Você está na página 1de 50

COLÉGIO MARISTA DE MACEIÓ

NAP – NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO


ALUNO(A)

ANO ENSINO TURMA TURNO UNIDADE DATA

2008 MÉDIO MATUTINO III 09/2008


PROFESSOR(A) DISCIPLINA

JOÃO ARAÚJO MATEMÁTICA

TRIGONOMETRIA
I - RELAÇÕES MÉTRICAS NUM TRIÂNGULO RETÂNGULO

Elementos:

Relações Métricas

1. Num triângulo, o quadrado da medida da hipotenusa é igual a soma dos quadrados das medidas dos
catetos. (Teorema de Pitágoras)

2. Num triângulo retângulo, o quadrado da medida de cada cateto é igual ao


produto da medida da hipotenusa pela medida da projeção do cateto sobre ela.

3. Num triângulo retângulo, o quadrado da


medida da altura relativa à hipotenusa é igual ao produto das medidas das projeções dos catetos sobre a
hipotenusa.

4. Num triângulo retângulo, o produto da medida da hipotenusa pela medida da altura relativa a ela é
igual ao produto das medidas dos catetos.
II –RELAÇÕES MÉTRICAS NUM TRIÂNGULO QUALQUER

1. Triângulo acutângulo

- O quadrado da medida de um lado oposto a um ângulo é igual à soma dos quadrados das medidas

dos outros dois lados, menos o dobro do produto das medidas de um desses lados pela medida da

projeção do outro sobre ele.

2. Triângulo obtusângulo

- O quadrado da medida de um lado oposto a um ângulo obtuso é igual à soma dos quadrados das

medidas dos outros dois lados, mais o dobro do produto da medida de um desses lados pela medida

da projeção do outro sobre ele.


III – RAZÕES TRIGONOMÉTRICAS NO TRIÂNGULO RETÂNGULO

1. O seno de um ângulo é a razão entre a medida do cateto oposto a esse ângulo e a medida da

hipotenusa.

2. O cosseno de um ângulo é a razão entre a medida do cateto adjacente a esse ângulo e a medida da

hipotenusa.

3. A tangente de um ângulo é a razão entre a medida do cateto oposto a esse ângulo e a medida do

cateto adjacente.
Tabela

Ângulo 30º 45º 60º

Seno ½

cosseno ½

Tangente 1

IV – RELAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS NUM TRIÂNGULO QUALQUER

1. Lei dos cossenos

Num triângulo, o quadrado da medida de um lado é igual à soma dos quadrados das medidas dos

outros dois, menos o dobro do produto das medidas desses dois lados pelo cosseno do ângulo

aposto ao primeiro lado, ou seja:

a) a2 = b2 + c2 - 2 b c . cos

b) b2 = a2 + c2 - 2 a c . cos

c) c2 = a2 + b2 - 2 a b . cos
2. Leis dos senos

Em todo triângulo, as medidas dos seus lados proporcionais aos senos dos lados opostos.

V – ÁREA DE UM TRIÂNGULO

Num triângulo qualquer, a área é igual ao semiproduto das medidas de dois lados pelo seno do

ângulo formado por esses lados.

Estudo de Circunferência
VI – ARCO DE CIRCUNFERÊNCIA

Arco de circunferência é cada uma das partes em que uma circunferência fica dividida por dois

de seus pontos.
VII – ÂNGULO CENTRAL

Unindo os pontos A e B ao centro da circunferência, determinamos o ângulo


central

Utilizando as mesmas medidas para um arco unitário (arco de medida igual a 1)

e seu correspondente ângulo central, dizemos que as medidas do arco e do

ângulo central que o determina são iguais.

Obs.: note que a medida de um arco não representa a medida do comprimento desse

arco.

Ex.:

Obs.: Cada arco determina um ângulo e cada ângulo determina um arco. Por isso, as

unidades utilizada para medir arcos são os mesmos usados para medir ângulos.

VIII – UNIDADES DE MEDIDAS

Grau

Um grau é definido como a medida do ângulo central subtendido por um arco igual a 1/360, da

circunferência que contém o arco.


- Um minuto é igual a 1/60

- Um segundo é igual a 1/60 do minuto.

Símbolos

grau ( º )

minuto ( ‘ )

segundo ( “ )

Radiano

Medida de um ângulo central subtendido por um arco igual ao raio da circunferência que contém o

arco.

Obs.: Seja a circunferência de raio r e o segmento AB que a representa.

- O comprimento da circunferência é dado por : C = 2  r

IX – MEDIDAS DE ÂNGULOS E ARCOS

Grau Grado Radiano

90º 100

180º 200 

270º 300

360º 400 2
X – COMPRIMENTO DE UM ARCO

Consideremos a figura

A medida do ângulo  em radianos é igual ao quociente entre o comprimento

S do arco pelo raio da circunferência.

Ou seja:

01. CIRCUNFERÊNCIA ORIENTADA:

 Uma circunferência se diz orientada quando se escolhe um sentido de percurso.

+ -

+ -
+ -

+ - -
+
Obs.: Convenciona-se como positivo o sentido anti-horário.

02. ARCO ORIENTADO:

 É todo arco definido sobre uma circunferência orientada.

A A

+ -

B B

Arco AB ( + )

03. ARCO NULO:

 É todo arco cujo comprimento é zero; e a origem e a extremidade são coincidentes.

o
A=B
04. CICLO TRIGONOMÉTRICO:

 É uma circunferência orientada de centro na origem do sistema de eixos cartesianos, de raio


unitário (r = 1) e cujo sentido positivo é o anti-horário.

B
1

A'
AB = + 90º = rd
A' 2
-1 1 
AB ' = - 90º = - rd
-1 2
B'

Obs.: O ponto A(1 , 0) é a origem de todos os arcos trigonométricos.

05. QUADRANTE:

 O sistema cartesiano divide o ciclo trigonométrico em quatro partes denominadas de quadrante.


90º = rd
2

II Q IQ
0º = 0 rd
 rd = 180º
o 360º = 2 rd
III Q IV Q

3
270º = rd
2

0º  90º  1º Quadrante
90º  180º  2º Quadrante
180º  270º  3º Quadrante
270º  360º  4º Quadrante

Obs.: Arcos que medem 0º, 90º, 180º, 270º, 360º e seus côngruos não pertencem a nenhum dos
quadrante.
06. ARCOS CÔNGRUOS:

 Dois arcos são côngruos quando possuem a mesma origem e a mesma extremidade.

De maneira geral:

- Se um arco mede  graus, a expressão geral dos arcos côngruos a ele é dada por, º + K .
360º, onde K  Z.
- Se um arco mede  radianos, a expressão geral dos arcos côngruos a ele é dada por  + 2K,
onde K  Z.

- Quando a medida do arco é dada em radianos, convertemos essa medida para graus.

Ex.: 1: Determine a extremidade dos seguintes arcos.

a) 420º

420 360
60º 1

420º = 60º + 1 . 360º (expressão geral)


420º
 número de voltas completas
60º
o arco de 420º tem a mesma extremidade que o arco de 60º.

10 10 . 180
b) rd   600º
3 3

600 360
240º 1

600 = 240º + 1 . 360º

número de voltas completas.


240º
o arco de 600º tem a mesma extremidade que o arco de 240º.

600º
07. PRIMEIRA DETERMINAÇÃO POSITIVA DE UM ARCO

Denominamos de primeira determinação positiva o arco de  graus de um arco que mede 


graus sendo o arco  côngruo a  e    360º .

Ex.: Calcule a 1ª determinação positiva e escreva a expressão geral dos arcos côngruos a:

a) 420º

420º 360
60º 1

420º = 60º + 1 . 360

1ª determinação positiva
* Expressão geral  = 60º + K . 360º

b) - 1110º

1110º 360
30º 3

- 1110 = - 30º + 3 . 360


- 30 + 360 = 330º

1ª determinação positiva
* Expressão geral  = 330º + K . 360º

08. NÚMEROS TRIGONOMÉTRICOS:

* Seno (sen) de um arco:

 É a ordenada da extremidade desse arco no ciclo trigonométrico:

p B * sen x = OP (lê-se seno de x)


x
A
O

* Cosseno (cos) de m arco:

 É a abscissa da extremidade desse arco no ciclo trigonométrico.

cos x = OM (lê-se cosseno de x)


x
A
O M
09. VALORES IMPORTANTES DE sen x e cos x:

sen 0º  0
x = 0º = 0 rd  
cos 0º  1

 
 sen 90º  sen 2  1
x = 90º =  
2 cos 90º  cos   0
 2

sen 180º  sen   0


x = 180º =  rd 
cos 180º  cos    1

 3
3 sen 270  sen 2   1
x = 270º = rd 
2 cos 270º  cos 3  0
 2

sen 360º  sen 2  0


x = 360º = 2  rd 
cos 360º  cos 2  1

10. VARIAÇÃO DO SINAL DO SENO E DO COSSENO:

sen x  0 sen x  0
I Quadrante  III Quadrante 
cos x  0 cos x  0

sen x  0 sen x  0
II Quadrante  IV Quadrante 
cos x  0 cos x  0

Resumo

Sinais do seno sinais do cosseno

+ + - +
A A

- - - +

* Sabemos que o ciclo trigonométrico possui raio unitário, então os valores do seno e do cosseno
estão compreendidos entre - 1 e 1. Logo:

- 1  sen x  1 e - 1  cos x  1
11. SENO E COSSENO DOS ARCOS MÚLTIPLOS DE 30º:

30º

h

60º
A  C
M 
2

 3
A medida da altura em função do lado  é dado por: h=
2

  3
sen 30º = 2 cos 30º = 2
 

 1  3 1
sen 30º = x cos 30º = x
2  2 

1 3
sen 30º = cos 30º =
2 2

 3 
sen 60º = 2 cos 60º = 2
 

 3 1  1
sen 60º = x cos 60º = x
2  2 

3 1
sen 60º = cos 60º =
2 2

Resumindo:

1 3
1) sen 30º = 3) sen 60º =
2 2

3 1
2) cos 30º = 4) cos 60º =
2 2
12. SENO E COSSENO DOS ARCOS MÚLTIPLOS DE 30º NO CICLO TRIGONOMÉTRICO

90º
120º 1 60º
3
150º 2
30º
1
2

180º -1 3 1

 1 O 1 3
2 
2 2 2
1

210º 2 330º
3

-1 2
240º 300º
270º

13. SENO E COSSENO DOS ARCOS MÚLTIPLOS DE 45º:

Seja o quadrado

C  D

45º

 

B
45º .A

A medida da diagonal d em função do lado  é dado por:

d=  2

No triângulo retângulo BAD, temos:

 
sen 45º = cos 45º =
 2  2

 2  2
sen 45º = x cos 45º = x
 2 2  2 2

 2  2
sen 45º = cos 45º =
2. 2.
2 2
sen 45º = cos 45º =
2 2
14. SENO E COSSENO DOS ARCOS MÚLTIPLOS DE 45º NO CICLOTRIGONOMÉTRICO

90º
1
135º 45º
2
2

2
-1 2 1
180º 0º
2 O

2

2

2 315º
225º
-1
270º

15. RELAÇÕES FUNDAMENTAIS ENTRE AS FUNÇÕES DE UM MESMO ARCO:

I - Tangente (tg) de um arco

 É o quociente entre o seno (sen) e o cosseno (cos) desse arco, ou seja:

sen x
tg x =
cos x

 Seja o ciclo trigonométrico da figura e T a interseção da reta OM com o eixo das tangentes.

y Ttg
M''
x A
o x
M'

 Definimos com tangente (do arco AM ou do ângulo x) a medida algébrica do segmento AT , e


indicamos tg x = AT

II - Cotangente de arco (cotg)

 Define-se a cotangente como a razão entre o cosseno e o seno de um arco ou seja:

cos x
cotg x =
sen x
Observação:

A cotangente dos arcos de 0º, 180º e seus côngruos, não é definida pois:

cos 0º 1 cos 180º 1


cotg 0º = =   cotg 180º = =  
sen 0º 0 sen 180º 0

III - Secante (sec) de um arco

 É o inverso do cosseno desse arco, ou seja:

1
sec x =
cos x

A secante dos arcos de 90º, 270º e seus côngruos, não é definida, pois:

1 1 1 1
sec 90º = =  sec 270º = = 
cos 90º 0 cos 270º 0

IV - Cossecante (cossec) de um arco

 É o inverso do seno (sen) desse arco, ou seja:

1
cossec x =
sen x

Observação:

 A cossecante dos arcos de 0º, 180º e seus côngruos não está definida, pois

1 1 1
cossec 0º = =  cossec 180º = = 
sen 0º 0 180º

V - Sen2 x + cos2 x = 1 xR

Demonstração:


sen x  (sen x )
2 2
 2

cos x  (cos x )
2
Observe:
B
P
cos x = OM
A
O M sen x = OP

OB = 1 (raio do ciclo trigonométrico)

Aplicando o teorema de Pitagoras, vem:

(OM)2 + (MB)2 = (OB)2

(OM)2 + (OP)2 = (OB)2

Substituindo temos:

(cos x)2 + (sen x)2 = 12

cos2 x + sen2 x = 1

16. RELAÇÕES DERIVADAS:

 Das relações fundamentais podemos deduzir outras que são muito usadas no cálculo.

1 
I cotg x = (x  K , K  Z).
tg x 2

II sec2 x = 1 + tg2 x

Demonstração:

1
sec2 x = 1 + tg2 x sec2 x =
cos 2 x

sen 2 x
sec2 x = 1 + 2
sec2 x = sec2 x
cos x

cos 2 x  sen 2 x
sec2 x =
cos 2 x
III cossec2 x = 1 + cotg2 x

Demonstração:

cos 2 x
cossec2 x = 1 +
sen 2 x

sen 2 x  cos 2 x
cossec2 x =
sen 2 x

1
cossec2 x =
sen 2 x

cossec2 x = cossec2 x

17. REDUÇÃO AO 1º QUADRANTE:

 Arcos no 2º Quadrante

Se x é um arco do 2º quadrante, então (180 - x) será um arco do 1º quadrante.

Logo:

sen x = sen (180 - x)

cos x = - cos (180 -x)

 Arcos no 3º Quadrante

Se x é um arco do 3º quadrante, então (x – 180) será do 1º quadrante.

Logo: sen x = - sen (x – 180º)

cos x = - cos (x – 180º)

 Arcos no 4º Quadrante

Se x é um arco do 4º quadrante, então (360º - x) será um arco do 1º quadrante.

Logo: sen x = - sen (360º - x)

cos x = cos (360º - x)


18. ARCOS COMPLEMENTARES E ARCOS SUPLEMENTARES:

1. Arcos Suplementares

Dois arcos são chamados arcos suplementares, quando a soma dos dois arcos for 180º ou 
rad.

Os senos de dois arcos suplementares são iguais, e os cossenos de dois arcos suplementares
são opostos.

2. Arcos complementares

ρ
Dois arcos são chamados complementares quando, quando a soma dos dois arcos for 90º ou
2
rad.

O seno de um arco é igual ao cosseno do seu complemento e vice-versa.

19. TRANSFORMAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS:

I. Adição e Subtração de Arcos

Sendo a e b a medida de dois arcos quaisquer. Pode-se provar que são válidas,
para as seguintes identidades.

1. sen (a + b) = sen a . cos b + sen b . cos a

2. sen (a – b) = sen a . cos b – sen b . cos a

3. cos (a + b) = cos a . cos b – sen a . sen b

4. cos (a – b) = cos a . cos b + sen a . sen b.

tg a  tg b
5. tg (a + b) =
1  tg a . tg b

tg a  tg b
6. tg (a – b) =
1  tg a . tg b
II – Arco Duplo

Sabendo-se que: 2a = a + a, então

1. sen 2a = sen (a + a) = sen a cos a + sen a cos a

sen 2a = 2 . sen a cos a

2. cos 2a = cos (a + a) = cos a cos a – sen a sen a

cos 2a = cos2 a – sen2 a

tg a  tg a
3. tg 2a = tg (a + a) =
1  tg a . tg a

2 tg a
tg 2a =
1  tg 2 a

III. Arco Triplo

 Seno do arco triplo

1. sen 3x = 3 sen x – 4 sen3 x

 Cosseno do arco triplo

cos 3x = 4 cos3 x – 3 cos x

Obs.: Pelas igualdades das fórmulas demonstradas, podemos escrever:

 sen 6a = sen (3a + 3a) = sen 3a cos 3a + sen 3a cos 3a

sen 6a = 2 sen 3a cos 3a

 cos 6a = cos (3a + 3a) = cos 3a cos 3a – sen 3a sen 3a

cos 6a = cos2 3a

tg 3a  tg 3a
 tg 6a = tg (3a + tg 3a) =
1  tg 3a . tg 3a

2 tg 3a
tg 6a =
1  tg 2 3a
IV. Arco Metade

 Seno do Arco Metade

Sabemos que:

cos 2x = cos2 – sen2 x

cos 2x = 1 – sen2 x – sen2 x

cos 2x = 1 – 2 sen2 x

a
fazendo 2x = a  x =
2

substituindo temos

a
cos a = 1 – 2 sen2
2
a
2 sen2 = 1 – cos a
2
a 1  cos a
sen2 
2 2

a 1  cos a
sen 
2 2

 Cosseno do Arco Metade

Sabemos que:

cos 2x = cos2 x – sen2 x

cos 2x = cos2 x – (1 – cos2 x)

cos 2x = cos2 x – 1 + cos2 x

cos 2x = 2 cos2 x – 1

a
fazendo 2x = a  x =
2

substituindo temos:

a
cos a = 2 . cos2 –1
2
a
2 cos2 = cos a + 1
2

a cos a  1
cos2  cos a   cos a  1
2 2 2 2
Obs.: O sinal positivo ou negativo é determinado pelo quadrante em que se encontra a função

seno ou cosseno.

 Tangente do Arco Metade

Sabendo que:

sen x
tg x =
cos x
a
fazendo x =
2
temos
a
sen
a 2
tg 
2 a
cos
2
1  cos a

a 2
tg 
2 1  cos a

2

a 1  cos a 2
tg  x
2 2 1  cos a

a 1  cos a
tg 
2 1  cos a

20. FÓRMULA DE TRANSFORMAÇÃO EM PRODUTO:

Sabendo que:

sen (a + b) = sen a cos b + sen b cos a

sen (a – b) = sen a cos b – sen b cos a

sen (a + b) + sen (a – b) = 2 sen a cos b

fazendo

a+b=x a+b=x
a–b=y a – b = y (-1)

2a = x + y a+b=x
–a+b=–y
xy xy
a= 2b = x – y b=
2 2

Temos:
x  y x  y
1. sen x + sen y = 2 . sen   . cos  
 2   2 

concluímos que:
x  y x  y
2. sen x – sen y = 2 . sen   . cos  
 2   2 

x  y x  y
3. cos x + cos y = 2 cos   . sen  
 2   2 

x  y x  y
4. cos x – cos y = – 2 sen   . sen  
 2   2 

21. IDENTIDADES TRIGONOMÉTRICAS:

 Demonstrar uma identidade trigonométrica é provar que as igualdades que envolvem as


funções trigonométricas, são verdadeiras.

Ex.: mostrar que:

1  sen2 x  cos x
2
 1  sen2 x   (cos x ) 2
 
1 – sen2 x = cos2 x

cos2 x = cos2 x

22. FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS:

I – Função do Seno

 É a função que associa a cada arco x  R o número sen x  R.

Gráfico da função seno

f(x) = sen x ou y = sen x y

x y
0 0 +1 
3
 1
2 2
2     
 0 o   x

3 -1 2
2 -1
2 0
Domínio = R
Imagem = { y  R  -1  y  1 }
Período - 2
Obs.: O gráfico da função seno é chamado de senóide.

Propriedades da Função Seno

1) A função seno é definida de R  R, o domínio é o conjunto dos números reais.

D(sen x) = R

2) Na circunferência trigonométrica, o raio é igual a 1. O conjunto imagem dessa função é, portanto,

Im (sen x) [ -1 , 1 ]

3) A função y = sen x é periódica, pois a função se repete a cada 2. Logo o período da função seno
é 2.

4) A função seno é positiva no 1º ou no 2º quadrante e negativa no 3º ou 4º quadrante.

5) A função seno é crescente no 1º e no 4º quadrantes e decrescente 2º e 3º quadrantes

6) Como sen x = - sen (-x) ou sen (-x) = - sen x concluímos que a função seno é impar. e seu gráfico
apresenta simetria em relação à origem O.

II – Função Cosseno

 É a função que associa a cada arco x  R o número sen x  R.

Gráfico da Função Cosseno

f(x) = cos x ou y = cos x

x y
0 1
 0
2
 -1
3
0
2
 0

Domínio = R
Imagem = { y  R  -1  y  1 }
Período = 2

Obs.: O gráfico da função cosseno é chamada de co-senóide.

 Propriedade da Função Cosseno.

1) A função cosseno é definida de R  R, o domínio é o conjunto dos números reais.

D(cos x) = R

2) Pelo fato de o ciclotrigonométrico ter raio igual a 1 o cosseno não pode assumir valores
maiores que 1 ou menos que - 1. O conjunto imagem da função cosseno é,

Im = [ -1 ; 1 ]

3) A função y = cos x é periódica, pois a função se repete a cada 2. Logo o período da função
cosseno é 2.

4) A função cosseno é positiva no 1º ou no 4º quadrante e negativa no 2º ou 3º quadrante.

5) A função cosseno é crescente no 3º e no 4º quadrantes e decrescente no 1º e 2 quadrantes.

6) Como cos x = cos (- x), concluímos que a função cosseno é par. E seu gráfico apresenta
simetria em relação a origem.

III - Função Tangente

Gráfico da função tangente

x y
0 0
 
3 3
2 4 2 2
 0    5 7
3  4 2 4 4
2
2 0
 Propriedades do gráfico da Tangente

1) O gráfico da função tangente é chamado tangentoide.


2) O domínio da função y = tg x é D = { x  R  x  + k com K  Z}.
2

3) A imagem da função y = tg x é o intervalo ] -  , +  [, isto é, -  < tg x < + .

4) O período da função y = tg x é p = .

5) A função y = tg x é positiva no 1º e 3º quadrantes e negativa no 2º e 4º quadrantes.

6) A função y = tg x é uma função crescente ou seja: ela é crescente no 1º, 2º, 3º e 4º quadrantes.

7) A função y = tg x é impar, isto é, tg x = - tg(-x)

IV – Função co-tangente

Gráfico da função co-tangente

x y
0 

0
2
 
3 0
2
2 

 Propriedades da Função Co-tangente

1) O gráfico da função co-tangente é chamado co-tangentoide.

2) O domínio da função y = cotg x é D = {x  R  x  K com K  Z}

3) A imagem da função y = cotg x é o intervalo ] -  < cotg x < + .

4) O período da função y = cotg x é igual a .

5) A função y = cotg x é positiva no 1º e 3º quadrantes e negativa no 2º e 4º quadrantes.

6) A função y = cotg x é uma função decrescente ou seja, é decrescente no 1º, 2º, 3º e 4º


quadrantes.

7) A função y = cotg x é impar, isto é: cotg x = - cotg (-x).


V – Função Secante

 Propriedades


1) O domínio da função y = sec x é x  + K , K  Z.
2

2) A imagem da função y = sec x é sec x  - 1 ou sec  1

VI – Função Cossecante

 Propriedades

1) O domínio da função y = cossec x é x  K , K  Z.

2) A imagem da função y = cossec x é cossec x  - 1 ou cossec x  1

23. EQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS

1 – Definição

 Denomina de equação trigonométrica toda equação em que figura uma função


trigonométrica, com um arco desconhecido.

Exemplos:

2
1) sen x = 0 3) cos  = -
2

1
2) cos x = 4) tg x = 3
2
2 – Resolução de equações trigonométrica

 Resolver uma equação é determinarmos todos os valores que satisfaçam essa equação.

Ex.: 1 Resolver a equação sen  =

1
sen  = . 
2 - 
6  1

6

sen  = sen 2
6 o

 
  6  2 K ou

      2 K
 6

  5
Logo: S =    2 K ou    2 K , K  Z 
 6 6

2
Ex.: 2 Resolver a equação cos  =
2

2
cos  = 
2
4

cos  = cos
4

  
  4  2 K ou 
4
 (k  Z)
     2 K
 4
  
Logo: S =     2 K , K  Z 
 4 

3
Ex.: 3 Resolver a equação tg  =
3

3
tg  =
3


tg  = tg
6


= + K , K  Z.
6

  
Logo: S =    K , K  Z 
 6 

24. INEQUAÇÃO TRIGONOMÉTRICA:

1) Definição;

Denominamos de inequação trigonométrica toda inequação em que figura uma função


trigonométrica com arco desconhecido.

Exemplos:

1
1) sen x > 3) tg x  1
2

2
2) cos x  - 4) 2 sen2 x – sen x  0
2

2) Resolução de inequações trigonométricas

Exemplo: Resolver a inequação sen x  0, para 0  x  2.

sen x  0  0  0  x  
S = { x  R 0  x   }

01. (FAAP-SP) Calcular a área do triângulo ABC, de altura h = 2 , sendo  = 30º e  = 45º.

C


A B
H

^
02. (FGV-SP) No ∆ABC da figura, Â = 90º, B = 60º e AB = 50cm. Calcule o comprimento do
segmento AC .
C

A B

03. FAAP-SP) A soma dos comprimentos das base de um trapézio retângulo vale 30m. A base maior
mede o dobro da menor. Calcule a altura do trapézio, sabendo que seu ângulo agudo mede 30º.

04. (FUVEST-SP) Na figura, ABCD é um trapézio, BC = 2, BD = 4 e o ângulo ABC é reto.


D C

A B

a) Calcule a área do triângulo ACD.


b) Determine AB , sabendo que BV = 3VD.
2
05. (Unesp - SP) A área de um triângulo retângulo é de 12 dm2. Se um dos catetos é do outro, calcule
3
a medida da hipotenusa desse triângulo.

06. Um topógrafo coloca seu teodolito à margem de um rio, onde observa uma árvores sob um ângulo
de 60º. Recuando 30m vê a mesma árvore sob ângulo de 30º. Sabendo que a luneta do Teodolito
está a 1,80 m do solo, calcular a altura da árvore e a largura do rio (com aproximadamente de 0,01).

30º 60º

1,80m 30m 1,80m

07. (FAAP-SP) A soma dos comprimentos das bases de um trapézio retângulo vale 30m. A base maior
mede do dobro da menor. Calcule a altura do trapézio, sabendo que seu ângulo agudo mede 30º.

08. Calcular o menor ângulo formado pelos ponteiros de um relógio quando este marca 13h25min.

09. Determinar, em graus, a medida do arco.

3 5
a) rad. d) rad.
4 3

5 7
b) rad. e) rad.
6 6

4 5
c) rad. f)
3 12

10. Calcule, em radianos, as medidas dos arcos:

a) 45º d) 330º
b) 240º e) 72º
c) 300º

11. Calcule o menor ângulo formado pelos ponteiros de um relógio quando este marca:

a) 2h30min d) 12h47min
b) 12h15min e) 20h29min
c) 3h45min
12. Determine, e graus e rad, a medida do menor ângulo formado pelos ponteiros de um relógio às
18h20min.

13. A figura a seguir representa a planta do terraço de um apartamento.Qual o perímetro do piso desse
terraço? Considere   3,14 .
4m 5m 4m

4m 4m

14. (PUC-RJ) Calcule o ângulo entre os ponteiros do relógio às 4 horas e 20 minutos.

15. Um automóvel percorre uma distância de 12 Km. Sabendo que o raio de cada roda mede 30cm,
calcule o número de voltas dadas por uma das rodas.
Adote  = 3,14.

16. Calcule o raio de uma circunferência sabendo que seu comprimento é 280 cm.
Use  = 3,14.

17. Determine em qual quadrante está a extremidade de cada um dos arcos abaixo.

3 9
a) e)
5 4

7 13
b) f)
6 4

5 11
c)  g) 
3 6

3 7
d) h) 
4 6

18. Dentre os arcos abaixo, identifique os côngruos.

 30
a) - 30º e 330º d) rad e rad
3 3
 30
b) 10º e 700º e)  rad e rad
3 3
c) 1º e 1081º

19. Calcule a medida da 1ª determinação positiva dos arcos:

33
a) 750º d) rad
2
9
b) 3810º e) rad
4

c) - 500º f)  rad
4

20. Calcule a determinação principal e escreva a expressão geral dos arcos côngruos dos arcos de:

85
a) 1910º d) rad
7
75
b) 2925º e) rad
4
235
c) - 2580º f)  rad
9

21. (PUC-SP) Determine x, de modo que se verifique sen


2x  1
=
3

22. (FUVEST-SP) Qual dos números é o maior? justifique.

a) sen 830º ou sen 1195º.


b) cos (-535º) ou cos 190º.

x
23. (FUVEST-SP) Foram feitos os gráficos das funções f(x) = sen 4x e g(x) = , para x no
100
intervalo [0 , 2[. Determine o número de pontos comuns aos dois gráficos.

24. (MACK-SP) Determine o domínio de y = sen 3x para o  x  .

x 2  4x  3
25. (UFRN) Dada a função f:R , em que f(x) = , determine o conjunto dos x  R, tal que
2  sen x
f(x) > 0.

26. (FTD) Determine m para que exista o arco x, satisfazendo as igualdades:

a) sen x = 3m + 10

5m  2
b) sen x =
1 m

27. (FTD) Simplifique:

   15 
sen (  x ) . cos   x  . tg   x
 2   2 
a)
 7 
cos (5  x ) . sen   x  . tg (4  x )
 2 
28. (FEI-SP) Sendo x um ângulo do primeiro quadrante e tg x = 3, calcule sem x.

1 m 1
29. (PUC-SP0 Sendo cos x = e sen x = , determine m.
m m

30. Sabendo que sen x = a e cos x = a, calcule o valor de a.

31. Determine m para que se tenha, simultaneamente, cossec x = m + 1 e cotg x = 4  m .


e x  0 ,  , calcule o valor numérico da expressão
3
32. (UFSC) Conhecendo o valor de sen x =
5  2
1
 sec 2 x . cot g x  cos sec x .tg x 
  .
 2 
 6 . sen x . cos sec x 

1  sen x . cos x  tg x
33. (FET-SP) Sendo x = com 0  x  , calcule: j=
3 2 1  cos sec x

3 2 tg 
34. (ITA - SP) Sabendo que o cos  = -  e tg  < 0, calcule o valor da expressão x = .
7 1  tg 2 

5
35 . (PUC-SP) Sabendo que cossec x = e x é do primeiro quadrante, calcule o valor da expressão 25
4
sen2 x - 9 tg2 x.

3 3
36. (FUVEST-SP) Se tg x = , com   x  , determine o valor de y = cos x - sen x.
4 2


37. (FTD) Sabendo que 9 . sen2 x + 18 . cos2 x = 13, com 0<x< , calcule sen x e cos x.
2

38. (FTD) Demonstre que


a) (se x + tg x) (cos x + cotg x) = (1 + sen x) (1 + cos x)

b) (1 + tg x)2 + (1 - tg x)2 = 2 . sec2 x

39. (FTD) Demonstre as identidades.

1  cos a
a)  (cot g a  cos sec a ) 2
1  cos a

b) sen2 x . tg2 x + cos2 x , cotg2 x = tg2 x + cotg2 x - 1

40. (FTD) Sabendo que x é um arco com extremidade no 3º quadrante, determine o sinal da expressão
y, dada por:

3. cos x . cos sec x . cot g 2 x


a) y =
4 . sen x . tg x

sen 3 x . cos 2 x
b) y =
sec x. cos sec x . tg 3 x

41. (FTD) Diga em que quadrante se localiza a extremidade do arco x, sabendo que:

a) cos x > 0 e cotg x < 0

b) cossec x < 0 e tg x < 0

c) sec x > 0 e sen x < 0

42. (Cefet-MG) Calcule os valores de T que satisfazem a igualdade:

1  2T
sec x = .
2t

43. (UFF-RJ) Determine os valores de m de modo que se verifiquem simultaneamente as igualdades:

m 1
a) sec x = m  2 e tg x =
2

m 3  2m 2  m  1
b) cotg x = m  1 e sen x =
m 2
44. (UFF-RJ) Calcule o valor de:

y = cos2 10º + cos2 20º + cos2 30º + cos2 60º + cos2 70º + cos2 80º

45. (Vunesp-SP) Um farol localizado a 36 m acima do nível do mar é avistado por um barco a uma
distância x da base do farol, a partir de um ângulo  , conforme a figura:

x

36 m

.
3
a) Admitindo-se que sen  = , calcule a distância x.
5

b) Assumindo-se que o barco se aproximou do farol e que uma nova observação foi realizada, na
qual o ângulo  passou exatamente para 2  , calcule a nova distância x' a que o barco se
encontrará da base do farol.

46. (FTD) Determine os valores de:

a) sen 15º
b) cos 105º
c) tg 105º

2 3
47. (FTD) Sabendo que sen x = , cos y = e que x e y têm extremidades no 1º cuadrante, calcule:
2 2

a) sen (x + y)
b) cos (x + y)
c) tg (x + y)

48. (FTD) Demonstre que a igualdade cos (a + b) . cos (a - b) = cos2 a + cos2 b - 1 é uma identidade.

cos ( x  60º )  sen (30º  x ) 3


49. Demonstre que o valor numérico da expressão y = é .
cos ( x  30º )  cos ( x  30º ) 3

50. (FTD) Simplifique a expressão


cos 3a . sen 2a  cos 4a . sen 3a
=
cos 3a . cos 2a  cos 4a . cos 3a
51. (UFU-MG) Determine o período de f(x) = 6 . sen x . cos x.

52. (FEI-SP) Calcule:

 
L = sen   x  sen (  x )  cos   x  cos (  x)
2  2 

53. (PUC-SP) Se tg (x + y) = 33 e tg x = 3, calcule tg y.

3
54. (Faap-SP) Calcule sen 2x, e sen x = e x é um arco do 2º quadrante.
4

1
55. (Cescem-SP) Sendo   4º quadrante e cos  = , calcule cos 2.
5

1
56. (FEI-SP) Se sen x - cos x = , calcule sen 2x.
5

57. (FEI-SP) Calcule sen 2x, sabendo que tg x + cotg x = 3.

58. (Faap-SP) Se a e b são ângulos positivos inferiores a 180º, calcule sen 2a e cos 2b, sabendo que
3 1
sec a = - e cos b = .
2 3

1 1 
59. (Faap-SP) Se tg a = e sen b = , calcule tg (a + 2b). Supondo 0 < a, b < .
7 10 2

60. (Fei-SP) Sendo tg A = 2 e tg B = 1, ache tg (A - B).

1
61. (UF-CE) Se sen x + cos x = , calcule. sen 2x.
3

6 2
62. (Mauá-SP) Dado sen x = , calcule cos 2x.
4
63. (Ita-SP) Transforme em produto a expressão:
y = sen 3x + sen x.

64. (PUC-SP) Transforme em produto sen a + 2 sen 2a + sen 3a.

65. (Mack-SP) Resolva a equação 2sen2 x + 6cos x - cos 2x = 5.

1
66. (Cesgranrio) Resolva a equação (cos x + sen x)2 = .
2


67. (Vunesp) Determine um valor de n  N, tal que seja solução da equação 8 cos4  - 8 cos2  + 1 =
n
0

68. (Fatec-SP) Resolva a inequação 0 < 1 + 2 cos 2x < 3 + 1, para 0  x  .

1 2
69. ((Fuvest-SP) Resolva a inequação  sen  . cos  < , sendo 0     e  em radianos.
4 2


70. ((Fuvest-SP) No intervalo 0  x  , determine o conjunto solução:
2

a) da equação sen 2x - cos x = 0

b) da inequação sen 2x - cos x > 0.


TESTES DE VESTIBULARES

1. (Cefet-PR) Na figura, HC = 9m e AH = 12 m.

A medida de AB é, em metros: C
a) 15 c) 25 e) 35 4
b) 20 d) 30

A B

2. (FTD) As medidas dos catetos de um triângulo retângulo são 1 cm e 2 cm. A medida da altura do
triângulo relativo à hipotenusa, em centímetros, é igual a:

1 3 3
a) c) e)
2 5 7
2 2
b) d)
2 5

3. (EEAr) As bases de um trapézio medem 32 cm e 20 cm, e a altura, 18 cm. Traça-se uma paralela às
bases. O comprimento dessa paralela é o dobro de sua distância à base menor. A medida dessa
paralela, em centímetros, é:

a) 24 c) 28
b) 26 d) 30

4. (FTD) Quando o sol encontra a 54º acima do horizonte, a sombra de uma árvore, projetada no chão,
mede 12 cm. Qual é a altura dessa árvore? *use tg 54º  1,376

5. (UFRGS) Sabendo-se que a = 1 e b = 3 , na figura, então C é igual a:

2 1
a) c) e) 3
2 2 b

3  2
b) d) 1 a c
2

6. (Mackonzie-SP) Em um triângulo retângulo, a medida da hipotenusa é o dobro da medida de um dos


catetos. O ângulo oposto ao menor lado desse triângulo mede:

a) 36º c) 45º e) 72º


b) 60º d) 30º

7. (UFRN) Considerando o triângulo retângulo abaixo, qual das alternativas é falsa?

3 4
a) cos  = d) tg  =
5 5 
5
4
b)  +  = 90º e) tg  = 4
3 
4 3
c) sen  =
5

8. (Unifor-CE) Se cos 26º = k, então é verdade que seu 64º é igual a:

1
a) k c) e) 1 – k2
k
b) – k d) k2

9. (UGF) O valor de m indicado na figura é igual a:


B
a) 5 3 cm c) 8 cm
b) 6 cm d) 10cm E 30º
10 3 cm
e) 10 3 cm m
30º
C D A

10. (F. C. Chagas-BA) Calcule o valor de x na figura.

30º

30º
100 x

a) x = 50 c) x = 100
100 3
b) x = 60 d) x =
2
e) x não pode ser determinado por falta de dados:

11. (FET-SP) No triângulo da figura, o valor do cos  é:

6 6
a) d) 2 4
12 4
3 2 6
b) e) 
2 3 3
1
c)
2

12. (FEI-SP) Se em um triângulo ABC o lado AB mede 3 cm, o lado BC mede 4 cm e o ângulo
interno formado entre os lados AB e BC mede 60º, então o lado AC mede:

a) 37 cm c) 2 13 cm e) 2 2 cm
b) 13 cm d) 3 3 cm

13. (Cescem-SP) Se uma circunferência tem um raio unitário (1 cm), a medida de um ângulo central,
em radianos:

a) é igual ao arco por ele subtendido.


b) é numericamente igual à medida do arco por ele subtendido.
c) é 1 cm.
d) é igual a 1 radiano.
e) n.d.a.

14. (PUC-SP) Na figura,  = 1,5 rad, AC = 1,5 e o comprimento do arco AB é 3. Qual é a medida do
arco CD?

a) 1,33 D
b) 4,5 B
c) 5,25 0 
d) 6,50 A
e) 7,25 C

15. (UFPA) Quantos radianos percorre o ponteiro dos minutos de um relógio em 50 min?

16 4 3
a) c) e)
9 3 3
5 4
b) d)
3 2

16. (ITA-SP) O ângulo convexo formado pelos ponteiros das horas e dos minutos às 10 horas e 15
minutos é:

a) 142º 30’ c) 142º


b) 142º 40’ d) 141º 30’
e) n.d.a.

17. (PUC-SP) Qual dos pares de ângulos é côngruo de 120º?


a) –240º e 1920º d) –100º e 0º
b) 300º e 1560º e) n.d.a.
c) 200º e 600º

137
18. (UFPA) Um arco côngruo de rad é
5

2 
a) rad c) rad
5 5
b) 3 rad d) 2 rad
7
e) rad
5

19. (Mack-SP) A menor determinação positiva de – 4900 é:

a) 100º c) 40º e) n.d.a.


b) 140º d) 80º

20. (UFRS) Qual é a expressão geral, em radianos, dos arcos de extremidades nos pontos indicados?

3
a)  2 k M1
y
4
3 135º
b)  k
4 0 x
3 k
c)  M2
4 2

d)  k
4

21. (Santa Casa – SP) Se A = sen 580, B = sen (-780º) e C = cos 350º, então é verdade que:

a) A < B < C c) A < C < B


b) B < A < C d) B < C < A
f) C < B < A

22. (OPUC-SP) O valor de sen x é:

a) crescente em todo intervalo de 0 a .


3
b) decrescente em todo intervalo de a 2.
2
3
c) decrescente em todo intervalo de  a 0.
2
3  
d) crescente em todo intervalo de  a .
2 2
 
e) crescente em todo o intervalo de  a .
2 2

23. (PUC-SP) Na função trigonométrica y = - 3 = sem (x - ), o período e o conjunto imagem são
4
iguais, respectivamente, a:

 9
a) e {2 , 4} d) e [-1 , 1]
5 4
b) 2 e {-4 , -2} e) n.d.a.
c) 2 e [-1, 1]


24. (FEI-SP) O período da função y – 5 . cos (4x + )
3
 
a) c) e) n.d.a.
5 2
1 
b) d)
2 3

x
sen x  2 cot g    cos 2x
 2
25. (Mack-SP) Se x = , então, é igual a:
2 x
tg   cos sec x  sec 4x
2

1
a) –2 c) e) 4
2

b) 0 d) 2

26. (FGV-SP) simplificando-se a expressão


sen a . tg a . cos sec a
, obtém-se:
cos a . castg a . sec a

a) 0 c) sen2 a e) tg2 a
b) sec2 a d) 1

27.(U. E. Ponta Grossa) O quadrante em que a tangente, a secante e o cosseno são negativos é o:

a) 1º c) 3º e) n.d.a.
b) 2º d) 4º

28. (PUC-SP) O valor de sen 1200º igual a:

a) cos 60º c) cos 30º e) cos 45º


b) – sen 60º d) – sen 30º
29. (Cescea-SP) O valor da expressão cos 150º + sen 300º - tg 225º - cos 90º é:

a)  3  1 c) 3 1 e) não sei
 33
b)  3  1 d)
2

3
30. (Faap-SP) Se sen x =  , com x  4º quadrante, então tg x é:
5

3 4 4
a)  c)  e)
4 5 5
1 3
b) d)
2 4

2 
31. (Fafig-PR) Se sen x = e  x   , então:
3 2

7  5
a) tg x =  c) cos x =
2 3
2 3 5
b) cotg x =  d) sec x =
7 5
1
e) cossec x =
2

32. (UFMA) Sabendo-se que tg x = - 2 e que  é um arco do segundo quadrante, então cos x + sen x
vale:

5  5 5
a) c) e)
5 5 3
3  3
b) d)
3 3

1  tg x  cos sec x
33. (PUC-SP) Se x pertence ao 4º quadrante e séc x = 2 , então a expressão é
1  cot g x  cos sec x
igual a:

a) – 1 c) 1 d) 
b) 0 d) – 2
 1 19
34. (Cefet-MG) Se sen  , então sen é:
6 2 6

1 3
a)  c) 0 e)
2 2
3 1
b)  d)
2 2

1  
35. (UFRN) Sabendo-se que sen x = e x está no 1º quadrante, qual o valor de cos   x  ?
3 3 

2 3 3  2 3
a) c) e)
6 6 6
2 2 3 2
b) d)
6 3

1
36. (Fatec-SP) Se sen 2x = , então tg x + cotg x é igual a:
2

a) 8 c) 4 e) 1
b) 6 d) 2

 x
37. (Mackenzie-SP) Se tg x - 3 e0<x< , então tg vale:
2 2

3 1 3
a) c) e)
2 4 2

1 3
b) d)
2 3

38. (FEI-SP) Sendo tg A = 2 e tg B = 1, então tg (A – B) é:

1 1 1
a) c) e)
2 3 4

2
b) 1 d)
3
13 3
39. (Mack-SP) Se sec x =  e x , então o valor de sen 2x é:
5 2

12 12 125
a)  c) e)
13 13 144

120 120
b)  d)
169 169

9 84
40. (PUC-SP) Sabendo-se que tg2 x = e que tg2 y = , o valor de tg (x + y) . tg (x – y) é:
16 16

a) 2,4 c) 1,8 e) 1

b) 5,2 d) 0

7 x
41. (PUC-SP) Considere a identidade cos 2a = cos2 a – sen2 a. Se cos x = , então cos  vale:
25 2

7 3 18
a) c) e)
50 25 25

2 4
b) d)
5 5

42. (UF-PA) O menor valor positivo de x que satisfaz a equação 2 sen x – 1 = 0 é:

 
a) c) e) 
6 3

 
b) d)
4 2

43. (UF-ES) As soluções da equação trigonométrica 2 sec x = tg + cotg x são:

 5 7  5
a) , e d) e
6 6 6 6 6

 5 5
b) , e e) n.d.a.
6 6 3
 7
c) e
6 3
1
44. (Cecfet-MG) Se cos x < e 0 < x < , então:
2

 5 
a) x d) 0 < x <
6 6 3

 2 2
b) x e) x
3 3 3


c) x <
3

  1
45. (UF-RGS) No intervalo real 0 ,  , o conjunto solução da desigualdade sen x. cos x  é:
 2 2
   
a) 0 ,  d) 0 , 
 15   8
   
b) 0 ,  e) 0 , 
 12   6
 
c) 0 , 
 10 

1  2  tg x
46. (UFAL) Se cos x = e 0  x  o valor da expressão E  é:
2 2 cos s sec x  sec x
3 95 3
a)  ( 3  3) c)
4 4

36  22 3 95 3
b)  d)  e) 2
13 4

1
47. (UFAL) Se cos x = , o valor de cos 2x é:
2
2 1 1
a)  c)  e)
2 2 2 2
b)  1 d) 0
2

4
48. (Fatec-SP) Se x é um arco de 3º quadrante e cos x =  , então cossec x é igual a:
5
5 3 5
a)  c) e)
3 5 3
3 4
b)  d)
5 5
sec x  cos sec x 1
49. (Unama-PA) Sendo M = , cos x = e x pertencente ao 4º quadrante, então:
1  cot g x 5

5
a) M = d) M = 5
5

b) M = 5 5 e) M = 25

c) M = 5

n 1 tg 2 x  1
50. U.F. Ouro Preto-MG) Se cos x = então é igual a:
n cot g 2 x  1
2n  1 n 1
a) c)
(n  1) 2
(n  1) 2
2n  1 (n  1) 2
b) d)
n2 n2
(n  1) 2
e)
2n  1

51. A expressão sen (a + b) . sen (a – b) é equivalente a:

a) cos b – cos a d) sen2 b – sen2 a

b) sen b – sen a e) sen (a2 – b2)

c) cos2 b – cos2 a

3 1
52. (UF-CE) Sabenendo que cos  = e que sen  =  , podemos afirmar corretamente que cos (0
2 2
 2
+ ) + sem (0 + ) é igual a:
2 2
3 1
a) 0 d) 
2 2
3 1 3 1
b)   e)  
2 2 2 2
3 1
c) 
2 2
GABARITO 3 10
16.  55,58 cm 28.
APLICAÇÕES 10
29. – 1,2
17. a) II Quadrante
1
01. A = 2 3  6
6
  b) III Quandrante
1 5
c) I Quadrante 30. 
d) II Quadrante 2
02. 50 3 cm e) I Quadrante
f) I Quadrante 31. – 4 ou 1
10 3 g) I Quadrante
03. h) II Quadrante 7 6
3 32.
12
18. A , C , E
04. a) 2 3 b) 6 3
2
 33.
19. a) 30º d) rad 72
05. 2 13 dm 2

b) 210º e) rad
h  27,75 m 4 34.
12 10
06.  31
  15 m c) 220º

20. a) 110º, 110º + k . 360º (k  z) 35. zero


10 3 m
07. b) 45º, 45º + K . 360º
3 1
c) 300º , 300º + K . 360º 36. 
5
08. 107º 30'  
d) ,  2k
7 7 5 2
09. a) 135º d) 300º 3 3 37. sen x = e cos x =
e) ,  2k 3 3
4 4
b) 150º e) 210º
17 17 38. a) mostrar que a igualda-
f) ,  2k de é verdadeira
c) 240º f) 75º 9 9
b) mostrar que a igualda-
 11 21. – 1  x  2 de é verdadeira
10. a) rad d) rad
4 6 39. Demonstração
22. a) sen 830º
b) cos 190º
4 2 40. a) y < 0
b) rad e) rad
3 5 23. 8 b) y < 0

5  41. a) 4º quadrante
c)
3
rad 24.  xR0x ou b) 4º quadrante
3
c) 4º quadrante
2
11. a) 105º d) 131º30' x  
b) 82º30' e) 80º30' 3 42. T  - 1 ou T  1 e T  2
c) 157º30'
25. {x  R  x < 1 ou x > 3 }
m  3 ou
13 43. a) 
12. 10º ; rad 11 m   1
10 26. a)  m3
3
1 1 b) m = 0 ou m = - 1
13. 30,56 m b)  m 
4 2 44. 3
14. 10º ou 350º
27. a) -1 b) - tg x 45. a) 48 m b) 10,5 m
15.  6369,42
2 09. d
61.  10. a
3
11. a
6 2
46. a) 12. b
4 3
62. 13. b
2 14. c
2 6 15. b
b)
4 63. 2 sen 2x . cos x 16. a
17. a
a 18. e
64. 4 sen 2a. cos2
6 2 2 19. b
47. a) 20. b
4
65. {x = 2K ou 21. b
 22. e
6 2 x= + 2K , K  Z} 23. b
b) 3
4 24. b
7 25. d
48. Demonstração 66. x = + K ou 26. e
2
27. b
11
49. Demonstração x= + K com K  Z 28. c
12 29. a
50. – cotg 6a 30. a
67. n = 8 31. c
51.  32. a
  33. a
68. {1 x  R  <x< }
52. L = 0 12 3 34. a
35. b
3  5 36. c
53. 69. {   R   } 37. d
10 12 12
38. c
39. d
3 7   
54.  70. a)  ,  40. a
8 6 2 41. d
42. a
55. 
23    43. d
b)  , 
25 6 2 44. b
45. e
24 46. d
56.
25 47. d
48. a
2 49. d
57. GABARITO 50. a
3 TESTES DE 51. c
4 5
VESTIBULARES 52. c
58. sen 2a = 
0
7
cos 2b =  01. b
9 02. d
03. d
59. 1 04. 16,512 m
05. c
1 06. d
60.
3 07. d
08. a