Universidade Federal de Viçosa

Centro de Ciências Agrarias Departamento de Engenharia Agrícola
ENG 420 – Tratamento de resíduos líquidos e gasosos

RELATÓRIO AULA PRÁTICA

DEMANDA BIOQUÍMICA DE OXIGÊNIO E DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

Aluna: Elohanna Levi Azevedo – 64893 Professor: Valdeir Eustáquio Júnior

Abril 2012 Viçosa

a DBO deve apresentar valor inferior a 60 mg / L. para evitar que o teste de laboratório ficasse sujeito a uma grande demora. em inglês “biochemical oxygen demand” (BOD)) que em conjunto com a DQO caracterizam as frações de carbono orgânico. A estabilização completa demora. e para permitir comparação de diversos resultados. A DBO retrata a quantidade de oxigênio requerida para estabilizar. Assim. Outro método é a demanda bioquímica de oxigênio (DBO. a matéria orgânica carbonácea. ou seja. em inglês “chemical oxygen demand” (COD)). É uma indicação indireta do carbono orgânico biodegradável. ela pode ser classificada em dois tipos gerais de medida: aquelas que quantificam uma quantidade de matéria orgânica agregada compreendendo constituintes orgânicos com uma característica comum e aquelas que quantificam compostos orgânicos individuais. através de processos bioquímicos.2005). Introdução No estudo das águas residuais e naturais determinar o conteúdo da matéria orgânica presente é uma das características mais importantes. de acordo com essa matéria orgânica. entretanto. as condições de lançamento de efluentes é para DQO até 180 mg/L. ou tratamento com eficiência de redução de DQO em no mínimo 55% e média anual igual ou superior a 65% para sistemas de esgotos sanitários e de percolados de aterros sanitários municipais ou tratamento com eficiência de redução de DQO em no mínimo 70% e média anual igual ou superior a 75% para os demais sistemas (COPAM / CERH – MG). Logo o teste da DQO mede o consumo de oxigênio ocorrido em função da oxidação química da matéria orgânica.1. que é composto por uma variedade de compostos orgânicos em vários estados de oxidação. O teste gasta de 2 a 3 horas para ser realizado e envolve a utilização de um agente oxidante forte (von SPERLING. tais como: proceder à análise no 5° díade incubação. para assim apresentar condições para efluentes. presentes na amostra. sob uma temperatura de 20°C. Este resultado do quinto dia (DBO₅. 20°C) pode então ser correlacionado com o consumo total final (von SPERLING. ou então tratamento com eficiência de redução de DBO em no mínimo 60% e média anual igual ou superior a 70% para sistemas de esgotos sanitários e de percolados de . vários dias (cerca de 20 dias ou mais para esgotos domésticos). De acordo com o Conselho Estadual de Politica ambiental de minas Gerais. sendo que alguns desses processos podem ser oxidados por processos biológicos ou químicos. foram efetuadas algumas padronizações. E de acordo com o COPAM / CERH – MG. Um dos métodos para determinar o conteúdo da matéria orgânica é a demanda química de oxigênio (DQO. 2005). em termos práticos. quantidade de oxigênio consumido por diversos compostos orgânicos através de uma oxidação química.

Frascos especiais. Bureta. no qual os padrões de qualidade a serem mantidos no corpo receptor para a demanda bioquímica de oxigênio (DBO) deve apresentar valor inferior ou igual 5 mg/L. 2. para os de classe 1 o valor deve ser igual ou inferior a 3 mg/L e para os de classe 3 a DBO deve ser igual ou inferior a 10 mg/L (Resolução CONAMA n° 20.aterros sanitários municipais. E tratamento com eficiência de redução de DBO em no mínimo 75% e média anual igual ou superior a 85% para os demais sistemas. Objetivo A análise tem como objetivo quantificar a relação residuária de lacticínio. Pipeta volumétrica de 50 mL. Erlenmeyer. Amostras. no Brasil. Reagentes para preparo da solução nutriente. se enquadram na classe 2. Pipeta graduada de 10 mL. Incubadora com controle de temperatura. Bomba de ar comprimido. do esgoto sanitário e da água 3. com tampa esmerilhada para proporcionar a obtenção do selo d água. A maioria dos corpos d’água receptores. Balões volumétricos.             Materiais Agitador magnético. . Compressor. 18/06/1986). Materiais e métodos a.

e mantida sob temperatura de 20°C e utilizada após no mínimo 30 minutos de aeração. que contem apenas solução nutriente. ou se não for possível. no dia zero (OD₀). determinando o oxigênio dissolvido. As analises de DBO das amostras devem ser realizadas prontamente ou no máximo em 2 horas.           . para que a solução nutriente possa ser preparada. na incubadora. deve ser aquecida até 20°C. pose ser armazenada por no máximo 24 horas e mantidas a uma temperatura de 4°C. pelo método de titulação iodométrica). 2004). Foram realizadas diluições. temperatura da DBO padrão. 2004). Se a amostra for alcalina ou acida. DBO    Primeiro foi preparada a solução nutriente. A solução do balão foi então saturada com oxigênio. estando bem fechados e vedados com selo d’água.5 (MATOS. para que permitisse a proliferação de microrganismos na amostra a ser analisada: O frasco utilizado na estocagem da solução nutriente foi lavado com solução sulfocrômica e depois com água destilada. 1 mL de sulfato de manganês. cloreto de cálcio e cloreto férrico.1. essa deve ser neutralizada para valores entre 6. Analisou-se um frasco de solução branco. OD₅. Se amostra foi submetida à incubação. em series duplicadas de frascos especiais: Foram feitas diluições das amostras acrescentando um volume da solução e depois se completou os frascos com solução nutriente.b. por meio de borbulhamento. em um balão grande e acrescentou-se sulfato de magnésio. pois assim os resultados são mais exatos na quantificação do oxigênio dissolvido (MATOS. por cinco dias a 20°C. Métodos b. imediatamente após seu preparo. Por ultimo foi acrescentado 1 mL de iodeto. Adicionou-se água destilada por amostra a ser analisada ate obter um volume aproximado a 300 mL. O preparo da solução nutriente foi realizado no dia da analise. após esse período foi quantificado a concentração do oxigênio dissolvido (o método para determinar o oxigênio dissolvido foi apresentado no relatório OXIGÊNIO DISSOLVIDO. utilizando solução nutriente como água de diluição. pelo método da titulação iodométrica. Os outros frascos das amostras e do branco ficaram incubados. para isso foi utilizado um pequeno compressor por algumas horas.5 e 7.

Por fim a solução final foi para a chapa quente. = volume de tiossulfato de sódio gasto na titulação do frasco contendo apenas a solução nutritiva antes da incubação. DQO     Foi adicionado 0.1 Onde. 200°C. N = normalidade do tiossulfato de sódio ( /L). 4. = volume da amostra (mL).4 g de sulfato de mercúrio para cada amostra. depois 30 mL de acido sulfúrico e posteriormente adicionado o sulfato de prata.b.5 mL de agua residuária de laticínio e 10 ml de esgotos sanitários e depois completados com água destilada ate que completassem o volume de 20 mL. = volume de tiossulfato de sódio gasto na titulação do frasco contendo apenas a solução nutritiva após 5 dias de incubação. Resultados e discussão Cálculo do oxigênio dissolvido para DBO: OD = Equação 4.2. f = fator de correção da solução de tiossulfato de sódio. = volume de tiossulfato de sódio gasto na titulação (mL). Foram acrescentados 10 mL de dicromato de potássio. por um período de 2 horas. OD = concentração de oxigênio dissolvido (mg/L). . Utilizou-se uma quantia de 0.

considerando que há consumo de oxigênio na própria solução nutriente usada na diluição das amostras.96 0. após 5 dias de incubação (mg/L). equação 4. ₀ = OD Br₀ = oxigênio dissolvido no frasco contendo apenas a solução nutritiva.1 Dados para calculo do oxigênio dissolvido das amostras.5 299. DBO₅ = demanda bioquímica de oxigênio (mg/L).5 300.96 0. f = proporção de solução nutritiva no frasco contendo a amostra. antes da incubação (mg/L).2: DBO₅ = ₀ ₅ ₀ ₅ Equação 4. ₅ = oxigênio dissolvido no frasco contendo a amostra.6 7. após 5 dias de incubação (mg/L).5 292. Tabela 4. Esgoto sanitário Repetição 1 Repetição 2 Repetição 3 N f /L 0. = volume do frasco preenchido com a mistura de solução nutritiva e amostra submetido à incubação por 5 dias.6 7.3 7.2 Onde. antes da incubação (mg/L). ₅ = OD Br₅ = oxigênio dissolvido no frasco contendo apenas a solução nutritiva.3 mL 299.3 7.00625 0. recomenda-se utilizar a equação 4.00625 0.3.96 mL 3 5.6 mL 7.6 6.4 275.= volume do frasco preenchido apenas com a solução nutritiva e submetido a incubação por 5 dias.6 mL 7.00625 Para calcular a DBO. ₀ = oxigênio dissolvido no frasco contendo a amostra.2 mL 276.1 mL 5 3 mL 2 mL 0. .

E calculando os valores da demanda química de oxigênio temos na seguinte tabela 4. = normalidade da solução de sulfato ferroso ( F = fator de correção para o sulfato ferroso.3 101. a amostras não pode ser lançada como efluente já que não apresentaram valor médio até 60 mg/L. devendo então ser submetidas a tratamentos. Tabela 4.7 152. consumiu todo o oxigênio disponível na amostra.4: .376 6.296 ODam₅ mg/L 2. = volume de sulfato ferroso gasto na titulação do branco (mL).6 Onde. de acordo com a COPAM / CERH-MG. E conforme calculo temos que a Demanda Bioquímica de Oxigênio do quinto dia apresenta valor médio para esgoto sanitário de 161 mg/L e para a agua residuária de laticínio o preparo estourou.2 Calculo da DBO₅.296 7. DQO = demanda química de oxigênio (mg/L).008 ODbr₀ mg/L 7. Esgoto sanitário Repetição 1 Repetição 2 Repetição 3 ODbr₅ mg/L 7. = volume da amostra (mL). /L).0 Assim.Tabela 4.88 5. = volume de sulfato ferroso gasto na titulação da amostra (mL).008 7.2 C calculo do oxigênio dissolvido e DBO das amostras. temos: DQO = Equação 4.296 7. com eficiência julgada na introdução.008 7.336 DBO mg/L 229. Para o calculo do DQO.

25 DQO 10 mL 845 mg/L /L 0. Engenharia na Agricultura. M. A. De modo que a mesma deve ser tratada e apresentar eficiência conforme citado no item 1. Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG nº 01.L. 1996). Caderno didático 40. VON SPERLING. segundo a demanda química de oxigênio. Universidade Federal de Minas Gerais. Amostras Esgoto sanitário 10. 1996. temos que a amostras não pode ser tratadas como efluentes. Conclusão Em relação aos dados apresentados anteriormente.R. percebe-se que.D isponível em <http://www.siam.br/sla/download. Práticas de poluição ambiental.15 n.Tabela 4. e a relação DQO/DBO apresenta valor superior a 3. Acesso em: 03 out. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 2011. introdução. CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DE MINAS GERAIS (CERH-MG).4 | out/dez 2010 | 357-366de 05 de maio de 2008. . pois todo o oxigênio presente foi consumido e assim não foi possível determinar a relação DQO/DBO. 243p. MATOS. 2. et al366 Eng Sanit Ambient | v. valor igual a 5. Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental. 6.mg. os valores de DQO são elevados. 5.96 Também conforme a COPAM / CERH-MG.4 Dados obtidos para as amostras e cálculo da DQO. Santos.2 para esgoto sanitário. indicando que tal deve ser tratado por processos físicos químicos (VON SPERLING. T.gov. com baixa biodegradabilidade. Referências bibliográficas CONSELHO ESTADUAL DE POLÍTICA AMBIENTAL (COPAM). DBO.pdf?idNorma=8151>. 6p. A. Já a amostra de agua residuária de laticinio estourou na determinação de demanda química de oxigênio. EAGRI/ DEA/ UFV.4 F mL 6 mL 0.5.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful