Você está na página 1de 53

FACULDADE SENAI CETIQT

COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO
CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA

INTRODUÇÃO À
ENGENHARIA QUÍMICA

Prof. D. Sc.: Flávia Duta Pimenta


email: fpduta@Hotmail.com
Ementa
 Histórico da engenharia química.
 Química industrial e Engenharia Mecânica.
 Bases legais para a formação.
 Processos químicos industriais e de pesquisa.
 Unidades e Dimensões.
 Princípios de Análise Dimensional. Introdução ao Balanço
de Massa e Energia.
 Conceito de Regime Permanente e Regime Transiente.
 Rendimento e Eficiência
Bibliografia Básica
• BRASIL, N. I. Introdução à Engenharia
Química. 3ª Ed, Ed. Interciência, Rio de
Janeiro, 2017.

• HIMMELBLAU, D. M., RIGGS, J. B.


Engenharia Química: Princípios e
Cálculos, Tradução, 8ª Ed., LTC, 2014.

• FELDER, R. M., ROUSSEAU, R. W.


Princípios Elementares dos Processos
Químicos, Tradução, 3ª Ed., LTC, 2005.
Bibliografia Complementar
• THOMPSON, E. V., CECKLER, W. H. Introduction to Chemical
Engineering, McGraw-Hill, USA, 1977.

• BRASIL, N. I. Sistema Internacional de Unidades. 2ª Ed., Ed.


Interciência, Rio de Janeiro, 2013.

• CREMASCO, M.A. Vale a pena estudar engenharia química, 3ª Ed.,


Ed. Blücher, 2015.

• PERRY, R. H.; CHILTON, C. H. Manual de engenharia química. Rio


de Janeiro: Guanabara Dois, 1980.

• MCCABE, W. L.; SMITH, J. C. Unit operations of chemical


engineering. 3rd Ed, New York: McGraw-Hill, 1976.
O que é Engenharia Química?
 Conceitos importantes:
 O que é ser engenheiro?
 Qual o papel do engenheiro?

O engenheiro aplica conhecimentos empíricos, técnicos e


científicos à criação e à modificação de mecanismos,
estruturas e processos para converter recursos naturais e
não naturais nas formas de matéria e/ou energia em formas
adequadas as necessidades humanas.
Engenharia: É fundamental o domínio da ciência...

• Ampliar o conhecimento para explicar, classificar e


prever fenômenos naturais e não naturais.

• Surgimento da Informática -> elaboração de projetos


mais complexos ou de um processo real em um
universo virtual.
Ex: nanotecnologia e o desenvolvimento da engenharia
de chip.
Necessidade do mundo / Expectativas da sociedade

A responsabilidade profissional engloba um somatório de


fatores:
• Fatores de característica individual (pessoal);
• Fatores ligados à técnica, às leis, à ética e à sociedade.

“As habilidades técnicas, humana e conceitual devem contribuir para o


aprimoramento e desenvolvimento da humanidade, e conservar a vida
em toda a sua amplitude.”
Característica da Engenharia

• Domínio da ciência;
• Necessidade de interação do profissional com o universo:
gestão de processos, produtos e pessoas.

Engenharia Domínio de ferramentas de gestão


Habilidades necessárias ao Engenheiro

“O novo engenheiro não deve ser apenas competente,


mas ter consciência crítica, capaz de atuar na
transformação social”.

HABILIDADE CONCEITUAL
HABILIDADE TÉCNICA
HABILIDADE HUMANA
Habilidades necessárias ao Engenheiro

Conceitual - Ideias

PROFISSIONAL

Técnicas - SISTÊMICO Humana -


Coisas pessoas
Competências do Engenheiro
 A Legislação Brasileira estabelece como competências do
Engenheiro, dentre outras atividades:

• Aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e


instrumentais;
• Projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados;
• Conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos;
• Identificar, formular e resolver problemas;
• Supervisionar a operação e manutenção de sistemas;
• Atuar em equipes multidisciplinares;
• Avaliar a viabilidade econômica de projetos de Engenharia;
• Assumir a postura de atualização profissional.
Perfil desejado ao do Engenheiro

“Formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, e ser


capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias,
estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação
e resolução de problemas, considerando aspectos políticos ,
sociais, ambientais e culturais para atender às demandas da
sociedade”.
Conclusões: Engenharia atua na vida das pessoas

 Não há divisão do humanista e do técnico;


 Ser humano – não significa abrir mão das
habilidades específicas e convicções pessoais;
 Trabalhar para manter o planeta vivo para as futuras
gerações;
 Ter capacidade gerencial para atuar em processos e
produtos, bem como para lidar com pessoas, é
fundamental ao engenheiro.
I – Histórico da Engenharia Química
 Todos nós sabemos a origem e
o porquê de nossos nomes,
mas você sabe o motivo do
surgimento do seu curso?
 Além de estudar todos os
cálculos e reações, saber a
razão da implantação da
Engenharia Química é
entender o nosso papel social.
 Vamos voltar um pouco ao
tempo?
I – Histórico da Engenharia Química
 Com a revolução industrial iniciada na Inglaterra no século
XVIII, certos produtos químicos como ácido sulfúrico,
carbonato de sódio e potássio passaram a ser
constantemente requisitados em escala industrial para a
produção de têxteis, vidros, sabão, entre outros.

 No período não haviam profissionais especializados nem


técnicas eficazes para elaboração dos mesmos,
concomitantemente existiam pressões econômicas que
exigiam cada vez mais o desenvolvimento e modernização da
indústria química a fim de evitar a sua falência.
I – Histórico da Engenharia Química
 Nas primeiras décadas do século XIX iniciou-se a efetiva
implantação da indústria química com a invenção do Processo
Le Blank para a transformação do sal marinho em soda
(Nicholas Le Blank, 1810); do Processo Solvay, processo mais
direto que substituiu o Processo Le Blank porém sendo
utilizado em escala industrial apenas 60 anos mais tarde (A. J.
Fresnel,1811) e do processo da Torre de Glover – criado para
reutilizar o nitrato perdido para a atmosfera durante a
produção de ácido sulfúrico.
I – Histórico da Engenharia Química
 Nesse período, entretanto, a indústria química era operada
por engenheiros mecânicos com experiência ou
conhecimentos de processos químicos, mas sem formação
técnica na área.

 Por outro lado, os desenvolvimentos laboratoriais eram de


responsabilidades dos químicos. Além desses, os inspetores
de segurança tiveram um papel essencial na prevenção de
acidentes, que na época eram frequentes.
I – Histórico da Engenharia Química
 Um desses inspetores, George Davis (Britânico,1880), foi o
primeiro a identificar a necessidade do surgimento de uma
nova profissão ligada a indústria química.
 Assim, aos estudantes que finalizaram um conjunto de doze
aulas ministradas por ele na “Manchester Technical School”
foram denominados Engenheiros Químicos.
 Esta definição não foi bem aceita pela comunidade acadêmica
e demais engenheiros, sendo apenas em 1888 que nasceu
efetivamente o curso de engenharia química, na época
denominado “Course X”, na universidade americana
“Massachussets Institute of Technology – MIT”.
I – Histórico da Engenharia Química
 Em 1891, nessa mesma universidade, sete pessoas receberam
o diploma de engenheiros químicos, sendo que o primeiro a
receber o título foi William Page Bryant (MIT, Course X).

 Já na Europa, o curso de engenharia química iniciou-se
apenas em meados de 1920 na “Imperial College of London”
e na “University College of London”.

 Na Alemanha apenas em 1950 o curso se desvinculou da


engenharia mecânica.
I – Histórico da Engenharia Química
 Em alguns países o surgimento da graduação foi decorrente
da pressão da própria indústria, como ocorreu com a criação
de um Departamento de Engenharia Química na Universidade
de Cambridge, em 1945, patrocinado pela Shell.
 No Brasil, o primeiro curso de engenharia química surgiu em
1925 na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.
 Atualmente, de acordo com dados recentes do MEC, há no
país entre as universidades públicas e privadas,
175 instituições de ensino credenciadas que oferecem o
curso de engenharia química.
I – Histórico da Engenharia Química
 Ao longo de todos estes anos o ensino da engenharia química
sofreu e ainda sofre mudanças:
 desenvolvimento dos reatores operados em modo contínuo
(em oposição aos reatores em batelada);
 recuperação e reciclagem dos reagentes em excesso assim
como tratamento dos efluentes;
 surgimento do conceito de operações unitárias evidenciando
que cada processo pode ser considerado formado por unidades
menores, baseados em processos físico-químicos comuns.
I – Histórico da Engenharia Química
 Ademais, com o avanço da informática os projetos e
operações são cada vez mais automatizados exigindo maiores
conhecimentos na área.
 A modelagem de processos passou a ser peça chave na
indústria pois a simulação com auxílio de recursos
computacionais permite prever o comportamento interno e
externo de uma indústria, dentre outras mais.
I – Histórico da Engenharia Química
 Dessa maneira, vemos o quão importante é a nossa profissão
para a sociedade, sendo que há aproximadamente três
séculos esta necessidade foi fundamentada com pressões da
própria indústria e consequente criação do curso.
 A área ainda sofre contínuas transformações e nós, futuros ou
já engenheiros químicos, temos como papel acompanhar tais
mudanças e buscar alternativas a fim de aprimorar e diminuir
os impactos gerados pelas indústrias e seus resíduos e
efluentes.
“Engenheiros químicos, orgulhemo-
nos de sermos reconhecidos e
requisitados a anos”.
II - A profissão do Engenheiro Químico
A engenharia química serve a humanidade por meio:
• da pesquisa,
• do desenvolvimento de novos processos e produtos,
• do projeto,
• da construção e,
• da operação de plantas industriais
para fabricação de produtos químicos de utilidade para
as pessoas.
A engenharia química é uma especialidade da engenharia
com forte dependência na química bem como na Física e na
Matemática.
 Se a Engenharia Química pudesse ser definida em apenas
uma palavra esta certamente seria "transformação".

 A Engenharia Química é
o ramo da Engenharia
responsável pela
transformação na
composição, estado
físico ou conteúdo
energético de matérias
primas em uma série de
produtos úteis ao ser
humano.
 O Instituto Americano de Engenheiros Químicos
(AICHE) define a Engenharia Química como a
"área/profissão que se dedica à concepção,
desenvolvimento, dimensionamento, melhoramento
e aplicação dos Processos e dos seus Produtos. Neste
âmbito inclui-se a análise econômica,
dimensionamento, construção, operação, controle e
gestão das Unidades Industriais que concretizam
esses Processos, assim como a investigação e
formação nesses domínios".
Como será a engenharia química nos próximos vinte ou
trinta anos?

É difícil responder a esta pergunta, mas com


certeza, pode-se afirmar que independente de
qualquer coisa, a engenharia química deverá obedecer
às leis da física e da química.
III - A Indústria Química
 Conjunto de etapas com modificações na composição química
ou alterações de propriedades físicas ou físico-químicas.
O que é uma propriedade?
 É um atributo ou uma característica do material que pode
ser medido ou calculado.
 Esse conjunto de etapas químicas e físicas é chamado de
processamento
Engenheiro químico = Engenheiro de processamento ou
Engenheiro de processos
IV - O Engenheiro Químico
• As etapas necessárias para a produção do bem;
Define: • A ordem que as etapas devem estar configuradas;
• Condições para a realização de cada etapa.

Etapas químicas Ocorrem nos reatores

• Ocorrem em diversos equipamentos;


• Geralmente são em maior número;
Etapas físicas • Geralmente tomam maior tempo do
engenheiro;
• Principalmente na etapa de purificação do
bem final.
IV - O Engenheiro Químico
 Precisa conhecer os equipamentos onde ocorrem as etapas
físicas e químicas;
 Interface com outros ramos da engenharia, principalmente a
mecânica.
Cabe ao engenheiro químico
• Dimensionar os equipamentos
• Especificar os tipos de acessórios internos
• Definir as características dos materiais do equipamento em
função da provável ação corrosiva das substâncias do
processo.
• Especificar a potência dos equipamentos de transporte de
fluidos.
IV - O Engenheiro Químico
Ferramentas importantes para o exercício da profissão:

Matemática: Solução de equações diferenciais.


Solução de equações diferenciais.
Métodos iterativos e tediosos pela solução
Informática: manual.
Simuladores de processo (estáticos e
dinâmicos)
Análise econômica e financeira do investimento .
Além da competência técnica, para ter sucesso um engenheiro
químico deve desenvolver as seguintes características (se não as tiver):
 Habilidade para realizar o trabalho.
• Nem sempre todos os dados necessários para a solução de um problema
estão disponíveis.
 Comunicabilidade (relações interpessoais)
• Defesa clara e lógica dos métodos usados para chegar ao resultado
para convencer os supervisores.
• Comunicações escritas ou orais são ferramentas importantes.
• Fracassos por essas falhas são mais frequentes do que treinamento
técnico deficiente.
• O envolvimento dos operadores é fundamental para o sucesso do
trabalho, devido ao conhecimento tácito que eles possuem.
 Iniciativa (proatividade).
• Não esperar que o que deve ser feito venha sempre do
supervisor.
• Sugerir novas atividades ou métodos.
• Procurar soluções para a melhoria da eficiência dos
equipamentos e do processo como um todo.

 Vontade de manter-se atualizado


• Com os novos desenvolvimentos tecnológicos.
• Com as novas ferramentas (principalmente de informática).
• Participar de Seminários nacionais e internacionais (se
possível).
• Voltar à Universidade se necessário.
V - Conceitos Básicos da Engenharia Química
 Operação Contínua
• Principalmente para processos de grande capacidade.
• Se espera que o desempenho do processo seja o
mesmo em qualquer momento, desde que as condições
operacionais sejam mantidas constantes.
• Para isso, é necessário a instalação de sistemas de
controle automático de processos que, apesar das
perturbações inerentes ao processo, tentarão conduzi-lo à
estabilidade, a fim de manter a qualidade dos produtos.
V - Conceitos Básicos da Engenharia Química
 Operação descontínua (ou em batelada)

• Processos de baixa capacidade.


• Processo corrosivo muito acentuado ou por outra
conveniência (custo, número de operadores, etc).
V - Conceitos Básicos da Engenharia Química
 Regime permanente (ou estado estacionário)
• As condições operacionais em um dado ponto do
processo não variam com o tempo.
• É claro que as condições operacionais variam ao
longo processo.
 Regime transiente (ou estado não estacionário)
• As condições operacionais em um dado ponto do
processo variam com o tempo.
• A análise desse tipo de operação é mais complexa. É
necessária a modelagem dinâmica do processo.
 Vazão
• Razão entre a quantidade de um fluido que escoa
através de uma tubulação ( ou do dos equipamentos
de processo) e o tempo.
• Taxa é um termo equivalente. Mais usual para
energia.
• Três tipos de vazão: mássica, volumétrica ou molar.
• Normalmente se mede a vazão volumétrica e
eventualmente a vazão mássica
• A vazão molar e a vazão mássica são calculadas a
partir da vazão volumétrica a partir de propriedades do
fluido.
V - Conceitos Básicos da Engenharia Química
 Escoamento paralelo e contracorrente
• Operações de transferência de massa (contato direto) e
de energia (contato indireto).
 Operações Unitárias
1. Transporte de fluidos ( mecânica dos fluidos)

Compressor axial
 Operações Unitárias
2. Transferência de calor

•Trocador
casco-tubo

•Trocador
de placas
 Operações Unitárias
3. Agitação e mistura

•Vaso com agitador


 Operações Unitárias
4. Operações de separação
•Misturas heterogêneas
• 4.1 Filtração
•Remoção de sólidos dispersos em gás ou líquido

•Filtro de areia (usual em tratamento de água)


 Operações Unitárias
4.2. Absorção (misturas gasosas)

• Torre ou coluna de
absorção

• Representação esquemática
 Operações Unitárias
4.3. Extração (misturas líquidas)

•Torre ou coluna de extração (


tipo dispersão )
 Operações Unitárias
4.4. Adsorção (misturas gasosas ou líquidas)

• Representação esquemática
• Torre adsorvedora de carvão ativo
 Operações Unitárias
4.5. Secagem (normalmente de sólidos)

•Secador de bandejas descontínuo


 Operações Unitárias
4.6. Umidificação (inverso da secagem)

• Torre de resfriamento de água


 Operações Unitárias
4.6. Umidificação (inverso da secagem)

• Representação esquemática
 Operações Unitárias
4.7 Evaporação

• Evaporador de triplo efeito


 Operações Unitárias
4.8. Destilação

• Torre de destilação • Representação esquemática


O processo químico
• Fluxograma simplificado do processo de produção de amônia
• Diagrama de blocos do processo de produção de amônia

• Caixa preta do processo de


produção de amônia