Você está na página 1de 13

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE-UERN

Campus Avançado Prof.ª Maria Elisa de Albuquerque Maia- CAMEAM


Programa de Pós-Graduação em Letras
Disciplina: Seminário de Pesquisa
Prof. Dr. Manoel Freire

AS REPRESENTAÇÕES DA IDENTIDADE
FEMININA EM CONTOS DE FADAS DE
MARINA COLASANTI

Nathalia Bezerra da Silva Ferreira


Orientadora: Prof.ª Dra. Verônica Maria de Araújo Pontes
 TEMA:
A representação feminina nos contos de fadas de Marina
Colasanti.

 DELIMITAÇÃO DO TEMA:
Estudo comparativo da representação feminina nos
primeiros e nos mais recentes contos de fadas de
Marina Colasanti.
INTRODUÇÃO

 Literatura infanto-juvenil;

 Marina Colasanti;

 Nova perspectiva dos contos de fadas


Objetivos
Geral
Analisar a construção da identidade feminina em contos de
fadas de Marina Colasanti
Específicos
a) Identificar em quais aspectos Marina Colasanti
aproxima suas personagens dos ideais propostos pelo
Movimento Feminista;
b) Analisar os primeiros e os mais recentes contos de fadas
de Marina Colasanti a fim de identificar possíveis
mudanças da representação feminina, no que diz
respeito à construção de identidade nas últimas décadas.
c) Compreender a evolução da identidade feminina nos
contos de fadas de Marina Colasanti.
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

 Teoria do Conto
Poe (1999), Cortázar (2006) e Batella (1995).

 Fantástico/Maravilhoso
Todorov (2010), Propp (2010), Pontes (2012).

 Conto de Fadas (Psicanálise)


Bettelheim (2014), Estés (1994),Coelho (2003),
Corso e Corso e (2006).
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
 Crítica feminista
Beauvoir (1949), Friedan (1971), Nye (1995), Hooks (1984,
2000) Perrot (2005, 2008) .

 Feminismo no Brasil
Saffioti (2013), Goldenberg e Toscano (1992), Auad (2003),
Teles (2003) e Priore (2009).
 Identidade
Baumam (2005), Hall (2011) e Zinani (2006).
 Pesquisas prévias
Dodo (2010), Relação com os clássicos;
Paulino (2014) mecanismos de construção de identidade.
METODOLOGIA
 Corpus
Uma ideia toda azul (1979): “Sete anos e mais
sete” e “Além do bastidor”
Doze reis e a moça no labirinto do vento (1999):
“A moça tecelã” e “Doze reis e a moça no vento”.
Quando a primavera chegar (2015): “Na palma da
mão” e “De nome Filhote”.

 Feminismo
 Psicánalise
 Organização do Trabalho:
1. Teoria do conto;
2. Movimento de mulheres;
3. Marina Colasanti e aspectos de sua obra;
4. Análise comparativa dos contos selecionados.

Tipo de pesquisa:
Qualitativa e Bibliográfica.
SUMÁRIO

I CONTANDO SOBRE OS CONTOS DE FADAS..............................................................


1.1 O fantástico literário .....................................................................................................
1.2 O conto de fadas e seu encantamento......................................................................
1.3. Um passeio da psicanálise nos contos de fadas...........................................................
II MOVIMENTO DE MULHERES E FEMINISMOS: CAMINHOS E TENDÊNCIAS
CONTEMPORÂNERAS........................................................................................................
2.1 O ser feminino: balanço da condição da mulher..............................................................
2.2 Beauvoir e o feminismo francês.......................................................................................
2.3 Friedan e a denúncia da condição da mulher norte-
americana...............................................................................................................................
2.4 Feminismos no Brasil: breve histórico..............................................................................
2.5 Novas perspectivas de Hooks e Haraway........................................................................
3. MARINA COLASANTI: AUTORA MÚLTIPLA.....................................................................
3.1 De Perrault a Colasanti: percursos da literatura infanto-juvenil
3.2Colasanti e a crítica de sua obra......................................................................................
3.2 Relações da autora com a sua obra................................................................................
4. A EVOLUÇÃO DA IDENTIDADE FEMININA EM MARINA COLASANTI…......................
4.1 “Sete anos e mais sete” .................................................................................................
4.2 “Além do bastidor”...........................................................................................................
4.3 “Doze reis e a moça no labirinto do vento”.....................................................................
4.4 “A moça tecelã”...............................................................................................................
4.5 “De nome Filhote”...........................................................................................................
4.6 “Na palma da mão”.........................................................................................................
4.7 Caminhos do feminino no mundo maravilhoso de Marina Colasanti…..........................
CONCLUSÕES....................................................................................................................
REFERÊNCIAS ...................................................................................................................
REFERÊNCIAS
 AUAD, Daniela. Feminismo que história é essa. Rio de Janeiro: DP&A,2003.
 BAUMAN, Zigmund. Identidade. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.
 BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo v. 2 São Paulo: Círculo do Livro,
1949.
 BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.
 BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Tradução de Arlene
Caetano. São Paulo: Paz e Terra, 2014.
 BONIATTI, Ilva Maria Bertola. Literatura comparada: Memória e região.
Caxias do Sul: EDUCS, 2000.
 COELHO, Nelly Novaes. O conto de fadas. 1ª Ed. São Paulo: DCL Difusão
Cultural, 2003.
 COLASANTI, Marina. A nova mulher. Rio de Janeiro: Nórdica, 1980.
 COLASANTI, Marina. Doze reis e a moça no labirinto do vento. São Paulo:
Global Editora, 1999.
 COLASANTI, Marina. Mais de 100 histórias maravilhosas. São Paulo: Global
Editora, 2015.
 COLASANTI, Marina. Mulher daqui pra frente. Rio de Janeiro: Nórdica,
1981.
 CORTÁZAR, Julio. Alguns aspectos do conto. In: Valise de cronópio. Tradução
de Davi Arrigucci Jr. e João Alexandre Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 2006.
 DODO, Marlúcia Nogueira do Nascimento. De fadas e princesas: afetos
femininos em Marina Colasanti.2010. 132f. Dissertação. (Mestrado em Letras)
Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2010.
 ESTÉS, Clarissa Pinkola. Mulheres que correm com os lobos: mitos e histórias
do arquétipo da mulher selvagem. Tradução de Waldéa Barcellos. – Rio de Janeiro,
1994.
 FRIEDAN, Betty. Mística feminina. Rio de Janeiro: Editora Vozes Limitada,
1971.
 GOLDENBERG, Mirian; TOSCANO, Moema. A revolução das mulheres. Rio de
Janeiro: Revan,1992.
 GOTILIB, Nádia Battella. Teoria do Conto. 7ª Ed. São Paulo: Editora Ática, 1995.
 GRIMM, Jacob. Contos dos irmãos Grimm. Rio de Janeiro: Rocco, 2005.
 HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11ª.ed.Trad. Tomaz
Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.
 HARAWAY, Donna; KUNZRU, Hari. TOMAZ, Tadeu. Antropologia do
ciborgue: as vestigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.
 HOOKS, Bell. Feminism is for everybody: Passionate politics. Pluto Express,
2000.
 Hooks, Bell. (1984). Feminist Theory, from Margin to Center. Boston: South
end Press.
 LAJOLO, Marisa e ZILBERMAN, Regina. A literatura infantil brasileira –
História e histórias. São Paulo: Ática, 1985.

 MACHADO, Ana Maria. Como e por que ler os clássicos universais desde cedo.
Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

 MARIA, Luzia de. O que é conto. São Paulo: Brasiliense, 2004.

 MONTEIRO. Maria Aparecida de Araújo. Tema e teimas: o discurso feminino e


feminista de Marina Colasanti. 2009, 104f. Dissertação (Mestrado em Letras) Centro
de Ciências Humanas e Naturais da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória,
2014.

 NYE, Andrea. Teoria feminista e as filosofias do homem. Tradução de Nathanael


C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, 1995.

 PAULINO, Simone Campos. Nos fios das narradoras: tramas e urdiduras do


feminino nos contos de fadas de Angela Carter e Marina Colasanti. 2014, 84f.
Dissertação (Mestrado em Teoria da Literatura e Literatura Comparada) - Instituto de
Letras, Universidade do estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

 PERRAULT, Perrault. Contos de Mamãe Gansa. Tradução de Ivone C. Benedetti.


Porto Alegre: L&PM POCKET, 2012.
 PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios na história. Tradução de Viviane Ribeiro.
Bauru: EDUSC, 2005.

 PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Tradução de Angela M. S. Corrêa. São
Paulo: Contexto,2008.

 POE, Edgar Allan. A filosofia da composição IN Poemas e Ensaios. Trad. Oscar Mendes e
Milton Amado. São Paulo: Globo, 1999.

 PONTES, Verônica Maria de Araújo. O fantástico e maravilhoso mundo literário infantil.


Curitiba: CVR, 2012

 PRIORI, Mary Del. (org.) História das mulheres no Brasil. 9ª Ed. São Paulo: Contexto,
2009.

 PROOP, Vladimir Iakovlevitch. Morfologia do conto maravilhoso. Tradução de Jasna


Paravich. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

 RODRIGUES, Selma Calasans. O Fantástico. São Paulo: Ática, 1988.

 SAFFIOTI, Heleieth I B. A mulher na sociedade de classes: Mito e Realidade. São Paulo:


Expressão Popular, 2013.

 TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo:
Brasiliense,2003.

 ZINANI, Cecil Jeanine Albert. Literatura e gênero: a construção da identidade feminina.


Caxias do Sul: Educs, 2006.