Você está na página 1de 96

Física e Química 11.º ano

Exames Resolvidos

Física e Química 11.º ano Exames Resolvidos 2010-2006 CARLOS JORGE CUNHA FILIPA GODINHO SILVA VITOR DUARTE
Física e Química 11.º ano Exames Resolvidos 2010-2006 CARLOS JORGE CUNHA FILIPA GODINHO SILVA VITOR DUARTE

2010-2006

CARLOS JORGE CUNHA FILIPA GODINHO SILVA VITOR DUARTE TEODORO

Física e Química 11.º ano Exames Resolvidos 2010-2006 CARLOS JORGE CUNHA FILIPA GODINHO SILVA VITOR DUARTE
Física e Química 11.º ano Exames Resolvidos 2010-2006 CARLOS JORGE CUNHA FILIPA GODINHO SILVA VITOR DUARTE
Em 1959, numa conferência célebre com o título There’s Plenty of Room at the Bottom
Em 1959, numa conferência célebre com o título There’s Plenty of Room at the Bottom

Em 1959, numa conferência célebre com o título There’s Plenty of Room at the Bottom (Há imenso espaço lá em baixo), Richard Feynman considerou a possibilidade de manipulação directa de átomos e moléculas. Essa possibilidade está a tornar-se realidade e a abrir novas perspectivas não apenas à Física, à Química e às Ciências dos Materiais em geral mas também à Biologia, à Medicina, à Electrónica e a muitas outras áreas científicas (ver http://en.wikipedia.org/wiki/There’s_Plenty_of_Room_at_the_Bottom). Nas fotos acima: uma pequena esfera de chumbo (dos cartuchos de caça), ampliada 24 vezes e ampliada 9000 vezes. Origem das fotos: Laboratório de Nanofabricação do Departamento de Ciência dos Materiais, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (http://www.fct.unl.pt).

TÍTULO Física e Química 11.º ano, Exames Resolvidos 2010-2006

AUTORES Carlos Jorge Cunha, Filipa Godinho Silva, Vítor Duarte Teodoro

ILUSTRAÇÃO

Vitor Duarte Teodoro. Foto da capa: Shutterstock

CAPA E ARRANJO GRÁFICO

Vítor Duarte Teodoro

PRÉ-IMPRESSÃO PLÁTANO EDITORA

IMPRESSÃO

GRAFO

DIREITOS RESERVADOS

©

PLÁTANO EDITORA IMPRESSÃO GRAFO DIREITOS RESERVADOS © Av. de Berna, 31, r/c Esq. — 1069-054 LISBOA

Av. de Berna, 31, r/c Esq. — 1069-054 LISBOA Telef.: 217 979 278 • Telefax: 217 954 019 • www.didacticaeditora.pt

DISTRIBUIÇÃO Rua Manuel Ferreira, n.° 1, A-B-C — Quinta das Lagoas – Santa Marta de Corroios – 2855-597 Corroios Telef.: 212 537 258 · Fax: 212 537 257 · E-mail: encomendasonline@platanoeditora.pt R. Guerra Junqueiro, 452 – 4150-387 Porto Telef.: 226 099 979 · Fax: 226 095 379

CENTROS DE APOIO A DOCENTES LISBOA – Av. de Berna, 31 r/c – 1069-054 Lisboa · Telef.: 217 979 278 NORTE – R. Guerra Junqueiro, 452 – 4150-387 Porto · Telef.: 226 061 300 SUL – Rua Manuel Ferreira, n.° 1, A-B-C – Quinta das Lagoas – Santa Marta de Corroios 2855-597 Corroios · Telef.: 212 559 970

Exames Resolvidos

Exames Resolvidos 2010 - 1.ª fase 12 2010 - 2.ª fase 18 2009 - 1.ª fase
Exames Resolvidos 2010 - 1.ª fase 12 2010 - 2.ª fase 18 2009 - 1.ª fase

2010

- 1.ª fase

12

2010

- 2.ª fase

18

2009

- 1.ª fase

26

2009

- 2.ª fase

34

2008

- 1.ª fase

42

2008

- 2.ª fase

50

2007

- 1.ª fase

58

2007

- 2.ª fase

68

2006

- 1.ª fase

76

2006

- 2.ª fase

86

PREFÁCIO

Este pequeno livro (pequeno porque tem relativamente poucas páginas mas grande

em formato

resoluções) tem as resoluções de todos os exames do actual programa de Física e Química A do Ensino Secundário.

Assumiu-se que as respostas foram escritas por um(a) aluno(a) “cuidadoso(a)”, que seguia as sugestões que apresentamos sobre resolução de itens de exame na página a seguir. Por vezes, em alguns itens, são adicionados comentários ou esclarecimentos feitos por um(a) professor(a), igualmente “cuidadoso(a)” em dar sentido às respostas.

Os exames de Física e Química A do 11.º ano são geralmente conhecidos como exames difíceis. Estas resoluções permitem a alunos, professores e outros membros da comunidade educativa avaliar se são ou não de facto difíceis.

para poder ter lado a lado o enunciado dos exames e as respectivas

Para facilitar o acesso ao livro, este está também disponível gratuitamente em formato PDF no endereço http://cne.fct.unl.pt/pages/examesfq , com restrição de impressão. Esperamos que assim possa ser útil ao maior número possível de alunos e de professores.

Os autores.

de impressão. Esperamos que assim possa ser útil ao maior número possível de alunos e de
de impressão. Esperamos que assim possa ser útil ao maior número possível de alunos e de

Algumas sugestões (importantes!)

Algumas sugestões (importantes!) Ler com atenção e fazer um (bom!) esquema 1.4.2. Considere uma moeda constituída
Algumas sugestões (importantes!) Ler com atenção e fazer um (bom!) esquema 1.4.2. Considere uma moeda constituída

Ler com atenção

Algumas sugestões (importantes!) Ler com atenção e fazer um (bom!) esquema 1.4.2. Considere uma moeda constituída
Algumas sugestões (importantes!) Ler com atenção e fazer um (bom!) esquema 1.4.2. Considere uma moeda constituída

e fazer um (bom!) esquema

(importantes!) Ler com atenção e fazer um (bom!) esquema 1.4.2. Considere uma moeda constituída por uma

1.4.2. Considere uma moeda constituída por uma liga de prata, cobre e níquel.

20
20

Para determinar a sua composição em prata (Ag), dissolveu-se a moeda, de massa 14,10g , em ácido e diluiu-se a solução resultante, até perfazer um volume de 1000 cm 3 .

cm 3 da solução adicionou-se ácido clorídrico, HC (aq), em excesso, de modo

que toda a prata existente em solução precipitasse na forma de cloreto de prata,

AgC ( M = 143,32g mol 1 ).

O precipitado de AgC foi, então, separado por filtração, lavado, seco e pesado, tendo-se determinado o valor de 0,85 g.

A 100

Calcule a percentagem, em massa, de prata na moeda analisada.

Apresente todas as etapas de resolução.

moeda analisada. Apresente todas as etapas de resolução. 1.4.2 massa da moeda = 14,10 g (prata,
1.4.2 massa da moeda = 14,10 g (prata, cobre e níquel) 1000 cm 3 1
1.4.2
massa da moeda = 14,10 g
(prata, cobre
e níquel)
1000 cm 3
1
100 cm 3
10
solução com os metais
da moeda dissolvidos
Massa do precipitado
de cloreto de prata AgCl = 0,85 g
Massa molar do cloreto
de prata AgCl = 143,32 g/mol
Massa molar da
prata Ag =
107,87 g/mol
No cloreto de prata AgCl há 1 mol de Ag + para 1 mol de Cl –
Massa de prata em 0,85 g de cloreto de prata
AgCl:
107 , .
87 g
m
=
143
, 32 g
0 85 g
,
107 87
, .
g
# 0 85
,
g
m
=
143 32 g
,
= 7 g
0 639
,
= 0 64 g
,
Massa de prata nos 1000 cm 3 de solução em
que se diluiu a moeda:
10 # 0, 640 g = 6, 40 g
Percentagem de prata, em massa, na moeda:
6 40 g
,
#
100
=
45, 39%
= 45%
14 10 g
,
Ler a questão não é a mesma coisa
que olhar para as “letras”! Ler é
um processo activo: sublinha-se,
regista-se, selecciona-se,
esquematiza-se.
O esquema pode representar objectos

e quantidades, sempre que possível

respeitando as respectivas proporções, de modo aproximado.

Por vezes, pode ser útil fazer um

esquema com várias fases (e.g., antes

e depois; num tipo de situação e noutro tipo; etc.)

Estimar a solução

tipo de situação e noutro tipo; etc.) Estimar a solução 2.2.3. Os satélites do sistema GPS
tipo de situação e noutro tipo; etc.) Estimar a solução 2.2.3. Os satélites do sistema GPS

2.2.3. Os satélites do sistema GPS deslocam-se a uma velocidade de módulo 3,87 × 10 3 m s 1 .

10
10

Determine o tempo que um sinal electromagnético, enviado por um desses satélites, leva a chegar ao receptor se o satélite e o receptor se encontrarem numa mesma vertical de lugar.

Apresente todas as etapas de resolução.

raio da Terra = 6,4 × 10 6 m

2.2.3

v

=

3,87

#

3

10 m/s

Distância d do satélite ao solo:

r

d

d = raio da órbita do satélite – raio da Terra

Terra

= r – 6,4 #

10 6 m

 
 
Como sabemos a velocidade do satélite, podemos calcular o raio da sua órbita:

Como sabemos a velocidade do satélite, podemos calcular o raio da sua órbita:

 

dist ncia percorrida numa volta completa

â

 

v

=

tempo que demora a percorrer a volta completa

2

#

r

# raio

 

v

=

12 h

3 , 87

#

10

3

m / s =

2

#

3 1416

,

# r

12

#

3600 s

 

r

= 87

3

,

#

10

3

#

12

#

3600

   
 

m

 

2

#

3 1416

,

 

r

= 2 66

,

#

10

7

m

 

Distância d do satélite ao solo:

 

d

=

2

,

66

#

10

7

m

-

,

6 4

#

10

6

m

 

=

2

,

66

#

10

7

m

-

,

6 4

#

10

10

# 10

6

m

=

2

66

#

10

7

m

-

0 64

#

10

7

m

=

(

,

2 66

-

0 64

) #

,

10

7

m

 

=

,

2 02

,

#

,

10

7

m

 

Cálculo do tempo t que demora o sinal a chegar ao receptor na Terra, tendo

em conta que se propaga à velocidade da luz, c:

 
 

d

v

=

 

t

t

=

d

v

2

,

02

#

10

7

m

 

=

3

,

0

#

10

8

/

m s

=

0 067 s

,

 

Estimar um valor aproximado para a solução é fundamental para estar atento a qualquer lapso ou erro. Por exemplo, neste item, o tempo que demora o sinal a chegar à Terra tem de ser “muito pequeno”. Não faria qualquer sentido se fosse da ordem de grandeza de dezenas de segundos ou qualquer outro valor superior

para a resolução de itens de exames

para a resolução de itens de exames Separar em fases e explicar o raciocínio 5. O
para a resolução de itens de exames Separar em fases e explicar o raciocínio 5. O

Separar em fases

para a resolução de itens de exames Separar em fases e explicar o raciocínio 5. O

e explicar o raciocínio

de itens de exames Separar em fases e explicar o raciocínio 5. O processo de síntese
de itens de exames Separar em fases e explicar o raciocínio 5. O processo de síntese

5. O processo de síntese industrial do amoníaco, desenvolvido pelos químicos alemães Haber e Bosch, no início do século XX, permitiu obter, em larga escala, aquela substância, matéria-prima essencial no fabrico de adubos químicos.

A síntese do amoníaco, muito estudada do ponto de vista do equilíbrio químico, pode ser representada por:

 

N 2 (g) + 3 H 2 (g)

Þ 2 NH 3 (g)

H < 0

5.1. Considere que se fez reagir, na presença de um catalisador, 0,500 mol de N 2 (g) e 0,800 mol de

10
10

H 2 (g), num recipiente com o volume de 1,00 dm 3 . Admita que, quando o equilíbrio foi atingido, à temperatura T , existiam no recipiente, além de N 2 (g) e H 2 (g), 0,150 mol de NH 3 .

Calcule o rendimento da reacção de síntese.

 

Apresente todas as etapas de resolução.

 
5 5.1. início no equilíbrio 0,500 mol de N 2 ? mol de N 2
5
5.1.
início
no equilíbrio
0,500 mol de N 2
? mol de N 2
0,800 mol de H 2
? mol de H 2
0 mol de NH 3
0,150 mol de NH 3
V = 1,00 dm 3
V = 1,00 dm 3
Relação entre as quantidades das diversas espécies químicas no equilíbrio:
1
mol
3 mol
2 mol
O reagente limitante é o H 2 , porque devia haver 3 mol de H 2 por cada mol de N 2
(no início, para 0,500 mol de N 2 devia haver 3 # 0,5 mol = 1,5 mol de H 2
e só há 0,800 mol).
Se todo o H 2 tivesse reagido, a quantidade de NH 3 que se deveria formar seria:
3 mol de H
0 800
,
2
=
2 mol de NH
3 n
2
n = 0
, 800 #
3
= 0 5333 mol
,
Portanto, se a reacção fosse completa, teríamos:
N
(g)
+ 3 H
(g)
"
2 NH (g)
2
2
3
<0,500 mol
0,00 mol
0,533 mol
(esgotar-se-ia!)
Na realidade, no equilíbrio, tem-se:
N
(g)
+ 3 H
(g)
?
2 NH (g)
2
2
3
0,150 mol
(quantidade adequada
ao valor da constante
de equilíbrio)
Como se formou apenas 0,150 mol de NH 3 , o rendimento da reacção (percentagem
de produto que se obtém face ao máximo que se poderia obter se a reacção
fosse completa) é:
0
, 150 mol
#
100 =
28, 1%
0 5333 mol
,

Alguns problemas exigem a determinação de valores intermédios.

É sempre útil identificar as diversas fases de cálculo, explicando de modo simples o que se faz em cada fase. Escrever (tal como esquematizar!)

ajuda a pensar

correctamente é sempre algo muito útil!

e pensar

Analisar a solução para ver se “faz sentido”

e pensar Analisar a solução para ver se “faz sentido” 4.5.2. Suponha que um balão de

4.5.2. Suponha que um balão de observação está em repouso, a uma altitude de 50 m acima

do mar. Uma pessoa no interior da barquinha do balão lança um objecto, na horizontal,

com velocidade inicial de módulo v 0 = 20,0 m s 1 .

Calcule o módulo da velocidade do objecto quando este atinge a superfície da água. Despreze a resistência do ar. Apresente todas as etapas de resolução.

15
15
do ar. Apresente todas as etapas de resolução. 15 4.5.2. aceleração = 10 (m/s)/s alcance equações

4.5.2.

aceleração = 10 (m/s)/s alcance equações das coordenadas do objecto, no referencial indicado:
aceleração = 10 (m/s)/s
alcance
equações das coordenadas do objecto,
no referencial indicado:

referencial em que se escrevem as equações do movimento

instante inicial = instante de lançamento

velocidade de lançamento = 20 m/s

50 m de altura

componente horizontal da velocidade = constante

componente vertical da velocidade:

cada vez maior, para baixo

y

O

x

água

velocidade quando atinge a água = ?

equações das componentes escalares da velocidade do objecto, no referencial indicado:

x
*

y

= 20

t

 

1

2

=

50 +

2 ^ - 10

h t

)

v

x

= 20

v

y

=- 10

t

ao fim de 3,16 s,

 

as componentes da velocidade valem:

,

# 3 16

=-

31 6

,

a magnitude da velocidade é, pois:

quando atinge o solo, tem-se:

alcance

=

+

=

20

t

solo

* 0

= 50

1 2 ^

- 10

h

alcance

20

t

solo

)

50

= 5 t

alcance

) t

= 20

 

solo

= 3 16

,

s

2

v

) v

x

= 20

 

t

solo

y

=-

10

solo

v =

20

2

+

31, 6

2

=

37, 4 m/s

Uma vez obtida uma solução, esta deve ser analisada para ver se é coerente com o

resultado já estimado e se está expressa nas unidades adequadas. Não esquecer: nunca se

resolve um problema

a solução”, claro que de modo aproximado!

Ou seja, deve-se sempre verificar se o valor obtido não é disparatado! Por exemplo, neste problema, a velocidade no solo tem de ser maior do que no balão… mas não pode ser “muito maior” porque a altura do balão não é “muito elevada”.

sem “saber previamente

Itens dos exames de 2010 a 2006, por Unidade de Ensino

Classificação dos itens (entre parêntesis, a respectiva cotação na escala de 0 a 200):

RR, resposta restrita (elaboração de um texto) EMc, escolha múltipla, com cálculo EMd, escolha múltipla, directa RC, resposta curta C, cálculo VF, verdadeiro-falso

   

Química 10.º ano

 

Química 10.º ano Física 10.º ano

 
   

U1

 

U2

 

U1

 

U2

Das estrelas ao átomo

Na atmosfera da Terra: radiação, material e estrutura

Do Sol ao aquecimento

Energia em movimentos

 

4.1

EMd (5)

4.3

EMd (5)

1.5 EMc (5) (a energia no aquecimento/arrefeci-

1.4

EMd (5)

(configurações electrónicas)

(energia de ligação)

(conservação de energia mecânica)

4.2

RR (10)

4.4

RC (5)

mento de sistemas)

2.3

RR (10)

(relacionar energia de ionização de elementos do mesmo período da TP)

(representar moléculas com notação de Lewis)

2.5

RR (15)

(trabalho realizado pela força graví- tica)

(transferência de calor por convec-

2010

1

6.1

EMd (5)

4.5

RC (5)

ção)

2.4

C (10)

(incerteza da medida)

(volume molar, análise de gráficos)

(trabalho realizado por forças não conservativas)

 

5.4

EMd (5)

(reacções na atmosfera)

 

5.5

RR (10)

(características dos CFC)

 

2.3

RC (5)

1.3

C (10)

3.1.1

RR (10)

5.1.1

C (10)

(configuração electrónica)

(volume de gases e quantidade quí-

(análise de gráficos, capacidade tér- mica mássica)

(trabalho de forças não conservati- vas)

2.4

RR (10)

mica)

 

(relacionar raio atomico de elementos do mesmo período da TP)

1.5

EMd (5)

3.3

RC (5)

5.1.2

EMd (5)

(fórmula de estrutura de compostos

(balanço energético; utilização de máquina calculadora para regressão

linear)

(não conservação de energia mecâ- nica)

3.1.2

EMd (5)

orgânicos)

 

2010

(interpretação de gráficos; ponto de

4.4

EMd (5)

 

5.1.3

EMd (5)

2

ebulição)

(ligação covalente)

3.4

RC (5)

(trabalho realizado pela força graví- tica)

3.2

RC (5)

(condutividade térmica)

(densidade)

4.2

EMd (5)

 

(energia interna de sistemas isola-

dos)

5.2

EMc (5)

(potência em painéis fotovoltaicos)

 

1.1

EMd (5)

5.4

RC (5)

5.2.1

C (20)

3.1

EMd (5)

(transições electrónicas)

(nomenclatura de compostos orgâ-

(energia transferida sob a forma de calor, rendimento)

(relacionar valores de energia ciné- tica)

1.2

RR (10)

nicos)

 

(espectro de absorção)

6.1.2

C (10)

5.2.2

EMd (5)

3.2

EMd (5)

1.3

RR (10)

(concentração de uma solução)

(capacidade térmica mássica)

(relacionar valores de energia poten- cial)

(espectro dos elementos)

6.2.3

C (10)

 

2009

1

1.4

(concentração e diluição)

3.4

EMc (5)

EMd (5)

(reacções nucleares)

(trabalho realizado pela força graví- tica)

 

1.5.1

EMd (5)

(relacionar energia de ionização de elementos do mesmo período da TP)

3.5

(variação de energia cinética)

EMd (5)

3.6

RR (10)

1.5.2

(constituição atómica)

RR (5)

(relacionar valores de energia ciné- tica)

 

4.1

EMd (5)

1.3.1

EMc (5)

 

3.1

RC (5)

6.2 EMd (5) (bola saltitona, trabalho experimen- tal)

(espectro do átomo de hidrogénio)

(concentrações de iões em solução)

(mecanismo de transferência de

4.2

EMc (5)

1.3.2

EMc (5)

 

energia)

(energia de ionização do átomo de

(concentração)

3.2

RC (5)

6.3

RR (10)

hidrogénio)

1.4.2 C (20)

(condutividade térmica)

(não conservação de energia mecâ-

2009

4.3

C (10)

(concentração mássica)

3.3

EMc (5)

nica)

2

(transição electrónica em átomos de

H)

(relacionar condutividade térmica de metais

6.4

(bola saltitona, trabalho experimen-

C (10)

3.4

EMd (5)

tal)

(relacionar temperatura e compri- mento de onda de uma radiação)

 

2.1

EMd (5)

2.2.1

EMd (5)

 

4.1

EMd (5)

3.1.1

EMc (5)

(configuração electrónica e números

(volume de gases)

(painel fotovoltaico)

(relacionar valores de energia poten-

quânticos)

2.2.2

C (10)

 

4.2

RR (10)

cial)

6.1

EMd (5)

(volume molar e número de molécu- las)

(efeito da absorção da radiação na temperatura)

3.1.2

EMd (5)

(valor mais provável)

(conservação de energia mecânica)

2008

1

6.2

C (20)

 

5.1

EMd (5)

3.1.3

EMd (5)

(determinar densidade de um sólido)

(condutividade e capacidade térmica)

(trabalho realizado pela força graví-

 

6.3

EMd (5)

5.2

C (10)

tica)

(medição directa e indirecta)

(capacidade térmica mássica)

Itens dos exames de 2010 a 2006, por Unidade de Ensino

Classificação dos itens (entre parêntesis, a respectiva cotação na escala de 0 a 200):

RR, resposta restrita (elaboração de um texto) EMc, escolha múltipla, com cálculo EMd, escolha múltipla, directa RC, resposta curta C, cálculo VF, verdadeiro-falso

   

Química 11.º ano

 

Química 10.º ano Física 11.º ano

 
   

U1

 

U2

 

U1

 

U2

Produção e controlo: a síntese industrial do amoníaco

Da atmosfera ao Oceano: solu- ções da Terra e para a Terra

Movimentos na Terra e no Espaço

Comunicações

 

5.1

C (10)

6.2.1 cálculo (20) (titulação)

1.1

RC (5)

1.6

EMd

(5)

(equílibrio químico)

(força e aceleração gravítica)

(reflexão de ondas)

5.2

RC (5)

6.2.2

RR (10)

1.2 EMd (5) (força e aceleração gravítica)

3.1

EMd (5)

(calculadora gráfica)

(indicadores)

 

(linhas de campo magnético)

5.3

EMd (5)

 

1.3

EMd (5)

3.2

EMd (5)

2010

(princípio de Le Chatelier)

(força e aceleração gravítica)

(acção de campo magnético sobre

1

2.1

EMd (5)

agulhas magnéticas)

(interpretar gráficos)

3.3

RC (5)

2.2

EMd (5)

(experiência de Oersted)

(1.ª lei de Newton)

3.4

C (10)

(análise de gráficos, comprimento de onda)

 

2.2

C (10)

1.1

RC (5)

 

6.1.1

RR (10)

3.5

EMc (5)

(cálculos estequiométricos)

(acidez da água do mar)

(movimentos rectílineos acelerados e

(velocidade de propagação de radia- ção)

4.1

RR (15)

1.2

EMc (7)

 

uniformes)

 

(principio de Le Chatelier)

(relacionar pH com concentração de

6.1.2

C (20)

5.3

RR (10)

4.3

EMc (5)

H

3 O + )

(determinação do valor de g)

(propagação de um sinal sonoro)

2010

(energia de ligação)

1.4

EMd (5)

 

6.2

EMd (5)

2

(conservação de massa numa reac- ção química)

(força e aceleração gravítica)

2.1

EMc (5)

 

(solubilidade)

2.5

RC (5)

(poder redutor dos metais)

 

5.1

EMd (5)

5.3

EMd (5)

 

3.3

EMd (5)

2.1

C (10)

(reacções completas)

(números de oxidação)

(resultante de forças)

(análise de gráfico, lei de Snell)

6.1.1

EMd (5)

4.1

EMd (5)

2.2

RR (10)

(pares ácido-base conjugados)

(análise de gráfico de movimento)

(difracção da radiação)

6.1.2

C (10)

4.2

RR (10)

(concentração de soluções e pH)

(trabalho experimental, forças e

2009

6.2.1

EMd (5)

movimento)

 

1

(seleccionar material de laboratório)

4.3

RR (20)

6.2.2

RR (10)

 

(seleccionar indicadores)

(trabalho experimental, forças e movimento)

 

1.4.2

C (20)

 

1.1 EMd (5) (mineralização e desmineralização

2.1

EMd (5)

2.3

EMd (5)

(cálculo estequiométrico)

(análise de gráficos, movimentos)

(características da radiação)

5.1

C (10)

das águas)

 

2.2.1

RR (10)

2.4

EMd (5)

(cálculo estequiométrico, rendimento)

1.2

(mineralização e desmineralização das águas)

RR (20)

(GPS)

(modulação em amplitude)

5.2

EMd (5)

2.2.2

EMc (5)

2.5

RC (5)

2009

(principio de Le Chatelier)

(velocidade de um satélite do sistema

(força electromotriz, análise de grá- fico)

1.4.1

RC (5)

GPS)

2

(poder redutor dos metais)

2.2.3

C (10)

2.6

EMd (5)

(movimento de um satélite do siste- ma GPS)

(propagação do som)

6.1

RC (5)

(trajectória, trabalho experimental)

 

1.4 C (20) (cálculo estequiométrico)

1.1

RC (5)

 

3.1.4

C (20)

4.3.1

RR (20)

(espécie redutora)

(equações do movimento)

(fibras ópticas)

2.3.1

EMc (5)

 

1.2

EMd (5)

 

3.2

VF (10)

4.3.2

EMd (5)

(quociente de reacção)

(formação de ácidos por dissolução

(movimento do pára-quedista, veloci- dade terminal)

(refracção da luz)

2008

2.3.2

RR (10)

 

de gases)

 

1

(principio de Le Chatelier)

1.3

EMc (5)

 

(determinação de pH)

Itens dos exames de 2010 a 2006, por Unidade de Ensino

Classificação dos itens (entre parêntesis, a respectiva cotação na escala de 0 a 200):

RR, resposta restrita (elaboração de um texto) EMc, escolha múltipla, com cálculo EMd, escolha múltipla, directa RC, resposta curta C, cálculo VF, verdadeiro-falso

   

Química 10.º ano

 

Química 10.º ano Física 10.º ano

 
   

U1

 

U2

 

U1

 

U2

 

Das estrelas ao átomo

Na atmosfera da Terra: radiação, material e estrutura

Do Sol ao aquecimento

Energia em movimentos

 

3.2.1

EMd (5)

4.2

C (10)

1.2

RC (5)

2.3

C (20)

(propriedades químicas de elementos na TP)

(concentração)

 

(efeito estufa)

(não conservação de energia mecâ-

4.3.1

EMc (5)

1.3

EMd (5)

nica)

3.2.2

RR (20)(espectro do átomo

(concentração e diluição)

(albedo)

6 C (20) (transferências de energia e trabalho da força gravítica)

de hidrogénio)

 

6 C (20) (transferências de energia e trabalho da força gravítica)

2008

4.1.1

RC (5)

 

2

(incerteza de leitura)

 

4.1.2

EMd (5)

 

(trabalho experimental)

 

4.3.2

EMd (5)

(seleccionar material)

 
 

1.1

RR (10)

 

2.1

EMc (8)

3.1

C (12)

4.2.1

EMc (5)

(reacções nucleares)

 

(concentração e volume molar)

(rendimento de um painel solar)

(conservação de energia mecânica)

1.2

EMd (8)

 

2.2

RR (12)

3.2

RR (12)

4.2.2 EMd (8) (conservação de energia mecânica)

(espectros das estrelas)

 

(CFC e destruição do ozono)

(mecanismo de condução)

2007

2.4

EMd (8)

 

2.3

VF (10)

 

1

(configuração electrónica

)

(ligação química)

 
 

2.2.1

EMd (8)

 

1.1

RR (10)

3.1

EMd (8)

(configuração electrónica e números quânticos)

(energias renováveis)

(trabalho da força gravítica)

1.2

EMd (8)

3.2

EMc (8)

2.2.2

EMd (8)

(efeito estufa)

(conservação de energia mecânica)

2007

(transições electrónicas no átomo de

hidrogénio)

3.3

(não conservação de energia mecâ- nica)

C (14)

2

2.2.3

EMd (8)

(energia de remoção)

   

2.2.4

RR (10)

(energia de ionização ao longo de um grupo da TP)

 

1.6

VF (8)

 

1.1

EMc (7)

 

4.1

EMc (7)

(tabela periódica)

 

(concentração)

 

(variação de energia potencial graví- tica)

 

1.4

C (15)

(concentração)

 

4.2

C (15)

3.3

EMc (7)

(variação de energia potencial gravíti- ca e equações do movimento)

2006

(número de moléculas)

1

3.5

4.5

RR (8)

EMd (7)

(geometria molecular)

(força de atrito)

 

1.1

EMd (7)

 

2.2.1

EMc (7)

 

1.4.1

RC (6)

4.5.3

EMd (7)

(origem do universo)

 

(concentração)

(lei de Wien)

(conservação e não conservação de

1.2

EMd (7)

   

1.4.2

EMc (7)

energia mecânica)

(Big Bang)

(lei de Wien)

1.3

EMd (7)

1.6

C (15)

2006

(reacções nucleares)

 

(painéis fotovoltaicos)

2

1.4.3

RR (14)

(espectro dos elementos)

 

1.5

VF (8)

 

(efeito fotoeléctrico)

 

Itens dos exames de 2010 a 2006, por Unidade de Ensino

Classificação dos itens (entre parêntesis, a respectiva cotação na escala de 0 a 200):

RR, resposta restrita (elaboração de um texto) EMc, escolha múltipla, com cálculo EMd, escolha múltipla, directa RC, resposta curta C, cálculo VF, verdadeiro-falso

   

Química 11.º ano

 

Química 10.º ano Física 11.º ano

 
   

U1

 

U2

 

U1

 

U2

Produção e controlo: a síntese industrial do amoníaco

Da atmosfera ao Oceano: solu- ções da Terra e para a Terra

Movimentos na Terra e no Espaço

Comunicações

 

3.1.1

EMd (5)

3.2.3

EMd (5)

 

1.4

EMc (5)

 

1.1

RR (10)

(restabelecimento de um equilíbrio químico)

(identificar ácidos e bases)

(força gravitacional)

(propagação do som)

5.1

EMc (5)

 

1.5

EMd (5)

 

2.4.1

EMd (5)

3.1.2

C (10)

(solubilidade)

(velocidade vs tempo de queda em

(força electromotriz)

(constante de equilíbrio)

5.2

C (10)

dois planetas)

 

2.4.2

RR (10)

2008

(pH e concentração)

2.1

EMd (5)

(modulação de um sinal eléctrico)

2

(par acção-reacção, 3.ª lei de Newton)

2.2

VF (10)

 

(movimento circular uniforme, movi- mento de satélites)

 

6.1

EMd (8)

 

2.5.1

EMd (8)

 

4.1

C (14)

 

5.1.1

EMd (8)

(equilíbrio químico)

(acidez da água)

(lançamento horizontal)

(funcionamento das fibras ópticas)

6.2

C

(1)

2.5.2

cálculo (12)

4.2.3

EMd (8)

 

5.1.2

EMc (8)

(cálculo estequiométrico)

(titulação)

 

(gráficos v e a vs tempo)

(refracção)

2007

2.5.3

EMd (8)

 

4.3

EMc (8)

 

5.2

RR (10)

1

(números de oxidação)

(equações de movimento)

(propriedades das microondas)

 

2.1

C

12

6.1.1

C

14

4.1

EMc (8)

 

5.1

VF (10)

(cálculo estequimétrico)

(pH)

(força gravitacional)

(propagação do som)

6.1.2

RR

10

4.2

EMd (8)

 

5.2

RR (12)

(carácter químico de sais)

(velocidade vs tempo de queda em

(funcionamento do microfone)

6.2

EMc 8

 

dois planetas)

 

5.3

EMd (8)

2007

2

(solubilidade)

4.3

(movimento circular uniforme, movi- mento de satélites)

C (12)

(modulação)

6.3

EMd

8

(pares ácido-base)

6.4

EMd

8

 

(oxidação-redução)

 

3.1

EMd (7)

 

1.2

EMd (7)

 

2.1

C (12)

 

2.2

RR (9)

(princípio de Le Chatelier)

(mineralização e desmineralização

(equações de movimento)

(características das ondas sonoras e

3.2

C (12)

 

das águas)

 

4.2

C (15)

 

das ondas electromagnéticas)

(constante de equilíbrio)

1.3.1

RR (10)

(variação de energia potencial gravíti- ca e equações do movimento)

2.3

EMd (7)

3.4

RR (14)

 

(mineralização e desmineralização das águas)

(movimento harmónico)

2006

(equilíbrio químico, processo de Ha-

4.3

C (12)

 

1

ber Bosch)

 

1.3.2

RR (8)

 

(aceleração centrípeta)

 

(mineralização)

4.4

EMd (7)

 

1.5

(conservação de massa numa reac- ção química)

EMd (7)

(aceleração vs distância percorrida, análise de gráficos)

4.6

RR (14)

 
 

(lei do trabalho-energia)

   

2.1.1

RR (12)

 

4.1

RR (10)

 

4.5.1

EMc (7)

(pH)

(satélites geoestacionários)

(refracção)

2.1.2

EMd (7)

 

4.2

EMd (7)

 

(reacções de oxidação-redução)

(gravitação)

2.2.2

C (15)

 

4.3

EMd (7)

2006

(k w e solubilidade)

(gravitação, satélites geoestacioná-

rios)

2

3.1

EMd (7)

 

(titulação ácido-base)

4.4.1

C

(8)

3.2

selecção (8)

(movimento circular uniforme)

(selecção de material para titulação)

4.4.2

C (12)

 

(força gravitacional)

4.5.2

C (15)

 

(lançamento horizontal)

Prova Escrita de Física e Química A

10.º e 11.º Anos de Escolaridade

Prova 715/1.ª Fase

16 Páginas

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

2010

VERSÃO 1

Na sua folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

A ausência desta indicação implica a classificação com zero pontos das respostas aos itens de escolha múltipla.

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Utilize a régua, o esquadro, o transferidor e a máquina de calcular gráfica sempre que for necessário.

Não é permitido o uso de corrector. Em caso de engano, deve riscar, de forma inequívoca, aquilo que pretende que não seja classificado.

Escreva de forma legível a numeração dos itens, bem como as respectivas respostas. As respostas ilegíveis ou que não possam ser identificadas são classificadas com zero pontos.

Para cada item, apresente apenas uma resposta. Se escrever mais do que uma resposta a um mesmo item, apenas é classificada a resposta apresentada em primeiro lugar.

Para responder aos itens de escolha múltipla, escreva, na folha de respostas:

o número do item;

a letra que identifica a única opção correcta.

Nos itens de resposta aberta de cálculo, apresente todas as etapas de resolução, explicitando todos os cálculos efectuados e apresentando todas as justificações e/ou conclusões solicitadas.

As cotações dos itens encontram-se no final do enunciado da prova.

A prova inclui uma tabela de constantes na página 2, um formulário nas páginas 2 e 3, e uma Tabela Periódica na página 4.

TABELA DE CONSTANTES

Velocidade de propagação da luz no vácuo

c

= 3,00 × 10 8 m s 1

Módulo da aceleração gravítica de um corpo junto à superfície da Terra

g

= 10 m s 2

Massa da Terra

 

T = 5,98 × 10 24 kg

M

Constante de Gravitação Universal

G = 6,67 × 10 11 N m 2 kg 2

Constante de Avogadro

N

A = 6,02 × 10 23 mol 1

Constante de Stefan-Boltzmann

σ = 5,67 × 10 8 W m 2 K 4

Produto iónico da água (a 25 °C)

K

w = 1,00 × 10 14

Volume molar de um gás (PTN)

 

m = 22,4 dm 3 mol 1

V

FORMULÁRIO

Conversão de temperatura (de grau Celsius para kelvin)

T = θ + 273,15

T

– temperatura absoluta (temperatura em kelvin)

θ – temperatura em grau Celsius

 

Densidade (massa volúmica)

m

ρ = –—

V

m

– massa

V

– volume

Efeito fotoeléctrico

E rad – energia de um fotão da radiação incidente no metal

E rem – energia de remoção de um electrão do metal

E c – energia cinética do electrão removido

Concentração de solução

n – quantidade de soluto

V – volume de solução

Relação entre pH e concentração de H 3 O +

E rad = E rem + E c

n

c = –—

V

pH = –log Ö [H 3 O + ] /mol dm 3 ×

1.ª Lei da Termodinâmica U – variação da energia interna do sistema (também representada por E i )

U = W +Q +R

W

– energia transferida entre o sistema e o exterior sob a forma de trabalho

Q – energia transferida entre o sistema e o exterior sob a forma de calor

 

R – energia transferida entre o sistema e o exterior sob a forma de radiação

Lei de Stefan-Boltzmann

P = e σ AT 4

P

– potência total irradiada por um corpo

e

– emissividade

σ – constante de Stefan-Boltzmann

 

A

– área da superfície do corpo

T

– temperatura absoluta do corpo

Energia ganha ou perdida por um corpo devido à variação da sua temperatura

E = mc T

m – massa do corpo

c – capacidade térmica mássica do material de que é constituído o corpo

T – variação da temperatura do corpo

Taxa temporal de transmissão de energia como calor

Q – energia transferida através de uma barra como calor, no intervalo de tempo t

k – condutividade térmica do material de que é constituída a barra

A – área da secção recta da barra

– comprimento da barra T – diferença de temperatura entre as extremidades da barra

Trabalho realizado por uma força constante, F , que actua sobre um corpo em movimento rectilíneo

d – módulo do deslocamento do ponto de aplicação da força α – ângulo definido pela força e pelo deslocamento

Q

–— t

= k

A

–—

T

W = Fd cos α

Energia cinética de translação

m – massa

v – módulo da velocidade

Energia potencial gravítica em relação a um nível de referência

E c =

1

–—

2

mv 2

E p = m g h

m – massa

g – módulo da aceleração gravítica junto à superfície da Terra

h – altura em relação ao nível de referência considerado

Teorema da energia cinética

W = E c

W – soma dos trabalhos realizados pelas forças que actuam num corpo, num determinado intervalo de tempo

E c – variação da energia cinética do centro de massa do corpo, no mesmo intervalo de tempo

Lei da Gravitação Universal

F g = G

–—–— m 1 m 2 r 2

F g – módulo da força gravítica exercida pela massa pontual m 1 (m 2 )

na massa pontual m 2 (m 1 )

G – constante de gravitação universal

r – distância entre as duas massas

2.ª Lei de Newton

F = ma

F – resultante das forças que actuam num corpo de massa m

a – aceleração do centro de massa do corpo

Equações do movimento unidimensional com aceleração constante

x = x 0 +v 0 t +

x

– valor (componente escalar) da posição

v = v 0 + at

v

– valor (componente escalar) da velocidade

a

– valor (componente escalar) da aceleração

t

– tempo

 

v 2

–—

Equações do movimento circular com aceleração de módulo constante

a c =

r

a c – módulo da aceleração centrípeta

v – módulo da velocidade linear

v =

––— 2 π r

T

1

2

r – raio da trajectória

T – período do movimento

ω – módulo da velocidade angular

Comprimento de onda

v

– módulo da velocidade de propagação da onda

f

– frequência do movimento ondulatório

Função que descreve um sinal harmónico ou sinusoidal

A – amplitude do sinal

ω – frequência angular

t – tempo

2 π

 

––—

ω =

T

v

λ =

–—

f

y =A sin (ω t )

Fluxo magnético que atravessa uma superfície de área A em que existe um campo magnético uniforme B α ângulo entre a direcção do campo e a direcção perpendicular à superfície

Força electromotriz induzida numa espira metálica

Φ m = B A cos α

|ε i | =

| Φ m | –––—— t

Φ m – variação do fluxo magnético que atravessa a superfície delimitada pela espira, no intervalo de tempo t