ANTÍGENOS E ANTICORPOS

Fernando Vital

ANTÍGENOS

ANTÍGENO 
É qualquer substância que pode ser especificamente ligada por um anticorpo ou por um receptor de célula T. 
Anticorpos: quase todas as moléculas biológicas Receptor T: peptídeos 

Imunógenos: moléculas que estimulam a resposta imune.

ANTÍGENO 
Característica principal: não-próprio. 
Antígenos próprios não desencadeam resposta imune. 

Imunogenicidade: capacidade de desencadear a resposta imune. 
Depende do peso molecular, da complexidade química, e da estranheza .

Antígenos xenogênicos: indivíduos de espécies diferentes.ANTÍGENOS  Estranheza : Antígenos autólogos: são do mesmo indivíduo Antígenos singênicos: são de indivíduos geneticamente idênticos Antígenos alogênicos: de indivíduos geneticamente diferentes. .

ANTÍGENOS  Peso molecular Haptenos .

 Carreador: macromolécula que tem por função dar peso ao hapteno. que por isso não é capaz de sozinha desencadear a resposta imune. .ANTÍGENOS  Hapteno: substância química de baixo peso molecular.  O complexo hapteno-carreador tem peso suficiente para desencadear a resposta imune.

ANTÍGENOS .

ANTÍGENOS  Complexidade química Estrutura da proteína .

Macromoléculas são muito maiores que a região de ligação do anticorpo.ANTÍGENOS  Epítopo (ou determinante antigênico): referese à parte da macromolécula à qual o anticorpo se liga especificamente. .  Polivalência (ou multivalência) de um antígeno: presença de multiplos determinantes.

ANTÍGENOS .

. de forma que dois ou mais anticorpos possam se ligar ao antígeno sem influenciarem um ao outro.ANTÍGENOS  Determinantes não sobrepostos: quando são bem separados.

ANTÍGENOS  Determinantes sobrepostos: quando estes estão próximos. . Interferência estérica Interferência alostérica: quando há mudança conformacional do antígeno. a ligação de um anticorpo interfere na ligação do segundo.

como proteólise) .ANTÍGENOS  O arranjo espacial dos epítopos influenciar a ligação dos anticorpos. pode Determinante conformacional Determinante linear Determinante neo-antigênico (alteração da estrutura covalente por modificações.

ANTÍGENOS .

ANTÍGENOS  Classes de antígenos     Polissacarídeos (antígenos ABO) Lipídios (raramento imunogênicos) Ácidos nucléicos (pouco imunogênicos) Proteínas (altamente imunogênicos)  Antígenos T-independentes: antígenos não protéicos que podem estimular respostas de anticorpo sem a exigência de linfócitos T auxiliares específicos. .

ANTICORPOS .

desencadeando vários mecanismos de eliminação destes. Neutralização de microrganismos ou seus tóxicos Ativação do sistema complemento Opsonização de antígenos para facilitar a fagocitose Hipersensibilidade imediata .  Ligam-se especificamente aos antígenos.ANTICORPOS  Produzidos pelos linfócitos B.

secreções de mucosas. .ANTICORPOS  Superfície de células  Forma secretada (plasma. líquido intersticial de tecidos  Anticorpos monoclonais e policlonais Anti-soro: soro sanguíneo com número detectável de moléculas de anticorpo.

ANTICORPOS  Proteínas do plasma: Albuminas Globulinas  Gamaglobulinas: eletroforese  Gamaglobulina = imunoglobulina Imunoglobulina = anticorpo .

ANTICORPOS  Estrutura Cadeias pesadas (H) e cadeias leves (L) Regiões constantes (C) e regiões variáveis (V) Pontes dissulfeto Regiões de dobradiça .

ANTICORPOS .

ANTICORPOS  Domínios de imunoglobulina Folhas -pregueadas  Região constante da cadeia pesada Três ou quatro domínios Ig  Região variável da cadeia pesada Um domínio Ig .

ANTICORPOS  Região constante cadeia leve  Um domínio Ig da  Região variável cadeia leve  Um domínio Ig da .

 Regiões constantes Não participam do reconhecimento do antígeno Funções efetoras . VH justapõe-se a VL para formar o sítio de ligação de antígenos.ANTICORPOS  Regiões variáveis Diferentes para anticorpos produzidos por clones diferentes.

CDR3: as mais variáveis .CDR2 .ANTICORPO  Segmentos hipervariáveis: três curtas extensões nas regiões variáveis de ambas cadeias leves e pesadas. Regiões determinantes de complementariedade (CDRs): formam uma superfície complementar à estrutura tridimensional do antígeno .CDR1 .

IgG1. IgG3 e IgG4 IgM .ANTICORPOS  Classes (isotipos) e subclasses de anticorpos IgA .IgA1 e IgA2 IgD IgE IgG . IgG2.

.

.ANTICORPOS  Diferentes isotipos de imunoglobulinas exercem diferentes funções.

.

ANTICORPOS  A molécula de anticorpo é dotada de flexibilidade. Região de dobradiça Permite ligar-se a diferentes determinantes de agentes multivalentes. .

ANTICORPOS .

ANTICORPOS  Fragmentos Fab Fc .

ANTICORPOS OBS: F(ab )2: quebra abaixo da dobradiça (pepsina) .

.INTERAÇÃO Ag-Ac  CDRs e antígeno A interação Ag-Ac se dá por múltiplas ligações.

não-covalente.  Conceitos importantes: Valência da interação Afinidade da interação Avidez da interação .INTERAÇÃO Ag-Ac  O reconhecimento do antígeno pelo anticorpo envolve uma ligação reversível.

.INTERAÇÃO Ag-Ac  Valência da interação Exprime o número de ligações entre uma molécula de anticorpo e vários epítopos de uma superfície celular.

Constante de dissociação (Kd): concentração de antígenos necessária para ocupar metade dos sítios de combinação dos anticorpos. Kd baixa afinidade alta .INTERAÇÃO Ag-Ac  Afinidade da interação É a força da ligação entre um sítio de combinação do anticorpo e seu antígeno.

INTERAÇÃO Ag-Ac  Avidez da interação Representa o total de ligação de todos os sítios de anticorpos para todos os epítopos de antígenos. .

INTERAÇÃO Ag-Ac .

INTERAÇÃO Ag-Ac  Características antígeno do reconhecimento do Especificidade Diversidade Afinidade e avidez .

5. Explique o que é polivalência de um antígeno. 4. Quais as famílias e subfamílias das imunoglobulinas? 2. . Diferencie interferência estérica de interferência alostérica. afinidade e avidez na interação Ag-Ac. Defina valência.EXERCÍCIO 1. O que são regiões determinantes de complementariedade? 3.

EXERCÍCIO 6. . Uma proteína viral apresentando um determinante conformacional pode apresentar a mesma ligação com o anticorpo específico para esse determinante. caso ela seja desnaturada por calor? Explique.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful