Você está na página 1de 16

Sumário

Introdução ......................................................................................................................... 2
Momento Histórico ........................................................................................................ 2
Biografia do autor ............................................................................................................. 3
Resumo da obra ............................................................................................................... 5
Análise da obra ................................................................................................................. 9
Apresentação ................................................................................................................ 9
Desenvolvimento .......................................................................................................... 9
Complicação ............................................................................................................... 10
Clímax ......................................................................................................................... 10
Desfecho: .................................................................................................................... 10
Tema Central .................................................................................................................. 12
Personagens................................................................................................................... 13
Protagonistas .............................................................................................................. 13
Secundários ................................................................................................................ 13
Fortuna Crítica ................................................................................................................ 14
Conclusão ....................................................................................................................... 15
Bibliografia ...................................................................................................................... 16
2

Introdução

A história se passa no sertão de Mato Grosso, em meio a estrada que dá


a vila de Sant’Ana do Paranaíba no ano de 1860, no velho e abandonado sítio
de Camapuã, onde vivem Inocência, uma moça jovem e bonita e seu pai,
Pereira. Inocência é prometida para Manecão para seu casamento, porém isso
tudo viria a mudar com a chegada de Cirino, um homem que começou a fazer
faculdade de farmácia e veio morar com Pereira e Inocência para cuidar de
dela.

Momento Histórico

Na mesma época em que o autor Visconde de Taunay se inspirava para


escrever seu livro estava ocorrendo no Brasil à aprovação de uma lei onde
todos os filhos negros de escravos que nascessem a partir daquela época
estariam livres da escravidão, essa lei foi chamada de Lei do Ventre Livre,
porém Visconde de Taunay se inspirou nessa lei para poder escrever seu livro.
3

Biografia do autor

Alfredo d'Escragnolle Taunay

Alfredo d'Escragnolle Taunay nasceu em 22 de fevereiro de 1843 no Rio


de Janeiro, e morreu em 25 de janeiro de 1899 também no Rio de Janeiro por
causa do diabetes.
Alfredo d'Escragnolle Taunay foi o primeiro e único visconde de Taunay,
adquirindo assim seu nome literário de Visconde de Taunay.
Taunay assumiu vários pseudônimos: Anapurus, André Vidal,
Carmotaigne, Eugênio de Melo, Flávio Elísio, Heitor Malheiros, Silvio Dinarte,
Múcio Escoevola, Sebastião Corte Real.
Taunay estudou Humanidades no Colégio Pedro II. Depois, em 1859,
matriculou-se na Escola Militar, onde foi bacharel em Ciências Físicas e
Matemáticas. Engenheiro-geógrafo do Exército, tenente do Imperial Corpo de
Engenheiros, participou da Guerra do Paraguai e da Expedição do Mato
Grosso. Deixou o exército, no posto de major, para se dedicar à política e ás
letras. Dedicou-se à música, à pintura, ao jornalismo e à crítica. Embora filho
de franceses, soube ser um escritor essencialmente brasileiro. Iniciou-se nas
letras com o romance A Mocidade de Trajano (1871), sob o pseudônimo de
Sílvio Dinarte. No mesmo ano, publica em francês suas impressões acerca de
um episódio decisivo na Guerra do Paraguai, A Retirada da Laguna. Em 1872,
publica Inocência. Foi senador por Santa Catarina e presidente da Província de
Santa Catarina e Paraná. Afastou-se da política como senador em 1889, por
fidelidade à monarquia. Foi membro do Instituto Histórico e Geográfico e
membro fundador da Academia Brasileira de Letras. Em 1889, recebe o título
de Visconde.
Visconde de Taunay escreveu:
• La Retraite de Laguna, 1871 (em francês, traduzido como "A retirada
da Laguna")
• Inocência, romance, 1872;
• Lágrimas do Coração. Manuscrito de uma Mulher, romance, 1873;
• Ouro sobre Azul, romance, 1875;
• Estudos críticos, 2 vols., 1881 e 1883;
4

• Amélia Smith, drama, 1886;


• No Declínio, romance, 1889;
• O Encilhamento, romance, 1894;
• Reminiscências, memórias, 1908 (póstumo);
5

Resumo da obra

Tudo se passa pelas regiões de Mato Grosso, Minas Gerais e Goiás.


Mais especificamente na Vila de Sant’Ana do Paranaíba. Por estas estradas
encontra-se nosso viajante, seu nome é Cirino, este sempre com o costume de
viajar, ele vai para os lugares cura as pessoas, já que havia lido e estudado
um pouco sobre medicina, ele aplicava métodos arcaicos, usando ervas,
plantas e poucos remédios.
O caminho de Cirino cruzado com Pereira, donde algumas terras na
região, e tinha uma casa para abrigar alguns viajantes, ao ver Cirino, Pereira o
convida para ficar na sua casa, e ao saber que ele é médico, pede para que
Cirino consulte e trate de sua filha Inocência. Ao chegarem à casa de Pereira,
Cirino se acomodou, conheceu sua casa e o local, logo depois começou seu
tratamento para com Inocência. Pereira vai até o quarto dos fundos onde está
sua filha, mostra a Cirino sua paciente, ao vê-la Cirino nota que se trata de uma
jovem muito bonita que chama a atenção de Cirino, ele medica a moça e
Pereira manda Tico, um capaz anão, buscar aquilo que foi necessário.
Dia depois chega Meyer e seu ajudante José Pinho, também conhecido
como Juque, são naturalistas e procuram espécies de animais raros e belos, o
principal objetivo de Meyer é capturar borboletas. Pereira ao recepcionar os
cientistas não é muito gentil, mas não lhe falta com educação, mostra sua
casa, lhes trata com o que tem de bom e melhor, chega até a ir caçar com eles.
Pereira ao mostrar Inocência para Meyer, vê o comportamento dele, que fica
admirado com a beleza de Inocência e sempre manda algumas indiretas em
relação a Inocência, isto chama a atenção de Pereira que fica atento com
Meyer.
Inocência era filha única de Pereira, tinha dezoito anos e era muito
bonita, tinha cabelos morenos, e já estava prometida para Manecão, um rapaz
da cidade que estava viajando e arrumando a papelada do casório.
Os dias se passam, Cirino medica dia-a-dia Inocência que começa
melhorar e voltar ao estado normal.
Meyer sempre caçando acompanhado por Pereira, mas não se apaixona
por Inocência e as únicas intenções dele é tê-la por desejo, para ter seu corpo.
6

Chega um dia que Cirino fala de ir embora, mas Pereira quer que ele
fique na sua casa para continuar medicando Inocência, a relação de Pereira e
Cirino é uma amizade. Pereira fala que chegarão doentes para serem tratados
por Cirino. Então Cirino fica e Pereira pede para Cirino junto com ele para ficar
de olho em Meyer.
Certo dia Pereira tinha ido caçar com Meyer, Cirino foi acompanhado de
Tico ver Inocência, Tico ao ir buscar café, deixa Cirino beijar a mão e o braço
de Inocência, mas é interrompido por Tico que chega depois e não vê nada,
porém o ato de Cirino, mostra para Inocência que ele tem interesse de nela.
Os pacientes de Cirino vão chegando, Garcia é primeiro, um homem de
meia idade e que tem o aspecto tenebroso, entretanto Cirino não consegue
curá-lo. Dias depois chega Coelho, um velho viajante, é tratado com Cirino e
fica dias na casa de Pereira.
Pereira quando vai dormir fica perto de Meyer, de modo que se ele sair
do quarto acorde Pereira. Cirino na calada da noite vai se encontrar com
Inocência, ele declama seu amor por ela, ela conseqüentemente se apaixona
por ele, ao final deste primeiro encontro secreto os apaixonados ouvem por
duas vezes um assovio muito forte e uma pedra é jogada ao lado de Cirino,
isso chama a atenção dos dois e todas as vezes que Cirino se encontra com
Inocência esse ato se repete, ambos pensam que isso é alma de outro mundo,
fantasma, demônio ou assombração, Cirino procura ver quem foi e não acha,
Inocência fica com muito medo.
Meyer vai embora da casa com Juque logo após achar uma espécie rara
de borboleta e coloca o nome de Inocência, em homenagem a filha de Pereira.
Meyer sai com destino a uma sessão extraordinária e solene da Sociedade
Geral Entomológica.
Cirino continua seus encontros secretos com Inocência e até pensa em
fugir com ela. Pereira começa a ficar aliviado pela ida de Meyer, mas levanta
pequenas suspeitas em relação a Cirino. Os apaixonados pensam em um jeito
de não casar Manecão e Inocência, porém Pereira sem saber dos sentimentos
da sua filha, não pensa nessa hipótese.
Inocência se lembra de seu padrinho, e que Pereira lhe deve dinheiro,
Cirino falando com o padrinho de Inocência, pedindo permissão para casar-se
no lugar de Manecão seria o único modo de dar tudo certo, assim Cirino vai
7

embora dando a desculpa que seus remédios acabaram e que iria para a
cidade para comprar mais remédios.
Ao chegar na cidade Cirino encontra diversas pessoas inclusive
Manecão que está indo para a casa de Inocência, assim Cirino corre cada vez
mais rápido ao encontro de Cesário, padrinho de Inocência.
Manecão chega à casa de Pereira, bem recepcionado, Pereira logo
chama Inocência e ela vai ao encontro de Manecão muito triste e logo depois
volta para seu quarto. Enquanto Manecão se encontra na casa de Inocência,
ela fica em seu quarto. Pereira vai atrás de sua filha para conversar com ela,
ela diz que não quer casar com Manecão e inventa até ter sonhado com sua
mãe, mas logo Pereira desmente sua filha. Manecão ao ficar sabendo pergunta
quem roubou o coração de Inocência, logo Pereira diz com foi Meyer, mas Tico
diz que foi Cirino e que via os dois se encontrando e era quem assoviava e
jogava as pedras.
Manecão vai a busca de Cirino e quer matá-lo, Pereira fica chateado
pela traição, mas deseja a morte de Cirino, Inocência fica a arrasada e
tremendamente triste.
Cirino chega a casa de Cesário, permanece lá por alguns dias e
conversa sobre seu amor para com Inocência. Cesário, no primeiro momento
que matá-lo, mas depois entende a intenção de Cirino e percebe a paixão que
tem por Inocência.
Cesário manda Cirino para a cidade e fala que se ele não aparecer
dentro de oito dias Cirino esquece Inocência, mas se aparecer, Cirino e
Cesário irão a casa de Inocência para conversar com Pereira.
Manecão vê Cirino chegar na cidade, e acompanha cada passo de
Cirino, nota que todos os dias, ao entardecer, Cirino vai à estrada ver se
Cesário vem, em uma dessas idas à estrada, Manecão vai atrás de Cirino. Na
estrada Manecão e Cirino discutem e Manecão dá um tiro em Cirino, que cai no
chão baleado. Logo depois Cesário vem pela estrada e ao se aproximar vê
Cirino baleado e chega correndo a cavalo. Manecão vai embora sem que
Cesário perceba, Cesário ouve as últimas palavras de Cirino que logo depois
morre.
8

No dia 18 de Agosto de 1863, Meyer ganha o prêmio na Sociedade


Geral Entomológica, pela descoberta de uma borboleta que ela deu o nome de
Inocência. Neste dia fazia exatamente dois anos que Inocência havia morrido.
9

Análise da obra

Apresentação

Visconde de Taunay começa a história falando sobre a região do Mato


Grosso, São Paulo, Minas Gerais e Goiás. Ele mostra Cirino que é levado para
a casa de Pereira e lá conhece Inocência.

“Corta extensa e quase despovoada zona da parte sul - oriental da


vastíssima província de Mato Grosso a estrada que da vila Sant’Ana do
Paranaíba vai ter ao sitio abandonado de Camapuã...”

Cap. I – O Sertão e o Sertanejo

“- Gabo-lhe a pachora, atalhou Cirino. Mas, diga-me, Sr. Pereira; farei


por aqui algum negócio?
- Homem, conforme. Gente doente é mato; mas também mofina como
ela só meio arredado da minha casa, fica Coelho que está não morre não
morre há muitos anos, e é homem de boas patacas... “

Cap. II – O Viajante

Desenvolvimento

O desenvolvimento se dá a partir do momento em que Cirino começa a


medicar e se envolver com Inocência. Ocorre também com a chegada do
naturalista Meyer.

“- Então, disse ele, se quiser, vamos já ver a nossa doentinha.


- Com muito gosto, concordou Cirino.”

“Ia Cirino deixar o quarto, não sem ter olhado com demora para o lugar
onde estava deitada a enfermeira, quando...”

Cap. VI – Inocência
10

Complicação

A complicação se dá a partir do momento em que Cirino beija


rapidamente a mão de Inocência e começa a demonstrar certo sentimento pela
moça, e esse sentimento é correspondido no momento em que eles se
encontram secretamente pela noite.

“Neste entrementes tomara Cirino o pulso de Inocência e, sem pensar


no que fazia, quebrando a débil resistência da menina, cobrira-lhe de beijos o
braço e a mãozinha que havia segurado.”

Cap.XIV - Realidade

“Oh! Disse ele com fogo, doente estou eu agora... Sou eu que vou
morrer... porque você me enfeitiçou, e não acho remédio para o meu mal.”

Cap. XVIII – Idílio

Clímax

O clímax se dá a partir do momento que Cirino na estrada discute com


Manecão e leva um tiro, assim provocando a sua morte.

“E de supetão tirando uma garrucha da cintura, desfechou-a a queima


roupa em Cirino.
Varou a bala o corpo do infeliz e o fez baquear por terra.”

Cap. XXX - Desenlace

Desfecho:

O desfecho se inicia quando Meyer é premiado pela descoberta de uma


espécie de borboleta rara. Logo depois o leitor descobre que dois anos antes
da premiação de Meyer Inocência morre.

“... eis enfim, aqui, no meio de nós, o grande, o vencedor, o


incomparável Guilherme Tembel Meyer!...”
11

“Inocência, coitadinha...
Exatamente nesse dia fazia dois anos que o seu gentil corpo fora
entregue à terra, no imenso sertão de Sant’Ana do Paranaíba,para ai dormir o
sono da eternidade.”

Epílogo – Reaparece Meyer


12

Tema Central

O tema central é o amor proibido, Inocência ama tanto Cirino, mas já


havia sido destinada pelo seu pai a outro homem, Manecão.
13

Personagens

Protagonistas

Inocência: é uma jovem do sertão, muito bonita, romântica, um pouco


frágil, e que inicia a história doente, mas depois se recupera.

Cirino: um rapaz de bom caráter, que com um pequeno conhecimento


sobre medicina, se passava por médico no sertão, era conhecido como Dr.
Cirino e foi quem cuidou de Inocência quando ela estava doente.

Secundários

Pereira: Homem mau, que não mudava os costumes que tinha, muito
autoritário, e pai de Inocência.

Meyer: Naturalista alemão, que está viajando para o Brasil em busca de


novas espécies de insetos. Fica na casa de Pereira, pois traz com ele uma
carta do irmão mais velho de Pereira. Porém foi vigiado por Pereira, logo após
elogiar Inocência. Encontra uma borboleta rara e dá o nome de Inocência.

Manecão: Homem bruto, que negocia gados e está fazendo viagens


para resolver a papelada do seu casamento com Tereza. Porém mata Cirino
após saber que Inocência se encontrava às escondidas com ele e com isso
preserva sua honra.

Tico: Um anão mudo, que servia a Pereira como um vigia, para ficar
olhando Cirino e Inocência, e também responsável por contar tudo o que havia
acontecido entre eles.

Antônio Cesário: Padrinho de Inocência, que apóia e tenta ajudar o


romance de Inocência e Cirino, mas chega tarde e não consegue salvar a vida
de Cirino.

Chiquinho: Irmão mais velho de Pereira, que está longe e manda uma
carta para Pereira, através de Meyer.
14

Fortuna Crítica
por Oscar D’Ambrosio

“O romance, considerado por alguns uma espécie de Romeu e Julieta


(obra de Shakespeare) do sertão brasileiro, região que o autor conheceu bem
em suas andanças como militar, não sucumbe ao excesso de sentimentalismo,
com descrições bastante realistas da natureza brasileira. O fato de ele ter
conhecido os ambientes que descreve faz uma grande diferença.
Taunay consegue, ao longo da obra, realizar uma bem contada história
de amor, com final trágico, a partir de um triângulo amoroso, repleta de
descrições do modo de falar e de viver do sertão brasileiro.
Essa combinação é rara na literatura brasileira, pois exige o domínio de
dois tipos de discurso: o romântico e o realista, ou melhor, uma fabulação
atraente com componente amoroso e elementos descritivos do ambiente e da
fala regional.”

Oscar D'Ambrosio, jornalista, mestre em artes pelo Instituto de


Artes da Universidade Estadual Paulista (Unesp), é crítico de arte e integra a
Associação Internacional de Críticos de Artes (Aica - Seção Brasil).
15

Conclusão

O autor do livro Inocência, Visconde de Taunay, relata em seu livro uma


história romântica regional, que é escrita para citar um pouco mais de nossa
cultura brasileira, para mostrar nossa língua, nossos costumes e também
nossas diferenças. Esse romance se passa com amor e também com morte no
final. Durante o texto o autor, com seu invejoso conhecimento do nosso país,
soube apreciar todas as imagens naturais que temos em nosso país, as
paisagens.
16

Bibliografia

Taunay, Visconde de. (1999). Inocência. São Paulo: Editora Ática.


http://educacao.uol.com.br/literatura/inocencia.jhtm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Alfredo_d%27Escragnolle_Taunay
http://www.culturabrasil.org/biografias.htm