Você está na página 1de 7

Parte

4 Relatórios das atividades laboratoriais


Relatório das atividades laboratoriais

AL 1.1  Movimento num plano inclinado: variação da energia cinética e distância

OBJETIVO GERAL
Estabelecer a relação entre variação da energia cinética e distância
percorrida num plano inclinado e utilizar processos de medição e de
tratamento estatístico de dados.
A realização da atividade laboratorial proposta irá permitir estudar o
movimento de um corpo que percorre diferentes distâncias ao longo de
um plano inclinado. A determinação da velocidade de um carrinho no final
de uma rampa, após ter sido abandonado com velocidade nula de
diferentes alturas relativamente à base da rampa, permitirá estabelecer
a relação entre a variação da energia cinética e a distância percorrida.
A energia pode passar de um sistema para outro, ocorrendo transferência de energia, ou passar a
manifestar-se de uma forma diferente, afirmando-se então que há transformação de energia. Quando
um corpo se move ao longo de um plano inclinado, parte da sua energia potencial transforma-se,
gradualmente, em energia cinética, cujo valor está associado à sua massa e velocidade, outra parte
dissipa-se devido ao atrito e à resistência do ar.

PARTE I  Preparação da atividade laboratorial


O que é preciso saber…

1 P
 ara determinar a energia cinética do centro de massa de um corpo, num dado instante, que
grandezas físicas é necessário medir? Classifique-as em medições diretas ou indiretas.
A massa do corpo [medição direta] e a velocidade do corpo no instante considerado (velocidade
instantânea) [medição indireta].

2 U
 m carrinho percorre uma trajetória retilínea, no sentido descendente, após ser abandonado
no cimo de uma rampa. Refira, justificando, como varia a energia cinética do centro de massa
do carrinho com a distância percorrida:
a) na interface de contacto, considerando o atrito desprezável;
A energia cinética aumenta com a distância percorrida, porque durante a descida o valor da
velocidade do carrinho aumenta.
b) na interface de contacto, considerando a existência de atrito.
A energia cinética aumenta com a distância percorrida, porque durante a descida o valor da
velocidade do carrinho aumenta. No entanto, a variação da energia cinética é inferior à que seria na
ausência de atrito.

3 Q
 ual é a expressão que traduz a relação entre a variação de energia cinética (DEc) e a distância (d)
percorrida pelo carrinho, à medida que este desce a rampa? Justifique a sua resposta.
A soma dos trabalhos realizados pelas forças aplicadas no carrinho é igual à variação de energia
cinética do centro de massa do carrinho (Teorema da Energia Cinética ou Trabalho-Energia):
WF = DEc
R

O trabalho da resultante das forças que atuam no carrinho calcula-se:


WF = FR Dx cosa
R

142 + Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana

565577 141-182 P4 AL.indd 142 11/03/15 12:10


Parte

4
Como o movimento de translação ocorre ao longo de uma trajetória retilínea, sem inversão de sentido, o
valor do deslocamento coincide com a distância percorrida, Dx = d
Assim, DEc = FR d cos a, o que significa que a variação da energia cinética é diretamente proporcional

Relatório das atividades laboratoriais


à distância percorrida, sendo a constante de proporcionalidade FR cos a (intensidade da componente
eficaz da força resultante).

4 S
 elecione o gráfico que pode representar a variação da energia cinética do centro de massa do
carrinho (DEc) em função da distância (d) percorrida à medida que este desce a rampa. Justifique
a sua resposta e identifique a variável dependente e a variável independente.
A B C D
DEc d DEc DEc

0 0 DEc 0 0
d d d

Gráfico A: A variação de energia cinética do centro de massa do carrinho, DEc, e a distância, d,


percorrida pelo mesmo são grandezas diretamente proporcionais. A variável dependente é a variação de
energia cinética (eixo dos yy) e a variável independente é a distância percorrida (eixo dos xx).
u1p69h1 u1p69h2 u1p69h3 u1p69h4
5 N
 a medição de algumas das grandezas foram utilizados os seguintes instrumentos: balança
eletrónica, fita métrica e craveira. A balança permitiu medir até à décima de grama e a fita
métrica permitiu medir até à décima de centímetro. A craveira tinha como menor divisão da
escala 0,05 mm.
 lassifique cada um dos instrumentos de medida em analógico ou digital e indique a incerteza
C
absoluta de leitura.
Balança eletrónica: digital; Incerteza absoluta de leitura: ! 0,1 g;
Fita métrica: analógico; Incerteza absoluta de leitura: ! 0,5 mm;
Craveira*: analógico; Incerteza absoluta de leitura: ! 0,05 mm.
*A craveira analógica é uma exceção aos instrumentos analógicos; a incerteza absoluta de leitura
coincide com a menor divisão do nónio.

6 A
 tabela ao lado apresenta o registo de alguns valores, em unidades SI, da Dt
medição do tempo de passagem por uma célula fotoelétrica de um corpo 9,831 × 10-3
(carrinho) largado sempre da mesma posição e com a mesma velocidade
9,830 × 10-3
inicial.
9,833 × 10-3
6.1 Apresente o valor do tempo de passagem, a incerteza absoluta de
observação associada e a incerteza relativa em percentagem.
O valor mais provável para o tempo de passagem é 9,831 × 10-3. A incerteza absoluta de observação
é ! 0,02 × 10-3 e a incerteza relativa é 0,02 %. Os valores dos tempos de passagem podem ser
expressos : (9,831 ! 0,0023) × 10-3 s ou 9,831 × 10-3 s ! 0,02 %
6.2 Comente, quanto à precisão, as medidas obtidas.
As medidas obtidas são precisas tendo em conta a baixa dispersão (incerteza relativa muito inferior
a 1 %) das medidas em torno do valor médio.
6.3 Justifique o facto de terem sido realizadas três medições.
Com a repetição de uma medição, pretende-se aumentar a confiança no valor mais provável (valor
médio) do conjunto de dados (amostra) e conhecer como as medidas se distribuem em torno desse
valor médio (dispersão).

+ Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana 143

565577 141-182 P4 AL.indd 143 11/03/15 12:10


Parte

4
7 P
 ara investigar como varia a energia cinética de um corpo com a distância percorrida sobre uma
rampa, é necessário recorrer a uma montagem que permita medir a velocidade desse corpo no
final da rampa. Refira as condições em que a velocidade num dado instante (velocidade
Relatório das atividades laboratoriais

instantânea) se aproxima de uma velocidade média, sabendo que na sua determinação utiliza
Dx
a expressão v = .
Dt
Se garantirmos que a passagem (do marcador) pela célula fotoelétrica é feita num intervalo de tempo
suficientemente pequeno (dimensão reduzida do marcador), a velocidade do corpo mantém-se
praticamente constante. Deste modo, a velocidade num dado instante (velocidade instantânea) é
praticamente igual à velocidade média.

Refletir e construir o procedimento experimental…

Um método para determinar a velocidade instantânea consiste em utilizar uma célula fotoelétrica
ligada a um cronómetro digital que mede o tempo de passagem de um objeto pela célula.

I II

Cronómetro digital Cronómetro digital

1 Diga como proceder, utilizando este método, para medir o módulo da velocidade instantânea.
U1P70H1 U1P70H2
 UGESTÃO: Comece por considerar se deve medir o tempo de passagem para a situação I ou para a situação
S
II pela célula fotoelétrica.

Como se pretende medir a velocidade instantânea, deve-se selecionar o menor intervalo de tempo possível
e medir a distância percorrida pelo carrinho nesse intervalo de tempo. O tempo de passagem pela célula na
situação II é menor do que o tempo de passagem na situação I, atendendo ao diâmetro (D) de cada objeto.
Com o cronómetro mede-se o tempo de passagem do objeto, o qual coincide com o tempo que o carrinho
demora a percorrer a distância equivalente ao diâmetro do objeto. Mede-se o diâmetro do objeto.
Calcula-se a velocidade instantânea, pelo quociente entre o diâmetro e o intervalo de tempo de passagem,
D
v= .
Dt

2 Um
 dos métodos possíveis para construir o gráfico
da variação da energia cinética do centro de massa do
carrinho (DEc) em função da distância (d) percorrida
consiste em:
•  Fazer uma montagem experimental semelhante à
descrita na figura seguinte.
Cronómetro digital
•  Manter constante a inclinação da rampa.
•  Selecionar e medir a massa de um carrinho.
•  Medir a largura do marcador que atravessa a célula fotoelétrica.
U1P70H3

•  Garantir que a célula é colocada perpendicularmente à direção do movimento e exatamente na


posição onde se pretende medir o tempo, de modo a minimizar os erros nas estimativas do tempo.
•  Medir, para uma dada distância, o intervalo de tempo de passagem do objeto marcador pela
célula fotoelétrica (repetir este procedimento pelo menos três vezes).
•  Realizar, no mínimo, cinco ensaios correspondentes a cinco distâncias diferentes.

144 + Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana

565577 141-182 P4 AL.indd 144 11/03/15 12:10


Parte

4
3 Explique a razão pela qual se deve:
a) manter fixa a posição da célula fotoelétrica no decorrer da experiência;

Relatório das atividades laboratoriais


Do ponto de vista experimental, é mais fácil controlar a posição de abandono do corpo do que
a posição do sensor da célula.
b) manter constantes a inclinação da rampa e a massa do carrinho;
A massa e a inclinação são variáveis de controlo.
c) efetuar, para cada ensaio, três medições de intervalo de tempo;
Para minimizar os erros aleatórios, aumentando a confiança no valor médio.
d) realizar, no mínimo, cinco ensaios;
Para traçar a reta de ajuste é necessário ter um número mínimo de pontos, que permita estabelecer
a função que melhor se ajusta a esse conjunto.
e) iniciar cada ensaio, com velocidade nula;
Uma vez que se utiliza apenas um sensor, se for garantido que o corpo é largado sempre a partir do
repouso a dispersão no valor da velocidade final é menor, aumentando, assim, a confiança no valor
médio da velocidade final.
f) controlar a natureza das superfícies em contacto.
É necessário controlar a natureza das superfícies em contacto de forma a permitir comparar os
resultados obtidos. Nas mesmas condições, para diferentes tipos de superfície, a variação da energia
cinética vai ser diferente.

PARTE II  Execução da atividade laboratorial


Material utilizado no procedimento experimental…

•  Plano inclinado •  Fita métrica + craveira


•  Digitímetro + célula fotoelétrica •  Balança
•  Carrinho com uma tira opaca •  Suporte universal + garras
estreita na sua parte superior
(ou outro objeto marcador)

Execução do procedimento experimental

1 E
 xecute a experiência, seguindo a metodologia descrita anteriormente, e preencha as tabelas 1
e 2 (em alternativa elabore o seu próprio procedimento experimental e as suas próprias tabelas).
 OTA: De modo a comparar resultados, os diferentes grupos deverão trabalhar com combinações de
N
planos inclinados com diferentes inclinações e utilizar carrinhos com diferentes massas, medindo a
velocidade para as mesmas distâncias percorridas.

Registo do resultado das medições efetuadas


Tabela 1 Caracterização de cada instrumento de medida
Aparelhos de medida
Balança Fita métrica Craveira* Cronómetro
Grandeza física massa comprimento largura tempo
Menor divisão de leitura/unidade 0,1 g 1 mm 0,05 mm 1 ns
Digital/analógico Digital Analógico Analógico Digital
Incerteza absoluta de leitura/unidade ! 0,1 g ! 0,5 mm ! 0,05 mm !1 ns
* NOTA: A craveira analógica é uma exceção aos instrumentos analógicos; a incerteza absoluta de leitura coincide
com a menor divisão do nónio.

+ Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana 145

565577 141-182 P4 AL.indd 145 11/03/15 12:10


Parte

4
Tabela 2 Registo das medições diretas e indiretas que permitem estabelecer a relação entre a variação
da energia cinética e a distância percorrida num plano inclinado
Relatório das atividades laboratoriais

Medições diretas Medições indiretas

Largura
Massa do Distância Tempo de Tempo
do objeto Desvio Incerteza de Energia
Posição carrinho percorrida passagem médio de Velocidade
marcador máximo observação/ cinética
n m/kg dn/m Dt/s passagem v/m s-1
L*/m |Dt -Dti| /s Ec/J
! 0,0001 ! 0,0005 ! 0,000001 Dt/s
! 0,00005

3,2633E-02
1 0,1000 3,2633E-02 3,2532E-02 2,03E-04 2E-04 2,167E-01 2,382E-02
3,2329E-02
2,2443E-02
2 0,2000 2,2326E-02 2,2362E-02 8,1E-05 8E-05 3,153E-01 5,042E-02
2,2318E-02
1,7828E-02
3 0,3000 1,7776E-02 1,7749E-02 1,06E-04 1E-04 3,9721E-01 8,003E-02
1,7643E-02
1,5711E-02
4 0,4000 1,5697E-02 1,5734E-02 6,0E-05 6E-05 4,481E-01 1,018E-01
1,5794E-02
1,3802E-02
5 0,5000 1,3832E-02 1,3838E-02 4,2E-05 4E-05 5,095E-01 1,317E-01
1,3880E-02
1,0145 0,00705
1,2581E-02
6 0,6000 1,2556E-02 1,2601E-02 6,4E-05 6E-05 5,595E-01 1,588E-01
1,2665E-02
1,1430E-02
7 0,7000 1,1971E-02 1,1766E-02 3,36E-04 3E-04 5,992E-01 1,821E-01
1,1898E-02
1,1135E-02
8 0,8000 1,1130E-02 1,1132E-02 3E-06 3E-06 6,333E-01 2,034E-01
1,1132E-02
1,0487E-02
9 0,9000 1,0481E-02 1,0485E-02 4E-06 4E-06 6,724E-01 2,293E-01
1,0488E-02
9,831E-03
10 1,0000 9,830E-03 9,831E-03 2E-06 2E-06 7,171E-01 2,608E-01
9,833E-03

146 + Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana

565577 141-182 P4 AL.indd 146 11/03/15 12:10


Parte

4
PARTE III  Análise e discussão da atividade laboratorial
1 Para cada ensaio, discuta a maior ou menor precisão na medição de intervalo do tempo de

Relatório das atividades laboratoriais


passagem na célula fotoelétrica, tendo em conta a incerteza de observação e as principais fontes
de erros aleatórios presentes.
•  Avaliar a maior ou menor precisão com base na incerteza de observação obtida.
•  Identificar erros aleatórios em cada ensaio, como, por exemplo:
— não abandonar o objeto sempre da mesma posição;
— imprimir uma velocidade inicial diferente;
— não se manter a verticalidade do objeto marcador;
— a manipulação do material pode alterar ligeiramente a fixação do sensor.

2 A partir dos resultados experimentais da tabela 2, construa o gráfico da variação da energia


cinética em função da distância percorrida pelo carrinho à medida que este desce a rampa.
SUGESTÃO: Utilize a calculadora gráfica ou folha de cálculo.

DEC /J
3,000E-01
2,500E-01
2,000E-01
1,500E-01
1,000E-01
5,000E-02

0,0000 0,2000 0,4000 0,6000 0,8000 1,0000 1,2000


Distância percorrida (d) /m

3 A linha média (reta mais provável) que se ajusta aos valores experimentais traduz a relação que
era esperada? Justifique a sua resposta.
ALU1P6H1
SUGESTÃO: Seja crítico na escolha dos valores a utilizar.

Sim. A variação de energia cinética do centro de massa do carrinho, DEc, e a distância, d, percorrida pelo
mesmo são grandezas com uma dependência linear entre si. No entanto, para avaliar se são diretamente
proporcionais é necessário discutir se o valor da ordenada na origem numa função de ajuste do tipo
y = m x + b está dentro do valor obtido por estimativa para o menor valor de energia cinética obtido.

4 Escreva a equação de regressão que melhor se ajusta aos pontos experimentais, identificando as
grandezas físicas na equação da reta.
y = m x + b, com:
y (variável dependente) — variação de energia cinética
m (declive da reta) — intensidade da força resultante
x (variável independente) — distância percorrida
b (ordenada na origem) — Caso seja positiva e superior ao algarismo obtido por estimativa do menor
valor de energia cinética, pode indicar que o pressuposto de velocidade inicial nula pode não ser válido
experimentalmente. Neste caso, b é negativo e inferior a 1 % do menor valor de energia cinética que foi
medido, pelo que pode assumir-se que o corpo partiu do repouso.
Ec = 0,2588d - 8 × 10-05 J

5 Calcule, a partir do declive da reta traçada no gráfico DEc = f(d), a intensidade da força resultante.
A energia cinética do centro de massa do carro aumenta linearmente com a distância percorrida sobre
a rampa, sendo a constante de proporcionalidade, ou seja, o declive, a intensidade da força resultante.
FR = 0,2588 N

+ Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana 147

565577 141-182 P4 AL.indd 147 11/03/15 12:10


Ec Ec Ec

Parte

4
6 T
 endo por base o gráfico A, selecione, justificando, o gráfico da energia cinética do carrinho
com a distância percorrida nos seguintes casos:
d d
Relatório das atividades laboratoriais

Ec A c c CEEc EEcc Ec E EEc Ec Ec


E E Ec E
c c c

d d d d d d
d dd d dd d
E E DEc EEcc EEcc F Ec Ec Ec
Ec Ec B c Ecc Ec

d d d dd d d d
d d d d d d
Ec E E
a) o carrinho
c
percorre a mesma distância, mas
c
numa rampa de maior inclinação;
u1p72h2
Gráfico F. A energia cinética aumenta com a distância percorrida sobre a rampa independentemente
da sua inclinação e esse aumento será tanto maior, quanto maior for a inclinação. Graficamente, a
alteração da inclinação da rampa é traduzida por uma reta com maior declive.
b) a massa do carrinho é metade ou dupla, mantendo-se a inclinação;

d
Gráfico E, para uma menor
d
massa, e gráfico F, para uma maior
d
massa. Se a massa do carrinho for
metade/dupla da inicial, a energia cinética diminui/aumenta. Graficamente, a alteração da massa é
traduzida por uma reta com menor/maior declive.
u1p72h2 u1p72h2
u1p72h2 u1p72h2
c) o carrinho, ao iniciar o movimento, já tem velocidade.
Gráfico C. Se o carrinho iniciar o movimento com uma certa velocidade, a reta representada passa
a ter uma ordenada na origem diferente de zero (a energia cinética inicial é diferente de zero), ainda
que o seu declive se mantenha constante.

7 A
 pós a realização da experiência e o tratamento dos dados, compare e discuta, com os outros
grupos, os resultados experimentais obtidos, estabelecendo a relação da variação de energia
cinética e distância percorrida num plano inclinado.
u1p72h2
A energia cinética do centro de massa do carro aumenta linearmente com a distância percorrida sobre a
rampa. Quanto maior é a distância percorrida, maior é a energia cinética.
A energia cinética aumenta, ainda, com o aumento da inclinação da rampa e com o aumento da massa
do carrinho.

DEC /J
1,400
1,200
1,000
0,8000
0,6000
0,4000
0,2000

0,000 0,200 0,400 0,600 0,800 1,000 1,200


Distância percorrida (d) /m
G1»m = 1,0145 kg G2»m = 1,5162 kg G3»m = 1,0145 kg G4»m = 1,0145 kg

148 + Física  •  Física A  •  10.o ano  •  Material fotocopiável  •  Santillana

ALU1P7H1
565577 141-182 P4 AL.indd 148 11/03/15 12:10