Você está na página 1de 55

APICULTURA

Instalação do apiário
Escolha do Local:
Apiário fixo = colméias são mantidas em um mesmo local =
produção está na dependência das floradas que ocorrem ao longo
do ano.
Apiário Migratório: instalado em dois ou três locais diferentes
ao longo do ano. Produção é bem maior. Mudança de local em
distância superior a 2 km, pois o raio de ação das abelhas
abrange 2,5 km.
Plantio de mudas de interesse apícola (especialmente aquelas
que floresçam em períodos de escassez de florada da região.
Apicultura Migratória
Apicultura Migratória
Segurança
Apiário localizado a uma distância mínima de 200-400 metros de
estradas, residências, animais e locais de grande atividade em
cultivos.
Cercar a área com “cerca viva” (eucaliptos, astrapéias, amor-
agarradinho) = dificulta o acesso de animais e pessoas e impede a
incidência direta de ventos fortes.

Sombreamento
Locais que ofereçam sombreamento para as colméias
Evitar áreas muito fechadas (abelhas iniciam o trabalho mais tarde
e encerram mais cedo) – Alvado no sentido do sol nascente.
Observar sombreamento
e área de acesso
Apiário instalado sob eucaliptos
Pasto apícola
Representa toda a florada utilizada pelas abelhas para coleta de
néctar/pólen
Abelhas necessitam tanto de pólen quanto de néctar em
proporções tais que permitam uma dieta equilibrada para o seu
desenvolvimento
Somente após satisfeitas suas exigências, e havendo
disponibilidade, elas irão estocar alimentos que poderão ser
utilizados pelo homem.

Facilidade de acesso
Terrenos planos, secos e nivelados, com amplos espaços livres em
volta das colméias (facilitam o manejo das colméias)
Algumas plantas nectaríferas e poliníferas úteis às abelhas do Brasil
Nome científico Nome vulgar Período de Concentração de néctar
Florescimento em % de açúcares
Arcnistus arborescens Fruta de galinha/pomba Set/nov 25 a 26%
Baccharis dracunculifolia Vassourinha Dez/abril 40%
Bastardiopsis densiflora Jangada Jun/ago 48%
Caesalpinia sepiaria Espinho de cerca/maricá Jul/out + de 50%
Citrus sinensis Laranja Ago/out 35 a 36%
Coffea arabica Café Diversos 25 a 37%
Croton floribundus Capixingui Nov/dez 40 a 60%
Croton urucurana Sangue de dragão Nov/fev
Eucalyptus alba Eucalipto Fev/abr 30%
Inga marginata Ingá-mirim Ago/set
Lippia urticoides Lixa Set/out 28 a 46%
Moquinia polymorpha Cambará Nov/jan 27 a 31%
Piptadenia macrocarpa Angico do cerrado Set/out 33%
Senescio brasiliensis Maria mole Set/nov 29%
Tipuana speciosa Tipuana Set/nov 18 a 29%
Trixis antimenorrhea Solidônea Jun/set 42 a 48%
Vernonia polyanthes Assa peixe Jun/ago 43 a 58%
Abelha Apis mellifera coletando pólen

Abelha Apis mellifera coletando em Abelha Apis mellifera coletando em


flor de laranja flor de eucalipto
Soja perene (Glycine wightii) Café (Coffea arabica)

Pêssego (Prunus persica) Pitanga (Eugenia uniflora)


Transporte de colméias em
Apicultura Migratória
Florada de capixingui
(Croton floribundus Spreng)
Água
Importância: metabolismo da abelha, regulação da temperatura
interna da colméia e manutenção da umidade do mel
Não armazenam água na colméia, só coletam quando necessitam
Deve estar a distância máxima de 500 metros.
Distribuição das colméias
Distribuir uniformemente no espaço disponível, sendo que as
colméias devem ser colocar sobre suportes individuais
(cavaletes de madeira, ferro, suporte de cimento, etc...)
Deve apresentar um ligeiro desnível em direção ao alvado, que
permita escoamento da água de chuva.
Pintura da frente das colméias com cores diferentes para
facilitar a localização pelas abelhas (erro de 10% em colméias
próximas)
Cobertura das colméias – maior conforto das abelhas e
durabilidade das caixas – Madeira, telha francesa, etc...

Número de colméias por apiário e distância entre


apiários
Varia de acordo com o potencial apícola da cultura de interesse
2 a 3 colméias por hectare
Recomenda-se uma quantidade total de colméias de 30 a 60 por
apiário em uma área com florada abundante.
Fonte de água para as abelhas
Modelo de colméia
Modelo de colméia
1852 – Pastor protestante de nome Lorenzo Lorraine Langstroth
patenteou uma colméia – montagem e desmontagem da colméia
sem causar nenhum dano.
Atualmente: Modelo Langstroth – Padrão pela Confederação
Brasileira de Apicultura
Melhor atende as necessidades
-das abelhas (espaço-abelha, posição de fixação dos quadros,
alvado amplo
- do apicultor (manejo rápido e eficiente, leve, facilidade de
transporte, desmontável, ampliação e troca de favor entre
colméias, produção e extração de mel, geléia real, etc...
Constituída de um fundo, um ninho, melgueiras (sobre caixas) e
tampa
Número de melgueiras de acordo com o fluxo de néctar da região
Cada ninho/melgueira deve ter de 9 a 10 caixilhos ou quadros de
madeira

Colméia Modelo Langstroth


Colméia Modelo Langstroth – ninho e tela excluidora
Colméia Modelo Langstroth
ninho e quadro com cera alveolada
Colméia Modelo Langstroth – dois ninhos e alvado com
tela para coleta de pólen
Captura de enxames
Vantagens da apicultura = não é necessário a compra de enxames
Enxame recém instalado: formam “cachos” em árvores, telhados,
etc..
Coleta: transferir as abelhas para dentro de uma caixa (colméia)
Caso haja facilidade: colocar um favo com cria e alimento
Colocar a tela excluidora de rainha no alvado (permite somente a
passagem das operárias) = ajuda a fixação do enxame
Após a rainha iniciar a postura, retira-se a tela excluidora
“Cacho” de abelhas
Tela excluidora de arame e de chapa
perfurada
Captura de enxame
Captura de enxame
Captura de enxame
Manejo das colméias
Abelhas criadas em condições ideais de alimentação, sanidade e
manejo = colméias populosas e produtivas
Apicultor deve estar atento com: alimento disponível nas colméias,
postura da rainha, presença de realeiras, desenvolvimento da
colméia com relação às demais, sinais de doenças ou pragas,
ataque de predadores, etc...
Revisão de Colméia
Atividade necessária, pois permite avaliar as condições das
colméias do apiário
Revisar logo após o transporte para o local definitivo no
apiário e liberar a rainha (se estiver presa), 2 a 3 semanas
após.
Durante boas floradas, para acrescentar ou não melgueiras
Final das floradas = extração do mel
Durante o período de escassez de alimento,
Após a detecção de anormalidade na porta da colméia (fezes,
abelhas mortas, larvas, etc...)
Verificar pela manhã, entrada de pólen no alvado (mais crias,
maior a atividade de coleta de pólen)
Segurança do apicultor: utilização de roupas e ferramentas
adequadas
Máscaras, macacão, botas, luvas (cores claras) = manejo tranqüilo
e seguro para o apicultor
Ferramenta: fumigador. Fumaça acalma as abelhas. Material
usado: serragem, folhas, cascas secas de origem vegetal.
Não usar álcool, gasolina ou óleo queimado
Para abrir a colméia utilizar um formão para retirada da tampa e
dos favor.
Apicultor deve aproximar da colméia pela parte de trás (fora de
linha de vôo).
Fumigar sem excessos o alvado e dentro da colméia
Abrir a colméia lentamente
Verificar a colméia e fecha-lá novamente
Macacão, botas, luvas e máscara
Equipamentos

Fumigador

Escova Formão
Equipamentos
Garfo Desoperculador de favos
Garfo Desoperculador de favos
Introdução ou Substituição de Rainhas
A rainha é responsável pela manutenção de uma população que pode
chegar a 80 ou 100 mil operárias (vida de 30 dias)
Rainha chega a realizar postura de até 2500 ovos diariamente
Boa rainha é detectada pela proporção de crias presentes:
1 ovo : 2 larvas : 4 pupas
Tempo de vida na colméia 2 a 3 anos, mas que podem ser
substituídas anualmente
Aquisição de rainhas de outros criatórios (evitar consangüinidade)
Introduzida em uma colméia já orfanada por 1 a 2 dias (dentro de
gaiola protetora)
Realeira
Tela para transporte das
rainhas
Divisão de Família
Técnica para multiplicação de colméias
Divisão de operárias e alimento, oferecer condições que a
colméia órfã crie uma nova rainha e observar cuidados
especiais contra inimigos naturais.
Proceder a divisão somente em períodos com condições
climáticas e floradas apropriadas.
União das Famílias
Forma de reforçar colméias enfraquecidas
Juntar 2 ou 3 colméias
Selecionar uma das rainhas (melhor postura ou maior número de
abelhas na colônia)
Matar a rainha da colméia fraca
Sobrepor a colméia mais fraca sobre a mais forte, separando com
uma folha de jornal com mel em um dos lados. Com o tempo elas
perfurarão o jornal e estarão unidas, aceitando mutuamente
Controle de saque
Ataque entre colméias com o objetivo de roubar o alimento
Controle:
- evitar colméias fracas no apiário
- alimentar colméias somente ao entardecer e utilizar
alimentadores internos
- evitar exposição prolongada dos favos de mel durante a revisão
- reduzir o alvado das colméias fracas, com um sarrafo (redutor de
alvado)
- eliminar rainhas com prole com tendência saqueadora
- não derramar ou oferecer mel ou xarope nas proximidades das
colméias
Controle da enxameagem
Enxameagem ou enxameação é o nome que se dá à formação e à
saída de um enxame do seu local de origem
Enxameação natural ou mudança de moradia = genética e
condições ambientais
Enxameação reprodutiva (divisão da colméia) e a enxameação por
abandono da colméia
Transporte de Colméias/Apicultura Migratória
Necessidade de transportar colméias (enxames recém-coletados até
o apiário ou de colônias fortes até as floradas (apicultura
migratória)
Cuidados especiais na apicultura migratória:
Uso de quatro fios de arame bem esticados em quadros de ninho e
dois fios nos de melgueira
Uso de lâminas inteirar de cera alveolada, incrustadas
adequadamente nos arames
Sarrafos de madeira pregados nas laterais das caixas
Colocar telas nas tampas
Transporte deve ser feito do entardecer ao amanhecer
Chegando ao local definitivo, distribuir as colméias no terreno e
Transporte da colméia
Alimentação Artificial
Condições naturais: pólen representa a maior fonte de proteínas,
gorduras, minerais e vitaminas para as abelhas e o néctar
(honeydew) fornecem os açúcares (carboidratos) e minerais.
Juntos compõem dieta básica de manutenção, desenvolvimento e
reprodução da colônia
Escassez de alimento: enfraquece a colméia
Amenizar o problema = alimentação artificial
Alimentos artificiais: 4 categorias: Alimento de subsistência,
Alimento estimulante, Alimento para transporte, Alimento
substituto do pólen e Alimento suplementar ao pólen.
Alimento de subsistência: períodos críticos de escassez de
floradas. Deve ser dado quando o apicultor verificar que na
colméia existe pouco estoque de mel nos favor
Fornecer um xarope de água e açúcar a 50% (1 parte de água
para 1 parte de açúcar ou mel)
Fornecer o xarope em quantidades que a colméia consuma no
máximo em dois dias (fermentação)
Fornecer individualmente, utilizando os alimentadores (modelo
Boardman), sendo colocado no alvado
Alimento estimulante de postura da rainha: períodos em
períodos que antecedem uma boa florada, com o objetivo de
aumentar o número de operárias disponíveis
Fornecido por um período de 15 a 20 dias, 4 a 6 semanas antes
do início da florada
Xarope: 1 parte de água, 1 parte de mel e 1 parte de açúcar
Alimento substituto do pólen e Alimento suplementar ao
pólen
Há vários anos que os pesquisadores tentam produzir um
alimento substituto do pólen
Fórmula que tem dado resultado:
1 parte da mistura proteica (60% de farelo de soja moído e 40%
de fubá de milho)
2 partes de mel ou xarope de açúcar concentrado ( partes de
açúcar, 1 de água)
Colméia com alimentador individual
Modelo Boardman
FIM

Por enquanto . . .
Produtos das Abelhas
Mel