Zine 35

“35”
A ideia de compor esta publicação veio do desejo de comemorar meu aniversário deste ano reunindo outr@s arteir@s como eu. 2013 é o ano que completo 35 anos, 35 aniversários. E com este número pulsando antes mesmo da chegada da data do meu aniversário inevitável era a vontade de publicar o zine - tanto que pensei em 35 participantes, porém a ansiedade de editar estava mais forte. Nasci em 1978 - acho este número simpático pois adoro 7 e 8 e nasci no mês 8 e agora o 35 (3 + 5 = 8) – e ao idealizar este zine me perguntei o que aconteceu de marcante neste ano? Para minha mãe – acho... - algo inesquecível que até hoje vive presente em sua vida. Mas para responder sobre outros fatos marcantes que façamos, então uma busca na internet, nos livros ou então, em nossas memórias. Então sem mais delongas, delírios, discursos, comecemos este zine apresentando nas próximas páginas artistas, escritores, seres humanos normais, etc, etc e suas criações/histórias envolvidas com a idade “35” - e que muito alegram por estarem aqui...

Boa viagem !

Zine 35 - Autores

Henry Jaepelt

Thina Curtis

Rodrigo “Amor Experimental”

Raffa Gomes Gazy Andraus

Anita Costa Prado

Maria Jaepelt

Escobar Franelas

Fernanda de Aragão

Murillo Kollek

Beth Aquino

Lúcio Gregório

Rodrigo Motta

Patrícia Bezerra

Ana Luiza Frari

Odé Amorim Fabi Menassi

35 vivacidade força e vigor. maturidade a maturidade vem aos poucos... em medidas homeopáticas pequenas doses de reflexão sabedoria tranquilidade acalento cicatrizes amenizadas... força e inspiração pulsa em meio a tantas sombras Aos 35 me peguei olhando a luz da vida em cada amanhecer. Minha alma é carmim É intensa Exuberante Extravagante e lascivo mais feminina me senti fortaleza e mesmo assim em mim habita a femea

felina que tras nas ventas e no corpo a eloquência e o fogo juvenil E aos 35 neste corpo habita a guerreira segura de si habita a guerreira segura de si em forma de coragem e estabilidade o tempo me presenteou com doses desse antídoto na qual me alimento diariamente com um dieta balanceada refeições diarias de razão e sensibilidade rotinas quebradas afinal a jovialidade é o tanto quanto efêmera e harmoniosa e sendo assim trinta e cincava várias vezes se fosse possivel 35 deveria ser pérpetuo as vezes é necessário depois dos 35 prevaricar... Thina Curtis

.......... .......... .......... .....
Rodrigo “Amor Experimental”

Até Nos, Após! Até os 35? Banzerar, andar, correr, voar, sentir, não sentir, desfazer, devagar! Despedir, despencar, refazer, Brincar. até lá, muitos por do sol, acampamentos de verão, de inverno, de primavera. No outono, só sentar nas praças e me molhar de folhas.. esperar trens com pessoas, e deixar os trens com saudades, viver viagens no sofá de casa, e viajar de poltronas a caiaques.. Falar Estoniano com Chineses, e aprender Guarani com um Baiano. Casar várias vezes com minha Cearense! ( e disso não abro mão) Ser infeliz em filmes e chorar as farsas do Quixote. reler Huxley, desfazer as caixas de livros para refazê-las em outras casas; E mais poesia escrita do que vivida, afinal, sou compelido a escrever- mas sem deixar as vírgulas da vida esvaziarem o poema. Mesmo quando a preguiça d'um pássaro e o canto de uma rede quase obrigar o sono, vir fechar meus olhos: Nos 35; Tudo igual, um pouco mais rápido pra fingir a vitalidade dos 25 mesmo sabendo que é difícil dar conta, e poder dizer, diferente de quando era antes: - tenho só isso, sou um muleke ainda.. E relembrar quando me diziam isso, e eu ficava puto! ( mas aqui já quero ter visto o mundo, rodado as costas do mar sem fundo, desejado as pirâmides e o Himalaia ter comido até neve na Jamaica ).. Após 35. Começar a viver. ( agora de verdade ) Raffa Gomes 08/08/13

Gazy Andraus

Pessoas e Automóveis Aos 35 anos eu caminhava para a maturidade mas ainda carregava inquietações da adolescência. Pelo menos era a sensação que eu tinha. Responsabilidades se multiplicando e sonhos antigos não realizados se transformando ou sendo catalogados como “em espera”. Observava pessoas da mesma faixa etária e via que a idade é um número apenas. Não indica características fixas como nos automóveis. Os fabricados em determinado ano tem os faróis, lanternas e outros itens diferentes do ano seguinte. Os humanos podem ter o mesmo ano de “fabricação” mas com modelos distintos: o rapaz de 35 se comportando como garotão e morando com os pais contrasta com o homem de 35 já se desdobrando no trabalho para pagar o colégio dos filhos. Um mero exemplo de como a idade é simplesmente um número a mais na contagem que criaram para que nos sentíssemos apenas indivíduos com começo, meio e fim. Anita Costa Prado

35 Apareceu o primeiro fio de cabelo branco e eu pensei “putz, fudeu, a idade chegou”. Comecei a arrumar os papeis que estavam dispersos em muitas gavetas. O limbo talvez seja essa inexatidão, se achar jovem sem ser e “sentir o peso” da idade que nem pesa (ainda). Aos 35 do segundo tempo pensava estar fazendo o gol da virada, mas era só gol contra. E de empate. Pai três vezes e ainda aprendendo a ser filho de um pai cada vez mais sorridente e amigo. Chega uma hora que você percebe que seus pais são mais parecidos com você do que você supunha. Nem bem nem mal sucedido. Eis o meu sucesso na entressafra existencial. Nem quimeras nem memórias, tem coisas que só acontecem agora, aqui. Foi aí que aprendi, amar quase rima com aroma, diabo talvez seja aliteração de odiar. A vida começa aos 40, mas a cópula vem antes, Por volta dos 35. Por isso gozar é essencial, sempre. Escobar Franelas

A lista   Ai de ti se depois dos 30 não fores um par. Ai. Um tu e um outro, que façam de vós um único social. Ai de ti. Se quiseres mais de um, viver em ímpar. Não! A ti, os pares. Quartetos, sextetos, octetos de tu com um outro, em consonância com duplas de alívio com um ela “não sou feliz, mas tenho marido” ou um desespero: “os homens são de marte, é para lá que eu vou!”. Ai de ti. Que do alívio não tens marido, nem passagem para marte quando ainda decidem qual delas é pra casar, ser amante, ou por um dia.   Ai de ti se antes dos 30 eras um grupo. Ai. Um tu e um bando, que de ti faziam um todo social. Ai de vós, pela saudade das amizades de infância, e daquelas de faculdade quando a dor do mantra “precisas aprender a ser só” – ai! – cai direto na conta do apego que se esvai e no além dissolve.   Ai de ti se antes dos 30 eras o só. Ai. De ti um tu no espelho que te fazias mundo. No longe, ausente. Ai de vós que ficastes, que te foste, na soleira ou ao largo, dos que, à risca, assinaram os protocolos, aceitos, não notados, de tu com um outro, aos pares, numa espera do por vir.   Que um tu num trio não te bastas, arrasta quintetos, septetos, numa lista que te ímpares, que te sobras, que – ai de ti – resta!
_____________ Fernanda de Aragão [ e Ramirez ]

HÁBITOS Subo as escadas ornamentadas em caracóis Deslizo os degraus polidos Absorvo o ar úmido das paredes Esquadrinho o limite máximo da sala. Luzes reflexos vozes Imagens distorcidas Mentiras por atacado Adquiro o hábito de engatinhar as escadas Sujar os degraus Pichar as paredes Na sala dormitório Cegueira total Fiquei viciado Charutos vinho sexo [Murillo Kollek] Do livro: Tempos & Territórios, 2004 (Ed. PMD)

DIVERSÃO Subo a colina Compro jornal Pássaros vôos rasantes Decodifico mensagens. Me distraio Recorto teus bilhetes Feitos a dois pensamentos. Palavras cruzadas Horóscopo Página cultural Signos em ascendência. Me distraio Recorto teus bilhetes Escritos por mim. [Murillo Kollek] Do livro: Tempos & Territórios, 2004 (Ed. PMD)

LADO A LADO Andar na corda bamba equilibrando-se na bicicleta vidas cruzadas na colcha de retalhos. Equilibrio fora de si nervos a flor da pele móveis machucados corações doloridos. Leve desejo de voar conversar com o vento flutuar nas nuvens xingar os pára-raios. [Murillo Kollek] Do livro Augustus: Cotidiano e Urbanidade, 2009 - Ed. Celta

Rodrigo Motta

Patrícia Bezerra

Ana Luiza Frari

Odé Amorim Durante “HQ em Poesia = Residência sinestésica” Dias 14 e 15 de setembro de 2013 Dentro do programa “Residências Sociocriativas” Propostas pelo OFICINATIVA na CASA SINESTÉSICA

Fabi Menassi “35 anos”

Henry Jaepelt hj-eulenspiegel@hotmail.com Thina Curtis www.fanzinada.com.br Rodrigo “Amor Experimental” http://flavors.me/amoramboia Raffa Gomes https://www.facebook.com/RaffaGomes Gazy Andraus gazyandraus@gmail.com Anita Costa Prado www.cafofodakatita.blogspot.com Maria (Fafá) Jaepelt marie-pelt@hotmail.com Escobar Franelas http://escobarfranelas.blogspot.com Fernanda de Aragão www.cincodeoutubro.com.br Murillo Kollek www.murillokollek.blogspot.com.br Beth Aquino https://www.facebook.com/beth.aquino.52 Lúcio Gregório www.arteincoerente.blogspot.com Rodrigo Motta www.facebook.com/rodrigomotta17 Patrícia Bezerra patriciapapita@yahoo.com.br Ana Luiza Frari www.quintalorganico.blogspot.com.br Odé Amorim www.oficinativa.blogspot.com.br

Zine 35 Autores Contato

Zine 35 Idealização: Fabi Menassi www.fabimenassi.blogspot.com.br www.facebook/fabimenassi fabi_menassi@yahoo.com.br Desenhos não indicados Autoria: Fabi Menassi

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful