Você está na página 1de 3

Coca-Cola Brasileira tem Maior Taxa de

Produto Cancerígeno no Mundo

A Coca-Cola comercializada no Brasil contém a maior concentração
do 4-metil-imidazol (4-MI), produto presente no corante Caramelo IV
e classificado como cancerígeno nos Estados Unidos, de acordo com
informações da assessoria de imprensa do Instituto Brasileiro de
Defesa do Consumidor (Idec).
Conforme o Idec, a Coca-Cola do Brasil tem nove vezes mais o limite
diário de 4-MI estabelecido pelo governo da Califórnia, que fixou a
quantidade máxima de consumo diário de 39 ml do refrigerante por
dia. Nos EUA, a empresa alterou a fórmula do produto para diminuir a
concentração do 4-MI, segundo o jornal britânico Daily Mail. No Reino
Unido, ativistas favoráveis a uma alimentação saudável para crianças
querem que a empresa tome a mesma medida.
De acordo com o levantamento, o refrigerante vendido no Brasil
contém 263 cmg do corante em 350 ml. Na Coca-Cola vendida no
Quênia, que ficou na segunda posição, há 170 cmg para cada 355ml.
A pesquisa, realizada pelo Centro de Pesquisa CSPI (Center for
Science in the Public Interest, em inglês), de Washington testou a
quantidade da substância nas latas vendidas também no Canadá,
Emirados Árabe, México, Reino Unido e nos Estados Unidos.
Procurada, a empresa ainda não se manifestou sobre a pesquisa.
Procurada, por meio de nota a Coca-Cola respondeu que a quantidade
do 4-MI presente no corante caramelo utilizado nos produtos é
“absolutamente segura” e que os índices do ingrediente apontados
em amostra brasileira pela pesquisa estão dentro dos padrões
aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
A empresa afirmou ainda que não vai alterar sua fórmula e que
mudanças no processo de fabricação de qualquer um dos

ingredientes, como o corante caramelo, não tem potencial para
modificar a cor ou o sabor da bebida. “Ao longo dos anos já
implementamos outras mudanças no processo de fabricação de
ingredientes, no entanto, sem alterar nossa fórmula secreta“, diz a
nota.
Conforme a empresa, ela se orienta por evidências científicas sólidas
para garantir que os produtos são seguros e a Coca-Cola Brasil
produz bebidas rigorosamente dentro das normas e observando as
regras sobre quantidades e ingredientes recomendadas. ‘O elevado
padrão de qualidade e segurança dos nossos produtos permanece
sendo nossa mais alta prioridade”, completa.
—————————–
Relembrando, que esta questão não está apenas relacionada com a
Coca-Cola, mas também com a Pepsi, de acordo com este artigo do
Daily Mail.
Veja a explicação abaixo, retirada do artigo:
O que é a substância carcinogênica na Coca-Cola e Pepsi?
A cor dos refrigerantes vem parcialmente partir do 4-metilimidazole
(4-MI), um produto químico que se forma na produção do corante de
caramelo.

Coca-Cola, Pepsi e outros fabricantes insistem que ele é seguro em
doses baixas encontradas em bebidas.

Mas estudos têm mostrado que a exposição a longo prazo ao produto
químico causa câncer de pulmão em ratos, e as autoridades de saúde
na Califórnia decidiram que os produtos com mais de 29 mcg (0.029
mg) devem levar uma advertência de saúde.

Quando a pesquisa do Centro para Ciência no Interesse Público, um
grupo de campanha, as latas encontradas continham quase 140mcg,
todas as empresas de refrigerante em todos os EUA foram forçadas a
cortar os níveis.

Ativistas dizem que o consumo diário de alimentos com 30mcg de 4-

MI causaria câncer em uma em cada 100 mil pessoas ao longo de
suas vidas.

Mas a FDA (Food and Drug Administration) diz que alguém precisaria
beber mais de 1.000 latas de cola todos os dias para atingir os níveis
que causaram câncer em ratos de laboratório.
———————–
Resolvi enviar uma pergunta para o SAC da Coca-Cola, questionando
a quantidade de 4-metil-imidazol (4-MI) utilizada no Brasil e recebi o
que acredito ser a resposta padrão (copy&paste) que dão para
qualquer um que ouse questionar a segurança no consumo dos
refrigerantes da Coca-Cola.
A
Coca-Cola
agradece
a
sua
visita
ao
nosso
site!
Informamos que a quantidade de corante caramelo IV utilizado em
nossos produtos é absolutamente segura, e está de acordo com os
valores definidos pela Comissão do Codex Alimentarius (orientações
relacionadas a alimentos seguidas internacionalmente), e pela
ANVISA. Para ultrapassar os limites estabelecidos para consumo do
corante caramelo IV a pessoa precisaria consumir diariamente 80
litros de refrigerante.
Assim, a quantidade de 4-MI ingerida pelo consumo de
refrigerantes não é considerada significativa ou indicativa de
risco à saúde humana.
Nós, da Coca-Cola Brasil, buscamos um elevado padrão de qualidade
e segurança nos nossos produtos. Essa é a nossa mais alta
prioridade!
Coca-Cola
Brasil.
Abra Felicidade!
Fiz mais um questionamento em relação à quantidade exata da
substância nos refrigerantes brasileiros e ainda aguardo a resposta.
Veja também a discussão sobre o assunto no Fórum Anti-NOM.
Atualização: a Anvisa publicou um informe técnico tentando mostrar
a avaliação da Califórnia, que definiu um limite inferior ao do Codex
Alimentarius, como não científico. Veja aqui o informe.

http://saibatananet.blogspot.com.br/

Interesses relacionados