Você está na página 1de 11

Apostila de

Agenciador de
Empréstimos
Consignados
Você tem em mãos uma cartilha básica de uma nova profissão: O Agenciador de
Empréstimos Bancários Consignados (“Corretor de Empréstimos”). Este profissional tem a missão
de buscar soluções financeiras de baixo custo para seus clientes.
Existem diversos produtos no mercado que buscam atender pessoas em dificuldades
financeiras. Entre os principais deles estão o Crédito Direto ao Consumidor – CDC e o Crédito
Consignado, O produto com o qual trabalharemos é o Empréstimo Consignado, que visa atender a
uma clientela que tem garantias para oferecer, pois as parcelas do empréstimo são vinculadas ao
salário da pessoa, e são debitadas diretamente da fonte pagadora, antes mesmo do pagamento
entrar na conta bancária.
Serão mostrados aqui os passos iniciais de quem entra neste mercado. Os principais
tópicos abordados serão:

• O que são juros?


• As modalidades de financiamento.
• Quem tem direito de solicitar o Empréstimo Consignado?
• Os principais bancos que oferecem este produto.
• Os termos e cálculos utilizados.
O que são os Juros?

Respondendo de uma maneira simplificada, Juro é o custo do dinheiro.

Juros: Entendendo como Eles Funcionam


Os juros determinam o “preço do dinheiro” cobrado por quem o possui. No crédito, a taxa
de juros equivale ao retorno que o tomador do empréstimo promete para quem empresta o
dinheiro. Por exemplo: você pede emprestado a um amigo R$ 100,00. Ele empresta, mas diz que
vai cobrar juros de 5% ao mês. Um mês depois, quando você for pagá-lo, estará devendo R$
105,00. Ou seja, para ter os R$ 100,00 naquele determinado momento, você acordou com seu
amigo que lhe pagaria R$ 5,00 a mais, ou seja, 5% sobre o valor emprestado. Já nos
investimentos você é quem empresta o dinheiro para um banco ou uma empresa, passa a ter
direito a uma taxa de retorno.

Para que você entenda melhor, todo o produto ou serviço que adquirimos possui um custo,
e com o dinheiro não é diferente. Normalmente quem precisa de empréstimos está em momentos
de dificuldades, sejam estes relacionados a doenças, falecimentos, acidentes domésticos ou
automobilísticos, desemprego; a eventos festivos, como aniversários, casamentos, viagens; para
compra de bens duráveis, como carro, moto, computador, eletrodomésticos; ou por descontrole
financeiro.

Existem três fatores que influenciam diretamente a Taxa de Juros de um empréstimo:

o Os índices de inflação da economia.


o O prazo do pagamento.
o Os riscos de inadimplência.

Como os índices da inflação brasileira estão estáveis, são os dois últimos fatores que mais
pesam na hora de compor a taxa de juros, o prazo do pagamento é normalmente acordado entre
quem empresta e quem solicita o empréstimo, de onde se observa que quanto maior for o risco de
inadimplência maior será a taxa de juros oferecida.

O Processo de Análise de Crédito


Toda instituição financeira utiliza uma metodologia própria para analisar a capacidade de
crédito de seus clientes, que geralmente considera sua capacidade financeira e seu histórico de
relacionamento. São consideradas as informações cadastrais fornecidas pelo cliente no momento
da abertura da conta, como renda e patrimônio, os apontamentos junto à Serasa e ao SPC, além
do tempo de relacionamento com o banco.
Os Tipos de Juros
Na maioria das operações de crédito, os juros são prefixados, ou seja, são acertados logo
no início da operação e a pessoa sabe de quanto será cada prestação. Nas operações com taxas
de juros pós-fixadas, menos comuns, a situação é inversa. O valor a ser pago só é conhecido no
vencimento, quando o credor aplica sobre o valor da dívida uma taxa de correção com base em
juros, como a TR (Taxa Referencial), ou com base em índice de inflação, como o IGP-M (Índice
Geral de Preços de Mercado).
As modalidades de crédito e financiamento
Modalidades de Crédito: O cliente deve ter em mente que existem no mercado diversos
produtos, então ele deve sempre buscar a solução mais eficaz para o seu problema. Ao contratar
uma operação de crédito, é fundamental que o cliente escolha a modalidade que melhor atende as
suas necessidades.
Vamos apresentar os tipos e características das linhas de crédito mais comuns no mercado
financeiro.

Principais Produtos oferecidos pelo Mercado

Crédito Consignado com Desconto em Folha


O que é?
É uma modalidade de empréstimo pessoal, com os descontos das prestações sendo feito
diretamente na folha de pagamento do trabalhador, que receberá seu salário já deduzido da
prestação devida ao banco ou financeira.

Quando usar?
Para antecipar compras ou cobrir débitos e na renegociação ou amortização de dívidas,
utilizando a possibilidade de aumentar prazos e/ou substituir uma taxa de juros mais elevada.

Taxa Média: 1,6% a 2,9% (máximo permitido por lei)

Crédito Pessoal
O que é?
É um tipo de empréstimo onde o dinheiro é colocado à disposição do correntista, que pode
utilizá-lo conforme as suas necessidades. O valor contratado é creditado diretamente em conta
corrente e o pagamento é feito em parcelas mensais.

Quando usar?
Para antecipar uma compra ou cobrir um débito, na renegociação ou amortização de
dívidas, para aumentar os prazos de pagamento, reduzir as prestações mensais e/ou oferecer
garantias para reduzir o custo do empréstimo.

Taxa Média: 6% a 9,5%


Cheque Especial
O que é?
É um limite de crédito automático que o banco concede ao correntista, acertado
previamente, e que é acionado sempre que a conta corrente necessita de fundos.

Quando usar?
Apenas em situações de emergência, como, por exemplo, para cobrir um cheque quando
se sabe que terá dinheiro em alguns dias ou em prazos curtos, como alternativa para aqueles
pequenos buracos que aparecem no orçamento. Se existe a consciência de que se precisará
utilizar esse dinheiro por prazos maiores, é melhor optar por alternativas que ofereçam taxas
menores.

Taxa média: 10% a 15% am

Cartão de Crédito
O que é?
É um instrumento de pagamento com limite de crédito para saques e compras de bens e
serviços em estabelecimentos. A operação de crédito com cartão acontece no instante em que
seu dono:
• Faz saques.
• Realiza compras parceladas.
• Utiliza o crédito rotativo, pagando um valor entre o mínimo e o total da fatura e financiando
o restante.
• Parcela o pagamento da fatura.

Quando usar?
Para parcelar a compra de um bem ou serviço sem burocracia. Em compras à vista, o ideal é
utilizar o cartão de crédito, pois você ganha alguns dias e concentra os pagamentos em uma única
data.

Taxa média: 13% a 18% am

Microcrédito
O que é?
É um empréstimo em que os recursos são colocados à disposição do correntista, que os utiliza
livremente. O valor contratado é creditado em conta corrente. Muito parecido com o Crédito
Pessoal, mas se destina aos Empreendedores Individuais.
Quando usar?
Indicado para empreendedores, permitindo o aumento da geração de trabalho e da renda por
meio de uma operação de crédito com baixa taxa de juros.

Taxa média: 0,5% a 2% am


Quem tem direito de solicitar o Empréstimo Consignado?

O empréstimo consignado oferece as menores taxas por ser a mais garantida entre todas
as modalidades disponíveis. Esta garantia está vinculada aqueles que podem solicitar este tipo de
financiamento. Ou seja, todos que possuem a garantia de não perder a sua renda, ou seja, os
aposentados e pensionistas, além dos servidores públicos concursados, civis e militares, das três
esferas de governo (Obs. É necessário consultar a fonte pagadora para conceder o empréstimo).
Como os pagamentos das parcelas dos empréstimos são debitados em folha, o risco de
inadimplência fica muito baixo.
Em função de acordos entre as fontes pagadoras e as financeiras, tem direito de solicitar
está modalidade de empréstimo:

• Aposentados e Pensionistas do INSS


• Militares da União
o Aeronáutica
o Exército
o Marinha
• Funcionários Civis da União (Consultar o órgão de origem).
• Militares do Governo do Estado do Rio de Janeiro
o Bombeiros
o Policiais
• Funcionários Civis do Estado do Rio de Janeiro (Consultar o órgão de origem).
• Funcionários da Prefeitura de Duque de Caxias (Consultar o órgão de origem).
Os principais bancos que oferecem este produto
Os termos e cálculos utilizados

Para realizarmos nosso trabalho precisamos nos familiarizar com alguns termos que serão
de vital importância no desenvolvimento de nosso trabalho:

• Margem Consignável: Percentual disponibilizado para ser usado para empréstimos. A


margem destinada pela fonte pagadora com esta finalidade corresponde a 30% dos
vencimentos do funcionário público, pensionista ou aposentado.
• Margem de Cartão: Percentual disponibilizado para ser usado para a confecção de
cartão de crédito com débito em conta, onde o cliente pode sacar um percentual do
limite de crédito concedido. A margem destinada pela fonte pagadora com esta
finalidade corresponde a 10% dos vencimentos do funcionário público, pensionista ou
aposentado. Deve-se observar que para efeitos práticos, os juros que incidem sobre
esta operação são aqueles praticados pelas operadoras de cartão de crédito.
• Averbação: É o ato da empresa de empréstimos consignado de solicitar ao órgão
pagador que aceite para análise o proposta de financiamento do cliente.
• Fator: É o índice utilizado para descobrir o montante a ser recebido pelo cliente, e varia
em função de muitos fatores:
o Prazo do Empréstimo: Quanto maior o tempo de duração do contrato, menor o
fator usado, e maior o valor creditado para o cliente. Vale observar também que
esta é uma atividade remunerada pela produção realizada. Isso significa que
quanto maior for o prazo do empréstimo, maiores os ganhos do agenciador. Os
prazos usualmente disponibilizados são 12, 24, 36, 48, 59 e 60 meses.
o Empréstimo Novo: É aquele feito quando o cliente nunca fez empréstimos
consignados ou quando o beneficiário recebe um reajuste de salário que abre
uma nova margem em seu contra-cheque.
o Refin: É o refinanciamento de uma dívida. Como a margem já está
disponibilizada de um valor para pagamento de parcelas da divida, após o um
determinado número de meses, o cliente pode solicitar o refinanciamento da
dívida, onde o banco calcula o valor que seria emprestado ao cliente caso a
operação fosse de um empréstimo novo, e subtrai deste valor o saldo devedor
que o cliente ainda tem com o banco, emprestando ao cliente a diferença.
• Valor creditado (VC): É o valor que o cliente tem direito de receber após e operação de
empréstimo. Para se descobrir este valor usa-se a seguinte fórmula: VC = MR/Fator.
• Saldo Devedor (SD): É o valor que o cliente tem que pagar ao banco após a operação
de empréstimo consignado. Para se descobrir este montante usa-se a seguinte fórmula:
SD = VP * NPA, onde VP é o valor da parcela multiplicado pelo número de parcelas em
aberto (ainda não pagas).
• Exemplos: Um servidor do estado do Rio de Janeiro tem uma margem consignada
disponível de R$ 200,00, e vai usar integralmente este valor para quitar uma divida com
seu cartão de crédito. Neste exemplo, se ele quiser fazer um empréstimo em 36 meses,
pelo banco X, o fator a ser aplicado é 0,04498, ou seja, 200/0,04498 = R$ 4.446,42. A
sua comissão neste exemplo seria de 5%, R$ 222,32. Se o empréstimo fosse no prazo
de 60 meses, o fator poderia ser de 0,03529. Assim, os valores seriam: 200/0,03529 =
5,667,32 e a sua comissão, de 25%, seria de 1416,83.