P. 1
Apostila Alinhamento de Eixo

Apostila Alinhamento de Eixo

|Views: 939|Likes:
Publicado porAntoninomec

More info:

Published by: Antoninomec on Feb 15, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/06/2013

pdf

text

original

DOCUMENTO Nº

:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

2
ÍNDICE

1. Introdução .................................................................................................................................................. 3

2. Tipos de acoplamentos e características ..................................................................................................... 4

2. 1. Acoplamentos rígidos ......................................................................................................................... 4

2. 2. Acoplamentos flexíveis ........................................................................................................................ 4

2. 3. Acoplamentos de compensação .......................................................................................................... 5

3. Ferramentas e acessórios ........................................................................................................................... 5

4. Variáveis de alinhamento ............................................................................................................................ 6

5. Alinhamento de montagem ......................................................................................................................... 6

5. 1. Introdução ........................................................................................................................................... 6

5. 2. Nivelamento de base de sustentação do motor .................................................................................... 6

5. 3. Jogo longitudinal do eixo do motor ....................................................................................................... 7

5. 4. Fatores radial e axial ............................................................................................................................ 7

5. 5. Ovalização e empenamento dos acoplamentos e eixos ....................................................................... 8

5. 6. Medição radial ...................................................................................................................................... 11


5. 6. 1. Centro do acoplamento A, abaixo do centro do acoplamento B ............................................................. 11


5. 6. 2. Centro do acoplamento A, acima do centro do acoplamento B .............................................................. 11


5. 6. 3. Acoplamento “A” desalinhado lateralmente em relação ao acoplamento “B” .......................................... 12


5. 6. 4. Caso prático medição radial .................................................................................................................. 12


5. 6. 5. Desalinhamento radial duplo................................................................................................................. 13

5. 7. Medição axial ....................................................................................................................................... 14


5. 7. 1. Desalinhamento axial vertical ................................................................................................................ 15


5. 7. 2. Desalinhamento axial horizontal ............................................................................................................ 17


5. 7. 3. Caso prático medição axial .................................................................................................................. 18

5. 8. Desalinhamento axial duplo e radial duplo ........................................................................................... 20

6. Método de Alinhamento Reverso ................................................................................................................. 23

7. Alinhamento de máquinas quentes .............................................................................................................. 26


DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

3
8. Método de Alinhamento a laser..................................................................................................................... 27

9. Torque de aperto em parafusos e chumbadores.......................................................................................... 29

10. Tabela de torque em parafusos para alguns materiais................................................................................ 30

11. Procedimento do Alinhamento .................................................................................................................... 31
















































1. INTRODUÇÃO

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

4

O alinhamento entre eixos acoplados é uma necessidade indiscutível. No entanto, quando se fala da qualidade do
alinhamento, observamos pontos de vista divergentes, quanto ao grau de precisão necessário.
O controle preditivo de equipamentos por análise de vibrações, tem proporcionado valiosa ajuda neste sentido,
quantificando os efeitos que desalinhamentos provocam em equipamentos.
Um bom alinhamento de acoplamentos girantes, evita:
• vibração,
• desgaste prematura,
• aquecimento,
• perda de potência.
Mesmo os acoplamentos que permitem desalinhamentos devem ser bem alinhados, para garantir bom
desempenho, com maior duração da vida útil da transmissão.

DESALINHAMENTO: ESSE DESVIO SAI CARO

Apesar do desbalanceamento ser considerado por muitos como a principal causa de vibração, na verdade 70 a
75% dos problemas de vibração são causados por desalinhamento.

O processo de deterioração da máquina se dá na seguinte seqüência:

1. Todo elemento rotativo possui um desbalanceamento residual (eliminá-lo requer um procedimento de alto custo
só justificável para equipamentos críticos, tais como equipamentos nucleares).
2. Este pequeno desbalanceamento é amortecido (absorvido) pelos elementos dos rolamentos, que possuem
folgas da ordem de 1,3 µm, o que significa em termos práticos, nenhuma folga.
3. Quando um equipamento é operado com desalinhamento, os esforços cíclicos causam desgaste excessivo nos
mancais. Logo o desgaste transforma-se em folga excessiva entre os elementos dos rolamentos que dessa
forma não fornecem mais o amortecimento necessário para restringir dos elementos rotativos.
4. O passo final ocorre quando alguém bem intencionado detecta a vibração e solicita o balanceamento ou a
substituição da unidade defeituosa. Assim, sem um diagnóstico correto, trabalho extra desnecessário é
realizado. A estatística mostra que a percentagem de retrabalho é de 12%, o que gera um aumento exponencial
dos custos.

O desalinhamento além de destrutivo para o equipamento, também é dispendioso em termos do consumo de
energia elétrica.
Não é incomum encontrar uma diferença de 3 a 4 ampéres entre a potência despendida para acionar um
equipamento corretamente alinhado e um desalinhado.

Um exemplo de cálculo apresentado abaixo mostra que um motor de 100 Hp com um consumo extra de 2
ampéres consome em um ano R$ 690,00 (seiscentos e noventa reais) a mais de energia elétrica.

Em uma indústria de porte médio com algumas dezenas de motores, o consumo anual extra desnecessário já
representa alguns milhares de reais. Imaginemos o que isso representa em uma grande indústria.

A economia advinda do bom alinhamento pode ser calculada da seguinte forma:

KW (trifásico) = (volts) (ampéres) (F.P.) . (1,732)
1000

F.P.= Fator de Potência

Economia anual será igual:
diferença (em KW) (custo/KW) (7200 horas/ano)

7200 horas/ano - 6 dias por semana, 50 semanas por ano.

Exemplo: Amperagem desalinhado = 27 A após alinhamento = 25 A

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

5

KW - inicial = 575 . 27 . 0,8 . 1,732 = 21,5 KW
1000

KW - após alinhamento = 575 . 25 . 0,8 1,732 = 19,9 KW
1000

Diferença em KW = 21,5 - 19,9 = 1,6 KW

Economia = 1.6 . 0,06 . 7200 = R$ 691,20 / ano

Custo médio do KW = R$ 0,06

Uma observação final:

Muitos fabricantes de acoplamentos alegam que seus acoplamentos podem absorver os esforços causados pelo
desalinhamento. Isto pode ser verdade, mas os mancais não conseguem absorver esses esforços. A energia
gerada pelo desalinhamento eventualmente destruirá os mancais independente do acoplamento que seja utilizado.


2. TIPOS DE ACOPLAMENTOS E
CARACTERÍSTICAS

Os acoplamentos se classificam em três grupos:
• acoplamentos rígidos,
• acoplamentos flexíveis,
• acoplamentos de compensação.

2. 1. Acoplamentos rígldos

• Flanges: são uniões entre eixos de transmissão, eixos de sincronismo, etc. Garantem maior rigidez,
transmitem alto torque, exigem alinhamentos precisos e baixa rotação.

• Luvas de união bipartidas: usadas em uniões entre eixos, geralmente longos. Apresentam boa rigidez, fácil
remoção para manutenção, necessitam de precisão no alinhamento, baixa rotação.

2. 2. Acoplamentos flexívels

• Elastômeros: para aplicações triviais em uniões de eixos, acoplamentos de bombas, etc. Características de
transmissões de baixo e médio torque, de fácil instalação e remoção, permitem desalinhamentos e oscilações
dos eixos. Apresentam inconvenientes de utilização em ambientes com presença de agentes químicos.

• Grade (aranha): usados em acoplamentos de motores elétricos, motores de combustão interna, bombas, etc.
Características de transmissões de baixo e médio torque, absorvem sobrecargas e amortecem vibrações.

2. 3. Acoplamentos de compensação

• Engrenagens: aplicação em motores elétricos, redutores de baixo, médio e alto torque, caixas de sincronismo,
etc. Acoplamento de bom acabamento e precisão, permite flutuações dos eixos. Isola vibrações principalmente
axiais.

• Correntes: aplicação em motores elétricos, bombas, redutores de transportadores, máquinas em locais de
difícil acesso. Atendem larga faixa de torque. Baixo custo.

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

6

• Hidráulicos: usados em transportadores de correia, carregadores, máquinas sujeitas a sobrecargas e paradas
bruscas. Com características semelhantes ao de engrenagem, acrescida a capacidade de limitação da
transmissão da sobrecarga (por escorregamento).

• Fricção: aplicados em máquinas com necessidade de proteção à sobrecarga, por escorregamento.

Existem ainda uma enorme gama de uniões de transmissões, que são usadas onde os acoplamentos
convencionais não poderiam atender as necessidades.
Citamos alguns: cruzetas, cardãs, juntas homocinéticas (acoplamentos articulados de velocidade angular
constante), catracas, acoplamentos uni-direcionais, embreagens eletromecânicas, hidráulicas, pneumáticas, etc.


3. FERRAMENTAS E ACESSÓRIOS

Dispositivos:
• Suporte para colocação de relógios (braçadeiras). Dispositivo construído de acordo com as formas, tamanho e
local a ser instalado. Deve ser o mais rígido possível.
• Suporte universal com base magnética. Dispositivo padronizado de fácil instalação, boa rigidez e versatilidade.
• Suporte universal flexível com base magnética. Dispositivo padronizado de fácil instalação, permite mudança
rápida de posição, porém, deve-se atentar muito para as condições das articulações.

Relógios comparadores:
• Dos vários tipos existentes, são mais usados os de cursor e os de apalpador. A precisão varia entre 0,01 e
0,001 mm, sendo normalmente usado o de 0,01 mm.
• O relógio tipo cursor é usado tanto na radial como na axial, com curso normalmente de 10 mm.
• O tipo apalpador tem curso normalmente de 1mm, o que limita sua aplicação. Tem a vantagem de facilitar o
posicionamento, para as leituras axiais.

Ferramentas:
• bloco padrão,
• apalpador de folga,
• micrômetro,
• paquímetro,
• nível de precisão,
• alavanca para giro dos eixos (de corrente ou lona),
• lanterna,
• espelho,
• chaves de aperto,
• torquímetro.

4. VARIÁVEIS DE ALINHAMENTO

Como auxílio didático, trataremos do alinhamento como sendo executado entre motores e redutores.
Alguns itens devem ser observados no alinhamento, para garantir a qualidade do mesmo. Antes de iniciarmos a
leitura, verificamos:
• nivelamento e alinhamento da base do motor e redutor,
• ovalização dos acoplamentos,
• empenamento dos eixos,
• folga axial do eixo do motor e do redutor,
• rigidez dos dispositivos de deslocação (macaquinhos),
• rigidez do suporte dos relógios,
• condição dos relógios comparadores (movimento livre do cursor e deslocamento contínuo do ponteiro),

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

7
• paralelismo dos calços finos na espessura,
• cotas dimensionais dos círculos descritos pelas pontas dos cursores e distâncias entre os furos da base do
motor e centro vertical da face do acoplamento,
• torque correto dos parafusos de fixação do motor e do redutor.

5. ALINHAMENTO DE MONTAGENS

6. 1. lntrodução 6. 1. lntrodução 6. 1. lntrodução 6. 1. lntrodução

Alinhamos uma máquina à outra, considerando uma delas como referência, ou seja, que já esteja na posição de
trabalho conforme projeto. Instalamos dispositivos simples e provisórios para deslocar o motor na lateral, vertical e
axial, de acordo com a correção exigida.
O fator principal para quem executa o alinhamento, é a calma e o raciocínio espacial, mesmo em trabalho de
emergência. Estes fatores observados darão melhores resultados que a correria por tentativa.






Consideramos um bom alinhamento, quando se consegue precisão entre 0,03 e 0,05 mm. O método de
alinhamento aqui descrito refere-se à máquinas frias, isto é, em que a temperatura de trabalho não exceda em
10ºC a temperatura na qual o acoplamento foi alinhado.
Em máquinas quentes, deve-se fazer uma verificação após atingir a temperatura de trabalho, para observar o
comportamento da máquina, e se necessário fazer-se a correção pelo mesmo método. Nestes casos, os
fabricantes podem fornecer instruções específicas para a máquina, por conhecerem o seu comportamento através
de experiência, ensaio e cálculo.
Muitas vezes, as temperaturas consideradas no projeto, são diferentes das temperaturas realmente observadas
nas condições de operação das máquinas, necessitando recalcular as dilatações, mudando o padrão de
alinhamento a frio.

6. 2. Nlvelamento da base de sustentação do motor


A base de sustentação do motor pode ser pré-alinhada e pré-nivelada com topografia, ficando apoiada em
conjuntos de calços tipo cunha, que permitem levantar a base em até 1 mm.

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

8
É feita aconcretagem dos chumbadores, e após cura, faz-se o nivelamento e alinhamento final da base. Para o
nivelamento, usa-se nível de precisão de 0,02 mm/m, apoiado em bloco padrão, nas direções longitudinal e
transversal da base. A direção longitudinal (paralela ao eixo do motor) tem grande influência no alinhamento dos
acoplamentos, pois um desnivelamento da base nesta direção, dificultará o assentamento dos calços finos, por
formação de ângulo obtuso entre a base do motor e a base de sustentação. O aperto nos parafusos chumbadores
não deve ser usado como recurso de nivelamento, com riscos de concentrar tensões elevadas nos mesmos,
por excesso de solicitação. O nivelamento deve ser checado, após aperto correto dos chumbadores.

5. 3. Jogo longitudinal do eixo do motor

Jogo longitudinal no eixo do motor


A distância f entre a ponta do eixo do motor e a ponta do eixo do redutor, é determinada pelo projetista, porém,
havendo jogo longitudinal do eixo do motor (para que o rotor se assente no seu centro magnético naturalmente),
este deve ser considerado, dividindo-se o jogo, como mostra a figura acima.
Este jogo pode atrapalhar na hora do alinhamento, portanto, colocar a distância em “f + J/2” ou “f - J/2”, para fazer
o alinhamento e conferir esta medida, a cada leitura do relógio, para evitar que a trajetória do ponteiro do relógio
seja em espiral. Este é o primeiro procedimento para o alinhamento propriamente dito.
6. 4. Fatores radlal e axlal

Usamos dois relógios comparadores para medir o alinhamento, sendo um instalado radialmente em relação ao
eixo de alinhamento (LC - Linha de Centro), e outro axialmente ao mesmo eixo. Se a ponta do cursor do relógio
está posicionada num raio Rc, maior que Ra, então, com a rotação do acoplamento A, a ponta do cursor
descreverá o círculo C. Se posicionada num raio Rd, menor que Ra, descreverá o círculo D. Repare que C e D são
concêntricos, na mesma linha de centro axial de A. Da mesma maneira acontece para o relógio na posição axial.



DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

9



6. 6. 0vallzação e empenamento dos acoplamentos e elxos

Nem sempre está garantido que não haja ovalização e/ou empeno dos acoplamentos e eixos a serem alinhados,
portanto, essas variáveis devem ser medidas antes de se iniciar o alinhamento. Se a superfície que está sendo
tomada como referência para o alinhamento estiver ovalizada, estaremos incrementando um erro na indicação do
relógio comparador. Se tivermos os eixos dos acoplamentos perfeitamente centrados, e o acoplamento B estiver
ovalizado em 0,2 mm, e fizermos a zeragem do relógio neste ponto, ao girarmos em 180° o acoplamento A,
fixando o acoplamento B, teremos uma leitura de 0,2 mm no relógio, e se colocarmos calço de 0,1 mm na base do
motor para fazermos a “correção”, estaremos desalinhando os eixos que se encontravam centrados.



DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

10




Para eliminar a influência da ovalização na leitura do relógio, podemos girar os dois eixos juntos, de modo que se
zerarmos o relógio num ponto ovalizado, esse ponto descreverá um circulo concêntrico ao do eixo, e então o
relógio permanecerá zerado, se os eixos estiverem perfeitamente centrados.

Nem sempre é possível girar os eixos juntos, principalmente quando estamos acoplando motores e redutores de
alta relação de transmissão. Neste caso, deve-se medir a ovalização e descontá-la da leitura do relógio. Em

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

11
contra-partida, a rotação dos eixos juntos, não permite perceber se há empenamento do eixo e/ou do
acoplamento. Não haverá registro no relógio desta falha, ficando zerado se os eixos estiverem centralizados. Por
isso, torna-se muito importante checar o empenamento e ovalização antes do início do alinhamento.








Eixo empenado, porém centralizado





Portanto, a melhor solução é checar o empenamento e ovalização, e fazer a medição de alinhamento com rotação
dos eixos juntos.

Acoplamento empenado, com eixos centralizados

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

12


Posições para verificação do empenamento e ovalização

6. 6. Medlção radlal

5. 6. 1. Centro do acoplamento A, abaixo do centro do acoplamento B


O circulo C representa a trajetória imaginária da ponta do cursor do relógio. O contorno do acoplamento B,
representa a trajetória real da ponta do cursor. As trajetórias não coincidem devido à excentricidade e. A cota I é a
indicação no relógio de quanto o cursor se deslocou naquele ponto, em relação ao ponto onde foi zerado.
e = Rc - Rb
I = Rc - (Rb - e) I = Rc - Rb + e
como Rc - Rb = e, então: I = e + e,

Portanto, a indicação no relógio é duas vezes a excentricidade.

5. 6. 2. Centro do acoplamento A, acima do centro do acoplamento B


DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

13

O círculo D é a trajetória imaginária. O contorno do acoplamento B é a trajetória real. A cota I é indicada no relógio,
mostrando o deslocamento do cursor, que é em sentido contrário ao exemplo anterior.
e = Rb - Rd
I = Rb - (Rd - e) I = Rb - Rd + e
como Rb - Rd = e, então: I = e + e




5. 6. 3. Acoplamento A desalinhado lateralmente em relação ao acoplamento B

e = Rc - Rb
I = Rc + e - Rb I = Rc - Rb + e
como Rc - Rb = e, então: I = e + e

5. 6. 4. Exemplo Prático

MEDIÇÃO E CORREÇÃO DO DESALINHAMENTO RADIAL OU PARALELO

• Correção do desalinhamento radial no plano vertical

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

14
Como a medida no plano vertical inferior foi de +0,6 mm isto implica que o ponteiro do relógio entrou nesta
posição, ou seja, que o eixo da máquina (2) está 0,3 mm mais baixo que o da máquina (1). A correção neste caso
seria retirar 0,3 mm de calços dos apoios A e B ou colocar 0,3 mm de calços nos apoios C e D, conforme
conveniência.
Vista Lateral



Figura 1

• Correção do desalinhamento radial no plano horizontal
Como as medidas são relativas, sempre podemos somar algebricamente quantidades arbitradas aos valores
medidos. Então, somando +0,2 mm, os novos valores serão:

- 0,2 + 0,2 = 0 para a leitura da horizontal direita
+ 0,8 + 0,2 = + 1,0 mm para a leitura da horizontal esquerda

Como o ponteiro do relógio entrou + 1,0 mm na esquerda, isto significa que a máquina (2) está deslocada 0,5 mm
para a esquerda em relação à máquina (1). A correção, neste caso, será deslocar a máquina (1) de 0,5 mm para a
esquerda ou deslocar a máquina (2) de 0,5 mm para a direita,
conforme conveniência.



Planta



Figura 2


DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

15
5. 6. 5. Desalinhamento radial duplo


Neste caso, o centro do acoplamento A está duplamente desalinhado em relação ao acoplamento B, com uma
excentricidade horizontal e outra vertical. As letras a, b, c e d, indicam as leituras do relógio, a cada 90°, a partir de
a, onde foi zerado.
A correção radial na horizontal deve ser:

Como a = 0, c na verdade é a indicação no relógio, que vimos que é igual a duas vezes a excentricidade, por isso
dividimos por dois, para achar o valor da correção.
A correção radial vertical deve ser:

Como as leituras b e d são em relação à leitura a, torna-se necessário fazer b - d, para saber a indicação real entre
b e d, isto é, obter a mesma indicação como se o relógio fosse zerado em b, então divide-se por dois, pois a
excentricidade é a metade da indicação.
Se o sinal da correção Rh for positivo, deve-se deslocar o acoplamento A para a direita, e se negativo, para a
esquerda. Se o sinal da correção Rv for positivo, deve-se deslocar o acoplamento A para cima, e se negativo, para
baixo. Isto é válido para a convenção aqui adotada, suporte do relógio no lado A, ponta do relógio no lado B,
relógio zerado em a.



6. 7. Medlção axlal

Como na medição radial, a correção axial horizontal deve ser:





E a correção axial vertical fica:


Kh
a c
=

2


DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

16


Se o sinal da correção Kh for positivo, deve-se deslocar a traseira do motor para a direita, e se negativo, para a
esquerda. Se o sinal da correção Kv for positivo, deve-se deslocar a traseira do motor para cima, e se negativo,
para baixo.
Kh e Kv, representam os valores das correções que devem ser feitas no relógio, e não na base do motor, isto é,
são indicações de quanto deve-se movimentar o acoplamento, naquele ponto, porém, o movimento da base do
motor e diferente.
Obs: Convenção válida para montagem do relógio comparador conforme figura acima

5. 7. 1. Desalinhamento axial vertical







Avx = correção axial vertical em x,
Avy = correção axial vertical em y,
∆t = cota que somada a Av completa os catetos opostos a α

Kv
b d
=

2


DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

17
d = diâmetro do circulo onde está ajustada a ponta do relógio,
t = distância entre o centro do alinhamento e a base do motor,
m = distância entre a fixação dianteira da base e a linha vertical de centro do acoplamento,
n = distância entre a fixação traseira e dianteira da base do motor,
α = desalinhamento angular vertical do acoplamento.

Os triângulos 012, 345 e 367 são triângulos retângulos, e têm o mesmo ângulo agudo α, logo, vale a
proporcionalidade dos lados, pois os triângulos são semelhantes, portanto:

( )
Kv
d
Avy t
m n
Avx t
m / 2
=
+
+
=
+ ∆ ∆



∆t t t = − .cosα ∆t t = − . ( cos ) 1 α


tg
Kv
d
Kv
d
α = =
/
.
2
2
∴ ∴∴ ∴
α = arctg
Kv
d
2.



( )
2. Kv
d
Avy t
m n
=
+
+




A fórmula II é completa, porém, podemos fazer uma simplificação da fórmula I, pois cos α é muito próximo de 1,
tornando ∆t muito pequeno:

Avy
Kv
d
m n t = + − −
2
1 0 999
.
.( ) .( , )








• Comparação de erro num exemplo prático
d = 300 mm
α = arctg
Kv
d
2.

Kv = + 0,10 mm
m = 400 mm
α = arctg
2 0 10
300
. ,

n = 1000 mm
t = 700 mm α = ° 0 03819 ,



Pela fórmula completa II:
Avy = + − − °
2 0 10
300
400 1000 700 1 0 03819
. ,
.( ) .( cos , )
Avy
Kv m n
d
=
+ 2. .( )


DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

18





Pela fórmula simplificada III:

Avy =
+ 2 0 10 400 1000
300
. , .( )






Portanto, uma diferença de 0,0001 mm, que é desprezível em se tratando de espessura de calços.

Da mesma maneira é feito para o ponto x:

2. Kv
d
Avx t
m
=
+ ∆

2.
.
Kv
d
m t Avx − = ∆



Avx
Kv m
d
t = − −
2
1
. .
.( cos ) α


Simplificando:
Avx
Kv m
d
=
2. .



5. 7. 2. Desalinhamento axial horizontal

Avy mm = +0 9332 ,
Avy mm = +0 9333 ,

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

19



De maneira análoga à correção axial vertical, teremos:

Ahy
Kh
d
m n = + − −
2 1
2
1
.
.( ) .( cos ) α




Simplificando fica:








Ainda:

Ahx
Kh m
d
L
= − −
2
2
1
. .
.( cos ) α


Simplificando fica:






5. 7. 3. Caso prático medição axial

MEDIÇÃO E CORREÇÃO DE DESALINHAMENTO AXIAL OU ANGULAR
Ahy
Kh m n
d
=
+ 2. .( )

Ahx
Kh m
d
=
2. .


DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

20

Para exemplificar este método, suponhamos que das leituras efetuadas no conjunto tenham resultado os valores
mostrados na figura a seguir, onde pretendemos alinhar deslocando a máquina (1).


Figura 1

• Correção do desalinhamento angular no plano vertical
Como a medida no plano vertical inferior foi de +0,4 mm, o ponteiro do relógio está entrando nesta posição, o que
implica que a face vertical inferior do cubo da máquina (2) está 0,4 mm mais próxima da face do cubo da máquina
(1). Como estas medidas são relativas e pretendemos alinhar deslocando a máquina (1), este desalinhamento
pode ser ilustrado conforme mostra a figura a seguir e corrigido de acordo com os valores a seguir calculados.


Figura 2

Então:

Kv = b - d Kv = 0 - (+0,4) = ∴ Kv= - 0,2
2 2

Avx = 2 Kv. m
=
2 . - 0,2 . 200 Avx = - 0,4 mm
d 200

Avy = 2 . Kv . (M + n)
=
2 . - 0,2 . 800 Avy = - 1,6 mm
d 200


- 0,6 mm
a
b
c
d

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

21

Obs.: Para a montagem do relógio conforme Figura 01 deveremos calçar a máquina 1 nas medidas acima.

• Correção do desalinhamento angular no plano horizontal
Somando algebricamente (-0,2 mm) aos valores mostrados na Fig. 1, temos:

+ 0,2 - 0,2 = 0 (para a horizontal - direita)

- 0,6 - 0,2 = - 0,8 mm (para a horizontal - esquerda)

Então, como o ponteiro do relógio saiu 0,8 mm na face horizontal esquerda do cubo da máquina (2), isto indica que
no plano horizontal esta face está afastada 0,8 mm da face correspondente do cubo da máquina (1). Entrentanto,
como as medidas são relativas e pretendemos alinhar deslocando a máquina (1), este desalinhamento pode ser
ilustrado conforme mostra a figura 3 e corrigido de acordo com os valores a seguir calculados.
Planta


Figura 3

Então:

Kh = a - c = + 0,2 - (- 0,6) ∴Kh = - 0,4
2 2

Ahx = 2 . Kh. m = 2. 0,4 . 200 Ahx = 0,8 mm
d 200

Ahy = 2 . Kh . (m + n) = 2 . 0,4 . 800 Ahy = 3,2 mm
d 200

Obs.: De acordo com a montagem da figura 1 devemos deslocar para a esquerda.

6. 8. 0esallnhamento axlal duplo e radlal duplo, executado
pelo método dlâmetro-face

É o que normalmente encontramos na prática. Uma vez feita a leitura radial e axial, podemos fazer a correção de
uma só vez, isto é, deslocar a base do motor na horizontal e/ou na vertical, de modo que corrija simultaneamente
os desalinhamentos radial e axial, denominado método diâmetro-face.
As vantagens deste método de medição são:
• apenas um eixo pode ser movido durante o alinhamento,




DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

22
• é muito utilizado em casos de acoplamentos de grande diâmetro, nos quais os eixos são muito próximos,
• neste método as variações dos eixos são de fácil visualização,
• o operador tem o controle dos valores axiais e radiais.
As desvantagens são relacionadas com a medição na posição axial no eixo, que podem sofrer influências relativas
ao estado mecânico da máquina como por exemplo folgas de rolamentos, acoplamentos e defeitos de acabamento
superficial na face do acoplamento.



MÉTODO DIÂMETRO FACE

Correção total horizontal:
Chy = Ahy + Rh
Chx = Ahx + Rh

Correção total vertical:
Cvy = Avy + Rv
Cvx = Avx + Rv


A correção simultânea é utilizada após ter-se adquirido boa experiência. Antes disso, sugerimos o método de
alinhamento primeiro na radial e depois na axial, aplicando as fórmulas separadamente.
Exemplo 1: d = 220 mm, m = 600 mm, n = 1200 mm






Rh
a c
=

2

Rv
b d
=

2

b
c
d
a
b
a
d
c

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

23

Rh =
− − 0 0 4
2
( , )

Rv =
− − − 0 2 0 6
2
, ( , )






Kh
a c
=

=
− −
2
0 0 6
2
( , )
∴ = + Kh 0 30 ,


Kv
b d
=

=
− −
2
0 8 0 9
2
, ( , )
∴ = + Kv 0 85 ,


Ahy
Kh m n
d
=
+
=
+ 2 2 0 30 600 1200
220
. . ( ) . , .( )




Ahx
Kh m
d
= =
2 2 0 30 600
220
. . . , .




Avy
Kv m n
d
=
+
=
+ 2 2 0 85 600 1200
220
. .( ) . , . ( )




Avx
Kv m
d
= =
2 2 0 85600
220
. . . , .











hy = Ahy + Rh = 4,91 + 0,20 Chy = + 5,11 mm

Chx = Ahx + Rh = 1,63 + 0,20 Chx = + 1,83 mm

Cvy = Avy + Rv = 13,91 + 0,20 Cvy = + 14,11 mm

Cvx = Avx + Rv = 4,63 + 0,20 Cvx = + 4,83 mm


Rh = + 0,20

Rv = + 0,20
Ahy = + 4,91
Ahx = + 1,63
Avy = + 13,91
Avx = + 4,63

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

24
Todas as correções são positivas, o que mostra que o motor deve se deslocar para a direita e para cima, nas
quantidades calculadas. Após a correção, aperta-se os parafusos de fixação do motor e executa-se nova
verificação.
Para que não haja influência do aperto dos parafusos no alinhamento, deve-se fazer a primeira leitura com o motor
já apertado, de modo que a correção calculada seja a real.

Exemplo 2: d = 400 mm, m = 500 mm, n = 1500 mm



Rh
a c
=

=
− +
2
0 0 10
2
( , )
∴ Rh = - 0,05

Rv
b d
=

=
− −
2
0 7 0 30
2
, ( , )
∴ Rv = + 0,50

Kh
a c
=

=
− +
2
0 0 70
2
( , )
∴ Kh = - 0,35

Kv = b - d = 0,4 - (+ 1,0) ∴ Kv = - 0,30
2 2

Ahy
Kh m n
d
=
+
=
− + 2 2 0 35 500 1500
400
. . ( ) . ( , ). ( )
∴ Ahy = - 3,5 mm

Ahx
Kh m
d
= =
− 2 2 0 35 500
400
. . . ( , ).
∴ Ahx = - 0,88 mm

Avy = 2 . Kv (m + n ) = 2 . -0,30 . (500 + 1500) ∴ Avy = - 3,00 mm
d 400

Avx = 2 . Kv. m = 2 . - 0,30 . 500 ∴ Avx = - 0,75 mm
d 400

Chy Ahy Rh = + = − + − 3 50 0 05 , ( , ) ∴ Chy = - 3,55 mm

Chx Ahx Rh = + = − + − 0 88 0 05 , ( , ) ∴ Chx = - 0,93 mm

Cvy = Avy + Rv = - 3,0 + ( + 0,5) ∴ Cvy = - 2,50 mm

Cvx = Avx + Rv = - 0,75 + (+0,5) ∴ Cvx = - 0,25 mm

Neste caso, teremos deslocamento horizontal para a esquerda em x e y, e deslocamento vertical para baixo
em x e y.
b
a
d
c
a
b
c
d


DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

25






6. MÉTODO DE ALINHAMENTO
REVERSO

Atualmente é o método mais eficaz de alinhamento, com relógios comparadores posicionados simultaneamente na
posição radial, diferenciando-se desta maneira do método diâmetro face, com a vantagem de não ser influenciado
por variações axiais dos eixos da parte fixa ou móvel da máquina.
Neste método são os dois eixos são movidos simultaneamente para a leitura dos valores nos relógios
comparadores, que encontram-se dispostos nos eixos em 180º um com o outro.


Na prática ele é particularmente recomendado se:
L > D/2
onde,
L = distância entre as duas faces dos cubos dos acoplamentos,
D = diâmetro do acoplamento
Para exemplificar o método, consideremos o conjunto acionador (máquina A) e bomba (máquina B) mostrados na
Fig. 1 e as respectivas medidas obtidas pelo método reverso.

Máq. (A) Máq. (B)

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

26

Figura 1
• Alinhamento no plano vertical
A leitura A mostra que a reta da linha de centro da máquina A na posição medida está doze centésimos de mm
abaixo da reta da máquina B, enquanto que a leitura B mostra que a máquina B na posição medida está dezesseis
centésimos de mm acima da máquina A. Combinando estas duas informações podemos traçar a Fig. 2 que
permite calcular as devidas correções no plano vertical, considerando-se que pretendemos alinhar movendo a
máquina B.

Vista Lateral


Figura 2

a = c
b d

( 0,16 - 0,12) = (x
1
- 0,12) x
1
= 0,27 mm
300 (800 + 300)
Máq. (A) Máq. (B)

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

27

(0,16 - 0,12) = (y
1
- 0,12)__ y
1
= 0,44 mm
300 (300 + 800 + 1300)

Logo, x
1
= 0,27 mm e y
1
= 0,44 mm de calços devem ser retirados da máquina B nos respectivos pontos de apoio.

• Alinhamento no plano horizontal
As leituras A e B mostram que, neste caso particular, a máquina A está 0,08 mm à esquerda da máquina B e esta,
por sua vez, 0,08 mm à direita da máquina A (Fig. 3). Então, neste caso, bastará deslocar a máquina B 0,08 mm
para esquerda paralelamente ao eixo.
Planta

Figura 3


7. ALINHAMENTO DE MÁQUINAS QUENTES

Equipamentos que operam em temperaturas significativamente superiores, em relação às condições de partida,
provocam alterações de posição dos acoplamentos de transmissão. Nestes casos, é preciso conhecer tais
deslocamentos, de modo a compensá-los durante o alinhamento a frio, para que os eixos fiquem corretamente
alinhados à quente.
Equipamentos que operam com temperaturas superiores a 10°C das condições nas quais os eixos foram
alinhados, necessitam de correção de posição para alinhamento a frio, compensando as dilatações verticais e
horizontais.
O cálculo de deslocamento é simples: ∆ ∆ 1 1 = o. . α θ , onde

∆1 = deslocamento (mm)
1o = cota considerada (mm),
α = coeficiente de dilatação do material (1/°C),
∆θ = diferença entre a temperatura de operação e a temperatura de execução do alinhamento (°C).

Além das temperaturas reais de operação, temos que conhecer os possíveis pontos de guia, das carcaças dos
equipamentos a serem alinhados. Pontos de guia limitam o deslocamento da estrutura, em determinadas direções,
e isto influenciará na cota considerada para o cálculo da dilatação.

Exemplo:
Um conjunto de acionamento, com motor, multiplicador de velocidade e bomba de alta pressão, serão alinhados à
temperatura de 25°C. O motor chega a 39°C na carcaça, entre o centro do eixo e a base. O multiplicador opera
com 65°C. A bomba trabalha na temperatura de 31°C no pedestal.

Direção Vertical
Máq. (A)
Máq. (B)

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

28

motor: ∆1 = 1o . α . ∆θ
∆1 = 600 . 0,000012 . (39 - 25)



multiplicador: ∆1 = 1o . α . ∆θ
∆1 = 600 . 0,000012 . (67 - 25)



bomba: ∆1 = 1o . α . ∆θ
∆1 = 600 . 0,000012 . (31 - 25)



A diferença de dilatação na vertical, entre motor e multiplicador é de 0,201 mm. Entre
o multiplicador e a bomba a diferença é de 0,259 mm.

Direção horizontal

Motor e bomba não sofrem mudança de posição do eixo, nesta direção.

multiplicador: ∆1 = 1o . α . ∆θ
∆1 = 840 . 0,000012 . (67 - 25)



Neste caso, ocorrerá dilatação para o lado do motor e da bomba, em quantidades
iguais de 0,212 mm, na horizontal.
Portanto, no alinhamento a frio, o multiplicador deve ficar 0,20 mm mais baixo que o motor e 0,26 mm mais baixo
que a bomba. Lateralmente, deve ficar com diferença de 0,21 mm, conforme indicação no desenho, tanto para o
motor quanto para a bomba.



∆1 = 0,101 mm
∆1 = 0,302 mm
∆1 = 0,043 mm
∆1 = 0,423 mm

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

29
8. MÉTODO DE ALINHAMENTO A LASER

Esse sistema de alinhamento consiste na utilização de duas unidades, sendo uma emissora e a outra receptora do
feixe laser.
É um método de medição universal, baseado nas tecnologias laser e microprocessamento destinado a medições
de:
• eixos de máquinas rotativas,
• acoplamentos
• retilinidade
• planicidade
• perpendicularidade
• paralelismo
• alinhamento de fusos
• dilatação térmica


METODO DE ALINHAMENTO A LASER


Este método tem uma faixa ilimitada de utilização que pode ser ampliada da maneira que se encontram novas
necessidades, é muito eficaz, de rápida resposta, de fácil manuseio e de alta confiabilidade.
Não é necessário o uso de fórmulas pelo usuário, ou qualquer outro recurso externo ao aparelho que lhe fornece
os dados relativos de posição e expessura dos calços a serem utilizados para que seja executado o alinhamento.




Vantagens do método laser:
• o equipamento inclui programas para variados tipos de alinhamentos,
• as unidades receptora/emissora, medem simultaneamente o desvio relativo ao paralelismo e também o angular
com resultados instantaneos,
• as distâncias alcançadas são muito maiores que os relógios comparadores,
• os sistemas de fixação nos eixos ou superfícies foram especialmente desenvolvidos ergometricamente para
pequenos espaços quanto para grandes máquinas facilitando a utilização dos usuários,
• o sistema a laser não é afetado por variações axiais como observado no método diâmetro-face.


DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

30


Exemplo de utilização do método para um alinhamento a laser:

1. Instalar as unidades emissora/receptora e montá-las na parte fixa e móvel respectivamente,
2. Ligar o aparelho e pressionar a tecla do programa desejado para inicar,
3. Informar as distâncias da face do acoplamento e distância entre os apoios do motor,
4. Girar lentamente os eixos para a posição 9 horas e colocar os alvos sobre os detectores,
5. Acertar o feixe laser no centro do alvo,
6. Retirar os alvos da posição anterior de forma que o feixe laser atinja os detectores e pressionar a tecla da
posição 9 horas,
7. Girar os eixos para a posição 3 horas e pressionar a tecla respectiva, teremos então os valores respectivos a
condição horizontal da máquina,
8. Girar os eixos para a posição 12 horas e pressionar a tecla. Com isso o aparelho nos mostrará como a máquina
está posicionada verticalmente e quais os calços necessários,
9. Girar os eixos para as posições anteriores e verificar o resultado final do alinhamento.










9. TORQUE DE APERTO EM PARAFUSOS E
CHUMBADORES

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

31

( )
Mt F
d
tg d A = + +

2
2
0 7 . , . . α µ λ
tgλ=
µ
β cos

tg
h
de
α
π
=
.


d : diâmetro nominal do parafuso (cm)
Mt : torque de aperto (kgf.cm)
F : força de protenção (kgf)
de : diâmetro efetivo do parafuso (cm)
α : arctg
h
de π .
, ângulo de inclinação dos filetes.
λ : arctg
µ
β cos

β : metade do ângulo de perfil dos filetes
µ : coeficiente de atrito nos filetes
µ
A
: coeficiente de atrito entre a porca e superfície de apoio.
h : passo (cm)
F : força de protenção admissível (kgf)
A : área do núcleo (cm²)
σt : tensão admissível de tração (kgf/cm²)
σe : tensão de escoamento
F F = σ . A
σ = 0,6 . σe, para carregamento estático

10. TABELA DE TORQUE EM PARAFUSOS
PARA ALGUNS MATERIAIS

JIS
SS41
JIS
SCM3
ABNT
CLASSE 8.8
ABNT
CLASSE 10.9
ABNT
CLASSE 12.9

d (mm)
SAE
1016 - 1023
(kgf.m)
SAE
4135 *
(kgf.m)


(kgf.m)


(kgf.m)


(kgf.m)
4 0,08 - 0,095 0,23 - 0,27
5 0,14 - 0,17 0,42 - 0,50
6 0,25 - 0,30 0,72 - 0,85 1,03 1,50 1,80
8 0,56 - 0,68 1,60 - 1,90 2,36 3,35 4,00
10 1,10 - 1,30 3,00 - 3,50 4,50 6,30 7,25
12 1,80 - 2,10 4,90 - 5,70 7,20 10,50 12,50
14 2,70 - 3,20 7,50 - 8,90 11,20 16,00 20,00
16 3,70 - 4,50 10,2 - 12,2 17,00 23,00 30,00
18 5,50 - 6,60 15,0 - 17,9 23,60 33,50 42,50
20 7,30 - 8,70 19,5 - 23,0 31,50 45,00 53,00
22 8,80 - 10,7 25,0 - 29,5 40,00 56,00 71,00
24 12,0 - 14,5 32,5 - 39,0 56,00 75,00 94,00
27 16,5 - 20,0 45,0 - 53,0
30 22,5 - 27,5 62,0 - 74,5
33 29,0 - 35,0 80,0 - 94,0
36 38,0 - 46,0 100 - 120

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

32
39 48,0 - 58,0 127 - 152
42 60,0 - 72,0 160 - 190



11. PROCEDIMENTO DO ALINHAMNETO

• Verificar: eixos empenados, base deformada ou pé manco;
• Verificar se a máquina está ligada a tubulação de vapor ou que esteja sujeita a deformação térmica
• Checagem de pé manco
• Está situação precisa ser corrigida antes do alinhamento
• Utilize o recurso Softcheck, acessado pelo programa de alinhamento horizontal ou pelo programa de
alinhamento de cardã
1. Acione o ícone na tela de configuração
2. Verifique se todos os pés estão fixados firmemente
3. Selecione um dos pés acionando o ícone correspondente
4. Desaperte completamente o parafuso do pé selecionado e reaperte novamente (se possível com
torquímetro). O valor medido é armazenado ao pressionar a tecla OK
5. Repita o procedimento para os outros pés
6. Execute as correções e cheque cada pé novamente
7. Saia do programa
• Configuração
o Escolha a resolução de medição
o Escolha o tempo de amostragem
o Seleção da máquina estática
o Escolha do método de medição

• ALINHAMENTO HORIZONTAL
• Método do relógio
1. Montar a corrente no eixo e apertá-la com a chave.
2. Montar as hastes e as unidades TD, sendo TD-S na unidade fixa e TD-M na unidade móvel.
3. Conectar os cabos. Há duas maneiras para se fazer isto:
Conectar um cabo entre a unidade display e uma das unidades de TD. Conectar as duas unidades TD.
Conectar um cabo entre um dos terminais e o display e um dos terminais da unidade TD-M. Conectar
o segundo cabo entre o outro terminal do display e a unidade TD-S.
4. Selecionar no menu principal o programa de alinhamento horizontal
5. Meça as distancias A, B, C e D e insira nos campos selecionados através de toque na tela
6. Libere a máquina a ser medida faceando com a máquina estacionária
7. Mova os eixos até a posição 12 horas. Os alvos devem ser fechados por cima dos sensores e os feixes de
laser devem ser ajustados no centro dos alvos através do ajuste fino
8. Mova as unidades para a posição 9 horas. Abra as coberturas dos sensores até que os valores de leitura
apareçam na tela; acione o ícone de 9 horas.
9. Utilizando o inclinômetro mova os eixos até a posição de 3 horas e acione o ícone 3 horas. A tela
apresentará os valores atuais de desalinhamento horizontal
10. Mova os eixos até a posição 12 horas e acione o ícone 12 horas. A tela apresentará os valores de
desalinhamento vertical.
11. Ajuste a máquina verticalmente até que os valores de desalinhamento paralelo e angular estejam dentro
das tolerâncias.
12. Mova os eixos até a posição 3 horas e ajuste a máquina horizontalmente até o valor desejado
13. Mova os eixos até a posição 12 horas e pressione o ícone para checar se o valor está dentro das
tolerâncias.
14. Os dados podem ser salvos para futura impressão ou transferência para um PC acionando-se o ícone
arquivo.

• Método dos Três Pontos – Tripoint

DOCUMENTO Nº:
ORGÃO EMISSOR;

DATA EMISSÃO:

Inspeção Dinâmica
04/07/2005
Nº REVISÃO: 01
VIGÊNCIA: 04/07/2005
APROVADOR:

ALINHAMENTO
COMITÊ Diretivo – 10/01/2005

33
1. Utilizado quando os eixos não podem ser girados para as posições 3 e 9 horas ou só podem ser movidos
numa direção
2. No menu principal selecionar o ícone alinhamento horizontal
3. Selecione o ícone de configuração e entre no menu ajuste
4. Acione o cone do Tripoint
5. A tela irá apresentar a máquina. Ajuste as dimensões da mesma forma do método do relógio
6. Ajuste as unidades TD e ajuste os feixes de laser no centro dos alvos
7. Acione o ícone de registro para registrar a primeira leitura
8. Mova o eixo para a próxima posição, no mínimo 30o
9. Acione o ícone de registro
10. Mova os eixos para a posição seguinte e registre
11. Acionar os ícones horizontal ou vertical para mostrar os valores atuais

• Algumas situações podem ser encontradas quando do trabalho de alinhamento. Pode ocorrer de a máquina
móvel não poder ser mais movimentada. Para fazer isto, do menu set-up, escolher o programa de pés
estáticos (static feet). Neste programa pode-se escolher qual pé será ajustável e qual será fixo. O
alinhamento horizontal precisa ser finalizado antes de iniciar o programa.

• Alinhamento vertical
1. Escolher no menu principal Alinhamento vertical
2. Medir a distancia entre as unidades TD. Pressionar o campo A e entrar com o valor. Pressionar OK.
Repetir o procedimento até o valor de D. Qualquer valor pode ser corrigido quando necessário.
3. Posicionar de maneira que seja fácil girar 180o (6 horas)
4. Girar o eixo posicionando os TD em 9 horas e pressionar o ícone correspondente
5. Girar o eixo para a posição 3 horas e pressionar o ícone correspondente para registrar a leitura. Este
valor determina a posição da máquina no eixo 3 – 9 horas
6. Girar o eixo para a posição 12 horas e teclar o ícone
7. Os valores mostrados são do desalinhamento no eixo 6 – 12 horas
8. Os valores mostrados correspondem ao valor de cada calço de correção
9. O paralelismo é corrigido utilizando-se o display
10. Iniciar pela colocação de calços para correção do desalinhamento angular
11. Ajustar a máquina no eixo 12 – 6 horas, girar para a posição 12 horas e registrar. Usar o display de
paralelismo para mostrar e corrigir o erro
12. Para ajustar a máquina no eixo 3 – 9 horas girar o eixo para a posição 3 horas e teclar no ícone
correspondente. Usar o display de paralelismo para mostrar e corrigir o erro
13. Os dados podem ser impressos ou salvos para futura impressão ou transferência para um PC
acionando-se o ícone File Drawer

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->