Você está na página 1de 32

Sistemática Vegetal

As Algas

Darlan Patrício da Nóbrega Santos


Introdução

 As algas compreendem vários grupos de eucariotos autotróficos


fotossintetizantes, não-relacionados.
Grupo parafilético

 Protistas, uni ou pluricelulares, talófitas (avasculares)

 Com parede celular (o que as diferencia dos protozoários flagelados)

 Corpo (talo) não diferenciado em raiz, caule ou folhas;

 Hábito predominantemente aquático (água doce, salobra, marinha);

 Formas que vivem em associação com outros organismos (liquens:


fungos + algas);
 Podem ser planctônicas (suspensas na massa d’água) ou bentônicas
(fixas a substratos);

 Muitas são móveis ou possuem um estágio móvel durante o seu ciclo


de vida;

 Pigmentos acessórios- coloração avermelhada, azulada, parda e


enegrecida;

 Formas microscópicas (Micromonas pusilla c/ 1-1,5 µm) até


macroscópicas ( feofíceas com 70 m.)
POSIÇÃO DAS ALGAS NO REINO VEGETAL

• As algas são colocadas na base da escala evolutiva por diversas razões:

Antiguidade: registros fósseis indicam que cianofíceas foram os


organismos mais antigos contendo clorofila a (3 bilhões de anos –
Pré-Cambriano);

 Simplicidade da organização do corpo vegetal;

 As algas ilustram com grande clareza, devido a sua simplicidade,


muitos fenômenos biológicos importantes (ex. reprodução sexual).
SISTEMÁTICA DE ALGAS

A. Algas procarióticas:

Divisão (Filo) Cyanophyta (algas azuis)

Divisão (Filo) Prochlorophyta

B. Algas eucarióticas com cloroplasto envoltos por 2 membranas do


próprio cloroplasto

Divisão (Filo) Rhodophyta (algas vermelhas)

Divisão (Filo) Chlorophyta (algas verdes)


C. Algas eucarióticas com cloroplasto envolto por 1 membrana do
retículo endoplasmático do cloroplasto

Divisão (Filo) Euglenophyta (euglenófitas)

Divisão (Filo) Dinophyta (dinoflagelados)

D. Algas eucarióticas com cloroplastos envoltos por 2 membranas do RE


do cloroplasto

Divisão (Filo) Cryptophyta (criptófitas)


Divisão (Filo) Chrysophyta (algas douradas)
Divisão (Filo) Haptophyta (haptófitas)
Divisão (Filo) Bacillariophyta (diatomáceas)
Divisão (Filo) Phaeophyta (algas pardas)
Divisão Cyanophyta (algas azuis)

• Apresentam um organização celular procariótica.

• Estão incluídas dentro do Reino Monera.

• Normalmente são verde-azuladas mas podem ser


esverdeadas, avermelhadas ou enegrecidas.

• Os pigmentos fotossintetizantes são: clorofila a, ficobilinas e


carotenóides.

• Ausência de estruturas locomotoras.


Forma do talo

• Unicelular - protococoidal (célula é imóvel)

• Colonial – tetraspórica

• Multicelular filamentoso: simples ou ramificado (ramificação falsa ou


verdadeira)
Reprodução

• Sexuada desconhecida, no entanto, existem evidências de combinação


gênica;

•Assexuada: acinetos, endósporos, exósporos;


Esporos de resistência

• Vegetativa: fragmentação, divisão celular.

Heterocisto: célula maior que as demais,


com conteúdo homogêneo e ocorre em
algumas algas filamentosas.
Pode está relacionado com a fixação de N2 e a formação dos
acinetos.
Habitat

• Maioria aquática, de água doce, desde fontes termais com 70º C a


temperaturas muito baixas, de lagos antárticos.

• Formas marinhas resistentes à alta salinidade, outras a dessecação


(supralitoral).

• Existem ainda as formas terrestres.

• Uma vivem em associação com os fungos formando os liquens, outras


vivem associadas a briófita, pteridófita, gimnosperma ou ainda
protozoários.
Divisão Euglenophyta (euglenófitas)

• Apresentam um organização celular eucariótica.

• Estão incluídas dentro do Reino Protista.

• Apresentam flagelo como estrutura de locomoção.

• Existem aproximadamente 900, e cerca de um terço dos gêneros


(incluindo Euglena) apresenta cloroplastos.
Clorofila a e b, carotenóides

• Cerca de dois terços dos gêneros são incolores heterotróficos que se


alimentam de partículas sólidas ou compostos orgânicos dissolvidos.
Suprir as necessidades nutricionais

• São encontradas, principalmente, em ambientes aquáticos continentais.


Estrutura celular da Eglena
• São unicelulares.
Gênero Colacium é colonial.

• Não possuem parede celular.


Gênero Trachelomonas apresen-
ta uma estrutura rígida.
Película: conjunto protéico helicoidalmente arranjado que
sustenta a membrana plasmática.

Reservatório: espaço de onde parte o flagelo.

Estigma: Sistema fotossensível.

Vacúolo contrátil: responsável pela eliminação do


excesso de água.

Paramido: substância de reserva.

Fonte: RAVEN et. al. Biologia Vegetal. 6ª Edição. Pirenóide: substância de reserva.
Figura 1 – Desenho mostrando as estruturas de uma Eglena.
Reprodução

• As euglenofíceas reproduzem-se por mitose e citocinese longitudinal.


O envoltório nuclear permanece intacto durante a mitose.

• Reprodução sexuada e meiose


parecem está ausentes.

Figura 2 – Desenho mostrando a divisão de uma Eglena.


Divisão Cryptophyta (criptófitas)

• São células isoladas, flageladas de rápido crescimentos, castanhas,


verdes, verde-azuladas ou vermelhas.

• São conhecidas cerca de 200 espécies que fazem parte do fitoplâncton


marinho.
Povoando, principalmente águas frias.

• Apresentam um importante papel na dinâmica populacional do


zooplâncton e de outras algas.

• Semelhante as euglenófitas, apresentam


membros fotossintetizantes e membros
incolores.
• Seus cloroplastos apresentam 4 membranas.
Evidência de uma endossimbiose secundária.
• Presença de clorofila a e c, e alguns com ficobilina.
Encontrada também em cianobactérias.

Retículo endoplasmático do cloroplasto:


a membrana mais externa eu circunda o
cloroplasto e é contínua ao envelope
nuclear.

Nucleomorfo: núcleo da célula


algal que foi ingerida.

Fonte: RAVEN et. al. Biologia Vegetal. 6ª Edição.

Figura 3 – Micrografia mostrando as estruturas de uma


criptofícea.
Divisão Rhodophyta (algas vermelhas)

• As algas vermelhas podem ser encontradas em águas tropicais quentes.

• São conhecidas aproximadamente 6.000 espécies distribuídas em 680


gêneros.

• A maioria das espécies tem uma estrutura do talo complexa, sendo


poucas espécies unicelulares ou filamentosas.
Cyanidium

• A maioria das algas vermelhas é bentônica, crescendo em rochas, em


outras algas e formas flutuantes.
Formas parasitas

• Seus cloroplastos apresentam ficobilinas e clorofila a.


Absorve a luz verde e azul-esverdeada que penetra mais profundamente.
Algumas formas de vida
Filamentosa
bentônicas

Filamentosa flutuante

• As algas vermelhas são um


dos organismos formadores dos
recifes de coral.
Algas coralináceas
Reprodução
• A reprodução sexuada
compreende uma alternância de
gerações.

Gametófito: indivíduo responsável


pela produção de gametas (n):
espermácios (masculino) e
carpogônio (feminino).

Esporófito: indivíduo responsável


pela produção de esporos (2n).

Carposporófito  Tetrasporófito

Fonte: RAVEN et. al. Biologia Vegetal. 6ª Edição.

Figura 4 – Desenho mostrando o ciclo de vida e uma alga


vermelha.
Divisão Phaeophyta (algas pardas)

• As algas pardas são quase todas marinhas, encontradas em águas


temperadas, boreais e polares, sendo menos frequentes em águas
tropicais. Águas claras

• Grupo monofilético, com cerca de 1.500 espécies divididas entre 260


gêneros. Espécies anuais e perenes.

• As ordem mais conhecida das feófitas é Laminariales (kelps) e Fuculales


(Sargassum)

• Variam desde indivíduos microscópicos a organismos com dezenas de


metros de comprimento.

• A forma básica das algas pardas é um talo.


Corpo vegetativo simples e
uniforme
Algumas formas de vida

• O talo varia de complexidade, desde de


simples filamentos ramificados até
aglomerados de filamentos ramificados
(pseudoparênquima).
• Seus cloroplastos apresentam clorofilas a e c, beta caroteno e
fucoxantina (carotenóide).
Pigmento que dá a cor característica dessas algas

• Classificadas no passado de acordo com a estrutura de seu talo. Hoje


sabe-se que espécies intimamente relacionadas podem ter organização de
talo muito diferente (evolução convergente).
Reprodução

• A reprodução sexuada
apresenta alternância
heteromórfica de gerações,
sendo o gametófito micros-
cópico.
• Gametófitos feminino e
masculino são heteromórficos

Oogamia: gametas diferentes sendo


um grande e imóvel e outro
pequeno e móvel.

• Meiose espórica

Figura 5 – Desenho mostrando o ciclo de vida e uma Kelp. Fonte: RAVEN et. al. Biologia Vegetal. 6ª Edição.
• A reprodução sexuada
não apresenta alternância
de gerações

• Esporófito multicelular
e perene

• Meiose gamética

Figura 6 – Desenho mostrando o ciclo de vida e uma Fucus. Fonte: RAVEN et. al. Biologia Vegetal. 6ª Edição.
Divisão Chlorophyta (algas verdes)

• Em torno de 17000 espécies


divididas em 450 gêneros.

• Grupo monofilético

• Grande diversidade morfológica – unicelulares e multicelulares, de


tamanhos variados.
• Ocorrem mais em ambiente de água doce que salgada, sendo algumas
espécies terrestres.
• Algumas fazem simbiose com fungos
(liquens)
• De cor geralmente verde; cor da clorofila não é mascarada por
pigmentos acessórios.

• Classificadas de acordo com a sua morfologia – sabe-se no entanto que


houve evolução convergente no grupo e que a classificação deve ser
alterada com o aumento de informações moleculares, estudos da ultra-
estrutura etc...

• Seus cloroplastos apresentam clorofila a e b; luteina, zeaxantina,


violaxantina e sifonoxantina e sifoneina (em gêneros sifonáceos) etc.

• São as algas mais semelhante as plantas.


Ordem Volvocales

• Vivem principalmente em água doce.


• Unicelulares flagelados

• Coloniais (agregado de células flageladas ou não,


envoltas por uma matriz gelatinosa), as células das
colônias inter-conectadas pelo citoplasma

• Ciclo de vida: meiose zigótica (fase predominante é haplóide)

• Podem ser
imóveis e não
filamentosas
Reprodução

• Reprodução assexuada por divisão celular é a forma mais comum de


reprodução.

• Reprodução sexuada
sem alternância de
gerações e com
isogamia, com meiose
zigótica.

Figura 7 – Desenho mostrando o ciclo de vida e uma Volvacales. Fonte: RAVEN et. al. Biologia Vegetal. 6ª Edição.
Ordem Ulvales

• Principalmente marinhas filamentosas


ou compostas por lâminas achatadas
Reprodução

Fonte: RAVEN et. al. Biologia Vegetal. 6ª Edição.

Figura 7 – Desenho mostrando o ciclo de vida e uma Ulva.


• Meiose espórica

• Alternância isomórfica de gerações; gametófito e esporófito não podem


ser distinguidos pela sua morfologia. Com anisogamia.

Classe Charophyceae
• Pequeno grupo que vive
principalmente em água doce
(alguns em água salobra).

• No passado alguns botânicos


classificavam alguns gêneros deste grupo
como Bryophyta (reino Plantae) devido às
suas semelhanças estruturais.
• De fato são os prováveis ancestrais de plantas terrestres.
Por apresentar várias características em comum.
• Incluem gêneros microscópicos e macroscópicos.

Reprodução
• Dois tipos de gametângios:

 Oogônio (um ovo)


 Anterídio (vários espermatozóides)

• Presença de camada de células


estéreis.

• Oogâmia: gameta masculino pequeno e móvel, gameta feminino


grande e imóvel
Agora
vamos ao
Reino
Plantae