Você está na página 1de 22

3. O Plano da Criação Divina

1

GETER – Grupo de Estudos e Trabalhos Espiritualistas Ramatís

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS OBRAS DE RAMATÍS

O PLANO DA CRIAÇÃO DIVINA

Os astros, satélites, sistemas, constelações e galáxias do Universo observável não estão sujeitos a leis que variem de época para época, mas circunscritas unicamente à disciplina da Lei Perfeita e Imutável do Cosmo. Em toda a Criação, essa Lei organiza e rege, numa só pulsação harmônica e vital, todo o eterno pensar de Deus, e materializa no campo exterior o sucesso do Grande Plano Mental elaborado pelo Divino Arquiteto! É como um relógio de precisão, absolutamente certo e exclusivamente harmônico.

Não há ocorrência imprevista nos eventos siderais; tudo é manifestação exata de uma causa alhures
Não há ocorrência imprevista nos eventos siderais; tudo é manifestação
exata de uma causa alhures já planejada com toda exatidão.
1. COSMOGÊNESE SEGUNDO A CIÊNCIA: O UNIVERSO PULSANTE
Numa rápida visão panorâmica à luz da ciência terrena, o Universo material se apresenta constituído de
milhões de galáxias formadas por miríades de estrelas de diversas espécies e idades siderais, em torno de
certo percentual das quais giram orbes físicos, os planetas e seus satélites, além de outros corpos celestes
característicos, como cometas, pulsares, quasares, etc., todos revelando um aspecto dinâmico de
indescritível harmonia e beleza.
Muito ao contrário de uma situação estática e de equilíbrio, a que uma abordagem superficial poderia
induzir, o Cosmo se encontra em contínua e acelerada expansão, já detectada pelos cientistas desde
meados do século XIX, que observaram o deslocamento para a cor vermelha da maior parte da intensidade
resultante da fragmentação do espectro luminoso proveniente das estrelas.
A teoria de cosmogênese atualmente defendida pela ciência oficial é a do “Big Bang” (a grande explosão)
que assevera que, em seu início, todo o Universo esteve concentrado num único ponto diminuto, composto
de um plasma, mistura de diferentes partículas subatômicas, sob temperatura e densidade incalculáveis, e
que explodiu violentamente, resfriando-se paulatinamente à medida que a fabulosa expansão que sofreu foi
“criando” o próprio espaço, até então inexistente.

3. O Plano da Criação Divina

2

Nesse processo de súbita expansão, essas subpartículas se recombinaram formando átomos e moléculas em estado inicialmente gasoso, que, ao se condensarem por força do resfriamento, foram formando os corpos celestes constituintes do Cosmo. Em suma, para a Ciência a matéria surgiu no momento da criação. Atualmente, as galáxias continuam a se afastar mutuamente, tendo os cientistas formulado três hipóteses matematicamente possíveis, representadas graficamente nas figuras a seguir:

1ª)

O Universo se expande tão rapidamente que a atração gravitacional entre suas galáxias não poderá jamais parar o processo de dilatação de suas fronteiras. Essa hipótese afirma que ele irá continuar a se expandir eternamente.

2ª) O Universo se expande continuamente, porém na velocidade estritamente necessária para isso. Nessa hipótese,
2ª)
O Universo se expande continuamente, porém na velocidade estritamente necessária para isso.
Nessa hipótese, a ação da atração gravitacional entre as galáxias é mais intensa que na anterior,
porém insuficiente para impedir seu infindável afastamento mútuo.
3ª) O Universo, após a grande explosão inicial (o Big Bang), num primeiro momento se expande
rapidamente, movido pelas forças que atuam nesse processo, porém a atração gravitacional entre
suas galáxias é de tal modo intensa que se contrapões àquelas forças originais, vencendo-as em
intensidade decorrido certo intervalo de tempo, após o qual passa a sobrepujá-las.

3. O Plano da Criação Divina

3

As galáxias, então, começam a se mover umas em direção às outras e o Universo se contrai, até que elas se colapsem fundindo-se num único ponto concentrado e diminuto, acontecimento chamado de “Big Crunch” (a grande contração).

A quantidade de matéria presente no Universo é o fator que irá determinar para a Ciência se o seu processo de expansão continuará indefinidamente ou não.

Os cientistas especulam, baseados em argumentos teóricos, que após um “Big Crunch” seja criado um novo Universo a partir de um “Big Bang” seguinte, que poderá formar tipos de partículas completamente diferentes das do Cosmo atual.

A TEORIA CÍCLICA sugere que, pelo lado da Ciência oficial, o Universo pode continuar a
A TEORIA CÍCLICA sugere que, pelo lado da Ciência oficial, o Universo pode continuar a
se expandir e contrair-se alternadamente, num processo infinito (UNIVERSO PULSANTE).
2. O GRANDE PLANO DA CRIAÇÃO DIVINA E A DESCIDA ANGÉLICA
Os velhos mestres do oriente, desde os iniciados dos Vedas há mais de 4.000 anos e dos instrutores da
Dinastia de Rama na antiga Índia, vêm propugnando que o Universo é pulsante.
Cada ciclo de expansão e correspondente contração é conhecido como “GRANDE PLANO” (“Manvantara”
na escolástica hindu), uma pulsação ou “respiração” completa de Brahma, e que compreende
4.320.000.000 de anos do calendário terreno, divididos em duas fases de igual duração, tempo exato em
que o Espírito Divino desce vibratoriamente até formar a matéria e depois a dissolve novamente, retornando
à sua expressão anterior de puro espírito.
Conforme os Vedas, “uma respiração ou pulsação macrocósmica de
Brahma (ou Deus) corresponde a uma respiração microcósmica do homem !”
Para Deus, na eternidade da Mente Divina, esse acontecimento entre principiar e cessar a explosão
formadora do Universo sideral é tão instantâneo como o explosivo que estoura no período de um segundo
terrestre. Aquilo que para Deus se sucede no “tempo” simbólico de um segundo terreno, na contagem do
calendário humano, abrange 4,32 bilhões de anos:

O Sol faz a cobertura astrológica de um signo zodiacal (atualmente no término do “signo de Piscis” e no início do signo de “Aquarius”) no prazo de 2.160 anos exatos, completando uma Era Zodiacal.

Um grande ano astrológico é formado pela passagem do Sol pelos 12 signos (12 Eras Zodiacais), perfazendo 25.920 anos.

Dois milhões de signos somam exatamente o total de 4.320.000.000 anos terrestres, ou seja, o tempo em que ocorre um Grande Plano da Criação Divina, chamado pelos antigos atlantes de “Supremo Giro de Ra (Sol)”.

1 GRANDE PLANO = 166.666 Grandes Anos = 2 milhões Eras Zodiacais = 4,32 bilhões anos

3. O Plano da Criação Divina

4

Um Grande Plano da Criação Divina abrange duas fases ou etapas de igual duração, cada qual com duração exata de 2,16 bilhões de anos do calendário terrestre: o Dia de Brahma, que vai do Big Bang até o ponto de máxima expansão das galáxias, e a Noite de Brahma, que vai deste ponto até o Big Crunch.

Deus embora sendo único, revela-se sob a manifestação exterior do Universo formal, fase em que
Deus embora sendo único, revela-se sob a manifestação exterior do Universo formal, fase em que o Espírito
Divino desce vibratoriamente até formar a matéria, ou seja, se expande e pulsa centripetamente até atingir a
compactação conhecida por “matéria”, acionado por Sua vontade a energia, sob impulso expansivo e
criativo divino, para compor os mundos, as galáxias e os orbes físicos, ou seja, o próprio Cosmo.
Pode-se entender, dessa forma, que o Universo sob esse aspecto está na condição de uma vestimenta
transitória da Divindade, constituída por toda a criação física, pois que Deus o interpenetra e o vivifica,
enquanto os espíritos se conscientizam, vibram e vivem no oceano cósmico, expandindo-se tanto mais
quanto mais absorvem o conhecimento inesgotável e o Amor do Pai Eterno no comando do Cosmo monista.
Esse processo de descida vibratória do princípio angélico, em que o Criador faz a criação emanar de Si
formando o Universo exterior das formas, e “desce” para criar novas consciências dentro de sua própria
Consciência Cósmica, é conhecido como descida angélica.
Apesar de contínuo, esse processo é costumeiramente apresentado subdividido em diversos graus ou
etapas da descida do espírito até a expansão da matéria: os Sete Planos da Manifestação Cósmica.
A essa fase de descida vibratória às formas exteriores dos mundos materiais, segue-se a fase em que o
Espírito de Deus dissolve o Universo morfológico e retorna à sua essência anterior de Espírito Virginal.
O Universo é uma sucessão consecutiva de “Grandes Planos” ou “Manvantaras”, a se
substituírem uns aos outros, em que se forjam os seres espirituais (as consciências individuais).

A Criação, que é produto do pensamento de Deus, nunca teve começo, assim como não terá fim; não se subordina ao tempo e ao espaço.

como não terá fim; não se subordina ao tempo e ao espaço. . GETER - Introdução

3. O Plano da Criação Divina

5

A manifestação divina é eterna, contínua e ilimitada, e não apresenta em si mesma divisão abrupta em duas fases distintas, como a da descida à forma exterior-matéria e a do retorno ou dissolução da substância; há uma passagem natural de uma à outra fase, num processo infinito.

1ª fase: 2,16 bilhões de anos 2ª fase: 2,16 bilhões de anos “DIA DE BRAHMA”
1ª fase: 2,16 bilhões de anos
2ª fase: 2,16 bilhões de anos
“DIA DE BRAHMA”
“NOITE DE BRAHMA”
do Big Bang até o ponto de
expansão máxima das galáxias
do ponto de expansão máxima
das galáxias até o Big Crunch
“SÍSTOLE CÓSMICA”
“DIÁSTOLE CÓSMICA”
Gênese e expansão do Universo Físico (Cosmo)
Contração e desaparecimento do Universo Físico
FASE CRIATIVA DA MATÉRIA
FASE DESTRUTIVA DA MATÉRIA
fase em que Deus cria
fase em que Deus fisicamente desintegra
(dissolução ou retorno da Substância)
DESCIDA ANGÉLICA
DESMATERIALIZAÇÃO
descida vibratória do Espírito Divino até
atingir a forma exterior “matéria”
libertação do Espírito Divino da forma, de volta
o seu estado original (essência pura)
para
3. OS PLANOS DA MANIFESTAÇÃO DIVINA
No curso de um Grande Plano, na etapa em que o Espírito Divino desce vibratoriamente até a fase exterior
da expressão da matéria, há a formação de fases sucessivas intermediárias que graduam o processo de
descida angélica, demarcam as pulsações rítmicas da Criação Divina e assimilam as faixas vibratórias que
identificam as principais mudanças na energia do Cosmo.
Embora muito aquém da Realidade Cósmica, as diversas fases da descida do espírito Divino têm sido
apresentadas pelo conhecimento iniciático milenário com o “ritmo setenário”.
Nele, o Universo emanado de Deus abrange sete planos ou estados energéticos sucessivos, desde o
Mundo Divino até o Mundo Físico, que servem de degraus diferenciais no abaixamento vibratório e que a
tradição Bíblica simboliza no trajeto ascensional da escada de Jacó.
Esses planos ou mundos não se encontram em algum lugar particular do espaço e nem sobre postos entre
si em camadas; são estados de consciência, perceptíveis ou penetráveis de acordo com o estado evolutivo
de cada ser capaz de percebê-los.
Como faixas vibratórias diferenciadas, esses planos interpenetram-se, coexistindo num mesmo espaço-
tempo (ou melhor, “fora” daquilo conhecido por espaço), sem interferirem entre si. São como Universos
paralelos interpostos, mutuamente e simultaneamente coexistentes.

Sob o ponto de vista dimensional, o Plano Físico apresenta três dimensões espaciais (todos os objetos possuem comprimento, largura e profundidade) e uma dimensão temporal (o tempo), perfazendo quatro dimensões.

Entretanto, cada Plano de Manifestação Divina subseqüente ao Plano Físico, em direção ao Plano Divino, agrega mais uma dimensão física.

Por exemplo, o Plano Astral (Mundo dos Desejos), imediatamente posterior ao Plano Físico (Mundo material) no diagrama a seguir, apresenta quatro dimensões espaciais e uma dimensão temporal, porém em estado vibratório muitíssimo superior à vibração letárgica da matéria densa.

Nessa escala de sete planos de evolução da consciência, o Plano Divino totaliza dez dimensões.

3. O Plano da Criação Divina

6

PLANO DE MANIFESTAÇÃO CÓSMICA CARACTERÍSTICAS 7º MUNDO DE DEUS A Matriz-Base, o Pensamento Original e
PLANO DE MANIFESTAÇÃO
CÓSMICA
CARACTERÍSTICAS
MUNDO DE DEUS
A Matriz-Base, o Pensamento Original e Total
MUNDO DOS
ESPÍRITOS VIRGINAIS
Origem dos espíritos diferenciados em Deus antes da sua
peregrinação através da matéria, e origem dos veículos do homem
MUNDO DO
ESPÍRITO DIVINO
Origem das mais elevadas influências espirituais no homem
MUNDO DO ESPÍRITO
DE VIDA
Origem do aspecto intuicional no espírito do homem
região do
pensamento
ABSTRATO
MUNDO DO
Contém as idéias germinais da forma mineral, vegetal, animal e
humana, e idéias germinais do desejo e emoção dos animais e do
homem. Origem do aspecto inteligente no espírito do homem (plano
dos pensamentos puros)
PENSAMENTO
região do
pensamento
CONCRETO
Origem das forças arquetípicas e da mente humana; reflete o
espírito na matéria e contém os arquétipos do desejo, da emoção,
da vitalidade universal e da forma
Poder anímico }
Luz anímica
} atração
Vida anímica
}
MUNDO DOS DESEJOS
Sentimentos
Desejos
Impressionabilidade
Paixões e desejos inferiores
ÉTER QUÍMICO – responsável por todos os fenômenos de
assimilação e excreção nas relações do homem com o meio
ÉTER VITAL – permite a propagação no meio físico e impregna
desde o pólem até o espermatozóide
região
ETÉRICA
(interior)
MUNDO FÍSICO
ÉTER LUMINOSO – meio da percepção sensorial, capta as
vibrações do ambiente exterior e transmite as emoções e
sensações interiores da alma
ÉTER REFLETOR – reflete toda a memória da natureza;
consciência reflexiva por acumulação no simbolismo do tempo e do
espaço
região
QUÍMICA
região composta pela matéria física nos estados sólido, líquido e
gasoso
(exterior)

As várias escolas iniciáticas e religiões espirituais do oriente e do ocidente fazem diferentes designações e/ou simplificações desses diversos planos vibratórios, apresentadas no quadro a seguir, para fins comparativos:

3. O Plano da Criação Divina

7

quadro comparativo: PLANOS DA CRIAÇÃO DIVINA EM DIFERENTES CORRENTES RELIGIOSAS OCULTISMO ANTIGO plano FILOSOFIA
quadro comparativo: PLANOS DA CRIAÇÃO DIVINA EM DIFERENTES CORRENTES RELIGIOSAS
OCULTISMO
ANTIGO
plano
FILOSOFIA ROSA-CRUZ
TEOSOFIA
VEDAS
ESPIRITISMO
ORIENTAL
EGITO
PLANO
PLANO ÁDICO
PLANO
MUNDO DE DEUS
MAHAPARA-
OU DIVINO
ADI
NIRVÂNICO
PLANO OU
PLANO
MUNDO
ESPIRITUAL
DIVINO
MUNDO DOS
ESPIÍRITOS VIRGINAIS
PLANO
PLANO MONÁDICO
PLANO
PARANIRVÂNICO
OU ANUPÁDICO
ANUPÁDAKA
PLANO
MUNDO DO
PLANO ÁTMICO
PLANO
ESPÍRITO DIVINO
OU NIRVÀNICO
ÁTMICO
NIRVÂNICO
PLANO
PLANO
PLANO
MUNDO DO
ESPÍRITO DE VIDA
BÚDICO OU
BÚDICO
BÚDICO
INTUICIONAL
região do
sem
PLANO
pensamento
ARUPA
forma
ASTRAL
ABSTRATO
PLANO OU
MUNDO DO
PLANO
PLANO
PLANO
MUNDO
PENSAMENTO
MENTAL
MENTAL
MENTAL
região do
ESPIRITUAL
com
pensamento
RUPA
forma
CONCRETO
PLANO
MUNDO DOS DESEJOS
PLANO ASTRAL
PLANO ASTRAL
ASTRAL
MUNDO
região
PLANO
PLANO
PLANO
PLANO
ETÉRICO
ETÉRICO
ETÉRICA
FÍSICO
FÍSICO
FÍSICO
FÍSICO
FÍSICO
região
PLANO
DENSO
DENSO
QUÍMICA
FÍSICO
Cada plano ou região de manifestação cósmica é ainda subdividido em até outros sete subplanos em
graduações ascendentes.
4. OS TRÊS PRINCÍPIOS CÓSMICOS OU MANIFESTAÇÕES DA NATUREZA DIVINA
NO COSMO
Na ação de criar ou destruir sucessivamente o Universo físico, a Realidade Monista divina e indissolúvel,
que é Deus Único, ao mesmo tempo se manifesta de modo trifásico, sem qualquer alteração íntima. Essa
subdivisão em três aspectos distintos e mutuamente complementares é apenas recurso humano para
facilitar a Sua melhor compreensão.

A constatação desses três aspectos da Unidade Divina pela mente humana apenas gradua os atributos divinos como fases de um mesmo fenômeno e não modifica internamente Sua natureza, sendo inegável e definitivo que o princípio é um só, uma só origem e uma só vontade central criadora de todo o Cosmo, que permanece indestrutível na sustentação eterna e sábia de tudo o que Ele criou.

O próprio homem, embora seja um único ser, pode se manifestar ao mesmo tempo sob o aspecto trifásico de PENSAR, SENTIR e AGIR, sem que sofra qualquer alteração íntima na sua individualidade constitucional.

3. O Plano da Criação Divina

8

OS TRÊS PRINCÍPIOS CÓSMICOS DE DEUS 1º princípio: 2º princípio: 3º princípio: INCRIADO GERANTE CRIADO
OS TRÊS PRINCÍPIOS CÓSMICOS DE DEUS
1º princípio:
2º princípio:
3º princípio:
INCRIADO GERANTE
CRIADO GERANTE
CRIADO IMANENTE
 A Unidade Cósmica
 O Cristo Cósmico
Agente da ação que plasma o
 O Espírito Eterno
 O Amor que estabelece o
equilíbrio entre os opostos
Pensamento Divino no desejo do
 O
Pensamento
Original
Cristo Cósmico (concebe com a
Cósmico
 A Mente Abstrata do Supremo
 Cimento que une o
Pensamento Cósmico à
forma
energia virgem para a gestação na
matéria)
CRIADOR
(ATIVIDADE CRIADORA)
ALENTO ANIMADOR
(ATIVIDADE SUSTENTADORA)
AGENTE EXECUTOR
(ATIVIDADE PRESERVADORA)
O pensamento abstrato fora de
O pensamento divino derramado
O Pai Criador Absoluto
Deus, manifestado como criação
pela ação de agentes cósmicos
na Criação como Inteligência, Vida
e Amor
ESFERA DO
PENSAMENTO DIVINO
ABSTRATO:
ESFERA DOS AGENTES
CÓSMICOS CRIADORES
DE MUNDOS:
ESFERA DAS
MANIFESTAÇÕES
DO ESPÍRITO DIVINO
NA CRIAÇÃO:
associado aos Arcanjos, Devas
associado
aos Anjos ou Devas
Deus em sua mais pura essência
Maiores, Cristos, Logoi, O Verbo
Menores
ou Engenheiros Siderais
Uma água quente, perfumada e colorida mantém intacta sua estrutura original de líquido, comparação onde
a água representa Deus, seu calor “o espírito”, o perfume “a energia” e o colorido “a matéria” (forma, cor).
O
ASPECTO TRIFÁSICO DA MANIFESTAÇÃO DIVINA NO COSMO
1º aspecto: ESTÁTICO
(de equilíbrio)
“ESPÍRITO”
2º aspecto: DINÂMICO
(de movimento)
“ENERGIA”
3º aspecto: MORFOLÓGICO
(de forma)
“MATÉRIA”
PENSAMENTO
O Pensar Divino
VONTADE
O Arquétipo Divino
AÇÃO
O Materializar Divino
As principais religiões da maioria dos povos, sob invólucro místico e religioso, sempre proclamaram os três
aspectos de Deus como derivados e não “divididos” da mesma Unidade, não podendo ser simplesmente
encarados como uma união de três pessoas numa só entidade divina.
OS TRÊS ASPECTOS DA MANIFESTAÇÃO DIVINA EM DIFERENTES CRENÇAS
religião
1º princípio
2º princípio
3º princípio
CATOLICISMO
Pai
Filho
Espírito Santo
HINDUÍSMO
Brahma
Vishnu
Shiva
BUDISMO
Amittaba
Alavokite Shavara
Naudjousri
EGÍPCIOS
Osíres
Ísis
Hórus
BABILÔNIOS
Ea
Ishtar
Thamus
GREGOS
Zeus
Demétrio
Dionísio
ASSÍRIOS
Baal
Astarté
Adônis
PERSAS
Orzmud
Ariman
Mithra

3. O Plano da Criação Divina

9

GERMANOS e CELTAS

Voltan

Friga

Dnar

A pedagogia sideral ensina que há três princípios cósmicos, uníssonos, que constituem o próprio Deus, três

manifestações absolutas do Ser Supremo, e que não devem ser confundidos como sendo outras entidades criativas e governantes isoladas do Cosmo.

primeiro princípio está associado ao

O

aspecto Criador, a Mente Abstrata da própria divindade, ou seja, Deus em sua essência mais
aspecto Criador, a Mente Abstrata da
própria divindade, ou seja, Deus em sua
essência mais pura.
O Cristo Cósmico é o segundo princípio
emanado de Deus que, na forma do Amor,
serve de coesão entre o seu Pensamento
Original Incriado e os mundos que os
Arcanjos ou Engenheiros Siderais revelam
sob a Vontade Divina. Ele significa o
estado absoluto do Amor no Cosmo,
cimento de coesão entre os astros e a luz
pura que alimenta o amor entre os seres.
É o elo entre o pensar interno e o existir
exterior; é o canal que, no Cosmo e no
seio do próprio Absoluto, une as duas
margens externas da Criação: o Deus Pai
(pensamento incriado) ao Deus - Espírito
Agente, sua própria emanação na
configuração material, de que a matéria é
apenas vestimenta de Sua Idéia
Fundamental e cuja vontade é transmitida
pelo Cristo Cósmico.
O terceiro princípio, associado à ação
plasmando-se na forma, materializa a
Vontade de Deus pelo seu Pensamento
Incriado, recebendo o “sustento” através do
Cristo Cósmico, o segundo princípio, e
desce vibratoriamente até a configuração
material.
Quando isso ocorre, o terceiro princípio compõe a forma física ou incorpora-se como energia acumulada,
atingindo a vibração letárgica da expressão-matéria, fazendo o descenso até o existir exterior. Os
espiritualistas do Oriente denominam a Força Criadora do Universo pelo termo “LOGOS UNIVERSAL” , a
força ativa da Criação, em atividade criadora, sustentadora e preservadora do ciclo evolutivo de cada ser.
Brahm é a inteligência, é o comando e por assim dizer, a parte intelectual dirigente da Força criadora, ao
passo que o Logos Universal é a manifestação ativa dessa força; são duas maneiras de designar aspectos
diversos de uma única força.
É a Força Irradiante responsável pela vida, da qual tudo parte e para a qual tudo retorna, que o homem se

dirige em prece, quando invoca forças para a realização de seu destino de luz, ansiando pela paz e pela harmonia, e para onde se sente irresistivelmente atraído, quando atinge o término do período básico da consciência individual, sob o clamor interior da necessidade de uma integração ao seio do Eterno.

A essa Força Criadora que as escrituras Sagradas se referem quando afirmam que “no princípio era o

Verbo” e, após mostrarem ao homem de onde surgiu sua essência, passam os profetas a dar recomendações que lhe permitirão voltar ao seio do Criador, assinalando a utilidade das normas de conduta que proporcionam a felicidade do retorno ao ponto de partida: Deus ou O Logos Universal.

Deus, em seu aspecto transcendente, é incognoscível para a compreensão e o entendimento humano. Deus Imanifestado, o Absoluto, o Inimaginável, só pode ser cognoscível quando toma um estado relativo

3. O Plano da Criação Divina

10

com Ele mesmo, transformando-se na Sua própria manifestação, o Universo, com sua infinidade de corpos celestes. Esse Universo, com tudo o que Nele se contém, é a expressão de Sua Vida Consciente.

Deus Imanifestado ou Transcendente = O Absoluto = O Logos Cósmico ou Universal

Deus é sempre uma Unidade, mas quando anima um Universo (passagem do Imanifestado para o
Deus é sempre uma Unidade, mas quando anima um
Universo (passagem do Imanifestado para o
Manifestado), o Uno o faz como uma trindade, com
três modos fundamentais de manifestação.
Quando o Logos Cósmico toma um estado relativo
consigo mesmo, cria no Plano da Mente Divina a
Ideação Cósmica, com todas as transformações que
advirão, do princípio ao fim.
Cria o arquétipo de todas as formas, forças e
estágios de evolução, nos mínimos detalhes, por
onde há de se desenvolver aquilo que se chama
Vida, ou seja, cria o esquema evolucionário do Seu
Sistema: o campo da evolução Logóica.
Depois escolhe a porção do espaço destinado ao
Seu Grande Plano de Evolução, onde nascerá toda a
matéria diferenciada que existe no Cosmo.
Nada existia ainda nesse espaço, formado de éter primordial ou raiz da matéria (Mûlaprakriti entre os
orientais), mais apropriadamente chamado de Kóilon, a negação da matéria, segundo a Teosofia.
4.1 O TRABALHO DO TERCEIRO ASPECTO DO LOGOS
Começa então pelo Terceiro Aspecto do Logos, a Grande Mente Universal, a construção propriamente dita
dos sete planos cósmicos, cada um com os respectivos sete subplanos, através do que se conhece como
Força-Matéria ou “Fohat”.
Antes da construção do Plano Físico, são construídos os planos hiperfísicos.
Depois de criados os sete planos cósmicos, o Terceiro Aspecto do Logos cria os sete subplanos de cada
plano. O primeiro subplano de cada plano cósmico, o mais elevado vibratoriamente, é sempre constituído de
átomos simples, enquanto os demais subplanos são formados das combinações desses átomos em
moléculas.

Dentro do Kóilon (o espaço primordial, vazio de matéria), o Terceiro Logos derrama sua poderosa energia e abre vários pontos luminosos ou bolhas, que vêm a constituir vários pontos de sua consciência, porquanto cada bolha ou ponto de luz só existe enquanto Ele conservar afastado o Kóilon que o envolve.

A matéria no Cosmo, tal como é conhecida, nada mais é do que “buracos” no éter primordial.

3. O Plano da Criação Divina

11

Em conseqüência, o átomo mais simples do plano físico não é constituído de matéria, mas de infinitos pontos de consciência do Terceiro Aspecto do Logos, numa disposição, numa trajetória orbital particular, para poder realizar um trabalho por Ele determinado: a construção do Plano Físico.

um trabalho por Ele determinado: a construção do Plano Físico. . GETER - Introdução ao estudo

3. O Plano da Criação Divina

12

Depois da formação dos estados atômicos de matéria, em cada um dos diferentes planos da natureza, o Terceiro Aspecto do Logos (ou terceiro aspecto da Trindade), o Doador da Vida, submerge no mar de matéria virgem do espaço e, em razão de sua vitalidade (Fohat, a Força – Matéria), desperta nos átomos de matéria atômica novas possibilidades ou poderes, que darão como resultado a formação das subdivisões de cada plano cósmico.

No plano físico, o subplano mais elevado é formado de átomos simples de duas naturezas: átomos positivos

e átomos negativos; pela combinação desses dois tipos de átomos, são construídos ou formados os

subplanos restantes, além do atômico, a saber: subatômico, superetérico, etérico, gasoso, líquido e sólido.

4.2 O TRABALHO DO SEGUNDO ASPECTO DO LOGOS

Quando os sete planos cósmicos, com seus sete subplanos estão formados, após Fohat eletrificar essa
Quando os sete planos cósmicos, com seus sete subplanos estão formados, após Fohat eletrificar essa
matéria, e os átomos se combinarem em moléculas, começa o trabalho do Segundo Aspecto do Logos, a
Segunda Emanação como Vida-Forma, através da energia conhecida como Prâna, energia ou fluido vital.
Através do Prâna, a Vida do Segundo Logos anima todos os planos e subplanos cósmicos, fazendo com
que toda a matéria que os constitui se torne apta para construir formas, a fim de abrigar a maravilhosa
qualidade chamada Vida.
Essa Vida do Segundo Aspecto do Logos modela a matéria dos diferentes planos, nas mais variadas
formas, e cada forma persiste (sobrexiste), tem duração, enquanto essa Vida Divina, a Segunda Emanação,
mantiver nela a matéria.
Surge, então pela primeira vez nesse Universo, o fenômeno do aparecimento e do desaparecimento,
porquanto uma forma nasce em razão da Vida do Segundo Logos ter um plano evolutivo para realizar por
Seu intermédio.
A
forma de vida cresce quando esse plano prossegue até um determinado limite, e entra em decadência
quando o Segundo Aspecto do Logos vai retirando Sua Vida da forma, para finalmente morrer ou
desaparecer quando a Vida do Segundo Logos se retirar da forma a que animava, para ir constituir ou
construir uma nova forma, mais apta para evoluir em novas experiências e novas adaptações.
Essa Segunda Emanação, através de Prâna (Vida – Forma), recebe diferentes nomes nas diversas fases de
sua “descida” à matéria:
Em conjunto, denomina-se Essência Monádica, principalmente quando está envolta unicamente
em matéria atômica dos diferentes planos.
Quando anima matéria não atômica (já combinada em moléculas), denomina-se Essência
Elemental, nome dado pelos ocultistas medievais, que o atribuíram à matéria constitutiva dos
corpos dos Espíritos da Natureza, que por eles eram chamados de Elementais.
Quando a Essência Elemental anima os três subplanos superiores do Plano Mental, denomina-se
Primeiro Reino Elemental Mental Abstrato.
Depois de se desenvolver ao longo de um enorme período de tempo (uma “Cadeia de Evolução”),
passa a animar os quatro subplanos inferiores do Plano Mental, sendo então chamada Segundo
Reino Elemental Mental Concreto; neste grau, a Essência é também conhecida como “Essência
Elemental Mental”.

Na etapa seguinte, passa a animar o Plano Astral, quando fica conhecida como Terceiro Reino Elemental Astral.

Esses três Reinos Elementais, em várias manifestações de diferentes formas de vida, juntamente com os reinos mineral, vegetal e animal, se constituem nos Reinos da Natureza. Tanto a Essência Elemental Mental, como a Astral, estão ligadas intimamente aos corpos ou veículos de consciência do homem, e logicamente à sua evolução.

3. O Plano da Criação Divina

13

A Essência Elemental se encontra no arco descendente, impropriamente conhecido como “involução”, pois

seu progresso evolutivo consiste em “descer” às formas de matéria mais densas, para aprender a se expressar por intermédio delas. Para o Homem, a evolução se verifica no sentido oposto, ou seja, depois de haver se aprofundado na matéria mais densa, começa a elevar-se na direção do Grande Fonte da qual proveio. Dessa forma, lenta e gradualmente, essa corrente de Vida flui através dos diferentes planos, permanecendo em cada um deles um período de tempo correspondente a um intervalo que dura muitos milhões de anos terrestres (uma Cadeia de Evolução).

A Vida do Segundo Logos, através da Segunda Emanação (Vida – Forma), não só vivifica
A Vida do Segundo Logos, através da Segunda Emanação (Vida – Forma), não só vivifica os diferentes
planos cósmicos, trazendo à existência os diferentes reinos de vida, como também põe em atividade as
mônadas que, do Plano Anupádico, esperam que os outros planos inferiores estejam preparados para poder
iniciar o seu trabalho.
A Segunda Emanação, a Vida do Segundo Aspecto do Logos, toma a matéria vivificada pela
Primeira Emanação, do Terceiro Aspecto do Logos, modela-a e anima-a lenta e gradualmente,
para formar os três reinos elementais, e finalmente os reinos mineral, vegetal e animal.

Dessa forma, a matéria vivificada por Fohat (1ª Emanação, do Terceiro Logos) recebe Prâna (2ª Emanação, do Segundo Logos), operação que resultou no dogma maior do Cristianismo: “O Filho encarna por obra e graça do Espírito Santo na Virgem Maria”.

4.3 O TRABALHO DO PRIMEIRO ASPECTO DO LOGOS

O sétimo e último reino, o hominal ou humano, é criado pela descida da Vida do Primeiro Aspecto do Logos,

quando da individualização da Mônada no reino animal. Mônadas (Átomos – Vida ou “Jivas”) são unidades

3. O Plano da Criação Divina

14

de consciência geradas dentro da Vida Divina por um ato de Vontade do Primeiro Aspecto do Logos, antes que esteja formado na Ideação Cósmica um Campo de Evolução (um Grande Plano ou Universo Imanente).

As Mônadas são os filhos que moram desde o princípio de ima idade criadora no seio do pai; são originárias do Primeiro Aspecto do Logos.

As Mônadas são idênticas ao pai quanto à sua Divindade, mas inferiores quanto à natureza humana. Da condição estática, envolvendo todas as potencialidades divinas, chegam à condição dinâmica desenvolvendo todos os poderes divinos.

A morada das Mônadas é o Plano Anupádico ou Monádico (Paranivânico), embora as raízes de
A morada das Mônadas é o Plano Anupádico ou Monádico (Paranivânico), embora as raízes de sua vida
estejam no Plano Ádico ou Divino (Mahaparanirvânico), pois são originárias do Primeiro Aspecto do Logos.
No Plano Anupádico, a Mônada é onipresente e onisciente, porém é inconsciente nos demais planos e,
através de sua involução até a matéria, chegará a ser onisciente e onipresente em todos os planos
cósmicos, para que, no final de sua evolução, no decurso de idades sem conta, se torne um Logos Criador,
produzindo de si mesma universos futuros.
AS TRÊS EMANAÇÕES DO LOGOS (MANIFESTAÇÃO DIVINA NO COSMO)
1º aspecto do Logos
2º aspecto do Logos
3º aspecto do Logos
VIDA - FORMA
FORÇA - MATÉRIA
3ª Emanação:
2ª Emanação: PRÂNA
1ª Emanação: FOHAT
PRINCÍPIO ESPIRITUAL OU
PRINCÍPIO INTELIGENTE
PRINCÍPIO VITAL
PRINCÍPIO MATERIAL
5. AS HIERARQUIAS ESPIRITUAIS, OS ENGENHEIROS SIDERAIS E O SEU PAPEL
NO PLANO DA CRIAÇÃO
A consciência espiritual de Deus é o único Comando, controle e fundamento do Universo! As galáxias,
constelações e sistemas planetários e os diversos reinos da Natureza, que constituem os orbes físicos, são
manifestações ou materializações deste Psiquismo Cósmico em sua descida vibratória criativa.
Nesse processo, Ele pode dispor de tantos centros de governo psíquico, no macro ou no microcosmo,
conforme sejam as características criadoras exigidas nos campos, sistemas ou quaisquer unidades de Vida.
Em verdade, Deus serve-se dos seus próprios filhos para exercer esse governo disciplinado e criativo
universal, uma vez que eles são potencialmente o próprio Cosmo em miniatura.

Os Espíritos são uma das Potências da Natureza e os instrumentos de que Deus se serve para a execução de seus desígnios providenciais (a Providência Divina) em todos os níveis siderais.

Toda a obra Divina só é concretizada graças à infinita e imensurável hierarquia espiritual de elevada estirpe, poder e sabedoria, que cria, disciplina e aperfeiçoa os mundos em cada “Grande Plano” ou “Manvantara” da Criação, com seu limite extremo superior situado na própria Consciência Espiritual de Deus e o extremo inferior na consciência do próprio homem.

de Deus e o extremo inferior na consciência do próprio homem. . GETER - Introdução ao

3. O Plano da Criação Divina

15

Deus, a Mente Criadora, faz cumprir a sua Vontade através de seus prepostos, mantendo o Cosmo em incessante atividade criadora, obra só concretizada graças à hierarquia de construtores, que se inicia nos espíritos arcangélicos e decresce até se findar no próprio homem limitado no mundo.

Esse é o motivo porque a história religiosa iniciática e esotérica do mundo terreno sempre admitiu a imagem de Deus cercado de uma corte refulgente de entidades de aparência luminosa, a cumprir-lhe a vontade augusta e única. Para a tradição católica, por exemplo, há O Senhor, sentado no “Trono Divino”, rodeado dos seus Anjos; já as religiões orientais conhecem esses seres radiantes por “Devas”. Os povos orientais antigos e os primitivos celtas mostravam-se familiarizados com a idéia da existência de “deuses” que rodeavam o “Trono do Senhor”, incumbidos das criações e providências mais avançadas e complexas do Universo. Em face de sua aparência harmoniosa e muitíssimo refulgente, que ressalta desses “deuses” tradicionais, reconhecíveis por exímios clarividentes, eles são conhecidos pela denominação de “DEVAS”, que em Sânscrito significa “seres brilhantes”.

Os Devas operam na Criação como prepostos de Deus, e são espíritos que se burilaram
Os Devas operam na Criação como prepostos de Deus, e são espíritos que se burilaram nas lutas
reencarnatórias, habitando e se aperfeiçoando nas diversas moradas do Pai. Os “Devas Maiores”
correspondem aos Arcanjos da tradição religiosa ocidental, e os “Devas Menores” equivalem aos Anjos.
O Arcanjo ou Deva Maior, projeta, cria, coordena e ratifica toda a atividade criadora e progressiva, por
exemplo, de toda uma constelação, enquanto os Anjos ou Devas Menores, sustentam cada orbe dentro do
esquema Arcangélico. Em conseqüência, a ação angélica pode ser mais íntima e sutil, ou mais periférica e
indireta, tanto quanto for a natureza e o aprimoramento de cada reino ou espécie onde ela atua.
As galáxias, constelações, os sistemas planetários, orbes e satélites são núcleos de vida psíquica que
transitam pelo Cosmo sob o comando de entidades siderais arcangélicas e angélicas que lhes penetram a
intimidade física com seu sublime psiquismo.
As auras dos espíritos angélicos e arcangélicos extravasam além dos
sistemas siderais (galáxias, constelações, etc.) a que dão forma.
Na sua incessante “descida vibratória”, o Psiquismo Cósmico, que atua e interpenetra todo o Universo,
possui as suas “subestações” de transformadores psíquicos, em ordem decrescente e conforme as
necessidades dos departamentos da vida “psicofísica”.

3. O Plano da Criação Divina

16

As indescritíveis consciências arcangélicas e angélicas, que lembram fabulosos transformadores vivos e receptivos à
As indescritíveis consciências arcangélicas e angélicas, que lembram fabulosos transformadores vivos e
receptivos à elevada voltagem divina do Criador, passam dessa forma, a ser doadores de energia sideral
mais reduzida e adaptada às consciências menos capacitadas. O Psiquismo Cósmico, nessa transformação
de voltagem sideral, e sem qualquer alteração em sua Unidade Eterna, atinge, dessa forma, todos os
núcleos de consciência e de vida.
Essas inteligências siderais absorvem e reduzem o “Potencial Virgem” do Criador para que o espírito
imortal se situe na percepção consciencial humana e possa recepcionar o “quantum” exato de luz que
deve alimentar-lhe o psiquismo e a noção diminuta de “ser” ou de “existir”, num fantástico processo de
integração de todas as partes do Cosmo ao Criador, desde as suas mais remotas partículas componentes.
Há uma intercomunicação criativa que pulsa incessantemente desde Deus e interpenetra todo o
Cosmo, a unir em ordem decrescente vibratória, desde a consciência arcangélica até a consciência
humana no reino hominal. O UNO ESTÁ NAS PARTES, E AS PARTES INTEGRADAS NO UNO !

Nesse descenso psíquico procedido pela Consciência Cósmica através das galáxias, constelações e orbes, vão se elaborando, pouco a pouco, numa síntese regressiva, os próprios núcleos das futuras consciências humanas.

5.1 O PAPEL DOS DEVAS MAIORES

O comando psíquico arcangélico de uma constelação, conhecido por “Deva Maior” entre os orientais, ou ainda Arcanjo ou Logos Constelatório, atua intimamente nas fímbrias de todas as atividades físicas e psíquicas se cada orbe habitado, ou em elaboração para futura moradia planetária, dessa constelação.

3. O Plano da Criação Divina

17

Os Arcanjos ou Devas Maiores são os agentes onipresentes e superfísicos da Vontade Criadora do Pai, senhores e diretores de todas as energias, leis, princípios e processos galaxiais, constelatórios, solares, interplanetários e planetários.

Embora o pensamento puro do Onipotente seja o princípio de todas as coisas e de todos os seres, existem elos intermediários entre o “pensar” e o “materializar” divino, que se constituem de leis vivas, operantes e imutáveis, que dão origem à matéria e à energia condensada.

Esses conjuntos e leis vivas são Espíritos Arcangélicos, verdadeiros “Engenheiros Siderais”, que apreendem o pensamento divino e o revelam no plano denso da Criação. São entidades dotadas do poder e da força criadora, situados no Plano Anupádico, plano cósmico imediatamente abaixo do Plano Divino, os mais altos intermediários do pensamento incriado do Absoluto.

Essas Inteligências Divinas, como agentes diretos de Deus, pois vibram em perfeita sintonia com a
Essas Inteligências Divinas, como agentes diretos de Deus, pois vibram em perfeita sintonia com a Mente
Divina, corporificam e emitem ondas sucessivas de energia criadora inteligente, que se projetam nos
espaços, criando os átomos, germes de vida, que potencializam energias, inteligência e amor, os quais se
aglomeram e multiplicam dentro das leis divinas pré-existentes, formando os mundos materiais e seus
seres.
São os agentes inteligentes que animam, santificam e presidem a formação de Universos e galáxias, e que,
a seu turno, delegam poderes a agentes seus: os CRISTOS ou LOGOI (“Logoi”: plural de Logos), que, como
VERBOS DIVINOS, corporificam seus pensamentos, executando a criação de planetas, satélites e astros
em geral (dos diferentes sistemas planetários), de que passam a ser seus governantes espirituais.
Os Engenheiros Siderais são entidades espirituais de elevada hierarquia no Cosmos que
interpenetram o pensamento de Deus e o plasmam na forma dos mundos e de suas humanidades !
Através da ação dinâmica do VERBO, “o pensamento fora de Deus”, aquilo que permaneceria em
condições abstratas na mente Divina, revela-se na figura de mundos exteriores.
Os Engenheiros Siderais são os “reveladores”, na forma tangível, daquilo que pré-existe eternamente no
mundo interior, mental e virgem de Deus; são intermediários submissos e operantes dessa Vontade
Absoluta e Infinita, para fazê-la pousar até nas rugas das formas dos mundículos microcósmicos.
Eles sustêm em suas auras imensuráveis a consciência física dos mundos e a consciência somática
espiritual de cada humanidade.
Cada uma dessas Consciências Arcangélicas, que abrange um orbe, sistema planetário ou galáxia, “sabe”
e “sente” quais as necessidades evolutivas das humanidades ali existentes, assim como a consciência
humana, situada no cérebro físico, sente todas as carências do corpo e providencia-lhe os socorros para a
sua sobrevivência.

Os Arcanjos Siderais consolidam os mundos e os alimentam em suas primeiras auras constelatórias ou planetárias, e ainda condensam e avivam as centelhas espirituais descidas do seio da Divindade até o microcosmo, e ativando-lhes a dinâmica ascensional.

Todas as formas de vida estão impregnadas dos princípios espirituais: tudo tem alma e tudo evolui para estados mais sublimes, desde o elétron que rodopia no seio do átomo até as galáxias que giram e se arrastam em permanente afastamento mútuo.

Os Engenheiros Siderais presidem a ascensão de todas as coisas e seres para a Ventura Eterna.

3. O Plano da Criação Divina

18

Os Arcanjos Construtores são os “Divinos Condensadores” que se interpõem entre a Luz Máxima, refulgente de Deus, cujo potencial virgem e poderoso desagregaria os espíritos a ela diretamente submetidos e ainda incapacitados de suportar energia tão elevada, e a graduam pouco a pouco, dosando-a até ajustar-se ao nível do homem, através de suas próprias Consciências hemisféricas, galáxias constelatórias, planetárias e mesmo as que operam no comando dos quatro elementos da matéria, nos reinos da natureza, nos continentes e raças humanas.

A série hierárquica dessas entidades, que agrupam em si mesmas o potencial mais alto e depois o

transmitem à faixa vibratória mais reduzida em suas próprias auras conscientes, é que permite logicamente

o crescimento e a ascensão do espírito humano para a sublime angelitude.

Através de sua vibração altíssima e impossível de qualquer receptividade humana, cuja luz e energia criativa, ao incidir diretamente, pulverizaria qualquer ser, o Arcanjo ou Deva Maior é o campo vibratório de toda vida e aperfeiçoamento do sistema planetário onde atua.

Por exemplo, o Arcanjo ou Logos Solar é a consciência psíquica mais evoluída do Sistema
Por exemplo, o Arcanjo ou Logos Solar é a consciência psíquica mais evoluída do Sistema Solar, a nossa
constelação em particular, e vibra na intimidade de todos os planetas, orbes e satélites que o constituem.
O Sol do nosso sistema planetário é o local exato em que atua a consciência do Arcanjo, Engenheiro,
Construtor ou Logos da Constelação Solar, que é o alento e a própria Vida de todo o conjunto de seus
planetas, orbes, satélites ou poeiras siderais, inclusive todos os seres e as coisas viventes em suas crostas
materiais.
Esse Logos não se situa num local ou latitude geográfica do Cosmo; o que o distingue principalmente é o
seu estado espiritual vibratório, inacessível ao entendimento humano, e que está presente e interpenetra
todo o campo constelatório solar que emanou de si mesmo, em harmoniosa conexão com as outras demais
constelações e galáxias que se disseminam pelo Cosmo, e que são, por sua vez, presididas por outras
consciências arcangélicas, formando progressivamente a inconcebível humanidade sideral.
À imagem e semelhança do Logos Cósmico, o Logos Solar é também uma trindade quando anima, quando
transforma de Si Mesmo, um sistema de evolução.
Desde o astro solar até a órbita do planeta mais distante de um sistema planetário, sua
respectiva Consciência Arcangélica se estende em todos os sentidos e coordena todas
as ações que ocorrem nesse campo de vida, sob a supervisão excelsa da Mente Divina.
Por sua vez, cada orbe físico de um sistema planetário possui o seu “Deva Menor” ou Logos Planetário, que
sob a ação e comando do Arcanjo do sistema planetário global, cumpre o desígnio criador em semear a
vida e incentivar o progresso de todos os reinos sob o seu governo.
O Arcanjo Constelatório projeta, cria, coordena e retifica toda a atividade criadora e progressiva de toda a
constelação ou sistema planetário, enquanto os “Devas Menores” sustentam cada orbe do esquema
arcangélico. Há um incessante intercâmbio entre as consciências menores, situadas nos reinos inferiores, e
as maiores, que interpenetram sistemas e galáxias, sob a vigilância e a coordenação da Consciência Infinita

e Eterna de Deus:

Não cai um só fio de cabelo ou uma só folha da árvore sem que Deus o saiba!

Muitas criaturas abandonam-se à Intuição e confiam plenamente na Providência Divina porque sabem que, através da escadaria infinita de consciências graduadas no Cosmo, a mais sutil aspiração humana consegue sua realização, de conformidade com o seu merecimento espiritual.

3. O Plano da Criação Divina

19

Através do oceano etérico concentrado pela sua Consciência Mental e que banha e interpreta também as fímbrias dos átomos dos mundos que condensou em si mesmo, o Logos Solar também atua na consciência dos outros Arcanjos menores que corporificam os planetas e os governam em espírito, numa inconcebível operação harmônica da consciência constelatória, ao comandar instantaneamente as humanidades que palpitam em seus mundos constituintes, e que apresentam os mais variados matizes conscienciais.

O Logos Solar é o condensador sideral que absorve a energia demasiadamente poderosa, proveniente da

Mente Divina, e retém em si o “quantum” sideral inalcançado pelos espíritos menores.

Os Logoi Solares concretizam, na forma de sistemas planetários, viveiros de almas sedentas de ventura, uma das peças componentes da engrenagem cósmica que faz parte de um Grande Plano.

No caso, em particular, de nosso Sistema Solar, o conjunto de orbes, satélites e asteróides
No caso, em particular, de nosso Sistema Solar, o conjunto de orbes, satélites e asteróides em torno do Sol
significa o “corpo astro-físico” do respectivo Arcanjo Solar, cuja consciência espiritual é independente da
maior ou menor extensão desse sistema planetário, que é apenas seu prolongamento ou sua emanação,
assim como o corpo físico é apenas o prolongamento, instrumento ou emanação do espírito humano
encarnado na Terra.
Assim como as humanidades do Sistema Solar vivem mergulhadas na Essência Imortal do Logos Solar, que
interpenetra todo o cortejo de nossa constelação, também ele se situa intimamente inserido na aura de
outro espírito imensurável que, por sua vez, se liga a outro maior, e assim sucessivamente, até cessar o
poder conceptual em Deus, que é a última e absoluta Consciência Universal.
O
refulgente Arcanjo Solar de nosso sistema planetário situa o seu comando no núcleo do Sol porque este é
o
centro “astro-físico” da constelação, do qual emanam todas as ações e providências necessárias para o
governo de seus mundos e humanidades em evolução.
Sua aura abrange todo o Sistema Solar e nutre todos os seres nele pululantes que materializam a Sua
Vontade na matéria; é uma entidade viva, pensante e progressiva, inconcebivelmente mais viva do que
qualquer um dos mais evoluídos seres a ele afetos, e faz a conexão perfeita entre todos os liames de ação
e de vida em nossa constelação.
Se, numa comparação, o corpo físico do homem fosse a figura de
Deus, então a consciência e a luminosidade áurica de um Arcanjo
Sideral seria do tamanho da aura do núcleo de um átomo desse corpo!
Não se deve confundir o “corpo sideral” material e visível de um Espírito ou Engenheiro Sideral, centrado
num sistema planetário, com sua “consciência sideral”, do qual o primeiro é apenas o seu prolongamento no
plano físico, e que pode ser desintegrado sem que ele fique reduzido em sua consciência, da mesma forma
que o espírito humano sobrevive à desintegração de seu corpo físico de uma dada reencarnação.
Em termos alegóricos, Deus, como Espírito Criador do Cosmo, realmente deve considerar
que os mundos emanados de si são como o seu próprio corpo físico no plano material.
si são como o seu próprio corpo físico no plano material. Nesse sentido, se o Onipotente

Nesse sentido, se o Onipotente for simbolizado como sendo uma infinita esfera translúcida pejada de mundos e orbes que flutua disciplinadamente em seu seio, essa esfera pode ser subdividida mentalmente em dois hemisférios iguais, duas partes exatas.

Embora Deus continue integralmente em toda a Esfera Infinita, essa simples divisão conceitual em dois hemisférios implica em se perceber a necessidade de dois comandos espirituais: duas novas consciências na figura de dois “condensadores siderais”, que devem então graduar o altíssimo potencial e a ilimitada energia de toda a esfera, a fim de situar as cotas correspondentes de cada hemisfério, que passam a ter vida à parte, nessa comparação, embora sem sair de Deus.

3. O Plano da Criação Divina

20

Surgem, portanto, os dois Arcanjos Hemisféricos Siderais, que a vontade de Deus situa em termos conscienciais imediatamente abaixo de sua Vontade Infinita, e que atenderão a todas as necessidades da nova vida em agitação nesses hemisférios da hipotética Esfera Divina. Ao se continuar mentalmente subdividindo esses hemisférios, cada Arcanjo correspondente subdividir-se-á em outras duas consciências menores às quais eles também transmitirão sua vontade e poder criador, mas sempre as abrangendo, pois serão criações conscienciais de si mesmos.

Nessa suposta ordem decrescente e redutora, a Fonte Máxima de Energia, que é Deus, desce vibratoriamente e vai compondo novas consciências cada vez menores, sem que por isso fique fora delas, terminando por compor as galáxias, os sistemas estelares, os orbes, os satélites, asteróides e poeiras siderais, onde se reconhece a respectiva graduação de subseqüentes consciências espirituais, que comandam, em ordem decrescente, mas sempre obedecem hierarquicamente à imediata vontade mais alta.

Todas as galáxias possíveis de serem evocadas mentalmente formam o corpo de um Arcanjo Cósmico,
Todas as galáxias possíveis de serem evocadas mentalmente formam o corpo de um Arcanjo Cósmico,
que por sua vez coordena harmoniosamente os Arcanjos de cada galáxia; em cada uma delas, o seu
Arcanjo Galaxial controla os respectivos sistemas solares e seus orbes, cujos Arcanjos Solares ou Logoi
Solares disciplinam e provêm cada sistema sob a sua direção mental e espiritual, materializam e alimentam
a substância e os orbes de seus sistemas.
Cada orbe, por sua vez, possui seu Arcanjo Planetário, do qual é o corpo visível, o verdadeiro coordenador
das necessidades dos reinos, seres e coisas ali existentes, e que constitui apenas a materialização exterior
de sua “vontade espiritual”, ligada ao rosário infinito de outras vontades maiores, que se fundem na Vontade
Última, que é Deus.
A Terra, em particular, é a forma visível de uma vontade espiritual que a comanda no seu campo interior e
que a criou sob o ritmo da Vontade Maior, descida do Pai, através dos seus prepostos que afloram cada vez
mais à forma exterior, vontade essa conhecida como Logos ou Cristo Planetário.
O Anjo ou “Deva Menor” é ainda capaz de atuar no mundo material, cuja possibilidade a própria Bíblia
simboliza pelos sete degraus da escada de Jacó, mas o Arcanjo não pode mais deixar o seu mundo divino e
efetuar qualquer ligação direta com a matéria, pois já abandonou, em definitivo, todos os veículos
intermediários (corpos sutis de evolução) que lhe facultariam tal possibilidade.
A fim de poder encarnar-se na Terra, Jesus de Nazaré, espírito angélico ainda passível de atuar nas formas
físicas, teve de reconstituir as matrizes perispirituais usadas noutros mundos materiais extintos. Jesus de
Nazaré, como agente da Entidade sob cuja jurisdição e dependência a Terra se encontra (o Logos
Planetário da Terra), como mundo formado em um sistema planetário, concorreu à formação de nosso globo
e de todos os seres que o habitam, passando a ser Governador Planetário.
O Cristo Planetário é uma entidade arcangélica, enquanto Jesus de Nazaré, espírito
sublime e angélico, foi seu médium mais perfeito na Terra. Cristo é um Arcanjo
Planetário, enquanto Jesus é o Anjo governador da humanidade terrícola.

Jesus é a mais Alta Consciência Diretora da humanidade terrena, mas não do Planeta Terra, porque ainda permanece diretamente em contato psicofísico com as consciências terrícolas encarnadas ou não. Ele é o Elo Divino e o mais lídimo representante de aspecto humano que se liga diretamente à Sublime Consciência do Arcanjo Planetário da Terra.

O Comando Sideral do Sistema Solar (o Logos Solar) atua no Arcanjo do Planeta Terra, e este na imediata

consciência espiritual abaixo de si e em condições receptivas de sentí-lo e cumprir-lhe a vontade no mundo físico: o insigne Jesus.

O mestre angélico, além de ser o Governador Espiritual de nossa humanidade, participou da Assembléia

Sideral em que o Arcanjo Espírito do Planeta Terra mentalizou os planos preliminares para a formação de

nosso orbe, em perfeita conexão com os projetos maiores do Arcanjo ou Logos Solar do Sistema Solar.

3. O Plano da Criação Divina

21

A jurisdição de Jesus assemelha-se a sublime janela viva que se abre na forma material para que o Arcanjo

Planetário “veja” e “sinta” o que deve providenciar em seu interior espiritual para atender à progressiva eclosão das consciências humanas delineadas na matéria terráquea.

Ante a incessante ascensão espiritual de Jesus e o seu conhecimento cada vez mais extenso sobre a consciência coletiva de nossa humanidade, acredita-se que no próximo Grande Plano ele provavelmente se torne um Arcanjo coordenador na criação dos mundos, sob a jurisdição direta de outro Logos Solar. Um Arcanjo, Logos Planetário ou Solar, representa a miniatura de todos os atributos de Deus, como seja a Sabedoria, o Poder, a Vontade, a Justiça e, obviamente, o Amor, que é o princípio crístico.

Durante o período sob cada signo da tradição astrológica relacionada ao planeta Terra, que dura exatos 2.160 anos, é destacado um dos aspectos do Logos Planetário, condizente com o atributo que deve ser desenvolvido e cultuado pela humanidade terrena em evolução durante o período de vigência desse signo.

Como o Amor foi o principal motivo destacado nos atributos do Logos do Planeta Terra
Como o Amor foi o principal motivo destacado nos atributos do Logos do Planeta Terra para ser cultuado
pelo homem, sob a vibração amorosa do signo de Piscis, todas as atividades missionárias e incentivadoras
de nosso mundo atual giram em torno do aspecto CRISTO, ou seja, em torno da manifestação absoluta do
Amor, um dos aspectos sublimes desse Arcanjo Planetário, a ser cultuado à parte, em correspondência com
o favorecimento do magnetismo astrológico em vigor.
O Cristo Cósmico, em sua generalidade, é o Segundo Princípio emanado de Deus que, na forma do
Amor, serve de coesão entre o seu Pensamento Original Incriado e os mundos que os Arcanjos ou
Engenheiros Siderais revelam sob a vontade divina; significa, portanto, o estado absoluto do Amor no
Cosmo, cimento de coesão entre os astros, e luz pura que alimenta o amor entre os seres.
O Cristo revela-se em Deus na plenitude do Amor Eterno; o Cristo
Galaxial é o próprio Logos ou Arcanjo das galáxias, mas destacado na
sua expressão de Amor sobre os seus demais princípios de Poder,
Sabedoria e da Vontade criadora. O Cristo Solar também é o mesmo
Logos Solar, porém acentuado sideralmente no princípio do Amor e
distinguido do Poder, da Vontade e da Sabedoria Solar. O Cristo da
Terra, conseqüentemente, é a expressão absoluta do Amor do próprio
Arcanjo de nosso planeta.
A ação angélica pode ser mais íntima e sutil, ou mais periférica e indireta, tanto quanto for a natureza e o
aprimoramento de cada reino ou espécie onde ele atua.
5.2 A AÇÃO DOS DEVAS MENORES
Os Devas Menores ainda representam um elevado estado do psiquismo Cósmico, mas já se constituem nas
consciências psíquicas que comandam os diversos reinos da natureza (chamados nesse caso de
“Psiquismo Diretor”), e ainda se subdividem em novos sub-comandos instintivos e responsáveis por cada
espécie diferente de mineral, vegetal e animal de cada reino: as “Almas-Grupo” ou “Espíritos-Grupo”.
Os Devas Menores atuam nos diversos reinos da natureza operando intimamente desde o reino mineral,
Os Devas Menores atuam nos diversos reinos da natureza operando intimamente desde o reino mineral,
Os Devas Menores atuam nos diversos reinos da natureza operando intimamente desde o reino mineral,

Os Devas Menores atuam nos diversos reinos da natureza operando intimamente desde o reino mineral, vegetal e animal e principalmente hominal. Senhores do psiquismo, pródigos de sabedoria e poder criativo, eles criam, disciplinam, orientam, aperfeiçoam e sublimam todas as manifestações de Vida nos mais diversos planos e regiões dos orbes físicos.

orientam, aperfeiçoam e sublimam todas as manifestações de Vida nos mais diversos planos e regiões dos
orientam, aperfeiçoam e sublimam todas as manifestações de Vida nos mais diversos planos e regiões dos
orientam, aperfeiçoam e sublimam todas as manifestações de Vida nos mais diversos planos e regiões dos

3. O Plano da Criação Divina

22

Fontes bibliográficas: 1. Maes, Hercílio. O Evangelho à Luz do Cosmo – Obra mediúnica ditada
Fontes bibliográficas:
1.
Maes, Hercílio. O Evangelho à Luz do Cosmo – Obra mediúnica ditada pelo espírito Ramatís. 3 ed. Rio
de Janeiro: Freitas Bastos, 1987.
2.
Maes, Hercílio. O Sublime Peregrino – Obra mediúnica ditada pelo espírito Ramatís. 7 ed. Rio de
Janeiro: Freitas Bastos, 1990.

3. Maes, Hercílio. Mensagens do Astral – Obra mediúnica ditada pelo espírito Ramatís. 9 ed. São Paulo:

Freitas Bastos, 1989.

4. Feraudy, Roger. Umbanda, essa desconhecida – 1 ed. Porto Alegre: FEEU, 1984.