Você está na página 1de 85

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

Livro: Geometria Euclidiana Plana - SBM

(Jo˜ao Lucas Marques Barbosa)

nibblediego@gmail.com

Compilado dia 29/10/2017

O livro do Jo˜ao Lucas de Geometria Euclidiana Plana a-

presenta uma Geometria que quase beira a inutilidade. Publi- cado inicialmente em 1995 vem sendo usado at´e hoje, quase 20 anos depois, em cursos de matem´atica por pessoas que falharam miseravelmente na vida com a tarefa de serem bons professores.

O documento a seguir traz algumas respostas dessa obra,

embora ainda n˜ao esteja completo devido ´a falta de tempo. Pode haver tamb´em uma ou outra passagem obscura, ou mesmo v´arios erros de portuguˆes e codifica¸c˜ao. Assim, se o leitor identificar algum problema desse tipo, uma virgula errada que seja, sinta-se ´a vontade para avisar-me por e-mail. Caso deseje ajudar ainda mais pode enviar-me as respostas dos exerc´ıcios que ainda faltam. O que certamente agilizaria a finaliza¸c˜ao desse solucion´ario.

agilizaria a finaliza¸c˜ao desse solucion´ario. Para obter as atualiza¸c˜oes desse documento e ter acesso

Para obter as atualiza¸c˜oes desse documento e ter acesso a outros exerc´ıcios resolvidos ascese:

www.number.890m.com

1

Sum´ario

 

ˆ

1 OS AXIOMAS DE INCID ENCIA E ORDEM

 

3

1.1 Exerc´ıcios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

3

1.2 Problemas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

 

˜

2 AXIOMAS SOBRE MEDIC¸ AO DE SEGMENTOS

 

12

2.1 Exerc´ıcios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

12

2.2 Problemas .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

18

 

˜

ˆ

3 AXIOMAS SOBRE MEDIC¸ AO DE ANGULOS

 

22

3.1 Exerc´ıcios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

22

3.2 Problemas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

32

 

ˆ

4 CONGRU ENCIA

 

38

4.1 Exerc´ıcios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

38

4.2 Problemas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

43

 

ˆ

ˆ

5 O TEOREMA DO ANGULO EXTERNO E SUAS CONSEQU ENCIAS

 

46

5.1

Exerc´ıcios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

46

6 O AXIOMA DAS PARALELAS

 

52

6.1 Exerc´ıcios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

52

6.2 Problemas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

58

 

ˆ

7 SEMELHANC¸ A DE TRI ANGULO

 

59

7.1

Exerc´ıcios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

59

´

8 O C IRCULO

 

60

8.1 Exerc´ıcios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

60

8.2 Problemas .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

70

 

˜

´

9 FUNC¸ ES TRIGONOM ETRICAS

 

77

9.1

Exerc´ıcios

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

77

´

10 AREA

 

82

10.1

Problemas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

82

11 AGRADECIMENTOS:

 

85

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

ˆ

1 OS AXIOMAS DE INCID ENCIA E ORDEM

1.1

Exerc´ıcios

1. Sobre uma reta marque quatro pontos A, B, C e D, em ordem, da esquerda para a direita. Determine:

a)

b)

c)

d)

ABBC

ABBC

ACBD

ABCD

Solu¸c˜ao:

e)

f)

g)

e)

S AB S BC S AB S AD S CB S BC S AB S BC

a)

AC

b) B

c) BC

d)

e) S BC

f) S AB

g) BC

h) S AB

2.

Quantos pontos comuns a pelo menos duas retas pode ter um conjunto de 3 retas no

plano? E um conjunto de 4 retas do plano?

P ij

Solu¸c˜ao:

Na pior das hip´oteses teremos 3 retas r 1 , r 2 e r 3 que ser˜ao distintas. Assim formar˜ao pontos de intercess˜ao conforme indicado na tabela abaixo:

r

1

r

2

r 3

r

1

 

P

12

P 13

r

2

P

21

 

P 23

r

3

P

31

P

32

A tabela possui trˆes linhas e trˆes colunas logo o numero de c´elulas ´e 3 · 3 = 9.

Os elementos das diagonais s˜ao nulos (pois uma reta n˜ao pode interceptar-se consigo mesma), assim o n´umero de pontos de intercess˜ao passa a ser (3 · 3 3) = 6

Como os pontos P 12 e P 21 s˜ao o mesmo ponto de intercess˜ao, nesse caso entre as retas r 1 e e a mesma situa¸c˜ao ocorre para os demais pontos ent˜ao o numero de pontos de intercess˜ao

r 2 ,

distintos ´e igual a 3.

= 3(3 1)

6

2

2

= 3

Se tiv´essemos n retas com racioc´ınio an´alogo chegar´ıamos a formula n(n 1)

2

onde n ´e o

numero de retas. Assim para n = 3 temos 3 pontos e para n = 4 temos 6 pontos.

3

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

3. Prove o item (b) da proposi¸c˜ao (1.4).

Solu¸c˜ao:

Vamos provar a igualdade (S AB S BA = BA) por dupla inclus˜ao.

Provando que AB S AB S BA

Tome um ponto P pertencente a AB. Neste caso termos que P S AB e tamb´em que

P S BA

o que implica em P S AB S BA .

Provando que S AB S BA AB

Imagine uma reta com os pontos A e B.

S B A ∈ AB Imagine uma reta com os pontos A e B . A
S B A ∈ AB Imagine uma reta com os pontos A e B . A

A

B

Agora imagine tamb´em um ponto D tal que D S AB S BA . Neste caso D n˜ao pode estar depois de B, pois neste caso n˜ao pertenceria a S BA . T˜ao pouco poderia estar antes de A, pois se assim fosse D / S AB . Sendo assim, D est´a entre A e B o que implica

em D AB.

Como todo ponto de AB S AB S BA e vice versa ent˜ao fica provado a igualdade.

4. Prove a afirma¸c˜ao feita, no texto, de que existem infinitos pontos em um segmento.

Solu¸c˜ao 1

Dada uma reta r com os pontos A e B distintos, suponha por absurdo que entre A e B exista

um conjunto finito de pontos. Por defini¸c˜ao um conjunto ´e finito quando pode ser colocado em

correspondˆencia biun´ıvoca com N. Assim teremos que AB = {P 1 , P 2 ,

que AB ´e um conjunto com n elementos. Tomando agora um ponto P k (k n) e o ponto P k1 pelo axioma II 2 existe um ponto P r ,

(k 1 < r < k) tal elementos.

o que seria um absurdo pois nesse caso AB teria n + 1

,

P n },

que significa

que P k1

P r P k

5. Sejam P = {a, b, c}, m 1 = {a, b}, m 2 = {a, c}, m 3 = {b, c}. Chame P de plano e m 1 , m 2 e

m 3 de retas. Verifique que nesta “geometria” vale o axioma I 2 .

Deni¸c˜ao:

Solu¸c˜ao:

Um subconjunto do plano ´e convexo se o segmento ligando quaisquer dois de seus pontos est´a totalmente contido nele.

Basta observar que todas as combina¸c˜oes poss´ıveis entre os 3 pontos do plano P, tomados dois a dois pertence a uma das trˆes retas dessa geometria. Por exemplo, as combina¸c˜oes poss´ıveis s˜ao:

1 Onde est´a escrito P k1 P r P k lˆe-se: o ponto P r est´a entre P k1 e P k :

4

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

ab,

pelos demais pares de pontos passam apenas uma das retas citadas (m 1 , m 2 , m 3 ). O que mostra que nessa geometria vale o axioma I 2 .

Note que por ab passa somente uma reta, a reta m 1 . Do mesmo modo

ac,

ba,

bc,

ca

e

cb.

6. Os exemplos mais simples de conjuntos convexos s˜ao o pr´oprio plano e qualquer semi-plano.

Mostre que a interse¸c˜ao de dois semi planos ´e um convexo.

Solu¸c˜ao:

Imagine os semi planos S 1 , S 2 e S 3 tal que S 3 = S 1 S 2 . Tomando dois pontos P 1 e P 2 ambos pertencentes a S 3 ent˜ao:

P 1

e P 2 pertence tanto a S 1 como a S 2

Se S 1

e S 2 s˜ao convexos ent˜ao P 1 P 2 pertence tanto a S 1

interse¸c˜ao. Logo S 3 tamb´em ´e convexo.

como a S 2 e portanto pertence a

7. mostre que a intercess˜ao de n semi-planos ´e ainda um convexo.

Solu¸c˜ao:

Considere os semi planos α 1 , α 2 ,

α n } considere

α n

, α n logo

como todos esses semi-planos s˜ao convexos ent˜ao o segmento XY pertence a α 1 , α 2 ,

tamb´em pertence a intercess˜ao e portanto tamb´em pertencem a B, o que mostra que B ainda ´e

convexo.

, os pontos X e Y pertencentes a B. Isso implicar´a no fato de que X e Y pertence a α 1 , α 2 ,

, α n todos convexos. Seja B = {α 1 α 2 ,

,

Dica: Reveja o problema 6.

8. Mostre, exibindo um contra exemplo, que a uni˜ao de convexos pode n˜ao ser um convexo.

Solu¸c˜ao:

Os quatro retˆangulos (em cinza) abaixo s˜ao figuras convexas e a uni˜ao deles formam uma figura com uma cavidade (parte em branco) e portanto cˆoncava.

s˜ao figuras convexas e a uni˜ao deles formam uma figura com uma cavidade (parte em branco)

5

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

9. Trˆes pontos n˜ao colineares determinam trˆes retas. Quantas retas s˜ao determinadas por quatro pontos sendo que quaisquer trˆes deles s˜ao n˜ao colineares?

Solu¸c˜ao:

Analogamente ao exerc´ıcio trˆes construiremos a seguinte tabela, onde r ij ´e a reta determinada pelos pontos P i e P j .

o numero de retas ser´a 3(3 1)

2

P

1

P

2

P

3

P

1

 

r

12

r

13

P

2

r

21

 

r

23

P

3

r

31

r

32

 

= 3 e para n pontos n(n 2 1)

.

10. Repita o exerc´ıcio anterior para o caso de 6 pontos.

Solu¸c˜ao:

Para 6 pontos (n = 6), 6(6 1)

2

= 15, ter´ıamos 15 retas.

6

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

1.2

Problemas

1. Discuta a seguinte quest˜ao utilizando apenas os conhecimentos geom´etricos estabelecidos,

at´e agora, nestas notas: “Existem retas que n˜ao se iterceptam”?

Solu¸c˜ao:

Sim, retas que s˜ao paralelas como indica a proposi¸c˜ao 1.1.

2. Prove que, se uma reta intercepta um lado de um triˆangulo e n˜ao passa por nenhum de

seus v´ertices, ent˜ao ela intercepta tamb´em um dos outros dois lados.

Solu¸c˜ao:

Dado um triˆangulo ABC e uma reta r que intercepta o segmento AB ent˜ao A est´a do lado oposto a B em rela¸c˜ao a reta r. Como por hip´otese r n˜ao passa por C ent˜ao C est´a do lado de A ou ent˜ao de B.

Se C est´a do lado de A ent˜ao C esta contr´ario a B e r intercepta BC.

Se C est´a do lado de B ent˜ao ´e contrario a A e r e intercepta AC

logo sempre intercepta um dos lados.

3. Repita o exerc´ıcio 2 para o caso de 5 e 6 retas. Fa¸ca uma conjectura de qual ser´a a resposta

no caso de n retas.

Solu¸c˜ao:

Aproveitando o resultado para n retas j´a obtido teremos:

Para

Para

n

=

5:

n = 6:

5(5 1)

=

2

6(6 1)

2

=

10

15

4.

Mostre que n˜ao existe um exemplo de uma “geometria” com 6 pontos, em que sejam

validos os axiomas I 1 e I 2 e em que todas as retas tenham exatamente 3 pontos.

Solu¸c˜ao:

Antes de continuar vamos relembrar o axioma I 1 e I 2 .

Axioma

I 1 .

Qualquer que seja a reta existem pontos que pertencem a reta e pontos que n˜ao

pertencem `a reta.

Axioma

I 2 .

Dado dois pontos distintos existe uma unica´

reta que contem esses pontos.

7

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

Como deixa bastante claro o enunciado, essa geometria possui exatos 6 pontos. Vamos usar esse fato para provar o que desejamos.

Dado dois pontos dessa geometria, por exemplo A e B, pelo axioma I 2 ent˜ao existe uma reta r que passa por estes dois pontos.

r B A
r
B
A

Pelo axioma I 1 existe ao menos um terceiro ponto, que chamaremos aqui de C que n˜ao pertence a r.

C

r B A
r
B
A

Como pelo enunciado cada reta dessa geometria tˆem exatos 3 pontos deve existir tamb´e um ponto D pertencente a r.

C

r B D A
r
B
D
A

Utilizando-nos novamente do axioma I 2 teremos agora mais trˆes retas distintas cada qual passando por um ponto de r.

8

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

C r B D t A u
C
r
B
D t
A
u

v

Pelo enunciado a reta t possui um terceiro ponto, que chamaremos de E diferente de C e B.

C E r B D t A u
C
E
r
B
D t
A
u

v

Note que E n˜ao pode ser igual a A, pois B pertence tanto a r como a t o que implicaria em t igual a r. T˜ao pouco poderia ser igual a D, pois analogamente implicaria em t igual a u.

Utilizando novamente o enunciado podemos estabelecer tamb´em os pontos F e G distintos entre si, e todos os demais, pertencentes as retas u e v respectivamente.

C E r G F B D t A u
C
E
r
G
F
B
D
t
A
u

v

9

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

Toda via isto nos leva a uma contradi¸c˜ao, pois G seria o s´etimo ponto da geometria dada.

5. Se C pertence a S AB

Solu¸c˜ao:

e C

= A, mostre que: S AB = S AC , que BC S AB e que A / BC.

Para facilitar esta demonstra¸c˜ao vamos seguir por parte, isto ´e, vamos provar primeiro que S AB = S AC .

Imagine uma semi reta que passe pelos pontos A e B.

B A
B
A

Pelo enunciado ainda temos um ponto C pertencentes a essa semi-reta de modo que temos ent˜ao trˆes possibilidade para a poci¸c˜ao de C:

B

=

C.

A

B

C (Lˆe-se

B est´a entre

A

e

C).

A

C

B (Lˆe-se

C est´a entre

A

e

B).

Se B = C a demonstra¸c˜ao ´e imediata.

Se A B C ent˜ao S AB

S AC ,

pois AB AC.

E como S AB ´e a uni˜ao do segmento AB com o

conjunto de pontos que est˜ao depois de B e C est´a depois de B ent˜ao, por defini¸c˜ao, S AC S AB .

Mesmo resultado se chega se analisarmos A C B.

Como sob qualquer hip´otese temos S AB S AC e S AC S AB ent˜ao podemos afirmar que S AB = S AC .

(Segunda parte).

De uma forma ou e outra ou BC S AC ou BC S AB , mas como S AB = S AC ent˜ao BC S AB .

(Terceira parte).

O fato de que A / BC ´e ´obvio, pois C BC e por hip´otese (reveja o enunciado) A

= C.

10

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

Obs: Creio que o autor quisesse escrever outra coisa aqui.

6. Demonstre que a interse¸c˜ao de convexos ainda ´e um convexo.

Solu¸c˜ao:

Sejam A e B dois pontos pertencentes a interse¸c˜ao de n conjuntos convexos, ent˜ao A e B pertencem a cada um dos conjuntos convexos. Logo, o segmento AB pertence a cada um destes conjuntos, pois s˜ao convexos. Portanto o segmento AB pertence a interse¸c˜ao, concluindo assim que a interse¸c˜ao ´e um conjunto convexo.

7. Mostre que um triˆangulo separa o plano em duas regi˜oes, uma das quais ´e convexa.

Solu¸c˜ao:

Tracemos trˆes retas m, n e o que se interceptam nos pontos A, B e C como na figura abaixo.

m o β A α X C Y B
m
o
β
A
α
X
C
Y
B

n

Assim ser´a formado o triˆangulo ABC, que por sua vez separa o plano em duas regi˜oes (chamadas aqui de α e β). A regi˜ao convexa ´e a regi˜ao que forma o interior do triˆangulo. Para provar isso considere os pontos X e Y pertencentes ao semi-plano α gerado pelas trˆes retas. Como X e Y est˜ao no mesmo semi plano gerado pela reta m ent˜ao o segmento XY n˜ao intercepta a reta m. Analogamente o segmento XY n˜ao pode interceptar as retas n e o. O que implica que XY pertence ao semi-plano α formado pelo triˆangulo ABC que portanto ´e uma regi˜ao convexa.

8. Generalize os exerc´ıcios 11 e 12 para o caso de n pontos.

Solu¸c˜ao:

Estes exerc´ıcios n˜ao constam na obra o que configura o segundo erro do livro. O primeiro ´e o de ter sido escrito.

9. Podem existir dois segmentos distintos tendo dois pontos em comum? E tendo exatamente

dois pontos em comum?

Solu¸c˜ao:

Dado os pontos A ,B, C e D de modo que ABCD ent˜ao, os segmentos AC e BD ter˜ao o segmento BC em comum. Como em um segmento existe infinitos pontos ent˜ao AC e BD possuem dois pontos em comum mas, nunca possuir˜ao apenas dois pontos.

11

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

˜

2 AXIOMAS SOBRE MEDIC¸ AO DE SEGMENTOS

2.1

Exerc´ıcios

1. Sejam A, B, C pontos de uma reta.

m(AB) = 3, m(AC) = 2 e m(BC) = 5.

Fa¸ca um desenho representando-os, sabendo que

Solu¸c˜ao:

Fa¸ca um desenho representando-os, sabendo que Solu¸c˜ao: 2 cm B C A 3 cm 2. Repita

2 cm

um desenho representando-os, sabendo que Solu¸c˜ao: 2 cm B C A 3 cm 2. Repita o

B

um desenho representando-os, sabendo que Solu¸c˜ao: 2 cm B C A 3 cm 2. Repita o

C A

3 cm

2. Repita o exerc´ıcio anterior, sabendo que C est´a entre A e B e que m(AB) = 7 e m(AC) =

5.

Solu¸c˜ao:

5 cm

A

entre A e B e que m(AB) = 7 e m(AC) = 5. Solu¸c˜ao: 5 cm

C

A e B e que m(AB) = 7 e m(AC) = 5. Solu¸c˜ao: 5 cm A

B

A e B e que m(AB) = 7 e m(AC) = 5. Solu¸c˜ao: 5 cm A

7 cm

3. Desenhe uma reta e sobre ela marque dois pontos A e B. Suponha que a coordenada do

ponto A seja zero e a do ponto B seja um. Marque agora pontos cujas coordenadas s˜ao 3, 5, 5/2, 1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3.

Solu¸c˜ao:

-2

A

B

1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3. Solu¸c˜ao: -2 A B -5 -5/3 -1 -1/3
1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3. Solu¸c˜ao: -2 A B -5 -5/3 -1 -1/3
1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3. Solu¸c˜ao: -2 A B -5 -5/3 -1 -1/3
1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3. Solu¸c˜ao: -2 A B -5 -5/3 -1 -1/3
1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3. Solu¸c˜ao: -2 A B -5 -5/3 -1 -1/3
1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3. Solu¸c˜ao: -2 A B -5 -5/3 -1 -1/3
1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3. Solu¸c˜ao: -2 A B -5 -5/3 -1 -1/3
1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3. Solu¸c˜ao: -2 A B -5 -5/3 -1 -1/3
1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3. Solu¸c˜ao: -2 A B -5 -5/3 -1 -1/3
1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3. Solu¸c˜ao: -2 A B -5 -5/3 -1 -1/3
1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3. Solu¸c˜ao: -2 A B -5 -5/3 -1 -1/3
1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3. Solu¸c˜ao: -2 A B -5 -5/3 -1 -1/3
1/3, 3/2, 2, -1, -2, -5, -1/3, -5/3. Solu¸c˜ao: -2 A B -5 -5/3 -1 -1/3

-5

-5/3

-1

-1/3

1/3

3/2

2

5/2

3

5

4. Sejam A 1 e A 2 pontos de coordenadas 1 e 2. Dˆe a coordenada do ponto m´edio A 3 do

segmento A 1 A 2 . Dˆe a coordenada do ponto m´edio A 4 do segmento A 2 A 3 . Dˆe a coordenada A 5 do ponto m´edio do segmento A 3 A 4 .

Solu¸c˜ao:

Sendo A 3 o ponto m´edio do segmento A 1 A 2 ent˜ao a coordenada A 3 ser´a a media aritm´etica

A 3 = A 1 + A 2

2

= 1 + 2

2

= 3

2

Analogamente se calcula para os demais pontos.

12

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

5. Prove que, se a b =

c

d ent˜ao

a) = c

a

c

=

d

a+b

e

e

b

e d b

a

ab

a

ab

b) c+d

a

=

d

c) c+d

a+b

b

=

d

=

b =

cd

c

cd

d

Solu¸c˜ao de A:

Se

a

b

a

b

b

=

· c =

c

d ent˜ao:

c

d · c b

a b

=

c d

A 4 =

A 5

=

Partindo tamb´em da mesma igualdade

a

b =

c

d

a

b ·

d

a

d =

b

=

c

a

c

d ·

d

a

Solu¸c˜ao de B:

a

b =

c

d

db ac · a

b =

d = b

c a

c

d

·

1 + d

c

= 1 +

c · d = a a ·

c

c

b

a

db

ac

b

a

3 + 4 2 2 = 7
3
+ 4
2
2
= 7
 

2

4

3

7

2

+

4

= 13

 

2

8

13

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

c+d

c

=

b+a

a

J´a a segunda igualdade procedemos assim:

a

b =

c

d

a

b

·

db

ac =

c

d

·

db

ac

⇒ −1 · d = 1 · b

c

a

cd

c

= ab

a

Dessa forma se procede as demais demonstra¸c˜oes.

6. Se p ´e ponto de intercess˜ao de c´ırculos de raio r e centros em A e B, mostre que m(PA) =

m(PB).

Solu¸c˜ao:

Como o ponto P esta na interse¸c˜ao dos dois c´ırculos de raio r ent˜ao P pertence tanto ao c´ırculo

com centro em A como ao c´ırculo com centro em B. Como por defini¸c˜ao de c´ırculo, PA = r e PB = r ent˜ao PA = PB. Como se queria demonstrar.

7. Usando uma r´egua e um compasso, descreva um m´etodo para constru¸c˜ao de um triˆangulo

com dois lados de mesmo comprimento. (Um tal triˆangulo ´e chamado de triˆangulo is´osceles).

Solu¸c˜ao:

Com a r´egua desenhe um segmento AB.

A

B

Com um compasso centrado em A trace uma circunferˆencia de raio AB.

A
A

B

Agora com centro em B trace outro c´ırculo de raio BA.

A B
A
B

14

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

Na intercess˜ao entre as duas circunferˆencias marque os pontos C e D.

C A B D
C
A
B
D

Com a r´egua forme o triˆangulo ABC ou ABD em qualquer caso teremos um tiˆangulo equil´atero 2 e como todo equil´atero ´e, por defini¸c˜ao, tamb´em is´osceles ent˜ao cumprimos o requerido.

8. Descreva um m´etodo para constru¸c˜ao de um triˆangulo com os trˆes lados de mesmo com- primento.

Solu¸c˜ao:

Veja a quest˜ao anterior.

9.Mostre que, se a < b ent˜ao a < (a + b)/2 e

Solu¸c˜ao:

Se a < b ent˜ao:

a + a < a + b

2a + a + b

a < a + b

2

b > (a + b)/2.

completando a primeira parte. J´a a segunda parte provamos assim:

a < b

a + b < b + b

a + b < 2b

a + b

2

< b

2 Um triˆangulo com os tˆes lados iguais.

15

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

´

10. E poss´ıvel desenhar se um triˆangulo com lados medindo 3, 8 e 5?

Solu¸c˜ao:

N˜ao, a desigualdade triangular afirma que a soma de dois lados quaisquer de um triˆangulo ´e maior que o terceiro lado porem se tomarmos os lados de medida 5 e 3, teremos 8 = 8.

11. O c´ırculo de raio r 1 centrado em A intercepta o c´ırculo de raio r 2 centrado em B em

exatamente dois pontos. O que se pode afirmar sobre m(AB)?

Solu¸c˜ao:

Observe o seguinte desenho.

r 1 C D A B
r 1
C
D
A
B

r 2

Note que m(AB) = m(AD) + m(CB) m(CD). Como m(AD) = r 2 , m(CB) = r 2 e m(CD)

= 0 ent˜ao:

m(AB) = m(AD) + m(CB) m(CD)

m(AB) = r 2

+ r 2 m(CD)

m(AB) < r 2

+ r 2

Ou seja, podemos dizer que m(AB) < m(r 2 ) + m(r 1 )

12. Considere um c´ırculo de raio r e centro A. Sejam B e C pontos deste c´ırculo. O que se

pode afirmar sobre o triˆangulo ABC?

Solu¸c˜ao:

Se os pontos B e C pertencentes a circunferˆencia que forma o c´ırculo ent˜ao AB = AC = r logo o triˆangulo ´e is´osceles de base AB.

NOTA: O livro refere-se a uma circunferˆencia como c´ırculo.

16

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

13. Considere um c´ırculo de raio r e centro O. Seja A um ponto deste c´ırculo e seja B um

Qual ´e a posi¸c˜ao do ponto B relativamente ao

ponto tal que o triˆangulo OAB ´e equil´atero. c´ırculo?

Solu¸c˜ao:

Sendo o triˆangulo equil´atero (lados iguais) e sendo um de seus lados o segmento OA de tamanho r ent˜ao OB = r assim o ponto B est´a a uma distancia r do centro do c´ırculo, isto ´e, B pertence a circunferˆencia.

14. Dois c´ırculos de mesmo raio e centros A e B se interceptam em dois pontos C e D. O que

pode ser afirmado sobre os triˆangulos ABC e ACD? E sobre o quadril´atero ACBD?

Solu¸c˜ao:

Os triˆangulos ABC e ACD s˜ao is´osceles, pois AC = BC = AD = BD = r.

Como esses segmentos

tamb´em formam o paralelogramo ACBD ent˜ao o pol´ıgono ´e um quadril´atero de lados iguais.

17

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

2.2

1.

Problemas

Dado um segmento AB mostre que existe e ´e unico,´

m(AC)

m(BC) = a onde a ´e qualquer real positivo.

um ponto C entre A e B tal que

Solu¸c˜ao:

Se C est´a entre A e B ent˜ao existe duas possibilidades para a constru¸c˜ao do segmento AB.

A

A
A B

BA

C

B

B
B A

AB

C

1 caso

2 caso

Vamos considerar apenas o primeiro caso, uma vez que a resolu¸c˜ao do segundo ´e an´aloga.

Vamos come¸car provando a existˆencia do ponto C.

Pelo axioma III 2 existe um x, um b e um c (todos reais) que representam as coordenadas dos pontos A, B e C respectivamente.

Tamb´em pelo axioma III 2 podemos declarar a seguinte equa¸c˜ao:

como desejamos que

O que implica em:

m(AC)

m(BC)

m(AC)

m(BC)

= c x

b c

= a ent˜ao tamb´em desejamos que:

c

c x

b c

= a

ab + x

=

1 + a

(1)

Como a ´e positivo (afinal ´e resultado da divis˜ao de duas distˆancias), ent˜ao c existe para qualquer valor de x e b o que garante a existˆencia do ponto C.

Para provar a unicidade de C procedemos assim: imagine por absurdo que exista um C’ nas mesmas condi¸c˜oes que C, mas diferente dele. Ent˜ao:

.

m(AC ) m(BC

) = a

c

x

b c

= a

Resolvemos esta ultima equa¸c˜ao para c’ chega-se a solu¸c˜ao

c =

ab + x

1 + a

18

(2)

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

Finalmente comparando (1) e (2), e pelo axioma III 2 , podemos afirmar que os pontos C e

nos leva a concluir que C e C’ s˜ao

na verdade o mesmo ponto, o que contraria a tese inicial. Com isso conclu´ımos que n˜ao pode

C’ tˆem distˆancia igual a zero o que por meio do axioma

III 1

haver um ponto diferente de C entre A e B tal que m(AC)

m(BC)

= a.

Provando a unicidade.

2. Descreva um m´etodo para obter uma boa aproxima¸c˜ao do comprimento de um c´ırculo.

Solu¸c˜ao:

Utilizando um compasso desenhe um c´ırculo de raio r. Com uma r´egua graduada desenhe no interior do c´ırculo um pol´ıgono com n v´ertices, sendo que cada v´ertice deve estar sobre o c´ırculo. Mais ou menos como na imagem abaixo.

sobre o c´ırculo. Mais ou menos como na imagem abaixo. Pol´ıgono de 6 lados. Como cada

Pol´ıgono de 6 lados.

Como cada segmento corresponde a um numero real podemos chegar a uma aproxima¸c˜ao do c´ırculo bastando com a r´egua medir os lados do pol´ıgono. Lembrando que quanto mais v´ertices o pol´ıgono tiver mais precisa ser´a a aproxima¸c˜ao.

3. Prove a seguinte afirma¸c˜ao feita no texto: o segmento de reta ligando um ponto fora de

um c´ırculo com um ponto dentro do mesmo, tˆem um ponto em comum com o c´ırculo.

Solu¸c˜ao:

Seja C um ponto qualquer fora de um c´ırculo de centro O, ent˜ao OC > r, onde r ´e o raio do c´ırculo. Assim existe um ponto D OC tal que m(OD) = r. Sendo o c´ırculo formado por todos os pontos do plano que est˜ao a uma distˆancia r do ponto O, ent˜ao o ponto D pertencente a intercess˜ao do segmento OC com a circunferˆencia. Como se queria demonstrar.

4. Dado dois pontos A e B e um numero real r maior do que m(AB), o conjunto dos pontos

C satisfazendo a m(CA) + m(CB) = r ´e chamado de elipse. Estabele¸ca os conceitos de regi˜ao

interior e de regi˜ao exterior a uma elipse.

Solu¸c˜ao:

Analogamente a circunferˆencia se m(CA) + m(CB) > r ent˜ao o conjunto de pontos ´e externo.

19

Geometria Euclidiana Plana

Resolvido por Diego Oliveira - Vit´oria da Conquista/BA

Se m(CA) + m(CB) <