P. 1
Capítulo 7 - Informar e Envolver os Pais-Philippe Perrenoud

Capítulo 7 - Informar e Envolver os Pais-Philippe Perrenoud

|Views: 5.978|Likes:

More info:

Published by: Adriana Miranda Oliveira on Oct 04, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/17/2013

pdf

text

original

10 NOVAS COMPETÊNCIAS PARA ENSINAR – Philippe Perrenoud CAPÍTULO 7 - “Informar e Envolver os Pais” Informar e Envolver os Pais Um acontecimento marcante

da escola no século XX, foi a irrupção dos pais como parceiros na educação escolar. Seria uma entrada brusca dos pais na escola, os notáveis (burguesia) jamais se privaram de participar e de conservar uma escola de acordo com seus desejos. Não que não houvesse uma participação antes dos mais humildes, mas somente pais abastados participavam mais da vida escolar dos filhos e das escolas. As escolas mais ricas eram as melhores e havia um investimento por parte dos pais, pois além da qualidade o renome da escola também era muito importante O Sistema unificado no final do século XIX, início século XX, todas as crianças passam pela escola de ensino fundamental, em princípio “a mesma para todos”, é a escolarização obrigatória. Constituiu em uma formidável máquina de privar os pais do seu poder educativo. As crianças agora entram no molde de bons e fieis cidadãos, mais tarde bons trabalhadores e bons consumidores. A criança deixou de pertencer a sua família. A lei obriga os pais a cederem parte da educação de seus filhos a escola. As leis não impõem a escolarização, mas a “instrução”. É uma ficção para os pais sem recurso, aqueles que não podem pagar um ensino particular. As leis também dão mais direito aos pais, direito de entrar na escola, de serem informados, consultados, direito de participar da administração. Os textos mais hipócritas afirmam: A escola é a segunda família na educação de seus filhos. Evitam dizer que esta “assistência” não é absolutamente uma resposta a uma necessidade de ajuda. Os pais se adaptam, passam a ser atores que não tem escolha. Por que a escolarização se tornou obrigatória? Ninguém pensaria em tornar obrigatória a respiração. A escola se tornou obrigatória porque as crianças não tinham espontaneidade, vontade de freqüentá-la, nem mesmo os pais a necessidade de confiar seus filhos a ela. Eles preferiam mantê-los em casa, principalmente para fazê-los trabalhar desde a mais tenra idade. A escolarização obrigatória arrancou as crianças de sua família, a partir dos seis anos de idade, por razões mais ou menos confessáveis. - Garantir a instrução; - Protegê-las da exploração, dos maus-tratos, da dependência. Por outro lado o objetivo era também moralizar sua educação por meio da disciplina, da educação cívica, da higiene e também normatizá-la a começar a aprendizagem de uma “língua escolar”, que não era a língua falada na família no dia-a-dia. E nos dias atuais se a obrigação legal de frequentar a escola fosse suspensa? É provável que a maioria dos pais mandaria assim mesmo seus filhos para a escola.. São vários os fatores que implicam nesta afirmação; - A maioria dos pais hoje trabalha; - Muitos acham que a escola é responsável pela educação de seu filho. - Os pais de hoje, inclusive os menos favorecidos, já freqüentaram a escola, mesmo por alguns anos, nela aprenderam alguma coisa. “Sem instrução, nem diploma, não há salvação” E como se tornou a relação dos pais com os professores? Os pais não tendo competência ou o tempo requerido para cuidar e educar seu próprio filho delega facilmente esta tarefa para profissionais mais disponíveis ou qualificados. A relação dos pais com os professores torna-se comum, como aqueles outros profissionais que ocupam de seus filhos, cabeleireiro, dentista, treinador esportivo, professor de dança etc.

Nos dias de hoje, o dever de informar e envolver os pais nas escolas faz parte das atribuições de um professor e requer competência para isso, é obrigação da escola informar os pais em relação a educação de sues filhos. Mas fazer essa mediação não é fácil, os ministros defendem o direito à diferença e a tolerância, mas eles não vivem em aglomerados, apartamentos populares, não tem contato com outras culturas e outros modos de vida. Na teoria dizer que ter dialogo com os pais, é fácil, mas na prática, quando não existe confiança entre o professor e os pais, aparecem preconceitos, suspeitas, criticas, o dialogo torna-se difícil de acontecer, os professores no seu cotidiano encaram uma série de coisas, como: horários, disciplinas, normas, avaliação, e as vezes a família ainda acham que eles, é que ainda são os responsáveis pelo que a escola fez ou não fez. Muitas vezes são recebidos com agressividade, tanto pelo aluno, quanto ao pai, são questionados em tudo, por isso que o dialogo com os pais na maioria das vezes não são agradáveis para alguns professores, porque já não acreditam mais neles, estão magoados por palavras infelizes, por atitudes dissimuladas, mesmo assim o professor precisa ser profissional e fazer com que esse diálogo flua de alguma maneira. Hoje, alguns pais tem poucos filhos e dedicam toda a sua atenção a eles, mas, ser pai de aluno é algo novo, diferente e não tiveram tempo para refletir sobre essa etapa, seu filho cresce, cada ano muda de turma, para esses pais essa adaptação se torna difícil, ainda surge novos programas de ensino e outras maneiras de ensinar. A escola quando for necessário, mesmo havendo diversidade tem a capacidade de comunicação com os pais, deixando os cientes sobre os projetos de instrução que estão sendo aplicados a seus filhos. O diálogo com os pais, antes de ser um problema de competências é uma questão da identidade de relação profissional. È importante informar e envolver os pais, é uma competência fazer com que eles participem de reuniões e debates, os pais precisam se envolver na construção dos saberes de seu filho, e saber fazer essa mediação é uma habilidade e competência do professor. Dirigir Reuniões de Informações e de Debates Os pais que assistem a uma reunião de pais sabem, ou descobrem que este não é o momento apropriado para resolver os casos particulares. Mas, quando a situação do seu filho realmente os preocupa, podem ficar tentados a falar disso no meio de um problema geral: trabalhos de casa excessivos, insuficientes, disciplina, indisciplina, avaliação muito rigorosa, generosa. É por isso que o professor terá que adquirir a capacidade de decodificar, em declarações aparentemente gerais, preocupações pessoais e tratá-las como tais. Terá de adquirir a competência de não marcar reuniões gerais quando os pais têm preocupações particulares. Marcando tais reuniões no inicio do ano letivo, para apresentar a sua metodologia de trabalho, pois ainda os pais não têm razões de se preocuparem com os filhos ou mais tarde em reuniões individuais, onde serão respondidas as questões preocupantes em relação à aprendizagem de seus filhos. Fica evidente que não há uma regra a ser seguida, mas sim que se deve procurar evitar em reuniões que ocorra explosões angustiantes ou algum tipo de descontentamento particular que venham a ser tratados nela. É necessário que se saiba que mesmo em encontros individuais as reuniões continuam sendo um problema. É raridade que em reuniões de pais exista uma relação serena entre esses e a escola, pois a escolaridade dos filhos é entrecortada de inquietações, preocupações e muitas vezes de esperanças, pois os mesmos temem pelo desenvolvimento, socialização e o que ocorre num

mundo que muitas vezes é desconhecido por eles, mas que na realidade é vivido pelos filhos, sendo isso às vezes o causador de tumultos, portanto não é preciso grande coisa para acender um pavio. Uma das competências maiores é distinguir com clareza a sua autonomia profissional, a política educativa, os programas, as normas e as orientações da instituição. Dissociar-se totalmente da instituição que o emprega é tão desastroso quanto assumir categoricamente todos os diplomas legais. O professor deve saber informar e envolver os pais com habilidade, deixando espaços para debates, sendo sensato que lembrem o objetivo da reunião, dos assuntos que serão tratados e outros que surgirão. Antes de tudo o professor deve ser hábil e compreender que os pais não ocupam a mesma posição deles (professores), têm outras preocupações, outra visão de escola e são diferentes uns dos outros e como tais devem ser aceitos como são, em sua diversidade. Fazer Entrevistas A competência maior é, mais uma vez, saber situar-se claramente. As entrevistas completam as reuniões. Por falta de tempo, na maioria das classes, os pais comparecem somente quando surge um problema. Uma entrevista deve ser bem preparada, definir seu objetivo, deixar os interlocutores a vontade. Convocar os pais com autoritarismo e tratá-los como acusados no tribunal não vai possibilitar um diálogo de igual para igual. Existe uma falta de habilidade, certos professores tratam os pais como alunos. O ideal seria pais e professores se encontrarem regularmente, de preferência com a criança para acertarem acordos, pelo simples fato que partilham uma responsabilidade educativa. A competência consiste amplamente, neste caso, em não abusar de uma posição dominante, em controlar a tentação de culpar e de julgar os pais. Os pais são responsáveis direta ou indiretamente pelas dificuldades de sues filhos e mais ainda pela sua conduta. É necessária uma grande sabedoria, o trabalho sobre si próprio e sua relação com ouro é, nesse caso mais útil do que a habilidade de conduzir uma entrevista. Acontece dos pais solicitar a entrevista e neste caso o professor encontra-se na posição de acusado, se ele não se apresentar como um profissional competente, em plena posse de seus recursos certamente os pais o acusaram de iniciante ou como se estivesse atravessando uma má fase. Deixar passar a tempestade é uma forma de competência. As críticas geralmente são feitas por pais mais instruídos, cientes de seus direitos de classe média ou alta. Eles atacam violentamente e não é raro ouvir professores queixando-se da agressividade ou da arrogância de certos pais que “acham que podem tudo”. Por outro lado, ambos se esforçam para delimitar seu território. A experiência ensina uma certa humildade. As competências requeridas de um verdadeiro profissional consistem de preferência, em não gastar toda sua energia para se defender, para afastar o outro, mas ao contrário, aceitar negociar ouvir e compreender o que os pais tem a dizer sem renunciar a defende suas próprias convicções. Maia uma vez as competências nada são se não podem apoiar-se em uma identidade, uma ética e uma forma de coragem...

Envolver os pais na construção dos saberes Quando se diz “envolver os pais na construção dos saberes”, não se limita apenas a convidá-los para participarem ativamente nos papeis que a escola desempenha. Isso pode até favorecer o diálogo entre alguns pais e professores, mas nem todos os pais tem a mesma visão

que é obrigação e dever da parte deles, mandar seus filhos para a escola. Há pais que ao invés de mandar o filho para a escola, convênce-o a ficar em casa, porque não vêem interesse nos estudos e ainda não encontram justificativas para que o filho fique passe tantos anos estudando. Ao mesmo tempo, há outros pais que ficam aterrorizados em pensar que seu filho por um motivo ou outro não chegará ao ensino superior, e fazem de tudo para que o menino seja instruído. Para os professores, alguns pais são seus aliados incondicionais e outros são declarados como adversários. É preciso que haja mais democratização no ensino para que possa defender uma pedagogia ativa e diferenciada. Seja qual for a pedagogia que o professor utiliza é necessário que tanto os alunos quanto aos pais compreendam e assimilem a ela, isso é a nível do ensino e aprendizagem, para que a didática aplicada consiga envolver os pais e não se tornem angustiante para aqueles que apostam na autonomia da aprendizagem de seu filho. A competência de um professor consiste em conseguir a adesão dos pais em sua pedagogia, mas sem abandonar aqueles que não se aderiram. Alguns alunos constroem desde cedo uma relação autônoma com o saber, e isso o ajuda a passar por todo tipo de pedagogia tanto educacional quanto familiar. Outros alunos já possuem menos recursos para pensar por si próprio, principalmente quando se encontram em razões contraditórias. Geralmente o professor se vê como um profissional qualificado, informado e que sabe o que ele faz, assim esperam dos pais maior confiança, mesmo sabendo que nem sempre vai obtê-la, e quando conseguem essa confiança ela é frágil. O professor precisa ganhar a confiança dos pais, explicando sobre o seu trabalho e como o faz, para poder tentar envolvêlos em seu método de ensino, para que os mesmos tenham uma participação mais ativa na vida escolar de seus filho. È difícil para o professor envolver os pais em sua concepção de ensino, quando o próprio não tem uma referência, um projeto, não tem espírito de equipe, fica isolado dos colegas. O professor pode exercer grande influência sobre os pais sim, desde que tenha um diálogo entre a equipe pedagógica e os pais, deixando-os cientes que os mesmos conteúdos serão trabalhados em várias turmas, que a pedagogia trabalhada é coerente e continua, mesmo que os conteúdos mudem de um ano para o outro, não dificultará a aprendizagem dos alunos, que os mesmo vão se adaptar com facilidade. Enrolar Dirigir reuniões de informação e de debate: fazer entrevistas e envolver os pais, não esgota a forma de relacionamento entre família e escola, pois a criança torna-se intermediaria entre as mesmas, pois ela transita entre esses dois pólos. Através da vivência na escola, leva aos pais e comenta o seu dia a dia e vice-versa. Se quisermos a democratização do ensino, só nos resta defender uma pedagogia ativa e diferenciada, explicando-a aos pais e tentando conquistar os mais renitentes. Nas relações com os pais devem-se evitar algumas tentações: o Negar fatos. o Insistir no seu caráter excepcional. o Admitir que haja pessoas indesejáveis na turma. o Distanciar-se dos colegas. o Invocar falta de autoridade do EE. o Afirmar que o interlocutor não é representativo. o Referir as dificuldades das condições de trabalho ou de funcionamento. o Lembrar o respeito aos territórios, etc.

Compreendeu-se que ser competente não significa dominar todas as formas de contatos, mas construir um espaço, uma relação baseada em estima onde a recíproca entre pais e professores seja verdadeira. .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->