Você está na página 1de 12
MAQUIAVEL EA CONSTRUGAO DA POLITICA RAQUEL KRITSCH Em Maquiavel € muito claro que a politica € a reflexdo que sobre ela se faz constituem aspectos indissocidveis. O Principe é a prova mais evidente disso. Embora tenha sido uma obra lida por muitos ao longo dos séculos como um “manual” ou receitudrio para o governante que dese- jasse se tornar um principe virtuoso em qualquer tempo e lugar ~ 0 que ev dencia seu cardter de tratado tedrico -, Maquiavel nao escondeu de seus leitores que o livro tinha um sentido pritico imediato, explicitamente declarado no tiltimo capitulo. Nele 1é-se uma exortagdio em favor da “un cago da Itdlia” ¢ da expulsdo dos estrangeiros. A idéia de um projeto nacional, missfio que Maquiavel atribufa aquele que assumisse a tarefa de unificar, libertar e pacificar a Itélia, expressa-se no poema de Petrarca. E essa mensagem final, portanto, que deve incentivar a ago e permanecer gravada nelli italici cor e, de modo muito especial, no coragiio de um principe disposto a redimir a Itélia — "espoliada, lacerada, invadida" — das “crueldades e insoléncias barbaras". Essa mensagem, ponto final do escrito, é também ponto de par- tida, Constitui 0 marco inicial ndo do discurso explicito, mas do trabalho de Maquiavel. Cauteloso, este nao a revela na dedicatéria. $6 no final se abrir, por inteiro, 0 sentido da homenagem aparentemente banal. Se este presente for "diligentemente considerado ¢ lido, encontrar o meu extremo desejo de que the advenha aquela grandeza que a Fortuna e as outras suas qualidades Ihe prometem” A missio prética nao s6 motiva Maquiavel como ilumina todo o livro. Ea partir dela que se poem as questées técnicas ¢ tedricas enfrentadas no texto: as formas de acesso ao poder, os meios de agdo e sua hierarquia, as qualidades necessarias ao governante, as exigéncias préprias da agio politi ca, as consideragées sobre a natureza humana ¢ as possibilidades da agi, delimitadas pelo contraste da virri ¢ da Fortuna. Lido a partir da exortagiio final, todo o texto se encadeia de modo I6gico ¢ mais fluente. 182 LUA NOVA N* 53 — 2001 Mas O Principe, além de ter uma finalidade pritica, é uma obra que pretende ser um pequeno tratado sobre as condigdes de aquisigfo ¢ manutengiio do poder num principado. Pode-se dizer que 6 um texto de natureza tedrica, pois ao falar da agdo dos prfncipes Maquiavel trabalha com uma tipologia de governantes, que de alguma forma esti acoplada a uma tipologia de Estados. F, embora essas ligdes estejam particularmente voltadas para 0 caso dos principados, elas podem ser estendidas para ou- tras formas de governo e de Estados. Maquiavel inicia a discussio dizendo que todas as formagdes politicas podem ser divididas em duas eategorias: reptiblicas e principados. Afirma que deixari de lado as republicas, pois j4 haviam sido tratadas noutro lugar. Esta explicagdo, no entanto, € incompleta: o fato € que, para seu propésito pratico, interessa essencialmente estudar os principados. Ele quer discutir a possibilidade de redengio da Itslia, tarefa que dependeria da ago de um principe. Divide inicialmente os principados em dois grupos, de acordo com a forma de acesso ao poder: hereditifrios e novos. A partir desta cisio bésica pode-se construir um terceiro tipo, o dos principados mistos, caso dos Estados conquistados e anexados a um antigo. Os principados novos tema dominante de sua investigagao — podem ser adquiridos, segundo Magquiavel, de quatro formas: 1) pela "virti"; 2) pela Fortuna; 3) pela vio- léncia celerada; 4) com o consentimento dos cidadios. Esta classificagdo segundo a forma de conquista corresponde também a uma classificagdo das condigGes de estabilidade. Os principados totalmente novos adquiridos com armas e virtude préprias stio diffceis de conquistar e, no entanto, mais Mceis de manter (cap. 6). JA os menos estaveis sio aqueles conquistados com armas ¢ Fortuna dos outros e os que so fruto da violéncia extremada, No caso da conquista pela Fortuna a manutengiio do poder pouco depende das qualidades do principe e, por sso, € instével (cap. 7); no caso da violéncia celerada o risco de rebelidio € permanente, a menos que o tirano saiba usar bem a crueldade, aplicando-a com rapidez, ¢ deixando-a extinguir-se com o tempo (cap. 8). O exemplo escolhido por Maquiavel para ilustrar este dltimo tipo de formagio € o de Agatocles. Este, no entanto, nio teria sido um go- vernante virtuoso, explica. Pois a sua ago nao se seguiu a gloria. Ea virti inclui a gléria como uma espécie de “categoria conceitual”: ndo hd virtir num principe incapaz de conquistar honra e gléria para si e seguranga para seu Estado, como dird mais adiante, no capitulo 25. O problema, esclarece, no foi quantidade de violéncia usada por Agdtocles. Ha uma dilerenga MAQUIAVEL EA CONSTRUGAO DA POLITICA 183 entre a violéncia que se extingue e aquela que se perpetua. A violéncia que se perpetua é mA, insiste Maquiavel. Por esta razdo € que Agatocles nao pode ser considerado virtuoso. Pois teria derramado mais sangue do que 0 necessério. Faltou-lhe, em termos modernos, uma certa “economia do poder”: nao soube calcular a relagio custo/beneficio na politica, Pode-se dizer que hd um grau de moralidade no julgamento que Maquiavel faz da ago de Agatocles. Pois 0 poder, em seu raciocinio, nao é todo 0 objeto da ago politica, mas somente uma sua parte, Essa moralidade aqui presente ~ que, vale Jembrar, nao é substantiva — tem de servir ao fim da agio politica, que nao se limita ao poder em si mesmo mas inclui a sua manutengao e estabilidade, fatores que no dependem somente da forga. A durabilidade de um principado requer algum grau de legitimagao pelos stidi- tos, que nfo se rebelardio nem depordo o soberano enquanto acreditarem existir alguma razao para Ihe obedecerem (relacio esta que aparece com mais clareza na obra que Maquiavel dedica & repiblica, os Discorsi). Os principados também podem ser clasificados de acordo com a forma de governo. Alguns so governados por um principe ajudado por seus ministros, "servos" (ministeres) que participam da administragao "por graga e concessio do senhor". Noutros, 0 principe divide a autoridade com os bardes, que possuem "lominio e stiditos préprios", De modo geral, o grande tema dessa primeira parte ~ na qual Maquiavel privilegia 0 campo da agiio politica — € a implantagdo do poder a partir da conquista e sua manutengio, que se dé pela eliminagao dos focos de resisténcia e pela sujeigdo dos alia- dos, sempre perigosos quando conservam alguma parcela de forca. segundo grande passo € a discussdo dos meios materiais de ago do principe, tema que se estende dos capitulos 12. 14, ¢ consiste no exame do uso da forga (parte “técnica” do livro). A pergunta a qual Maquiavel procura responder aqui é: quais so, genericamente, os instru- mentos de comando que asseguram a estabilidade do.poder e, portanto, a estabilidade do Estado? Hé4 duas bases que sustentam o poder do principe em qualquer principado, explica ele: as boas leis e as boas armas. E as boas armas antecedem as boas leis. Como niio pode haver boas leis onde nao ha boas armas, Maquiavel concentra sua atengio inicialmente no estudo da forca. A decisio de discutir apenas as boas armas deve-se ao fato de que Maquiavel raciocina aqui pela condigio limite: as armas so a condigao primeira de qualquer lei, pois Ihe garantem a eficécia. Agora ja nao se trata de discutir uma classificagao das formagées politicas, ¢ sim a condigiio de manutengdo do poder. E a condigao de dura- bilidade do Estado sao as armas, que podem ser préprias ou de terceiros. As

Avaliar