Você está na página 1de 22

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

MINAS GERAIS
EFEITO DO VENTO NA
ESTRUTURA
OBJETIVO

 Análise da relevância dos carregamentos de vento segundo a NBR 6123/1988,


quando comparadas estruturas que sofrem sua ação e outras que não sofrem.

 Análise do comportamento dinâmico da estrutura baseado no método simplificado da


NBR 6123/1988.
REVISÃO DA NBR 6123/1988

A NBR 6123:1988 – Forças Devidas ao Vento em Edificações, define os carregamentos


mínimos a serem considerados no dimensionamento de edificações, referentes aos efeitos
produzidos pelas ações do vento.
Para o dimensionamento destes carregamentos, a norma considera os seguintes
parâmetros de entrada:
i. Velocidade básica;
ii. Fator topográfico;
iii. Rugosidade do terreno;
iv. Dimensões da edificação;
v. Altura sobre o terreno;
vi. Fator estatístico;
vii. Pressões dinâmicas
REVISÃO DA NBR 6123/1988

i. Velocidade básica (Vo): ii. Fator topográfico (S1):


S1 é uma função de “z”, sendo este a altura medida a
partir da superfície do terreno no ponto considerado.
Terrenos planos ou francamente acidentados recebem
valor (S1) igual a 1,0.
REVISÃO DA NBR 6123/1988

iii. Rugosidade do terreno (S2): iv. Dimensões da edificação (S2):


I. Superfícies lisas de grandes dimensões, com mais de 5
quilômetros de extensão, medida na direção e sentido do
Classe A - Estruturas sem vedação.
vento incidente; Edificações cuja maior dimensão horizontal
ou vertical não exceda 20 metros.
II. Terrenos abertos em nível ou aproximadamente em nível,
com poucos obstáculos isolados, tais como árvores e
edificações baixas – a cota média do topo dos obstáculos é Classe B - Edificações cuja maior
considerada inferior ou igual a 1,0 metro; dimensão horizontal ou vertical da
superfície frontal esteja entre 20 metros e
III. Terrenos planos ou ondulados com obstáculos tais como
sebes e muros, poucos quebra-ventos de árvores, edificações
50 metros.
baixas e esparsas – a cota média do topo dos obstáculos é
considerada inferior ou igual a 3,0 metros; Classe C - Toda edificação ou parte de
IV. Terrenos cobertos por obstáculos numerosos e pouco
edificação para a qual a maior dimensão
espaçados, em zona florestal, industrial ou urbanizada - a horizontal ou vertical da superfície frontal
cota média do topo dos obstáculos é considerada inferior ou exceda 50 metros.
igual a 10,0 metros;

V. Terrenos cobertos por obstáculos numerosos, grandes,


altos e pouco espaçados - a cota média do topo dos
obstáculos é considerada inferior ou igual a 25,0 metros;
REVISÃO DA NBR 6123/1988

v. Altura sobre o terreno(S2):


REVISÃO DA NBR 6123/1988

vi. Fator estatístico (S3):


REVISÃO DA NBR 6123/1988

vii. Pressões dinâmicas:


Feito o cálculo da velocidade
característica do terreno, deve-se calcular
as pressões internas e externas da
edificação. Este processo pode ser
observado detalhadamente na NBR 6123,
por hora, observa-se os casos mais
comuns para edificações. Assim, temos
que a edificação é igualmente permeável
(por conter aberturas em todas as faces
do edifício).
Portanto o coeficiente de pressão interno
da estrutura é dado por -0,3 ou 0,0
(optando-se pelo mais nocivo a
estrutura), e o coeficiente de pressão
externo é obtido a partir da tabela 4.
ESTUDO DE CASOS

 Para este projeto avaliou-se a influência do vento em um edifício de 5 pavimentos (15


metros de altura) localizado em um ambiente aberto (sem interferências de construções
adjacentes) visando a avaliação do pior caso na estrutura para fins didáticos.

 Fez-se o dimensionamento com o auxílio do Software de cálculo estrutural CypeCad®


versão 2016. Os resultados obtidos serão logo descritos.

 A comparação foi feita para o dimensionamento da estrutura sem as ações do vento, e


para a mesma estrutura considerando-se as ações do vento e seus efeitos.

 Consideramos a ação do vento para a região de Ipatinga – MG, ou seja, a velocidade


básica de uma rajada de 3 s, a 10 m acima do terreno, de 33 m/s.
Combinações permanentes ou transitórias
Cota Desl. X Desl. Y Desl. Z
Pilar Piso
(m) (mm) (mm) (mm)
Cobertura 14.85 0.00 0.00 0.50

ESTRUTURA SEM AÇÃO DO VENTO Piso 5


Piso 4
11.85
8.85
0.00
0.00
0.00
0.00
0.48
0.42
P1 Piso 3 5.85 0.00 0.00 0.33
Piso 2 2.85 0.00 0.00 0.20
Piso 1 -0.15 0.00 0.00 0.05
Térreo -1.00 0.00 0.00 0.00
Cobertura 14.85 0.00 0.00 0.50
Piso 5 11.85 0.00 0.00 0.48
Piso 4 8.85 0.00 0.00 0.42
P2 Piso 3 5.85 0.00 0.00 0.33
Piso 2 2.85 0.00 0.00 0.20
A tabela a seguir representa os Piso 1 -0.15 0.00 0.00 0.05
Térreo -1.00 0.00 0.00 0.00

resultados obtidos de deslocamento Cobertura


Piso 5
14.85
11.85
0.00
0.00
0.00
0.00
0.50
0.48
Piso 4 8.85 0.00 0.00 0.42
do pórtico sem a ação de vento. P3 Piso 3 5.85 0.00 0.00 0.33
Piso 2 2.85 0.00 0.00 0.20
Piso 1 -0.15 0.00 0.00 0.05
Térreo -1.00 0.00 0.00 0.00
Cobertura 14.85 0.00 0.00 0.50
Piso 5 11.85 0.00 0.00 0.48
Piso 4 8.85 0.00 0.00 0.42
P4 Piso 3 5.85 0.00 0.00 0.33
Piso 2 2.85 0.00 0.00 0.20
Piso 1 -0.15 0.00 0.00 0.05
Térreo -1.00 0.00 0.00 0.00
Cobertura 14.85 0.00 0.00 0.81
Piso 5 11.85 0.00 0.00 0.75
Piso 4 8.85 0.00 0.00 0.65
P5 Piso 3 5.85 0.00 0.00 0.51
Piso 2 2.85 0.00 0.00 0.31
Piso 1 -0.15 0.00 0.00 0.07
Térreo -1.00 0.00 0.00 0.00
Combinações permanentes ou transitórias
Distorção X Distorção Y
Cota h
Pilar Piso Absoluta Absoluta
(m) (m) Relativa Origem Relativa Origem
(m) (m)
Cobertura 14.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G

ESTRUTURA SEM AÇÃO DO VENTO Piso 5


Piso 4
11.85 3.00 0.0000
8.85 3.00 0.0000
----
----
G
G
0.0000
0.0000
----
----
G
G
Piso 3 5.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
P1
Piso 2 2.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 1 -0.15 0.85 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Térreo -1.00
Total 15.85 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Cobertura 14.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 5 11.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 4 8.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 3 5.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
P2
Piso 2 2.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
A próxima tabela representa os Piso 1 -0.15 0.85 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Térreo -1.00
resultados obtidos pelas distorções Total
Cobertura
15.85 0.0000
14.85 3.00 0.0000
----
----
G
G
0.0000
0.0000
----
----
G
G
Piso 5 11.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
geradas nos pórticos. Piso 4 8.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 3 5.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
P3
Piso 2 2.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 1 -0.15 0.85 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Térreo -1.00
Total 15.85 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Cobertura 14.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 5 11.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 4 8.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 3 5.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
P4
Piso 2 2.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 1 -0.15 0.85 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Térreo -1.00
Total 15.85 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Cobertura 14.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 5 11.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 4 8.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
P5
Piso 3 5.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 2 2.85 3.00 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Piso 1 -0.15 0.85 0.0000 ---- G 0.0000 ---- G
Combinações permanentes ou transitórias

Cota Desl. X Desl. Y Desl. Z


Pilar Piso
(m) (mm) (mm) (mm)

P1 Cobertura 14.85 12.57 12.57 0.55

ESTRUTURA COM AÇÃO DO VENTO Piso 5

Piso 4
11.85

8.85
11.55

9.87
11.55

9.87
0.52

0.46

Piso 3 5.85 7.27 7.27 0.36

Piso 2 2.85 3.82 3.82 0.22

A tabela abaixo representa os Piso 1 -0.15 0.32 0.32 0.05

resultados obtidos pelas ações do P2


Térreo

Cobertura
-1.00

14.85
0.00

12.57
0.00

12.57
0.00

0.55
vento que atuaram na edificação por Piso 5 11.85 11.55 11.55 0.52

pavimento. Piso 4 8.85 9.87 9.87 0.46

Piso 3 5.85 7.27 7.27 0.36

Piso 2 2.85 3.82 3.82 0.22

Planta Vento X (t) Vento Y (t) Piso 1 -0.15 0.32 0.32 0.05

Cobertura 0,537 0,537 Térreo -1.00 0.00 0.00 0.00

P3 Cobertura 14.85 12.57 12.57 0.55


Piso 5 1,034 1,034
Piso 5 11.85 11.55 11.55 0.52
Piso 4 0,984 0,0984
Piso 4 8.85 9.87 9.87 0.46
Piso 3 0,919 0,919
Piso 3 5.85 7.27 7.27 0.36
Piso 2 0,817 0,817 Piso 2 2.85 3.82 3.82 0.22
Piso 1 0 0 Piso 1 -0.15 0.32 0.32 0.05

Térreo -1.00 0.00 0.00 0.00

P4 Cobertura 14.85 12.57 12.57 0.55

Piso 5 11.85 11.55 11.55 0.52

Na próxima tabela observamos os Piso 4 8.85 9.87 9.87 0.46

Piso 3 5.85 7.27 7.27 0.36


resultados obtidos para efeitos de Piso 2 2.85 3.82 3.82 0.22

deslocamentos com ventos atuantes. Piso 1 -0.15 0.32 0.32 0.05

Térreo -1.00 0.00 0.00 0.00

P5 Cobertura 14.85 12.57 12.57 0.81

Piso 5 11.85 11.55 11.55 0.75

Piso 4 8.85 9.87 9.87 0.65

Piso 3 5.85 7.27 7.27 0.51


ANÁLISE DE RESULTADOS
ANÁLISE DE RESULTADOS

 Após análise dos dados de deslocamento nos eixos x e y


percebemos o impacto dos efeitos de vento na estrutura. Por
se tratar de uma edificação simétrica, os deslocamentos
nestes eixos foram iguais.
 Na análise do deslocamento no eixo z, percebemos que o
mais influente neste deslocamento é o peso próprio do edifício.
Por isso a diferença entre a estrutura com ação do vento é
muito pequena comparada à estrutura sem efeito de vento
neste eixo.
 A figura ao lado apresenta um comparativo do deslocamento
após efeito de vento e no estado estático (repouso) da
estrutura. A linha mais clara representa o estado de repouso e
a linha mais escura representa o deslocamento após efeitos de
vento.
ANÁLISE DINÂMICA SIMPLIFICADA

 Segundo a NBR 6123/21988, as edificações com altura inferior a 150 metros,


apoiadas exclusivamente nas suas bases e com massa distribuída uniformemente,
podem ser consideradas contínuas. Para estas estruturas a NBR apresenta um
modelo simplificado a ser adotado para a análise dinâmica da estrutura.
 Neste modelo, a velocidade de projeto (Vp) para determinação da resposta dinâmica
corresponde à média sobre 10 minutos a 10 metros de elevação ao terreno de
categoria II.

 A pressão dinâmica varia em função da altura e é expressa na forma da equação a


seguir:
ANÁLISE DINÂMICA SIMPLIFICADA
ANÁLISE DINÂMICA SIMPLIFICADA

Coeficiente de ampliação dinâmica para terrenos de categorias II, III e IV (L = 1800 m; h em metros):
ANÁLISE DINÂMICA SIMPLIFICADA

 A força atribuída a esta pressão dinâmica pode ser obtida através da multiplicação da
mesma pela área em análise e pelo coeficiente de arrasto analisado.
ANÁLISE DINÂMICA SIMPLIFICADA

 Por outro lado, o item 9.4


desta norma estabelece entre
as considerações para o
cálculo da resposta dinâmica
transversal a direção do vento,
que as solicitações ortogonais
ao fluxo podem ser calculadas
considerando-se estas como
um terço (1/3) das forças
efetivas na direção do vento.
CONSIDERAÇÕES FINAIS

 Observamos após revisão bibliográfica e análises numéricas feitas no decorrer do


trabalho, que os efeitos dinâmicos de vento influenciam consideravelmente no
dimensionamento da estrutura.

 Principalmente os deslocamentos horizontais são diretamente influenciados pelas


cargas de vento aplicadas a edificação, como pudemos perceber ao analisar
graficamente os resultados dos deslocamentos nos eixos x e y.

 Mostrou-se de extrema importância a análise de todas as variáveis de contorno do


projeto, como região onde será construída a edificação, relevo, e urbanização vizinha.
OBRIGADO
EFEITO DO VENTO NA ESTRUTURA