Segundo a OMS:
 Saúde é um estado completo de bem estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades.

 Saúde Mental – estado de bem estar em que o indivíduo tem percepção do seu potencial, consegue lidar com o stress do dia-adia, trabalhar de forma produtiva e contribuir para sua comunidade.

 Ocorre com a chegada da família real em 1808, constituindo o marco inicial da aplicação de práticas interventivas;  É um movimento contemporâneo da eclosão do “movimento sanitário”, em favor de mudanças nos modelos de atenção nas práticas de saúde;  A reforma psiquiátrica surge mais concretamente na década de 70;  Surgiu o movimento de trabalhadores de Saúde Mental. Caracterizado por críticas à:  Hospitalização;  Estigmatização do doente;  Hegemonia da rede privada.

Década de 80/90- lei 8080/90- criação do SUS:
 Saúde como Dever do Estado e Direito de Todos;
 Aprovação do Programa de Reorientação da Assistência Psiquiátrica Previdenciária e Assistência Social.

Princípios do SUS  Acesso Universal.  Descentralização.  Controle Social. .  Integralidade das Ações.  Equidade.

 Estruturação de uma rede pública de atenção a saúde mental. “Por uma sociedade sem manicômios”.2º Encontro de Trabalhadores em Saúde Mental. .  Em 1987. Criação de uma política de saúde mental no combate à cultura hospitalêmica e à institucionalização.I Conferência Nacional de Saúde Mental .

 Regulamentação da internação compulsória. .Movimento da Luta antimanicomial –  18 de maio houve a superação do manicômio . .Lei – 89 .  Tendo como principal objetivo da reinserção social: o exercício da cidadania vendo o deficiente mental como um “ ATOR SOCIAL”.Estrutura física/ideológica.  Criação de recursos assistenciais substitutivos.Dispõe acerca de:  Extinção progressiva dos manicômios.

Lei Paulo Delgado – sancionada em 2001/ LEI FEDERAL 10.  Impõe novo impulso e ritmo para o processo da Reforma Psiquiátrica no Brasil.216 Redireciona a assistência em saúde mental.  Dispõe sobre a proteção e direitos das pessoas com transtornos mentais. .

 Implantação e Implementação de uma rede diversificada de serviços de saúde mental de base comunitária eficaz.Política Nacional de Saúde Mental –  Redução gradual e planejada de leitos em hospitais psiquiátricos. com base no território.  Os serviços de saúde possam se tornar mais acolhedores. com possibilidades de criação de vínculos.1. Saúde Mental no NASF  Ampliação e Qualificação do cuidado às pessoas com transtornos mentais nos serviços. . .

 ‘’Pode-se dizer que todo problema de saúde é também – e sempre – mental e que toda saúde mental é também – e sempre – produção de saúde. . ‘’  Atuação das Equipes de Saúde da Família e de Saúde Mental – o trabalho integrado das equipes potencializa o cuidado. facilita uma abordagem integral e aumenta a qualidade de vida dos indivíduos e comunidade.

idosos.Segundo o Ministério da Saúde: • Apresentam transtornos mentais severos e persistentes. pessoas com baixa escolaridade e menor renda per capita. • Apresentam transtornos mentais leves. que necessitam de cuidados eventuais. .  Sendo que os grupos mais vulneráveis são os de mulheres.

.

estimulando a interdisciplinaridade e a aquisição de novas competências.  A responsabilidade compartilhada visa aumentar a capacidade resolutiva da equipe local. com a construção de vínculos entre profissionais e usuários. Diretrizes  Apoio Matricial – é um arranjo técnico – assistencial que visa a ampliação da clínica das equipes de Saúde da Família.2. .

2. A educação permanente deve ser o dispositivo para a organização das ações de saúde mental na Atenção Primária. 6. Cuidado Integral articula ações de prevenção. As redes sanitárias e comunitárias são importantes nas estratégias a serem pensadas para o trabalho conjunto. As intervenções devem se dar a partir do contexto familiar e comunitário. acolher e atender às demandas de saúde mental do território.Diretrizes Gerais para a atuação das Equipes de Saúde 1. que exigem cuidados mais imediatos. promoção. em seus graus variados de severidade. tratamento e reabilitação psicossocial. Garantia da continuidade do cuidado pelas equipes de Saúde da Família. Devem ser priorizadas as situações mais graves. . 5. 7. Deve-se identificar. 3. 4.

Situação de Riscos e Definição de Prioridades  Cárcere privado. sem tratamento extra hospitalar.  Problemas graves relacionados ao abuso de álcool e outras drogas.  Suspeita de maus tratos e abuso sexual de crianças e adolescentes.  Situações de grave exclusão social. .  Uso de medicação por longo período sem avaliação médica.3.  Abuso ou negligência familiar.  Indivíduos com história de múltiplas internações psiquiátricas.

interdisciplinares .  Planejamento e realização do diagnóstico da situação de saúde mental.  Atendimento compartilhado por meio de consultas conjuntas.4.  Planejamento e execução conjunta de atividades comunitárias e terapêuticas.  Romper com encaminhamento. a lógica do  Reuniões interdisciplinares periódicas entre os profissionais da equipe. Responsabilidades NASF – Equipes de Saúde da Família relativas à Saúde Mental  Responsabilidade pelo cuidado aos usuários de saúde mental do território. NASF e as redes de saúde de apoio social.  Integração entre equipes de Saúde da Família.  Reuniões periódicas.

no território. .5. equipes de Saúde da Família e o Caps.  Deve-se buscar integração permanente entre Nasf e o Caps. organiza o fluxo de atendimento e o processo de trabalho de modo a tornar horizontais as especialidades e permitir que permeiem toda a atuação das equipes de saúde.  Importante integração entre o Nasf. Articulação com a Rede de Serviços de Saúde Mental  Articulação com os serviços especializados. principalmente com os Caps. levando em conta que também é tarefa do Caps realizar ações de apoio matricial.

.

realizando o acompanhamento clínico e a reinserção social dos usuários pelo acesso ao trabalho. Serviço de saúde aberto e comunitário do SUS. lazer e fortalecimento dos laços familiares e comunitários. psicoses.” . “Oferecer um atendimento à população de sua área de abrangência.  Lugar de referência e tratamento para pessoas que sofrem com transtornos mentais. neuroses graves.

 Gerenciar os projetos terapêuticos oferecendo cuidado clínico eficiente e personalizado. .  Regular o porte de entrada da rede de assistência em saúde mental de sua área. Prestar atendimento em regime de atenção diária.

 Projetos terapêuticos e comunitários. Direcionamento local das políticas e programas de saúde mental.  Dispensa de medicamentos. .  Encaminhamento e acompanhamento de usuários que moram em residências terapêuticas.

 Março 1986 em São Paulo: Centro de Atenção Psicossocial Professor Luiz da Rocha Cerqueira.” .  Portaria GM 224/92 e eram definidos como “unidades de saúde locais/regionalizadas que contam com uma população adscrita definida pelo nível local e que oferecem atendimento de cuidados intermediários entre o regime ambulatorial e internação hospitalar.  Um intenso movimento social por parte dos trabalhadores de saúde mental que buscavam uma melhoria da assistência.

 Essa Portaria reconheceu e ampliou o funcionamento e a complexidade dos CAPS. oferecendo cuidados clínicos e reabilitação psicossocial. São regulados atualmente pela Portaria nº 336/GM de 19 de fevereiro de 2002 e integram a rede do SUS. num dado território. .  Dar atendimento diuturno às pessoas que sofrem com transtornos mentais severos e persistentes.

incluindo transtornos relacionados às substâncias psicoativas (álcool e outras drogas).  Pessoas com transtornos mentais severos e/ou persistentes. .  Pessoas com grave comprometimento psíquico. Aquelas que apresentam intenso sofrimento psíquico.  Crianças e adolescentes com transtornos mentais.

 Procurar diretamente esse serviço ou ser encaminhado pelo PSF ou qualquer serviço de saúde.  Caso a pessoa não queira ou não possa ser beneficiada com o trabalho oferecido pelo CAPS. ela deverá ser encaminhada para outro serviço de saúde mais adequado à sua necessidade. .  Sozinha ou acompanhada.  Acolhimento nas suas diversas formas.

conforme as determinações da Portaria GM 336/02:  Atendimento Intensivo: trata-se de atendimento diário. Atendimento pode ser domiciliar.  Atendimento Não-Intensivo: oferecido quando a pessoa não precisa de suporte contínuo da equipe. Atendimento pode ser domiciliar. É oferecida quando o sofrimento e a desestruturação psíquica da pessoa diminuíram.O CAPS poderá oferecer. . quando a pessoa se encontra com grave sofrimento psíquico. se necessário. Atendimento pode ser domiciliar.  Atendimento Semi-Intensivo: o usuário pode ser atendido até 12 dias no mês. se necessário. podendo ser atendido até 3 dias no mês.

 Orientação e acompanhamento do uso de medicação. Psicoterapia individual ou em grupo.  Atividades comunitárias.  Atividades artísticas.  Oficinas terapêuticas. . atendimento e aos familiares.

Ex: culinária.  Oficinas de alfabetização: esse tipo de oficina contribui para que os usuários que não tiveram acesso. expressão musical. expressão verbal. As oficinas terapêuticas podem ser:  Oficinas expressivas: espaços de expressão plástica. teatro. fotografia. monitores e/ou estagiários. costura. expressão corporal.  Oficinas geradoras de renda: servem como instrumento de geração de renda através do aprendizado de uma atividade específica. não puderam permanecer na escola. . que pode ser igual ou diferente da profissão do usuário. etc. marcenaria. São atividades realizadas em grupo com a presença e orientação de um ou mais profissionais.

. tanto internas como nos projetos de trabalho e ações comunitárias de integração social.  Participando diretamente das atividades do serviço.  Os familiares são considerados pelos CAPS como parceiros no tratamento.Incentivando o usuário a se envolver no projeto terapêutico.

 Voluntários.A comunidade – serviços públicos das áreas:  Da educação.  Associações de moradores.  Associações comunitárias.  Através de doações.  Prestação de serviços. .  Clube de mães.  Do trabalho.  Instrução ou treinamento em algum assunto ou ofício.  Realização conjunta de um evento especial.  Do esporte e lazer.

São serviços para cidade de pequenos porte que devem dar cobertura para toda clientela com transtornos mentais severos durante o dia (adultos. CAPS I .São serviços 24horas. geralmente disponíveis em grandes cidades que atendem a clientela adulta.  CAPS III . crianças e adolescentes e pessoas com problemas devido ao uso de álcool e outras drogas).São serviços para cidade de médio porte e atendem durante o dia a clientela adulta. .  CAPS II .

 CAPS ia .São serviços para crianças e adolescentes. Funciona durante o dia.  CAPS ad .São serviços para pessoas com problemas pelo álcool ou outras drogas geralmente disponíveis em cidades de médio porte. . que funcionam durante o dia. em cidades de médio porte.

enfermeiro.  Deve ser compatível com o acolhimento. com presença obrigatória de psiquiatra. . desenvolvimento de atividades coletivas e individuais. Todos os tipos são compostos por equipe multiprofissionais. psicólogo e assistente social.

.000 habitantes .CAPS I e rede básica com ações de saúde mental. CAPS III.  Municípios entre 70. De acordo o critério populacional e realidade local.  Municípios com mais de 200. CAPS ad e rede básica com ações de saúde mental. CAPS ad e rede de saúde mental e capacitação do SAMU.rede básica com ações de saúde mental.000 habitantes .000 habitantes .  Municípios até 20.000 e 200.CAPS II.000 e 70.000 habitantes . CAPS ia.CAPS II.  Municípios entre 20.

esporte. trabalho.  Gerenciar os projetos terapêuticos oferecendo cuidado clínico eficiente e personalizado.  Regular a porta de entrada da rede de assistência em saúde mental de sua área. .Dar suporte e supervisionar a atenção à saúde mental na rede básica.  Prestar atendimento em regime de atenção diária.  Promover a inserção social dos usuários através de ações intersetoriais que envolvam educação. cultura e laser.

. Serviço Residencial Terapêutico. Programa de Volta Para Casa  Leitos de Atenção Integral em Álcool e Outras Drogas.

 São casas localizadas no espaço urbano constituídas para responder as necessidades de moradia de pessoas com transtornos mentais que perderam os vínculos familiares e sociais.  Usuários em cada SRT pode variar de uma pessoa até um pequeno grupo de no máximo oito pessoas.  Implantação de SRTS os municípios sede de hospitais psiquiátricos. que deverão contar com suporte profissional sensível as demandas e necessárias de cada um.  Os SRTS deverão estar vinculados aos CAPS ou outro serviço ambulatorial. .

 Pode ser beneficiário qualquer pessoa com transtornos mental que tenha passado dois ou mais anos internada. o acompanhamento e a integração social fora da unidade hospitalar. de pessoas acometidas de transtornos mentais com história de longa internação psiquiátrica. . Garantir a assistência.

 Prevê a constituição de uma rede que articule os CAPS ad e os leitos para internação em hospitais gerais. .  O tratamento deve estar pautado na realidade de cada caso.  Devem trabalhar com lógica da redução de danos com eixo central ao atendimento aos usuários.

 Atendimento de casos de urgência/emergência relacionados a álcool e outras drogas (Síndrome de Abstinência Alcoólica. etc). Overdose. .  Redução de internações de alcoolista e dependentes de outras drogas em hospitais psiquiátricos.

saude.MINISTÉRIO DA SAÚDE.ccs.br/saude_mental/pdf/SM_Sus. Disponível em: < saude mental@saude.gov.br >. SAÚDE MENTAL. Acesso em: 04 de setembro de 2012.brhttp://pvc. gov. .gov. Disponível em: < www. Acesso em: 01de setembro de 2012.br>.saude. SAÚDE MENTAL. Disponível em: <http://www. Acesso em: 04 de setembro de 2012.pdf>.gov. SAÚDE MENTAL.datasus. CAPS.