Você está na página 1de 96

~O jP.y/

,

CASA

Cfrlinha

c;Brblia

HELEN

G. GRAUMAN

Ilustrações

de

ELSIE

J••Traduçãoé Ma.l.calc.de

S.

DE

LIMA

BRUSCAGIN

Primeira

Edição

2

Milheiros

PUBLICADORA Santo André -

BRASILEIRA

São Paulo

Título

do Original

em

inglês:

MUSIC

IN

MY

BIBLE

Direitos de tradução e

publicação

em

língua

portuguêsa

 

da

CASA

PUBUCADORA

BRASILEIRA

Av. Pereira Barreto, 42 Sto. André - São Paulo

IMPRESSO

Printed

1968

NO

BRASIL

in Brazil

Tnnto

rlllnl:Íona

quanto

me

tem

Prefácio

me lembre,

fascinado.

a mUSlca e tudo

que

Qualquer

referência

com

à

ela

se

música

nUM

Escrituras

tem-me

intrigado

e despertado

minha

mais

pro-

funda

curiosidade.

Por

esta

razão,

quando

um

coiega

no

co-

nl'/\rdoI~~io decidiucom prepararreferênciasum nostrabalhoescritossôbrede a Ellenmúsica G.bíblicaWhite,de

l\~lIurdci seu término com o mais profundo interêsse. Mas, o

II'III>nlhorevelou-se resumido e desapontante, com a desculpa

dt~ tlllC havia pouco material a respeito.

Com

o

passar

do

1t'lI1pO,

meu

interêsse

no

assunto

da

música

bíblica

persistiu.

Mesmo

assim,

ficou

latente

por

muitos

anos.

I hí

algum

tempo

fui

encarregada

de

planejar

a música

pura um grupo de jovens em uma igreja local; solicitaram-me (Juc divulgasse alguns dos alvos musicais para os meses seguin- It's. Ao planejar o discurso, grandes vistas abriram-se diante

dc Meu

mim interêsse no

vasto

latente

campo

despertou.

da

pesquisa A

palestra da

música converteu-se na Bíblia. em

lima

série

de

palestras,

as

quais

foram

recebidas

com

grande

lntl~rl':sse. Ao preparar

os

assuntos,

li

novamente

tôda

a

Bí-

blia,

e várias

porções

foram

lidas

muitas

vêzes.

Logo

descobri

quc t6picos, scria o material necessário era uma difíci yesquisa de se encontrar. profunda, Meu pois, estudo, em muitos acom-

me-

a

punhado

Ir6pole, com uma atenciosa bibliotecária

de

orações, levou-me

à biblioteca

de

no

uma

setor

grande

musical;

lima

grande

universidade

cuja

escola

de

música

possui

uma

('xcelente

biblioteca;

e

à

minha

vasta

biblioteca

particular.

algu-

mas merecem menção especial. Music of the Bible de Sir }ohn Stniner e Musical Instruments de Carl Engel foram de grande

valia

de

antigos. Histoire de Musique

Das

muitas

fontes

disponíveis

informações

de

música

respeito

e Bible

da

de

Bíblia,

para

encontrar

a

Fetis

instrumentos

de

Lulu

Music

13. Wiley contribuíram com abundância de

Idelsohn

(6)

6 MÚSICA

EM MINHA

BlBLIA

 

salienta-se

entre

as

autoridades

judaicas

devido

ao

seu

recen-

te trabalho

de

transcrever

melodias

originais

ouvidas

em

con-

gregações

judaicas

no

Oriente

Próximo

e outros

lugares.

Mas,

a fonte

mais

importante

é

a

própria

Bíblia,

a

qual

tem

sido

estudada White.

com cuidadosa

atençãO' às interpretações

de

Ellen

G.

Os

capítulos

seguem

cipal

é fazer

com que

a cronologia

a música

da

bíblica.

O

Bíblia pareça

objetivo

prin-

real.

Tenho,

freqüentemente,

perguntada

a mim

mesma:

"Como

soava esta

música?"

Com

a ausência

de

qualquer

notação

da

música

bí-

blica,

a resposta

tem

sido

difícil.

Porém,

se

o

livro

se

tornar

um

blia, especialmente em amantes da música, o trabalho nãO' terá sido em vãO'.

auxílio,

e despertar

interêsse

em

outros

estudantes

da

Bí-

índice

 

Prefácio .

 

1.

Os Instrumentos

de Jubal

 

2.

"O

Cântico

do

Mar"

.

3.

Com Tamborins e com Danças.

4.

() Som da Trombeta

.

5.

O

Pava

CantandO'

Coros

6.

"Um Som Mui Forte de Trombeta"

7.

"Este Cântico" .

 

8.

Um Alegre Ruído

9.

CânticO' de DébO'ra

10.

Estudo de Música em 1050 A.c.

11.

A Música do Menestrel .

12.

MarchandO' para Sião .

 

13.

Preparação para a Magnificente Música do Templo

14.

Música da Dedicação do Templo

15.

"Cântico dos Cânticos"

 

16.

Música de Tiro .

17.

A Voz de Chôro

18.

Música da AdoraçãO' da Imagem

19.

A Música da DedicaçãO' do Segundo Templo

20.

O Hinário do Segundo Templo

21.

A Música e a Alegria de Jesus

22.

Paulo e Silas Cantaram

 

23.

A Música do Céu .

(7)

5

11

17

23

30

37

41

48

55

60

66

72

77

83

90

99

107

114

122

132

144

155

166

178

 

LISTA

DAS ILUSTRAÇõES

tllo

Virá

a

Ti

.

Lista das nustra~ões

A. INSTRUMENTOS

MUSICAIS

Hoc,

Hodm Eterna (Toplady) Melodia para o Pentateuco

Melodia

O\ntic.:o Penitente

ha

Eterna

Árabe

(Hebreu)

.

 

Al'ill

para

Baixo

Manis-

Ariu

para

Tenor

mesmo

Snlmo

91

.

dos

Sllll110

132

Os

instrumentos

que

usou

musicais

foram

de

ilustrados

por

murais

a

José

e

calco,

as próprias ruínas do Egito, AssÍria e Babilônia. Usando ainda

sugestões dessas fontes, em

músicos, o que deu uma nota de grande

fotografias

monumentos,

muitos

casos incluiu

realismo

figura

Uucm Confia no Senhor

Lc,~dnvid Baruk

.

às ilustrações.

(Salmo

144)

I)occ f'. a Tua Misericórdia.

.

Harpa

Sirinx

Tamborins

Moeda mostrando

Trombetas

Instrumentos de percussão

egípcia

Peruano

de

dez

cordas

.

'"

trombetas

do Arco de Tito

Harpa

Zarm

Lira

Keren

Flauta

Instrumentos

egípcia

. ou oboé árabe

egípcia

.

dupla

.

.

assÍria.

. de cordas assÍrios

.

B. PARTITURAS MUSICAIS

Cantarei

ao

Senhor

.

Quando

Israel

Saiu

.

Côro:

Cantarei

ao Senhor

O

Cântico

de

Moisés.

.

Tessitura

Aleluia Melodia

Chamado

Chamado

Som

do

(8)

Natural

da Trombeta

dos para

Coptas Trombeta

do

do "Shophar"

"Shophar"

.

"Shophar"

.

(Galpin)

(Grauman)

.

10

13

27

31

32

57

68

69

87

88

125

128

18

21

21

28

33

33

39

46

47

47

Melodia do "Cântico

Moderna

dos Cânticos"

Canção

de Amor Egípcia .

O

uJ(nddish": A Despedida

. l'c,'ssitura da Gaita de Foles

Ál'in Nacional,

Pc,~l1tateuco

Al~cntos r:t~sta dos Tabernáculos

Mdodia para o Salmo 134 Árin para Soprano . ÓI Fronte Ensangüentada 'l't~ll1a Marroquino

Mngnificat

Shcma

. Itnl]cl Pascal . 'I 'c Deum Laudamus .

J1t'stival Te

'I'OI1US Peregrinus

(;nnto

. Ao Deus de Abraão Louvai

I Tino Grego

. Snnto f'. Deus, o Senhor.

Pranto.

I,nll1entações.

de Chumba

Kolli

Deum

Sefárdico

9

49

50

51

54

75

76

79

80

82

91

95

96

97

101

112

118

119

120

126

131

139

140

141

142

143

152

153

156

159

165

170

170

171

171

174

175

182

(~APITULO 1

Os Instrumentos de Jubal

Os primórdios

conforme

parecem

polJrcs e

(:éu. Mas, apesar de haver sido simples, a música é mencio- Illlda em Gênesis.

da música

livro

comparados

na

Terra,

Bíblia, a

inadequados, relato

do primeiro

quando

da com

música

do

() pecado

úouxera

escuridão

à vida dos primeiros

habitantes

do mundo.

Muito

da alegria

da vida

edênica

se havia

perdido

1l0Spcnosos

dias de labor

e suor

para

arrancar

do duro

solo os

(,It'lllcntos

de

rlls gcrações. A música instrumental

Illl sétima geração depois de Adão - o qual

lIillda vivia -

ou

de

tocam harpa

Todavia,

lIl:\is leve o trabalho

vitais.

a

música

vocal

deve

lazer

ter

das

tornado

primei-

e colorido

se tornou

do seu

as horas

o criador

era

demorou

Jubal:

Gên.

mais,

pois,

foi

indubitàvelmente

da lira

e do pífaro

êste

foi

o

que

"E

Jubal

pai

lodos os que

A Jewish Encyclopedia (Enciclopédia Judaica) define Ju-

[lauta.

o nome

irmão

e órgão."

4:21.*

Id, rilho de Lameque,

COma "o pai

da classe dos músicos,

o rundador

da música,

o inventor

do 'kinnor'

ou lira

e do 'ugab'

(111 [lauta.

:f: digno

de

nota

o

nome

'Juba!'

sugere· igual-

 

ll1('11tc ~:1\' (palavra

hebraica

que

significa

'O

chifre

do

car-

Harpa

egípcia

de

dez

cordas

neiro -

busina'),

e

portanto

'música'." -

VoI.

7.

(10)

rr,';sta •

r

/\

e

não atualizada ser que

(/\

Nova

M"f!'alt

tenham Brasil.

no

Tradução

outra Outras

designação,

versões

da

Bíblia,

por

usadas tlldas

Tiago

são: citações KJV Moffatt.

as

biblicas

(King

James são

da

Version),

edição

(11)

12 MÚSICA

EM MINHA

BíBLIA

. As versões bíblicas

em

inglês

como

a King

James,

a Ame-

ncan

traduzem. flauta

u~

dIlhado,

de

Standard

e outras,

(bem

COma as versões em

Mas,

de

era

português)

que

de-

instrumento

como sendo

era

e

do

o

órgão.

tipo

outro

todos concordam

para

ser

dos Instrumentos

ou

corda,

instrumento

do

tipo

de

de

sôp;o. ou

vento.

Mais

tarde,

ainda

que

cedo

na

história

?a

espe~Ie humana,

o grupo

de

instrumentos

de

percussão

foi

IntroduzIdo,

como

será

discutido

num

próximo

capítulo.

 

Esses

primeiros

instrumentos

eram

grosseiros,

comparados

com nossos padrões. Porém, o princípio fundamental havia sido descoberto: tanto uma corda dedilhada como uma coluna de

ar podiam, quando alongadas ou encurtadas, produzir sons va-

riados.

escala musical.

:Mais

tarde,

êsses

sons

começaram

a

obedecer

a

uma

.

M.uitas pessoas, ao lerem na Bíblia que Jubal inventou

o órgão,

vIsuahzam

o pequeno

harmônio

que

ainda

é encontrado

em al-

guns lares e capelas, ou pensam nos imponentes órgãos de tubos

~sa~os nos últim.os féculas

IgrejaS e catedraIS. Mas, o Instrumento de Jubal, o primeiro antepassado das co~plicadas maravilhas que temos hoje em dia,

é .geralme?~e consIderad?

feIto prototIpo

imr,er-

e~ mesmo

atualmente,

sido

sàmente

tradução

nas

grandes

como

tendo

um

delas, pOIS, a mais

correta

de "ugab'

é

flauta. Desta forma, o instrumento de Jubal era uma várias delas unidas.

flauta ou

Entre

quase

tôdas as nações

primitivas

no mundo,

em áreas

completamente diferentes, tais como o Peru, Novas Hébridas

como a China ~

e

e

outros

lugares,

êste

todos

bem

tipo

pelo

ao

como entre

de

nações

antigas

tem

sido

"Sirinx"

a

Grécia,

de

sendo

instrumento

de

usado.

Flauta

é considerado

co-

de

co-

nhecido

Pano Entre as autoridades

mo

nOme grego

musicais

"ugab"

de

ou

o "sirinx"

Jubal.

idêntico

Mais

recentemente,

em

1821,

na

Inglaterra,

alguns

músicos

tinham

um

elaborado

"sirinx,"

bem

complicado,

 

no

qual

até

canções

de

três

ou

quatro

partes

eram

tacadas.

Este

"sirinx"

tinh.a qu~tro

quaIs

trumento

faZIam uma

era

filas

com escala sete

completa

do

flautas

firmado

debaixo

de ou

quatro tubos

do

queixo

em oitavas. cada músico

fila,

O

de

ins- as

ma-

neira

que

seus

lábios

pudessem

correr

de

um

a

o~tro

tubo

OS

INSTRUMENTOS

DE

}UBAL

13

10111

()

auxílio

das mãos.

Uma

nota,

e possivelmente

uma

oca-

Ilonu} harmonia,

era

produzida

em

cada

tubo.

Uma

escala

re-

iu1nr ou diatônica

como a de

M,

podia

ser tocada

usando-se

tubos.

O

princípio

é

idêntico

ao

da

gaita

de

todos os oito tuhos comum,

usada

pelas crianças.

 

O som do "sirinx"

era

agudo

e peculiar,

um

tanto

abafado.

DIl,cm

ter

sido

semelhante

ao

som

da

Flauta

Harmônica

do

(lrgl\o. l? interessante

"Sirinx," mostrando a

rdnc;fio que êste compositor reconheceu haver entre a flauta r. l\stc antigo instrumento. Em adição à narração do Gênesis IIflbrcJubal, sua harpa "kinnor" e flauta "ugab," dois outros tex-

notar de passagem que Debussy escreveu

flauta,

intitulado

Ulll

agradável

solo para

Sirinx Peruano (Flauta de Pan) no Museu Britânico.

tos, com menção a êstes instrumentos dos tempos pnmItIVos, podem ser encontrados. Ao encontrar Labão a Jacó, que fugia

expressou seu desgôsto com

es-

(juivaste

com en-

viasse

harpa?"

e esta triste reprovação:

l'0111

sua

família

seu

rebanho,

que

e

"Por

e não com me

fugiste

ocultamente,

e

que

tamborim

eu

te

e te

com de

Gên.

alegria, mim,

cânticos fizeste

saber e com

para

31 :27.

que

se

refere

aos de J6 foi o primeiro

instrumentos

de

Jubal

também.

l?

o livro

livro da Bíblia a ser escrito.

dito

J6

14 MúSICA

EM MINHA

BíBLIA

se refere à prosperidade

seu

a vo~, ~o ~,om,do

dos orgaos.

e prazeres

com

da

tradução

próprio

estado

Jo

21:

lamentável

tamborim

12.

A

e

dos maus

em contraste

com

estas

harpa

de

palavras:

e

"Levantam

ao

som

"Cantam

alegram-se

diz:

Moffatt

ao

som

da

lira

e

do

tamborim

e

divertem-se

ao

som

da

mú-

sica

da

flauta."

 

Mais

tarde,

em

sua

conversa,

novamente

contrasta

sua

própria

humilhação

e

o

desprêzo

com

que

os

seus

próprios

servos

o

tratavam,

após

a

pobreza

e

aflição

física haverem

caído sôbre êle, nestas palavras:

"PelO' que

se tornou

a minha

harpa

em lamentação,

e

o meu

órgão em voz dos que

choram."

Jó 30:31.

Nestas

passagens

"TambO'rim" ("tabret"

e "timbreI"

na

Versão

King

James)

refere-se

a

'toph,'

um

instrumento

 

de

percussão; "kinnor."

o "órgão"

é

a flauta

de sôpro "ugab" ,

e

a harpa

é

o

As

conclusões

bom

a

que

chegamos

após

parecem

dignas

de

e

confi-

com-

ança, ~dependend~

paraçoes COm os Instrumentos usados

entre.tanto,

das

lembrar

traduções

que,

das passagens

nos tempos

o dilúvio,

as

bíblicas

históricos.

:E,

reconstruções

dos

Instrumentos

de

Jubal

dependeram

da

memória

e

habili-

dade

mecânica

de

Noé

e

sua

família.

As

invenções

de

Jubal

p~dem

feItas depOIS do dIluvio.

ha~er

sid~ ~ais

aperfeiçoadas

do

que

as reconstruções

manei-

a mú-

si~~.

mf~que Infer~or. Por sua vez, o est:udioso da Bíblia que vê as pri- m~Iras ~eraçoes como sendo supenores em estatura, beleza e in-

telIgênCIa a qualquer homem que vive agora, dificilmente pode crer na estória de que a música primeiro veio ao ouvido hu-

Os

estudi?sos

quals

de

música

têm

tentado

imaginar

as

ras pelas

os homens

perigo

de

primitivos

errar

vieram

que

a inventar

C?rre~

pensando

"primitivo"

sig-

mano através do SOm agudo

da

corda

do

arco

do

tinir

da

?igorna

ou

do

assobio

provocado

pelo

vento

q~e

passa

pelo

Junco

quebrado.

:Esses sons

podem

ter

levado

à

invenção

de

OS

INSTRUMENTOS

DE

}UBAL

"'.u!tlldu

Imp.rl'clln

du hcsitação

invenção.

em imitar

Um

cxcmplo

da especulação

os doces

sons da

voz por

dos estudiosos

é visto

no

15

uma

Gro-

",',

/J/ct/onary

of

Music

and

Musicians,

que

declara

que

a

Id'lu

11111'1I

a construção

da

primeira

harpa

foi

talvez

"sugerida

,.Iu

ri.

(llllh:ur da

corda

do

arco.

A

adição

de

várias

cordas

te-

.Ido

un{doga à

união

de

várias

flautas

ou

assobios

para

'urnulI'

o

"sirinx."

Ambas

as

invencões

aparentemente

prece-

d.r~lIn

no

cncurtamento,

pelos

dedos,

de

diferentes

extensões

d.

\111111

única

corda

de

vibração

como

no

alaúde,

ou

do

en-

fJUrlllllll'nto da coluna

de

ar

vibrando

num

tubo

mediante

a

pelos

dedos." -

VoI.

2,

pág.

324.

tJb.lf\l~'l\u dos furos Podcmos imaginar

como Jubal

veio a conhecer

música.

Adão

h.vln

l~sl'utado a música

dos

anjos

e

tinha

sido

instruído

por

música

UClIC1l1llnl,uma

rIlhUII, c filhos de seus filhos, até a nona geração, descreveu

li IlIntu c feliz condição hllltórlu dc sua queda .tDn~tto às suas palavras." -

Patriarcas e Profetas,

Todavia, poucos houve que deram

0(11111.

Adão

pode

ter

conversado

do

do

COm Jubal

porque

no

acêrca

lemos:

da

lembrança

:Eden,

homem,

"A

seus

a

ParaísO', e

repetia

E. G. White,

(2.'L cd,), jJág.

Jubul

deve

ter 78. ouvidO' a voz do seu idoso antepassado.

Po-

dt111101l • C'IlITudado imaginar Paraíso, o velho guardada patriarca por querubins, com o pequenO' para adorar, Jubal como indo Nn l'ostUI11Cnaqueles dias. Talvez Adão tenha tentado des-

l.'ft'Vl',.os sons da música

celestial

e

os seus

efeitos

ao pequeno

fupnz, l'uja

mente

infantil

e ouvido

musical

foram

desde

cedo

IlIIprcssionados. A música, em vez de rapina e do derramamen-

to dl~ sangue que

eram

o interêsse

dos outros

da descendência

dt~ Cnim, da qual

êle nascera,

era

o interêsse

de

JubaI.

Josefo

diz:

"Jubal

exercitou-se a si próprio na música, e inventou

LI llllltério e

a

harpa." -

The

Antiquities

of

the

Jews,

VoI.

1,

l'np, 2, par.

2.

instrume.nt~s,

mas, é imp~ssível pensar

que o homem

que gozou

 

Outra

questão

sôbre

esta

música

primitiva

diz

respeito

à

da .assoclaçao

com

os anJos

no

:Eden, e

que

depois

da

queda

111111

natureza

e

uso.

Novamente

as

especulações

dos

estudio-

faZIa seu

culto

de

adoração

no

seu

portão

de

entrada,

não

ti-

IIOS, bascadas nas evidências históricas, podem ser modificadas

 

vesse aprendido

a

cantar

e

a

criar

música.

f:

perfeitamente

pdo

fato

de

não

têrmos

registro

de

tôda

a música

antediluvi-

possível que a tardança na invenção de instrumentos

tenha

sido

nnn,

Ewen

é justificado

em

sua

avaliação

da música

hebraica:

16 MúSICA

EM

MINHA

BíBLIA

"Assim como os patriarcas da Bíblia eram primàriamente uma raça pastoril, sua música era de natureza puramente pastoril. Quase certamente ela era uma meladia que fluía livremente c

simples, soprada sem abjetivO' através da bôca dos tubos. O Israel bíblico tinha coração e inspiraçãO' para criar música, mas,

em habilidade técnica, era deploràvelmente deficiente

melodias pastoris eram primitivas e informes; seus instrumentos

eram

9

Suas

poucos

e

nãO' desenvolvidos." -

Hebrew

Music,

págs.

e

10.

Nas

primeiras

referências

escriturísticas

êstes

instrumentos

eram associados aos prazeres NãO' há, na verdade, qualquer

seculares, às festas e celebrações.

indicação de que êles houves-

sem sido usados para o cultO' a Deus

ou qualquer

serviço sagra-

do.

Estes

usos

vieram

mais tarde,

comO' será

mostrado

nos

capítulos

seguintes.

 

Houve

um

lugar

para

a

música

na

vida

diária

de

nossos

antigos antepassados,

hoje.

Como

Jubal

e a mesmo

pode

acantecer

foi

estimulada

pelas

sons

em nossa vida

e

da

Natureza

das atividades

humanas,

assim

podemO's nós

apreciar

os

sons

do nosso tempo.

O

ruído

dos motores,

a levantar

e

a

abaixar

das vozes,

o murmúriO'

do vento

nas

árvores,

o fluir

e

queda

da água,

mesmo

a barulhO' da

tráfego,

bem

coma

as

gorjeios

das passarinhas - tudo produz um som que paderia

tificadO' cam os tans musicais.

Pademos

afinar

nossas

ser

iden-

 

auvidos

cam

instrumentos êsses

tO'mando-a mais

sans musicais em

qualquer padem

ambiente.

fazer

parte

alegre

e campleta.

Hoje, da

nossa a

música vida

diária, e as

CAPtTULO

2

"O Cântico

do

Mar"

r;t Os

primeiros

se reuniam

tempos

em

grupos

bíblicas,

nas

os indivíduos

com

ale-

festas,

will e com música, para cantentamenta mútua; mas, até a tempo

d,' Moisés, a Bíblia não faz menção

('11\ cOI1?xãa COm a regozijo religioso.

W'Il\'as dos seus fai inimigos então ouvida, e do cativeiro pois, Deus egípcio. havia livrada os israelitas

à música

A

coral

de

na

Terra

de

música

ações

A multidãO' tinha

vindo

daquele

"curral

para

escravas"

da

I:,~ito, depois de Deus haver, por meia de Moisés, enviada pra-

Klls ",lIvia (lllC tragado caíram

I',111[\0,

o

Espírito

os perseguidores a

de

Deus

O

sôbre

terra.

Finalmente,

egípcias,

veio

sôbre

a multidão

Espmta

Mar

Vermelho

liberto!

modo

e Israel

Moisés

o

estava

de

um em glariO'so cânticO',

pelos

judeus,

de

repousO'u

sO'bre

('slwcial, e êle campôs

:!IW

()

(,~llttca

da

Mar.

e dirigiu

:~lgu~n tempO' ~~is" tarde

~o.i chamado

de

Deus

Moisés,

que

dirigiu

a

povo

em

uma

antífana

triunfante

de

lI~'(')"sde

graças,

a primeira

e uma

das mais

sublimes

que

pela

1101I1t'111sãO' canhecidas,"

-

Ellen

G.

White,

Patriarcas

e

Pro-

f,·/t1~

(2,a

ed.),

pág.

291.

As palavras da canto exprimem

um

exaltada

hinO' de louvar.

()" pellsamentas expressos são de majestade poética. Aqui estãO' ~,IJ.tlllllilSpalavras dêste cântico, conforme a relato de ExO'da 15:

(17)

18 MúSICA

"Cantarei

ao

Senhor,

EM MINHA

BíBLIA

porque

sumamente

Se

exaltou;

O

Lançou

seu reinará eterna e perpetuamente."

no

mar

o

o

cavalo e

cavaleiro

Senhor

 

É interessante

tentar

descobrir

como

era

a

melodia.

Seu

tema

tem

sido

a inspiração

para

um

grande

número

de

com-

positores

siderados.

das

gerações

subseqüentes.

Alguns

dêsses

serão

con-

As notas

da

música

não

foram

escritas

e preservadas,

mas,

os

judeus

são um

povo que

se agarra

às tradições

e estas, quer

nos

costumes,

na

História

ou

na

música

perduram

com pou-

cas

modificações

de

geração

em

geração.

O Rev.

F. L. Cohen,

em sua "Introduction

to Pauer's

Tra-

ditional

respeito

Hebrew

de

vários

Melodies,

tipos

de

escreveu

antigas

de

modo

interessante

a

canções

judaicas,

as

quais

ainda

hoje

estão em uso,

incluindo

um

comentário

concernente

a

esta

canção

em

particular.

uma

melodia

preservada

pe-

los ashkenazins, judeus eujos antepassados haviam estado lo-

calizados entre os povos teotônico e eslavo, que é usada quando

a lição

do

dia é o "Cântico

de Moisés;"

é a seguinte:

 

CANTAREI

AO SENHOR

 
 

Melodia

Ashkenaziana

Can-ta

.

rei

ria

Lan·

çou

mar

O

ca

- va

-

leiro

e o

c~

-

va·

10.

"As notas

essenciais aqui,

lembram

as do

som

de

uma

trom-

beta

em

M,

e chega-se

à conclusão

de

que

antigamente

o

'Leitor

da

Lição'

entoava

êsse canto

de

vitória

numa

imitação

vocal

fluida

do

toque

cantilena

de

dos judeus

trombeta,

do

qual

do norte,

e

a

suave

o canto

e

parcialmente

rítmico

e

fixo

dos judeus

do sul têm descendido."

-

Pág. iii.

 

Menos

sujeitos

à

influência

contemporânea

que

os

ashke-

nazins,

são os sefardins,

cujos

antepassados

passaram

a Idade

Média

na

Arábia

e

nos

países

latinos,

e

cujas

melodias

tra-

"O

CANTICO

DO

MAR"

19

dklullllis siio consideradas mais antigas. Seu cântico sôbre a ,,1I,',1'l1ldo Mar Vermelho será dado no próximo capítulo, con- l'fll'IIC'lItl' 1\ partc de Miriã nesta grande celebração.

NOu podcmos declarar exatamente quanto desta melodia do_ lI~hlll'llazianos de séculos recentes se assemelha ao Cântico

110 MIII' dos tcmpos antigos. Isto é de grande interêsse, desde

lJlU1 Mlll~(·~101 1111,.l'~Cl11ploseja IIlsplrado por Deus difícil nesta de composição. encontrar-se. Sabemos Sabemos também que

1111I1Moisl's l'f1h'Mlr'Ill'sta tinha ocaSIao. .~onhecimentos Estava preparado terrestres, para bem receber como o inspiração dom de I)"II~ lIesta emergência suprema, pois havia estudado tôdas ""

em

dos

Arol! 'I :22:

flW1pl'lllS,I' era poderoso em suas palavras

l'It\lll'Ías

do

"U

Egito,

Moisés

inclusive

foi

música.

em

Lucas

tôda

e atos."

escreveu

a

ciência

instruído

Grandenwitz

1'11I111111

Music

of

1I1111llode

Moisés

Israel,

incluía

corrobora

a idéia

a

música.

Diz:

de

que

"E

o

conheci-

havia

Moisés

M.tdoiIlslru ido nas ciências e música pelos sacerdotes egípcios

podel11os crer

1l1'MIllllloa tradição

(!lI"

no

islâmica,

testemunho

êle

de

Philo

de

Alexandria);

continua

a viver como patrono

dUMf1l1lllistas."-

Pág.

44.

 

A

IllIlSIGl por

êsse

tempo

havia

alcançado

um

ponto

alto

Ilo

H~ito,

supcrior

ao

alcançado

em

outros

países

contempo-

,'AIII'ON,!\

Iltlllll'llll' l1a VIda dIána

1'11111I',11IaStambém no serviço religioso. Fétis, Engel e outros l'tllll'Ol'lllllllneste ponto.

111ú~icad~se~penhava

do

no Egito pap.el ~mportante,

e

em

festIVaIs de

estilo

povo,

não se-

(:olllpondo

o

"Cântico

do

Mar,"

Moisés

usou

seu

talento

IlIlIIIkll1 de maneira magnífica. Aqui está a primeira

men-

~no dlls L:,scrituras ao canto responsivo, quando

um

solo

res-

l'ulIII(, 11um grupo coral. O canto antifônico, um grupo coral 11'''polldl'llllo a outro, foi usado amplamente mais tarde, e pode llll' "Ido usado na aventura do Mar Vermelho.

ma-

IIl'lrll lJue

1'01' UIII l'Aro de homens e depois por coros de mulheres sob

" dll'l'~'l\odc Miriã,

t 1m

I'l'dator moderno

o

solo

de

arranjou

Moisés

o "Cântico

seja

do

Mar"

de

respondido

também.

primeiramente

cujo solo é ouvido

fiO

dntico

cantado

por

Moisés

e

os filhos

de

Israel

é

um

20 MúSICA

EM MINHA

BlBLIA

belo

responsivamente

exemplo

do verso paralelo como

"Cantarei

segue:

ao

que

foi provàvelmente

sumamente

cantado

Se

exal-

Moisés:

tou."

Côro de Israel:

Senhor

porque

"Lançou

no mar o cavalo e o seu cavaleiro."

-

No

"O

CANTICO

DO

MAR"

QUANDO

ISRAEL

SAIU

)(0,

do

de

1$

reI

-

el

do

E

-

Si

to

21

Moisés:

"O

Senhor

é

a minha

fôrça

e

o

meu

cântico."

Côro

de Israel:

"E Ele me foi por salvação."

 

Moisés:

":Ele é

o

meu

Deus,

portanto

Lhe

farei

uma

ha-

bitação."

Côro

de

Israel:

"Ele

é

o

Deus

de

meu

pai,

por

isso O

exaltarei."

Miriã:

"Cantarei

ao

Senhor,

porque

sumamente

Se

exal-

tou."

Côro

de

mulheres:

"Lançou

no

mar

o cavalo

e

o

seu

ca-

valeiro."

 

":2

natural

supor

então,

partindo

dêste

tipo

de

afirmativa

e

amplificação,

que

os nossos

coros

antifônicos

provêm

desta

poesia

do

Velho

Testamento,

por

contribuição

de

vários

es-

critores e são levados à perfeição

lírica e poética

pelo menestre1

real, o próprio rei Davi." - Ages, pág. 18.

O

canto

antifônico

Bauer and Peyser, Music Through the

tornou-se

importante

no

princípio

de

nossa

era

cristã.

No

segundo

século,

Santo

Inácio,

em

Antio-

quia,

teve uma