x).

Resolução: Se n = 2 então h(x) = [f (x)]2 = f (x).f (x), pela regra do produto temos

h′ (x) = f ′ (x).f (x) + f (x).f ′ (x) = 2.f (x).f ′ (x) = 2[f (x)]2−1 .f ′ (x).

Suponha que n = k e que tenhamos feito o processo indutivo até k − 1, ou


seja, se h(x) = [f (x)]k−1 então h′ (x) = (k − 1)[f (x)]k−2 .f ′ (x).

Definamos g(x) = [f (x)]k , portanto, g(x) = [f (x)]k−1 .f (x) = h(x).f (x), pela
regra do produto vem,
g ′ (x) = h′ (x).f (x) + h(x).f ′ (x)

= (k − 1)[f (x)]k−2 .f ′ (x).f (x) + [f (x)]k−1 .f ′ (x)

= (k − 1)[f (x)]k−1 .f ′ (x) + [f (x)]k−1 .f ′ (x) = k[f (x)]k−1 .f ′ (x)

128
A prova mais rigorosa do exemplo acima leva em conta a seguinte igualdade
• ˜ •
[f (x + ∆x)]n − [f (x)]n = f (x + ∆x) − f (x) . (f (x + ∆x))n−1 + (f (x + ∆x))n−2 f (x)+
˜
+ (f (x + ∆x))n−3 (f (x))2 + · · · + f (x + ∆x)(f (x))n−2 + (f (x))n−1

Usa o fato da diferenciabilidade de f , onde se tem a continuidade.

Exemplo 111. Seja h(x) = (3x3 − 6x)3 . Determine a derivada de h.


Resolução: Pondo f (x) = 3x3 − 6x, temos que h(x) = [f (x)]3 , do exemplo anterior
temos que
h′ (x) = 3[f (x)]2 .f ′ (x) = 3[3x3 − 6x]2 (9x2 − 6).

Exemplo 112. Seja h(x) = (8x2 − 5x5 )5 . Determine a derivada de h.


Resolução: Pondo f (x) = 8x2 − 5x5 , assim h(x) = [f (x)]5 , do exemplo 110 temos que

h′ (x) = 5[f (x)]4 .f ′ (x) = 5[8x2 − 5x5 ]4 (16x − 25x4 ).

Exemplo 113. Seja f uma função diferenciável e −n um número inteiro negativo, se


f (x) ̸= 0 e
h(x) = [f (x)]−n então h′ (x) = −n[f (x)]−n−1 f ′ (x).

Resolução: Se −n é negativo então n é positivo, pela regra do quociente e do exemplo


110, temos ‚ Œ′
′ 1 0.[f (x)]n − n[f (x)]n−1 f ′ (x)
h (x) = =
[f (x)]n [f (x)]2n

= −n[f (x)]−n−1 f ′ (x).


Exemplo 114. Seja h(x) = (x2 + 8x)−2 . Determine a derivada de h.
Resolução: Pondo f (x) = x2 + 8x, assim h(x) = [f (x)]−2 , do exemplo 113 temos que

h′ (x) = −2[f (x)]−2−1 f ′ (x) = −2[x2 + 8x]−3 (2x + 8).

Exemplo 115. Seja h(x) = (3x2 − 3)4 .(x2 + 3x)−2 . Determine a derivada de h.
Resolução: Pondo f (x) = 3x2 − 3 e g(x) = x2 + 3x, segue que h(x) = [f (x)]4 .[g(x)]−2
ainda, temos que
f ′ (x) = 6x e g ′ (x) = 2x + 3.

129
Então usando a regra do produto e os exemplos 110 e 113, vem
h′ (x) = ([f (x)]4 )′ .[g(x)]−2 + [f (x)]4 .([g(x)]−2 )′

= 4[f (x)]3 .f ′ (x).[g(x)]−2 + [f (x)]4 (−2[g(x)]−3 .g ′ (x))

= 4[3x2 − 3]3 .(6x).[x2 + 3x]−2 − 2[3x2 − 3]4 [x2 + 3x]−3 .(2x + 3)

= 24x.[3x2 − 3]3 .[x2 + 3x]−2 − (4x + 6)[3x2 − 3]4 [x2 + 3x]−3

Derivada das funções trigonométricas. Inicialmente lembremos que

sen(a + b) = sen(a) cos(b) + cos(a)sen(b) e cos(a + b) = cos(a) cos(b) − sen(a)sen(b)

Exemplo 116. Seja f (x) = sen(x). Determine a derivada de f .


Resolução:
f (x + ∆x) − f (x) sen(x + ∆x) − sen(x)
f ′ (x) = lim = lim
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x
sen(x) cos(∆x) + cos(x)sen(∆x) − sen(x)
= lim
∆x→0 ∆x
– ™
sen(x)[cos(∆x) − 1] cos(x)sen(∆x)
= lim +
∆x→0 ∆x ∆x

(cos(∆x) − 1) sen(∆x)
= sen(x) lim + cos(x) lim = cos(x).
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x

Portanto, (sen(x))′ = cos(x).

Exemplo 117. Seja f (x) = cos(x). Determine a derivada de f .


Resolução:
f (x + ∆x) − f (x) cos(x + ∆x) − cos(x)
f ′ (x) = lim = lim
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x
cos(x) cos(∆x) − sen(x)sen(∆x) − cos(x)
= lim
∆x→0 ∆x
– ™
cos(x)[cos(∆x) − 1] sen(x)sen(∆x)
= lim −
∆x→0 ∆x ∆x
(cos(∆x) − 1) sen(∆x)
= cos(x) lim − sen(x) lim = −sen(x).
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x

Portanto, (cos(x))′ = −sen(x).

130
Exercı́cio 66. Determine a derivada das funções abaixo.
sen(x) cos(x) 1 1
a) tan(x) = b) cot(x) = c) sec(x) = d) csc(x) = .
cos(x) sen(x) cos(x) sen(x)
Resposta
a) (tan(x))′ = sec2 (x) b) (cot(x))′ = − csc2 (x) c) (sec(x))′ = sec(x). tan(x) d)
(csc(x))′ = − csc(x). cot(x).

Derivada das funções exponenciais e logarı́tmicas.

Exemplo 118. Determine a derivadas de f (x) = ex e g(x) = ln(x), para x > 0.


Resolução: Exponencial, vamos trocar ∆x = h.
€ Š € Š
ex+h − ex ex eh − 1 eh − 1
f ′ (x) = lim = lim = ex lim = ex .
h→0 h h→0 h h→0 h
h
Logarı́tmica. Faremos uma mudança pondo, t = , assim t → 0 quando
x
h → 0. Logo,
€ Š ‚ Œ
′ ln(x + h) − ln(x) ln x+h
x 1 h
g (x) = lim = lim = lim ln 1 +
h→0 h h→0 h h→0 h x

1 1 1 1 1
= lim ln (1 + t) = lim ln (1 + t) t = ln(e) =
t→0 tx t→0 x x x
Portanto,
1
(ex )′ = ex e (ln(x))′ = .
x

4.4 Derivada de Funções Composta

Até o momento vı́nhamos derivando funções polinomiais, funções racionais


e as funções trigonométricas, mas o conceito de derivada não se limita somente a esses
tipos de funções. O teorema seguinte possibilita derivar muitas funções que seria muito
laborioso com o uso da definição de derivada.

Teorema 4.8. (Regra da Cadeia) Se a função f for derivável em x e a função g for


derivável em f (x), então a função composta g ◦ f será derivável em x, e

(g ◦ f )′ = g ′ (f (x)).f ′ (x).

131
Ilustraremos este teorema, no seguinte exemplo.

Exemplo 119. Seja f (x) = x10 e g(x) = 2x3 − 5x2 + 4, a função composta f ◦ g é dada
por:
(f ◦ g)(x) = f (g(x)) = f (2x3 − 5x2 + 4) = (2x3 − 5x2 + 4)10 .

Determine a derivada de f ◦ g.
Resolução: Inicialmente calculemos f ′ (g(x)) e g ′ (x).

Como f (x) = x10 então f ′ (x) = 10x9 , assim

f ′ (g(x)) = 10(2x3 − 5x2 + 4)9 .

De g(x) = 2x3 − 5x2 + 4 então g ′ (x) = 6x2 − 10x.

Pela regra da cadeia temos

(f ◦ g)′ (x) = f ′ (g(x)).g ′ (x) = 10(2x3 − 5x2 + 4)9 .(6x2 − 10x).

Nota-se que o processo de potência já discutido, onde h(x) = [f (x)]n é um


caso particular da regra da cadeia.
dy
Se y for uma função de u, ou seja, y = f (u) e existir, e se u for uma
du
du
função de x, u = g(x) e existir, então y será uma função de x e
dx
dy dy du
= . .
dx du dx

Consideramos a função y = 21x − 112 = 7(3x − 16), a qual é uma função


composta de y = 7u e u = 3x − 16. Assim

dy du dy
= 7, =3 e = 21,
du dx dx
dy dy du
contudo, 21 = 7.3, ou seja, = . .
dx du dx
Exemplo 120. Determine a derivadas de

f (x) = ax onde a > 0, a ̸= 1 e g(x) = loga (x), para x > 0 e a > 0, a ̸= 1.

132
x
Resolução: Notemos que ax = eln(a) = ex ln(a) . Pela regra da cadeia, temos

€ Š′
f ′ (x) = (ax )′ = ex ln(a) = ex ln(a) . ln(a) = ax . ln(a).

Para loga (x), fazendo uma mudança de base, para a base e. Assim,
‚ Œ′
′ ′ ln(x) 1
g (x) = (loga (x)) = = .
ln(a) x ln(a)

Já sabemos calcular a derivada de f (x) = xn quando n é um número inteiro


qualquer. Faremos uso da regra da cadeia para estender o conceito de derivada para
f (x) = xr quando r é um número racional.

Exemplo 121. Seja f (x) = xr tal que x > 0. Determine a derivada de f .


Resolução:
1
1o Caso: Seja f (x) = x q onde q ∈ Z∗+ . Lembremos que

an − bn = (a − b)(an−1 + an−2 b + an−3 b2 + an−4 b3 + · · · + a3 bn−4 + a2 bn−3 + abn−2 + bn−1 ).

Da definição de derivada, temos


1 1

′ (x + ∆x) q − x q
f (x) = lim = .
∆x→0 ∆x
1 1
Definamos b = x q e a = (x + ∆x) q , então

aq − bq = (a − b)(aq−1 + aq−2 b + aq−3 b2 + aq−4 b3 + · · · + a3 bq−4 + a2 bq−3 + abq−2 + bq−1 ).

Multiplicando o numerador e o denominador na definição de derivada por

(aq−1 + aq−2 b + aq−3 b2 + aq−4 b3 + · · · + a3 bq−4 + a2 bq−3 + abq−2 + bq−1 )

temos,
(x + ∆x) − x
f ′ (x) = lim
∆x→0 ∆x(aq−1 + aq−2 b + aq−3 b2 + + · · · + a3 bq−4 + a2 bq−3 + abq−2 + bq−1 )
aq−4 b3

1
= lim
∆x→0 (aq−1 + aq−2 b + aq−3 b2 + aq−4 b3 + · · · + a3 bq−4 + a2 bq−3 + abq−2 + bq−1 )

133
1
Da mudança de variável tem-se que, a → x q sempre que ∆x → 0, assim
1
f ′ (x) = q−1 q−2 q−3 q−4 3 2 1
(x q +x q b+x q b2 + x q b3 + · · · + x q bq−4 + x q bq−3 + x q bq−2 + bq−1 )

1 1 1
= q−1 q−1 q−1 q−1 q−1 q−1 q−1 q−1 = x q −1 .
x q +x q +x q +x q + ··· + x q +x q +x q +x q q

1 1
Portanto, se f (x) = x q então f ′ (x) = x q −1 .
1

q
Se q acima for um número par, então a fórmula acima vale para x > 0. Se q
for um número ı́mpar a fórmula acima vale para todo x ̸= 0.
p
2o Caso: f (x) = x q onde p ∈ Z∗ e q ∈ Z∗+ .

Vamos utilizar a regra da cadeia, para isso consideremos g(x) = xp e


1
h(x) = x q , disso temos que g e h são deriváveis e,

1 1
g ′ (x) = pxp−1 e h′ (x) = x q −1
q

logo,
( )p−1 1 p p
. x q −1 = x q −1 .
1 1
f ′ (x) = g ′ (h(x)).h′ (x) = p x q
q q

Se q acima for um número par, então a fórmula acima vale para x > 0. Se q
for um número ı́mpar a fórmula acima vale para todo x ̸= 0.

Portanto, se f (x) = xr então f ′ (x) = rxr−1 para todo r ∈ Q.


1
Exemplo 122. Determine a derivada da função f dada por f (x) = (3x2 + 3) 3 .
resolução: Pela regra da cadeia, temos

1
f ′ (x) = (3x2 + 3) 3 −1 (6x) = 2x(3x2 + 3)− 3
1 2

Exemplo 123. Calcule a derivada da função

f (x) = xn onde x > 0 e n ∈ R.

Resolução: Já vimos que se n ∈ Q, então

f ′ (x) = nxn−1 .

134
Por outro lado, se n ∈ R \ Q e x > 0, então

f (x) = xn = en ln(x) ,

consequentemente,
n n ln(x) n n
f ′ (x) = e = x = nxn−1 .
x x

Exemplo 124. Determine a derivada da função f dada por;


É √ È
f (x) = 3x2 + cos(tan(x)) + sen(x3 − 3).

Resolução: Vamos usar a regra da cadeia várias vezes neste exemplo. Primeiramente
notemos que
• √ È ˜ 1 −1 • √ È ˜′
1 2
f ′ (x) = 3x2 + cos(tan(x)) + sen(x3 − 3) . 3x2 + cos(tan(x)) + sen(x3 − 3)
2

Definindo
√ È
g(x) = 3x + 2
cos(tan(x)) + sen(x3 − 3)

vem,

1[ È ] 1 −1 [ È ]′
g ′ (x) = 6x + cos(tan(x)) + sen(x3 − 3) 2 . cos(tan(x)) + sen(x3 − 3)
2

Pondo
[ È ] 1 −1
q(x) = 6x + cos(tan(x)) + sen(x3 − 3) 2

e
È
h(x) = cos(tan(x)) + sen(x3 − 3),

derivando h(x) e observando que a regra da cadeia foi usada quantas vezes for necessária,
obtemos

′ 3x2 ” —− 1
h (x) = −sen(tan(x)). sec (x) + 2
sen(x3 − 3) 2 . cos(x3 − 3).
2

135
Temos assim que

1• 2 √ È ˜− 1
2
f ′ (x) = 3x + cos(tan(x)) + sen(x3 − 3) .[6x + [q(x) − 6x].h′ (x)],
2

ou seja,

1• 2 √ È ˜− 1
2
f ′ (x) = 3x + cos(tan(x)) + sen(x3 − 3)
2
–
1[ È ]− 1
. 6x + cos(tan(x)) + sen(x3 − 3) 2
2
[ ]]
3x2 • ˜− 1
2
. −sen(tan(x)). sec (x) +
2
sen(x − 3)
3
. cos(x − 3)
3
2

Exemplo 125. Calcule a derivada de f (x) = ln(|x|) para x ∈ R∗ .


Resolução: Se x > 0, então f (x) = ln(|x|) = ln(x). Se x < 0, então f (x) = ln(|x|) =
ln(−x).

Em ambos os casos, temos

1 −1
(ln(x))′ = = = (ln(−x))′ .
x −x

1
Assim, f ′ (x) = (ln(|x|))′ = .
x

u′ (x)
Do exemplo acima, pela regra da cadeia, tem-se f ′ (x) = (ln(|u(x)|))′ = .
u(x)

Exemplo 126. Ache f ′ (x) se f (x) = ln |x4 + x3 |.


Resolução:
′ 1 3 2 x2 (4x + 3) 4x + 3
f (x) = 4 (4x + 3x ) = = .
x + x3 x2 (x2 + x) x2 + x

Exemplo 127. Consideremos as funções f , g diferenciáveis e f (x) > 0 para todo x,


pondo
h(x) = f (x)g(x)

então
h(x).g(x).f ′ (x)
h′ (x) = h(x).g ′ (x). ln(f (x)) + .
f (x)

136
Resolução: Como h(x) = f (x)g(x) então
€ Š
ln(h(x)) = ln f (x)g(x) = g(x). ln(f (x)).

Segue daı́ que

h′ (x) f ′ (x)
= g ′ (x). ln(f (x)) + g(x).
h(x) f (x)

e, portanto,
h(x).g(x).f ′ (x)
h′ (x) = h(x).g ′ (x). ln(f (x)) +
f (x)

= f (x)g(x) . ln(f (x)).g ′ (x) + g(x).f (x)g(x)−1 .f ′ (x).


3 +x
Exemplo 128. Determine a derivada da função h(x) = (x3 + x2 + x)2x .
Resolução: Pondo f (x) = x3 + x2 + x e para todo x tal que f (x) > 0 e g(x) = 2x3 + x
temos
– ™
′ 3 2 2x3 +x 2 (2x3 + x)(3x2 + 2x + 1)
3 2
h (x) = (x + x + x) . (6x + 1). ln(x + x + x) + .
x3 + x2 + x
dy 1
Exemplo 129. Calcule se y = e x2 .
dx
Resolução:
‚ Œ′ ‚ Œ 1
dy 1 1 21 2e x2
= e x2 . 2 =e . − 3
x2 =− 3 .
dx x x x
dy
Exemplo 130. Calcule se y = e2x+ln(x) .
dx
Resolução:
‚ Œ
dy 1
= e2x+ln(x) . (2x + ln(x))′ = e2x+ln(x) . 2 + = 2xe2x + e2x .
dx x

para todo a > 0, a ̸= 1.


2 +x
Exemplo 131. Calcule a derivada da função f (x) = ax
2 +x 2 +x) ln(a)
Resolução: Por definição ax = e(x e pela regra da cadeia, temos
( )′
f ′ (x) = e(x
2 +x) ln(a) 2 +x) ln(a) 2 +x
= e(x .(2x + 1) ln(a) = (2x + 1) ln(a)ax .

De modo geral pela regra da cadeia, se

f (x) = au(x) então f ′ (x) = au(x) u′ (x) ln(a).

137

Exemplo 132. Calcule a derivada de f (x) = |3x2 + 6x − 5| 3 , onde f (x) ̸= 0.
Resolução: Notemos que
√ √
3 ln(|3x2 +6x−5|)
f (x) = |3x2 + 6x − 5| 3
=e

assim
‚ Œ

( √
3 ln(|3x2 +6x−5|)
)′ √
3 ln(|3x2 +6x−5|)
√ 6x + 6
f (x) = e = e 3
3x + 6x − 5
2

‚ Œ
√ 6x + 6 √
= 3 |3x2
+ 6x − 5| 3
.
3x2 + 6x − 5

Por outro lado, para todo x tal que 3x2 + 6x − 5 > 0, temos

√ √
f ′ (x) = 3(6x + 6)|3x2 + 6x − 5| 3−1
.

Exemplo 133. Calcule a derivada de f (x) = |x|x .


Resolução: Note que |x|x = ex ln(|x|) e, portanto,
‚ Œ
€ Š 1
′ x ′ x ln(|x|) ′
f (x) = (|x| ) = e =e x ln(|x|)
ln(|x|) + x. = |x|x (ln(|x|) + 1) .
x

E, para todo x > 0 temos,

f ′ (x) = xx (ln(x) + 1) .

€ 2
Š
Exemplo 134. Calcule a derivada de f (x) = ln x + ex
Resolução:
( ( ))′ 1 + 2xex
2

f ′ (x) = ln x + ex
2
= .
x + ex2
€ 2
Š
x+ex
Exemplo 135. Calcule a derivada de f (x) = x
‚ € ŠŒ
x+ex
2 € 2
Š
Resolução: Note que ln(f (x)) = ln x = x + ex ln(x). Logo,

(( ) )′ € Š [( ) 2 ]
x+ex
2
x + ex
f ′ (x) = f (x). x+e x2
ln(x) =x . 1 + 2xe x2
ln(x) + .
x

138
4.5 Derivação Implı́cita

Iniciamos com o seguinte caso, onde x e y relaciona pela lei

x2 + y 2 = r2 onde r ∈ R+ .

Notemos que y não está em função de x, contudo, existem funções para as


quais y se torna uma função de x. Tais quais

√ √
y= r2 − x2 ou y = − r 2 − x2 .


y= r2 − x2 é a parte positiva da “circunferência”e

y = − r2 − x2 é a parte negativa da “circunferência”.

Essas duas funções podem ser deriváveis em respeito a variável x, ainda define
y explicitamente. Contudo, nem sempre é possı́vel resolver y em termos de x.

Quando não é possı́vel definir y explicitamente na variável x, podem existir


uma ou mais de uma função para a(s) qual(is) y = f (x), e isso será válido para todos os
valores de x no domı́nio de f . Neste caso f está definida implicitamente pela equação
dada.

Considerando a equação x2 + y 2 = r2 , temos que existe pelo menos duas


funções para as quais y = f (x) com f (x) derivável. A derivada de y pode ser obtida por
derivação implı́cita, lembremos que se

dy
y = f (x) então = f ′ (x) = y ′ .
dx

De posse disso, nossa equação pode ser reescrita como

x2 + [f (x)]2 = r2

portanto, derivando esta equação com respeito a variável x temos,

2x + 2f (x).f ′ (x) = 0.

139
Segue daı́ que

x dy x
f ′ (x) = − , ou seja, y′ = =− .
f (x) dx y

√ dy x
Se considerarmos y = r2 − x2 , temos y ′ = = −√ 2 .
dx r − x2
√ dy x
Se considerarmos y = − r2 − x2 , temos y ′ = =√ 2 .
dx r − x2
Como era de se esperar.

Exemplo 136. Seja x6 − 2x = 3y 6 + y 5 − y 2 . Determine a derivada de y com respeito


a x, onde y é definida implicitamente como função de x. E determine a equação da reta
tangente no ponto P (−1, 1).

Resolução: Tenha em mente que y = f (x)


assim y n = [f (x)]n derivando esta última igualdade com
respeito a x temos

d(y n ) dy
= n[f (x)]n−1 f ′ (x) = ny n−1 . .
dx dx

Voltemos a equação x6 − 2x = 3y 6 + y 5 − y 2 ,
Figura 4.3: Derivada Implı́cita
derivando com respeito a x, temos

dy dy dy
(x6 − 2x)′ = (3y 6 + y 5 − y 2 )′ então 6x5 − 2 = 18y 5 . + 5y 4 . − 2y. .
dx dx dx

dy 6x5 − 2
Portanto, = e
dx 18y 5 + 5y 4 − 2y

dy 6.(−1)5 − 2 8
m(−1, 1) = = = − .
dx (−1, 1) 18(1)5 + 5(1)4 − 2.1 21

8 8x 13
Logo, a equação da reta tangente é dada por y = − (x+1)+1 = − + .
21 21 21
Exemplo 137. Seja xy 6 − 2x2 y = sen(xy 6 ). Determine a derivada de y com respeito
a x, onde y é definida implicitamente como função de x. E determine a derivada de x
com respeito a y, onde x é definida implicitamente como função de y.

140
dy
Resolução: Vamos determinar y ′ = .
dx

y 6 + 6xy 5 y ′ − 4xy − 2x2 y ′ = cos(xy 6 )(y 6 + 6xy 5 y ′ )

dy
′ y 6 − 4xy − y 6 cos(xy 6 )
Portanto, y = = .
dx 6xy 5 cos(xy 6 ) − 6xy 5 + 2x2
dx
Vamos determinar x′ = .
dy

x′ y 6 + 6xy 5 − 4xx′ y − 2x2 = cos(xy 6 )(6xy 5 + x′ y 6 )

dx 6xy 5 − 2x2 − 6xy 5 cos(xy 6 )


Portanto, x′ = =
dy y 6 cos(xy 6 ) − y 6 + 4xy

4.6 Funções Trigonométricas Inversas

Uma função é inversı́vel, se ela é biunı́voca, assim


definamos.

Definição 4.9. A função inversa do seno, denotada por


sen−1 , ou arcsen, é assim definida

π π
y = sen−1 (x) se, e somente se x = sen(y) e − ≤y≤ .
2 2
Figura 4.4: Gráfico arco seno.
Definição 4.10. A função inversa do coseno, denotada por
cos−1 , ou arccos, é assim definida

y = cos−1 (x) se, e somente se x = cos(y) e 0 ≤ y ≤ π.

Figura 4.5: Gráfico arco cos-


seno. Definição 4.11. A função inversa da tangente, denotada por
tan−1 , ou arctan, é assim definida

π π
y = tan−1 (x) se, e somente se x = tan(y) e − <y< .
2 2

141
Definamos ainda,

Definição 4.12. A função inversa da co-tangente, denotada


por cot−1 , ou arccot, é assim definida

π
cot−1 (x) = − tan−1 (x)
Figura 4.6: Gráfico arco tan- 2
gente.
onde x é um número real qualquer, ou ainda

y = cot−1 (x) se, e somente se x = cot(y) e 0 < y < π.

Definição 4.13. A função inversa do secante, denotada por


sec−1 , ou arcsec, é assim definida y = sec−1 (x) se, e somente
Figura 4.7: Gráfico arco co-
tangente. se 
 0≤y< se x ≥ 1
π
 2
x = sec(y) e 

π≤y< 3π
2
se x < −1
Definição 4.14. A função inversa da co-secante, denotada

Figura 4.8: Gráfico arco se- por csc−1 , ou arccsc, é assim definida
cante.
π
csc−1 (x) = − sec−1 (x) para |x| ≥ 1
2

ou ainda, y = csc−1 (x) se, e somente se



𘠁 π˜
x = csc(y) e y ∈ −π, − ∪ 0, .
2 2
Figura 4.9: Gráfico arco cos-
secante. Teorema 4.15. Suponha que a função f seja contı́nua e cres-
cente no intervalo fechado [a, b]. Então, se f −1 for sua inversa, que está definida em
[f (a), f (b)].
i) f −1 é crescente em [f (a), f (b)].
ii) f −1 é contı́nua em [f (a), f (b)].

Teorema 4.16. Suponha que a função f seja contı́nua e decrescente no intervalo fechado
[a, b]. Então, se f −1 for sua inversa, que está definida em [f (b), f (a)].
i) f −1 é decrescente em [f (b), f (a)].
ii) f −1 é contı́nua em [f (b), f (a)].

142
Teorema 4.17. Suponha que a função f seja monótona e contı́nua no intervalo fechado
[a, b] e seja y = f (x). Se f for diferenciável em [a, b] e f ′ (x) ̸= 0 para todo x em [a, b],
então a derivada da função inversa f −1 , definida por x = f −1 (y) será dada por
dx 1
= dy .
dy dx

Exemplo 138. Seja f (x) = x com x ≥ 0. Determine a função inversa de f e sua
derivada.
Resolução: Como f é biunı́voca, f −1 existe, e

f −1 (y) = y 2 ,

onde f (x) = y.


Tomando x = f −1 (y), temos x = y 2 com y ≥ 0, x ≥ 0. Donde y = x, temos
assim que,
dy 1 dx
= √ e = 2y.
dx 2 x dy

Contudo,
dx √ 1 1
= 2y = 2 x = 1 = dy
dy √
2 x dx
para todo x ∈ (0, +∞).

Usaremos o conceito de derivação implı́cita para obtermos as derivadas das


funções trigonométricas inversas. Vamos usar o teorema da função inversa.

Exemplo 139. Seja f (y) = sen(y). Determine a derivada da função inversa do sen(y).
Resolução: Seja f (y) = sen(y) então f é diferenciável em toda a reta R, ainda existem
intervalos I onde f ′ nunca é zero, logo a inversa de f existe e é diferenciável em I. Pela
definição
•
π π˜
y = sen−1 (x) ⇔ x = sen(y) e y∈ − , .
2 2

A derivada da função sen(y) é conhecida, consideremos então x = sen(y).


Por derivação implı́cita temos

dy π π‹
1 = cos(y). com y ∈ − , .
dx 2 2

143
Lembremos ainda que,
È
cos2 (y) + sen2 (y) = 1 então cos(y) = 1 − sen2 (y),
€ Š
posto que cos(y) > 0 para y ∈ − π2 , π2 . Ainda do fato que x = sen(y), vem

cos(y) = 1 − x2 .

Portanto, substituindo na derivada temos


√ dy dy 1
1= 1 − x2 . , ou seja, =√ com x ∈ (−1, 1).
dx dx 1 − x2

dy 1
Assim se, y = sen−1 (x) então =√ .
dx 1 − x2
Exemplo 140. Seja f (y) = cos(y). Determine a derivada da função inversa do cos(y).
Resolução: Seja f (y) = cos(y) então f é diferenciável em toda a reta R, ainda existem
intervalos I onde f ′ nunca é zero, logo a inversa de f existe e é diferenciável em I. Pela
definição
y = cos−1 (x) ⇔ x = cos(y) e y ∈ [0, π] .

A derivada da função cos(y) é conhecida, consideremos então x = cos(y).


Por derivação implı́cita temos
dy
1 = −sen(y). com y ∈ (0, π) .
dx

Lembremos ainda que,


È
cos2 (y) + sen2 (y) = 1 então sen(y) = 1 − cos2 (y),

posto que sen(y) > 0 para y ∈ (0, π) . Ainda do fato que x = cos(y), vem

sen(y) = 1 − x2 .

Portanto, substituindo na derivada temos


√ dy dy 1
1 = − 1 − x2 . , ou seja, = −√ com x ∈ (−1, 1).
dx dx 1 − x2

dy 1
Assim se, y = cos−1 (x) então = −√ .
dx 1 − x2

144
Exercı́cio 67. Determine a derivada da função inversa das seguintes funções trigono-
métricas:
a) f (y) = tan(y) b) f (y) = cot(y) c) f (y) = sec(y) d) f (y) = csc(y).
Respostas:
d 1
a) (tan−1 (x)) = para todo x ∈ R
dx 1 + x2
d 1
b) (cot−1 (x)) = − para todox ∈ R
dx 1 + x2
d 1
c) (sec−1 (x)) = √ 2 para todo x ∈ (−∞, −1) ∪ (1, +∞)
dx x x −1
d 1
d) (csc−1 (x)) = − √ 2 para todo x ∈ (−∞, −1) ∪ (1, +∞).
dx x x −1

4.7 Máximos e Mı́nimos

Inicialmente, consideremos a seguinte situação gráfica:

O gráfico da função está definida no intervalo [x0 , x9 ] e, em cada ponto mar-


cado temos denominado os valores funcionais de f numa vizinhança do ponto. Do exposto
definamos.

Definição 4.18. A função f terá um valor máximo local (ou relativo) em x0 se existir
um intervalo aberto contendo x0 , no qual f (x) esteja definida, tal que

f (x0 ) ≥ f (x)

145
para todo x nesse intervalo.

Definição 4.19. A função f terá um valor mı́nimo local (ou relativo) em x0 se existir
um intervalo aberto contendo x0 , no qual f (x) esteja definida, tal que

f (x0 ) ≤ f (x)

para todo x nesse intervalo.

Se a função f tiver um máximo local ou um mı́nimo local em x0 , então dizemos


que f tem um extremo local (ou relativo).

Pode-se facilmente definir máximo absoluto e/ou mı́nimo absoluto, bastando


a desigualdade
f (x0 ) ≥ f (x) ou f (x0 ) ≤ f (x)

ocorrer para todo x no domı́nio de f .

Teorema 4.20. Seja f definida no intervalo (a, b) e se f tiver um extremo relativo em


x0 ∈ (a, b), então f ′ (x0 ) = 0, se f ′ (x0 ) existir.

Geometricamente a reta tangente ao gráfico de


f (x) no ponto (x0 , y0 ) é paralela ao eixo dos X.

Exemplo 141. Considere f (x) = 3x2 +5x+1. Determine


os possı́veis pontos de extremo para f (x).
Resolução: A equação quadrática com a = 3 tem sua
concavidade voltada para cima, assim f tem um extremo
relativo em x0 = − 56 . Ainda a função quadrática é dife-
renciável em toda a reta R e
f ′ (x) = 6x + 5,
€ Š € Š
consequentemente f ′ − 65 = 6. − 56 + 5 = −5 + 5 = 0.

A anulação da derivada no ponto x0 é condição necessária mas não suficiente


para que x0 seja um extremo relativo.

146
Consideremos a função f definida por

f (x) = (x − 2)3 .

Temos que f ′ (x) = 3(x − 2)2 . Pondo f ′ (x) =


0 temos que a igualdade ocorre para x = 2. Contudo,
f (x) < 0 se x < 2 e f (x) > 0 se x > 2. Assim f não possui
extremo relativo em 2.

Ainda o fato de uma função possuir um extremo


relativo, não implica que sua derivada nesse ponto exista.
Consideremos a função f definida por
Figura 4.10: f (x) = (x − 2)3 .  2
 x + 4x + 4 se x ≤ −1
f (x) =  x 2
− + se x > −1.
3 3

A função f tem um ponto de máximo relativo em −1. No entanto, a derivada


de f ′ (−1) não existe. De fato,

f (−1 + ∆x) − f (−1) 1−∆x


+ 23 − 1 1
lim + = lim + 3
=−
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x 3

f (−1 + ∆x) − f (−1) (−1 + ∆x)2 + 4(−1 + ∆x) + 4 − 1


lim − = lim − = 2.
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x

Como as derivadas laterais existem e são distintas, segue que f ′ (−1) não
existe. Observe a figura 3.2

Definição 4.21. Se x0 for um número do domı́nio de f e se f ′ (x0 ) = 0 ou f ′ (x0 ) não


existir então x0 será chamado de número crı́tico de f (ou ponto crı́tico de f ).

Exemplo 142. Seja f (x) = sen(x) cos(x). Determine os números crı́ticos de f .


Resolução: Lembremos que

1
sen(2x) = 2sen(x) cos(x) então f (x) = sen(2x).
2

147
A função f é derivável e sua derivada existe em todos os pontos da reta R,
logo os pontos crı́ticos serão todos aqueles para os quais f ′ (x) = 0, ou seja,

0 = f ′ (x) = cos(2x),

π π kπ
portanto, 2x = + kπ para todo k ∈ Z, donde x = + para todo k ∈ Z.
2 4 2
Teorema 4.22. (Valor Extremo) Se a função f for contı́nua no intervalo fechado
[x0 , x3 ], então f terá um valor máximo absoluto e um valor mı́nimo absoluto em [x0 , x3 ].

Do exposto até agora temos que, o valor máximo absoluto e o valor mı́nimo
absoluto de uma função contı́nua f num intervalo fechado [x0 , x3 ] podem ser determina-
dos da seguinte forma:
a) Determinando os números crı́ticos de f em (x0 , x3 ).
b) Calculando os valores f (x0 ) e f (x3 ).
c) O maior dentre os valores funcionais das etapas “a”e “b”será o valor máximo e o
menor o valor mı́nimo absoluto.

Exemplo 143. Ache os extremos absolutos de f definida em [1, 5] onde f é dada por

2
f (x) = (x − 2) 3 .

Resolução: Temos que f é contı́nua em [1, 5], logo o teorema do valor extremo pode ser
aplicado. Temos
2
f ′ (x) = 1 .
3(x − 2) 3

Observemos que f ′ (x) ̸= 0 para todo x no domı́nio de f ′ e que, f ′ (x) não


existe quando x = 2. Concluı́mos que 2 é um número crı́tico de f , assim os extremos
absolutos ocorrem em 2 ou em um dos extremos do intervalo de domı́nio de f . Calculando
temos,

3
f (1) = 1, f (2) = 0, f (5) = 9

portanto, f (2) é o valor de mı́nimo absoluto de f , f (5) o valor de máximo absoluto de


f e ainda f (1) é um valor de máximo local.

148
Dentre tantas aplicações envolvendo extremos local e/ou absoluto vejamos o
seguinte caso.

Exemplo 144. Determine as dimensões do cilindro reto de maior volume que possa ser
inscrito num cone reto com um raio de 5cm e 12cm de altura.

Resolução: Seja r cm o raio do cilindro, h cm


a altura do cilindro e V 3 cm o volume do cilindro, con-
forme figura 4.11.

O volume do cilindro é dado por:

V = πr2 h.

Notemos ainda que, por relação de triângulos

Figura 4.11: cone 12 − h 12 60 − 12r


= então h= .
r 5 5

πr2 12π 2
Portanto, V (r) = (60 − 12r) = (5r − r3 ).
5 5
Como a função V (r) é contı́nua no intervalo fechado [0, 5], segue que V tem
um valor de máximo absoluto nesse intervalo. Assim

12π
V ′ (r) = (10r − 3r2 )
5

donde V ′ existe para todo r ∈ [0, 5], logo os números crı́ticos serão todos aqueles para os
quais V ′ (r) = 0, ou seja, r = 0 e r = 10
3
. Calculando os valores funcionais de V nos
extremos e nos pontos crı́ticos vem
‚ Œ
10 400
V (0) = 0, V = π, V (5) = 0.
3 9

400 10
Do exposto, o valor máximo absoluto de V é 9
π, ocorrendo quando r = 3
,
disso temos que h = 4.

149
Exemplo 145. Num determinado pesque e pague um tanque pode suportar até 16.000
peixes. Supondo que esse tanque seja para a reprodução de peixes. A taxa de crescimento
populacional de peixes é conjuntamente proporcional ao número de peixes presentes e à
diferença entre os 16.000 e o número de peixes existentes. Qual deve ser o tamanho da
população de peixes para que a taxa de crescimento seja máxima.

Resolução: Suponhamos que x seja a quantidade de peixes presentes no


tanque, ou seja, x ∈ [0, 16.000]. Então a taxa de crescimento populacional é dado por:

Cp (x) = K(16.000 − x)x = 16.000Kx − Kx2 ,

onde K é a constante de proporcionalidade.

Derivando a função e igualando a zero temos 0 = Cp′ (x) = 16.000K − 2Kx


se, e somente se x = 8.000.

Para x = 8.000 temos um ponto crı́tico, e tal ponto é um ponto de máximo


para Cp (x). Portanto, a população deve ser de 8.000 para que a taxa de crescimento
populacional seja máxima.

Um bom conhecimento em geometria plana


ajuda muito em determinados problemas de otimização.
Vejamos o próximo exemplo.

Exemplo 146. Um pedaço de arame com 15 m é cortado


em duas partes. Uma das partes é dobrada na forma de
um trângulo equilátero e a outra na forma de um circulo.

Como dividir o arame de tal forma que a área


combinada das duas figuras seja a menor possı́vel.

Como dividir o arame de modo que a área com-


binada seja a maior possı́vel.

Resolução: Pomos 3x o pedaço do arame no qual será feito o circulo, então


x ∈ [0, 5], logo L = 15 − 3x é a parte destinada ao triângulo equilátero.

150
O comprimento de uma circunferência é Cc = 2πr, assim 3x = 2πr, e,
portanto, r = 3x

. Cada lado do triângulo equilátero tem a medida Lt = 5 − x.
9x 2 9x2
A área do circulo é AC = πr2 = π 4π 2 = 4π
.
√ √
h.b 3.(x−5).(5−x) 3.(x−5)2
A área do triângulo é At = 2
= 4
= 4
.

9x2 3.(x−5)2
A área combinada das duas figuras é, Acom (x) = 4π
+ 4
, uma parabóla
com concavidade voltada para cima, possuindo então um ponto de mı́nimo.

Derivando e igualando a zero,


√ ( √ ) √
′ 9x 3.(x − 5) 9 3 5 3
0 = Acom (x) = + = + x− ,
2π 2 2π 2 2

se e somente se, x = 5π √3
9+π 3
≈ 1, 8839.

A área combinada será minı́ma quando o raio da circunferência for r = 3x =


√ √
15π √3
9+π 3
e o triângulo com lados iguais à Lt = 5 − x = 5 − 5π √3
9+π 3
= 45√
9+π 3
.

Ainda, a função Acom (x) é contı́nua para todo x ∈ [0, 5], possuindo pontos de
máximos que necessariamente deverão ser os pontos de extremo do intervalo, ou seja,
x = 0 ou x = 5. Calculando a área nesses pontos temos

25 3 25.9 225
Acom (0) = ≈ 10, 8253 e Acom (5) = = ≈ 17, 9049.
4 4π 4π

15
Para x = 5 a área combinada é máxima, assim r = 2π
e não se tem triângulo,
pois neste caso a medida de seus lados são nulos.

Problema envolvendo geometria espacial.

Exemplo 147. Um cilindro circular reto deve ser inscrito


numa esfera de raio 10 cm. Ache a altura e o raio da base
do cilindro cuja área da superfı́cie lateral seja máxima.

Resolução: Seja R = 10 o raio da esfera. Po-


mos θ rad o ângulo formado pelo raio R da esfera com a
altura h do cilindro. Assim temos: r = 10sen(θ), h = 20 cos(θ); raio e altura do cilindro.

151
Como S = 2πr.h área da superfı́cie do cilindro,
segue S(θ) = 2π(10sen(θ)).(20 cos(θ)) = 200πsen(2θ).
” —
Para todo θ ∈ 0, π
2
S é uma função contı́nua.
Derivando e igualando a zero obtemos:
π
0 = S ′ (θ) = 400π cos(2θ) ⇐⇒ θ = .
4

Os candidatos a pontos extremos para S são


€ Š € Š
π
θ = 0, θ = 4
e θ = π2 . Ainda S(0) = 0 = S π
2
eS π
4
= 200π.
π
Portanto, para θ = 4
a área da superfı́cie é máxima, concluı́mos assim que
√ √
r = 5 2 e h = 10 2.

Se uma função f for derivável, então f ′ é chamada de derivada primeira de f .


Se a derivada de f ′ existir ela será chamada de derivada segunda de f e denotada por f ′′
(lemos f duas linhas). Da mesma forma segue-se para derivada terceira e sucessivamente,
a n-ésima derivada de uma função f é denotada por f (n) , os parentes são colocados na
notação para diferenciar da potência de f . Logo,
f (n−1) (x + ∆x) − f (n−1) (x)
f (n) (x) = lim
∆x→0 ∆x
denota a n-ésima derivada de f (x), caso o limite exista.

Exemplo 148. Calcule a derivada segunda e terceira das seguintes funções.


a) f (x) = sen(x) b) f (x) = x2 + x
Resolução: Primeiramente, calculamos a derivada primeira e, consequentemente as
outras
a) f ′ (x) = cos(x), f ′′ (x) = −sen(x) e f ′′′ (x) = − cos(x)
b) f ′ (x) = 2x + 1, f ′′ (x) = 2 e f ′′′ (x) = 0.

4.8 Aplicações

Nesta seção veremos algumas aplicações decorrentes da derivada, inicialmente


veremos alguns resultados de existência e depois como ela pode nos auxiliar no estudo

152
de funções.

Teorema 4.23. de Rolle: Seja f uma função que satisfaz.


a) f é contı́nua no intervalo fechado [a, b]
b) f é derivável no intervalo aberto (a, b)
c) f (a) = f (b).

Então existe um número c ∈ (a, b) tal que f ′ (c) = 0.

Exemplo 149. Consideremos a função f (x) = x3 + x − 1.

Então f possui uma única raiz real.


Resolução: Para garantirmos que f possui pelo menos uma raiz usaremos o teorema
do valor intermediário, posto que f é contı́nua em toda a reta, observe que f é um
polinômio, temos

f (0) = 03 + 0 − 1 = −1 < 0 e f (1) = 13 + 1 − 1 = 1 > 0.

Portanto, existe um número

ck ∈ (0, 1) tal que f (ck ) = k ∈ (f (0), f (1)) = (−1, 1),

então 0 = k ∈ (−1, 1), assim, f (c0 ) = 0 com c0 ∈ (0, 1).

Vamos supor que exista uma outra raiz, por exemplo um c0 < c2 ∈ R, tal que
f (c2 ) = 0, logo
a) f é contı́nua no intervalo fechado [c0 , c2 ]
b) f é derivável no intervalo aberto (c0 , c2 )
c) f (c0 ) = 0 = f (c2 ).

Pelo teorema de Rolle existe um c1 ∈ (c0 , c2 ) tal que f ′ (c1 ) = 0.

Contudo, f ′ (x) = 3x2 + 1 ≥ 1 para todo número real x, inclusive para c1 .

Portanto, supor que existe outra raiz para f é um absurdo.

153
Teorema 4.24. Valor Médio: Seja f uma função que satisfaz.
a) f é contı́nua no intervalo fechado [a, b]
b) f é derivável no intervalo aberto (a, b).
f (b) − f (a)
Então existe um número c ∈ (a, b) tal que f ′ (c) = .
b−a
Exemplo 150. Seja s = f (t) uma função posição de uma partı́cula que se move em
uma linha reta, seja t ∈ [a, b]. Sabemos que a velocidade média em [a, b] é dada por
∆s f (b) − f (a)
Vm = = .
∆t b−a

Então existe um t = c cuja velocidade instantânea é igual a velocidade média.


Resolução : A velocidade instantânea em t = c é dada por f ′ (c).

O teorema do valor médio garante que existe t = c entre a e b tal que


f (b) − f (a)
f ′ (c) = .
b−a

Portanto, existe t = c ∈ (a, b) cujas velocidade sejam iguais.

Definição 4.25. Uma função f definida num intervalo será dita crescente neste inter-
valo se, e somente se

f (x1 ) < f (x2 ) sempre que x1 < x2 .

E será dita decrescente se, e somente se

f (x1 ) > f (x2 ) sempre que x1 < x2 .

Onde x1 e x2 são quaisquer números no intervalo.

Se uma função é crescente e/ou decrescente num dado intervalo, dizemos que
ela é monótona.

Teorema 4.26. Seja f uma função contı́nua no intervalo fechado [x0 , x1 ] e derivável
no intervalo aberto (x0 , x1 ).
i) Se f ′ (x) > 0 para todo x ∈ (x0 , x1 ), então f será crescente em [x0 , x1 ].
ii) Se f ′ (x) < 0 para todo x ∈ (x0 , x1 ), então f será decrescente em [x0 , x1 ].

154
Exemplo 151. Encontre onde a função f (x) = 2x4 − 83 x3 − 8x2 + 4 é crescente e/ou
decrescente.

Resolução: Basta analisarmos o sinal de f ′ sob certo intervalo, ou seja,

f ′ (x) = 8x3 − 8x2 − 16x = 8x(x2 − x − 2) = 8x(x − 2)(x + 1)

e determinando os intervalos onde f ′ (x) > 0 e f ′ (x) < 0, note que

intervalo 8x x − 2 x + 1 f ′ (x)

x < −1 − − − −

−1 < x < 0 − − + +

0<x<2 + − + −

x>2 + + + +.

Temos:

f ′ (x) < 0 para x ∈ (−∞, −1) ∪ (0, 2) = I. Logo, f (x) é decrescente em I.

f ′ (x) > 0 para x ∈ (−1, 0) ∪ (2, +∞) = J. E f (x) é crescente em J.

Teorema 4.27. (Teste da Derivada Primeira). Suponha que c seja um número


crı́tico de uma função contı́nua f .
i) Se o sinal de f ′ mudar de negativo para positivo em c, então f tem um mı́nimo local
em c.
ii) Se o sinal de f ′ mudar de positivo para negativo em c, então f tem um máximo local
em c.
iii) Se o sinal de f ′ não mudar de sinal em c, então f não tem máximo ou mı́nimo local
em c.

Esta mudança de sinal é no sentido orientado positivo da reta.

Exemplo 152. Considere a função f (x) = 2x4 − 83 x3 − 8x2 + 4. Determine os pontos


de máximos e/ou mı́nimos de f , se existirem.

155
Resolução: Do exercı́cio anterior, temos os pontos no qual f ′ muda de sinal e, ainda
tais pontos são pontos crı́ticos de f .

Logo,
f (x) tem um mı́nimo local em x = −1, pois f ′ (x) muda de negativo para positivo, num
intervalo contendo x = −1 como centro.
f (x) tem um máximo local em x = 0, pois f ′ (x) muda de positivo para negativo, num
intervalo contendo x = 0 como centro.
f (x) tem um mı́nimo local em x = 2, pois f ′ (x) muda de negativo para positivo, num
intervalo contendo x = 2 como centro.

Embora seja possı́vel encontrar os pontos de máximos e mı́nimos com o teste


da derivada primeira, não obstante pode ser um tanto laborioso fazer o estudo de sinal
da derivada de f , nosso próximo teorema é mais razoável, pois contorna o estudo de
sinal.

Teorema 4.28. (Teste da Derivada Segunda). Seja x0 um número crı́tico de uma


função f , no qual f ′ (x0 ) = 0 e suponhamos que f ′ exista para todos os valores de x em
algum intervalo aberto contendo x0 . Se f ′′ (x0 ) existir e
i) Se f ′′ (x0 ) < 0, então f tem um valor máximo relativo em x0 .
ii) Se f ′′ (x0 ) > 0, então f tem um valor mı́nimo relativo em x0 .
iii) Se f ′′ (x0 ) = 0 não podemos afirmar nada.

Exemplo 153. Considere f (x) = x4 + 43 x3 − 4x2 . Determine os máximos e mı́nimos


relativos de f .
Resolução: Calculemos as derivadas primeira e segunda de f .

f ′ (x) = 4x3 + 4x2 − 8x e f ′′ (x) = 12x2 + 8x − 8.

Os pontos crı́ticos de f são dados pondo

0 = f ′ (x) = 4x3 + 4x2 − 8x = x(4x2 + 4x − 8) donde, x = −2, x = 0 x = 1.

156
Por outro lado,

f ′′ (−2) = 24, f ′′ (0) = −8, f ′′ (1) = 12.

Pelo teste da derivada segunda temos


f ′′ (−2) > 0, f tem um valor mı́nimo relativo em −2.
f ′′ (0) < 0, f tem um valor máximo relativo em 0.
f ′′ (1) > 0, f tem um valor mı́nimo relativo em 1.

Como não estamos definindo f em um intervalo fechado esses seriam os


únicos extremos de f . Note ainda que −2 é um extremo de mı́nimo absoluto.

Exemplo 154. Seja f (x) = x4 . Determine os pontos de máximos e mı́nimos relativos


de f se existirem.
Resolução: Temos que

f ′ (x) = 4x3 e f ′′ (x) = 12x2 .

Portanto, o único ponto crı́tico de f é x = 0, é fácil ver que 0 é um extremo


de mı́nimo absoluto, contudo f ′′ (0) = 0.

Exemplo 155. Seja f (x) = x3 . Determine os pontos de máximos e mı́nimos relativos


de f se existirem.
Resolução: Temos que
f ′ (x) = 3x2 e f ′′ (x) = 6x.

Portanto, o único ponto crı́tico de f é x = 0. Mas, f (x) < 0 se x < 0 e


f (x) > 0 se x > 0, logo x = 0 não é um extremo de f . Note ainda que f ′′ (0) = 0.

Os dois exemplos anteriores, deixam claro o por que do resultado do teste da


derivada segunda ser inconcludente quando f ′′ (x0 ) = 0.

Note ainda que para f (x) = x4 , podemos usar o teste da derivada primeira,
e observamos que f ′ (x) = 4x3 . Logo, f ′ (x) < 0 para x < 0 e f ′ (x) > 0 para x > 0, ou

157
seja, f ′ (x) muda de sinal de negativo para positivo em x = 0, segue então que x = 0 é
um ponto de mı́nimo local para f .

Contudo para f (x) = x3 , do teste da derivada primeira, temos f ′ (x) = 3x2 .


Logo, f ′ (x) > 0 para x < 0 e f ′ (x) > 0 para x > 0, ou seja, f ′ (x) não muda de sinal
x = 0, ou seja, x = 0 não é extremo relativo de f . Note ainda que, f ′′ (x) = 6x,
f ′′ (x) < 0 para x < 0 e f ′′ (x) > 0 para x > 0.

Quando acontece algo como no caso acima definamos.

Definição 4.29. O ponto (c, f (c)) será um ponto de inflexão do gráfico da função f se
o gráfico tiver nele uma reta tangente e se existir um intervalo aberto I contendo c, tal
que se x estiver em I, então
i) f ′′ (x) < 0 se x < c e f ′′ (x) > 0 se x > c ou
ii) f ′′ (x) > 0 se x < c e f ′′ (x) < 0 se x > c.

Da definição acima segue que x = 0 é um ponto de inflexão para f (x) = x3 .

Exemplo 156. Determine os pontos de inflexão da função f (x) = x4 + 43 x3 − 4x2 , caso


existam.
Resolução: A derivada segunda de f (x) é dada por f ′′ (x) = 12x2 + 8x − 8. Façamos
€ √ Š( √ )
um estudo do sinal para f ′′ (x) = 12x + 4 − 4 7 x + 13 + 37 . As raı́zes da parábola
√ √
são x = − 13 − 3
7
e x = − 13 + 3
7
. Assim,

Fatores
√ √
intervalo

12x + 4 − 4 7 x + 1
3
+ 3
7
f ′′ (x)
x < − 3√− 37 ≈ −1, 2152
1

- - +
−1, 2152 ≈ − 13 − 37 <√x < − 13 + 37 ≈ 0, 5485 - + -
x > − 31 + 37 ≈ 0, 5485 + + +

Portanto, os pontos de raı́zes da parábola dada por f ′′ (x) são os pontos de


inflexão para a função f (x). Note a mudança de sinal nos intervalos indicados acima.

Exemplo 157. Determine os pontos de máximos locais, mı́nimos locais, pontos de in-
flexão, caso existam para a função f (x) = x2 ln(x) − x.

Resolução: Determinaremos primeiro os pontos crı́ticos de f (x), fazendo

158
0 = f ′ (x) = 2x ln(x) + x − 1 ⇔ x=1

Note que se x > 1 então ln(x) > 0, portanto,


2x ln(x) + x − 1 > 0. Se x < 1 então ln(x) < 0, consequente-
mente, 2x ln(x) + x − 1 < 0.

Ainda, f ′′ (x) = 2 ln(x) + 3 e, f ′′ (1) = 2 ln(1) + 3 =


3 > 0. Segue que x = 1 é um ponto de mı́nimo para f (x).
Note que f não tem pontos de máximo global.

Agora, para encontrarmos os pontos de inflexão, igualamos a derivada se-


gunda a zero, ou seja, 0 = f ′′ (x) = 2 ln(x) + 3 se, e somente se x = e− 2 ≈ 0, 22313.
3

Seja f uma função diferenciável num inter-


valo aberto I e seja x0 um ponto de I. Sabemos que
f ′ (x0 ) é o coeficiente angular da reta tangente ao gráfico
de f passando por x0 . Vamos denotar a equação dessa
reta tangente por T (x). Assim, a equação da reta tan-
gente ao gráfico de f passando por x0 é dada por:

T (x) = f (x0 ) + f ′ (x0 )(x − x0 ).

Definição 4.30. Dizemos que f tem concavidade voltada para cima num intervalo aberto
I se
f (x) > T (x)

quaisquer que sejam x e x0 em I, com x ̸= x0 .

Definição 4.31. Dizemos que f tem concavidade voltada para baixo num intervalo aberto
I se
f (x) < T (x)

quaisquer que sejam x e x0 em I, com x ̸= x0 .


Exemplo 158. Seja f (x) = 2x2 + x − 3. Mostre que f tem concavidade voltada para
cima.
Resolução: Vamos determinar a equação da reta tangente de f num ponto x0 qualquer.
T (x) = 2x20 +x0 −3+(4x0 +1)(x−x0 ) = 2x20 +x0 −3+(4x0 +1)x−4x20 −x0 = (4x0 +1)x−2x20 −3.

159
De f (x) > T (x), devemos ter 2x2 − 4x0 x + 2x20 > 0. O discriminante da
função quadrática ao lado é nulo.

De fato,

∆ = b2 − 4a.c = 16x20 − 4.2.(2x20 ) = 16x20 − 16x20 = 0

Logo, x0 é a única raiz, ainda

2(x − x0 )2 = 2x2 − 4x0 x + 2x20 > 0

para todo x tal que x ̸= x0 , portanto f tem concavidade voltada para cima. Como já era
sabido.

Teorema 4.32. Seja f uma função que admite derivada até segunda ordem num inter-
valo aberto I.
a) Se f ′′ (x) > 0 em I, então f terá concavidade voltada para cima em I.
b) Se f ′′ (x) < 0 em I, então f terá concavidade voltada para baixo em I.

Exercı́cio 68. Tente construir o gráfico aproximado da função f (x) = x4 + 43 x3 − 4x2 .


Usando, teorema sobre (funções crescente e decrescente), teste da derivada primeira e/ou
teste da derivada segunda, teste de concavidade, etc,..)

Para isso, sugerimos o seguinte roteiro:


a) Explicite o domı́nio de f b) Localizar as raı́zes de f quando existirem.
c) Determinar os pontos de crı́ticos e estudar se são máximos ou mı́nimos locais.
d) Determinar os pontos de inflexão e estudar a concavidade.
e) Calcular os limites laterais de f em x0 , nos casos:
i) x0 ̸∈ Df , mas x0 é extremo de um dos intervalos que compõem o Df .
ii) x0 ∈ Df , mas f não é contı́nua em x0 .
f ) Calcular os limites para x → +∞ e x → −∞.
g) Determine os intervalos de crescimento e de decrescimento de f .

4x − 3
Exercı́cio 69. Faça um esboço aproximado do gráfico da f (x) = − 2x + 3.
(x2 − 1)

160
Resolução: Primeiramente observe que o gráfico possui duas assı́ntotas ver-
ticais, x = −1, x = 1, tais valores de x não são pontos do domı́nio de f .

Calculando os limites laterais quando x se


aproxima de cada um dos pontos que não fazem parte
do domı́nio de f , temos,

4x − 3 −7
lim − − 2x + 3 = + + 5 = −∞
x→−1 (x − 1)
2 0
4x − 3 1
lim− − 2x + 3 = − + 1 = −∞
x→1 (x − 1)
2 0
4x − 3 −7
lim + 2 − 2x + 3 = − + 5 = +∞
x→−1 (x − 1) 0
4x − 3 1
Figura 4.12: Gráfico da Função lim+ 2 − 2x + 3 = + + 1 = +∞
x→1 (x − 1) 0

Note também que o gráfico possui uma assı́ntota oblı́qua r(x) = −2x + 3.

Calcule o limite quando x tende ao mais e ao menos infinito:

4x − 3 4x − 3
lim − 2x + 3 = −∞ e lim − 2x + 3 = +∞.
x→+∞ (x2 − 1) x→−∞ (x2 − 1)

Determine o intervalo de crescimento e decrescimento da função: Note que

−4x2 + 6x − 4 −2x4 + 6x − 6
f ′ (x) = − 2 =
(x2 − 1)2 (x2 − 1)2

e observe que (x2 − 1)2 > 0 para todo x ∈ R e que −2x4 + 6x − 6 < 0 para todo x ∈ R

3
6
(basta observar que existe um único ponto de máximo em x = 2
), segue que a derivada
de f é negativa para todo x ∈ R, ou seja, a função é decrescente em todo seu domı́nio.

Faça os traços referentes a cada uma das assı́ntotas.

Determine os pontos de máximos e mı́nimos: Observe que f não possui pontos


de máximos e mı́nimos, pois os pontos onde a derivada é nula ou não existe, é justamente
os pontos onde f não está definida.
2(4x3 −9x2 +12x−3)
Determine os pontos de inflexão: Temos que f ′′ (x) = (x2 −1)3
, ainda
a derivada segunda possui somente um zero que é aproximadamente x = 0, 31341.

161
Determine os zeros de f e/ou escolhas alguns pontos do domı́nio e calcule sua
imagem.

Com esses passos é possı́vel ter uma noção do gráfico de f .

Exercı́cio 70. Faça um esboço aproximado do gráfico da f (x) = ln |x| − x2 − x.

Resolução: Primeiramente observe que o gráfico não possui assı́ntotas verti-


cais.
Calculando os limites laterais quando x se aproxima de
0, pois tal ponto não faz parte do domı́nio de f , temos,

lim (ln |x| − x2 − x) = −∞ = lim+ (ln |x| − x2 − x)


x→0− x→0

Note também que o gráfico não possui


assı́ntota oblı́qua e/ou horizontal.

Calcule o limite quando x tende ao mais e


ao menos infinito:
‚ Œ
ln |x|
lim (ln |x| − x − x) = lim x
2
− x − 1 = −∞.
x→±∞ x→±∞ x

Determine o intervalo de crescimento e decrescimento da função: Note que


€ Š
′ 1 −2(x + 1) x − 1
f (x) = − 2x − 1 = 2
x x
€ Š € Š
portanto, f é crescente em (−∞, −1) ∪ 0, 1
2
e decrescente em (−1, 0) ∪ 1
2
, +∞ .

Determine os pontos de máximos e mı́nimos: Observe que f ′ (x) é nula em


x = −1 e x = 1
2
e não existe para x = 0 o qual não faz parte do domı́nio de f .

Determine os pontos de inflexão: Temos que

−2x2 − 1
f ′′ (x) = ,
x2

a derivada segunda é negativa para todo x ∈ R, desta forma os pontos crı́ticos são pontos
de máximos e ainda f tem concavidade voltada para baixo em todo o seu domı́nio.

162
Escolha alguns pontos no domı́no de f e calcule sua imagem.

Com esses passos é possı́vel ter uma noção do gráfico de f .


5x + 6
Exercı́cio 71. Faça um esboço aproximado do gráfico da f (x) =
(x2 − 1)

Resolução: Primeiramente observe que o gráfico possui duas assı́ntotas verti-


cais, x = −1, x = 1, tais valores de x não são pontos do domı́nio de f .
Calculando os limites laterais quando x se aproxima de
cada um dos pontos que não fazem parte do domı́nio de
f , temos,

5x + 6 1
lim − = − = −∞
x→−1 (x − 1)
2 0
5x + 6 11
lim− = = −∞.
x→1 (x2 − 1) 0−
5x + 6 1 11 5x + 6
lim + 2 = + = +∞ = + = lim+ 2
x→−1 (x − 1) 0 0 x→1 (x − 1)

Note que o gráfico possui uma assı́ntota hotizontal y = 0.

Calcule o limite quando x tende ao mais e ao menos infinito:

5x + 6 5x + 6
lim =0 e lim = 0.
x→+∞ (x2 − 1) x→−∞ (x2 − 1)

Determine o intervalo de crescimento e decrescimento da função: Note que

−5x2 − 12x − 5
f ′ (x) =
(x2 − 1)2

e observe que (x2 − 1)2 > 0 para todo x ∈ R e que −5x2 − 12x − 5 > 0 para todo
( √ √ )
x ∈ − 65 − 11
5
, − 65 + 11
5
e é negativa em seu complementar, isso determina o intervalo
onde f é crescente e decrescente, respectivamente.

Faça os traços referentes a cada uma das assı́ntotas.

Determine os pontos de máximos e mı́nimos: Observe que f ′ (x) se anula em


√ √
− 65 − 11
5
e − 56 + 11
5
e não existe em x = ±1, justamente os pontos onde f não está
definida.

163
(10x3 +36x2 +30x+12)
Determine os pontos de inflexão: Temos que f ′′ (x) = (x2 −1)3
, ainda
a derivada segunda possui somente um zero que é aproximadamente x = −2, 63401.

Determine os zeros de f e/ou escolhas alguns pontos do domı́nio e calcule sua


imagem.

Com esses passos é possı́vel ter uma noção do gráfico de f .

x2 −8
Exercı́cio 72. Faça um esboço aproximado do gráfico da f (x) = (2x2 −8)(x+1)
+ 2x.

ideia: Nem sempre as coisas são fáceis.


Primeiramente observe que o gráfico possui três
assı́ntotas verticais, x = −2, x = −1 e x = 2, os quais
não são pontos do domı́nio de f . Calcule os limites la-
terais quando x se aproxima de cada um dos pontos que
não fazem parte do domı́nio de f . Note também que o
gráfico possui uma assı́ntota oblı́qua r(x) = 2x. Calcule
o limite quando x tende ao mais e ao menos infinito. De-
termine o intervalo de crescimento e decrescimento da
função. Faça os traços referentes a cada uma das assı́ntotas. Determine os postos de
máximos e mı́nimos.

Com esses passos é possı́vel ter uma noção do gráfico de f .

4.9 Taxas e o Conceito de Diferencial

4.9.1 Taxas de Variação

Suponhamos que uma quantidade y dependa de outra quantidade x. Desta


forma, y é uma função de x e escrevemos y = f (x).

Se x variar de x1 para x2 , então a variação de x é dada por

∆x = x2 − x1

164
e a variação correspondente para y é

∆y = f (x2 ) − f (x1 ).

O quociente dessas diferenças, ou seja,

∆y f (x2 ) − f (x1 )
=
∆x x2 − x1

é denominado taxa média de variação de y em relação a x no intervalo [x1 , x2 ].

Este quociente, como já visto pode ser interpretado como a inclinação da reta
secaste, ver gráfico 4.1.

O limite dessas taxas médias de variação quando ∆x tende a zero é chamado


de taxa de variação de y em relação a x em x = x1 , que é interpretada como a inclinação
da tangente à curva y = f (x) no ponto P (x1 , f (x1 )). Assim,

∆y f (x2 ) − f (x1 )
Taxa Instantânea de Variação = lim = lim .
∆x→0 ∆x x 2 →x 1 x2 − x1

Esse limite já é conhecido como a derivada f ′ (x1 ). Temos assim uma nova
interpretação para a derivada.

Suponhamos que, s = f (t) uma função posição de uma partı́cula que se move
ao longo de uma reta, então f ′ (a) será a taxa de variação do deslocamento s em relação
ao tempo t. Define-se assim, f ′ (a) como sendo a velocidade da partı́cula no instante
t = a.

Lembre-se que

∆s Variação do Espaço
Vm = =
∆t Variação do Tempo.

Suponha t = a e t = a + h, tal que h > 0, logo a variação na posição será


f (a + h) − f (a) e velocidade média nesse intervalo é

∆s f (a + h) − f (a)
Vm = = .
∆t h

165
Assim, a velocidade instantânea v(a) é dada por

∆s f (a + h) − f (a)
v(a) = f ′ (a) = lim = .
h→0 ∆t h

Exemplo 159. Seja A(x) m2 a área de um quadrado com x m de lado. Calcule a taxa
média de variação de A(x) em relação a x, quando x varia de
a) 3 m à 3, 2 m b) 3 m à 3, 1 m c) 3 m à 3, 01 m.
d) Qual será a taxa de variação instantânea de A(x) em relação a x quando x = 3 m.
Resolução: A taxa média de variação é dada por

A(x1 + ∆x) − A(x1 )


Am = .
∆x

a) ∆x = x2 − x1 = 3, 2 − 3 = 0, 2 então

A(3 + 0, 2) − A(3) (3, 2)2 − 32 1, 24


Am = = = = 6, 2.
0, 2 0, 2 0, 2

b) ∆x = x2 − x1 = 3, 1 − 3 = 0, 1 então

A(3 + 0, 1) − A(3) (3, 1)2 − 32 0, 61


Am = = = = 6, 1.
0, 1 0, 1 0, 1

c) ∆x = x2 − x1 = 3, 01 − 3 = 0, 01 então

A(3 + 0, 01) − A(3) (3, 01)2 − 32 0, 0601


Am = = = = 6, 01.
0, 01 0, 01 0, 01

Em a) temos que quando a medida do lado do quadrado varia de 3 à 3, 2 a


variação da área do quadrado é 6, 2 m2 por metro de variação do comprimento do lado.

De forma análoga interpreta-se b) e c).

d) A taxa instantânea em x = 3 é A′ (3), ou seja,

A′ (x) = 2x, logo A′ (3) = 6.

Quando o comprimento do lado é 3 m, a taxa de variação instantânea da área


6 m2 por metro de variação do comprimento do lado.

166
Exemplo 160. Um fabricante produz chapas de metal com espessura fixa. O custo de
produção de x metros desse material é C = f (x) (Custo em reais).
a) Qual o significado da derivada f ′ (x)? Quais suas unidades?
b) O que significa dizer f ′ (100) = 9?
c) O que você acha ser maior f ′ (5) ou f ′ (50)? E o que pode dizer de f ′ (50000)?
Resolução: a) A derivada f ′ (x) é a taxa de variação instantânea de C em relação a x,
isto é, f ′ (x) significa que a taxa de variação do custo de produção em relação ao número
de metros produzidos.
∆C
Note que f ′ (x) = lim .
∆x→0 ∆x

Logo, as unidades de medidas são reais por metros.


b) Significa que depois de 100 metros de chapas produzidas, a taxa segundo a qual o custo
está aumentando é 9 reais por metro. (Quando x = 100 C está aumentando 9 vezes mais
rápido que x.)
c) O custo inicial de produção é provavelmente maior em virtude da economia de escala.
Assim,
f ′ (5) > f ′ (50).

Mas, a medida que a produção expande, a produção em grande escala pode se


tornar ineficiente, podendo ocorrer custos de horas extras, entre outros, portanto

f ′ (50000) > f ′ (50).

A taxa de variação está conectada a derivada da seguinte forma. Se esboçarmos


a curva y = f (x), então a taxa instantânea de variação será a inclinação da tangente
a essa curva no ponto x = x0 . Isso significa que quando a derivada for grande e, por-
tanto, a curva será ı́ngreme os valores de y mudarão rapidamente. Quando a derivada
for pequena, a curva é relativamente achatada, e os valores de y mudarão lentamente.

Como já vimos a derivada de uma função posição diz com que velocidade está
variando s em relação a t. A aceleração com que está velocidade ocorre é a derivada

167
segunda, ou seja,

d2 s dv v(t + ∆t) − v(t)


a(t) = = tal como a(t) = lim .
dt2 dt ∆t→0 ∆t

v(t + ∆t) − v(t)


O quociente é a aceleração média entre os instantes t e t+∆t.
∆t

Exemplo 161. Uma partı́cula move-se sobre o eixo x de modo que no instante t a
posição x é dada por x(t) = 2t2 − 4t + 2, t ≥ 0, ainda x é dado em metros e t em
segundo.
a) Qual a posição da partı́cula nos instantes t = 0, t = 1 e t = 2.
b) Qual a velocidade no instante t?
c) Qual a aceleração no instante t?
d) O que acontece com a direção da partı́cula quando a velocidade no instante t0 é nula?
Resolução: a) x(t) é 2 , 0 e 2 nos pontos t = 0, t = 1 e t = 2 respectivamente.
b) v(t) = 4t − 4 (m/s) c) a(t) = 4 (m/s2 )
d) A partı́cula está mudando a sua direção, passa seu sentido da direita para a esquerda,
ou seja, podemos dizer que a partı́cula está fazendo o trajeto contrário a partir do instante
t0 .

Exemplo 162. O raio r de uma esfera está variando, com o tempo, a uma taxa constante
de 8 m/s. Com que taxa estará variando o volume da esfera no instante em que o raio
da esfera for 2 m?


dV
Resolução: Tome t0 o instante em que r = 2. Devemos calcular .

dt
t=t0
4πr3
Note que V = . Derivando V pela regra da cadeia e assumindo r = 2 tem-se:
3


dV dV dr
= = 4πr .8
2
= 128π(m3 /s).

dt dr dt
t=t0 t=t0 t=t0

No instante em que r = 2, o volume estará variando a uma taxa de 128π


(m3 /s).

168
4.9.2 Taxas Relacionadas

Um problema envolvendo taxas de variação de variáveis relacionadas é cha-


mada de taxas relacionadas. Pense no seguinte, o processo de inspiração do ar faz com
que o nosso pulmão infla, provocando um aumento no raio do pulmão. Tanto o volume
quanto o raio do pulmão aumentam, e suas taxas estão relacionadas.

Em problemas de taxas relacionadas, o que se quer é calcular a taxa de


variação de uma grandeza em termos da taxa de variação da outra. O procedimento é
achar uma equação que relaciona as duas grandezas e então usar a regra da cadeia para
derivar ambos os lados em relação ao tempo.

Vejamos com exemplos essa situação.

Exemplo 163. Uma escada com 20 m de comprimento esta apoiada num poste vertical.
Se o pé da escada é puxado horizontalmente, afastando-se da parede a 2 m por segundo.
Quão rápido o topo da escada está deslizando para baixo no poste quando seu pé está a
12 m de comprimento da parede.

Resolução: Seja t o tempo decorrido desde que a escada começou a deslizar


pelo poste, y a distância do chão ao topo da escada e x a distância do pé da escada até
a parede.
dy
Queremos encontrar quando x = 12 m.
dt
Do teorema de Pitágoras temos y 2 + x2 = 202 , portanto
y 2 = 400 − x2 . Como x e y estão em função do tempo,
pois conforme passa o tempo um se afasta do poste e a
outra se aproxima do chão, podemos derivar x e y em
relação ao tempo, assim

dy dx dy x dx
2y = −2x ou ainda =− .
dt dt dt y dt

Quando x = 12 da relação de Pitágoras en-

169
dx
contramos y = 16 e ainda temos a informação que = 2. Donde,
dt
dy x dy 12 3
=− = − .2 = − m/s.
dt y dt 16 2
dy
O fato que ser negativo indica que a distância do topo da escada ao solo
dt
3
está decrescendo a uma taxa de m/s. Ou seja, o topo está deslizando sob o poste para
2
3
baixo a uma taxa de m/s.
2
Exemplo 164. Um segurança anda ao longo de um caminho reto a uma velocidade de
2 m/s. Um holofote localizado no chão a 2, 4 m do caminho é mantido focalizado no
homem. A que taxa o holofote está girando quando o segurança está a 3, 2 m do ponto
do caminho mais proximo da luz.

Resolução: Temos que a distância do caminho onde o segurança anda ao


holofote é de 2, 4 m, esta medida é a medida perpendicular, a menor possı́vel, seja x a
distância entre o segurança e o ponto de projeção do holofote no caminho e θ o ângulo
entre o feixe de luz do holofote e a perpendicular ao caminho.

Queremos encontrar quando x = 3, 2 m. A equação que relaciona x e θ é
dt
dada por
x
= tan(θ), portanto x = 2, 4 tan(θ).
2, 4
Como x e θ estão em função do tempo,
pois conforme passa o tempo ambas as variáveis vão
modificando-se, podemos assim derivar x e θ em relação
ao tempo, assim
dx dθ dθ 1 dx
= 2, 4 sec2 (θ) ou ainda = cos2 (θ) .
dt dt dt 2, 4 dt

Quando x = 3, 2 da relação de Pitágoras encontramos o comprimento do feixe


dx
do holofote ao segurança é igual à 4 m e ainda temos a informação que = 2. Donde,
dt
2, 4
cos(θ) = = 0, 6 e
4
dθ 1 dx 1 0, 36
= cos2 (θ) = (0, 6)2 2 = = 0, 3.
dt 2, 4 dt 2, 4 1, 2

170
Portanto, o holofote está girando a uma taxa de 0, 3 rad/s.

Exemplo 165. O raio de uma esfera está variando, com o tempo, a uma taxa constante
de 1, 5 (m/s). Com que taxa estará variando o volume da esfera no instante em que
r = 3 (m)?
4
Resolução: Sabemos que V = πr3 . Pela regra da cadeia
3
dV dV dr
= .
dt dr dt
dV dr
Como = 4πr2 e = 1, 5 resulta que
dr dt
dV dV dr
= = 4πr2 .1, 5 = 6πr2
dt dr dt


dV
Quando o raio r = 3 temos então, = 54π (m3 /s), o volume estará

dt
r=3
variando a uma taxa de 54π (m3 /s).

4.9.3 A Diferencial
dy
Lembremos que a notação informava que derivamos y com respeito a
dx
variável x, e de maneira alguma esta notação representava um quociente, o que iremos
fazer agora é representa-la como um quociente também, no sentido que segue.

Suponhamos que a função f seja definida pela equação y = f (x). Os incre-


mentos ∆y podem ser aproximados, por essa função a pontos onde f seja derivável, em
tais pontos temos
∆y
f ′ (x) = lim onde ∆y = f (x + ∆x) − f (x).
∆x→0 ∆x

Deste modo, para qualquer ϵ > 0 existe δ > 0, tal que se



∆y − ∆xf ′ (x)

0 < |∆x| < δ, então < ϵ.

∆x

Isso significa que para |∆x| suficientemente pequeno, ∆xf ′ (x) é uma boa
aproximação do valor de ∆y, e podemos escrever

∆y ≈ ∆xf ′ (x)

171
se |∆x| for suficientemente pequeno.
.....
y..... y.. ..

T
....
....
.. f (x)
.
..
.
....
...• 
 R ...
...

..
....
....
....

 .......
..... S .. ......
.
..........
....
....
 .......
.......
S ........
.......
 f (x2 )•
..
.... ....... ......
....•Q
... ....
.. .
...
f (x2 )• ... ........................... = dy
............. ......•
 ....
.... ......... .......
.... ....... ....... 
...
Q .............. 

.......
........
................. .............. 

.....


........
..........

.

.. . . ..... ..
.
.......... .......... ..... ..

.....

= ∆y ..
. . .... ...
........ ..........

.....
 . ..
..
..................
.....
..... ..... ...
..... ...
f (x1 )• •
.
.
....
.
.
..
..
......
.

.....
...... ..
...... ......
. T ...
.......
. ....
..
..
.......... P M ......
........

= ∆y ... ..
..... ...
..... .... } .......
.......
.......

.
....•
... ..............
.
.... ....... .... .......

...
... ∆x ..
.. ... .. .
..... ..........
 ..... .... .. R
..
. f (x) .......
 ..... .....
.
....... ....... .......
 ..... ..... ........
......
. .
..
...... ..... ..... ....... = dy
..
.......... ..
...............................
.... .. ..... ...........
.... .. ..............
.... .. f (x1 )• ...........................................................• •M
............. ...
..
..
.
.... ..
...... ....
. .... ...... P ∆x
.... .. .....
.. ....
.. .....
..
...
..
..
.. x•1 | {z } •
x
..
. • | {z }x•2
....
...
.
..
..
.. =∆x
x2 x1
=∆x
x..

Figura 4.13: Figura 4.14:

Para um pequeno valor ∆x a inclinação da reta secaste SP Q e a inclinação da


reta tangente em TP são aproximadamente iguais, isto é,

∆y
≈ f ′ (x), ou seja, ∆y ≈ ∆xf ′ (x).
∆x

O coeficiente angular da reta tangente TP é, como já sabemos f ′ (x1 ), mas isto
dy
é, observando as figuras 4.13 e 4.14, dada por = f ′ (x1 ), com isso podemos definir o
∆x
que segue.

Definição 4.33. Se a função for definida por y = f (x), então a diferencial de y, deno-
tada por dy, será dada por
dy = ∆xf ′ (x)

onde x está no domı́nio da f ′ (x) e ∆x é um incremento arbitrário de x.

Para a função identidade y = f (x) = x, impomos a condição que dy = dx,


contudo f ′ (x) = 1, e da definição anterior temos que dy = ∆xf ′ (x) = ∆x, desta forma
definimos.

Definição 4.34. Se a função for definida por y = f (x), então a diferencial de x, deno-
tada por dx, será dada por
dx = ∆x

172
onde x está no domı́nio da f ′ (x) e ∆x é um incremento arbitrário de x.

Das definições acima, segue que

dy
dy = f ′ (x)dx, e então, = f ′ (x) sempre que dx ̸= 0.
dx

Assim, expressamos a derivada como o quociente de duas diferenciais.

Exemplo 166. Dado y = 2x2 − 3x + 2. Determine ∆y, dy e ∆y − dy, para


a) Quaisquer x e ∆x b) x = 2 e ∆x = 0, 1 c) x = 2 e ∆x = 0, 01 d) x = 2 e
∆x = 0, 001.
Resolução: Como y = 2x2 − 3x + 2 = f (x). Então

∆y = f (x + ∆x) − f (x) = 2(x + ∆x)2 − 3(x + ∆x) + 2 − (2x2 − 3x + 2)

= 2x2 + 4x∆x + 2∆2 x − 3x − 3∆x + 2 − 2x2 + 3x − 2

= 4x∆x + 2∆2 x − 3∆x = 2∆2 x + (4x − 3)∆x.

E,
dy = f ′ (x)dx = (4x − 3)dx.

Assim,

∆y − dy = 2∆2 x + (4x − 3)∆x − (4x − 3)dx

= 2∆2 x + (4x − 3)(∆x − dx) = 2∆2 x.

Para os ı́tens, a) b) e d), vejamos

x ∆x ∆y dy ∆y − dy
2 0, 1 0, 52 0, 5 0, 02
2 0, 01 0, 0502 0, 05 0, 0002
2 0, 001 0, 005002 0, 005 0, 000002.

Vimos que uma curva fica muito perto de sua reta tangente nas proximida-
des do ponto de tangência. Para ver isso, basta darmos um zoom em torno do ponto
(x1 , f (x1 )) sobre o gráfico de uma função derivável, notamos que o gráfico se assemelha
cada vez mais a sua reta tangente.

173
Muitas vezes é fácil calcular um valor f (x0 ) de uma função, mas difı́cil calcular
os valores de f em pontos próximos de x0 . Podemos usar o fato que f tem valores
funcionais muito próximo dos valores funcionais na reta tangente em pontos em torno de
x0 , e encontramos valores aproximados para f (x) onde x está próximo de x0 . Ver figura
4.13 e/ou 4.14

Usamos a reta tangente em (x0 , f (x0 )) como uma aproximação para a curva
y = f (x) quando x está próximo de x0 . Uma equação dessa reta tangente é

y = f (x0 ) + f ′ (x0 )(x − x0 )

e a aproximação
f (x) ≈ f (x0 ) + f ′ (x0 )(x − x0 )

é denominada aproximação linear ou aproximação pela reta tangente de f em x0 . A


função linear cujo gráfico é essa reta tangente, é

T (x) = f (x0 ) + f ′ (x0 )(x − x0 )

é chamada linearização de f em x0 .

Exemplo 167. Encontre uma linearização da função f (x) = 2x + 7 em x0 = 1. Use
√ √
essa linearização para aproximar os números 8, 98 e 9, 05.

Essas aproximações estão superestimadas ou subestimadas.


1
Resolução: A derivada de f (x) = (2x + 7) 2 é f ′ (x) = √
1
.
2x + 7
√ 1 1
Logo, f (1) = 2.1 + 7 = 3 e f ′ (1) = √ = .
2.1 + 7 3
Uma linearização é dada por

1 1 8
T (x) = f (1) + f ′ (1)(x − 1) = 3 + (x − 1) = x + .
3 3 3

A aproximação linear correspondente é

√ 1 8
2x + 7 ≈ x + ( quando x está próximo de 1).
3 3

174
Em particular, quando x = 0, 99 e x = 1, 025 temos
È È 1 8
2.0, 99 + 7 = 8, 98 ≈ .0, 99 + = 2, 99666 e
3 3
È È 1 8
2.1, 025 + 7 = 9, 05 ≈ 1, 025 + = 3, 008333.
3 3

As aproximações estão superestimadas, pois a reta tangente está acima da


curva numa vizinhança de 1.

Podemos determinar um intervalo dentro do qual uma aproximação linear


fornece uma precisão ϵ−especı́fica. Suponhamos em nosso exemplo que estejamos inte-
ressados em valores de f (x) com uma precisão de ϵ = 0, 01. Para quais valores de x isto
ocorre.

Para isto devemos ter que


‚ Œ
√ 1 8

2x + 7 − x+ < 0, 01.
3 3
Logo,
√ 1 8 √
2x + 7 − 0, 01 < x + < 2x + 7 + 0, 01.
3 3

Isso diz que a aproximação deve ficar entre as curvas obtidas deslocando a

curva y = 2x + 7 para cima e para baixo uma distância de 0, 01.

Como nossa aproximação está superestimado nossa linearização intercepta a


curva deslocada para cima em pontos (x1 , y1 ) e (x2 , y2 ), ou seja,
1 8 √
x + = 2x + 7 + 0, 01.
3 3

Resolvendo a equação, encontramos x1 = 0, 295 e x2 = 1, 7648, portanto,


para x ∈ [0, 295; 1, 7648] segue que a linearização para a curva tem uma precisão de
0, 01. Compare os valores obtidos com uma calculadora nos extremos do intervalo.

Exemplo 168. Seja A = πr2 a área de um cı́rculo. Calcule a diferencial de A = A(r).


Interprete.
dA
Resolução: = A′ (r) = 2πr.
dr

175
A diferencial de A = πr2 é dada por dA = 2πrdr.

A diferencial é um valor aproximado para o acréscimo ∆A na área A corres-


pondente ao acréscimo dr em r. Note que 2πrdr é a área de um retângulo de compri-
mento 2πr e altura dr. Vamos calcular o erro cometido.

∆A = π(r + dr)2 − πr2 = 2πrdr + π(dr)2 .

Daı́ ∆A − dA = π(dr)2 . E o erro que se comete na aproximação é igual


∆A − dA ∆A − dA
π(dr)2 , a área de um cı́rculo de raio dr. O erro relativo = = π(dr).
∆r dr

176
Exercı́cios

(3x3 + 8x)(2x2 + 5x)


Exercı́cio 73. Usando a definição de reta f ) f (x) =
4x2 + 6x
tangente. Ache uma equação de reta tangente à
curva dada, no ponto indicado por p(x, y). Exercı́cio 78. Calcule as derivadas das funções
f . Usando as regras de derivação.
a) y = x2 − x; p(−2, 6) b) y = x2 − x + 2; p(2, 4)
sec(x2 + 2x)
a) f (x) = sen(3x3 + 6x) b) f (x) =
c) y = 2x − x ; p(1, 1)
3
d) y = 2 − x ; p(2, −2).
2
x2 − 2x
cos(x2 + x) √
Exercı́cio 74. Usando a definição de reta tan- c) f (x) = d) f (x) = cot( x2 + 2)
x2
gente. Ache uma equação de reta tangente à curva  ‹12
3x2 + 6x (1)
y = 2x2 + 3 e) f (x) = f ) f (x) = xsen x
8x5 + 6x2
que é paralela à reta 8x − y + 3 = 0. g) f (x) = sen(x5 + x2 ) + cos((8x3 − 2x)3 )

Exercı́cio 75. Usando a definição de reta tan- h)f (x) = (2x3 + x2 )3 cos(2x3 − 2x)
gente. Ache uma equação de reta tangente à curva
i) f (x) = |3x2 + 6x| j) f (x) = | cos(3x2 + 2)|
y = x3 − 3x
Exercı́cio 79. Determine por derivação implı́cita
que é perpendicular à reta 2x + 18y − 9 = 0. dy dx
dx e dy Para cada um dos ı́tens.

Exercı́cio 76. Usando o fato que  ‹2


3y 2 + x
a) x3 + y 2 = b) x5 + y 5 = x3 y 2
f (x + ∆x) − f (x) x4 + y 2
f ′ (x) = lim .
∆x→0 ∆x c) x = cos((x3 − y 2 )3 ) d) cot(xy) + xy 2 = x2 y
Determine f ′ (x) para cada uma das funções f . e) sec2 (x + y) + cos2 (x + y) = x + y
4 4 √ √
a) f (x) =
x2
b) f (x) =
2x − 5 f ) (x + y) 3 x2 + y 2 = y x − y 2

c) f (x) = 2 − 7x d) f (x) = x + 1. Exercı́cio 80. Calcule as derivadas das funções
f . Usando as regras de derivação.
Exercı́cio 77. Calcule as derivadas das funções
f . Usando as regras de derivação. cot2 (x3 + x)
a) f (x) = b) f (x) = sen2 (tan(x2 ))
x2
a) f (x) =
x
b) f (x) = (2x4 − x)(5x3 + 6x) ( )
x+2 cos−1 x14
c) f (x) = d) f (x) = x2 tan(sen(x))
x3 + 2x2 + 2 x2 + 2x + 1 x2
c) f (x) = 3 d) f (x) = 2 É
2x − 2x − 5 2x − 2x + 1 2 −1 2 cos3 (x2 )
e) f (x) = x sin (x ) f ) f (x) =
(2x3 + 2x2 + x)(x2 + 5x) x5
e) f (x) = ( ) √
2x3 − 2x − 5 g) f (x) = tan−1 1
x2 h) f (x) = tan−1 ( x)

177
Exercı́cio 81. Encontre uma equação de reta tan- g) f (x) = cos3 (x) ln(x)
gente à curva
h) f (x) = sec6 (x2 + x + 1).ex
y = 3x4 + 2x − 3
ln(x)
que é paralela à reta 6x − 2y + 4 = 0. i) f (x) =
ex cos(x)
sen(x) cos(x)
Encontre uma equação de reta tangente à curva j) f (x) =
ln(x)
y = 3x4 + 2x − 3 l) f (x) = ex ln2 (x) + tan3 (x)
que é perpendicular à reta 6x − 2y + 4 = 0. m) f (x) = sec(ex ) + tan(x).ex
2

Exercı́cio 82. Calcule as derivadas. Exercı́cio 85. Calcule (os)limites


a) f (x) = x120 + x2 + x b) f (x) = x3 + x2 − x sen(x) − sen π3
a) limπ =
x→ 3 x − π3
c) f (x) = 7x5 + 3x3 + 6x d) f (x) = x9 − x3 − 3 ( )
cot(x) − cot 3π 4
b) lim3π =
2x12 + x2 − 2x x→ 4 x − 3π 4 ( )
e) f (x) =
x2 + 2x tan(x) − tan π4
c) limπ =
(2x42 + 9x25 − 2x)15 x→ 4 x − π4
f ) f (x) =
2x3 + 2x Interprete como uma derivada.

g) f (x) = 3 x3 + x2 + 1.(x3 + 2x)3 Exercı́cio 86. Calcule as derivadas.
3
a) f (x) = ex +x b) f (x) = ln(x2 + 3)
3x5 − 29x3 + 32x
h) f (x) =
(5x4 + 2x2 )15 c) f (x) = 5x + log3 (x2 + 3)
Exercı́cio 83. Determine se as funções são 3 2 3

deriváveis §
em x0 . d) f (x) = 2x + 3ex + (2x2 + 3x)x
x+2 se x ≤ −4  ‹x
a) f (x) = 1
−x − 6 se x > −4, x0 = −4
x
e) f (x) = xx f ) f (x) = 1 +
§ x
3 − 2x se x ≤ 2
b) f (x) =
3x − 7 se x > 2, x0 = 2 g) f (x) = sec−1 (ln(x)) h) f (x) = cos−1 (x2 + x)
§ √ 2 √
x − 9 se 3 ≤ x < 2 √
c) f (x) = i) f (x) = 3
tan−1 (x2 + 2) j) f (x) = tan−1 ( x )
3x − 11 se x ≥ 5, x0 = 5
§ √
x2 + 1 se x < −1 l) f (x) = cos 3
(x2 + 2). lnπ (x2 + 6)
d) f (x) =
1 − x2 se x ≥ −1, x0 = −1
€ √ Šex3
e) f (x) = |x − x − 6|,
2
x0 = −2 e x0 = 3 m) f (x) = cot−1 (x) + x2 + 3
(√ )
f ) f (x) = |(x − 1)(x2 + 4x + 3)|, x0 = −3, n) f (x) = tan−1 x + ln(x2 )
x0 = −1 e x0 = 1.

o) f (x) = x cot−1 ( x )
Exercı́cio 84. Calcule as derivadas.
a) f (x) = (3x3 + 6x2 )6 b) f (x) = (4x6 − 3x2 − x)21 Exercı́cio 87. Calcule por derivação implı́cita
dy
.
c) f (x) = (6x5 + 2x3 + 6x)5 (3x7 + x3 − x)5 dx
a) y 2 + 2x − log5 (x2 + 3y) = 2xy 2
(x3 + x2 − 2x)2 − x4
d) f (x) = 2
x2 + 2x b) 3y +x
+ 2x2 − log3 (xy) = xy
(8x6 − 7x2 )28
e) f (x) = c) ln(x + y).x + log2 (2x + y) = ln(2x − y)
(3x3 + x)36
(3x2 + 1)3 (2x + 2)2 d) cos(y 2 + x) = tan−1 (xy)
f ) f (x) =
x5 + 2x
+ cot−1 (x + y 3 ) = ln(x + y)
2
e) ex +3y

178
Exercı́cio 88. Ache uma equação de reta tangente Exercı́cio 95. Mostre que a função
à curva
√ f (x) = x101 + x51 + x + 1
3
xy = 14x + y
no ponto (2, −32). não tem nem máximos e nem mı́nimos locais.

Exercı́cio 96. Ache as dimensões do maior po-


Pontos Extremos - Máximos e Mı́nimos mar retangular que pode ser fechado com 150 me-
tros de cerca.
Exercı́cio 89. Mostre que o maior retângulo
tendo um perı́metro dado por p unidades é um qua- Exercı́cio 97. Se uma chácara é delimitada por
drado. um lago. Ache as dimensões da maior parte da
chácara que pode ser fechada usando 380 metros
Exercı́cio 90. Suponha que um peso deva ser de cerca para os outros três lados. Sabendo que a
mantido 20m abaixo de uma reta horizontal AB área que se pretende fechar é retangular.
por um fio com a forma de Y . Se os pontos A e B
estão a uma distância de 12m um do outro. Qual Exercı́cio 98. Um corpo com W kg de peso é ar-
o fio de menor comprimento que pode ser usado? rastado ao longo de um piso horizontal por uma
força com F kg de magnitude e segundo uma
Exercı́cio 91. Um pedaço de fio com 25m é cor- direção que faz um ângulo θ rad com o plano do
tado em duas partes. Uma delas é curvada na piso. Então F será dada pela equação
forma circular e a outra na forma de um quadrado.
kW
Como dividir o fio, de tal forma que: F =
a) A área combinada das duas figuras seja a menor ksen(θ) + cos(θ)
possı́vel. onde k é uma constante chamada coeficiente de
b) A área combinada das duas figuras seja a maior atrito e 0 < k < 1. Se 0 ≤ θ ≤ π2 , ache cos(θ)
possı́vel. quando F for mı́nima.
Dizemos que uma variável z é conjuntamente pro-
Máximos e Mı́nimos
porcional as variáveis x e y se existir uma cons-
tante k ∈ R tal que z = kxy.
Exercı́cio 99. Seja f derivável em R e seja g dada
Exercı́cio 92. A rigidez de uma viga retangular por
é conjuntamente proporcional à sua largura e ao f (x)
g(x) = , x ̸= 0.
cubo de sua profundidade. Ache as dimensões da x
viga mais rı́gida que possa ser cortada de uma tora Suponha que x0 é um ponto de máximo local de g.
na forma de um cilindro circular reto com r cm de a) Mostre que x0 f ′ (x0 ) − f (x0 ) = 0.
raio. b) Mostre que a reta tangente ao gráfico de f no
ponto de abscissa x0 passa pela origem.
Exercı́cio 93. Numa determinada vila, a taxa se-
gundo a qual um boato se espalha é conjuntamente Exercı́cio 100. Suponha que f seja derivável até
proporcional ao número de pessoas que ouviram o a 2a ordem em R e tal que para todo x
boato e ao número de pessoas que não ouviram o
boato. Em que momento o boato se espalha mais f ′′ (x) + xf ′ (x) = 1
rápido.
a) Mostre que f não admite ponto de máximo local.
Exercı́cio 94. Duas cidades estão localizadas ao b) Mostre que se f admitir um ponto crı́tico x0 ,
sul de um rio. Uma estação bombeadora de água então esse ponto será um mı́nimo local.
será instalada para servir as duas cidades. A tu- c) Mostre que f poderá admitir no máximo um
bulação seguirá as retas que ligam cada cidade a ponto crı́tico.
estação. Defina o ponto onde a estação bombea-
dora deve ser instalada para minimizar o custo da Exercı́cio 101. Seja f derivável até 2a ordem em
tubulação. Sabendo que a cidade A está a 2 milhas (−r, r), r > 0, tal que para todo x ∈ (−r, r)
da margem do rio e a cidade B à 5 milhas. O leito
f ′′ (x) + f ′ (x) − x[f (x)]2 = 0
do rio é reto, e a distância entre as projeções das
cidades no leito do rio é de 10 milhas. e que f (0) = 0 e f ′ (0) = 1.

179
a) Mostre que f não admite máximo local em
(0, r). y = 2x3 − 6x2 + 10x
b) Mostre que f não admite ponto de mı́nimo local
com inclinação mı́nima.
em (−r, 0).
c) Mostre que f é estritamente crescente em Intervalos de crescimento e decrescimento
(−r, r).
Exercı́cio 107. Determine os intervalos de
Exercı́cio 102. Suponha que f seja derivável até crescimento e/ou decrescimento para as funções.
2a ordem em R e tal que para todo x ex+1
a) f (x) = b) f (x) = x ln(x + 1)
xf ′′ (x) + f ′ (x) = 2 (x + 1)2
x2 − 3x
c) f (x) = d) f (x) = x3 − ex
a) Mostre que se x0 for um ponto de máximo local, 4 ln(x2 )
então x0 < 0. ex
b) Mostre que se x0 for um ponto de mı́nimo local, e) f (x) = 2 f ) f (x) = x − ln(x2 )
x
então x0 > 0.
c) Mostre que f ′ (x) > 0 para todo x em R g) f (x) = x2 − ln(x3 + x)

Exercı́cio 103. Determine os valores de máximos x3 x2


h) f (x) = + − 20x + 8
e mı́nimos, caso existam da função no intervalo 3 2
dado. x2 2−x
3 i) f (x) = j) f (x) = 3
a) f (x) = x4 − x3 + 2x2 + 3 em [−3, 4] 4+x 3 x − x2 + 1
4
1 3 1 2 Exercı́cio 108. Determine se existe ou não f ′ (0)
b) f (x) = x + x − 20x + 6 em [−6, 5] para.
3 2 § ( )
[ ] xsen x1 se x ̸= 0
c) f (x) = cos(x3 + x) em − π2 , π2 a) f (x) =
0 se x = 0
[1 ] § 2 ( )
d) f (x) = x − ln(x2 ) em 9 x sen x1 se x ̸= 0
2, 2 b) f (x) =
0 se x = 0
Você é capaz de descrever próximo da origem
e) f (x) = sen(x) − cos(x) em [0, π]
os intervalos de crescimento e decrescimento
[1 ] das funções acima.? Use um software de plotar
f ) f (x) = x2 − ln(x3 + x) em 15
3, 2 gráficos e observe o que ocorre.

e) f (x) = 3
3x3 − 6x2 em [−2, 3] Exercı́cio 109. Suponha que h seja derivável no
1 intervalo I e tal que h(x) ̸= 0 em todo x de I.
f ) f (x) = 3 em (0, 2). Prove que
x − 2x2
Exercı́cio 104. Uma casa deve ser construı́da, h′ (x) > 0 ou h′ (x) < 0
sabe-se que a área de piso da casa tem 1328 m2 .
A prefeitura exige os recuos de 7 metros nos fundos em todo intervalo I.
e na frente e de 5 metros nas laterais. Determine
Exercı́cio 110. Determine os intervalos de
as dimensões de um lote com a menor área possı́vel
crescimento e decrescimento das funções.
onde essa casa possa ser construı́da.
 3x + 5 se x < −1
Exercı́cio 105. Um automóvel viajando a uma a) f (x) = x2 + 1 se − 1 ≤ x < 2

7−x se x ≥ 2
velocidade de 12 (m/s) aproxima-se de um cruza- 
mento. Quando o automóvel está a 44 m do cru-  √(x + 9) 2
− 8 se x < −7
zamento, um caminhão viajando numa velocidade b) f (x) = − 25 − (x − 1) 2 se − 7 ≤ x < 0

de 9 (m/s) atravessa o cruzamento. O automóvel (x − 2)2 − 7 se x > 0

e o caminhão estão viajando em estradas perpen-  3x3 + 7 se x < −1
diculares entre si. Supondo a região plana, quanto c) f (x) = 2x2 − 2x se − 1 ≤ x < 2

tempo após o caminhão deixar o cruzamento, os 6−x se x ≥ 2
veı́culos estarão mais próximos um do outro?
§
x2 + x − 2 se x ≤ −2 ou 1 ≤ x
Exercı́cio 106. Ache a equação da reta tangente d) f (x) =
−x2 − x + 2 se − 2 < x < 1
a curva
180
Pontos de Inflexão e Concavidades Outras aplicações

Exercı́cio 111. Ache os pontos de inflexão, se Exercı́cio 116. Sejam I um intervalo, f uma
existir e determine onde o gráfico é concavo para função contı́nua em I e tal que |f ′ (x)| < K para
cima ou para
§ baixo. todo x no interior de I, onde K é um real fixo.
x2 − 3 se x < 2 Mostre que quaisquer que sejam x e y em I.
a) f (x) =
9 − 2x2 se x ≥ 2
§ |f (x) − f (y)| < K|x − y|.
x3 se x < 0
b) f (x) =
x4 se x ≥ 0
§ Exercı́cio 117. Mostre que quaisquer que sejam
3 + 2x2 se x < 1 x0 e x1 em [1, +∞) tem-se
c) f (x) =
8 − 3x2 se x ≥ 1
ln(x + 1) | ln(x0 ) − ln(x1 )| < |x0 − x1 |.
d) f (x) = x3 − 6x2 + 12x − 8 e) f (x) =
x+1
√ Exercı́cio 118. Suponha que f seja derivável até
f ) f (x) = x ln(x) g) f (x) = 3
4x2 − 8x3 2a ordem em R e tal que

h) f (x) = x2 e x2
1
i) f (x) = x2 − x ln(x) f ′′ (x) + xf ′ (x) = f (x) para todo x ∈ R
f (a) = f (b) = 0 a < b dados.
Exercı́cio 112. Seja f (x) = ax3 + bx2 + cx + d.
Determine a, b, c e d de forma que f tenha um Mostre que f (x) = 0 em [a, b].
ponto de inflexão em (2, 4) e a inclinação da reta
tangente no ponto de inflexão seja −4. Exercı́cio 119. Suponha que f é contı́nua em
[a, b], derivável em (a, b) e tal que f (a) = f (b) =
Se x0 for um ponto de inflexão de f e se 0. Suponha ainda, que 0 < a. Mostre que existe
f ′ (x0 ) = 0. Dizemos que x0 é um ponto de inflexão c ∈ (a, b) tal que
horizontal.
f (c)
f ′ (x) = .
Exercı́cio 113. Seja f derivável até 2 ordem ema c
R e tal que para todo x Exercı́cio 120. Considere a equação
xf ′′ (x) + f ′ (x) = 4 [ ]
f ′′ (x) = ln 2 + (f (x))2
a) Mostre que f ′′ é contı́nua em todo x ̸= 0.
b) Mostre que f não admite ponto de inflexão ho- para x ∈ (0, 1) sujeita as seguintes condições
rizontal. f (0) = f (1) = 0.
Suponha que exista uma solução ψ da equação
Exercı́cio 114. Seja f definida no intervalo acima pelo menos duas vezes continuamente dife-
(−r, r), r > 0. Suponha que renciável.
a) Mostre que ψ possui um único ponto crı́tico no
f (0) = 0 intervalo (0, 1).
f (x) = ′
f (x) = x2 + f 2 (x) para todo x ∈ (−r, r) b) Classifique esse ponto crı́tico.
c) Esboce o gráfico da solução ψ.
a) Mostre que 0 é ponto de inflexão horizontal.
b) Mostre que f ′ (x) > 0 para x ̸= 0. Exercı́cio 121. Seja g definida e positiva num in-
c) Estude f com relação à concavidade. tervalo I e x0 ∈ I. Mostre que√ x0 será de máximo
(ou de mı́nimo) de h(x) = g(x) em I, se, e so-
Exercı́cio 115. Seja f definida e derivável no in- mente se x0 for de máximo (ou de mı́nimo) de g
tervalo aberto I, com 1 ∈ I, tal que em I.
f (1) = 1
f (x) = Taxas de Variação e Relacionadas
f ′ (x) = x2 + f 2 (x) para todo x ∈ I

a) Mostre que para todo x em I, f ′′ (x) existe e que Exercı́cio 122. O volume V e o raio r da base
f ′′ é contı́nua em I. de um cone circular reto estão variando a taxas
b) Mostre que existe r > 0 tal que f ′ (x) > 0 e constantes de 0, 1π (m3 /s) e 0, 2 (m/s) respecti-
f ′′ (x) > 0 em (1 − r, 1 + r). vamente. Expresse
dh
em termos de r e h onde h
dt
é a altura do cone.
181
Exercı́cio 123. O comprimento de um retângulo ção a x quando os nı́veis de produção estiverem
é de 4 cm a mais do que sua largura e essa di- variando:
ferença de 4 cm mantém-se quando o retângulo a) 100 à 107 b) 100 à 105 c) 100 à 103 d)
aumenta o tamanho. Se A(t) cm for a área do 100 à 101
retângulo e t cm or a largura, ache a taxa média b) Encontre a taxa instantânea de variação de C
de variação de A(t) com respeito a t, quando t va- em relação a x quando x = 100.
riar.
a) 3 à 3, 2 b) 3, 2 à 3, 3 c) 3, 3 à 3, 33 d) Exercı́cio 129. Uma escada de 8 m de compri-
3, 33 à 3, 35 mento está apoiada em uma parede vertical. Seja
θ o ângulo entre o topo da escada e a parede, e
Exercı́cio 124. Suponha que o número de pessoas x a distância da base da escada até a parede. Se
da população de uma cidade t anos após o dia 1o a base da escada escorregar para longe da parede,
de janeiro de 1988 será 40t2 + 200t + 10000. com que rapidez x variará em relação a θ quando
a) Ache a taxa segundo a qual a população terá π
θ= .
crescido em 1o de janeiro de 1997. 4
b) Ache a taxa de crescimento relativo da popula- Exercı́cio 130. está sendo bombeado ar para den-
ção estimada em 1o de janeiro de 1997 com apro- tro de um balão climático esférico. Em qualquer
ximação de 0, 1%. instante t, o volume do balão é v(t) e seu raio é
c) Ache a taxa segundo a qual a população estará r(t).
crescendo em 1o de janeiro de 2003. dV dV
d) Ache a taxa de crescimento relativo da popula- a) O que as derivadas e representam?
dr dt
ção estimada em 2003 com aproximação de 0, 1%. dV dr
b) Expresse em termos de .
dt dt
Exercı́cio 125. Se a água de uma piscina esti-
ver sendo drenada e V litros for o volume de água Exercı́cio 131. Enche-se um reservatório, cuja
na piscina após t minutos após começar o escoa- forma é a de um cone circular reto, de água a uma
mento, onde V = 250(1600 − 80t + t2 ). taxa de 0, 3 (m3 /s). O vértice está a 18 m do topo
a) Ache a taxa média segundo a qual a água deixa e o raio do topo é de 12 m. Com que velocidade
a piscina durante os primeiros 5 minutos. o nı́vel h da água está subindo no instante em que
b) Quão rápido a água está fluindo da piscina 5 h = 6 m.
minutos após o inı́cio do escoamento.
Exercı́cio 132. Uma escada de 12 m está encos-
Exercı́cio 126. Se uma pedra pedra lançada para tada em uma parede. Se a extremidade inferior da
cima em Marte com uma velocidade de 10 (m/s), escada for afastada do pé da parede a uma veloci-
sua altura em metros após t segundos é dada por dade constantes de 3 (m/s), com que velocidade a
h(t) = 10t − 1, 86t2 . extremidade superior estará descendo no instante
a) Encontre a velocidade da pedra após um se- em que a inferior estiver a 2 m da parede.
gundo.
Exercı́cio 133. Um ponto P move-se sobre a
b) A velocidade da pedra quando t = a.
parábola y = 3x2 − 2x. Suponha que as coordena-
c) Quando a pedra atinge a superfı́cie? dx
d) Com que velocidade a pedra atinge a superfı́cie? das x(t) e y(t) de P são deriváveis e que ̸= 0.
dt
Em que ponto da parábola a velocidade da orde-
Exercı́cio 127. O custo de produção de t quilo- nada y de P é o triplo da velocidade da abscissa
gramas de café é dada por C = f (t) reais. de x de P .
a) O que significa a derivada f ′ (t)? Quais são suas
unidades? Exercı́cio 134. Uma luz de rua é colocada no topo
b) O que significa f ′ (500) = 360? de um poste de 5 m de altura. Um homem com 2
c) Você acha que os valores vão crescer ou decres- m de altura anda, afastando-se do poste com ve-
cer a curto prazo? E a longo prazo.? locidade de 1, 5 (m/s) ao longo de uma trajetória
reta. Com que velocidade se move a ponta de sua
Exercı́cio 128. O custo em reais de produzir x sombra quando ele está a 10 m do poste.
unidades de certa mercadoria é
Exercı́cio 135. Um holofote sobre o chão ilumina
C(x) = 8000 + 15x + 0, 1x2 . uma parede de 15 m distante dele. Se um homem
de 1, 8 m de altura anda do holofote em direção à
Encontre a taxa média da variação de C em rela-
parede a uma velocidade de 2 (m/s),

182
quão rápido decresce o comprimento de sua sombra ximado do tumor quando o raio passa de 1, 6 cm
sobre a parede quando ele está a 3 m dela. para 1, 7 cm.

Exercı́cio 136. Um ponto P move-se ao longo Exercı́cio 144. Um tanque cilı́ndrico aberto, deve
1 ser revestido externamente com 2 cm de espessura.
do gráfico de y = 2 de tal modo que a sua
x +1 Se o raio interno for de 6 cm e a altura for 10 m,
abscissa x varia a uma velocidade constante de 3 encontre, por diferenciais, a quantidade de mate-
(m/s). Qual a velocidade de y no instante em que rial necessária para o revestimento.
x = 12 m?
Exercı́cio 145. A medida da aresta de um cubo
Exercı́cio 137. A medida de um ângulo agudo de 18 cm, com um erro possı́vel de 0, 02 cm. Use
de um triângulo retângulo está decrescendo a uma diferenciais para encontrar o erro aproximado no
π
taxa de (rad/s). Se o comprimento da hipote- cálculo.
36
nusa for constante e igual a 40 m ache a velocidade a) Do volume. b) Da área de uma das faces.
com que a área está variando, quando a medida do
π Exercı́cio 146. A medida da resistência elétrica
ângulo for .
6 de um fio é proporcional à medida de seu compri-
mento e inversamente proporcional ao quadrado
Exercı́cio 138. Dois carros aproximam-se de um
da medida do seu diâmetro. Suponha que a re-
cruzamento, um deles vindo do oeste e outro vindo
sistência de um fio de um determinado compri-
do sul. Se ambos estão com uma velocidade de 80
mento seja calculada a partir da medida de seu
(km/h), mostre que √ um se aproxima do outro a
diâmetro, com erro possı́vel de 2%. Ache o erro
uma velocidade de 80 2 (km/h), quando cada um
percentual possı́vel no cálculo do valor da re-
está a 10 km do cruzamento.
sistência.
Exercı́cio 139. Uma pedra cai livremente num
Exercı́cio 147. Calcule ∆y e dy para os valores
lago parado. Ondas circulares se espalham e o
dados de x e dx = ∆x.
raio da região afetada aumenta a uma taxa de 20
a) y = 8x − 2x2 , x = 2 e ∆x = −0, 4.
(cm/s). Qual a taxa segundo a qual a região está
aumentando quando o raio for 5 cm. √
b) y = x, x = 4 e ∆x = 0, 04.
Exercı́cio 140. Dentro de um tanque na forma de 3
um cone está fluindo água à razão de 8 (m3 /min). c) y = , x = 6 e ∆x = 1.
x
O cone tem 6 m de profundidade 3 m de diâmetro
no topo. Se houver um vazamento na base e se d) y = ex , x = 1 e ∆x = 0, 01.
o nı́vel da água estiver subindo a uma razão de 1
(cm/min), quando a profundidade for 4, 8 m como Exercı́cio 148. Se uma corrente I passa por um
estará escoando o vazamento? resistor com resistência R, a Lei de Ohm afirma
que a queda de voltage é V = RI. Se V for
Diferenciais constante e R for a medida com um certo erro,
use diferenciais para mostrar que o erro relativo
no cálculo de I é aproximadamente o mesmo (em
Exercı́cio 141. Calcule a diferenciais.
x2 módulo) que o erro relativo em R.
a) y = x4 b) y = 3x2 − 6x c) y =
x2 + 1 Exercı́cio 149. Suponha que não tenhamos uma
√ ln(x2 ) fórmula √
para h(x), mas sabemos que h(3) = 8 e
e) y = 3x − x
3 6
d) y = x7 f) y = 2
x +4 h′ (x) = x2 + 16 para todo x.
a) Use uma aproximação linear para estimar
Exercı́cio 142. Seja A = (x + 2)2 , x > 0. h(2, 98) e h(3, 03).
a) Calcule a diferencial. b) Suas estimativas na parte a) são grandes ou pe-
b) Interprete geometricamente o erro que se co- quenas.
mete na aproximação de ∆A por dA.
Exercı́cio 150. Seja f : [a, b] → B uma função
Exercı́cio 143. Um tumor no corpo de uma pes- contı́nua tal que f ′ (x) = 0 para todo x ∈ (a, b).
soa tem a forma esférica, tal que se r cm for o raio Então f (x) = k (k=constante) para todo x ∈ [a, b].
4
e V (cm)3 o volume do tumor, então V = πr3 .
3 Exercı́cio 151. Prove a afirmação feita no teo-
Use a diferencial para encontrar o aumento apro-
rema 2.21.
183
Capı́tulo 5

Integral de Funções Reais

Iniciamos agora, um dos conceitos mais importantes do cálculo, a integral de


uma função real, este conceito está definido em dois aspectos, um o conceito de integral
indefinida e outro como a integral definida, veremos ainda que estes dois conceitos são
bastantes ı́ntimos, ou seja, estão totalmente relacionados um ao outro.

5.1 Antidiferenciação

O conceito de operação inversa é bastante utilizado em todas as operações


elementares, não obstante, é de se esperar que tenhamos uma operação inversa à diferen-
ciação, tal qual denominamos antidiferenciação, para entendermos melhor, definamos:

Definição 5.1. Uma função F será chamada de antiderivada de uma função f num
intervalo I se F ′ (x) = f (x) para todo x em I. O conjunto de todas as antiderivadas
(e/ou primitivas) de f é a integral indefinida de f em relação a x, denotada por

f (x)dx


A função f é o integrando de uma integral, x é a variável e é o sı́mbolo de
uma integral.

Exemplo 169. Seja F uma função definida por

F (x) = 5x3 + x2 + 5.

Determine a função f para qual F seja uma antiderivada.

184
Resolução: Da definição temos que F é uma antiderivada de f se F ′ (x) = f (x). Então

F ′ (x) = 15x2 + 2x.

Logo, definindo f por

f (x) = 15x2 + 2x,

segue que f é a derivada de F e ainda que F é uma antiderivada de f .

Se G for uma função definida por

G(x) = 5x3 + x2 − 28,

então G também será uma antiderivada de f , pois

G′ (x) = 15x2 + 2x.

Em verdade, toda função cujos valores funcionais são dados por

5x3 + x2 + c

onde c é uma constante qualquer, é uma antiderivada de f .

Teorema 5.2. Se f e g forem duas funções, tais que f ′ (x) = g ′ (x) para todo x no
intervalo I, então haverá uma constante k, tal que

f (x) = g(x) + k para todo x ∈ I.

Teorema 5.3. Se F for uma antiderivada de f em um intervalo I, então toda antide-


rivada de f em I será dada por
F (x) + c

onde c é uma constante arbitrária.

Exemplo 170. Encontre a antiderivada da função f (x) = 1.


Resolução: Do teorema acima e da definição temos que

1dx = F (x) + c e F ′ (x) = 1.

185
Da teoria de derivação temos, que se g(x) = x então g ′ (x) = 1. Então definamos
F (x) = x, portanto,

1dx = x + c.

Exemplo 171. Encontre a antiderivada da função f definida por

f (x) = xn onde n ∈ Q e n ̸= −1.

Resolução: Do teorema acima e da definição temos que



xn dx = F (x) + c e F ′ (x) = xn .

xn+1
Da teoria de derivação temos, que se g(x) = então g ′ (x) = xn . Então definamos
n+1
xn+1
F (x) = ,
n+1

portanto,

xn+1
xn dx = + c.
n+1

Exemplo 172. Encontre as antiderivadas das funções abaixo.


∫ ∫
a) sen(x)dx b) cos(x)dx
Resolução: Basta encontrar uma função F de tal modo que F ′ (x) seja o integrando nas
integrais acima, sabemos da teoria de derivadas que

(cos(x))′ = −sen(x) e (sen(x))′ = cos(x),

disso segue que


∫ ∫
sen(x)dx = − cos(x) + c e cos(x)dx = sen(x) + c.

Teorema 5.4. Sejam f , g funções, α e β constantes, então


∫ ∫ ∫
(αf (x) ± βg(x))dx = α f (x)dx ± β g(x)dx.

186

Exemplo 173. Calcule (5x4 − 8x3 + 9x2 + 7)dx
Resolução: Pelo teorema acima e do exemplo 171 temos,
∫ ∫ ∫ ∫ ∫
(5x4 − 8x3 + 9x2 + 7)dx = 5 x4 dx − 8 x3 dx − 9 x2 dx + 7 dx

x5 x4 x3
= 5 − 8 − 9 + 7x + c
5 4 3

= x5 − 2x4 − 3x3 + 7x + c

5.2 Algumas Técnicas de Antidiferenciação

Muitas antiderivadas não são encontradas diretamente com os resultados de


derivação, para isso discutiremos técnicas que requerem a regra da cadeia para antidife-
renciação e outras que envolvem mudança de variável.

Teorema 5.5. (Regra da Cadeia para Antiderivadas) Seja g uma função diferenciável e
seja o intervalo I a imagem de g. Suponha que f seja uma função definida em I e que
F seja uma antiderivada de f em I, então

f (g(x))[g ′ (x)dx] = F (g(x)) + c.

Teorema 5.6. Se g for uma função diferenciável e se n for um número racional tal que
n ̸= −1 , então

[g(x)]n+1
[g(x)]n [g ′ (x)dx] = + c.
n+1
∫ √
Exemplo 174. Calcule 3 3x + 4dx.
Resolução: Para aplicarmos o teorema acima, escrevemos
∫ √ ∫
1
3 3x + 4dx = 3(3x + 4) 2 dx,

pondo g(x) = 3x + 4 temos g ′ (x)dx = 3dx, logo


∫ √ ∫ 1
1
′ [g(x)] 2 +1 2 3
3x + 4(3dx) = [g(x)] [g (x)dx] = 1
2 + c = (3x + 4) 2 + c
2
+1 3

187
∫ √
Exemplo 175. Calcule 3x + 4dx.
Resolução: Para aplicarmos o teorema acima, escrevemos
∫ √ ∫
1
3x + 4dx = (3x + 4) 2 dx,

pondo g(x) = 3x + 4 temos g ′ (x)dx = 3dx, logo


∫ √ ∫ 1
1 1 1
′ 1 [g(x)] 2 +1 2 3
3x + 4(3dx) = [g(x)] [g (x)dx] =
2
1 + c = (3x + 4) 2 + c
3 3 3 2 +1 9

Exemplo 176. Calcule x2 (5 + 2x3 )8 dx.
Resolução: Observe que se

g(x) = 5 + 2x3 então g ′ (x)dx = 6x2 dx,

logo
∫ ∫
1 1 1 [g(x)]8+1 1
(5 + 2x3 )8 (6x2 dx) = [g(x)]8 [g ′ (x)dx] = + c = (5 + 2x3 )9 + c
6 6 6 8+1 54

Exemplo 177. Calcule x cos(x2 )dx.
Resolução: Observe que se

g(x) = x2 então g ′ (x)dx = 2xdx,

assim
∫ ∫
1 1 1 1
f (g(x))[g ′ (x)dx] = F (g(x)) + c = sen(x2 ) + c.
cos(x2 )(2xdx)dx =
2 2 2 2
∫ √
Exemplo 178. Calcule x2 1 + xdx.
Resolução: Inicialmente notemos que se

g(x) = 1 + x então g ′ (x)dx = dx,

contudo, a função h(x) = x2 não aparece no diferencial de g, para resolver este problema,
devemos fazer uma mudança de variável apropriada, tal como segue:

188
Chamemos u = 1 + x, portanto, du = dx e u − 1 = x. Temos assim
∫ √ ∫ ∫
1 1
x2 1 + xdx = (u − 1)2 u 2 du = (u2 − 2u + 1)u 2 du
∫ ∫ ∫
5 3 1
= u du − 2
2 u du +
2 u 2 du

7 5 3
u2 u2 u2
= 7 − 2. 5 + 3 +c
2 2 2

2 7 4 5 2 3
= (1 + x) 2 − (1 + x) 2 + (1 + x) 2 + c
7 5 3

Exemplo 179. Calcule tan(x) sec2 (x)dx.
Resolução: Para resolver este problema, pomos

g(x) = tan(x) tem-se g ′ (x)dx = sec2 (x)dx. Temos assim


∫ ∫
[g(x)]1+1 [tan(x)]2 1
2
tan(x) sec (x)dx = [g(x)]1 [g ′ (x)dx] = +c = + c == tan2 (x) + c
1+1 2 2
ou ainda, pondo

g(x) = sec(x) tem-se g ′ (x)dx = tan(x) sec(x)dx. Temos assim


∫ ∫ ∫
2
tan(x) sec (x)dx = sec(x) tan(x) sec(x)dx = [g(x)]1 [g ′ (x)dx]

[g(x)]1+1 [sec(x)]2 1
= +c= + c = sec2 (x) + c
1+1 2 2

Qual a diferença entre as duas resposta?

5.3 A Integral Definida

Discutiremos agora um novo tipo de processo de limite que nos leva ao


conceito da integral definida.

Seja f a função definida no intervalo fechado [a, b]. Dividindo esse intervalo
em n subintervalos, e escolhendo qualquer dos (n − 1) pontos intermediários entre a e b.
Sejam x0 = a e xn = b e x1 , x2 , · · · , xn os pontos intermediários de tal forma que

a = x0 < x1 < x2 < · · · < xn−1 < xn = b,

189
não necessariamente equidistantes. Denotemos por ∆i x o comprimento dos n subinter-
valos com i = 1, 2, 3, · · · , n, onde

∆i x = xi − xi−1 .

Dentre todos os comprimentos ∆i x existe pelo menos um que é o maior de


todos e, denotando por ∆ a partição do intervalo [a, b], então o intervalo de maior
comprimento da partição ∆ será chamado norma da partição, é denotado por ∥∆∥.

Agora escolhendo um ponto em cada subintervalo da partição ∆. Seja ξi o


ponto escolhido em [xi−1 , xi ] de modo que

xi−1 ≤ ξi ≤ xi .

Então a soma dada por



n
f (ξi )∆i x = f (ξ1 )∆1 x + f (ξ2 )∆2 x + · · · + f (ξn )∆n x
i=1

é chamada soma de Riemann. Representada parcialmente na figura abaixo:


y.........
f (ξ16 )∆16 x .......
..... ........
... ...f (ξ )∆ x
... .. 17 17
..
. ...
. ...
..
... ..
..
.. ..
.. ..
... ..
... ...
..
. ...
... .. ...
... ..
. ...
... ................. .
. ...
... ...
. ... .
. ...
... ... .. ...
... .. ... .
. ...
.
. .... .
. .
... .. ..
... . ... .
... ..
. . ..
.
... f (ξ1 )∆1 x .. .. ..
... .. .. ..
... .. .
... .
... ... ..
.. ..
.. ... ... ..
..
.. ... ... ..
.. ... ... ..
.
... .. ... ..
...
.. ξ x 3 ....
ξ .. ..
.. ξ x8 ................. x12 ξ ..
..
... 2 2 ...
. ξ5 ξ6 ....ξ7 x7 8 x9 x10...ξ
.
....
11
ξ....12
.
13 x13 ξ14 x14ξ....15 ξ16 ....
... . . . . .
x0 ξ1 x1........ .........
.
x6 ....
.
ξ10 ..... x11 .....
. .. ....
......... x ξ4 4
3
x x5
..
..
..
ξ9
.
.
.
. ..
.... .
.
.
.
.
.. x15 x16 ξ
17 x17 x
.
.. .. ... ...
.. .. ... ...
.. .. ... ..
..
.. .
... ... .
....
.. .. ... ..
.. ... ... ..
.. ... .. ..
.. ... .. ..
..
.. ...
.
..
. ...
.
...
..
.. ... ... ...
.. ... ... ..
.. ... .... ...
..
... ... ................
.
..
... ...
... ...
.. ..
...
... ..
.
... ..
.. ..
.. ...
...
.. .
...
.. .
... ...
.... ...
................

Figura 5.1.

Suponhamos que exista um número L tal que para todo ϵ > 0 se tenha
n




f (ξi )∆i x − L < ϵ
i=1

190
para toda partição ∆ de [a, b] e qualquer ξi ∈ [xi−1 , xi ], e então f é chamada de integrável
em [a, b].

Definição 5.7. Seja f uma função cujo domı́nio inclui o intervalo fechado [a, b]. Então,
f será integrável em [a, b] se existir um número L satisfazendo a seguinte condição, para
todo ϵ > 0, existe δ > 0 tal que toda partição ∆ para a qual ∥∆∥ < δ e com ξi ∈ [xi−1 , xi ],
i = 1, 2, · · · , n, temos n




f (ξi )∆ i x − L < ϵ.

i=1

Nessas condições, escrevemos


n
lim f (ξi )∆i x = L.
∥∆∥→0
i=1

Quando esse limite existe, então a integral definida de f de a até b, denotada


por
∫ b
f (x)dx,
a

será dada por


∫ b ∑
n
f (x)dx = lim f (ξi )∆i x.
a ∥∆∥→0
i=1

Da definição acima, se considerarmos todos ∆i x com o mesmo comprimento,


e denotando simplesmente por ∆x = ∆i x, tem-se

b−a b−a
∆x = e n= .
n ∆x

Assim,
lim ∆x = 0 e lim n = +∞.
n→+∞ ∆x→0

Portanto, a expressão da integral definida pode ser expressa como


∫ b ∑
n
f (x)dx = lim f (ξi )∆x.
a n→+∞
i=1

Teorema 5.8. Se f é uma função contı́nua no intervalo fechado [a, b], então ela será
integrável em [a, b].

191
Exemplo 180. Encontre o valor exato da integral definida
∫ 3
x2 dx.
1

Resolução: Consideremos uma partição ∆ do intervalo fechado [1, 3] em n subintervalos


de mesmo comprimento, ou seja,

3−1 2
∆x = = .
n n

Escolhemos ξi como o extremo direito de cada subintervalo, deste modo tere-


mos
2 2 2 2
ξ1 = 1 + , ξ2 = 1 + 2 , · · · , ξi = 1 + i , · · · , ξn = 1 + n .
n n n n
Como f (x) = x2 então
‚ Œ2 ‚ Œ2
2i n + 2i n2 + 4ni + 4i2
f (ξi ) = 1 + = = .
n n n2

Logo
∫ – ™
3
2

n ∑
n
n2 + 4ni + 4i2 2
x dx = lim f (ξi )∆x = lim
1 n→+∞
i=1
n→+∞
i=1 n2 n
– ™

n
2n2 + 8ni + 8i2
= lim
n→+∞
i=1 n3

2 ∑n
= lim 3 (n2 + 4ni + 4i2 )
n→+∞ n
i=1
[ ]
2 ∑n ∑n ∑n
= lim 3 n2 1 + 4n i+4 i2
n→+∞ n
i=1 i=1 i=1

– ‚ Œ ™
2 n(n + 1) n(n + 1)(2n + 1)
= lim 3 n2 n + 4n +4
n→+∞ n 2 6
– ™
2 2
= lim 3 n3 + 2n2 (n + 1) + (n2 + n)(2n + 1)
n→+∞ n 3
– ™
2 4 2 2
= lim 2 1 + 2 + + + + 2
n→+∞ n 3 n 3n
– ™
4 13 2 13 26
= lim 2 + + 2 =2 = .
n→+∞ n 3 3n 3 3

192
Definição 5.9. Se a > b, então
∫ b ∫ a
f (x)dx = − f (x)dx
a b
∫ a
se f (x)dx existir.
b

Definição 5.10. Se f (a) existir, então


∫ a
f (x)dx = 0.
a

Do exemplo acima temos então que:


∫ 1 ∫ 3 26
x dx = −
2
x2 dx = −
3 1 3
e
∫ 1
x2 dx = 0.
1

Definição 5.11. Seja f uma função contı́nua em [a, b] e f (x) ≥ 0 para todo x ∈ [a, b].
Seja R a região limitada pela curva y = f (x), pelo eixo x e pelas retas x = a e x = b.
Então a medida A da região R é dada por

n ∫ b
A = lim f (ξi )∆i x ⇐⇒ A = f (x)dx.
∥∆∥→0 a
i=1

Essa definição estabelece que se f (x) ≥ 0 a integral definida poderá ser in-
terpretada geometricamente como a medida da área da região R indicada na definição.
A figura ao lado, mostra a região R do nosso exemplo,
y
.....
• ..
..
...
ainda do fato que x2 ≥ 0 no intervalo [1, 3], temos que a
...
..
. 26
..
..
..
medida da área da região R é unidades quadrada de com-
..
...
.
3
..
..
...
primento.
...
...
y = f (x) = x2....
.
..
.
..
..
Exemplo 181. Se k for qualquer constante, então
..
...
.
...
..
x=3 ∫ b
...
.
...
...
.
R kdx = k(b − a).
....
....
..•
..... a
...
..
....... x=1
............... ...
x..
b−a
1 3
Figura 5.2. De fato, seja ∆x = , para qualquer partição, f (ξi ) = k.
n
Assim,
∫ b ∑
n ∑
n
b−a
kdx = lim f (ξi )∆x = lim k = k(b − a).
a n→+∞
i=1
n→+∞
i=1 n

193
Teorema 5.12. Se as funções f e g forem integráveis em [a, b], sejam ainda α e β
constantes, então a soma (e/ou diferença) αf ± βg será integrável em [a, b] e
∫ b ∫ b ∫ b
[αf (x) ± βg(x)]dx = α f (x)dx ± β g(x)dx.
a a a

Exemplo 182. Sejam f (x) = 5 e h(x) = 3x2 . Determine


∫ 3
[5 + 3x2 ]dx.
1

Resolução: Primeiramente notemos que pelo exemplo 181 temos


∫ 3
5dx = 5(3 − 1),
1

já sabemos que a função g(x) = x2 é integrável e


∫ 3 26
x2 dx = .
1 3

Então pelo teorema 5.12 vem


∫ 3 ∫ 3 ∫ 3 ∫ 3 26
2
[5 + 3x ]dx = [f (x) + 3g(x)]dx = f (x)dx + 3 g(x)dx = 5(3 − 1) + 3 = 36.
1 1 1 1 3

5.4 Os Teoremas Fundamentais do Cálculo

Os teoremas fundamentais do cálculo estabelecem as relações entre as inte-


grais definida e indefinida. O primeiro teorema estabelece a relação entre integral definida
e a integral indefinida, ou seja, a função F é definida como uma integral definida tendo
um limitante superior variável.

Teorema 5.13. ( Primeiro Teorema Fundamental do Cálculo) Seja f uma função


contı́nua no intervalo fechado [a, b] e seja x qualquer número em [a, b]. Se F for a função
definida por
∫ x
F (x) = f (t)dt
a

então
F ′ (x) = f (x) (5.1)

(Se x = a, a derivada em (5.1) pode ser a derivada à direita e se x = b, a derivada em


(5.1) pode ser a derivada à esquerda.)

194
Notemos ainda que a equação (5.1) do teorema pode ser escrita da seguinte
forma
∫ x
d
f (t)dt = f (x).
dx a

Exemplo 183. Calcule as seguintes derivadas.

∫ ∫ x2 È ∫
d x 1 d d 4 1
a) dt b) cos(t)dt c) dt.
dx 1 t3 + 1 dx 3 dx 1+3x2 t2 +1
Resolução
a) Pelo primeiro teorema fundamental do cálculo temos,
∫ x
1 d 1 1
f (t) = 3 , então dt = 3 .
t +1 dx 1 t3 +1 x +1
b) Para podermos usar o primeiro teorema fundamental do cálculo, é necessário que
o limitante superior seja a variável x, no entanto, neste caso o limitante superior é a
função f (x) = x2 . Para sanar isso, usamos a regra da cadeia, com
∫ x È
2
u(x) = x e F (x) = cos(t)dt.
3

Assim
d d du
(F (u(x))) = (F (u(x))). ,
dx du dx
portanto,
∫ È ∫ È
d x2 d u du È du È
cos(t)dt = cos(t)dt. = cos(u). = 2x. cos(x2 ).
dx 3 du 3 dx dx
c) Vamos usar a definição, onde a ordem dos limitantes são invertidas e a integral muda
o sinal, ou seja,
∫ 4
‚ ∫ 1+3x2
Œ ∫ 1+3x2
d 1 d 1 d 1
2
dt = − 2
dt = − dt.
dx 1+3x2 t +1 dx 4 t +1 dx 4 t2 +1

E novamente usando a regra da cadeia com


∫ x 1
u(x) = 1 + 3x2 e F (x) = dt,
4 t2 + 1
temos,
∫ 4 ∫ u
d 1 d 1 du 1 du 1
2
dt = − dt. =− 2 . = −6x. .
dx 1+3x2 t +1 du 4 t2 + 1 dx u + 1 dx (3x + 1)2 + 1
2

195
O segundo teorema estabelece a relação entre a integral indefinida e a integral
definida.

Teorema 5.14. ( Segundo Teorema Fundamental do Cálculo) Seja f uma função


contı́nua no intervalo fechado [a, b] e seja F uma função tal que

F ′ (x) = f (x) (5.2)

para todo x em [a, b]. Então


∫ b
f (t)dt = F (b) − F (a) (5.3)
a

(Se x = a, a derivada em (5.2) pode ser a derivada à direita e se x = b, a derivada em


(5.2) pode ser a derivada à esquerda.)

Este teorema diz, em sua equação (5.3) que qualquer integral definida de
qualquer função contı́nua f pode ser calculada sem tomar os limites, ou seja, sem cal-
cular somas de Riemann e geralmente sem muito esforço, desde que seja conhecida uma
primitiva de f .

Exemplo 184. Calcule


∫ 3
x2 dx
1

usando o segundo teorema fundamental do cálculo.


Resolução: Primeiramente devemos determinar a primitiva de f , contudo vimos que
uma primitiva de f é dada por
x3
F (x) = + c.
3
Portanto,
∫ ‚ Œ
3 33 13 26
x dx = F (3) − F (1) =
2
+c− +c = .
1 3 3 3

Como já havı́amos encontrado através da somas de Riemann.

Notemos no exemplo que a constante c, que aparece na primitiva de f é


indiferente para o cálculo da integral definida, portanto, podemos sempre supor que a
constante c é nula.

196
Devido a conexão entre integrais definida e antiderivadas (ou integral inde-
finida), diremos então que o processo de cálculo de uma dessas integrais é chamado de
integração.

Contudo, vale ressaltar a diferença entre esses dois conceitos de integrais. A


integral indefinida foi estabelecida como sendo uma função F tal que F ′ (x) = f (x). Por
outro lado a integral definida é um número que depende da função f e dos números a e b
e foi definida como limite de uma soma de Riemann. E ainda não faz nenhuma referência
à diferenciação.

Nos exemplos que seguem daqui em diante não faremos referências aos teo-
remas utilizados. Convencionaremos ainda a seguinte notação
b

b
f (x)dx = F (x) = F (b) − F (a).
a
a

Teorema 5.15. Se f for integrável num intervalo fechado contendo os números a, b e


c, então
∫ b ∫ c ∫ b
f (x)dx = f (x)dx + f (x)dx.
a a c
∫ 4
Exemplo 185. Calcule |x + 2|dx.
−3
Resolução: Notemos que


 x+2 se x + 2 ≥ 0 então x ≥ −2
|x + 2| = 

−x − 2 se x + 2 < 0 então x < −2

então,
∫ 4 ∫ −2 ∫ 4
|x + 2|dx = (−x − 2)dx + (x + 2)dx
−3 −3 −2

‚ Œ −2 ‚ 2 Œ 4
x2 x
=− + 2x + + 2x
2 2
−3 −2
‚ Œ ‚ Œ ‚ 2 Œ ‚ Œ
(−2)2 (−3)2 4 (−2)2
=− + 2(−2) + + 2(−3) + + 2.4 − + 2(−2)
2 2 2 2

37
=
2

197
5.5 A Função Logarı́tmica e a Função Exponencial

Lembremos que a integral de



tn+1
tn dt = + c para n ̸= −1.
n+1

Para calcular tn dt quando n = −1 precisamos de uma função cuja derivada
1
seja . O primeiro teorema fundamental do cálculo dá-nos tal função, seja a > 0 real
x
fixo, então  ∫ x
 1

 dt se x > 0

 a t
F (x) =  ∫

 −x 1

 − dt se x < 0.
a t
Ainda, já vimos que a função logarı́tmica natural tem como derivada a função
1
recı́proca, ou seja, para x > 0. Vamos definir agora a função logarı́tmica natural como
x
uma integral, pois como veremos mais adiante em séries de potências, essa representação
traz melhores benefı́cios.

Definição 5.16. A função logarı́tmica natural é a função definida por


∫ x 1
ln(x) = dt com x > 0.
1 t

Essa definição para ln(x) tem todas as propriedades das funções logarı́tmicas
conhecidas da Álgebra, que são baseadas nas propriedades de potências, ou seja,
a) ln(1) = 0.
b) ln(a.b) = ln(a) + ln(b).
 ‹
a
c) ln = ln(a) − ln(b).
b
d) ln(ar ) = r ln(a) para todo r número racional.

Verifiquemos as afirmações:

∫ 1 1
ln(1) = dt = 0 por definição.
1 t
∫ a.b ∫ a ∫ a.b
1 1 1
ln(a.b) = dt = dt + dt.
1 t 1 t a t

198
Quando s varia de 1 a b, o produto as varia de a a ab. Logo a mudança de variável
t = as implica que dt = ads e
∫ a.b ∫ b ∫ b
1 1 1
dt = ads = ds = ln(b)
a t 1 as 1 s

e, portanto,
ln(a.b) = ln(a) + ln(b).

a
Pondo = r então a = br e então
b
∫ a ∫ b.r ∫ b ∫ r  ‹
1 1 1 1 a
ln(a) = dt = dt = dt + dt = ln(b) + ln(r) = ln(b) + ln
1 t 1 t 1 t 1 t b

e, portanto,
 ‹
a
ln = ln(a) − ln(b).
b

Notemos que se r é um número natural então xr = x.x.


| ·{z
· · .x.x}.
rvezes

Pelo item b) temos


ln(ar ) = r ln(a).

Agora de r um número natural, temos 1 = xr .x−r , logo

0 = ln(1) = ln(xr .x−r ) = ln(xr ) + ln(x−r ) = r ln(x) + ln(x−r )

e, portanto a igualdade vale para todo r inteiro, ou seja,

ln(x−r ) = −r ln(x).

p p
Pondo r = onde p ∈ Z e q ∈ Z∗ , então (x q )q = xp , assim
q
p p
q ln(x q ) = ln((x q )q ) = ln(xp ) = p ln(x)

e, portanto
p p
ln(xr ) = ln(x q ) = ln(x) = r ln(x)
q

Segue então que


1
(ln(x))′ =
x

199
e pela regra da cadeia temos,

1
(ln |u(x)|)′ = (u(x))′ .
u(x)

Podemos agora completar nosso teorema para integral, como segue.

Teorema 5.17.  n+1



 u
∫ 
 +c se n ̸= −1
n
u du =  n+1



ln |u| + c se n = −1

x2
Exemplo 186. Calcule dx.
x3 + 1
Resolução: Para determinarmos a primitiva de f , vamos fazer uma mudança de variável.
Chamamos
u = x3 + 1 então du = 3x2 dx,

assim
∫ ∫
1 3x2 1 1 1 1
3
dx = du = ln(|u|) + c = ln(|x3 + 1|) + c.
3 x +1 3 u 3 3

x2 + 2 2
Exemplo 187. Calcule dx.
0 x+1
Resolução: Inicialmente notamos que

x2 + 2 (x − 1)(x + 1) + 3 3
x + 2 = (x − 1)(x + 1) + 3,
2
logo = = (x − 1) + ,
x+1 x+1 x+1

portanto,
∫ ∫ ‚ Œ
2 x2 + 2 2 3
dx = x−1+ dx
0 x+1 0 x+1
∫ 2 ∫ 2
‚ Œ
3
= (x − 1)dx + dx
0 0 x+1
‚ Œ 2 2

x2
= −x + 3 ln(|x + 1|)

2
0 0

= 2 − 2 + 3 ln(3) − 3 ln(1) = 3 ln(3) = ln(33 ) = ln(27).

200

Exemplo 188. Calcule tan(x)dx.
sen(x)
Resolução: Notamos que tan(x) = . Chamamos
cos(x)

u = cos(x) então du = −sen(x)dx,

assim
∫ ∫ ∫
sen(x) 1
tan(x)dx = − − dx = − du = − ln(|u|)+c = ln(| cos(x)|)−1 +c = ln(| sec(x)|)+c.
cos(x) u

Exemplo 189. Calcule sec(x)dx.
Resolução: Inicialmente, notamos que

d
(sec(x) + tan(x)) = sec(x). tan(x) + sec2 (x)
dx

então
∫ ∫
(sec(x) + tan(x))
sec(x)dx = sec(x) dx.
(sec(x) + tan(x))

Pondo u = sec(x) + tan(x) então du = (sec(x). tan(x) + sec2 (x))dx, logo


∫ ∫
(sec(x) + tan(x)) (sec(x). tan(x) + sec2 (x))
sec(x) dx = dx
(sec(x) + tan(x)) (sec(x) + tan(x))

1
= du = ln(|u|) + c = ln(| sec(x) + tan(x)|) + c.
u

Vamos agora estabelecer a inversa da função logarı́tmica natural, posto que


esta função é crescente em todo o seu domı́nio, então possui uma inversa que também é
crescente, essa inversa é chamada função exponencial natural, ainda o domı́nio da inversa
são todos os números reais e sua imagem os números reais positivos.

Definição 5.18. A função exponencial natural é a inversa da função logarı́tmica, e


definida por
exp(x) = y se, e somente se x = ln(y).

Segue da definição, que

ln(exp(x)) = x e exp(ln(x)) = x.

201
Definição 5.19. Seja a > 0 e x um número real qualquer, definamos

ax = exp(x ln(a)).

Note que a definição acima faz sentido uma vez que o domı́nio da função
exponencial é todos os números reais.

Teorema 5.20. Se a for um número positivo e x um número real qualquer, então

ln(ax ) = x ln(a).

De fato,

ax = exp(x ln(a)) então ln(ax ) = ln(exp(x ln(x))) = x ln(a).

Definição 5.21. O números e é definido pela fórmula

e = exp(1).

Teorema 5.22. Para todos os valores de x

exp(x) = ex .

De fato, como e = exp(1) então ln(e) = ln(exp(1)) = 1, assim

ex = exp(x ln(e)) = exp(x).

De agora em diante denotaremos exp(x) simplesmente por ex . As proprieda-


des das potências são válidas para ex , ou seja,
a) e0 = 1 b) ea+b = ea .eb c) ea−b = ea ÷ eb d) (ea )b = ea.b .

Exemplo 190. Calcule a derivada da função exponencial, ou seja, f (x) = ex .


Resolução: Por definição temos

y = f (x) = ex ⇐⇒ x = ln(y).

202
Derivando implicitamente, temos

1 dy dy
1= . então = y,
y dx dx
ou seja,
d x
f ′ (x) = (e ) = ex .
dx

Do exemplo anterior e pela regra da cadeia, temos

d € u(x) Š
e = eu(x) .u′ (x).
dx

As duas formas de representação para a função logarı́tmica natural e função


exponencial natural apresentadas até aqui coincidem.

Exemplo 191. Calcule ex dx.
d x
resolução: Do fato que, (e ) = ex , então F (x) = ex + c, portanto,
dx

ex dx = ex + c.


e x
Exemplo 192. Calcule √ dx.
x
√ 1
Resolução: Chamemos u = x então du = √ dx, assim
2 x
√ √
∫ ∫ ∫ √
e x e x
√ dx = 2 √ dx = 2 eu du = 2eu + 2k = 2e x
+ c.
x 2 x

No capı́tulo de limites, definimos o número e como um limite e aqui e =


exp(1), vamos ver agora que podemos chegar ao número e como aquele próprio limite.
1
Seja f (x) = ln(x), então f ′ (x) = e, portanto, f ′ (1) = 1. Por outro lado,
x
f (1 + ∆x) − f (1) ln(1 + ∆x) − ln(1)
1 = f ′ (1) = lim = lim
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x
ln(1 + ∆x) 1
= lim = lim ln(1 + ∆x).
∆x→0 ∆x ∆x→0 ∆x

Segue daı́ que


1 1
lim ln(1 + x) x = lim ln(1 + x) = 1.
x→0 x→0 x

203
Temos ainda que
1 1
(1 + x) x = eln(1+x) x .

Sendo a função ex diferenciável logo é contı́nua, então


1

1 1 lim ln(1 + x) x
ln(1+x) x x→0
lim (1 + x) = lim e
x =e = e1 = e.
x→0 x→0

Destaquemos então

1 1
lim ln(1 + x) x = 1 e lim (1 + x) x = e.
x→0 x→0

No capı́tulo de séries, poderemos fazer uma aproximação para o número e com


quantas casas decimais desejarmos, adiantamos que tal número com uma aproximação
de oito casas decimais é:
e = 2, 71828182

e conhecido como número de Euler.



Exemplo 193. Calcule ax dx para todo a > 0.
d x
Resolução: Do fato que, (a ) = ln(a)ax , então
dx

ax
ax dx = + c.
ln(a)

k
Exemplo 194. Calcule xk−1 ex dx onde k é uma constante não nula.
d xk k
Resolução: Do fato que, (e ) = kxk−1 ex , então
dx
∫ ∫
k−1 xk 1 k 1 xk
x e dx = kxk−1 ex dx = e + c.
k k

5.6 Técnicas de Integração

Já discutimos algumas técnicas de integração tais quais, regra da cadeia e


mudança de variável. Notemos ainda que na integral definida a mudança de variável

204
implica também na mudança dos limitantes de integração, ou seja,
b

b
f (g(x))g ′ (x)dx = F (g(x)) = F (g(b)) − F (g(a))
a
a

g(b)

g(b)
= F (u) = f (u)du
g(a)
g(a)

onde u = g(x) e du = g ′ (x)dx e os limitantes de integração são g(a) e g(b).


∫ 1 √
Exemplo 195. Calcule 3x2 x3 + 1dx.
−1
Resolução: Seja
u = x3 + 1, du = 3x2 dx.

Assim, g(x) = x3 + 1 e, quando x = −1, g(−1) = 0 e quando x = 1, g(1) = 2


∫ √ ∫ ∫
1
2
g(1) 2 √
3x x3 + 1dx = f (u)du = udu
−1 g(−1) 0

2 √

2 3 2[ 3 3
] 4 2
= u2 = 22 − 02 = .
3 3 3
0

Pode-se determinar a integral indefinida e depois usar o segundo teorema


fundamental do cálculo, ou seja,
∫ √ ∫
2
√ 2 3 2 3
3x x3 + 1dx = udu = u 2 + c = (x3 + 1) 2 + c.
3 3

Assim 1 √
∫ √
1 2 3 4 2
3x2 x3 + 1dx = (x3 + 1) 2 = .
−1 3 3
−1

Nesta seção serão desenvolvidas outras técnicas que nos auxiliarão para o
processo de integração.

5.6.1 Integração por Partes

A regra de derivada do produto de duas funções diferenciáveis nos diz que:

d d
(f (x)g(x)) = f (x).g ′ (x) + f ′ (x)g(x) ⇐⇒ f (x).g ′ (x) = (f (x)g(x)) − f ′ (x)g(x).
dx dx

205
Integrando ambos os lados da equação acima, temos
∫ ∫ ∫
′ d
f (x)g (x)dx = (f (x)g(x))dx − f (x)′ g(x)dx
dx

(5.4)
= f (x)g(x) − f (x)′ g(x)dx.

Considerando
u = f (x) e v = g(x)

então
du = f ′ (x)dx e dv = g ′ (x)dx,

logo a equação (5.4) pode ser reescrita como


∫ ∫
udv = uv − vdu.

Exemplo 196. Calcule x ln(x)dx.
Resolução: Primeiramente, notemos que por integração por partes temos
∫ ∫ ∫
x ln(x)dx = udv = uv − vdu.

Portanto, pondo u = ln(x) devemos ter dv = xdx, para que a igualdade das
duas primeiras integrais ocorram. Logo,
1 x2
du = dx e v= + c0
x 2
assim
‚ Œ ∫ ‚ Œ ‚ Œ ∫ 
x c0 ‹

x2 x2 1 x2
x ln(x)dx = ln(x) + c0 − + c0 dx = ln(x) + c0 − + dx.
2 2 x 2 2 x

Contudo,
∫ 
x c0 ‹ x2
+ dx = + c0 ln(x) + c1 ,
2 x 4
deste modo temos

x2 x2 x2 x2
x ln(x)dx = ln(x) + c0 ln(x) − − c0 ln(x) − c1 = ln(x) − − c1 .
2 4 2 4

Ou seja,

x2 x2
x ln(x)dx = ln(x) − + c.
2 4

206
Observe que no exemplo acima a constante c0 proveniente da integração de
dv é indiferente no resultado final, ou seja, podemos omitir a constante, e isso pode ser
justificado como segue
∫ ∫ ∫ ∫
udv = u(v + c0 ) − (v + c0 )du = uv + uc0 − vdu − c0 du
∫ ∫
= uv + uc0 − vdu − c0 u = uv − vdu

2
Exemplo 197. Calcule x3 ex dx.
Resolução: Inicialmente, note que pondo g(x) = x2 então g ′ (x)dx = 2xdx e a integral

2 2
2xex dx = ex + c0

Isso sugere-nos que tomemos

2
u = x2 e dv = xex dx,

logo
∫ ∫ 2
x2 1 x2 ex
du = 2xdx e v= xe dx = e 2xdx = + c0
2 2
portanto,
∫ ∫ ∫ ∫ x2 ∫ 2 2 2
3 x2 2 x2 2e ex ex ex
x e dx = x e xdx = udv = u.v − vdu = x − 2xdx = x2 − +c
2 2 2 2

A integração por partes é frequentemente usada quando o integrando envolve


logaritmos, funções trigonométricas inversas e produto de funções.

A integração por partes ainda se divide numa integração cı́clica, veremos isso
no exemplo a seguir.

Exemplo 198. Calcule ex sen(x)dx.
Resolução: Seja u = ex e dv = sen(x)dx. Então

du = ex dx e v = − cos(x).

Logo,
∫ ∫
ex sen(x)dx = −ex cos(x) + ex cos(x)dx. (⋆)

207
Agora devemos calcular

ex cos(x)dx

e, novamente usando integração por partes, pondo

u = ex e dv = cos(x)dx

e, consequentemente,
du = ex dx e v = sen(x).

Portanto,
∫ ∫
ex cos(x)dx = ex sen(x) − ex sen(x)dx + 2c. (⋆⋆)

Substituindo (⋆⋆) em (⋆) temos


∫ ∫
e sen(x)dx = −e cos(x) + e sen(x) −
x x x
ex sen(x)dx + 2c,

ou seja,

2 ex sen(x)dx = −ex cos(x) + ex sen(x) + 2c.

Assim
ex  ‹

ex sen(x)dx = sen(x) − cos(x) + c.
2

Exemplo 199. Calcule tan−1 (x)dx.
Resolução: Seja u = tan−1 (x) e dv = dx. Então

dx
du = e v = x.
1 + x2

Assim
∫ ∫
x 1
tan−1 (x)dx = x tan−1 (x) − dx = x tan −1
(x) − ln(1 + x2 ) + c.
1 + x2 2

5.6.2 Integração de Potências de Funções Trigonométricas

Inicialmente, lembremos
( ) ( )
k k! k

k
k
= e (a + b) = bi ak−i
i i!(k − i)! i=0 i

208
e as seguintes identidades trigonométricas,

1 − cos(2x)
sen2 (x) + cos2 (x) = 1, sen2 (x) = ,
2
1 + cos(2x) 1
cos2 (x) = e sen(x) cos(x) = sen(2x).
2 2

Primeiramente, veremos as integrais da potência das funções seno e cosseno.

Seja

senn (x)dx, n ∈ N,

existem duas possibilidades para n, ou é par ou é ı́mpar.

Se n é ı́mpar, então n = 2k + 1 para todo k ∈ N ∪ {0}, assim


∫ ∫ ∫
n 2k+1
sen (x)dx = sen (x)dx = sen2k (x)sen(x)dx
∫ € Šk ∫ € Šk
= 2
sen (x) sen(x)dx = 1 − cos2 (x) sen(x)dx

∫ ∑ ( )
k
k € Ši
= − cos2 (x) sen(x)dx
i=0 i

∫ ∑ ( )
k
k € Š
= (−1)i cos2i (x) sen(x)dx
i=0 i
∫ [ ( ) ]
k € 2i Š

k
i
= 1 + (−1) cos (x) sen(x)dx
i=1 i

∫ ( )∫

k
k € Š
i
= sen(x)dx + (−1) cos2i (x) sen(x)dx
i=1 i
( )

k
k 1
= − cos(x) + (−1) i+1
cos2i+1 (x) + C.
i=1 i 2i + 1

De modo análogo,

cosn (x)dx, n ∈ N,

existem duas possibilidades para n, ou é par ou é ı́mpar.

209
Se n é ı́mpar, então n = 2k + 1 para todo k ∈ N ∪ {0}, assim
∫ ∫
n
cos (x)dx = cos2k+1 (x)dx

( )

k
i k 1
= sen(x) + (−1) sen2i+1 (x) + C.
i=1 i 2i + 1

Exemplo 200. Calcule as integrais abaixo.


∫ ∫
a) cos5 (x)dx b) sen3 (x)dx.
Resolução:a)
∫ ∫
5
cos (x)dx = cos2.2+1 (x)dx

( )

2
i 2 1
= sen(x) + (−1) sen2i+1 (x) + C
i=1 i 2i + 1

2 sen5 (x)
= sen(x) − sen3 (x) + +C
3 5
b) ∫ ∫
sen3 (x)dx = sen2.1+1 (x)dx

( )

1
1 1
= − cos(x) + (−1) i+1
cos2i+1 (x) + C
i=1 i 2i + 1

cos3 (x)
= − cos(x) + + C.
3

Quando n é par o processo é recursivo. Consideremos a função seno.

Se n é par então n = 2k para todo k ∈ N ∪ {0}, assim


∫ ∫ ∫
senn (x)dx = sen2k (x)dx = (sen2 (x))k dx

∫ ‚ Œk ∫
1 − cos(2x) (1 − cos(2x))k
= dx = dx
2 2k
∫ ∑
k
( )
k 1
= (− cos(2x))i dx
i=0 i 2k

∫ ∑
k
( )
k 1
= (−1)i cosi (2x)dx
i=0 i 2k

210
∫ [ ( ) ]
1 1 ∑
k
k
= k
+ k (−1)i cosi (2x) dx
2 2 i=1 i

∫ ( )∫
1 1 ∑
k
i k
= k dx + k (−1) cosi (2x)dx
2 2 i=1 i
( )∫
x 1 ∑
k
i k
= k+ k (−1) cosi (2x)dx + C
2 2 i=1 i

Observe que a potência que aparece em cos(2x), hora é ı́mpar hora é par,
quando n for ı́mpar aplicar a fórmula já calculada, pondo u = 2x e, consequentemente
du = 2dx. Quando n for par repetir o processo com a função cosn (x) que veremos a
seguir. ∫ ∫ ∫
cosn (x)dx = cos2k (x)dx = (cos2 (x))k dx

∫ ‚ Œk ∫
1 + cos(2x) (1 + cos(2x))k
= dx = dx
2 2k
∫ ( )∫
1 1 ∑
k
k
= k dx + k cosi (2x)dx
2 2 i=1 i
( )∫
x 1 ∑
k
k
= k+ k cosi (2x)dx + C.
2 2 i=1 i

Exemplo 201. Calcule sen4 (x)dx.
Resolução: Temos que n = 4, logo é par, e assim 4 = 2k = 2.2, ou seja, k = 2 assim
∫ ∫ ∫
4 2.2
sen (x)dx = sen (x)dx = (sen2 (x))2 dx

∫ ‚ Œ2
1 − cos(2x)
= dx
2
( )∫
x 1 ∑
2
i 2
= 2+ 2 (−1) cosi (2x)dx + C0
2 2 i=1 i

x 1• ˜
∫ ∫
= + −2 cos(2x)dx + cos2 (2x)dx + C0
4 4

x 1 1
= − sen(2x) + cos2 (2x)dx + C0 .
4 4 4

211
Agora a integral

cos2 (2x)dx

é uma potência par da função cosseno, com 2 = n = 2k = 2.1, assim


∫ ∫ ∫
2 2.1
cos (2x)dx = cos (2x)dx = (cos2 (2x))1 dx

( )∫
x 1 ∑
1
1
= 1+ 1 cosi (4x)dx + C1
2 2 i=1 i

x 1
= + cos(4x)dx + C1
2 2
x 1
= + sen(4x) + C1 .
2 8
donde,

1 x 1
cos2 (2x)dx = + sen(4x) + C1
4 8 32
e, assim

3x 1 1
sen4 (x)dx = − sen(2x) + sen(4x) + C.
8 4 32

Quando o integrando é o produto das potências das funções seno e cosseno,


ou seja,

cosn (x)senm (x)dx, n, m ∈ N.

Temos as seguintes situações, ambas as potências são pares, ambas são ı́mpares
ou uma par e a outra ı́mpar. Veremos o caso em que uma delas é ı́mpar, portanto, quando
as duas forem ı́mpares, basta considerar apenas uma delas.

Suponhamos que m seja ı́mpar, ou seja, m = 2k + 1 para todo k ∈ N ∪ {0}.


∫ ∫ ∫
cosn (x)senm (x)dx = cosn (x)sen2k+1 (x)dx = cosn (x)sen2k (x)sen(x)dx
∫ € Šk
= cosn (x) sen2 (x) sen(x)dx
∫ € Šk
= cosn (x) 1 − cos2 (x) sen(x)dx

212
∫ ( )
n

k
i k
= cos (x) (−1) cos2i (x)sen(x)dx
i=0 i

∫ ( ( ) )
n k∑
k
i
= cos (x) 1 + (−1) cos2i (x) sen(x)dx
i=1 i

∫ ( )∫
n

k
i k
= cos (x)sen(x)dx + (−1) cos2i+n (x)sen(x)dx
i=1 i
( )
cosn+1 (x) ∑k
k 1
= − + (−1)i+1 cos2i+n+1 (x) + C.
n+1 i=1 i 2i + n + 1

Exemplo 202. Calcule cos4 (x)sen3 (x)dx.
Resolução: Temos que 3 = m = 2k + 1 = 2.1 + 1 e n = 4
∫ ( )
cos4+1 (x) ∑1
1 1
cos (x)sen (x)dx = −
4 3
+ (−1)i+1 cos2i+4+1 (x) + C.
4+1 i=1 i 2i + 4 + 1

cos5 (x) cos7 (x)


= − + + C.
5 7
De modo análogo, considerando n ı́mpar, temos

n = 2k + 1 para todo k ∈ N ∪ {0} e


∫ ∫ ( )∫
n m m

k
i k
cos (x)sen (x)dx = sen (x) cos(x)dx + (−1) sen2i+m (x) cos(x)dx
i=1 i
( )
senm+1 (x) ∑k
k 1
= + (−1)i sen2i+m+1 (x) + C.
m+1 i=1 i 2i + m + 1

Exemplo 203. Calcule cos3 (x)sen4 (x)dx.
Resolução: Temos que 3 = n = 2k + 1 = 2.1 + 1 e m = 4
∫ ( )
sen4+1 (x) ∑1
1 1
cos3 (x)sen4 (x)dx = + (−1)i sen2i+4+1 (x) + C
4+1 i=1 i 2i + 4 + 1

sen5 (x) sen7 (x)


= − + C.
5 7
E finalmente, nos resta o caso em que ambas as potências são pares, neste
caso usamos as identidades trigonométricas
1 − cos(2x) 1 + cos(2x)
sen2 (x) = e cos2 (x) =
2 2

213
para utilizarmos um dos casos anteriores.

Como n e m são pares temos

n = 2k m = 2p para todo k, p ∈ N ∪ {0}

assim
∫ ∫ ∫
cosn (x)senm (x)dx = sen2p (x) cos2k (x)dx = (sen2 (x))p (cos2 (x))k dx

∫ ‚ Œp ‚ Œk
1 − cos(2x) 1 + cos(2x)
= dx
2 2
∫  ‹p  ‹k
1
= 1 − cos(2x) 1 + cos(2x) dx.
2p+k

Exemplo 204. Calcule cos4 (x)sen4 (x)dx.
Resolução: Note que ambas as potências são pares e, ainda que 4 = 2.2, donde segue
que p = 2 = k, assim
∫ ∫ ∫
cos4 (x)sen4 (x)dx = sen2.2 (x) cos2.2 (x)dx = (sen2 (x))2 (cos2 (x))2 dx

∫ ‚ Œ2 ‚ Œ2
1 − cos(2x) 1 + cos(2x)
= dx
2 2
∫  ‹ ‹‹2
1
= 1 − cos(2x) 1 + cos(2x) dx
22+2
∫  ‹2 ∫ ‚ Œ2
1 1 1 − cos(4x)
= 4 1 − cos (2x)
2
dx = dx
2 16 2
∫ ∫ ∫
1 1 1
= dx − cos(4x)dx + cos2 (4x)dx
64 32 64
∫ ‚ Œ
x sen(4x) 1 1 + cos(8x)
= − + dx + C
64 128 64 2

3x sen(4x) sen(8x)
= − + + C.
128 128 1024

Vejamos agora outro tipo de integral contendo o produto de seno e cosseno,


ou seja,

sen(mx) cos(nx)dx para todo m, n ∈ N.

214
Neste caso usamos a seguinte identidade trigonométrica

1 ‹
sen(mx) cos(nx) = sen[(m − n)x] + sen[(m + n)x] .
2

Se m ̸= n então
∫ ∫  ‹
1
sen(mx) cos(nx)dx = sen[(m − n)x] + sen[(m + n)x] dx
2
∫ ∫
1 1
= sen[(m − n)x]dx + sen[(m + n)x]dx
2 2
1 cos[(m − n)x] 1 cos[(m + n)x]
= − −
2 (m − n) 2 (m + n)

Por outro lado se n = m a primeira parcela do lado direito da integral acima


não aparece.

Quando o integrando é um dos casos abaixo:


∫ ∫
sen(mx)sen(nx)dx ou cos(mx) cos(nx)dx.

Usamos as seguintes identidades trigonométricas

1 ‹
sen(mx)sen(nx) = cos[(m − n)x] − cos[(m + n)x] .
2
1 ‹
cos(mx) cos(nx) = cos[(m − n)x] + cos[(m + n)x] .
2
portanto, se m ̸= n temos

1 sen[(m − n)x] 1 sen[(m + n)x]
sen(mx)sen(nx)dx = −
2 (m − n) 2 (m + n)

e

1 sen[(m − n)x] 1 sen[(m + n)x]
cos(mx) cos(nx)dx = + .
2 (m − n) 2 (m + n)

E caso m = n a primeira parcela do lado direito não aparece.

Vamos agora ver técnicas para integração das potências das funções tangente,
cotangente, secaste e cossecante. Para isso lembremos que

tan2 (x) = sec2 (x) − 1 e csc2 (x) = 1 + cot2 (x).

215
Primeiramente veremos integração para as potências da função tangente, ou
seja,

tann (x)dx para todo n > 2, n ∈ N.

O processo é abaixar a potência da função tangente, usando o seguinte argu-


mento

tann (x) = tann−2 (x) tan2 (x) = tann−2 (x)(sec2 −1) = tann−2 (x) sec2 (x) − tann−2 (x)

assim ∫ ∫ ∫
tann (x)dx = tann−2 (x) sec2 (x)dx − tann−2 (x)dx


tann−1 (x)
= − tann−2 (x)dx
n−1
Se n é par então n − 2 é também par, repete-se o processo, caso n − 2 > 2.
Lembre-se ainda que
∫ ∫
tan (x)dx = tan(x) − x + C
2
e tan(x)dx = ln(| sec(x)|) + C.

A fórmula de recorrência vale também quando n é ı́mpar, contudo no caso


em que n é um número ı́mpar, podemos usar a fórmula abaixo, ou seja,

n = 2k + 1 para todo k ∈ {1, 2, · · · , }


∫ ∫ ∫
n 2k+1
tan (x)dx = tan (x)dx = tan2k (x) tan(x)dx
∫ ∫ € Šk
= 2
(tan (x)) tan(x)dx = k
−1 + sec2 (x) tan(x)dx

∫ ∑
k
( )
k
= (−1)k−i sec2i (x) tan(x)dx
i=0 i

∫ ( ) ∫

k
k
= (−1) k
tan(x)dx + (−1)k−i sec2i (x) tan(x)dx
i=1 i

∫ ( ) ∫

k
k k−i
= (−1) k
tan(x)dx + (−1) sec2i−1 (x) sec(x) tan(x)dx
i=1 i
( )

k
k k−i sec
2i
(x)
k
= (−1) ln(| sec(x)|) + (−1) +C
i=1 i 2i

216

Exemplo 205. Calcule tan4 (x)dx.
Resolução: Temos que

tan4 (x) = tan2 (x) tan2 (x) = tan2 (x)(sec2 (x) − 1) = tan2 (x) sec2 (x) − tan2 (x)

portanto, ∫ ∫ ∫
4
tan (x)dx = tan (x) sec (x)dx −
2 2
tan2 (x)dx

tan3 (x)
= − tan(x) + x + C
3

Para a função cotangente a idéia é a mesma, ou seja,

cotn (x) = cotn−2 (x) cot2 (x) = cotn−2 (x)(csc2 −1) = cotn−2 (x) csc2 (x) − cotn−2 (x)

assim, ∫ ∫ ∫
n
cot (x)dx = cot n−2
(x) csc (x)dx −
2
cotn−2 (x)dx


cotn−1 (x)
= − cotn−2 (x)dx
n−1
Processo de recorrência, contudo para n ı́mpar também é possı́vel desenvolver
uma fórmula. Lembre-se ainda que
∫ ∫
cot (x)dx = − cot(x) − x + C
2
e cot(x)dx = ln(|sen(x)|) + C.

Para a função secaste quando a potência é ı́mpar usar integração por partes.
Quando é par usar a seguinte relação:

n−2 n−2
secn (x) = secn−2 (x) sec2 (x) = sec2 2 (x) sec2 (x) = (tan2 (x) + 1) 2 sec2 (x).

Ou ainda, podemos usar a fórmula para n par com n > 2.

n = 2k + 2 para todo k ∈ {1, 2, · · · , }

217
∫ ∫ ∫
secn (x)dx = sec2k+2 (x)dx = sec2k (x) sec2 (x)dx
∫ ∫ € Šk
= (sec2 (x))k sec2 (x)dx = 1 + tan2 (x) sec2 (x)dx

∫ ∑
k
( )
k
= tan2i (x) sec2 (x)dx
i=0 i
( )∫ ( )

k
k 2i 2

k
k tan2i+1 (x)
= tan (x) sec (x)dx = +C
i=0 i i=0 i 2i + 1

Exemplo 206. Calcular sec4 (x)dx.
Resolução: Temos a seguinte igualdade
4−2
sec4 (x) = (tan2 (x) + 1) 2 sec2 (x) = (tan2 (x) + 1) sec2 (x) = tan2 (x) sec2 (x) + sec2 (x).

assim ∫ ∫ ∫
4 2 2
sec (x)dx = tan (x) sec (x)dx + sec2 (x)dx

tan3 (x)
= + tan(x) + C.
3
Ou usando a fórmula direta, 4 = 2.1 + 2, ou seja, k = 1
∫ ( )
4

1
1 tan2i+1 (x) tan3 (x)
sec (x)dx = + C = tan(x) + + C.
i=0 i 2i + 1 3

Para a função cossecante quando a potência é ı́mpar usar integração por


partes. Quando é par usar a seguinte relação:
n−2 n−2
cscn (x) = cscn−2 (x) csc2 (x) = csc2 2 (x) csc2 (x) = (cot2 (x) + 1) 2 csc2 (x).

Ou ainda, podemos usar a fórmula para n par com n > 2.

n = 2k + 2 para todo k ∈ {1, 2, · · · , }


∫ ∫ ∫
n 2k+2
csc (x)dx = csc (x)dx = csc2k (x) csc2 (x)dx
∫ ∫ € Šk
2 k 2
= (csc (x)) csc (x)dx = 1 + cot2 (x) csc2 (x)dx

∫ ∑ ( ) ( )
k
k ∑
k
k cot2i+1 (x)
= cot (x) csc (x)dx = −
2i 2
+C
i=0 i i=0 i 2i + 1

218

Exemplo 207. Calcular csc6 (x)dx.
Resolução: Temos a seguinte igualdade
6−2
csc6 (x) = (cot2 (x) + 1) 2 csc2 (x) = (cot2 (x) + 1)2 csc2 (x)

= cot4 (x) csc2 (x) + 2 cot2 (x) csc2 (x) + csc2 (x).

Assim
∫ ∫ ∫ ∫
6 4 2 2 2
csc (x)dx = cot (x) csc (x)dx + 2 cot (x) csc (x))dx + csc2 (x))dx

1 2
= − cot5 (x) − cot3 (x) − cot(x) + C.
5 3
Quando o integrando envolve produto dessas funções em todas as suas formas,
deixaremos a cargo do interesse do leitor, ou seja, quando a integral envolve um desses
tipos:
∫ ∫
tann (x) secm (x)dx, tan(nx) sec(mx)dx

ou
∫ ∫
n m
cot (x) csc (x)dx, cot(nx) csc(mx)dx.

Vamos mostrar tann (x) secm (x)dx, a tı́tulo de curiosidade. Veremos os
casos em que n é ı́mpar com n > 1 e m par com m > 2. Quando (n, m) é (par, ı́mpar)
o processo é via recorrência.

Vamos supor n ı́mpar n > 1 e m um natural qualquer.

n = 2k + 1 para todo k ∈ {1, 2, · · · , }


∫ ∫ ∫
n m 2k+1 m
tan (x) sec (x)dx = tan (x) sec (x)dx = (tan2 (x))k secm (x) tan(x)dx
∫ € Šk
= −1 + sec2 (x) secm (x) tan(x)dx

∫ ∑
k
( )
k
= (−1)k−i sec2i (x) secm (x) tan(x)dx
i=0 i
( ) ∫

k
k
= (−1)k−i sec2i+m−1 (x) sec(x) tan(x)dx
i=0 i
( )

k
k sec2i+m (x)
= (−1)k−i + C.
i=0 i 2i + m

219
Vamos supor m par m > 2 e n um natural qualquer.

m = 2k + 2 para todo k ∈ {1, 2, · · · , }


∫ ∫ ∫
tann (x) secm (x)dx = tann (x) sec2k+2 (x)dx = tann (x) sec2 (x) sec2k (x)dx

= sec2 (x) tann (x)(1 + tan2 (x))k dx

∫ ( )
2 n

k
k
= sec (x) tan (x) tan2i (x)dx
i=0 i
( )∫ ( )

k
k 2i+n 2

k
k tan(x)2i+n+1
= tan(x) sec (x)dx = + C.
i=0 i i=0 i 2i + n + 1

5.6.3 Substituição Trigonométrica

Quando o integrando contém expressões do tipo:


√ √ √
a2 − x2 , a2 + x2 , x2 − a2 , onde a > 0,

em geral é possı́vel efetuar a integração através de uma substituição trigonométrica que


levará a uma integral envolvendo funções trigonométricas. Os três casos acima, estão
representados nos triângulos retângulos abaixo e, pelo teorema de Pitágoras temos
.... .... ....
...... ...... ......
...... ...... ......
...... ...... ......

......
......
.
......
.
..
.......
.
√ ......
.
......
......
.
..
.......
. .
......
......
......
.
..
.......
.

a ......
...... a2 + x2 ......
......
x x ......
...... x2 − a2
......
......
.
......
.
..
..
x ......
......
.
......
.
..
.. .
......
......
......
.
..
..

...... ...... ......


.
..
.......
. .
..
.......
. .
..
.......
.
. . .
...... ...... ......
...... ...... ......
......... ......... .........
...... .....
...... θ ...... .....
...... θ ...... .....
...... θ

..
..
. ... ..
..
. ... ..
..
. ...
...... .. ...... .. ...... ..

a2 − x 2 a a

Figura 5.3.


1o Caso: O integrando contém uma expressão do tipo a2 − x2 .

Introduz uma nova variável θ tomando


0 ≤ θ ≤ π2 se 0 ≤ x ≤ a
x = asen(θ), onde
− π2 ≤ θ < 0 se − a ≤ x < 0.

Então
√ È È
dx = a cos(θ)dθ e a2 − x2 = a2 − a2 sen2 (θ) = a cos2 (θ) = a cos(θ)

220
” —
posto que, cos(θ) ≥ 0 quando θ ∈ − π2 , π2 .
 ‹
x −1 x
Como sen(θ) = então θ = sen .
a a
∫ √
5 − x2
Exemplo 208. Calcule dx.
x2 √ È √
Resolução: Primeiramente, note que 5 − x2 = ( 5)2 − x2 .
√ √
Seja x = 5sen(θ) então dx = 5 cos(θ)dθ.

Logo,
∫ √ ∫
È ∫
È
5 − x2 5 − 5sen2 (θ) √ 1 − sen2 (θ) cos(θ)
dx = 5 cos(θ)dθ = dθ
x2 5sen2 (θ) sen2 (θ)
∫ ∫
cos2 (θ)
= dθ = cot2 (θ)dθ
sen2 (θ)

= (csc2 (θ) − 1)dθ = − cot(θ) − θ + C.

Contudo, √ ‚ Œ
cos(θ) 5 − x2 −1 x
cot(θ) = = e θ = sen = √ .
sen(θ) x 5

Portanto,
∫ √ √ ‚ Œ
5 − x2 5 − x2 −1 x
dx = − − sen √ + C.
x2 x 5

2o Caso: A expressão a2 + x2 , onde a > 0 aparece no integrando.

Introduz uma nova variável θ tomando

0 ≤ θ < π2 se x ≥ 0
x = a tan(θ), onde
− π2 < θ < 0 se x < 0.

Então

√ È È
dx = a sec2 (θ)dθ e a2 + x2 = a2 − a2 tan2 (θ) = a sec2 (θ) = a sec(θ)

” —
posto que, sec(θ) ≥ 1 quando θ ∈ − π2 , π2 .
 ‹
x x
Como tan(θ) = então θ = tan−1 .
a a

221

1
Exemplo 209. Calcule √ dx.
9 + x2 √ √
Resolução: Primeiramente, note que 9 + x2 = 32 + x2 .

Seja x = 3 tan(θ) então dx = 3 sec2 (θ)dθ.

Logo,
∫ ∫ ∫
1 1 sec2 (θ)
√ dx = È 2
3 sec (θ)dθ = dθ
9 + x2 9 + 9 tan2 (θ) sec(θ)

= sec(θ)dθ = ln(| sec(θ) + tan(θ)|) + C.

Contudo, √
1 9 + x2 x
sec(θ) = = e tan(θ) = .
cos(θ) 3 3

Portanto,
∫ ( √ )
1 9 + x2
x √
√ dx = ln + + C = ln(| 9 + x2 + x|) + k
9 + x2 3 3

onde k = C − ln(3).
∫ √
Exemplo 210. Calcule 3 + 5x2 dx.
√ È
3
√ É€È 3 Š2
2 2
Resolução: Primeiramente, note que 3 + 5x = 5( 5 + x ) = 5 + x2 .
5
È È
3 3
Seja x = 5
tan(θ) então dx = 5
sec2 (θ)dθ.

Logo,
∫ √ ∫ √ Ê Ê ∫
3 3 3 3
3+ 5x2 dx = 5 + tan2 (θ) sec2 (θ)dθ = √ sec(θ) sec2 (θ)dθ
5 5 5 5

3
= √ sec3 (θ)dθ.
5

Para integrarmos a sec3 (θ) usamos integração por partes cı́clicas. Considere-
mos
u = sec(θ) e dv = sec2 (θ)dθ

222
assim,
∫ ∫
sec (θ)dθ = u.v −
3
vdu

= sec(θ) tan(θ) − tan(θ) sec(θ) tan(θ)dθ

= sec(θ) tan(θ) − (sec2 (θ) − 1) sec(θ)dθ
∫ ∫
= sec(θ) tan(θ) − 3
sec (θ)dθ + sec(θ)dθ

= sec(θ) tan(θ) + ln(| sec(θ) + tan(θ)|) − sec3 (θ)dθ + C,
portanto,
1 ‹

sec3 (θ)dθ = sec(θ) tan(θ) + ln(| sec(θ) + tan(θ)|) + C .
2

Contudo,
√ √
1 3 + 5x2 5x
sec(θ) = = √ e tan(θ) = √ .
cos(θ) 3 3

Logo,
∫ √ (√ √ ( √ √ ) )
3 3 + 5x2 5x 3 + 5x2 5x

3 + 5x2 dx = √ √ √ + ln √

+ √ + C
2 5 3 3 3 3

1 √ 3 ( √ √ )
= x 3 + 5x2 + √ ln 3 + 5x2 + 5x + k
2 2 5

3o Caso: Se aparece no integrando uma expressão da forma x2 − a2 , onde
a > 0.

Introduz uma nova variável θ tomando


0 ≤ θ < π2 se x ≥ a
x = a sec(θ), onde
π ≤ θ < 3π2
se x < −a.

Então
√ È È
dx = a sec(θ) tan(θ)dθ e x2 − a2 = a2 sec2 (θ) − a2 = a tan2 (θ) = a tan(θ)
” Š ” Š
posto que, tan(θ) ≥ 0 quando θ ∈ 0, π2 ∪ π, 3π
2
.
 ‹
x x
Como sec(θ) = então θ = sec−1 .
a a

223

x3
Exemplo 211. Calcule √ dx.
x2 − 16 √ √
Resolução: Primeiramente, note que x2 − 16 = x2 − 42 .

Seja x = 4 sec(θ) então dx = 4 sec(θ) tan(θ)dθ.

Logo,
∫ ∫ ∫
x3 64 sec3 (θ)
√ dx = 4 sec(θ) tan(θ)dθ = 64 sec4 (θ)dθ
x2 − 16 4 tan(θ)
∫ ∫
2 2
= 64 sec (θ) sec (θ)dθ = 64 sec2 (θ)(tan2 (θ) + 1)dθ
∫ ∫
2 2
= 64 tan (θ) sec (θ)dθ + 64 sec2 (θ)dθ

64
= tan3 (θ) + 64 tan(θ) + C.
3

Contudo, √
sen(θ) x2 − 16
tan(θ) = = .
cos(θ) 4

Logo,
∫ (√ )3 √
x3 64 x2 − 16 x2 − 16
√ dx = + 64 +C
x2 − 16 3 4 4
€√ Š3
x2 − 16 √
= + 16 x2 − 16 + C.
3

5.6.4 Integração em Frações Parciais

Sejam P (x) e Q(x) polinômios de modo que o grau de P (x) seja menor que
o grau de Q(x). Estaremos interessados em calcular integrais do tipo

P (x)
dx.
Q(x)

Para isso temos vários casos a considerar.

1o Caso: Os fatores de Q(x) são todos lineares e nenhum é repetido. Isto é,

Q(x) = (a1 x + b1 )(a2 x + b2 ). · · · .(an x + bn ),

224
onde não existem dois fatores idênticos. Nesse caso escrevemos

P (x) A1 A2 An
= + + ··· +
Q(x) a1 x + b1 a2 x + b2 an x + bn

onde A1 , A2 , · · · An são constantes a serem determinadas.



x−1
Exemplo 212. Calcular dx.
− x2 − 2x
x3
Resolução: Primeiramente, notemos que x3 − x2 − 2x = x(x2 − x − 2) = x(x − 2)(x + 1),
assim
x−1 x−1
= .
x3 − x − 2x
2 x(x − 2)(x + 1)

Logo os fatores x − 2, x, x + 1 são todos lineares e distintos, então


x−1 x−1 A1 A2 A3
= = + +
x3 − x − 2x
2 x(x − 2)(x + 1) x x−2 x+1

A1 (x + 1)(x − 2) + A2 (x + 1)x + A3 (x − 2)x


= ,
x(x − 2)(x + 1)
ou seja,
x − 1 = A1 (x + 1)(x − 2) + A2 (x + 1)x + A3 (x − 2)x. (⋆)

Essa igualdade é válida para todos os valores de x, inclusive quando

x = −1, 0, 2, .

Então substituindo esses valores de x na igualdade (⋆), determinamos os valores de


A1 , A2 , A3 , dados por:
1 1 2
A1 = , A2 = , A3 = − .
2 6 3
x−1 11 1 1 2 1
Donde, = + − .
x3 − x − 2x
2 2x 6x−2 3x+1
Logo,
∫ ∫ ∫ ∫
x−1 1 1 1 1 2 1
dx = dx + dx − dx
x − x − 2x
3 2 2 x 6 x−2 3 x+1
1 1 2 1
= ln(|x|) + ln(|x − 2|) − ln(|x + 1|) + ln(|C|)
2 6 3 6

225
1 ‹
= 3 ln(|x|) + ln(|x − 2|) − 4 ln(|x + 1|) + ln(|C|)
6
‚ Œ

Cx (x − 2)
3
1
= ln .
6 (x + 1)4

2o Caso: Os fatores de Q(x) são todos lineares e alguns são repetidos.

Suponhamos que (ai x + bi ) seja um fator que se repete k vezes. Correspon-


dendo a este fator haverá a soma de k frações parciais,

A1 A2 Ak−1 Ak
k
+ k−1
+ ··· + 2
+
(ai x + bi ) (ai x + bi ) (ai x + bi ) ai x + bi

onde A1 , A2 , · · · Ak são constantes a serem determinadas.



x2 + 2
Exemplo 213. Calcular dx.
x3 (x + 3)2
Resolução: Os fatores x + 3 e x são todos lineares, distintos e se repetem então
x2 + 2 A1 A2 A3 A4 A5
3 2
= 3
+ 2 + + 2
+
x (x + 3) x x x (x + 3) x+3

A1 (x + 3)2 + A2 (x + 3)2 x + A3 (x + 3)2 x2 + A4 x3 + A5 (x + 3)x3


= ,
x3 (x + 3)2
ou seja,

x2 + 2 = A1 (x + 3)2 + A2 (x + 3)2 x + A3 (x + 3)2 x2 + A4 x3 + A5 (x + 3)x3 . (⋆)

Essa igualdade é válida para todos os valores de x, inclusive quando

x = −3, 0.

Então substituindo esses valores de x na igualdade (⋆), determinamos os va-


lores de A1 e A4 , dados por:
2 11
A1 = , A4 = − .
9 27
Substituindo os valores de A1 e A4 e expandindo o lado direito de (⋆), temos
 ‹  ‹  ‹
11 3 2 2 4
x + 2 = (A5 + A3 ) x + 3A5 + 6A3 + A2 −
2 4
x + 9A3 + 6A2 + x + 9A2 + x + 2.
27 9 3

226
Da igualdade de polinômios vem,
A5 + A3 = 0

3A5 + 6A3 + A2 − 11
27
= 0

2
9A3 + 6A2 + 9
= 1

4
9A2 + 3
= 0.
O sistema acima é facilmente resolvido, disso segue que
4 5 5
A2 = − , , A3 = , A5 = − .
27 27 27
Donde
x2 + 2 2 1 4 1 5 1 11 1 5 1
3 2
= 3
− 2
+ − 2
− .
x (x + 3) 9x 27 x 27 x 27 (x + 3) 27 x + 3
Logo,
∫ ∫ ∫ ∫ ∫ ∫
x2 + 2 2 4 5 11 5
dx = dx − dx + dx − dx − dx
x3 (x + 3)2 9x3 27x2 27x 27(x + 3)2 27(x + 3)

1 1 4 1 5 11 1 5
= − + + ln(|x|) + − ln(|x + 3|) + C
9 x2 27 x 27 27 x + 3 27
 ‹
4 1 1 1 11 1 5 x
= − + + ln +C
27 x 9 x2 27 x + 3 27 x + 3

3o Caso: Os fatores de Q(x) são lineares e quadráticos, e nenhum fator


quadrático é repetido.

Correspondendo ao fator quadrático ax2 + bx + c no denominador, temos uma


fração parcial da forma
A1 x + B1
.
ax2 + bx + c

x2 − 2x − 3
Exemplo 214. Calcule dx.
(x − 1)(x2 + 2x + 2)
Resolução: Primeiramente, note que o denominador possui fatores lineares e quadráticos,
e nenhum repetido. Então a soma parcial é dada da seguinte forma,
x2 − 2x − 3 A1 x + B1 A2
= 2 +
(x − 1)(x + 2x + 2)
2 x + 2x + 2 x − 1

(A1 x + B1 )(x − 1) + A2 (x2 + 2x + 2)


= ,
(x − 1)(x2 + 2x + 2)

227
ou seja,
x2 − 2x − 3 = (A1 x + B1 )(x − 1) + A2 (x2 + 2x + 2). (⋆)

Essa igualdade é válida para todos os valores de x, inclusive quando x = 1.


Então substituindo esse valor de x na igualdade (⋆), determinamos o valor de A2 , dado
por:
4
A2 = − .
5

Substituindo o valor de A2 e expandindo o lado direito de (⋆), temos


‚ Œ ‚ Œ ‚ Œ
4 2 8 8
x − 2x − 3 = A1 −
2
x + B1 − A1 − x − B1 + .
5 5 5

Da igualdade de polinômios vem,


A1 − 4
5
= 1

B 1 − A1 − 8
5
= −2

8
B1 + 5
= 3.

O sistema acima é facilmente resolvido, disso segue que

9 7
A1 = , B1 = .
5 5

Donde
x2 − 2x − 3 1 9x + 7 4 1
= − .
(x − 1)(x + 2x + 2)
2 5 x + 2x + 2 5 x − 1
2

Logo,
∫ ∫ ∫
x2 − 2x − 3 1 9x + 7 4 1
dx = dx − dx
(x − 1)(x2 + 2x + 2) 5 x2 + 2x + 2 5 x−1
∫ ∫
9 x 7 1 4
= 2
dx + dx − ln(|x − 1|) + C
5 x + 2x + 2 5 x2 + 2x + 2 5
∫ ∫ ∫
9 x+1 9 1 7 1
= 2
dx − 2
dx + dx
5 x + 2x + 2 5 x + 2x + 2 5 x2 + 2x + 2
4
− ln(|x − 1|) + C
5

9 2 1 8
= ln(|x2 + 2x + 2|) − dx − ln(|x − 1|) + C
10 5 x2 + 2x + 2 10

228
‚ 2

9 Œ ∫
1 (x + 2x + 2) 2 1
= ln

− dx + C
10 (x − 1)8 5 (x + 1)2 + 1
‚ 2

9 Œ
1 (x + 2x + 2) 2
= ln − tan−1 (x + 1) + K
10 (x − 1) 8 5

4o Caso: Os fatores de Q(x) são lineares e quadráticos e alguns dos fatores


quadráticos são repetidos.

Se ax2 + bx + c for um fator quadrático de Q(x) que se repete k vezes, então,


correspondendo ao fator (ax2 + bx + c)k , teremos a soma das k frações parciais.

A1 x + B1 A2 x + B2 Ak x + Bk
2 k
+ 2 k−1
+ ··· + 2 .
(ax + bx + c) (ax + bx + c) ax + bx + c

x−2
Exemplo 215. Calcule dx
x(x2 − 4x + 5)2
Resolução:Primeiramente, note que
∫ ∫ ∫
x−2 x 1
dx = dx − 2 dx
x(x2 − 4x + 5)2 x(x2 − 4x + 5)2 x(x2 − 4x + 5)2
∫ ∫
(⋆)
1 1
= dx − 2 dx
((x − 2)2 + 1)2 x(x − 4x + 5)2
2

Para resolver a primeira integral do lado direito, consideremos

0 ≤ θ < π2 se x ≥ 2
x − 2 = tan(θ), onde assim dx = sec2 (θ)dθ.
− π2 ≤ θ < 0 se x < 2,

Logo,
∫ ∫ ∫
1 1 sec2 (θ)
dx = sec2 (θ)dθ = dθ
((x − 2)2 + 1)2 2
(tan (θ) + 1) 2 sec4 (θ)
∫ ∫
1
= dθ = cos2 (θ)dθ
sec2 (θ)

1 + cos(2θ) θ 1
= dθ = + sen(2θ) + C1
2 2 4
θ 1
= + sen(θ) cos(θ) + C1
2 2
1 1 x−2
= tan−1 (x − 2) + + C1 .
2 2 x − 4x + 5
2

229
Para a segunda integral do lado direito de (⋆) usamos frações parciais, donde
1 A1 A2 x + B2 A3 x + B3
= + +
x(x2 − 4x + 5)2 x (x2 − 4x + 5)2 x2 − 4x + 5

A1 ((x2 − 4x + 5)2 ) + (A2 x + B2 )x + (A3 x + B3 )(x2 − 4x + 5)x


= ,
x(x2 − 4x + 5)2
ou seja,

1 = A1 ((x2 − 4x + 5)2 ) + (A2 x + B2 )x + (A3 x + B3 )(x2 − 4x + 5)x (⋆⋆)

A igualdade (⋆⋆) é verdadeira para todos os valores de x inclusive para x = 0,


substituindo esse valor de x em (⋆⋆), determinamos o valor de A1 , dado por
1
A1 = .
25
Substituindo o valor de A1 e expandindo o lado direito de (⋆⋆), temos
 ‹  ‹  ‹  ‹
1 8 26 40
1 = A3 + x4 + B3 − − 4A3 x3 + + A2 + 5A3 − 4B3 x2 + B2 − + 5B3 x+1
25 25 25 25
Da igualdade de polinômios vem,
1
A3 + 25
= 0

B3 − 8
25
− 4A3 = 0

26
25
+ A2 + 5A3 − 4B3 = 0

− 40
25
+ B2 + 5B3 = 0.

O sistema acima é facilmente resolvido, disso segue que


1 4 1 4
A2 = − , B2 = , A3 = − , B3 = .
5 5 25 25
Donde
1 1 1 1 x−4 1 x−4
= − − .
x(x2 − 4x + 5) 2 25 x 5 (x − 4x + 5)
2 2 25 x − 4x + 5
2

Logo,
∫ ∫ ∫ ∫
1 2 1 2 x−4 2 x−4
−2 dx = − dx + dx + dx
x(x − 4x + 5)
2 2 25 x 5 (x − 4x + 5)
2 2 25 x2 − 4x + 5
∫ ∫
2 1 2x − 4 4 1
= − ln(|x|) + dx − dx
25 5 (x2 − 4x + 5)2 5 (x2 − 4x + 5)2
∫ ∫
1 2x − 4 4 1
+ dx − dx + C
25 x − 4x + 5
2 25 x2 − 4x + 5

230
2 1 1 2 2 x−2
= − ln(|x|) − − tan−1 (x − 2) −
25 5 x2 − 4x + 5 5 5 x2 − 4x + 5
1 4
+ ln(|x2 − 4x + 5|) − tan−1 (x − 2) + C
25 25
2 1 1 14 2 x−2
= − ln(|x|) − − tan−1 (x − 2) −
25 5 x2 − 4x + 5 25