P. 1
manual elaboração de um texto em ABNT

manual elaboração de um texto em ABNT

|Views: 460|Likes:
Publicado porViviane F F Silva

More info:

Published by: Viviane F F Silva on Nov 16, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/09/2013

pdf

text

original

FACULDADES INTEGRADAS “ESPÍRITA” COORDENADORIA DE PESQUISA

1

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E CIENTÍFICOS

Curitiba 2005

ii

DIREÇÃO GERAL Prof. Octávio Melchíades Ulysséa DIREÇÃO ADJUNTA Prof.ª Lucia Maria da Veiga Segall DIREÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA Prof. Jorge Augusto Callado Afonso DIRETOÇÃO ACADÊMICA Prof. Rodolpho da Cruz Rolão COORDENAÇÃO DE PESQUISAS CIENTÍFICAS Prof. Carlos Frederico Grubhofer

EDITOR Prof. Carlos Frederico Grubhofer EDITORES TÉCNICOS - COMISSÃO DE METODOLOGIA CIENTÍFICA Prof. Diomar Augusto de Quadros Profª Mafalda Alles Sikora Profª Marilice Trentini Oliveira Profª Neusa Ponchielli Lustosa Profª Rita de Cássia Dallago Machado Prof. Ronaldo Gazal Rocha Prof. Sérgio Ricardo Hoppen

iii

APRESENTAÇÃO Por quê se faz pesquisa? Antes de iniciar a utilização deste manual esta pergunta deverá ser respondida. Existem muitas respostas para esta pergunta, dependendo de quem a esteja lendo. Para alguns, porque o professor mandou, para outros, porque é obrigação da Universidade fazer pesquisa. Há, ainda, os que responderão: porque é preciso apresentar a Monografia, a Dissertação ou a Tese para obter o respectivo título de Graduação, Mestrado ou Doutorado. Mas, na realidade, a pesquisa deve ser realizada com o intuito primeiro de alcançar conhecimento, desenvolvimento humano. Neste sentido outra pergunta deverá, então, ser respondida: Por quê publicar trabalhos científicos? Esta pergunta pode ser respondida com o pensamento de Cordeiro, 1992. “ Se a Ciência e a Técnica têm por objetivo conhecer e dominar a natureza para melhor servir o ser humano, o cientista e o técnico não podem ficar enclausurados, devem socializar seu saber e sua técnica”. Assim, tendo este pensamento por fundamento, as Faculdades Integradas “Espírita”, através da Direção Acadêmica, Coordenadoria de Pesquisa Científicas e da Comissão de Metodologia de Pesquisas, desenvolveram este manual estabelece desenvolvido nas FIES, padronizando as suas formas de publicação. Prof. Carlos Frederico Grubhofer Coordenador de Pesquisas que normas para a socialização do conhecimento técnico e científico

4

NOTA DA EQUIPE TÉCNICA As atividades de pesquisa vêm sendo colocadas pela sociedade e pelo Ministério de Educação como instrumento de melhoria da qualidade dos cursos superiores e dos profissionais neles formados, na medida em que estimula as práticas de investigação, sistematização e socialização do conhecimento, cujo Para tanto, é indispensável que os acadêmicos, desde o início de sua trajetória no ensino superior, familiarizem-se com normas teórico-metodológicas que lhes permitam um crescimento no exercício de práticas intelectuais que os capacitem para o desenvolvimento de pesquisa. Este objetivo torna necessária a aquisição gradativa de um conjunto de habilidades, como: - ler e compreender textos teóricos, identificando fontes bibliográficas relevantes na área; - ter iniciativa para buscar as informações necessárias para a realização de trabalhos; - registrar as informações, bem como as respectivas fontes bibliográficas; - investigar, estabelecer relações entre a teoria e a prática, inferir, argumentar e interpretar criticamente; - observar, formular hipóteses e problematizações; - apresentar e discutir temas; - redigir todos os tipos de trabalhos científicos e acadêmicos com técnica e correção. Cabe a todos os professores, não somente aos de Metodologia da Pesquisa, a viabilização de oportunidades para que os alunos exercitem, de forma sistemática estas habilidades. Neste manual, docentes e discentes encontrarão orientações próprias à elaboração uniforme de trabalhos acadêmico-científicos. processo de construção envolve professores e acadêmicos.

5

LISTA DE ILUSTRAÇÕES

QUADRO 1 -CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NO PROJETO ......12 QUADRO 2 -ORÇAMENTO DO PROJETO DE PESQUISA........................................................................12 FIGURA 1. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE RELATÓRIO...................................................................14 QUADRO 3 - DISPOSIÇÃO DOS ELEMENTOS DO TRABALHO ACADÊMICO-CIENTÍFICO .........27 FIGURA 2 - MODELO DE CAPA.....................................................................................................................30 FIGURA 3 - MODELO DE FOLHA DE ROSTO ............................................................................................31 FIGURA 4 - MODELO DE FOLHA DE APROVAÇÃO ................................................................................32 FIGURA 5 - MODELO DE RESUMO ..............................................................................................................33 FIGURA 6 - MODELO DE LISTAS..................................................................................................................33 FIGURA 7 - MODELO DE SUMÁRIO ............................................................................................................34 FIGURA 8 – LAYOUT........................................................................................................................................34 QUADRO 4 - EXPRESSÕES LATINAS COMUMENTE UTILIZADAS EM TRABALHOS ACADÊMICO-CIENTÍFICOS ..................................................................................................45

...............................10 1.............18 1..................2 PROBLEMA OU QUESTÃO(ÕES) NORTEADORA(S)..............................3 DIVULGAÇÃO..........................5 ARTIGO ....................................1 APRESENTAÇÃO DA RESENHA ...................................................1.......1.1.....3 PROJETO DE PESQUISA ..........................4 RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA......................................................................................6 RELATÓRIO PARA FINS ESPECIAIS ..............................................................................................................................................18 1...........................................5...............................1.............4.........................................2 “PAPER” OU POSICIONAMENTO PESSOAL .........................3...........5.......................................................................................3..............................................................13 1...............................8 1...............................................................7 1........1............3..............................4......11 REFERÊNCIAS......................................13 1..5...............22 1..24 1............16 1...........................................1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS...4................................20 1......................8 MONOGRAFIA.....................................11 1...........................................1..............................................................................................................5........................4.....10 ORÇAMENTO DO PROJETO..........................3 HIPÓTESES......................5.......................12 1...........................................4........9 DISSERTAÇÃO...........................23 1........2 ELEMENTOS TEXTUAIS.........................................................................10 TESE ..........................................3 RELATÓRIO DE ESTÁGIO ..................4.....................3.2.......................8 1..............5...................................................................................3.......................................3......6 SUMÁRIO 1 CONCEITO E TIPOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS E ACADÊMICOS .............1................................................................................18 1......................................21 1........................4 ESTRUTURA DE UM ARTIGO...6 RESUMO .4 ELEMENTOS DE APOIO AO TEXTO.............5........................................................6 REVISÃO DE LITERATURA OU PRESSUPOSTOS TEÓRICOS ..........................................3.........1......................................................................3...........................7 1.........................................................................................11 1.................................................7 RELATÓRIO PROGRESSIVO ..........................................................26 ..........................................................................................................................16 1............................2 TIPOS DE ARTIGOS..............................................................................12 1......................12 1......................................................................................................................8 1...19 1........................3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS..................................3............................................................5 RELATÓRIO ADMINISTRATIVO ................4.......................................................................................................................................1 RESENHA CRÍTICA.....5 OBJETIVOS..........................................................................................1 TIPOS DE RELATÓRIO.........................................................1 APRESENTAÇÃO DO “PAPER”........................................17 1..........4 JUSTIFICATIVA ...............1 CONCEITUAÇÃO ....................................4................................19 1.................................10 1...............................................................4.................................................................................................9 PLANO DE TRABALHO ..............9 1........1...................................4...................................................................................................5.............................................................................3........................13 1....17 1.........................................................................................7 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) ....................................17 1.................8 CRONOGRAMA .......................................................................................................................... TEMA ...............................2 RELATÓRIO DE VIAGEM E DE PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS ...............................................9 1.........................13 1.................................7 MATERIAL E MÉTODOS ..............1 RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO ..............................................3....7 1...........................19 1...................................22 1....................................................4....4 RELATÓRIO ..........................25 1........................................................................................................................................9 1..................4.....................................................16 1...................................................................................................

................6.43 2............36 2.3....................................................40 2....................35 2.......................................................................................................................................................................44 2.....................50 3..........................................................................................................................................5.......................................................................................2 DESENVOLVIMENTO .......36 2................7 2.................................................6 ELEMENTOS DE APOIO AO TEXTO ......1 REVISÃO DE LITERATURA ......................4....................................44 2..................................51 3...............................................1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS.....1 ESPAÇAMENTO ..............................2 AUTORIA POR TIPO DE OBRA (ALGUNS EXEMPLOS) .....................3 MARGENS ...............2...............1....................3 ELEMENTOS TEXTUAIS....................................................2......37 2............................................4...3...........................................................................4 PARÁGRAFO .......51 REFERÊNCIAS...................................50 3...........3 PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS.... NORMAS GERAIS DE EDITORAÇÃO ......2 GLOSSÁRIO..................................................51 3....................ASPECTOS GERAIS ................................................................................................................................................................................ QUADROS...................................................................................................................2..........................................................................................38 2...............................39 2..............1............3.......................................................................3 APÊNDICES E ANEXOS .........................38 2.............................................6.....................................................38 2.........................................................................2 CITAÇÕES DIRETAS LONGAS ............1 AUTORIA ............................................................................1 INTRODUÇÃO..............50 3.........................1 CITAÇÕES DIRETAS CURTAS........................45 3.................................7 IMPRESSÃO..................5...................3 TABELAS.3...2 ALINHAMENTO ...............................................................................................36 2...38 2....37 2..................3 RESULTADOS E DISCUSSÃO ...............43 2................. GRÁFICOS E FIGURAS ...............4 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS ..............................................................6................................................................................................................................3...........................1 REFERÊNCIAS.................38 2.......................6 PAGINAÇÃO.............................................4 CONSIDERAÇÕES FINAIS ...............................................2 MATERIAL E MÉTODOS.....27 2.........................................................35 2....................4..........2.....................................................................................52 .............................................8 DIGITAÇÃO DE TÍTULOS DE SEÇÕES DE TEXTO .............................................................................................................................................................6........................................................................................................5 NORMAS PARA A NOTAÇÃO DE REFERÊNCIAS....................................................................... ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO ( TRABALHOS ACADÊMICOS – MONOGRAFIAS) 27 2................29 2........................................50 3................................3 CITAÇÕES INDIRETAS OU LIVRES.............3.....................................................1...............41 2...............................................5.......................................2 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS: MODELOS ...............50 3..........................................................ASPECTOS GERAIS .........................................................................................................

para conclusão de curso de graduação ou requisito para obtenção de título de pós-graduação lato sensu.Texto: a referência bibliográfica da obra deverá ser apresentada no início do texto. seu autor. dissertações e teses em pós-graduação stricto sensu. bem como avaliação ou opinião sobre as mesmas. Para tanto. sendo a dissertação usada para a apresentação de estudos sobre temas previamente estudados e a Tese mestre e de doutor.o resumo das principais idéias da obra. especialização. sucinto e de fácil leitura e compreensão. ambos usados para a obtenção dos títulos de 1.1 RESENHA CRÍTICA Consiste numa apresentação resumida. 1. Compreendem-se como trabalhos acadêmicos as expressões por escrito sobre temas atribuídos em disciplinas de cursos de graduação ou de pós-graduação nos diversos níveis. deve conter: . monografias. . dissertações e teses.uma justificativa da apreciação realizada. com apreciação crítica.1 Apresentação da resenha A resenha deve apresentar a seguinte estrutura: . . . o qual deve apresentar uma estrutura única (sem subtítulos).1. “papers”. projetos de pesquisa. compondo um texto harmonioso. Os trabalhos de pesquisa. respectivamente. quando forem desenvolvidos em cursos de graduação. os aspectos teóricos e a avaliação crítica do resenhista). . numa seqüência adequada (dados sobre a obra. podem ser subdivididos em monografias. técnica ou literária. o resumo do conteúdo. trabalho de conclusão de curso (TCC).7 1 CONCEITO E TIPOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS E ACADÊMICOS Fazem parte dos trabalhos acadêmico-científicos apresentados nesse manual: resenhas críticas. artigos científicos.uma apreciação crítica das informações apresentadas. também denominados trabalhos acadêmicos. relatórios. para a apresentação de temas inéditos.Folha de rosto. do conteúdo de uma obra científica.

404 páginas. 1.2 “PAPER” OU POSICIONAMENTO PESSOAL É um pequeno texto sobre um tema pré-determinado. de Oleone Coelho Fontes conta a história da terceira expedição contra Canudos. podendo valer-se de opiniões de especialistas no assunto. O Treme-Terra Moreira César. a República e Canudos Oleone Coelho Fontes.8 .3 PROJETO DE PESQUISA É a etapa do processo de planejamento. evidenciando que Moreira César ainda hoje vive na memória e no imaginário do sertanejo. execução e apresentação da pesquisa.1 Apresentação do “paper” O “paper” deve conter uma folha de rosto. Dezenas de depoimentos foram prestados por habitantes da região. poderá se encontrar perdido . 1. resultados de estudos ou pesquisas científicas. "O Treme-Terra". artigos especializados. A elaboração consiste em uma abordagem que discuta o assunto. Tem a necessidade de ser elaborado com extremo rigor.2.Referências: este item torna-se necessário quando o resenhista utilizou outras obras para fundamentar a análise da obra. 1996. 1. A história oral está sempre presente. É o primeiro livro a apresentar minuciosa biografia do coronel Antônio Moreira César. reproduzindo o que ouviram de pais e avós. ao longo do percurso de sua investigação. Editora Vozes. seguida do texto que deve apresentar de forma articulada.5 deste manual (página 38). sem subtítulos e com encadeamento de idéias. Enfim uma novidade. caso contrário. com clareza e objetividade. Ao final do texto as referências ocupadas nas citações devem ser mencionadas. Ex. O ensaio se baseia em documentos históricos obtidos em ampla pesquisa realizada pelo Autor. Na elaboração de um “paper” o autor deve apresentar uma análise e considerações argumentativas. ou ainda informações gerais sobre uma área de estudo. comandante da expedição. o desenvolvimento e a conclusão. Estamos em pleno Centenário. A Guerra de Canudos foi travada no sertão da Bahia de novembro de 1896 a outubro de 1897. o pesquisador. a introdução. As referências devem ser apresentadas de acordo com o item 2.

1987. podendo surgir de situações do cotidiano. As péssimas condições de estrutura das escolas. o que muitas vezes obriga as crianças a faltarem às aulas. justificativa.3. afirmações que serão testadas mediante a reflexão teórica ou evidência dos dados. de estudo de literatura já editada. orçamento do projeto e referências. etc. MARCONI. onde o nível cultural não os impede de ganhar o suficiente para sustentar suas famílias 1. de indicações de programas de pesquisa. Enfim. Ex. a falta de preparo dos professores técnica e psicologicamente falando e a urgência no atendimento das necessidades básicas da família. p. Problema é um questionamento. Ex. objetivos. um roteiro com as seguintes etapas: tema.2 Problema ou questão(ões) norteadora(s) Sabe-se que toda ação humana trata-se de busca de respostas. plano de trabalho. ou ainda. É.3.3.9 nos dados já colhidos. por meio da pesquisa. metodologia. ainda. uma dúvida a ser solucionada através do desenvolvimento da pesquisa.3 Hipóteses São prováveis respostas. hipóteses. Tema É a definição do que vai ser pesquisado. as hipóteses podem ser confirmadas ou rejeitadas.1. sem saber o seu grau de importância (LAKATOS . problema ou questão(ões) norteadora(s). 1. 99). podem ser considerados os grandes responsáveis pelo baixíssimo nível educacional dos jovens brasileiros e motivador da entrada desses jovens no mundo do crime. revisão de literatura ou pressupostos teóricos. de sugestões de especialistas. Baixos níveis educacionais e alta criminalidade 1. explicações provisórias. . cronograma. de solução para alguma dificuldade. Ao final da pesquisa. sem saber o que fazer com os mesmos. o objetivo do projeto de pesquisa é planejar as ações do pesquisador para responder questões acerca de um fenômeno.

Melhorando as condições estruturais das escolas.5 Objetivos Determina as metas que queremos alcançar.. diminuirá. a cada vez menor condição de disputa de vagas para empregos enfrentada pelos recém saídos do ensino fundamental e médio. em se pensando na grande quantidade de cursos superiores de Pedagogia. quadras esportivas. compreender. no infinitivo . considerando as contribuições para o crescimento pessoal. EX. para não dizer . também. também. que poderiam desenvolver ações nos resultados dessa pesquisa. baseadas 1.4 Justificativa Envolve descrições da origem do problema levantado. Ex. salas melhores. argumentação que justifique a escolha desse tema e/ou problema. com verbos de ação. social. 1. principalmente.3.3.. com isso. verificável. computadores e investindo na qualificação dos professores diminuirá a evasão e o índice de ausência dos alunos nas escolas. ou seja. O aumento descontrolado nos índices de violência e criminalidade envolvendo jovens em tenra idade.10 Considerada como uma proposição antecipada à comprovação da realidade existencial.. para que pesquisar.. A hipótese é uma tentativa antecipada de responder ao problema. conciso. científico. Podem ser divididos em gerais (o que queremos alcançar mais amplamente com o desenvolvimento da pesquisa) e específicos (determinam aspectos particulares que se pretendem estudar. plausível e relevante. explicar a fim de alcançar o objetivo geral). a violência em seu entorno. do ensino superior. específico. relação do tema com o contexto social. Serviço Social e outros. da instituição de origem da pesquisa. são justificativas plausíveis para o desenvolvimento de pesquisas que venham a apontar soluções para este problema. Os objetivos podem ser listados sob a forma de itens. Deve ter um enunciado claro.

Ex. uma visão geral do problema. quais os materiais e equipamentos serão utilizados. É preciso lembrar que o texto deve ter introdução. Verificar a relação entre estrutura e envolvimento da escola com a comunidade e suas taxas de evasão e falta. pode-se interpretar a resposta global ou individualmente.3. pois a pesquisa ainda será feita.7 Material e Métodos Aqui será indicado como serão coletados os dados. .. como trabalhar com as informações. Inserem-se.11 (estudar. saber. entender. ou seja. Criar mecanismos de atração dos alunos à escola. Se for pesquisa qualitativa. seleção e localização das fontes de informação. Análise e interpretação dos resultados: Deve-se descrever como serão analisados os resultados da Pesquisa. e somente.3. citações diretas e indiretas.). 1. Descreve-se claramente o método a ser utilizado. podese utilizar a estatística descritiva. compreender. Cabe também. Cada objetivo só pode conter um único verbo de ação. sujeitos da pesquisa. deve-se deixar claro como pretende-se fazer a coleta. Coleta de Dados: Citar como irá organizar a coleta de dados. O texto não deve ser conclusivo. bem como notas de rodapé. desenvolvimento e conclusão. também.. Levantar os motivos da evasão e das elevadas taxas de faltas. Caso a opção seja por uma pesquisa qualitativa. Se for pesquisa quantitativa.6 Revisão de literatura ou pressupostos teóricos Remete a elaboração de um texto ao que já foi dito e publicado sobre o assunto. Todas. 1. Seleção dos Participantes ou População e amostragem: É importante identificar os participantes da pesquisa (sujeitos). inserir a informação sobre o universo a ser pesquisado e a técnica de amostragem. as citações feitas no texto devem ser arroladas nas referências. explicar. Se for uma pesquisa quantitativa. deve-se enumerar de que maneira pretende-se coletar e analisar os dados.

Exemplo: QUADRO 1 Cronograma das atividades a serem desenvolvidas no projeto DATA / ATIVIDADE MAIO/05 JUN/05 JUL/05 AGO/05 SET/05 OUT/05 NOV/05 Definição do tema Elaboração do projeto Entrevista com médico Etc X X X X X X X X X X 1.12 1.8 Cronograma É recomendável apresentar um quadro com o planejamento das atividades a serem desenvolvidas distribuindo-as no tempo em que se propôs desenvolvê-las (Quadro 1).Luiz Entrevista com o médico . suas principais responsabilidades e funções (nominar quem é o responsável pelas ações previstas). devendo estar claro o envolvimento direto do autor com a pesquisa. Ex.10 Orçamento do projeto Exemplo: (modelo simples – Quadro 2) QUADRO 2 Material de consumo Papel A4 (pacote 500 folhas) TOTAL Material permanente TOTAL Outros Serviços e encargos Transportes TOTAL TOTAL GERAL Orçamento do projeto de pesquisa ORÇAMENTO Quantidade Preço Unit. atendendo as etapas do cronograma do projeto de pesquisa. Total .9 Plano de trabalho Formaliza-se aqui o plano de atividades.3.Paulo 1.3.3. Redação do projeto Análise estatística .Raul .

3. traça conclusões e faz recomendações.4. 1996). tais como tabelas. É geralmente acompanhado de documentos demonstrativos.13 1. ou ainda antecipar as . sistematicamente.4 RELATÓRIO “É a exposição escrita na qual se descrevem fatos verificados mediante pesquisas ou se historia a execução de serviços ou de experiências. não deve repetir ou parafrasear o resumo. informações.. o método ou os resultados. normalmente.” (UFPR.4. gráficos. de estágio.1.1 Relatório Técnico-científico É o documento que relata formalmente os resultados ou progressos obtidos em investigação de pesquisa e desenvolvimento ou que descreve a situação de uma questão técnica ou científica. Introdução: é a primeira seção do texto e define brevemente os objetivos do trabalho e as razões de sua elaboração.11 Referências Incluir somente a bibliografia utilizada para o desenvolvimento da proposta de pesquisa conforme as normas desse manual. O texto dos relatórios técnico-científicos contém as seguintes seções fundamentais: a. trazendo. 1. um numero que identifica tanto o relatório quanto o produtor. É estabelecido em função e sob a responsabilidade de um organismo ou pessoa a quem será submetido. administrativos.1 Tipos de Relatório Os relatórios podem ser técnico-científicos. para fins especiais ou progressivos. distribuidor ou organismo responsável.. O relatório técnico-científico apresenta. 38) 1. de viagem e de participação em eventos. estatísticas e outros. de visita técnica. nem dar detalhes sobre a teoria experimental. bem como as relações existentes com outros trabalhos. ( ver pág. 1.

recomendações são declarações concisas de ações. as descrições apresentadas devem ser suficientes para permitir a compreensão das etapas da pesquisa. mas as minúcias de provas matemáticas ou procedimentos experimentais. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE RELATÓRIO . sendo que os dados quantitativos não devem aparecer na conclusão. juntamente com as conclusões.14 conclusões e recomendações. entre outros elementos). se necessárias. c. podem ser subdivididas em várias subseções. constituem uma seção (parte) distinta (dependendo da extensão. Deve ser dividido em tantas seções e subseções quantas forem necessárias para o detalhamento da pesquisa ou estudo realizado (descrição de métodos. sem detalhes. Resultados. conclusões e/ou recomendações: nessa seção devem figurar. mas apenas apresentar o assunto como um todo. que serão usadas no futuro. e. as ilustrações ou quadros essenciais à compreensão do texto também devem ser incluídos nessa parte do relatório. nem tampouco os resultados comprometidos e passíveis de discussão. clara e ordenadamente. julgadas necessárias a partir das conclusões obtidas. as deduções tiradas dos resultados do trabalho ou levantadas ao longo da discussão do assunto. teoria. onde é exigido raciocínio lógico e clareza. devem constituir material anexo. Conclusão* Resultados Desenvolvimento Introdução *e/ou recomendações FIGURA 1. b. tendo em vista manter a objetividade e a clareza). procedimentos experimentais. Desenvolvimento ou Corpo: é a parte mais importante do texto.

A forma de encaminhar pode ser adaptada conforme a disciplina e/ou o tipo de atividade a ser relatada. pode ser mais simples. Neste caso o relatório pode ter 2 ou 3 páginas. Sugestões de roteiro para relatório: Roteiro 1: A .Elementos pré-textuais: Capa. uma aula prática. folha de rosto.Elementos textuais: 1 Dados de identificação identificar o local e a data em que a atividade relatada foi realizada identificar a atividade realizada 2 Objetivos da atividade 3 Descrição da atividade 4 Conclusões/recomendações C . sumário B . uma saída de campo.Elementos pós-textuais Referências (caso existam) Anexos Roteiro 2: A – Elementos pré-textuais: pode ser limitado apenas a folha de rosto B – Elementos textuais 1 Dados de identificação 2 Descrição do problema 3 Aparelhagem ou equipamentos 4 Procedimento(s) 5 Resultado dos testes 6 Análise dos resultados 7 Conclusões C – Elementos pós-textuais Referências Anexos . a construção ou verificação de máquinas ou aparelhos. uma visita técnica.15 Quando se tratar de um relatório de experiências realizadas em laboratórios.

A conclusão consiste na avaliação crítica da viagem ou do evento.4. b. destino. Quando se tratar de participação em cursos. Conclusão: que deve incluir referência ao aproveitamento do estágio.16 1. . descrição física. período de duração e observações feitas pelo visitante. Deve fornecer informações sobre o local onde foi realizado o estágio.1. Descrição das atividades desenvolvidas: informação do total de horas ocupadas em cada atividade. o destino. a introdução deve incluir a data. congressos. o programa deve ser incluído em anexo. objetivos. 1. Deve fornecer informações como data.4. o período de duração e os objetivos da viagem ou da participação num evento. período de duração e atividades desenvolvidas. Descrição do local do estágio: histórico. O texto de relatórios de estágio é composto por: a.1. d. 1. detalhando cada fase ou etapa de estágio. e atividades desenvolvidas. entre outros elementos significativos.1. duração. Deve fornecer informações sobre o local onde foi realizada a visita. c. seminários e similares.4.3 Relatório de estágio É o documento que visa fornecer informações relativas às experiências que o estagiário adquiriu durante um período determinado. Em relatórios de viagem e de participação em eventos. participantes. Descrição dos processos técnicos: ou de outras particularidades técnicas observadas.4 Relatório de visita técnica É o documento que tem como objetivo a apresentação de experiências e registros técnicos adquiridos como resultados de uma visita técnica. No desenvolvimento são relacionados os participantes e as funções ou atividades desempenhadas.2 Relatório de viagem e de participação em eventos É o documento que tem por objetivo a apresentação de informações relativas a viagem realizada ou ainda a participação em algum evento.

registro de patente. f. e. e. Objetivos da visita. orçamento de pesquisas.1. geralmente ao término de um exercício. 1.4. Conselho . pessoais e funcionais. d. dispositivos e equipamentos. Outros exemplos de relatórios para fins especiais são os de levantamento de produção.4. 1. pessoais e normativos. 1. máquinas.5 Relatório administrativo É o documento elaborado por um ou vários membros de uma organização com objetivo de relatar a atuação administrativa de uma unidade ou de toda a organização. fornece instruções para otimizar o uso de materiais.1. Este documento deve ser submetido à apreciação de uma autoridade superior.6 Relatório para fins especiais É um documento elaborado para atender a uma necessidade específica. Data da visita. Descrição física do local visitado. São geralmente submetidos à apreciação de uma pessoa ou organização e devem ser acompanhados de carta de encaminhamento. funcionais e normativos. b. manuais de software. c. normativos.Capes.1.7 Relatório progressivo É o documento apresentado aos órgãos patrocinadores de pesquisa (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior . que pode ser redigida nos seguintes termos: a.17 Os relatórios de visita técnica devem conter: a. d. Conclusões resultantes da observação do visitante.4. b. Observações feitas pelo visitante. funcionais. É organizado de forma particular. c. pessoais.

de revisão: quando aborda. métodos.5. Seu objetivo é apresentar. técnicas. de um estudo e/ou pesquisa. que apresenta e discute idéias. processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento” (ABNT. É uma reflexão. por meio de discussão tendo como base fatos ou idéias que evidenciem respostas ou novas idéias de pesquisa. esses artigos podem ser divididos em anual ou seletiva.18 Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico . 1. Também conhecidos como “reviews”.CNPq.5 ARTIGO “Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada. 1. b.anual. 1. Pode ser escrito por um ou mais autores e tem por objetivo a divulgação de informações e dados para um grupo de pessoas.1 Conceituação Um artigo científico é o resultado de um trabalho técnico-científico. original: quando faz o relato analítico de informações sobre um assunto inédito. . 2). 2003. p. . realizado de maneira sistemática e metódica. a. NBR 6022. através de argumentos.2 Tipos de artigos Os artigos podem ser de dois tipos.5. original e de revisão. uma resposta para uma questão estudada. analisa ou resume de maneira sistemática informações sobre um assunto já publicado. entre outros) e que precisa ser encaminhado sistematicamente em períodos curtos. crítica e analítica. estabelecidos pelas entidades de fomento. Geralmente formam a parte principal das publicações periódicas e seguem as normas específicas do conselho editorial a que se destinam. contendo a descrição ampla das contribuições da literatura em determinada área de estudo.

1. Após a análise do conteúdo do trabalho permitirá o encaminhamento para a publicação periódica específica para o qual foi preparado. Título – centralizado e em negrito. c.4.5.1. Dados relevantes do(s) autor(es).1 Elementos pré-textuais 1.19 . feita pelo autor.4.2 Agradecimentos (opcional) Menção a pessoas ou instituições.3 Resumo É a apresentação sintética do texto onde se destacam os aspectos mais relevantes do trabalho realizado.4 Estrutura de um artigo 1.4. mas a maioria se baseia.seletiva. 1. nas exigências da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). crítica e analítica. Aparecem em notas de rodapé.4. 1. pág. na primeira página do artigo ou no final deste.5.5. 1.3 Divulgação Os artigos devem respeitar algumas normas técnicas para fins de sua padronização. ( ver item 1. 1. para construir os seus artigos.5. com enfoque em um problema científico particular e sua solução. Os artigos de revisão com enfoque histórico devem obedecer a uma ordem cronológica de pensamento.22) . por apoio recebido. Nome(s) do(s) autor(es) – com alinhamento à direita.1 Cabeçalho O cabeçalho é composto por: a.5.6. Os meios de divulgação de uma informação são muitos e específicos para cada área.1.5. b.

tabelas. cinco palavras precedidas pela expressão palavras-chave. b) Resultados: Constituem-se na apresentação dos dados encontrados na parte experimental do estudo em questão. constitui a descrição das principais idéias do trabalho. Dependendo da necessidade lógica e do assunto tratado.5.1. etc.2.. despertando seu interesse para o texto desenvolvido propriamente dito.20 1.5. Podem conter quadros. dos métodos e técnicas empregadas para a elaboração do trabalho. bem como demonstrar a capacidade de articulação com a literatura já produzida na área.5. experimento. Devem ser relacionadas.2. as palavras chave não devem constar do título. apresenta a essência do trabalho realizado. no máximo. de forma coerente e articulada.1 Introdução É a parte do trabalho em que se apresenta.4. 1. a temática estudada no artigo.5.4. 1. É o momento de exposição da fundamentação lógica do autor que. o desenvolvimento pode ser subdividido em etapas: a) Metodologia ou Material e Métodos É a descrição precisa dos materiais e equipamentos utilizados no trabalho.4. . em qualquer lugar. Tem por finalidade relacionar os objetivos e a finalidade do trabalho.4 Descritores ou palavras-chaves São termos ou frases representativas dos assuntos mais abordados no artigo. Possibilita ao leitor uma visão de conjunto do tema.2 Elementos textuais 1.2 Desenvolvimento Também denominado de corpo do artigo. Deve possibilitar a reprodução do experimento ou estudo com exatidão por quaisquer outros pesquisadores. Preferencialmente.4. de forma geral.

3. jornais. artigos.3 Palavras-chave em língua estrangeira .5.4. livros).4.4. podendo incluir recomendações ou sugestões para futuros trabalhos. 1. ou de material gravado (CD’s.Key Words. se houver (em) 1.4.7 Anexo.1 Título.4. filmes). c) Discussão: Apresenta a confrontação entre resultados observados e dados encontrados na literatura citada. 1.5. Devem ser ordenados todos os documentos que efetivamente tenham sido citados no texto. correspondentes aos objetivos e hipóteses.5 deste manual. (ver item 2.3.5. 1.3.4 Nota(s) explicativa(s). 1.3.5.5. e subtítulo (se houver) em língua estrangeira.4.3.5.3 Elementos pós-textuais 1.3.Abstract.3.21 ilustrações. 1. ou de internet. d) Conclusão: Parte final do artigo. 38) 1.5.6 Apêndice(s).3.4. quer tenham sido obtidos de material escrito (revistas.5. destaca os resultados obtidos na pesquisa ou estudo desenvolvido.5 Glossário (se houver) 1. que possibilitem a máxima compreensão do estudo. .4.4. entre outros recursos. pág.2 Resumo em língua estrangeira .5.5 Referências As referências se caracterizam como parte obrigatória do artigo.

5. explicando o tema principal do documento. O resumo deve ressaltar o objetivo. observações ou esclarecimentos ao texto realizado pelo(s) autor(es).3 à pág. O resumo deve ser precedido da referência do documento. nem enumerar os tópicos.22 1.3 Ilustrações (tabelas. importância e/ou alcance) obtidos como resultados. 1.4. tradutor ou editor. exceto quando fizer parte do documento.4.5. mas a descrição articulada do que foi realizado pelo(s) autor (es). os resultados e as conclusões do documento. de que forma foi executado o trabalho e os principais aspectos (numéricos.2 Notas de rodapé São indicações de referências. 1. A ordem e a extensão destes itens dependerão do tipo de resumo.4.5. quadros e figuras) – Ver sessão Quadros e Tabelas (item 2.6 deste manual) A exatidão das referências constantes na listagem e a correta citação no texto são de responsabilidade do(s) autor (es) dos trabalhos. o método.4. etc. Não se devem citar referências no resumo. essas devem estar numeradas seqüencialmente e colocadas ao final da página em que for necessária sua utilização. estudo de caso. onde se destacam os aspectos mais relevantes do trabalho realizado.5.6 RESUMO É a apresentação sintética do texto. Quando for necessário o emprego de notas. 46) 1. A primeira frase deve ser significativa. informando. (ver item 2.4 Elementos de apoio ao texto 1. O resumo é constituído de um único parágrafo.) .4.1 Citações São as menções apresentadas no texto de informação extraída de outra fonte a fim de esclarecer.4. em seguida a categoria do tratamento (revisão. ilustrar ou embasar o assunto tratado no artigo. Deve-se notar que uma apresentação concisa não significa a simples relação de tópicos trabalhados.6.4.

Faculdades. 33) – – 1. como tal. de maneira se complemente como trabalho de pesquisa iniciado na elaboração do projeto. de 100 a 250 palavras os de artigos de periódicos. etc. equações. os resumos devem ter: – de 150 a 500 palavras ou termos: os de trabalhos acadêmicos (teses. . . de 50 a 100 palavras os destinados a indicações breves. (Ver modelo de resumo à pág. dissertações e outros) e relatórios técnico-científicos. Deve-se evitar: – – símbolos e contrações que não de uso corrente. fórmulas. alguns requisitos básicos devem ser implementados. . É uma das exigências para a obtenção do título de bacharel ou de licenciado na sua respectiva área: esse trabalho não deve ser visto como algo desnecessário e sem objetivação profissionalizante. tamanho Times New Roman 11 ou Arial 10. possa também interessar a outros. como princípio. diagramas que não sejam absolutamente necessários. O resumo deve ser redigido em fonte normal. deve possuir todos os requisitos determinados por normas utilizadas em Universidades. Não deve ser outra a iniciação à metodologia científica e o futuro formando deve cursá-la convenientemente.Aprender a pôr ordem nas próprias idéias e ordenar dados. defini-los na primeira vez que aparecerem. Ao iniciar o TCC.7 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) O TCC é um trabalho científico de natureza teórico-prática e.É uma experiência de trabalho metódico: Construir uma experiência de trabalho que.Exercitar a memória. A realização desse tipo de trabalho revela-se útil em muitos sentidos. tais como: . Quanto a sua extensão. resgatando conceitos e experiências apreendidos ao longo do curso. quando seu emprego for imprescindível.23 Deve –se usar o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular.

O trabalho monográfico caracteriza-se mais pela unicidade e delimitação do tema e pela profundidade do tratamento do que pela sua eventual extensão. pois exige um envolvimento do pesquisador e acima de tudo. pois qualquer assunto pode ser trabalhado desde que a bibliografia seja bem pesquisada e objeto de estudo corretamente delimitado. vindo a transformar-se muitas vezes em um bom projeto de pósgraduação. o que se pretende no mundo. o mais explicitamente possível. criativo e rigoroso. Pode também despertar no formando o desejo de seguir a carreira de pesquisador e de docente universitário em virtude do envolvimento que teve com trabalhos desta natureza. 1. Exige tratamento metodológico de investigação aprofundada e exaustiva sobre o tema. não se exige que o tema seja original. generalidade ou valor didático. . Considera-se monografia aquele trabalho que reduz uma abordagem a um único assunto. A escolha do tema não deixa de ser um ato político. sobretudo. trazendo uma contribuição importante para o conhecimento específico. independente do tema. Trabalho pessoal. autônomo. a um único problema. servir para despertar o interesse pelo aprofundamento da pesquisa. por ter uma dimensão social. A monografia precisa ser um trabalho de pesquisa e de reflexão que seja pessoal. O termo monografia designa um tipo especial de trabalho científico. a temática deve ser uma problemática vivenciada pelo pesquisador. O TCC pode. ela deve lhe dizer respeito. contudo é recomendável que o estudante trabalhe com rigor científico e de maneira aprofundada a bibliografia e os recursos metodológicos existentes. É importante frisar que.24 Um TCC serve. por ser geralmente o primeiro trabalho de pesquisa realizado pelo aluno. Os trabalhos monográficos apresentam grande valor nos cursos de graduação pelo caráter de pesquisa e reflexão que muito tem contribuído para o avanço da ciência. como ocorre em uma tese de doutorado. o que se quer.8 MONOGRAFIA É uma pesquisa com abordagem de um assunto só. ainda. para ensinar a coordenar idéias. com um tratamento específico. Trata-se de saber bem.

com os resultados de outras pesquisas.. de apropriar-se da ciência acumulada. exigida como requisito para obtenção do grau acadêmico de mestre. . veja o seguinte esquema: O que será feito PLANO ROTEIRO DIRECIONAMENTO PROJETO -------------------.. de fazer avançar este conhecimento aplicando-se o instrumental da ciência aos objetos e situações. Fonte: Adaptado Heemann. No trabalho científico é importante ser rigoroso. 1. Exige domínio de conhecimento específico na área pesquisada e capacidade de síntese. Verbos no passado: Observou-se que. 2003. com os fatos.-----Verbos no futuro: Será observado. Cada vez mais um trabalho científico precisa ser criativo.25 Trabalho autônomo quer dizer que ele é fruto de um esforço do próprio pesquisador com capacidade de um inter-relacionamento enriquecedor com outros pesquisadores. senso comum e para a mediocridade. será utilizado. terá . não se trata apenas de aprender. e até mesmo. buscando-se seu desvendamento e sua explicação. perseverança. obstinação e competência. A elaboração do projeto de pesquisa antecede a monografia. ou seja. O trabalho monográfico apresenta grande valor nos cursos de graduação pelo caráter de pesquisa e reflexão que muito tem contribuído para o avanço da ciência. não há espaço para espontaneísmo. Portanto.. ou seja. O que foi feito DESENVOLVIMENTO DO PLANO MONOGRAFIA foi utilizado. O projeto é o planejamento do que será realizado e a monografia é o resultado do desenvolvimento da pesquisa.9 DISSERTAÇÃO É uma pesquisa desenvolvida ao nível de pós-graduação (stricto sensu). mas de colaborar no desenvolvimento da ciência. Não se faz ciência sem esforço..

2002).10 TESE “Documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico” (ABNT. A sua defesa ocorre publicamente. Caracterizado pela sua originalidade e pela sua efetiva contribuição para a ciência. .26 1. Requisito exigido para obtenção de grau de doutor. NBR 14724.

1. (obrigatório) com as seguintes informações a) nome da instituição(opcional) b) nome do autor c) título d) subtítulo (se houver) e) número de volumes ( se houver mais de um. ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO ( Trabalhos acadêmicos – Monografias) A estrutura do trabalho acadêmico compreende: elementos pré-textuais.DISPOSIÇÃO DOS ELEMENTOS DO TRABALHO ACADÊMICOCIENTÍFICO ESTRUTURA ELEMENTO Capa Lombada Folha de rosto Errata Folha de Aprovação Dedicatória Agradecimento Epígrafe Resumo na língua vernáculo Resumo na língua estrangeira Lista de ilustrações Lista de tabelas Lista de símbolos Sumário Introdução Desenvolvimento do trabalho Considerações Finais Referências Glossário Apêndice (s) Anexo (s) Índice (s) PRÉ – TEXTUAIS TEXTUAIS PÓS – TEXTUAIS 2. deve constar em cada capa a especificação do respectivo volume) f) local(cidade) da instituição onde deve ser apresentado g) ano de entrega .27 2. QUADRO 3 .1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS 2. conforme disposição na tabela 1.1 Capa. elementos textuais e elementos pós-textuais.

impresso da mesma forma que o nome do autor. área de concentração.. (opcional) . Elemento opcional. trabalho acadêmico).1. (obrigatório) 2. c) Elementos alfanuméricos de identificação.1.3 Folha de rosto.4 Errata. b) título principal do trabalho. f) nome do orientador. c) subtítulo: se houver.5 Folha de aprovação.1. h) ano da entrega 2. g) local(cidade) da instituição onde deve ser apresentado. Ex: Folha 32 Linha 3 Onde se lê publicado Leia-se publicidade 2.6 Dedicatória.1.1.1 Anverso da Folha de rosto a) nome do autor: responsável intelectual do trabalho.. b) Título do trabalho. 2.2. 2.1. d) número de volumes.) nome da instituição. objetivo (aprovação em disciplina. (obrigatório. exceto para trabalhos acadêmicosgraduação) Deve conter as mesmas informações da folha de rosto. e) natureza (monografia.28 2. por exemplo: v. mais o nome e assinatura de todos os componentes da banca de avaliação com o nem de suas respectivas instituições e a data de aprovação. (opcional) a) nome do autor impresso longitudinalmente e legível do alto para o pé da lombada. Deve ser inserida após a folha de rosto.3.2 Lombada.

1. 33) 2. É a inscrição de um trecho em prosa ou composição poética que de certa forma embasou a construção do trabalho seguido da indicação do autor. colocada após a dedicatória.2 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS: MODELOS .11 Lista de ilustrações. teses e dissertação. tabelas.. abreviaturas.. (opcional) ( ver exemplo pág. 34) 2.. exceto para trabalhos acadêmicos-graduação) 2. (obrigatório) ( ver exemplo pág.9 Resumo. (opcional) É opcional e utilizada para monografia. (obrigatório.1. exceto para trabalhos acadêmicos-graduação) (ver exemplo pág. 33) 2..1. 2.. A seguir são apresentados modelos dos elementos pré-textuais (figuras 2 a 7). símbolos. ..10 Asbstract..1. siglas. 2.1.29 2. (obrigatório. São dirigidos às pessoas ou a instituições que se mostraram relevantes para o desenvolvimento do trabalho.7 Agradecimentos... (opcional) Esta folha é opcional.12 Sumário.1..8 Epígrafe.

MODELO DE CAPA .30 3 cm FACULDADES INTEGRADAS “ESPÍRITA” (fonte normal) Nome do Autor (fonte normal) 3 cm 2 cm TÍTULO Curitiba 2005 2 cm FIGURA 2 .

................................. Curitiba 2005 FIGURA 3 .do curso de .........................31 AUTOR TÍTULO Trabalho ou monografia apresentado(a) Como requisito parcial para a obtenção de......................das Faculdades Integradas “Espírita”............. Orientador: Prof(ª).........MODELO DE FOLHA DE ROSTO ... ........

Instituição.: Instituição.32 FOLHA DE APROVAÇÃO Nome do Autor TÍTULO Esta monografia foi julgada e aprovada para a obtenção de .... _______________________________________ Nome do Coordenador Nome do Curso Orientador: Prof...... Departamento....... Departamento................ Setor: Prof.......... .................. Setor: FIGURA 4 ...................... do Curso de .. Curitiba...... das Faculdades Integradas “Espíritas”.... 18 de dezembro de 2005....... Departamento. Setor: Banca: Prof..: Instituição.........MODELO DE FOLHA DE APROVAÇÃO .

....... etc. processamento....... A amostra tratada apenas com o branqueamento mostrou também uma coloração muito alterada (escura) e textura excessivamente rígida......... Amostras de tomates da variedade industrial Santa Cruz foram desidratadas por 10 horas em desidratadora manual à 65o C.......... secagem................. 35 LISTA DE TABELAS TABELA 1 ..................... branqueamento.... e no rendimento das amostras tratadas com o uso da desidratação osmótica e desidratação osmótica combinada com antioxidante..TÍTULO ...TÍTULO .... portanto como excelente alternativa para redução de perdas....................... 29 ILUSTRAÇÃO 2 ...... 52 Nota: as listas devem ser digitadas em páginas separadas conforme o tipo: quadros....... branqueamento e desidratação osmótica............................... 30 TABELA 2 ........TÍTULO ........ Desponta-se............ As amostras tiveram os seguintes pré-tratamentos: branqueamento.........................TÍTULO .. no sabor.... foram mínimas................................ Avaliou-se à influência do uso da desidratação osmótica e antioxidante nas características organolépticas.................................................................MODELO DE LISTAS ........TÍTULO ... tabelas............O objetivo do presente trabalho é avaliar a ação dos pré-tratamentos como a desidratação osmótica e o uso de antioxidantes na qualidade do tomate seco............... 39 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 .......... desidratação osmótica e aplicação de antioxidantes.................. FIGURA 6 ...... e no rendimento do produto final.......................... 45 QUADRO 2 . As diferenças observadas na textura........................................ FIGURA 5 .... Palavras-chave: Tomate............. Os resultados mostraram que a amostra tratada com antioxidante teve sua cor original preservada........................... O uso de antioxidantes e da desidratação osmótica reduz os danos causados pelo calor à cor.............40 vezes superior ao da amostra tratada apenas com o branqueamento......33 RESUMO O tomate seco em conserva substitui na culinária o tomate “in natura” na maioria das receitas. que variam significativamente nas diferentes etapas intermediárias entre a colheita do produto agrícola e sua transformação em alimento disponível para consumo.........TÍTULO . textura macia e rendimento acima de 2. ilustrações.................................. textura e sabor do produto além de aumentar o rendimento em relação ao método tradicional de secagem..MODELO DE RESUMO LISTA DE ILUSTRAÇÕES ILUSTRAÇÃO 1 .....

....1 EMERGÊNCIA PROGRESSIVA DA DIDÁTICA DAS CIÊNCIAS............ RESULTADOS E DISCUSSÃO 3............. 20 2................................... 59 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS................................................................... 99 REFERÊNCIAS.................................................................... INTRODUÇÃO *e/ou recomendações FIGURA 08 – LAYOUT ...................121 APÊNDICES E ANEXOS...................................................................................................2 O exemplo da noção de calor .......126 FIGURA 7 ..........2 DIDÁTICA DAS CIÊNCIAS E REFLEXÕES EPISTEMOLÓGICAS ........................ 65 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................. MATERIAL E MÉTODOS 2........ CONSIDERAÇÕS FINAIS 4..................................1 O exemplo da fecundação ....... REVISÃO DE LITERATURA 1.......................... 23 2..............MODELO DE SUMÁRIO REFERÊNCIAS 5...... ..........2.....................................2...................................................... 26 2............................... 31 3 METODOLOGIA UTILIZADA.............34 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO............................................................. 29 2........................1 2 REVISÃO DE LITERATURA....................................................

hipóteses e procedimentos adotados para o desenvolvimento do raciocínio no trabalho ou na pesquisa. além de corretamente delimitado. há mais chances de chegar á solução. Deve constar a delimitação do assunto tratado. Pode–se dizer que se forem respondidas as perguntas: qual é o problema.. Normalmente. O objetivo geral e o(s) objetivo(s) específico(s) tratam do ponto central do trabalho: o que fazer. De posse das respostas anteriores passa-se para a elaboração da(s) hipótese(s). que poderá ser testada no decorrer do trabalho. natureza do problema e hipótese (s). deve conter a delimitação espacial e temporal do problema.35 2.3 ELEMENTOS TEXTUAIS 2. Como acontece. por quê não foi resolvido e por quê a proposta pode resolver. proposta de solução prévia para o problema: resposta presumida. situação atual ou realidade a ser pesquisada em dados quantitativos. A relevância trata do por quê fazer o trabalho ou pesquisa. por quê é importante. É uma das fases mais difíceis do trabalho: para que se possa buscar solução para um problema se faz necessário que o mesmo seja claramente formulado ou proposto. os objetivos e justificativas da pesquisa e ou trabalho. Deve motivar o leitor a progredir na leitura do trabalho e deve ser dividida em relevância. Qual a utilidade do trabalho. A Introdução trata da localização do problema e da evidência da sua não solução ao longo do tempo. o texto do(s) objetivo(s) inicia-se por verbo que defina a ação que será realizada. A natureza do problema trata da definição do problema. complementando com outros elementos necessários para situar o tema do trabalho.. prática. A perspectiva do trabalho se refere ao para que ou para quem fazer o trabalho. social. .3. o período. razões de ordem teórica e prática para a realização da pesquisa. objetivo(s) e perspectiva(s) ou utilidade.1 Introdução É a parte inicial do texto em que o trabalho é apresentado como um todo.

. abrigando todos os aspectos ligados ao objeto da pesquisa. que contem a exposição ordenada e pormenorizada do assunto. Pela revisão de literatura o problema será identificado e delimitado.1 Revisão de literatura A revisão de literatura trata da sustentação teórica do tema ou assunto objeto do trabalho ou pesquisa. métodos.36 2. abrangência e profundidade adequadas para cada situação. a revisão de literatura faz referência aos trabalhos anteriormente publicados sobre o assunto. b) incluir informações sobre pureza e estrutura e procedência do material empregado. sem divagações. 2. últimos 10 anos). Assim.2 Desenvolvimento É a parte principal do texto. A abordagem deve ser. Nesta sessão será situado o atual estado de conhecimento em que o assunto se encontra. Atualização. por privilegiar publicações mais recentes (ex. onde e quando fazer.2 Material e Métodos Trata de como fazer. instrumentos e equipamentos utilizados na pesquisa.2. do geral para o particular e se ater somente aos objetivos do trabalho. até mesmo desenha-lo. profundidade. abrangência. com que fazer. pela credibilidade dos documentos pesquisados.3. nesta sessão deve-se dar todas as informações necessárias à compreensão e reprodução exata da pesquisa por outros pesquisadores. Os dados utilizados para análise estatística devem figurar no texto ou ser anexados. Por isso. Algumas informações podem ser muito úteis: a) descrever o equipamento a ser utilizado. como: 2.2.3. Divide-se em seções e subseções ou capítulos que variam em função da abordagem do tema e do método. sempre que possível. dando base para a discussão dos resultados encontrados pelo trabalho ou pesquisa. citando os nomes dos autores. Neste item são expostas as técnicas. a revisão deve ser baseada em atualização. mas não em termos de quantidade. Assim.3.

2. Pode conter . na qual se apresentam as conclusões correspondentes aos objetivos ou hipóteses propostos.3 Resultados e discussão Nesse item. os resultados obtidos serão analisados e discutidos à luz da literatura consultada e apresentada no item revisão de literatura. ressaltando o alcance e as conseqüências da suas contribuições.3. unidade experimental. principalmente. os resultados sejam apresentados e discutidos de maneira concisa e clara. dados a serem coletados. tabelas e quadros para facilitar este trabalho. h) descrever detalhadamente os procedimentos e tratamentos estatísticos usados: tratamento. Deve-se tomar o cuidado especial para que os resultados não sejam apresentados duplamente.37 c) incluir informações sobre o método de preparo – tanto mais detalhadas quanto mais desconhecido for o método. Este tópico pode. d) indicar a ordem correta das fases de qualquer técnica ou procedimento novo ou modificado.2. gráficos. Espera-se que qualquer que seja a forma de apresentação. f) precauções necessárias. Nesta sessão. Pode ser apresentado como tópico único ou subdividido em apresentação dos resultados e discussão dos mesmos. 2. quadros ou figuras. bem como seu possível mérito. realiza-se a interpretação e discussão teórica. g) controles. a semelhança dos anteriores. sendo usados meios como gráficos. ser divido em subitens. se isto foi usado na revisão de literatura.2. figuras. escalas. e) local e período de desenvolvimento. são apresentados os dados obtidos de forma precisa e clara. em tabelas e quadros ou gráficos.4 Considerações Finais É a parte final do texto. ou seja. Somente um meio deve ser usado para cada resultado. acompanhadas de tabelas. delineamento. testes e programa a ser usado. variáveis.3.

4. 2. Maiúsculas dobradas na identificação dos apêndices.4. questionários. inclusive ter sido mencionados no texto com a indicação pertinente: apêndice I.4.4 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS . 2. quando esgotadas as 23 letras do alfabeto. apêndice II.2 Glossário Elemento opcional. É a relação elaborada em ordem alfabética. iniciando pelo sobrenome do autor e outros dados conforme item 2.ASPECTOS GERAIS 2. ou anexo I. de palavras e expressões de uso restrito ou de sentido obscuro acompanhadas das respectivas definições. As referências constituem uma lista ordenada dos documentos citados pelo autor no texto.38 recomendações e indicação de problemas dignos de novos estudos. para esclarecer ao leitor o significado dos termos empregados no trabalho. separando uma referência da outra por um espaço. 2. formulários. Aparecem em folha própria em ordem alfabética ou alfa numérica. tabelas e outros congêneres utilizados para a realização do trabalho e que podem. deve ser identificado por letras maiúsculas.5 NORMAS PARA A NOTAÇÃO DE REFERÊNCIAS Para a apresentação das referências deve-se usar fonte Arial 12 (ou Times New Roman 13) e espaçamento entre linhas simples. 2. Geralmente são constituídos de leis. Deve ser breve e basear-se em dados comprovados.3 Apêndices e anexos Constituem material complementar ao texto e são incluídos para fundamentar a argumentação.5 deste manual. .1 Referências É o conjunto padronizado de elementos que permitem a identificação de um documento no todo ou em parte.

.) g) Entidade coletiva como autor (Associações.. seguido do(s) prenome(s) abreviados. por ordem alfabética de sobrenome do autor. Tristão de [Alceu Amoroso Lima].) d) Autor desconhecido A entrada é feita pelo título. BOSI. LAKATOS. deve pautar-se pelas normas da ABNT (NBR 6023. et al. E. a) Um autor SANTOS. M.. In: SILVA. M.) c) Mais de três autores Se há mais de três autores. 2. Empresas. E.) e) Pseudônimo Este deve ser considerado.... na ordem que aparecem na publicação. Debates pedagógicos (..)...5.. devese indicá-lo entre colchetes após o pseudônimo.. BRITO. editores. ATHAYDE.1 Autoria A lista de referências completas.) b) Dois ou três autores Os nomes devem ser separados por ponto e vírgula. MARCONI.) f) Organizadores. Responsabilidade intelectual atribuída a um desses: a entrada é feita pelo sobrenome.. PROCURA-SE um amigo. Alfredo (Org. compiladores. Quando o verdadeiro nome for conhecido. Lenilson Naveira e. 2002). Imposto de (. adaptadores etc. R. A. O conto brasileiro (. Instituições) . V...39 Na lista de referências deve-se usar os modelos descritos a seguir. seguida da abreviatura correspondente entre parênteses. Gerência da vida: (. Fundamentos (. seguido da abreviatura et al. menciona-se o primeiro. que quer dizer “e outros”. Os grandes (.

Acrescentam-se informações referentes a outros tipos de responsabilidade logo após o título. Classificação Nacional (.. Centros de Estudos em Enfermagem. Tipo de documento: tese. Avaliação e acompanhamento das crianças de 6 . dissertação. Título: subtítulo se houver.Setor de Ciências da Saúde. FERREIRA. Tradução de Vitor M. Ministério do trabalho.) INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL (Brasil). Informações.. Dicionários e Atlas AUTOR.no sistema local de saúde. Número de páginas. Universidade Federal do Paraná. Fazenda Rio Grande. Secretaria de formação e Desenvolvimento Profissional. BAIDEK. R. M. Ano de apresentação.2 Autoria por tipo de obra (alguns exemplos) a) Tese. SZPERKOWICZ. monografia e similares consideradas no todo AUTORIA. Sistema de Bibliotecas. ilustrador etc. prefaciador. Curitiba: Tetravento. Controle da qualidade em sistema de alimentação coletiva.. Educação profissional: um (. Jerzy.. b) Livros. Título. Wilma de Lara.59 meses que freqüentam o Programa de Incentivo ao Combate às Carências Nutricionais – ICCN . Varsóvia (. Nicolau Copérnico: 1473-1973.) i) Tradutor. Local. ano. Instituição. 168 p. Uma cidade bem amanhecida: vivência e trabalho das mulheres polonesas em Curitiba.. Normas para (. 2000... BUENO. Secretarias e outros entrar pelo nome geográfico BRASIL. Bibliografia do folclore (. Ano. 220 p. 2002..5.. Local: editora. dissertação. Número de folhas. 92 f..40 A entrada é pelo nome da entidade. Ferras Tascón.. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. monografia etc (Grau e Área) – Unidade de Ensino. 2000. revisor. de León Aragón. Monografia (Especialização em Gestão de Projetos em Alimentação e Nutrição) . .) h) Órgãos governamentais Ministérios. Maria Verônica. São Paulo: Livraria Varela.) ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM. 1999.) 2. pesquisas e (. S.. Local. Edição.) BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil). Carlos H.

ELBERT. O Globo. Nome do Periódico. ANUÁRIO INTERNACIONAL. 84-90. Suplemento. c) Fascículos com título próprio EXAME. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. São Paulo: AGEV. Rio de Janeiro. Melhores e maiores: as 500 maiores empresas do Brasil. et al (Ed. . p. 1986. KRUKONIS. número do volume. 1988. número do fascículo. Setor de Ciências Bioquímica: aulas práticas. CANÇADO. 388 p.). FREITAS. São Paulo: Confiança. Periodicidade.3 Publicações periódicas a) Coleções TÍTULO DO PERIÓDICO. 1990. Supercritical Fluid Extraction: principles and practice. 2003. n. pagina inicial-final. Título do livro. The evolution and genetics of maturation in Daphnia. paginação. Local: Editora. 1997.5. B. d) Artigo de revista/periódicos AUTOR. Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento. Local de publicação: Editora. jan. Paginação. J. In: STREIT... maio de 2004. S. Biológicas. Basel: Springer Verlag. Brasília. ano. mês e ano. ano. Milho: teor de umidade x atividade de água. p. Título da obra. R. In: AUTOR. 2. ano do primeiro e último volume. 1997. Local. Título do capítulo. V. M.41 McHUGH. 90 p. Curitiba: Scientia et Labor.. R. A. D. Evolutionary ecology of freshwater animals: concepts and case studies. 11. 290. 151-178. 1968-1978. Caderno 1. Título do capítulo. ou AUTOR. 6 set. ano VI. Anual. n. O Rio poderá ter epidemia de dengue hemorrágica. Boston: AWB. 29. Jul. Butterworths. e) Artigos de jornal Sem indicação de autoria O GLOBO. São Paulo: Abril. Editora. b) Fascículos CARTA CAPITAL. Título do artigo. p. c) Capítulos de livros AUTOR.

Disquete 3 ½. Disponível em: <endereço eletrônico completo>. Programa de Pós-Graduação em Tecnologia de Alimentos. J. In: AUTOR DO TODO. Bases de dados em Ciência e Tecnologia.cit. Brasília: IBICT. Disponível em: <http:www. O ESTADO DE SÃO PAULO. 1998. 1 arquivo (605 bytes). São Paulo. 2003. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. ECK. Caderno Cotidiano. 14 dez. L. 1. . Local: Editora. Disponível em: <http://engquim. Curitiba. Apostila. KRAEMER. Ligia Leindorf Bartz. Tipo de suporte. Acesso em: data. Acesso em: data. h) Bases de dados em CD-ROM: partes do documento AUTOR DA PARTE. 1.cornell. São Paulo. Título. Bases de dados em Ciência e Tecnologia. f) Arquivos em disquetes AUTOR do arquivo. n. In: IBICT. Manual de redação e estilo. Disponível em: <endereço>. C. Acesso em: 19 de mai. data. & GONZALEZ. et al.br/~posalim> Acesso em: 16 jan. Molecular Breeding. Título do artigo. Titulo do arquivo.estado. 1. Brasília: IBICT. 1996. 1995.SolGenes/Database> Acesso em: 08 mai. Título do todo. Local. CD-ROM. Folha de São Paulo. de 1998. tipo de suporte.42 Com autoria FRANCISCO. Local: Editora.0. Notas. Notas. The inheritance and chromosonal localization of AFLP markers in a non-inbred potato offspring.html>. Maria de Fátima Vieira. Word for Windows 6. data. PEIXOTO. j) Artigos de periódicos online AUTOR. ano. Função citação como fator de representação de uma rede de assunto. Nome do Periódico. data.br/redac/manual. data. Tipo de suporte. 13 de maio de 1995. i) Fontes/Monografias consideradas no todo (on-line) AUTOR. CD-ROM. Mortes em explosão na BA chegam a 34. H. 1997.ufpr. Notas. Extensão do arquivo. INSTITUTO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IBICT.edu:71/OR1069615-1070591-/. Disponível em: <gopher://nightshade. g) Bases de dados em CD-ROM: no todo AUTOR. Título. n. Admissão ao programa. Doc. p. Local: Editora. Características físicas. Título da parte. 1995.com. 1996.

Diário Oficial [do] Estado do Rio de Janeiro. Título do trabalho. Lei no 1848. Projeto de Controle de Doenças Endêmicas no Nordeste. V. v. Biscoito salgado enriquecido com ferro para crianças de creche. I. ESTADO OU MUNICÍPIO. e dá outras providências. etc. Dados da publicação que publicou a lei ou decreto. RIO DE JANEIRO. WILLE. p. Decreto no 1205. KONIECZNIAK.43 k) Anais de congressos AUTOR. v. Decretos. Curitiba: SBCTA/PPGTA-UFPR. de 23 de julho de 1991.6 ELEMENTOS DE APOIO AO TEXTO . F. 17. pt. p. J.1 Citações diretas curtas . In: NOME DO CONGRESSO. 1. de 1 de agosto de 1994. J. G. Aprova a estrutura regimental do Ministério do Meio Ambiente e da Amazônia Legal. Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício de 1992 e dá outras providências. BRASIL. Ministério da Saúde. P. 2001. instituição responsável pelo congresso. Recife: Diretoria Regional de Pernambuco. SOARES. edição do congresso. Brasília. 132.. Lei/Decreto nº. Ministério da Saúde. x-xv. Brasília.. 1. Ementa. 7. 2. 24 jul.. F. 2 ago. M.1 Citação É a transcrição literal da idéia do autor na íntegra. J. Anais.6. Constituição (1988). 2001.. Niterói. ano. p. Anais. DF. PENTEADO.. C.ASPECTOS GERAIS 2. 146. GIACOMINI JUNIOR...1. In: ENCONTRO REGIONAL SUL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS. PINTO. Seção 1. ano.T. Local. Programa Oficial.P.. C. 2. Local. respeitando-se inclusive a pontuação. Portarias. pt.? m) Projetos BRASIL. p. Curitiba.. no. BRASIL. l) Leis. NOME DO PAÍS.. 1. DF: Senado Federal. no. 140. Constituição [da] República Federativa do Brasil. Data (dia e ano). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 11509. apr-07..6.

6. o sentido original deverá permanecer. a transcrição é feita entre aspas. Ex: Afinal. inicial ou continuada.44 No caso das citações curtas (até três linhas). Assim.. “por em prática essa interrogação constitui o oxigênio de qualquer proposta de conhecimento" (MORIN. como afirma Tardif . é o rompimento com a tradição do professor como fonte inesgotável de conhecimentos prontos.1. 2. Deverá ser deixada uma linha em branco entre a citação e os parágrafos anterior e posterior. Nesse sentido. com entrelinha simples e fonte menor (Arial 10 ou Times New Roman 11). o estudo da construção do conhecimento é essencial porque sugere a incerteza do conhecimento. usando o mesmo tipo e tamanho de letra utilizados no texto em que está inserida. a inserção numa carreira e o seu desenrolar exigem que os professores assimilem saberes práticos específicos aos lugares de trabalho. regras. 2.. Desse modo. Outros trabalhos que igualmente buscam superar o modelo da racionalidade técnica relatam atividades de prática (. (2002. 2002).2 Citações diretas longas As citações longas (com mais de três linhas) deverão ser transcritas em parágrafo independente. Apesar de não haver transcrição. saber como viver numa escola é tão importante quanto saber ensinar na sala de aula. etc. nos programas de formação de professores... 70).6. com recuo de 4cm da margem esquerda.3 Citações indiretas ou livres São textos redigidos pelo autor do trabalho com base em idéias de outros autores. Exemplo: Um dos fatores que interfere no processo de formação e enriquece o profissional da educação. p. de . com suas rotinas. valores. do ponto de vista profissional e do ponto de vista da carreira.).1.

para Furió-Más (1994) transformar conteúdos em ensino. 1991). há uma distinção entre tabelas e quadros. a decepção com os referidos projetos para melhoria do ensino de Ciências não atingiu somente o Brasil. Muito mais do que isso.3 Tabelas. envolve a construção de muitos outros conceitos como. ---------------------------et al. [ s.2 Expressões latinas Na quadro 4 pode ser observado várias expressões que são muito utilizadas quando da confecção de trabalhos acadêmico-científicos. pois tais currículos não corresponderam às expectativas (SANTOS. em está contido e outros sem local 2. A citação indireta pode aparecer na forma de paráfrase ou condensada.cit Lc.laud. Quadros. Não se trata. Nestas normas.6. Ibid. por exemplo.cit Op. Após o entusiasmo dos anos 60 e 70. portanto.6. Exemplo: Citação indireta . Gráficos e Figuras A ABNT define normas para tabelas. quadros e figuras através das normas NBR 6029 e NBR 6822. o de que conhecer adequadamente a matéria a ensinar implica em conhecer e questionar o pensamento docente "espontâneo". o ensino de Ciências entra novamente em crise.Expressões latinas comumente utilizadas em trabalhos acadêmico-científicos EXPRESSÃO LATINA Idem Ibidem Opere citado Loco citado Opere laudato Apud Sic In Et alli Sine loco ABREVIATURA Id.Condensada Por isso. 2.] SIGNIFICADO do mesmo autor na mesma obra na obra citada no lugar citado na obra citada está contido Junto a.l. apenas de conhecer muito bem o conteúdo das Ciências. Exemplo: Citação indireta . Op.Paráfrase Entretanto. conhecer o conteúdo a ser ensinado.45 forma bastante clara. QUADRO 4 . . tratase de uma tarefa muito mais complexa para a qual as exigências têm sido cada vez maiores.

6. quadros. devem prescindir de consulta ao texto. gráficos e figuras devem ser inseridos o mais próximo possível do trecho do texto a que se referem. alinhada à sua esquerda. Usando-se numeração por seção. É disposta no rodapé da tabela. seguidos do número seqüencial arábico. 2. d) Nota: usa-se quando houver necessidade de elucidar algum conteúdo da tabela (colocar o mesmo símbolo ao lado direito e acima do valor em destaque na tabela e na nota ao pé da Tabela) e é apresentada em caracteres minúsculos. quando possível .que pode também ser utilizada para os quadros. . no entanto. ano de publicação e número da página. Se houver mais de uma nota.3. É obrigatória a indicação da fonte quando a tabela não for elaborada pelo autor. quando intercaladas no texto devem ser inseridas logo após sua primeira citação. c) Fonte: é a indicação do autor ou da entidade/organização responsável pelo fornecimento ou elaboração dos dados. sem que haja a necessidade de recorrer ao texto. As tabelas devem ter sempre que possível significação própria. o número desta antecede o número da seqüência e é separado deste por ponto. abaixo da Fonte. isto é. A composição de uma tabela . Tabelas. com indicação do autor. a primeira letra das próximas linhas deverá estar alinhada com a primeira letra da primeira linha. b) Título: O título precede a tabela: é a indicação de todas as informações necessárias para um entendimento sem a necessidade de recorrer ao texto.1 Tabelas As tabelas são representações que possuem em seu bojo séries estatísticas e devem ser confeccionadas de uma forma que permita o seu pleno entendimento.46 As tabelas apresentam informações tratadas estatisticamente e os quadros contêm informações textuais agrupadas em colunas. a sua localização (onde) e a data (mês e ano) em que foi realizado (quando) e digitado antes da tabela. em fonte menor do que a do texto. com a primeira inicial maiúscula e separado da numeração por hífen por hífen. Deve conter o que está sendo apresentado (o quê). Quando o título for maior que uma linha. .manifesta-se através de: a) Referência: é a indicação da palavra "TABELA" em caracteres maiúsculos.

repetindo-se o cabeçalho em todas as páginas. TABELA 6 — Efeito dos sistemas de alimentação de suínos no consumo e excreção de nitrogênio.5% PB e LYS: PB=0.86 1. 1.5% PB).60 -15% 2. com o título apresentado apenas na primeira página. 25 a 60 kg (17.43 0. A borda superior e a inferior podem conter um traço duplo ou destacado. Quanto as demais características como Título.27 3.31 Adaptado de Dourmad (1994). não será delimitada na parte inferior. separadas por ponto e vírgula. Notas.5% PB) 4. as notas deverão ser colocadas na última página.0% PB) 2. A referência e o título da tabela deverão ser centralizados sobre a tabela. A representação gráfica de uma tabela não é fechada lateralmente ( não devem ser delimitadas por traços verticais externos) e nem possui bordas das linhas horizontais separando os dados.5% PB) 3. seguem a . Mistura progressiva de duas dietas (17.95 Fase Múltipla4 5. 45 a 75 kg (16. kg N Excretado.5% PB) e 60 a 100 kg (15.15 2 Fases 2 5. 25 a 45 kg (17.0% PB) e 75 a 100 kg (14.36 0.88 4. kg REDUÇÃO N líquido.2 Quadros O quadro não tem séries estatísticas. contém dados textuais alinhados em colunas. Nas demais escreve-se “continua” e na última “conclusão”.41 -18% 2.01 -10% 2. citado por Henry (1996). 25 a 100 kg (17. Quanto a tabela precisa ser dividida em mais páginas.6. Parâmetros Consumo N. kg 1 Fase 1 5.47 3.98 2.04 3 Fases 3 5. Fontes. kg Amônia Ar.5% PB e 13.18 3.57 1.05) 2.47 estas serão ordenadas por ordem que aparecem na tabela. Ex. Quando uma tabela ocupar mais páginas. o cabeçalho deve ser repetido em todas as páginas.3.

1999 Bernardo Guimarães Toledo José Gustavo de Almeida Manuel da Silva Gomes 2.6. .3.Membros dos Conselhos Consultivos da ABPL em 1997 e 1998. do texto ou capítulo. Ex. como um texto explicativo. organogramas) com exceção de tabelas. A representação gráfica do quadro comporta o fechamento de suas laterais e divisões com linhas verticais. ordenada dos valores no sistema de 2.3 Gráficos São a representação gráfica de dados estatísticos. desenhos. devendo ser auto-explicativa. quadros e gráficos. b) A referência é feita com a palavra "FIGURA" em maiúscula. b) Escala: é a representação coordenadas cartesianas. seguida do número seqüencial. mapas. deve vir abaixo da figura.6. 1997 1998 Antônio Albuquerque Antônio Albuquerque Epitácio Portella José Gustavo de Almeida Zilda Lúcia Silva Lima Fonte: IBGE. d) A legenda. Quadro 3 . a) Os componentes como referência. evitando a consulta ao texto ou mesmo à tabela originária.3. título e fonte das tabelas também podem ser usados nos gráficos.48 mesma orientação da Tabela. normalmente constantes de uma tabela.4 Figuras a) Pode-se entender como figuras todas as ilustrações inseridas no trabalho (fotos. tabelas ou gráficos. d) Não repetir os dados já apresentados em quadros. em algarismos arábicos. c) Deve também conter a fonte original. c) Legenda: é a explicação/descrição do que foi convencionado para a elaboração do gráfico.

desde que sejam identificadas individualmente. legenda. Se forem em grande quantidade .. . como título. etc. usando-se um único título e legenda. obedecendo à formalização individual para cada ilustração. f) No caso de ilustrações seqüenciais.de caráter não explicativo e mais ilustrativo -. g) Dependendo do tamanho da ilustração.49 e) As figuras devem ser centradas na página e colocadas o mais próximo possível do texto que se refere a ela. pode-se colocar diversas em uma única página. pode-se anexá-las ao final do trabalho. correlacionadas. podem ser agrupadas como se fossem uma única figura.

referências. Times New Roman 13 ou Arial 12 são utilizadas no corpo do texto.1 ESPAÇAMENTO No corpo do trabalho utiliza-se 1. Inferior = 2cm.5cm. Direita = 2cm. embora a ABNT recomende duplo.50 3. resumos.3 MARGENS As margens do texto a serem observadas em folha/página digitada são as seguintes: Superior = 3cm. 3. legendas. 3. nas citações acima de três linhas. Esquerda = 3cm. NORMAS GERAIS DE EDITORAÇÃO 3.5 cm a partir da margem. ficha catalográfica. entre o texto e os títulos e subseções utiliza-se dois espaços. As fontes em tamanho menor.2 ALINHAMENTO O alinhamento é justificado. tabelas. 3. Times New Roman 11 ou Arial 10 . folha de rosto) o espaço utilizado será o simples. notas de rodapé.4 PARÁGRAFO Utiliza-se 1. 3.5 FONTE As fontes tamanho normal. natureza do trabalho (nota.

a partir da folha de rosto. com numeração visível somente a partir dos Elementos Textuais. A4 e com tinta preta (apenas de um lado da folha). do mesmo modo. 3. em algarismos arábicos. 3.8 DIGITAÇÃO DE TÍTULOS DE SEÇÕES DE TEXTO As seções devem ser assim expressas: 1 SEÇÃO PRIMÁRIA 1.7 IMPRESSÃO A impressão deverá ser em folha branca. folha de rosto). porém. legenda. 3. geralmente a Introdução.1.1 A pesquisa educacional modernista: do exaltado especialista ao praticante desqualificado .1. As folhas dos Elementos Pós-Textuais deverão ser numeradas na seqüência.1 OS INDÍCIOS DO FORTALECIMENTO DO PODER 1. a 2 cm da borda superior.1.1 Seção terciária 1. tabela. “abstract” e natureza do trabalho (nota. resumo.1 SEÇÃO SECUNDÁRIA 1. notas de rodapé.6 PAGINAÇÃO As folhas deverão ser contadas seqüencialmente.1.1. no canto superior direita da folha.1.1. ficando o último algarismo a 2 cm da borda direita da folha.51 são utilizadas nas citações acima de três linhas.1 seção quaternária 1.1 seção quinária ( última) Ex: 1 REVISÃO DE LITERATURA 1.

NBR 14724: trabalhos acadêmicos. A. 1996. 2003. Rio de Janeiro.52 REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). A. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). Délcio Vieira. NBR 6022: artigos em publicações periódicas científicas impressas. ed. M.a construção do conhecimento. Pr. Biblioteca Central. SALOMON. NBR 6024: numeração progressiva das seções de documentos escritos. A. 11° ed. A. E. 2002. SEVERINO. DIEZ. SEVERINO. pesquisa e trabalho científico – uma abordagem metodológica. G. LAKATOS.. São Paulo: Cortez. Diretrizes para a elaboração de uma monografia científica. 2. 2001. 1987. B. 1999. 2000. M. RONZELLI JR. São Paulo: Martins. L. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. 1992. Como fazer uma monografia. Metodologia científica . M. 2003.. 20. PEDRO. Ciência. 90p. Curitiba: Popular. CORDEIRO.. São Paulo: Atlas. J. ed. LAKATOS. In: Metodologia do trabalho científico. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos. Rio de Janeiro. MARCONI. R. dissertações e trabalhos acadêmicos. 5. NBR 6028: resumos. Rio de Janeiro: DP&A. 1999. ed. A. projeto e relatório. Rio de Janeiro. ed. Rio de Janeiro. C. São Paulo: Cortez e Morais. 2002. Rio de Janeiro. HORN. 1985. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). publicações e trabalhos científicos. D. F. Metodologia do trabalho científico. E. Curitiba: UFPR. Fundamentos de Metodologia Científica. A construção do texto acadêmico: manual para elaboração de projetos e monografias. Curitiba: UFPR. Biblioteca Central. 2004. Goiânia: Editora da Universidade Católica de Goiás. J. M. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. MARCONI. Normas para apresentação de documentos científicos. 1993. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). . pesquisa bibliográfica. Curitiba. SANTOS. São Paulo: Atlas. 2002. Normas para apresentação de trabalhos: teses. Projetos de pesquisa e dissertações e teses: um ensaio prático. 2003. NBR 6023: referências. 19.

53 HEEMANN. Ademar. PR:1998 . VIEIRA. Leociléa A . IBPEX. A roupagem do texto cientifico. Ed.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->