Você está na página 1de 2

"A difícil arte de fazer faxina "

Faxina quer dizer: limpeza geral.

Pois bem... por que me refiro a ser uma arte difícil?

Limpeza é algo corriqueiro...

Será???

Muitas vezes fazemos limpezas superficiais na casa, deixando para algum dia a tarefa de "fazer a faxina"

Assim como também vamos fazendo algumas limpezas em nós mesmos.

Nossos pensamentos, sentimentos, emoções, vivências.

Todos passam por constantes limpezas, mesmo que não nos demos conta disso.

Mas é claro: se a casa vai empoeirando e é necessário de vez em quando passar a vassoura...

Conosco é a mesma coisa.

Vamos tendo várias experiências no dia-a-dia e aquelas coisas que vemos, ouvimos, sentimos, cheiramos, tocamos e
que não nos servem... vamos deixando de lado, jogando fora: passando a vasoura.

Só que nesse processo diário, tanto a casa quanto nossa pessoa, vão ficando com "sujeiras" escondidas e que irão
precisar, algum dia, de uma "faxina", uma limpeza geral, em resumo.

E aí está a parte à qual me refiro ser uma arte difícil.

Na casa, além da limpeza que teremos que fazer com a vassoura e o pano molhado, também teremos um dia que
parar para ver o que não nos serve mais de objetos: roupas, louças, enfeites, etc...

Coisas que vamos guardando ao longo dos dias por que ganhamos, ou passamos na rua, achamos lindo e
compramos ou simplesmente estão ali por algum motivo.

Mas, como estamos sempre em constante transformação (nossas limpezas diárias) vai chegar um dia em que vamos
olhar aquela peça de roupa e ela não vai parecer ter a mesma graça de quando a trouxemos.

E, nesse instante, entra em pauta a tal faxina.

Se não me serve mais, ou porque não gosto mais, não entra mais pois engordei ou ficou enorme porque emagreci ou
qualquer outro motivo, está na hora de abrir espaço para algo novo entrar no lugar dessa peça.

Se sou uma pessoa que gosto de mudanças e novidades, desfazer-me dessa peça não é custo nenhum, ou, pelo
menos, o custo é pequeno.

Mas, se gosto de ficar guardando lembranças, sentimentos, alguns pesares e dores até... vai ser difícil fazer a faxina
de deixar essa peça ser "doada" para abrir um espaço.

Deixar entrar o novo é algo que pode ser muito complicado para certas pessoas.
Há pessoas que não mexem na disposição dos móveis da casa por toda uma vida.

Há aquela, ao contrário das anteriores, que estão sempre mudando a casa toda de posição, em todas as peças.

E ainda há aquelas que, além de mudar os móveis de posição, estão sempre trocando, doando os velhos e
comprando novos.

Nada de errado com nenhuma das posturas, desde que permitam limpezas e faxinas.

Quando o fato de fazer uma faxina se tornar algo pesaroso.... cuidado... algo pode estar errado.

E não me refiro apenas àquela faxina pessoal.

Também quero lembrar que o fato de fazer limpezas periódicas na casa é bom, nos remete também às limpezas que
precisamos ir fazendo em nossa pessoa, nas pequenas coisas do dia-a-dia que já não servem mais, por um motivo ou
outro.

O fato de tirar um dia para fazer faxina na casa pode ser simples... ou não.

Posso muito bem esperar o dia de "estar inspirada" e esse dia nunca chegar, ou, pelo menos, demorar porque eu
não estou disposta... ou porque preciso descansar, no final de semana, da semana que foi de muito trabalho e até
estressante.

Tudo o que eu não conseguir, de certa forma, fazer com a casa... devo cuidar para ver se é exatamente o que não
estou conseguindo fazer comigo mesma.

Precisamos todos de evolução e ela pressupõe mudança.

Mudança de padrões de pensamento, de comportamento, de atitudes várias.

Tanto para a limpeza da casa, quanto para a minha limpeza pessoal, se eu não tiver arte em mexer nas coisas...
posso continuar apenas "tapeando" a limpeza.

Passando a vassoura nos lugares mais à vista... mas não arredando os móveis para realmente limpar atrás e embaixo
deles.

É uma arte difícil... mesmo que seja para recolocar os móveis no mesmo lugar... é necessário que por um tempo,
suficiente para a limpeza, estes móveis estejam em outra posição.

E para isso, ainda mais se forem móveis pesados, terei que aplicar alguma força para movê-los... terei que sair da
minha área de conforto para poder mudar alguma coisa.

É claro que a faxina sempre compensa... a casa fica linda, perfumada e parece que tudo tem um novo brilho.

E o mais lindo de tudo: temos sempre que estar alertas, fazendo limpezas periódicas à espera da próxima faxina...

Que vai fazer desta difícil arte ( de desapego) uma maravilha só, pois vai deixar tudo com outro colorido e brilho.

Leatrice Coli Ribeiro Pedroso

Academia Santanense de Letras – cadeira nº 24