Você está na página 1de 81

AULA 05 – ISOLAMENTO ACÚSTICO

ENG. JOSEF WAGNER


Fonte: adaptado de ProAcústica

CONFORTO ACÚSTICO

 A acústica estuda os fenômenos do som e sua interação com


nossos sentidos para minimizar as condições desfavoráveis, como
ruídos, buscando:
 Eliminar/reduzir ao máximo os ruídos que podem comprometer
a audição;
 “Controlar” os sons, evitando interferências excessivas (ecos,
reverberações, etc.), garantindo entendimento perfeito entre
ouvinte e locutor.
Fonte: adaptado de ProAcústica

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

Natureza do som
 Som é uma onda mecânica e depende de quatro fatores:
 Fonte: excitação mecânica da superfície - inicia a perturbação.
 Superfície: quando excitada pela fonte produz vibrações;
 Meio de propagação: caminho físico do som – sólido, líquido ou
gasoso;
 Receptor: o de maior interesse, na acústica é o homem.
Fonte: adaptado de ProAcústica

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

O som se propaga por movimentos oscilatórios - molécula oscila em seu


ponto original – e causa regiões de condensação e rarefação (a pressão
varia). A perturbação da superfície (fonte primária) desencadeia
movimentos oscilatórios sucessivos no meio (fonte secundária), até
chegar ao receptor. Facilitando o estudo do comportamento de ondas
sonoras, convenciona-se:
 Frente de onda - “linha” que une pontos de mesma fase (rarefação ou
compressão). Esférica próxima à fonte e plana quando afastada;
 Raio sonoro -consiste em uma linha imaginária perpendicular à frente
de onda que determina a direção da frente de onda
Fonte: adaptado de ProAcústica

CONCEITOS FUNDAMENTAIS
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECEPÇÃO DO SOM PELO OUVIDO HUMANO

A função do sistema auditivo é transformar ondas mecânicas do som em


impulsos elétricos (entendíveis ao cérebro), e é formado por três partes:
 O ouvido externo: pavilhão (“concha acústica” cartilaginosa), que
capta os sons encaminhado pelo canal auditivo até o tímpano;
 O ouvido médio: tímpano (membrana) vibra e transmite a energia
para os ossículos martelo, bigorna e estribo, nesta ordem, reduzindo a
amplitude da onda e intensificando a energia para o ouvido interno;
 O ouvido interno: membrana tubular (caracol), preenchida de líquido
que transmite a energia vibratória às células, e estas mandam estímulos
eletroquímicos ao cérebro pelo nervo auditivo.
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECEPÇÃO DO SOM PELO OUVIDO HUMANO


Fonte: adaptado de ProAcústica

SOM X RUÍDO

 Distinguimos dois tipos de som, pela agradabilidade ou desconforto: o som


musical e o ruído; ou ainda pelas características físicas.
 Ruídos podem incomodar (percepção subjetiva) ou danificar imediata e
irreversivelmente o ouvido, conforme o tempo e intensidade de exposição.
Fonte: adaptado de ProAcústica

RESPOSTA DA COMUNIADADE
Fonte: adaptado de ProAcústica

RESPOSTA DA COMUNIADADE
Fonte: adaptado de ProAcústica

NÍVEL E PRESSÃO SONORA


Fonte: adaptado de ProAcústica

NORMATIVA

• ABNT NBR 15575-1:2013 Edificações


habitacionais - Desempenho Parte 1:
Requisitos gerais (Anexo E5)
• ABNT NBR 15575-6:2013 Edificações
habitacionais - Desempenho Parte 6:
Requisitos para os sistemas hidrossanitários
(Anexo B1)
Fonte: adaptado de ProAcústica

INSTALAÇÕES PREDIAIS

• É recomendável que as instalações e


equipamentos prediais, assim como os sistemas
hidrossanitários, não produzam níveis de
pressão sonora elevados no interior dos
dormitórios. Os requisitos de níveis de ruído
para estes sistemas são informativos (não
obrigatórios).
Fonte: adaptado de ProAcústica

INSTALAÇÕES PREDIAIS
Fonte: adaptado de ProAcústica

REQUISITOS

• A NBR 15575-1 (E.5.2) e NBR 15575-6 (B.1.2) estabelecem os limites de


ruído em dormitórios para instalações e equipamentos prediais, assim
como para sistemas hidrossanitários, classificados em três níveis de
desempenho informativos, Mínimo (M), Intermediário (I) e Superior (S).

• Existem requisitos tanto para os ruídos integrados durante um período


de tempo correspondente ao ciclo de operação do equipamento
(Laeq,nt) como para os níveis sonoros máximos produzidos instantâneos
(Lasmax,nt). Recomenda-se que sejam observados simultaneamente para
atender a um nível de desempenho.
Fonte: adaptado de ProAcústica

REQUISITOS
Fonte: adaptado de ProAcústica

MEDIÇÃO DO RUÍDO DE INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS PREDIAIS


E SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS

A metodologia de medição especificada nas normas ISO 16032 e


ISO 10052 está baseada na medição dos níveis de pressão sonora
no interior do dormitório, com o equipamento ligado. O tempo
de medição será de:
• 30 segundos para equipamentos que gerem ruídos contínuos e
uniformes (climatização, bombas, etc.)
• Um ciclo completo de funcionamento (definido no Anexo B da
ISO 16032) para equipamentos que gerem ruídos descontínuos
(elevadores, descargas hidráulicas, etc.)
Fonte: adaptado de ProAcústica

MEDIÇÃO DO RUÍDO DE INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS PREDIAIS


E SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS
Fonte: adaptado de ProAcústica

SISTEMAS DE PISOS

Os requisitos de isolamento acústico deste capítulo são relativos à: ABNT


NBR 15575-3:2013 Edificações habitacionais - Desempenho Parte 3:
Requisitos para os sistemas de pisos
Fonte: adaptado de ProAcústica

INTRODUÇÃO

Os sistemas de pisos, que separam unidades habitacionais autônomas em


diferentes andares, devem garantir um desempenho adequado de
isolamento acústico aéreo (conversações, TV, música, etc.) e de isolamento
acústico ao ruído de impacto (passos, queda de objetos, arrastar de móveis,
etc.).
Fonte: adaptado de ProAcústica

INTRODUÇÃO
Os sistemas de pisos estão compostos pelos seguintes elementos:
Camada estrutural: 1. Laje: Diversas morfologias: pré-moldada (concreto, EPS,
cerâmica, etc.), ou concreto armado “in loco”. Seu desempenho de isolamento ao
ruído aéreo (Dnt,w) e de impacto (L’nt,w) dependem das suas propriedades
(densidade, espessura, dimensões e características estruturais de contorno).
Elementos opcionais: 2
. Contrapiso:
• Normal de argamassa de cimento/areia.
• Contrapiso flutuante: Interpondo um material resiliente entre a laje e o
contrapiso, o que melhora consideravelmente o isolamento ao ruído aéreo e de
impacto da laje, podendo-se atingir índices Intermediário ou Superior, dependendo
da tipologia.
Fonte: adaptado de ProAcústica

REQUISITOS
Fonte: adaptado de ProAcústica

REQUISITOS
Fonte: adaptado de ProAcústica

NOTAS
Fonte: adaptado de ProAcústica

TRANSMISSÃO DE RUÍDO DE IMPACTO


Fonte: adaptado de ProAcústica

TRANSMISSÃO DE RUÍDO AÉREO


Fonte: adaptado de ProAcústica

TRANSMISSÃO DE RUÍDO AÉREO


Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

SISTEMAS DE VEDAÇÕES VERTICAIS INTERNAS | PAREDES


Fonte: adaptado de ProAcústica

SISTEMAS DE VEDAÇÕES VERTICAIS INTERNAS | PAREDES


Fonte: adaptado de ProAcústica

SISTEMAS DE VEDAÇÕES VERTICAIS INTERNAS | PAREDES


Fonte: adaptado de ProAcústica

REQUISITOS
Fonte: adaptado de ProAcústica

NOTAS
Fonte: adaptado de ProAcústica

TABELA F11
Fonte: adaptado de ProAcústica

TABELA F12
Fonte: adaptado de ProAcústica

TRANSMISSÃO DE RUÍDO AÉREO


Fonte: adaptado de ProAcústica

PROJETO ACÚSTICO
Fonte: adaptado de ProAcústica

DESEMPENHO
Fonte: adaptado de ProAcústica

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO
Fonte: adaptado de ProAcústica

MEDIÇÃO
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
Fonte: adaptado de ProAcústica

RECOMENDAÇÕES
TIPOS DE ISOLAMENTO ACÚSTICO

Ruído de impacto:

Este é um ruído que nós mesmos causamos no interior da casa movendo


objetos, abrindo ou fechando portas, etc. este som bate na estrutura da nossa
casa convertendo-se num foco sonoro. Um problema que geralmente deve-se à
rigidez dos materiais construtivos. Para solucionar este fato, temos que
usar materiais elásticos, no interior da casa, que amorteçam a vibração. À
continuação, deixamos uma série de produtos que podem ser usados para paliar
este problema:
1.Polietileno de 5 e 10 mm de espessura.
2.Poliestireno expandido elástico.
3.Borracha.
4.Cortiça aglomerada.
TIPOS DE ISOLAMENTO ACÚSTICO

Ruído de impacto:

Este é um ruído que nós mesmos causamos no interior da casa movendo


objetos, abrindo ou fechando portas, etc. este som bate na estrutura da nossa
casa convertendo-se num foco sonoro. Um problema que geralmente deve-se à
rigidez dos materiais construtivos. Para solucionar este fato, temos que
usar materiais elásticos, no interior da casa, que amorteçam a vibração. À
continuação, deixamos uma série de produtos que podem ser usados para paliar
este problema:
1.Polietileno de 5 e 10 mm de espessura.
2.Poliestireno expandido elástico.
3.Borracha.
4.Cortiça aglomerada.
LÃ DE ROCHA

Produzida a partir de rochas vulcânicas chamadas diábase,


é resistente ao fogo. Considerada excelente isolante
térmico, permite elevado índice de absorção acústica.
Indicada para forros, paredes de drywall, pisos flutuantes,
coberturas e para revestir dutos de ar condicionado. O
material flexível está disponível nos formatos manta, painel,
feltro, flocos e tubo.
LÃ DE ROCHA
LÃ DE ROCHA
LÃ DE PET

Produzida a partir da reciclagem de garrafas plásticas,


com forte apelo sustentável. Resistência ao fogo
aceitável para áreas comerciais e residências. Tem
bom desempenho termoacústico. Fabricado em
diferentes densidades, formatos e dimensões, associa-
se a estruturas metálicas e pisos de escritórios,
indústrias, galpões, teatros, auditórios, residências,
hospitais, escolas e universidades.
LÃ DE PET
LÃ DE PET
LÃ DE PET
ESPUMAS ACÚSTICAS

Há espumas de poliuretano, que recebem


aditivos para retardar o alastramento do fogo e
reduzir a produção de fumaça tóxica. Outras
espumas acústicas especiais, fabricadas a partir
de melamina, são quase incombustíveis, ou têm
baixíssimos índices de produção de fumaça
tóxica.
ESPUMAS ACÚSTICAS
BORRACHAS SINTÉTICAS

As borrachas sintéticas são utilizadas nos pisos


para absorver ruídos de impacto. Fabricadas a
partir de pneus reciclados, têm apelo
sustentável.
BORRACHAS SINTÉTICAS
PAINEL WALL

É composto por duas camadas de placas


cimentícias, sem adição de amianto, com miolo
em madeira. De bom desempenho acústico, é
normalmente aplicado nos pisos de mezaninos
de lojas e combinado com borrachas sintéticas,
nos flutuantes. Também usado para isolamentos
acústicos de máquinas.
PAINEL WALL
LÃ DE VIDRO

Embora seja mais indicada para isolamento térmico, a lã de


vidro também apresenta bom desempenho no tratamento de
ruídos.
O produto pode ser encontrado em rolos e painéis com
diferentes espessuras e densidades. O isolamento com lã de vidro
é leve, incombustível e fácil de manusear. O material não pode ser
destruído pela ação de roedores e, portanto, não apodrece e nem
deteriora. Assim como as outras lãs citadas, a lã de vidro não
favorece a proliferação de fungos e bactérias e por isso não perde
sua capacidade isolante com o passar do tempo.
LÃ DE VIDRO
PAINEL ACÚSTICO
O QUE CONSIDERAR ? O CLIENTE
A maioria dos profissionais aproveita para tratar do isolamento
térmico e acústico em um único projeto. Sabendo disso, é
importante que você converse com o cliente para definir qual
técnica será priorizada no ambiente a ser trabalhado. Com base na
prioridade do projeto, é possível escolher o material que atingirá os
níveis adequados de conforto térmico e acústico. Para chegar a
essa etapa, é preciso que o engenheiro analise o ambiente e
especifique os níveis térmicos e acústicos desejados. Esse cuidado
com a definição de prioridades e com as especificações também é
importante para orientar a aquisição dos produtos. Assim,
fornecedores de materiais de isolamento poderão indicar o melhor
O QUE CONSIDERAR ? NO PROJETO

instalação de materiais de isolamento é mais trabalhosa nas edificações


prontas porque demanda reformas para abertura de paredes e outros
elementos construtivos. E é justamente para evitar esse retrabalho que
muitos profissionais indicam o tratamento acústico e térmico antes da
finalização de um ambiente.
Nos sistemas Drywall e Steel Frame a parede se estrutura como um
sanduíche: placas de gesso são colocadas por dentro de uma estrutura de
aço revestida por placas externas. A vantagem desse modelo construtivo é
que a parede não fica condicionada ao material usado, o que permite
alterar o tipo de isolamento em caso de necessidade.
O QUE CONSIDERAR ? OS MATERIAIS

instalação de materiais de isolamento é mais trabalhosa nas edificações


prontas porque demanda reformas para abertura de paredes e outros
elementos construtivos. E é justamente para evitar esse retrabalho que
muitos profissionais indicam o tratamento acústico e térmico antes da
finalização de um ambiente.
Nos sistemas Drywall e Steel Frame a parede se estrutura como um
sanduíche: placas de gesso são colocadas por dentro de uma estrutura de
aço revestida por placas externas. A vantagem desse modelo construtivo é
que a parede não fica condicionada ao material usado, o que permite
alterar o tipo de isolamento em caso de necessidade.
O QUE CONSIDERAR ? FERRAMENTAS E EPI’S

O cuidado com o manuseio de produtos é fundamental para preservar a


saúde dos funcionários responsáveis pelo serviço.
A luva de proteção está na lista das ferramentas utilizadas durante a
instalação da maioria dos isolamentos térmicos e acústicos.
Independentemente do material escolhido, vale sempre verificar as
orientações do fabricante para executar o trabalho com total segurança.
A lã de rocha, por exemplo, é um produto que solta fluídos no ambiente e
que por isso demanda o uso de máscara e EPIs específicos.
O QUE CONSIDERAR ? AFERIÇÃO
Os materiais usados no isolamento térmico e isolamento
acústico de ambientes são bastante duráveis. As lãs de PET, de
vidro e de rocha, por exemplo, são produtos minerais e
inorgânicos que não deterioram com o passar do tempo.
Quando aplicados em estruturas de construção a seco, os
materiais de isolamento podem durar ainda mais. Só o
sistema Steel Frame já tem uma garantia de 20 anos que permite
um longo período sem necessidade de manutenção.
O QUE CONSIDERAR ? TENDÊNCIAS DE MERCADO
O setor da construção civil sempre se beneficia com o desenvolvimento
de novas tecnologias e materiais. Nesse processo, os produtos usados
para isolamento térmico e acústico também são renovados e melhorados
para oferecer o máximo de desempenho.
Se você faz parte do grupo de profissionais da arquitetura e engenharia,
não pode deixar de acompanhar cada lançamento e novidade da área.
Com esse cuidado, terá sempre em mãos os melhores recursos para
controlar os ruídos e as mudanças de temperatura.
Por fim, vale lembrar que boas soluções de isolamento térmico e
isolamento acústico vão garantir o conforto que é essencial para o
aumento da produtividade em ambientes.
SPRAY FOAM (TENDÊNCIA DE MERCADO)
ATIVIDADE